Fórum dos Leitores

MUNDIAL DA FIFA

O Estado de S.Paulo

14 Julho 2014 | 02h04

Título merecido

Acabou a festa, que pena. Parabéns à Alemanha! Foi a melhor equipe durante a Copa, mereceu o título. Agora voltaremos à chatice dos jogos do Brasileirão e da Copa do Brasil, mas quem só viu os jogos da seleção brasileira não sentirá muita diferença.

DELPINO VERÍSSIMO DA COSTA

dcverissimo@gmail.com

São Paulo

Final chata

Não sou torcedora assídua de futebol, mas me acostumei com os dois últimos jogos do Brasil. Gosto de ver muitos gols e ontem, na final, saiu só um. Mas valeu. Eu estava torcendo para os alemães, então, achei muito legal ver a Alemanha campeã!

FERNANDA BAROLLO SFORCIN

fesforcin@gmail.com

São Paulo

Duro de engolir

E não é que a Copa das Copas caiu nas mãos da elite do futebol, branca, loira e de olhos azuis? "Perca" total, hein, Lula?

SILVIO NATAL

silvionatal49@gmail.com

São Paulo

Alegria e peso da taça

Que Deus me perdoe, mas nesta última vitória da Alemanha senti inveja do povo alemão. Um país com um governo que trabalha por seu povo e uma população educada, aplicada, disciplinada, com alto grau de cidadania. Ganhar uma Copa, para eles, deve ser uma alegria completa. Diferentemente de nós, brasileiros e argentinos, para quem uma vitória como essa serviria apenas para tapar o sol com a peneira. Melhor assim, parabéns para eles. Aliás, tenho 15 copas de vida, em 13 delas com discernimento. E nunca vi uma entrega de taça tão rápida. Que peso!

FÁBIO REIFF BIRAGHI

frbiraghi@gmail.com

Jaboticabal

Batata quente

Quem foi que transformou a taça numa batata quente, a ponto de Dilma Rousseff mal conseguir segurá-la e soltá-la com uma rapidez incrível nas mãos de Philipp Lahm? Ou será que foi apenas a vontade de sair correndo, de fininho, para escapar de mais vaias e xingamentos?

RONALDO GOMES FERRAZ

ronferraz@globo.com

Rio de Janeiro

Padrão Felipão

Na final, Dilma ficou com cara de Felipão.

A. FERNANDES

standyball@hotmail.com

São Paulo

Saldo

Quem, efetivamente, ganhou com a Copa do Mundo no Brasil? Primeiro, a Fifa, que sai daqui mais milionária ainda. Depois, alguns clubes que tiveram seus obsoletos estádios reformados, quem ganhou "arenas" novas e os corruptos nas obras dos estádios. E, merecidamente, a grande campeã, a Alemanha! Mas e o verdadeiro torcedor brasileiro ganhou o quê? Uma conta de mais de R$ 30 bilhões gastos no evento e uma humilhação proporcionada pela seleção brasileira, que em dois jogos levou dez. Belo saldo.

PAULO RODRIGUES DE MOURA

paulorodriguesmoura@hotmail.com

São Paulo

Copa das Copas

Realmente promovemos uma Copa das Copas. Só que mais para estrangeiros. Para o brasileiro sobraram a frustração e as contas a pagar. Lamentável!

SILVANO CORRÊA

scorrea@uol.com.br

São Paulo

Lei do consumidor

Será que a lei do consumidor permite ao povo brasileiro devolver as 12 bilionárias arenas de futebol à Fifa?

VAGNER RICCIARDI

vbricci@estadao.com.br

São Vicente

De volta à realidade

O Mundial da Fifa se foi, agora resta a realidade. Se para os alemães ontem foi dia de comemorar a vitória de mais uma Copa do Mundo, para nós, brasileiros, e também para os argentinos hoje é dia de voltarmos ao nosso dia a dia, de retornarmos à nossa dura realidade de cidadãos latino-americanos. Agora só nos resta sonharmos com o título em 2018. Se bem que, no caso do Brasil, ainda nos resta a Olimpíada de 2016, quando a seleção terá a chance de se redimir perante o seu público.

MAURO ALEXANDRE DE ALMEIDA

pmauroalexandre@yahoo.com

Rolândia (PR)

Outro apagão?

O resultado do jogo Brasil x Holanda, em que a seleção brasileira perdeu por 3 a 0, mostrou que não houve nenhum apagão na humilhante derrota contra a Alemanha (7 x 1): a equipe é ruim mesmo, se é que podemos chamar aquilo de equipe. Não merecia nem o quarto lugar. Inevitável não fazer um paralelo entre a seleção e o atual governo: ambos tentam mostrar uma imagem falsa de competência e eficiência onde, na verdade, não existe nada disso. Mas a máscara sempre cai e, uma hora ou outra, 200 milhões de brasileiros assistem ao vivo e em alta resolução à triste realidade. Bom, outra Copa do Mundo só daqui a quatro anos. Mas as eleições são daqui a menos de três meses. Nós podemos mudar este jogo. Voto consciente já!

DALILA DE MELLO C. VIEIRA

dalilamelloc@hotmail.com

Alfenas (MG)

Coisa feia

Feio não foi a nossa seleção perder para a Holanda. Feio foi não continuar no gramado para prestigiar a entrega de medalhas aos vencedores.

OLAVO SILVEIRA

opsilveira@terra.com.br

São Paulo

Despedida melancólica

Depois do show dos jogadores escondendo a boca com camisetas e dando instruções ao Felipão e diretamente aos colegas, o que mais podemos aguentar?

LEO OLIVEIRA

leooli@estadao.com.br

Presidente Prudente

Agradecimento

Obrigado, bravos rapazes, vocês conseguiram mostrar ao resto do mundo a mentira que vivemos. Acredito que os urubus é que estavam com a razão.

WALTER DIAS DE CARVALHO

walterdc@uol.com.br

Jundiaí

O melhor

Para mim, Felipão é o melhor técnico do mundo. Primeiro, porque rebaixou o Palmeiras por duas vezes e, agora, porque não permitiu que o PT usasse a seleção da CBF na campanha das próximas eleições.

MARIO ALDO BARNABÉ

mariobarnabe@hotmail.com

Indaiatuba

*
ALEMANHA, TETRACAMPEÃ MUNDIAL

Parabéns à Alemanha pela grande conquista do seu tetracampeonato mundial, no Maracanã. Título mais do que justo e merecido. A Argentina jogou de igual para igual na final e valorizou a grande conquista alemã. O melhor venceu e a Copa ficou em boas mãos. Vitória do bom futebol.

RENATO KHAIR renatokhair@uol.com.br
São Paulo

*
QUE JOGAÇO!

Os dois times mostraram que chegaram merecidamente à final da Copa: que jogaço! O Brasil, com suas muitas estrelas, não soube formar o time. E a anfitriã, Dilma, “a guerrilheira”, com a cara amarrada de medo (sim, medo, pois quem tem vergonha não se associa a petralhas, quadrilheiros, nem procurados pela Interpol) das vaias...

Paulo Ruas pstreets@terra.com.br
São Paulo

*
O PROFETA

Jérôme Valcke é um profeta. Falou que o Brasil merecia um pontapé no traseiro (levou 2) que o Brasil não é a Alemanha. Acertou na mosca!

Luiz Henrique Penchiari luiz_penchiari@hotmail.com
Vinhedo

*
DILMA VAIADA

Dilma Rousseff não teve como fugir da raia e apareceu no Maracanã para ser, mais uma vez, vaiada e brindada merecidamente por aquele coro que já faz parte qualquer aparição sua em público. Para ela, apesar de dizer o contrário, essa não foi a Copa das Copas. Sua fisionomia incomodada no momento do gol da Alemanha, contrastando com a alegria óbvia de Angela Merkel, descreve o seu humor, e mostra que essa Copa no Brasil foi realmente uma péssima ideia do seu mentor, Lula. Faltou-lhe educação para entender que como presidente do país anfitrião, mesmo um resultado contrário ao seu interesse bolivariano teria de ser efusivamente comemorado.

Ronaldo Gomes Ferraz ronferraz@globo.com
Rio de Janeiro

*
E A FESTA ACABOU

Depois de tanta correria e tanto dinheiro gasto para construir estádios, levaram o nosso caneco.

Virgílio Melhado Passoni mmpassoni@gmail.com
Jandaia do Sul (PR)

*
ARGENTINA, VICE

Quem mandou a Argentina treinar no campo do Vasco, na véspera da decisão? Só podia ser vice.

Panayotis Poulis ppoulis46@gmail.com
Rio de Janeiro

*
Argentina, me diz como se siente, volver a fila novamente...

Cláudio Juchem cjuchem@gmail.com
São Paulo 

*
Vamos cantar agora aquela famosa música de quando faleceu Evita Perón: "Não chores por mim, Argentina, tá ra tatá, tá ra tatá, tá ra tatá”. Adeus, até 2018.

João Rochael jrochael@ibest.com.br
São Paulo

*
Si, no llores, Argentina... Adiós, muchachos! Siempre vice-campeones! Vice-campeones de la Guerra de las Malvinas y ahora vice-campeones del Mundo de Futból. Hasta 2018!

Gilberto M. Costa Filho marcophil@uol.com.br
Santos

*
MIMO

A maior alegria que Neymar deu à torcida foi torcer pro Messi...

A.Fernandes standyball@hotmail.com
São Paulo

*
UMA COPA SEM ESTRELAS

A Copa acabou, o circo vai embora, os artistas principais vão se exibir nos picadeiros da Europa e deixaram uma frustração ao público que não viu uma estrela de verdade, aquela cujo brilho ofuscaria as demais, porque em princípio as três promessas candidatas ao título foram como que relâmpagos. Começando por Cristiano Ronaldo, que chegou ainda com os restos de uma contusão, seu percurso aqui durou três rodadas e foi-se. Depois Neymar, que nos primeiros quatro jogos apresentou-se com um pouco de brilho lunar, nada de solar, e terminou sua trajetória no quinto jogo: quando atingido pela colisão com um meteorito, apagou-se. Finalmente, sobraria Messi, a terceira promessa, que também transitou numa órbita sem brilho, mesmo indo até o fim. Sabe-se lá como a Fifa faz tal escolha, mesmo assim Messi terminou premiado como o melhor jogador de linha da Copa, algo que, parece, ele próprio recebeu sem acreditar ser o escolhido. Neuer recebeu a luva de ouro como melhor goleiro. Trocando em miúdos, quem realmente brilhou como uma estrela de primeira grandeza nessa Copa? Nenhum boleiro ! Quanto à campeã, a Alemanha mereceu levar a taça, pois mesmo sem brilhar em sua trajetória ela foi superior às demais.

Laércio Zanini arsene@uol.com.br
Garça 

*
A PARÁBOLA DE VAN PERSIE

Na seleção da memória, guardarei da Copa do Mundo de 2014 no Brasil momento mágico único: o elemento arquitetônico suspenso no espaço, apoiado apenas na engenharia da leveza do homem em expansão plástica – o voo de Van Persie para marcar, com a cabeça, o primeiro gol da Holanda contra a Espanha. Como os pássaros a planar nas térmicas e o salmão no salto ornamental nas corredeiras, Van Persie magnetizou os olhos do planeta ao interromper a trajetória retilínea da bola lançada e criar a parábola perfeita do gol: o ramo ascendente apenas para transpor as mãos do goleiro espanhol e, logo, no segmento descendente, se projetar em direção à rede. Inesquecível. 

José Maria Leal Paes josemarialealpaes@gmail.com
Belém 

*
CARA DE UM...

A seleção é a cara do governo brasileiro no cenário mundial, em dois jogos, levou de 10 a 1.

Ariovaldo Batista arioba06@hotmail.com
São Bernardo do Campo

*
FALTA DE EDUCAÇÃO

Infelizmente não vimos, após a nossa derrota contra a Holanda, nenhuma manifestação de saudação e parabenização do time brasileiro ao holandês. Nenhum aperto de mão de nossa comissão técnica e de nossos jogadores aos adversários vencedores. Faltaram espírito esportivo e respeito nesse momento. Em vez disso, desceram para o vestiário sem olhar para trás. É triste, mostraram pouco-caso por seus adversários e seus torcedores, e demonstraram uma grande falta de educação. Vergonhoso.

Mário G. Liebrecht mgliebrecht@yahoo.com.br 
São Paulo

*
NUNCA ANTES VISTO

Parafraseando Nelson Rodrigues, país vira-lata perdeu seu único cão de raça, o futebol!

Leo Oliveira leooli@estadao.com.br
Presidente Prudente 

*
OS CULPADOS PELO FRACASSO

Os verdadeiros culpados pelo fracasso do Brasil na Copa não são só os da comissão técnica, mas principalmente os dirigentes de clubes que elegem os dirigentes da CBF, aceitando afagos antiéticos e outras coisitas mais. Veja-se o passa-moleque que Marin e seus asseclas deram em Mano Menezes, que ralou para buscar renovar a seleção brasileira e quando começou a dar resultados positivos foi despachado por telefone, ao arrepio do conhecimento do diretor de Futebol da CBF, que acabou se demitindo do cargo. Como se pode pensar em moralizar o futebol brasileiro, se seu dirigente máximo não tem ética nenhuma (vide o caso do furto de medalha, na premiação dos juniores do SC Corinthians Paulista), acobertado pelo dirigente que tomará posse no próximo ano? 
Pobre Brasil.

Walter Simões waltersimoesdx@hotmail.com
Santos

*
INVESTIMENTO
A Federação de Futebol da Alemanha investe em educação e no esporte de base, em tenra idade. No Brasil a CBF investe no patrimônio – de presidente, diretores e cartolas. Falta patriotismo.

Emerson Luiz Cury emersoncury@gmail.com
Itu

*
JOGADORES

A grande verdade, e que ninguém quer ver, é que não existe no futebol brasileiro nenhum grande jogador. Tenho saudades de outras seleções que encantavam o mundo. Ou vocês acham que tem alguém como Pelé, Garrincha, Didi, Rivellino, Ademir da Guia, Luiz Pereira, Gilmar, Djalma Santos, somente para citar alguns?

Agostinho Locci legustan@gmail.com
São Paulo

*
NOVIDADES

Depois da Copa das Copas do PT, vem aí a Olimpíada das Olimpíadas. Aguardem novas emoções!

José Milton Galindo galindo52@hotmail.com
Eldorado 

*
RETRATO FIEL

A fragorosa derrota do Brasil na Copa do Mundo não deixa de ser um retrato fiel do nosso Brasil, com um governo incapaz de ter estratégias e projetos para o País. Só adota medidas pontuais e paliativas para dar a impressão de que tudo vai bem, ainda que a realidade insista em demonstrar o contrário. Está aí: nosso crescimento não passará do 1%, como o único gol que conseguimos fazer neste fatídico jogo. Os simbólicos 7 a 1 representam a enorme falta de visão abrangente de nossos problemas, as encenações desnecessárias, os discursos vazios do palpiteiro oficial, Lula da Silva, do marketing ilusionista, o improviso em tudo e a frágil liderança da nossa presidente. As eleições se aproximam, é nossa chance de iniciar uma mudança nos padrões “Fifa e Felipão” de governar. Assim como no futebol, precisamos nos dar conta de que o Brasil está sendo levado ao atraso sem conseguir enxergar um palmo diante do nariz e está sendo incapaz de reconhecer seus erros para não voltar a cometê-los no futuro. Não anule seu voto, não o desperdice. Aproveite seu voto para mudar escolhendo aquele que lhe pareça mais competente.  
 
Eliana França Leme efleme@terra.com.br 
São Paulo

*
COMECEMOS HOJE

Não quero ser alarmista, mas serei: se mudanças estruturais profundas não começarem a ser postas em práticas já, a partir de hoje, segunda-feira, corremos o enorme risco de não irmos à Copa de 2018, pois poderemos não passar das eliminatórias. Temos de começar a pensar em mudanças profundas na estrutura e no gerenciamento do futebol brasileiro. Sem isso, será que conseguiremos fazer frente a seleções como Colômbia, Chile, Uruguai, Argentina e de outros países do nosso continente que pensam o futebol de forma menos mesquinha do que os cartolas da vez? Ou será que, sem levarmos a sério a necessidade de coibir as nefastas ações de dirigentes que pouco estão interessados em futebol, melhoraremos a mentalidade arcaica que hoje predomina nos nossos campeonatos regionais e no Brasileirão? Caramba! Estão avacalhando o nosso futebol. Seria a suprema vergonha não conseguirmos a classificação para a próxima Copa, pela primeira vez na História.

Aquiles Rique Reis aquilesmpb4@gmail.com 
São Paulo

*
ECO DA COPA

Esperemos que a derrota bombástica no futebol faça eco e o Brasil aproveite para limpar a casa em todos os sentidos.

José Luiz Martin jluizmartin@yahoo.com.br 
São Paulo

*
EDUCAÇÃO

Após nossa derrota no futebol, um pensamento vem à cabeça de muita gente. Como isso pode acontecer com o país que sempre foi o melhor do futebol no mundo, com tantos campeonatos mundiais? O grande motivo de nossa derrota é que somos um país que vive de ilusões, ainda somos o país do futuro. E por que esse futuro nunca chega? Porque somos “imediatistas” e não temos paciência de esperar. Não construímos, damos um “jeitinho”. Não planejamos, “improvisamos”. E ao final de tudo o que realmente deveríamos ter feito para termos um país melhor e nunca pensamos nisso? Educação! Isso é o que deveria vir antes de tudo, de qualquer programa de governo até a prefeitura das cidades pequenas. Enquanto não dermos um passo resoluto nessa direção, vamos continuar tendo decepções como a que tivemos. Vamos procurar escolher os candidatos que mais puderem contribuir com o futuro do País nesse sentido. Educação é, também, um dos pontos muito fortes dos governos alemães.

Fabio Figueiredo fafig3@terra.com.br 
São Paulo

*
CRITÉRIOS PARA A ‘SELEÇÃO’ DE OUTUBRO

Da avassaladora onda de más noticias envolvendo a Copa de Futebol da Fifa com corrupção, relações perigosas com o governo e desperdício de recursos públicos para a construção de estádios desnecessários, nos quais operários perderam a vida, restou um fato positivo: com a derrota do time de futebol brasileiro, descobriu-se a coragem de Felipão. Lamentei o desperdício, a morte dos operários e a derrota da equipe. Restou como consolo ver pela televisão e nos jornais essa coisa rara que é um homem de vida pública assumindo corajosamente o papel que lhe cabia assumir, em momento adverso. Que fique em nossa memória não a tristeza pela equipe brasileira não ter sido, desta vez, a campeã, mas a energia e o vigor passados por um homem público que, abatido pela adversidade do momento, nos dá, de presente, algo que o País está procurando, desesperadamente: exemplo de coragem e de firmeza de caráter para governar o País. É esse o critério que precisamos usar, nas urnas, para montar a “seleção” de outubro, de maneira que ela “jogue para o Brasil”, nos próximos quatro anos.  

Sergio José Nicoletti sergionicoletti@uol.com.br 
São Paulo

*
ALHOS E BUGALHOS

Futebol, política e religião são três coisas diferentes e que não se misturam. Que não devem ser confundidas e misturadas. Muitos estão associando a Copa do Mundo e o fracasso humilhante da Seleção Brasileira ao governo Dilma e ao PT, o que é uma tremenda bobagem. Se ganhássemos a Copa e conquistássemos o hexa, também não teria nada que ver com o governo de plantão. Em 2002, ganhamos o penta, no Japão, e FHC e o seu PSDB perderam a eleição para o PT, de Lula. Infelizmente, tanto Dilma (PT) como Alckmin (PSDB) devem ser reeleitos, se não houver nenhuma grande surpresa. Peço que deixem o futebol e a Seleção Brasileira de fora disso, dos seus ódios e paixões políticas. Só os tolos misturam futebol e política, bem como os alhos com os bugalhos.
 
Renato Khair renatokhair@uol.com.br 
São Paulo

*
OS ELEFANTES BRANCOS

Qual será o fim dos elefantes brancos ou cinzas chamados arenas do Pantanal e da Amazônia? Vou ajudar as nossas “otoridades”. Futebol não vai ser, então comecem a planejar o uso desses monstros de concreto onde foram enterrados milhões e milhões, para serem criadouros de fauna e flora das regiões. E, além disso, já providenciem junto do governo federal, que tem dinheiro sobrando a rodo, para sustentar essas nobres atividades. Afinal, deixar as coisas para depois, só com o Felipão. E o Brasil não pode ficar esperando alguém se tocar ou acordar do sonho do hexa. Vamos em frente que atrás vem gente e o mundo não para.
  
Zureia Baruch Jr. zureiabaruchjr@bol.com.br 
São Paulo

*
A CONTA DA COPA

Vão-se embora o “panis et circenses” e ficam as contas por pagar!

Eugênio José Alati latieugenio@gmail.com
Campinas

*
NOSSA CHANCE

Eu, como paulistano e brasileiro, é claro que estou desapontado, envergonhado e triste com a nossa derrota para a Alemanha. É uma vergonha, no entanto, que nos sirva de lição e principalmente de alerta. Somos o país da informalidade, da falta de profissionalismo, do exagero de “improvisar”. Tudo está assim, a saúde, a educação a economia, a segurança, o Judiciário e as nossas entidades públicas. A nossa inflação está entre as maiores dos países em desenvolvimento e o crescimento econômico, medíocre. Está na hora de acordarmos e de mudar. Chega desta “gestão” ridícula, danosa, de pessoas despreparadas, vaidosas, pretensiosas e só pensando no seu próprio benefício e na sua continuidade de poder. Acorda, Brasil, podemos mudar dia 3 de outubro! É a nossa chance!

Heitor Portugal Procópio de Araujo heitor.portugal@uol.com.br
São Paulo

*
A SEGUNDA GOLEADA

Se a nossa inflação fosse mostrada num placar de estádio de futebol (que não admite placar fracionário), teríamos a segunda goleada sofrida pelo Brasil na mesma semana, também por 7 a 1, visto que o IPCA (6,52%) rompeu o teto da meta de inflação. O placar de  7 a 1 (7 de inflação x 1 de PIB) é muito mais trágico que a goleada sofrida em campo. Essa é a Copa das Copas a que Dilma e Lula sempre se referiam.

Claudio Juchem cjuchem@gmail.com 
São Paulo 

*
HORA DE DESPERTARMOS

Finda a Copa 2014, aumento na energia elétrica em 18,5%, planos de saúde sobem 9,5% e a inflação bate nos 6,5%. Enquanto isso, os aposentados tiveram reajuste de 5,5% em seus vencimentos. Ou seja, a bola rolou, o desgoverno enrolou e o aposentado agora chora. Todavia, em outubro nós, os aposentados, mostraremos toda a nossa revolta nas urnas, eliminando o império bolivariano popularesco de nosso país. Acordai, eleitorado brasileiro, antes que nos tornemos uma PCC (Pátria Cubana Continental).
 
Antônio Carelli Filho palestrino1949@hotmail.com 
Taubaté
   
*
TUDO SOB CONTROLE

Guido Mantega explicou na semana passada o último índice inflacionário anunciado: 6,52%. Bem, esse resultado não significa que os preços estão subindo e diminuindo o poder aquisitivo das famílias brasileiras, significa apenas uma previsão do jogo entre Brasil e Alemanha, em que o 6 era o sonho tão esperado pelos brasileiros, que era conquistar o hexa, sonho transferido para 2018. O sonho não acabou, apenas foi adiado, pois alguns ajustes precisam ser feitos pela equipe econômica. O 52 era a soma dos gols da Alemanha: 5 + 2 = 7. E o 6 também pode ser considerado como o saldo de gols da Alemanha, 7 - 1 = 6. Entenderam? Nada que ver com descontrole dos gastos públicos, está tudo sobre controle, blá, blá, blá.
 
Maria Carmen Del Bel Tunes carmen_tunes@yahoo.com.br 
Americana

*
MEDO DA INFLAÇÃO

Conta de luz sobe 18% em São Paulo; planos de saúde sobem quase 10%; e ninguém fala nada. Gostaria de saber qual critério o governo usa para tanta aberração. Desculpem-me o senhor Guido Mantega e a senhora Dilma Rousseff, mas isso me parece provar o manuseio da inflação. Ou será que não?

Arnaldo de Almeida Dotoli arnaldodotoli@hotmail.com 
São Paulo

*
ESTRANHA ECONOMIA

Não sou economista, mas dá para algum deputado, senador ou a sra. ilustríssima presidente Dilma Rousseff (que parece que é economista) me informar o porquê de a nossa inflação projetada ser de 7,4% (em 12 meses) e serem autorizados aumentos de planos de saúde de 9,6% e de conta de luz de 18%? Senhores deputados e senadores, quem é o responsável por administrar as contas da nossa casa Brasil? E o aumento para os aposentados, aposto que será de 3% ou 4%. É realmente uma economia diferenciada daquela ensinada pelo “pai da economia moderna” sr. Adam Smith.

Nelson do Nascimento Cepeda fazoka@terra.com.br  
São Paulo

*
MENTIRA SOBRE O AUMENTO DE PREÇOS

9,65% é o reajuste de planos de saúde; energia elétrica sobe 18% e a inflação oficial, “sob controle”, é de 6,5%. Por que este governo não vai mentir na China?

Roberto Twiaschor rtwiaschor@uol.com.br 
São Paulo

*
INJUSTIÇA DA ANS

Será que a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) pode nos explicar quais os índices que utilizou para determinar um aumento de 9,65% nos planos de saúde individuais, se a maioria desse tipo de plano é utilizada por aposentados e idosos que tiveram seus proventos com ajustes bem abaixo da inflação de 6,5%? Se o governo não tem critérios honestos, esperávamos pelo menos que as agências reguladoras estivessem do lado dos cidadãos. Se já não bastassem os aumentos constantes dos medicamentos, cujos preços são os mais altos em comparação com outros países... Lastimável!
 
Leila E. Leitão
São Paulo 

*
CONTRIBUINTES APERTADOS

Sem a “elite branca” fonte das receitas do governo, com impostos e aumentos descabidos (agora mais um, de 18% na luz), periodicamente sem avaliar as consequências e o bom senso, dona Dilma e o seu mentor, Lula, não teriam condições de cumprir os “projetos sociais e eleitorais”, como as Bolsas Família, Ditadura, Permanência, Copa, Bolsa Olímpica, Bolsa Escola, Bolsas Alimentação, Bolsa Trabalho, Bolsa Cidadão, Bolsa Presidiário, entre outras que não vingaram. Já calcularam quantos contribuintes são necessários para cobrir essas benesses? Há sacrifícios dos dois lados, portanto é hora de os senhores caírem na real, valorizarem e se aproximarem mais do povo contribuinte, que sustenta essas e outras contas. Os bolsistas, sabendo dessa matemática, iriam agradecer, e muito.

Jaime Eufrasio Sanches jaime@carboroil.com.br 
São Paulo

*
CONTA DE LUZ

Já que a tarifa vai subir e teremos as eleições, fica aí sugestão para dona Dilma: Bolsa Lamparina.

A.Fernandes standyball@hotmail.com  
São Paulo

*
BRASIL PADRÃO FIFA
 
Na época da “ditadura”, tão combatida pelo PT, faziam o mesmo, ou seja, as medidas eram tomadas quando havia jogos de futebol com portão aberto. E agora, o que têm a dizer? Na semana passada, em dia de jogo do Brasil, a conta de luz subiu 18% em São Paulo: aumento de 18,06% para residências e de 19,93% para as indústrias. Os planos de saúde sobem 9,6%, o aumento será aplicado sobre a data de aniversário do contrato e as operadoras estão autorizadas a cobrar de forma retroativa. Por sua vez, a campanha petista estima gastos de até R$ 290 milhões para a reeleição de Dilma. Adequar a refinaria de Pasadena para que possa processar o óleo pesado custará mais US$ 2 bilhões, além do US$ 1,2 bilhão já pago. E, não bastasse, o ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), derrubou a decisão do Conselho Nacional do Ministério Público que havia determinado o afastamento do ex-senador Demóstenes Torres do cargo de procurador de Justiça em Goiás. Enquanto isso, assistíamos aos jogos da Copa.

Claudio Mazetto cmazetto@ig.com.br  
Salto

*
AUMENTO DOS PEDÁGIOS

Em matéria de 30/6/2014, o jornal “Estado” veiculou a informação de que a Associação Brasileira de Concessionárias de Rodovias (ABCR) estaria recorrendo na Justiça sobre o aumento determinado pela Agência Reguladora do Transportes do Estado de São Paulo (Artesp). Ora, de um lado, parece que as concessionárias interpretam o chamado “reequilíbrio econômico financeiro”, constante do contrato, somente em seu favor, em detrimento do usuário. Por outro lado, é incalculável o número de obras que já eram para estar prontas, há vários anos, e que nem sequer iniciaram. Dou como exemplo, entre tantos que aqui poderia descrever de várias concessionárias, a galeria de concreto que deveria ter sido construída pela concessionária Tebe, no km 170 + 800 metros da SP-351, cujo prazo expirou em 2001 e que, aliás, consta do contrato como obra emergencial, sem nunca ter sido realizada. Essa galeria foi dada como obra emergencial por causa do grande número de atropelamentos de animais silvestres, e estaria localizada em trecho de preservação ambiental. De um lado, morrem muitos animais atropelados e, de outro, colocam em risco iminente o usuário.

Orivaldo Tenorio de Vasconcelos professortenorio@uol.com.br  
Monte Alto

*
‘SAFRA RECORDE DE GRÃOS’?

Não encontro embasamento lógico para a notícia sobre a safra de grãos da página B3 de 10/7/2014. Como já é de praxe, o IBGE e a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) devem ter fornecido à jornalista Daniela Amorim dados furados, que sempre são contestados e demolidos por consultorias privadas, por terem acuracidade infinitamente maior. O IBGE, que era referência em estatística e metodologia de trabalho, fora aparelhado politicamente para forjar dados favoráveis ao governo federal. Já a Conab é alvo de um documentário investigativo do Canal Rural mostrando o sucateamento e o abandono de suas unidades armazenadoras por todo o Brasil, onde em alguns casos o descaso é total. Mesmo assim, mantêm em seus quadros funcionários que não fazem absolutamente nada e são pagos com dinheiro público – é claro. Depois do governo federal, a Conab é hoje a maior inimiga do produtor rural, porque, além de não prestar nenhum dos serviços que deveria, infla dados e expectativas de safras para atender a interesses populistas do poder central. Com relação às informações da reportagem, sugiro que a jornalista procure triticultores gaúchos, catarinenses e paranaenses e pergunte qual porcentual da área original de trigo eles conseguiram plantar e quanto eles já perderam com as chuvas torrenciais de junho. Também sugiro que a jornalista pesquise qual a intenção de plantio de milho verão nas principais regiões produtoras do Brasil. Para finalizar, é importante a jornalista perguntar para a Conab e o IBGE como eles conseguem prever esses dados, se a safra de trigo ainda não foi colhida e as safras de soja e milho verão ainda nem foram plantadas. Será que IBGE e Conab têm "médiuns" em seus quadros?

Frederico D’Ávila, produtor rural fredericobdavila@hotmail.com 
Buri

*
‘CONTA PARALELA’ É CASO DE POLÍCIA

Quantas “contas paralelas” mais o governo Dilma terá na cartola para conseguir cumprir sua meta fiscal, como aconteceu em maio, quando recebeu repasse de um “banco fantasma” de R$ 4 bilhões? Isso está parecendo caso de polícia e não precisamos ser economistas para entender que provavelmente existe um acordo de cavalheiros entre governo e bancos. Enquanto a tal “conta paralela” está no banco, engorda a conta do próprio. Quando o governo está no vermelho, recruta repasse? Com certeza alguém anda lucrando com essa transação secreta e o fato do governo não divulgar nomes dos bois (bancos) prova que existe algo sinistro nessa história, que deve ser discutida no Congresso, pelo Ministério Público, Tribunal de Contas da União (TCU), Polícia Federal (PF), oposição, etc. O que não pode é o dinheiro aparecer do nada sem explicação nenhuma, para cobrir rombos do desgoverno Dilma!

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br 
São Paulo

*
DINHEIRO MISTERIOSO

Agora as contas do Tesouro Nacional recebem ajuda inusitada e mágica de uma operação de registro contábil que reduziu o rombo do mês em R$ 4 bilhões, conforme informado, valor mantido por um banco privado secreto numa conta misteriosa fora do alcance do radar do Banco Central. Essa descoberta ocorreu casualmente às vésperas do anúncio oficial pelo Tesouro do resultado fiscal da União. Eles querem que acreditemos em Papai Noel, coelhinho da Páscoa e na cegonha? Vergonhoso!

Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br 
São Paulo

*
A DÍVIDA ARGENTINA

Sobre a decisão do juiz norte-americano Thomas Griesa de bloquear o pagamento argentino de US$ 1 bilhão para os credores que aceitaram renegociar com descontos e parcelamentos – dívida total argentina de US$ 100 bilhões  definida em 2005 –,  a revista britânica “The Economist” (3/7) comparou a  Argentina ao jogador uruguaio Luiz Suárez, que mordeu um adversário na Copa: “Argentina é como o Suárez das finanças internacionais, e tem atitude adolescente de que regras existem para serem quebradas”. Que vexame! 

Edgard Gobbi edgardgobbi@gmail.com   
Campinas 

*
CALOTE DOS ‘HERMANOS’

Diante da notícia de que a Argentina pediu ajuda à Organização dos Estados Americanos (OEA) para não cair no abismo do calote, cuja resolução apresentada pelo Brasil e pelo Uruguai teve o apoio da quase totalidade de seus integrantes, votaram contra os Estados Unidos e o Canadá, vemo-nos obrigados a refletir para compreender o comportamento dos países que votaram favoravelmente e contra a resolução. Salvo melhor juízo, votaram contra os países cuja ética obriga a respeitar contratos e a pagar seus legítimos credores. A favor votaram os países menos comprometidos com a ética e a moral, não por acaso todos ibero-americanos. Se a conclusão estiver correta, o Brasil anda em muito más companhias.

Mário Rubens Costa costamar31@terra.com.br   
Campinas

*
SÃO PAULO QUASE SEM ÁGUA 

A decisão do governador Geraldo Alckmin de postergar as medidas drásticas que se fazem necessárias ante a estiagem que assola o Estado de São Paulo, em particular as represas do sistema Cantareira, só tem explicação pelo fato de este ano termos eleições gerais e ele pretende se reeleger para o cargo. Todos os técnicos ouvidos pelos meios de comunicação, inclusive o “Estadão”, foram unânimes em afirmar que a utilização da reserva técnica no limite, contando, sem poder ter certeza, que a próxima época de chuvas resolverá o problema, é de uma falta de lógica abismal. Conta com tal possibilidade como se já tivesse combinado tudo com a natureza, ou, no jargão popular, com São Pedro. A excelente reportagem de sexta-feira (11/7) do “Estadão” nos mostrou uma situação insustentável. Aparentemente não está sendo levado em consideração que nos locais já secos do sistema o solo absorve boa parte da baixa vazão dos rios que o alimentam, principalmente aqueles que nascem no sul de Minas Gerais. Um dos técnicos consultado pelo jornal no início da crise já dizia que a utilização da reserva técnica em excesso, como está ocorrendo agora, implicaria que o reservatório levaria dez anos para se recuperar. Em minha opinião, o governador deveria, desde o início, ter decretado um rodízio suficiente para que atravessássemos este período atípico e se deslocasse todo o potencial construtivo e verbas do Estado para realizar obras que levassem um reforço de água para o Cantareira. A própria declaração feita pelo governador de que pretende estender o bônus para 2015 é uma clara indicação de que ele já sentiu o tamanho da encrenca em que se meteu com a sua decisão. Cabe ainda acrescentar que a economia de água que a população está fazendo simplesmente adia o esvaziamento da represa e, portanto, como é obvio, ainda continuamos a depender das chuvas, e chuvas copiosas. 

Gilberto Pacini benetazzos@bol.com.br 
São Paulo

*
PLANO DIRETOR

O PT é mesmo o partido da demagogia. O prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, quer impor aos moradores de São Paulo um truculento plano diretor que legaliza ocupações irregulares dos movimentos ditos “sociais”, formados por militantes do PT, e, ao mesmo tempo, permite que o poder econômico das indústrias da construção civil acabe com o que sobra dos bairros residenciais, transformando nossa cidade num aglomerado de prédios, sem sol nas casas, sem arejamento e com excesso de população em ruas que não têm infraestrutura. É preciso que todos os moradores de nossa metrópole se manifestem contra mais este plano autoritário da Prefeitura.
 
Adalberto Denser de Sá Junior juniorads@uol.com.br  
São Paulo
*
PERÍODO ELEITORAL
 
Como já foi noticiado pela mídia, neste período eleitoral vários senadores e deputados estarão empenhados em suas campanhas, objetivando freneticamente sua reeleição. O Congresso Nacional ficará quase que paralisado, não havendo, portanto, votação de projetos importantes que estão em pauta. É evidente que a busca dos parlamentares pelos seus interesses pessoais, absolutamente, não obsta o recebimento de seu salário integral, bem como as outras benesses que lhes são conferidas. E quem vai pagar essa conta? Por evidente, são aqueles que levantam cedo e enfrentam o caótico trânsito e outras agruras para ganhar o seu pão. Ganhar sem trabalhar já e uma aberração endêmica usufruída por aqueles que são os brasileiros que se consideram diferenciados.
 
Francisco Zardetto fzardetto@uol.com.br  
São Paulo

*
O EXPURGO DOS FICHAS-SUJAS

No mesmo momento em que começa a campanha eleitoral, uma rápida pesquisa nos diz que o Brasil ainda tem muitos políticos com ficha suja, que, segundo a lei, não poderão disputar. Além de mensaleiros, ímprobos administrativos, corruptos de vários matizes e criminosos diversos, também aparecem, com destaque nas listas, os sanguessugas, parlamentares que desviaram parte do dinheiro que o governo destina à compra de ambulância e equipamentos hospitalares. É importante que o Ministério Público e os juízes eleitorais estejam atentos para evitar que os errantes, mais uma vez, possam ser candidatos e, eleitos ou reeleitos, continuem a gozar de imunidades, foro especial e poderes que, além de mantê-los impunes das faltas passadas, ainda os estimulem a cometer novas. Retirar da vida pública todos os que, por culpa ou dolo, cometeram irregularidades é imperativo nacional. Sem essa necessária profilaxia, a classe política jamais obterá o respeito da comunidade e, mais cedo ou mais tarde, o País, inclusive sua democracia, irá a pique.

Dirceu Cardoso Gonçalves aspomilpm@terra.com.br 
São Paulo

*
ENTREVISTA COM MICHEL TEMER

Foi ele, Michel Temer, quem disse (3/7, A6): “O eleitor tem a impressão de que as coisas chegaram a tal ponto que os próximos quatro anos serão melhores”. Certamente o senhor Temer não fez parte do grupo que ocupou o (des)governo federal por quase 12 anos, para que as coisas chegassem a tal ponto e  achar que doravante as coisas poderão melhorar. Também acredito nisso, desde que possamos mandar os atuais governantes para o merecido descanso, preferentemente na Papuda.

Luiz Carlos Giotto Pannunzio giotto.pan@gmail.com  
São Paulo 

*
ELEIÇÕES E PARTICIPAÇÃO POPULAR
 
Iniciado o período eleitoral, os candidatos já aparecem. Com eles, propostas que parecem promessas. Todos parecem saber resolver de maneira simples problemas seculares e complexos da saúde, educação e do desenvolvimento humano. Na verdade, sob meu ponto de vista, tudo é um processo evolutivo e ninguém é super político que sabe resolver tudo sozinho. Sem a participação do povo nas propostas e resoluções de problemas não haverá rápido desenvolvimento. O povo sabe "onde dói seu calo" e aqueles que não ouvem os anseios populares governam para uma minoria que cobrará um retorno de seus investimentos. O candidato ideal deve ser verdadeiro e conhecedor de seus limites. Não é ele que manda. Ele ouve o povo e executa a vontade do povo. A época dos coronéis deve chegar ao fim! Sem o líder imposto parece ser mais difícil, mas é a única forma de evoluir. Sempre haverá uma hierarquia de valores, mas as pessoas são iguais em dignidade. Como disse Jesus: quem quiser ser grande que sirva o irmão da melhor forma. Em 2014 sentimos um desinteresse ainda maior pela política. Quem não gosta de políticos arrisca ser governado por eles.
 
Paulo Roberto Girão Lessa paulinhogirao@gmail.com  
Fortaleza

*
EXÉRCITO DIGITAL PETISTA

Atenção, todos os colaboradores do “Fórum dos Leitores”: seus e-mails são lidos pelos contratados do PT, que respondem para seu endereço mensagens defendendo os petralhas. Bando de gente que não tem o que fazer e ainda recebe por isso. Espero que não seja com dinheiro público. 

Alberto carneiro de Araújo aaraujo.sbc@gmail.com  
São Caetano do Sul 

*
INTRIGA DESCABIDA

Numa atitude deselegante e baixa, imprópria para um estadista, o vice-presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, para fazer média com Dilma Rousseff, que estava contrariada com aquele país por suas interferências internas aqui, reveladas por Edward Snowden, mandou a ela suas versões a respeito das pretensas ações das nossas Forças Armadas nos tempos do regime militar. Por atitude semelhante eles lá querem condenar à morte Snowden, que precisou fugir para a Rússia. Péssimo exemplo desse fazedor de intrigas em casa alheia o sr. Joe Biden.

Tercio Sarli Terciosarli.edicoes@r7.com 
Campinas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.