1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Fórum dos Leitores

O Estado de S.Paulo

06 Julho 2014 | 02h 03

COPA DAS COPAS

Padrão Fifa

Nunca antes neste país alguém conseguiu tantas isenções como a Fifa. Mas era muito pouco para o padrão Fifa. Então, venderam-se ingressos no paralelo para faturar mais. Parabéns pelo desmantelamento da fraude.

MOISES GOLDSTEIN

moisesgoldstein1@gmail.com

São Paulo

Cultura política

O pouco tempo em que Joseph Blatter esteve no Brasil já deu para assimilar nossa cultura política. Nesse episódio da venda de ingressos pela Fifa, em que seu sobrinho estaria envolvido, ele disse que "não sabia de nada", frase largamente usada por Lula e muitos de nossos políticos.

VALDIR PRICOLI

cambuci@yahoo.com

São Paulo

Fazendo escola

Lula está fazendo escola pelo mundo. Quando o "chefe" não sabe o que acontece na sua cozinha, isso significa que a bandidagem está solta.

ARIOVALDO BATISTA

arioba06@hotmail.com

São Bernardo do Campo

Faxina necessária

Ao dizer que não sabe de nada nessa apuração de que a venda de ingressos para os jogos da Copa é comandada por funcionário da Fifa, Joseph Blatter está querendo fazer todos de idiotas. Dá para acreditar nisso? Então quem sabe, o porteiro do prédio da Fifa, seu motorista particular? Quem? Igualmente não dá para acreditar que a Fifa seja uma entidade sem fins lucrativos, como ele diz. Sei, sem fins lucrativos com um fundo de US$ 5 bilhões... Essa Fifa precisa ser passada a limpo.

PANAYOTIS POULIS

ppoulis46@gmail.com

Rio de Janeiro

Novel lulopetista

Foram os caras da Fifa que deram todos os alertas sobre a desorganização da Copa. Até sobre os atrasos das "arenas" e o chute no traseiro, lembram-se? Agora Blatter diz que não sabia de nada sobre a falcatrua dos bilhetes e atribui aos outros as desqualificações de que a Copa seria um fracasso? Virou petralha rápido, hein?

NELSON PEREIRA BIZERRA

nepebizerra@hotmail.com

São Paulo

Cadê o respeito?

"Onde estão os protestos, onde está a ira social?", pergunta irônica e cínica do sr. Joseph Blatter. Os protestos estão sendo contidos por policiais, que não permitem que cheguem perto dos estádios. E a ira social está no viaduto que caiu em Belo Horizonte, obra para a Copa, matando duas pessoas e ferindo muitas mais. Está nos 11 mortos durante a construção dos excessivos 12 estádios, que, na correria para serem entregues a tempo, não propiciou a segurança devida aos trabalhadores. Está nos R$ 62 milhões desperdiçados nos Centros Oficiais de Treinamento exigidos pela Fifa e que não foram usados uma única vez. Está na "limpeza" que o Rio de Janeiro fez, tirando compulsoriamente das ruas quase 700 mendigos, postos em lugar insalubre e que serão devolvidos a elas tão logo acabe a Copa. Está na incompetência dos governos, no superfaturamento das obras, no desvio de dinheiro público, hoje nos ralos ou em contas bancárias já excessivamente recheadas. Na sem-vergonhice daqueles que não se cansam de espoliar o Brasil qualquer que seja a oportunidade. E na ganância dos representantes da Fifa, que deveriam ter mais senso de responsabilidade, ética e respeito pelos povos dos países-sede de seus torneios. As perguntas estão devidamente respondidas?

MYRIAN MACEDO

myrian.macedo@uol.com.br

São Paulo

Fatura

É muito fácil para Dilma Rousseff dizer que "demos uma goleada nos pessimistas, naqueles que anunciavam que seria um caos". Só que ela se esquece de que a conta ainda está para ser paga. E quem vai pagar somos nós, os contribuintes. Fica fácil fazer reverência com chapéu alheio. Principalmente quando não se mexe nos bolsos dela. Tudo vale pela reeleição. O contribuinte que se dane!

CONRADO DE PAULO

conrado.paulo@uol.com.br

Bragança Paulista

Tudo pelo poder

Por linhas tortas, esta Copa no País trará luz sobre o pacote de mazelas que o lulopetismo articulou para se manter no poder.

FRANCISCO JOSÉ SIDOTI

fransidoti@gmail.com

São Paulo

Eleições e futebol

Considerando minha idade, com otimismo poderei votar para a Presidência em mais quatro ou, no máximo, cinco pleitos. Será que até lá verei os partidos propondo planos de governo, em vez de fazer associações espúrias, usar de mentiras e agressões entre si? Será que as Copas a serem realizadas nesse período serão meramente o que são, isto é, jogos de futebol para entretenimento de torcedores, em vez de instrumentos a serem usados politicamente? Infelizmente, duvido. Poucos estarão interessados em qualquer outro assunto que não seja "bolsa qualquer coisa" ou deixarão seu "patriotismo quadrienal" de lado.

HELEO POHLMANN BRAGA

heleo.braga@hotmail.com

Ribeirão Preto

ECONOMIA

Presente

Enquanto o povo se extasia com o sucesso da "Copa das Copas", são autorizados, como presente aos pagantes da esbórnia, aumentos acima da inflação para a energia elétrica (18,06% para residências e 19,93% para indústrias) e os precários planos de saúde (9,6%). Isso que a criatura cantou o desconto na conta de luz... E sempre ironizando os "pessimistas", os discursos daquele que não se deve denominar, criador da criatura, dizem que quem espera que o Brasil sofra retrocesso vai quebrar a cara, pois a inflação está sob controle e os rumos da economia não serão alterados. Que País é esse?

APARECIDA DILEIDE GAZIOLLA

aparecidagaziolla@gmail.com

São Caetano do Sul

Nos tempos de colônia, o quinto dos infernos era em cima do ouro, agora é na conta de luz.

FELIPE DA SILVA PRADO

felipeprado39@gmail.com

São Paulo

Aposta na ignorância

Lula não tem pudor e exibe com garbo a sua alienação. Na semana passada, conversando com correspondentes estrangeiros, criticou quem reclama do baixo crescimento do País nos últimos quatro anos. Para esses incrédulos sacou um argumento aniquilador: "Quem cresceu mais que o Brasil?". Fala sério.

HELENA RODARTE C. VALENTE

helenacv@uol.com.br

Rio de Janeiro

COPA DO MUNDO

Que tenho de fazer para ver minhas críticas publicadas, como as de Roberto Twiaschor, que as vê quase todo dia? Só queria dizer que o juiz espanhol complicou um jogo que parecia fácil para o Brasil (Brasil e Colômbia), ao assinalar pênalti inexistente (foi precedido de falta no goleiro) e dando cartão amarelo ao capitão brasileiro (tirando-o do próximo jogo) num lance em que ele foi claramente vítima de um encontrão do goleiro colombiano. Todavia, o jogador revelação do mundial (James Rodriguez) não fez nada durante o jogo.

Edmir Netto de Araujo edmir.netto@hotmail.com
São Paulo

*
TESTES CARDIOLÓGICOS

Depois do quinto teste cardiológico da sexta-feira, estou convencido de que a seleção não vai jogar bem até o fim do campeonato. Que venha o sexto!

Victor Germano Pereira victorgermano@uol.com.br
São Paulo

*
RUMO À SEMIFINAL

Estamos na semifinal da Copa do Mundo! E agora é a vez de a torcida brasileira chorar, mas de alegria, depois da dramática e convincente vitória da nossa seleção contra a não menos competente Colômbia por 2 a 1. E que na terça-feira venha a tão decantada Alemanha, que depois de uma partida sonsa e nada criativa venceu a França por um magro 1 a 0. E é bom que se diga que o Brasil, nesta partida contra os colombianos no Castelão, jogou à altura de como se deve apresentar num evento da magnitude de uma Copa do Mundo. Ou seja, com garra, não dando espaço ao adversário e com um futebol simples e objetivo. E, diferentemente das outras seleções que seguem na competição, a seleção de Felipão é a que está demonstrando crescimento de rendimento próximo ao final da Copa. Se nada está ganho, e é verdade, ninguém também pode excluir a nossa seleção de ser neste momento uma das que está mais credenciada a levar o tão esperado hexa! Chora, Brasil, mas de alegria! Lógico que não com o governo federal que está aí... 

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com
São Carlos

*
UMA VITÓRIA SEM HONRA

Com todo o atraso técnico de Felipão e Parreira, seu boneco de banco de reservas, o Brasil, creio eu, será campeão pela qualidade individual do elenco, que, apesar de não ser a mesma de outras épocas, ainda é maior que o das seleções que sobraram, como a Colômbia, que sobreviveu graças a dois ótimos boleiros: James Rodriguez e Cuadrado, treinados por  um técnico que soube montar um bom esquema e só perdeu porque faltou-lhe um matador. O decantado  Fernandinho mostrou sua qualidade maior, que é de ser violento, pois passou o jogo inteiro batendo feio  em James Rodriguez, com a conivência do árbitro, que mostrou claramente em vários lances favorecer o Brasil. Uma vitória sem honra – e começo a dar razão quando outros países reclamam de que a Copa foi montada para o Brasil ser campeão. Sei lá, mas este jogo deixou um gosto de fel. 
 
Laércio Zanini  arsene@uol.com.br 
Garça

*
DEPENDENTES DA ZAGA
 
A campanha canarinho nesta Copa do Mundo está pondo em teste os nervos de 200 milhões de torcedores e o desfibrilador parece que se tornou item essencial para muitos que acompanham a campanha da Seleção. A imagem de Felipão rezando para o juiz terminar a partida com a Colômbia tinha uma eloquência que dispensa comentários.  Nosso ataque não tem funcionado, tanto que no 1 x 1 das oitavas (contra o Chile), o gol que anotamos foi de bola parada (escanteio) e  creditado ao ‘beque’ Davi Luiz que participava do lance. Naquele jogo nossos atacantes estiveram perdidos em campo;   empatamos pela contagem mínima contra um time que é tradicional “freguês” do Brasil. Fomos salvos ora pelo travessão ora por “São” Julio Cesar que, inspirado, defendeu 2 pênaltis. Contra a Colômbia, nesta 6ª feira, novamente o destaque ficou com a zaga, com tentos de Thiago Silva e um golaço de falta – batido “de chapa” –  por Davi Luiz, de longe o melhor jogador do Brasil. Nunca na história das Copas o Brasil foi campeão do mundo com um ataque tão impotente quanto o atual e – pior – dependente ora dos gols salvadores de zagueiros ora de defesas milagrosas de seu goleiro. Será a história diferente desta vez... ? Ainda assim, e como Deus é brasileiro (está mais que provado!)  chegamos às semifinais e disputaremos com a Alemanha a honra de ser finalista na Copa das Copas. Que nossos zagueiros estejam inspirados (!)  porque  superar Neuer – esse misto de arqueiro e líbero da seleção germânica –  não será fácil para quem, por escalação, tem de “segurar as pontas” lá  atrás. Haja coração.
 
Silvio Natal silvionatal49@gmail.com     
São Paulo

*
AVE DAVI!

Com uma gigantesca cobrança de uma falta, uma verdadeira pedrada Davística, excluístes um Golias das quartas de finais (Colômbia) do campeonato mundial de futebol que ora está se realizando no Brasil. "Grato animo" (com reconhecimento; de alma agradecida).

Antonio Brandileone abrandileone@uol.com.br 
Assis

*
NO JOGO CONTRA A ALEMANHA

Se eu fosse o Felipão, colocaria, definitivamente, os defensores no ataque e os atacantes na defesa.

Sergio s. de Oliveira ssoliveira@netsite.com.br 
Monte santo de Minas (MG)

*
A COPA DA MAMATA

Tomei conhecimento que, de acordo com a Lei Geral da Copa do Mundo, sancionada pela presidente Dilma, será concedido a três seleções e seus respectivos jogadores um prêmio de R$ 100 mil e uma aposentadoria vitalícia pelo teto do INSS, beneficiando, inclusive, seus sucessores, em caso de falecimento do “titular”. Se for verdade, hoje, com setenta e um anos, acho que ainda posso tentar ser jogador de futebol.

Nilton de Freitas Guimarães nfguimaraeseo@gmail.com 
Rio de Janeiro 

*
DIA DE REIS
 
Quando o jornalismo junta uma boa história a um bom contador,  os leitores agradecem. Na reportagem especial intitulada “Dia de Reis”, publicada no caderno “Copa 2014”, edição de quinta-feira (3/7/2014), Christian Carvalho Cruz nos leva a conhecer um pouco da história de Otávio Pikachu, menino que convive com todas as adversidades da vida,  ali,  perto do Itaquerão, em Artur Alvim, na Favela Barroca. Belíssimo texto, daqueles que emocionam.
 
Luiz Casadei Manechini travessi@uol.com.br 
Cotia
          
*
A FESTA DA COPA

O planeta inteiro vibra com a Copa do Mundo no Brasil. A Copa é a festa dos deuses do futebol. A Copa do Mundo também é: paixão, coração, emoção, alegria, tristeza, lágrima, angústia, alivio, sofrimento, amizade, amor, namoro, rejeição, união, desamor, rojão, grito, abraço, esperança, beijo, choro, raiva, paciência, doação, simpatia, solidariedade, sentimento, otimismo, fé, ansiedade, respeito, categoria, fama, lealdade, força, energia, diálogo, festa, realização, sonho, luz, cores, oração, canção, fibra, raça, perseverança, calor, frio, dor, prazer, garra, persistência, suor, compaixão, paz, euforia, honra, orgulho, satisfação, vontade, sufoco, milagre, sorte, azar, ânimo, lembranças, lucro, despesa, vaia, aplauso, palavrão, lirismo, poesia, frescor, audácia, bebida, confusão, explosão, brigas, provocação, ternura, amargura, mar, bar, cerveja, chope, bandeira, fantasia, barulho, ingressos, policia, simpatia, gozação, harmonia, beleza, grandeza, exuberância, realeza, cadeia, luzes, algazarra, banho, água, vômito, hexa, consagração, infarto, desilusão.  

Vicente Limongi Netto limonginetto@hotmail.com 
Brasília
   
*
SUMIDO

Alguém por aí viu Lula em  algum dos estádios nesta Copa? Será que ele não gosta mais de futebol? Há algo de estranho no reino tupiniquim! 

Arlete Pacheco arlpach@uol.com.br                                                                                             
São Paulo

*
PASADENA E PENALIDADES
 
Pela análise de vários técnicos e pelo material apresentado pelo “Estadão”, a aquisição de Pasadena, a refinaria dos Estados Unidos, consubstanciou erro empresarial grosseiro, tendo ele passado pelas mãos da atual presidente Dilma Rousseff, à época presidente do Conselho Deliberativo da Petrobrás. Agora, o Tribunal de Contas da União (TCU), por diversos laudos, um deles envolvendo a presidente, definiu o prejuízo em por volta de US$ 830 milhões. De outro lado, a mesma Corte de Contas fixou que uma eventual reforma, para aproveitamento atual da refinaria, envolveria o custo de US$ 2 bilhões, o que eleva o prejuízo global para aproximadamente US$ 2,8 bilhões, montante que, sem dúvida, possibilitaria a construção de centenas de escolas e de hospitais no País. É injusto e inaceitável que os atores dessa cena absurda de prejuízos continuem impunes, rindo de todos os brasileiros, pelos danos que lhes causaram. É o caso de fortes grupos promoverem ações judiciais (populares) contra os responsáveis, tendentes a reaver os montantes do dano dos patrimônios respectivos dos dirigentes, à época da transação. Os estatutos do PT possibilitam a providência! Com a palavra, a Advocacia-Geral da União.

José C. de Carvalho Carneiro carneirojc@ig.com.br 
Rio Claro

*
DILMA FORA DA LISTA

Como pode o nome de quem estava na presidência do Conselho de Administração da Petrobrás e que assinou o contrato de parte da compra da Refinaria de Pasadena, que causou um prejuízo de mais de R$ 1 bilhão à empresa, ficar fora da lista de responsáveis por essa compra? Dilma Rousseff, como presidente do Conselho de Administração, por força do cargo, é a principal responsável pela assinatura do contrato de compra de Pasadena e tem de responder por isso. Se essa evidência da sua incapacidade e irresponsabilidade como administradora de recursos públicos vai prejudicar a sua campanha política, o contribuinte não tem nada com isso e exige devidos esclarecimentos e punições.

Ronaldo Gomes Ferraz ronferraz@globo.com  
Rio de Janeiro 

*
PREJUÍZO

É fácil para Dilma se livrar da responsabilidade. Difícil é o acionista escapar das consequências...

A.Fernandes standyball@hotmail.com 
São Paulo

*
REPÚDIO

Mais uma para a coleção do caos. Desta vez a Petrobrás "repudia veementemente o vazamento de nomes e informações obtidos em fase de apuração em processo que tramita em nível de avaliação no TCU". A rigor trata-se da necessidade pelo menos de mais US$ 2 bilhões, a adequar operacionalmente ao refino de óleo pesado a Refinaria de Pasadena, obsoleta desde a compra que nos custou US$ 1,2 bilhão. Estivesse a diretoria da empresa interessada em apurar os escândalos e trapaças e, ao caso, ao contrário de repudiar deveria colaborar à apuração dos fatos e a punição dos responsáveis. Mas, em se tratando de petistas enrolados nas bandalheiras da petroleira, o ataque torna-se a defesa quando não tem o que justificar.
 
Mario Cobucci Junior maritocobucci@uol.com.br
São Paulo

*
SE...

Se fôssemos um país sério, a investigação na Petrobrás seria feita por uma empresa neutra e não pela maioria de congressistas, todos atrelados e a serviço deste governo podre e corrupto. O que eles fazem eu comparo com a história da cabra escalada para cuidar da horta.

Arnaldo de Almeida Dotoli arnaldodotoli@hotmail.com
São Paulo

*
SEM PROBLEMAS

Se o Tribunal de Contas da União (TCU) exigir mesmo a devolução do rombo de R$ 873 milhões nas contas da Petrobrás, causados por dona Dilma e os diretores que autorizaram a compra da Refinaria de Pasadena, é só os diretórios do PT viabilizarem uma vaquinha, como foi feito para o pagamento das multas impostas pelo Supremo Tribunal Federal (STF) aos mensaleiros filiados ao partido.

Victor Germano Pereira victorgermano@uol.com.br
São Paulo

*
A PETROBRÁS É MAIS BRASIL

A Petrobrás pode ser mais Brasil para o governo, mas menos para os acionistas minoritários brasileiros por força de enormes perdas patrimoniais da empresa no último quadriênio.

Sergio S. de Oliveira ssoliveira@netsite.com.br 
Monte Santo de Minas (MG)

*
SOMENTE A VERDADE

O governo brasileiro tenta passar para os menos avisados que a Petrobrás vai às mil maravilhas. Diante dos holofotes, representantes do governo abrem sorrisos de orelha a orelha e dizem que a empresa está aumentando a sua produção e condenam aqueles que gritam contra a dilapidação da petrolífera. É vergonhoso afirmar que existem vozes que querem que a estatal tenha um papel menor. O que existem são brasileiros que entendem que todo aquele que cuida do patrimônio público deve fazê-lo com competência, responsabilidade e honestidade. A Nação sabe perfeitamente dos estragos ocorridos na empresa. Sabe que não é invenção de adversários políticos, como gritam integrantes do poder. É muito bonito exibir manchetes dizendo que “o petróleo é nosso”, mas seria bem mais interessante estampar nos jornais “o governo brasileiro deseja que sejam apuradas todas as acusações de corrupção na Petrobrás, doa a quem doer”. Todo brasileiro de bem torce para que seja verdade que estejam sendo extraídos na camada pré-sal 500 mil barris diários de petróleo. Só poderá  causar dúvida caso essa exploração aumente demasiadamente e chegue a 1 milhão de barris diário até outubro. Somente a verdade.         

Jeovah Ferreira jeovahbf@yahoo.com.br 
Taquari (DF)                   

*
MÃOS SUJAS

Em evento do pré-sal, Dilma Rousseff disse que "a Petrobrás é a pátria com as mãos sujas de óleo". Faltou acrescentar a sujeira das inexplicáveis e malfadadas transações das Refinarias de Pasadena e Abreu e Lima, entre outras, que provocaram gigantescos e irrecuperáveis prejuízos ao Tesouro Nacional, constituindo crime de lesa-pátria. 

J. S. Decol decoljs@globo.com 
São Paulo

*
O CUSTO DE ABREU E LIMA

Se houvesse tido “conta de “padeiro”, a situação seria bem melhor. Padeiro sabe fazer conta. E, se na Petrobrás tivesse trabalho como o de padeiro, melhor ainda. 

Décio Ortiz decio.ortiz@uol.com.br  
São Paulo

*
FRASES DE EFEITO

Dilma Rousseff como sempre enfatiza frases de impacto à moda Lula para impressionar. Foi durante evento do pré-sal, quando disse que a oposição quer "diminuir" a estatal Petrobrás. Se "limpar" a corja que lá foi instalada sugando seu sangue pela jugular quer dizer diminuir, que seja feito de imediato antes de ela ruir.

Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br 
São Paulo

*
‘DIMINUIR’ A PETROBRÁS

Não é a oposição que está tentando diminuir a importância da Petrobrás, mas são atos deste governo, incluindo a compra com prejuízos milionários da Refinaria de Pasadena (agora condenada pelo Tribunal de Conta da União) e a falta de investimentos devido a congelamento forçado dos preços (até as eleições?).

Omar El Seoud ElSeoud.USP@gmail.com
São Paulo

*
MANOBRA

A manobra, ideia da equipe desse governo, de suspender a licitação do pré-sal em prol da Petrobrás, tinha só um objetivo, o superávit na balança das contas do governo, pois, do outro lado as ações da Petrobrás despencaram, com o provável investimento que a empresa teria que fazer, para a instalação desses poços e olha que não adiantou a enxurrada de propagandas veiculadas na TV, contando a história da Petrobrás.

Wagner Monteiro wagnermon@ig.com.br  
São Paulo

*
AFASTA DE NÓS ESSE CÁLICE

Por motivos óbvios a Petrobrás perdeu nestes dias R$ 13 bilhões na Bolsa de Valores. A presidente da empresa, Graça Foster, diz: "Para mim tudo se resolve com uma frase muito simples: eu errei, eu não sei, eu esqueci. São coisas do ser humano, né?". São coisas da incompetência do ser humano, presidenta! Pai, afasta de nós esse cálice, não podemos ter administradores que nos depauperam, que solapam nossas riquezas...

Alberto Nunes albertonunes77@hotmail.com 
Itapevi

*
INCENTIVO ÀS AUTOMOBILÍSTICAS

Estenderam até o fim do ano a redução das alíquotas do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) para carros e outros bens. A indústria automobilística fez pressão (ou chantagem?) com demissões e mantiveram a redução do tributo. Até parece que carro é gênero de primeira necessidade, não é mais a comida, que milhões não têm o que comer no Brasil e se mantêm a redução do tributo. Isso não combate a inflação e desequilibra as contas públicas, mas não é isso que importa. O que importa e escoar a produção de carros. Brasileiro, coma carros. Temos várias opções: amortecedor à milanesa, suspensão ao molho branco, motor grelhado, etc.

Panayotis Poulis ppoulis46@gmail.com 
Rio de Janeiro

*
ECONOMIA FRACA

A economia vem dando sinais de fraquezas há um bom tempo, estruturalmente enganosa, a economia do Brasil é sustentada com remendos artificiais e que cedo ou tarde acusa sua fraqueza e a falta de alicerces básicos que possam estabelecer um crescimento duradouro e contínuo jamais aconteceu, falta-nos verdade econômica mínima.
 
Marcos Barbosa micabarbosa@gmail.com 
Casa Branca

*
BRASIL, PADRÃO FIFA NOS IMPOSTOS

A entrevista com Mario Mesquita, ex-diretor do BC é economista-chefe e sócio do banco Brasil Plural, publicada no “Estadão” (2/7, B5), revela um país onde a voracidade do governo em tributar o cidadão é a maior do mundo. Em primeiro lugar, a colocação feita pelo sócio de um banco é descabida, tanto porque deveria levar em conta que os maiores lucros são dos bancos num país endividado.  Sugiro que se aumente a tributação sobre o banco Brasil Plural, do qual ele é sócio. Por sua vez, traz à mostra que o governo, em vez de reduzir despesas, procura tirar ainda mais do bolso do contribuinte, cobrindo os desfalques e as benesses eleitoreiras. Os “agrados” concedidos em período de Copa e de eleição serão regiamente cobrados após o decurso de tais datas. Até quando vamos aceitar passivamente esse tipo de coisas?   Até quando vamos manter os desmandos de nosso dinheiro, penando cinco meses do ano para cobrir os gastos excessivos de nossos governantes? Estamos voltando, gradativamente, ao tempo feudal.

Claudio Mazetto cmazetto@ig.com.br 
Salto

*
TRABALHADORES

Enquanto o Brasil do PT se locupleta e conspira, o Brasil sério, empreendedor e competente continua trabalhando. Parabéns Ricardo&Cia!

Ricardo Castro Teixeira Martins rctmartins@gmail.com 
São Paulo

*
‘O APOIO À GUERRA FISCAL’

Acompanho este tema há bastante tempo e entendo oportuno esclarecer que a proposta da senadora Lúcia Vânia é fruto de uma ampla discussão no Senado federal. As emendas apresentadas pelo senadores Ricardo Ferraço e Romero Jucá buscam resolver problema que afeta centenas de empresas que investiram nos estados, gerando milhares de empregos. O Projeto de Súmula Vinculante n.º 69 não resolve o problema. Cabe destacar que todos os Estados concederam incentivos fiscais de ICMS.

Antonio Carlos Moro ac.moro@terra.com.br 
São Paulo

*
DESBUROCRATIZAÇÃO

Cumprimento o jornal “O Estado de S. Paulo” pela matéria “Governo tenta agilizar abertura de empresas e reduzir burocracia” (4/7). A iniciativa do governo federal merece especial atenção. Se ela vier a se concretizar, será um avanço para a economia e para o ambiente de negócios brasileiro. A iniciativa vem ao encontro das necessidades do tempo que vivemos. Com os avanços ocorridos no setor de comunicação, em que tudo se faz em tempo real e pela internet, enfrentar filas e registrar diversas vezes, em diferentes órgãos, os mesmos documentos é um retrocesso. Ganhará o Brasil com a desburocratização. Ganhará, principalmente, o micro e pequeno empreendedor que se sentirá mais motivado para continuar investindo, gerando emprego e renda para o País.
 
Carlos Wizard Martins, empresário Carlos@sforza.com.br 
Campinas
 
*
JUSTIÇA NA FRANÇA

Cumprimento a Justiça da França por ter detido e interrogado por quase 15 horas o ex-presidente do país Nicolas Sarkozy, acusado da prática de corrupção, fraude, desvio de dinheiro público e outros crimes. Mostra por que a França é um país sério e civilizado, onde todos são iguais perante a lei, sem privilégios, onde a Justiça e as instituições públicas funcionam de verdade e para todos. Que sirva de exemplo para a Justiça brasileira, tão parcial, elitista e tendenciosa.
 
Renato Khair renatokhair@uol.com.br 
São Paulo

*
FRANÇA, ARGENTINA E BRASIL

Enquanto na França o ex-presidente Sarkozy é detido para prestar depoimento e na Argentina o vice Boudou é processado por corrupção, no Brasil o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) deixa o cargo em pleno exercício do mandato, provavelmente motivado por forças mais do que ocultas.
 
Yvette Kfouri Abrao abraoc@uol.com.br 
São Paulo

*
VERGONHA NA CARA

Um vereador japonês chorou diante das câmaras de TV ao ser acusado de corrupto. Se a moda pega aqui, no Brasil, Brasília e demais capitais ficarão inundadas de lágrimas.

Ronald Martins da Cunha ronaldcunha@hotmail.com     
Monte Santo de Minas  (MG)

*
ELEIÇÕES 2014

Eleição para a turma do Planalto deve ser mesmo sinônimo de baixaria. Dilma Rousseff, quando ministra da Casa Civil de Lula, fabricou dossiê falso repleto de mentiras contra FHC e a sua já falecida esposa Ruth Cardoso. Para tentar eleger o hoje senador Aloizio Mercadante em 2006 para o governo de São Paulo, o PT produziu o outro falso dossiê conhecido como Vedoin, tentando denegrir a imagem da família de José Serra. E agora, com Dilma mal nas pesquisas com vistas à sua reeleição, surgem na internet textos referentes a transporte ilícito de malas de dinheiro e diamantes para o exterior por parte da ex-esposa e a filha mais velha do candidato tucano Aécio Neves. Este senador por Minas é o mais provável adversário da candidata do Planalto, para disputar o segundo turno nesta eleição de outubro. Ou seja, o partido de Lula, que já começa a fazer “o diabo” contra seus adversários políticos, recorre também a laranjas para transformar este pleito numa total baixaria, diga-se, muito a gosto do PT. Mesmo por que, a quem interessaria neste momento atacar covardemente a família de Aécio Neves? Estamos de olho.

Paulo Panossian paulopanossian@homail.com
São Carlos

*
DILMA ENTREGA OBRAS NOS ESTADOS

No dia em que formos de fato uma República federativa o/a presidente exercerá suas funções sem meter tanto o bedelho nos Estados. Hoje, com a riqueza produzida nos entes da Federação, Brasília faz graça com o dinheiro tungado e presidente atua no geral, e não no particular.

Paulo T. J. Santos ptjsantos@yahoo.com.br 
São Paulo

*
FOGO-AMIGO INSTITUCIONALIZADO
 
Interessante como anda a nossa política, Eduardo Campos e Marina Silva parecem que no fundo se toleram, Aécio Neves ensaiou um vice de outro partido e com o real motivo de agradar à turma do próprio PSDB de São Paulo escolheu Aloysio Nunes, e Dilma e o seu PT continuam reféns do velho e fisiológico PMDB. Isso que eu chamaria de um fogo-amigo institucionalizado.
 
Roberto Saraiva Romera robertosaraivabr@gmail.com 
São Bernardo do Campo

*
PROMESSA DE REFORMA

Eduardo Campos pregou, no lançamento de sua candidatura à Presidência, a reforma tributária como um dos pontos básicos de seu governo. A nosso ver, isso não é prioritário. O que é preciso fazer neste país é a reforma agrária. O próximo governo tem de enfrentar, com muita garra, este problema que já foi solucionado em muitos países. Até Israel, após ter sido declarado Estado independente pela ONU, em 1948, no pós Segunda Guerra Mundial, fez a reforma agrária no deserto irrigado. E nós, aqui, o que os governantes estão esperando? O imortal JK, que tencionava realizar a polêmica reforma agrária, num eventual segundo mandato, foi ceifado por morte criminosa, quiçá pressionado por grupos dominantes de latifundiários, ligados a políticos oposicionistas, contrários ao grande projeto e sonho do ex-presidente, cujo fim de era tornar o Brasil um país para todos e ainda celeiro do mundo.

João Rochael jrochael@ibest.com.br
São Paulo

*
QUEDA DO VIADUTO EM MINAS

A tragédia que vitimou 2 pessoas, deixando 22 feridos e expondo a imagem de Belo Horizonte para o mundo revela perdas maiores do que as aparentes. Todas as vezes que acontece um acidente aéreo, quem perde não é a companhia aérea e os familiares das vítimas, mas a aviação mundial. Todas as vezes que um político corrupto é condenado por roubar o dinheiro público, quem perde não é a cidade, estado ou o país, mas a credibilidade da classe que deveria ser exemplo. Para não dizer que não falamos do que ultimamente parece ser a única coisa que interessa, todas as vezes que um goleiro falha, perde o time, a torcida e os patrocinadores. No episódio da queda do viaduto Guararapes na Av. Pedro I, perdeu Belo Horizonte, perdeu Minas Gerais, o Brasil e especialmente a engenharia nacional. Dela esperamos obras seguras, independente dos arranjos de bastidores. É inadmissível que em 2014, com tantos recursos tecnológicos e com tamanho avanço da engenharia que faz pontes de 30 km, sobre o mar revolto de países asiáticos ou até mesmo a maravilha que é a Ponte Rio Niterói aqui mesmo no Brasil, Belo Horizonte e o mundo assistam um vexame de tamanha envergadura para a engenharia  e  para o povo mineiro. Sempre ouvi dizer que as falcatruas permeiam o universo das obras públicas no Brasil. Mas até aqui, nenhuma delas em virtudes de desvios, colocou em risco a vida de milhares de cidadãos de uma cidade importante como a Capital de Minas Gerais. Se mais do que fechar os olhos para a roubalheira os belo-horizontinos não puderem confiar nas obras que são feitas com o seu dinheiro, o mundo só pode estar acabando e a justiça está mais cega do que o recomendável e precisa acordar. Quem teve a oportunidade de transitar nas proximidades desta obra nos últimos meses, como eu tive, presenciou um festival de absurdos que envolve todas as esferas de governos e órgãos fiscalizadores. Falharam os engenheiros que não ouviram os alertas dos operários e da população que enxergava erros a olhos nus. Falharam o Crea, a Sudecap, o Ministério Público, a Procuradoria do Município, os Vereadores, o Prefeito e seus secretários que não fiscalizaram. Falhou o Ministério do Trabalho que não autuou as empreiteiras por desrespeitarem as normas de segurança, explicitamente. Falhou a Belo Horizonte Trans e o BPTRAN pelo caos que virou a região durante a obra. Falharam as Associações de Bairro que aceitaram caladas a desordem. A imprensa fez o seu papel denunciando e mostrando diuturnamente os absurdos, e eles continuam acontecendo. Com efeito, deste triste episódio sobrou omissões, negligencias, prevaricações. Faltou autoridade, organização, planejamento e respeito pela coisa publica. Lições devem ser tiradas para que o luto e o vexame sejam evitados nas próximas obras. Até por que, iguais ou maiores do que esse, Belo Horizonte precisa urgentemente de pelo menos 50 viadutos, e algumas dezenas de pontes, trincheiras e túneis capazes de melhorar a fluidez que piora a cada dia. Da Engenharia a sociedade espera uma resposta e soluções que nos permitam transitar em meio as obras da cidade sem o medo de que elas despenquem na nossa cabeça, causando prejuízos maiores do que os da insensatez e da incompetência de governantes sem vocação, adeptos das desculpas e justificativas estapafúrdias. Perdoe-me, mas “viadutos não costumam cair” nem aqui, nem na china.

José Aparecido Ribeiro jaribeiroBelo Horizonte@gmail.com 
Belo Horizonte

*
RODOANEL

A reportagem sobre a entrega do Rodoanel (4/7, A14) comete um erro ao afirmar que se paga pedágio apenas na saída do mesmo. Na troca de trechos, por exemplo, do Oeste para o Sul, se paga pedágio e depois novamente ao sair no trecho Sul. Com o trecho Leste, alguém que entre no trecho Oeste, pagará um total de 3 pedágios! Na mudança de trechos, já que existe uma praça de pedágio entre o final do trecho Oeste e começo do Sul e outra no final do Sul e começo do Leste, além do pedágio no final do trecho Sul! A promessa do governador de pagamento de pedágio apenas na saída do Rodoanel ficou só na promessa, já que os interesses das concessionárias tem que ser atendida! E quem paga? O povo claro! São Paulo pode ter uma das melhores malha rodoviária do país, mas pagamos muito caro por isso!

Sergio A. Martins sergio.alves73@gmail.com 
São Paulo 

  • Tags: