Fórum dos Leitores

GOVERNO DILMA

O Estado de S.Paulo

29 Junho 2014 | 02h05

Hora de largar o osso

É, sem dúvida, uma façanha que só pode merecer apupos (vaias são para as "arenas") o que essa equipe do governo está a apoquentar 200 milhões de habitantes e empobrecendo uma das mais ricas nações do planeta. De fato, a equipe que desgoverna o Brasil há 12 anos não tem capacidade de governar sequer uma minúscula ilha da Polinésia. E, diante dos números da economia, eles culpam a imprensa por disseminar pessimismo. Mas uma leitura imparcial do Relatório de Inflação do Banco Central (BC) mostra que o País vai crescer apenas 1,6% este ano. Menos ainda do que se imaginava. A alta da receita é de 9,9%, enquanto a do gasto público é de 14,1%. Num ano de campanha eleitoral a solução do governo não está nos economistas, e sim nos marqueteiros. O BC não só reduziu a projeção do produto interno bruto (PIB), como aumentou a da inflação - e pela sexta vez! Certo mesmo é que haverá queda do investimento na indústria e alta acanhada do consumo familiar. A imprensa só divulga a verdade, escamotear a verdade é prática corrente nesse governo coveiro da República. O BC parou de aumentar os juros para segurar a alta da inflação, fazendo uso do dito popular "quem não arrisca não petisca". Arriscou e não petiscou. Com tantos resultados negativos, pasma ver a fúria com que esses políticos ainda querem dar continuidade ao cortejo fúnebre do Brasil.

JAIR GOMES COELHO

jairgcoelho@gmail.com

Vassouras (RJ)

Incongruências

As contas do governo federal têm o pior déficit para maio. A arrecadação de impostos também caiu, sendo deficitária no mesmo mês. E não se pode mais criticar, o que é justo, que lá vêm a presidente Dilma Rousseff e a militância do PT dizendo que a oposição semeia o ódio e faz política desqualificada... Ela própria já não disse que prefere o ruído da democracia ao silêncio da ditadura? Ora, ora...

FRANCISCO ZARDETTO

fzardetto@uol.com.br

São Paulo

Conta alta e amarga

Se antes a preocupação dos analistas econômicos se concentrava nos gastos excessivos desse governo petista, agora a preocupação é dupla. Ou seja, enquanto Dilma Rousseff, irresponsavelmente, continua gastando bem mais do que arrecada, essa mesma arrecadação também despenca a olhos vistos. E foi o que aconteceu no mês de maio, com uma queda de 17,37% em relação a abril e 5,95% sobre o mesmo período de 2013. Sinal de que a nossa economia caminha para estagnação a largos passos! De quebra, compromete investimentos, que já são insuficientes, e deixa longe o compromisso de entregar um superávit primário, ainda que pífio, de 1,9% do PIB. Certamente não vão faltar traquinagens contábeis... E as estatais, mesmo sem previsão de lucro, serão exploradas mais uma vez com o pedido de antecipação de dividendos para cobrir os rombos provocados pela administração petista. Enfim, a conta a ser paga pela sociedade, fruto dessa gestão temerária, sem dúvida alguma será alta e amarga.

PAULO PANOSSIAN

paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

Petrobrás, outra vez

Novamente a Petrobrás (e o contribuinte brasileiro) está sendo "garfada" pelo governo lulopetista. Para fechar suas contas empurraram novas áreas do pré-sal garganta abaixo da petroleira pela "bagatela" de R$ 15 bilhões. Dilma anda dizendo que necessita de mais quatro anos para concluir sua obra. Mas no que diz respeito à Petrobrás e, por consequência, ao setor sucroalcooleiro, sua obra está praticamente concluída - amargando prejuízos causados pela impossibilidade de repasse dos preços reais e amarrada a exigências absurdas para realizar sua atividade principal, a Petrobrás nunca esteve tão mal; e a produção de etanol, que já foi orgulho nacional, por ter seus preços limitados pelos da gasolina também está declinando, com fechamento de diversas usinas. Paradoxalmente, para liquidar a indústria de biocombustíveis o governo vem utilizando uma descoberta da própria Petrobrás para insuflar esperança de oferta abundante de petróleo: o pré-sal. O que ninguém conta é que o custo desse petróleo nunca poderá concorrer com o de outras origens, como o árabe, o russo, o mexicano, etc., cuja extração é incomparavelmente mais barata.

NESTOR R. PEREIRA FILHO

rodrigues-nestor@ig.com.br

São Paulo

A Petrobrás perdeu R$ 13 bilhões na Bolsa de Valores logo após essa "operação" do governo. Imaginem se os EUA, com o xisto, fizerem o preço do petróleo cair para US$ 20 ou US$ 30 o barril. Onde é que o Brasil vai enfiar o escasso petróleo tirado do pré-sal, com fábulas de dinheiro se transformando em mensalões para petistas? Ou essa gente sai do governo, ou teremos uma nova falência à la URSS ou Argentina.

ARIOVALDO BATISTA

arioba06@hotmail.com

São Bernardo do Campo

'A crise do etanol'

Li bastante contristado, domingo passado, o editorial com o título acima, sobre a situação calamitosa em que se encontram as usinas brasileiras produtoras de etanol. A maioria delas, aliás, em estado pré-falimentar. Como autor do livro A Saga do Álcool, relato abrangente da extraordinária história do álcool combustível em nosso país desde que foi implantado, em 1902, sinto-me a cada dia mais revoltado com o crime de lesa-pátria que vem sendo perpetrado pelo (des)governo do PT contra o segmento alcooleiro. São flagrantes as manobras que a camarilha do petróleo tem engendrado nestes últimos 12 anos para sufocar o setor e concentrar seus interesses nesse famigerado pré-sal e na construção de destilarias, por meio das quais, naturalmente, podem fazer suas jogadas espúrias em esquemas de superfaturamento. E parece que a Nação continua cega a tudo isso. Lula enganou o País quando, no início de seu governo, estimulou a produção de veículos flex. Ele já sabia, claro, que os custos de produção da cana-de-açúcar e do álcool combustível não poderiam subsistir por muito tempo atrelados ao preço da gasolina, que a Petrobrás, por demagogia, continua mantendo em patamares baixos com a desculpa ridícula de que essa é uma medida necessária para sustar a inflação. Necessária, evidentemente, aos seus interesses escusos! "E la nave và", como diria Fellini. Estamos sem reação: no Senado instala-se uma CPI de brincadeira para avaliar os desmandos da Petrobrás; na Câmara dos Deputados a oposição não faz nada porque está jugulada pela maioria governista; no Supremo Tribunal Federal já não se disfarça a flagrante relação com o governo petista; e o Ministério Público, por sua vez, não age. A quem, enfim, o setor alcooleiro e os verdadeiros patriotas deste país devem recorrer? Ao papa Francisco? Quem sabe...

JOÃO NATALE NETTO

natale@natale.com.br

São Paulo

*

COMO DONA DE CASA

Dilma Rousseff acha que, sendo presidente da República, não precisa obedecer à lei, faz as coisas segundo sua conveniência. A conveniência de fazer um arranjo nas contas públicas para parecerem melhores, por exemplo, incorrendo em várias ilegalidades. Assim como uma dona de casa, ela age como se dona do Brasil fosse. Com uma decisão do Conselho Nacional de Política Energética (CNPE), Dilma transferiu para a Petrobrás, sem a licitação exigida por lei, duas áreas do pré-sal a serem exploradas. Isso melhorará as contas públicas, mas trará um ônus para a petroleira de R$ 2 bilhões, como se a empresa estivesse numa situação financeira saudável. Mais grave ainda, o Conselho da Petrobrás não examinou o assunto antes de ele ser aprovado. Da mesma forma, não há avalista na operação. E assim Dilma vai levando o País e governando como quem diz “Maria me traz um café”. É a forma de Dilma governar.

Fabio Figueiredo

fafig3@terra.com.br   

São Paulo

*

PAPO FURADO

O governo não está preocupado com o futuro da Petrobrás e com o quanto ela tem de investir para explorar as áreas ora cedidas via cessão onerosa, e sim em colocar no bolso os R$ 2 bilhões a título de bônus para tampar os furos em suas contas, bem como para enganar os incautos eleitores de que futuramente os lucros obtidos irão para a saúde e educação.

Valdir Sayeg

valdirsayeg@uol.com.br

São Paulo

*

DOCE

No governo lullopetista, a Petrobrás é o açúcar do pré-sal...

A.Fernandes

standyball@hotmail.com

São Paulo

*

CPI MISTA DA PETROBRÁS

O ex-presidente da Petrobrás José Sérgio Gabrielli afirmou, durante a sua convocação na CPI mista da Petrobrás, em 25/6, que não vai abrir mão do seu sigilo fiscal e bancário, em resposta ao questionamento feito pelo deputado Izalci Lucas (PSDB- DF). Com o ex-diretor da Petrobrás Paulo Roberto Costa foi a mesma ladainha na CPI, ou seja, ele não havia cometido nenhuma irregularidade e não sabia de nada, só que acabou sendo preso pela Policia Federal. Pelo visto, aquele ditado popular de que quem não deve não teme causa um grande mal estar que acaba tirando o sono desses ex-dirigentes da Petrobrás. Por que será, hein?

Edgard Gobbi

edgardgobbi@gmail.com

Campinas  

*

CARA DE PAU

Que cara de pau a declaração de Sergio Gabrielli, ex-presidente da Petrobrás, de que a Refinaria Abreu e Lima está cara. Uma obra que em 2005 teve seus custos estimados em R$ 2,5 bilhões e cujo custo atual é de R$ 18,5 bilhões, e o cidadão faz a declaração e nem vermelho fica. Bom, mas para que corar, se o dinheiro não é dele nem ao menos ele sabe quanto custa ganhar? O que surpreende é ver uma população que sabe do roubo e fica em silêncio. Espero que o silêncio do povo seja uma boa resposta nas urnas, o único lugar em que o político teme o eleitor e o respeita - no mais, está pouco se lixando para quem paga os maiores impostos do mundo, que garantem a farra da “cumpanheirada”. Brasil, um país de tolos

Izabel Avallone

izabelavallone@gmail.com  

São Paulo

*

SÉRGIO GABRIELLI

E Gabrielli, hein, que não abre mão do sigilo bancário na CPI amiga da Petrobrás? Antigamente dizia-se que quem não deve não “treme”, isto é, não teme. Não se pode esquecer de que hoje Gabrielli serve a Jaques Wagner que quer emplacar Rui Costa na Bahia, para tudo continuar como nos últimos 12 anos.

Ricardo Mello Santos

pramar681@hotmail.com

Salvador

*

PROPAGANDA MASSIVA

Não adianta o governo propagar que a Petrobrás vai bem, batendo recordes sobre recordes, porque o que o povo entende, mesmo, sobre sucesso, é quando o preço dos combustíveis cai nas bombas dos postos de abastecimento.

Sergio S. de Oliveira

ssoliveira@netsite.com.br

Monte Santo de Minas (MG)

*

PRIVATIZAÇÃO

É um pesadelo assistir à demolição do que já foi algo simbólico para o Brasil. Que o próximo governo que assumir no lugar desta quadrilha não se constranja e privatize a Petrobrás - ou o que restar dela.

Ademar Monteiro de Moraes

ammoraes57@hotmail.com

São Paulo

*

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

Plano Nacional de Educação, 10% do PIB? Em matéria sobre educação (26/6, A19), leio que 10% do Produto Interno Bruto (PIB) deverão ser destinados à educação, em até dez anos. O PIB não é propriedade do Estado. Como pode fazer essa alocação? Quero crer que se pretenda destinar o equivalente a 10% do PIB. Neste caso, do montante da carga tributária, que corresponde, grosso modo, a 36%, seria reservada a porção equivalente a 10% do PIB. Ou seja, da carga tributária (36%), seria retirados 10%, correspondentes a quase 28% da carga tributária. Isso quer dizer que para saúde, transportes, segurança, saneamento básico, habitação, Poder Legislativo (três esferas), Poder Judiciário, Forças Armadas, etc., sobraria, 72% do total da carga tributária, ou o equivalente a 26% do PIB, respectivamente. Será isso adequado?

Mario Helvio Miotto

mhmiotto@ig.com.br

Piracicaba

*

EDUCAÇÃO EMPERRADA

Dado revelado pela Pesquisa Internacional de Ensino e Aprendizado da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) disseca problemas do ensino brasileiro que pouco ou nada foram alterados nas últimas três décadas. Alguns números merecem análises, como, por exemplo, a dedicação exclusiva que são os professores que lecionam em apenas um colégio. Enquanto a média na OCDE é de 82%, no Brasil ela atinge apenas 40%, o que pode ser respondido pelos aviltantes salários dos professores da rede municipal ou estadual que são obrigados a engrossar o seu salário em outros colégios. Quanto aos diretores  do sexo masculino apenas 25% dos homens ocupam esse cargo enquanto a média na OCDE é de 51%. Esse dado pode ser minimizado pela tradição das saudosas normalistas e por conta dos usos e costumes ser um cargo que se encaixava bem na figura feminina. Todos os anos espocam greves e passeatas dos professores por melhor salário. Os perdedores são os alunos. Dentro de mais um século estaremos falando sobre os mesmos problemas. Para o governo é melhor encher as faculdades de cotistas mal preparados no fundamental e no ensino médio. Então cria-se um círculo vicioso: o professor é mal pago, não produz o ideal. O aluno pouco aprende e então o desânimo atinge os dois.

Jair Gomes Coelho

jairgcoelho@gmail.com

Vassouras (RJ)

*

ALIANÇAS E ELEIÇÃO

A cada dia que passa nos enojamos cada vez mais com este governo petelulista corrupto no poder, por atitudes repugnantes e escorchantes ditadas por Lula e Dilma (criador e criatura). Pra manter o apoio do PR à reeleição dela, pois a única finalidade dos dois é manter o “pudê” a qualquer custo e em qualquer situação, eles cederam à pressão do partido trocando Cezar Borges por Paulo Passos no Ministério dos Transportes, exigência exercida pelo ex-presidente do PR Valdemar Costa Neto, este simplesmente envolvido e condenado no caso mensalão. Vergonhoso!

Angelo Tonelli

angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

*

FISIOLOGISMO, MOEDA CORRENTE NO PAÍS

Tem toda razão a senadora Marina Silva quando diz que o fisiologismo é moeda corrente na política do Brasil. Até quando seremos reféns dos funestos “toma lá dá cá”, do “é dando que se recebe” das barganhas e conchavos inconfessáveis que imperam na viciada e corrupta política brasileira?

Renato Khair

renatokhair@uol.com.br

São Paulo

*

QUADRILHA

Inspirando-me e parafraseando duas obras primas, o “Samba do crioulo doido”, de Stanislaw Ponte Preta, e “Quadrilha”, entenda como quiser,  de Carlos Drummond de Andrade, penso que consigo entender as coligações políticas que ocorrem do Brasil. Gilberto apoia Paulo, que apoia Dilma, que apoia Padilha, que concorre com Paulo.  

Luiz Nusbaum

lnusbaum@uol.com.br

São Paulo

*

TOMA LÁ DÁ CÁ

Pouco antes de seguir para o Palácio da Alvorada, onde teria audiência com a presidente Dilma Rousseff, o ministro dos Transportes, César Borges, já sabia que o cargo é do PR e que é dando que se recebe, tanto e que o PR decidiu apoiar a presidente Dilma. Esse é o famoso toma lá dá cá, e vamos juntos enganando o povão otário. Pêsames.

Antonio Jose Gomes Marques

a.jose@uol.com.br

São Paulo

*

HORÁRIO ELEITORAL

Dona Dilma terá 12 minutos no horário eleitoral gratuito. Pensando bem, é muito pouco tempo para quem não conseguiu completar um raciocínio sequer durante quatro anos...

Victor Germano Pereira

victorgermano@uol.com.br

São Paulo

*

TEMPO DE TV

Tenho uma curiosidade: o que seria da nossa eleição sem o tempo de TV (grátis)? Teríamos uma nova realidade? Acabariam a chantagem e o conluio?

Luiz Frid

luiz.frid@globomail.com

São Paulo

*

A DISPUTA EM SÃO PAULO

Em minha opinião o sr. Geraldo Alckmin acaba de tomar uma decisão contrária aos interesses da maioria dos seus eleitores. Aliou-se a um oponente em nível nacional, prejudicando sensivelmente a candidatura à Presidência do seu próprio partido, num momento em que mais necessitamos estar unidos para vencer e mudar este país. É uma pena que o governador tenha pensado só no seu interesse. Na realidade, aliou-se a meio partido, uma vez que os marineiros continuarão a criticá-lo e opor-se a sua candidatura. Será que valeu ?

Adalberto Amaral Allegrini

adalberto.allegrini@gmail.com

Bragança Paulista

*

MALUF E KASSAB COMUNISTAS?

PT quer discurso mais à esquerda e usar a bandeira vermelha (23/6, A1 e A4), abertamente, na campanha. Ainda falta revelar a sua verdadeira Carta ao Povo Brasileiro e confessar seu objetivo oculto de implantar o falido regime comunista-bolivariano no Brasil a fim de imitar Cuba, Venezuela, Bolívia, etc. - cujos ridículos regimes só beneficiam a seus nababos dirigentes. Haja vista os escravos médicos cubanos explorados pelos irmãos Castro no programa Mais Médicos, e, ainda, a rápida decadência dos países bolivarianos. Haja vista a meta do PT de calar a imprensa logo após as eleições. Agora, é necessário que a imprensa livre que ainda temos entreviste os expoentes dos partidos aliados, tais como Maluf do PP, Kassab, do PSD, Tamer, do PMDB, e outros do mesmo naipe, a fim de que confessem haver tomado conhecimento dos verdadeiros planos de seu aliado PT; e, ainda, que eles formalizem aos seus eleitores a sua cega adesão ao verdadeiro programa do PT - ou saiam da espúria coalizão e finalmente cumpram com a mínima obrigação política com os seus eleitores. Maluf, Kassab e Tamer são comunistas?

Suely Mandelbaum

suely.m@terra.com.br

São Paulo

*

MEMÓRIA CURTA NO RIO DE JANEIRO

Vejam o cinismo desta aliança no Rio de Janeiro envolvendo PMDB-DEM. Alguém se lembra das farpas e acusações entre César Maia, Sérgio Cabral e Eduardo Paes? Não. O brasileiro não se lembra de nada. Tem memória curta. E comparece para votar nos cínicos e falsos. Depois não sabe por que o País patina no mesmo lugar há anos. Depois não sabe por que a saúde pública, educação, saneamento, transporte público, etc. não existem. Eu estou fora deste palco de hipocrisia. O único candidato sério, embora tivesse apenas um traço de 1% nas pesquisas, era o Miro Teixeira. Nunca teve nada contra ele. Nunca suspeitaram dele, mas parece que o povo gosta do corrupto, do incompetente, do cínico. Esperam mudança com esta aliança? Devem acreditar em Papai Noel também.

Panayotis Poulis

ppoulis46@gmail.com

Rio de Janeiro

*

ARRUMAÇÃO FLUMINENSE

Já que é tudo uma grande bacanal, segundo o prefeito do Rio, Eduardo Paes, Crivella podia aceitar, logo, a sugestão de Lula (se é que se pode chamar assim a oferta de um ministério importante) para ser vice de Lindbergh e Garotinho, vice de Pezão. Ou a vaga de candidato a senador. Assim, fica claro que os partidos servem para negociatas e política é, mesmo, uma grande suruba.

João Direnna

joao_direnna@hotmail.com

Quissamã (RJ)

*

FATOR AEZÃO

A assessoria do Planalto pediu a lista dos prefeitos que aderiram ao “Aezão” apenas para conhecimento ou perseguição? Tornou-se um hábito bem mesquinho dos presidentes e governadores de negar recursos, muitas vezes até constitucionais, aos adversários eleitos democraticamente. A isso chamamos de política "suja" e desnecessária, pois a população local além de prejudicada e descontente também pode revoltar-se contra o poder centralizador. Os prefeitos administrando com sabedoria essa revolta, poderão tirar proveito na próxima eleição, o "tiro" sai pela culatra!

Odiléa Mignon

cardosomignon@gmail.com

Rio de Janeiro

*

O BICHO VAI PEGAR

As convenções dos partidos já estão definindo os seus candidatos à disputa para ocupar a Presidência da República. E por certo depois do encerramento da Copa do Mundo o “bicho” vai pegar. Mas que pelo menos as campanhas não sejam norteadas por  agressões verbais e acusações oportunistas. É preciso citar que alguns candidatos, pelo menos, já ocuparam cargos nos Executivos e sabem muito bem o problema de comandar equipes, com nome indicados por outros partidos nas composições eleitorais. E a Imprensa, por certo, terá um papel muito importante, concedendo os espaços de forma equivalente. O desafio que se apresenta, portanto, é muito grande para quem acompanha ou participa do processo eleitoral em qualquer nível.

Uriel Villas Boas

urielvillasboas@yahoo.com.br

Santos

*

O MÍNIMO

Ao se constatar, ao final do prazo das convenções partidárias que apresentarão as chapas para as próximas eleições, a verdadeira miríade de composições improváveis, em todas as coligações e a participação de todos os partidos, urge que a sociedade brasileira exija uma pauta mínima de aspectos para a reforma política. Regras para as coligações, estabelecimento de uma cláusula de barreiras, adoção do voto distrital são algumas das providências mínimas necessárias para que organize o sistema político brasileiro.

Marco Antonio Esteves Balbi

mbalbi69@globo.com

Rio de Janeiro

*

PROPAGANDA

Nunca assistimos a tantas propagandas dos governos. Cada um querendo se exibir mais do que o outro: é o federal - principalmente através da Petrobrás e da Caixa - o estadual e a Prefeitura de São Paulo. Até a Câmara Municipal entrou nessa disputa. Todos utilizando os horários nobres e - claro! - o nosso dinheiro. É um verdadeiro descalabro!

Fernando Procópio de A. Ferraz

fernando@procopioferraz.com.br

São Paulo

*

CRÍTICOS

Os brasileiros sabem fazer críticas contundentes ao futebol e aplaudem a demissão de treinadores que falharam. Será que o mesmo se dará na política, pois o PT continua ganhando eleições e dona Dilma aumentando seu porcentual de aprovação.

Roberto Cintra Leite

rcl@cintraleite.com.br

São Paulo

*

VOTO FACULTATIVO

Muitos preferem eleições com voto facultativo. E essa preferência nada mais é do que a vontade de omitir-se legal e totalmente da política, um assunto, infelizmente, repudiado pela maioria dos brasileiros, que adora mesmo é o futebol. Por isso, posso afirmar que a não obrigatoriedade do voto provocaria uma imensa omissão dos eleitores, permitindo que os políticos picaretas e poderosos se mantenham eternamente no poder apenas com o voto dos eleitores de seus “currais eleitorais”. Por tudo isto, costumo comparar a política com o tratamento dentário, perguntando se alguém gosta de ir ao dentista? E se lá  não for, o que acontece com seus dentes? Claro que ficarão careados, podres e outras conseqüências piores. Com a política é a mesma coisa: mesmo não gostando, dela precisamos participar da melhor maneira possível. Senão, a coisa vai piorar... e muito.    

Nilton de Freitas Guimarães

nfguimaraeseo@gmail.com

Rio de Janeiro

*

DEMOCRACIA E OPORTUNISMO

É provável que a democracia, o melhor ou menos pior dos regimes políticos alvitrado pelo homem, dada sua completude, complexidade e incompreensibilidade por grande parte do povo, presta-se a todo tipo de manipulações por seus inimigos. Na antiguidade, dela estavam excluídos os trabalhadores, escravos e estrangeiros. Explica-se, pela consciência política ensejada por aqueles tempos primitivos. Na ideologia socialista "real", era simples meio para galgar o poder e instaurar a ditadura do proletariado. "Kerenskiana", até que o Partido Comunista Italiano resolveu desmascarar o comunismo mundial e proclamá-la como fim, "valor universal". O pau quebrou e o muro caiu. Agora, ao pretender controlar a mídia, o PT, com seu projeto de poder, volta ao primitivo marxismo-leninismo, transfigurado de bolivarianismo, terceiro-mundismo; em verdade, populismo pedestre e tirânico para manter seu projeto de poder.

Amadeu R. Garrido de Paula

amadeugarridoadv@uol.com.br

São Paulo

*

MUDANÇA

Lula acertou ao não aprovar o uso da palavra mudança no slogan de suas campanhas eleitorais, em recente convenção do partido. Ao utilizá-la, o PT estará confirmando o sentimento de toda a população de que os governos petistas sucumbiram ao não identificar o desejo dos cidadãos por realizações que lhes satisfizessem. Pior, essas administrações, principalmente a federal, insistiram em adotar técnicas administrativas que fizeram  com que a maioria dos cidadãos acreditasse que houve modificação para pior, daí a necessidade de mudança para algo melhor. Por isso é muito importante que tanto situação como oposição identifiquem em seus planos de governo futuro o que pretendem mudar e se essas modificações vão de encontro aos anseios populares. Até agora isso não se concretizou, daí o alto índice de eleitores indecisos e alheios ao pleito futuro.

Sergio Holl Lara

jrmholl.idt@terra.com.br

Indaiatuba

*

O MARQUETEIRO DO QUARTEL

É certamente uma ideia do marqueteiro. E ele está certo, certíssimo. A palavra de ordem da próxima campanha petista não podia ser outra senão o slogan “mais mudanças, mais futuro” (“O Estado de S. Paulo”, “’Governo é tão ruim que até PT quer mudar’, diz tucano”, 22/6). É fato que do muito que se esperava nesse sentido dos governos petistas, as propaladas mudanças não vieram nesses já corridos mais de 11 anos. Onze? Onze anos é muito mais que o tempo necessário para promover mudanças, algumas que fossem dentre aquelas que foram alardeadas. Mas o que aconteceu nesse período? Outra coisa não aconteceu senão um futuro representado pela institucionalização da corrupção e incessante tentativa de instituir uma lei da mordaça para recompor o período mais sinistro da governança dos militares no que diz respeito aos direitos e às liberdades constitucionais. E quanto ao mais, tudo continuou como dantes no quartel de Abrantes.

Pedro Luís de Campos Vergueiro

pedrover@matrix.com.br

São Paulo

*

HERANÇA MALDITA

Mesmo com o PT querendo, Lula não aceitou ser candidato a presidente. Motivo: medo da mega herança maldita que iria receber da má administração Dilma Rousseff.

Roberto Hungria

rosohu@bol.com.br

Itapetininga

*

ATO FALHO

Em evento no qual recebeu o apoio do PROS, Dilma Rousseff disse que "essa campanha terá muitas mentiras e muitos boatos" (24/6, A4). Ela sabe muito bem do que fala. Os "cumpanheros" do PT são useiros e vezeiros desse método. Dossiês falsos, mentiras sobre a privatização da Petrobrás, fim do Bolsa Família, já vimos tudo isso nas eleições passadas. Dona Dilma, não somos bobos, como muitos petistas pensam.

Alvaro Salvi

alvarosalvi@hotmail.com

Santo André

*

SOBERANIA PETISTA

Sobre a ambição dos “conselhos populares” mais o lema “continuar para melhorar”, trata-se de pura intenção de se perpetuar no poder. Abaixo a soberania do PT. Mudança já.

Alice  Arruda Câlmara de Paula

alicearruda@gmail.com

São Paulo

*

LEI DA PALMADA

Dona Dilma sancionou na sexta-feira (27/6) a Lei da Palmada, com penas rígidas e multas financeiras de até 20 salários mínimos. Só num país com este desgoverno, que só toma atitudes popularescas e eleitoreiras, o aborto pode ser feito a qualquer hora, assassinando uma criança totalmente indefesa e, por outro lado, os pais darem uma palmadinha em seus filhos é crime. É muita hipocrisia e vontade de reeleger-se para perpetuar-se no "pudê". Eleitores, vamos abrir os olhos que a temporada de enganação começou e só terminará em outubro.

Antônio Carelli Filho

palestrino1949@hotmail.com

Taubaté     

*

BOMBA

Sempre que o Legislativo opta por sair da inércia vem bomba pela frente, agora foi a vez da inoperante lei aprovada chamada lei da palmada, que tem como primordial defesa que as crianças e os adolescentes têm direito de serem educados sem castigos físicos ou tratamento cruel e degradante. Aliás, já não existem diplomas legais que vetam tal tratamento: Estatuto da Criança e do Adolescente, Código Penal, a Constituição federal, quiçá os direitos humanos?

Marcos Barbosa

micabarbosa@gmail.com

Casa Branca

*

PALMADA NELES!

Num país como o Brasil, que vive atualmente crise ou falta de gestão na saúde, na educação, na segurança e na infraestrutura, é patético imaginar a discussão sobre a lei da palmada. Nosso país é mesmo uma grande piada! Quem merecem palmadas são esses políticos e o governo que fazem tanta malcriação à Nação.

Ari Giorgi

arigiorgi@hotmail.com

São Paulo

*

MERECE

Lei da palmada... quem merece são seus autores.

Mario Cobucci Junior

maritocobucci@uol.com.br

São Paulo

*

PALMADA DEMAIS

Finalmente o congresso aprovou uma lei que vai mudar o rumo deste país. Provavelmente nunca avançamos além do subdesenvolvimento, porque nós apanhamos demais dos nossos responsáveis.

Jose Roberto Iglesias

rzeiglesias@gmail.com

São Paulo 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.