Fórum dos Leitores

O PAPA NO BRASIL

O Estado de S.Paulo

27 Julho 2013 | 02h15

Lodaçal em Guaratiba

Maior evento do papa muda por falta de planejamento (26/7, A1). As perguntas que não calam: por que decidiram utilizar um local que ficou em terceiro lugar em termos de escolha e é historicamente alagável? Quem é o dono do terreno, que, obviamente, será beneficiado pelas benfeitorias? Acorda, Brasil!

MARCO ANTONIO FRABETTI

legalidade@ig.com.br

Santo André

*

Campus Fidei

Mesmo que não contassem com tanta chuva, era previsível que aterrar uma área de mangue - o que por si só já caracteriza um crime ecológico - só poderia dar no que deu: muita lama onde jaz enterrada uma quantidade enorme de dinheiro. Gostaria de saber de quem foi a escolha para a construção do Campus Fidei em Guaratiba, no Rio, uma área normalmente úmida e sujeita a alagamentos. Como o prefeito Eduardo Paes já declarou não considerar a escolha da área um erro, sou levada a concluir que "a galinha que cacarejou mais alto é a que botou o ovo".

MARA MONTEZUMA ASSAF

montezuma.scriba@gmail.com

São Paulo

*

Casaca virada

É simplesmente inacreditável o descaso do prefeito do Rio de Janeiro com a desorganização, em especial na recepção ao papa Francisco. O que se espera desse prefeitinho é que em 2014, na Copa do Mundo, e 2016, na Olimpíada, o dito alcaide, que ainda estará no comando da cidade, fique bem esperto para que essa flagrante má organização não se repita. Ele foi muito bom de papo quando do mensalão, pois na época era deputado federal (PSDB) e duro crítico do PT, Lula & Cia. Mas para ser prefeito virou a casaca. E deu no que deu.

JOSÉ PIACSEK NETO

bubanetopiacsek@gmail.com

Avanhandava

*

Finalmente

Parabéns ao prefeito do Rio, que admitiu - ainda que com irritação - várias falhas na organização deste evento da visita do papa Francisco! Finalmente uma autoridade assume a responsabilidade e diz a verdade diante de um fato negativo sob sua administração, quando o usual são as frases dúbias de efeito e o velho hábito de pôr a culpa em outros. Já é alguma coisa...

PAULO BOCCATO

pofboccato@yahoo.com.br

São Carlos

*

Vexame dos anfitriões

Não fosse o povo brasileiro a oferecer ao papa Francisco tantas demonstrações de carinho... As autoridades só deram foras na visita do Sumo Pontífice: dona Dilma transformou os votos de boas-vindas em discurso de campanha, puseram o papa em meio ao congestionamento do Rio, falhas no metrô prejudicaram a locomoção dos peregrinos, o lamaçal determinou a mudança do local de grande evento. E pasmem: na chegada a Aparecida não havia guarda-chuvas para proteger a comitiva! Não existe mais cerimonial nesses governos? Nem esquemas táticos de segurança? Muito discurso e pouca ação, como sempre... Um vexame!

ELIANA PACE

pacecon@uol.com.br

São Paulo

*

Mais circo, menos pão

Lastimo infinitamente que a visita de um chefe de Estado (Vaticano) esteja sendo utilizada por alguns, de forma torpe, para enganar a população. Depois do papa, minha boa gente, quem vai pagar as contas no fim do mês - as suas, as minhas? Se perguntarem à presidente ou ao ministro Mantega, é bem capaz de eles responderem que é para irmos nos queixar ao bispo... Estou pensando que a população se acomodou de novo. E a visita do papa piorou ainda mais as coisas. Fui comprar um litro de leite no supermercado e o mais barato estava a R$ 3. Fiquei pasma quando, ao tentar comprar um pacote de biscoitos de polvilho, o mais barato custava R$ 6. Biscoito de polvilho, gente! Fui a uma padaria famosa em frente ao Shopping Metrô Santa Cruz e soube que ela aumenta seus preços todas as quintas-feiras, ou seja, toda semana. Os supermercados também estão fazendo isso. E a população ocupada só com o papa... Lamento dizer, mas isso é outro circo para nos distrair!

PRISCILA DE AQUINO E FERRO

pyscynahh@gmail.com

São Paulo

*

POLÍTICA ECONÔMICA

Sintonia nas previsões

Parece que o ministro Mantega recebe suas previsões sobre inflação e PIB dos mesmos meteorologistas das emissoras de TV: o grau de acerto é, no mínimo, muito flutuante. Uma coisa é sair de casa com um agasalho bem forrado, que se pode tirar quando a temperatura chega aos 25º Celsius, outra é comprar um alimento básico pelo dobro do preço do mês de janeiro. Haja boi pra dormir com 2% de crescimento do PIB ou 6,5 % de inflação! Logo, logo, os marqueteiros do governo vão entrar em pânico e cobrar muito mais para enganar muitíssimo mais.

AXEL VON HULSEN

avonhulsen3@gmail.com

São Paulo

*

Frio, o novo vilão

Com esta onda de frio que atinge o Brasil, principalmente o Sul do País, a agricultura está sendo muito prejudicada e causando grandes prejuízos aos agricultores. E com certeza nós, brasileiros, vamos sentir no bolso esse prejuízo, com aumento dos preços dos alimentos, especialmente os mais afetados pelas baixas temperaturas. Essa será, certamente, a desculpa do nosso "grandioso" ministro da Fazenda, Guido Mantega, para "justificar" o aumento da inflação, que poderia ser minimizada se o governo federal realmente fizesse a lição de casa, cortando gastos públicos não essenciais. Será que vamos conseguir sobreviver até a próxima eleição?

MARIA CARMEN DEL BEL TUNES

carmen_tunes@yahoo.com.br

Americana

*

Foguete implodido

Avaliação da revista britânica The Economist, a mesma que em 2009 falava da Rússia, da Índia, da China e, especialmente, do Brasil como foguetes decolando, mostra agora todos esse países afundando na lama também, especialmente o Brasil, o pior entre todos eles. Naquela oportunidade isso era motivo de festa para o governo brasileiro, que o tempo todo ficou inerte, usufruindo as bondades da economia deixadas pelo governo anterior (FHC). Agora é esperar os comentários, as desculpas esfarrapadas e novas promessas do governo e de seus tantos ministros (39), principalmente de Guido Mantega - motivo de deboche da mesma revista e de todos os economistas brasileiros, exceto os da equipe econômica, que, não entendemos o porquê, ainda o mantêm entre eles. A The Economist cita o crescimento mais fraco da China (7,5%) e nem precisaria mencionar o fracasso do Brasil, o pior em crescimento econômico (2,5%).

JOSÉ CARLOS ALVES

jcalves@jcalves.net

São Paulo

*

VERGONHA NA JMJ

Vergonha nacional produzida pelo Rio de Janeiro, na Jornada Mundial da Juventude! Alagamento e barro me deixam envergonhado de ser engenheiro!

Rui Barbosa ruibarbosa@gmail.com

Rio de Janeiro

*

REPRISE

"O Banheiro do Papa", filme co-dirigido e fotografado por César Charlone, se repete para os moradores de Guaratiba: quanto mais excluído... Muito triste ver a incompetência de nossos dirigentes.

 

Gilmar Barreto barretogilmar58@gmail.com

São Paulo

*

FIASCOS

Não foi somente em Guaratiba, no Campus Fidei, que a incompetência administrativa foi a marca da política do Rio de Janeiro. Aterrou-se uma área de mangue, cometendo-se um crime ambiental a um custo que até agora ninguém sabe. O local que deveria abrigar talvez centenas de milhares de peregrinos nacionais e estrangeiros se transformou num imenso lodaçal, atolando os governantes da cidade e do Estado. Para decepção dos comerciantes de Guaratiba, a festa foi transferida para Copacabana. Os fiascos não param no Campus Fidei.  Jamais um papa teve a sua integridade física tão ameaçada quanto no engarrafamento a que foi submetido. Na recepção no Palácio Guanabara teve de suportar ouvido adentro um discurso político intruso à solenidade. A Jornada Mundial da Juventude (JMJ) foi apenas uma preliminar das lambanças que estão a caminho por ocasião da Copa do Mundo de Futebol e dos Jogos Olímpicos. Por enquanto, o nosso estágio não passa de futebol e carnaval. Nada disso depende de políticos. Ao papa Francisco a esta JMJ deve o seu sucesso. Verdadeiramente a nau do catolicismo está aos cuidados de um competente timoneiro. Francisco conquistou os brasileiros de qualquer credo. Positivamente, o papa é pop.

Jair Coelho jairgcoelho@gmail.com

Vassouras (RJ)

*

DINHEIRO NO LIXO

R$ 6 milhões jogados no lixo com a ridícula e apressada dragagem em Guaratiba. Tudo feito às pressas, de qualquer jeito. Não usamos nem temos planejamento para nada, só no improviso, e os otários que pagam impostos que “se explodam”. Por isso as pesquisas mostram que os políticos estão piores do que doença brava. Quem será o responsável por isso? Unidades de Pronto Atendimento sem médicos e sem condições e jogamos R$ 6 milhões no lixo? Alguém se deu bem, sem dúvida, e o Ministério Público tem de averiguar com todo o rigor. Chega de nos fazer de palhaços e não nos pagarem nada por isso. O povo unido jamais será vencido. E os políticos precisam ser responsáveis.

Antonio Jose Justino anjogoma@yahoo.com.br

Rio de Janeiro

*

O MUNDO DESCOBRE O BRASIL

A visita do papa ao Brasil serviu para mostrar ao mundo, de forma bem clara, o que o grito das ruas parece não ter conseguido

mostrar ao governo: a boa índole do povo e a desfaçatez dos governantes. Primeiro foi a grosseria de dona Dilma, saudando o papa com um discurso político e mentiroso. Depois, o festival de incompetência protagonizado pelos “papagaios de pirata” do governador fluminense e do prefeito carioca, que, aliás, são da base de sustentação da dona Dilma. Como no Rio tudo termina em carnaval, não faltaram as mulatas rebolando na frente do papa.

Carlos Eduardo Stamato dadostamato@hotmail.com

Bebedouro

*

ZIRIGUIDUM

Acredito que até Deus, em sua infinita sabedoria, jamais poderia imaginar que um sucessor de Pedro seria homenageado por um mestre-sala e uma porta-bandeira!

 

Francisco José Sidoti fransidoti@gmail.com

São Paulo

*

‘É PARA ISSO QUE NÓS PERDEMOS?’

Apesar de tudo o que aconteceu nesta JMJ, em termos de desorganização, imprevisão e improvisos forçados de última hora, o prefeito Eduardo Paes tem o desplante de rebater Chicago, declarando: “Somos muito melhores, babem”. Ou ele está totalmente pirado e realmente acredita no que diz, mesmo contra a opinião geral da população e as claras evidências em contrário, ou está deliberadamente mentindo e deveria aproveitar a estada do papa para se confessar desse pecado e pedir perdão pela vergonha que está forçando os cariocas a passarem.

Ronaldo Gomes Ferraz ronferraz@globo.com

Rio de Janeiro

*

PRÉVIA PREOCUPANTE

Pelos acontecidos durante a Copa das Confederações (estádios inacabados) e na recepção ao papa – congestionamento e queda de energia no metrô – se pode ter uma ideia do que nos espera na Copa do Mundo. Ainda dá tempo de evitarmos mais uma vergonha mundial. A realidade é que o País não tem a mínima estrutura exigida para tais eventos. Haja fé!

Laert Pinto Barbosa laert_barbosa@ig.com.br

São Paulo

*

NAS MÃOS DE DEUS

As seguidas e condenáveis improvisações na programação das etapas da visita do papa Francisco ao Rio – que incluíram até mesmo a perigosa exposição física do Sumo Pontífice num congestionamento – apenas confirmam a incapacidade de nossas autoridades de planejar, com um mínimo de proficiência, eventos em que se aguarde grande afluência de público. A última foi o cancelamento da missa de encerramento da JMJ em Guaratiba por causa das chuvas e do previsível lamaçal delas decorrente.  Resta orar para que Deus oriente os passos de Sua Santidade enquanto estiver no Brasil, porque, a depender do que nossas “excelências” estão a oferecer-lhe, nem quero pensar no que ainda pode acontecer.

 

Silvio Natal  silvionatal49@yahoo.com.br   

São Paulo

*

GARANTIA CELESTIAL

Com a garantia que o papa tem de um lugar reservado no paraíso, até eu correria os riscos que ele anda correndo aqui no Brasil

Sergio S. de Oliveira ssoliveira@netsite.com.br

Monte Santo de Minas (MG)

*

FUTEBOL E RELIGIÃO

Futebol e religião, devidos ao condicionamento sofrido pelas pessoas desde a mais tenra idade, são assuntos cuja discussão não leva a conclusões. Mesmo assim, fico impressionado com todo esse furor em torno da figura do papa. Afinal, trata-se apenas de um dirigente religioso, escolhido para esse cargo por um colegiado de seus pares. Então, além da natureza “espiritual”, trata-se de um cargo político-executivo, por assim dizer. Não há nenhuma conotação sobrenatural, nenhuma linha direta com os céus, portanto, suas observações e recomendações, por mais acertadas e profundas que sejam, serão solenemente ignoradas, principalmente pelas classes dirigentes. Por outro lado, fica patente a necessidade de a maioria dos brasileiros acreditarem numa sabedoria superior que lhes proporcione esperança de melhoria, algo além dessas mentes obtusas e imediatistas que vêm dirigindo o País.

Nestor Rodrigues Pereira Filho rodrigues-nestor@ig.com.br

São Paulo

*

‘REAÇA’

O papa Francisco é extremamente simpático, simples, carismático, gosta de futebol e é ótimo que ele queira reaproximar a Igreja dos pobres. Mas ele não deixa de defender ideias reacionárias e conservadoras, como ser contra a descriminalização das drogas e do aborto, o uso da camisinha e a união entre pessoas do mesmo sexo. O simpático e risonho papa é pop. E “reaça”.

Renato Khair renatokhair@uol.com.br

São Paulo

*

RESPEITO ECUMÊNICO

Além da avalanche de informações sobre o papa que nós, não católicos, escutamos no rádio o dia todo, ainda ontem tivemos de ouvir sobre isso do repórter Rodrigo Viga, da Jovem Pan, quando se referia ao não comparecimento de Neymar e Pelé numa das cerimônias. Na sua intervenção, ele disse que os dois não compareceram por terem compromissos de publicidade. Pediu que o papa os perdoasse pela “atitude absurda e herética”. Ora, será que eles eram obrigados a comparecer a um evento religioso? Será que eles são católicos? Será que são religiosos? Será que o papa estava incomodado com a ausência deles? Que a Jovem Pan seja uma rádio católica, vá lá. Mas menos, Rodrigo Viga, menos. Respeito aos não católicos é bom.

 

Antonio C. Ciccone cicconeac@hotmail.com

Carapicuíba

*

DEUS E O DIABO NA TERRA DO SOL

Ao defender a justiça social, a distribuição de renda, ou seja, os pobres, o papa Francisco simplesmente prega um corolário dos ensinamentos cristãos. Afinal, não recomendou Jesus à raça humana que crescesse e se multiplicasse? Ora, para tanto se deduz que o homem recebeu os meios de crescer e de prosperar, quer dizer, os direitos indispensáveis ao exercício desses deveres. O problema é que algo chamado política se degenerou em politicagem, no poder pelo poder. Como dizia o genial Glauber Rocha, “Deus fez o mundo livre, veio o diabo e botou cercas”. E para conquistar o poder pelas urnas, segundo recente declaração de nossa presidente, vale tudo, ainda que atrás dos palanques esteja a aterrorizante figura de Mefistófeles.

   

Amadeu R. Garrido de Paula amadeugarridoadv@uol.com.br

São Paulo

*

AGRADECIMENTO

Agradeço ao papa Francisco por pedir aos jovens que respeitem os idosos, lembrando que um dia serão como eles. O papa clamou para que os jovens saibam ter o bom senso de colher boas lições com a sabedoria dos mais velhos. Outra oportuna recomendação do Santo Pontífice: unidos, jovens e idosos enfrentarão com destemor a gritante exclusão social que se alastra pelo mundo. E não se esqueceu de repudiar outra praga universal, a corrupção.  Traduzo em português claro as palavras do carismático Francisco aos ladrões do erário: parem de roubar. Tenham vergonha na cara. Sejam homens.  Deixem de ser ratos e canalhas. Embora saibamos, infelizmente, que neste particular o papa Francisco choveu no molhado.

 

Vicente Limongi Netto limonginetto@hotmail.com

Brasília

*

EXEMPLO MILENAR

Sua Santidade o papa Francisco fez o que Jesus fez em sua passagem pela Terra. “Deixai vir a mim as criancinhas”. O reino de Deus é para aqueles que se assemelham a elas.

Jose Pedro Naisser jpnaisser@hotmail.com

Curitiba (PR)

*

VERDADE E ÉTICA

O relato feito para o papa pelo jovem Irineu, morador da comunidade de Varginha  no último dia 25/7 foi sensacional. Segundo ele, só tomaram providências de melhoria e limpeza na comunidade porque foi anunciada a visita de Francisco naquele dia. Antes de fazer o relato pediu licença para chamar o papa de “pai”. E acrescentou: “Desde que foi anunciado que o senhor viria nos deparamos com um vaivém de pessoas asfaltando, limpando, cuidando das calçadas, com as caçambas de lixo bem distribuídas, tudo o que não fazia parte do cotidiano dos moradores passou a acontecer. Esperamos que possa continuar dessa forma”. Fiquei muito sensibilizado com o relato, porque com tanta simplicidade disse uma verdade do que acontece em nosso país. Quantas pessoas “ditas” importantes como os nossos políticos visitam essas comunidades em tempos difíceis? Nunca. Bem, estou exagerando, afinal, todas as comunidades simples são visitadas, sim, em época de eleições, quando o precioso voto transforma todos os políticos em benfeitores, O papa sabe muito bem que antes de ele chegar as sujeiras ficaram embaixo dos tapetes e, como um homem  sábio, não esquecerá as coisas que viu e ouviu. Mas fico imaginando: por que não somos mais realistas e falamos a verdade? Por que as pessoas precisam ser falsas  para se manterem no poder? O relato de Irineu ecoou em todas as comunidades simples que naquele momento foram representadas nas angústias que passam no seu dia a dia. Os jovens do nosso país estão em alerta, que os nossos governantes fiquem espertos, pois com toda a simplicidade de um jovem de uma comunidade como a de Varginha, tão modesta, soube transmitir uma grande fala da maquiagem que fazem em nosso país todos os dias. Acorda, Brasil!   

Elisiário dos Santos Filho elisantosfilho@uol.com.br

São Paulo

*

FIÉIS NUNCA ESTÃO SÓS

Na última quinta-feira, em visita a comunidade de Varginha, no Rio de Janeiro, o papa Francisco emocionou a todos com sua simplicidade no discurso ao falar de solidariedade. Falou da partilha – lembrou do ditado brasileiro de “colocar água no feijão” –, do dom da vida, que é um presente divino e da família, que é nosso alicerce, nossa base. Aos dirigentes, falou que não se cansem de trabalhar pelas comunidades carentes e que não se deixem levar palas facilidades dos cargos que ocupam para tirar seus próprios proveitos. E pediu-lhes que não visem seus próprios benefícios e interesses, que pensem no bem comum de todos e no direito a uma sociedade justa, com educação, saúde e sem violência. Aos jovens, ele falou: “Vocês possuem a sensibilidade, a justiça do bem comum, não desanimem, não apaguem a esperança na prática do bem, não se acostumem com o mal”. Por último, para emoção de todos, disse: “A Igreja está com vocês, vocês não estão sozinhos”.

 

Márcia Callado marciacallado@bol.com.br

São Paulo

*

TESTE DE REJEIÇÃO

Vai ser um teste e tanto a exposição na Jornada Mundial da Juventude, diante de tanto público, a presença dos presidentes Evo Morales, Cristina Kirchner e Dilma Rousseff. Será que o carismático papa Francisco, até então com sua humilde personalidade, detém o controle da multidão? Os três presidentes presentes na solene missa terão a mesma aceitação? Espera-se que o olhar do papa, o respeito e a fé dos cristãos sejam maiores que a rejeição.

Humberto Schuwartz Soares hs-soares@uol.com.br

Vila Velha

*

VEXAME MUNDIAL

Não se passaram algumas horas e o inferno do governador Sérgio Cabral caiu do céu, melhor dizendo, do representante de Deus na Terra, na versão católica. A visita de Francisco, o papa, varre o Rio de Janeiro com a palavra da verdade nua e crua do religioso, do bem-intencionado, do franciscano que relegou o luxo do Vaticano e fere com seu sorriso e palavras de verdade as ruas do sofrido Rio. Cabral, e também o prefeito Eduardo Paes, devem temer pela irresponsabilidade, pela incompetência e pelo escancaro que o sorridente papa lhes impõe a atravessar ruas e praias carregando as almas fiéis, os jovens esperançosos, arrastando o povo pela palavra e pela atitude, coisa que no Rio, não se vê todo dia. A vergonha perante o mundo de uma programação falha, erros primários e falência de programação, ainda que básica, chocam o mundo e o Vaticano. Metrô parado, ônibus em falta, cidade nova alagada, baderna, trânsito entupido... O que resta ao papa é o povo, beijar os bebês, cidadãos do futuro, escapar das armadilhas da “presidanta”. Mais um vexame internacional, mais uma prévia do fracasso político no País, mais uma prova da incompetência das figuras públicas distantes da realidade e da verdade. Quando for embora, deixará o buraco mais profundo, o País, a cidade e o Estado não estão acostumados a tanta cordialidade, solidariedade e consideração com as pessoas, também as mais simples e carentes, que os governos desses irresponsáveis só fazem por agravar a miséria, o tráfico, a desconsideração social em prol de suas mordomias vexatórias. O papa franciscano que revoluciona a Igreja ao andar de carro popular, sem ouro, sem blindagem, com sorriso para os carentes, ouvidos para os necessitados e carinho indiscriminado proporciona um sinal de revisão de conceitos. Não é preciso ser religioso ou católico, sua mensagem de líder espiritual inconteste e revolucionário vem ao Brasil em hora própria. Fala aos insatisfeitos de junho, acusa sem apontar o dedo às falsas e ridículas autoridades sem caráter, vontade ou competência. E se junta, de forma irrefutável e muito salutar, os proclamos das ruas, aos reclamos que já são somados a cada pesquisa política, validam a voz popular contra a bandidagem e o crime institucionalizado que corrói  feito câncer a governança precária brasileira. É coisa de Deus.

Ronaldo Parisi rparisi@uol.com.br

São Paulo

*

CABRAL EM BAIXA

O governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral, a exemplo do seu homônimo mais conhecido, o navegador e descobridor português, Pedro Álvares, também embarcou por águas desconhecidas e perigosas. Só que o primeiro naufragou e descobriu apenas que a política é algo tão efêmero que num dia se está bem, cheio de aliados, e pouco tempo depois se perde a liderança e a vaca vai pro brejo. Prova disso foram os resultados do Datafolha, que no dia 1.° de julho divulgou que 25% achavam o governo de Cabral ótimo ou bom e 36%,  ruim ou péssimo. Agora, em pesquisa realizada entre 9 e 12 de julho, o Ibope informa que Cabral tem 12% da população julgando seu governo ótimo ou bom e 50%, ruim ou péssimo. Cabral vem perdendo em julho um ponto por dia. Do jeito que a coisa vai, as próximas manifestações contra os governos surgirão nas urnas, muito provavelmente, deixando Cabral e os seus sem dizer “terra à vista”.

 

João Direnna joao_direnna@hotmail.com

Quissamã (RJ)

*

BLÁ, BLÁ, BLÁ

O governo Sérgio Cabral foi o mais mal avaliado entre 11 Estados pesquisados pelo Ibope para a CNI. Depois ele não sabe o porquê das manifestações, passeatas e acampados fora do prédio onde mora. Tudo bem. Ele vai dizer que a culpa é de organizações dos EUA e da Irlanda e outros blá, blá, blás. E vai ter gente acreditando.

Panayotis Poulis ppoulis46@gmail.com  

Rio de Janeiro

*

OS NÚMEROS SÃO CLAROS

A leitura das últimas pesquisas deixou claro em minha mente um dado alentador. Foi diagnosticada a falência do atual quadro político. Talvez isso seja muito bom para o País. O perigo vai residir em como eles vão deixar o País. Certamente, arrasado. Não pouparão esforços para se eleger ou reeleger e vão sangrar as finanças nacionais como nunca. Devemos ficar vigilantes e denunciar à mídia os movimentos predadores que certamente farão.

 

Paulo Henrique Coimbra de Oliveira ph.coimbraoliveira@gmail.com

Rio de Janeiro

*

BONS E MAUS POLÍTICOS

É fácil diferenciar o bom do mau político. Quando se critica o projeto do bom político, ele não foge do diálogo e, se for o caso, tem a humildade de voltar atrás. Já o mau político nunca reconhece seu erro, atribui a outros e muitas vezes propõe alguma medida autoritária e arbitrária para abafar o mal feito. O bom político não torna seu mandato uma fonte de riqueza. Já para o mau político, não há limite para a ganância e o deboche como “guardanapo na cabeça”.

 

Luiz Nusbaum, médico lnusbaum@uol.com.br  

São Paulo

*

A IMAGEM DE UM PARTIDO

Sérgio Cabral, governador do Rio, representa a própria imagem do PMDB: inerte, incapaz e ineficiente, o qual deixou a “cidade maravilhosa” chegar a uma situação caótica e de abandono total, em que a bandidagem e o tráfico imperam e comandam. Enquanto isso, ele fica passeando com seu novo brinquedinho, um helicóptero adquirido de forma estranha numa licitação com concorrente único, a empresa Offshore Synergy Aerospace Inc., sediada em paraíso fiscal no Panamá.

Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

*

O ESTADO SOU EU

É muito fácil entender aquele decreto sobre vândalos baixado pelo governador Sérgio Cabral.  O tal decreto é chegado à arbitrariedade,  basta ler seu teor nos principais jornais, o que  demonstra claramente que essa agente não tem um mínimo conhecimento das leis que regem uma pátria livre  e democrática. Ou seja, em suas cabeças confusas, devem  achar a que a lei são eles mesmos.

José Marques  seuqram.esoj@bol.com.br

São Paulo

*

PESQUISAS OPORTUNAS

Gostaria muito que se fizesse uma pesquisa sobre os membros do Poder Legislativo para saber como anda aceitação de  Sarney, Renan, Collor, Genoino, Henrique Alves, Paulinho da Força, João Paulo Cunha, etc., etc. Quem sabe, depois disso, eles nem se candidatassem mais. E os brasileiros ficariam felizes pelo fato de eles sumirem da nossa vida.

Delpino Veríssimo da Costa dcverissimo@gmail.com

São Paulo

*

GOVERNO DILMA

Dilma perdeu outra chance de fazer algo positivo ao afirmar que a eliminação de ministérios não ocorrerá. Isso a conselho de seu mentor, Lula I e último, se Deus quiser. Aliás, ao ouvir os conselhos do seu mentor, fica a dúvida se é fogo “amigo” para corroborar o processo de fritura, já que os brasileiros acordaram e se deram conta do desastre do atual (des)governo. Aliás, nos últimos dez anos, como nunca visto antes na História deste país. Depois ele dá aquelas entrevistas dizendo que o “Volta Lula” é bobagem e deve parar. Parece que aquele que nada sabia e nunca sabe está cada vez mais de olho em mais quatro anos de viagens, passeios, jantares, encontros e outras benesses. Governar e trabalhar? Isso não é com ele. Aliás, nem com ela.

Renato Amaral Camargo natuscamargo@yahoo.com.br

São Paulo

*

REFORMA MINISTERIAL ‘IMEXÍVEL’

Ao ministério aplica-se o principio do “quanto mais mexe, mais fede”...

 

A. Fernandes standyball@hotmail.com

São Paulo

*

EX-PRESIDENTE EM EXERCÍCIO

 Deu no “Estado” de ontem: “Dilma decide com Lula não mexer na gestão”. Afinal, quem mesmo é o presidente do Brasil? Se a atual ocupante do Palácio do Planalto não tem capacidade para administrar, que peça para sair e deixe o governo com o vice-presidente Michel Temer. Parece que a “mãe do PAC” ocupa mais tempo pedindo ajuda e tomando conselhos com o ex do que com seu gigantesco ministério. Apesar de não haver nenhuma necessidade, só despesas, resolveu manter o escritório da Presidência em São Paulo, aquele mesmo que mantinha a queridinha do chefe, a princesa Rose.

Éllis A. Oliveira elliscnh@hotmail.com

Cunha

*

BRASIL X CHINA

A China é uma nação de mais de 1 bilhão de habitantes e com um partido só. Portanto, não é uma democracia, e sim uma ditadura. Diferentemente de Dilma Rousseff, o líder chinês Xi Jinping ouviu o descontentamento da população quanto aos casos de ostentação e corrupção, proibindo discursos inúteis (especialidade de Dilma) em atos oficiais, banquetes governamentais (Henriquinho Alves adora) e a construção de mais prédios governamentais. Xi Jinping poderia mandar o Exército calar o povo, como aconteceu em 1989 na Praça Celestial em Pequim. Dilma Rousseff não ouve as manifestações nem implanta medidas paliativas como na China porque sabe que na manhã seguinte o Congresso Nacional instala um processo de impeachment. E aí nem o Lula salva o poste.   

 

José Francisco Peres França josefranciscof@uol.com.br

Espírito Santo do Pinhal

*

SOLIDÃO

Até agora governou soberana. Não conversava com políticos da base aliada, ministros eram dificilmente recebidos para audiências e o resultado está aí. Muito dificilmente essa situação será revertida. Esse é o troco de quase dois anos de um mau governo, um mau relacionamento com muita petulância e cheio de empáfia. Total e completamente só e sem apoio. Refiro-me à presidente Dilma.

José Piacsek Neto bubanetopiacsek@gmail.com

Avanhandava

*

PT E DILMA COMEÇAM A FAZER ÁGUA

Dois barcos furados, e os ratos que comecem a procurar salva-vidas. Pode-se enganar muitos por algum tempo, mas não todos o tempo todo.

 

Ariovaldo Batista arioba06@hotmail.com

São Bernardo do Campo

*

ALMAS VENDIDAS

Já que Lula declarou que lutará com “unhas afiadas” em defesa

de sua tutelada, seria recomendável que assistisse ao filme "Wolverine". Talvez aprenda alguma coisa que possa ajudar Dilma, que também já disse anteriormente que, em época de eleição, “podemos fazer o diabo”. É bom que mantenhamos distância de toda essa gente, que é capaz de vender a alma para alcançar o poder e realizar seus sonhos mais obscuros. Isso é o que se tem visto com mais frequência nos tempos atuais.

Alvaro Salvi alvarosalvi@hotmail.com

Santo André

*

O ENGANADOR

Lula nunca trabalhou, sempre foi um enganador. Ele mente, tripudia, “rouba” (mensalão) e “mata” (prefeito de Santo André). Numa de suas campanhas para presidente, eu o vi dizer naTV: “Quando cheguei a São Paulo, sujava as mãos de graxa e passava na roupa para que minha mãe achasse que estava trabalhando”. Por favor, recuperem essa imagem, eu vi.

Aurélio Batista Paiva aureliobpaiva@gmail.com

Brasília

*

‘SOU, MAS QUEM NÃO É?’ (20    

O propinoduto tucano não será comentado?

Sandra Helena Chrispim da Silveira sandrahc@globo.com

São Paulo

*

SERRA NO PPS?

Ao que tudo indica, parece que Serra se prepara para perder mais uma eleição presidencial. Estará tentando um recorde de eleições perdidas.

 

Ulysses Fernandes Nunes Junior ulyssesfn@terra.com.br

São Paulo

*

ALDO A JATO (DA FAB)

O ministro Aldo Rebelo, do Esporte, usou um avião da Força Aérea Brasileira (FAB), para ir a Cuba no carnaval com a mulher, o filho e assessores. Isso é socialismo ou “aproveitanismo”? Antigamente, na Rússia, berço do socialismo, isso dava pena de morte. Mudou muito esse ministro metido a socialista. Até ele virou cara de pau e ainda tem desculpa esfarrapadas para dar a tontos como nós, que pagamos impostos para essa vida boa.

Antonio Jose Gomes Marques a.jose@uol.com.br

São Paulo

*

QUEM DIRIA...

Até tu, Aldo Rebelo, na farra do jatinho para o carnaval cubano? É... Não se fazem mais comunistas como antigamente.

Ademar Monteiro de Moraes ammoraes57@hotmail.com

São Paulo

*

VIVENDO E APRENDENDO

Aldo Rebelo utilizou avião da FAB para ir a Cuba acompanhado da família, vejam só, em caráter “oficial” durante o carnaval! Como Cuba é um país fechado, não dá para comprovar os motivos da sua estada, é a palavra dele contra as evidências. Ao contrário do que diziam meus pais, comunista não come criancinha, mas adora mordomia paga pelo povo! Aldo Rebelo faz parte do PCdoB, aquele partido que, vira e mexe, manda solidariedade a dirigentes de países totalitários como a Coreia do Norte, que ameaça detonar bomba atômica contra países democráticos. Vivendo e aprendendo!

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

*

AUSTERIDADE JÁ

 

O escandaloso uso de jatinhos da FAB tem pontuado negativamente a cena política e exige medidas moralizadoras. Ministros, parlamentares e outros figurões têm viajado nessas aeronaves oficiais tanto para compromissos de trabalho quanto para o lazer, e alguns ainda justificam ter esse direito. A farra leva o povo a esquecer a também indecorosa utilização de passagens aéreas, automóveis, hospedagens, cartões corporativos e outros bens e serviços pagos com o suado dinheiro dos impostos. Presidente, governadores e até alguns prefeitos e ministros necessitam de transporte oficial e rápido para desempenhar suas funções. Mas a maior parte dos próprios ministros e autoridades pode, sem prejuízo funcional ou risco, utilizar voos de carreira e, quando fora do trabalho, locomover-se com recursos próprios. Se pretende conferir um viés de austeridade ao seu governo, Dilma Rousseff deve exigir a absoluta observância da moralidade no uso dos recursos e equipamentos públicos. Se os regulamentos estiverem obsoletos, ou de propósito contiverem brechas para desvios, promova sua atualização, exigindo que os meios existentes para mobilidade da administração não sejam desviados para o conforto e a economia pessoal da corte. Se fechar as torneiras do desperdício e do desmando, o governo terá mais recursos para aplicar em saúde, educação e outros serviços públicos que a população perdeu a paciência de tanto esperar e hoje exige em suas manifestações de rua...

Dirceu Cardoso Gonçalves aspomilpm@terra.com.br                                                                                                      

São Paulo

*

JUSTIÇA PAULISTA

E quando vamos abrir a “caixa-preta” do Tribunal de Justiça de São Paulo?

Cleo Aidar leoaidar@hotmail.com

São Paulo

*

BRASIL X PARAGUAI

Segundo a Comissão Econômica para a América Latina e Caribe (Cepal), o vizinho Paraguai deverá crescer cinco vezes mais que o Brasil em 2013, ou seja, 12,5% contra medíocres 2,5%. Mesmo ciente do poderoso pólo industrial e exportador do país vizinho, gostaria que o governo brasileiro extraísse lições desse crescimento chinês em terras tão próximas.

Flavio Marcus Juliano opegapulhas@terra.com.br

Santos

*

RECIFE ENTERRA UM FILHO ILUSTRE

Páginas que as horas vão desenhando sem a dose dos segundos exatos, e então a voz não toca o som e seus dedos não percorrem a sanfona... Dominguinhos de fevereiro para o mundo, o filho ilustre brilha em cada espaço onde sua música pulsar a felicidade do homem do campo, do sertão, da cidade! Quando os olhos não puderem mais ouvir e os ouvidos não souberem distinguir a dimensão de sua estrela, quando isso acontecer, é porque “o candeeiro se apagou/ O sanfoneiro cochilou...” (Forró no Escuro). Sim, é isso mesmo, cochilou. Todo cochilo é leve, breve, basta uma nota para o ilustre filho “pegar o sol com a mão”. A pausa de Dominguinhos é tão leve como um grão de areia retirado da praia.

Luiz Gonzaga revelou em nobre apresentação a força viva vinda do solo seco que transborda um fluxo constante de arte. E seu riso fácil não deixou apenas já saudade, mas também a certeza de que o som de sua sanfona é de uma bravura rara de solo forte e em estações e séculos seu som, haja água, haja sol, está vivo em nossos olhos.  

Janeice  Amorim imprensa1055@coreconsp.org.br

São Paulo

*

GENTE BOA

Dominguinhos, que faleceu no Sírio-Libanês, é uma prova de que esse hospital também trata de gente de bem...

Victor Germano Pereira victorgermano@uol.com.br

São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.