Fórum dos Leitores

GOVERNO DILMA

O Estado de S.Paulo

28 Dezembro 2014 | 02h03

O próximo Ministério

Repetindo o loteamento dos ministérios como forma de reforçar a base do governo no Congresso Nacional, a presidente Dilma Rousseff anunciou na véspera do Natal 13 novos ministros, e a escolha que mais chamou a atenção foi a do deputado George Hilton (PRB-MG) para o Ministério do Esporte. Em 2007, ele chegou a ser expulso do PFL após ser flagrado pela Polícia Federal transportando 11 malas de dinheiro arrecadado de doações de fiéis da Igreja Universal do Reino de Deus. Agora, à frente do Esporte, com orçamento para 2015 de R$ 1,3 bilhão - a maior parte para obras de infraestrutura dos Jogos Olímpicos de 2016 -, o nobre deputado está mais feliz do que nunca.

EDGARD GOBBI

edgardgobbi@gmail.com

Campinas

Novo velho governo

Demonstrando mais uma vez que ignora como funcionam as instituições democráticas no Brasil, a presidente Dilma chegou a dizer recentemente que consultaria o Ministério Público sobre a possibilidade de as pessoas que ela escolheria para ministros terem algum envolvimento na Operação Lava Jato, da Polícia Federal. Para tanto, enviou seu ministro da Justiça, que também tem demonstrado não se adequar à importância do seu cargo, consultar o procurador-geral da República. O surrealismo da determinação da presidente foi logo rebatido pelo próprio procurador, que alegou que a operação que está esclarecendo o maior caso de corrupção da história brasileira está sob sigilo. Fosse a presidente uma boa administradora, não só não teria dito essa besteira, como teria tido a sensatez de aproveitar o novo governo para diminuir o atual número de ministérios (39). Os ministros escolhidos na véspera do Natal são um bando de pessoas que, na maioria dos casos, nada têm que ver com a área que comandarão. Exemplos: o que de importante para a Educação fez Cid Gomes (PROS-PE)? E o que credencia o pastor indicado para o Ministério do Esporte? E Gilberto Kassab (PSD-SP), novo ministro das Cidades, que foi aprendiz de prefeito seguindo o que José Serra lhe aconselhou? E pelo mesmo caminho vão tantos outros futuros ministros. Este novo velho governo de Dilma só vai ser mais do mesmo e, pelo que se tem visto, nem a correta indicação de Joaquim Levy para a Fazenda vai poder funcionar, porque duvido que Dilma ainda não se considere a melhor economista que já passou pelo governo e permita o talentoso Levy fazer o que precisará ser feito.

MARIA TEREZA MURRAY

terezamurray@hotmail.com

São Paulo

Corte de gastos

A presidente já indicou 17 novos ministros. Chega! Essa quantidade já supera a da maioria de países sérios. Melhor eliminar os outros 22 e fazer uma grande economia para ajudar Joaquim Levy a estabilizar a economia.

JULIAN WHITE

julwhite@yahoo.com

Campinas

As bruxas estão soltas

Foi corajosa a presidente Dilma. Atirou no escuro ao anunciar na véspera de Natal o nome de 13 novos ministros. Número cabalístico que dá sorte para alguns e maior zica para outros. E, como em Brasília urubu anda voando de costas, todo cuidado é pouco. "Não creio em bruxas, mas que elas existem, elas existem."

SÉRGIO DAFRÉ

sergio_dafre@hotmail.com

Jundiaí

Para apaniguados

Se alguém tinha esperança de que a presidente iria mudar no segundo mandato, pode tirar o cavalinho da chuva, pois, dos 13 novos ministros indicados, pelo menos 2 me chamaram a atenção. Para Comunicações, Ricardo Berzoini (PT-SP), um dos primeiros envolvidos no escândalo da Bancoop, que deixou milhares de pessoas até hoje à espera de imóveis pelos quais pagaram (problema que Lula não enfrentou com o triplex no Guarujá recentemente adquirido). E, para o Ministério de Ciência e Tecnologia, o sr. Aldo Rebelo (PCdoB-SP), ex-ministro do Esporte. Nada contra este senhor, mas uma das pastas mais importantes, que pode alavancar nosso país com inovação, não pode ter um ministro indicado só porque sempre apoiou o PT. Este é um dos ministérios que obrigatoriamente deveria ter um técnico, e não um apaniguado, à frente. Quanto aos demais, não vale a pena comentar. Faltaria espaço.

LUIZ ROBERTO SAVOLDELLI

savoldelli@uol.com.br

São Bernardo do Campo

Vergonhoso

Não consigo achar outro adjetivo para classificar o critério que a presidenta vem adotando, novamente, para nomear seus ministros. Não há dúvida de que teremos um novo desgoverno, só que agora mais robusto. Mais robusto nas falcatruas, na roubalheira e na incomPeTência.

ARIOVALDO MARQUES

arimarques.sp@gmail.com

São Paulo

PETROBRÁS

Comitê interno

Com atuação destacada no conselho de administração da OGX - leia-se Eike Batista -, a ex-ministra do Supremo Tribunal Federal (STF) Ellen Gracie será peça fundamental de um comitê de investigação criado pelo Conselho da Petrobrás para acompanhar as investigações internas de irregularidades na estatal (o caso petrolão). A única peça faltante ainda nesse comitê é o ex-ministro da Fazenda do governo FHC Pedro Malan. Ambos, Ellen e Malan, desconheciam a situação em que estava a petrolífera de Eike Batista. E deu no que deu. Uma verdadeira peça de ficção.

JOSÉ PIACSEK NETO

bubanetopiacsek@gmail.com

Avanhandava

Patético

A criação do tal comitê especial para intermediar as ligações da Petrobrás com os investigadores independentes é de um ridículo sem par e nos toma, a todos nós, por idiotas. Faz lembrar o tal grupo de investigação interna que concluiu que estava tudo bem na empresa antes das premiadas delações. Para garantir respeito ao comitê, o conselho contratou Ellen Gracie a peso de ouro. Dona Ellen é a mais graciosa das graciosas, mas, se o que se queria era imparcialidade, melhor teria sido chamar Joaquim Barbosa.

MARIA COELHO

maricotinha63@gmail.com

Salvador

BOAS-FESTAS

O Estado agradece e retribui os votos de boas-festas e próspero ano-novo de Antonio Bonival Camargo, Associação dos Produtores de Soja e Milho do Estado de Mato Grosso (Aprosoja), Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Rio de Janeiro (Crea-RJ), Jornal do Farol, Márcia Callado, Marco Antonio Esteves Balbi, Paulo Panossian, Rede Cidade Digital, Redesenha e Sergio Dafré/Arivete.

MINISTÉRIO 2015-2018

Especula-se que a lista de políticos corruptos envolvidos nos desvios da Petrobrás seja grande. Tendo isso em vista, Dilma Rousseff se sentiu acanhada em elencar os novos ministros de seu próximo governo. A indicação de nomes envolvidos na Operação Lava Jato, da Polícia Federal, poderia afetar ainda mais a visão que a opinião pública tem da atual presidente: será ela realmente capaz de formar equipes competentes para comandar o Brasil? O Ministério Público foi implacável com a petista, que solicitou ao órgão informações sobre possíveis indicados: não revelou à presidente nenhuma informação. O governo, portanto, joga no escuro, apostando na índole dos escolhidos. Uma extensa pesquisa deve ter sido feita, entretanto, pois o PT perdeu a margem de erro. Os mais graves casos de corrupção da história do País aconteceram sob gestões da sigla. Um passo em falso e as eleições de 2018 podem virar uma despedida.
 
Gabriel Bocorny Guidotti gabrielguidotti@yahoo.com.br  
Porto Alegre 

*
IMPLICADOS

Se o Ministério Público repassasse para o governo nomes da Operação Lava Jato, não sobraria ninguém para ser nomeado. E ainda sobraria para os que estão nomeados.

Panayotis Poulis ppoulis46@gmail.com 
Rio de Janeiro

*
CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO

O deputado que apresentou, na década de 90, projeto de lei para que o uso da tecnologia nas repartições públicas fosse reduzido ou até suprimido e que não se empregassem termos ou expressões tais como software, mouse, drive-in, hardware, pizza, look, hard-disc, pen-drive, pop, milk-shake, topless, big brother, download, upload, zoom, hot-dog, laser, desktop, diet, top model, delete, notebook, laptop, fashion, e-mail, smartphone, input, output, disc-jockey, baby doll, bit, byte, motocross, fast food, slow motion, upgrade, kit, ketchup, show, chip, fax, modem, video-game, jazz, link, remix, shopping, lan house, freezer, hamburguer, ranking, pit stop, grid, pole position, blues e tele-marketing, entre muitos outros, é o mesmo que “à noite, depois de receber pelo correio as últimas notícias da Albânia, ele sonhava com os bons tempos das folhas de papel almaço, das canetas tinteiro e das ligações telefônicas feitas através de telefonistas” (sic), como conjecturou Cora Rónai em seu excelente artigo recentemente publicado, “A grande patada natalina”. Esse é o político escolhido por Dilma Rousseff para, em seu segundo mandato, ser o titular da pasta de Ciência, Tecnologia e Inovação. Será que a presidente não sabe – como declara acontecer em outros setores da vida nacional – quem está nomeando? Ou deseja somente fechar o mais rapidamente possível o polígono de 39 lados e agradar à teia partidária da base? Enigma, que só um bom "chip" poderá resolver.

Paulo Roberto Gotaç prgotac@hotmail.com
Rio de Janeiro

*
COSELHOS DE LULA

Lula aconselhou Dilma a fazer um governo diferente neste seu segundo mandato, com mais democracia, mais ética e ouvindo mais o povo, entendendo o recado que foi dado pelas urnas. Então não sei se foi só para contrariar os conselhos recebidos de seu mestre ou porque ela não tem capacidade de entender e aceitar bons conselhos, ela nomeia para ministros o filho de Jader Barbalho, um pastor da Igreja Universal do Reino de Deus, Cid Gomes, Gilberto Kassab e Eduardo Braga, este último para o crítico Ministério de Minas e Energia. 

Ronaldo Gomes Ferraz ronferraz@globo.com  
Rio de Janeiro 

*
‘OS RECADOS DE LULA A DILMA’

Lula segue se superando, e depois seu partido ainda contrata pesquisa para saber por que perdeu popularidade! Os trabalhadores sabem quando são preteridos para que se privilegiem baderneiros oportunistas que caminham à margem da lei.

Otavio Freitas otaviovf@gmail.com
São Paulo

*
INEXPERIENTES

Do novo "enxame" de ministros indicados até agora (com perdão às abelhas, que são mais inteligentes e trabalham duro) e com uma ou outra exceção, é tudo gente que nada entende do assunto entregue à sua responsabilidade. Além disso, há uma ou outra aberração. Talvez seja essa a forma pensada pela "presidenta" para dominar. Não sei como, pois ela própria é inapta para a função que ocupa. Afinal, somos uma Nação ou um Estado governado por um partido fora da lei?

Alvaro Salvi alvarosalvi@hotmail.com 
Santo André

*
ÀS AVESSAS

Quando se leem os nomes dos ministros nomeados até agora, a sensação é de estar acordando num 1 de Abril, e não 1 de Janeiro. Dilma atendeu ao povo às avessas: mudou para pior.

Sergio Holl Lara jrmholl.idt@terra.com.br 
Indaiatuba

*
O QUE NOS AGUARDA

Quantos políticos que estão sendo julgados na Operação Lava Jato terão seu nome nas plaquinhas na porta de seu gabinete?

Virgílio Melhado Passoni mmpassoni@gmail.com
Jandaia do Sul (PR)

*

TIMAÇO
 
Joaquim Levy deve estar dando pulos de satisfação diante do pedigree dos companheiros que lhe estão arranjando.
 
Joaquim Quintino Filho jqf@terra.com.br 
Pirassununga 

*
O PP REBAIXADO

Para o partido pouco importa o status de partido, mas o bolão de dinheiro que pode arrecadar na corrupção do governo que apoia. Como ao PP, à maioria dos partidos nanicos só interessa a grana, o resto que se lixe, assim fala a razão do sr. Paulo Maluf.

Ariovaldo Batista arioba06@hotmail.com
São Bernardo do Campo

*
CLUBINHO

Isto que a presidente Dilma está criando é um ministério ou um clubinho?

Luiz Frid luiz.frid@globomail.com 
São Paulo

*
DEPOIS DE ALDO REBELO...

Será que com o novo ministro do Esporte a noiva não vai chegar atrasada?

Moises Goldstein mgoldstein@bol.com.br 
São Paulo

*
BRINCADEIRA DE CRIANÇA

A reforma ministerial lembra muito a infantil “siga o mestre”.

A.Fernandes standyball@hotmail.com
São Paulo

*
AGORA ELA VAI

Após tantos afagos a integrantes e nomeados anteriormente pelo PSDB, a presidente deve querer filiar-se à agremiação de FHC, o que seria bem melhor para a Nação.

José C. de Carvalho Carneiro carneirojcc@uol.com.br 
Rio Claro

*
UM MINISTÉRIO MELHOR?

Na administração dos recursos públicos, o petista, antes de tudo, revelou-se um fraco.

Eugênio José Alati eugeniojalati@gmail.com
Campinas

*
CONFRATERNIZAÇÃO COM MINISTROS
Tá faltando grana pra cortar a grama.

Sergio S. de Oliveira ssoliveira@netsite.com.br 
Monte Santo de Minas (MG)

*
A LOJINHA DE DILMA

Vendo a relação dos novos ministros escolhidos pela presidente, percebe-se que a preferência é dada não por méritos, conhecimentos técnicos da área em que vai "ministrar", mas somente por aqueles que já estão submissos às ordens da desordenada. Para o novo mandato, não vejo nada melhor do que a lojinha de R$ 1,99 falida: vai continuar a subida do dólar, dos juros, da dívida pública, da inflação e da contabilidade criativa. Ah, ia me esquecendo do mentirômetro e do marketing – caro, mas quem paga é o contribuinte.  

Mário A. Dente dente28@gmail.com 
São Paulo

*
FAÇAM SUAS APOSTAS

Qual será o primeiro ministro do novo governo Dilma a ser afastado por corrupção? Quantos dias vai demorar, depois da posse, para cair a primeira nulidade? Aposto em Cid Gomes. Deus permita que não dure uma semana no Ministério da Educação. 

Mário Barilá Filho mariobarila@yahoo.com.br
São Paulo

*
ONDE SERÁ?

Infelizmente, pelos novos ministros divulgados por dona Dilma, deveremos ter dentro em breve mais um escândalo de corrupção, já que nada mudou, nem na forma nem no conteúdo das indicações. É assustador o nível de incompetência dos políticos informados como ministros, bem como é enorme o perfil de pobreza em termos de currículo dos mesmos. Foi assim no BB com o mensalão, agora com o petrolão na Petrobrás. Portanto, só nos resta saber em qual estatal será o próximo núcleo alvo da corrupção. Pobre Brasil, e eles continuarão a dizer sempre que não sabiam de nada...
 
Antônio Carelli Filho palestrino1949@hotmail.com
Taubaté
 
*
MENOS PASTAS

Já que a obtenção de certidão negativa, atestado de idoneidade e ficha limpa dos candidatos ao novo Ministério é tarefa das mais árduas na atual conjuntura do País, bem que a presidente poderia aproveitar o ensejo e reduzir, de uma vez por todas, o número de pastas na Esplanada, em Brasília, pois não?

J. S. Decol decoljs@globo.com
São Paulo

*
ELA TEM FARO

Dilma anuncia seus ministros: Jaques Vagner, que construiu um busto em homenagem a Marighella, vai comandar as Forças Armadas na Defesa; Cid Gomes, eternamente agradecido pelo mimo, já dispensou os salários de médicos, policiais e professores, pois estes, segundo o novo ministro da Educação, devem trabalhar por amor, ou então que procurem outra profissão. Aldo Rebelo, que queria trocar toda a Disneylândia pelo Saci Pererê, foi para a Ciência, Tecnologia e Inovação, ou seja, vai inovar copiando a tecnologia da Coreia do Norte e de Cuba e pode até usar a mão de obra voluntária dos milhares de desempregados, nacionais e importados. Como se vê, a gerentona tem faro para o negócio. No próximo ano, ao invés de carros, Lula vai tirar o subsídio das carroças para o povo consumir à vontade. Se o País entrar em recessão, será tudo culpa de Aécio Neves.

Carmela Tassi Chaves tassichaves@yahoo.com.br 
São Paulo

*
AGORA VAI!

Com a agilidade, competência e perspicácia demonstradas na Copa do Mundo, agora a Ciência e Tecnologia no Brasil será coisa de Primeiro Mundo!  Na mão do novo ministro, seremos um país de ponta e as arenas da Copa, que não poderiam ser comparadas às arenas alemãs, porque somos um país em construção, agora ficarão tecnologicamente perfeitas, com informatização de ponta, entre outras modernidades. Berlim e Tóquio que se cuidem!

Ary Braga Pacheco Filho ary.pacheco.filho@gmail.com 
Brasília

*
MEDIOCRIDADE

Refém do PMDB, o ministério (minúsculo) apresentado por dona Dilma é tão medíocre quanto têm sido ela e seu governo.
  
Armando Favoretto Junior afjsrf@ig.com.br 
São Jose do Rio Pardo

*
AO APAGAR DAS LUZES

Ouvi a presidente Dilma dizendo que pretendia ouvir o Ministério Público para saber se os pretensos candidatos ao alto escalão do seu governo têm algo que possa comprometer uma possível indicação ao apagar das luzes. Apesar de o MP não ser um órgão consultivo, hoje é uma das instituições mais confiáveis depois que o juiz Sergio Moro tomou a frente da Operação Lava Jato e vem fazendo um trabalho de dar inveja em outros que se propuseram a investigar e nada apuraram, ou sejam, varreram o lixo para debaixo do tapete. Tivesse acesso aos nomes, a presidente, que disse que não vai sobrar pedra sobre pedra, teria de remover muitas pedras do seu caminho. Resta saber se teria coragem para fazê-lo.   

Izabel Avallone izabelavallone@gmail.com
São Paulo

*
CASO PETROLÃO
 
Não tanto por ter sido ministra do Supremo Tribunal Federal (STF), mas pela prática adquirida como conselheira da OGX, de Eike Batista, Ellen Gracie deve estar perfeitamente a par das falcatruas que predominam nas relações entre grandes empresas e o governo federal. Desejamos que sua atuação como membro do comitê de investigação da Petrobrás seja revestida da mais alta imparcialidade para que a tomada de duras medidas contra os infratores – doa a quem doer –, incluídos os ressarcimentos dos tremendos desvios e a demissão sumária de todos os membros envolvidos, possa dar início à recuperação daquela que foi a empresa orgulho do povo brasileiro e que hoje se encontra à beira da falência. 

Roberto Twiaschor rtwiaschor@uol.com.br 
São Paulo
 
*
ELLEN GRACIE NA PETROBRÁS

Ellen Gracie, ex-ministra do STF e ex-conselheira da OGX, de Eike Batista, foi escolhida para participar do comitê de investigação para apuração das falcatruas ocorridas na Petrobrás. Ela atuará ao lado do futuro diretor de governança corporativa da empresa, cujo titular ainda não foi definido. Como o Ministério Público não aceitou ajudar a presidente Dilma a escolher pessoas competentes e honestas para ocupar cargos comissionados, talvez Dilma peça ajuda aos universitários para escolher o futuro diretor, e, quem sabe, daí não sai o nome do próprio Eike Batista. Atualmente, Dilma não está conseguindo enganar nem seus eleitores, será que ela acredita que vai enganar os investidores com a criação desse comitê? Se no lugar de Ellen Gracie tivesse sido escolhido Joaquim Barbosa ou Eliana Calmon, aí, sim, poderíamos ter esperança de que a Petrobrás voltaria a ser uma grande empresa. Mas com a escolha de Ellen Gracie, a Petrobrás poderá ter o mesmo fim que a OGX. A conferir.

Maria Carmen Del Bel Tunes carmen_tunes@yahoo.com.br 
Americana

*
NADA É SUFICIENTE

A investigar as roubalheiras na Petrobrás, sob auspícios do governo petista ao atendimento ao mote lulista "não sei de nada", a desfaçatez ilimitada leva a criar um comitê de investigação interno, como se não bastassem as investigações do Ministério Público, do Tribunal de Contas da União (TCU), corroborado pela denúncia aceita pelo Judiciário, por ora, de parte de alguns dos gatunos. Mas nada é suficiente ao governo Dilma, que, pelo vício, tergiversa sobre o petrolão. O que a presidente espera? Retificação dos atos e fatos diante das delações, provas e de algumas prisões? Ou o delírio lulopetista, na paralisia moral que o acompanha, a exemplo do mensalão, que negue ao comitê as ocorrências criminosas praticadas sob seus auspícios e, considerando-a martirizada, culpará a imprensa e os adversários. Presidente Dilma, a senhora pode enganar alguns, lembrando que não todos são seus eleitores.
 
Mario Cobucci Junior maritocobucci@uol.com.br  
São Paulo

*
INVESTIGAÇÃO

Entre os membros do comitê interno da Petrobrás estão a ex-ministra que passou em branco pela presidência do STF e depois atuou na OGX, de Eike Batista, e outro membro, que atuou na Siemens, aquela das propinas pagas aos componentes do Metrô de São Paulo e Brasília. O que será que irão descobrir?

M. Mendes de Brito voni.brito@gmail.com
Bertioga

*
IRREGULARIDADES

As principais estatais‬ brasileiras direcionaram, de 2004 a 2012, R$ 1,3 milhão para veiculação de propaganda em jornais do interior de São Paulo que na prática não existem. As estatais fizeram os pagamentos à Laujar, que desde 2012 é ‪investigada‬ pela ‪Polícia Federal‬ e pela Controladoria-Geral da União por suspeita de fraude, claro, tudo sob o comando austero da Dilma. Podemos dizer sem medo de errar que o PT no poder está mais para PCC e Comando Vermelho do que para partido político. Qual será o fim disso?

Kaled Baruche kbaruche@bol.com.br 
São Paulo

*
1992 E 2014

Eu gostaria que alguém me explicasse qual a diferença do motivo que levou o Congresso Nacional ao impeachment do ex-presidente Collor, em 1992, que foi a corrupção, com a corrupção no governo Dilma. Será que atualmente ninguém tem moral para isso? 

Panayotis Poulis ppoulis46@gmail.com
Rio de Janeiro

*
CONVERSA FIADA

A imaginação da presidente Dilma sempre nos surpreende. A sua entrevista a um jornal chileno foi a mais recente demonstração da sua criatividade, quando declarou que o Brasil não vive uma crise de corrupção. E foi mais longe ao afirmar que “minha indignação é a mesma que sentem os brasileiros. E quero, como todos eles, que os culpados sejam punidos”. Mas tão eloquentes palavras foram desmentidas na mesma edição do “Estadão”, que resumiu a entrevista aos chilenos. Primeiro, já na primeira página com a manchete sobre a declaração da ex-gerente executiva da Diretoria de Abastecimento da Petrobrás, de que alertou anteriormente Graça Foster das irregularidades na empresa. E a presidente Dilma insiste em dizer que a atual presidente da estatal fica no cargo. O jornal publicou no mesmo dia também o artigo do jurista Modesto Carvalhosa, especialista em anticorrupção, que sob o título “O crime consumado de responsabilidade” prova que a presidente, ao afirmar que não vai abrir processos penais administrativos contra as empreiteiras envolvidas nos crimes cometidos na empresa estatal, infringiu a Lei Anticorrupção e cometeu crime de responsabilidade previsto no artigo 85 da Constituição. A tese defendida pelo governo nas figuras do vice-presidente, do então presidente do TCU e o líder do PT na Câmara dos Deputados é de que “devem ser punidos os dirigentes e não as empreiteiras porque senão o Brasil para”. Ora, quer dizer que, teoricamente, as empresas continuarão nessas maracutaias simplesmente nomeando outros dirigentes no lugar dos que poderão estar presos e tudo bem? Como toda declaração, digamos, inconsistente, a da citada entrevista da presidente ao jornal “El Mercurio” não resistiu nem 24 horas para ser posta em cheque. Cabe ainda lembrar que os crimes perpetrados contra a Petrobrás bateram todos os recordes de falcatruas o sem dúvida geraram uma crise de corrupção jamais vista no País. E para finalizar, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) inocentou o deputado federal Paulo Maluf, acusado de não ter condições de atender ao disposto na Lei da Ficha Limpa, graças a uma providencial troca de ministros naquele tribunal. Logo ele, que com certeza inspirou aquela lei de iniciativa popular e que ainda está na ativa graças à morosidade da nossa Justiça e às inúmeras chicanas de seus advogados, mas que não pode sair do País por ser procurado pela Interpol. Todos esses fatos nos levam à conclusão de que a entrevista da presidente não passou de conversa fiada.

Gilberto Pacini benetazzos@bol.com.br 
São Paulo

*
LIÇÃO DE DEMOCRACIA

Os norte-americanos estão a dar mais uma lição de democracia, sobretudo a povos que se jactam de suas instituições democráticas e que não merecem tal denominação, por falta quer de adequadas estruturas, quer da carente formação de suas populações, quer de suas classes dirigentes, às quais faltam as mais elementares noções de civismo e espírito público. Provas dessa situação são as ações que cidadãos, entidades privadas e até entidades públicas, como a cidade de Providence, capital do Estado de Rhode Island, está movendo contra a Petrobrás e bancos envolvidos na emissão de papéis da empresa brasileira, que se desvalorizaram em vista das denúncias de corrupção na companhia. Pena é que nós, brasileiros, envolvidos no clima de corrupção e irresponsabilidade que caracterizam nossa República e nossa "democracia", dificilmente aprenderemos a lição, dado o clima de alienação em que está mergulhada a Nação.

Mário Rubens Costa costamar31@terra.com.br
Campinas

*
CUBA E O NEOLIBERALISMO

Sem dúvida que, após a queda do Muro de Berlim, há mais de 20 anos, o principal fato ideológico contra as esquerdas radicais foi a reaproximação entre EUA e Cuba. Apesar dos arroubos esquerdistas e dos gritos de independência dos Castro, Fidel e Raúl, a ilha não mais pôde sobreviver longe das vantagens e oportunidades do capitalismo. Mais uma vez, o neoliberalismo vence importante batalha. A China e a Rússia já são, embora disfarçadamente, adeptas do neoliberalismo e do capitalismo. Falta a conversão da Coreia do Norte, cuja guinada não deverá demorar muito tempo. Como queiram os radicais de esquerda, submeteram-se aos imperialistas de direita, demonstrando a sua fraqueza de propósitos perante a ordem econômica e diante das diferenças individuais que requerem mais amplitude e horizontes para o progresso dos indivíduos. A luta doravante será pela supremacia econômica sobre os alicerces da liberdade democrática.

José C. de Carvalho Carneiro carneiro.jcc@uol.com.br 
Rio Claro

*
GOVERNO DE SÃO PAULO

Se dinheiro não dá em árvore, o melhor que o nosso governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, pode fazer, e me parece estar programando, é o de reajustar o preço das passagens de Metrô, para não depreciar seu orçamento e permitir a continuidade dos investimentos em transporte urbano, que ainda é precário na capital. E não ficar distribuindo benesses com os recursos dos contribuintes, criando os monstrengos dos déficits, redução de investimentos, etc., como infelizmente faz o governo Dilma. As ações relapsas e improdutivas do governo federal deixaram o rastro de uma economia estagnada ou em estado de recessão em 2014.  

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com
São Carlos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.