Fórum dos Leitores

GOVERNO DILMA

O Estado de S.Paulo

20 Dezembro 2014 | 02h04

Afago aos corruptos

Ao ser diplomada pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) a presidente Dilma Rousseff propôs um pacto anticorrupção, dizendo: "Temos que punir as pessoas, não destruir as empresas". As "pessoas" a que ela se refere só podem ser dos outros partidos, pois sabemos que petistas julgados e condenados pelo Supremo Tribunal Federal receberam proteção moral da presidente e da alta cúpula do PT. Recentemente ela ofereceu uma vice-presidência do Banco do Brasil a Anthony Garotinho, ex-condenado por formação de quadrilha e famoso pela vasta ficha de improbidades administrativas. E, apesar da pressão, continua mantendo na presidência da Petrobrás a sra. Graça Foster, que, no mínimo, vem fazendo vista grossa para os desmandos praticados por corruptos que vêm dilapidando o patrimônio da estatal.

JOSÉ CARLOS DEGASPARE

degaspare@uol.com.br

São Paulo

Da boca para fora

"Temos de punir o crime, não prejudicar o País" - palavras de quem acaba de propor e conseguir a mudança da meta fiscal para não ser responsabilizada pelo descumprimento da Lei de Responsabilidade Fiscal. "Faça o que mando, não o que eu faço."

ODILON OTÁVIO DOS SANTOS

Marília

Perguntar não ofende

Depois das manifestações de junho de 2013, a presidente Dilma propôs cinco pactos. Agora, quando da sua diplomação, ela propôs um pacto contra a corrupção. Segundo o Dicionário Houaiss, pacto significa ajuste, contrato, convenção entre duas ou mais pessoas. Seria muita insolência perguntar - sem a menor intenção de ofender - se Sua Excelência conclama a população a banir a corrupção, comprometendo-se, em nome do governo, a eliminar esse cancro, cuja existência ela admite implicitamente, das instituições governamentais? Da parte da presidenta, não seria nada mais do que sua obrigação, sem necessidade de pacto algum.

ALEXANDRU SOLOMON

alex101243@gmail.com

São Paulo

Pacto anticorrupção...

Nunca antes na História do Brasil se fez bravata com tanta desfaçatez. A primeira a ser responsabilizada pela corrupção e pelo afundamento da Petrobrás é a própria Dilma. Houve alguma vez na História tamanho desastre de gestão?

HARALD HELLMUTH

hhellmuth7@gmail.com

São Paulo

Sugestões à presidenta

Que tal deixar de usar os cargos nas estatais como moeda de troca? Sugiro como solução definitiva a privatização onde os prejuízos com corrupção são problema dos acionistas, e não do Tesouro Nacional (nossos suados impostos). Como o PT não quer largar o osso, uma segunda possibilidade é contratar executivos no mercado, pessoas sem vínculos com o poder, simples profissionais capacitados e com um nome a zelar.

AIRTON MOREIRA SANCHES

moreira.sanches@uol.com.br

São Paulo

Consulta

Ainda sobre a sra. Dilma propor um "pacto nacional" contra a corrupção, a pergunta que fica: ela já conversou sobre isso com os companheiros do PT e respectivos "aliados"?

ADEMAR MONTEIRO DE MORAES

ammoraes57@hotmail.com

São Paulo

Pega ladrão!

A presidente Dilma propor um "pacto nacional contra a corrupção" é o mesmo que sair correndo e gritando "pega ladrão!", de vez que 3% de todos os contratos - investigação da Operação Lava Jato - da Petrobrás eram desviados para a base aliada do seu governo, PT, PMDB e PP.

EDGARD GOBBI

edgardgobbi@gmail.com

Campinas

MERCOSUL

Crescimentos...

Mais uma vez Dilma Rousseff nos embevece com seus dons de oratória. Ao assumir a presidência do Mercosul, declarou: "Assim conseguiremos retomar a trajetória de crescimento ascendente" (sic). Dados a sua notória capacidade administrativa e o seu tino para negócios, teme-se que, sob sua firme batuta, a entidade venha a experimentar um crescimento descendente...

NELSON PENTEADO DE CASTRO

pentecas@uol.com.br

São Paulo

CELSO DANIEL

Fim do caso?

Infelizmente, o processo da morte de Celso Daniel parece terminar sem que se chegue à verdade incontestável, porque apenas alguns peixes pequenos terminam na cadeia. Ficam sombras encobrindo alguns pontos não respondidos. Se realmente os bandidos atacaram o veículo em que estava o prefeito apenas com o fim de roubar, de imediato perceberiam ter errado o bote, porque claro que ele se identificou, e saberiam que pela importância do cargo e da cidade onde o exercia toda a polícia paulista estaria em busca deles. Então, é mais que óbvio, tomariam alguns valores que estivessem com o prefeito, fariam saques em caixas eletrônicos e, pouco ou nada conseguindo, o largariam na primeira esquina e sumiriam com o veículo. Por que o matariam? Se fossem criminosos comuns, só o matariam para não serem identificados no futuro, uma atitude extrema. Então, por que ficar com ele dois dias sob tortura e com toda a PM em busca? A tortura somente foi aplicada para tirar dele algo que, obviamente, não seria dinheiro. Também, por que jogar para um menor de idade a execução de Celso Daniel? O final dessa história somente agradou a quem a morte de Celso Daniel favoreceu, nomes importantes que circularam durante todo o processo e respiraram aliviados com este final. Talvez um dia se chegue à verdade, mas aí todos estarão mortos.

LAÉRCIO ZANNINI

arsene@uol.com.br

Garça

BOAS-FESTAS

O Estado agradece e retribui os votos de feliz Natal e próspero ano-novo de Abegás, All Traduções Técnicas, Andi, Arca Brasil, Associação Comercial de Sorocaba, Associação Petropolitana dos Pacientes Oncológicos, C&M Software, Camiseta Express, Carci, Chico Damaso - Acontece Comunicação, Cidade Democrática, Diretório Municipal do PT de São Paulo, Febraban - equipe de Comunicação (Pedro Luiz Rodrigues, Cleide Sanchez Rodriguez, Tatiany Banagouro, Adriana Mompean, Kéti Granzotto Casarri e Lucca Frederico Amaral Corrêa Paronetti), Henrique Brigatte, Ibrafin, InCuca Tecnologia, Leila E. Leitão, Mariza Pomilio - Ateal, Miguel Reale Jr., Ney Leprevost, família e equipe, Pat Tec, Pedro Denadai - Hayai Assessoria de Imprensa e Comunicação, Rubens Teixeira da Silva - Transpetro e Via Pública Comunicação.

*

O SALÁRIO NO CONGRESSO NACIONAL

O salário dos nossos parlamentares deve subir para R$ 33 mil. Na última semana de trabalho, o Congresso Nacional preparou reajuste de 26% para deputados, senadores, ministros de Estado e para a presidente Dilma Rousseff. Para os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF), a nova remuneração prevista é de R$ 35,9 mil. Magistrados reivindicam mais. E os demais trabalhadores profissionais não serão também contemplados por equidade com o referido reajuste? Ou a igualdade de direito de que trata Carta Magna não tem validade? Os nossos parlamentares federais se autorreajustam sem escrúpulo, com repercussão perdulária em cascata nos Legislativos de todo o País. Vejam, além dos salários, os congressistas têm direito a apartamento funcional ou auxílio-moradia de R$ 3.800,00, verba indenizatória de até R$ 41 mil para deputados e de R$ 44.200,00 para senadores, além de verba de gabinete de R$ 78 mil para deputados e de R$ 82 mil para senadores. Senhores, atividade parlamentar não é profissão, logo, não deveria ter remuneração salarial ou subsídio. Nossa Constituição é eivada de privilégios políticos. E isso só existe por omissão da sociedade, que não se manifesta. Ora, os parlamentares já recebem muitas ajudas de custo para o desempenho de seus mandatos, por isso o recebimento de salário ou subsídio é uma excrescência imoral. A verdade é que a maioria está no Parlamento pelo cabide de emprego. Outros, abonados, não precisam de salário político, como Collor, Sarney, Renan, Kátia Abreu, Barbalho, Henrique Eduardo Alves, Henrique Fontana, Maluf, etc. O Parlamento deve ser uma atividade temporária e cívica de prestação de serviço à Nação, sem característica trabalhista. Pois a atividade remunerada parlamentar é um dos descaminhos que leva à corrupção do Parlamento.

Júlio César Cardoso juliocmcardoso@hotmail.com

Balneário Camboriú (SC)

*

É JUSTO?

É muito triste e revoltante aceitar este aumento salarial dos políticos, enquanto os aposentados que moram no exterior e que ganham abaixo de R$ 1.900,00 – e até mesmo os que recebem o salário mínimo – devem pagar 25% de Imposto de Renda. Será isso justo?

Lourdes Migliavacca lourdesmigliavacca@yahoo.com

São Paulo

*

OPORTUNISTAS DE PLANTÃO

Como não se indignar com nossos políticos oportunistas que legislam sempre em causa própria? E agora não está sendo diferente. Aproveitando que o País vem sendo sacudido por denúncias de escândalos e corrupção na Petrobrás, parlamentares resolveram aumentar seus vencimentos, passando de R$ 26,7 mil para R$ 33,7 mil, ou seja, um aumento de nada menos que 26%, que corresponde à inflação acumulada entre 2011 e 2014. Com essa atitude, o Congresso Nacional demonstra para a sociedade total falta de sintonia com o momento político e social vivido pelo País, dando mostras sucessivas de desrespeito e desprezo aos valores de conduta e austeridade que deveriam guiar a prática da vida pública em todas as suas esferas. Além das contínuas denúncias e comprovações de ocorrências de improbidade administrativa, nepotismo e mau uso do erário, os parlamentares têm apenas demonstrado eficiência para a aprovação de projetos visando a benefícios próprios ou de interesses duvidosos. Já não bastasse a manobra nefasta da base aliada para tentar conferir ao governo federal o direito de descumprir metas fiscais ao bel prazer, os parlamentares ainda foram mais generosos: em votação meteórica também aumentaram o salário do Executivo e do Judiciário, ou seja, abriram precedente de aumento em cascata, o que vai causar um rombo no Tesouro do País já a partir de janeiro.

Turíbio Liberatto turibioliberatto@hotmail.com

São Caetano do Sul

*

A VOLTA DE MALUF AO PARLAMENTO

Não é difícil de saber o que se passa na cabeça dos ministros do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para liberar Paulo Maluf da Lei da Ficha Limpa. Uma coisa explica a outra. Com certeza, ele está envolvido também na Operação Lava Jato, já que Maluf é figura importante no PP, um dos partidos envolvidos na roubalheira da Petrobrás. Portanto, a companheirada deve ter influído junto ao TSE para que Maluf assuma como deputado para que, se condenado novamente, responda com foro privilegiado. Se punido pela Lei da Ficha Limpa, Maluf ficaria preso em cela comum, sem receber os mesmos privilégios dos mensaleiros. Em Brasília, eles se cuidam uns dos outros na marra, porque todos têm rabos presos entre si. Entenderam a jogada?

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

*

‘AMIGÃO’

Alguém tem dúvidas por que o gatuno é “amigão” dos petistas? Hoje, é conselheiro da gatunagem petista, que estrategicamente aparelhou o STF com neguinhos do partido.

Ariovaldo Batista arioba06@hotmail.com

São Bernardo do Campo

 

*

INDIGNADO

Afinal, o que pretende nosso Poder Judiciário? Jogar no lixo a Lei da Ficha Limpa, por ter sido uma iniciativa do povo, e não dos “donos” do poder e dos benefícios? Tornar o nosso país uma piada no exterior? O homem é procurado pela Interpol, tem dinheiro posto à sua disposição por banco no exterior, banco no exterior paga multa por ter aceitado transferências estranhas e ainda é livrado da cassação de sua candidatura, às vésperas da diplomação. Parece até que correram com o processo para não prejudicá-lo! Ou eu sou muito ignorante? Já me disseram isso, mas eu não acreditei. Prefiro continuar ignorante, mas com minha capacidade de indignação.

M. Mendes de Brito voni.brito@gmail.com

Bertioga

*

PEÇAM PARA SAIR

TSE julga que Maluf tem direito a mandato. O mesmo que, no passado recente, afirmou de público “estupra, mas não mata”. E o Bolsonaro? Vemos que o pedido de “impeachment democrático” vale também para as autoridades judiciárias. É isso aí.

Flavio Prada flavioprada39@gmail.com

São Paulo

*

LAMENTÁVEL

É repugnante a notícia de que o TSE reformou sua própria sentença para favorecer Paulo Maluf. Afora os desmandos e a corrupção em todos os níveis de governo, alguns membros de nossa Justiça provocam tamanha vicissitude em desfavor de nossa pátria, ao conduzir uma pessoa para nos representar no Congresso brasileiro que, segundo consta, é procurada até pela Interpol. Lamentável!

Jorge de Jesus Longato financeiro@cestadecompras.com.br

Mogi Mirim

*

JUSTIÇA BRASILEIRA

Maluf já foi inocentado; agora só nos falta pedir desculpas ao Lalau. Que beleza!

Marcos Catap marcoscatap@uol.com.br

São Paulo

*

PEIXE PEQUENO

Parabéns, Paulo Maluf, sua cadeira na Câmara está disponível e, com ela, sua imunidade parlamentar. Seu pecado foi muito pequeno diante dos escândalos do mensalão, do petrolão (Petrobrás) e do   BNDESsão (BNDES), que ainda está por vir.

 

Arnaldo de Almeida Dotoli arnaldodotoli@hotmail.com

São Paulo

*

NA ESCALA DA CORRUPÇÃO

Paulo Maluf é trombadinha perto dos corruptos do PT.

Eugênio José Alati eugeniojalati@gmail.com

Campinas

*

MALUF JUSTIFICADO

Ao permitir que Paulo Maluf assuma sua cadeira no Congresso, passam a fazer sentido as leis brasileiras. Paulo Maluf foi o que fez São Paulo ser o melhor Estado do Brasil, tanto que, depois dele, tudo piorou. Retirá-lo da política por corrupção, ou qualquer outra acusação, seria muito injusto.

 

Roberto Moreira da Silva rrobertoms@uol.com.br

São Paulo

*

FAZENDO GRAÇA

 

Procurando justificar o injustificável, o vice-presidente, Michel Temer, e o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, dizem que Graça Foster, presidente da Petrobrás, “não é alvo direto de denúncias”. Seguramente, tais senhores estão de gracejos, fazendo pouco da inteligência alheia, como, aliás, virou rotina neste desgoverno. Primeiro porque, ao ser nomeada para o cargo, já pairavam suspeitas sobre o seu marido, que, de dono de empresa “de fundo de quintal”, passou a assinar contratos milionários com a petroleira antes mesmo da indicação de Graça Foster para a Petrobrás. Ainda que – vamos admitir – tais contratos fossem absolutamente limpos, sempre fica a suspeita da ocorrência de conflito de interesses, o que não ajuda, mormente quando a empresa tem suas ações (ADRs) cotadas na NYSE – a bolsa americana, submetida ao crivo das autoridades dos EUA (muito mais severas e vigilantes que as nossas). Depois, pouco importa se até o presente não se encontraram as digitais da executiva nos “malfeitos” bilionários deste lastimável escândalo. Essa questão é irrelevante. O simples fato de Graça Foster estar no comando da empresa já há anos “sem saber de nada” acerca dos bilhões que foram para o ralo já desaconselharia sua permanência no cargo, independentemente de qualquer outra consideração. Que empresa privada se quedaria inerte diante de tamanha sangria? Segundo se informa, a executiva colocou o cargo “à disposição” e, agora, tudo o que se espera é que Dilma se renda aos fatos e encontre alguém mais apto a ocupar a presidência da empresa mais encrencada do País.

 

Silvio Natal silvionatal49@gmail.com

São Paulo

*

OUVIDOS EM PENICOS

O vice-presidente, Michel Temer, disse que a crise na Petrobrás é passageira. É, pode ser, mas e os desfalques, desvios de dinheiro com as comissões e propinas, o valor patrimonial da empresa, a sua imagem e credibilidade? São passageiros, vice-presidente? O que somos obrigados a ouvir... Transformaram o nosso ouvido em penico.

Panayotis Poulis ppoulis46@gmail.com

Rio de Janeiro

*

INSUSTENTÁVEL

A índole de Graça Foster, presidente da Petrobrás, foi posta em xeque nos últimos dias. A imprensa divulgou que a ex-gerente Venina Velosa Fernandes enviou e-mails entre 2009 e 2012 alertando Graça Foster sobre irregularidades relacionadas à Refinaria Abreu e Lima, em Pernambuco. Em nota, a estatal explicou que as mensagens eletrônicas, encaminhadas quando a presidente ainda era diretora de Gás e Energia, apenas apontavam riscos de aumento de preços e prazos – e que ela só soube do caso em novembro deste ano. Entretanto, Graça colocou seu cargo – e o de toda a diretoria – à disposição, dentro de uma manobra política que busca mostrar idoneidade. O ato é a prova de que a atual gestão da Petrobrás está sem credibilidade governamental para continuar seu trabalho. A situação parece insustentável. Resta saber que decisão a presidente Dilma tomará.

Gabriel Bocorny Guidotti gabrielguidotti@yahoo.com.br

Posto Alegre

*

ENTREVISTA

Quando a presidente da Petrobrás, Graça Foster, falou que ia dar uma entrevista, pensei que ela ia propor a “delação premiada”.

Luiz Frid luiz.frid@globomail.com

São Paulo

*

IMAGINA ANTES DA ELEIÇÃO

Lembram daquele “imagina na Copa”? Eu gostaria de lançar, agora, o “imagina antes da eleição”, só para que a gente imagine o que teria acontecido com a eleição de outubro se estes colossais escândalos ocorridos na Petrobrás, que a cada dia ficam maiores e que estão destruindo a empresa que era vista com orgulho por todos os brasileiros, tivessem sido desvendados antes da eleição.

Ronaldo Gomes Ferraz ronferraz@globo.com

Rio de Janeiro 

*

A RAPINAGEM CONTINUA?

O que esperar de um ex-presidente? Lula afirmou que o problema da Petrobrás é da presidenta Dilma, e não seu. Como se este senhor nada tivesse que ver – talvez não na indicação de Graça Foster – com o escândalo da Petrobrás, é demais para qualquer um, haja vista as indicações como Paulinho, sem esboçar pelo menos um ato de cavalheirismo para com a companheira é uma grosseria. E não bastasse isso, o senhor Lula afirma que a Petrobrás tem muita força, minha gente. É sinal de que a rapinagem ainda não acabou?

 

Luiz Nusbaum lnusbaum@uol.com.br

São Paulo

*

O VALOR DA EMPRESA (OU A FALTA DELE)

Os escândalos e a total falta de governança da Petrobrás tornaram o valor de seus ativos três vezes superior ao valor de mercado (acionário) da empresa. A conclusão é simples: o nome “Petrobrás” rebaixa a avaliação de seus investimentos, transformando-se em marca maldita no mercado de energia, assim como aconteceu com a Enron, há alguns anos, por motivos similares. Estes senhores que conseguiram a proeza de achincalhar o nome da principal empresa brasileira em tão pouco tempo foram os mesmos que tiveram chiliques nacionalistas quando se aventou mudar o nome da empresa para Petrobrax. Qual será o novo nome sugerido: “PTroleobrás”?

Luigi Petti luigirpetti@gmail.com

São Paulo

*

MÁ ADMINISTRAÇÃO

Se a Petrobrás fosse uma lojinha de R$ 1,99, não só as instalações, como até as plataformas de petróleo, já teriam ido para o espaço.

Virgílio Melhado Passoni mmpassoni@gmail.com

Jandaia do Sul (PR)

*

PESQUISA DE AVALIAÇÃO

Vejo na imprensa pesquisas que mostram aumento na boa avaliação do governo Dilma após as eleições. Com esse nível de corrupção atualmente no Brasil, você acredita nessas pesquisas? Eu não!

Orivaldo Tenorio de Vasconcelos professortenorio@uol.com.br

Monte Alto

*

PROTEGIDA

A presidente Dilma gastou tanto dinheiro para fazer pesquisa de opinião do seu governo, por que não deu essa grana para Santa Casa de Misericórdia? É a mania de dizer eu posso tudo... Dilma só está ainda no governo porque os seus cupinchas que se vendem a protegem.

Maria José da Fonseca fonsecamj@ig.com.br

São Paulo

*

QUEM EXPLICA?

À medida que a inflação aumenta e a economia despenca, as avaliações da presidente e do governo sobem! Freud explica?

Cristiano Walter Simon cws@amcham.com.br

Carapicuíba

*

‘SEM CONFIANÇA PARA INVESTIR’

O editorialista do “Estadão” foi muito otimista no editorial “Sem confiança para investir” (18/12, A3). Mostrar competência? Dilma Rousseff? Essa palavra passa pela cabeça desta senhora? Isso existe?

Daniel Arjona de Andrade Hara haradaniel734@gmail.com

Darmstadt, Alemanha

*

PORTO DE MARIEL

É no mínimo oportunista, para não dizer ridícula, a observação da presidente Dilma Rousseff justificando o investimento bilionário na construção do Porto de Mariel, após o anúncio da reaproximação entre Cuba e Estados Unidos. É evidente que, quando do início da construção do porto, ainda no governo Lula, ninguém tinha a mínima impressão de que tal reatamento poderia acontecer. As razões para tal investimento nunca foram muito bem esclarecidas e, obviamente, Lula fará uso do conhecido recurso do “eu sabia” para fazer propaganda de si próprio visando às eleições de 2018.

Luciano Harary lharary@hotmail.com

São Paulo

*

IDEOLOGIA ELEITOREIRA?

Depois de beijos e abraços em Maluf, dos petropedágios a empreiteiras e ao neo amigo Fernando Collor, do anúncio do duro-na-queda Joaquim Levy para a pasta da Fazenda, da chegada de Kátia Abreu ao Ministério da Agricultura, agora o PT comemora a entrada de Obama em Cuba? Mas não era Aécio Neves o da direita? Ideologia, eu quero uma para viver (adaPTado de Ca$u$a)!

Rodrigo G. Bueno de Moraes clinicabuenomoraes@terra.com.br

São Paulo

*

IMPERIALISTA ESPERTALHÃO

Este Obama não é bobo, não. Esperou pacientemente a inauguração do Porto de Mariel, bancado pelo BNDES, para reatar com Cuba.

Sergio S. de Oliveira ssoliveira@netsite.com.br

Monte Santo de Minas (MG)

*

BOLIVARIANISMO E MEDIOCRIDADE

“Fantástico, nós, lutadores sociais, jamais imaginamos viver esse momento histórico”, disse a presidente Dilma sobre a reaproximação entre os EUA e Cuba. O primarismo petista não admite entender que o acordo tratou de maior facilidade da chegada de dinheiro dos EUA por meio do incremento das remessas e do crescimento do turismo. São medidas iniciais que o presidente Obama pode tomar independentemente do Congresso, controlado pelos republicanos, do qual dependem as aprovações daquelas outras, consideradas acordo efetivo envolvendo o comércio, entre outras relações. Portanto, nada que nos beneficie a justificar a alegria dilmista e, não satisfeita, exaltou a “visão” do BNDES em financiar o Porto de Mariel, como se representasse o futuro de nosso comércio exterior, e os poderosos norte- americanos estariam negociando com os cubanos para nos servir. Bolivarianismo adicionado a mediocridade dá nisso.

 

Mario Cobucci Junior maritocobucci@uol.com.br

São Paulo

*

SEGURANÇA PÚBLICA

O governador Geraldo Alckmin (PSDB) anunciou a troca no comando da Secretaria de Segurança Pública de São Paulo, em virtude do aumento da criminalidade em todo o Estado. Não sou especialista no assunto, mas acho necessário fazer algumas considerações. Aliás, dizer que a mudança resultará em melhoria é, em minha opinião, uma utopia. A crise na segurança pública ocorre pela falta de investimento na polícia, perícia e, principalmente, pela falência do sistema prisional e pelo mau funcionamento da Justiça. Assaltos, homicídios, latrocínios e tantos outros crimes graves são cometidos sem que haja qualquer punição efetiva. O Judiciário, na maioria das vezes, falha quando julga ou demora demasiadamente para se manifestar. Não faltam casos que evidenciam a falência do sistema. O fato de grande maioria da população se sentir insegura é a prova inconteste de que há falhas na polícia e no sistema de Justiça. Os legisladores, responsáveis pela mudança no ordenamento jurídico, estão encastelados em Brasília e, portanto, muito distantes da realidade “nua e crua” vivida pela população. Precisamos que a legislação brasileira seja modernizada, que o sistema carcerário seja ampliado e reformulado. Neste processo de reavaliação, penso ser indispensável que a sociedade seja ouvida e atendida. Porém, toda e qualquer alteração passa pelo crivo de deputados, senadores e presidente da República. A votação em si é de responsabilidade do Poder Legislativo (Câmara dos Deputados e Senado Federal). Eu, particularmente, defendo que cada Estado tenha autonomia para legislar no âmbito penal, seguindo o exemplo do modelo norte-americano. Porém, acho que os cidadãos devem ser ouvidos, especialmente diante da relevância do tema e do impacto no nosso dia a dia.

Willian Martins martins.willian@globo.com

Guararema

*

A OPÇÃO DO GOVERNADOR

O governo estadual, sem estardalhaço – quase de surpresa – anunciou na quarta-feira a substituição do secretário de Segurança Fernando Grella pelo advogado criminalista Alexandre de Moraes. O perfil de ambos é semelhante. Com vivência no mundo  acadêmico, por natureza são pouco afeitos a contrariar interesses corporativos e quase alheios à realidade das nossas ruas. Grella, com sua origem no Ministério Público, onde pouco apareceu na seara criminal, administrativa, tampouco política, reconhecidamente não realizou um trabalho digno de registro nos anais da Secretaria de Segurança Pública (SSP). Nesse período, sempre pareceu entender mais as reivindicações da Polícia Civil, os delegados agradecem o reconhecimento da "carreira jurídica". Em resumo, não punha a mão na massa – talvez com receio de queimar-se, nem entrou em nenhuma "bola dividida". Como disse: "Cumpriu o seu papel". Lamentavelmente, chegou a ser hostilizado, ao vivo pela TV, por seu antecessor, também promotor de Justiça – o público não conheceu o motivo da aversão. O advogado Moraes parece acostumado com os bastidores da política. A experiência acumulada por suas passagens pela administração estadual e municipal atribui-lhe condições de realizar um trabalho melhor. Estranha sua primeira declaração, no mínimo infeliz, quando adiantou que "vai dar continuidade à gestão do se antecessor". Com os índices de criminalidade nas alturas e as estatísticas em curva ascendente, a administração estadual e, principalmente, a população paulista – não só a paulistana – esperam ansiosas por mudanças significativas. Por exemplo: a Polícia Militar tem de prevenir e a Polícia Civil tem de investigar. Não basta prometer melhoria salarial, a SSP deve apresentar um programa de trabalho – diferente do que aí se encontra – e exigir trabalho e resultado. Introduzir metas e fazê-las cumpridas é o ônus do cargo. A presença do secretário e da sua equipe – aí também compreende as chefias das corporações – diuturnamente no front  e acompanhando o trabalho nas diferentes áreas, não só para cobrar eficiência, mas também corrigir e suprir eventuais carências, trará tranquilidade e segurança aos subordinados.  Difícil de acreditar que Alexandre de Moraes terá pulso e iniciativas suficientes para reverter o atual quadro de insegurança que permeia por toda população paulista. A priori, não apostaria na opção do nosso governador. É uma pena!

Noel Gonçalves Cerqueira noelcerqueira@gmail.com

Jacarezinho (PR)

*

MORTES DE POLICIAIS

As mortes de policiais não são resultado de desavenças com criminosos. São um ato de terror para desmoralizar as instituições e lançar a população na anarquia e causar pânico nas pessoas. Há uma perversa tendência de parte da mídia de minimizar essas mortes ao ressaltarem que a maior parte delas ocorreu com os policiais de folga. Esse é um fator preocupante, pois, nesse momento, o policial é um cidadão como os civis sem apoio da sua equipe, quando em serviço. A vida do policial está banalizada. Em qualquer país democrático qualquer atentado a policiais, em razão da função, mesmo de folga, é punido com penas agravadas, inibindo a reação aos atos legais de trabalho policial, repercutindo com eficácia na intimidação dos criminosos. Temor reverencial é fator de inibição dos atos criminosos. Desmoralizar, ao invés de aperfeiçoar as instituições policiais, só cria mais desânimo nesses profissionais. Corrigir rumos, melhorar o preparo teórico-profissional, intensificar com parâmetros legalistas a depuração interna e remunerar condignamente essa classe vão propiciar crescente melhora na eficiência da polícia. Os policiais são egressos da própria sociedade. Eles não retratam uma sociedade de Primeiro Mundo.

Paulo R. Farat prfarat@gmail.com

Praia Grande

*

DERROTA DAS MULHERES

A partir dos incidentes entre os deputados Jair Bolsonaro e Maria do Rosário, quem saiu perdendo fomos nós, mulheres. Perdemos o respeito na medida em que damos aval a meias verdades; foi Jair Bolsonaro quem foi agredido e acusado de ser estuprador, um parlamentar que sempre defendeu o direito de justiça às mulheres. Maria do Rosário, por sua vez, é defensora dos estupradores, da manutenção da maioridade penal. Quando uma mulher é estuprada ou morta, ela chora pelo agressor, e não por quem sofreu o abuso. Em parte, por culpa dos meios de comunicação que insistem em contar a meia-história. E nós, mulheres, acabamos por assinar nosso atestado de burrice.

Jessica Sandra Srour jessicasrour01@gmail.com

São Paulo

*

‘VERÃO DA LATA’

 

A reportagem “Verão da lata”, publicada no caderno Paladar (11/12), ajuda a desconstruir um mito de que cerveja em lata é de baixa qualidade. A matéria confirma o que muitos especialistas propagam pelo mundo, a de que a embalagem protege mais a bebida dos efeitos da luz, garantindo a manutenção do aroma e do sabor da cerveja. Por isso as cervejarias especiais estão buscando a lata de alumínio para promover seu produto. Há apenas um equívoco, na última linha da reportagem, quando afirma que o vidro é mais reciclado do que a lata, com base no que é apurado na coleta seletiva de São Paulo. O índice de reciclagem da lata de alumínio no Brasil está acima de 90% desde 2004, sendo a embalagem mais reciclada do mundo. Segundo o Compromisso Empresarial para a Reciclagem (Cempre), responsável pela pesquisa Ciclosoft, os últimos índices de reciclagem da lata e do vidro no país são de, respectivamente, 97,9% e 47%.

Renault Castro, diretor executivo da Associação Brasileira dos Fabricantes de Latas de Alta Reciclabilidade tourinho@cdn.com.br

São Paulo

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.