Fórum dos Leitores

GOVERNO DILMA

O Estado de S.Paulo

19 Julho 2014 | 02h04

Raúl Castro no Torto

Como pode a nossa presidenta da República - que defende tanto os direitos humanos e tem dado todo o apoio necessário para a Comissão da Verdade apurar eventuais erros cometidos pelos militares, 50 anos atrás, contra subversivos no Brasil - dar abrigo, em residência oficial, ao maior desrespeitador de direitos humanos das Américas, que matou e torturou milhares de pessoas de maneira sumária, sem nenhum direito a defesa, e ainda hoje prende cidadãos que discordam da atual ditadura em Cuba? Será que a presidenta pensa que direitos humanos são só no Brasil? Direitos humanos têm de ser respeitados em todos os lugares do mundo e quem não respeita não deve merecer também o nosso respeito.

MARCO ANTÔNIO MARTIGNONI

mmartignoni@ig.com.br

São Paulo

Revoltante

Raúl Castro hospedado à custa do povo brasileiro na Granja do Torto é revoltante. Já não basta todo o dinheiro enterrado em Cuba pelo PT - porto de Mariel, Mais Médicos cubanos e o que ainda estará por vir? Realmente, dá nojo essa corja do PT. Está mais do que na hora de os brasileiros de bem darem um basta nesse partido vermelho.

DEBORAH MARQUES ZOPPI

dmzoppi@uol.com.br

São Paulo

Mordaça

Hospedar um assassino cubano na Granja do Torto não é nada perto do que o governo petista já fez e ainda pretende fazer contra a sociedade brasileira. O mais assustador é que se a hospedagem de Raúl Castro na residência de campo da Presidência da República não fosse descoberta pelo Estadão ninguém ficaria sabendo. É exatamente por essas e por outras, decerto muito mais estarrecedoras, que esse governo petista, baseado na mentira e no engodo, quer implantar a censura nos órgãos de imprensa brasileiros.

VICTOR GERMANO PEREIRA

victorgermano@uol.com.br

São Paulo

Caso de amor

Para que questionar o governo a respeito da hospedagem de Raúl Castro numa das residências oficiais da Presidência em Brasília? Cuba é venerada por esse pessoal que atualmente nos governa, pois lá existe uma ditadura que eles gostariam de ter implantado no Brasil no seu tempo de juventude e não conseguiram. Isso é um caso de amor antigo. E mal resolvido.

RONALDO GOMES FERRAZ

ronferraz@globo.com

Rio de Janeiro

Comandante

Raúl Castro até que foi camarada ao ficar na Granja do Torto, podia ter exigido o Palácio do Planalto e o Palácio da Alvorada. Afinal, é ele que dá as ordens.

FERNANDO MORENO

frodg434@hotmail.com

São Paulo

Franquia

Recebendo os ditadores "cumpanheros" do lullopetismo Raúl Castro e Nicolás Maduro, a Granja do Torto lembra uma franquia da "Pensão do Zelaya". Só falta o Lulla na recepção...

A. FERNANDES

standyball@hotmail.com

São Paulo

Diplomacia brasileira

Se o Barão do Rio Branco fosse vivo, certamente ele estaria muito preocupado com a atuação da diplomacia brasileira. Um "cocaleiro" invade e expropria uma refinaria de petróleo (da Petrobrás) na Bolívia sem nenhuma reação do governo do Brasil. A Argentina descumpre todos os acordos comerciais assinados com o Brasil, dando monumentais prejuízos às nossas empresas, e a "presidenta" argentina, além de invadir uma reunião privativa do Brics, conseguindo até sair na foto de encerramento do evento, consegue uma manifestação de apoio do Brasil ao seu calote internacional. E em entrevista publicada no caderno Paladar do Estadão (17/7, D2), uma enóloga argentina fala sobre a queda nas exportações de vinhos de seu país para o Brasil, motivadas pela desvalorização do real, pela inflação em alta na Argentina e pela "péssima relação comercial com o Brasil, por culpa do governo argentino".

LUIZ ANTONIO ALVES DE SOUZA

zam@uol.com.br

São Paulo

AINDA A REUNIÃO DO BRICS

Submergentes

Incrível que a Argentina pretenda fazer parte do Brics, sigla do grupo das nações emergentes (formado por Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul), uma vez que se trata de um país que está submergindo. Talvez a Argentina devesse fundar um outro grupo, juntamente com a Venezuela, a Grécia, etc. Seria o "Quebradics".

LUIZ HENRIQUE PENCHIARI

luiz_penchiari@hotmail.com

Vinhedo

Abutres da Unasul

Foi só sentir o "cheiro" do Novo Banco de Desenvolvimento do Brics para o casal Nicolás Maduro e Cristina Kirchner "voar" para Brasília.

SERGIO S. DE OLIVEIRA

ssoliveira@netsite.com.br

Monte Santo de Minas

Crédito não aprovado

Só o que falta mesmo é a Cristina Kirchner querer um cheque especial do banco do Brics. Ela esteve aqui para falar com a gerente da agência Brasil, mas a diretoria não aprovou a operação.

JOSÉ PIACSEK NETO

buubanetopiacsek@gmail.com

Avanhandava

Presidência

Um membro do Brics está com as exportações em queda; outro, em "forte alta pelo 2.º mês consecutivo, +12,4% em maio e 10,2% em junho" (17/7, B2). Um queria ter a presidência do Novo Banco de Desenvolvimento, a ser fundado; outro foi o escolhido pelo grupo para essa função. O "um" é o Brasil, o "outro" é a Índia. Precisa dizer por quê?

MARIO HELVIO MIOTTO

mhmiotto@ig.com.br

Piracicaba

JOÃO UBALDO

Pesar

Com a morte de um brasileiro consciente como João Ubaldo Ribeiro, o Brasil ficou muito mais triste e pobre intelectualmente. Meus pêsames à nossa cultura.

ALBERTO SOUZA DANEU

albertodaneu.health@gmail.com

Osasco

A morte de João Ubaldo é uma perda muito grande para o Brasil, para nossa cultura, nossa arte, nossa literatura. Para mim e tantos outros é a perda de um fiel companheiro dos domingos. Quem, agora, vai ter tanta verve para liderar a resistência contra o politicamente correto e o Estado-babá? A responsabilidade do Estadão é grande.

ARNALDO MALHEIROS FILHO

arnaldo@malheirosfilho.adv.br

São Paulo

 

___________________________________

TRAGÉDIA NA UCRÂNIA

Dilma Rousseff alegou que é cedo demais para dizer se a Rússia poderia ser responsabilizada pela derrubada do avião da Malaysia Arlines, por um míssil, dentro do espaço aéreo da Ucrânia. Por outro lado, quando perguntada sobre os abusos e a violência do governo da Venezuela empregados no combate aos protestos de rua pela oposição política ao presidente Nicolás Maduro, ela enfatizou que não é procedimento do Brasil opinar ou externar opinião sobre fatos políticos ocorridos em outros países. Enquanto isso, nós pagamos com o dinheiro recolhido pelos escorchantes impostos a estadia do ditador cubano Raul Castro em residência oficial do presidente eleito por nós. Abram os olhos, eleitores, e saibam votar para eliminar este tipo de político da vida pública brasileira.

 

Antônio Carelli Filho palestrino1949@hotmail.com

Taubaté

*

ARMAMENTO RUSSO

Que mal pergunte: quem arma e financia os separatistas ucranianos? Seria a Rússia?

Maria Cristina Rocha Azevedo crisrochazevedo@hotmail.com

Florianópolis

*

FEBEAPÁ

 

Não faltava mais nada para classificar o festival de besteiras que a dupla Lula e sua criatura dispara constantemente. Agora vejam só: ela "aconselha" a ONU a tratar com muito cuidado a questão do avião malaio derrubado na Ucrânia, porque, segundo ela, na mesma rota viajava o avião do presidente russo, Vladimir Putin.

Laércio Zannini arsene@uol.com.br

São Paulo

*

MÍSSEIS RUSSOS E BRICS

Creio que a presidente Dilma, para melhorar sua imagem, desgastada com o desastre da Copa, deveria solicitar ao companheiro russo, Putin, ex-KGB, uma maior parcela de participação, perdida no banco do Brics, destinado a indenizar o desastre que atingiu a Malaysia Airlines e 281 inocentes, assassinados pelos mísseis russos concedidos gratuitamente por Putin aos terroristas pró-Rússia no leste da Ucrânia. Além de pedir que ele pare de fornecer armamentos, especialmente tão mortíferos, ela, como alega ser corajosa e sincera, deveria realizar uma repreensão pública a este armamento. Ela deveria aproveitar sua alegada coragem para repreender o presidente Maduro, que saiu no canto da foto do grupo de líderes do Brics, sorridente e desajeitado, para que ele pare de incentivar seu terrorismo estatal contra a oposição, estudantes e a imprensa venezuelanos. E alguém poderia me explicar o que ele fazia lá, naquele seleto grupo, junto com a viúva Cristina Kirchner, já que ele é desastre na condução de finanças na Venezuela e ela, uma caloteira argentina internacional? Este Brics, se não tiver controle da China e da Índia, vai logo para o buraco. E finalmente, pelo amor dos céus, rezo para que nenhum petista fique no conselho de administração do novo banco. A experiência de petistas no conselho de administração da Petrobrás não é recomendável a ninguém.

José Rubens Macedo Soares joserubens@federmacedoadv.com.br

São Paulo

*

LISTA NEGRA

Se você pretende fazer uma viagem aérea internacional sem incidentes, certifique-se da rota que será seguida pela aeronave. Se sobrevoar regiões onde haja insurgência ou beligerância, desista da viagem. Exemplo: com raríssimas exceções, evite sobrevoar o continente africano de maneira geral – principalmente o norte da África e o sul do Mar Mediterrâneo – Oriente Médio, Irã, Afeganistão, leste europeu, sudeste asiático, o território chinês e o território russo. Para se certificar da minha advertência, consulte o endereço eletrônico a seguir: http://oglobo.globo.com/mundo/os-avioes-civis-derrubados-nos-ultimos-40-anos-13291787.

Sergio S. de Oliveira ssoliveira@netsite.com.br

Monte Santo de Minas (MG)

*

ATÉ QUANDO?

Até quando os interesses macroeconômicos das potências que possuem os chamados "complexos industriais militares" que produzem guerras vão causar tragédias como esta da derrubada do avião na Ucrânia? Urge que as grandes lideranças mundiais se unam, no sentido de evitar que esses "acidentes" ocorram, permitindo que o tráfego aéreo em todo o planeta tenha a segurança que a tecnologia da aviação hoje possibilita.

José de A. Nobre de Almeida josedalmeida@globo.com

Rio de Janeiro

*

A CAIXA PRETA

A caixa preta do avião da Malaysia Airlines atingido por um míssil na Ucrânia foi encontrada e, segundo o noticiário, tinha sido entregue às autoridades russas. O jornalista Renato Machado diz que a caixa preta é a garantia de transparência na investigação, o que põe sob suspeita a entrega do equipamento às autoridades russas. A caixa preta é a garantia de investigação para esclarecer o acidente. Bastante infeliz a declaração do jornalista, lançando suspeita sobre quem recebeu a caixa. O correto é a caixa preta ser entregue à autoridade internacional que investigará o caso. Se a caixa preta tivesse sido entregue às autoridades ucranianas ou aos EUA, por exemplo, o jornalista diria a mesma coisa? Que o jornalista tenha sua tendência pessoal é normal, o que não pode é essa tendência ser expressada num noticiário. Noticiário tem de ser imparcial.

Panayotis Poulis ppoulis46@gmail.com

Rio de Janeiro

*

PREDADORES DA PRÓPRIA RAÇA

Gosto de estudar a respeito de objetos voadores não identificados e outros assuntos correlatos e, conversando com uma pessoa, esta disse-me que, se realmente os extraterrestres estiverem nos visitando, será por interesse em destruir a raça humana. O que está acontecendo no Oriente Médio, especialmente na Faixa de Gaza, e o abate de um avião comercial na Ucrânia levam-me a crer que os "homenzinhos verdes" sabem que nós mesmos nos destruiremos sem necessidade de ajuda externa. É incrível, somos predadores da nossa própria raça e, pior, conscientes dos nossos atos.

Alberto Souza Daneu albertodaneu.health@gmail.com

Osasco

*

CRISE NA FAIXA DE GAZA

Deplorável a invasão de Gaza pelo Exército de Israel. Após bombardear e matar centenas de civis inocentes – entre eles, inúmeras mulheres e crianças –, agora Israel parte para a ofensiva terrestre. Israel se tornou um Estado de extrema direita, belicista, opressor e fascista. Desrespeita as resoluções da ONU, rouba as terras dos palestinos e não respeita os direitos humanos, sempre com o apoio bélico e financeiro dos EUA. Israel deve ser boicotado e punido pela comunidade internacional, como foi feito com a África do Sul nos tempos do apartheid.

 

Renato Khair renatokhair@uol.com.br

São Paulo

*

RESPOSTA

O ataque israelense à Gaza, massacrando civis inocentes, não pode ficar sem resposta de nosso governo. Não é possível continuar a manter relações com um regime fascista e genocida que sistematicamente desrespeita os direitos humanos, com o apoio incondicional da mídia e do grande irmão americano.

Arsonval Mazzucco Muniz arsonval.muniz@superig.com.br

São Paulo

*

PROPORÇÃO

O que significa para Dilma Rousseff dizer que a ação israelense é desproporcional? Será que, se morressem mais israelenses, estaria tudo bem?

Luiz Frid luiz.frid@globomail.com

São Paulo

*

BAIXAS PALESTINAS

 

O primeiro ministro israelense deve responder por crimes de guerra contra o povo palestino, ao mandar bombardear pela segunda vez a Faixa de Gaza em menos de dois anos. Os bombardeios israelenses não respeitam nem mesmo hospitais, asilos, creches e mesquitas. Os ataques cirúrgicos já fizeram 250 baixas no lado palestino em dez dias, 80% de civis, segundo a ONG Human Rights Watch, ou 50%, segundo as forças de defesa de Israel.

Marcos Abrão m.abrao@terra.com.br

São Paulo

*

ATAQUES DO HAMAS

Eu estava em Israel há duas semanas, quando os jovens judeus estavam sequestrados (depois se soube que foram mortos) e o Hamas já lançava mísseis ao sul de Israel sem propósito nenhum. Aliás, este é seu propósito: matar civis indiscriminadamente de Israel, ao invés de governar e cuidar de seu povo, como Israel faz.

Clea Katz cleakatz@terra.com.br

São Paulo

*

JOÃO UBALDO, CRONISTA ARRETADO

A última crônica do grande mestre João Ubaldo Ribeiro, que seria publicada no "Estadão" de 20/7 sob o título "O correto uso do papel higiênico", ridiculariza a presença cada vez mais invasiva do Leviatã na vida privada dos cidadãos. Sua partida – assim de repente, sem mais nem porque – deixa uma enorme lacuna em nossa vida cultural. Perdemos um escritor de escol e cronista dos bons, arretado, que sabia, como poucos, usar as palavras – e o refinado humor – para vergastar o cotidiano social e político da vida nacional. Descanse em paz, João Ubaldo.

 

Silvio Natal silvionatal49@gmail.com

São Paulo

*

TRISTE PERDA

 

Desolados e tristes, perdemos o escritor João Ubaldo Ribeiro, um ícone da literatura brasileira. Sempre preocupado com os temas nacionais, nos deixa em seus livros e artigos um legado humorístico, mas contundente, na abordagem destemida da vida dos personagens reais e de seu imaginário. Sentiremos muito sua falta.

 

Francisco Zardetto fzardetto@uol.com.br

São Paulo

*

ETERNO

João Ubaldo Ribeiro é para sempre!

 

Doca Ramos Mello ddramosmello@uol.com.br

São Sebastião

*

JOÃO UBALDO RIBEIRO

Entendi um pouco mais de nós mesmos com o longo e robusto "Viva o povo brasileiro". Arrebatou-me a triste ironia de "O sorriso do lagarto" e surpreendeu-me a linguagem de "Diário do Farol". Mas foi com as crônicas de "Um brasileiro em Berlim" que me identifiquei, uma vez que também fui estudante em terras germânicas. Fica o lamento, ficam os livros, obras valiosas da literatura brasileira contemporânea.

Adilson Roberto Gonçalves, presidente da Academia de Letras de Lorena prodomoarg@gmail.com

Lorena

*

VIDA AO POVO BRASILEIRO

Foi-se um dos mais elegantes escritores brasileiros de todos os tempos, João Ubaldo, com seu sorriso maroto de lagarto, deu vida ao povo brasileiro e permaneceu sempre altivo e com um humor e carisma de uma estrela de cinema.

 

Marcos Barbosa micabarbosa@gmail.com

Casa Branca

*

DOMINGOS MENOS ILUMINADOS

Para os leitores, como eu, a notícia estampada no "Estadão.com", sobre o falecimento repentino do acadêmico João Ubaldo Ribeiro, foi um choque. São acontecimentos como esse, que nos privam de pessoas como ele, antes do combinado, como diria Rolando Boldrin, que me fazem duvidar de uma velha máxima nossa de que Deus é brasileiro. E nestes últimos meses temos tido dissabores desse naipe, que me fizeram concluir que não somos tão privilegiados assim pelo Senhor. Principalmente quando assistimos à partida de uma plêiade de patrícios do naipe de João Ubaldo Ribeiro e continuamos a ter de suportar uma matilha de políticos que há anos sugam o erário e nada produzem de bom para o povo e a Nação. E isso em todos os níveis de governo. Para mim, em particular, as edições de domingo do "Caderno 2" do "Estadão" estarão a partir de agora menos iluminadas. Suas crônicas cheias de humor ferino, embora respeitosas, sobre os nossos políticos sempre foram de uma sagacidade e contundência dignas de sua sabedoria. Enfim, eu, embora mais velho do que ele, terei de me conformar com a sua ausência, além de continuar a conviver com os ineptos e corruptos que grassam em nosso meio político, independentemente dos partidos em que se abrigam.

 

Gilberto Pacini benetazzos@bol.com.br

São Paulo

*

ITAPARICA E O BRASIL DE LUTO

Um irreverente e democrata como João Ubaldo Ribeiro, que convivia bem com seu personagem Zecamunista, deixa a cultura brasileira triste e de luto pelo seu falecimento. E nos priva infelizmente de suas crônicas deliciosas e inteligentes, que como ninguém sabia também criticar o cotidiano escabroso da nossa classe política. Mas, prevendo a dor que seus leitores sentiriam com a sua partida, digamos precoce, deixou um inédito texto, que na realidade é um pito de Itaparica para as nossas pseudoautoridades com o título: "O correto uso do papel higiênico", a ser publicado no "O Globo" e no "Estadão". A sua alegria e intelectualidade certamente farão muita falta a este país! Vá em paz, bom baiano João Ubaldo Ribeiro.

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

*

Itaparica perde seu insigne cidadão.

Cláudio Moschella arquiteto@claudiomoschella.net

São Paulo

*

CONDOLÊNCIAS

É com profunda tristeza que tomamos conhecimento da morte de João Ubaldo Ribeiro. Coincidência que tenha ocorrido justamente no dia em que sua maior fã, minha mãe Yvette Salama, completa 91 anos. Excepcional escritor e colunista, mostrou-se excepcional ser humano ao responder de próprio punho, em papel timbrado da Academia Brasileira de Letras, a uma carta que ela lhe enviou. É hoje seu maior tesouro. Nossas sinceras condolências à família e ao "Estadão" por essa perda irreparável.

Rossana Baharlia rbah44@yahoo.com.br

São Paulo

*

POR DECRETO

Já defini meu voto, mas mudo. Prometo dar meu voto para aquele (a) que baixar esse decreto: proibir a pessoa amada de morrer. Proibir o imortal João Ubaldo de ir embora.

Aluisio de Souza Moreira asmoreiralu@gmail.com

Santos

*

NOTA DE PESAR

A nota de pesar divulgada pela presidente Dilma Rousseff sobre a morte de João Ubaldo Ribeiro, dizendo apenas que a literatura brasileira perde um grande nome, mostra que ela e seus assessores não conseguem separar os críticos do seu governo dos seus adversários e inimigos. Não, presidente Dilma, não foi apenas a literatura brasileira que perdeu, ainda no auge de sua capacidade produtiva, um dos seus maiores nomes. Foi o Brasil, o povo brasileiro, que perdeu João Ubaldo. Ele vai nos fazer muita falta, e merecia bem mais da Presidência da República do que uma simples e seca nota de pesar.

Ronaldo Gomes Ferraz ronferraz@globo.com

Rio de Janeiro

*

‘BARCO DE FIBRA ÓPTICA’

Agora, graças à moderníssima tecnologia do Partido dos Trabalhadores (PT), as nossas Forças Armadas possuem barcos de "fibra óptica" ("Estadão", 18/7, A2). Pelo menos é isso o que disse a nossa presidenta Dilma Rousseff à população do Paraná. Nem os mais avançados países do mundo possuem tal tecnologia...

Ronald Martins da Cunha ronaldcunha@hotmail.com

Monte Santo de Minas (MG)

*

O GOVERNO E O FUTEBOL ESTATIZADO

Atenção, torcedores brasileiros! Se a dona Dilma for reeleita presidente da República, vocês terão mais três times: o Executivo Futebol Clube (EFC), o Legislativo Futebol Clube (LFC) e o Judiciário Futebol Clube (JFC). Desde já, façam suas escolhas.

Humberto de Luna Freire Filho hlffilho@gmail.com

São Paulo

*

BOLA MURCHA NACIONAL

Para impedir a saída de jogadores brasileiros para o exterior, não é preciso nenhuma "intervenção indireta" no futebol, mas tão somente a melhora considerável da situação econômica no País. Enquanto os clubes estrangeiros puderem seduzir nossos craques com salários e condições de vida muito superiores aos aqui oferecidos, não há como impedi-los de sair. É preciso encher a bola murcha nacional para virar esse jogo. Simples assim.

J. S. Decol decoljs@globo.com

São Paulo

*

BALANÇA COMERCIAL

Depois de sucatear a indústria, agora o lulopetismo quer a estatização futebolística. Ô, Dilma, vê se te manca: "boleiro" é uma das poucas coisas que o Brasil ainda exporta.

A.Fernandes standyball@hotmail.com

São Paulo

*

VADE RETRO!

Diante do insucesso da seleção brasileira na Copa, os políticos – a inefável Dilma do PT e o ministro do PCdoB à frente – movimentam-se para tirarem proveito e criarem novas oportunidades de poder político e negócios. Chega de Petrobrás, Eletrobrás, Banco do Brasil, CEF, companhias estatais, fundos de pensão, etc. mil, pasto fecundo para apetites sujos, sem limite. Políticos, não ousem pôr as patas no futebol!

 

Alexandre de Macedo Marques ammarques@uol.com.br

São Paulo

*

INTERVENÇÃO

Descobri qual é a intervenção que Dilma quer fazer no futebol, ela quer trazer jogadores cubanos, como fez no Programa Mais Médicos, pagando-lhes US$ 430 e enviando os restantes milhões a Cuba.

Ruth Moreira ruthmoreira@uol.com.br

São Paulo

*

DILMA BOLEIRA

Dona Dilma já mostrou incompetência demais em dirigir o País. Deixe os problemas do futebol serem resolvidos por quem entende de futebol.

Victor Germano Pereira victorgermano@uol.com.br

São Paulo

*

TALENTOS BRASILEIROS

Mais importante do que tentar reter jogadores de futebol em clubes brasileiros seria incentivar a permanência no País de cientistas, professores, pesquisadores e outros tantos bons profissionais cujos trabalhos resultem em benefícios reais à sociedade brasileira.

 

Cássio Gaspar de Camargo Alves camargoeng@uol.com.br

Campinas

*

AS MUDANÇAS NA CBF

Com as derrotas para a Alemanha e a Holanda, a seleção brasileira conseguiu o "honroso" quatro lugar na Copa – e foi muito! A derrota forçou a demissão da comissão técnica pela Confederação Brasileira de Futebol (CBF). Mas a CBF já fez a primeira escolha, o ex-goleiro Gilmar Rinaldi (são-paulino), empresário de jogadores, para coordenador de seleções... O que não agradou aos torcedores. O novo técnico só será anunciado na próxima terça-feira (22/7). Será que vão nos surpreender de novo?

 

Luiz Dias lfd.silva@2me.com.br

São Paulo

*

ETERNA FURADA

Técnico da seleção, ou seja, time de alto nível não necessita de paizão ou gerentão, e, sim, de um estrategista. Tal qual um país, que necessita de um estadista.

José Roberto Borsari jrborsari@terra.com.br

Bariri

*

SUGESTÃO

 

O novo técnico da Seleção deveria ser o Tiririca, porque pior do está não fica.

 

Cláudio Moschella arquiteto@claudiomoschella.net

São Paulo

*

RANKING DA FIFA

A Fifa divulgou novo ranking das seleções após o fim da Copa 2014, e o Brasil caiu para a "sétima" posição. Será reflexo dos 7 a 1 contra a Alemanha?

Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

*

A CORDIALIDADE DE UMA NAÇÃO

O Brasil corrupto, violento, analfabeto, atrasado, terceiro mundo, sempre povoou o imaginário dos estrangeiros. Notícias horríveis sempre puseram o País em evidência negativa. A verdade é que os problemas existem, estão aí, e ninguém melhor do que nós brasileiros para saber e sentir na pele as deficiências sérias e profundas. Entretanto, apesar das mazelas, temos algo a ensinar ao mundo. Algo fácil por pertencer ao nosso cotidiano. Mesmo sofrendo, sorrimos. Fazemos piadas. Abraçamos e beijamos muito. Esquecemos as dores e somos cordiais com quem está perdido, triste ou doente. Tratar bem o turista é apenas uma extensão de nós mesmos no dia a dia. Assim encantamos o mundo. Não com a melhor tecnologia, nem com a melhor pontualidade, mas com um calor humano nativo e sincero. Imagina aliar este tesouro de comportamento com a mais requintada cidadania e desenvolvimento. O brasileiro comoveu os turistas. Com amor, carinho e dedicação. O que não sabem, ou fingem esquecer por educação, é que entre nós a cordialidade e o respeito são esquecidos. Alguns brasileiros roubam, corrompem e mentem. Juntos envergonham a Nação. Nada cordiais. Penalizando a verdadeira índole do povo brasileiro. Apesar de, abraçamos os estrangeiros por ser nossa natureza. Aguardamos, no entanto, a cordialidade interna de um país justo, sério e honesto para com seus cidadãos. Só assim seremos campeões da Copa. A taça da cidadania!

Márcio Mourão mmvip007@gmail.com

Rio de Janeiro

*

‘UM PAÍS, UM TIME, UM SONHO’

Essa era a frase estampada no ônibus da seleção da Alemanha diz alguma coisa? Diz muito! Não havia a certeza do tetra, mas um sonho, lastreado por um país que havia investido na formação de um verdadeiro time. A frase do ônibus da seleção brasileira era: "Preparem-se, o hexa está chegando!" E ele não veio. Na semana entre a semifinal e a final da Copa 2014, fiz uma reflexão sobre os riscos da cultura do "salvador da pátria", sobre a qual um país inteiro e a seleção que o representava se apoiavam para fazer jus à frase "preparem-se, o hexa está chegando". Nos dias seguintes à derrota da seleção brasileira e à vitória do time alemão, tive a oportunidade de ler vários textos (de amigos, leitores do "Estadão" e da "Folha de S.Paulo" e até especialistas em futebol) que tentavam analisar as causas da derrota. Nas mesas de restaurantes e bares e até nas academias impressionava ouvir as tentativas de explicar os motivos da nossa derrota. E lembrei-me de uma frase usada pelo Felipão: toda crise gera uma oportunidade. Sim, Felipão, desde que os fatores sejam devidamente reconhecidos e analisados. E nem Felipão nem a equipe técnica tiveram a grandeza de reconhecer os erros cometidos, ou não conseguiram aprofundar-se na análise, talvez por limitações técnicas, metodológicas e até tecnológicas. Mas essas limitações poderiam ser amenizadas, se tivessem descido do pedestal e adotado uma postura menos paternalista e autoritária, pois o povo é sábio e desde cedo, de maneira dispersa é claro, já apontava os erros e as soluções imediatas e de longo prazo. Dentre os vários textos que li, destaco o escrito pelo meu amigo Ivan Regina (Felipão blefando com o pica fumo), em que reconhece a importância do estado psicológico dos jogadores, seja no pôquer, truco, xadrez, tênis, bridge ou futebol; e aponta erro tático dizendo que "Felipão tinha cartas fracas desde o começo da Copa" e que, no jogo contra a Alemanha, "era a hora de agirmos como galinhas, fugindo toda a hora para o galinheiro, correndo de medo", a exemplo do que se faz no jogo de truco. Ivan acrescenta em sua análise que há muito tempo não temos mais o melhor futebol do mundo e que a resposta para isso são os empresários e seus critérios de escolha dos futuros atletas e as escolinhas de futebol, cujos "técnicos mandavam os meninos obedecer a esquemas recuando sistematicamente a bola, obrigavam os marcadores a baixar o sarrafo nos inimigos (que deveriam ser apenas adversários) e tiravam toda e qualquer possibilidade de criatividade das crianças". De amigos e colegas de academias observei várias tentativas de entender a nossa queda, incluindo-se aí as mulheres. Sim, as mulheres também agora entendiam de futebol! O fato é que o choque de realidade conduziu aqueles que não se satisfazem com o superficial a se enredar na teia dos vários fatores como a formação do atleta brasileiro, a postura paternalista dos técnicos, o privilégio ao "fora de série" em detrimento do espírito de equipe, muito usado como instrumento de marketing de grandes marcas, a necessidade histórico-cultural de colocar nos ombros de uma pessoa a responsabilidade por nossas conquistas, e por aí vai. Só me resta esperar que na próxima Copa (2018) possamos estampar uma frase que reflita que aprendemos com os nossos erros e soubemos planejar e executar bem o planejado. E que comecemos a fazer a nossa correção de rumos escolhendo bem nas urnas quem irá decidir os destinos do nosso país nos próximos quatro anos. Os "salvadores da Pátria" não conseguiram resolver os nossos problemas e atender as nossas demandas.

Iêda Lima iedamolima@gmail.com

São Paulo

*

COPA DO FIM DO MUNDO

Além da homérica surra que os borra-botas tupiniquins levaram da seleção alemã, o que mais se destacou nessa Copa do Mundo foi a brutalidade escancarada de vários jogadores. Em alguns momentos, certas pelejas mais pareciam luta livre com direito a dentada. Assisti a alguns jogos, apenas alguns. E pude perceber que a molecada em campo não perdia a chance de meter a botina na canela do adversário. Além do show de quebra pernas, teve empurrão, peitada, joelhada, cabeçada. Ainda bem que tava todo mundo com os cornos bem aparados, senão... Teve até um canibal em jogo e o morto de fome aproveitou a oportunidade para meter os caninos no ombro de um marmanjo! Só faltou pedir um salzinho... Neymar foi a vítima mais grave: um energúmeno levanta-se no ar e enfia o casco na sua coluna cervical. Resultado: nosso jogador vai parar no hospital chamando por mamãe e gemendo numa maca. E a nossa seleção, que já estava desmilinguida, arriou de vez. Por sorte, ele é bem mocinho e logo, logo o valente estará em forma. Do jeito que coisa vai, se a "Fifosa" não mudar as regras, a próxima Copa do Mundo será a última e todos os jogadores sairão do campo direto para o cemitério e sem o benzimento da extrema-unção.

Benedito Madaleno Mendes beneditomadalenomendes@yahoo.com.br

Itapetininga

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.