Fórum dos Leitores

GESTÃO HADDAD

O Estado de S.Paulo

02 Outubro 2013 | 02h25

Aumento do IPTU

Mais uma vez vem aumento, e grande, do IPTU. Todo ano é a mesma coisa e a desculpa é que o valor venal dos imóveis está defasado. Só que passam os anos e não vemos o retorno de todos esses aumentos. Milhares de ruas necessitando de recapeamento há anos, calçadas esburacadas, parques e jardins abandonados, pichações, camelôs voltando às ruas... Para ajudar, o projeto Cidade Limpa, só porque foi feito pelo prefeito anterior, está sendo deixado de lado. A cidade está feia e imunda. Não vou nem mencionar saúde e educação. Até quando vamos ser usurpados pelos políticos deste país? Aumentar impostos é só o que sabem fazer. Mas o que esperar de um prefeito que precisa encomendar um estudo para saber se pode ir para o trabalho de ônibus? Não poderia simplesmente tomar o ônibus? Me poupem!

VERA LUCIA ALVES OGUMA

vera.oguma@uol.com.br

São Paulo

Assalto!

Fernando Haddad, com sua lullopetista volúpia arrecadatória, vai nos impingir goela baixo um aumento de 24% no valor do IPTU de uma só tacada. É um assalto à mão armada de uma administração incomPeTente que só quer arrecadar com multas de trânsito, impostos e taxas. Lulla nos impôs mais esse poste e agora temos de aguentar sua fúria arrecadatória, que visa tão somente a encher os bolsos de 600 em cargos comissionados, criados por Haddad este ano. Ao que parece, o cabide de empregos do PT não tem limites e nós, o povo, temos de pagar por esses... que nada fazem, apenas mamam nas tetas do serviço público.

BORIS BECKER

borisbecker54@gmail.com

São Paulo

À Robin Hood

O governo do prefeito Haddad vai na linha de Robin Hood: tira dos ricos para dar aos pobres, uma autêntica cortesia com chapéu alheio. O IPTU sofrerá aumento de 24%, índice três vezes acima da inflação, e a tarifa do ônibus ficará em R$ 3. Haddad não tem coragem de projetar aumento para os ônibus depois do show vindo das ruas, porém sinaliza que vai pedir dinheiro ao BNDES (cofre particular dos companheiros) para criar uma nova CMTC e empregar os chupins do partido. Sangrar o bolso do contribuinte é muito fácil, difícil é fazer uma gestão competente. São Paulo vive às escuras. Se o prefeito não dá conta nem de iluminar a cidade, vai gerir uma empresa estatal de ônibus? Mais um órgão fadado à corrupção. Pobre Brasil.

IZABEL AVALLONE

izabelavallone@gmail.com

São Paulo

O pecado do mérito

Na lógica petista, ter o mérito de conseguir com trabalho honesto uma boa casa, um bom carro e pagar uma boa escola para os filhos é pecado. Assim, cobra impostos abusivos e escorchantes, pune quem estuda e restringe o uso de carro. Suas "soluções" não solucionam nada, empurram a sujeira (literalmente) para debaixo do tapete. O que fazem com tanto dinheiro arrecadado? Só o STF não vê. Logo teremos novas passeatas em São Paulo.

MÁRIO ISSA

drmarioissa@yahoo.com.br

São Paulo

O couro e a correia

Já dizia meu avô: "Do couro sai a correia". Pois é, quando todos foram às ruas pleitear o não aumento das tarifas de transporte público, eu me lembrava da frase do patriarca da minha família. Agora usamos o transporte público com a tarifa congelada e vamos amargar um aumento no IPTU. Isso também ocorreu com os pedágios à época das manifestações: por medo, e não por respeito, congelaram as tarifas, porém, na calada da noite, decidiram começar a cobrar pelos eixos suspensos - ou seja, do couro saiu a correia. E viva a genialidade do PT! Acorda, Brasil...

EVERSON ROGÉRIO PAVANI

roger.advog@gmail.com

São Paulo

INDIGENTES

Discurso x realidade

No último discurso na ONU, nossa presidenta Dilma disse ter retirado da pobreza extrema 22 milhões de brasileiros em dois anos. Para constatar esse feito basta ir ao centro de São Paulo para assistir ao espetáculo.

RUBENS MICAEL ARAKELIAN

rubensmicael@gmail.com

São Paulo

SELO VERDE

Certificação FSC

Com imensa honra cumprimentamos o Estado pela justa certificação do Forest Stewardship Council (FSC), que garante, em seu processo produtivo, o uso de papel advindo de florestas manejadas de modo ecologicamente correto. Para o Brasil é um orgulho essa chancela ao jornal, mundialmente reconhecido como um dos mais importantes e melhores veículos de comunicação do País. A certificação é especialmente relevante para a cadeia produtiva da comunicação impressa brasileira, da qual a indústria gráfica é integrante. A causa do meio ambiente e da produção limpa e adequada às demandas de um mundo ameaçado pelas mudanças climáticas é uma de nossas principais bandeiras. A Associação Brasileira da Indústria Gráfica tem difundido esses conceitos no universo das cerca de 20 mil empresas do setor no País, que empregam 220 mil trabalhadores. Muitos são os avanços nas práticas produtivas, como maior produtividade do papel, tratamento e reúso da água, aproveitamento das aparas, utilização de tintas sem chumbo, racionalização de energia e outras medidas visando à proteção ambiental. Ênfase para o fato de todo o papel produzido no País vir de florestas cultivadas. É muito importante que a sociedade tenha plena consciência de ações ecologicamente corretas como a do Estado e da cadeia produtiva da comunicação impressa. O leitor precisa saber que ao ler jornais, livros e revistas, comprar cadernos para os filhos e produtos embalados em papel-cartão não é cúmplice de danos ambientais. Infelizmente, segmentos de mídias concorrentes têm, mundialmente, procurado difundir conceitos errados sobre os impressos. Por isso realizamos há alguns anos a Campanha de Valorização da Comunicação Impressa, de que são signatárias 25 entidades de classe. Há ainda o Prêmio Abigraf de Sustentabilidade, já na terceira edição, que valoriza as gráficas ambientalmente corretas. Ademais, numa iniciativa pioneira no Brasil, estamos encampando nacionalmente a campanha permanente da Two Sides, entidade internacional voltada para a disseminação de informações sobre o caráter ambientalmente sustentável da indústria gráfica. Com ações dessa envergadura, corroboradas pela correta atitude ecológica do Estado, contribuímos para que a sociedade tenha consciência de que a mídia impressa, fundamental para o acesso democrático a cultura, informação e conhecimento, também é intransigente defensora do meio ambiente e da sustentabilidade. Parabéns ao Estadão pela certificação do FSC, que agrega imenso valor a toda a nossa cadeia produtiva!

FABIO ARRUDA MORTARA, presidente da Abigraf

presidencia@abigraf.org.br

São Paulo

*

O REGISTRO DA REDE

Por causa da insuficiente comprovação de apoio popular, o Ministério Público Eleitoral recomendou à Justiça, ontem, que negue o pedido de registro do partido da ex-senadora Marina Silva. Fica comprovado o que todos sempre desconfiaram: os institutos de pesquisa de opinião que dão 38% de apoio popular a Dilma Rousseff e 16% a Marina Silva nas próximas eleições presidenciais não são confiáveis, de acordo com o Ministério Público.

Victor Germano Pereira

victorgermano@uol.com.br

São Paulo

*

MARINA SEM PARTIDO

Sinto-me aviltada ao ver que dois partidos "merrecas" conseguiram o registro na Justiça Eleitoral e Marina Silva, com 20 milhões de votos, não consegue.

Ruth Moreira

ruthmoreira@uol.com.br

São Paulo

*

FRAUDES NO SOLIDARIEDADE

O Ministério Público nem bem acabou de dar sua opinião favorável à criação do partido Solidariedade, de Paulinho da Força, e já disse que há indícios de fraudes na formação da legenda. Pelo visto, começou bem o partido de Paulinho da "farsa". Deveria, se confirmada as fraudes, mudar o nome do partido para Partido da Picaretagem. Combina com os políticos, com o sistema eleitoral e com as urnas eletrônicas.

Izabel Avallone

izabelavallone@gmail.com

São Paulo

*

DIREITO DO ELEITORADO

Alguém que faz 20 milhões de votos nas últimas eleições não consegue formar seu partido num país de partidos nanicos. Alguma coisa não fecha. Os votos de Marina Silva foram computados eletronicamente. As fichas foram compulsadas manualmente. A grande adversária de Dilma Rousseff era Marina. Diz a corrente opositora que 95 mil fichas de apoio ao novo partido da ex-senadora foram rejeitadas sem justificativa. A lógica das coisas parece estar estremecida. Nesse episódio não é possível esquecer Maquiavel: "A crueldade, a tolerância e a lealdade têm seu lugar, são táticas válidas ou também podem ser facilmente descartadas, dependendo das circunstâncias. O direito não transcende a natureza do homem, é uma mera técnica de governar. As relações sociais são, essencialmente, luta pelo poder" (apud Waine Morrison, "Filosofia do Direito"). Para manter o poder, completa, em perfeita sintoniza com o anteriormente exposto, nossa digna presidente: "pode-se fazer o diabo". A manipulação de fichas para fins eleitorais é o instrumento do diabo. Muitos se lembram, em episódio levado ao cinema, da manipulação nos EUA em favor de Bush, na Flórida, no pleito em que o vencedor foi Al Gore. O Brasil vive um momento muito delicado em matéria de direito eleitoral. E o que está em jogo não é o direito individual e subjetivo da candidata, mas o direito coletivo do eleitorado.

Amadeu R. Garrido de Paula

amadeugarridoadv@uol.com.br

São Paulo

*

AMEAÇA

Marina, Marina, Marina, você se pintou, mas de nada adiantou. Desista, Marina Silva, no momento a Rede seria uma ameaça ao projeto eleitoral petista. Ou a senhora não percebeu ainda quem está por trás do boicote ao registro do partido?

Arnaldo de Almeida Dotoli

arnaldodotoli@hotmail.com

São Paulo

*

APOIO

Sou brasileiro, paraibano e eleitor com inscrição de n.º 011555551260. Solicito a aprovação do pedido para a criação do Partido Rede Sustentabilidade até o dia 3/10/2013.

Gerson B. de Vasconcelos

gerson.bvasconcelos@hotmail.com

João Pessoa

*

UMA PENA

Num país que abriga muitos partidos inexpressivos, verdadeiros balcões de negócios, sem nenhuma responsabilidade para com a qualidade de vida da população, a ex-senadora Marina Silva sofre uma reação dos donos do poder que trabalham para impedir a legalização de seu partido: a Rede. Marina tem um largo currículo de trabalhos prestados ao País, na área de meio ambiente, no combate à corrupção, na aversão ao "toma lá da cá", na harmonia entre a produção econômica e a proteção do meio ambiente, dentre outros. É uma pena que a cidadã das selvas do Acre, de origem humilde, dona de 20 milhões de votos de brasileiros sedentos por uma nova política, seja atacada covardemente dessa forma.

Mário Negrão Borgonovi

marionegrao.borgonovi@gmail.com

Rio de Janeiro

*

BRASIL REAL, RUMO À ELEIÇÃO

A manchete de sexta-feira (27/9) do "Estadão" dava a Dilma vantagem de 22% sobre Marina, com 56% do eleitorado admitindo que pode votar na petista. A manchete de sábado (28/9) dizia que analfabetismo para de cair no Brasil e que o emprego e a renda sobem. E a taxa de analfabetos funcionais, caso da presidenta do País, que taxa alcançou? Não sei se esses dados otimistas se referem ao Brasil ou se fazem parte da campanha eleitoral iniciada clandestinamente antes do tempo, pois quem vive o dia a dia na Pátria amada é que sabe das agruras enfrentadas para driblar inflação, desemprego, trânsito, violência, etc. Ou para saber sobre o Brasil real temos de ler o "The Economist" ou pedir à NSA que nos passe os dados verdadeiros sobre o Brasil?

Carmela Tassi Chaves

tassichaves@yahoo.com.br

São Paulo

*

PLURALISMO DE ARAQUE

Agradeço ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) pela aprovação dos novos partidos PROS e Solidariedade, pois estava me sentindo desorientado pela falta de opções ideológicas que eles nos oferecem. Agora podemos repetir o bordão: "nossos problemas acabaram".

Luiz Nusbaum

lnusbaum@uol.com.br

São Paulo

*

A MULTIPLICAÇÃO DE PARTIDOS

De partido em partido, o Brasil vai sendo repartido em inúmeras legendas políticas que nada representam para a grande maioria dos eleitores. O que se vê é a profusão e multiplicação, sem fim, dessas siglas de aluguel, que nada dizem e nada fazem, senão para seus próprios e espúrios interesses e causas, a serviço tão somente de arranjos e negociatas de seus mandatários no usufruto do saque ao Fundo Partidário e na venda dos preciosos e disputados minutos do horário político obrigatório. Para tanto, basta apenas seguir a cartilha: alguns caciques bons de voto, um P à frente de outras letrinhas, logotipos de apelo, caríssimos marqueteiros, discursos apelativos, meio milhão de assinaturas em todo o País, diretórios em nove Estados e pronto. Se nada for feito para impedir a continuação da prática, o horário eleitoral "gratuito" terá de ser aumentado, por falta de espaço para tantas siglas e candidatos. É hora de pôr fim ao milagre da multiplicação dos partidos. Basta!

J. S. Decol

decoljs@globo.com

São Paulo

*

INADEQUADOS

Há excesso de partidos políticos e os dois que comandam o governo são os mais inadequados.

Flavio Marcus Juliano

opegapulhas@terra.com.br

Santos

*

TROCA-TROCA PARTIDÁRIO

Nos países desenvolvidos só há dois partidos que comandam a política: situação e oposição. E não há tantas acusações de trambiques como aqui. No Brasil já há 32 - no jogo do bicho só há 25 animais - e os políticos não têm convicção, só interesses, pois ficam trocando de partido como trocam de camisa. Eu acho que político que troca de partido deve perder o mandato e, na próxima eleição, disputar outro mandato pelo novo partido. Os eleitores não podem ser desconsiderados e desrespeitados como são atualmente.

Mário A. Dente

dente28@gmail.com

São Paulo

*

CIRO GOMES E EDUARDO CAMPOS

Ciro Gomes diz que Eduardo Campos (PSB) é "oportunista" e "zero completo". Questão de ponto de vista, porque Ciro "boquirroto" Gomes já deve ter passado por 30 dos 32 partidos políticos do País. Ninguém aguenta seu destempero, e por isso mesmo nunca conseguiu sair politicamente do ponto em que se encontra. Um quase esquecido secretário de Estado. Isso está mais parecendo dor de cotovelo, porque, apesar de ter transferido seu título de eleitor para São Paulo, na tentativa de cooptar o eleitorado paulista, nunca decolou porque ninguém nunca o suportou. Eduardo Campos pode até não ser hoje opção para as eleições de 2014, mas, dependendo do cenário, poderá vir a sê-lo, ao contrário de Ciro Gomes, que jamais ganharia o voto de 90% dos eleitores brasileiros.

Beatriz Campos

beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

*

QUEM É CIRO?

O ex-ministro Ciro Gomes fez duras críticas ao pernambucano Eduardo Campos, dizendo que ele "é um zero completo, um oportunista puro e simples". E quem é Ciro? No mínimo, o dobro de tudo o que está falando sobre Campos. Um político que foi do PSDB, xingou Lula de tudo quanto é impropério mas se aliou a ele, inclusive tendo sido seu ministro, e agora vem falar de Campos? Menos, sr. Ciro, vá cuidar do seu Estado, Ceará, onde seu irmãozinho gasta os milhões do povo cearense em ricos bufês regados a caviar.

Mustafa Baruki

mustafa-baruki@bol.com.br

São Paulo

*

JOSÉ SERRA

O senador Aécio Neves (PSDB/MG), provável candidato à Presidência da República na próxima eleição, espera contar com o apoio do ex-governador de São Paulo José Serra. Vá, Serra, não seja ingrato e agradeça o apoio (Dilmasia) recebido de Aécio Neves na última eleição, pagando na mesma moeda e aceitando o convite do PPS. Seja mais um candidato ao cargo de presidente da República do Brasil. Meu voto é seu.

Maria Carmen Del Bel Tunes

carmen_tunes@yahoo.com.br

Americana

*

LAMBER SABÃO

Cumé qui é? Então o traidor Aécio Neves agora pede a colaboração de Serra em sua campanha à Presidência da República? Por que traiu e não ajudou Serra e Alckmin nas três eleições em que foram candidatos? Minha neta de 7 anos, vendo-me bravo com essa notícia, falou-me: "Vô, manda esse traidor ‘lamber sabão’!". Querem melhor resposta do que essa?

Laércio Zannini

arsene@uol.com.br

Garça

*

PSDB SEM RUMO

Em Curitiba, o tucano Aécio Neves, provável candidato do PSDB ao Planalto, disse que "está chegando a hora de enfrentarmos o PT". Bem, estão enfrentando desde 2002 e perdendo. A política do PT é melhor? Não. Para mim, é até nociva e ruim para o País, mas estão explorando a ignorância da maioria com demagogias e populismo. Na realidade, o PSDB está sem rumo. Tinha um projeto de governo de 20 anos no poder e fracassou, porque não correspondeu e, como todos os outros partidos, não cumpriu as promessas. Vai continuar perdendo. Acho isso péssimo, mas não apresenta nada de novo ao povo para reconquistar o poder.

Panayotis Poulis

ppoulis46@gmail.com

Rio de Janeiro

*

OS TRUQUES DO PT

Além do Bolsa Família, que atinge 50 milhões de pessoas ou ¼ da população do País, o PT avança em outros programas em que possam conseguir mais eleitores. O caso noticiado pelo "Estadão" em 28/9 mostra uma nova forma de o Partido dos Trabalhadores cooptarem eleitores. De 12 entidades com projetos aprovados pelo Ministério das Cidades para o programa Minha Casa, Minha Vida, 11 são entidades de membros do PT que priorizam financiamentos a quem marca presença em protestos e participa de invasões. Entre os gestores dessas entidades, há pessoas da administração Fernando Haddad, alguns candidatos a cargos públicos e até uma petista já falecida. Normalmente, os programas do PT e da presidente Dilma têm sempre um viés político eleitoral.

Fabio Figueiredo

fafig3@terra.com.br

São Paulo

*

SEGREGAÇÃO

Se a sociedade brasileira continuar fechando os olhos para a feroz segregação sociopolítica praticada pelo lulopetismo, daqui a pouco, para ter passaporte ou direitos trabalhistas, você terá de demonstrar militância. Quem viver verá, foi assim com o nazismo, com o stalinismo e com outros ismos que existiram.

Francisco José Sidoti

fransidoti@gmail.com

São Paulo

*

O PT SEQUESTRA O BRASIL

Não é possível! A capacidade do Partido dos Trabalhadores (PT) de indignar a nossa sociedade não tem mais limites. Agora, em São Paulo, por exemplo, como bem publicou o "Estadão", um cidadão de baixa renda que queira comprar uma residência pelo programa Minha Casa, Minha Vida precisa ficar de cócoras para a militância do partido. Ou seja, se não rezar a cartilha, de que é preciso pagar uma taxa mensal de R$ 50,00 (taxa de adesão) e ainda participar de reuniões, eventos públicos como protestos e ocupações de imóveis na cidade, etc., não soma pontos que poderão lhe dar o direito de conquistar sua casinha. Dos 12 projetos aprovados pelo governo federal para a capital, 11 estão nas mãos de petistas, incluindo servidores da equipe do prefeito Fernando Haddad, que de bandeja administram diretamente verbas de quase R$ 300 milhões para a construção dessas casas, provavelmente sem nenhuma fiscalização. É uma vergonha! É caso de impeachment da presidente Dilma, que facilita a orgia dos membros de seu partido e humilha o cidadão de baixa renda, que, para obter sua casa, precisa se ajoelhar perante exigências do partido. Para piorar, o Ministério das Cidades, responsável pelo programa, na maior cara de pau diz que desconhece esse método de soma de pontos, das exigências de participar de atos públicos, etc., mas que não tem como impedir a cobrança de taxas e mensalidades. São fiéis alunos de Lula, que também embromava afirmando que não sabia da existência do mensalão nem de outros graves ilícitos que não cessam de ocupar as páginas policiais da nossa imprensa nestes 11 anos do PT no poder.

Paulo Panossian

paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

*

MILITÂNCIA VIRA CRITÉRIO DE PROGRAMA

E também é critério para distribuição de bolsas e todas as "benesses" feitas com dinheiro público, até mesmo as farras da corrupção. Num governo tipicamente sindical, com fundo moral e ético comunista e coronelista, o que se poderia esperar de diferente?

Ariovaldo Batista

arioba06@hotmil.com

São Bernardo do Campo

*

A SIEMENS E O CADE

Na edição de sábado (28/9), a empresa Siemens publicou no jornal um texto pago explicando os motivos de sua denúncia ao Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) sobre o cartel em contratos do sistema metroferroviário. Sua explicação é boa, mas não esgota o assunto. Em momento algum ela fala por que omitiu os dados do governo paulista, dificultando assim que o assunto fosse também investigado em âmbito estadual. É sabido que há uma luta por poder entre o PT, que está no governo federal, e o PSDB, que está no governo de São Paulo. A sensação que fica é de que a Siemens está jogando a favor do PT, partido que sempre foi rejeitado pelos paulistas. Se o PT eleger o próximo governador de São Paulo, a Siemens estará por cima da carniça, mas se o PSDB continuar, ela estará dando um tiro no pé.

Rene G. Santana

renesantana@uol.com.br

São Paulo

*

DO PT PARA O PT

Para os que não gostaram do mensalão e para aqueles que gostam de um dossiê, nada melhor, agora, que um trensalão...

Flávio Cesar Pigari

flavio.pigari@gmail.com

Jales

*

O CADE DO PT

Vinicius Marques de Carvalho, presidente do Cade, já afirmou em agosto que não poderia aceitar a acusação de politização da investigação do cartel dos trens, se a Siemens foi ao Cade espontaneamente para confessar seu conluio com funcionários públicos no Estado de São Paulo. Acreditem nessa espontaneidade quem quiser. O que Carvalho não contou é que essa ação contra o governo tucano já estava sendo gestada desde 2003, quando ele passou pela chefia de gabinete do deputado estadual do PT Simão Pedro, justamente quem foi responsável por representações que apontavam suspeitas de superfaturamento e pagamento de propina envolvendo contratos do Metrô e da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM). Tanto é verdade essa gestação de planos de longo prazo para ser usado no melhor momento (ano pré-eleitoral em que o PT tenta conseguir o governo de São Paulo) que no currículo de Carvalho é omitido esse elo entre ele e Simão Pedro, de 2003 a 2004. Visto isso, cai por terra a tese da coincidência - alegada por Simão Pedro - no fato de o caso Siemens emergir no Cade após seu antigo assessor ter assumido a presidência do órgão, alegada por Simão Pedro. Esse caldo está na fervura desde lá, mas o cartel da Siemens borbulha também em vários Estados e capitais com administração do PT, mas disso não interessa ao governo petista falar. Nem a Siemens se mostra disposta a, espontaneamente, denunciar.

Mara Montezuma Assaf

montezuma.scriba@gmail.com

São Paulo

*

VERGONHOSO

Enquanto a Espanha anuncia que, pelo quarto ano consecutivo, vai congelar os salários dos funcionários públicos em 2014, aqui, no Brasil, o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu pagar aos nossos as perdas ocorridas quando houve mudança de moedas em 1994, e a estimativa é de que o passivo alcance R$ 100 bilhões. Porém com relação às nossas cadernetas de poupança, que perderam rendimentos, valores em poder dos bancos, nada fazem, como também em relação às perdas de aposentadorias, que em dez anos foram reduzidas em mais de 50%. Agora, para tudo o que beneficia o governo, especialmente na véspera de ano eleitoral, vale tudo.

Angelo Tonelli

angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

*

GESTÃO HADDAD

Perfeito o editorial sobre a atuação do sr. Fernando Haddad na Prefeitura de nossa cidade ("De olho na eleição", 29/9, A3). É um prefeito totalmente amador, que tem como objetivo principal a perpetuação do PT no governo central do País, que nunca teve um plano de governo, que não age, apenas reage e, ainda assim, de maneira atabalhoada, sem estudos sérios, sem ouvir técnicos, sem pensar a cidade no seu todo. Nós já sabemos, este é o jeito PT de governar, sem nunca ter planos concretos, tendo apenas planos de poder. São Paulo não merece isso.

José Renato Nascimento

jrnasc@gmail.com

São Paulo

*

PREFEITO POSTE

Nosso prefeito - oposto de joia rara, é uma "coisa rara" - noticia na sexta-feira (27/9) que os acampados da Praça da Sé foram removidos. Passando por lá no sábado (28/9), vi que estavam todos lá, sem cerimônia. A praça está um lixo, um verdadeiro cartão postal da miséria. Perguntado sobre a pesquisa negativa sobre sua atuação, o prefeito Haddad diz que "pesquisas podem ser compradas". Nisso eles, petralhas, têm pós-graduação. Estamos órfãos.

Celso de Carvalho Mello

celsosaopauloadv@uol.com.br

São Paulo

*

A MENTIRA DA INSPEÇÃO

A inspeção veicular será feita por quatro empresas, a partir do próximo ano, na cidade de São Paulo. A afirmação é do prefeito Fernando Haddad (PT). De acordo com ele, a licitação para a escolha dessas empresas deverá sair em outubro. Para quem, na campanha eleitoral, disse que iria acabar com essa farra, inclusive fazendo críticas a Kassab, já está mostrando que aprendeu muito com seu apoiador Paulo Maluf, o que mete a mão, mas faz. Além do que ele, na verdade, é um poste, ou seja, Lula pensa por ele.

Asdrubal Gobenati

asdrubal.gobenati@bol.com.br

Rio de Janeiro

*

AS FAIXAS EXCLUSIVAS DE ÔNIBUS EM SP

Para aliviar o congestionamento do trânsito em São Paulo, por que não criar faixas exclusivas para carros particulares?

Roberto Twiaschor

rtwiaschor@uol.com.br

São Paulo

*

CRISE POLÍTICA NOS EUA

O radicalismo neoliberal dos fundamentalistas republicanos no Congresso dos EUA conseguiu parar a nação americana. Tentando chantagear o governo Obama, não aprovando o Orçamento do ano fiscal que se inicia, enquanto a lei de saúde em vigor não fosse suspensa ou mesmo prorrogada, os "falcões" da política ianque conseguiriam o impensável: imobilizaram a gestão pública dos EUA. A dura resposta do presidente, não se curvando a tal chantagem, deixa o planeta em suspense. Enquanto isso nós, aqui neste canto de mundo, ficamos também no aguardo das soluções dessa crise institucional ianque, em meio igualmente às lutas de equacionamento de nossas vulnerabilidades tanto na saúde como na educação e demais áreas, que voltam a levar aos protestos de rua, agora recomeçando.

José de Anchieta Nobre de Almeida

josedalmeida@globo.com

Rio de Janeiro

*

I HAVE A DREAM

Enquanto republicanos e democratas se digladiam, Obama sonha com a autonomia dos seus desafetos, Putin e do Xi Jinping.

Sergio S. de Oliveira

ssoliveira@netsite.com.br

Monte Santo de Minas (MG)

*

‘PERDENDO NO MÉRITO’

No "Estadão" de domingo (29/9) à página B8, Gustavo Franco, que foi presidente do Banco Central, com o título "Perdendo no Mérito", faz uma excelente exposição dos erros do atual governo tanto no trato com as empresas como na administração pública, igualando a todos quanto à remuneração, lucros e reconhecimento à produtividade, também por parte dos sindicatos, desestimulando o esforço individual até para os estudantes que se esforçam para alcançar melhores funções, e conclui com esta frase: "Se o mérito não adquirir precedência, para pessoas e empresas, não vamos a lugar nenhum". Do ponto de vista político, pode-se dizer que ele está com Aécio Neves, que defende os mesmos pontos de vista, ou seja, ao invés de só preocupar-se com os corruptos e preguiçosos, punindo-os, ou seja, usar estímulos negativos, seria melhor passar a usar estímulos positivos, premiando os melhores, pois estes seriam invejados e imitados pelos companheiros, e assim poderíamos a começar um período virtuoso em todos os setores da atividade humana.

Francisco Samuel Fiorese

samucafiorese1@yahoo.com.br

Campinas

*

ARTICULISTAS

Cumprimento o jornal e os três colaboradores Fábio Giambiagi, Gustavo Franco e José Roberto Mendonça de Barros. Seus artigos de domingo (29/9) são consistentes em seus conteúdos, bem escritos e sem os detestáveis supérfluos e pretensiosos estrangeirismos tão ao gosto dos semialfabetizados. Sem os horrendos "rankings", "chances" e outros modismos imbecis, a leitura de uma matéria, ainda que grave e séria, torna-se um prazer. Reitero, pois, meus cumprimentos agradecidos pelo respeito à língua que falamos e de que nos devemos orgulhar.

Mário R. Costa

costamar31@terra.com.br

São Paulo

*

GRAMA PADRÃO FIFA

O "Estadão" publicou no domingo reportagem sobre o piso das arenas que obedecerão ao padrão Fifa. Penso que isso é, no mínimo, um acinte a mim, como para todos os cidadãos probos deste pobre país. Isso tudo para agradar aos milhões de idiotas brasileiros que irão pagar mais de R$ 1 mil para assistir a cada jogo da seleção brasileira de futebol. Pergunto quanto cada um desse patriotas hipócritas gastou com livros para si ou para seus filhos. Temos milhões e milhões de brasileiros que moram em casas de sapé e chão de terra batida, corroídos pela voracidade tigrina da miséria e da insensibilidade de uma governo em que a corrupção botou sua morada e se espalha por todos os quadrantes de seu território. "Roma locuta causa finita est." Isso mesmo, Brasília dita as normas, e os espetáculos aos moldes de Roma se implantam no Brasil. Por que, em vez de "grama padrão Fifa", não se dá às Santas Casas, que sobrevivem à custa de atos beneméritos e de caridosos cidadãos, o padrão dos hospitais como a Clinica Maio, dos EUA, o Beneficência Portuguesa, o Sírio-Libanês, o Einstein? E depois da Copa? Por que tanto desperdício em arenas que serão abandonadas depois dos jogos? Por que tanto gasto em Manaus, Natal e Cuiabá, onde o número de times de futebol não se iguala nem aos dedos de uma mão? "Panem et cincenses" (pão e circo). Nelson Rodrigues, você morreu muito cedo. Carlos Lacerda, quantas saudades...

Caio Celso Nogueira de Almeida

caio@agronobilis.com.br

Garça

*

NOMENCLATURA

Arenas preparam grama. Afinal, o negócio é arena ou é gramado? Por que importar dos norte-americanos essa bobagem de "arena"? Até os ingleses as chamam de "stadiums". Por que não continuar chamando, como desde sempre, brasileiramente, de "estádios", esses lugares mágicos de festa, esportividade, alegria?

Marcio Franco Mourão dos Santos

mfmourao@gmail.com

Brasília

*

ENTULHO RECICLADO

Que notícia alvissareira foi divulgada pelo diretor da empresa Eco-X Usina de Entulho, Pirre Ziade, informando que o "entulho" retirado do antigo estádio de futebol do Palestra Itália foi reciclado e colocado no solo onde está sendo concluído o estádio da "nação corintiana". Que bom... Ganhando no campo, será uma dupla vitória, já que estarão literalmente "pisando" no arquirival Palmeiras. Inacreditável. Melhor, impossível. Agora os torcedores do Corinthians comemorarão para sempre, enquanto existir o Itaquerão, que será palco da abertura da Copa de 2014.

Luiz Dias

lfd.silva@2me.com.br

São Paulo

*

PLANOS DE SAÚDE

O brilhante artigo de Celso Ming no domingo (29/9, B2) chama a atenção ao seguinte problema: se o plano for muito barato, inviabiliza a empresa, e se for muito caro, inviabiliza o usuário. Sugestão de solução: o plano de saúde deve ser como seguro de carro. Franquia para procedimentos de baixo custo: consultas, exames e cirurgias de pequeno porte. Perda total (como a vida é um valor imensurável, não existe teto). Procedimentos de altos custos e longas permanências em UTI teriam um teto, que seria escolhido pelo usuário e proporcional ao quanto ele irá pagar por mês. O que passar do teto ficará por conta do usuário ou será transferido para o governo (através de convênios ou hospitais públicos). Haveria uma redução do valor dos planos, proporcional ao benefício e ao alcance de quase toda a população. Na verdade, deveriam ser chamados planos de doenças ou para doenças.

Salomão Faimberg Tessler, médico administrador hospitalar e de sistemas de saúde

stessler@uol.com.br

São Paulo

*

PRISÃO DE JORNALISTA DO ‘ESTADO’

Estranha, muito estranha, a prisão da repórter e jornalista Claudia Trevisan na Universidade Yale, quando tentava entrevistar o ministro Joaquim Barbosa, do STF. Justamente no país-ícone da liberdade de expressão, os EUA.

José Piacsek Neto

bubanetopiacsek@gmail.com

Avanhandava

*

DUAS JUSTIÇAS

A diferença é que, aqui, pessoas influentes e ricas a polícia não prende, porém lá a lei é para todos, e a jornalista vai ter de se apresentar na corte dentro de no máximo sete dias e, se o juiz vir indício de crime, ela vai ser condenada. Lá não tem juiz conivente com criminosos do tipo Celso de Mello, Antonio Dias Toffoli, Ricardo Lewandowski.

Paulo F. Siqueira dos Santos

paulof.santos@hotmail.com.br

Santa Rita do Passa Quatro

*

PRISÃO E LIBERDADE

Os americanos se dizem os grandes defensores dos direitos humanos, porém sem motivo algum e de forma arbitrária espionam o governo brasileiro e suas empresas, prendem uma jornalista do "Estadão" e, a exemplo do que fizeram no Iraque, querem invadir a Síria em nome da humanidade. A teoria, na prática, é bem distinta, usam da força para convencer, mas estão longe da verdadeira liberdade de imprensa.

Carlos Henrique Abrão

abraoc@uol.com.br

São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.