Fórum dos Leitores

MENSALEIROS

O Estado de S.Paulo

15 Dezembro 2013 | 02h08

Desagravo aos condenados

Como não podia deixar de ser, no congresso do partido os petistas dedicaram-se ao desagravo dos cumpanheiros encarcerados. Usando da habitual hipocrisia, criticaram os responsáveis pela condenação e prisão, enquanto enalteciam os bravos prisioneiros. Até o em breve hóspede da Papuda deputado João Paulo Cunha (PT-SP), condenado a 9 anos e 4 meses de prisão, aproveitou a deixa e falou das injustiças contra ele. Já em sua cartilha A Verdade, Nada Mais que a Verdade ele tenta justificar a "injusta" condenação. Em nome da verdade, melhor que acusar o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) seria explicar as notas fiscais seriadas apresentadas para justificar os pagamentos recebidos no mensalão. É mais um petista achando que somos todos idiotas. Em suma, só o PT tem razão, só seus interesses políticos distinguem o sagrado do profano. "Nunca antes neste país" mentir sem constrangimento se mostrou de forma tão acentuada, a ponto de os patéticos petralhas não entenderem que acabarão vítimas de suas próprias ilusões.

MARIO COBUCCI JUNIOR

maritocobucci@uol.com.br

São Paulo

Quem ele pensa que é?

A cartilha do deputado João Paulo Cunha acusa o presidente do STF e relator do processo do mensalão, Joaquim Barbosa, de usar a justiça apenas quando lhe interessa. Quem é João Paulo para acusar o ministro? Todos os corruptos têm o mesmo modus operandi - sair atacando para algum otário achá-los inocentes? Ninguém fala ou vai falar a verdade? João que fique na dele. Ninguém, nem sua mulher, vai acreditar que ele foi com R$ 50 mil, depois do horário bancário, pagar uma conta da NET. Acorda, Brasil, e cana nos corruptos!

ALICE BARUK

alicebaruk@bol.com.br

São Paulo

Contra fatos...

João Paulo Cunha acusou Joaquim Barbosa de fazer justiça "seletiva", alegando que o ministro "condenou sem provas e contraprovas". Vale lembrar ao distinto petista que contra fatos não há argumentos, portanto, melhor colocar a viola no saco e pagar o que deve.

ANGELO TONELLI

angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

Mal comparando

O ainda deputado e futuro presidiário João Paulo Cunha, comparando-se a Nelson Mandela, declarou que o líder sul-africano "cumpriu 27 anos de prisão e não saiu menor". Esquece que a entrada no regime prisional vai fazê-lo muuuito menor que Mandela. E como ao sair não deverá ter "crescido", sairá nanico.

CLAUDIO JUCHEM

cjuchem@gmail.com

São Paulo

Ousadia demais

Quanta ousadia o infeliz deputado mensaleiro João Paulo Cunha - condenado por corrupção passiva, lavagem de dinheiro e peculato (uso de cargo público para prática de desvios) - pronunciou na tarde de quarta-feira na "Casa das Joanas". Querer fazer um paralelo e comparar a sua prisão, a ser decretada brevemente, com a de Nelson Mandela é subjugar a consciência de qualquer cidadão. Será que já não está na hora de calar a boca desses nefastos?

ANTONIO BOER

toboer@uol.com.br

Americana

Aloprados

Como endossar a crença - dissimulada - de que os réus do mensalão seriam injustiçados, presos políticos ou vítimas de uma perseguição engendrada pela "elite"? A quem se destina essa falácia? Desfrutamos nas duas últimas décadas as garantias consagradas pela Carta de 1988 (a "cidadã"), valendo lembrar que o PT está à frente do poder nos últimos 11 anos, nomeou ao menos oito ministros da mais alta Corte, guardiã da própria Constituição, palco onde é assegurado aos réus, como determina o Estado Democrático de Direito, amplo direito de defesa, o que escancara o absurdo do desagravo aos mensaleiros. A mentira é repetida tantas vezes internamente no partido que acabou virando verdade para os petistas, o que mostra quão alienados são eles, à mercê da constante perseguição do "poder". Esqueceram que o poder não é do partido, mas do povo. E como dito por Abraham Lincoln no Discurso de Gettysburg, haveria de ser exercido "pelo povo, para o povo". Jamais por aloprados.

GUILHERME ASTA

guilherme@asta.adv.br

São Paulo

Dirceu & Cia.

Quando infringiram as leis na época do regime militar, os criminosos diziam-se perseguidos pela ditadura. Depois, já no poder, por esse motivo muitos receberam vultosas somas. Agora são reincidentes no desrespeito às leis e, ao que parece, pretendem ser considerados perseguidos pela democracia. Imagino que logo vão pedir compensação financeira pelo heroísmo dos crimes cometidos - formação de quadrilha, desvio do dinheiro público, etc... A única coincidência é a sistemática desobediência às leis!

OSCAR SECKLER MÜLLER

oscarmuller2211@gmail.com

São Paulo

Partido antidemocrático

Quando o PT vence eleições, viva a democracia! Quando o PT é punido por suas instituições, abaixo a democracia!

EUGÊNIO JOSÉ ALATI

alatieugenio@gmail.com

Campinas

Difícil reabilitação

Pela forma como têm reagido à prisão, expressando acreditarem ter feito tudo certo e, com isso, indicando que poderão repetir tudo se tiverem nova oportunidade, os petistas presos demonstram que não se pode esperar que se arrependam do que fizeram e se reabilitem perante a sociedade. Assim, deverão ficar presos até o fim da pena que receberam, se é que não merecem tê-la estendida por mais tempo.

WILSON SCARPELLI

wiscar@terra.com.br

Cotia

Os 'espertos'

Nos próximos tempos veremos cada vez mais as "espertezas" dos condenados do mensalão que irão para prisão domiciliar ou mudaram de domicílio para ficar com tratamentos especiais em penitenciárias escolhidas a dedo. Mas nada disso me incomodará. O que importa é que são presidiários, condenados em processo que lhes deu toda a proteção, e nunca mais poderão olhar nos olhos de pessoas honestas, pois estarão cobertos de vergonha para toda a vida. No meio disso, algumas biografias que não poderiam ter-se sujado dessa forma. E outros que já deveriam ter vergonha bem antes da condenação.

ALDO BERTOLUCCI

accpbertolucci@terra.com.br

São Paulo

 

  ______________________  

 

 

 

NO MUNDO DE LULA

Na abertura do 5.º Congresso do PT, um certo ex-presidente da República perguntou qual economia está crescendo tão substancialmente quanto a brasileira – insinuando que o Brasil vai muito bem, obrigado. Parece que ele acha que não há nada de errado no fato de a média de crescimento da economia brasileira ser uma das mais pífias dentre as emergentes. Será que ele já percebeu que o governo de sua pupila registra, até aqui, média inferior até mesmo à do período FHC, tão demonizado e odiado pelos seus companheiros de partido? É o PT vivendo literalmente no mundo da lua, ou melhor, no mundo de Lula...

Henrique Brigatte hbrigatte@yahoo.com.br

Pindamonhangaba

 

*

 

SEM SINTONIA

A presidente fala uma coisa no programa do PT; o ministro Guido Mantega fala outra para a mídia, está faltando sintonia. Entre os países do G-20, a economia do Brasil é a 20.º, vai de mal a pior. O PAC está paralisado desde 2010, os hospitais estão completamente abandonados, apesar da campanha de marketing (Mais Médicos). No Rio de Janeiro, continuam os desabamentos e as enchentes, como todo ano acontece, e o ministro das Cidades nada faz. Para onde estão levando o Brasil?

Celso de Carvalho Mello celsosaopauloadv@uol.com.br

São Paulo

 

*

 

‘BRASIL CRESCE COM PERNAS MANCAS’

A declaração do ministro da Fazenda, Guido Mantega, que desagradou ao governo, nada mais é do que o óbvio, com pernas mancas a economia brasileira não cresce mesmo, só pende para o lado e tende a cair. Ele só se esqueceu de dizer que não são só duas pernas mancas, são quatro, as dele próprio. Dilma está esperando o que para tomar providências? A conversa de ambos já foi longe demais. É preciso ação e das boas.

Alvaro Salvi alvarosalvi@hotmail.com

Santo André

 

*

 

ECONOMIA MANCA

A economia brasileira caminha na direção contrária, metendo os pés pelas mãos e tropeçando nas "pernas mancas" do ministro Guido Mantega. Se não houver mudança, as mancadas e promessas não cumpridas continuarão se repetindo, levando o País à beira do precipício. Basta!

J. S. Decol decoljs@globo.com

São Paulo

 

*

 

MANTEGA NA FRIGIDEIRA

Dia 4/12/2013, Dilma cobra Mantega explicação sobre erro da revisão do PIB/2012. Dia 5/12/2013, Dilma cobra Mantega sobre revolta no Tesouro. Dia 12/12/2013, Dilma cobra Mantega por declaração de que a economia brasileira cresce com as pernas "mancas". Quem será o próximo ministro da Fazenda? Infelizmente, ainda não nasceu alguém que faça milagres. Na minha opinião, mais importante do que trocar o ministro da Fazenda é trocar de presidente da República. Fora Dilma. Fora PT.

Maria Carmen Del Bel Tunes carmen_tunes@yahoo.com.br

Americana

 

*

 

ECONOMIA CAPENGA

Recomendo ao ministro Mantega a leitura do texto de Celso Ming publicada na sexta-feira (13/l2) no "Estadão", com o título "Mancadas". Além de aprender que a economia brasileira não depende somente de fatores externos, não é bípede e que não sofre somente do mal de duas pernas, relembraria também os conhecimentos básicos de zoologia. As mazelas do Brasil não ultrapassariam ao número de pernas das centopéias, mas ultrapassariam as seis das motucas e dos pernilongos e até mesmo as oito das aranhas. A inflação em alta, PIB em baixa, educação, saúde e segurança com problemas não resolvidos, licitações mal elaboradas, obras inacabadas e corrupção constituem exemplos das mazelas com mais de duas pernas.

Evaristo Ribeiro Filho evaldib@uol.com.br

Barueri

 

*

 

PIADA PRONTA

"Ministro da Economia", ha ha ha. "Pernas mancas", desistência de instalar ABS e airbag nos veículos brasileiros em cima da hora, quando as empresas estavam investindo milhões nessas tecnologias. Por isso que há décadas este é o país da piada pronta. O que os europeus e americanos pensam quando essas aberrações acontecem? Pelo menos eles têm o que conversar e sobre o que rir. Tenho pena deste país órfão de políticos decentes. Serão mais quatro anos? Que Deus nos ajude!

Sergio Lauandos Jacob sergio.lauandos@terra.com.br

São Paulo

 

*

 

TÁ BARATO DEMAIS!

O ministro Mantega dá prioridade à venda de automóveis, manutenção de empregos e adia obrigatoriedade de freios ABS e airbags para 2015 ou 2016. O acréscimo no preço dos itens nos automóveis seria de R$ 1.500,00 – um enterro básico com caixão de papelão custa em média R$ 3 mil, mais o "por fora", que deixou de ser opcional, se não paga, o enterro não sai. Voltando ao ministro, seu prazo de validade já venceu, a qualidade de sua administração só agrada à presidente Dilma, que quer índices positivos para a reeleição, não interessa se a bomba vai explodir em novembro ou em dezembro de 2014, O que importa são números positivos agora. O nosso governo mata mais do que uma guerra com o desprezo pela saúde, saneamento, segurança, estradas destruídas e, agora, vão adiar o salvamento de vidas para 2016, pois serão apenas algumas centenas de votos perdidos nos acidentes.

Luiz Ress Erdei gzero@zipmail.com.br

Osasco

 

*

 

A ALEGRIA QUE VEM DE DENTRO

O excelente artigo de Washington Novaes ("Mandela e a alegria que vem de dentro", 13/12, A2) foca no continente africano, mas a questão básica é similar no Brasil. Temos de manter nossa força e alegria interiores (que provavelmente trouxemos da África), mas dependemos da visão e da responsabilidade dos governos para garantir condições dignas (trabalho, saúde, educação, transporte) para todos os brasileiros, independentemente de cor ou raça.

Paulo Serra paulo.martins.serra@gmail.com

São Paulo

 

*

 

LULA E MANDELA

A "presidenta" Dilma Rousseff comparou Lula a Nelson Mandela. Na minha opinião, a diferença que há entre os dois é a mesma existente entre o céu e o inferno, mais 70 cabos de machado.

Virgílio Melhado Passoni mmpassoni@gmail.com

Jandaia do Sul (PR)

 

*

 

O BRASIL E A TECNOLOGIA

A queda do satélite sino-brasileiro não apenas foi uma decepção a respeito da capacidade técnica e competência tecnológica do País, como ainda significou jogar no lixo R$ 300 milhões. É inaceitável que tanto dinheiro do povo brasileiro seja tão mal gasto, com resultados tão pífios. Não dá para aceitar um fracasso desses, num valor tão alto, enquanto milhões de brasileiros vivem tão mal e com tão pouco. Vergonha pouca é bobagem.

Renato Khair renatokhair@uol.com.br

São Paulo

 

*

 

FINADO SATÉLITE SINO-BRASILEIRO

Deus demorou seis dias para criar os céus e a Terra, os norte-americanos estão demorando 237 anos para consolidar os EUA e os chineses, pobres arrogantes, já estão se metendo a colocar satélites em órbita em pouco menos de quatro décadas.

Sergio S, de Oliveira ssoliveira@netsite.com.br

Monte Santo de Minas (MG)

 

*

 

GRANA PARA O ESPAÇO

Fracassou na segunda-feira (9/12) a tentativa de colocar em órbita o satélite CBERS-3, o quarto lançado pelo programa de observação da Terra que o Brasil mantém em parceria com a China. Informações preliminares apontam uma falha no foguete que efetuou o lançamento. Ainda não se sabe o que provocou o problema. O foguete caiu no polo Sul. O lançamento foi realizado na base de Taiyuan, no norte da China. Em resumo, lá foi nossa grana literalmente para o espaço. Como é bom usar e abusar do dinheiro alheio, não? O PT é mestre em fazer isso e não para nunca, ou seja, arrecada pacas e gasta mais ainda, mas não no que devia, pois a insegurança está pela hora da morte. Espero que nas próximas eleições sejam varridos do mapa, não dá mais para aguentar tanta incompetência.

Kaled Baruche kbaruche@bol.com.br

São Paulo

 

*

 

ÓTICA

Como diria o Mantega, "noçoçatélite" não caiu, apenas deixou de subir...

A.Fernandes standyball@hotmail.com

São Paulo

 

*

 

POR MUITO POUCO

Segundo engenheiros criadores do satélite brasileiro, foi por muito, muito pouco mesmo, coisa de 11 segundos, que nosso foguete foi para o espaço, literalmente. Eles se esqueceram de que por coisa de um ou dois centímetros no máximo não nasceram pelo buraco errado.

Arnaldo de Almeida Dotoli arnaldodotoli@hotmail.com

São Paulo

 

*

 

É TÃO ÓBVIO

Difícil a imprensa ainda ter de explicar os acontecimentos diante do óbvio ululante que vive o País: seria estranho e espantoso se o satélite entrasse na órbita correta; se não houvesse briga na última rodada do Brasileirão para evitar rebaixamento; se houvesse água no hidrante e o incêndio no auditório do Memorial da América Latina fosse apagado; se o estádio de futebol fosse concluído sem desabamento e morte; se prédios em construção não desabassem por todo o País; se não houvesse discussão e briga nas filas por causa de atraso em voos em vários aeroportos; se as estradas estivessem totalmente livres e as pessoas chegassem rapidamente ao litoral durante um feriado e nas festas de final de ano.

Luiz Roberto Da Costa Jr. lrcostajr@uol.com.br

Campinas

 

*

 

O CARTEL DOS TRENS

Com o inquérito do cartel de trens, os petralhas deram a partida para denegrir a imagem positiva do governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, candidato à reeleição em 2014. Vamos aguardar que durante todos estes anos de práticas democráticas tenha havido, nas urnas, um amadurecimento do eleitor brasileiro, votando nos candidatos competentes e que almejem o crescimento do Brasil.

José Millei millei.jose@gmail.com

São Paulo

 

*

 

PIZZA

A volta do procurador Rodrigo de Grandis ao caso Alstom demonstra tão somente dependência e subserviência do Ministério Público ao governo de Gerald Alckmin. Nós, que esperávamos que este caso tivesse uma solução digna contra a corrupção, temos num dos órgãos responsáveis pelo esclarecimento dos fatos um aliado pela pizza.

Marcos Barbosa micabarbosa@gmail.com

Casa Branca

 

*

 

MOTIVAÇÃO POLÍTICA?

O governador Alckmin alega motivação política eleitoral às investigações contra secretários do seu governo. Discordo. Se há fumaça existe fogo, e tem de ser, sim, investigado, até porque no Brasil de hoje não dá para dar "cheque em branco" a nenhum político. O País está adoecido por esta praga da corrupção, por isso a saúde, a educação, o transporte, o saneamento básico, etc. estão nesta calamidade. E perguntar não ofende: os acusados não receberam votos para serem deputados? E o que estão fazendo em secretarias?

Ademar Monteiro de Moraes ammoraes57@hotmail.com

São Paulo

 

*

 

O LIVRO DE ROMEU

Do estouro do mensalão até o dia em que vi "homens" que acreditavam serem donos do Brasil sendo levados ao cárcere por práticas de ilicitudes, perdi muitas noites de sono. Quanta ansiedade! Ora eu acreditava que a justiça seria feita, ora não. Para alegria de milhões de brasileiros que não se deixam levar por mentiras de lobos travestidos de cordeiro, a Justiça foi implacável. Do dia 15 de novembro do ano corrente, data da decretação das primeiras prisões, até o dia em que surgiram os primeiros boatos sobre o lançamento do livro de Romeu Tuma Jr. ("Assassinato de Reputações"), eu dormia um sono bom. Agora, voltou a ansiedade. Passo dias e noites na expectativa de que desta vez virá peixe graúdo na rede. Por favor, caro Romeu, solte logo esse livro para que os brasileiros que estão alisando cascavel pensando que é jiboia batam em retirada. Conte tudo, não deixe pedra sobre pedra.

Jeovah Ferreira jeovahbf@yahoo.com.br

Taquari (DF)

 

*

 

OFENSA

O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, ficou muito nervoso com as acusações de Romeu Tuma Jr. e disse que o governo vai responder. Mas o governo não foi ofendido, a ofensa foi ao ex-presidente Lula. Será que ele ficou exaltado como ministro ou como dirigente do PT?

João Menon joaomenon42@gmail.com

São Paulo

 

*

 

O SEGUNDO DA SÉRIE

O sr. Tuma Jr. está publicando um livro que com certeza ajudará muito os diretores de cinema a produzirem um filme à altura do protagonista, já que o primeiro filme foi um lixo. Agora temos um roteiro perfeito.

José Roberto Iglesias rzeiglesias@gmail.com

São Paulo

 

*

 

COZINHA INFERNAL

As confissões do delegado Tuminha vieram reforçar a minha impressão de que existe uma cozinha do inferno instalada no Palácio do Planalto, especializada em demonizar os não palatáveis ao esquisito paladar dos maiorais do império petista. O império petista está transformando o Palácio do Planalto num odioso símbolo do mal, que vai da malandragem despudorada a todas as formas de estelionato. Haverá um dia em que daremos término a isso. E o Palácio do Planalto passará à memória nacional como a Bastilha verde-amarela. Já está demorando.

Alexandre de Macedo Marques ammarques@uol.com.br

São Paulo

 

*

 

O ESTRAGO ESTÁ FEITO

A divulgação de um livro sobre a gestão petista elaborado por um ex-integrante do governo é sintomática. Por que só agora um ex-delegado que tem experiência suficiente na investigação de crimes os mais diversos vem a público fazendo afirmações como se fosse o dono da verdade? E como seria de esperar, já mereceu a atenção de oposicionistas, que querem ouvi-lo numa Comissão do Congresso. Como se pode constatar, o importante para alguns é a acusação de maneira a assegurar a venda de seu livro. Depois se buscará a confirmação, mesmo depois do estrago já feito.

Uriel Villas Boas urielvillasboas@yahoo.com.br

Santos

 

*

 

ELEIÇÕES 2014

PT e PSDB vão polemizar o debate até as eleições. Essa perda de tempo vai levar o eleitor a se distrair, a se desencantar e a pensar "são todos iguais, não há saída". É triste pensar assim, mas os fatos ocorridos diariamente e há anos nos diversos governos reafirmam essa realidade. Então qual será o papel do eleitor? Votar no mesmo? Não votar? Ignorar a política? Ou refletir sobre o que está acontecendo e mudar? Os ensaios das manifestações de junho tinham tudo para dar uma virada neste país. Infelizmente, os baderneiros de plantão e aqueles que torcem pelo "quanto pior, melhor" mudaram o rumo das coisas. As pessoas ficaram com medo e se esconderam em suas casas. Mas e as redes sociais não podem mudar essa triste realidade? Claro que sim, basta que a liderança seja composta por pessoas que sintam na pele o que é viver num país sem segurança, com trânsito caótico, onde se pagam os maiores impostos do mundo, onde a corrupção corre solta. Já passou da hora de dar um basta nessa situação. Precisamos sair do discurso da cobrança e partir para a prática. Não nos esqueçamos: "O maior inimigo de um governo é um povo culto". Se dois menores conseguem reunir 5 mil pessoas para um baile funk, não teríamos eleitores conscientes para convocar milhões de pessoas em todo o País para saírem às ruas e pedirem mudanças?

Izabel Avallone izabelavallone@gmail.com

São Paulo

 

*

DESRESPEITO

Duas preocupantes notícias no "Estadão" de 8/12/2013 davam conta do que os dirigentes petistas estão aprontando, a fim de beneficiar seus acólitos. A primeira, na página A3, a execução de um concurso que acaba de ser suspenso pelo Tribunal de Contas da União, sob a suspeição de favorecimento a candidatos com indicação política. A segunda, talvez mais grave, na página A4, diz respeito ao uso, ilegal e acintoso, de um evento organizado pela ministra de Políticas para Mulheres, sra. Eleonora Menicucci, quando, descaradamente, faz elogios ao ministro da Saúde, Alexandre Padilha, designando-o como futuro governador do Estado de São Paulo. Com essa postura, a ministra, além de desrespeitar a nossa legislação eleitoral, desrespeita os ministros do TSE e desrespeita, também, a inteligência dos eleitores paulistas, já duramente castigados pelo governo petista.

Carlos Rolim Affonso profrolim@globo.com

São Paulo

 

*

 

BASTA DE POSTES!

Se é verdade que o raio não cai duas vezes no mesmo lugar, impossível será Lula colocar outro poste em São Paulo.

Iracema M. Oliveira mandarino-oliveira@uol.com.br

Praia Grande

 

*

 

DECEPÇÃO GERAL

É com extremo pesar que escrevo esta carta de desabafo ao "Estado", eu, um jovem de 21 anos, não aguento mais os mandos e desmandos dos governantes e seu aparecimento em propaganda de TV como se tudo estivesse bem, tudo certo. O trânsito na cidade de São Paulo se tornou cada vez mais caótico desde os protestos no início do ano. Com a desculpa de privilegiar o transporte público, foram pintadas várias faixas de ônibus aleatoriamente pela cidade. Essas faixas só pioraram o trânsito paulistano, tanto para o transporte público quanto para o privado. Basta olhar os congestionamentos nas pequenas, médias e em algumas grandes vias que dão acesso às tais vias que ganharam faixas pintadas. Ou seja, ninguém foi ajudado, só piorou o transporte. Se antes saíamos às 6 horas da manhã para chegarmos às 8 horas no local de estudo, agora temos de sair às 5 horas. E, com isso, criamos seres mais amargurados, egoístas, vide os empurra-empurra nas faixas de ônibus, as aglomerações que começaram a crescer nos metrôs por esse caos do transporte nas ruas e avenidas. E o caos só se perpetua... Na tal propaganda mencionada no início, a desgovernante do País diz que a inflação está controlada. Mas questiono-a, onde estão estes preços maravilhosos que só a ela chegam? O preço da comida só sobe e tende a subir ainda mais com o aumento do combustível. Preço este maquiado pela máquina pública, prejudicando uma das últimas indústrias fortes brasileiras. Outro ponto: a saúde. Estudo numa reconhecida faculdade da área da saúde de São Paulo e tenho parentes no meio da saúde. A tal chegada de médicos cubanos é só fantoche para manobrar a população, a propaganda diz que chegaram médicos aonde os "com CRM" não estão, porém existem vários que chegaram aqui, a São Paulo mesmo, a Diadema, São Bernardo, todas regiões que dispõem de médicos com CRM. E esses tais médicos são transportados com carros da Prefeitura para onde irão trabalhar, porque "têm medo" do nosso transporte público, quando um médico da vigilância, concursado, que precisa de um carro para melhorar seu acesso a áreas realmente de difícil alcance e para levar melhorias para a tal região não o possui. Outro ponto: a miséria. Será mesmo que superamos a miséria? Será que uma família comum, com quatro pessoas, consegue sobreviver com um salário mínimo, apenas para falar que eles saíram da miséria? E não dar o mínimo de educação para que estas pessoas não gastem o salário em coisas desnecessárias? Será que o Bolsa Família dá mesmo dignidade, quando temos ainda regiões inteiras sem acesso ao saneamento básico, com doenças consideradas negligenciadas? Será que a educação é tão boa que o filho do rico e o do pobre, sem desmerecer um nem outro, estudam no mesmo local e têm a mesma chance de sucesso, sem precisar de nenhuma vantagem? Cheguei a esse desabafo por não aguentar mais escutar propagandas, como se tudo estivesse bem, como se estivéssemos no caminho certo. Não estamos nem perto do caminho certo, vivemos numa sociedade que se endivida e não consegue viver. Uma sociedade que esqueceu a educação, a saúde e que acha que um salário mínimo aqui compra a dignidade de qualquer pessoa, quando esse salário nem permite a uma família sobreviver. Vivemos um absurdo sem fim e, o pior de tudo, tem gente feliz. Feliz em roubar você, que acha que tudo está certo. Parabéns, você acaba de deixar seus impostos com um terceiro que colocou seu suado dinheiro no bolso neste exato momento e não se importa se você compra ou não sua comida, se morre de fome e está andando de carro! Falando no celular, está tudo certo. Parabéns por bancar tudo isso e continuar feliz. Eu não consigo, o futuro para mim parece aterrorizante.

Bruno Zuffo brumalteze@hotmail.com

São Paulo

 

*

 

DESMATAMENTO NA AMAZÔNIA

O crescimento de 28% de desmatamento da Amazônia, por madeireiros ou pecuaristas, inobstante um conflito crônico e violento com os fiscais do Ibama ("Especial do Estado", 8/12) revela que o governo brasileiro não formulou um programa correto para o tratamento da questão. Se se considera adequado e tolerável o desmatamento de 20% de todo o território florestal, a eficácia da norma deveria ficar contida até que essa proporção estivesse absolutamente regularizada sob o aspecto fundiário, com a emissão dos respectivos títulos de propriedade. Admitir um desmatamento sem a prévia tomada de medidas jurídicas que identifiquem os locais de permissão e a legitimidade de quem pode fazê-lo é permitir a eclosão de um clima de guerra e o descumprimento da lei enquanto resultado final, como está a ocorrer entre madeireiros, pecuaristas e desorientados e até violentos fiscais do Ibama.

Amadeu R. Garrido de Paula amadeugarridoadv@uol.com.br

São Paulo

 

*

 

CHUVAS E SECAS

O governo brasileiro agora se preocupa em criar leis para proteger a terra das agressões do homem à ecologia. Bahia, Minas Gerais, Rio de Janeiro, Espírito Santo e Rio Grande do Sul já sofrem as consequências do desequilíbrio climático. O equilíbrio ecológico é uma linha frágil e tudo ocorre em cadeia. As chuvas são consequências das frentes frias e do calor que se encontram e geram turbulências. O efeito estufa, os calores exagerados são causados pelo homem que queima florestas e derivados do petróleo. Não é fácil recuperar o equilíbrio da natureza. Pensamos que somente a educação pode levar o bicho-homem a parar de consumir e destruir de maneira tão agressora. Nós erramos e nós temos de aprender a parar de consumir e queimar. É uma longa luta. Contamos com os homens de bem que se unirão no propósito único de salvar o planeta. A união faz a força. Vamos mudar a Terra.

Paulo Roberto Girão Lessa paulinhogirao@uol.com.br

Fortaleza

 

*

 

TABAGISMO EM QUEDA

A parca Calíope, quando entra em ação, tem o poder de beatificar ou demonizar a sua vítima. Enquanto em Soweto, na África do Sul, prosseguiam as homenagens funéreas ao ex-presidente sul-africano Nelson Mandela, o mundo vai seguindo a sua pachorrenta rotina com alvíssaras e tragédias cotidianas, como a que no Brasil o número de fumantes caiu 20% em seis anos, e, o que é mais salutar, a redução chega a 45% entre os adolescentes, enquanto os viciados estão fumando mais. Essa redução, segundo o pneumologista Frederico Leon Arrabal Fernandes, do Instituto do Câncer do Estado de São Paulo, reflete o movimento antitabagista nos últimos 15 anos. Enquanto isso, um membro do Mercosul, o Uruguai, do presidente José Mujica, sanciona, aprovada pelo Senado, a lei que libera geral o trânsito da maconha naquele país. Que os demais membros do Mercosul não sigam esse malfadado exemplo. Vai mal o combate às drogas na América do Sul, com a cocaína de Evo Morales e a maconha de José Mujica.

Jair Gomes Coelho jairgcoelho@gmail.com

Vassouras (RJ)

 

*

 

NOSSAS FRONTEIRAS

Êta país de sorte o Brasil: fronteira com a Bolívia = cocaína; fronteira com o Uruguai = maconha; em qual fronteira se irá produzir (se é que já não se produz) heroína? E tem gente adorando.

Ricardo Hanna ricardohanna@bol.com.br

São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.