Fórum dos Leitores

DILMA E A COPA

O Estado de S.Paulo

12 Junho 2014 | 02h05

Festival de chavões

O pronunciamento de Dilma Rousseff, em rede nacional, sobre o Mundial da Fifa foi um festival de chavões que nada ficou a dever às metáforas futebolísticas de seu mentor. "Treino é treino, jogo é jogo (...) os pessimistas já entram perdendo (...) uma Copa dura apenas um mês, os benefícios ficam" e platitudes do tipo foi o que tivemos de ouvir. "Os estádios estão aí prontos", disse sem corar, olvidando que a cobertura do Itaquerão - o palco de abertura do grande evento - só será completada após a Copa, mesmo dispondo os organizadores de sete anos para a construção da nova arena. Como político sempre tem de fazer promessas, Dilma não deixou por menos: prometeu "garantir" a liberdade de manifestação e coibir "excessos e radicalismos". Resta saber o que S. Exa. entende por excessos, já que o Código de Conduta no Estádio para a Copa do Mundo proíbe (!) que cidadãos ingressem nos jogos trajando roupas com "tema ideológico" ou que prejudique a "reputação do evento". Ora, desde quando a reputação de um evento, qualquer que seja, se sobrepõe à Constituição, que assegura a liberdade de pensamento no Brasil? Por fim, ao relativizar os gastos com a Copa, comparando-os com os havidos em saúde e educação (R$ 1,7 trilhão de 2010 a 2013), Dilma nada mais fez que corroborar a péssima impressão que a maioria - segundo o Ibope - já tem de um governo que gasta muito e produz pouco: um país que despende essa montanha de dinheiro em saúde e educação teria, necessariamente, de estar entre os dez mais nos rankings internacionais que avaliam a qualidade desses dois serviços. Como se sabe, seguimos pessimamente avaliados em ambos.

SILVIO NATAL

silvionatal49@gmail.com

São Paulo

Discurso x realidade

O discurso de Dilma foi eleitoreiro e demagogo. Teve a coragem de dizer que gastou mais de R$ 1 trilhão na educação e na saúde. Se gastou, queremos saber para onde foi esse dinheiro, porque a saúde no Brasil, que o Lula dizia ser "quase perfeita", está um caos. Idem a educação. Falou nas exportações como se nada de sério estivesse acontecendo. A realidade é bem outra, porque o País está como uma locomotiva subindo ladeira que, com a incompetência, perdeu potência e passou a escorregar para trás.

MIGUEL MOHALLEM

migmo2@yahoo.com.br

São Paulo

Pessimistas

Dilma chamar-nos de pessimistas é um insulto gratuito. Estamos indignados com a desfaçatez das declarações do governo, com a incompetência, com a falta de reformas, com a situação da educação - com aumento do analfabetismo - e da saúde, com a falta de segurança e com o aumento dos preços.

HARALD HELLMUTH

hhellmuth@uol.com.br

São Paulo

Dissonância

Lula e Dilma são bons atores. Encenam muito bem. Elevam o País ao Primeiro Mundo, e em pleno desenvolvimento, com crescimento pífio do PIB, demissões em massa nas montadoras, na construção civil, na indústria e no comércio. Usam a Copa para desviar a atenção dos brasileiros dos escândalos, da má administração, da malversação, dos desvios - compras de mensaleiros, CPI da Petrobrás, usina em parceria com a Venezuela, financiamento do porto cubano... Sobre os gastos com o megaevento do futebol dizem que haverá retorno. Mas o retorno maior seria em saúde, educação, habitação, empregos, segurança, e não esse "pão e circo" como na Roma antiga. Hoje o povo quer, além de torcer pela seleção, um País com economia estável gerando empregos e oportunidades.

NELSON SCATENA

nelson.scatena@hotmail.com

São José dos Campos

Colírio

Assisti ao pronunciamento da dona Dillma. Ouvi também o sr. Lulla falando das maravilhas do Brasil. Gostaria de saber em que farmácia eles compram o colírio que faz ter visão fantasiosa da situação do nosso país.

LUIZ F. DE ASSIS SALGADO

salgado@grupolsalgado.com.br

São Paulo

Abobrinhas

O mantra ufanístico surreal do legado (discurso de Dilma anteontem) é desmentido pela visão real do relegado.

A. FERNANDES

standyball@hotmail.com

São Paulo

Obra pronta

A única construção que foi projetada, executada e entregue no prazo foi a hospedagem da Alemanha. Por lá não passou Dilma, tampouco seus assessores.

HAROLDO EUSTAQUIO ROCHA

haroldoerocha@ig.com.br

São Paulo

Grande presidente

A mídia anuncia que a presidente vai, sim, ao jogo de abertura da Copa, mas não quer aparecer no telão nem ter seu nome mencionado. E não vai se pronunciar. Isso é um ato de covardia, tem medo de ser vaiada e repudiada, o que demonstraria que ela não tem os 38% de intenção de voto das pesquisas. E tudo o que o sr. Lula da Silva disse na TV na terça-feira é mentira!

CELSO DE CARVALHO MELLO

celsosaopauloadv@uol.com.br

São Paulo

Xô, vaias!

É temerária a integral e fiel transmissão sonora da abertura da Copa. Está terminantemente proibida pela Fifa a entrada de espectadores portando qualquer aparelho, mesmo de pequeno porte, que, com qualidade, possa captar imagens e som ambiente. O pente-fino na triagem tem por finalidade impedir que a exclusiva transmissão oficial espelhe manifestação do público com a aparição no telão, mesmo que momentânea, ou a fala de alguma figura política - tudo indica que é uma armação de caso pensado.

HUMBERTO SCHUWARTZ SOARES

hs-soares@uol.com.br

Vila Velha (ES)

CÂMARA MUNICIPAL

Os sem-convite

Os vereadores da cidade de São Paulo deixaram de votar um importante projeto - o Plano Diretor do Município - porque não foram agraciados com convites para os jogos da Copa do Mundo. Aos olhos dessas "autoridades", todos tinham tal "direito", uma vez que prevalece em nosso país a famosa carteirada.

MARCOS BARBOSA

micabarbosa@gmail.com

Casa Branca

Greve de vereadores?

Já temos os sem-teto, os sem-metrô, os sem-ônibus, os sem-comida, os sem nada. E agora também temos os sem-ingresso... Vai ter greve dos vereadores sem entrada para a Copa?

ARCANGELO SFORCIN FILHO

arcangelosforcin@gmail.com

São Paulo

*

A COPA DAS COPAS

Começa a Copa dita das Copas. O slogan seria perfeito e faria história se, quando de seu anúncio, tivesse o governo começado a tomar as providências para a sua realização, com honestidade, com competência, com ética e foco. Mas, não! Como legado, talvez único importante, fica um tanto a mais de consciência por parte dos brasileiros que, mais do que nunca, percebem que seu suado dinheiro transformado em altos impostos, em qualquer que seja a obra projetada ou evento, vai para o ralo ou para o bolso de políticos que estão pagando para ver até onde o povo aguenta com seus superfaturamentos e desvios de altos milhões que, somados, tornam-se altos bilhões. Entre obras inacabadas, dinheiro desperdiçado, incompetência escandalosa e promessas não cumpridas, que os estrangeiros que vêm nos visitar sejam bem-vindos e recebam o calor do povo do Brasil e levem ao menos essa boa impressão!

Myrian Macedo

myrian.macedo@uol.com.br

São Paulo

*

INÍCIO DA COPA

Muitas opiniões se manifestaram contra os inconvenientes da Copa, que bem poderia ter sido evitada ou provida por melhor acertamento do que o que se vê. Mas os dardos já foram lançados. Não há mais remédio. Já se disse o que havia de ser dito, à vasta e pelo transbordamento não só nos jornais, como os manifestos das ruas. No entanto, chegamos à abertura da Copa, e aqui bem cabe o jargão italiano: “accetare tutto quello qui non si può cambiare”, ou, o substitutivo de nosso folclore, “o que não tem remédio, remediado está”! E ponto final. Agora é o momento de darmos as mãos, unirmo-nos e irmanarmo-nos no uniforme que cobre a pátria: o verde e amarelo. “Cor unum et anima uma”, um só corpo numa só alma. Os convidados chegaram, o Brasil abre seu grande coração, e, já que não temos a invejada organização e previsão - como as que têm os outros povos - teremos uma grande e invejável pátria, um grande povo, uma alma vibrante. Nada a temer. Somos assim mesmo, e que vença o melhor!

Antonio Bonival Camargo

bonival@camargoecamargo.adv.br  

São Paulo

*

PÁTRIA AMADA

No ano do seu centenário, que a Seleção entre em campo com força total rumo ao hexa, honrando as cinco estrelas da “amarelinha”, a bola azul da bandeira nacional e a expectativa de sua apaixonada  torcida de 200 milhões de filhos deste solo mãe gentil, pátria amada, Brasil. Boa sorte!

J.S. Decol

decoljs@globo.com

São Paulo

*

MORDOMIA

Aquela figura rara do Sr. Lula da Silva deve ver o povo hoje como queria, andando a pé ou de jumento, com chuva para o Estádio do Morumbi. Ele, por sua vez, por força de benesses do seu ex-ministro da Justiça, petista, Tarso Genro, em 2006 obteve dois carros importados a sua disposição, mais 16 homens lhe assessorando com gasolina e alimentação pagos pelo governo federal (pelo contribuinte) - pimenta nos outros é refresco.

Celso de Carvalho Mello

celsosaopauloadv@uol.com.br

São Paulo

*

‘NÃO TEM JOGO FÁCIL’

É o que diz o Parreira (E1, 08/6, “Estadão”).  É também o que diz o Aloísio, na esquina da rua, em sua rodinha da padaria: “São onze contra onze”, todos preparados e treinados técnica, física e psicologicamente, com seus Neymares, pés de chumbo e morrinhas, acabou o timão e o timinho, a regra é simples, o jogo se ganha é no campo.  O Aloísio é bom de bola, desde seus tempos de jovem até hoje, já na casa dos 70.  Integra a rodinha da padaria, do futebol, do chope, do samba, do trabalho, da literatura.  Na rodinha que for, traduz a fala simples e ecoante do Parreira.  

Marden Braga

mardenbraga@bol.com.br

São Paulo

*

A Copa, como diria Lula e sua turma, como Pasadena, Abreu e Lima e outras grandes ações governamentais, parecia um bom negócio para o Brasil, nos seus albores. Mas vem sendo um grande vexame na sua execução, embora uma bela negociata para uns poucos privilegiados, ao seu final, quem quer que seja o campeão.

Paulo Roberto Santos

prsantos1952@bol.com.br

Niterói (RJ)

*

NA COPA

Muitos brasileiros se encontram divididos entre a emoção e a razão, que nesta Copa tem caminhos opostos. O lado da emoção é representado pela imensa paixão pelo futebol e em especial pela nossa seleção. A razão mostra que já perdemos a Copa fora dos campos e os nossos governantes, em caso de vitória dentro, vão utilizá-la para mostrar que o hexa compensou a incompetência de nos deixar basicamente como legado os estádios super faturados e construídos com muito dinheiro público, sendo alguns verdadeiros elefantes brancos.  Nesse sentido, ninguém pode ser condenado por ter a razão mais forte do que a emoção.

Abel Pires Rodrigues

ablrod@terra.com.br

Rio de Janeiro

*

Torcemos para que durante o megaevento da Copa do Mundo dê tudo certo e que nada de grave ocorra no Brasil. Faço votos para o Mundial ser um sucesso! Mas com incentivo da torcida e sorte, a gente chega lá!

José Ribamar Pinheiro Filho

pinheirinhosb@gmail.com

Brasília

*

PRONUNCIAMENTO DA PRESIDENTE

Acho que a presidente deve valorizar mais a saúde, educação, moradia a população pobre no País. Ela investiu mais de R$ 30 bilhões nas construções das arenas e Copa do Mundo, e o povo, como fica? Esse pronunciamento em cadeia nacional de rádio e TV no último dia 10, a população não engole isso. Muda, Brasil, e fora, Dilma Rousseff.

Manoel Limoeiro

manoeljs127773997@hotmail.com

Recife

*

Mais uma vez, a Sra. Dilma faz propaganda eleitoral na televisão cantando odes às suas “realizações”. O eminente jurista Dias Toffoli, presidente do TSE, vai ficar quieto? E a “oposição”, não vai solicitar o mesmo espaço para se manifestar? Pena que os ventos levaram o May Flower para o norte deste continente!

Cesar Araujo

cesar0304araujo@gmail.com

São Paulo       

*

As notícias são desencontradas e não se sabe ao certo se a presidente Dilma irá participar da abertura do mundial de futebol hoje no Itaquerão. Mas uma coisa é certa, se confirmada sua ausência em um evento dessa magnitude, soará como um atestado de seu temor às vaias, perdendo também a oportunidade de ser aplaudida, se assim os presentes desejassem, fato que endossaria sua boa governança. Minha sugestão: para o bem ou para o mal, esteja presente, dona Dilma, sua presença como Chefe de Estado e o tradicional discurso de abertura são atitudes que o bom senso recomenda, dando pessoalmente as boas vindas aos brasileiros e estrangeiros que vieram de longe para prestigiar o evento, e de lambuja poderá ainda receber as justas homenagens que galera lhe reserva por tudo que tem feito pelo País.

Peter Cazale

pcazale@uol.com.br

São Paulo

*

Com a maior cara de pau, presidente Dilma diz que investiu 212 vezes mais na saúde do que na construção dos estádios para Copa, ou seja, R$ 1 trilhão 696 milhões. Agora só falta ela dizer para o bolso de quem foi toda essa grana, pois na saúde é que não foi...

Arnaldo de Almeida Dotoli

arnaldodotoli@hotmail.com

São Paulo

*

GROTESCO E ABUSIVO

Se a presidente Dilma fosse comandante de uma embarcação a deriva, certamente seria a primeira a pular fora do barco, abandonando seus tripulantes! E é o que entendo porque a Dilma por receio de ser vaiada no Itaquerão não vai discursar na abertura do evento, o que nenhum estadista pelo mundo afora se recusou a fazer nas 19ª edições já realizadas da Copa do Mundo. Ou seja, foge literalmente da raia, como comandante deste país, porque não demonstra coragem para enfrentar seu povo... E para compensar achou que fazendo um pronunciamento à Nação, em cadeia de Rádio e TV daria um show de competência e engabelaria a torcida brasileira, que, diga-se, está mais é indignado com o seu desastroso governo. E se tivesse a Dilma um mínimo de elegância institucional, entendimento com o cargo que ocupa, pelo menos esse seu pronunciamento deveria consumir alguns poucos segundos, e não os quase 10 minutos que utilizou, e faria apenas como uma saudação aos turistas estrangeiros, a imprensa, e torcedores brasileiros que vão acompanhar esta Copa. Mas, abusando de retóricas, deu a impressão que todas as obras prometidas foram concluídas, incluindo os aeroportos...  E não satisfeita ainda, na maior cara de pau, como se fosse o Horário Político Eleitoral, criticou a oposição, os pessimistas, falou do Bolsa Família, das verbas para educação, saúde, etc. Um conjunto de baboseiras difícil de ser digerido. Mas, sensato seria se pelo menos a presidente descesse do pedestal da arrogância, e pedisse desculpas a Nação, pelas dezenas de obras prometidas, e tampouco iniciadas. Inclusive daquelas muito bem superfaturadas...  O difícil, porém, é conseguir disfarçar até o pleito de outubro, que não estamos sendo enganados, ou feitos de idiota pelo petismo.  

Paulo Panossian

paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

*

SEMELHANÇA

As aparições da Dona Dilma no horário nobre da TV e seus pronunciamentos seguem um traço muito semelhante, a linha Nazista de Goebbels, no preparo dos discursos de Hitler. Sustentada pela sua suposta autoridade (sic), informa que o País está ótimo, a economia idem, grandes realizações, tudo para o social, e o Estado tutela e cuida  muito bem do povo, para a satisfação dos brasileiros e brasileiras. A grande diferença é que lá, antes da Segunda Guerra, o que era dito era verdade.

Ulysses Fernandes Nunes Jr

Ulyssesfn@terra.com.br

São Paulo

*

Dilma Rousseff classificou de "oportunistas deslavados" e pertencentes ao "povo do não vai dar certo" seus adversários políticos, sendo que absurdo, incoerente é o petelulismo não ter admitido e conscientizado de que "não deu certo". Tanto que conseguiram fazer com que o Brasil chegasse na atual situação crítica e caótica em todos os seus segmentos. Exceção do setor bancário em geral que lidera absoluto, por que será?

Angelo Tonelli

angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

*

PROPAGANDA DE DILMA

Nunca havia escutado a expressão “oportunismo deslavado”, mas sim mentiras deslavadas, que , inclusive, é mais condizente com o discurso da presidente.

Luiz Nusbaum, médico

lnusbaum@uol.com.br

São Paulo

*

MEDO DE VAIAS

Se na abertura da Copa não discursar, Dilma poderá cantar: covarde sei que me podem chamar.

Roberto Twiaschor

rtwiaschor@uol.com.br

São Paulo

*

COPA, EDUCAÇÃO E SAÚDE

Mais uma vez o governo, desta vez, a própria Dilma Rousseff, vem dizer que “é balela” afirmar que a Copa tirou dinheiro da educação e da saúde. Numa analogia, é como se numa família, por falta de dinheiro, os filhos não pudessem frequentar uma boa escola e nem ao menos fazerem um necessário tratamento dentário. Mesmo assim, o pai compra um carrão novinho para impressionar os vizinhos. E argumenta que esse bem foi adquirido com recursos já provisionados para aquela despesa, não passíveis de ter outra destinação. É como o Brasil funciona!

Luciano Nogueira Marmontel

automat_br@ig.com.br

Pouso Alegre (MG)

*

Bom, teremos Dona Dilma discursando na abertura dos jogos do mundial  do futebol? Afinal, ela é a presidente deste nosso país. Se não for, devemos concluir que amarelou...

Pedro Luís de Campos Vergueiro

pedrover@matrix.com.br

São Paulo

*

QUEREMOS SABER

A presidente, em rede nacional de TV (10/6), afirmou, sem nenhum rubor, que de 2010 a 2013 foi investida em educação e saúde a astronômica cifra de R$ 1,7 trilhão. Só não explicou onde essa verdadeira fortuna foi parar. Nas escolas e hospitais do Brasil certamente não foi. Basta ver a situação de penúria em que se encontram as nossas escolas e os nossos nosocômios. Ela, por certo e como sempre, não saberá ou não poderá dizer, mas nós temos todo o direito de conjeturar sobre o seu real destino, a julgar por tudo o que hoje acontece neste país. Brasil, acorda!

Rubens Leal

rubensgleal@uol.com.br

Americana

*

MENTIRAS

O atraso da presidente Dilma na reunião do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social, em que defendeu que a criação de conselhos consultivos melhora a participação da sociedade, foi justificada pelo ministro Mercadante como tendo sido pela vacina que ela tomou contra a contra a gripe influenza. Duas mentiras, pois se a vacina não causa gripe, conselhos consultivos não promovem participação, mas favorecem o aparelhamento partidário e ideológico do Estado.

Abel Pires Rodrigues  

abel@knn.com.br

Rio de Janeiro

*

CAOS EM SÃO PAULO

“É uma aposta na impotência da autoridade”, ou seja, “eles sabem o que fazem”, nos alerta o editorial de ontem. Quem parece não saber é o governo do Estado e o seu secretário de Segurança. Diante do quadro atual, quando presenciamos a degradação total dos valores das famílias, com a iminente sovietização do País, algumas perguntas se fazem necessárias: por que o governador Geraldo Alckmin, em quem votamos para conduzir o Estado, se deixa acorrentar por esse bando de extrema-esquerda que não pensa em ninguém, só na tomada do poder pela baderna e na marra? Não existem outros condutores e demais trabalhadores para assumir o emprego que nós pagamos e do qual não podemos dispor, pois nos fazem de reféns por motivação política? Somos os verdadeiros patrões desses marginais, pois o governo não sobrevive sem os nossos impostos, e nos recusamos a conceder esse aumento abusivo. Que o governador use da autoridade que lhe outorgamos através do voto soberano e demita esses grevistas já. Não há contemporização para quem não quer o diálogo e não respeita as ordens da Justiça. Se Dilma e Haddad, nas esferas federal e municipal, respectivamente, estão habituados ao caos, por contingência de pertencerem a um partido que sempre promoveu isso, não é o nosso caso. Queremos Ordem e Progresso para ontem, hoje e sempre.

Carmela Tassi Chaves

tassichaves@yahoo.com.br

São Paulo                                               

*

Os metroviários ameaçam o governo de São Paulo e sua população ordeira e trabalhadora de parar novamente o metrô, se não forem revogadas as demissões 42 por justa causa. Ganharam um reforço de peso, o ex-presidente Lula, que, quando sindicalista, foi useiro em promover greves e desrespeitar decisões judiciais. Se o governador Alckmin, que tantas vezes tem se omitido com os desmandos das manifestações violentas, anteriormente ocorridas em nossa cidade, desta feita teve uma atitude de estadista e, portanto, revogar o que foi legitimamente efetivado representará uma fraqueza que certamente repercutirá em seu projeto de reeleição.

Roberto L.P e Silva

robertolpsilva@hotmail.com

São Paulo

*

GREVE DO METRÔ

A Justiça e o governo paulista agiram errado. Após a decisão judicial da ilegalidade da greve dos metroviários, além da multa diária e da demissão, deveria prender a diretoria do sindicato de forma inafiançável.

Humberto Schuwartz Soares

hs-soares@uol.com.br

São Paulo

*

ORDEM E PROGRESSO

Quanto cinismo! Agora os caciques do PT, incluindo o pajé mor, Lula da Silva, defendem a revogação das demissões muito bem merecidas dos 42 metroviários porque cometeram crime contra o patrimônio público por meio do costumeiro vandalismo. Com esta injustificada greve, prejudicaram toda uma população que precisava trabalhar, ir a hospitais e tantas outras necessidades. Sem a menor compaixão impuseram sofrimento e caos a toda São Paulo. Não é à toa que nesta era de lulopetismo, a violência aumentou assustadoramente, pois esses senhores que se sentem donos do poder estão sempre a sinalizar que o crime compensa e que ficar impune é sempre possível. Para eles, que se lixem a Justiça, os princípios democráticos, os direitos dos cidadãos de bem e a ordem pública. A única coisa que vale é fazer o diabo para permanecer no poder a qualquer custo. Diante de tais fatos, parabéns ao governador Alckmin pela firmeza demonstrada e pelo exemplo de como proceder num sistema democrático de Direito, estabelecendo limites quando necessário. Estão inscritas em nossa bandeira que nestes dias irá flamular perante o mundo inteiro as palavras ordem e progresso. É possível experimentar progresso num país sem ordem? Fica aqui essa pergunta.

Eliana França Leme

efleme@terra.com.br

São Paulo

*

PALANQUEIRO E DEMAGOGO

Pedir agora readmissão de grevistas do metrô que desobedeceram a lei, e ainda por cima incitaram outros a continuar com a greve ilegal, prejudicando injustamente a massa de utilizadores e trabalhadores dependentes de transporte metroviário, é, no mínimo, de uma demagogia sem par e despreparo para falar alguma coisa de útil. Agora, seu Lula, que a corda estourou para o lado dos grevistas, não venha dar uma de contemporizador e bonzinho. O governo do Estado não precisou de sua demagogia para tomar medidas corretas para o sistema metroviário voltar a funcionar, e quanto à possível readmissão, os grevistas devem procurar a Justiça que é o lugar certo para reivindicações. Não comece agora a instigar o sindicato e baderneiros a voltarem a fazer arruaça, seara que você conhece bem, pois São Paulo não merece esse tipo de atitude. Cresça, Lula, seja mais decente em suas ações. O povo está percebendo, mesmo que seja aos poucos, que os seus conselhos não levam a nada, e um dia verão o quanto foram logrados com suas atitudes populistas bolivarianas.

Fernando Pastore Junior

fernandopastorejr@gmail.com

São Paulo

*

Que os metroviários em greve contestem uma decisão da Justiça é uma coisa, porém enfrentar uma decisão promovendo o caos e o desrespeito à Justiça é bem diferente. Portanto, a decisão do Secretário de Transportes Metropolitanos do Estado de São Paulo, Jurandir Fernandes, de demitir 60 funcionários, está corretíssima.  É hora em que a decisão da Justiça tem de ser cumprida, doa a quem doer.

Edgard  Gobbi  

edgardgobbi@gmail.com

Campinas

*

Será que os funcionários do metrô de São Paulo estão pensando que o metrô é deles?

Virgílio Melhado Passoni

mmpassoni@gmail.com

Jandaia do Sul (PR)

*

AÇÃO CONTRA GREVISTAS

Sou crítico a atuação da Secretaria de Segurança Pública, mas ontemfoi elogiável a atuação policial na estação Ana Rosa do metrô, quando sindicalistas tentavam obstruir o acesso dos passageiros. Parabéns, senhor secretário, pois essa greve é dos líderes do sindicato e não dos metroviários.

Ademar Monteiro de Moraes

ammoraes57@hotmail.com

São Paulo

*

Os bandidos travestidos de sindicalistas precisam assumir suas responsabilidades. As demissões não devem ser alteradas, e sim aumentadas. Além disso, não respeitar a Justiça deveria levar à prisão esses caras que só querem confundir, tendo partidos nanicos e irresponsáveis por trás deles. Espero que sejam demitidos para aprenderem a respeitar mais de 5 milhões de trabalhadores honestos e não vagabundos como eles.

Alice Baruk

alicebaruk@bol.com.br

São Paulo

*

PARA ACABAR COM A GREVE

Sou um dos milhões de prejudicados por esta greve absurda do metrô de SP. Defendo o direito de greve quando a causa é legítima. Mas esta greve é só política, feita por um grupo de baderneiros profissionais que se apoderou deste importante sindicato. A demissão dos 60 não pode ser revista - isto daria força descomunal à liderança irresponsável que lá está. Defendo que na terça sejam 180 demitidos. E, se a greve continuar, na quarta 540, e siga em PG de ordem três. Sei que isto pode agravar minha situação e a de milhões de outros usuários, mas é a única forma de acabar com baderna. Sim, sempre sim, a demandas justas. Mas não, sempre não a politização com o único fim de desgastar os governantes sem qualquer consideração com os usuários. Margareth Thatcher venceu os mineiros sendo implacável. Nunca mais fizeram greve descabida. Espero que nossos governantes se espelhem naquele exemplo.

Marcos L. Susskind

eulerei@estadao.com.br

S. Paulo

*

Enquanto 5 milhões de pessoas eram prejudicadas, os metroviários continuavam a absurda greve do Metrô. Quando apenas 42 companheiros foram demitidos por justa causa, a greve terminou. Conclusão, o sofrimento do povo trabalhador é mero detalhe na luta política ideológica de grupos protegidos por partidos que se autointitulam de trabalhadores.

Vagner Ricciardi

vbricci@estadao.com.br

São Vicente

*

OPORTUNISMO LULISTA

Esse Lula não perde a oportunidade de mostrar seu mau-caratismo e a falta de respeito à inteligência do cidadão, imagina tratar-se de ignaro como ele. Hoje vem na imprensa (A-16, edição de ontem) dizer ser a favor da readmissão dos greve-terroristas, mas ao mesmo tempo que bate, assopra; quando afirma que grevista "também tem saber seus limites". Lulão falastrão, bravateiro colorido (segundo Hillary Clinton), tenha vergonha na cara e deixe de ser hipócrita: porque não falou isto antes? Lula, pegue seu família e em especial o seu gênio dos negócios, o Lulinha, e mude para Cuba, vá viver na ilha de Fidel, quem sabe o Lulinha com toda a sua capacidade não trará o desenvolvimento que os cubanos tanto precisam. Não se esqueça de levar na bagagem os empreiteiros e empresários. Boa viagem, e nunca mais volte! Acorda, Brasil.

Carlos Benedito Pereira da Silva

advcpereira@ig.com.br

Rio Claro

*

O ex-presidente deve parar de dar palpite na decisão do governador Alckmin quanto às demissões, por sinal justas, dos metroviários, pegar seu jumento e voltar para sua terra natal, de onde nunca deveria ter saído. Não posso falar de ética para alguém que não tem a mínima noção do que isso representa.

Hélio José Cury

heliocury@gmail.com

São Paulo

*

O VISIONÁRIO

Lula é um visionário. Prevendo que o período da Copa seria de muitas manifestações e greves, tudo que o PT sempre apoiou, vaticinou: é babaquice ir de metrô aos estádios. De fato, no Brasil, em São Paulo, na estreia da Copa do Mundo os brasileiros irão de jumento, conforme sugeriu Lula. Quanta decadência e quanto atraso.

Izabel Avallone

izabelavallone@gmail.com

São Paulo

*

LOCAUTE

Paralisação de funcionários públicos ou de serviços essenciais à população não é greve, é locaute de poucos contra muitos!

Eugênio José Alati

alatieugenio@gmail.com

Campinas

*

POLÍTICA PARTIDÁRIA

Até dá para entender, embora não justificar, a atitude de partidinhos viverem como encosto de partidos maiores. Buscam espaço para desesperada catação de migalhas que, espargidas, possam cair de banquetes futuros. Agora, compreender a posição de um partido que se julga grande, como grande foi ao nascer, comandado por alguns homens de reconhecido valor, o PMDB de então, agora se contenta em viver agarrado às pernas de um partido dominante, em troca de turva vice-presidência da República e alguns ministérios criados para atender essas permutas. Lamentável.

Lígia Maria Venturelli

lmfiora@uol.com.br

São Paulo

*

DILMA CHEIA DE GÁS, MAS...

Quem viu a presidente Dilma toda cheia de gás agradecer apoio do PMDB nas próximas eleições e ao mesmo tempo soltar farpas à oposição sabe que é da boca pra fora. O PMDB, eterno aproveitador de eleições. Verdadeiro sanguessuga do governo da vez, na primeira oportunidade, se a oposição sair vitoriosa, viram a casaca sem nenhum constrangimento. Ela sabe disso e nós também!

Beatriz Campos

beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

*

A direção peemedebista é mesmo das Arábias. O partido continua sendo o capacho-voador do PT...

A.Fernandes

standyball@hotmail.com

São Paulo

*

Lamentável. Um partido maior se submete a um partido menor que nem ao menos é melhor.

Sergio S. de Oliveira

ssoliveira@netsite.com.br

Monte Santo de Minas (MG)

*

PESQUISAS

Dizem que São Paulo é a locomotiva desse país, então que tal os ditos vagões seguirem o exemplo detectado pela última pesquisa Datafolha: rejeição de 46% ao atual governo, 83% querem mudança, 29% votariam em candidato indicado por Joaquim Barbosa (24% por ele), no segundo turno Aécio teria 46% contra 34% de Dilma, Campos na mesma situação teria 43% contra 34% dela, e 54% estão se sentindo envergonhados pela realização da Copa do Mundo em nosso país. Mudança, já!

José Roberto Palma

palmapai@ig.com.br

São Paulo

*

O PIB do Brasil pode ser dividido em três partes quase iguais. Um terço é o Estado de São Paulo. O outro terço são Rio, Minas, Rio Grande do Sul e Paraná juntos. O outro terço são todas as demais 22 unidades federativas do País juntas. Segundo pesquisa da Folha, em São Paulo Dilma não vence. Aqui, se trabalha!

Gilberto Dib

gilberto@dib.com.br

São Paulo

*

O NECESSÁRIO CONTROLE

O governo precisa ser fiscalizado, sim, mas não do jeito que o chefe da Secretaria Geral da Presidência da República, Gilberto Carvalho, preconiza. Diz ele que o decreto baixado pela Presidente da República na semana passada, instituindo o tal “Sistema Nacional de Participação Social” (PNPS) é a forma correta de “participação popular” e de “democracia direta”, porque, a seu ver, permite o “controle da sociedade sobre o governo”. Arrematando os esclarecimentos, Carvalho acrescentou que a idéia não é nova e deu dois antecedentes como exemplo: o “Conselho de Educação” - criado em 1936 -, o “Conselho Deliberativo do FAT-Fundo de Amparo ao Trabalhador - instituído em 1966 -, e outros instaurados durante a ditadura militar (“Estadão”, 02/06/2014, Fls. 07). Todos esses exemplos do Ministro remetem a tempos ditatoriais, desde a “Era Vargas” até a “Revolução de 1964”. Após esse respaldo duvidoso para justificar o ato presidencial o Ministro afirmou que os críticos do decreto usam de “má-fé”, são “hipócritas” e “ignorantes”, pois a proposta só contribui para “aumentar a transparência” e “combater a corrupção”. Ora, cabe perguntar ao Ministro e à “intelligentsia” petista: quem vai compor tais conselhos de participação direta?  É claro que é gente ligada aos poderosos de plantão, como ocorre hoje com a famigerada “base aliada” do Congresso, criada pela instituição do compadrio, distribuição de cargos no governo, aparelhamento da administração e escancarada corrupção. É mais uma veia aberta para o petismo e asseclas praticarem a sangria de sempre contra a pobre população brasileira. A fiscalização que esse governo precisa deve ser feita por um Congresso digno, formado por honestos representantes do povo, que honrem o mandato recebido das urnas, como se espera que aconteça nas próximas eleições.

Luiz Carlos Soares Fernandes

luiz68017@gmail.com

São Paulo

*

COMPETITIVIDADE BRASIL

Já não era boa (38ª), o PT conseguiu piorar (54ª), e vamos descer um pouco mais até final do "desgoverno" Dilma.

Ariovaldo Batista

arioba06@hotmail.com

São Bernardo do Campo

*

O ETERNO TURISTA

Luiz Inácio da Silva, que sempre se coloca em um patamar de crítico descompromissado, declarou que se não há inflação de demanda não há motivo para barrar crédito. Em sua brilhante análise, o douto senhor não inclui o bolso dos brasileiros. Não percebe que a realidade venceu o sonho e os mecanismos criativos estão desmoralizados.

Helena Rodarte Costa Valente

helenacv@uol.com.br

Rio de Janeiro

*

Tendo em vista os conselhos sobre economia - “se não há inflação de demanda não há motivo para barrar crédito” - a pergunta que se deve fazer para o senhor conselheiro Lula da Silva é a seguinte: com que dinheiro, companheiro?

Leila E. Leitão

São Paulo

*

Está explicada a atual situação do País: utilizam a “conta de padeiro”.

Laert Pinto Barbosa

laert_barbosa@globo.com

São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.