Fórum dos Leitores

LEILÃO DE LIBRA

O Estado de S.Paulo

22 Outubro 2013 | 03h05

Fracasso total

Não adianta o governo se vangloriar do resultado: não houve leilão, pois não houve concorrência. Apareceu só um grupo, que ofertou o lance mínimo. E a Petrobrás entra com 40%. Vai sobrar a conta para todos nós, porque a estatal não tem dinheiro. Enquanto o governo lulopetista disfarça a decepção, até com fala otimista enganadora em rede nacional de TV, o povo mal informado vai esperar cinco, dez anos para saber se contará ou não com a rica promessa dos atuais governantes. Até lá outras promessas virão, enquanto do rico petróleo... só Deus sabe.

ÉLLIS A. OLIVEIRA

elliscnh@hotmail.com

Cunha

Negócio da China

Que negócio terá feito o governo brasileiro com os chineses para tornar viável a participação da Petrobrás, que, com problemas de caixa, necessita de um aporte financeiro? O que terá feito o governo, que, no pronunciamento do ministro de Minas e Energia, considerou possível a licitação com um só grupo? Ele já sabia o resultado? O que terá acontecido com os outros oito grupos, que os fez desistir? Finalmente, qual o motivo real de as grandes petroleiras não terem entrado na concorrência? Os licitantes terão desistido por saberem que havia um "arranjo" entre os governos brasileiro e chinês? Essas são questões que os brasileiros esperam que o governo elucide sobre essa "estranha" licitação. As dúvidas se acentuam com a informação do Bank of America Merril Linch de que a Petrobrás é a empresa com a maior dívida no mundo. Tudo indica que tudo não passou de encenação.

FABIO FIGUEIREDO

fafig3@terra.com.br

São Paulo

Coisa nova? Jura?

De Lobato a Lobão, 70 anos de atraso na história do petróleo brasileiro. O pré-sal anunciado em O Poço do Visconde só apareceu quando interessou ao capital estrangeiro. Quem prefere ser enganado pelo governo & seus políticos acredita que a grande reserva é coisa nova.

MOACYR CASTRO

jequitis@uol.com.br

Ribeirão Preto

Privatizações

Lembro-me muito bem da sra. Dilma Rousseff (na campanha eleitoral para presidente em 2010) acusando José Serra de que, se eleito, privatizaria a Petrobrás e o Banco do Brasil. E o que é o leilão do pré-sal? A privatização de uma riqueza nacional. Quando feita pelos tucanos, era crime de lesa-pátria. Agora feita pelos petistas, trata-se da salvação da Nação. Dois pesos e duas medidas. Sou a favor da privatização, mesmo porque não temos capital, entretanto, sou contra políticos que, quando eleitos, fazem o contrário do que prometeram.

CLODER RIVAS MARTOS

closir@ig.com.br

São Paulo

Fizeram pior

Depois de anos criticando FHC pelas privatizações, eis que os petistas se aventuraram no ramo, promovendo o "leilão" do campo de Libra. Mudaram o nome, pois não querem o estigma do alvo em que tanto miraram. Mas, no fim, fizeram um mau negócio, segundo analistas, pior ainda que os leilões da era FHC, que os petistas tanto criticam. A já cambaleante Petrobrás (após dez anos sendo sugada pelo governo do PT) não se beneficiará em quase nada do resultado. E com o anúncio da enorme - quase inesgotável - reserva de petróleo nos EUA, agora ninguém mais vai querer o pré-sal, cujo custo de extração será alto. Só nós, pobres brasileiros, seremos obrigados a pagar por isso, já que há um monopólio de oferta de combustíveis fósseis no País.

SÉRGIO ECKERMANN PASSOS

sepassos@yahoo.com.br

Porto Feliz

'O petróleo é nosso!'

Já vimos esse filme antes, quando os sindicatos iam às ruas gritando que "o petróleo é nosso". Se não fosse a Petrobrás abrir suas ações para investidores internacionais, nosso petróleo ainda estaria debaixo do mar. Agora, quase 50 anos depois, a Federação Única dos Petroleiros (FUP), ligada à Central Única dos Trabalhadores (CUT), vem protestar contra o leilão do pré-sal, realizado ontem. Isso é uma aberração! A Petrobrás, como sabemos, está quebrada e jamais poderia assumir sozinha os gastos com a exploração do pré-sal. A única coisa que podemos concluir dessas manifestações da FUP é o interesse em continuar fazendo da Petrobrás o eterno cabide de empregos de sindicatos e políticos. O petróleo do pré-sal, se realmente existe, deve ser explorado por qualquer empresa que se interesse. Os sindicatos que fiquem fora disso.

VALDY CALLADO

valdypinto@hotmail.com

São Paulo

Não, não será mais nosso...

Prova da incapacidade técnica e financeira da Petrobrás é a privatização de parte do campo de Libra. Ou a Petrobrás tem capacidade técnica e financeira e vai ser boazinha com as empresas estrangeiras que se apropriarão de parte substancial do nosso petróleo, que não será mais nosso?

EUGÊNIO JOSÉ ALATI

alatieugenio@gmail.com

Campinas

Repressão

O governo federal mobilizou, além do Exército, todo tipo de repressão para defender a privatização envergonhada do PT do campo de Libra. Quer dizer que, se quisesse, já teria acabado com as manifestações violentas no País. Mas nos Estados onde elas mais têm ocorrido não lhe interessa intervir!

TANIA TAVARES

taniatma@hotmail.com

São Paulo

NOITES DE TERROR

Esclarecimento

Em atenção às cartas São Paulo e Rio em chamas e Vandalismo x polícia (17/10), esclarecemos que as Polícias Civil e Militar de São Paulo estão agindo em parceria com o Ministério Público. O objetivo dessa força-tarefa é conter, dentro da lei, os atos de vandalismo de baderneiros que se têm infiltrado em manifestações legítimas, provocando tumultos inaceitáveis. Por meio de uma investigação minuciosa os vândalos serão enquadrados em crime de organização criminosa.

LUCAS TAVARES, Assessoria de Comunicação da Secretaria da Segurança Pública do Estado

amoneta@sp.gov.br

São Paulo

BIOGRAFIAS

Quem te viu, quem te vê

Os tempos mudam - e como mudam! Chico Buarque, Caetano Veloso e Gilberto Gil, entre outros, conseguiram um grande aliado na sua luta em prol da censura das biografias não autorizadas. Trata-se de ninguém mais, ninguém menos que o emblemático deputado federal Jair Bolsonaro. Apesar de você, é proibido proibir. Aquele abraço!

JOSÉ MARQUES

seuqram.esoj@bol.com.br

São Paulo

*

O LEILÃO DE LIBRA

Não foi tão mau nem tão bom quanto poderia ser o leilão do Campo de Libra, o primeiro da área do pré-sal. Apenas um único consórcio se apresentou, composto por cinco empresas, entre elas a própria Petrobrás, com oferta adicional de 10%, totalizando 40%. Pouco pela dimensão e o potencial de exploração desse verdadeiro "filé" que é o Campo de Libra, do qual se espera uma produção diária superior a 1,4 milhão de barris/dia. De positivo, além do fato de o Poder Judiciário não ter perfilhado a tese dos que ainda têm a cabeça nos anos 1950 e tentaram, na Justiça, barrar o leilão, a presença de duas empresas privadas, a Shell e a Total, com participação de 40%, num negócio que vai demandar a expertise e a inegável superioridade gerencial privada. Ao fim, ficou a sensação de que poderia ter sido melhor, mas não deixa de ser um bom recomeço depois de anos de marasmo.

Silvio Natal

silvionatal49@gmail.com

São Paulo

*

DESÁGIO

Se o leilão de Libra - a joia da coroa - teve apenas um participante, pelo preço mínimo e com a Petrobrás sendo responsável por 40% do consórcio, qual seria o deságio no leilão de Lula? Quem sempre criticou privatizações teve de usar todos os expedientes para não dar zebra novamente, como nas concessões das rodovias.

Claudio Juchem

cjuchem@gmail.com

São Paulo

*

PRIVATIZAÇÃO

A anglo-holandesa Shell, a francesa Total e as estatais chinesas CNPC e CNOOC, junto com a Petrobrás, venceram o leilão do Campo de Libra, no pré-sal. E Lula da Silva, que criticava Fernando Henrique Cardoso por fazer privatizações, deverá colocar o rabo entre as pernas e sair de fininho.

Virgílio Melhado Passoni

mmpassoni@gmail.com

Jandaia do Sul (PR)

*

A VEZ DO PT

Quer dizer que agora o lema mudou de "O Petróleo é Nosso" para "A Privataria é Nossa"?

Ricardo Sanazaro Marin

s1estudio@ig.com.br

Osasco

*

ENGANAÇÃO

O governo brasileiro pode deixar de arrecadar até R$ 331,3 bilhões em 35 anos com o leilão do pré-sal, afirma Ildo Sauer, ex-diretor de Gás e Energia da Petrobrás no governo Lula e atual professor do Instituto de Energia e Ambiente da Universidade de São Paulo (USP). Segundo Sauer, isso "fere o interesse nacional". Ou seja, não é privatização, é enganação mesmo. Só que estamos (todos que temos bom senso) de olho neles. Vamos ver se nas próximas eleições eles têm coragem de falar em privatização da Petrobrás pela oposição. A verdade demora, mas chega.

Alice Baruk

alicebaruk@bol.com.br

São Paulo

*

SENSAÇÃO DE PERDA

Será que houve amadorismo ou profissionalismo neste processo? Não dá uma certa sensação de perda, num leilão com um único participante e pelo preço mínimo?

Ulysses F. Nunes Jr.

ulyssesfn@terra.com.br

São Paulo

*

A VALE E O CAMPO DE LIBRA

Percebo que há muitos (não só antipetistas, mas dentro do PT também) afirmando categoricamente que Dilma está fazendo o mesmo que FHC fez com a Vale. Ora, a diferença é brutal. Vejam: 1) A Petrobrás não está sendo privatizada. Muito pelo contrário. Será a operadora única de Libra. 2) As empresas participantes (fora a Petrobrás) "comparecerão" com 60% dos investimentos e auferirão apenas 26% dos lucros (no caso de 40% de participação da Petrobrás no consórcio). 3) A Petrobrás e a União receberão 74% dos lucros (incluído aí os royalties e o óleo-preço), sendo que a Petrobrás "comparecerá" com apenas 40% dos investimentos. 4) A Vale foi privatizada por apenas US$ 3,1 bilhões. 5) Só o pagamento à vista (R$ 15 bilhões - bônus de assinatura) equivale a US$ 6,8 bilhões (ou 2,2 vezes a venda da Vale). 6) Ao longo dos anos, a União (nós) deverá receber, a título de royalties e óleo-preço, o equivalente a US$ 409 bilhões. 7) Somando o bônus de assinatura, os royalties e o óleo-preço, a União deverá receber o equivalente a US$ 415,9 bilhões. Conclusão: o leilão de Libra renderá aos brasileiros o equivalente a 134 Vales. E sem privatizar a Petrobrás, é claro.

Mauricio Nardi Jr.

mauricionardi@hotmail.com

Valinhos

*

OPERAÇÃO DE GUERRA

A operação de guerra montada pelo governo petista a fim de impedir manifestações no leilão do pré-sal foi de fazer medo. Se fosse o PT na oposição, a essas horas o País estaria destruído, tal a violência com que os manifestantes fariam seus protestos. A quadrilha petista, muito bem aparelhada, tomou de assalto os cofres públicos, vende nossas riquezas e parte do dinheiro será usada para financiar o partido da boca grande. Este era o sonho de Lula: dominar o País, começando pelas massas e, agora, pelas riquezas. Brasil, um país de tolos!

Izabel Avallone

izabelavallone@gmail.com

São Paulo

*

ONDE VAMOS PARAR?

Os tempos mudam! Num passado não muito distante, o Exército foi convocado para conter um tipo de gente que hoje comanda este governo. Agora, essa mesma gente no poder chama o Exército para conter e intimidar aqueles que não concordam com essa desfaçatez que será, num certo sentido, entregar nosso petróleo a empresas ou potências estrangeiras. Falar mais o quê?

José Marques

seuqram.esoj@bol.com.br

São Paulo

*

MENTIRAS E VERDADES

E incrível o que tem de vagabundo e vândalo no Brasil. Sair de casa para fazer anarquia, atrapalhar a vida de quem está trabalhando pelo prazer de aparecer é no mínimo estupidez e crime. Se o governo decidiu fazer o leilão por falta de verba e por um mercado mais promissor, afinal de contas a China será o futuro, e mesmo apesar de o PT falar sempre nas eleições que era a oposição que queria nacionalizar a Petrobrás, podemos ver com todos os olhos agora quem mente e quem fala a verdade. Privatizar, fazer parcerias é preciso e faz bem ao Estado. O que não pode é mentir e depois tentar enganar os otários funcionários e petistas que acreditaram em Lula e Dilma. Por isso as manifestações são válidas, mas vândalos infiltrados quebrando tudo, isso já deu o que tinha de dar, e a Justiça já perdeu a chance de deixar esses pilantras na cadeia.

Antonio Jose G. Marques

a.jose@uol.com.br

São Paulo

*

QUEM TE VIU E QUEM TE VÊ

PT passou oito anos infernizando o governo principalmente em relação às privatizações inclusive usando dessa bandeira da "privataria" para eleger Lula e Dilma. "Quem te viu e quem te vê", hoje coloca até o Exército contra manifestações de sindicalistas que se opõem à privatização do Campo de Libra. O governo Dilma precisa obstinadamente desse dinheiro para camuflar mais uma vez as contas do seu desgoverno. Será que agora o petróleo será mais chinês do que nosso?

Leila E. Leitão

São Paulo

*

A PETROBRÁS AGUENTA?

Para uma empresa estatal de capital misto, administrada diretamente pelo Partido dos Trabalhadores (PT), que já caiu no "conto da refinaria" com a venezuelana PDVSA e que já adquiriu por preço escandalosamente supervalorizado uma refinaria nos EUA, o resultado do leilão de Libra foi médio. Só o tempo dirá se a Petrobrás, com 40% (30+10) do campo, vai aguentar o tranco, mesmo tendo como sócios a anglo- holandesa Shell (20%) e a francesa Total (20%). Na minha opinião, teve muita sorte de as estatais chinesas, na última hora,"afinarem".

Sergio S. de Oliveira

ssoliveira@netsite.com.br

Monte Santo de Minas (MG)

*

AÇÃO ENTRE AMIGOS

Leilão presume-se vários interessados, e este do Campo de Libra mais pareceu uma ação entre amigos.

Tania Tavares

taniatma@hotmail.com

São Paulo

*

ALGO ERRADO

Dezenas de advogados de plantão, centenas de militares com escudos, escopetas e bombas de gás, o povo na rua e apenas um concorrente? Tem alguma coisa errada nesse leilão!

Fernando J. Siqueira

comercial@eletroriomontagens.com.br

São Paulo

*

O QUE VEM POR AÍ

Depois de cinco anos da descoberta da camada pré-sal, até que enfim foi feito o "leilão" de Libra, vencido pela Petrobrás (participação de 30% por lei), Shell, Total e duas petrolíferas chinesas. Em breve saberemos o desenrolar de$$e tão esperado e aguardado "leilão", além de toda a mandracaria que envolveu o desgoverno petista e o "mistério" de Minas e Energia. Afinal, a eleição de 2014 está próxima. Vamos nos surpreender, aguardem!

Luiz Dias

lfd.silva@2me.com.br

São Paulo

*

O PETRÓLEO É DE QUEM?

O ministro Edson "Graúna" Lobão afirma e reafirma que "o petróleo é nosso". O povo pergunta: "Nosso quem, cara-pálida?".

Jose Roberto Marforio

bobmarforio@gmail.com

São Paulo

*

PROTESTO

Em seu Twitter, o ator José de Abreu reclamou dos black blocs por estarem protestando contra o leilão do pré-sal. Quando estes baderneiros protestam contra o governador paulista, Geraldo Alckmin, ele fica surdo, mudo e calado. Deve ser por isso que as novelas globais só pioram nos últimos tempos.

Marcelo Cioti

marcelo.cioti@gmail.com

Atibaia

*

A RIQUEZA DO PRÉ-SAL

O PT e a presidente Dilma redescobriram o Brasil. Na verdade, a fase nacionalista do "Petróleo é Nosso" já passou há tempos. Riqueza enterrada, e que não é apropriada, não é riqueza útil, mas mera expectativa econômica. Assim, a possibilitação licitatória dos Campos de Libra foi um avanço na mentalidade petista avessa aos negócios conjuntos com a iniciativa privada. Seis empresas chinesas participarão do certame. Como o Brasil terá trinta por cento dos lucros nas participações, é muito importante que a empresa vencedora tenha os requisitos necessários para a exploração, inclusive abundantes capitais, dado que o caixa da Petrobrás anda bastante combalido, em decorrência dos problemas de gestão aplicados pelo lulopetismo. O bom é que ganhem o Brasil e os brasileiros com as riquezas do pré-sal. Eis que o País não está cedendo nem dando riquezas, mas se apropriando efetivamente delas, com o consórcio que se forma brevemente.

José C. de Carvalho Carneiro

carneirojc@ig.com.br

Rio Claro

*

AUTOINSUFICIENTE

O Brasil é autoinsuficiente na exploração do petróleo, que jaz em seu berço esplêndido.

Roberto Twiaschor

rtwiaschor@uol.com.br

São Paulo

*

FAZENDO DIFERENTE

Em entrevista ao diário espanhol "El País", Lula disse que ele e o PT queriam chegar ao governo "não para fazer o que os outros fazem, mas para atuar de maneira diferente". E conseguiram, em dez anos pioraram o PIB, a economia, a saúde, a educação e a infraestrutura. Aumentaram também a inflação, o número de ministérios, os gastos públicos e os escândalos. Seu maior legado foi o total desprezo pelos verdadeiros valores morais e institucionais. Desrespeito ao Judiciário, aos professores, aos agentes de saúde, aos policiais, aos verdadeiros trabalhadores deste país.

Mário Issa

drmarioissa@yahoo.com.br

São Paulo

*

EXPLICAÇÃO

Lula diz que o PT "queria chegar ao governo não para fazer o que os outros fazem, mas para atuar de maneira diferente". Está explicado. Criaram o mensalão, quebraram a Petrobrás, endividaram o povo, dominaram o Congresso, politizaram o BNDES, violentaram a Vale, renderam-se aos hermanos, censuraram jornais, enquadraram o Supremo Tribunal Federal (STF), elegeram o poste. De tanto fazer diferente, tornaram o Brasil igual.

Gilberto Dib

gilberto@dib.com.br

São Paulo

*

‘O MARINÊS’

Nossos cumprimentos ao professor Denis Lerrer Rosenfield pelo artigo "O marinês" ("O Estado de S. Paulo", 21/10, A2). Brilhante, como sempre. Efetivamente, se colocadas em prática as ideias da senhora Marina Silva, o País estará condenado não à estagnação, mas ao retrocesso. Ela sempre parte da premissa, equivocada, de que o homem deve adaptar-se ao meio ambiente, e não o meio ambiente ao homem. E a consequência é que estariam previamente descartadas as grandes obras que poderiam favorecer, em larga escala, a população, como construção de hidrelétricas, rodovias, portos e cultivo de extensas áreas agrícolas, porque todas elas pressupõem alteração do meio ambiente. Aliás, se dependesse dela, as poucas e benéficas alterações do Código Florestal não teriam sido aprovadas, porque ela foi e continua contra a agricultura, a pecuária, o agronegócio e a evolução tecnológica no campo.

Nilton Messias de Almeida

niltonmessiasalmeida@hotmail.com

Ribeirão Preto

*

O MARINÊS E O PALAVRÊS

Não tenho opinião, ou intenção de voto, sobre a Marina porque nenhum programa de governo foi lançado, até o momento, pela nova dupla de candidatos (Marina e Eduardo Campos). Por essa razão, gostaria de saber do sr. Denis Lerrer Rosenfield, em nome do bom jornalismo que o "Estadão" sempre exerceu, quais as fontes que utilizou para fundamentar o artigo "O marinês". Quanto a democratizar a democracia, certamente as decisões coletivas seriam melhor que as atuais, exercidas pelas Câmaras municipais, estaduais e o Congresso que temos. Um pouco de comunitarismo não faria mal ao País, ou melhor, terra "deles". Por fim, a consciência da sustentabilidade responsável já se faz necessária, inclusive como freio às ambições dos feudos rurais destruindo nosso meio ambiente, e da especulação imobiliária verticalizando nossas cidades. As gerações futuras agradeceriam (se sobreviverem!).

Honyldo Roberto Pereira Pinto

honyldo@gmail.com

Ribeirão Preto

*

MARINA SILVA

Ainda que Denis L. Rosenfeld estivesse parcialmente certo em suas críticas a Marina Silva, destiladas, sem meias palavras, no artigo "O marines", será preferível tê-la no governo federal, a partir de 2015, do que a permanência da quadrilha petista que tomou de assalto o País há dez intermináveis anos, pois não?!

J. S. Decol

decoljs@globo.com

São Paulo

*

MILAGREIROS

Complementando o filósofo professor Denis Rosenfield, o mundo sempre foi "liderado" por "missionários". Alguns foram missionários sem se preocupar em ser, como os sábios gregos, Cristo, Buda e outros tantos que a história aponta. Outros se tornaram missionários investidos de fato de alguma forma de revelação, como Moisés, Maomé, etc., que por ser tão inusitada, admitimos ser "inspirados por Deus ou por alguém". Outros, os mais numerosos na histórias, simplesmente se "autopromoveram" como missionários, a maioria nunca fez mais do que ser "milagreiros" enquanto vivos, quando mortos, deixaram praticamente nada de suas respectiva missões. Estão aí os Alexandres, Césares, papas feudais, Hitler, Stalin, Fidel e outros bichos da fauna milagreira messiânica. O Brasil sempre viveu de "milagreiros", os atuais são os socialistas comunistas que sobraram da ditadura e se associaram aos velhos "coronéis do poder ou do pudê", e é isso que vemos aí. Dona Marina, como o sr. Lula e outros bichos novos da fauna comunista nada mais são do que esses "missionários" milagreiros que deixarão apenas sua história de Lampiões ou Pades Ciços. E é claro que seus concorrentes são outros missionários mais velhacos ainda. Todos eles são "socialista-coronelistas", exatamente como sempre foi a política tupiniquim desde a era comunista soviética. O Brasil teve pouquíssimos e raros estadistas, por isso estamos no fim da fila, que hoje é puxada pelos EUA, que, pelo contrário, tiveram grandes estadistas para fazer a nação como são. E achamos que ficamos para trás porque os EUA são "imperialistas". E o que eram os países europeus quando os EUA começaram?

Ariovaldo Batista

arioba06@hotmail.com

São Bernardo do Campo

*

HORÁRIO DE VERÃO

Esta semana começou o horário de verão. Ele tem como vantagem menos pessoas voltando para casa no escuro. Apesar do ganho econômico do País pela economia de energia, pessoas como eu acordam mais cedo e demoram para se adaptar ao novo horário.

Nátalie Utsumi, 11 anos

utsumi.nata@gmail.com

Paulínia

*

LENDAS URBANAS

Conta-se que, recém-pintado, um banco de certa repartição pública recebeu a indefectível placa com dizeres a alertar sobre a tinta fresca. Logo a tinta secou, mas o anúncio ali permaneceu por dias, semanas, meses. Ninguém ousava sentar-se no móvel, tampouco aparecia alguém para remover a dita placa. Era preciso ordem do chefe para isso, e ele andava muito ocupado, sem tempo para minudências. Um dia finalmente caridosa alma atirou ao lixo a já descorada tabuleta. Porém o mal já estava feito: o banco virara tabu e como tal deixou de ser usado através dos anos. Verdade que vez ou outra alguém se tenha disposto a tirar a limpo a história do banco proibido, mas por conta da dificuldade de lidar com informações conflitantes, como sói acontecer na investigação de lendas urbanas, logo se abandonava a idéia. Manter o tabu era mais cômodo. Sábado li que vou economizar R$ 92 de energia elétrica até fevereiro. Na madrugada de domingo, ao adiantar o relógio, não conseguia pensar nessa poupança. A história do banco é que não me saía da cabeça.

Joaquim Quintino Filho

jqf@terra.com.br

Pirassununga

*

LICENÇA POÉTICA

Até se entende que um paulistano, envolvido em cimento por todos os lados, sem mesmo poder vislumbrar uma nesguinha que seja do azul do céu, não goste do horário de verão. Afinal, tanto faz mais ou menos uma hora no seu quotidiano. A correria é a mesma no claro ou no escuro. Agora um carioca ser contra o horário de verão chega a ser uma blasfêmia. Aqui o cimento é substituído por uma areia escaldante que torna a pessoa em milanesa tropical. Quanto mais areia, quanto mais sol, quanto mais chope, quanto mais lazer, melhor. Economia de energia não passa de uma licença poética. O governo nem liga para a gastança.

Geraldo Siffert Junior

geraldo.siffert@ig.com.br

Rio de Janeiro

*

INÚTIL

Num país tropical como o nosso, a chamada "hora de verão" é absolutamente inútil, como forma significativa de economia de eletricidade, e desnecessária, tendo em vista as represas hidrelétrica estarem cheias. Durante quatro meses por ano, fica o País com dois horários diferentes: o das Regiões Norte e Nordeste e o das Regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste, para atrapalhar mais ainda as comunicações. Em bom momento, a deputada distrital Eliana Pedrosa havia apresentado o PL 002/2011 para a realização de um plebiscito a fim de que a população do Distrito Federal se pronuncie a respeito. O governador Agnelo Queiroz vetou o projeto, alegando sua inconstitucionalidade. A deputada contra-argumentou que, mesmo sem força decisiva, a consulta serviria para colher a opinião da maioria, algo não cogitado pelo governo federal ao aprovar a lei da hora de verão. Vale lembrar que a adoção da hora de verão na Bahia e em Tocantins, foi revogada no ano seguinte, depois de protestos generalizados nesses Estados.

Roldão Simas Filho

rsimasfilho@gmail.com

Brasília

*

‘VIOLÊNCIA’

O excelente artigo "Violência", de Celso Lafer, publicado neste domingo (20/10), traz uma frase crucial: "A violência fere a dignidade da pessoa humana". Pois bem, não é de hoje que me pergunto: Qual é a natureza da ética na nossa TV? Se alguém fala um palavrão, há cortes. Se aparece um seio nu, há cortes. Mas mostram-se a qualquer hora do dia pessoas sendo mortas, de todas as formas, como se mostrassem uma ocorrência banal. Isso não é ferir nossa dignidade?

Fulvio Riccioppo

fulviomarcio@bol.com.br

São Paulo

*

PESQUISAS COM ANIMAIS

Ativistas invadiram instituto de pesquisa em São Roque e levam 178 beagles que eram usados como cobaias. Se os cães (macacos, ratos e demais animais) utilizados nos experimentos são similares aos homens, não deveríamos submetê-los a experimentos; se não são suficientemente similares, os experimentos serão inúteis.

Carlos Eduardo Lessa Brandão

celb@iname.com

São Paulo

*

ANIMAIS, PESQUISAS E MAUS TRATOS

O ser humano usa os animais e muitas vezes os sacrifica para sua subsistência como bois, carneiros peixes. Ninguém fica penalizado por isso. Ratinhos de laboratório também são usados aos milhões e as pessoas não se importam, sabem que eles salvam vidas. Muita gente está informada de que se começou a exigir experiências de medicamentos com outros animais além dos ratinhos, quando milhares de crianças nasceram defeituosas por causa de um medicamento, o Talidomida, testado apenas em ratos. Muita gente também sabe que a ciência exigiu testes com outro animais além dos ratos e os beagles foram considerados com características mais próximas aos seres humanos. Agora, porque os bonitos e simpáticos beagles são usados para testes de medicamentos num laboratório na pequena cidade de São Roque (SP), Instituto Royal, e "dizem" que são maltratados, alguns "donos da verdade" mas ignorantes, resolvem invadir o local, depredar inclusive as áreas de laboratórios e roubar os cachorrinhos. E o pior, muita gente ignorante aplaudiu esses vândalos. Por que eles não usaram os meios normais para seus protestos, como a Câmara Municipal do município, a Justiça, os jornais, rádios e outros, sem precisar destruir, danificar? Já que eles estão dispostos a fazer justiça com as próprias mãos, por serem "politicamente corretos", chamo a atenção desses "cidadãos conscientes" para o fato de que devem tomar uma atitude contra o Butantã, onde "dizem" que maltratam aranhas, cobras e outros pobres animais para fazer vacinas.

Fabio Figueiredo

fafig3@terra.com.br

São Paulo

*

INSTITUTO ROYAL

É muita cara de pau do coordenador do Conselho Nacional de Controle de Experimentação Animal (Concea) declarar em um programa de televisão que este malfadado instituto de pesquisas tem todas as credenciais junto àquele órgão. Ora, isso é mera burocracia. Não trata da desumanidade em questão. Esse senhor declarou, ainda, que os cães resgatados não são animais de companhia, pois estavam "acostumados" a ser "cuidados" por 3 ou 4 pessoas. Este senhor deve ter preparado a fala dele muito em cima da hora para falar uma besteira dessas. Meus parabéns a todos os ativistas que participaram da ação e também àqueles que lhes estão prestando apoio jurídico.

Ursula E. Metz

ursula@revistaflap.com.br

Itapecerica da Serra

*

ANIMAIS EM RISCO

Se os cães levados do Instituto Royal não corriam riscos, como sustentam alguns, por que as substâncias às quais eram submetidos não podem ser testadas diretamente em seres humanos? É escancaradamente notório o pouco caso de nossas autoridades diante dos abusos, cometidos diária e impunemente, contra os animais. Com frequência, a mídia tem mostrado atitudes bestiais que seres ditos "humanos" e "racionais" perpetram contra animais indefesos e uma Justiça que não toma atitude alguma no sentido de punir, com o devido rigor, os responsáveis. As tais "superioridade" e "racionalidade" humanas, diante dos outros animais, parecem cada vez mais discutíveis. Afinal, num país em que cachorros são amarrados a automóveis e arrastados impiedosamente, animais silvestres são traficados e mantidos em condições torturantes, e sem que os autores desses crimes covardes sejam devidamente punidos, nem chamados de terroristas, não parece justo criminalizar pessoas que arriscaram sua integridade física para salvar 178 vidas inocentes.

Flávio Guimarães De Luca

flaviolucca@bol.com.br

Limeira

*

COM BEAGLES NÃO

Que façam experiências de outro modo. Jamais com esses maravilhosos cães. Parabéns aos ativistas pró beagles. Se existe algum produto vendável dessa empresa no comércio comum, sugiro não comprarmos mais nada desse laboratório cuja marca/nome já é de conhecimento de todos.

José Piacsek Neto

bubanetopiacsek@gmail.com

Avanhandava

*

ANIMAIS E CIENTISTAS

Isso é algo que temos que pensar, sem sermos passionais. Se por um lado queremos que os testes com animais acabem, por outro lado queremos curas para as doenças que matam e incapacitam os seres humanos, mas que só lembramos delas quando nos atingem ou a alguém a quem amamos. É antiético usar seremos humanos como cobaias, apesar que muitos mereciam este fim, então, o que fazer? Acabarmos com as pesquisas e deixar a Aids, o Alzeihemer, a malária, a dengue, entre tantas outras vitimarem pessoas que não conhecemos? E depois chorarmos quando formos atingidos ou então alguém próximo do nosso círculo familiar ou de amizade? E só aí lembrarmos que tinham cientistas lutando para achar uma cura e que fomos contra seus estudos? Não quero passar por nenhuma das situações acima, nem quero que alguém a quem amo passe também, então, que as pesquisas da forma que estão sendo feitas continuem, infelizmente.

Alberto Souza Daneu

albertodaneu.health@gmail.com

Osasco

*

ATIVISTAS EM SÃO ROQUE

Pelo que fizeram nas instalações do Royal, nem como animais podem ser rotulados.

A.Fernandes

standyball@hotmail.com

São Paulo

*

ATIVISMO X FUNDAMENTALISMO

A pretexto de protestar contra lá o que seja, grupos (minoritários) organizados infernizam a vida de instituições públicas e privadas, vide o lamentável episódio da invasão do Laboratório Royal na cidade de São Roque, interior de São Paulo, e a situação de intransigência criada por alunos, funcionários e professores da USP reivindicando coisas absurdas do ponto de vista prático. Ambos os casos ilustram como vem tomando forma no País uma cruzada em favor do emburrecimento da sociedade, um tipo de fundamentalismo que lançam uma cortina de fumaça sobre questões realmente importantes ignoradas ou tratadas com artificialismo por estes mesmos grupos que incentivam o uso da violência e fazem da intransigência moeda de troca para difusão de ideais indefensáveis do ponto de vista coletivo. Lamentável!

Fernando Cesar Gasparini

phernando.g@bol.com.br

Mogi Mirim

*

HIPÓCRITAS

Até onde chega a hipocrisia de nossas autoridades? Vandalismo contra bens públicos e privados, invasões de reitorias da USP e Unicamp, fechamentos de ruas e avenidas, rodovias, quebra-quebra e incêndios em pedágios, greves sob quaisquer pretextos, exigências de moradias a qualquer custo - com tentativas de invasões nas prefeituras e câmaras municipais - desrespeito descarado às ordens judiciais, são criminosamente toleradas pelos responsáveis, não tomam a menor das providências para coibir tais atos; tudo isso pode. Agora para proibir atos humanos praticados pelos ativistas protetores dos animais, rapidinho se instalaram armados até os dentes, para proteção da tal Royal, que usa cães para testar seus inventos, sem pudor nenhum em alegar que são protegidos por lei, leis esdrúxulas e desumanas. Contra essa gente que usa o amor incondicional a criaturas dóceis e indefesas, eles agem sem complacência, implacáveis e autoritários. Hipócritas.

Aloisio A. Lucca

aloisiodelucca@yahoo.com.br

Limeira

*

QUEBRA-QUEBRA EM SÃO ROQUE

Simplesmente decepcionante a ação da Polícia Militar (PM) durante a confusão armada pelos Black Blocs em São Roque. Nem parece uma polícia profissional. As linhas de comando são tão embaraçadas que os baderneiros tiveram um longo tempo para incendiarem os veículos. Num campo aberto como aquele seria bastante simples cercar e prender qualquer quantidade de pessoas. Não quero acreditar que um bando de idiotas como os tais black blocs esteja amedrontando a PM.

Nestor Rodrigues Pereira Filho

rodrigues-nestor@ig.com.br

São Paulo

*

AGRESSÃO POLICIAL

Totalmente absurda a agressão policial aos protetores de animais. No momento em que se observa uma evolução na sociedade no sentido de respeitar a vida de animais não humanos, vem a polícia e agride os militantes dessa causa de forma brutal. A própria ciência vem se preocupando com criar novas formas de experimentação que dispensem o sacrifício de animais. Com tanto crime grassando por aí, faria melhor a polícia em proteger a população de criminosos.

Shirley Schreier

schreier@iq.usp.br

São Paulo

*

O QUE ELES NÃO VEEM

Ao ver as fotos dos cães utilizados em experiências, não vi nenhum animal que aparentasse mau trato, ao contrário do que tanto foi divulgado pela mídia. Ao contrário, vimos serem "mal tratados" a ordem pública e o direito individual, por pessoas que se julgam livres de fazer "justiça" com as próprias mãos, sendo elas mesmas as primeiras a corrompê-la. Utilizam as mesmas frases e armas de um Dom Quixote, lutando contra pseudoinimigos. Não veem o povo brasileiro ser "cobaia" de médicos que aprenderam a língua portuguesa em três semanas, não necessitaram comprovar uma boa formação médica nem prestaram concurso para clinicar. Como não utilizam postos de saúde, não veem a falta de medicamentos e de outros profissionais não médicos, além de precária infraestrutura. Num vácuo criado pela ineficiência do Estado em prover bem-estar público, surgem a todo momento iniciativas deste tipo, em que prevalece apenas a passionalidade, em detrimento da razão e do bem-estar comum.

Hugo Hideo Kunii

hugo.kunii@terra.com.br

Campinas

*

ANIMAIS ROUBADOS

Informe à sra. Isabelle Pilot que "produto de furto" não significa que o "furtado" é um "produto" (coisa), mas produto, neste caso, é o mesmo que resultado. Então o delegado disse que o animal é resultado de furto! Independentemente de concordar ou não com o modo de pensar dela. Ela, como todos nós, queremos remédios seguros, testados e aprovados, não? Então reflita!

Nicanor de Freitas Filho

nicanordefreitas@gmail.com

São Paulo

*

MMA

E ainda o chamam de esporte. Viram a batalha sangrenta em que se envolveram os lutadores Cigano e Caim Velásquez? Lembra as arenas da época do Império Romano com os gladiadores. Cigano teve de ir para o hospital. O pior são as chamadas que se fazem destes combates, incentivando e apoiando. Teve locutor, uns anos atrás, que disse que nunca transmitiria uma luta bárbara dessa. Hoje é o primeiro da fila no apoio. Isso não é esporte.

Panayotis Poulis

ppoulis46@gmail.com

Rio de Janeiro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.