Fórum dos Leitores

GOVERNO DILMA

O Estado de S.Paulo

17 Agosto 2014 | 02h04

Recessão à vista

Afinal chegamos aonde não queríamos. Por que o governo não percebeu? "Não queria" perceber que nossa política econômica estava errada? Toneladas de papel de imprensa, horas de transmissão por TV e rádio diariamente, dezenas de economistas e colunistas advertindo que dona Dilma Rousseff estava errada, completamente errada, acompanhada por seu infeliz ministro da Fazenda, Guido Mantega, e finalmente em junho chegou a resposta: recessão. O trimestre teve baixa de 1,2%, segundo o cálculo do Banco Central (BC). Além disso, nossa indústria continuou a cair e com desemprego de mais de 15 mil! Os produtos importados atingiram participação de 21,8% nos bens de consumo, o que indica que a política da dona Dilma criou mais empregos no exterior do que aqui. Infelizmente, a agência Moody's já prevê para o Brasil, no exercício de 2014, uma grande possibilidade de recessão. É muito grave e ela continua "rindo"! Vergonha para o governo que sabe tudo e tem uma presidente infalível... Em tempo: não há nenhum fator externo importante travando o Brasil.

FABIO FIGUEIREDO

fafig3@terra.com.br

São Paulo

Economia ladeira abaixo

O Brasil está com sua economia estagnada, só o governo petista não quer enxergar. A prévia do Índice de Atividade Econômica divulgada pelo BC indica que a economia recuou 1,2% no segundo trimestre. E no acumulado dos primeiros seis meses deste ano, um crescimento medíocre do produto interno bruto (PIB) de 0,13%, exatamente na contramão do que o governo federal quer vender - diga-se, sem sucesso - ao mercado. Esse número do BC é refém da inábil condução da política econômica que vem sendo praticada pela surda e soberba gestão Dilma e imune a qualquer discurso demagógico e insensato do Planalto. Se analisarmos ainda que o crédito está mais seletivo e mais caro, a inadimplência das pessoas jurídicas e físicas está aumentando, as vendas no varejo estão despencando e o nível de investimento caindo vertiginosamente, não dá para acreditar que a atividade econômica até dezembro evolua o suficiente para alavancar positivamente o PIB. Ou seja, estamos mais para crescimento zero do que qualquer outro resultado que faça o PT comemorar.

PAULO PANOSSIAN

paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

O 7 a 1

Site lançado pelo ex-presidente Lula tenta fazer crer que o PIB, soma de todas as riquezas que o País produz no ano, triplicou. Então todos os economistas são idiotas ou... Na próxima edição, o 7 x 1 (7% de inflação contra 1% de crescimento do PIB), ladeira abaixo, vai tentar nos convencer justamente do contrário. Vai ser criativo assim na casa do PT!

JOSÉ CARLOS ALVES

jcalves@jcalves.net

São Paulo

Só louco...

Benjamin Steinbruch tem razão: só mesmo louco teria coragem de investir no Brasil atual. Sobretudo em setores não concorrenciais, sob o regime da concessão, onde o dinheiro que entra e sai da empresa não depende da boa gestão, e sim do relacionamento que se tem com tribunais, estatais e agências reguladoras cujos dirigentes não se subordinam aos interesses permanentes do Estado. Proteger estruturalmente essas instituições - como fazem os países do Primeiro Mundo -, tornando-as técnicas e neutras com relação aos interesses político-partidários, será o primeiro passo para acabar com a insegurança jurídica do País e devolver confiança e otimismo aos empresários, aos funcionários de carreira e aos consumidores.

NILSON OTÁVIO DE OLIVEIRA

noo@uol.com.br

Valinhos

R$ 1 trilhão de impostos

De 1.º de janeiro a 12 de agosto os brasileiros desembolsaram R$ 1 trilhão em impostos das três esferas de governo - União, Estados e municípios. O que magoa e nos fere não é tanto o total que pagamos, mas o abandono em que se encontram a saúde, a educação e a segurança. O descontrole é tanto que nos hospitais públicos faltam macas e medicamentos básicos, todos os dias assistimos a pacientes jogados em corredores, por todo o País. Acorda, Brasil, outubro esta aí, nossa única arma é o voto, vamos aproveitar bem, chega de erros. Quem não resolveu nada em 12 anos não será com mais quatro que vai fazer milagres.

ARNALDO DE ALMEIDA DOTOLI

arnaldodotoli@hotmail.com

São Paulo

Desobediência civil

Realmente, já ficou insuportável. Tenho proposto que não há como retomar a capacidade de investimento do Estado se não se diminuir drasticamente seu tamanho mastodôntico, cortando a máquina pública pela metade (acabando com o Senado, reduzindo em um terço os outros Legislativos e toda a sua estrutura, retornando as pequenas prefeituras deficitárias a seu status pré-Constituinte); e da população se não se cortarem os impostos em pelo menos dez pontos porcentuais, a começar pelo reajuste da Tabela de Descontos do Imposto de Renda, defasada em 70%. Sugiro uma desobediência civil pacífica, começando por deixar de recolher o Imposto de Renda e outros tributos, até que essas e outras coisas (Contribuição Sindical, propaganda política "gratuita", Fundo Partidário, milhares de cargos comissionados) aconteçam. Fica a sugestão.

ALBINO CLAREL BONOMI

acbonomi@yahoo.com.br

Ribeirão Preto

Fundo de Garantia

Agora está explicada a razão de os trabalhadores não conseguirem sacar o seu FGTS. O governo reteve R$ 17 bilhões do fundo para garantir resultado fiscal. Então, toda aquela história de que o sistema estava lento, ou caía, etc., era tudo encenação?! Não tinham dinheiro para pagar, essa é a verdade. Mais rápido se pega um mentiroso que um coxo.

PANAYOTIS POULIS

ppoulis46@gmail.com

Rio de Janeiro

ANÁLISE ELEITORAL

'Mediocridade do poste'

A "carteirada" que levou o Banco Santander a demitir vários funcionários analistas que, na maior honestidade intelectual e no interesse dos clientes, indicaram os riscos da nossa economia diante das ações desastradas da administração petista teve uma resposta à altura de quem não se intimida com o governo, mas se intimida dizendo inverdades a seus clientes. A Rosenberg Associados, empresa de consultoria, mostrou a nossa frágil realidade sem temor, porque é séria e nada deve ou precisa deste governo. Diante de ambos os comportamentos se permite admitir interesses escusos, porque é impossível admitir que um banco do porte do indicado não enxergue o óbvio na economia, que vai, sim, muito mal.

MARIO COBUCCI JUNIOR

maritocobucci@uol.com.br

São Paulo

 

______________________

A MORTE DE EDUARDO CAMPOS

Não é à toa, em minha visão, que a morte de Eduardo Campos tenha sido noticiada com tanto destaque na imprensa internacional. Confesso que, como paulista e paulistana, eu não conhecia Eduardo Campos até ouvir duas de suas recentes entrevistas. Fiquei impressionada com o frescor e a clareza de suas ideias para responder às muitas e prementes necessidades do País e também com sua capacidade de articulação verbal, seu discurso moderno e independente e de alto nível, sem lançar mão de ataques abertos ou velados a outros candidatos, concentrando-se apenas em pontos fatuais da realidade nacional, tudo isso somado a uma grande simpatia pessoal e à juventude, com tempo para realizar muitas coisas. Amparada em sua excelente avaliação no governo de Pernambuco e nas palavras do senador Pedro Simon, de reconhecida integridade, que declarou abertamente seu voto em Eduardo Campos no programa "Roda Viva", eu já havia me decidido a votar nele nas próximas eleições. Meu voto póstumo se confirmou ao ouvir o governador Geraldo Alckmin dizendo que, a pedido de dona Renata, mulher de Eduardo Campos, todos os corpos do acidente deveriam ser identificados ao mesmo tempo. Ou seja, sua mulher, apesar do momento de tão imensa dor pessoal, solidarizou-se com a dor das famílias das outras vítimas dessa terrível tragédia, sem se colocar em posição de prioridade. Ao que parece, uma mulher nobre, à altura do marido. Estou duplamente em luto: pelo meu candidato Eduardo Campos e por sua família. Creio que, se tivesse tido tempo, Eduardo Campos surpreenderia nestas eleições. Mas, infelizmente, parece que a música "Abraham, Martin and John", de Dick Holler, vive se mostrando verdadeira: os bons morrem jovens.

 

Lenke Peres lenke@uol.com.br

Cotia

*

LUTO

Perdi um amigo, Eduardo Campos. O Brasil perde uma grande figura humana. Uma referência na política e na vida. Um homem digno e preparado, capaz de unir o País neste difícil momento da política e da economia. Ficará para sempre na nossa lembrança seu exemplo de vida pública, de humanidade, de carinho com os mais fracos e de sua luta em defesa de um Brasil justo e democrático. Uma tragédia para todos nós! Estamos de luto, mas temos a certeza de que seu exemplo servirá de inspiração para muitos que almejam um mundo melhor para todos. Como Eduardo sempre dizia: "Não vamos desistir do Brasil".

 

Eliseu Gabriel, presidente do Diretório Municipal de São Paulo do PSB deputadofederal4012@eliseugabriel.com.br

São Paulo

*

CAMPOS E LULA

Essas lágrimas derramadas por Lula durante a ligação que fez para a mãe de Eduardo Campos são aquelas que a sabedoria popular batizou de lágrimas de crocodilo. Por mais apreço que Lula tenha tido a Eduardo no tempo em que eram aliados, essa recente condição de adversário político o transformou num inimigo, que é assim que o ex-presidente vê quem surge em seu caminho para atrapalhar seu projeto de poder. Por mais chocante que pareça essa minha observação, tenho certeza de que Lula vibrou com a notícia da morte de quem ousou passar para o outro lado e lhe enfrentar.

Ronaldo Gomes Ferraz ronferraz@globo.com

Rio de Janeiro

*

UM PERDEDOR

Hoje já se pode afirmar que há um perdedor com a morte de Eduardo Campos: o sr. Lula, que perdeu um único aliado leal nesta campanha de 2014, pois se Campos fosse eleito ou passasse para o segundo turno, ele seria a figura que, na prática, o ex-presidente sabia que iria protegê-lo, ou talvez alavancá-lo para um retorno à vida pública, com o apoio de outros partidos que não o PT/PMDB.

 

Jose Guilherme Santinho msantinho@uol.com.br

Campinas

*

A SEGUNDA CHANCE DE MARINA SILVA

Entendo que, nesta hora de tristeza e pesar pela perda de vidas, não se falasse mais do que palavras de conforto para os familiares das vítimas nesse trágico acidente. Entretanto, passados os primeiros dias de luto, chegará a hora de Marina Silva se definir acerca de seu futuro político, nesta eleição e nas próximas. A sua decisão poderá selar o seu futuro político e o futuro de nosso país. É chegada a hora de demonstrar o seu real idealismo e interesse para o bem do Brasil. Na eleição anterior, quando teve 20 milhões de votos, ficou em cima do muro e não disse quem apoiaria, e vimos o que aconteceu. Agora, Marina Silva tem mais uma oportunidade para ajudar o Brasil a sair deste lamaçal ético, político e econômico dos 12 anos de "lulopetismo", que ameaçam destruir tudo o que conquistamos com muito sacrifício. Contamos com o seu espírito patriótico.

João M. Ventura joaomv@terra.com.br

São Paulo

*

TERCEIRA VIA

Um fato político novo tenderá a acontecer caso Marina venha a ser candidata. Todos sabemos da asquerosa corrupção e incompetência em que se envolveu o PT nestes últimos 12 anos. E que, para se defender, tem acusado o PSDB de ser corrupto também. Logo, sobrará realmente uma terceira via que não é uma coisa nem outra.

Eugênio José Alati eugeniojalati@gmail.com

Campinas

*

ELEIÇÕES 2014

 

Com a ajuda do diabo o resultado das urnas já pode ser previsto. Um obstáculo a menos e uma parceria inesperada é tudo de bom...

 

Luiz Ress Erdei gzero@zipmail.com.br

Osasco

*

FISIOLOGISMO

Faz falta a figura do Dr. Ulysses Guimarães no cenário nacional, que impediria os dirigentes fisiológicos de seu partido, PMDB, aliarem-se a este desgoverno, que tem como característica a corrupção, a incompetência e a impunidade. Apesar de ter a maioria dos parlamentares e a presidência das duas Casas no Congresso Nacional, para manter a vice-presidência e alguns ministérios, o partido, submisso, vota sempre matérias de interesse desta administração em detrimento dos interesses da população. É tempo, nestas eleições, que os eleitores desprezem os candidatos do PMDB e do PT para o bem da Nação.

José Wilson de Lima Costa jwlcosta@bol.com.br

São Paulo

*

ADIAMENTO DO PLEITO

A Carta Magna plasmou, dentre seus princípios fundamentais, a cidadania e a dignidade da pessoa humana, além do poder a ser exercido pelo povo, por meio de representantes eleitos. O preâmbulo da Constituição, tal como o farol que ilumina e sinaliza às embarcações nas noites de tempestade, institui "um Estado Democrático, destinado a assegurar o exercício dos direitos sociais e individuais, a liberdade, a segurança, o bem-estar, o desenvolvimento, a igualdade e a justiça como valores supremos de uma sociedade fraterna, pluralista e sem preconceitos, fundada na harmonia social ...". Com razão e prudência, a Constituição Federal determina, em seu art. 5º, § 2º que "os direitos e garantias expressos nesta Constituição não excluem outros decorrentes do regime e dos princípios por ela adotados, ou dos tratados internacionais em que a República Federativa do Brasil seja parte". Por sua vez, a legislação eleitoral é matéria infraconstitucional - podendo, em alguns pontos, conflitar com a Carta Magna. O atual momento político, grave, pelo qual passa o Brasil, em razão da tragédia que vitimou o candidato e ex-governador de Pernambuco, Eduardo Campos é de intensa perplexidade e de consternação, implicando em comoção nacional, atingindo a maioria dos brasileiros - inclusive a própria Corte do Supremo Tribunal Federal, conforme manifestações de vários de seus ministros. Nenhuma análise mais aprofundada é necessária para afirmar que tal tragédia, extraordinária, altera profundamente o rumo das eleições, podendo vir a desequilibrá-las, dependendo das medidas que forem (ou que não forem) adotadas. Isso posto, é de pensar, com urgência, na possibilidade de adiamento das eleições brasileiras, que teriam seu primeiro turno em 12/10/2014 (ou 19/10/2014), inclusive, por consequência, adiamento do horário eleitoral - tudo em nome do superior interesse público e equilíbrio das eleições. Um pacto entre todas as correntes políticas, mais o Legislativo e Judiciário, torna possível a construção dessa alternativa - para o bem do Brasil. O que está em jogo não é um mero pleito eleitoral, mas o destino de uma Nação, enfim, de mais de 200 milhões de brasileiros.

Milton Córdova Júnior milton.cordova@gmail.com

Vicente Pires (DF)

*

DEPOIMENTOS OFICIAIS

O ministro da Secretaria-Geral da Presidência da República, Gilberto Carvalho, disse que teve muito prazer em conviver com Eduardo Campos durante o governo Lula, o que quer dizer que não teve prazer em conviver com ele em 2011 e 2012, antes mesmo que se candidatasse a presidente. Dona Dilma, por sua vez, deu a entender que acredita que foi a morte quem tirou a vida de Eduardo Campos.

Sergio S. de Oliveira ssoliveira@netsite.com.br

Monte Santo de Minas (MG)

*

20 ANOS OU MAIS

O sr. Rui Falcão, presidente nacional do PT, nos dá a entender, em entrevista ao jornal "Valor", que dona Dilma Rousseff está no cargo apenas para garantir a volta de Lula, em 2018. Então, se eleita, será apenas coadjuvante no próximo governo. E porque eles querem ficar uns 20 anos ou mais no poder. É muito claro, como o Brasil é muito grande, não dá para "dominar" em apenas 12 anos e impingir sua ideologia, mas agora eles já têm grande parte de nossas instituições, inclusive o Supremo Tribunal Federal (STF), aparelhadas com cumpanheiros(as), ONGs, movimentos sociais cada vez maiores, deputados, senadores, estatais - vide Petrobrás -, milhares de cargos em comissão, tudo dominado. Com mais uns anos no poder, quando o povo acordar, já será tarde, estaremos nas mãos deles, tornando-nos uma Venezuela. Então "quem sabe faz a hora não espera acontecer". E a hora é agora, nas eleições.

 

Tania Tavares taniatma@hotmail.com

São Paulo

*

CAMPANHA

Lançar a campanha do "compre Dilma em 2014 e leve Lula em 2018" nos remete àquela historinha do burro que empacado o dono amarra uma cenoura na ponta de uma vara e coloca a frente do burro. Este desempaca na esperança do dia que conseguirá comer a dita cenoura. Comprar Dilma, na esperança de que em 2018 o salvador da pátria, Lula da Silva, voltará é o mesmo que dizer: "Olhe! Se seu salário não chegar ao fim do mês durante os próximos quatro anos, volte a comer feijão com farinha, porque em 2018 Lula fará o maná cair do céu". O povo é mais que isso, Rui Falcão e petistas.

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

*

GATO POR LEBRE

Perguntar não ofende: cabe uma ação no Conar por propaganda enganosa do PT, no caso do sr. Rui Falcão ter dito que, quem votar em Dilma, estará votando em Lula?

Moises Goldstein mgoldstein@bol.com.br

São Paulo

*

VENDA CASADA

Compre Dilma e leve Lula, de novo! Venda ou promoção casada é proibida pelo Código de Defesa do Consumidor - e do eleitor também. Segundo o sr. Falcão, presidente do PT, assim foi e assim será, está impossível essa separação e ainda será pior no segundo mandato, porque farão de tudo para limitar o raio de atuação de Dilma para reduzir os danos eleitorais causados pelo seu desgoverno.

 

Arcangelo Sforcin Filho arcangelosforcin@gmail.com

São Paulo

*

HERANÇA

Se Dilma ganhar em 2014, não haverá Brasil em 2018 para Lula voltar, aí, sim, receberá uma herança mais que maldita. Lula prefere e sonha com a vitória de Aécio Neves, para colocar o Brasil nos trilhos para "tentar" voltar com a casa arrumada e uma herança bendita.

Fernando Pastore Junior fernandopastorejr@gmail.com

São Paulo

*

TERCEIRO MANDATO

Os petralhas estão articulando a reeleição de Dilma com a certeza do retorno de Lula em 2018. Lula marcará um gol de placa se vier a ser ministro da economia no próximo mandato da nossa madrasta Dilma. Terá a oportunidade de provar que realmente é competente e merece o terceiro mandato.

Jose Roberto Iglesias rzeiglesias@gmail.com

São Paulo

*

LIQUIDAÇÃO

Segundo o camarada Falcão, quem comprar Dilma vai levar Lula. Sendo ainda mais objetivo: quem comprar o purgante já leva o resultado.

Renato Otto Ortlepp renatotto@hotmail.com

São Paulo

*

OPERAÇÃO LAVA JATO

Ninguém vai perguntar ao ex-presidente Lula o que ele tem a dizer sobre mais esta presepada que vem à tona nos depoimentos da ex-contadora do doleiro Alberto Youssef, investigado pela Polícia Federal por envolvimento com lavagem de dinheiro de empreiteiras envolvendo políticos do PT, do PMDB e do PP? Estamos todos ávidos por ouvir o molusco ilusionista afirmar que é mais uma "conspiração dazelite branca"...

Victor Germano Pereira victorgermano@uol.com.br

São Paulo

*

MEIREGATE

Por que razão a ex-contadora do doleiro Alberto Youssef, Meire Poza, levou três anos (!) para denunciar o esquema de lavagem de dinheiro de grandes empreiteiras, envolvendo políticos do PT, PMDB e PP, bem como de uma rede de empresas de fachada que forneciam notas fiscais frias para prestadores de serviços da Petrobrás? Se tivesse denunciado o que viu na primeira semana de trabalho, teria poupado o seu envolvimento no esquema de circulação de "malas e malas de dinheiro", pois não?

J. S. Decol decoljs@globo.com

São Paulo

*

ALBERTO YOUSSEF E LUIZ ARGOLO

O Brasil parece mesmo um predestinado: antes mesmo de a Polícia Federal (PF) desmantelar uma quadrilha de corruptos, aparece outra.

Virgílio Melhado Passoni mmpassoni@gmail.com

Jandaia do Sul (PR)

*

TRISTE LEMBRANÇA DO 13

No dia 13/8 os brasileiros se lembrarão sempre de dois acontecimentos inesquecíveis, de perdas e consequências irreparáveis: tragédia 1) o acidente aéreo em Santos (SP), que causou a morte prematura do candidato à Presidência Eduardo Campos, com 49 anos, e de sua equipe, num total sete mortos; e tragédia 2) a tão aguardada posse do ministro Ricardo Lewandowski na presidência do Supremo Tribunal Federal (STF), que com certeza vai trazer muita sorte para os inúmeros amigos do 13, desde que não caia de sexta-feira. Mas para os inimigos, a lei... Ora lei. Agora não há quem segure!

 

Luiz Dias lfd.silva@2me.com.br

São Paulo

*

REIVINDICAÇÃO INOPORTUNA

O novo presidente do STF, em sua primeira fala, pede aumento de salário. Extremamente inoportuna sua reivindicação. Detentor do maior salário pago pelo setor público, não produz o mínimo que justifique tão polpuda remuneração. Dados divulgados pela mídia informavam que, no início de 2013, dormiam nos arquivos do STF mais de 2500 processos julgados e sem acórdão. E ainda quase 70 mil processos sem julgamento. Tendo à sua disposição mais de 250 funcionários, bem como os demais ministros, nada justifica tamanho caos. Talvez fosse o caso de, primeiro, pôr em dia os processos e, depois, continuar calado. Se o salário fosse por produtividade, penso que teriam de trabalhar de graça por um bom tempo. O Congresso e a presidente saberão abortar essa injustificada pretensão.

Paulo H. Coimbra de Oliveira ph.coimbraoliveira@gmail.com

Rio de Janeiro

*

CORPORATIVISMO

O brilhante e sempre esperto Lewandowski, que já trabalhou para o PT em São Bernardo, no primeiro discurso como presidente do STF, disse aos juízes que irá ver um salário melhor, pois o atual está aquém do que eles realmente merecem. Além disso, espero que ele também veja se pode aumentar o período de férias de vossas meritíssimas, para três meses, com pagamentos integrais, ao invés dos dois atuais. Está mudando mais rápido do que esperávamos, e podemos prever o que vai acontecer... Ademais, é petista de carteirinha.

Zureia Baruch Jr. zureiabaruchjr@bol.com.br

São Paulo

*

ILHA DE TRANQUILIDADE

Está de brincadeira o excelentíssimo presidente do STF, ao dizer que o Brasil é uma ilha de tranquilidade. Só se for para a família dele, que tem os filhos e netos em escolas particulares, planos de saúde top, segurança particular 24 horas por dia, almoçam ou jantam em excelentes restaurantes, viajam uma ou duas vezes para a Europa, não têm nenhum processo na Justiça aguardando às vezes mais de 10 anos uma solução, e por aí vai. Por favor, respeite nossa ignorância (inteligência).

Jose Roberto Iglesias rzeiglesias@gmail.com

São Paulo

*

O STF E O MENSALÃO

STF, em genuína decisão, higieniza papuda, tirando lamas.

Tadeo Zambom transmotor@transmotor.com.br

São Paulo

*

CONTRA A CORRUPÇÃO? NEM TANTO!

Há muitas questões, irregularidades e corrupção em órgãos de governo, que a Controladoria-Geral da União (CGU) não tem recursos humanos para atender e o Palácio do Planalto não dá autorização para ampliação do quadro. É uma forma de o governo conter a CGU e não deixar à mostra mais roubalheiras. Sobre esse assunto Dilma disse recentemente, em relação à Controladoria, que deu "todos os instrumentos para atuar". É mentira. Aparentemente, o governo que se diz empenhado em combater a corrupção não quer combatê-la, como demonstrado no caso da Petrobrás. Melhor abafá-lo. O que está suficientemente demonstrado é que o governo não tem a menor disposição em expor casos, prefere abafá-los e esconde-los. A CGU perdeu 700 funcionários, restando apenas 2.300, o que é pouco para cumprir sua missão. Infelizmente, o ministro Jorge Hage, da controladoria, fez solicitação escrita há vários meses para a contratação de 303 novos funcionários já selecionados e não teve resposta de Aloizio Mercadante e Miriam Belchior, que "engavetaram", dado o risco que isso representa. O governo Dilma, que se diz lutando contra a corrupção, faz, mais uma vez, um gesto para esconder irregularidades e corrupção de seus próprios companheiros no governo. Quem seriam os corruptos que Dilma, Mercadante e Mirian Belchior tentam esconder? Certamente, Jorge Hage tem alguma pista.

Fabio Figueiredo fafig3@terra.com.br

São Paulo

*

JOSÉ ROBERTO ARRUDA E A FICHA SUJA

O Tribunal Regional Eleitoral do Distrito Federal presenteou o eleitorado que tem vergonha na cara e que está ávido por moralização da classe política brasileira. José Roberto Arruda não! Quem tem discernimento não está disposto a perdoá-lo 70 vezes 7. Aos que não reprovam a conduta do ex-governador, conclamo a mudar de ideia para que um dia possamos ficar livres desta canalhice que tomou conta da política brasileira. O Brasil está pedindo socorro. Votar não é brincadeira. Só o voto consciente porá fim a essa bandalheira.

 

Jeovah Ferreira jeovahbf@yahoo.com.br

Taquari (DF)

*

ELEIÇÃO EM SP

A propaganda político-partidária contrária ao governador Geraldo Alckmin virá com tudo contra a falta de água no Estado. Como não existe fundamento para detonar com o governador, que tem 50% de aprovação nas pesquisas, até a falta de chuva entrou no programa do PT e do PMDB, contrariando inclusive determinação de São Pedro. Só está faltando combinar com o El Niño, que já começou a atuar no Oceano Pacífico e que trará em breve chuvas em abundância ao nosso Estado, afastando o fantasma da falta de água. Quem na realidade será chutado em baldes (postaram nas redes sociais todos do PSDB com baldes na cabeça), serão eles. Chutados no voto pelo povo paulista. Falta categoria administrativa a esta gente, e o negócio é apelar.

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

*

ÁGUA PARA A POPULAÇÃO

 

A regra legal é a que determina o uso da água, primeiramente, para as pessoas. Após, os animais devem poder fazer uso dela, e, finalmente, as hidrelétricas, como bem explicou o governador deste Estado na televisão e em entrevistas. Desejar alterar a ordem dos fatores é contra até o direito natural, valendo ressaltar que o Ministério Público deverá ingressar na contenda sobre a água entre São Paulo e Rio de Janeiro e opinar pelo uso das pessoas em primeiro lugar. Na verdade, estão fazendo política à custa do tempo e das águas, o que torna o pleito pérfido e indigesto. O governador Geraldo Alckmin está certo e deve manter a sua atitude.

José C. de Carvalho Carneiro carneirojc@ig.com.br

Rio Claro

*

ELEIÇÃO NO RIO

É uma vergonha que o ex governador Antony Garotinho lidere a disputa na eleição para governador do Estado do Rio. Depois de tudo de ruim que ele e sua mulher, Rosinha, fizeram quando foram governadores, é inaceitável que o povo fluminense vote nele de novo. Não que os outros candidatos sejam melhores, pois o nível é péssimo. Não deixa de ser uma boa mostra da alienação, falta de memória e baixo nível cultural e político dos eleitores, que não tem um pingo de consciência política ou noção da realidade. Maus políticos, como Garotinho, são um retrato claro dos maus eleitores que temos no Rio e no País.

 

Renato Khair renatokhair@uol.com.br

São Paulo

*

NOBEL DE MATEMÁTICA

A recente notícia vinda da Coreia do Sul, do 27.º Congresso Internacional de Matemáticos, de que o jovem brasileiro de 35 anos de idade Artur Ávila foi agraciado com a Medalha Fields, popularmente conhecida como o "Nobel da Matemática", dá aos brasileiros uma grande alegria e orgulho. Esse prêmio mostra que se faz pesquisa de ponta no Brasil, o que tira um pouco do complexo de vira-lata da comunidade científica brasileira. Parabéns, de coração, Artur!

Edgard Gobbi edgardgobbi@gmail.com

Campinas

*

MEDALHA FIELDS

A boa notícia da semana foi a Medalha Fields com que Artur Avila foi laureado. Um feito notável, de júbilo para todos os que sabem que é por meio do conhecimento que a sociedade brasileira dará os saltos de que necessita para uma vida mais justa, harmoniosa e saudável. Um bom momento para discutir por que levamos tanto tempo para alcançar esse mérito, equivalente a um Prêmio Nobel. Não foi por falta de cientistas importantes com trabalhos inovadores, como Carlos Chagas.

Adilson Roberto Gonçalves prodomoarg@gmail.com

Lorena

*

INCENTIVO

Sou professora de escola pública e a notícia de que um brasileiro conquistou o "Nobel" da Matemática mobilizou meus alunos, que coletivamente escreveram a seguinte mensagem: "Orgulho para os brasileiros. Nós, alunos do 5.º ano C, da E. E. Antonio Diederichsen, ficamos felizes em saber que o brasileiro Artur Avila recebeu o prêmio máximo de Matemática. Essa notícia é um incentivo para os estudantes brasileiros, mostrando que qualquer um é capaz de conseguir chegar até esse ponto".

Adriana Savoya drisavoya@ig.com.br

Ribeirão Preto

*

REVERÊNCIA

Em nome do povo brasileiro, cumprimento o matemático Artur Ávila pelo importante prêmio.

Arnaldo de Almeida Dotoli arnaldodotoli@hotmail.com

São Paulo

*

MATEMÁTICA DOS SONHOS

Quem sabe o "Nobel de Matemática" ganho por Artur Avila não seja o início de um novo processo de boas notícias, dentro do mar de tristes acontecimentos que envolvem o nosso cotidiano. As próximas eleições poderão ser esse novo instrumento saneador, quando teremos a chance de escolher melhores figuras que nos representem no comando das decisões que a Nação brasileira tanto almeja e necessita.

José de A. Nobre de Almeida josedalmeida@globo.com

Rio de Janeiro

 

*

AJUDINHA AO MINISTRO

Finalmente aparece um nome digno de sustentar a permanência da presidente Dilma no governo: trata-se do brasileiro matemático Artur Avila, 35, vencedor da Medalha Fields, equivalente ao "Nobel da Matemática". Com as dificuldades que enfrenta Guido Mantega ao se deparar com erros crassos na economia, Avila poderia auxiliar o ministro a fazer, ao menos, as quatro operações básicas da aritmética e evitar a escalada da inflação, que certamente ameaça Dilma.

 

Mário Negrão Borgonovi marionegrao.borgonovi@gmail.com

Rio de Janeiro

*

LUSA, 94 ANOS

Parabéns à A. A Portuguesa de Desportos, a Lusa, pelos seus 94 anos de existência. Fundada em 14/8/1920, a Lusa foi campeã do Torneio Rio São Paulo em 1952 e em 1955, três vezes campeã paulista e vice brasileira em 1996. O clube revelou grandes jogadores para o futebol brasileiro e mundial, como Djalma Santos, Pinga, Julinho Botelho, Brandãozinho, Eneas, Zé Maria, Dener, Zé Roberto, entre tantos outros. Oxalá a Lusa do Canindé volte a ser forte e a disputar títulos de expressão, como no seu glorioso passado.

 

Renato Khair renatokhair@uol.com.br

São Paulo

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.