Fórum dos Leitores

FRANCISCO NO BRASIL

O Estado de S.Paulo

23 Julho 2013 | 02h11

Discurso impróprio

No Palácio Guanabara, sede do governo do Estado do Rio de Janeiro, Dilma Rousseff, discursando como que se sentindo num palanque, fez um pronunciamento político enaltecendo, como se benéfica fosse, a era do lulismo - cujos frutos contaminados/estragados ora colhemos e que na mais elementar análise foi tachada de prejudicial por significativa parcela de brasileiros -, enquanto a fala do papa Francisco foi voltada para a juventude, na qual devemos investir e que precisamos amparar, nela confiar, pois é a nossa esperança de um futuro melhor, mais humano, próspero e solidário. Simplesmente, para aquele momento, foi inteiramente impróprio e inadequado o pronunciamento da "presidenta" Dilma.

HUMBERTO SCHUWARTZ SOARES

hs-soares@uol.com.br

Vila Velha (ES)

*

Dilma e o papa

De nada adiantam as tergiversações macroeconômicas de Mantega, o desfile dos 39 bem-amados ministros, plebiscitos para ludibriar as manifestações das ruas, médicos pula-fronteira da normalização da profissão, planos e pacotes mediúnicos. O que o governo Dilma precisa é de um choque de competência. Entretanto, os fatos mostram que nesse quesito o lulopetismo é um fracasso, desde o primeiro dia em que Lula pisou no Planalto. Assim, só nos resta orar e ter a bênção do papa que nos visita.

FRANCISCO JOSÉ SIDOTI

fransidoti@gmail.com

São Paulo

*

Irresponsabilidade

Vá lá que sejamos o país do futebol, do samba, da descontração e da folia, mas a chegada do papa à cidade do Rio de Janeiro foi uma demonstração de total irresponsabilidade das autoridades políticas, policiais e até religiosas. Após tanto planejamento, o veículo que transportava o papa foi parar num típico congestionamento carioca, um retrato da bagunça em que se encontra o país que pretende organizar nos próximos anos os dois maiores eventos esportivos do planeta.

VICTOR GERMANO PEREIRA

victorgermano@uol.com.br

São Paulo

*

SAÚDE PÚBLICA

Mazelas

Deu-me um frio na barriga ao ler o editorial Mazelas da saúde pública (21/7, A3), pois não pude deixar de pensar nas Santas Casas de Misericórdia endividadas, muitas sob intervenção. Lembrei-me de Ibitinga, Birigui e Franca, entre outras tantas. Sobre hospital-escola, o de São Carlos é um exemplo do que pode ocorrer nos demais. Aumentar o que, se estamos deixando falir o pouco que temos? Note-se que mencionei apenas casos do Estado de São Paulo.

SÉRGIO BARBOSA

sergiobarbosa@megasinal.com.br

Batatais

*

Decepção

Embora não tenha votado nele, pois não sou petista, tinha certa esperança de que o prefeito Fernando Haddad viesse a cumprir as suas promessas de campanha no que se refere à saúde pública no Município de São Paulo. Mas a esperança está a caminho da decepção. Faltam medicamentos nas UBSs, a marcação de consultas é um descalabro, conforme relatado no editorial Mazelas da saúde pública, e as outrora malfaladas (pelo PT) Organizações Sociais ainda dão as cartas, com o mesmo padrão de falta de qualidade e insensibilidade para com o ser humano. Exemplifico: para marcar uma consulta com médico de especialidade o prazo mínimo é de quatro a cinco meses. Depois de autorizada a consulta, somente para emitir a guia de encaminhamento a UBS do Jardim Cliper (periferia da zona sul) leva quase uma hora por paciente. Se houver três ou quatro pacientes para simplesmente retirar uma guia, leva-se meio dia de expediente. Não há sistema de informática e quem comanda tudo parece ser uma central, da qual as UBSs dependem. Daí a perda de tempo absurda na comunicação e a falta de preparo evidente dos atendentes.

ADEMIR VALEZI

valezi@uol.com.br

São Paulo

*

MINISTRO DO TCU

Malandragem

Inaceitável: a Justiça permitiu a alteração do ano de nascimento do ministro do Tribunal de Contas da União (TCU) Raimundo Carreiro, de 1946 para 1948. Uma manobra inescrupulosa que serviu para adiar a aposentadoria do ministro e lhe garantir a presidência do TCU no biênio 2017-2018. O estranho é que Raimundo Carreiro se aposentou no Senado, onde era secretário-geral, pela idade antiga: aos 60 anos, contados a partir de 1946. Malandragem de braços dados com picaretagem. Assim fica mais difícil ainda o povo acreditar na Justiça do Brasil.

LEÔNIDAS MARQUES

leo_vr@terra.com.br

Volta Redonda (RJ)

*

Festança

Exemplo vergonhoso da farra com dinheiro público esse caso de Raimundo Carreiro. Patrocinado pelo padrinho-mor da República, José Sarney, esse senhor foi admitido sem concurso na gráfica do Senado, efetivado na Casa por um "trem da alegria", indicado para o TCU por seu superpadrinho e, ainda por cima, alterou sua certidão de nascimento para gozar mais dois anos na grande festa que é esse tribunal. Esse é apenas um exemplo do que são a máquina estatal e seus padrinhos na capital federal - na verdade, em todo o País. Por isso é que não sobra dinheiro para saúde e educação. Pobres de nós, os sem-padrinho...

CELSO BATTESINI RAMALHO

leticialivros@hotmail.com

São Paulo

*

Rejuvenescimento

O ministro alega que alterou a certidão de nascimento porque só agora teve tempo e dinheiro para tal. Essa prática é legal? É moral? Será que ele fez isso para poder servir ao País mais dois anos ou foi para engrossar a aposentadoria? Se a moda pega, nós, trabalhadores e pagadores de impostos, estamos fritos!

EMERSON LUIZ CURY

emersoncury@gmail.com

Itu

*

CORRUPÇÃO

Fórmula

A corrupção, no Brasil, divide-se em duas partes: a dos políticos da situação e a dos políticos da oposição. Juntos tornam inviável qualquer tentativa, por sincera que seja, de atacar o problema.

AXEL VON HULSEN

avonhulsen3@gmail.com

São Paulo

*

Limite geográfico

A indignação dos petistas com a corrupção tem limite geográfico, o Estado de São Paulo! Seus pudores não extrapolam para o País, que há mais de dez anos é governado pelo PT e tem sido palco de episódios os mais grotescos - vide o mensalão! Esse é o principal sintoma da falsidade desse tendencioso partido.

EUGÊNIO JOSÉ ALATI

eugeniojosealati@yahoo.com.br

Campinas

*

BEM-VINDO, PAPA FRANCISCO

Não há como não se emocionar e comover  com o papa Francisco. Independentemente da crença que se professe, no meu caso, o judaísmo, não se pode deixar de reconhecer a lição de humildade verdadeira, de altruísmo, de serenidade e renovar a esperança e confiança de que a humanidade é capaz de ser muito melhor.

 

Luiz Nusbaum lnusbaum@uol.com.br

São Paulo

*

DISCURSO POLÍTICO

Alguém poderia explicar o que foi o discurso "político", de autoelogio, feito pela presidente Dilma?  Se é por falta ou não saber o que dizer; desça do palanque e cale a boca, Dilma!

Claudio Juchem cjuchem@gmail.com

São Paulo

*

UM BAITA EQUÍVOCO

Acho o discurso de recepção ao papa proferido pela  mandatária brasileira deve ter ficado no palácio e lhe foi entregue outro, enaltecendo os  “feitos”  do governo petista nos últimos dez anos. Será  que há possibilidade de ter acontecido isso?  Eu acho que houve um baita equívoco.      

     

Jeovah Ferreira jeovahbf@yahoo.com.br

Taquari (DF)    

*

PURO MARKETING

A presidente Criatura (de direito, só) quer pegar uma "beirinha" na visita do papa para fazer média com a população brasileira e aparecer no cenário mundial  com propostas populistas de “melhorias” no Continente Africano, onde o Brasil já perdoou dívidas e investiu sem retorno - como se não tivéssemos "Áfricas" aqui, no Norte-Nordeste, carentes de verbas. Mostra bem ser "mamulenga"  do presidente Burla (ele é),  o nefasto.

 

Laércio Zannini arsene@uol.com.br

São  Paulo

*

ESPERANÇA...

 

Dilma teima em persistir no erro. Será que o papa Francisco vai, de forma subliminar, convencer a presidente Dilma de que está errada? Tomara que sim. Esperamos que ela mude: dê vara, linha e anzol e ensine a pescar, em vez de dar o peixe...

Humberto Schuwartz Soares hs-soares@uol.com.br

Vila Velha

*

PALAVRAS E OBRAS

Sua Santidade, talvez por conhecer o espírito da “latinidad”, sobre a visita ao Brasil, disse: “A palavra é viva quando são as obras que falam. Cessem, portanto, os discursos e falem as obras. Estamos saturados de palavras, mas vazios de obras”, explicando assim a falta de “carapuças” para vender em Brasília...

Caio Augusto Bastos Lucchesi cblucchesi@yahoo.com.br

São Paulo

*

O QUE O BRASIL PRECISA SABER

Corre pela internet como morreu Mario Kozel Filho, um pracinha brasileiro. Será que, diante disso, o papa Francisco sabe quem é  a "nossa"  presidente?

Deocilio Meira deociliomeira@hotmail.com

São Paulo

*

PRESENÇA INCOMPREENSÍVEL

Não entendi a presença de dona Marta na comitiva de recepção ao maior líder do rebanho de Cristo na Terra! É muita cara de pau política!  Entenderia se lá estivesse arrependida para ajoelhar-se e pedir perdão pelo mal que fez e ainda tenta fazer à família e à vida. É muita cara de pau e oportunismo político!

Joaquim Ferreira pinto Neto jfpintoneto@hotmail.com

Ubatuba

*

AUSÊNCIA EX-PRESIDENCIAL

Não faltou alguém...?

 

Cláudio Moschella arquiteto@claudiomoschella.net

São Paulo

*

MANCADA

Mas que mancada do motorista do carro de segurança da comitiva do papa pegar uma pista onde estavam os ônibus e outros veículos, e não usar a pista central, que estava liberada para o trajeto da comitiva. Brincadeira... Não dá para acreditar! Isso é uma demonstração de total despreparo da logística. Esse motorista é discípulo do inspetor Clouseau? Aliás, o helicóptero que levou o papa ao Palácio Guanabara pousou no campo do Fluminense. O Palácio Guanabara não tem heliporto? O governador Sérgio Cabral, quando pega o helicóptero na Lagoa para ir ao Palácio Guanabara, pousa aonde?

Panayotis Poulis ppoulis46@gmail.com

Rio de Janeiro

*

TEMPORADA NO INFERNO

O técnico em logística que planejou o trajeto do carro do papa da Base Aérea do Galeão até o centro do Rio de Janeiro, passando pela Avenida Getúlio Vargas, acaba de receber um passe livre para passar uma temporada no inferno.

Sergio S. de Oliveira ssoliveira@netsite.com.br  

Monte Santo de Minas (MG)

*

IGNOMÍNIA

A incompetência de nossa gestão pública e a ignomínia de nosso povo foram vistas por todo o mundo! O papa quase foi trucidado vivo! Este é o Brasil...

 

Marcelo Besser mcxbesser@hotmail.com

São Paulo

*

AVISO

 

Cuidado com o Papamóvel. Não há nenhuma garantia de que ficando imóvel não corra perigo.

 

Francisco J. D. Santana franssuzer@gmail.com

Salvador

*

MANIFESTAÇÃO ANTIPAPAL

Era de esperar que com a visita do papa Francisco as manifestações não seriam agressivas. Entretanto, o que se viu no Largo do Machado e em Laranjeiras foi uma ira contra o evento que se realiza no Rio. É lamentável que indivíduos estejam infiltrados no meio de manifestantes pacíficos e os serviços de inteligência e câmeras de vigilância se mostrem ineficazes. Quando é que começarão a prender esses baderneiros e identificar

os mandantes? Respeitem quem veio em paz e trazer amor para a maioria da população brasileira.

 

Sebastião Paschoal s_paschoal@hotmail.com

Rio de Janeiro

*

EDUCAÇÃO BRITÂNICA

Jamais seremos como os britânicos, pela educação, pelo respeito, pela organização. Ao mesmo tempo que vi na TV a chegado do papa ao Rio, foi transmitida também a chegada do bebê real, com delicadeza, sensibilidade e respeito, coisas que não vi na chegada do papa ao Brasil: ruas sem interrupções de pessoas se atropelando, segurança correndo risco de vida. Programas sem respeito ao papa por ter viajado por 13 horas, cansado, nem água, nem banheiro, este é o jeito do político brasileiro. Contanto que apareçam na TV, está tudo legal. Precisamos de muita educação mesmo. Até dona Dilma estava simpática.

 

Maria José da Fonseca fonsecamj@ig.com.br

São Paulo

*

BAGUNCEIROS E VÂNDALOS

A presença do papa Francisco está exigindo muita atenção das autoridades ligadas à área de segurança pública. O que é profundamente lamentável, pois passa ao mundo a impressão de que os brasileiros são bagunceiros e vândalos. O que não é verdade, mas alguns indivíduos mal-intencionados, com suas atitudes desonestas em manifestações recentes, levam a tais deduções. Que as lideranças que promovem as manifestações aproveitem o momento da visita e avaliem a importância do debate de propostas e encaminhamentos de forma objetiva e transparente. Assim, a visita do papa atingirá um objetivo maior, que é o debate sobre questões sociais.

Uriel Villas Boas  urielvillasboas@yahoo.com.br

Santos

*

CADA UM COM SEUS PROBLEMAS  

Segundo noticiário, a presidenta Dilma vai propor ao papa Francisco apoio a projetos internacionais de combate à pobreza e à exclusão social. Cá ente nós, com o grande poder que a presidenta tem em mãos, se ela se limitasse a resolver nosso próprio “probleminha” de pobreza, já estaria de bom tamanho.  O Papa já deve estar bastante atarantado com as vicissitudes que enfrenta a Igreja Católica.

 

Jose Marques seuqram.esoj@bol.com.br

São Paulo

*

POBREZA E EXCLUSÃO

Pobreza e exclusão social serão conceitos propostos à discussão, pela presidente Dilma ao papa Francisco. A pobreza necessariamente não exige a exclusão social, podendo existir pessoas pobres, digamos, que ganham pouco, mas que não são marginalizadas da sociedade, embora a recíproca não seja verdadeira. De qualquer forma, seria mais prudente se a presidente questionasse Sua Santidade se estar afundando, por teimosia e ideologia, um país repleto de necessidades sociais é pecado e, em caso positivo, qual a penitência.

 

Mario Cobuci Junior maritocobucci@uol.com.br

São Paulo

*

O ÓBVIO

Na primeira página do “Estadão” de ontem a manchete foi: "O papa diz que dirigentes devem servir os pobres". Sem demagogia, é o que a Igreja Católica faz há mais de dois milênios, o óbvio! Nem por isso seus representantes são "ricos", muito ao contrário de certos "pastores" de outros cultos, que desfrutam riquezas "particulares", conforme divulgado pela mídia. Muito semelhante aos no$$os dirigentes, que só se lembram dos pobres na época das eleições; depois de terem se locupletado com o dinheiro público, ainda se valem do corporativismo para aprovarem benefícios próprios, aumentando seus proventos com vantagens "eventuais"... Para sanearmos os efeitos danosos de tantas ilicitudes, só nos resta a alternância no poder. Antes que seja tarde.

 

Luiz Dias lfd.silva@2me.com.br

São Paulo

*

MP PARA PADRES

Ainda bem que o Estado brasileiro é laico. Se não fosse, a “presidenta” estaria sacando uma medida provisória (MP) estendendo em mais dois a formação do sacerdócio. Seria para que os padres passassem mais dois anos atendendo às dioceses do interior do Nordeste. Onde, segundo reportagem do “Estadão”, faltam padres.

 

Ulysses Fernandes Nunes Junior Twitter: @Ulyssesfn

São Paulo

*

POR DECRETO

    

Será que a dona Dilma vai obrigar, por decreto, o papa a criar o programa Mais Padres e obrigá-los a trabalhar dois anos nos "velórios do SUS" do Nordeste?!

José Gilberto Silvestrini jsilvestrini@hotmail.com

Pirassununga

*

BANDEIRA 2

A visita do papa ao Rio de Janeiro fez o prefeito incompetente, Eduardo Paes, deixar os taxistas cobrarem bandeira 2 direto e reto, ou seja, o povão que precisar ou quiser usar táxi, pois vai ser difícil se locomover de carro ou condução, terá de pagar mais caro. Na verdade, essa visita vai sair muito, mas muito cara, tanto em gastos do Estado quanto da prefeitura. Será que essa foi ou será a melhor saída? Isso, na verdade, é uma vergonha. No Brasil, mexer com o dinheiro dos outros é algo que todos adoram, sem se preocuparem com isso.

Antonio Jose G. Marques a.jose@uol.com.br

São Paulo

*

FÉ COMERCIAL

Muitíssimo bem-vindo, papa Francisco, proclamam os comerciantes de artigos religiosos, com a esperança de ganhar milhões.

Fausto Ferraz Filho faustofefi@ig.com.br

São Paulo  

*

CAEM AS MÁSCARAS

Excelente decisão da polícia a de proibir mascarados de participar da missa do papa. A firme medida poderia ser estendida aos marginais e covardes que destroem patrimônio público e privado nas saudáveis manifestações de ruas.

Vicente Limongi Netto limonginetto@hotmail.com

Brasília

*

TEMPOS ‘CICLÓPICOS’    

O impressionante desenrolar dos acontecimentos aqui, entre nós, é emblemático destes tempos ciclópicos que vivemos. Os protestos nas ruas por variadas razões, a visita do papa Francisco a atrair multidões e a economia em borbulhante efervescência nos levam a crer que de tédio ninguém sofre ou morre neste país gigante por natureza. Vida que segue.

José de Anchieta Nobre de Almeida josedalmeida@globo.com  

Rio de Janeiro

*

REUNIÃO DO PT

A implosão dentro do próprio partido do PT é inevitável e atingiu um nível crítico, tanto que nem entre eles se entendem mais. Visto que Dilma, demonstrando comportamento de revolta e insatisfação, desistiu de participar da reunião do partido mediante alegação esdrúxula de ter uma reunião sobre a visita do papa ao País.

Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br   

São Paulo

*

O PACTO

Após os protestos nas ruas, Dilma anunciou um pacto pela responsabilidade fiscal. Acho que ela se inspirou na música antiga que fez muito sucesso: “O pacto, vinha cantando alegremente qüem, qüem”, etc. O povo aprendeu que, para ser ouvido, só fazendo protestos. Suponho que ela ache, acertadamente, o povão mais eficiente que o “Mantega” rançosa. Por que não nomeia o povão para o Ministério da Fazenda?

Mário Alves Dente dente28@gmail.com  

São Paulo

*

O QUE O POVO PRECISA

Dona Dilma, por favor, o dinheiro público é para ser gasto com coisas bem mais importantes do que encher as emissoras de propaganda institucional. Pense no bem-estar da população em primeiro lugar, em vez de visar apenas às próximas eleições. O povo mais pobre precisa mais, muito mais do que papo furado. Pare um pouco para pensar e aprenda a decodificar o clamor das ruas. Os que lá foram para protestar o fizeram por um país melhor: foram pedir mais ética, mais educação, saúde de melhor qualidade e um governo que use eficazmente os recursos obtidos pelos impostos altíssimos que todos pagam. O que as ruas estão a exigir é um mínimo de idealismo e dignidade que se deve esperar de um bom mandatário. Mude tudo nesse seu governo, começando por cortar metade de seus inúteis 39 ministérios. Tem cabimento isso se nada funciona bem? Tome tento, presidenta! O povo brasileiro merece mais consideração.

 

Eliana França Leme efleme@terra.com.br

São Paulo

*

ALVES E A MALA

O roubo de uma mala de dinheiro pertencente ao presidente da Câmara, deputado Henrique Eduardo Alves, levanta novamente o fantasma de um novo mensalão. Existem inúmeras maneiras de uma pessoa honesta fazer um pagamento de R$ 100 mil. Transações desse valor em dinheiro vivo têm a cara do crime. Mala de dinheiro, empréstimo do Banco do Brasil, inquérito blindado pela polícia: estão aí todos os ingredientes para que tenhamos um novo escândalo como o mensalão.

Mário Barilá Filho mariobarila@yahoo.com.br

São Paulo

*

FATOS GRAVÍSSIMOS

O roubo dos R$ 100 mil e a não explicação do presidente da Câmara dos Deputados sobre o motivo do saque e do pagamento são fatos gravíssimos que têm de ser levados à Comissão de Ética e devidamente apurados durante o segundo semestre. Não há como a Câmara dos Deputados voltar do recesso sem o afastamento do presidente da Casa até o final da apuração dos fatos.

Luiz Roberto Da Costa Jr. lrcostajr@uol.com.br

Campinas

*

SANDUBA E REFRI

Tem gente que não tem o que comer. Enquanto isso, o presidente da Câmara, Henrique Alves, promove um jantar para seus pares, pelo qual pagou R$ 28,4 mil com dinheiro da Casa, isto é, nosso dinheiro. Ele pouco está se importando com as manifestações populares que estão ocorrendo, sobretudo contra políticos que viram as costas para a população depois que se instalam em Brasilia, a ilha da fantasia.  Ainda diz que foi um “jantar de trabalho”, com camarão, presunto de Parma e queijos finos, regados a champanhe. Jantar de trabalho é sanduíche e refrigerante.

Alvaro Salvi alvarosalvi@hotmail.com

Santo André

*

TERRA MÉDIA

Os que viram os filmes da trilogia “O Senhor dos Anéis” ou leram os livros da saga de J. R. R. Tolkien não têm a menor dúvida: sabem que, no Brasil, os Orcs já estão de posse do anel há muito tempo. Por isso, a Central Única dos Uruk-hai, reforçada pela subclasse do PCC e um batalhão de Nazgûls peemedebistas, segue dominando as ruas com suas hordas bem armadas e aparelhadas. No momento, enquanto vão devastando a terra média (e a classe média junto), tentam devolver o anel ao Sauron de Garanhuns. Se conseguirem, restará quase plenamente restabelecido o inferno de Mordor, para gáudio do mago renegado Saruman, este último condenado no processo do mensalão, mas ainda não confinado em nenhuma torre perdida. Mas perdidos mesmo estaremos nós, cavaleiros da terra média e hobbits do condado, se não aproveitarmos a hora para reagir...

José Benedito Napoleone Silveira nenosilveira@aim.com

Campinas

*

‘ESGOTOSFERA’

 

Lulla reapareceu para desancar quem espalha boatos na internet sobre uma suposta recidiva de seu câncer. “Tem muitos boatos de que estou com metástase”, afirmou, concluindo: “Não é correto que algum canalha, algum imbecil, fique pela internet contando mentiras”. É mesmo? O problema é que o recente sumiço do ex-presidente acabou por alimentar todo tipo de especulação sobre seu estado de saúde – algo normal, dadas as circunstâncias. A dupla moral que caracteriza Lula, todavia, o impede de também desancar os blogueiros chapa-branca, donos de perfis falsos na rede, alguns alimentados com recursos públicos federais, cuja única função na vida é difamar prováveis adversários eleitorais do PT, como Aécio Neves. Sobre este há até um perfil de nome “Aécio Never”, que é notório na rede, especializado em criar todo tipo de difamação contra o senador tucano, virtual candidato do PSDB em 2014. Sobre essa “esgotosfera” governista, nem um pio de Lula – naturalmente porque esses “canalhas” o ajudam...

 

Silvio Natal silvionatal49@gmail.com

São Paulo

*

FAÇA O QUE EU DIGO...

O maior desastre da história política do Brasil disse, do alto da sua sabedoria populista, na cidade de São Bernardo do Campo, em palestra para estudantes universitários na última quarta-feira, que “a pior coisa que pode acontecer é a gente aceitar a negação política”. O grande estadista de Garanhuns, como nunca sabe de nada, também nunca se lembra de nada. Principalmente do escândalo do mensalão, que pautou seus oito anos de governo e foi o maior exemplo de negação política já visto na política nacional, criado e administrado por Lula e seus capangas, diretamente do Palácio da Alvorada.

Victor Germano Pereira victorgermano@uol.com.br

São Paulo

*

LULA S/A

 

Conforme normas do Procon, sempre que alguma coisa nos é vendida, a empresa responsável pela venda desse produto deve atender na íntegra ao cliente quando o produto tiver problemas de qualidade ou não cumprir fielmente as tarefas a ele destinadas. Pois bem, no caso de dona Dilma, o sr. Lulla da Silva vendeu um produto que, além de apresentar vários problemas técnicos e de qualidade, não está sendo útil e falha constantemente nos atributos para os quais ela foi destinada/fabricada. Portanto, o responsável por esse produto deve ser penalizado fortemente, no caso de não poder ou não saber repor o produto vendido conforme foi cansativamente veiculado na propaganda. Uma pena enorme que os consumidores brasileiros se esqueçam de que foi Lula o inventor desse “poste” e mesmo assim, conforme a última pesquisa, ainda lhe confiam 41% de credibilidade, no caso de uma possível ou remota eleição desse apedeuta para presidente em 2014. Pobre povo brasileiro, que, por ter a memória curta, poderá novamente levar ao cargo máximo desta Nação um político que será sempre lembrado por ter oficializado a corrupção via mensalão e ter como amiga íntima a dona Rosemary, que viajou para outros países por 27 vezes na comitiva presidencial sem ter cargo efetivo que a requisitasse nessas viagens. Quando será que esse povo vai acordar e aprender a lutar pelos seus direitos?

 

Antônio Carelli Filho palestrino1949@hotmail.com

Taubaté

*

PÉSSIMO PRESSÁGIO

A pesquisa do Ibope mostra um péssimo presságio: Lula não ficou enfraquecido como deveria e Marina Silva cresce no gosto do povo. Se um dos dois subir a rampa do Planalto em 2015, o Brasil, que já está arruinado (por obra do Lula), vai cair num buraco negro pior que o dos anos de ditadura e da inflação “sarneyzista”. Marina não tem equipamento mental para governar e Lula não tem equipamento moral para governar. Vamos rezar, quem sabe o papa Francisco dá uma mãozinha.

     

José Francisco Peres França josefranciscof@uol.com.br

Espírito Santo do Pinhal

*

RIMA

Depois de muito matutar, descobri o motivo de Dilma querer que a chamem de presidenta, e não de presidente, como seria o normal. É que presidenta não dá para rimar com infelizmente.

Ronaldo Gomes Ferraz ronferraz@globo.com

Rio de Janeiro

*

A VOLTA POR CIMA

Na edição de 20/7 do “Estado” (A4), ficamos sabendo que a corrente da tripa (intestinal) “Dirsa”, “Gena” e “Cunha” vai concorrer (e, certamente, ganhar) à direção do “ParTido” em novembro. Como o PT não vai querer ser dirigido da cadeia, deduz-se que a nova composição do STF já garante o sucesso da empreitada. Oremos...

Nelson Carvalho nscarv@gmail.com

São Paulo

*

REFORMA POLÍTICA

Muitos repetem a necessidade de o País adotar a não obrigatoriedade do voto. Com a falta de cultura do povão imaginem o que deve acontecer. O PT, que já está dominando o País, vai deitar e rolar mais ainda com essa cambada que se “vende” pelo voto. A nossa realidade é que, para nossa infelicidade, os mais cultos (burgueses) aproveitariam a data para viajar. E o Brasil que “se exploda”!

Laert Pinto Barbosa laert_barbosa@ig.com.br

São Paulo

*

PROTESTOS NO PAÍS

A anarquia manifestada nas ruas de todo o Brasil é sinal da tirania do governo nos rumos da Nação. Sem diálogo com a sociedade e com medidas de cima para baixo, nada se transforma em ideal da população. Os companheiros precisam ser lembrados de que uma democracia é construída pela participação de todos. E não adianta elevar gastos públicos, fazer programas demagógicos ou levantar a bandeira de paz sem tréguas, quando o ideal está longe de conquistar o sentimento de boa governabilidade.

 

Carlos Henrique Abrão abraoc@uol.com.br

São Paulo

*

PLACAR

Placar no Rio de Janeiro: vândalos do Leblon 10 x 0 PM. Socorro!

 

J. S. Decol devoljs@uol.com.br

São Paulo

*

NOME AOS BOIS

Sérgio Cabral culpa organizações internacionais sediadas nos EUA e na Irlanda pelo vandalismo crescente nas manifestações no Brasil. Tudo muito vago... Não deu o nome aos bois, mas, se cita as origens, deve saber que organizações são essas. Por que, então, as omite?

Mara Montezuma Assaf montezuma.scriba@gmail.com

São Paulo

*

DEUS E O DIABO

A quem interessa e quem estaria orquestrando tanta destruição, tanto vandalismo? E o silêncio notório de nossas autoridades? Essa palhaçada me soa como a entrada de celulares nos presídios brasileiros e o comando dos bandidos de dentro das cadeias. Já assisti a esse filme há mais de 30 anos e ninguém, ninguém mesmo, foi capaz de solucioná-lo. É, autoridades... Quem são vocês, o que fazem e a quem servem, a Deus ou ao diabo? O povo quer saber.

Arnaldo de Almeida Dotoli arnaldodotoli@hotmail.com

São Paulo

*

TEORIA DA CONSPIRAÇÃO

Os brutais atos de vandalismo no Leblon, no Rio, teriam sido convocados, patrocinados e sustentados com a “Bolsa Quebra-Quebra” pelo Sérgio “malandro” para desmoralizar os movimentos de rua que têm colocado a classe política na corda-bamba. A intenção seria também amedrontar a passagem do papa Francisco, que, num ato de confiança na população carioca, decidiu a passar com o Papamóvel sem blindagem, nas ruas já conflagradas e, no momento, ameaçadoras. Sérgio “malandro” afirma que os movimentos contra ele – na minha teoria da conspiração, provocados por ele mesmo – teriam sido patrocinados por órgãos do exterior, como a Fifa, escandalizada pelo valor das propinas na reforma do Maracanã. Não tenho nenhuma prova disso que escrevi aí, mas tenho plena convicção.

 

Neil Ferreira neil_ferreira@uol.com.br

São Paulo

*

GANGUES BADERNEIRAS

É fácil verificar pelas filmagens em São Paulo, Rio e Vitória que esses grupos de vândalos em manifestações não são bandidos comuns, e sim formados em gangues sob o comando de alguém. Fica evidente, também, que eles são usados, com grande ajuda de alguns órgãos da imprensa, para desviar a atenção dos protestos dos brasileiros contidos nas recentes manifestações.  Consequentemente, são usados para encobrir os desmandos, a incompetência e a negligência do governo federal em áreas prioritárias para a população, reclamados nas manifestações. Os vândalos interessam ainda a setores como o Foro de São Paulo, que quer implantar um regime socialista bolivariano no Brasil, cuja reunião se realizará no dia 31/7 em São Paulo. Portanto, aparentemente o interesse pelo trabalho dos vândalos é de setores políticos brasileiros e partidos que poderão perder o comando do País nas próximas eleições. É estranho que, tendo a polícia prendido vários deles em São Paulo e no Rio – e tendo sido liberados por advogados contratados por alguém –, não tenha conseguido ou querido encontrar a origem deles. Diz o governador do Rio que vai mandar (só agora!) apurar quem são esses elementos. Não é difícil pelo menos imaginar quem são os interessados no vandalismo e, assim, compreender por que alguns órgãos de imprensa focam esses baderneiros, e não as manifestações populares e seus objetivos.  

Fabio Figueiredo fafig3@terra.com.br

São Paulo

*

MARCHA À RÉ

Ledo engano o de quem pensou que nas manifestações nas ruas por todo o País, mostrava uma repentina mudança no povo brasileiro, de alienados a acordados, de ignorantes políticos a politizados. Pensamos que passavam a ser conscientes da força do voto, etc. Toda esperança dos 20% que há dez anos lutam contra essa bandalheira que está aí se esvaiu nas pesquisas de intenções de voto, quando o povo continua tendo preferência pelos errados. Lula, Pimentel, Garotinho, etc. Podem não querer os políticos do presente, mas só veem como opção os incompetentes de ontem. O Brasil continua votando em marcha à ré!

Beatriz Campos beatriz.campso@uol.com.br

São Paulo

*

LUTAS ANTERIORES

Não é verdade que o dia 11 de julho tenha marcado o Dia Nacional de Lutas, pois a classe trabalhadora foi às ruas bem antes, ou seja, no mês de junho. Conforme escreveu no “Bom Dia ABCD” o réu José Dirceu, condenado pelo STF no processo do mensalão, só é considerada classe trabalhadora a organizada e conduzida pelos sindicatos. O movimento sindicalista esgotou seu bom momento. A pauta demagógica falou em redução da jornada, mas não disse uma palavra sobre a carga tributária escorchante que o trabalhador paga e nenhuma palavra sobre o péssimo momento econômico e a corrupção que grassa neste país. O povo quer mais e sabe cobrar.  Realmente, não há democracia sem o povo, porém democracia deve ser com o povo bem informado, que não serve ao peleguismo nem é usado como massa de manobra. Basta sair às ruas e gritar sua indignação que a classe política fica caladinha. E ai de quem ousar ficar contra essas vozes. Em breve as ruas vão cobrar a prisão dos mensaleiros.

Izabel Avallone izabelavallone@gmail.com  

São Paulo

*

DEMAGOGIA E IRRESPONSABILIDADE

A proposta de redução da jornada de trabalho de 44 para 40 horas semanais só vai gerar empregos na China e na Índia, pois nossos preços vão ficar maiores em relação a esses países, onde o salário mínimo é de  R$ 50!

Victório Canteruccio vicv@terra.com.br

São Paulo

*

MAIS MÉDICOS

É fácil resolver: que a residência médica seja obrigatória nos hospitais públicos, em vez de ser por meio de concurso, direcionando os médicos para os locais mais necessitados ou para as cidades ou Estados de sua origem.

Aurélio Batista Paiva aureliobpaiva@gmail.com

Brasília

*

FORMADOS EM CUBA

O PT insiste: quer porque quer permitir aos companheiros que foram estudar medicina em Cuba, e não conseguem ser aprovados em nosso exame de validação do diploma, exercer a profissão no País. Mas quando Hugo Chávez morreu ficamos sabendo que Lula e Dilma o haviam convidado para ser tratado aqui, por médicos brasileiros, considerados por eles melhores que os cubanos. Ou seja, para o “hermano” Chávez, médicos formados no Brasil; para brasileiros pobres, médicos formados em Cuba!

Oscar Seckler Muller oscarmuller2211@gmail.com

São Paulo SP

*

SECA NO NORDESTE

A presidenta Dilma quer resolver um problema que é a falta de água no sertão nordestino. Muito bem! Mas ela deve saber que o problema não se resume à seca. Há a questão da reforma agrária, que não sai do papel. Na verdade, o pouco que foi feito nesse caso passou pela falta de infra-estrutura dos assentamentos e de  educação para a vivência agrícola. Técnicas e escolas faltam para que a terra seja para quem sabe trabalhar a terra. Projetos de reforma agrária e irrigação passaram pelo crivo da politicagem e nem sempre quem merece recebe seu lote e permanece na terra. Água sem infra-estrutura e educação não perdura. E o sonho de um Nordeste livre da seca é derramado no chão sem fertilizar a vida. Não basta água, é necessário educação para a vida.

 

Paulo Roberto Girão Lessa paulinhogirao@uol.com.br

Ceará

*

X-CRISE

 

A declaração de Eike Batista de que ele foi o acionista que mais perdeu dinheiro na OGX e que vai honrar todos os seus compromissos me emocionou muito. Quase chorei. Fico imaginando o quanto ele retirou das empresas em forma de pró-labore e participação nos lucros e resultados durante o período em que enganou o mercado financeiro com falsas informações que faziam suas empresas se valorizarem no mercado acionário. E com certeza esse dinheirinho está bem guardado em algum paraíso fiscal, o que lhe permitirá continuar vivendo no luxo e com lindas mulheres. Também garantirá o futuro de seus filhinhos, que continuarão usando roupinhas de marca e carrões de luxo. E, por favor, Ministério Público, nos poupe de suas investigações, pois nós já sabemos o resultado: nada será apurado, pois o verdadeiro responsável por esse desfalque é o chefe do mensalão, que já escapou impune.

 

Maria Carmen Del Bel Tunes carmen_tunes@yahoo.com.br

Americana

*

PICARETAGEM

É simplesmente isso! Essa dinheirama toda nas mãos de Eike Batista foi uma enorme picaretagem e quem vai assumindo isso tudo somos nós, o “Estado brasileiro”. Nosso território e nós mesmos, o povo.

José Piacsek Neto bubapiacsek@yahoo.com.br

Avanhandava

*

EVO E OS AVIÕES

Bolívia fez vistoria em avião do ministro da Defesa do Brasil. Muito interessante! Esse fato se deu em 2011 e só agora ficamos sabendo. Como Evo faz parte da “gangue dos amiguinhos”, os “valentões” do governo petista ficaram bem quietinhos, sem nem sequer um sussurro de indignação. Incrível! Como já aconteceu antes, quando Evo expropriou os bens da Petrobrás na Bolívia, enfiaram o rabo entre as pernas numa boa! Tivesse sido com os “ianques”, o mundo teria vindo abaixo no minuto seguinte, com exclamações e gritos de alta indignação! Até quando teremos de aguentar?!

João Pedro da Veiga Pacheco Jr pacheco-jr@uol.com.br

Campinas

 

*

ESPIONAGEM NORTE-AMERICANA

Afinal, já que fomos estuprados pelas escutas americanas, não custa nada perguntar ao Obama se o Lula sabia ou não sabia da mensalada, da cuecada e de todas as marmeladas que soçobram por aí no lulopetismo!

 

Francisco José Sidoti fransidoti@gmail.com

São Paulo

*

CONSELHO

Lendo a carta do leitor sr. Amadeu R. Garrido de Paula – “Queremos mais”, 20/7, “Fórum dos Leitores” – entendi como os governos populistas e corruptos se perpetuam no poder. Eu e minha esposa nunca moramos numa favela, mas somos filhos de donas de casa e, respectivamente, de um carregador de ferrovia e de um motorista de caminhão. Conseguimos fazer vários cursos universitários em plena ditadura e ter empregos razoáveis sem dever obrigações ao general de plantão e aos demais governos que se seguiram. Jamais aceitamos o lema “rouba, mas faz”, seja em obras faraônicas dos governos militares, “casas da Dinda”, compras de reeleição, mensalinho tucano, mensalão petista ou estelionatários da fé. Dr. Amadeu, dê mais valor a seu próprio esforço e suas qualidades. Também tive alguma ilusão em 2002. Acorde, por favor.

 

Carlos Gonçalves de Faria sherifffaria@hotmail.com  

São Paulo

*

DESPAUTÉRIO

O sr. Amadeu R. Garrido de Paula diz ter cursado universidade, sem mencionar qual, qual curso e se se graduou. Diz ainda querer mais. Querer mais é bom. Querer melhor seria ótimo. Infelizmente, como prova da falência de nosso ensino, educação e civismo, diz esse senhor: “A partir do governo do PT, deu-se o início da História brasileira”. Desprezar 500 anos de nossa História, de nossa formação territorial, civilizatória e humana é, no mínimo, um monumental despautério. Com certeza são eleitores com idêntica formação e mentalidade que elegem a escória política que vem infelicitando a Nação.

Mário Rubens Costa costamar31@terra.com.br

Campinas

*

VIOLÊNCIA CONTRA MULHERES

De acordo com novo relatório das Nações Unidas, mais de um terço das mulheres em todo o mundo são afetadas pela violência física ou sexual, muitas nas mãos de pessoas próximas. O relatório também oferece diretrizes para ajudar os países a responder a essa epidemia global. O relatório “Estimativas mundiais e regionais da violência contra mulheres: prevalência e efeitos na saúde da violência doméstica e sexual” representa o primeiro estudo sistemático de dados globais sobre a contínua violência contra as mulheres. Cerca de 35% de todas as mulheres vão enfrentar violência sexual nas mãos de um parceiro íntimo – que é o tipo mais comum de violência, afetando 30% das mulheres em todo o mundo –, ou de um não parceiro. O relatório detalha o impacto da violência sobre a saúde física e mental de mulheres e meninas, que vão de ossos quebrados a complicações relacionadas com gravidez, problemas mentais e funcionamento social prejudicado. O documento aponta que 38% de todas as mulheres assassinadas no mundo foram mortas por seus parceiros íntimos. Os sistemas de saúde do mundo podem e devem fazer mais pelas mulheres que sofrem violência física ou sexual. Anualmente, em todo o mundo, cerca de 16 milhões de meninas com menos de 18 anos dão à luz e outros 3,2 milhões se submetem a abortos inseguros. Os dados são do Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA). Nos países em desenvolvimento, 90% das adolescentes grávidas são casadas. Mas, para muitas delas, a gravidez tem pouco que ver com a escolha baseada em informações qualificadas, diz o UNFPA.

De acordo com o fundo, a gravidez na adolescência é uma questão de saúde: as mães mais jovens enfrentam risco maior de complicações maternas, morte e invalidez, incluindo a fístula obstétrica. Além disso, seus filhos enfrentam maiores riscos e os direitos humanos também estão envolvidos: a gravidez na adolescência muitas vezes significa um fim abrupto da infância, uma educação reduzida e perda de oportunidades. Para resolver os problemas associados à gravidez prematura se torna necessário garantir que as meninas frequentem a escola primária e permitir que recebam uma boa educação na adolescência. Quando uma jovem é educada, está mais propensa a se casar mais tarde, atrasar a gravidez até que esteja mais madura, ter filhos saudáveis e ganhar uma renda mais elevada. Estão profundamente enraizados na pobreza, na desigualdade de gênero, na violência, nos casamentos precoces ou forçados os desequilíbrios de poder entre as adolescentes e seus parceiros, a carência de educação e as falhas dos sistemas e instituições em proteger seus direitos. Essas descobertas enviam uma mensagem poderosa de que a violência contra as mulheres é um problema de saúde global de proporções epidêmicas.

 

Antônio Dias Neme antonio.neme@ibest.com.br

São Paulo

*

VÍTIMAS DE ESTUPRO

Foi com espanto que li o artigo do sr. Carlos Alberto Di Franco ("Aborto - silêncio e rito sumário", 22/7, A2) sobre o Projeto de Lei 60/1999, que trata do atendimento prioritário às vítimas de violência sexual. Mais do que insanas, suas palavras caracterizam-se como bárbaras e cruéis, ao exigirem que haja prova da inexistência de consentimento numa relação sexual para fins de atendimento. Sabe-se perfeitamente da falta de celeridade da Justiça brasileira e do estrago adicional que a necessidade de tal prova viria a causar a uma já vítima de situação humilhante, degradante, covarde e vil, como o estupro. Até que fosse produzida a prova que o sr. Di Franco reclama, o sofrimento da mulher já se teria multiplicado. Ele utiliza a terminologia chã de “jogo malandro de palavras” ao referir-se ao texto do projeto. Malandro é, pois sim, um ser humano que ignora o sofrimento de uma mulher ao precisar ser atendida nesses casos. Para ele, é mais fácil (e, aparentemente, menos "malandro") imaginar que as mulheres se valerão disso para alegar, qualquer que seja o caso, uma suposta relação sexual não consentida e, assim, ver seu caminho facilitado para o aborto. Parte-se da regra do descrédito em primeiro lugar, baseando-se numa certa malandragem natural no ser humano. O sofrimento de uma mulher vilipendiada por um ato desumano como o estupro não parece valer de nada para o doutor em Comunicação Social. Colocar-se no lugar do outro - onde esse outro sofre e não é "malandro" - não cabe a pessoas de visão deturpada como a desse senhor. Parece-lhe que o aborto é um prazer. Que esse doutor use sua suposta sabedoria de maneira menos torpe para parar e pensar que malandros são aqueles que desviam para os outros a sua própria malandragem.

Sérgio Duarte Julião da Silva sdjuliao@gmail.com

São Paulo

*

ABORTO DE IDEIAS

Um projeto de lei que trata de atendimento a vítimas de violência foi interpretado maldosamente por Carlos Alberto Di Franco como artifício para autorizar o abortamento. Quem lê o projeto vê que não se trata disso. E se fosse uma forma de regularizar o aborto, que é realizado aos milhares no País, não seria importante discutir o tema, desprovido de preconceitos e fundamentalismos religiosos? Mas o articulista pretendeu apenas lançar névoas naquilo que era claro e cristalino.

Adilson Roberto Gonçalves     prodomoarg@gmail.com

Lorena

*

AÇÃO INQUISITÓRIA

Faço votos para que o Projeto de Lei 03/2013 seja aprovado integralmente. Na verdade, gostaria que esse tipo de iniciativa fosse aumentado e não tivesse de buscar o recurso das palavras para fugir do claro tipo de ação inquisitória como a do sr. Carlos Alberto Di Franco. Não entendo como a vida privada das mulheres, que serão as únicas responsáveis por passar pela gravidez indesejada, bem como as únicas a criar um filho oriundo de uma relação indesejada (violenta ou não), pode ser decidida pelas “ maiorias” - " o brasileiro é a favor da vida", "fato medido em reiteradas pesquisas". Seriam essas pessoas, a suposta maioria dessas pesquisas, as provedoras das necessidades das futuras mães e dos filhos indesejados, para o resto de sua vida?

 

Henrique Celebrone henrique_c1@yahoo.com.br

São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.