Fórum dos Leitores

O 'FORA PT DILMAVEZ'

O Estado de S.Paulo

14 Abril 2015 | 02h05

A voz da cidadania

A cidadania está de parabéns. De forma pacífica reafirmou o "Fora Dilma" e o "Fora PT". Demonstrou vergonha e indignação pela corrupção patrocinada pelo governo federal e pelas mentiras. E não entende que uma continuação de gestão via reeleição esteja isentada do crime contra a responsabilidade fiscal. Cabe agora ao Congresso Nacional demonstrar que entendeu o que a cidadania espera.

HARALD HELLMUTH

hhellmuth@uol.com.br

São Paulo

Reivindicações óbvias

"O governo precisa identificar quais são essas reivindicações", disse o sr. Michel Temer. Deus meu, no governo não sabem ler? A principal reivindicação é clara: "Fora Dilma"! A causa desse pedido do povo brasileiro também é de fácil entendimento: ao mentir descaradamente aos brasileiros na campanha eleitoral, Dilma Rousseff se desqualificou para o cargo de presidente: não tem credibilidade e perdeu nosso respeito. Durante seu primeiro governo, o PT, partido de Dilma, assaltou os cofres da Petrobrás, da Caixa, etc., etc. No mínimo, Dilma pecou por incompetência, aliás, espalhada por toda a administração dela. Espero que o governo, finalmente, entenda as reivindicações do povo e Dilma volte para casa, de onde não deveria ter saído para fazer o diabo - e fez - com o País.

CLODER RIVAS MARTOS

closir@ig.com.br

São Paulo

Número 'menor'?

Fui novamente à Avenida Paulista e, de novo, de lá saí com a alma lavada. O "menor" público presente nesta última manifestação contra o governo do PT (em relação a 15/3) se explica facilmente: o contingente foi diluído no curso do período vespertino. Milhares que foram dar seu recado já retornavam a seus lares enquanto outros tantos acabavam de chegar ao ato. E isso ocorreu - ao menos em São Paulo - até quase as 18 horas. Se os responsáveis pelo movimento tivessem atentado para a importância da concentração do público em determinado horário, seguramente seria contabilizado um número de manifestantes muito superior ao que foi divulgado.

SILVIO NATAL

silvionatal49@gmail.com

São Paulo

Insatisfação só aumenta

O fato de ter diminuído o número dos manifestantes neste domingo não significa que a insatisfação dos brasileiros tenha também diminuído, ao contrário, a tendência é só aumentar. Estar nas ruas para se manifestar é questão de momento e oportunidade. Nenhum brasileiro honesto, que trabalha e é consciente, está satisfeito com esse governo incompetente, corrupto e mentiroso. As eleições municipais no próximo ano vão demonstrar a dimensão dessa insatisfação, que de nenhuma maneira os institutos de pesquisa, por melhores que sejam, conseguirão mensurar.

THEREZINHA LIMA E OLIVEIRA

therelima@uol.com.br

São José dos Campos

Clareza meridiana

Não há como no final dar certo o que já começou errado. Não importa o tamanho da erupção de domingo. O vulcão continua ativo, expelindo e produzindo lava, alimentado por inflação, desemprego, juros, corrupção, mentiras, prepotência, autolatria, etc. Quando se aquieta, deixa sempre o alerta: aguardem!

EDUARDO A. DELGADO FILHO

e.delgadofilho@gmail.com

Campinas

Em mar revolto

O Planalto não tem razões para sentir-se aliviado com adesões menores aos protestos, porquanto, em compensação, as manifestações foram mais espraiadas, envolvendo, por exemplo, municípios do interior dos Estados que antes não se manifestaram. O descontentamento generalizado é como um mar revolto, pleno de ondas, maiores ou menores, no qual o governo petista deverá navegar por mais quase quatro anos e atracar em porto seguro. Não cremos.

AMADEU R. GARRIDO DE PAULA

amadeugarridoadv@uol.com.br

São Paulo

Governo terceirizado

A causa da redução do número de manifestantes é simples: o PT já não está governando...

DIRCEU AGUERO

aguero@estadao.com.br

Santo André

Impeachment e 'recall'

A sabedoria vem das ruas: como o Brasil não dispõe de dispositivos próprios para uma ação liminar ou tutelar de urgência - como o parlamentarismo ou o recall americano - para afastar ou destituir governantes incapazes ou que traíram a confiança dos seus eleitores, somente o impeachment, neste momento, apesar de suas limitações, seria a solução para o País começar a sair do atoleiro moral em que se meteu. O editorial do EstadoÉ apenas o começo (13/4, A3) indica o tamanho do esquema que ainda está por ser revelado. Não dá para imaginar que a presidente Dilma Rousseff possa acabar com a gigantesca quadrilha que se instalou nas estatais, dado o seu comprometimento político com as forças que - para garantir a corrupção "ideológica" - aparelharam tribunais, agências e ministérios. É uma missão impossível para as suas modestíssimas qualificações.

NILSON OTÁVIO DE OLIVEIRA

noo@uol.com.br

Valinhos

CORRUPÇÃO

O da cotovelada

O ex-deputado petista André Vargas (PR) - em boa hora alijado da política - certa vez disse que gostaria de dar uma cotovelada em Joaquim Barbosa, quando sentado ao seu lado. Vejam como o mundo dá voltas. O Estado de ontem noticia que André Vargas recebeu do doleiro Alberto Youssef R$ 2,3 milhões. Joaquim Barbosa é e sempre foi um homem honrado e limpo, enquanto o outro a cada dia mostra mais uma faceta do seu modo PeTralha de ser.

BENEDITO SILVÉRIO RIBEIRO

beneditosilverioribeiro@ig.com.br

São Paulo

SAÚDE PÚBLICA

Faltam remédios nos postos

O País já não funciona nem minimamente. Não bastasse a falta de remédios para doenças crônicas (diabetes, pressão alta, cardiológicas e de circulação, entre outras) todo mês, serviço da Prefeitura, agora o tempo das consultas regulares nunca coincide com a validade máxima das receitas! O sistema não conversa entre si, principalmente se envolve Município, Estado e União. Resultado: não se consegue retirar remédios importantes por questões burocráticas, mesmo que eles sejam vitais para o controle da saúde das pessoas. Parece que o único objetivo é se livrar do cidadão.

NELSON PEREIRA BIZERRA

nepebizerra@hotmail.com

São Paulo

MANIFESTAÇÕES DE 12 DE ABRIL

640 mil pessoas protestando por este Brasil, segundo a Polícia Militar, sem partidos políticos a mobilizá-las, lideradas por alguns poucos movimentos, sem recursos, por meio das redes sociais. É muita coisa, é espantoso! Vale lembrar que nas Diretas Já havia líderes de proa, estrutura e uma situação específica dramática em curso, e, convenhamos, mesmo assim, não chegou a levar para as ruas a quantidade enorme de gente que participou das manifestações de 12 de abril e de 15 de março. Dizem os que se negam a legitimar os protestos atuais que estes são feitos pela elite branca, o que está longe de ser verdade, pois há pesquisas que desmentem essa arrogante negação dos fatos. É preciso muita revolta contra este governo e sua corrupção, arrogância e incompetência para pôr nas ruas mais de 600 mil brasileiros. Portanto, que haja respeito e que não sejam ignoradas a força dessa manifestação e nossa profunda indignação. Seria um erro gravíssimo das “elites políticas” encasteladas no Planalto e no Congresso Nacional, alvos desses protestos. Parabéns, povo brasileiro!
 
Eliana França Leme efleme@terra.com.br 
São Paulo

*
EM SÃO PAULO

Domingo, 12/4, houve manifestações em várias capitais e cidades brasileiras contra a corrupção e o governo Dilma. Cumpre salientar que em São Paulo a manifestação foi a mais intensa. Sua célebre Avenida Paulista, mais uma vez, cumpriu sua tradição democrática: foi a maior concentração pacífica, dentre todas, de um povo que ama a liberdade e a integridade cívica de um governo “do povo, para o povo”. O que os cartazes pediam nada mais era que o governo fosse honesto, contra a corrupção, transparente e composto também por políticos honestos. Lembro-me de uma modinha carnavalesca que dizia “foi Deus quem te fez formosa...”. Foi Deus quem te fez, São Paulo, pelo trabalho de um jesuíta, dele também nasceu um arauto, que por seu amor ao Brasil se chama paulista.

Antonio Brandileone abrandileone@uol.com.br 
Assis
   
*
O GOVERNO EM SILÊNCIO

O governo não se manifestará sobre os protestos de 12/4. Fugiu, hein? É sempre assim quando a vaca tosse.
 
Roberto Twiaschor rtwiaschor@uol.com.br
São Paulo

*
CALAR É MAIS FÁCIL

O governo não se pronunciou oficialmente sobre as manifestações do dia 12 de abril, que reuniram 600 mil pessoas nas ruas de diversas cidades de todo o Brasil. Será que o governo não tem absolutamente nada a declarar? Parece mais cômodo se calar neste momento tão delicado. Tantos planos foram apresentados durante a campanha eleitoral e, agora, diante da realidade, os contribuintes só escutam o silêncio. Nunca passamos por situações tão vergonhosas em tão pouco espaço de tempo, envolvendo escândalos de corrupção. No mínimo, é uma enorme falta de consideração com o povo que se mobilizou de forma civilizada e expôs claramente a sua insatisfação.

José Carlos Saraiva da Costa jcsdc@uol.com.br
Rio de Janeiro

*
MENOS GENTE

“Planalto considera que houve menos gente nesta manifestação do que no dia 15/3.” Claro, grande parte considera que Dilma Rousseff já está afastada.

Luiz Frid luiz.frid@globomail.com 
São Paulo

*
NÚMERO DE CIDADES

A informação de que houve manifestações, do dia 12/2, em 24 Estados e no Distrito Federal, num total de 152 cidades, deve estar equivocada. O total, com certeza, é muito maior, uma vez que pelo menos a metade disso ocorreu apenas no Estado de São Paulo.

Sérgio Barbosa sergiobarbosa@megasinal.com.br 
Batatais 

*
MEU CARTAZ

Fui para a passeata com o meu cartaz em punho: “Se você gastar mais do que recebe, vai pro SPC! Dilma gastou nosso dinheiro! E aí? Ela vai para onde?”. Até agora estou sem resposta!

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br 
São Paulo

*
NO LIMITE DA PACIÊNCIA

Bonito o pijama de dona Dilma (foto de ontem, 13/4, na capa do “Estadão”). Mas despachar de pijamas?! Só mesmo neste nosso “país do faz de conta”. Faz de conta que governa, faz de conta que o povo está feliz, faz de conta que vivemos no País das Maravilhas. Quanto ao número menor de manifestantes, não foi porque diminuiu o número de descontentes com o governo, basta acompanhar as pesquisas. O principal motivo para o esvaziamento da passeata foi porque o PSDB e outros partidos mais de oposição (?) passaram a fazer a convocação pelas redes sociais chamando o povo para participação em massa do ato contra os desmandos do governo, querendo, com isso, aproveitar o sucesso da manifestação de 15 de março, para consolidarem-se como uma forte oposição ao governo petista (de olho na próxima eleição presidencial). Não convenceu, ao contrário, atrapalhou. Nós, dignos cidadãos brasileiros, não queremos trocar seis por meia dúzia. Nós queremos que cada político, cada governante entenda que o dinheiro público não lhes pertence, que cada desvio de bilhões e bilhões do nosso dinheiro afeta diretamente a saúde, a educação, o emprego, a moradia e as estradas Brasil afora. Cada desviou do nosso dinheiro afeta a moral de cada brasileiro. Chegamos ao limite da paciência. Ou acabam com essa “erva daninha” que se tornou a corrupção ou essa erva daninha acaba com o Brasil. 

Mirna Machado mirnamac@uol.com.br
Guarulhos

*
O BRASIL NA SUA MAIS GRAVE CRISE
 
Não há buraco fatal, enquanto nos sentirmos vivos e com laivos de consciência. Sempre poderemos galgar a superfície, por nossos próprios esforços ou com a ajuda de terceiros. O que contraria a natureza do homem é entregar-se à espera de uma inevitável sucumbência. 
 
Amadeu R. Garrido de Paula amadeugarridoadv@uol.com.br  
São Paulo

*
IMPEDIMENTO

Em todo o Brasil, milhões de pessoas protestaram contra este indefectível governo. A presidente é uma caricatura, e não sei por que ainda o Congresso não votou o impedimento dela.

Agostinho Locci legustan@gmail.com 
São Paulo

*
SEM FOCO

Manifestantes erram feio ao particularizar os ataques contra a corrupção apenas à presidente Dilma Rousseff e algumas pessoas do PT. E outros políticos? E outros partidos? O povo está percebendo que a birra é contra a pessoa da presidente. E a maioria, apesar de desaprová-la, sabe que ela não se locupletou do dinheiro público. Acusar Dilma como a política mais corrupta do Brasil é um grande erro no debate da corrupção. Não queira subestimar a presidente. Dilma Rousseff tem uma respeitável história pessoal de luta por democracia e por justiça social. Mas você votou em Aécio Neves para presidente? Votei! Assim como posso votar em Geraldo Alckmin ou no próprio ex-presidente Lula em 2018, se as denúncias contra os dois sobre corrupção não forem provadas: Petrobrás e Metrô. Eu tenho certeza de uma coisa: o movimento de rua se acaba no domingo (12/4) por falta de líderes autênticos ou líderes políticos mesmo. Esse pessoal está sem foco. Cada movimento fala uma coisa. Se a economia começar a melhorar em setembro, Dilma ressurgirá das cinzas. Não estou falando do PT, que também não está morto. Eu só gostaria de saber quem patrocina o Movimento Vem Pra Rua. Não vamos ser hipócritas ou ingênuos.

Devanir Amâncio devaniramancio@hotmail.com 
São Paulo

*
TRAIÇÃO EXPLÍCITA

Não há mais necessidade de qualquer palavra. A foto de Lula e Michel Temer dando as mãos (“Estadão” de 10/4) diz tudo. Já temos um novo presidente da República, embora ainda não se saiba se a situação mudou para permanecer a mesma. Quanto ao “Barba”, esse  já  adotou o novo  pupilo, certamente, confiando no apoio para a sua volta em 2018. É aguardar... Agora, a única alternativa é dona Dilma sair de fininho. Se tivesse renunciado a tempo, alegando qualquer indisposição alimentar, talvez fosse poupada de traição tão explícita.  
  
Arlete Pacheco arlpach@uol.com.br 
Itanhaém 

*
EVOCAÇÃO

A foto de Lula e Temer sorridentes com um fraterno aperto de mãos evoca o velho ditado “diga-me com quem andas e te direi quem és”.
 
Geraldo Hernandes gherr@ig.com.br 
Santo André

*
RENÚNCIA BRANCA

Quando, durante debates da campanha eleitoral de 2014, o candidato da oposição chamou a candidata Dilma de “leviana”, e isso por três vezes, não poderíamos imaginar o quanto de informação isso continha. Completando agora 100 dias de um péssimo governo, obrigada a uma renúncia branca para se manter no poder, restou a essa mentirosa criatura desfilar como aquela que achava que era e nunca foi.

Joao Paulo Garcia jotapege88@yahoo.com.br 
São Paulo

*
SEGUNDO MANDATO

A presidente Dilma Rousseff procura corrigir seus erros e acertar. Alguns exemplos: o Ministério da Fazenda está em mãos firmes; o da Educação, igualmente; e, agora, o vice-presidente, Michel Temer, torna-se o responsável pelas relações do governo com o Congresso Nacional. Se assim ela continuar, que continue. Afinal, foi reeleita.

Fausto Ferraz Filho  faustofefi@ig.com.br 
São Paulo

*
O PMDB EMPODERADO

Creio que nenhum brasileiro eleitor de Dilma queria o PMDB no poder. E agora, Michel?
  
Maria do C. Zaffalon Leme Cardoso mdokrmo@hotmail.com
Bauru

*
TEMER NA ARTICULAÇÃO POLÍTICA

As moscas continuam as mesmas, só mudou o “campo de pouso”! Acorda, Brasil!

Silvia M. Pinheiro Rezende silviapr54@hotmail.com 
São Paulo

*
100 DIAS DE GOVERNO DILMA

A maior mudança foram os 15 kg a menos na balança!
  
Robert Haller robelisa1@terra.com.br  
São Paulo

*
PRIMEIRA-DAMA

Com a ascensão de Michel Temer à Presidência, o Brasil pelo menos tem agora uma primeira dama... e linda.

José Roberto de Jesus zerobertodejesus@gmail.com 
Capão Bonito

*
GOVERNO DESAPROVADO

Eles não entenderam ou fingem-se de mortos? Nem desenhando? Continuam com cara de paisagem? Temer também tem de temer, tremer e sair.

Nelson Pereira Bizerra nepebizerra@hotmail.com 
São Paulo 

*
ESTADISTAS

Li no domingo (12/4, página A6) neste jornal a entrevista do sr. José Murilo Carvalho, tratando de aspectos de nossa atual situação política. A certa altura, sai-se o entrevistado com a seguinte declaração: “A falta de estadistas hoje é dramática. Que saudades (sic) de Ulysses (Guimarães) e Tancredo (Neves), Petrônio Portela, e mesmo de Leonel Brizola”. Alguém falando de importantes estadistas de nosso recente passado e omitindo os nomes, entre outros, de Carlos Lacerda, de Milton Campos e de Pedro Aleixo está a demonstrar seus discutíveis critérios de valor. Muitos, como eu, devem ter perdido seu tempo lendo a matéria.

Mário Rubens Costa costamar31@terra.com.br 
Campinas

*
BRASIL MARAVILHA

Na Petrobrás está tudo resolvido, a coordenação política do governo, muito bem encaminhada, e o Brasil está, portanto, uma maravilha! Só faltam umas coisinhas: inflação passando dos 8%, desemprego aumentando, possibilidade de falta de energia elétrica, PIB negativo, deputados e ex-ministros do PT sendo presos, etc., etc. Viva o Brasil!

Silvio Leis silvioleis@hotmail.com 
São Paulo

*
A PETROBRÁS DE QUATRO

Depois do megaesquema de assalto sistêmico aos cofres da Petrobrás durante o desgoverno petista dos últimos 12 anos e de sua megadesvalorização no mercado internacional, a estatal “não está de pé”, como disse Dilma, ela está de quatro, e vai levar um bom tempo até conseguir erguer-se novamente, se lograr êxito.

J. S. Decol decoljs@globo.com 
São Paulo

*
ATO FALHO?

Em tempo, a presidente Dilma Rousseff confessa sua ciência sobre os responsáveis pelos estragados na nossa petroleira, afirmando claramente, em discurso recente: “Nós limpamos a Petrobrás...”. O mutirão foi tão eficiente que até os mais simples faxineiros saíram de mãos cheias de bilhões de dólares. Ato falho?
 
Leila E. Leitão
São Paulo

*
DECLARAÇÃO DA PRESIDENTE
 
“A Petrobrás limpou o que tinha de limpar e tirou o que tinha que tirar.” Segundo declarações dos delatores do esquema de corrupção na estatal, mesmo com a Operação Lava Jato em curso, havia desvios. Ou é uma declaração mentirosa ou não sabe o que está falando.

José Sergio Trabbold jsergiotrabbold@hotmail.com 
São Paulo 

*
NÃO BASTA O ESTELIONATO ELEITORAL?

Nos últimos discursos da presidente Dilma, constata-se uma oratória temperada por apelos de exortação em que é ressaltada a disposição dela, pessoalmente, de salvar a Petrobrás, e reafirmada a convicção de que o pior a esse respeito já teria passado. Na realidade, não há um único brasileiro que não deseje a sobrevivência honrosa de sua principal estatal e que não aguarde com esperança reaver o orgulho que ela já inspirou no seio da sociedade. Não se trata, portanto, de um desiderato somente do governo, mas de um anseio a ser perseguido por toda a população brasileira. O que não se pode deixar de considerar, porém, é a possibilidade de que a presidente, apostando no axioma publicitário de que uma afirmativa sempre repetida, mesmo que não seja verdadeira, acabe por transformar-se em fato indiscutível, consiga virar o jogo e passe a vender a imagem de que seu governo foi vítima de um enorme esquema de corrupção, quando, na verdade, ela e seu partido é que foram, ao longo dos últimos 12 anos e 100 dias, os responsáveis pelo estado  periclitante da economia e pela montagem e coordenação da rede de favorecimentos e propinas que arruinou a Petrobrás. É mais do que nunca necessário que os brasileiros, ao mesmo tempo que devem se esforçar para recuperar sua principal estatal, não percam de vista a ação dos verdadeiros causadores de sua derrocada e não se deixem enganar por falsas exortações. Será que já não basta o estelionato eleitoral, cujas consequências estão amargando? 

Paulo Roberto Gotaç prgotac@hotmail.com
Rio de Janeiro

*
MENTIRA OU VERDADE
 
Se a presidente Dilma mentiu durante toda a campanha eleitoral, por que acreditar nela agora, quando afirmou à CNN em espanhol que tem certeza de que sua campanha não teve dinheiro de suborno?
 
Jorge Eduardo Nudel jorgenudel@hotmail.com
São Paulo

*
FRASE INCOMPLETA
 
Dilma, em entrevista à CNN em espanhol, alegou ter certeza de que sua campanha eleitoral nunca recebeu dinheiro de suborno. A frase pronunciada pela presidente, por um lapso de memória, está incompleta. Falou a palavra “pouco”.
  
Francisco Zardetto fzardetto@uol.com.br 
São Paulo

*
HOMENS-BOMBA

Vira e mexe, a mídia divulga nomes de homens-bomba do escândalo de corrupção nunca antes visto no País. Começou com Alberto Youssef, Pedro Barusco, Paulo Roberto Costa, Renato Duque e, agora, João Vaccari Neto. Sinceramente, não passaram de estalinhos. No máximo, cabeças de nego. Mas a Justiça está bem perto de divulgar o real homem-bomba do Brasil, nascido em Pernambuco... E, quando a notícia explodir, um novo país ressurgirá das cinzas.

Paulo H. Coimbra de Oliveira ph.coimbraoliveira@gmail.com 
Rio de Janeiro

*
PLENÁRIO DA LAVA JATO

Com tantos presos e muitos ainda a ser presos, logo o PT será a maior “bancada” nas cadeias brasileiras...

A.Fernandes standyball@hotmail.com
São Paulo

*
CORRUPÇÃO

Petrobrás deu PT: Perda Total.

Fernando Pastore Junior fernandopastorejr@gmail.com 
São Paulo

*
ROMBO NOS FUNDOS DE PENSÃO

É totalmente burlesco o comportamento e a situação dos administradores petistas do dinheiro público e privado dos fundos de pensão. O PT também tomou conta do dinheiro do BNDES. Emprestou a vários países o dinheiro dos impostos do povo brasileiro, a fundo perdido. Se o PT é o partido de organizar comissão parlamentar de inquérito para tudo, por que não fazer uma para resolver tais créditos perdidos? Como puderam emprestar dinheiro dos fundos de pensão a países quebrados, como a Argentina e a Venezuela, por exemplo? Por que o fundo dos Correios (Postalis) tem de assumir os prejuízos das más aplicações, já que os administradores do dinheiro público estão ricos? Por que não tirar deles o dinheiro perdido nas más aplicações e responsabilizá-los pelos prejuízos? Porque hoje lavam as mãos e pronto, que alguém pague o prejuízo! De alguma forma, devem ser responsabilizados! Enquanto isso, nas escolas não há merenda nem educadores de nível, já que se paga mal, e a saúde pública está em frangalhos.

Washington B. Estoyanoff wa.botella@me.com 
São Paulo

*
MAIORIDADE PENAL

Dilma Rousseff criticou a redução da maioridade penal no Brasil. Talvez ela tenha razão. Com mais de 20 anos, ela não tinha, ainda, noção das consequências de seus atos. E o que é pior: não tem até hoje.
 
Ulysses Fernandes Nunes Jr. Ulyssesfn@terra.com.br 
São Paulo

*
RELEVÂNCIA

Complementando as ideias apresentadas em carta publicada dia 6/4 com o título “Responsabilidade apenada”, exponho mais alguns aspectos relevantes. A grande maioria de crianças que cometem infrações participa de gangues que são conhecidas da polícia, assim como o são seus líderes. As famílias dessas crianças, que se preocupam com elas, geralmente podem identificar os que exercem má influência, ajudando as forças policiais até a prevenir futuros crimes dos “di menor”. Tornar o adulto mais responsável pelos atos de menores de idade é só parte do problema. Exemplos devem vir de forma mais clara dos que deveriam ser os mais responsáveis na sociedade. Quando não vêm, abre-se o caminho para o enfraquecimento das leis, as injustiças e a impunidade!

Silvano Corrêa scorrea@uol.com.br 
São Paulo

*
CONTRADIÇÃO

Tema polêmico é a redução da maioridade penal. Vejo contradição na postura dos deputados evangélicos, que, por um lado, defendem o “estatuto da família”, mas, de outro, são favoráveis à redução da idade penal para 16 anos. Se a personalidade e o caráter de uma pessoa vêm da formação que é dada pela família, principalmente, certamente há um paradoxo, dando a entender que a instituição faliu.

Maria Lucia Ruhnke Jorge mlucia.rjorge@gmail.com 
Piracicaba

*
CÚPULA DAS AMÉRICAS

Dilma Rousseff, em seu encontro com Barack Obama, tratou das condições econômicas, sociais e políticas de Cuba e Venezuela. Não seria muito melhor e mais adequado se ela dedicasse seu tempo para resolver tais problemas do Brasil, aliás, problemas criados por eles mesmos nos últimos 12 anos com o petelulismo no “pudê”? Como pode, se não consegue resolver nem os nossos? 

Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br 
São Paulo

*
TERCEIRIZAÇÃO

O projeto que regulamenta a terceirização do trabalho, após 11 anos de engavetamento no Congresso Nacional, finalmente teve o texto principal aprovado pela Câmara dos Deputados, apesar das críticas e protestos da CUT, do MST e da cúpula do PT. Eles alegam perda de direitos trabalhistas e acusam esse projeto de escravização do trabalhador brasileiro. Se for assim, por que os petistas ainda insistem em permanecer em silêncio sobre o envio de grande parte dos salários pagos aos médicos cubanos que trabalham no Brasil para os irmãos Castro, em Cuba?  

Edgard Gobbi edgardgobbi@gmail.com 
Campinas 

*
OPORTUNIDADE DE PRODUTIVIDADE

O Projeto de Lei n.º 4.330, que regulamenta a terceirização, aprovado no Congresso, apesar de ser muito controverso, é um grande avanço nas relações de trabalho, primeiro por regulamentar uma prática de mercado que trazia insegurança jurídica às empresas e precarização das atividades aos trabalhadores. A nova legislação regulamenta as responsabilidades das partes; protege os trabalhadores, que permanecem com seus direitos, conforme a CLT, além de outros dispositivos da própria lei; e exige da empresa contratada comprovada especialização e condições financeiras para realização do contrato. Os ganhos virão para as partes não mais pela simples redução do custo da mão de obra, e, sim, das especializações, produtividade e métodos de contratação. A terceirização é uma das ferramentas do aumento de produtividade mais utilizada nos países desenvolvidos, porém, por causa da falta de regulamentação, da corrupção, da precarização da mão de obra, da falta de conhecimento em técnicas de contratação, tornou-se demonizada e até mesmo vergonhosa no Brasil. Com a nova lei, temos a oportunidade de aumentar a produtividade, desenvolver empresas especializadas e ter os trabalhadores protegidos pela legislação e motivados a trabalhar em empresas especialistas.
 
Luís H. Salatiel lhsalatiel@gmail.com 
Poços de Caldas (MG)

*
TIRO NO PÉ

A terceirização, para todas as atividades da empresa, aprovada na Câmara, foi um tiro nos concursos públicos e uma extensão da corrupção neste país. A contratação dos terceirizados será ao bel prazer do partido que estiver no comando. Não deveriam mexer nisso. Que deixassem a terceirização como estava. Só para as atividades-meio. O terceirizado não tem compromisso com a empresa. Não “veste” a camisa da empresa. Os direitos dele estão restritos aos da lei. Se a empresa concede algum benefício a parte para seus funcionários contratados diretamente, não é obrigada a estendê-los para os terceirizados. Quem vai abrir concurso público a partir de agora? Ninguém. Vocês acham, por exemplo, que Banco do Brasil, a CEF, o BNDES, o BNB, a Eletronuclear, Furnas, etc. vão abrir concurso? Estão dando um tiro no pé.

Panayotis Poulis ppoulis46@gmail.com 
Rio de Janeiro

*
QUEM TEM MEDO DA TERCEIRIZAÇÃO

Certamente, não são as empresas nem os empresários. Esse projeto que tramitou por mais de 11 anos e foi aprovado pela Camara federal deve passar pelo Senado e precisa ser promulgado pela Presidência da República, o mais breve possível. É a melhor alternativa para as empresas enfrentarem esta baita crise econômica e financeira, causada pela péssima gestão governamental do governo federal, do Partido “Trambiqueiro”, que já está gerando o desemprego de 7% (que vai aumentar muito) da mão de obra economicamente ativa e levando a um PIBizinho negativo e medíocre para o País. Será a oportunidade de as empresas repensarem seus negócios e objetivos, se reorganizarem para desenvolverem as suas estratégicas, que devem ser dirigidas para a melhoria das suas atividades preponderantes, com ganhos de eficiência, eficácia e qualidade nos seus produtos. A terceirização é uma técnica de gestão empresarial eficaz para que as empresas possam dirigir os seus recursos para os seus negócios. A terceirização não é precarização do trabalho nem proporciona o aumento do desemprego. Pelo contrário. Vai possibilitar um crescimento da empregabilidade, considerando que as empresas que assumem a terceirização vão contratar mais trabalhadores, como seus empregados celetistas, devidamente registrados e protegidos pela legislação trabalhista regida pela CLT, e muitas das vezes pagando um salário melhor. A terceirização vai livrar as empresas de muitas atividades que são penduricalhos improdutivos que aumentam os custos e pesam na sua estrutura organizacional e produtiva. O governo vai arrecadar mais impostos, porque os tomadores de serviços passarão a recolher os tributos e contribuições previdenciárias, que serão descontadas na fonte. Enfim, será bom para todos. Entretanto, algumas centrais sindicais, dirigidas por pelegos iguais a Lula, Vicentinho e outros semelhantes, têm pavor da terceirização porque ela vai pulverizar os grandes sindicatos. Os trabalhadores estarão espalhados em vários sindicatos, diminuindo a massa de manobra de trabalhadores que são controlados por centrais como a CUT, diminuindo o seu poder de influência política. Seja bem-vinda a terceirização para moralizar e regulamentar as relações de trabalho no Brasil. 

Carlos A. Ramos Soares de Queiroz soares.queiroz@terra.com.br
São Paulo

*
FALSA SOLUÇÃO

Terceirizar não é a solução. O segredo é flexibilizar as leis trabalhistas, não impondo o terror a quem contrata, que, na realidade, são, na grande maioria, pequenos e micro empresários.
 
Marcos Catap marcoscatap@uol.com.br
São Paulo

*
INCONGRUÊNCIA

Parece ser incoerência do PT: opor-se à terceirização ao mesmo tempo que elogia e mantém a terceirização de médicos contratados de Cuba por meio da participação laranja da Organização Panamericana. Isso poderia ser tomado como incrongruência típica do partido, que perdeu o rumo. Na realidade, pode ser que essa falta de lógica seja apenas aparente, tendo agora como objetivo principal mobilizar e ativar seus “exércitos”, chamados à ação outro dia pelo seu chefe maior.

Wilson Scarpelli wiscar@terra.com.br   
Cotia

*
E OS MÉDICOS CUBANOS?

A propósito da discussão na Câmara dos Deputados do Projeto de Lei n.º 4.330/2004, que já ocasionou um bafafá em Brasília e passeatas daquele exército humano, arregimentado e pago pelos movimentos contrários à terceirização, é interessante e paradoxal que estes apoiaram a importação dos médicos cubanos pelo governo federal, pouco se importando com a afronta aos direitos trabalhistas, previdenciários e assistenciais desses profissionais, remunerados com pequena parcela do valor, remetido em maior quinhão à ilha dos irmãos Castro, com suspeita também divulgada na mídia de provável retorno de um porcentual ao caixa 2 de um certo partido político...

Luiz C. Bissoli lcbissoli46@gmail.com 
São Paulo

*
A CONFIANÇA NO BRASIL

A agência de classificação de risco Fitch justificou a sua avaliação do Brasil opinando que o País não evidencia condições para lidar com o crônico crescimento da já volumosa dívida pública. De fato, o superávit primário devia, teoricamente, cobrir os gastos de juros e a amortização da dívida bruta (R$ 1.356 trilhão em 2015), representando mais do que 45% do Orçamento! Ora, o resultado fiscal primário poderá até ser deficitário, obrigando o refinanciamento desse valor, com o significativo aumento da elevada dívida pública. Para evitar um rebaixamento definitivo da nota do País pelas agências de risco, com calamitosas consequências, deveríamos promover um reforçado ajuste fiscal, com destaque para um profundo corte dos exorbitantes, improdutivos e injustificáveis gastos públicos, inclusive com alteração da legislação quando for necessário. Nesse sentido, devemos admitir que o ajuste fiscal promovido pelo ministro Joaquim Levy é insuficiente para satisfazer as agências de risco. Será que a nova “eminência parda”, o vice-presidente Michel Temer, quererá e poderá mover os pauzinhos necessários, ao considerar a sua provável candidatura presidencial de 2018? 

Pablo L. Mainzer plmainzer@hotmail.com 
São Paulo

*
PAULO BROSSARD (1924-2015)

A Justiça brasileira empobrece ainda mais... Faleceu Paulo Brossard, político e jurista sem mácula e de caráter exemplar. Destacou-se na advocacia, no plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) e na vida política como opositor da ditadura militar. Cada vez mais o Brasil perde homens com este perfil e estirpe e, em contrapartida, temos de nos contentar com os Toffolis da vida. Ou será que não?

Arnaldo de Almeida Dotoli arnaldodotoli@hotmail.com
São Paulo

*
UM EXEMPLO

Paulo Brossard de Souza Pinto, recém-falecido, ao ser escolhido para participar do STF, atendia plenamente aos requisitos de “notório saber jurídico e reputação ilibada” para se tornar um ministro daquela Corte. Honrou sua investidura. Sua vida política também foi exemplar. Uma perda lamentável. Esses requisitos deixaram de ser relevantes, como se percebe.

Mario Helvio Miotto mariohmiotto@gmail.com 
Piracicaba

*
MINISTRO BRILHANTE

Polêmico, perspicaz e extremamente inteligente, este foi Paulo Brossard. Perdeu o Brasil, provavelmente, no que pese aposentado, o melhor e mais brilhante de seus ministros no Supremo Tribunal Federal. Que tenha junto ao Criador a paz merecida. 

José Piacsek Neto bubanetopiacsek@gmail.com 
Avanhandava

*
CAMPEONATO PAULISTA DE FUTEBOL 2015

O Campeonato Paulista de Futebol “está melado”, e não é com mel. É com outra coisa que começa com a mesma letra e tem um cheiro ruim. A Ponte Preta foi enormemente prejudicada pelo trio de arbitragem (gol legítimo anulado), que, pela enésima vez, favoreceu aquele time que todo mundo já sabe que vai ser favorecido. Ora, é aquele árbitro que é “sorteado antes do sorteio”, conforme alertou, na ocasião, o próprio “Estadão”, ora é pelos auxiliares. Esse mesmo confronto (Corinthians e Ponte Preta) já tem história. Lembre-se aquele jogo entre ambos, válido pela final do Paulista (quando o Corinthians estava há 20 e poucos anos sem vencer este campeonato), com o triste episódio envolvendo o centroavante da Ponte Ruy Rei. Enquanto parte da mídia incompetente procurava desviar o foco sobre a arbitragem para o jogo deste domingo, entre Palmeiras e Botafogo de Ribeirão Preto, não se deu conta do que estava sendo articulado nos bastidores. Mas fatos como este apenas refletem o que está acontecendo, de um modo geral, em nosso país. Qualquer título alcançado por qualquer agremiação somente terá valor se for honestamente conquistado. Sou torcedor do São Bernardo F.C. e sofri até a última rodada com a possibilidade de rebaixamento para a Série A2. Mas, reitero, prefiro ver o meu time do coração disputando a última divisão do que vê-lo conquistando títulos de forma desonesta. Resumindo: a edição 2015 do Paulista não está valendo mais nada. O que poderia salvá-la seria um novo jogo entre os clubes citados. Parabéns, srs. Flávio Rodrigues de Souza (“árbitro”) e Vicente Romano Neto (“auxiliar”). Procurem outra profissão enquanto é tempo.
 
Sergio Bertolini bertolinisergio@hotmail.com 
São Bernardo do Campo

*
NOVILÍNGUA DO FUTEBOL

Gol legítimo da Ponte Preta contra o “Clube do Povo”, invalidado, foi classificado pela crônica esportiva como “mal anulado”. É a novilíngua do futebol.

Luiz Henrique Penchiari luiz_penchiari@hotmail.com 
Vinhedo

*
FUTEBOL MANIPULADO

Caiu no Itaquerão, está roubado, literalmente. O futebol brasileiro está com a mesma doença da política, completamente arranjado e manipulado por interesses escusos, e os comentaristas esportivos não sabem o motivo do desinteresse dos torcedores dos outros times que deixam os estádios às moscas.

Vagner Ricciardi vbricci@estadao.com.br 
São Vicente

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.