Fórum dos Leitores

Atualizado às 8h35.

O Estado de S.Paulo

20 Março 2013 | 02h08

TRAGÉDIA DAS CHUVAS

Mais uma vez...

Mais uma vez vejo a desgraça se abater sobre o Estado do Rio de Janeiro. Mais uma vez vejo o governador chorão e sua camarilha dizendo que estão liberando verbas para atender as vítimas da catástrofe. Mais uma vez vejo as pessoas chorando as mortes e a perda dos seus parcos bens. Mais uma vez vejo que continuam morando em áreas de risco e também nas margens do rio. Mais uma vez vejo que não fizeram nada para dar um basta nisso. Mais uma vez vejo o povo aceitando tudo isso como carneiros. Mais uma vez me vejo impotente para lutar contra tudo isso, pois disponho de apenas duas armas: o meu voto e o espaço neste jornal para mostrar a minha revolta. Será que no próximo verão haverá isso mais uma vez?

LUIZ FRANCISCO A. SALGADO
direg@sp.senac.br
São Paulo

*
Omissão

Infelizmente, é verdadeira minha teoria de que políticos que choram e lamentam tragédias são omissos. Aconteceu de novo no Estado do Rio: deslizamentos de encostas com perda de vidas. E a presidente vem a público dizer que os moradores são teimosos e se recusam a sair das áreas de risco... Na verdade, não podem sair, principalmente porque as promessas de construir casas em locais seguros não passaram de promessas: não foi entregue uma única moradia sequer, as verbas liberadas na tragédia anterior foram simplesmente desviadas por prefeitos corruptos. E, novamente com perda de vidas, vem ela dizer que é necessário tomar medidas mais drásticas?! Agora é tarde, já não tem jeito, ficou claramente caracterizada a omissão dos governos estadual e federal.

JOSÉ MENDES
josemendesca@ig.com.br
Votorantim

*
Blá-blá-blá

A presidenta Dilma blá-blá-blá Rousseff bradou outra vez, diante da tragédia das chuvas no Rio: "Temos que tomar ações mais drásticas!". Vai aqui minha sugestão: criar o MER - Ministério das Enchentes Recorrentes -, tendo como ministro o Sérgio blá-blá-blá Cabral. Enquanto isso, vamos encobrindo a incompetência do governo, primeiro, com água, depois... com sete palmos de terra.

GATTAZ GANEM
gattaz@globo.com
Carapicuíba 

*
Mais do mesmo

A geomorfologia das áreas de risco já é mais que conhecida. A chuva vem todo ano, dinheiro é mandado, mas os problemas se repetem. Cai água que cairia em dois meses num só dia. Para qual bolso vai esse dinheiro, que nunca chega? Ou chega ao bolso errado? Os gestores estão onde? Pior que isso: sabemos, mas não temos provas, de que esse dinheiro foi desviado. Mas sabemos bem qual é o resultado: tragédia, sempre tragédia! Mortes, vidas...

MARIA DE MELLO
nina.7mello@uol.com.br
São Paulo

*
Mandem os políticos!

Secretário teme que bombeiros sejam vítimas de deslizamentos em Petrópolis. Então, o mais coerente seria enviar para lá os políticos que desde as últimas catástrofes na região desviaram os recursos e nada fizeram além da instalação de sirenes. Acorda, Brasil!

ANGELO ANTONIO MAGLIO
angelo@rancholarimoveis.com.br 
Cotia 

*
Catástrofe serrana

Dilma foi procurar o papa. Já os flagelados que procurem o bispo.

A. FERNANDES
standyball@hotmail.com
São Paulo

*
PAPA FRANCISCO

Custodiar

Na homilia da missa inaugural de pontificado o papa Francisco abordou a figura e a vocação de São José, que soube zelar, custodiar, correspondendo plenamente à missão que lhe foi confiada. Nós, cidadãos brasileiros, não somente os católicos e cristãos, temos de assumir uma dimensão específica dessa chamada, que é a de custodiar aqueles que nos custodiam, ou seja, acompanhar de perto, vigiar quem sobre nós tem missão de governo. Eu, que me comprometi a rezar pelo trabalho do papa Francisco quando foi eleito, peço a ele que, em retribuição, reze para que os nossos homens públicos se conscientizem das consequências dos próprios atos, nesta vida e na eternidade, e para que, a exemplo da ternura de São José, nossa elite econômica se sensibilize diante das carências de nossa sociedade.

IRENE MARIA DELL'AVANZI
irenedellavanzi@hotmail.com
Itapetininga

*
DEFESA DO CONSUMIDOR

Agora, política de Estado

As empresas serão mais vigiadas em suas relações de consumo com os clientes, isso é muito importante. Mas e as relações de consumo entre empresas, consumidores e os governos, em todos os níveis? Quem irá fiscalizar e dar suporte integral? Nesse item o povo está sempre sozinho.

ARCANGELO SFORCIN FILHO
arcangelosforcin@gmail.com
São Paulo

*
MINISTÉRIO DA SAÚDE

Combate ao HPV

O Ministério da Saúde (MS) considera que a vacina contra o vírus HPV representa importante avanço científico e tecnológico. Sua inclusão no calendário nacional, com previsão para o próximo ano, reafirma o empenho do Brasil em oferecer, de forma gratuita, todas as vacinas consideradas custo-efetivas para uso no Sistema Único de Saúde. A inclusão sustentável dessa vacina está em fase final de estudos. No momento, o MS mantém debate com os produtores para processo de transferência de tecnologia. Vale ressaltar, no entanto, que a vacina contra o HPV não elimina completamente a circulação de todos os sorotipos desse vírus. Paralelamente, é necessário que estratégias comprovadamente eficazes - exames periódicos, como o Papanicolau - continuem sendo adotadas para reduzir a mortalidade pelo câncer de colo de útero. Por suas peculiaridades, a vacina só produzirá resultados, na redução da mortalidade por câncer de colo de útero, em três décadas. Não se deve, portanto, informar que a vacina seria capaz de eliminar o HPV, sem necessidade de outras medidas. O Programa Nacional de Imunizações brasileiro é reconhecido como um dos melhores do mundo. Neste ano o MS está incluindo três novas vacinas no calendário nacional: contra a hepatite A e a varicela e a tríplice bacteriana acelular para gestantes. O debate criterioso, que envolve o processo de introdução de novas vacinas, com base exclusivamente em evidências científicas, tem sido um dos elementos fundamentais para esse reconhecimento internacional. Esse mesmo cuidado tem sido adotado com relação à vacina contra HPV, ou seja, articulando o acesso e o desenvolvimento tecnológico nacional, que têm permitido ao Brasil entrar na fronteira do conhecimento e da inovação no campo da biotecnologia em saúde.

JARBAS BARBOSA, secretário de Vigilância em Saúde, e CARLOS GADELHA, secretário de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos
mauren.rojahn@saude.gov.br
Brasília

*
TRAGÉDIA NO RIO DE JANEIRO

Novamente, as fortes chuvas voltaram a fazer vítimas fatais (27, até agora) no Estado do Rio de Janeiro. O governador, Sérgio Cabral, disponibilizou de R$ 3 milhões para que os desabrigados fossem socorridos, além, é claro, de implorar através dos meios de comunicação que todos aqueles que vivem em área de risco abandonem o local. Por que o governador, durante o longo período de sol, não utilizou a mesma habilidade para que as chuvas não se tornassem uma arma contra a vida de tantas vítimas?

Virgílio Melhado Passoni mmpassoni@gmail.com 
Jandaia do Sul (PR)

*
MEDIDAS DRÁTICAS

Águas morro abaixo penetram e levam encostas, preenchem várzeas e os ribeirões transbordam, sobem drasticamente em “áreas de preservação permanente. Invasores incautos e desprotegidos desrespeitam leis e constroem suas moradias nestas áreas de risco eminente. O que fazer, presidente? Que medidas drásticas V. Excia. irá propor? As áreas invadidas têm de ser respeitadas e fiscalizadas. Os responsáveis, punidos por crime de dolo. Somente assim, com responsabilidades definidas, os problemas se reduzem. Esperemos.
 
Rubens Q. M. Costa rubensquintao@hotmail.com
São Paulo

*
FISCALIZAÇÃO

Trabalhei na prefeitura de Petrópolis, como engenheiro civil, e construí mais de 150 casas para os desabrigados de 1988, e até hoje não tenho conhecimento de novas casas. Todo final de ano as chuvas vão causar essas tragédias, não tem jeito, a população pobre constrói os barracos nas encostas dos morros durante todo o ano, e no final sofre deslizamentos. A solução tem de ser a fiscalização todos os dias das 7 horas às 18 horas todos os dias do ano, em todos os morros da cidade. Eu fiz isso durante dois anos, e aprendi que essa é a única solução. 

Rui Barbosa eng.ruibarbosa@gmail.com
Rio de Janeiro

*
SISTEMA DE PREVENÇÃO?

Segundo Dilma Rousseff, os sistemas de “prevenção” nunca são suficientes. Ora, dona Dilma, instalar sirene não é sistema de prevenção, é desespero de quem não tem competência para tomar uma atitude séria.

Ricardo Sanazaro Marin s1estudio@ig.com.br 
Osasco

*
O MESMO ROTEIRO

Ano após ano, pouco muda no cenário das tragédias das chuvas. Os mesmos rostos sofridos, o desalento e a esperança de que dias melhores virão. Já os dirigentes de plantão reúnem a imprensa, seus assessores e começam a falar, como num roteiro decorado, as mesmas frases de sempre, chegando a culpar as vítimas e alguns desatinos como “o Brasil não tem terremoto, mas tem chuva”. O Brasil tem “chuvas” de incompetência, descaso e roubalheira, isso sim. 

Luiz Nusbaum lnusbaum@uol.com.br
São Paulo

*
MINISTÉRIO DAS ENCOSTAS

A presidente Dilma deveria criar o Ministério das Encostas para resolver o problema dos deslizamentos de terra Brasil afora. Nesse novo ministério apedeutas da base aliada poderiam se reunir para discutir o que fazer com os bilhões que seriam destinados ao novo ministério, alem de empregar sem concurso uma legião de aspones para servir o cafezinho. 

Mário Barilá Filho mariobarila@yahoo.com.br 
São Paulo

*
PROVÉRBIO

Depois da tempestade, vem a bonança. Sob o governo petista, o que vem é a demagogia...
 
A.Fernandes standyball@hotmail.com 
São Paulo

*
TURISMO EM ROMA

O séquito da presidente Dilma Rousseff para a entronização do papa Francisco, em Roma, é composto de quatro ministros e um número não divulgado de diplomatas, que não eram poucos, tendo em vista que foram alugados 21 automóveis de luxo para o deslocamento na cidade. Autêntico turismo à nossa custa, em que conhecerão as maravilhas arquitetônicas da cidade e, no Vaticano, as portentosas obras do Renascimento onde pontificam os afrescos de Michelangelo Buonarroti. A presença da presidente Cristina Kirchner é justificável, mas a de Dilma Rousseff, sendo o Brasil um país laico, só se justifica pelo belo passeio. Gostaria de saber se nas cerimônias de entronização de papas anteriores houve a presença de algum presidente do Brasil. Nessa viagem, não deixou de lado a verborragia ensinada pelo seu criador. Depois de ter palpitado sobre a economia europeia, cobrou do papa que respeite as “opções diferenciadas das pessoas”. Não dá para entender, a não ser que estivesse se referindo a gays e lésbicas. Falou, de forma errática, sobre as 16 vítimas fatais na repetição da catástrofe de dois anos atrás na região serrana do Estado do Rio, dizendo que as pessoas morrem porque são teimosas, recebem ordem para abandonar as áreas de risco, mas se recusam a sair. Faltou esclarecer para onde essas criaturas iriam se deslocar, sabendo que nem o governo estadual nem o governo federal oferecem condições para que eles se livrem da tragédia anunciada. Parodiando o escrivão da armada: “É uma terra tão dadivosa que nem se precisa nela plantar que os corruptos brotam e vicejam por todos os cantos dessa ‘Brasilis Papagallis’”.

Jair Gomes Coelho jairgcoelho@gmail.com 
Vassouras (RJ)

*
DE EXTREMO MAU GOSTO

A presidente desembarcou em Roma com uma comitiva de quatro ministros, assessores, diplomatas, comitiva essa que se hospedou em hotel com diária de 4 mil euros e alugou 21 carros de luxo. Será que esse pessoal não tem vergonha? Para assistir à cerimônia de entronização de um papa que dispensa sua limusine e se transporta com um simples carro preto, os nossos potentados usam o dinheiro público para alugar 21 carros de luxo? Mesmo que o Brasil estivesse nadando na riqueza, o que não é o caso, isso seria de um extremo mau gosto e inconveniência.

Sonia Knopf soniak@weba.com
São Paulo

*
VIAGEM MILIONÁRIA
 
O “Estadão” publicou na página A12 de 18/3 que a presidente Dilma chegou a Roma com quatro ministros, assessores e diplomatas, com o aluguel de 21 carros de luxo, hospedando-se no hotel Excelsior, de 5 estrelas, cuja diária pode chegar a 4 mil euros. Este é o contraste com o atual papa Francisco, que se hospedou num hotel de 60 euros por dia e, mesmo depois de ser eleito papa, pagou pessoalmente de seu bolso as diárias que utilizou. Vemos assim a diferença entre um homem de bem e os políticos do PT. Pobre Brasil rico.
 
Roberto Banhara Dias Cardoso rbdc@terra.com.br
São Paulo

*
CONSELHO AO PAPA

Desta vez Dona Dilma se superou em matéria de arrogância, e, de Roma, resolveu ensinar ao papa Francisco que ele “deve respeitar as opções diferenciadas das pessoas”. Realmente, os petralhas se julgam iguais a Deus.

Eduardo Spinola e Castro spinola.adv@gmail.com
São Paulo

*
CONSELHEIRA

Dilma se autoproclama conselheira do papa Francisco.
 
Roberto Twiaschor rtwiaschor@uol.com.br
São Paulo

*
FRIEZA

Confesso que me senti muito envergonhado com a forma com que a presidente Dilma cumprimentou o papa Francisco após a missa inaugural de seu pontificado. Não se aproximou, não deu um mísero sorriso sequer, muito menos um beijinho, que cabe bem às damas.

Domingos Cesar Tucci d.ctucci@globo.com 
São Paulo

*
‘LULITE’

Como é que é? A presidente Criatura foi a Roma pedir benção ao papa e aproveitou para fazer recomendações de como ele deve se comportar. Provou que, com o convívio, pegou a doença chamada “lulite”.
 
Laércio Zanini arsene@uol.com.br 
Garça 

*
UM NOVO FEBEAPÁ
 
São muito populares na internet as “lulíadas”, um  novo tipo de ‘Festival de Besteiras que Assola o País’ (apud Stanislaw Ponte Preta) – da lavra do presidente adjunto.  São orações proferidas por Lula ao longo de seus mandatos presidenciais, enriquecidas por novas tiradas do “ex” pero no mucho nesses dois últimos anos. Diversão garantida.  Com Dilma, o anedotário presidencial arrefeceu mas, pelo visto, não acabou. Veja-se, à guisa de exemplo, a reflexão de S. Exª, externada por ocasião de sua visita ao Vaticano, para onde foi, com grande comitiva, torrar o dinheiro do contribuinte sob o pretexto de acompanhar a cerimônia de entronização papal. Disse ela, acerca de temas como casamento entre pessoas do mesmo sexo e do aborto, impensáveis na Igreja Católica: “Não me parece que (o papa Francisco) seja um tipo de papa que vai defender esse tipo de posição”.  Ora, à vista da secular posição cristã (já nem digo “católica”) sobre a constituição da família – entendida como a união de homem e mulher, como diz a “Bíblia” – e da valorização intransigente da vida humana (contra a qual pregam os abortistas próximos a Dilma), fica a pergunta à nossa presidenta: Qual seria, em seu entender, o “tipo de papa” (!) que estaria disposto a desfraldar essas e outras bandeiras de matriz marxista, defendidas pelos materialistas do PT?
  
Silvio Natal silvionatal49@yahoo.com.br 
São Paulo

*
PECADO CAPITAL

O primeiro pecado capital da luxúria cometido no papado de Francisco I, primeiro papa latino-americano, foi cometido pela primeira presidente mulher do Brasil e sua enorme comitiva de políticos e amigos que lotaram hotéis e 21 carros de luxo no passeio ao Vaticano para assistir à primeira missa oficial do primeiro papa jesuíta-franciscano. Isso, sim, é um pecado original. Será que São Francisco de Assis faria parte dos 65% que aprovam este governo de luxúrias somente para os governantes parceiros e cumpanheros, enquanto o povo morre nos hospitais públicos sem ter o atendimento digno, nos casebres pendurados nos morros e destruídos pelas fortes chuvas todos os anos, 25% das crianças abandonam as escolas de ensino fundamental, grande parte da juventude abandonada nas calçadas de todas as grandes cidades consumindo drogas, no país em 85.ª posição no IDH? Que país é este? Que povo é este?

Vagner Ricciardi vbricci@estadao.com.br 
São Vicente

*
MINISTRO TURISTA

Com uma luxuosa embaixada brasileira em Roma, a presidente Dilma Rousseff, mais quatro ministros, estão em hotel de 4 mil euros por dia. Lá está, sem necessidade, o maior papagaio de pirata da história, o Sr. Aloizio Mercadante – deveria resolver o índice do IDH, parar de viajar – ministro pombo-correio, a educação do Brasil está à sua espera. 

Celso de Carvalho Mello celsosaopauloadv@uol.com.br 
São Paulo

*
MERCADANTE NA ITÁLIA

Não dá para saber por que em toda viagem internacional lá está servindo de segurança à presidente Dilma Mercadante, nosso “ministro da educação”. Enquanto isso, nosso IDH continua lanterninha com relação aos outros países justamente por causa da pasta que o ministro comanda. É fuga, forças estranhas ou interesses eleitoreiros que fazem com que Mercadante viaje tanto ao lado da presidente? Não é a exposição dependurado na presidente que o faz um bom candidato ministro, e sim eficiência na pasta que comanda. Mais trabalho e menos viagens internacionais! Fora que, em época de caixa baixo, gastos públicos estão sendo usados à revelia de interesses reais da Nação.

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br 
São Paulo

*
CONSTRANGIMENTO PAPAL

A presidente da Argentina, Cristina Kirchner, em visita ao Vaticano, pediu ao papa Francisco que interceda na comunidade internacional para que haja a retomada das discussões das Ilhas Malvinas (Falklands) com a Inglaterra. Como o papa Francisco é argentino, e tem como prioridade a defesa dos pobres, a presidente Kirchner acabou deixando-o numa “saia justa” logo no início do mandato. Muy amiga!

Edgard Gobbi edgardgobbi@gmail.com
Campinas

*
RESPOSTA DO PAPA

Ao solicitar ao papa Francisco intervenção na crise diplomática em torno das Ilhas Malvinas, Cristina Kirchner deve ter ouvido o seguinte: “Dai a Elizabeth II o que é de Elizabeth II e aos kelpers o que é dos kelpers”

Sergio S. de Oliveira ssoliveira@netsite.com.br 
Monte Santo de Minas (MG)

*
CRISTINA E AS MALVINAS

Até o papa ela quer pôr na embrulhada. Foi feito um pleito recentemente e, se não me falha, somente um morador da ilha quis pertencer à Argentina. Sem querer ofender a sra. Cristina e o seu povo, será que acham que os malvinenses querem pertencer à Argentina? Ela deveria administrar bem sua casa, e depois pensar numa ilha que só serve nessas alturas para fortalecer seu populismo decadente. Ou vamos chamá-la de Cristina Galtieri?

Ailton Dias Pereira ailton7@ig.com.br 
Ribeirão Preto

*
EDUCAÇÃO NOTA MIL
 
As redações do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) que tiraram nota máxima mostram o fundo de poço a que o nível de nossa educação chegou. Deram a nota máxima para quem não sabe escrever a grafia correta das palavras. Usando estas brilhantes mentes, que brilham no escuro da ignorância, podemos afirmar como única alternativa: as “altoridades” de nosso país não “enchergam” nem um palmo à frente do “naris”. Brasil sem miséria no futuro é um país com prioridade na educação de nossas crianças no presente.
 
Manoel José Rodrigues manoel.poeta@hotmail.com 
Alvorada do Sul (PR)

*
NOVILÍNGUA PETISTA

“Os peixe que nós trousse da lagoa estão rasoavel.” Atenção, professores: de acordo com a nova versão do nosso idioma, atualmente em desenvolvimento pelo Ministério da Educação do governo petista, esta sentença não contém nenhum erro de português!

Henrique Brigatte hbrigatte@yahoo.com.br 
Pindamonhangaba

*
‘NÓIS’ E A REDAÇÃO
 
“É rasoavel que nóis pega o peixe pra enchergar se tá bom. Se trousse us óclos Enen Me(c)avisou?” Cem sensura, por favor!
 
Tania Tavares taniatma@hotmail.com 
São Paulo

*
ANALFABETOS

Os que corrigem as provas de redação do Enem são tão analfabetos quanto aos corrigidos. Esse Enem é  uma “wergonhia nassional”.
 
José Piacsek Neto bubapiacsek@yahoo.com.br 
Avanhandava 

*
OS ERROS NO ENEM

E assim caminha este país. Há anos temos problemas na educação. O ensino é fraquíssimo. Os professores passam de ano junto com os alunos, principalmente no 1.º grau. E, se estes chegam ao Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), não me surpreende que aceitem erros do tipo dos que foram denunciados. Pobre país. Vai continuar sem “enchergar” por muito tempo. Com esta filosofia querem o quê? E ainda por cima com governo petista. Pronto, está feito o cenário ideal. É o que eles querem. Analfabetos, sem conhecimento e sem cultura para serem dominados por eles.

Panayotis Poulis ppoulis46@gmail.com 
Rio de Janeiro

*
IBOPE DO GOVERNO

Saiu a pesquisa de aprovação do governo Dilma apontando um recorde de 63%, segundo o Ibope, e confiabilidade da pesquisa de 95%! Só que eu não acredito, a menos que a maioria dos pesquisados pertençam ao segmento “militância”. Por exemplo: como podem os brasileiros da região serrana do Rio de Janeiro estarem felizes quando sentem na pele o descaso e a incúria do poder público, dois anos depois da primeira tragédia, e que vem se repetindo, infelizmente? R$ 13 milhões foram destinados para instalarem sirenes (?), quando o custo não deve ter superado R$ 20 mil, e o resto do dinheiro? Sumiu na lama da corrupção e nada mais foi feito. Como pode o povo da região serrana do Rio de Janeiro estar contente com Dilma quando ainda vive em meio ao caos produzido pelas enchentes de dois anos atrás; quando, dos 8 mil apartamentos prometidos naquela ocasião por Dilma e Sérgio Cabral para retirá-los das encostas, nenhum foi entregue? E quando agora ouvem da boca da presidente que “o povo não quer sair”, será que ficam felizes? Mais de uma dezena de mortos já se produziu nos últimos dias, porque o povo é teimoso, prefere morrer a sair de seus barracos! Realmente, este país está sendo dominado por cínicos! E os institutos de pesquisa que me perdoem, mas não merecem mais credibilidade alguma.

Mara Montezuma Assaf montezuma.scriba@gmail.com
São Paulo

*
ESTATÍSTICA E PESQUISA

A estatística é uma ciência exata segundo a qual, se eu como dois pães por dia e você não come nenhum, eu e você comemos, em média, um pão por dia. É bem verdade que eu estarei mais bem alimentado do que você, mas... O CNI/Ibope realizou uma pesquisa que apurou o maior índice de aprovação de um governo e de um presidente. Nunca antes na história desta país... A pesquisa ouviu 202 eleitores em 143 municípios. O Brasil tem 140 milhões de pessoas aptas a votar e possui 5.570 municípios. Encareço, pois, aos estudiosos das ciências exatas, estatísticos, matemáticos e outros ou aos das ciências ocultas que expliquem o espetacular resultado.

Marco Antonio Esteves mbalbi69@globo.com 
Rio de Janeiro

*
UMA OUTRA PESQUISA

A pesquisa do Ibope mostra que a Dilma tem 63% de aprovação. Só se for entre os militantes do PT, porque o que vejo ao meu redor corresponde a 5%. Gostaria de saber a opinião dos moradores da região serrana do Rio de Janeiro atingidos pelas enchentes e desmoronamentos, do povo nordestino atingido pela seca, onde as promessas com a transposição do Rio São Francisco não foram cumpridas, assim como a população que não consegue tratamento médico e hospitalar e também dos que conseguem e estão em situação precária por causa da falta de medicamentos, equipamentos, leitos e de médicos. Infelizmente, ainda não temos um instituto de pesquisa para fazer esse tipo de pesquisa.

José Carlos Costa policaio@gmail.com 
São Paulo

*
APROVAÇÃO

Como sempre pergunto: Quantos desses que aprovam este governo sabem o nome de no máximo três ministros? (Só para informação, são 39). Tô começando a ficar com vergonha de ser brasileiro.

José Roberto Palma palmapai@ig.com.br
São Paulo

*
PESQUISAS E PESQUISAS

Há pesquisas e pesquisas. Some-se a isso o interesse do governo em vender uma boa imagem  junto aos eleitores. Estranho que há cerca de duas semanas li uma notícia dando conta de que o governo estava com medo de fazer pesquisa porque estava sendo mal avaliado na área da saúde. Causa maior estranheza que justamente pessoas com idade acima de 50 anos são aquelas que mais procuram por tratamentos médicos e hospitalares e, na pesquisa, são as que mais aprovam o governo Dilma?  Certamente nenhum aposentado do INSS nem desempregado com mais de 50 anos foi convidado a responder a tal pesquisa e nenhuma pergunta foi feita a respeito da saúde. Gostaria que as perguntas fossem divulgadas, pois com uma inflação alta,  uma economia estagnada e os preços dos alimentos na estratosfera, como pode um governo ter tamanha aprovação? Só se for magia, e nesse assunto o governo Dilma vem se surpreendendo. Me engana que eu gosto. 

Izabel Avallone izabelavallone@gmail.com 
São Paulo

*
COISAS QUE NUNCA VI NA VIDA

Atualizando a lista das cinco coisas que nunca vi em toda a minha vida: 1) mula sem cabeça; 2) sereia; 3) lobisomem; 4) saci pererê; e 5) entrevistador do Ibope ou do Vox Populi.

Maurício Rodrigues de Souza mauriciorodsouza@globo.com 
São Paulo

*
ANEDOTÁRIO LATINO-AMERICANO

O Ministério Público autorizou a exumação de Jango. A Comissão da Verdade quer apurar se ele foi envenenado, ou algo assim. No Chile, a esquerda também já cismou com a morte de Allende. Pediram exumação do seu corpo, examinaram e quebraram a cara. Agora querem exumar Pablo Neruda. Ele também teria sido assassinado. Mais recentemente, Evo Morales andou dizendo que o câncer de Hugo Chávez teria sido “inoculado” pelos americanos.  Zelaya já falava em “raios gama” enviados pelos israelenses, quando refugiado na embaixada brasileira. A iniciativa do Ministério Público e da Comissão da Verdade junta-se agora ao anedotário da região.  

Maria Cristina Rocha Azevedo crisrochazevedo@hotmail.com 
Florianópolis

*
COMISSÃO DA VERDADE

Esta Comissão da Verdade foi criada para verificar o que os militares fizeram (mataram, torturaram, etc.). Pergunto: o que a quadrilha da Dilma, Genoino, Dirceu fez, assassinaram, assaltaram e sequestraram, mas será apurado também? Ou só os militares que lutaram pela democracia serão investigados, e aqueles que pegaram em armas para implantar aqui uma ditadura comandada por Fidel são inocentes?

Delcio da Silva delcio796@terra.com.br
Taubaté

*
HERZOG

Eu era adolescente quando da morte do jornalista Wladimir Herzog e, na época, acompanhava horrorizado e incrédulo as notícias veiculadas pelo “Estadão” e o “Jornal da Tarde”, indicando nas linhas e entrelinhas que ele havia sido assassinado nos porões do DOI-Codi. Só ignorantes acreditavam na autenticidade daquela famosa foto em que ele aparece enforcado. A emissão oficial do novo e verdadeiro atestado de óbito, fruto da perseverança da família, é um marco histórico. É um claro sinal de que não é a Lei da Anistia que inibirá a busca por justiça. Somente através da identificação e punição de mandantes e torturadores é que esta triste história jamais se repetirá.
 
Luciano Harary lharary@hotmail.com 
São Paulo 

*
INSPEÇÃO VEICULAR

Brilhante o editorial “O prefeito se complica” (“Estadão”, 18/3, A3). Vai ser como sempre: o governo credencia 450 oficinas para realizarem a famigerada inspeção veicular; depois, para evitar possíveis fraudes, será criado um grupo de fiscalização especial, com funcionários próprios e terceirizados; como se não bastasse, será contratada uma empresas especializada para determinar as exigências de ordem técnica a serem observadas pelas oficinas credenciadas. E quem vai controlar tudo isso, se já é difícil controlar a Controlar?!
 
Cláudio Moschella arquiteto@claudiomoschella.net 
São Paulo

*
IDEIA GENIAL

O prefeito Haddad anda procurando motivos para justificar sua eleição. Como soe acontecer nas administrações petistas, costumam deixar tudo como está ou rebatizar programas em andamento. Haddad até agora não conseguiu achar nada significativo para chamar a atenção e então voltou-se para suas promessas de campanha. Ou para a sua promessa de campanha, que era o fim da inspeção veicular exercido pela empresa Controlar. O contrato dessa empresa com a Prefeitura se mantém por decisão judicial e o novo prefeito então teve uma ideia genial: descentralizar o serviço da Controlar e espalhá-lo por 450 oficinas mecânicas credenciadas. A ideia só pode ser de jerico ou no mínimo uma infeliz elucubração para mostrar serviço, pois é de uma estupidez a toda prova. Espalhando o serviço por 450 diferentes credenciados, acarretará a fiscalização desses 450 credenciados, a compra de 450 equipamentos novos e os desvios de conduta dos 450 credenciados, pois as mesmas oficinas que farão a fiscalização poderão reprovar o veículo, reparar o veículo e em seguida aprovar o veículo. O bom moço não entendeu que foi eleito para prefeito da cidade de São Paulo, e não para um vilarejo do interior da Suíça... 

Victor Germano Pereira  victorgermano@uol.com.br
São Paulo

*
CORRUPÇÃO À VISTA

Corrupção à vista. Na nova proposta do genial poste de Lula, o prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, para a inspeção veicular ambiental  passar de uma só empresa, a “Controlar”, com a qual tem contrato, para 450 oficinas mecânicas credenciadas, atendendo a uma reivindicação do sindicato das oficinas mecânicas da Capital. Revela essa mudança uma nítida confusão de interesses das oficinas que  poderão fazer ao mesmo tempo a inspeção e os reparos que apontarem como necessários. Como a Prefeitura fará a fiscalização dessa oficinas, se já reconhecemos a deficiência em fiscalizar tantas outras áreas? E as normas estabelecidas pelo Ibama serão desobedecidas? Sem fiscalização eficiente, na verdade, teremos mais um veio para a corrupção; quem pagar mais leva o “selinho redondinho”.

Leila E. Leitão
São Paulo 

*
PUXADINHO NA INSPEÇÃO

Foi implantada em São Paulo a gestão de puxadinhos do PT, está aberto o caminho para a corrupção, reprovação indiscriminada a bel prazer, piora da qualidade de ar e a desorganização total daquilo que está funcionando também a cobrança da taxa de quem não possui carro através da verba pública. 
 
Nelson Pereira Bizerra nepebizerra@hotmail.com 
São Paulo

*
PROMESSAS DE ELEIÇÃO

Quando de sua campanha para a Prefeitura de São Paulo, o Sr. Fernando Haddad, vencedor da mesma, fez diversas promessas ao povo paulista, entre as quais destaco as seguintes: 1) construir 172 creches; 2) construir 55 mil casas; 3) acabar com a inspeção veicular. Vamos aguardar.

Douglas Jorge douglasjorge23@yahoo.com.br 
São Paulo 

*
ADES

Além deste problema com a bebida Ades, da falta de controle da qualidade da Unilever, o supermercado Pão de Açúcar, como se não bastasse, colocou todo o lote de Ades em promoção. Mais uma falta de responsabilidade deste país onde cada um quer tirar vantagem sem nenhum comprometimento com a saúde pública.

Christiane Eliza Camargo eliza3557@hotmail.com
São Paulo

Mais conteúdo sobre:
Fórum dos Leitores

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.