Fórum dos Leitores

DECRETO 8.243

O Estado de S.Paulo

22 Julho 2014 | 02h04

'Teimosia inconstitucional'

Muito oportuna e precisa a expressão usada no editorial do Estadão (21/7, A3) com o título acima. Pois, enquanto o Legislativo e o Judiciário não tomam as medidas necessárias para barrar esse monstrengo jurídico, a nossa "presidenta" e seu chefe dos movimentos ditos sociais, Gilberto Carvalho, vão adiantando o processo de implantação do regime de consulta popular. Será que o Legislativo vai continuar inerme e não votar um decreto para anular esse famigerado 8.243? E a nossa OAB está esperando o quê, para defender a nossa Constituição? Não sou jurista, mas a afronta e o desrespeito à Constituição não são passíveis de impeachment? Até quando vamos aguardar o pior para agirmos, de acordo com as nossas leis, pela salvaguarda das liberdades democráticas? Com a palavra o Legislativo e o Judiciário!

JOÃO M. VENTURA

Joaomv@terra.com.br

São Paulo

Deles ou nossa?

Data venia, pergunto: teimosia de quem, deles ou nossa? Tendo-se em vista a situação em que nos encontramos - estando o Poder Executivo nas mãos do PT e de seus líderes, o que também ocorre com o Poder Legislativo; estando também o Supremo Tribunal Federal (STF) com a maioria de seus ministros dando resguardo aos líderes do PT, o que foi demonstrado com o resultado do processo do mensalão, e ficou bem pior com as novas nomeações de ministros da Suprema Corte -, percebe-se que toda essa situação, decorrente do decreto presidencial, nos leva a entender que os líderes do PT têm a certeza de que jamais alguém dentre eles será responsabilizado por esse absurdo a que estamos assistindo. A situação está chegando ao insustentável, não consigo vislumbrar uma saída, pois, ainda que a oposição consiga chegar ao poder, resta o problema de a maioria dos membros do STF apoiar os líderes petistas e a política desse partido.

EDSON JOSÉ MENEGHETTI

meneghetti@aasp.org.br

Piracicaba

Gravidade

Os brasileiros não se estão dando conta da gravidade do Decreto 8.243, que a "presidenta" Dilma Rousseff assinou em maio e institui os conselhos populares. Talvez seja a pior coisa que fizeram - e olha que eles fizeram barbaridades... - nestes 12 anos de (des)governo petista. Isso é a concretização do socialismo soviético do século passado. Agora já estão (Gilberto Carvalho) até falando num fundo para bancar esses conselhos. Ou seja, mais um buraco para enterrar dinheiro público e dar oportunidade para os sindicalistas, "cumpanheiros" de partidos e o pessoal da "turma" comandar o País. Precisamos nos mobilizar urgentemente para derrubar esse decreto, ou o Brasil se tornará inviável em curtíssimo prazo.

SÉRGIO LUÍS DOS SANTOS

sersan@netpoint.com.br

São Paulo

Sobre os conselhos

Participo de diversos conselhos municipais em minha cidade, podendo afirmar que o resultado é o seguinte: quando o conselho é deliberativo, a eleição de seus membros, além do forte viés político do mandante do momento, é carregada de irregularidades, já esperando uma contestação judicial, forma de neutralizá-lo, mantendo as deliberações no poder público em exercício; quando consultivo, nem sequer é ouvido. Resumo da ópera: basta o Poder Executivo executar, o Legislativo legislar, o Judiciário julgar e os servidores públicos serem obrigados a trabalhar sob a régua da produtividade, e não debaixo da batuta de comissionados, que sempre ganham mais, em verdadeiro processo de desmotivação. O resto é conversa para boi dormir, ou melhor, para nos adormecer na desesperança de um futuro.

HONYLDO R. PEREIRA PINTO

honyldo@gmail.com

Ribeirão Preto

GOVERNO DILMA

Alto nível

"Se alguém tem preconceito com Cuba, não misture o preconceito com essas relações que são relações diplomáticas de alto nível" - frase da "presidenta" sobre as críticas pela hospedagem de Raúl Castro na Granja do Torto. Deixem-me ver se entendi bem: uma visita na nossa casa - sim, nossa, do povo pagador de impostos - se apossa das dependências, dá ordens, causa mal-estar entre os servidores da residência, promove encontro para jantar de confraternização com outro ditador - Nicolás Maduro, da Venezuela -, e a dona Dilma não quer que contestemos? Como assim? É ou não uma afronta?

APARECIDA DILEIDE GAZIOLLA

aparecidagaziolla@gmail.com

São Caetano do Sul

A quem possa interessar

Oferece-se gratuitamente, a chefes de Estado interessados em promover festinhas de confraternização e similares, granja equipada com todas as mordomias. Exige-se dos pretendentes compromisso com o anacronismo e resistência à inovação, bem como reprodução de suas elites dirigentes. Tratar no Palácio do Planalto com Dilma Rousseff.

MARIA DA GLÓRIA DE ROSA

mg-de-rosa@hotmail.com

Agudos

Raúl Castro

Brasileiro é muito ingênuo! Como esperava que o governo tratasse o principal governante do paraíso fiscal dos petistas? Se foi só hospedagem, devemo-nos dar por satisfeitos. Está na hora de a gente de bem desta nação, principalmente quem tem alguma autoridade, tomar providências. O carro Brasil perdeu os freios há muito tempo. O desastre será enorme, pois o motorista já não sabe o que fazer e como fazer. E ainda há gente que vota nesses inconsequentes...

JOÃO ALBERTO IANHEZ

ianhezrp@netpoint.com.br

Boa Esperança do Sul

ELEIÇÕES

Já deu!

Dilma & Cia., comecem a arrumar as malas e avisem os petistas de plantão. A "raposa felpuda" sabe de tudo, mas as pesquisas já indicam o vencedor. Vocês não fizeram por merecer: mensalão, petistas na Papuda, Pasadena, porto em Cuba, ensino público zero, saúde pública zero, volta da aids, MTST... É, não dá mais! Busquem outra freguesia. Quem sabe Cuba, Venezuela, Bolívia, até Argentina?

JOÃO CARLOS CARCANHOLO

advocacia.carcanholo@bol.com.br

Piracicaba

Pesquisas

Sintomático: sempre que Dilma cai nas pesquisas a Bolsa de Valores explode. Investidores, empreendedores e produtores em geral não querem mais esse modelo de governo caduco, atrasado, intervencionista. Só teremos crescimento decente e contínuo quando o PT e seu comissariado retrógrado e estatizante forem postos pra fora de nossa vida.

LEÃO MACHADO NETO

lneto@uol.com.br

São Paulo

*

CONSTRANGIMENTO

Do alto de sua sabedoria e intuição apurada, o que lhe tem rendido efusivas homenagens toda vez que resolve dar as caras em estádios de futebol ou por onde quer que ande, dona Dilma Rousseff declarou recentemente que o avião da Malaysia Airlines derrubado na Ucrânia, segundo um segmento da imprensa, estava na rota da volta do presidente russo, Vladimir Putin, e que o horário do acidente coincidia com o horário e o percurso do avião presidencial. Indo além, completou: “O governo brasileiro não se posicionará quanto a isso até que fiquem apurados os motivos do acidente”. Oras, o governo brasileiro, representado pela presidente, ao comentar o acidente, sugeriu subliminarmente que este setor da imprensa pode ter razão até prova em contrário, saindo por antecipação na defensiva do ditador russo, que recentemente fomentou a desestabilização regional com a anexação de território ucraniano que não pertencia ao seu país, a Crimeia.  A pergunta é, até quando teremos de passar por seguidos constrangimentos em razão de declarações toscas e mal intencionadas que não representam a opinião dos brasileiros?

Peter Cazale pcazale@uol.com.br 
São Paulo

*
PONTARIA

A pontaria dos chutes da presidente está pior do que a da seleção brasileira na Copa. Ela deve desculpas à comunidade internacional, pela infeliz e inexplicável declaração sobre o destino do míssil que derrubou o avião da Malaysia Airlines. Está parecendo seu antecessor...

Luciano Harary lharary@hotmail.com  
São Paulo

*
OS LAÇOS QUE DILMA ESCOLHE

Há um ditado que diz que "em boca fechada não entra mosca". Talvez Dilma nunca tenha notado quão real é essa afirmação. Sua recente citação sobre o míssil que atingiu o avião da Malaysian Airlines comprova que ela não presta a mínima atenção aos fatos e, sobretudo, à razão. Dizer que o míssil seria dirigido ao avião de Putin é uma verdadeira besteira e prova que, como chefe de Estado, a presidente está muito preocupada com a sua ideologia, não medindo palavras em suas citações. O mesmo prova a parte do seu programa de governo sobre as políticas de comércio exterior: sendo ela a eleita, tudo ficará como está ou muito pior. Dar ênfase ao Mercosul, como está ocorrendo, com a Argentina brecando tudo o que pode nos beneficiar; aos países africanos, que quase nada poderão acrescentar; e à Unasul mostra que teremos mais do mesmo sem previsão de boas perspectivas. Não citar (ou querer) acordos com países ricos (Estados Unidos e União Europeia) só nos fará andar para trás, enquanto México, Chile, Peru e Colômbia continuarão a ter benefícios com seus acordos.
 
Maria Tereza Murray terezamurray@hotmail.com
São Paulo

*
SEM LIMITES
 
O Brasil está estreitando laços com a Rússia, o "grande" parceiro comercial, e se afasta gradativamente dos EUA, uma política burra, atrasada. Vladimir Putin é uma mistura de general e terrorista que não tem limites. Quando da invasão de uma escola por separatistas chechenos, morreram quase 400 pessoas, mas para Putin tratou-se de uma vitória, porque invasores foram mortos. As vítimas, crianças e civis, eram apenas efeitos colaterais da ação, nada mais do que isso, assim como as vítimas do avião derrubado por armamento russo na Ucrânia. O Brasil covardemente não se manifesta contra o ataque com míssil a uma aeronave civil, pois teme perder as vendas de carne e um "parceiro forte" que ajude a apoiar as críticas aos EUA. A política externa brasileira é fraca, mal direcionada e "vira-latas".
 
Luiz Ress Erdei gzro@zipmail.com.br
Osasco

*
MH17

Maravilhas as observações feitas no artigo “O meridiano do MH17”, de Lúcia Guimarães (21/7, C8). Analisou um acontecimento seriíssimo, comparou com outro mais antigo e concluiu que os que podiam fazer alguma coisa não fizeram em relação ao acontecimento anterior e em relação ao acontecimento atual, autoridades que deveriam fazer alguma coisa não vão fazer, a não ser insinuar que felizmente os responsáveis pela tragédia não acertaram o avião certo. Boicotarmos a próxima Copa na Rússia, levando-a para a Holanda, é o mínimo que a humanidade poderá fazer.

Carlos R. Fraga Vieira fraga.corretor@outlook.com 
São Paulo

*
‘O MERIDIANO DO MH17’

Não há uma ligação entre o atentado contra a Pan Am (ou contra os Estados Unidos representado por ela) e a derrubada do avião na Ucrânia. Esta última foi causada por mais uma burrice dos separatistas, que pensavam estar derrubando um avião militar da Ucrânia. Esperar que uma madame que gosta de Fidel Castro, de Nicolás Maduro, de Evo Morales e, agora, de Vladimir Putin se manifeste contra é acreditar no Papai Noel. Bem, é melhor acreditar no Papai Noel do que em Lênin.

Ronaldo José Neves de Carvalho rone@roneadm.com.br
São Paulo

*
COPA NA RÚSSIA

Com este conflito entre Rússia e Ucrânia, quero ver a posição da Fifa. São apenas quatro anos a separar a realização da Copa na Rússia. Nós, brasileiros, fomos exigidos ao extremo, já que, além das obras superfaturadas e roubalheira descarada, disseram que merecíamos um “chute no traseiro”. Há clima para realizar uma Copa onde foguetes estão sendo disparados "acidentalmente”?

S. Paschoal s_paschoal@hotmail.com 
Rio de Janeiro

*
AINDA OS BRICS

O grande russo Putin, na ânsia de sair do isolamento em que se encontra, resultado de suas tropelias internacionais, busca, agora, no Brics (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul) – contexto dos eternos "em desenvolvimento” – uma porta de saída para livrar-se do castigo autoimposto. É, também, de espantar a presença da China na classe dos subdesenvolvidos. Cremos ser sutil estratagema de absorção. No quadro instalado, assistimos ao hilariante rondar hienídeo da Argentina, por sua presidente, na busca de brecha para uma beliscada na grana. Há no ar um banco vindo por aí. Esperamos que não seja banco do sonho de blefadores, a exemplo do Mercosul. 
  
Lígia Maria Venturelli lmfiora@uol.com.br
São Paulo

*
AGORA VAI?

Para o Brasil, que tem 75% do orçamento federal para pagar salários e benefícios, segundo o consultor econômico Raul Veloso, a criação de um banco de desenvolvimento exclusivo do Brics, além de um fundo emergencial de US$ 100 bilhões de ajuda mútua para situações de crise financeira, vem na hora certa para tirar o Brasil do sufoco para financiamento de projetos de infraestrutura. Será que agora vai?

Edgard Gobbi edgardgobbi@gmail.com 
Campinas  

*
INCOMPETÊNCIA

Perdemos a sede e a presidência do banco do Brics, mas ficamos com o conselho de administração. Falando em conselho, não podemos nos esquecer daquele conselho da Petrobrás que aprovou a compra da Refinaria de Pasadena. É bom que as nações participantes fiquem de olho nas atitudes desse conselho, que acredito não ser de má-fé, mas de incompetência administrativa.

Adalberto Amaral Allegrini adalberto.allegrini@gmail.com 
Bragança Paulista

*
RAUL CASTRO NO TORTO
 
Conforme publicado pelo “Estadão” de sábado (19/7), o presidente de Cuba, Raul Castro, ofereceu jantar de confraternização na Granja do Torto. Além de Raul Castro, participaram do encontro o presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, e diplomatas dos dois países. Em nota, a Secretaria de Imprensa do Planalto informou que todas as despesas foram pagas pelo governo cubano. Pelo sim e pelo não, acho que foi um evento no mínimo promíscuo, porque essa simpatia por Cuba faz eco com o alinhamento do governo petista, democrático “ma non troppo”, a países de cunho populista, autoritário e bolivariano, caso da ilha dos Castro e da Venezuela de Maduro. 
 
Cláudio Moschella arquiteto@claudiomoschella.net
São Paulo 

*
AMOSTRA

Este episódio da hospedagem da delegação cubana na Granja do Torto é apenas uma amostra do que ainda está por vir. Movida em partes iguais de romantismo, ignorância e más intenções, nossa "esquerda" prima em procurar a contramão da história. Para aqueles jovens militantes que tiveram suas mentes colonizadas por seus pais, com bobagens como aquela frase atribuída a Che Guevara, segundo a qual "hay que endurecer, pero sin perder la ternura jamás", segue uma amostra da tal "ternura" dos castristas: durante os julgamentos que ocorreram após a revolução, os prisioneiros, depois de torturados e interrogados, eram levados aos tribunais apenas com sangue suficiente para não desmaiarem, pois tinham de fazer uma "doação" para a revolução. Isso sem contar que a maioria era, depois, fuzilada. 
 
Nestor Rodrigues Pereira Filho rodrigues-nestor@ig.com.br 
São Paulo

*
‘EL PAREDÓN’

Exmo. sr. ditador Raul Castro, quantos foram fuzilados no “el paredón”? 15 mil ou 20 mil cubanos? Perguntar não ofende.
 
Marius O. Arantes Rathsam mariusrathsam@hotmail.com 
São Paulo

*
UMA VERGONHA

Ao ler o livro escrito por um guarda-costas por cerca de 20 anos do ditador cubano Fidel Castro, o leitor seguramente se sentirá indignado com os métodos praticados por Fidel Castro e seu irmão Raúl Castro. Métodos com requintes da maior e bárbara brutalidade. Mas o que mais surpreende são a atenção e os "salamaleques" feitos ao atual ditador cubano, Raúl Castro, ao ser hospedado na Granja do Torto, em Brasília (DF). Essa granja é pertencente ao povo brasileiro e deve ser desfrutada por brasileiros momentaneamente no poder, e não por torturadores e gente de duvidosa reputação moral. Uma verdadeira vergonha para nós, brasileiros, e seguramente motivo de pilhéria pelos que aqui se hospedaram.

José Piacsek Neto bubanetopiacsek@gmail.com 
Avanhandava

*
NOSSA GRANJA DO TORTO

Um dia plantaram uma estrela vermelha no jardim do Palácio da Alvorada. Estranhamos, mas não falamos nada. No outro, emprestaram dinheiro nosso em sigilo aos facínoras dos irmãos Castro (Cuba). Estranhamos, mas também nada fizemos. Agora, mais à vontade, hospedaram o facínora Castro na Granja do Torto, propriedade pública exclusiva para uso dos “nossos presidentes”, expulsaram brasileiros que se aproximaram das cercanias do local e, atônitos, também não fizemos nada. Vamos esperar que se apossem do Palácio da Alvorada para fazermos alguma coisa? Nossa última chance está na próxima eleição.
 
Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br 
São Paulo

*
FALTA MAIS O QUÊ?

O “Estadão” publicou em 19/7/2014, página A14: Raúl Castro (de Cuba) oferece jantar para Maduro (da Venezuela) na Granja do Torto (propriedade do Brasil). A sabujice e a subserviência do governo brasileiro já estão passando do limite. Falta mais o quê?
 
Ruy de Jesus Marçal Carneiro ruycar88@uol.com.br
Londrina (PR)

*
ABUSO

Raul Castro convidou o bolivariano Maduro para jantar no Torto, gentilmente cedido ao ditador cubano por sua admiradora candidata à reeleição. Isso já é um abuso. Além de ceder a “Copa” aos estrangeiros, Dilma agora cede a cozinha ao pior deles. Vamos lembrar que Jânio Quadros ficou marcado por oferecer a Ordem do Cruzeiro do Sul ao cubano Che Guevara, uma semana antes de renunciar...

Gilberto Dib gilberto@dib.com.br
São Paulo

*
RESPOSTA HIPÓCRITA

Raul Castro, o ditador e criminoso, amigo da elite petista, ultrapassou os limites da geografia para recepcionar seus iguais em território brasileiro. Pior ainda, na capital do País. Escolheu o lugar e trouxe funcionários, seguranças e o cozinheiro por precaução, pois quem usa cuida. Em nota, a Secretaria de Imprensa do Planalto informou que a Presidência da República “apenas cedeu” a hospedagem. Resposta disfarçada numa grande hipocrisia.

Fábio Haddad fabhaddad@ig.com.br 
Campinas

*
CASA DA SOGRA

Não é que Dilma transformou a Residência Oficial do Torto em Casa da Sogra?

Roberto Twiaschor rtwiaschor@uol.com.br
São Paulo

*
IMPERIALISMOS

O suposto imperialismo americano foi sempre criticado pelo PT. Por que o PT pretende que o imperialismo cubano-venezuelano sobre o Brasil atual seja aceitável? Ora, a submissão petista a esse imperialismo de ditaduras cruéis e falidas é responsável pelo “complexo de vira-lata” atual, que poderia ser revertido alijando essa influência estrangeira perversa que somente atende aos interesses da elite burguesa petista em se perpetuar no poder. Os partidos aliados ao PT – tais como o PMDB, o PSD, o PP, etc. – têm de esclarecer a seus eleitores o motivo em aceitar essa servidão ao imperialismo cubano-venezuelano, que, aliás, os autoexcluirá do poder. Que se expliquem no próximo horário gratuito na TV, ou que cessem de enganar a seus eleitores!

Suely Mandelbaum suely.m@terra.com.br 
São Paulo

*
O AEROPORTO MINEIRO

Aceitarei que se faça uma investigação sobre o aeroporto cuja feitura teria privilegiado um parente do candidato Aécio Neves, do PSDB, em Minas Gerais, se houver uma investigação profunda sobre o dinheiro que Dilma, do PT, injetou para remodelar os aeroportos de Cuba (US$ 150 milhões). O empréstimo está sob segredo de Estado, bem como o Porto de Mariel, cujos gastos do governo não foram autorizados pelo Congresso brasileiro. Tem muita maracutaia por debaixo dos “tapetes vermelhos” do Planalto. E os 800 aeroportos prometidos pela Dilma para o Brasil ficaram só na promessa.

Leila E. Leitão
São Paulo

*
HOLOFOTES EM MINAS

O Estado de Minas entra novamente em evidência por atitudes de governadores em relação ao uso de verbas públicas. Nos idos de 1998 denúncias de irregularidades contra um ex-governador foram postas sob investigação, no que ficou conhecido como mensalão mineiro. E agora vem a público a informação de que R$ 14 milhões do erário daquele Estado, em 2010, foram usados para a construção de um aeroporto numa fazenda de um tio do atual candidato tucano à Presidência nas próximas eleições. Ele era então o governador. Como o caso deve ser classificado? Estaremos diante do mensalão mineiro número dois?

Uriel Villas Boas urielvillasboas@yahoo.com.br 
Santos

*
QUEREMOS RESPOSTAS

Algumas questões devem ser levantadas sobre a construção do aeroporto pelo governo de Minas Gerais, na fazenda de um tio de Aécio Neves, quando este era governador: 1) Não havia outro local para a construção do aeroporto? 2) Se havia divergência sobre o valor da desapropriação, ainda pendente na Justiça, como é que a obra foi executada? Não seria melhor aguardar a decisão final? 3) O aeroporto possui uma pista de mil metros (bastante pequena, para os padrões aeronáuticos), além de um modesto pátio de estacionamento de aeronaves. Será que R$ 14 milhões é valor compatível com o tamanho da obra? 4) Foi coincidência o fato de a empreiteira responsável pela obra, Vilasa Construtora, ter sido doadora da campanha eleitoral de Aécio Neves em 2006? Gostaria muito de ouvir estas respostas.

Luciano Nogueira Marmontel automat_br@ig.com.br 
Pouso Alegre (MG)

*
AEROCLUBE

O aeroporto que Aécio Neves construiu, com dinheiro público, para sua família é o mal que assola a maioria dos políticos brasileiros. O candidato precisa explicar essa construção de uso exclusivo de sua família.
 
Marcos Barbosa micabarbosa@gmail.com 
Casa Branca

*
EM FAMÍLIA

Agora aparece nos jornais que o candidato Aécio Neves, do PSDB, durante seu governo em Minas, criou um aeroporto em terras da família. Se a denúncia veio do PT, é no mínimo um deboche, já que seu principal ícone, o ex-presidente Lula, enriqueceu seus filhos por umas 500 gerações, mas disso ninguém fala.
 
Roberto Moreira da Silva rrobertoms@uol.com.br
São Paulo

*
CONFLITO ISRAELO-PALESTINO

Não há solução militar, política, econômica ou diplomática para a crise da Faixa de Gaza. Os palestinos querem um Estado soberano e independente, com capital em Jerusalém Oriental, mas Israel não aceita a divisão da cidade. Os palestinos defendem o desmantelamento dos assentamentos na Cisjordânia ocupada, mas Israel quer anexar os maiores assentamentos. Os palestinos lutam pela volta dos refugiados expulsos durante a criação do Estado de Israel em 1948, mas o Estado judaico teme sua destruição pela demografia de 5 milhões tendo o direito ao retorno. Israel deseja ser reconhecido como Estado e que a Palestina seja desmilitarizada, mas grupos extremistas querem pegar em armas e destruir Israel. Os palestinos querem uma distribuição mais igualitária da água, mas Israel controla a maioria das fontes subterrâneas da Cisjordânia.

Luiz Roberto Da Costa Jr. lrcostajr@uol.com.br 
Campinas

*
BOM SENSO

Sobre o conflito em Gaza, é sabido que ele só foi iniciado depois que o Hamas assassinou, covarde e gratuitamente, 3 estudantes judeus e disparou mais de 13 mil mísseis contra Israel (desde 2001), inclusive tentando atingir Jerusalém – cidade onde religiões convivem pacificamente. Como carioca, fico imaginando se algum desses foguetes acertasse o nosso Cristo Redentor; ou se esses 3 adolescentes fossem meus filhos... Mas é fácil falar de longe: que o digam os bilionários líderes do Hamas que moram no Qatar, mas obrigam inocentes crianças de Gaza a serem escudos humanos, ao invés de frequentarem as escolas. E, por falar nisso, souberam dos poderosos armamentos que a ONU encontrou em salas de aula, hospitais e até nas mesquitas? É por essas e outras que estes radicais do Hamas também são tão criticados pelos próprios árabes e palestinos moderados. Como aprendi na universidade, o que adianta um marketing poderoso, se o produto a ser vendido é inaceitável? Ele não vai sobreviver por muito tempo. Não se iludam: mesmo não sendo especialistas, é preciso ter bom senso suficiente para discernir o certo do errado. Ah, não se esqueçam de também se manifestarem contra as mais de 170 mil mortes na Síria, entre as quais há 9 mil crianças, e de protestar contra os genocídios no Sudão, na Argélia... Shalom, salaam, paz!

Mauro Wainstock mauro.wainstock@gmail.com 
Rio de Janeiro

*
MÍSSIL DA PAZ

Qual o significado da paz? Se procurarmos nos dicionários, veremos que paz é a relação entre pessoas que não estão em conflito. Paz é a transformação do homem como indivíduo e como membro de uma sociedade. Como podemos presenciar, pelos inúmeros veículos de comunicação espalhados pelos cinco continentes, a paz reina entre a maioria dos países, ou seja, eles não estão em conflito. Porém sempre há exceções. Em alguns países a paz foi esquecida ou ignorada pelos chefes de Estado, que, sem pestanejar, acionam seus exércitos para duelar baseados em preconceitos raciais, religiosos, culturais, políticos e sociais. A partir do momento em que se perde o respeito pelos princípios que regem essas nações, perde-se o respeito pelos seres humanos que as habitam. Não esqueçamos que os preceitos têm o mesmo peso em todas as nações, porém com diferenças religiosas, culturais, políticas e sociais. Se pesquisarmos os princípios de todas as religiões existentes nos países que compõem o planeta Terra, inclusive o ateísmo, chegaremos à conclusão de que a paz, o amor e a bondade fundamentam todas elas e que esses princípios básicos deveriam manter a relação pacífica entre as sociedades. Desde que o homem se entende por homem, a paz, a bondade e o amor têm sido enfocados de forma coletiva. Porém, desde os princípios do homem na Terra, antagonicamente, os conflitos também sempre foram comuns em todos os momentos. Essas questões podem ser avaliadas ainda hoje, pois a paz e a guerra emanam dos países vizinhos, ou não. Neste momento, paira uma pergunta no ar: como pode um chefe de Estado dizer que vive em paz e que mantém relações diplomáticas com os países vizinhos e de outros continentes, se ele é um dos maiores produtores de mísseis do planeta? Hoje são vários países espalhados pelos cinco continentes produtores de mísseis – além de produzirem, comercializam para países menores e grupos de radicais. Eles agem como os antigos agiam, ou seja, com desconfiança. Pois o homem sempre se preocupou em ficar vivo. Isso significa investir em comida, bebida e ter um lugar para ao sol descansar. Outro fator que não pode ser esquecido está relacionado a ter um lugar para guardar os: arcos e flechas, atlatls, boleadeiras, bordunas, bumerangues, catapultas, cestus, estilingues, fundíbulos, katars, kylies, lanças, macuahuilts, tewhatewas, zarabatanas... Apenas nesta semana morreram mais de mil pessoas vítimas de mísseis, na Ucrânia, na Síria e na Faixa de Gaza. Como pode um país pensar em acordo, concórdia, se ele próprio está entre os maiores construtores e usuários de armamento bélico? É preciso lembrar que, enquanto os chefes de Estado estão dentro de seus gabinetes, autorizando seus exércitos a atacarem os países “inimigos”, as pessoas de ambos os países deixam de ser cidadãs e passam a ser alvos de ataques programados. Temos de refletir sobre a fragilidade da situação mundial atual e nos esforçar para reformular suas atividades com vistas a uma sociedade melhor. Pelo menos é o que diz Dalai Lama. E, por mais que a tecnologia tenha evoluído nos últimos 30 anos, o homem ainda não conseguiu criar o míssil da paz.

Nilton Pavin nilton.pavin@gmail.com
São Paulo

*
INADMISSÍVEL

É inadmissível o que Israel está fazendo, com fiança do Estados Unidos, aos palestinos. É abominável a derrubada do avião da Malaysia Airlines, seja de quem foi a autoria. Entrementes, qual moral tem os Estados Unidos para criticar isso? Não dá para rezar duas cartilhas.
  
João Carlos Carcanholo advocacia.carcanholo@bol.com.br  
Piracicaba

*
PODERIA SER DIFERENTE

Se, ao invés de fazer túneis e comprar mísseis, o Hamas se preocupasse em construir hospitais, escolas, infraestrutura e saneamento básico para sua população, estaríamos num cenário muito diferente. 

Carolina Grossmann carolinagrossmann@hotmail.com
São Paulo

*
ORIENTE MÉDIO

A propósito do recrudescimento do novo conflito no Oriente Médio, cabe lembrar frase de profundo significado da ex-primeira-ministra de Israel Golda Meir: “Nós podemos perdoar os árabes por matarem nossos filhos. Nós não podemos perdoá-los por forçar-nos a matar seus filhos. Nós só teremos paz com os árabes quando eles amarem seus filhos mais do que nos odeiam”. Paz, shalom, salam!

J. S. Decol decoljs@globo.com 
São Paulo

*
INOCENTES ÚTEIS

Quem apoia o Hamas, grupo terrorista, que usa o povo palestino para atacar Israel, é contra a paz e conivente. Acordem!
 
Tania Tavares taniatma@hotmail.com 
São Paulo

*
OS DOIS LADOS

Enquanto Israel usa seu exército para proteger seus cidadãos dos mísseis do Hamas, o grupo terrorista islâmico usa civis palestinos para proteger seus mísseis!
 
Sérgio Eckermann Passos sepassos@yahoo.com.br 
Porto Feliz 
 
*
MASSACRE EM GAZA

Repudio o que os nazistas fizeram contra o povo judeu. Contudo, Israel faz pior contra o povo palestino. O lema de Israel é roubar terras palestinas e massacrar esse povo. Quantas crianças morreram? Israel comete crimes de guerra. O Hamas não é terrorista. São patriotas, pois lutam, porque suas terras estão sendo roubadas. Até quando a comunidade internacional vai assistir a isso de camarote? O protetor de Israel tem grande parcela de culpa. Deus é grande, tudo vai mudar. Sou brasileiro, amante da paz, assim, externo a minha indignação. O representante de Israel esteve no Vaticano, e sua consciência em nada mudou.

Jorge Mema Bernaba jorgebernaba@gmail.com 
Araçatuba
                                                                                                          
*
O DIREITO DE SE DEFENDER

Como vice-presidente mundial e presidente nacional da Associação dos Sobreviventes do Holocausto (Sherit Hapleitá), fiquei revoltado com opiniões criticando o Estado de Israel, quando, na verdade, é Israel quem está sendo bombardeado incessantemente pelos terroristas do Hamas, cuja única intenção é a destruição deste país livre, democrático e independente.  Felizmente, com a tecnologia que possui, Israel intercepta esses disparos, destruindo-os em sua trajetória, pois, caso contrário, teriam como consequência milhares de civis mortos e feridos. Israel tem todo o direito e a obrigação de defender os seus cidadãos, como qualquer outro país no mundo o faria. O que é lamentável é a atitude covarde dos terroristas de camuflar a sua artilharia em meio à população civil, escolas e hospitais, e manipular a opinião pública, enquanto seus líderes permanecem protegidos e fora da zona de conflito. Já dizia Golda Meir (ex-primeira-ministra de Israel): "Não odeio os árabes por tentarem matar nossas crianças; mas não os perdoo por nos fazerem matar suas crianças. Não haverá paz com os árabes enquanto eles nos odiarem mais do que amam as suas crianças". Devemos lembrar que o Estado de Israel, desde sua criação pela ONU, em 1947, sob a batuta do chanceler brasileiro Oswaldo Aranha, foi atacado em diversas ocasiões com a intenção de destruir e riscá-lo do mapa. Por sorte, Israel venceu todas essas guerras e, conforme disse David Ben Gurion (ex-primeiro- ministro de Israel): “Israel pode ganhar 50 guerras e nada acontecerá a seus inimigos. Mas, perdendo uma, esta será a última”.

Ben Abraham ben18.abraham@gmail.com 
São Paulo

*
TEM EXPLICAÇÃO?

O anúncio da volta do "treinador" Dunga à seleção brasileira de futebol deve ser alguma brincadeira de mau gosto da Confederação Brasileira de Futebol (CBF). Depois de execrado da seleção em 2010, pelos motivos de domínio público, incluindo a não convocação de Neymar e suas duvidosas técnicas de comando, que pressupõem a clausura dos jogadores, o "treinador" deve voltar pelas mãos do novo diretor de seleções da CBF, Gilmar Rinaldi, companheiro da campanha de 1994 (“Estadão”, 20/7, D6). E assim vamos construindo um círculo vicioso de empobrecimento de nosso futebol, da "família" Dunga para a "família" Scolari e assim por diante, e dessa forma é fácil perceber que, em face de novo fracasso em 2018, na Rússia, já sabemos quem vai suceder Dunga, em 2022. Isso mesmo: Felipão!

José Nestor Cavalcante Cerqueira nestor.fwb@terra.com.br 
São Paulo 

*
O ENTERRO

Se no dia 8 de julho assassinaram o futebol brasileiro, o enterro será hoje, dia 22/7. Merecíamos um técnico com T maiúsculo. Meus pêsames, CBF.  
 
José Roberto Palma palmapai@ig.com.br
São Paulo

*
NOVO TÉCNICO

Dunga na seleção é a confirmação de que a estupidez, a incompetência e a burrice dominam o futebol brasileiro e, principalmente, a CBF. Como ele nem sequer fala corretamente o português, por que, então, não contratar de uma vez um técnico estrangeiro, como Klissmann, Guardiola ou até mesmo Mourinho, que fala um português de qualidade?

Ary Braga Pacheco Filho ary.pacheco.filho@gmail.com 
Brasília

*
RETROCESSO

Enquanto todos os países e pessoas procuram progredir, avançar, o Brasil insiste, pelo visto, em retroceder. Inflação e recessão voltam a nos assombrar, os velhos discursos políticos vazios e falsos e, agora, mais esta: a volta de Dunga.  

Luiz Nusbaum lnusbaum@uol.com.br
São Paulo

*
MOMENTO CRÍTICO

A decadência do futebol arte no Brasil, que culminou no vexame histórico na Copa que se encerrou, começou na era Dunga. Jogador limitado que foi, passou a valorizar o futebol força, em detrimento do futebol espetáculo, nato do brasileiro, que nos deu cinco Copas do Mundo e o respeito e reconhecimento mundiais. O País vive um momento tão crítico no tocante a valores que, quando se fala em renovação no futebol nacional, os dirigentes trazem de volta exatamente aquele que iniciou o processo que levou à tragédia da paixão nacional.

Francisco José Sidoti fransidoti@gmail.com 
São Paulo

*
GILMAR, DUNGA E... ZAGALLO
  
Para quem esperava uma dose de mudança na seleção, aí vem o retrocesso: a dupla Gilmar e Dunga (se confirmado hoje)! Não confundir: é para comandar a seleção, e não dupla sertaneja. Talvez assessorada por Zagallo, quem sabe.
  
Laércio Zannini arsene@uol.com.br 
São Paulo

*
REPETIÇÃO

Dunga na seleção? Bem vindos a 2010!

Luiz Frid luiz.frid@globomail.com 
São Paulo

*
ACINTE APÓS ACINTE

Dunga na seleção? Outro acinte aos brasileiros após a hospedagem do cubano na Granja do Torto.

Adriano Julio de Barros Vicente de Azevedo adrianojbv@uol.com.br 
São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.