Fórum dos Leitores

Cartas selecionadas para a edição impressa e portal estadao.com.br

O Estado de S.Paulo

01 Abril 2018 | 05h00

JUSTIÇA E CORRUPÇÃO

Prisão após 2ª instância

O não cumprimento da lei, que está permitindo ao condenado de Garanhuns continuar solto, causando instabilidade política e insegurança jurídica, ganhou a atenção de numerosos membros do Ministério Público e da magistratura de todo o País, que decidiram entregar abaixo-assinado pela prisão após condenação em segunda instância aos 11 ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) na antevéspera do julgamento do habeas corpus preventivo de Lula, já condenado a 12 anos e um mês por corrupção e lavagem de dinheiro. A possibilidade de o ex-presidente ter o seu processo congelado por algum ministro do STF que, pedindo vista, poderia livrá-lo da cadeia, numa afronta inaceitável a toda a sociedade, é a melhor chamada para lotarmos as ruas. O império da impunidade não pode ser protegido pela mais alta instância judiciária do País. Sem a prisão, a corrupção reinará absoluta no Brasil. Nosso país precisa de um governo de leis, e não de pessoas.

PAULO R. KHERLAKIAN

paulokherlakian@uol.com.br

São Paulo

Ainda há juízes no Brasil

O abaixo-assinado de mais de 300 juízes e procuradores em favor da prisão pós-segunda instância e da relativização da “presunção de inocência”, esse princípio que produz a impunidade e destrói o caráter do povo, chega no exato momento em que se trava uma disputa do poder de um criminoso contumaz contra o poder de uma nação de cidadãos honestos. Mais que o descobrimento, a Independência, a República e a redemocratização, estamos diante de um marco histórico que pode gerar a energia que tem faltado a este país continental para sair do campo minado da instabilidade e conquistar novos horizontes. A prisão do Lula, mais do que um castigo a um indivíduo desvirtuado pelo poder, será uma chama viva de esperança e um símbolo para milhões de brasileiros que não conseguem descobrir o caminho da virtude para se realizar na vida, de tanto ver triunfarem os desonestos... Faltam poucos dias. Os juízes e procuradores que subscrevem o abaixo-assinado reforçam de maneira decisiva, e competente, o pleito do povo brasileiro ao STF para que encerre definitivamente essa questão, demonstrando que o Brasil é, sim, um país viável!

GILBERTO DIB

gilberto@dib.com.br

São Paulo

Autoindulto?

Após o julgamento em segunda instância, por unanimidade, não há chance de alterar as decisões que o condenaram. A única possibilidade de modificá-las seria cancelar o processo todo e começar tudo de novo. Como isso não é factível, os doutos contratados a peso de ouro pressionam e esperneiam de todas as formas para retardar a prisão ao máximo. O condenado talvez acredite que, se conseguir ficar longe da prisão e lhe for permitido ser candidato (com Dias Toffoli presidente do TSE), poderá ganhar a eleição e em seguida se autoindultar. Mas enquanto o tempo vai passando, mais processos, com o do sítio em Atibaia à frente, vão chegando ao final. Corram, processos, corram!

WILSON SCARPELLI

wiscar@terra.com .br

Cotia

Monstruosidade

Fazendo o tipo juiz mão leve, o ministro Dias Toffoli, contrariando a jurisprudência e a posição da ministra Cármen Lúcia, mas acostumando a galera a seu modus faciendi de julgador liberal, liberou Paulo Maluf, concedendo-lhe “habeas corpus humanitário”. Mas os fins obviamente são outros: amenizar o impacto de possível voto idêntico no dia 4, pavimentando o caminho para igual concessão ao paciente que teve a petulância (já condenado por corrupção) de afrontar a Justiça Eleitoral com antecipada campanha nas caravanas Brasil afora, em inacreditável sem-cerimônia, fazendo estardalhaço, criando factoides e se vitimizando. E o TSE fazendo vista grossa à teratológica e abusiva ilegalidade...

ARNALDO C. MONTENEGRO

ac.montenegro@uol.com.br

São Paulo

Urdindo a impunidade

A propósito de Lula ter virado ficha-suja e da expectativa de que o registro de sua candidatura seja cassado pelo TSE, chamo a atenção para o fato de que, na última sessão do STF, em que se votou o tal habeas corpus preventivo, Toffoli fez uma intervenção extemporânea: de repente, interrompeu a ministra Cármen Lúcia, puxou um livreto e avisou que esse habeas corpus terá efeito também no TSE, conforme itens tais e tais do regimento. Já está advogando nova saída para o Lula?! Aguardemos.

ALBERTO MARTINEZ 

alberto.martinez@terra.com.br

São Paulo

Impedimento

Perguntar não ofende: quando é que Toffoli se vai declarar impedido para julgar o Lula, por “ter sido” muito ligado ao PT? E Lewandowski, quando se vai declarar igualmente impedido, por ser amicíssimo do Lula, com quem almoça frequentemente no Frango com Polenta de São Bernardo, segundo o historiador Marco Antonio Villa? Ou vão ter o despudor de continuar a socorrer o chefe amigo?

JAIR FELIPE MOLINA

jairfmolina@gmail.com

São Paulo 

Supremo paralogismo

Não sei bem por quê, ao ler sobre a presteza e correção impecáveis dos membros do TRF-4 me lembrei de um fato que teria ocorrido com Albert Einstein, quando já exilado nos EUA. Certa vez foi procurado por repórteres ansiosos em saber o que o físico tinha a dizer sobre as notícias que corriam acerca de uma suposta convocação, feita pela Departamento de Propaganda do III Reich, dos maiores cientistas da Europa para que eles se reunissem com a finalidade de desmentir suas teorias. Einstein respondeu: “Se minhas teorias fossem falsas, não seriam necessários tantos cientistas, bastaria um só”. Creio que tanta peroração jurídica apenas encobre a tentativa desesperada de fazer parecer justo o que é injusto.

VERA BERTOLUCCI

veravailati@uol.com.br

São Paulo

OPERAÇÃO SKALA

Temer sob ataque

Após o impeachment de Dilma Rousseff, a investidura de Michel Temer trouxe uma esperança aos cidadãos informados, que não suportavam mais as tolices da “presidenta”. Não durou muito. Apesar das vitórias iniciais, da aprovação de importantes leis, o presidente e seus amigos ficaram sob uma saraivada de acusações. Minha preocupação está focada na intervenção federal no Rio. O que acontecerá com os cidadãos fluminenses se Temer ficar fora de combate? Os bandidos de todos os níveis sociais estão liquidando a esperança de vivermos em paz. 

MÁRIO NEGRÃO BORGONOVI

marionegrao.borgonovi@gmail.com

Rio de Janeiro

“No Brasil, investigados são presos e o condenado está livre e solto!”

  

JOSE EDUARDO BANDEIRA DE MELLO / ITU, SOBRE OS DETIDOS NA OPERAÇÃO SKALA E LULA

josedumello@gmail.com

“Feliz Páscoa, companheiro. Aproveite bem seus últimos dias livre!”

  

SÉRGIO ECKERMANN 

PASSOS / PORTO FELIZ, SOBRE 

O CHEFÃO PETISTA 

sepassos@yahoo.com.br

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.