Fórum dos Leitores

MÉDICOS CUBANOS

O Estado de S.Paulo

04 Outubro 2013 | 02h15

Respeito à lei

A Câmara dos Deputados avançou sobre as competências dos Conselhos Regionais de Medicina (CRMs) com o argumento do atraso na validação dos diplomas. Vamos imaginar, então, se todas as instituições, empresas, prefeituras, governos, etc., fizessem o mesmo quando entendessem que o Congresso Nacional está sendo ausente ou incompetente. Respeito à lei e à ordem é o básico e nem isso os nossos políticos entendem.

JOÃO PAULO DIAS JR.

jpdiasjr@gmail.com

Curitiba

Menos controles

Bem-vindos à República Bolivariana do Brasil. Quando a vontade do Planalto é contrariada, basta emitir uma medida provisória (621), contrariar a lei (n.º 3.268, de 30/9/1957, que regulamentou as atribuições dos CRMs), mesmo que se mudem as regras no meio do jogo, e pronto. O próprio Ministério da Saúde vai registrar os médicos estrangeiros. E quem vai fiscalizar?

LUIZ NUSBAUM, médico

lnusbaum@uol.com.br

São Paulo

Revalidação

Se os médicos estrangeiros, como os cubanos, são competentes, por que não submetê-los a uma revalidação dos diplomas que realmente meça sua capacidade e seus conhecimentos? Se competentes são, não há por que temer tal teste.

M. DO CARMO Z. LEME CARDOSO

mdokrmo@hotmail.com

Bauru

Jalecos

Por bom senso, o jaleco dos médicos deve estar sempre limpo e ser usado exclusivamente dentro de hospitais, prontos-socorros, clínicas, etc. Espero que os cubanos tenham ao menos dois, um para passear por aí e tirar fotos e outro para atendimento.

JORGE T. SCHWARZENBERG

jorge.thomas1@hotmail.com

São Paulo

GESTÃO HADDAD

Medida desmedida

O prefeito Fernando Haddad deve ter batido com a cabeça, acho que seria o caso de ele fazer uma consulta urgente com um dos médicos cubanos. Porque 45% de aumento do IPTU para os imóveis comerciais é uma medida desmedida. Ou será que ele está pensando em abastecer o bolso com o dinheiro do contribuinte para a campanha do PT ano que vem?

MÁRCIA CALLADO

marciacallado@bol.com.br

São Paulo

Sigla

Mas o que queriam? Vejam a sigla iPTu. Deu pra ver quem aumenta? Votem neles, votem!

JOSE PEDRO VILARDI

vilardijp@ig.com.br

São Paulo

IPTU abusivo

É inconcebível o que o sr. prefeito está propondo de aumento para o IPTU de São Paulo. Nossos salários não sobem nem um terço disso. Dos aposentados, então, nem se fale... Como um aposentado pode arcar com um aumento desses, se os benefícios deles ficam cada vez mais achatados e os impostos são quadruplicados? Isso chega a ser inconstitucional. Aliás, aposentado deveria ser isento de IPTU. É preciso ter mais critério e bom senso.

MARTA LUCIA DIAS

martaluciadias@gmail.com

São Paulo

Arbitrário e ilegal

O aumento do IPTU proposto pelo sr. Fernando Haddad, além de abusivo, é ilegal, pois atenta contra o princípio da capacidade contributiva do indivíduo, ferindo o § 1.º do artigo 145 da Constituição de 1988 ("... os impostos terão caráter pessoal e serão graduados segundo a capacidade econômica do contribuinte..."), sendo esse princípio sustentado por jurisprudência do Supremo Tribunal Federal, que em casos idênticos bloqueou tentativas unilaterais e ilegítimas de governantes que resolveram promover uma transferência abusiva de fundos do contribuinte para o governo. A justificativa para o proposto aumento, valorização do preço venal dos imóveis, é pífia, ridícula e inaceitável, visto que os cidadãos não se beneficiam disso até transacionarem o imóvel, ocasião em que já pagam os devidos impostos. Assim, rejeito esse aumento como apenas mais uma violência arbitrária e autoritária contra o cidadão contribuinte e, nessa condição, conclamo todos a rejeitarem essa medida ditatorial, primeiro esperando deferência do servidor público eleito, depois, não havendo resposta, na Justiça e do mesmo modo como foram rejeitados os 20 centavos.

EDUARDO FINGER

ascklepius@gmail.com

São Paulo

Pagamento em Juízo

Então, só nos resta prepararmos nossas ações judiciais para efetuarmos o pagamento dos valores do IPTU em Juízo, demonstrando na Justiça o assalto de que estamos sendo vítimas por essa Prefeitura incompetente e irresponsável, cutucando o povo para sair às ruas e causar a bagunça generalizada já conhecida pela população desta cidade.

VALDIR SAYEG

valdirsayeg@uol.com.br

São Paulo

Táxis nos corredores

Esclarecedor o editorial de domingo De olho na eleição (A3), a respeito dos táxis nas faixas e nos corredores de ônibus. Há necessidade de a Prefeitura ponderar a criação de mais bolsões para táxis na Avenida Paulista e a liberação das faixas nos corredores Norte-Sul e Radial Leste, desde que para táxis que estejam transportando passageiros. Cada táxi retira, no mínimo, 15 automóveis das ruas e, juntos, transportam 500 mil pessoas por dia na capital.

RICARDO AURIEMMA, presidente da Associação das Empresas de Táxis do Município de São Paulo

adetax@adetax.com.br

São Paulo

Preço de passagens

Este ano a Prefeitura aumentou de 118 para 326 quilômetros a extensão das faixas de tráfego exclusivo para ônibus, o que permitiu reduções no tempo das viagens dos coletivos, maior número de viagens por veículo e redução de consumo de combustível e de gastos com manutenção. Está, pois, na hora de a Prefeitura rever as planilhas de custo das viagens, visando a reduzir o preço das passagens ou o subsídio pago às concessionárias.

WILSON SCARPELLI

wiscar@terra.com.br

Cotia

Estatal de ônibus

É um retrocesso querer criar outra empresa de ônibus estatal na capital paulista. Não é essa a solução para os problemas do transporte público na cidade de São Paulo. Além do mais, a estatal outrora existente foi alvo de corrupção, superfaturamento e ineficiência total.

MARCOS BARBOSA

micabarbosa@gmail.com

Casa Branca

*

O REBAIXAMENTO DA USP

Com muita tristeza e preocupação li a reportagem da página A16 do "Estadão" de 3/10/2013, sobre a queda da nossa Universidade de São Paulo (USP) do 158.º para o grupo do 226.º a 250.º lugar, entre as melhores universidades do mundo. Entretanto, é fácil constatar a razão desse triste rebaixamento. No dia anterior, os jornais, televisões e internet divulgaram fotos de alunos da USP, covardemente escondidos sob máscaras e portando marretas, destruindo as portas da reitoria da universidade. Ninguém pretende que os universitários sejam pessoas passivas, que aceitem tudo sem quaisquer contestações, mas o mínimo que se espera de uma elite intelectual seria um comportamento civilizado, baseado no diálogo e no respeito, para com o corpo docente e discente da nossa USP.

Luiz Antonio Alves de Souza

zam@uol.com.br

São Paulo

*

USP/UNICAMP

A USP ficou fora do rol das 200 melhores universidades da Times Higher Education, a principal lista de instituições de ensino superior do mundo. A Unicamp saiu da lista das 300 melhores. Quando as listagens são sérias, as posições do Brasil são sempre medíocres ou abaixo disso. Talvez no dia em que a academia, a escola, a "inteligência" e a "burrícia" nacionais deixarem de usar "ranking", que é mera hierarquia, posto, posição, lugar, lista, colocação; deixarem de usar "chance", que é mera possibilidade, oportunidade, ensejo, sorte, condição; deixarem de usar "avalanche", que não passa de um alude, desmoronamento; não mais usarem "elite", que é de fato escol; "liderar", que não é senão comandar, capitanear, orientar, dirigir, conduzir; e começarem enfim a falar corretamente a língua que nos emprestaram e que estamos a tratar com desleixo e irresponsabilidade, talvez possam nossas escolas e outras instituições terem elevado seu conceito e sua posição nas listagens classificatórias internacionais. São meus mais ardentes augúrios.

Mário Rubens Costa

costamar31@terra.com.br

Campinas

*

O QUE SERÁ DE NÓS?

Além dos problemas com o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), do kit gay e de inúmeras outras trapalhadas, surge agora o principal resultado da gestão de sete anos do incompetente Fernando Haddad como ministro da Educação do País: nem a USP nem a Unicamp figuram mais entre as 200 melhores universidades do mundo. O que será de nós, paulistanos, depois da passagem do poste 2 por aqui?

Victor Germano Pereira

victorgermano@uol.com.br

São Paulo

*

‘ENÇINO ÇUPERIOR’

Vergonhoso o Brasil, celeiro de apedeutas ao poder, não ter uma USP entre as top 200 instituições de ensino superior. E a Unicamp nem sequer entre as top 300. Ambas estão aptas a distribuir títulos de "horroris" causa, já que o processo de deseducação do povo parece irreversível.

Flavio Marcus Juliano

opegapulhas@terra.com.br

Santos

*

NÃO SURPREENDE

Embora extremamente entristecido, não me causa espanto a notícia de que a USP, que outrora ocupara o 158.º lugar no ranking internacional, hoje está entre a 226.ª/250.ª posição, afinal de contas, certa vez, um ex-presidente, semianalfabeto, num discurso inflamado, vangloriou-se em ter como primeiro diploma de sua vida o título de presidente do Brasil. Os companheiros, "amicus curiae" (amigos da corte), desde então, começaram a ocupar diversos cargos nos diversos ministérios. Assim ocorreu no Ministério da Educação. Nossa "presidenta", como gosta de ser chamada, aliás, contrariando as regras ortográficas, continua propagando os ensinamentos de seu mestre. Da forma como se conduz o Brasil, percebo que "nunca seremos" os primeiros da lista em educação nem seremos brindados com um Prêmio Nobel, o único primeiro lugar que ostentamos perante o mundo é o título de país da corrupção.

Everson Rogério Pavani

roger.advog@gmail.com

São Paulo

*

BRASIL EM QUEDA

A Universidade de São Paulo perdeu pelo menos 68 posições no principal ranking internacional de universidades da atualidade e, pela primeira vez nos últimos três anos, o Brasil ficou sem nenhum representante entre as 200 melhores do mundo. A instituição paulista passou do 158.º lugar no ano passado para um grupo que vai do 226.º ao 250.º na nova lista do Times Higher Education, publicação anual britânica divulgada desde 2004. Pelo jeito, até a nossa educação está caindo, e não é por falta de verbas, pois o governo paulista tem aplicado muito dinheiro lá, mas talvez por tanta liberdade ou libertinagem dos alunos, principalmente aqueles que não pagam nada e ainda se acham cheios dos direitos para invadir, quebrar e detonar. Que esse ranking os faça pensar um pouco, apesar de que isso é algo meio difícil.

Antonio Jose G. Marques

a.jose@uol.com.br

São Paulo

*

PALCO DE DISPUTA ELEITORAL

Entre tudo o que se deteriora no Brasil nos últimos 11 anos, a USP que sempre foi o orgulho na Nação cai no ranking das 200 melhores universidades do mundo. Esse desastre foi anunciado no mesmo momento em que a reitoria da universidade foi tomada por alunos baderneiros que mal saíram das fraldas, querendo mandar em tudo como se fossem donos. Claro que o viés dessa gente nós conhecemos, já que nas últimas badernas até gente do MST estava infiltrada e faz parte do projeto de derrubada do governador Geraldo Alckmin, da oposição. A universidade de referência virou palco de disputa eleitoral, onde em todo ano letivo só se vê greve. É isso que o Brasil ganha sob a batuta do PT, deterioração de tudo o que um dia foi orgulho. Só sobram decadência e baderna, inclusive agora, que também na USP será implantado o sistema de cotas. É a tal nivelação por baixo.

Beatriz Campos

beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

*

BADERNA DESTRUIDORA

Não chega a ser novidade nenhuma nossa USP, tida como de excelência no ensino universitário brasileiro e internacional, estar descendo ladeira abaixo no ranking das melhores do mundo. A partir do momento em que alunos que estudam gratuitamente, funcionários e docentes, num cafajestismo ultrajante, partem para a baderna destruidora dos bens públicos, e nossas autoridades não tomam a menor das providências repressoras, fica evidente a desmoralização total dos poderes constituídos, todos eles, sem distinção de raça, cor, partido, religião, etc.

Aloisio A. de Lucca

aloisiodelucca@yahoo.com.br

Limeira

*

MUDANÇA PARA PIOR

Novamente estudantes da USP na Cidade Universitária, em São Paulo, invadiram o prédio da reitoria, já que uma assembleia, que contou com um porcentual ridículo em relação ao total dos estudantes, resolveu decretar greve por tempo indeterminado e invadir aquele prédio. Quando vi na televisão um grupo de universitários tentando ridícula e inutilmente derrubar a porta do prédio, usando como aríete um postinho de sinalização, me veio à memória a invasão do prédio da FEI, quando eu lá estudava e, como primeiríssima atitude, tomamos o cuidado de não quebrar nada e lacrar todas as salas que não fossem destinadas às aulas. Senti que os tempos mudaram muito a sociedade, e mudaram para pior, no aspecto de respeito à coisa pública e particular. Mas creio que a resposta está na absoluta falta de impunidade que impera em nosso país, começando pelos mensaleiros do Palácio do Planalto e passando por senadores e deputados, incluindo também nesse baú o próprio Judiciário. Criminosos comuns, mesmo os que cometem crimes hediondos, quando e se são condenados à prisão, têm as famosas saidinhas nas chamadas datas especiais, que na maioria dos casos é pura e simplesmente marketing do comércio e, não raro, nessas saídas matam mais alguém. Mas ainda diante de tal descalabro, nada justifica as atitudes dos universitários de invadir e depredar um prédio público. E o motivo é um absurdo, pois querem participar da eleição direta do reitor. Na minha modesta opinião, data vênia, como está em moda, cabe única e exclusivamente à congregação da universidade a escolha do seu reitor, e nem o governador deveria participar da escolha.

Gilberto Pacini

benetazzos@bol.com.br

São Paulo

*

‘UM PAR DE ALGEMAS EM YALE’

Ah! Se houvesse uma cela da polícia dentro da USP, a tentativa de ocupação da reitoria nem teria acontecido.

Sergio S. de Oliveira

ssoliveira@netsite.com.br

Monte Santo de Minas (MG)

*

OBRA BOLIVARIANA

Sobre o artigo "Um par de algemas em Yale" (3/10, A2), em que o autor destaca que a detenção da jornalista brasileira no campus da Universidade Yale não foi um mero acidente, mas um ato de humilhação, é bom que se lembre de que há mais de dez anos o governo brasileiro vem liderando um movimento que incita Estados e nações a se posicionarem contra os EUA, promovendo um antiamericanismo ao estilo Chávez, que nunca perdeu uma oportunidade, enquanto vivo, de hostilizar o império para justificar seus fracassos domésticos. O ditador se foi, mas parece ter deixado sucessores brasileiros para terminarem sua obra magna de ressuscitar o comunismo em toda a América Latina. Os dez anos de governo socialista que o PT vem nos impondo estão nos fazendo esquecer como funciona uma democracia de verdade, onde o respeito às leis e à propriedade privada são levados a sério.

Paul Forest

paulforest@uol.com.br

São Paulo

*

MENTIRA

O jornalista Eugênio Bucci, em seu longo artigo de ontem, em defesa da também jornalista Claudia Trevisan, se esqueceu de um detalhe que para nós, brasileiros, parece ser sem importância: quando interrogada pelos seguranças da Universidade Yale, omitiu o fato de ser jornalista e também mentiu dizendo que procurava uma amiga, quando, na verdade, tentava entrevistar o ministro Joaquim Barbosa, que proferia uma conferência com acesso restrito. O caro jornalista sabe que lá, nos Estados Unidos, mentir é um crime grave? Também, que o corporativismo, em nossa terra, é um dos fatores predominantes do descalabro moral em que nos encontramos?

José Sartoris Netto

sartoris@uol.com.br

São Paulo

*

JEITINHO

Nos países civilizados, não pode é não pode. Ordens são para serem cumpridas. Essa jornalista indisciplinada deve ter aprendido a lição. Queria dar um jeitinho de entrar na sala proibida à imprensa.

Alvaro Pessoa

pessoa@apadv.com.br

Rio de Janeiro

*

A PRISÃO DA JORNALISTA

A jornalista Claudia Trevisan, com o apoio deste jornal, a quem serve como correspondente em Washington, não deve deixar por menos o insólito fato de haver sido algemada e presa quando procurava entrevistar o ministro Joaquim Barbosa na prestigiosa Universidade Yale, nos EUA. O direito americano é plasmado por precedentes. Uma demanda indenizatória da jornalista brasileira transcenderá seu direito pessoal e poderá ser emblemática para pôr nos rumo as tradicionais liberdades públicas americanas e, em especial, a liberdade de imprensa, num momento em que aquela democracia parece carente de sérios pronunciamentos da Suprema Corte do país.

Amadeu R. Garrido de Paula

amadeugarridoadv@uol.com.br

São Paulo

*

‘CHAFURDAR NO LIXO’ OU...

Deter por cinco horas a jornalista Claudia Trevisan, do "Estadão", na Universidade Yale equivale e se coadunam com a ojeriza manifestada pelo ministro Joaquim Barbosa pela atividade dos jornalistas. Na primeira notícia do fato constou que, após solicitar entrevista, negada pelo ministro, a repórter comunicou que o aguardaria na saída da conferência para, então, entrevistá-lo. Claudia Trevisan não pôde fazer seu trabalho por ter sido detida por várias horas pela segurança da universidade. Seria uma decisão do ministro, que, em acordo com a segurança daquele campus, tirou do seu caminho a repórter? A hipótese é bem plausível.

Antônio Emilio Cardoso Gomes

aetoico@yahoo.com.br

São Paulo

*

AS POLÍCIAS DE SÃO PAULO

Depois de tratar as Polícias Civil e Militar com dois pesos e duas medidas, o governador Geraldo Alckmin, que sempre se pautou pela justiça e pela isonomia, agora se vê numa situação deveras complicada. Enquanto o Monumento às Bandeiras é vilipendiado por uma turba de vândalos à noite na capital, pergunto onde estava a Guarda Civil Metropolitana (GCM) para protegê-lo? A Polícia Militar acho que não adianta perguntar, pois tudo nos leva a crer que esteja aquartelada, desmotivada e decepcionada com o tratamento que lhe tem sido dispensado ultimamente. Com atitudes como essa, o governador Alckmin vai entregar de bandeja o Estado de São Paulo ao PT. Acorda, Geraldo!

David B. do Nascimento

davidbatistadonascimento@hotmail.com

Itapetininga

*

REVOLTA

Estou revoltado com o que foi feito com um símbolo da nossa cidade, que é o Monumento às Bandeiras. Nada justifica o que foi feito ali e não adianta nada o vândalo, o tal de Bakunin, vir com conversa fiada. O que foi feito ali é puro vandalismo. Aliás, anteontem, eu estava na Avenida Paulista na hora da manifestação e foi ridículo ver a avenida, às 19 horas, interditada, com uma fila de carros e ônibus lotados parados no trânsito (uma ambulância que seguia no sentido Consolação com a sirene ligada só conseguiu seguir porque o motorista subiu no canteiro central e seguiu pela contramão). Mas quem se importa com isso? Impressionante como, hoje em dia, qualquer um fecha a Paulista e por qualquer motivo. Até gente que nem sequer mora na cidade se acha no direito de vir aqui e fechá-la. Mas eles têm uma "causa" e, portanto, podem fazer o que quiserem sob o olhar complacente das nossas autoridades. E o cidadão comum? Ora, o cidadão comum... Só serve para pagar impostos e votar.

Alexandre Fontana

alexfontana70@yahoo.com.br

São Paulo

*

MONUMENTO ÀS BANDEIRAS PICHADO

Até Brecheret, se vivo fosse, acharia isso "coisa de índio".

A.Fernandes

standyball@hotmail.com

São Paulo

*

AUMENTO DO IPTU EM SÃO PAULO

Como todo prefeito esperto, Fernando Haddad (PT) vê no aumento do IPTU uma saída para o problema de caixa no atendimento de suas promessas de campanha. Todavia ele se esquece de que o valor venal dos imóveis não é algo arbitrário, mas deve ser avaliado no mercado. Afinal o valor venal é um valor médio avaliado na banda inferior dos preços praticados em cada zona de valor (em geral metade médio valor de mercado, para não ser injusto com os contribuintes com imóveis valendo menos, como recomenda a boa prática tributária). Como mostra a matéria "Aumento do IPTU deve chegar a 15% em bairros nobres de São Paulo" (1/10, A12), o seu governo já pensa em "cifras", e não no que o mercado pode revelar!

José Elias Laier

joseeliaslaier@gmail.com

São Carlos

*

LEMBRETE

Senhores vereadores de São Paulo, como moradora desta cidade e ciente de que muitos dos recursos aqui arrecadados são mal empregados, com corrupções, desvios de toda forma, e que, se houver planejamento, diminuição ou nenhuma corrupção, com certeza não haverá necessidade de um aumento deste tamanho para o IPTU de 2014, estarei atenta, bem como meus amigos, para a votação que vocês farão em relação ao IPTU. Independentemente de o voto ser secreto ou não, quem for da situação terá seu nome lembrado para que em 2017 não seja reeleito. Eu farei a minha parte.

Tania Tavares

taniatma@hotmail.com

São Paulo

*

IPTU CONFISCATÓRIO

Moradores dos Jardins procuram vereadores para o problema grave do aumento do IPTU, de até 30%, para a região, o que representa, na realidade, princípio de confisco, vedado pela Constituição da República. Sem dúvida que se trata de mais uma aventura do socialismo em benefício da cupinchada petista, porque o governo do município, até o momento, não apresentou ao povo paulistano a sua proposta de economia e de redução da máquina administrativa. Caso os vereadores não atuem, submetendo-se ao jugo do alcaide, a Justiça poderá estar presente, possibilitando até a sustação de pagamentos de milhares de carnês, por anos a fio. Depois, haverá programas de parcelamentos e reduções, caso não haja vitória no Poder Judiciário. Mas a lição servirá, sem dúvida.

José C. de Carvalho Carneiro

carneirojc@ig.com.br

Rio Claro

*

FUSÃO DAS TELES

Grande manchete: "Oi se funde à Portugal Telecom". A Oi, que surgiu dos arranjos lulistas, volta assim a ser o assunto do dia. Em meio de dívidas, mesmo já tendo sido bancada em grande parte com recursos oriundos de empréstimos subsidiados e ingresso direto de recursos oficiais, a empresa mais uma vez poderá custar mais aos contribuintes, se o BNDES colocar mais dinheiro público. A Oi, nascida com o nome de Telemar, surgiu com a privatização da telefonia, mas se manteve com financiamento estatal. Nos anos 2008/2009 a Telemar engoliu a Brasil Telecom com a ajuda do governo Lula. Pelas normas que pautavam a privatização e a pós-privatização das teles, a Oi não poderia comprar a Brasil Telecom. Através de decreto e contra a legislação em vigor, Lula arranjou a mudança legal depois de anunciada a operação de fusão. Recorde-se que a Oi foi a grande investidora num pequena empresa de fundo de quintal de um filho de Lula, motivo de grande escândalo na época. O mesmo, que era estagiário num zoológico, criou uma micro empresa, logo depois comprada pela tele (depois Oi) por um valor mil vezes o capital do "Ronaldo" das finanças. Até hoje esse assunto não está encerrado. Pois bem. Desde a privatização, a Telemar-Oi foi a empresa de tele que mais recebeu empréstimos subsidiados do BNDES. Até 2010, O BNDESPar tinha 31% do capital da empresa e os fundos de pensão de estatais, controlados politicamente pelo governo lulopetista, tinham 18%. Nesse ano Lula e a direção do BNDES articularam com o governo português, a Oi e Portugal Telecom a entrada deles, então superendividada. Foi o grande escândalo político da época, até hoje não explicado. A história não termina aqui. Quanto valeria hoje a participação societária daquela microempresa citada na nova CorpCo?

Éllis A. Oliveira

elliscnh@hotmail.com

Cunha

*

ALGUÉM DUVIDA?

Com a junção da Oi com a Portugal Telecom, alguém tem alguma dúvida de que haverá demissões, fechamento de lojas, desrespeito aos direitos dos assinantes, a continuidade do péssimo e caro serviço ofertado e nenhuma fiscalização da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel)?

Luiz Nusbaum

lnusbaum@uol.com.br

São Paulo

*

DIFÍCIL CONVIVÊNCIA

Dias atrás quando da informação de que a TIM (telefonia móvel) iria se fundir com a Vivo (telefonia móvel), o ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, comentou que seria algo complicado tal fusão, dado que no Brasil a legislação específica não permitiria a fusão dado que, com seu gigantismo, em virtude dessa eventual fusão, não seria permitido. É de fato uma explicação mais do que razoável. Prontamente, nos Estados Unidos, uma vez que se encontrava por lá, a presidente Dilma desautorizou a declaração do ministro Paulo Bernardo. Pois bem, hoje vem à tona a informação de que, em conversa recente com pessoa importante de uma dessas operadoras de telefonia móvel, a presidente Dilma ficou sabendo de variações das informações que o ministro Paulo Bernardo desconhecia, mas a presidente Dilma tinha conhecimento. Resumo da ópera: a presidente tinha uma informação a mais e não comunicou seu ministro. Talvez tenha guardado para si para ser dona da informação e seu ministro ficou literalmente vendido. De fato um relacionamento difícil, um verdadeiro labirinto. Não é nada fácil lidar com gente e situações desse tipo. Lamentei pelo ministro Paulo Bernardo.

José Piacsek Neto

bubanetopiacsek@gmail.com

Avanhandava

*

A CRISE DE EIKE BATISTA

Guido Mantega disse esta semana que a situação das empresas do Grupo EBX, de Eike Batista, "arranha a reputação do País". No dia seguinte, a petroleira OGX anunciou calote nas parcelas de juros. A empresa não pagará as parcelas de juros remuneratórios no valor de US$ 45 milhões (cerca de R$ 100 milhões) referente ao bônus emitido no exterior. Será que uma foto de Lula com Eike estampada nos jornais não faria a empresa ganhar o topo das melhores empresas? O homem que nunca sabe de nada, na hora H, se mandou? Azar de quem acreditou na duplinha de mágicos.

Izabel Avallone

izabelavallone@gmail.com

São Paulo

*

EIKE E A IMAGEM DO BRASIL

O ministro Guido Mantega, com sua ingenuidade peculiar, confessa que a crise das empresas "X", de Eike Batista, afeta a imagem do Brasil. Será que o senhor ministro não conhece os dois pais, o padrinho e a madrinha do senhor Eike Batista? No meio das benesses e ataques ao Tesouro Nacional, houve uma perda inestimável para os cariocas: a destruição do Hotel Glória, bombardeado pela incompetência e pela leviandade.

Helena Rodarte Costa Valente

helenacv@uol.com.br

Rio de Janeiro

*

LARANJA?

Gostaria de saber de quem Eike Batista é laranja. Como pode um empresário que pede empréstimo ao BNDES por volta de R$ 10 bilhões para suas empresas e todas estão devendo no mercado, indo à falência. Quais são os bens que ele apresentou como garantia desses empréstimos? Aí tem!

Maria José da Fonseca

fonsecamj@ig.com.br

São Paulo

*

PERGUNTAR NÃO OFENDE

Os empréstimos do BNDES ao Eike Batista serão debitados na conta do Bonifácio?

Roberto Twiaschor

rtwiaschor@uol.com.br

São Paulo

*

EIKE-X

Grupo X em xeque-mate. Sic tran$it gloria Eike.

J. S. Decol

decoljs@globo.com

São Paulo

*

PROFECIA

É lamentável a notícia de que Eike está dando calote na praça. Dois anos atrás, em reunião com colegas da faculdade de Economia, o assunto foi Eike. Nesta época, suas empresas estavam bombando na Bolsa, e unanimemente não sabíamos o porquê. E o nosso mais brilhante colega profetizou que, no mais tardar em dois anos, uma grande surpresa negativa aconteceria no mercado. Seu argumento era muito simples: como contar com o ovo no traseiro da galinha? Pelo visto, a galinha foi traçada antes de botar o ovo. Falharam, neste caso, todos aqueles que não poderiam, tipo BNDES, bancos, analistas e CVM. Só espero não ter de pagar o prejuízo.

Paulo H. Coimbra de Oliveira

ph.coimbraoliveira@gmail.com

São Paulo

*

ENTRE AMIGOS

Eike perde em um dia R$ 1,8 bilhão, mas isso não é nada, afinal de contas o BNDES está aí para poder ajudá-lo, afinal Lula, grande cabeça, foi o criador deste magnata tupiniquim, que ainda deu várias caronas em seu jato ao nobilíssimo Cabral, outro parasita de Lula. Então a coisa está entre amigos e os idiotas que compraram as ações deste poço de petróleo sem fundo e sem nada que se explodam, afinal de contas no Brasil, com tantos corruptos e canalhas, acreditar nesse estorvo é para perder.

Mustafa Baruki

mustafa-baruki@bol.com.br

São Paulo

*

ABUTRES

Eike Batista, para tentar se salvar, recorre a fundos "abutres", que podem ser comparados aos praticantes de agiotagem, embora não sejam muito diferentes dos que praticam os bancos nacionais. A única diferença é que os bancos começam a devorar pelas beiradas, enquanto os abutres, pelo meio.

Angelo Tonelli

angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

*

TODOS IGUAIS

Sobre a criação da Rede, de Marina Silva, o vice-procurador-geral eleitoral Eugênio Aragão disse que "criar um partido pensando apenas na eleição de 2014 é atitude mesquinha". Então, se a Rede for criada, passada as eleições, Marina Silva a extinguirá? Por que nunca li que a criação do PROS, PSD, Solidariedade, etc. foi por mesquinharia? Ou será que esses partidos têm objetivos mais nobres do que negociar tempo de TV e rádio, abocanhar cargos na máquina pública e vender apoio ao governo de turno? Todos os partidos são diferentes, até sentirem o gostinho do poder.

Sérgio Aparecido Nardelli

sergio9@ig.com.br

São Paulo

*

O MEDO DE MARINA SILVA

Enquanto aprova um "obscuro" partido como um tal de PROS e fecha os olhos para outros que foram criados apenas para "ganhar" preciosos minutos e segundos na televisão e nunca conseguiram eleger ninguém, o Ministério Público Federal revela ao País o "medo" que eles têm de permitir que a ex-senadora Marina Silva crie o seu partido. E por que não se tem tanta "porcaria" por aí que se autodenomina partido?

Rodolfo Carlos Bonventti

rbonventti@superig.com.br

São Caetano do Sul

*

QUEM TEME MARINA?

Os encostados do Executivo? Os oligarcas do Legislativo? Os feudais do Judiciário? 20 milhões de brasileiros aguardam uma resposta!

Honyldo Roberto Pereira Pinto

honyldo@gmail.com

Ribeirão Preto

*

ONDE ESTÁ O ERRO?

Mais um brilhante artigo de Dora Kramer ("Estado", 1/10/2013, A6). Ela pontuou bem quando resume: "O defeito não esta no número de legendas. Reside, isso sim, na concepção de que devam necessariamente ser financiadas e sustentadas por dinheiro público". Não precisamos de mais recursos para financiar campanhas. Precisamos de um sistema eleitoral que reduza o custo das campanhas políticas para tornar nosso processo eletivo realmente democrático. Essa é uma das grandes vantagens do voto distrital. Se implantado, reduziria fortemente a área a ser trabalhada pelos candidatos, baixando os custos de campanha e obrigando os candidatos a um trabalho corpo a corpo e mais sério dos partidos políticos.

Carlos de Oliveira Ávila

gardjota@gmail.com

São Paulo

*

A IMAGEM DO PROTESTO

Quero cumprimentar o fotógrafo Fabio Motta pela excelente imagem na capa do "Estadão" de quarta-feira (2/10/2013), na matéria intitulada "Rio tem mais protestos violentos". Uma mulher com o dedo em riste brecando uma tropa do batalhão de choque. Na minha opinião, foto do ano, que dificilmente será batida. Espero que, em breve, cheguem notícias desse trabalho sendo premiado internacionalmente.

Roberto Ornellas

rm.ornellas@gmail.com

Santana de Parnaíba

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.