Fórum dos Leitores

BARBÁRIE NO MARANHÃO

O Estado de S.Paulo

12 Janeiro 2014 | 02h05

E o povo sofre

Correram o mundo os vídeos e as imagens trágicas e bizarras da violência no Complexo Penitenciário de Pedrinhas, em São Luís, como a decapitação de vários presos dentro do presídio e outros com mais de 180 perfurações de arma branca. Fora dele a população sofre com a violência urbana, os ônibus incendiados e crianças queimadas a mando dos presos como demonstração de poder e força aos omissos governantes. Nem no auge da Guerra do Iraque se viu tanta violência nas cadeias como no Maranhão. Para ficar ainda mais bizarro, a governadora, em lugar de buscar soluções, abriu licitação de R$ 1,4 milhão para a compra de caviar e champanhe, importados, para os coquetéis do governo em 2014. Esse é o Brasil hoje, com os governantes seguros e protegidos nos palácios e o povo, órfão, sofrendo nas ruas por falta de segurança - que, aliás, vivemos em todo o Brasil. Que Deus nos proteja ao longo deste ano, porque eles não se preocupam conosco.

JOSE PEDRO NAISSER

jpnaisser@hotmail.com

Curitiba

Pedrinhas

Graças à direção do clã Sarney, o Maranhão tem os melhores índices de progresso do nosso país. Tanto que inúmeros prédios públicos do Estado recebem o nome Sarney, como escolas, centros sociais, bibliotecas, edifícios para a saúde, museus e outros mais. Assim, para se ter êxito na resolução dos problemas do presídio de Pedrinhas entendo que a mudança do seu nome para "presídio Sarney", por si só, reduziria em 80% os seus problemas. O resto é fácil.

HOOVER AMERICO SAMPAIO

hoover@mkteam.com.br

São Paulo

'Freakonomics'

Os autores do livro Freakonomics poderiam muito bem retratar o lado oculto da situação do Maranhão, onde, de um lado, a miséria é total, e, de outro, o luxo de sua governadora é extravagante - ela mandou licitar, apenas, 1.500 quilos de camarão, 80 quilos de lagosta e outras coisinhas mais.

MARCOS ANTÔNIO SCUCCUGLIA

sasocram@ig.com.br

Santo André

Mero detalhe

Um absurdo as pessoas reclamarem da compra de lagosta. Isso é detalhe. A fantástica governadora Roseana Sarney declarou que "o Estado está mais rico". Quem, na verdade, está mais bilionária é a família Sarney.

ARIOVALDO J. GERAISSATE

ari.bebidas@terra.com.br

São Paulo

Confissão

Diante de mais uma crise no Maranhão, a justificativa da governadora Roseana Sarney de que "um dos problemas é que o Estado está mais rico" foi, no mínimo, uma confissão. A maioria dos indicadores de desenvolvimento humano, educacional e de saúde do Estado, governado por sua família há mais de meio século, estão entre os piores "da História deste país". Estado rico, povo pobre. Pobre povo!

MÁRIO ISSA

drmarioissa@yahoo.com.br

São Paulo

Intervenção já

Patética e escarnecedora a declaração da governadora do Maranhão de que a situação de violência se deve ao fato de o Estado "estar mais rico"! Urge, como já planeja o procurador-geral da República, pedir a intervenção, o STF aceitar e a presidente decretar a ação intervencionista no Estado, para pôr cobro à trágica situação, servindo de exemplo disciplinador a todo o País.

JOSÉ DE ANCHIETA N. ALMEIDA

josedalmeida@globo.com

Rio de Janeiro

Surpresa?!

Incrível a entrevista que a governadora Roseana Sarney deu ao terminar sua reunião com o ministro da Justiça. Segundo ela, o maranhense é um povo de índole pacífica e ela teria sido apanhada de surpresa com toda essa barbaridade - que, claro, não classificou como tal. Como surpresa, se em 2011 numa rebelião semelhante 14 presos foram decapitados no mesmo presídio? Como surpresa, se os números de violência no Maranhão são altíssimos? Pior é a notícia de que formaram um comitê de gestão de crise, quer dizer, nada vão fazer. Ou alguém aí ainda acredita em comissões e comitês formados por esse governo? E a presidente Dilma Rousseff continua calada, não vai contrariar a família Sarney - apesar de Roseana dizer que não tem nada disso de família Sarney no Maranhão. E ainda querem dizer que o Brasil é um país maravilhoso! Quanto à geografia, sem dúvida. No mais, tenham dó! Estamos a cada dia piorando a olhos vistos, só o governo petista não vê.

MARIA TEREZA MURRAY

terezamurray@Hotmail.com

São Paulo

Flertando com o caos

Perdi a minha capacidade de indignação. O silêncio de Roseana Sarney foi quebrado por uma declaração protocolar vazia de sentimento. A ação quase teatral do ministro da Justiça soa inofensiva. E Dilma Rousseff esquivando-se novamente, tentando proteger sua candidatura à reeleição. Estamos flertando com o caos social. Não é possível apenas sobrevoar os presídios do Maranhão com helicópteros, como de costume nas tragédias naturais do Rio de Janeiro ou em outros Estados. Não é faz de conta, é realidade! Uma criança morreu, outros perderam a cabeça e os governantes são os mesmos. Não há como censurar os acontecimentos, como tem sido feito com o Estadão. Deixemos o caviar para outra ocasião.

PAULO CÉSAR PIERONI

pcpieroni@hotmail.com

Campinas

O pior dos infernos

Dá para imaginar o que aconteceria se toda essa barbárie fosse num Estado governado pela oposição ao governo federal? No Planalto vigora o conceito de oferecer aos inimigos falsos dossiês e aos amigos, compreensão e silêncio diante das cinematográficas e arrepiantes verdades. A presidente Dilma disse que em época de eleição se faz o diabo. Mas como o período eleitoral já chegou faz tempo, será que por conta vale até deixar um Estado e seu povo literalmente no pior dos infernos?

ABEL PIRES RODRIGUES

abel@knn.com.br

Rio de Janeiro

Silêncio sepulcral

Sobre as barbáries que vêm ocorrendo nas prisões do Maranhão, caso estivessem ocorrendo em algum Estado governado pelo PSDB, arrisco dizer que diversos ministros e políticos petistas, bem como a turma dos direitos humanos ligada ao governo federal, já estariam historicamente vociferando e exigindo apuração e punição dos governadores responsáveis. Porém, como se trata do Maranhão dos Sarneys, silêncio sepulcral.

PAULO RIBEIRO DE CARVALHO JR.

paulorcc@uol.com.br

São Paulo

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

 

O MARANHÃO EM CHAMAS

A governadora do Maranhão, Roseana Sarney, se disse "chocada" com os crimes cometidos na Penitenciária de Pedrinhas, mas alguém acredita no estado de choque da governadora, cuja família governa o Maranhão há pelos menos 50 anos e nunca se chocou com os péssimos e africanos índices sociais do Estado?

Marcos Barbosa micabarbosa@gmail.com

Casa Branca

 

*

RACIOCÍNIO LÓGICO

A governadora do Maranhão, Roseana Sarney, descobriu as causas da violência nos presídios do seu Estado: "O motivo é que o Estado do Maranhão está mais rico". Ficou claro o raciocínio da família Sarney, ficou claro também por que o Maranhão é recordista dos piores índices de desenvolvimento do País, desde que José Sarney estabeleceu o seu coronelismo no Estado, em 1966. De acordo com os Sarney, quanto mais pobre a população, menos crimes, menos assaltos e assassinatos. Só pode ser piada...

 

Victor Germano Pereira victorgermano@uol.com.br

São Paulo

 

*

CADA VEZ MAIS RICO

Roseana Sarney justifica a violência no Maranhão com a prosaica explicação de que "o que está piorando a segurança é que o Estado está mais rico, o que aumenta o número de habitantes". Considerando que, para José Sarney, tal qual Luiz XIV, "l’etat c’est moi" ("o Estado sou eu"), Roseana está certa. Realmente, o "Estado está cada vez mais rico".

 

Claudio Juchem cjuchem@gmail.com

São Paulo

 

*

BRASIL-COLÔNIA

Na capitania-hereditária do Maranhão, os séculos não passaram. Ainda é época do Brasil-colônia e a "famiglia" Sarney, capitã-donatária do pedaço, continua a mandar, desmandar e se locupletar à vontade, sob a bênção de "El Rey". Até quando?!

 

J. S. Decol decoljs@globo.com

São Paulo

 

*

DEUSES

Será linchado em praça pública quem se atrever a falar mal do clã Sarney ou de Renan Calheiros no Maranhão. Sarney, Renan e cia são adorados e venerados como deuses em São Luis e em todo o Maranhão. Acredito que seria necessário um estudo antropológico-psicológico veterinário para que o restante do Brasil entendesse esse fenômeno, algo semelhante com a síndrome de Estocolmo, quando o sequestrado acaba criando um tipo de afeto pelos sequestradores.

 

Mário Barilá Filho mariobarila@yahoo.com.br

São Paulo

 

*

UM ESTADO RICO

Que bom que a governadora informou que 39 mortes no presídio está no limite. Qual o limite máximo? Que bom, também, que o Maranhão está rico. Estava preocupado com a família Sarney, mas agora terão verba extra para a campanha da governadora ao Senado.

Gregório Zolko gzolko@terra.com.br

São Paulo

 

*

A FORÇA DO PODER

Roseana Sarney pretendia renunciar à política. Mas, a conselho de seu experiente pai, ela desiste da ideia. Sua permanência em cargo eletivo é de suma importância para a preservação dos negócios do clã. Renunciando ao mandato de governadora do Maranhão, devido à situação caótica em que se encontra o sofrido Estado, ela pretendia morar nos EUA. Mas, o chefe do clã entra em cena e a convence disputar uma vaga no Senado, nas próximas eleições. O mandato de senadora mantém um membro do clã na política, logo os interesses do clã não se defasam e continuarão intocáveis. O chefe do clã é experiente. Abandonar a política por que, se tudo que adquirimos, o nosso poder, nossos bens, foram conquistados através dela? O que é isso, minha filha?

Francisco Zardetto fzardetto@uol.com.br

São Paulo

 

*

FRUTOS DO MAR

A governadora do miserável Estado do Maranhão, Roseana Sarney, suspendeu a licitação para compras de frutos do mar (lagostas e camarões) no valor de R$ 1,1 milhão para as residências oficias da "governadora". Também tem licitação para compra de uísque, vinhos, champanhe, etc. para eventos e coquetéis oficiais no valor de R$ 1,3 milhão. Na pobreza extrema e crise em que vive o Maranhão, Roseana, o Sarney sem bigode, explora e abusa do poder absoluto! Não existe império semelhante ao clã dos Sarney. Existe? Comparativo: o Império Romano dominou por muito tempo pela força militar, já no Maranhão o domínio dos Sarney é pela "democracia" dos votos. Conclusão: ate quando vamos tolerar ou conviver passivamente com tanta corrupção e abuso dos poderes?

Alex Tanner alextanner.sss@hotmail.com

Sumaré

 

*

MENOS...

Governadora Roseana enche a boca e diz que Maranhão está mais rico, daí os acontecimentos. Menos, governadora, menos, a senhora está confundindo miséria, fome, assassinatos e degolamentos com riqueza. A única coisa que é rica em seu Estado, governadora, é a sua mesa e de seus familiares, sempre regada a lagosta, caviar e camarões, claro que com o nosso dinheiro. E pensar que um dia rezei por sua saúde. Acorda, Brasil.

 

Arnaldo de Almeida Dotoli arnaldodotoli@hotmail.com

São Paulo

 

*

FESTA

Exma. governadora Roseana, não se esqueça de convidar sua amiga e defensora presidenta da República para a festa de lagostas e caviar, ela merece. Seria interessante a presença do senhor seu pai, figura mais importante deste Estado próspero. Boa festa.

 

Décio Ortiz decio.ortiz@uol.com.br

São Paulo

 

*

DEGOLA

Lamentável, no Maranhão a governadora gasta mais com caviar do que com investimentos em reformas de presídios, onde mortes e decapitações se tornam corriqueiras. Se o Brasil for um país decente, a próxima cabeça a ser "cortada" deveria ser a de Roseana Sarney.

João Marcos Fernandes jmf.dentista@bol.com.br

Jandira

*

FORA DE CONTROLE

A governadora Roseana aparentemente perdeu o controle sobre a situação policial e presidiária de seu Estado. As cenas gravadas mostram mais do que palavras. Isto é caso de país do faz de conta ou do fim do mundo. Por mais que queiramos ver presos pagando seus delitos, não podemos concordar com o tratamento dispensado aos presos deste Estado nem permitir que tamanhas aberrações inumanas aconteçam e continuem insolúveis.

 

Sergio Holl Lara jrmholl.idt@terra.com.br

Indaiatuba

 

*

O MARANHÃO, DE SARNEY A ROSEANA

O fruto não cai longe do pé.

Rubens Tarcisio da Luz Stelmachuk rtls@bol.com.br

Curitiba

 

*

ROSEANA NO SENADO

"Afinal, no Senado dá ‘prá’ comprar lagosta? Se não der para comprar lagosta, não vou e não vou ‘prá’ lá, papai!"

 

José Piacsek Neto bubanetopiacsek@gmail.com

Avanhandava

 

*

PARA SALVAR O ESTADO

No progressista Estado do Maranhão, onde tudo de bom acontece, existia uma base militar onde estava previsto um poço para testes nucleares. Pena que foi desativado. Deveriam fazer uma experiência onde na plateia deveriam estar somente os membros da família que comanda o Estado há mais de 50 anos e alguns de seus mais fiéis seguidores. E então o teste falharia e "buuum", o Maranhão estaria salvo. Acredito que este meu desejo seja também da quase totalidade do povo brasileiro. Afinal de contas, não temos culpa.

Paulo H. Coimbra de Oliveira ph.coimbraoliveira@gmail.com

Rio de Janeiro

 

*

RESPOSTA NAS URNAS

As mortes em cadeia em nosso belíssimo Maranhão têm mostrado a realidade dos presídios brasileiro. Mostra-nos também a incontestável falta de uma política pública de segurança deste Estado, que está sob uma ditadura política do clã Sarney há nada mais nada menos que uns 50 anos. Essa situação nos mostra que, quando o Estado se ausenta totalmente da sua real função, que é a de proteger a sociedade, o poder paralelo surge, cresce e aparece. Mas o coronel político daquele Estado, José Sarney, filosofou "a violência não está nas ruas", ou seja, para ele, Sarney, as mortes na cadeia são normais. Certamente nas eleições a governadora do Maranhão vai falar que a violência foi política. E percebe-se também a omissão do governo federal nesta questão, pois a presidenta não quer desagradar seus amigos com uma intervenção, o que seria bom para os irmãos maranhense, mas na política o que manda é a subjetividade, e não o coletivo. Acorda, povo maranhense. Dê a resposta nas próximas eleições.

Paulo Rodrigues de Moura paulorodriguesmoura@hotmail.com

São Paulo

 

*

ATO FALHO

A declaração de Roseana Sarney de que a atual onda de violência ocorre porque o Maranhão está mais rico é um exemplo clássico de ato falho. Para ela, no seu inconsciente, o Maranhão é a família Sarney, essa, sim, comprovadamente muito, mas muito mais rica. O Estado do Maranhão, feudo de sua família há décadas, está cada vez mais pobre, atrasado e sofrido.

Ronaldo Gomes Ferraz ronferraz@globo.com

Rio de Janeiro

 

*

O HOMEM APARECEU

Finalmente o tagarela ministro da Justiça reapareceu depois de dias de crise na Segurança Pública no Maranhão. Fosse aquele Estado governado por algum não "alinhado", com certeza estaria ele falando pelos cotovelos em todos os meios de comunicação disponíveis. Foi lá a "mando" da sua chefe, mas, como de costume, vai ficar tudo como está, ou seja, sem solução.

 

Ademar Monteiro de Moraes ammoraes57@hotmail.com

São Paulo

 

*

DESGRAÇA

Enquanto o governo do Maranhão, sob o comando de Roseana Sarney, tenta licitar lagosta, camarão, salmão, caviar, champanhe e uísque, os presidiários estão matando e decapitando os próprios companheiros de cela e dando ordens para os amigos de fora do presídio incendiarem ônibus com pessoas dentro, não importando se são apenas crianças indefesas. Na economia, o dólar comercial vai subindo e está valendo R$ 2,401, a Bovespa vai caindo 1,79%, os dólares dos investidores vão deixando o País, etc. E, para completar a desgraça, Guido Mantega aparecerá sorridente perante os jornalistas informando que a inflação e o déficit comercial estão sob controle e a Copa do Mundo será um sucesso. Ai, ai, sei não, mas acho que isso não vai acabar bem. E aí, gigante, vamos acordar novamente?

 

Maria C. Del Bel Tunes carmen_tunes@yahoo.com.br

Americana

 

*

FUGA DE DÓLARES

Brasil registra saída de US$ 12 bilhões em 2013, o pior resultado apurado dos últimos 11 anos. Sem querer fazer alusões, mas coincidência ou não, desde que o PT-lulismo assumiu o "pudê" no País, né não?

 

Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

 

*

GUIDO MANTEGA

A evasão de divisas se completa num "bota-fora" do Mantega.

A.Fernandes standyball@hotmail.com

São Paulo

 

*

TERRA BRASILIS

Em 2008 o "tsunami" sacudiu o mundo, mas aqui não passava de mera marola, segundo o pajé mor. Cinco anos passados, todos os demais países estão se recuperando e muitos já se recuperaram da destruidora avalanche econômica então eclodida. A marolinha pindorama, no entanto, muito longe de acabar, a cada dia vem ocupando as manchetes da mídia, com mais e mais aterradoras notícias dos desastrosos estragos que vêm e continua assolando todos os gentios e não gentios da Terra Tupiniquim. Qual adernado navio naufragante na borrasca, no desespero estão maquiando, embuçando, manobrando e jogando tudo ao mar: as rodovias, o pré-sal, os aeroportos, os ativos da Petrobrás, as ferrovias, etc. Falta venderem o Acre à Bolívia ou a Amazônia aos missionários yankees. Enquanto isso, a "comandanta" assiste à procela com tranquilidade e verdes lentes nas brisas do litoral baiano.

 

Paulo Busko paulobusko@terra.com.br

São Paulo

 

*

TRANSPOSIÇÃOMONETÁRIA

Com o fechamento das comportas do FED, nos EUA, 2014 vai ser um ano de grande aridez econômica no Brasil.

Sergio S. de Oliveira ssoliveira@netsite.com.br

Monte santo de Minas (MG)

 

*

O BODE

Os sofríveis índices de crescimento do Brasil tangeram, aparentemente, o governo para o mundo real. Os prognósticos para este 2014 são, também aparentemente, razoáveis. Mas, se refletirmos bem, veremos que a economia americana, motor do mundo, ganha impulso, a Ásia mantém o nível de atividade e a economia européia também melhora. Aí tem um bode! O país vai crescer mais do que o governo declara - o governo sabe disso -, e isso vai ser vendido ao eleitorado como gestão competente.

 

Roberto Maciel rvms@oi.com.br

Salvador

 

*

O ALERTA DA STANDARD & POOR’S

O recado dado essa semana pelo diretor Joydeep Mukherji ("Estadão", 8/1, B1), responsável pela agência de classificação de risco de investimento econômico Standard & Poor's (S&P), sinalizando que pode rebaixar o rating soberano do Brasil em 2014, mesmo antes das eleições de outubro, serve de alerta à presidente Dilma Rousseff e ao ministro da Fazenda, Guido Mantega. Se em 2011, a presidente considerou precipitada a avaliação feita pela S&P que rebaixou nota de risco dos Estados Unido, diminuindo o grau de valorização de crédito naquele País, vale lembrar que dessa vez há pouco tempo para discursos eleitoreiros. Até porque, o diretor da S&P disse em alto e bom tom que não vão atar as mãos simplesmente porque em 2014 tem uma eleição geral no Brasil. Pelo contrário: para reforçar o recado, a agência Moody’s, ao lado da Fitch, também se manifestou e alertou para a importante aceleração da economia e para o possível crescimento da dívida, com as grandes chances de rebaixamento, caso a economia brasileira continue encontrando dificuldades em controlar os gastos públicos e não siga o ritmo previsto para este ano, com crescimento de 2% e um superávit das contas públicas (economia para pagar juros da dívida) de 2,1% do PIB. Cientes disto, que fiquem em alerta tanto a presidente Dilma como também o ministro Guido Mantega, que recentemente até tentou utilizar "meias-verdades" para afirmar com cara de alívio que o Brasil cumpriu a meta fiscal de 2013, já se antecipando e tentando ludibriar o futuro eleitor brasileiro com a falsa ideia de superávit e credibilidade. Dessa vez - alertou Joydeep Mukherji - não passa!

 

Emanuel Angelo Nascimento emanuellangelo@yahoo.com.br

São Paulo

 

*

ENDIVIDAMENTO

O superávit primário do Mantega parece com as dividas dos pequenos e médios agricultores. Enterrados em dívidas com o Banco do Brasil, graças aos escorchantes impostos e preços aquém dos custos de produção, estes pobres e heroicos cidadãos usam o recurso de rolarem suas dívidas através de novos financiamentos e a esperança de que um dia o governo vai mudar.

 

Ronald Martins da Cunha ronaldcunha@hotmail.com

Monte Santo de Minas (MG)

 

*

O MINISTRO DA FAZENDA

Diante deste governo do PT, ficará marcado pela história que um sr. de nome Guido Mantega arrasou a economia do Brasil.

 

Valdir Sayeg valdirsayeg@uol.com.br

São Paulo

 

*

COMEÇOU A FAZER ‘O DIABO’

Dilma Rousseff não falta com sua intenção e já começou a "fazer o diabo" 11 meses antes de a lei permitir fazer campanha eleitoral. Abriu uma brecha para afrouxar o controle de custos de obras públicas, antes vetada por ela, e dá aval a obras de entidades, inclusive ONGs, que também haviam sido vetadas. Fora do controle pelos órgãos competentes, está dada a largada para a gastança desenfreada. O que não se faz para permanecer no poder?

 

Leila E. Leitão

São Paulo

 

*

A MULTA DO MENSALÃO

É sabido que, da bolsa de R$ 10 mil dos médicos cubanos do programa Mais Médicos, R$ 8 mil são "enviados" a Cuba, sem que haja qualquer controle do que será feito com este montante. Como já são 5.400 estes profissionais, temos então R$ 43.200.000,00 por mês, o que dá para pagar a multa imposta pela Justiça a José Genoino, José Dirceu, Delúbio Soares e João Paulo Cunha (R$ 1.804.000,00, correspondendo apenas a menos de 5% do arrecadado mensalmente) e ainda sobram "muitos trocados".

 

Luiz Nusbaum lnusbaum@uol.com.br

São Paulo

 

*

VAQUINHA PARA AJUDAR GENOINO

Familiares e militantes do PT estão se movimentando para fazer uma vaquinha, ou "vacona", para arrecadar R$ 468 mil para que o ex- deputado federal José Genoino (PT-SP) possa pagar o desvio de dinheiro público do mensalão atribuído a ele. É inacreditável que, após exercer vários mandatos de deputado federal, com ótimos salários - o atual é de R$ 26 mil -, mais as verbas extras que a população nunca entendeu bem, esse senhor não conseguiu fazer uma poupança suficiente para enfrentar as dificuldades (custo dos trambiques) no futuro. Com a sua atual aposentadoria de R$ 23 mil, mais alimentação, alojamento e assistência médica gratuita na Papuda, o ex-deputado Genoino agora tem tudo para recuperar o terreno perdido, fazer uma ótima poupança e, assim, se livrar de um eventual e famigerado empréstimo consignado. Que dó que dá!

 

Edgard Gobbi edgardgobbi@gmail.com

Campinas

 

*

REPARAÇÃO

Há uma preocupação por parte das famílias e dos partidos dos mensaleiros com a aparentemente elevada multa que eles devem pagar. Afinal, não há motivos para preocupação, pois o que a justiça quer é que eles devolvam uma parte - ínfima - do que roubaram, mais para satisfazer à sociedade, que ficou chocada com a ousadia desses larápios.

 

Fabio Figueiredo fafig3@terra.com.br

São Paulo

 

*

AS DÍVIDAS DE GENOINO

Que tal a família de Genoino solicitar que o partido ou seu chefe, Lula, que hoje é milionário, arquem com as burrices e imoralidades do cara, que, além de outras "virtudes", é um dedo-duro descarado de seus cumpanheiros? E é ao povo brasileiro que se pede para arcar com estultices de idiotas petistas?

 

Ariovaldo Batista arioba06@hotmail.com

São Bernardo do Campo

 

*

NA MOITA

Lula, o único beneficiado pelo mensalão, que pague a dívida do cumpanheiro Genoino. Aliás, Lula anda muito na moita ultimamente.

 

José Roberto Iglesias rzeiglesias@gmail.com

São Paulo

 

*

MAIS QUE PÃO E CIRCO

Se todos os políticos do PT que emergiu ao poder em 2003 ao lado de Lula estão presos por corrupção, por que o principal ainda está solto e falando asneiras? Será que nós, brasileiros, teremos de aguentar esse partido no poder até que a morte nos separe? Está mais que na hora de os brasileiros pensarem que não são só pão e circo (Bolsa Família e Copa do Mundo) que fazem um país ir para a frente. Espero que neste ano de 2014 os brasileiros saibam votar.

 

Orélio Andreazzi orelio@andreazzi.com.br

Suzano

 

*

BOM PARA TODOS

Que tal, para pagar a dívida com a Justiça, os mensaleiros usarem o "crédito consignado"? Será "bom prá todos!".

Tania Tavares taniatma@hotmail.com

São Paulo

 

*

CHEQUINHO

Os cumpanheiros do PT vão fazer uma vaquinha para ajudar o Genoino a pagar o valor cobrado pelo STF, mas não precisa, é só avisar o Lula, o surdo, que ele cobre isso sozinho. Afinal de contas, de acordo com a revista "Forbes", ele é o 15.º brasileiro mais rico, então é só fazer o chequinho.

 

Mustafa Baruki mustafa-baruki@bol.com.br

São Paulo

 

*

CRIME EM COPACABANA

O número de furtos quase dobrou no bairro de Copacabana, no Rio de Janeiro, em 2013. Cresceu absurdos 92%, revelando o fracasso e a incompetência da política de segurança pública do governador Sérgio Cabral e do prefeito Eduardo Paes, ambos do PMDB/RJ. Copacabana é um dos cartões postais do Brasil e uma das praias mais belas e famosas do mundo. Merece ser bem cuidada, tratada e protegida, tanto para os cariocas e moradores do bairro como também para os milhares de turistas do Brasil e do exterior que a visitam todos os anos para desfrutar do seu charme e da sua beleza. O mínimo que se espera é que as autoridades competentes assumam a sua responsabilidade e cuidem melhor da nossa eterna Princesinha do Mar, que hoje se tornou paraíso dos ladrões.

Renato Khair renatokhair@uol.com.br

São Paulo

 

*

POBRE CIDADE MARAVILHOSA

A cidade que um dia foi chamada de maravilhosa está às moscas e sediará jogos na Copa do Mundo. Todo dinheiro enviado ao Rio de Janeiro sob o comando do governador Sergio Cabral (PMDB-RJ) parece estar servindo à corrupção. Não é tolerável que a mais bela cidade do Brasil possa estar tão degradada. Os turistas, onde quer que estejam, sofrem as consequências da péssima gestão. Passeios são interrompidos por falta de investimento, aeroportos mal administrados, dando conta de que a Infraero só acolheu sob seu guarda-chuva incompetentes, mas aliados do governo. Em nenhum lugar a que se vá há segurança, até estacionamento de hospital é palco de assaltos, sem contar o despreparo da polícia no triste episodio do réveillon. E para que funcionar bem? Por acaso o cidadão é levado em conta quando precisa usar os serviços na cidade? O cidadão de forma em geral só é lembrado pelos políticos em ano eleitoral, e no Rio de Janeiro não tem sido diferente.

 

Izabel Avallone izabelavallone@gmail.com

São Paulo

 

*

VANDALISMO

O suspeito de pichar a estátua de Carlos Drummond de Andrade, em Copacabana, se apresentou à polícia. Pablo Lucas Farias prestou depoimento e foi liberado após assinar um termo circunstanciado. Ele pediu desculpas e disse que apenas queria impressionar a namorada. Pablo é de Minas Gerais, mas mora na Taquara, em Jacarepaguá, zona oeste do Rio. Esse espantalho de gente deveria ter se jogado do Cristo Redentor ou do Pão de Açúcar, aí ele ia não só impressionar a ridícula namorada, como todo o País. O que um lixo desses tem na cabeça? É isso mesmo que todos pensaram? Lamentável.

 

Asdrubal Gobenati asdrubal.gobenati@bol.com.br

Rio de Janeiro

 

*

UM PAÍS ADOECIDO

Vândalos depredam 21 túmulos no Cemitério do Araçá, em São Paulo, com danos irrecuperáveis às belas esculturas de túmulos antigos, além da destruição da capela construída em 1887, com porta arrombada, imagem de Nossa Senhora e o altar de mármore quebrados. Eram cerca de 30 pessoas vestidas com roupas pretas. No Maranhão, presos filmam decapitados numa cena macabra. Lá, no mesmo Maranhão, a menina gritava antes de ser queimada viva, pedindo que os criminosos não jogassem combustível no ônibus em que estava. Parece estarmos falando de um filme de terror. Mas não! É pura realidade e essas cenas macabras estão acontecendo neste país, aqui e agora. Qual o significado de tanta crueldade e destrutividade? Nenhum político se aventura a questionar? Nenhum intelectual se manifesta? Por que não se menciona que a questão tem que ver com a deterioração dos valores morais e éticos que está a provocar uma deterioração no comportamento social de grupos que expressam sua revolta contra uma sociedade incapaz de dar respostas satisfatórias às questões que mais os afetam desde sempre, mas que não sabem mais protestar de forma saudável? Nosso país está dolorosamente adoecido. Mas as soluções não virão de respostas ideologizadas e fáceis, e sim de práticas saneadoras que consigam fazer uma assepsia nesta ferida ética e moral que está a comprometer de forma avassaladora o ambiente nacional. Faltam-nos bons exemplos, faltam lideranças nas quais se espelhar, servindo de norte. E, de tanto descaso e concepções equivocadas acerca de tudo, sobretudo no que diz respeito ao "politicamente correto", o Brasil acabou sem referências e, desta forma, adoeceu. Ou restabelecemos limites e a ordem ou viver neste país se tornará cada dia mais perigoso e sofrido. E ninguém será poupado das consequências, sejam ricos, remediados ou pobres.

Eliana França Leme efleme@terra.com.br

São Paulo

 

*

SEM SEGURANÇA

Quem já teve oportunidade de visitar o Cemitério do Araçá, em São Paulo, sabe muito bem que não existe segurança no local. Os vândalos que depredaram as estátuas não precisaram elaborar nenhuma logística especial para invadir e permanecer no cemitério o tempo que quiseram. Países que preservam sua cultura dão atenção particular aos cemitérios históricos, o que inclui preservação, segurança e estímulo a visitação turística. O poder público praticamente abandonou o Araçá e o vandalismo que se viu é consequência natural desta negligência.

 

Luciano Harary lharary@hotmail.com

São Paulo

 

*

OFENSA

A invasão de vândalos no Cemitério do Araçá, noticiada pela mídia, depredando e roubando os túmulos, lembra um filme de terror e ofende as famílias dos que ali jazem, entre eles paulistas ilustres que nos deixaram uma cidade segura e próspera. Esses, sim, protestariam, caso pudessem falar.

Arsonval Mazzucco Muniz arsonval.muniz@superig.com.br

São Paulo

 

*

GCM

A Guarda Civil Metropolitana (GCM) de Fernando Haddad não presta nem para manter ordem em cemitério.

 

Roberto Twiaschor rtwiaschor@uol.com.br

São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.