Fórum dos Leitores

PMDB x PT

O Estado de S.Paulo

14 Março 2014 | 02h04

O motim do 'bocão'

Tristes tempos, valores que perderam valor. Comemora-se a derrota do governo federal em disputa para favorecer eleições. Por um lado, a máquina federal que nos dirige exige obediência de conduta do Congresso Nacional como condição para distribuir cestas promocionais de sufrágios. Por outro, homens ocupando respeitáveis cargos no Legislativo da República rebelam-se contra o critério de distribuição dessas cestas e agem, como represália, fazendo o que deveriam fazer obrigatória e rotineiramente. "Derrotaram" o governo aprovando uma obrigatória e constitucional verificação administrativa de ações da esfera dirigente do País. Fiscalizar os atos do Executivo não pode ser moeda de troca eleitoral, é princípio constitucional, portanto, inegociável, necessário, obrigatório. É a salvaguarda da sociedade. Por aí se vê que o L de blocão é apenas um adereço fantasioso usado para camuflar o verdadeiro sentido deste grupo de congressistas, o bocão.

RENATO L. M. NUNES

renatonunesarq@terra.com.br

Ubatuba

Farsa

Simplesmente indecente essa de o PMDB tentar mostrar-se contra Dilma Rousseff. Claro que não passa de uma farsa que vai acabar com o partido dizendo amém ao Planalto em troca de alguns ministérios. Essa classe política continua nos tratando como retardados. Até quando vamos aguentar isso?

CONRADO DE PAULO

conrado.paulo@uol.com.br

Bragança Paulista

Orgia parasitária

O Partido dos Trambiqueiros merece o Partido do Mais Dinheiro no Bolso, assim como os 80% de brasileiros alienados merecem os dois. Pena que nesse abraço os 20% de cidadãos conscientes tenham de sofrer as consequências e sentir o cheiro putrefato dessa orgia parasitária.

RENATO OTTO ORTLEPP

renatotto@hotmail.com

São Paulo

Revoltosos de araque

O vice-presidente Michel Temer concorda antecipadamente com a decisão que o PMDB tomará, se continua ou não fazendo parte da base aliada, porque já sabe antecipadamente que o partido vai, sim, continuar nela. Já está tudo acertado e assim o vice fica bem com os revoltosos do seu partido. E aos revoltosos do PMDB só resta o "me engana que eu gosto, Michel Temer".

JOSÉ PIACSEK NETO

bubanetopiacasek@gmail.com

Avanhandava

Política mafiosa

As últimas votações do "blocão dos aliados" não visam o interesse da Nação (como é habitual na política brasileira), mas as benesses que o pmdb quer arrancar do pt. E a conta vai para o povo. A política protagonizada pelos políticos em quem votamos está podre, mas não é possível escolher os bons porque não os há - partidos são como máfias, só têm mafiosos. É preciso acabar com a política atual e copiar o sistema de países do Primeiro Mundo onde só há dois partidos, de situação e oposição, e a ética impera, pois as penas para os desonestos são enormes e não há embargos infringentes nem a demora da Justiça brasileira. Ah, e educar os eleitores, só permitindo voto de quem terminou o curso primário. Obs.: as minúsculas em partidos não foram erro de digitação.

MÁRIO ALVES DENTE

dente28@gmail.com

São Paulo

BOLSONARISMO

Reféns do medo

Concordo com algumas partes do artigo Reféns do bolsonarismo (13/3, A2), do dr. Conrado Hübner Mendes. Todavia creio que, ao juntar algumas frases do deputado Jair Bolsonaro e criticá-lo diretamente no título e ao longo do texto, ele demonstra como "é surdo a outros pontos de vista e alérgico ao debate. Não argumenta, agride", conforme afirma no próprio artigo. Ao agir dessa forma, tenta incitar os leitores contra o deputado ao gerar um pré-conceito com base em poucas frases do parlamentar - que, por ser militar, é extremamente rígido e fã de disciplina, o que justifica algumas frases consideradas "primitivas" pelo autor. Creio que o texto deveria dizer como somos reféns do medo. O medo de sair de casa, o medo de sermos todos "não minorias" caracterizados como "opressores", o medo de dizer o que pensamos, o medo de que juntem algumas palavras do que dizemos e as citem em algum texto entre aspas como se fôssemos monstros. O medo do Estado, que há muito tempo não mais protege o cidadão e cuida de seus próprios interesses. O bolsonarismo, como afirma o autor, prega o fim desse medo. Convido o dr. Conrado a que saia desse mundo repleto de doutores que o cercam, ande a pé na rua, de ônibus, no metrô, e veja o mundo lá fora.

RAFAEL F. DE FREITAS BALDASSO

rafaelffbaldasso@hotmail.com

Dourados (MS)

O que gostamos

Caros amigos de O Estado de S. Paulo, jornal que faz parte das minhas leituras matinais desde os 14 anos: nunca reclamei do jornal e jamais enviei uma opinião, mas agora não resisti. Li o artigo sobre o modo Bolsonaro de ser, em referência clara à forma de governo proposta pelo deputado Jair Bolsonaro. A ideia de Bolsonaro é a de um governo em que os valores morais sejam colocados na medida certa, e não invertidos, como hoje estão; é o que os trabalhadores, pais de família, batalhadores, mães, mulheres lutadoras, juventude realista - não a que vive a utopia de um sonho comunista, que jamais fez e nunca fará bem a país algum -, os católicos, os evangélicos, os muçulmanos, os praticantes de religiões afro-originárias e até muitos ateus, como eu, não aguentam mais ver: bandidos safados sendo libertos, os professores sendo desmoralizados, políticos com cargos de alta importância, quando considerados culpados por um crime que é óbvio que ocorreu, tornarem-se mártires por meio de uma ideologia alienatória, cuja intenção é fazer o povo continuar a ser burro. Quantos brasileiros defendem penas duras para bandidos! Outros tantos defendem até a pena de morte. O homossexual deve ser tratado com respeito e dignidade, garantindo-lhe todo e qualquer benefício que é dado aos héteros, porém essa prática não deve ser tratada como uma coisa bonita e normal. Não é o normal. É respeitável, mas não é normal, não é o comum, não deve ser tratado como algo comum. O crime de homofobia garante certos direitos a homossexuais, um exemplo disso é o caso de um patrão que tem de demitir um empregado não por ele ser homossexual, mas por ser incompetente: o patrão encontrará grande dificuldade e o homossexual terá certa estabilidade no emprego. Façam uma pesquisa, uma enquete no site de vocês, sobre quantas pessoas aceitam as propostas de governo de Bolsonaro, especificando claramente quais são elas. Se nessa enquete a maioria votar contra, aí, sim, podem permitir a um "professor da USP" escrever um artigo criticando o "bolsonarismo".

ERICK VITOR E SILVA

sdericksilva@gmail.com

Taubaté

*

CHANTAGEM

Nova derrota na Câmara dos Deputados. Comissões aprovaram pedidos de esclarecimentos de dez ministros e da presidente da Petrobrás, Graça Foster, sobre suposto esquema de pagamento de propina a funcionários da Petrobrás. Isso irritou a presidente Dilma Rousseff, que até usou de sarcasmo ao comentar sobre o assunto. "Esse partido (PMDB) só me dá alegrias." Não se pode fazer "biquinho" nem usar de ironia num caso sério, de interesse público, como se vislumbra ser este. Onde estão as políticas de transparência e combate à corrupção espalhadas aos quatro ventos por Vossa Excelência? E mais, os rebelados só impuseram mais esta derrota ao governo porque viram a possibilidade de perderem o "cabidão de empregos". Se não tivesse havido resistência no toma lá, dá cá, tão contumaz neste governo, com certeza mais uma sujeirada teria sido atirada para debaixo do capacho. Portanto, todo cuidado é pouco com esse lampejo de honestidade. Segundo o líder da rebelião, deputado Eduardo Cunha (PMDB), "não existe nada irreversível", apoiado por um parlamentar do DEM que completou: "Política é momento".

Sérgio Dafré

sergio_dafre@hotmail.com

Jundiaí

*

A REVOLTA DO PMDB

Alegria de pobre dura pouco.

Roberto Twiaschor

rtwiaschor@uol.com.br

São Paulo

*

RECALL

Essa convocação de ministros para depor (digo, falar) na Câmara sobre os malfeitos da Petrobrás é como recall de concessionárias de automóveis: as empresas causam um tremendo "auê" para trocar uma pecinha que não vale nada quando o intuito é divulgar que a empresa é ética, proba e preocupada com a segurança de seus clientes. No caso do Congresso, os deputados dissidentes do PMDB aproveitaram a insatisfação geral da politicalha com o desgoverno de dona Dilma para aprovar a convocação de ministros de Estado, auxiliados por uma grande quantidade de deputados de partidos de oposição, que por sua vez aproveitam a situação para impressionar eleitores desavisados de que de repente passaram a se preocupar com os desvios nas estatais. Todo mundo sabe que o intuito verdadeiro do maior partido aliado do governo é pressionar a fraca presidente e sua equipe, para conseguir mais uma fonte de renda para o partido, que, no caso, é um novo ministério na pseudoreforma ministerial em curso.

Victor Germano Pereira

victorgermano@uol.com.br

São Paulo

*

PMDB SEM MORAL

Qual a derrota que o PMDB impôs ao governo? A comissão que irá à Holanda para investigar a Petrobrás não tem poder de CPI, não pode convocar ninguém para depor nem quebrar sigilo bancário. Vai apenas desgastar o governo e deixar o nome da Petrobrás na berlinda. Uma bela pizza, com parlamentares viajando, fazendo tour para apurar nada. Por isso dona Dilma disse que o PMDB "só dá alegrias". Os grandes se engalfinham por cargos e verbas, o povo paga a conta e coloca o nariz de palhaço. Um partido que se sujeita a ser refém do governo federal e não tem no seu quadro um parlamentar para ser candidato a presidente do Brasil tem moral para quê? Brasil, um país de tolos!

Izabel Avallone

izabelavallone@gmail.com

São Paulo

*

TIRO PELA CULATRA

As propostas de convocação de ministros do atual governo para comparecerem à Câmara foram saudadas como uma grande vitória contra o governo da presidente Dilma pelos integrantes do "blocão", somados aos oposicionistas. Este acontecimento pode ser considerado como um fato lamentável. Afinal de contas, qualquer integrante dos Poderes Executivos devem se colocar na obrigação de prestar contas do que fazem. E entre as tarefas dos Legislativos estão a fiscalização e o controle dessas atividades. Será que esse grupo não percebe que pode ser identificado como chantagista, defendendo interesses pessoais, e mais, vendo diminuir o seu conceito junto a opinião pública? A conclusão é de que certas "composições eleitoreiras" exigem uma avaliação maior.

Uriel Villas Boas

urielvillasboas@yahoo.com.br

Santos

*

PARTIDO VIRA-LATA

O PMDB, nesta "revolta" contra a presidente Criatura, lembra aquele cachorro vira-latas que fica o tempo todo enchendo o saco do dono até tomar um pontapé e sair ganindo, mas basta jogar-lhe um ossinho para vir todo lampeiro, babando na coleira. Esse comportamento não é só do PMDB, mas de todos os partidos brasileiros.

Laércio Zanini

arsene@uol.com.br

Garça

*

QUANDO O PÃO É ESCASSO

Os políticos estão com saudades de Lula. É lógico! Lula pagava todos muito bem. Usava a farta moeda disponível na época: os cargos nos ministérios. Lula chegou a criar quase 40 e sabia se comunicar, mas com Dilma o quadro mudou. Não é possível criar mais ministérios porque chegou-se ao limite máximo de suporte da máquina governamental. Acrescenta-se a este fato o problema do português da presidente, que não consegue explicar as limitações de seu governo. Ela pretende falar com português culto, mas se atrapalha e não consegue usar sujeito, verbo e predicado em suas frases. Ou seja, "em casa que falta pão todo mundo briga e ninguém tem razão".

Mário Negrão Borgonovi

marionegrao.borgonovi@gmail.com

Rio de Janeiro

*

BLOCÃO

Ainda no espírito do carnaval, o "blocão" da situação desfilou na avenida central de Brasília cantando a pleno pulmão o enredo "Ô, mamãe Dilma, eu quero mamar!". É forte candidato ao título de campeão neste ano de eleição.

J. S. Decol

decoljs@globo.com

São Paulo

*

ESCORA DO PT

Já era esperado que o PMDB, maior partido do Brasil, abrisse seus olhos e deixasse de servir de escora do Partido dos Trabalhadores. Já prestes a completar 12 anos nas garras de um governo sem grandes feitos - ou melhor, teve alguns feitos que a sociedade brasileira jamais esquecerá, como é o caso do mensalão, o estrangulamento do Plano Real, o afundamento da Petrobrás, muito dinheiro público jogado em obras que nunca terminam, baixa qualidade dos serviços públicos sociais e tantos outros desacertos -, a agremiação do saudoso Ulysses Guimarães está saindo do estado de hipnose. Por favor, PMDB, dê esse presente a milhões de brasileiros que desejam um país próspero. É preciso pensar grande.

Jeovah Ferreira

jeovahbf@yahoo.com.br

Taquari (DF)

*

PMDB X PT

A questão é uma queda de braços entre dois partidões da corrupção e bandalheira para ver quem fica com a parte do leão do que roubam. É a Constituição de 1988 na prática, uma guerrinha política entre comunistas e coronelistas. E o País que se lixe.

Ariovaldo Batista

arioba06@hotmail.com

São Bernardo do Campo

*

O VICE

A declaração do vice-presidente, Michel Temer (PMDB), de que "acatará decisão do partido" se ela for contra o apoio à reeleição de Dilma Rousseff à Presidência da República, é uma declaração tirada a fórceps, a pinça do corpo do PMDB. É como dizia o grande escritor Eça de Queirós: "Em coisa de dignidade sou uma fera! Rachava-o!". No caso, o cargo de vice.

Antonio Brandileone

abrandileone@uol.com.br

Assis

*

O LADO MAIS FORTE

O vice-presidente, Michel Temer, como sempre, fica em cima do muro, para com isso manter sua posição no governo e sua ligação com seu partido, o PMDB, ou seja, garantir suas boquinhas. Não tenham dúvidas de que tenderá para o lado mais forte, não é?

Angelo Tonelli

angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

*

OS ATAQUES EM CAMPANHA

Os marqueteiros sempre foram contrários a ataques em campanha. José Serra assim procedeu, elogiando até Lula, mas perdeu. Agora, temos Eduardo Campos (PSB-PE), governador de Pernambuco e candidato à Presidência, a atacar diretamente a atual presidenta, dizendo que o País não aguentará mais quatro anos de Dilma Rousseff. É de entender que o candidato assim falou porque vai apresentar um programa de governo mais pormenorizado, e não em termos genéricos, como ocorrido até agora. Entretanto, está ele com a razão, porque o País não suportará mais um mandato nos moldes em que o Planalto está conduzindo o País, expondo-o a incertezas para os investidores e no aspecto da segurança pública. Na verdade, atualmente, o lema positivista de nossa bandeira está sendo trocado por desordem e regresso, porque o País não cresce, as greves perturbam diuturnamente a Nação e a baderna se generaliza, impondo medo em todas as classes ou categorias sociais. Mais quatro anos assim o País suportará?

José C. de Carvalho Carneiro

carneirojc@ig.com.br

Rio Claro

*

EDUARDO CAMPOS EM CAMPANHA

Eduardo Campos, governador de Pernambuco e candidato à Presidência da República na próxima eleição pelo PSB, em campanha, saiu criticando Dilma Rousseff e Fernando Henrique Cardoso. Será que ele espera conquistar a simpatia dos eleitores elogiando Lula e criticando FHC, o pai do Plano Real? O meu voto já perdeu.

Maria Carmen Del Bel Tunes

carmen_tunes@yahoo.com.br

Americana

*

VOLTA FHC

Será que não está na hora de o presidente Fernando Henrique Cardoso mostrar o seu amor pela Pátria e o respeito pela cidadania, lançando-se candidato à Presidência da República?

Sergio Luiz Pannunzio

sergio@pannunzioadvogados.com.br

São Paulo

*

O CUSTO DA NOSSA ENERGIA

O ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, disse que, se tiver de aumentar a segurança energética, será necessário alguém "pagar por isso". Como perguntar não é ofensa, ministro, será que o preço que a sociedade brasileira paga para consumir energia não seria suficiente para modernizar o sistema elétrico em nosso país?

Virgílio Melhado Passoni

mmpassoni@gmail.com

Jandaia do Sul (PR)

*

R$ 32 BILHÕES PELO RALO

O uso da demagogia leva à irracionalidade qualquer cidadão! E essa prática nas mãos dos políticos, e na estatura de um alto cargo de presidente da República, propicia pela utilização desse recurso populista um total desastre. E é o que acontece com a gestão Dilma, que, perdida na condução da política econômica e despencando nas pesquisas de opinião, calculou que, se reduzisse de forma autoritária, como fez, o custo de energia elétrica para empresas e consumidores residenciais, resolveria o problema da Nação e da sua decadente imagem. Como se previa, deu tudo errado. Passado um ano dessa ação inconsequente do petismo, além de enfraquecer os resultados financeiros da Eletrobrás e das produtoras e distribuidoras de energia elétrica, desestruturando completamente o setor, seu relapso governo foi obrigado a assumir uma despesa de R$ 32 bilhões em apenas um ano para cobrir rombos na área. Dilma não diminuiu e tampouco conteve a inflação, como ingenuamente imaginava, os investidores perderam a confiança no governo federal, o setor dos mais importantes para o desenvolvimento do País se desfigurou e o PIB caminha à altura desta gestão petista, ou seja, uma mediocridade. Se tivesse competência, não teria jamais utilizado essa medida demagoga. Com esses R$ 32 bilhões jogados pelo ralo, poderia ter sinalizado um superávit primário mais consistente e o povo nem iria perceber a falta deste pífio desconto na conta de luz, que em média para residências não chega a 2 kg de acém por mês. Mas o governo ganharia credibilidade, teria respaldo dos investidores para tocar obras de infraestrutura e reduzir a galopante inflação, o que para o bolso do consumidor final seria mais substancioso do que este desastroso desconto no preço da energia elétrica. E ainda teria apoio maciço da sociedade e compreensão do mercado para redução dos juros, deixando a taxa básica Selic comportada nos 7,25% ao ano, como esteve até início de abril de 2013. E esse desastre causado pela afoita e irracional decisão do governo reduzindo o preço da energia elétrica, entre outras ações equivocadas macroeconômicas, exigiu do Banco Central pronta aceleração do aumento da taxa Selic, que agora está em 10,75%, a mais alta do mundo! E penaliza as contas do governo, porque essa diferença de 3,5% a mais na Selic nestes últimos 11 meses está acarretando uma despesa monumental de R$ 109 bilhões como pagamento de juros sobre a dívida pública. Ou seja, três vezes mais do que os R$ 32 bilhões que este governo petista joga no lixo, ou na conta dos contribuintes. Realmente, essa administração federal é um emaranhado de decisões insanas.

Paulo Panossian

paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

*

ENERGIA CARA

Custo da energia gerada pelas usinas térmicas supera o orçamento das "bolsas sociais" e a importação de diesel provoca déficit na balança comercial! Parabéns aos ideólogos do atraso, que conseguiram parar a expansão das hidrelétricas, a energia mais limpa e barata de se produzir. Os governantes se acovardam, a população paga a conta.

Sonia Maria Benfatti Resstel

sbresstel@gmail.com

São José do Rio Preto

*

NUCLEARES

Agora o Brasil usa usinas termoelétricas. Lembro que, na década de 1970, "eles" diziam que as usinas nucleares ficariam entre as duas maiores cidades do Brasil para facilitar a distribuição. Falava-se muito em superfaturamento, corrupção, risco. Mas as usinas não deveriam estar produzindo muita energia elétrica. Por que nunca se fala nelas, e sim nas caras usinas termo? Alguém poderia explicar? Algum cientista, não um político, por favor.

Tomas Fischer

tomas@leiame.com.br

São Paulo

*

FALTA D’ÁGUA

Todo ano ouvimos que devemos economizar água, pois, com a falta de chuva, os reservatórios estão no limite mínimo, o sistema Cantareira continua em queda e atingiu mais um recorde de baixa dos últimos 40 anos, alcançando agora 15,8% de sua capacidade total, menor nível registrado desde o início da operação do sistema, nos anos 1970. E, se não chover com fartura nas próximas semanas, haverá falta d’água. Os reservatórios existentes foram previstos décadas atrás. Hoje, com mais do que o triplo da população, o consumo também triplicou. E, se não chover como se espera nos próximos dias, como fica? Quando o poder público amplia a rede distribuidora, não há preocupação se existe água no reservatório que permite a ampliação. É certo que toda a população tem direito a saneamento básico, no que estamos realmente atrasados no País. Já está na hora de tomar providências mais concretas, fazendo adutoras que tragam água de rios com capacidade para abastecer anos à frente a demanda, obra realmente para o futuro. Li uma reportagem que diz que na Argélia foi construído um túnel de 18 km sob montanha de pedra, do tamanho da pista da Rodovia dos Imigrantes, para abastecimento de água, isso mais de dez anos atrás. Essas obras são demoradas, não é para um só governo de quatro anos. Por isso ninguém a começa, para não dar prazer ao inimigo de inaugurar, nem os tucanos, que já governam São Paulo há 20 anos. Por volta de 1950, faltava energia elétrica e a única usina geradora era a Henry Borden, em Cubatão. Então um candidato ao governo de São Paulo propunha bombear a água de volta ao planalto para produzir energia. Esqueceram de contar a ele que havia consumo do dobro da energia produzida, pois o que desce não sobe com a mesma facilidade. Com o problema que foi criado pela falta de chuva, temos de pensar realmente, sem ideias eleitoreiras dos opositores. As chuvas, quando vêm, não são direcionadas para as represas, mas, sim, para as casas dos que infelizmente sofrem com elas, inundando e destruindo o que lhes é difícil conseguir. Até quando teremos de economizar água sem que seja feito algo em definitivo pelos nossos governantes incompetentes?

Turíbio Liberatto

turibioliberatto@hotmail.com

São Caetano do Sul

*

EMPRÉSTIMOS SECRETOS

Muito se tem cobrado da oposição para que seja mais incisiva, forte e eficiente. Tenho sempre feito isso, pois a divulgação dos absurdos que temos visto no nosso país deveria ser muito maior, muito mais visível, para que todos os brasileiros possam estar cientes do que realmente acontece no País, fora do âmbito das propagandas enganosas do governo federal e dos discursos nem sempre verdadeiros de quem está no poder. Sabe-se, por exemplo, que o excelente senador Álvaro Dias (PSDB-PR) propôs mandato de segurança para que sejam divulgados os dados sobre os empréstimos do BNDES para os governos de Cuba, Angola e de outros países africanos. São empréstimos enormes, talvez um escândalo maior que o mensalão caracterizando grande lavagem de dinheiro, e nada deles se pode saber, pois o governo os caracterizou como "secretos". Sabe-se que o ex-presidente Lula negociou com estes países e empreiteiras valores que estão sendo escondidos da população. Não dizem nem explicam por quê. O senador tucano pede acesso à informação baseado na Lei n.º 12.527 de 2011. Álvaro pediu ao Supremo Tribunal Federal (STF) que faça valer o direito do acesso parlamentar às informações dos atos de governo e que a recusa se caracterizará ato atentatório à moralidade e à transparência pública. O que se espera é que o STF não negue o pedido, pois, se o fizer, podemos nos considerar um país semelhante aos que não são democráticos, pois os tribunais não podem ser cooptados pelos governos. Afinal, esses empréstimos foram feitos com dinheiro público, que não pertence a um governo ou a um partido. Parabéns a Álvaro Dias pela sua insistência em ser oposição no Brasil de hoje.

Maria Tereza Murray

terezamurray@hotmail.com

São Paulo

*

A DESCONSTRUÇÃO DO MENSALÃO

E pelo visto, no final do julgamento da Ação Penal 470, tudo vai acabar em pizza. Agora é o ex-deputado João Paulo Cunha que deve ser absolvido da acusação de lavagem de dinheiro. Na visão do STF, lavagem de dinheiro só se caracteriza se houver flagrante de notas de real ou outra moeda secando num varal qualquer. Este é o país que queremos?

Panayotis Poulis

ppoulis46@gmail.com

Rio de Janeiro

*

O VELHO BRASIL, O NOVO STF

João Paulo Cunha inocentado pelo STF no julgamento do mensalão. Não duvido nada de que em pouco tempo todos serão inocentados e o povo brasileiro ainda pagará indenização aos mensaleiros. Só falta agora dizerem que Marcos Valério e corriola colocaram um berro na cabeça de todos eles para aceitarem a grana roubada dos cofres públicos. Falar o que depois dessa? Isso ainda faz parte do velho Brasil, cuja carcaça resiste em ser enterrada. Políticos usando do velho macete para enfiar as mãos no dinheiro público porque jamais responderão pelo roubo. Os R$ 100 milhões roubados no mensalão não representam nada para o novo "STF", que deve ter um objetivo muito maior. Deixaram de ser guardiões de nossa Constituição para servir ao PT. Pobre Brasil!

Beatriz Campos

beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

*

QUEM ACREDITA?

Com todo respeito, Lewandowski pode pedir a aposentadoria. Suas argumentações neste voto de lavagem de dinheiro são de uma mediocridade que ele indo embora não fará mais falta alguma ao STF. Confirmou que a mulher do ex-deputado foi pagar conta da operadora no caixa e, por consequência, sacou um cheque de que ele/ela também não sabia a procedência. Faz-me rir.

José Roberto Palma

palmapai@ig.com.br

São Paulo

*

DOIS PESOS

É flagrante a diferença entre as penas dos núcleos "político", "publicitário" e "financeiro" no caso do mensalão. Parece que os políticos, ingênuos e inocentes, foram atraídos por um grupo de malfeitores que "friamente" os conduziu pela senda do crime. Lavagem de dinheiro? Claro que não! Tudo deve estar declarado à Receita Federal!

Décio Antônio Damin

deciodamin@terra.com.br

São Paulo

*

TÁ LIMPO

Parabéns ao ex-deputado e hoje presidiário João Paulo Cunha (PT-SP). O STF finalmente decidiu, em grau terminativo, que o senhor é apenas corrupto e autor de peculato. Favor atualizar o seu currículo.

Claudio Juchem

cjuchem@gmail.com

São Paulo

*

MAIS UM

Graças à bancada instalada pelo PT dentro do STF, mais um larápio (João Paulo Cunha) se livra do regime prisional fechado. Isso é uma pouca vergonha. Cuidado com suas carteiras, há petistas à solta!

Boris Becker

borisbecker@uol.com.br

São Paulo

*

VERGONHA NA CARA

Uma pergunta está no ar: Quanto custam aos cofres do Brasil e do PT essas absolvições? Ou tomamos juízo e vergonha na cara na próxima eleição, ou seremos a mais nova Venezuela.

Clovis Jose Ribeiro Leal

cj.leal@uol.com.br

São Paulo

*

MENSALINHO

Pelo jeito, o processo do mensalão vai virar do mensalinho. O medo maior é o Supremo Tribunal Federal virar um Ínfimo Tribunal Federal. Sinal dos tempos...

Luiz Frid

luiz.frid@globomail.com

São Paulo

*

O CELULAR DE DIRCEU

Curioso, mesmo preso, José Dirceu continua sendo notícia. Massacram o ex-ministro porque teria usado celular dentro do presídio. Para os isentos por correspondência, trata-se de injustificável regalia. Um pecado mortal. Estranho, porque os mesmos setores não criticam presos poderosos a serviço do crime organizado que usam celulares à vontade dentro das penitenciárias, ordenando matanças, rebelião de presos, estimulando a venda de drogas e badernas nas manifestações de ruas e nos estádios de futebol.

Vicente Limongi Netto

limonginetto@hotmail.com

Brasília

*

O CAOS VENEZUELANO

Lamentavelmente, já são 26 os inocentes úteis que deram sua vida pelas ambições políticas de López e Caprilles na Venezuela. Terá consequências graves a derrubada de um presidente legitimamente eleito, pois a Venezuela não é o Paraguai. Os que colaboram para a criação de falta de produtos de primeira necessidade vão amargar sua contribuição para a desestabilização do Estado venezuelano. Com mais da metade da população apoiando o governo, dificilmente um golpe neoliberal resultará em pacificação.

Tibor Rabóczkay

trabocka@hotmail.com

São Paulo

*

PRESIDENTE DE COXIA

Provavelmente após ouvir mais uma vez a voz que vinha do além através de um gracioso passarinho, o presidente venezuelano, Nicolás Maduro, afirmou que passaria a tomar medidas drásticas contra todos os setores que estão atacando e matando o povo da Venezuela, fingindo ignorar o fato incontestável de que está enfrentando manifestações não de meros setores, mas de parcela ponderável da sociedade do seu país que anuncia para o mundo o fracasso da maneira bolivariana de governar e enganar. É evidente que, ao anunciar providências mais rigorosas que as que já mataram quase 30 cidadãos e atacaram aproximadamente 100 jornalistas, atropela todos os princípios democráticos que hipocritamente diz estar defendendo. O pior é que o nosso presidente de coxia protagoniza um vídeo no qual se solidariza com o ditador, em nome de objetivos entrelaçados com aquela "próspera" ilha do Caribe há mais de 50 anos feudalizada pelo clã dos Castro, e a misteriosa União das Nações Sul-Americanas (Unasul), instada a observar a situação, publica manifesto em que afirma que as demandas devem ser encaminhadas de forma pacífica, por meios democráticos, dentro do que preceitua o Estado de Direito, numa clara encenação em que finge passar ao largo da realidade. Uma ópera bufa com personagens e falas sem o menor significado e que servem somente aos objetivos particulares dos atores, sem o menor compromisso com o bem-estar do povo venezuelano.

Paulo Roberto Gotaç

prgotac@hotmail.com

Rio de Janeiro

*

MEDIAÇÃO

Na mediação da Unasul, todo e qualquer compromisso será "por escrito". Em papel higiênico, por garantia...

A.Fernandes

standyball@hotmail.com

São Paulo

*

MAU PRESSÁGIO

A Venezuela nacionalista bolivariana de hoje, legado de Hugo Chávez, amicíssimo do ex-presidente Lula, tem tudo para se tornar a Síria da América do Sul.

Luciano Harary

lharary@hotmail.com

São Paulo

*

PLANO SECRETO PETISTA

Um passarinho me contou que querem dividir a América do Sul em duas partes: zona oeste e zona leste. A primeira, sob influência do capitalismo judaico-cristão ocidental, representado pelo imperialismo norte-americano; e a segunda, sob a influência dos ideólogos petistas tupiniquins. Jogando com a estratégia da falsa afinidade bolivariana, petistas, sob o comando do senhor Marco Aurélio Garcia, assessor especial para Assuntos Internacionais da Presidência, estão levando seus "sócios" diretamente para o buraco. Argentina e Venezuela já eram. Cortar a luz do Paraguai não leva mais do que um minuto e dar calote no pagamento do gás fornecido pela Bolívia, nada além de 30 dias fora o mês. O Uruguai, recentemente entretido com baseados, não mereceu atenção, e as Guianas, alvo prioritário do imperialismo chinês, permanecerão imexíveis, por enquanto. Viva o Brasil hegemônico da zona leste! Viva o Corinthians!

Sergio S. de Oliveira

ssoliveira@netsite.com.br

Monte Santo de Minas (MG)

*

BUNDA-SUJA

O Brasil está se alinhando de forma cada vez mais clara ao bloco dos países bunda-suja, ou seja, a turma que faz racionamento de papel higiênico. Cada vez mais o Brasil dá as costas aos Estados Unidos e à União Europeia para cortejar Cuba, Venezuela, Irã, Coreia do Norte, enfim, as ditaduras de extrema esquerda, o que sobrou do falido e extinto comunismo. Essa visão tacanha, cega e recalcada dessa turma de terroristas aposentados que governa o Brasil não representa os anseios da maioria da população brasileira, que se identifica muito mais com a cultura democrática dos países livres. Resta saber se a oposição, que o ex-presidente Fernando Henrique diz que existe, saberá explicar ao povo brasileiro como é a vida na turma da bunda-suja, e veremos nas urnas se é isso que o Brasil realmente quer.

Mário Barilá Filho

mariobarila@yahoo.com.br

São Paulo

*

APODRECEU

Nicolás Maduro consegue ajuda financeira da China e da Rússia, trazendo na bagagem o comunismo. Pobre povo venezuelano, que teve Chávez e agora tem Maduro como presidente, um populista demagogo e incompetente que também conta com a ajuda de Cuba, Bolívia e Brasil. Vão todos para o mesmo buraco? Depende de nosso voto!

Luiz Ress Erdei

gzero@zipmail.com.br

Osasco

*

LIBERDADE DE IMPRENSA NA VENEZUELA

O movimento "Somos Todos Venezuela" é um fato auspicioso, destemido e muito bem-vindo. É uma iniciativa inédita, creio, de jornais da Associação de Editores de Diários e Meios Informativos, do grupo Periódicos Associados Latinoamericanos e do Grupo de Diários da América. Alguns jornais brasileiros, argentinos e colombianos reproduziram matérias de periódicos venezuelanos sobre a violência das milícias chavistas contra o povo de seu próprio país. A Sociedade Interamericana de Imprensa denunciou a violação do exercício jornalístico na Venezuela e a prisão de dezenas de jornalistas. Calar a voz da imprensa é atitude típica de países que desprezam a democracia e a liberdade de expressão. Enquanto isso, o chanceler de assuntos bolivarianos de Dilma Rousseff, Marco Aurélio "top top" Garcia, diz que a mídia exagera sobre a crise venezuelana. O Brasil segue firme em seu apoio ao esdrúxulo e patético socialismo do século 21 de Chávez e Maduro.

Leão Machado Neto

lneto@uol.com.br

São Paulo

*

GARIS E PROFESSORES

O reajuste dado aos garis do Rio de Janeiro (de 37%) abre um precedente que pode parecer sério para a administração municipal. Mas, segundo palavras do prefeito, divulgadas pela mídia, "mexendo aqui e ali no orçamento, tudo tem jeito". Danou-se. E deve explicar o que falou de forma mais clara. Ou os orçamentos estavam superinchados ou terão as propinas reduzidas. Em ambos os casos, é total falta de responsabilidade. Daqui para a frente as reivindicações virão uma atrás da outra. E com certeza todas serão justas. Por exemplo, médicos e professores, hoje, ganham menos que os garis. Continue, então, dando o seu jeitinho, prefeito. E isso vale para todos os municípios brasileiros.

Iria de Sá Dodde

iriadodde@hotmail.com

Rio de Janeiro

*

RELAXANDO

Carro do Ministério da Cultura usado pela ministra é flagrado em vaga de deficiente. Marta Suplicy sempre relaxando para gozar. Até em vaga proibida.

Nelson Pereira Bizerra

nepebizerra@Hotmail.com

São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.