Fórum dos Leitores

.

O Estado de S.Paulo

13 Fevereiro 2018 | 03h00

PRESIDENCIÁVEIS

Esparrela

Luciano Huck já manifestou seu desinteresse em disputar a Presidência da República, mas políticos influentes persistem em tentar convencê-lo a aceitar essa difícil missão. Porque eles bem sabem que a classe política está desmoralizada, salvo raríssimas exceções. Huck é um homem inteligente, senão não teria chegado aonde chegou. Ele, naturalmente, já ponderou que presidente não governa sozinho, precisa de apoio da maioria do Congresso, e isso não é nada fácil. Caso a aprovação da reforma da Previdência seja adiada para a próxima legislatura, caberá ao novo presidente comandá-la, porque se não houver reforma o Brasil vai à falência. Caso Huck venha a ser candidato e seja eleito, essa terá de ser uma de suas primeiras providências. E logo se defrontará com políticos da pior espécie querendo “negociar” o apoio a essa urgente e imprescindível reforma em troca de ministérios e outros cargos públicos. É o abominável “toma lá dá cá”. E mesmo contrariado, teria de receber em audiência o dono do PR, Valdemar Costa Neto, que imporia suas condições para apoiá-lo incondicionalmente em tudo o que ele bem quisesse, bastaria entregar ao partido ministérios e cargos. Admiro o atual trabalho de Huck, espero que ele não caia nessa.

JOSÉ CARLOS DE CASTRO RIOS

jc.rios@globo.com

São Paulo

Aliança de centro

Fernando Henrique Cardoso, do alto de sua longa experiência de estadista, dá uma no cravo (Geraldo Alckmin) e outra na ferradura (Luciano Huck). O que importa para o PSDB e os demais partidos da aliança centrista é evitar que a esquerda ou a direita radical assumam novamente o poder no País. A ver o que o futuro nos reserva.

J. S. DECOL

decoljs@gmail.com

São Paulo

Polêmicas à parte

O que os políticos ainda não entenderam é que pouco nos interessa se Lula vai ser candidato ou presidiário, se Luciano Huck vai ser presidente ou apresentador, se Jair Bolsonaro é grosso ou fino. O que queremos é, simplesmente, um país eficiente, decente e melhor. Quem tem razão é a ministra Cármen Lúcia: “O cidadão brasileiro está cansado de todos nós”.

RICARDO C. SIQUEIRA

ricardocsiqueira@globo.com

Niterói (RJ)

PODERES X CIDADANIA

‘O cansaço do povo’

O editorial deste domingo com esse título (A3) merece aplausos – de pé! – de todos os cidadãos de bem deste país. É inconcebível que o Judiciário tenha chegado ao ponto a que chegou em matéria de desrespeito à Constituição da República e de burla das leis para permitir ganhos extras, indevidos, ilegais e imorais para a maioria de seus membros. Se esse é o exemplo que a magistratura dá à Nação brasileira, o que se pode esperar dos outros dois Poderes? Que moral terá esse Judiciário para julgar casos de mau uso de recursos públicos pelo Legislativo ou pelo Executivo? Está mais do que na hora de dar um basta – definitivo! – a tantos abusos, tantas mordomias e benesses, tantos penduricalhos. Chega de assaltos aos cofres públicos! Tenham vergonha do que estão fazendo. Os contribuintes merecem respeito e o Brasil precisa voltar a confiar na Justiça.

MARCOS CANDAU

mccandau@uol.com.br

São Paulo

Exaustão popular

E tudo se agravou com a atuação desconcertante do ministro Lewandowski (STF), que ao desvincular, impunemente, a cassação de uma presidenta da perda de seus direitos políticos cometeu a maior heresia constitucional da História deste país.

SERGIO S. DE OLIVEIRA

ssoliveiramsm@gmail.com

Monte Santo de Minas

Nocaute total

Estamos, sim, ministra Cármen Lúcia, cansados da ineficiência do Poder Judiciário. Na verdade, exaustos. É ministro que quer mudar jurisprudência de acordo com o réu. Ministro que em caso de impeachment presidencial decide por votações separadas, uma para decidir se perde o cargo e outra, se fica inabilitado para funções públicas, quando a Constituição prevê análise da condenação em conjunto. Ministro que não cassa chapa de partido por “excesso de provas”. E por aí vai. De acordo com a cara do freguês, a Justiça dá uma guinadinha pra cá, outra pra lá, vem um jurista respeitado e marca reuniões com os ministros do Supremo, conversinhas aqui, ali, desconsideram-se súmulas e, pronto, até um condenado (condenado!!!) em segunda instância consegue protelar decisões já estabelecidas. Exaustos, ministra Cármen Lúcia.

MYRIAN MACEDO

myrian.macedo@uol.com.br

São Paulo

Esbórnia

Não é à toa que tantas excelências vêm sendo “ovacionadas” em público – a única maneira de nos fazermos entender. O editorial deste domingo de carnaval reflete o sentimento de quem paga a conta das mordomias (ver Com auxílios, juízes deixam de pagar R$ 360 mi de IR, A4) desses que se julgam incomuns e “trabalham” só para defender seus interesses e dos amigos. Não bastasse, temos de pagar as despesas de 40 assessores à disposição de cinco ex-presidentes! Por que essas mordomias, legais, mas indecentes? Alguém terá coragem de mudar as leis escandalosas? Onde estão os xiitas do politicamente correto, que não se manifestam contra a verdadeira escravidão dos pagantes da esbórnia dos Poderes?

APARECIDA DILEIDE GAZIOLLA

aparecidagaziolla@gmail.com

São Caetano do Sul

Algumas dessemelhanças entre o Brasil e o mundo civilizado: aqui, cada ex-presidente tem à disposição oito assessores e dois automóveis com motorista, em países civilizados os presidentes cessantes vão para casa dirigindo seu próprio carro.

MÁRIO RUBENS COSTA

costamar31@terra.com.br

Campinas

Será?

Os brasileiros estão mesmo cansados do Judiciário que condenou Lula, ex-governadores, empresários, marqueteiros, etc., fora do âmbito do STF?

MARTA DE CARVALHO

marta.carvalho@terra.com.br

São Paulo

Bode expiatório

O auxílio-moradia para juízes é o bode na sala e está servindo para criticar o Judiciário, principalmente os juízes que condenaram o mais honesto. Esse auxílio é imoral, absurdo, incompatível com a realidade brasileira, mas, infelizmente, é legal. E lei não se discute, cumpre-se!

J. A. MULLER

josealcidesmuller@hotmail.com

Avaré

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br  

 

O INJUSTO E GENÉRICO AUXÍLIO-MORADIA

 

O auxílio-moradia a magistrados, procuradores, parlamentares e outros membros e altos servidores de poder público é legal porque a lei assim o define. Mas constitui profunda injustiça por ser feito com o dinheiro público, vindo dos impostos pagos pela população, submetida à elevada carga tributária, e obrigada a custear a própria moradia. Mas não é só auxílio-moradia. A casta também conta com auxílio-educação para si e filhos, que abrange materiais didáticos, anuidades dos cursos e até licença do trabalho para frequentar a pós-graduação, enquanto o povo, para estudar, é obrigado a buscar vagas nas escolas públicas ou a pagar anuidades, materiais e ainda trabalhar. As mordomias resultam da esperteza dos integrantes das classes mais poderosas, que ao longo do tempo, fizeram projetos no interesse próprio e convenceram governantes e congressistas a apresenta-los e aprova-los.  O auxílio-moradia ao juiz em início de carreira, que atua de cidade em cidade e por isso não tem como ali comprar sua casa, é justificável. Mas isso não deveria gerar o pagamento a toda a classe. Quem tem casa própria na localidade em que trabalha não deveria receber, e nem o casal em que os dois têm direito, mais moram num só imóvel. Contudo, não é o caso, nesse momento, de criticar quem recebe, pois existe lei pra isso.  Merecem todas as críticas os que, por ação ou omissão, levaram a esse estado de coisas. É preciso, agora, buscar a solução.

 

Dirceu Cardoso Gonçalves aspomilpm@terra.com.br      

São Paulo      

 

*

ABONO SALARIAL

 

As justificativas apresentadas pelos senhores poderosos do Judiciário para o recebimento do abono de moradia simboliza bem do ditado de que o cumprimento da Legislação e da moral é para os que não fazem parte dos escolhidos: príncipes da República! Até o juiz Sérgio Moro, admirado por todos caiu na esparrela de tentar justificar um mal feito! A falta de correção de salários está sendo para todos e estes não tem a opção de corrigir com um abono moradia!

 

Martim Affonso Santa Lucci mslucci@uol.com.br

Campo Grande                    

 

*

AUXÍLIO-MORADIA DO JUDICIÁRIO

 

Está na hora da Ministra Cármen Lúcia mostrar que não é a “rainha da Inglaterra” do Judiciário, afinal já não chega ela dizer que não vai apequenar o Supremo Tribunal Federal (STF) e no dia seguinte aparecer outra opinião lá dentro, agora temos o auxílio-moradia, com juízes e desembargadores “gozando” o povinho, que vem pagando o buraco que o PT fez e Temer continua fazendo, como se a moeda, o Orçamento e a receita do Judiciário fosse diferente da nossa. Será que são tão ignorantes assim?

 

Manoel Mendes de Brito mdebritovoni@gmail.com

Bertioga

 

*

JUDICIÁRIO

 

Se todos os políticos recebem,  se todos os juízes recebem,  o erro é nosso! Auxílio-moradia, ou seja o benefício que for,  é o povo e os desempregados que precisam. O erro é nosso de aceitar esse estrume social,  agora culpar os que estão nos livrando de pragas como Lula  e outros criminosos,  querendo focar neles esse erro que vem desde o passado,  isso é cortina de fumaça dos defensores dos bandidos,  cuidado, os inimigos do Brasil estão tentando fazer parecer que os juízes do Tribunal Regional Federal da 4.ª Região (TRF-4)  e os juízes Moro e Dallagnol são da mesma laia que os bandidos, mas não são não.

 

Roberto Moreira da Silva reabertos@uol.com.br

São Paulo

 

*

CURIOSIDADES BRASILEIRAS

 

É espantoso ver como  o dinheiro roubado e lavado pelo Judiciário é categorizado. Quando outro o comete é crime, mas quando são os próprios, será de algum jeito perfeitamente legalizado. Nada como reinar na lei...

Carlos Serafim Martinez gymno@uol.com.br

São Paulo

 

*

IGUAIS PERANTE A LEI

 

Conforme diz a Constituição, Lei Magna, Suprema e Soberana da Nação, todos são iguais perante a lei, até mesmo o Judiciário. Basta de penduricalhos, privilégios e imunidades! Já chega! 

 

J.S. Decol decoljs@gmail.com

São Paulo

 

*

IMORALIDADE

 

Se a sociedade está atenta à imoralidade dos chamados penduricalhos dos juízes mais bem pagos do mundo, que são os brasileiros, não tem demonstrado isso, a não ser por algumas mensagens na imprensa e nas redes sociais. Isso não é suficiente para aplacar a sanha desses julgadores de causas alheias que se esquecem de julgar a si próprios. Realmente a desfaçatez com que defendem seus privilégios mereceria uma manifestação nas ruas, não só na mídia.

Ademir Valezi valezi@uol.com.br

São Paulo

 

*

CRISE BRASIL (LEGISLATIVO, EXECUTIVO E JUDICIÁRIO)

 

Do jeito que as autoridades leem a Constituição, tudo leva a crer  que o Brasil vai morrer no final...

 

Ademir Fernandes standyball@hotmail.com

São Paulo

 

*

MENSAGEM TELEGRÁFICA

 

Minha mensagem ao juiz Marcelo Bretas, que aforou ação para receber auxílio-moradia em duplicidade, para ele e a mulher, é simples e  telegráfica: caiu no meu conceito.

 

Luiz Leitão da Cunha luizmleitao@gmail.com

São Paulo

 

*

BARROSO INTIMA SEGOVIA

 

Com sua imprudente declaração a agência Reuters, de que a tendência é que a investigação do inquérito dos Portos, contra Michel Temer, seja arquivada, o diretor-geral da Polícia Federal (PF), Fernando Segovia, não somente complica sua permanência no cargo, como também em boa hora foi intimado neste sábado de carnaval (10/2) pelo ministro do STF, Luís Roberto Barroso, a prestar esclarecimentos sobre sua desastrada declaração. E Barroso foi além, no seu despacho, dizendo que esse ato de Segovia pode se caracterizar em infração administrativa e até penal.  O presidente da OAB, Cláudio Lamachia, também reprovou a atitude do diretor da PF, afirmando ter sido inapropriada “sobre tudo porque recentemente manteve reuniões com o investigado”...  O que é verdade! Já que Segovia, estranhamente teve reuniões como o presidente Temer, uma inclusive, sem que estivesse na agenda oficial no Planalto, e de forma incomum também, sem a presença do ministro da justiça.  Ou seja, uma postura reprovável não somente do Planalto, mas, principalmente de um diretor-geral da PF, que parece não ter qualificação para honroso cargo...

 

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

 

*

FERNANDO SEGOVIA ‘CAUSANDO’

​O diretor-geral da PF, Fernando Segovia, nomeado por Michel Temer à mando do padrinho José Sarney e que também já foi recebido na calada da noite nos subsolos do Palácio do Jaburu fora da agenda presidencial, continua "causando", mas seus cabelos...

 

Júlio Roberto Ayres Brisola jrobrisola@uol.com.br

São Paulo

 

*

PF

 

Se alguém tinha alguma dúvida de que o novo diretor-geral da PF Fernando Segovia não veio para explicar e sim para confundir, agora, não há mais duvidas. 

 

Arcangelo Sforcin Filho arcangelosforcin@gmail.com

São Paulo

 

*

Mas que mancada, hein dr. Fernando Segovia, sua automática ponto 40 disparou e acertou seu próprio pé!   Quando o sr. foi nomeado, o foi sob um manto de grandes suspeitas devido às suas mal explicadas ligações com o então PMDB e agora, após uma reunião na surdina com o sr. Michel Temer, antecipa resultados de uma investigação ainda em andamento na PF.  O próprio diretor-geral da PF dando “pitaco” indevido e inoportuno, que ridículo!  Agora não tem mais jeito, peça para sair, dr. Segovia, antes que o tirem da PF pelas portas dos fundos.  Mas antes de sair, lembre-se: a Lava Jato é intocável e os bons delegados da PF, a extrema maioria deles, têm o mais amplo e irrestrito apoio da sociedade.

 

Paulo Sérgio Pecchio Gonçalves ppecchio@terra.com.br

São Paulo

 

*

SEM ESPANTOS

 

Não sei o porquê tanta surpresa, todo mundo sabe as razões de Fernando Segovia ter sido escolhido diretor-geral da Polícia Federal!

 

Luiz Frid luiz.frid@globomail.com

São Paulo

 

*

RENOVAÇÃO

No último dia 9, a ministra Cármen Lúcia, durante inauguração de novo presídio de Formosa (GO), afirmou que: "O cidadão brasileiro está cansado da ineficiência de todos nós e cansado, inclusive, de nós do sistema Judiciário”. Diante do atual cenário político em que vivemos no Brasil, não há dúvidas que o povo já encontra-se exausto da repetitividade das mesmas figuras políticas, carecendo de renovação. Assim, já está mais do que claro que Luciano Huck possui grande carisma com as diversas classes de eleitores no Brasil como foi o caso do ex-deputado federal tiririca, não descartando sua candidatura em 2018. O único adversário que poderia acirrar a corrida à presidência seria o ex-presidente Lula (PT), que mesmo com os diversos escândalos ainda possui uma taxa de aceitação boa em relação aos outros candidatos como Geraldo Alckmin (PSDB) e Jair Bolsonaro (PSC). Apesar de Huck ainda afirmar que não descarta sua candidatura, vem cada vez mais captando apoios político, criando de certa forma um slogan para sua candidatura: “O que a gente precisa no Brasil é de renovação”. De fato, o Brasil precisa com urgência de renovação. Porém, só nos resta aguardar até outubro para desenrolar.

 

Willyan Sylvio da Cruz Santos Dias willdias96@gmail.com

Rio de Janeiro

 

*

O RECONHECIMENTO DA FADIGA.

 

“O povo brasileiro está cansado das autoridades e de nós do Poder Judiciário", reconhece a ministra Cármen Lúcia, presidente do STF.  Com efeito, determinadas atuações do Poder Judiciário deixam muito a desejar, tirante o aspecto crucial da morosidade da Justiça. Assim, perfeita a análise realizada pelo editorial do “Estadão”: O cansaço do povo (11/2, A3), em que são analisadas as falhas e contradições do Poder da esperança de todos os brasileiros. Na realidade, o Poder Judiciário está agindo consoante o dito popular: “Faça o que eu digo, mas não faça o que eu faço". Porque a cada dia os brasileiros descobrem, com desapontamento, atuações inesperadas dos julgadores. Entretanto, o reconhecimento da ministra Cármen Lúcia, talvez, sirva para uma verdadeira remodelação e readaptação dos pontos falhos do Judiciário. O tempo dirá!

 

José Carlos de Carvalho Carneiro carneiro.jcc@uol.com.br

Rio Claro

 

*

ADIVINHOU

 

“O cidadão está cansado de todos nós.” Eita frase feliz, ministra Cármen Lúcia!

 

Joaquim Quintino Filho jqf@terra.com.br

Pirassununga

 

*

MORDOMIAS

 

Corrigindo... Ou melhor, quem sou eu para corrigir uma ministra... Mas ratificando e retificando. Nós brasileiros estamos cansados de tantas benesses e mordomias  ao Judiciário... Acho que todos têm direito a salário digno e que assumam os seus compromissos como aluguel, motoristas, viagens, auxílio-terno, aposentadorias mirabolantes, etc.. Ou então que cada um abra escritório de advocacia e venha a brigar no mercado de trabalho sem mãe e pai (Brasil) pagando as mordomias da classe.

Carlos Roberto Gomes Fernandes crgfernandes@uol.com.br

Ourinhos

 

*

"O CANSAÇO DO POVO" 

 

O editorial do “Estadão”: “O cansaço do povo” (11/2, A3) tendo como referência a afirmação da presidente do STF, ministra Cármen Lúcia, de que “o cidadão brasileiro está cansado da ineficiência das autoridades públicas, inclusive do sistema Judiciário”, deixa claro a todos o desânimo geral na sociedade brasileira. Apesar desse cenário desalentador, sempre é bom lembrar que a operação Lava Jato e a decisão do STF de manter o entendimento de que condenados em segunda instância já passem a cumprir a pena é um avanço e tanto às investigações criminais do País. Parabéns a ministra Cármen Lúcia pela esperança de que a Justiça será sempre o pilar mestre de toda a sociedade e, que as atuais ineficiências do Judiciário podem estar com os dias contados. 

 

Edgard Gobbi edgardgobbi@gmail.com

Campinas

 

*

DÉBITO

 

A ministra Cármen Lúcia, presidente do STF, declarou recentemente que o cidadão brasileiro está cansado do Judiciário e adiantou que, apesar do esforço dos responsáveis pelo seu funcionamento, permanece um débito enorme para com a sociedade. As numerosas ações paradas, aguardando o carimbo da Corte, as decisões unilaterais como, por exemplo, as que concedem habeas corpus em série a corruptos de boa cepa, o reduzidíssimo número de desfechos de processos envolvendo políticos  protegidos pelo foro privilegiado, as pressões para reavaliar questões já decididas anteriormente, com o objetivo de beneficiar pessoas, não de aperfeiçoar a aplicação da lei, como a prisão após condenação em segunda instância e até transgressões à Lei Magna, cuja guarda constitui a missão do STF, como a que não retirou os direitos políticos da ex-presidente afastada pelo Congresso, são alguns dos enormes obstáculos que a ministra deve encontrar para diminuir o débito por ela mencionado. O esforço terá de ser hercúleo, mesmo porque o cidadão não está somente cansado, mas diante dos descalabros com os quais a todo o momento é impactado por deliberações dos togados, já se sentou no meio fio, resolveu observar a marcha dos acontecimentos e limita-se a acompanhá-los  até o panorama melhorar.

 

Paulo Roberto Gotaç pgotac@gmail.com

São Paulo

 

*

EDITORIAL ‘PORRETA’!

“O brasileiro está cansado de tanta ineficiência das instituições. O povo está cansado de todos nós”.  Frases ditas pela presidente do Supremo, ministra Cármen Lúcia, em inauguração de um presídio em Formosa (GO).  O editorial do “Estado” deste domingo (11/2) “O cansaço do povo” é claro e inteligível, estende as frases da senhora ministra e é digno dos mais altos elogios, pois traduz o que realmente a população questiona e sente sobre as instituições.  Vai direto aos anseios da sociedade, 14 parágrafos que não podem passar em branco e deveriam ser lidos na reabertura dos trabalhos parlamentares e do Judiciário. Quem sabe nossos legisladores e os “guardiões” da Constituição caíssem na “real” e dessem um pouco mais de atenção à estafada e desiludida sociedade. 

Sérgio Dafré sergio_dafre@homail.com

Jundiaí

 

 

*

A presidente do STF teria dito que “O povo se cansou de nós”.  Sua excelência está corretíssima! Realmente o povo já está farto de pagar impostos  para   garantir  os altos  salários de determinadas  carreiras públicas em discrepância com os salários da imensa maioria dos demais cidadãos contribuintes! Realmente o povo já está farto de pagar benefícios  extras, como o famigerado auxílio-moradia, pago até para quem tem residência própria e não se envergonha de recebê-lo,  chegando alguns até ao cúmulo de ainda acharem que é pouco! Realmente o povo já está farto de chegar a morar em favelas por não conseguir pagar o aluguel mensal de uma casa modesta,  situada em um bairro popular, em que se chega após enfrentar meios de transporte abarrotados e mal conservados! Realmente o povo já está farto de aguardar por anos uma decisão judicial, muitas vezes de equidade discutível,  ou então ter que assistir sessões enfadonhas nas quais parece que os julgadores estão mais interessados em demonstrar erudição que apresentar uma solução inteligente para o momento,  isso quando não pedem vistas em processos nos quais a questão já está decidida pelos  votos da maioria! Realmente o povo já está farto de sair à procura de um novo emprego,  ou fazer  bicos, quando deseja ter alguma melhora em sua situação econômica, enquanto os encastelados não fazem o mesmo, correndo o risco de exercer atividades na iniciativa privada, uma vez que ninguém nasce  e nem é obrigado a morrer no cargo público que ocupa! Todavia, senhora presidente, não adianta apenas reconhecer que o povo se cansou, pois são necessárias medidas urgentes e enérgicas para abolir aberrações!  Os cidadãos contribuintes agradecem.

  

Arlete Pacheco arlpach@uol.com.br

Itanhaém

 

*

PERGUNTAR NÃO OFENDE

Perguntar não ofende: se eu, cidadão comum for preso pela PF, mas contratar um advogado figurão, ex-STF, ele também será atendido no particular por algum ministro do Supremo?

 

Paulo Sérgio Pecchio Gonçalves ppecchio@terra.com.br 

São Paulo

 

*

SEM MAIS CONSIDERAÇÃO

 

Sr. Gilmar Mendes, o Brasil e o seu povo sofrido vítima de políticos e corruptos agregados pedem que a sua complacência — tão frequentemente manifestada em benefício destes — que com a sua desonestidade pioraram ainda mais os serviços básicos da população que mais precisa, usufrua também da sua bondade. O Brasil não tolera mais a sua consideração para com estes bandidos que parecem desafiar o Brasil contando com a sua poderosa toga.

 

Manoel Sebastião de Araújo Pedrosa link.pedrosa@gmail.com

São Paulo      

 

*

CONJUNTO DA OBRA

 

Senhores, até quando nossa sociedade viverá com essa excrescência em nosso STF? Não se sabe se é maior sua arrogância ou sua truculência que exibe a todo o momento. Após não ter se julgado impedido de julgar o pai de um seu afilhado de casamento que, com a maior candura, teve e mantém o desplante de alegar que tal fato não o impediu dos habeas corpus concedidos para uma autêntica quadrilha instalada há anos, por exemplo, no Rio de Janeiro, e ainda se supera afirmando que a mídia é responsável por tudo o que possa com ele ocorrer, mais uma vez, achando que toda a população é absolutamente alienada e está sendo dirigida pela mídia. O conjunto de sua obra foi coroado com a imagem em um shopping carioca de um de seus apaniguados, sobre quem ele candidamente alega não oferecer violência para a sociedade. Não é possível achar que o Ilustre membro do STF não "entenda" os malefícios causados pelo seu liberado ex-secretário de Saúde do Rio de Janeiro. Parafraseando Roberto Jefferson, quando pedia a Zé Dirceu para cair fora e não prejudicar o caudilho-mor, proponho: "sai daí Gilmar Mendes"!

 

Marcelo Falsetti Cabral mfalsetti2012@gmail.com

São Paulo

 

*

LAMENTÁVEL

 

As campanhas sórdidas contra o Judiciário e o Ministério Público Federal (MPF) têm aliados de dentro da mais alta Corte de Justiça. A ministra Cármen Lúcia deveria falar exclusivamente dela e de seus pares próximos. Lamentável. 

Jorge Augusto Morais da Silva jotaugustoadv@icloud.com

Barretos

 

*

DECISÃO INCOERENTE 

 

O ex-presidente do STF Sepúlveda Pertence, na mesma semana em que assumiu a defesa do ex-presidente Lula da Silva, já mostrou a que veio. Recebido em audiência, em tempo recorde, pelo ministro Edson Fachin, relator dos processos da Operação Lava Jato, na Corte, conseguiu deste pronta decisão que, se não concede a liminar pedida no habeas corpus para impedir a prisão de Lula assim que esgotados os recursos no TRF40, tornou irrelevante, qualquer que venha a ser, o julgamento sobre o mérito pela 5.ª Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ). Isso porque Fachin atirou em direções opostas decidindo de forma contraditória. Recusou o pedido de liminar por enxergar supressão de instância, que é vedada pela súmula 621 do STF, mas ao encaminhar para o plenário a decisão sobre o caso, suprimiu na prática a instância do STJ. Agora o único entrave a que  essa anomalia possa progredir é a presidente da Corte, ministra Cármen Lúcia, honrar a afirmação que fez em um jantar com empresários e jornalistas, em 29 de janeiro, em Brasília. Para a ministra, revisar o início da execução penal após condenação em segunda instância por causa do processo do ex-presidente Lula é "apequenar muito o Supremo". Disse, ainda, que não colocaria em pauta ações que discutam essa matéria. Tomara Cármen Lúcia não receba advogados de defesa em audiências privadas — estes têm os autos e as sessões de julgamento para manifestar-se. E que Cármen Lúcia cuide de não "apequenar" a própria biografia dando o dito por não dito. 

 

Sergio Ridel sergiosridel@yahoo.com.br

São Paulo

 

*

SEPÚLVEDA PERTENCE

 

O ministro aposentado do STF e também ex-presidente da Suprema Corte,  Sepúlveda Pertence, respeitado em  todos os segmentos da sociedade, agora atuando como novo advogado de Lula,  jamais se valeria de compadrios para pressionar ninguém.  É um advogado  inteligente e ético. Vai explorar todas as fragilidades do processo. Mas não fará uso do prestígio que acumulou em sua trajetória profissional para beneficiar as teses que vier a sustentar, para evitar a prisão de Lula. 

 

Vicente Limongi Netto limonginetto@hotmail.com

Brasília

 

*

 

Como vão se portar os ministros da Corte Suprema  no  julgamento do habeas corpus negado por Fachin, que mandou o caso para o plenário STF para julgar o mérito desse pedido? Após a declaração de Lula, que disse  à Dilma, em telefonema grampeado pela PF, que "nós temos uma Suprema Corte totalmente acovardada, um Superior Tribunal de Justiça acovardado, uma Parlamento totalmente acovardado...".

José Wilson de Lima Costa jwlcosta@bol.com.br

São Paulo

 

*

TOMEM CONSCIÊNCIA

 

O que será ne​cessário para que os parlamentares tomem consciência de que o País não vai conseguir avançar, ​que​ perderá a confiança de investidores nacionais e internacionais,  que poderá até retroceder entrando num nó fiscal impossível de ser desatado caso a principal reforma,​ ​a da Previdência, não seja aprovada? Os senhores deputados ficam com medo de não serem reeleitos por ser uma proposta oriunda de um governo impopular? ​E daí, qual o problema se ela for boa para o Brasil?  ​Será que vale a pena enganar o povo submetendo-o a uma nova crise logo adiante? Seria muita covardia se essa for a lógica!​ E​ muita falta de patriotismo  também. Será que seus eleitores vão achar justo terem de pagar pelo resto d​e suas​ vida​s​ por privilégios de servidores públicos​ de várias categorias​, ​ como ​os do Judiciário, do Poder Legislativo, Executivo, estatais, etc... Privilégios estes que eles jamais ​imaginam serem mantidos por todos os contribuintes que​ já pagam seu INSS por uma modesta aposentadoria futura num valor absurdamente contrastante com a dos servidores privilegiados que a recebem integralmente num valor dezenas de vezes mais alto?  ​Até agora​ muitos eleitores não​ se deram conta​ disso ainda, alienados q​u​e estão pela​ sua condição de​ pobreza que os impede de ter acesso a este tipo de informação ou tragados pelas mentiras dos que não têm interesse no bem do País. Mas logo saberão e entenderão,  porque hoje em dia as informações correm rápido e chegam a todos​ ao final​. Mas então será ​t​arde demais e os mais pobres​ serão novamente os mais penalizados​ por crises que voltarão como bumerangue​. São eles que as excelências​ estão a impedir​ de progredir, de terem direito a um futuro melhor​ por medo de perder votos​. Tudo isso é tão óbvio, mas​ mesmo assim, esses dados da realidade não os comovem porque estão de costas para o povo. Triste pensar que o futuro do Brasil está nas mãos de gente assim! ​Tomem tento, senhores parlamentares! Não se acovardem por interesses imediatistas em detrimento  de milhões de brasileiros! 

 

Eliana França Leme efleme@gmail.com

Campinas

 

*

PROTAGONISTAS

 

Os brasileiros que acompanham a política estão perplexos com as atitudes e declarações de duas personalidades nacionais. Um membro do Supremo e um ex-presidente da República. Gilmar Mendes já contabiliza 15 solturas de presos de peso e colarinho branco, mas sujíssimo, na Lava-Jato! A última foi a de Sérgio Cortês, responsável pelo roubo de 300 milhões da Saúde do Rio de Janeiro, em conluio com Sérgio Cabral. Fernando Henrique Cardoso, torpedeando a candidatura natural de Geraldo Alckmin, presidente de seu partido, em favor da "candidatura piada global" de Luciano Huck! Qual é a do FHC? Gilmar Mendes chama de "infantilismo jurídico" atitude da presidente do Supremo, sua colega Cármen Lúcia. FHC sacaneando o político mais importante de seu partido, o partidíssimo PSDB!  

 

Paulo Sérgio Arisi paulo.arisi@gmail.com

Porto Alegre

 

*

DÚVIDA

 

 O ex-presidente “Lulla” da Silva sempre teve uma banca de advogados em sua defesa. Como se não bastasse, também contratou — por uma soma fantástica de reais — um defensor que foi ex-presidente do STF. Pergunta que não quer calar, como um brasileiro aposentado pode pagar, ou quem estará pagando os valores estratosféricos por uma defesa claudicante, num caso que certamente será totalmente perdido?

 

Antonio Carelli Filho palestrino1949@hotmail.com

Taubaté 

 

*

OS AMIGOS DO LULA

 

Enquanto o sr.Lula da Silva pede socorro a ONU tentando escapar de punição, o Tribunal Penal Internacional de Haia, na Holanda, está investigando Nicolás Maduro por crimes contra a humanidade. Hugo Chávez, idolatrado pelo PT, teve um sucessor a altura de sua irresponsabilidade, igualmente enaltecido pelo partido mais corrupto da História brasileira. Hoje, 10% da população de Boa Vista (Roraima) é formada por venezuelanos que procuram sobreviver em solo brasileiro, graças ao desgoverno chavista, sempre apoiado pelos “petralhas”. Diz-me com que andas e te direi que és!

 

Jose Alcides Muller josealcidesmuller@hotmail.com

Avaré

 

*

ACATAR A DECISÃO E SAIR DE CENA

 

Os três desembargadores do TRF-4, Victor Laus, Gebran Neto e Leandro Paulsen condenaram o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva pelos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro no caso do triplex. O juiz Sérgio Moro também condenou Lula pelos mesmos crimes. Lula foi o chefe de Estado e de governo da República Federativa do Brasil por oito anos consecutivos. Após dois mandatos como presidente, Lula deveria saber que a decisão de quatro juízes, em duas instâncias diferentes, precisa ser acatada. Neste caso, a vontade própria ou do Partido dos Trabalhadores de nada adianta.

José Carlos Saraiva da Costa jcsdc@uol.com.br

Belo Horizonte

 

*

PRIVILÉGIO PARA UM SÓ?

 

Qualquer cidadão julgado criminoso em primeira e segunda instância tem acesso ao STF em poucos dias? Ou é só o Lula?

 

Etelvino José Henriques Bechara ejhbechara@gmail.com

São Paulo

 

*

PODE TUDO?

 

Um artigo interessante de Bolívar Lamounier “Golias contra Davi, em breve no Planalto Central” (10/2, A2) sobre a contratação do ex-supremo, Sepúlveda Pertence, pelo endinheirado Luiz Inácio Lula da Silva, já condenado por corrupção em tribunal de segunda instância. Realmente Pertence goza até agora de notório prestígio perante os membros do Judiciário, incluindo o STF. Mas, tenho para mim, a independência daquele Poder e de sua corte mais alta acha-se infensa a influências indevidas seja de quem for. Em breve saberemos se o ex-presidente possui ainda o poder de tratamento único na República brasileira.

Ademir Valezi valezi@uol.com.br

São Paulo

 

*

O SAMBA DA DEFESA LOUCA

 

Se fosse vivo o saudoso Sérgio Porto, vulgo Stanislaw Ponte Preta, vendo a atuação dos defensores do réu “mais honesto deste país” faria uma paródia do seu famoso samba que imagino seria mais ou menos assim: (1) “Foi em Porto Alegre/Sede do TRF-4/Que pela sua importância/Foi antecipada a Segunda Instância.” (2) “Mas o doutor Cristiano/Tinha outro pensamento/E reclamou até na ONU/Da pressa dada ao julgamento.” (3) “Após longa ausência forense trouxeram o Pertence/O amigo do réu agiu rapidinho ao deixar o recesso/E foi logo ao Supremo pedir ao Fachin pra correr com o processo/E foi criada a confusão.” (4) “E hoje a pobre da Justiça/Perdida nessa confusão/Já não sabe bem ao certo/Se deve andar depressa ou não.” Quaisquer que sejam os próximos versos ou estrofes, não importa, desde que o fecho seja o seguinte: “E o réu vai preso, amém!/Na Papuda que é um bom lugar também”.

 

José Claudio Marmo Rizzo jcmrizzo@uol.com.br

São Paulo

 

*

DITADO

 

Diz o ditado que “o futuro a Deus pertence”. “Lulla” supõe que o dele pertence a... Pertence. Não, “Lulla”, você já é “irregistrável” (palavra que não precisa de aspas, já está dicionarizada desde 1925, premonitoriamente.)

Paulo Mario Beserra de Araujo pmbapb@gmail.com

Rio de Janeiro

 

*

‘DAI A CÉSAR, O QUE É DE CÉSAR’

 

“Dai a César, o que é de César”. Com esta frase, Jesus afirmava que o dinheiro vindo dos impostos deveria ir para César, visto que era o rosto do imperador que estava estampado nas moedas. Era mais uma de suas brilhantes parábolas, para explicar que o poder do império e sua justiça eram muito distantes do ministério que ele, messias, iria difundir na terra.

Nos dias de hoje, o poder não tem seu rosto impresso nas moedas, mas tem alguns rostos que imprimem sua influência nas mais altas instâncias do Judiciário. São presidentes e mandatários da elite política que, nas últimas décadas, montaram e orquestraram todo um colegiado dos Supremos tribunais. Agora, na hora de dar a última palavra na condenação de um ex-presidente da República, parece ainda pesar a espada de César, e não a balança de uma Justiça cega e justa. A quem pertence o destino de Lula? Podemos achar que ainda não está definido. Porém, existe um enorme risco de já estarem combinando, de forma bem amena, este ultimo lance de um jogo de cartas marcadas. Ao povo em geral, ficará, entretanto a ideia de que a lei apenas a Sepúlveda Pertence.

 

José Paulo Cipullo j.cipullo@terra.com.br

São José do Rio Preto

 

*

OSTRACISMO

 

Entre os anos 1970 e 1990 era comum entre os amantes do automobilismo discutir as razões do Brasil ter tantos pilotos de qualidade disputando campeonatos internacionais. Muitas discussões, análises e opiniões não conseguiram identificar e isolar os reais motivos de nosso sucesso nas pistas. Outra discussão, mais antiga, mas ainda atual, tem como tema o recorrente "por que o Brasil nunca sai do lugar?". Patinamos como um carro sem controle de tração culpando sempre os outros pelos nossos fracassos. Para as esquerdas são os Estados Unidos, para outros a colonização portuguesa, o clima tropical, a mistura de raças e assim, de derrapada em derrapada, nunca chegamos à conclusão definitiva que nos permitiria finalmente corrigir o rumo. Neste jornal, uma pequena notícia inserida no rodapé de uma página de pouca importância, indiretamente identifica um dos porquês de "nunca chegarmos lá". A notícia nos dá conta de que o Brasil foi inserido no Grupo 5 — o mais importante — da elite mundial da Matemática, fato que, pelas precaríssimas condições da educação e pesquisa no Brasil, nos espanta e, ao mesmo tempo, nos orgulha. Em contrapartida, boa parte do 1º caderno foi e é diariamente gasta com o sr. Lula da Silva, seus advogados e admiradores desfiando ameaças e destilando o ódio que têm das instituições democráticas brasileiras. Um país que está na elite da Matemática certamente tem pessoas bastante inteligentes e essa inteligência deve se espraiar por diversos setores e atividades, inclusive a imprensa. Espanta, porém, que tanta inteligência nunca tenha identificado que o principal objetivo do sr. Lula da Silva sempre foi, a qualquer preço, mantê-lo em evidência na mídia. Vociferar impropérios, ameaçar atos terroristas, questionar e subestimar a Justiça brasileira tem e sempre tiveram como único objetivo colocá-lo diuturnamente na vida de cada brasileiro, simpatizante ou não de sua causa e de sua figura que hoje beira o grotesco. Para o bem do Brasil esqueçamos Lula. Deixemo-lo xingar, resmungar, tentar dividir o país, pregar suas verdades para quem está disposto a lhe dar ouvidos e ainda acredita nas imbecilidades que prega. Não vamos mais gastar papel, tinta, energia elétrica e precioso tempo para escrever, ler, ver, ouvir e "dar IBOPE" a este farsante. Inteligente e ladino, mas um refinado farsante. Para ele reservemos o maior castigo: o ostracismo. Quem sabe finalmente consigamos sair do lugar!  

 

Jorge Luiz de Andrade seugonca252@gmail.com

São Paulo

 

*

FICHA LIMPA

A prisão do deputado João Rodrigues (PSC-SD) pela Policia Federal, condenado em segunda instância em 2009 por crime de corrupção praticado em 1999,  vai ao encontro da aplicação da Lei da Ficha Limpa nas próximas eleições; entretanto, a demora em colocar o parlamentar atrás das grades,  sugere que é hora de se acabar com o foro privilegiado para crimes comuns.

Marcos Abrão m.abrao@terra.com.br

São Paulo

 

*

‘UMA LEI SÓ PARA LULA’

 

Irretocável o editorial "Uma Lei Só Para Lula" (27/1, A3) quanto a possível alteração, por parte do STF, sobre a prisão após condenação em segunda instância. Mas eu não me preocuparia tanto com isso, Lula já está preso há décadas dentro de si mesmo, ou será que só eu percebo uma tristeza infinita dentro daquele olhar, típica de quem, independendo da grife do terno, idade do whisky ou do andar de um prédio, se sabe um nada? Conheço muita gente que, tendo nascido e sido criada em condições mais adversas ainda, se superou a custa de estudo e trabalho, e hoje ostenta brilho nos olhos porque decidiu ser feliz. Questão de opção! Mais importante, digna de voltarmos todas as nossas atenções, é a relativização da Lei da Ficha Limpa. Se isso ocorrer, muito obrigada juiz Sérgio Moro, muito obrigada senhores desembargadores do TRF-4, mas acabou a Lava Jato, acabou a democracia, acabou o Brasil.

 

Marcia Meirelles marciambm@yahoo.com.br

São Paulo

 

*

GEDDEL E O VALE DOS LEPROSOS

 

O Ex-ministro Geddel Vieira Lima  diz ter sido jogado "em vale dos leprosos" por "amigos de longa data”... Espera aí, quem o jogou no "vale dos leprosos" foram os amigos ou os R$ 52 milhões que a Polícia Federal encontrou no apartamento alugado por ele em Salvador?

 

Virgílio Melhado Passoni mmpassoni@gmail.com

Jandaia do Sul (PR)

 

*

ELEIÇÃO 2018

 

Vai ser ótimo para a democracia brasileira a candidatura de Luciano Huck.  Não é político profissional, é muito querido por seu público, ajuda as pessoas na reforma de casas e de automóveis velhos.  Precisamos de alguém para mudar esse mundo político brasileiro que está um caos. Ronald Reagan,  um ator, foi um dos melhores presidentes do EUA. Quem sabe um apresentador de TV faça a diferença no Brasil. O eleitor cansou, não quer mais do mesmo,  é preciso uma renovação urgente.  Chega de Lula, Maluf, FHC, Ciro Gomes, Bolsonaro e companhia. 

 

Reinner Carlos de Oliveira reinnercarlos1970@gmail.com

Araçatuba

 

*

TRIO

 

FHC, Huck e Aécio unidos em um único objetivo.

 

Reinaldo Cammarosano tatocammarosano@hotmail.com

Santos

 

*

ATREVIMENTO

 

A notícia de que o apresentador da “TV Globo”, Luciano Huck planeja ser candidato a presidente da República, não pode ser considerada mais do que uma brincadeira de auditório. É tentar fazer do Brasil um imenso “caldeirão” de insanidades. Até aonde vai o atrevimento de alguns aventureiros!

 

Tercio Sarli terciosarli.edicoes@gmail.com

Campinas

 

*

LUCIANO HUCK

 

É injusto o leitor Aparecido Silva (11/2) dizer que o aventureiro Huck nunca administrou uma bodega sequer. Administrou sim! Uma bodega no Tatuapé, e uma famosa danceteria no litoral norte, bodegas que ajudaram o aventureiro a ser catapultado para o sucesso televisivo, juntamente com tiazinhas, feiticeiras e "salva-vidas", todas com respeitáveis bumbuns de fora. 

 

Mauro Fadul Kurban fearabsp.mauro@bol.com.br

São Paulo

 

*

INCÓGNITA

 

A nova incógnita é Luciano Huck! Vamos tentar montar uma equação do 1º grau para descobri-la. Os valores estarão entre Zero e 100. Experiência política: Zero; Ativismo político: Zero; Reflexão política: Zero; Demonstração de espírito republicano: Zero; Propensão para ganhar dinheiro: 100; Carisma popular: 100. Bem, se fizermos uma soma simples, obteremos 200. Mas se houver alguma multiplicação o resultado forçosamente será zero. O povo aprende mais facilmente somar do que multiplicar!

Sandra Maria Gonçalves sandgon@terra.com.br

São Paulo

 

*

O CARTEL

 

Está mais do que clara a prática de crime de cartel nos postos  de combustíveis. A Petrobrás já reduziu diversas vezes o preço do produto, mas estranhamente nenhum posto repassou isso às bombas.  Os proprietários de veículos e o governo sabem disso, entretanto, as autoridades responsáveis não tomam nenhuma providência para coibir o crime.  Não adianta apenas criticar os políticos pelos malfeitos que fazem ao País, a malandragem está disseminada por todas as áreas. Falta seriedade e, lamentavelmente, é preciso agir como firmeza para colocar estes bandidos na cadeia.

 

Elias Skaf eskaf@hotmail.com

São Paulo

 

*

MEDIDAS IMPOPULARES

 

Pedro Malan fala em seu artigo “Paralisia (In) decisória” (11/2, A2) que: “Para muitos, o ‘ano da virada’ será 2019 - o primeiro de um governo recém-saído das urnas, dotado de legitimidade e capital político, capaz de tomar decisões difíceis e avançar na agenda de reformas com o Congresso”. Mas pergunto eu, tomar decisões difíceis é difícil porque são impopulares? Mas impopulares para quem? Se forem legítimas, é porque o povo, na urna, as aprovou. E quem as vê como impopulares? A resposta está em boa parte no “Cansaço do povo” que o “Estadão” tão bem expressou em editorial (11/2, A3) a impopularidade do Poder Judiciário ante os olhos dos cidadãos comuns. A impopularidade está também presente na mente dos funcionários públicos, que não querem se ver equiparados com a “ralé” dos trabalhadores da iniciativa privada, e assim reprovam a "impopular" reforma previdenciária. Também está nas demências dos prefeitos e politiqueiros malversadores do dinheiro do “Bolsa Família”. Como também esteve nas cabeças de advogados inescrupulosos e sindicalistas que boicotaram o quanto puderam as mudanças na legislação trabalhista. E por aí vai. Governante legítimo que tomar “decisões impopulares”, com coragem, enfrentará a verdadeira corja que atravanca o desenvolvimento sócio econômico do País. O “povão” ser-lhe-á muito grato.

 

Carlos Leonel Imenes leonelzucaimenes@gmail.com

Nazaré Paulista

 

*

LEITURA E ESCRITA

 

Em algumas edições recentes do jornal, as dificuldades para a leitura e escrita — a alfabetização propriamente dita — têm sido mencionadas com frequência por pessoas entendidas no assunto, como sendo o  principal obstáculo para a inclusão social. O autor do artigo em referência, o sr. Pedro Malan, menciona uma certeza do sr.  Simon Schwartzman: "Uma criança que chegar aos 10/11 anos de idade numa escola precária, que não aprendeu a ler e escrever, não tem futuro".  As dificuldades para a leitura e escrita têm origem na multiplicidade de valores das consoantes; mas têm também uma solução simples e de resultados surpreendentes qual seja: um sistema biunívoco de letras e sons ou, em palavras mais simples: a uma única letra corresponde um único som e a este único som corresponde tão somente aquela única letra.  Duas observações finais:  1) já há esse sistema desenvolvido e registrado;  2) para a tristeza dos gramáticos, filólogos e outros que tais.

 

Régis D.C.Fusaro rxfusaro@hotmail.com

São Paulo

 

*

O DESMONTE DE PROGRAMAS POPULARES

 

Muito oportunas as críticas do presidente do Banco Mundial, Jim Yong Kim ao governo de Michel Temer, em entrevista a imprensa relatando o desmonte de políticas populares em benefício do povo e, sobretudo ações que deram certo durante os tempos. Lembrou que a ONU e o Banco Mundial recomendaram os programas sociais brasileiros para dezena de países, tendo em vista que milhões de brasileiros saíram da extrema pobreza nos governos anteriores a Michel Temer, reiterou Jim Young Kim.

 

Marcos Tito marcostitoadvogados@gmail.com

Belo Horizonte

 

*

A QUEM INTERESSA?

Acho que Rogério Werneck no artigo “A quem interessa que a reforma não passe?” (9/2, B9) tocou em um ponto bastante sensível e isso pode ir além da questão Previdência. Com a tecnologia existente e os bancos de dados disponíveis, seria interessante identificar e manter atualizado o relacionamento pessoal (e partidário) com o funcionalismo público, e trazer essa teia à tona. É muito cômodo atribuir a resistência a mudanças aos interesses da sociedade de forma abstrata.

Milton Vargas masv.vargas@icloud.com

São Paulo

 

*

POUCA ÁGUA PARA MUITA GENTE

 

É uma pena que Washington Novaes escreva dessa forma tão catastrófica, e perniciosa. Perniciosa, quando compara a água para abastecimento humano que vem de usinas de tratamento de água, com água utilizada pela agricultura, que vem das chuvas e dos rios. Ele denigre a agricultura brasileira colocando todos na vala comum.

 

Nelson Elias nelsonmelias@gmail.com

São Paulo

 

*

UM PAÍS PARA TER ORGULHO

 

Que país nós queremos para o futuro? Queremos um país com menos desigualdade e onde todos sejamos de fato iguais perante a lei. Um país em que não nos faltem creches, escolas, unidades de saúde e leitos hospitalares. Um país em que os membros da nossa magistratura e dos nossos parlamentos se contentem com os altos salários que já recebem e parem de criar os vergonhosos auxílios que tanto nos afrontam. Um país que deixe de ser uma pequena e rica Bélgica dentro de uma pobre e volumosa Índia. Um país do qual possamos nos orgulhar...

 

Nivaldo Ribeiro Santos nivasan1928@gmail.com

São Paulo

 

*

FIM DOS PALPITES

 

O partido politico PSDB, que foi a glória no passado, hoje está em

desarmonia. N0ota-se que o governador do Estado de São Paulo,

Geraldo Alckmin, pré-candidato à Presidência da Republica não tem o

apoio merecido, basta ver FHC apoiando a candidatura do Huck para presidente do Brasil.. Está mais que na hora do ex-presidente, guru envelhecido, encerrar os seus palpites.

José Millei millei.jose@gmail.com

São Paulo

 

*

GERALDO ALCKMIN

 

Deixando de ser governador, candidate-se a um "carguinho" de senador ou deputado federal, se ainda precisa da política! Se já tem boa grana, bom lugar para viver é em algum paraíso do Caribe (talvez até Cuba)!

 

Ariovaldo Batista arioba06@hotmail.com

São Berardo do Campo

 

 

*

IMAGEM FORTE

 

A imagem da mãe sendo revistada por um soldado e a criança chorando é forte (O Globo, 12/2), mas deixa margem a má interpretação do leitor, induzido a pensar na arbitrariedade dos militares e assim contribuindo para aumentar a insegurança da população diante da aparente falta de humanidade de um soldado grosseiro. Se repararem bem, é uma mulher-soldado que faz a revista com cuidados evidentes para não de aproximar demais da senhora revistada. Olhem o "rabo de cavalo" sob o capacete! E o choro da criança não deve ter ligação com a revista, mas sim com a insegurança que o infante, mesmo tão jovem, percebe. Chamo a atenção do jornal porque, sem querer, pode estar contribuindo para macular a única (e última) instituição que tem a confiança da população. Perdida esta, virá o caos!

 

Roberto Viana Santos rovisa681@gmail.com

Salvador

 

*

NO AGUARDO DE PROVIDÊNCIAS

 

Todos os dias balas perdidas encontram, de forma fatal, crianças inocentes com nomes de Joãozinho, Pedrinho, Luizinho, etc.. Será que o dia em que uma delas encontrar um Michelzinho, um Pesãozinho o presidente da República e o governador do Rio de Janeiro tomarão alguma providência?

Orivaldo Tenorio de Vasconcelos professortenorio@uol.com.br

Monte Alto 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.