Fórum dos Leitores

GOVERNO LULOPETISTA

O Estado de S.Paulo

22 Abril 2015 | 02h04

Responsabilidade fiscal

Antes de Dilma Rousseff terminar o primeiro mandato e "adentrar" o segundo já existia a Lei de Responsabilidade Fiscal. Qual o seu dever como presidente do País? Respeitar a lei por obrigação, por decoro ou simplesmente para dar o exemplo, pois, mesmo como primeira mandatária - ou exatamente por isso -, não está acima da lei. Ou não deveria estar. Na semana passada, o Tribunal de Contas da União (TCU) concluiu que houve crime de responsabilidade no primeiro mandato de Dilma, quando o governo federal usou dinheiro de bancos estatais para socorrer o Tesouro, esvaziado por sua voracidade e incompetência, o que é proibido por lei. Então, incorreu em ato criminoso. Ora, se apenas isso não é motivo para impedimento da presidente, o que mais é preciso para nos livrarmos dela, de Michel Temer e tutti quanti? Mas lá vem Eduardo Cunha, atordoado pelo "beijinho na boca", dizer que vai rejeitar a tese de impeachment, como se as pedaladas da Dilma fossem apenas um exercício para as ciclovias de Haddad. Não bastasse, FHC nos mostra que o PSDB encobriu magistralmente ser base alugada clandestinamente, fazendo-se passar por inimigo do rei. Nas próximas eleições ainda não sabemos em quem votar, mas com toda a certeza sabemos em quem não votar!

CARMELA TASSI CHAVES

tassichaves@yahoo.com.br

São Paulo

Fundo Partidário

Sai ou não sai o impeachment? Para Michel Temer (PMDB), vice-presidente da República, é "impensável" discutir o impedimento da presidente Dilma, alegando defesa das instituições democráticas do País. Será, porém, que o verdadeiro motivo para não apoiar o impeachment não foi a aprovação, pela presidente Dilma, do aumento da verba orçamentária destinada ao custeio dos partidos políticos, triplicada para a bagatela de R$ 867,5 milhões ao ano? Fico imaginando qual seria o número ideal de manifestantes nas ruas do Brasil para que duas conquistas fossem alcançadas: a diminuição da verba parlamentar pela metade e o impeachment da presidente.

MARIA CARMEN DEL BEL TUNES

carmen_tunes@yahoo.com.br

Americana

Aos aliados, tudo...

Dilma Rousseff continua investindo pesado para manter o apoio dos partidos aliados ao Planalto. Enquanto a população sofre para reduzir as despesas em casa, ela mantém triplicada a verba destinada ao Fundo Partidário (R$ 867,5 milhões), por meio de uma emenda ao Orçamento da União de 2015.

ANGELO TONELLI

angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

Pagando o pato

Será que eles pensam que somos um bando de imbecis? Ou a cara de pau não tem mesmo nenhum limite? Dilma Rousseff, aquela que tem 13% de aprovação popular, decidiu triplicar a verba que vai alimentar o Fundo Partidário. Corre por aí a versão de que ela foi (coitadinha!) forçada pelos companheiros a aprovar essa estrovenga. Era isso ou, então, a base aliada pularia do barco do ajuste fiscal - aquele draconiano esquemão de aumento de impostos preparado pelo ministro Joaquim Levy para tirar as contas públicas do buraco no qual a presidenta as enfiou com sua incompetência monumental. Então ficamos assim: Dilma Rousseff comete uma lambança atrás da outra na economia (recorrendo, inclusive, a instrumentos ilegais como as famigeradas "pedaladas", em desobediência à Lei de Responsabilidade Fiscal), e nós pagamos o pato com o tal ajuste. O PT rouba a Petrobrás durante uma década inteira a fim de engordar o seu caixa e os bolsos dos comparsas, e nós pagamos o pato com as consequências da destruição da nossa maior empresa. Por causa das multas possivelmente aplicadas pela Justiça em razão da Operação Lava Jato, o PT passa a correr o risco de quebrar e decide arrombar a porta do gabinete presidencial exigindo de Dilma um aumento brutal no montante de dinheiro público que lhe é destinado pelo tal fundo. Tudo isso em meio a uma severa crise econômica. Ou seja, nós pagamos o pato das roubalheiras do PT e pagamos também pela salvação do PT! Não sei qual é a piada mais macabra: ter de financiar a sobrevida desta organização criminosa ou ter de ver FHC e José Serra alisando a cabecinha dos petistas dizendo que ainda não há motivos para que a presidenta caia. Espero que Aécio Neves não dê ouvidos a eles e mantenha a coragem de fazer o que é certo: articular o impeachment deste governo corrupto e cara de pau, que é a mais imediata saída que o Brasil precisa encontrar neste momento. E, sim, já sobram motivos para tanto.

HENRIQUE BRIGATTE

hbrigatte@yahoo.com.br

Pindamonhangaba

PETROBRÁS

Dívida de R$ 79 bi

"A Petrobrás está limpa", alardeou a presidente Dilma Rousseff há alguns dias. Na contramão dessa alegação, no entanto, a dívida da nossa estatal com bancos públicos já deve chegar a R$ 79 bilhões - incluindo os empréstimos conseguidos com a Caixa Econômica Federal e o Banco do Brasil, anunciados na sexta-feira. Há políticos que teimam mesmo em mascarar os fatos...

FRANCISCO ZARDETTO

fzardetto@uol.com.br

São Paulo

O pulo do gato

O que interessa saber é como a Petrobrás conseguiu estes R$ 79 bilhões com bancos estatais. Empréstimos bancários exigem "garantias", e é aí que pode estar o pulo do gato. Essas garantias podem ser sucatas ou os royalties do pré-sal, que não passam de promessa vazia, hoje deitada em berço esplêndido a 7 mil metros de profundidade. Em tempo: o atual presidente da Petrobrás, Aldemir Bendine, foi presidente do Banco do Brasil até pouco tempo atrás. Aí o pulo do gato pode virar num rombão, já que os presidentes dos bancos estatais estão a serviço do PT.

BEATRIZ CAMPOS

beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

Levy em NY

Definitivamente, o exercício do poder corrompe o mais sólido caráter. Exemplo disso é o ministro da Fazenda, Joaquim Levy, que, em evento em Nova York, quando indagado sobre a corrupção na Petrobrás e no País, disse: "O Brasil é um dos países mais transparentes do mundo" (e os empréstimos secretos do BNDES para Cuba, Venezuela e Bolívia?), "onde o governo é responsável por tudo o que faz" (e Lula, que nunca sabia de nada sobre o mensalão e sobre outras maracutaias? E Dilma, que não assumiu sua responsabilidade pela compra de Pasadena?). "Temos eleições regularmente" (em urnas eletrônicas não tão confiáveis). "Pessoas que quebram a lei vão para a cadeia" (nem todos). Ministro, menos, por favor, preserve sua biografia.

CARLOS B. PEREIRA DA SILVA

carlosbpsilva@gmail.com

Rio Claro

A MEDALHA DA INCONFIDÊNCIA

O governador de Minas Gerais, Fernando Pimentel, do PT, revelou ontem seu verdadeiro caráter, condecorando com a Medalha da Inconfidência o líder do Movimento dos Sem Terra (MST), João Pedro Stédile. E se iguala a ele em seu trabalho criminoso de destruição do campo brasileiro. Será que o governador conhece a historia da luta dos verdadeiros agricultores? Os números de nossas exportações e o que significa independência?  

Wilson Matiotta loluvies@gmail.com 
São Paulo

*
O CÚMULO DA DESFAÇATEZ

O PT está ultrapassando todos os limites da paciência da população. Gostaria de saber qual a opinião dos mineiros, que elegeram Pimentel para o governo do Estado, ao saber que João Pedro Stédile, o delinquente que comanda o “exército” do MST, foi agraciado com a honraria da Medalha da Inconfidência, por, segundo o governo petista, “relevantes serviços prestados ao Estado”. Quem do governo de Minas Gerais poderia informar qual o importante serviço que este baderneiro, invasor de propriedades alheias, comandante desta horda de inocentes úteis que destroem laboratórios de pesquisas e sem nunca ter de se explicar à Justiça prestou ao Estado? É o cúmulo da desfaçatez! Fora PT! O Brasil não suporta mais!

Iveraldo Duarte nanukuloa@hotmail.com
Avaré

*
HONRARIA

Muito me espanta o sr. João Pedro Stédile receber a grande Medalha da Inconfidência, a maior honraria concedida pelo Estado de Minas Gerais. Medalhas deveriam ser dadas a quem as merece. O que é que ele fez por Minas? Ou pelo Brasil? 

Cristiane Magalhães cris_magalhaes@uol.com.br 
São Paulo 

*
TIRADENTES

Homenagear o criminoso invasor de propriedades privadas sr. Stédile é enxovalhar a memória de Joaquim José da Silva Xavier. Ora, ora, ora, sr. Pimentel, depois não reclame.
 
Edgard Mourão Filho edgardmourao@hotmail.com 
Santos

*
MINAS DE JOELHOS

As Alterosas estão de luto. A terra da liberdade foi ultrajada pelo governo petista. Tiradentes, o mártir da liberdade, deve estar triste com o desvirtuamento das comemorações de 21 de abril, ao ver o colar da Inconfidência ser atribuído a um comuno-bolivarianista, anarquista e desordeiro, financiado pelo governo federal. Invasor de propriedades empresariais de pesquisa, financiado pelo governo federal e imune às leis do País, continua solto o sr. Stédile, agora condecorado como herói do País.

Martim Afonso de Souza mas_1942@hotmail.com 
Indaiatuba 

*
MINAS GERAIS

Pela segunda vez Minas Gerais desrespeita o Brasil. A primeira, não elegendo a pessoa mais qualificada para o cargo de presidente da República (vejam os fatos) e, a segunda, concedendo uma medalha para a pessoa mais improdutiva deste país. Parabéns!

José Roberto Palma palmajoseroberto@yahoo.com
São Paulo

*
CONDECORAÇÕES

Por que não condecorar o trabalhador brasileiro que vive com um salário mínimo? Por que condecorar o líder do MST? Qual é o mérito dele? Não houve, nesse ato, uma inversão de valores?
  
Maria do Carmo Zaffalon Leme Cardoso mdokrmo@hotmail.com
Bauru

*
TAXA DE MANUTENÇÃO

A presidente Dilma Rousseff sancionou recentemente o Orçamento Geral da União de 2015 contendo proposta do Congresso Nacional que triplica o Fundo Partidário, de R$ 289,5 milhões para R$ 867,5 milhões, algo equivalente a de “1 Barusco” para “3 Baruscos”. Fácil, então, constatar que, por mais doloroso que seja para nosso bolso, tal fundo não passará de mera e irrisória “taxa de manutenção” partidária caso a Operação Lava Jato termine em pizza, tendência que os indicadores mais recentes infelizmente vêm mostrando.

Lazar Krym lkrym@terra.com.br  
São Paulo

*
GOVERNO SEM ESCRÚPULOS

Mesmo com o País desfigurado na economia, sob o manto de um governo petista irresponsável, hoje inadimplente porque sempre gastou mais do que arrecada – e ainda exige que a nossa sociedade pague essa conta perversa por meio de um duro e inadiável ajuste fiscal –, a presidente Dilma Rousseff, demonstrando falta de escrúpulos institucional e que está de cócoras para o Congresso, sanciona o aumento cavalar do Fundo Partidário, a verba destinada aos partidos políticos todo ano. Se fosse o reajuste dentro do índice da inflação passada, já seria um escárnio, porque hoje esta gestão não tem recursos nem para pagar o cafezinho do Planalto. Porém, insensível aos graves problemas da nossa economia, Dilma sanciona o vergonhoso aumento dos já extorsivos R$ 289,5 milhões, de 2014, para R$ 867,5 milhões. Ou seja, aumento de 299,65% para a orgia interminável dos nossos parlamentares e gente do Planalto. Para o PT, que se danem os brasileiros enfermos que morrem nos corredores dos hospitais públicos por falta de atendimento; que se danem os funcionários do Itamaraty lotados no exterior, que não recebem do governo nem o valor de seu aluguel, são ameaçados de despejo e ainda precisam comprar o papel higiênico das embaixadas tirando dinheiro do próprio bolso. Mas verbas para os partidos, como PT, PP e PMDB, que roubam a céu aberto as nossas instituições, serão ofertadas de mãos beijadas, inclusive engordando a dívida pública. Tudo para garantir a presidente no poder, sem a ameaça do fantasma do impeachment, assim como também fez Lula, comprando o Parlamento com o mensalão... E o mais grave desta história é que a nossa inerte oposição, principalmente o PSDB, não vai rejeitar este reajuste desmoralizante do Fundo Partidário. Por quê? Porque é farinha do mesmo saco.

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com
São Carlos

*
COMO DANTES...

Conforme noticiado pela mídia, a presidente Dilma acaba de sancionar o Orçamento Geral da Nação para este ano sem vetar a proposta parlamentar de triplicar os recursos destinados ao Fundo Partidário. Deputados e senadores, preocupados com a possível perda do dinheiro provindo das grandes empresas, após a devassa feita pela Operação Lava Jato, já encontraram outra fonte de recursos, metendo a mão diretamente no dinheiro de nossos impostos. Ao mesmo tempo que o governo apela pelo ajuste fiscal, vai aumentando as despesas públicas. Em lugar de diminuir ministérios, secretarias, cargos de confiança, partidos, burocracia, continua agraciando a classe política, a grande responsável pelas nossas desgraças, especialmente a injustiça social. E isso porque, conforme as instituições que nos regem atualmente, o Poder Executivo não pode sobreviver sem o apoio do Legislativo. Infelizmente, até agora, os gritos do povo clamando por mudanças não conseguiram vencer o egoísmo dos homens que nos governam ou dizem nos representar.

Salvatore D’Onofrio saldo1@ig.com.br 
São José do Rio Preto

*
A ÓPERA DO PT MALANDRO

Deixa ver se eu entendi: o PT, impedido de fazer as maracutaias estelionatárias, padrão mensalão e petrolão, para financiar o seu projeto de poder, vê-se às voltas com a falta de grana e a expectativa de falência financeira e política. Vai à fada madrinha e, usando as artimanhas do seu vasto e podre repertório, possivelmente a do “ou dá ou desce”, consegue que a exaurida burra da viúva se abra triplicando a sórdida e imensa dinheirama distribuída aos partidos políticos. Coisa de rufião? Uma vez mais: que país é este?
 
Alexandre de Macedo Marques ammarques@uol.com.br 
São Paulo

*
AJUSTE FISCAL

Pressionada pelo PT, Dilma triplica verba do Fundo Partidário. Caso subisse na mesma proporção, em 21 anos, hoje o salário mínimo seria de R$ 77 mil. E não vamos comparar o salário dos aposentados, senão... Isso, sim, é “ajuste fiscal”!

José Carlos Alves jcalves@jcalves.net
São Paulo

*
SOCORRO!
 
Numa época de crise, quando o governo faz “pedaladas contábeis” para mascarar o superávit primário, os serviços essenciais estão péssimos e não há recursos para investir, o governo, indiferente à caótica situação, triplica o subsídio ao Fundo Partidário. Creio que, em razão da Operação Lava Jato, que tornou de conhecimento público a corrupção e minguou a irrigação financeira oriunda da Petrobrás, para suprir a enorme perda, generosamente Tia Dilma elevou a dotação do Fundo Partidário de R$ 289,5 milhões para R$ 867,5 milhões.

Humberto Schuwartz Soares hs-soares@uol.com.br 
Vila Velha (ES)

*
PEDALADAS & CICLOVIAS

Essas duas palavras têm algo em comum, pois as duas têm que ver com o lulopetismo de Dilma, Lula e Fernando Haddad. Dilma desrespeitou a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) em 2013 e em 2014, com suas pedaladas com mais de R$ 40 bilhões por meio dos “financiamentos” realizados indevidamente pela Caixa Econômica Federal, o Banco do Brasil e o BNDES ao governo federal, para que este, artificialmente, burlando as leis, fechasse suas contas. Por sua vez, Fernando Haddad, sem se preocupar com a entrega de medicamentos e outras situações mais relevantes existentes na cidade de São Paulo, se prende ao fato de tão somente querer gastar nosso rico dinheirinho nesta bobagem das ciclovias sem estudos prévios de viabilidade técnica. O governo Dilma foi devidamente incriminado por total unanimidade pelo Tribunal de Contas da União por suas pedaladas fiscais corrompidas por suas falcatruas. José Eduardo Martins Cardozo e Luiz Inácio Adams têm agora de inventar inverdades e sair em socorro dos malfeitos de sua patroa para tentar encobrir o sol com peneira para ainda obterem algum tempo antes de todas as acusações do TCU tomarem corpo e transformarem a carreira da presidente ainda mais penosa e instável por conta destes malfeitos atingindo um grau de insustentabilidade nunca antes visto neste país, parafraseando um certo ex-presidente, que ainda quer atuar com seus palpites fora de hora, sem saber que já era sem nunca ter sido. Sabiamente, Aécio Neves e FHC ainda negam a possibilidade do impeachment, cada vez mais próximo e inquestionável pelo fato de ter havido por parte da Presidência da República o crime de prevaricação neste fato das pedaladas fiscais. Vamos ver até onde estes ministros vão conseguir segurar a situação, que se mostra muito negra ao governo do PT.
 
Boris Becker borisbecker@uol.com.br  
São Paulo

*
MAIS UMA

Mais uma das “pedaladas” do PT, que ingenuidade! O atraso nos repasses do Tesouro começou no governo FHC, diz o ministro da Justiça do PT, José Eduardo Cardozo, para defender a irresponsabilidade do atual desgoverno. De novo? Quem fazia “oposição” no governo FHC? O PT... E nem contestou, por quê? E agora fazem o mesmo que até a quase inexistente oposição “pegou” – um erro não justifica o outro. Vão ter de arcar com as consequências. Além de tantos outros descasos e desrespeitos à responsabilidade fiscal, se entregaram outra vez à “manobra” que não deu certo. Foi mais uma nova pedalada dupla do PT, que pode custar a perda do mandato da dona Dilma. E agora? 
 
Fernando Silva lfd.dasilva@2me.com.br 
São Paulo

*
EFEITO DOS BEIJINHOS

Os “beijinhos” da presidente já começaram a produzir seus efeitos políticos. O presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), participando dos debates entre empresários e políticos no Fórum de Comandatuba, na Bahia, contrariando o que disse ao tomar posse como presidente da Casa Legislativa, que era contra os projetos de lei vindos do Planalto e que não fossem de interesse para o povo, depois de ser osculado carinhosamente pela presidente e honrado pela outorga com que ela lhe condecorou (a medalha da honra meritória com que o Exército brasileiro premia quem a merece), depois de tudo isso, o aludido presidente, numa vergonhosa mudança de opinião, ou por interesses escusos, vem a público declarar que “rejeita tese de responsabilidade da presidente por pedaladas fiscais”, querendo com isso livrá-la do processo de afastamento do cargo. Teve o descalabro de declarar que “deve rejeitar um eventual pedido de impeachment baseado nas chamadas pedaladas fiscais”. Pobre Brasil! De pedaladas em pedaladas, está sendo levado para o fundo do poço.

Antonio Brandileone abrandileone@uol.com.br 
Assis
     
*
O CRIME COMPENSOU

Eis mais uma novidade para nós, “os comuns”. Dependendo do poder que a pessoa tenha, o crime compensa. É o caso da sra. Dilma Rousseff: foi ministra de Minas e Energia, chefe da Casa Civil e presidente do Conselho de Administração da Petrobrás e está perdoada. Como presidente da república (minúsculo), foram uma enormidade a tal de “contabilidade criativa” e as “pedaladas” fiscais, mas igualmente está perdoada porque a irresponsabilidade ocorreu no mandato anterior. Pode? Incrível.

Sérgio Barbosa sergiobarbosa@megasinal.com.br 
Batatais 

*
DESESPERO COMPULSIVO

A presidente Dilma Rousseff pôs os ministros José Eduardo Cardozo (Justiça) e Luis Inácio Adams (AGU) para explicar as “pedaladas” fiscais, consideradas ilegais pelo Tribunal de Contas da União (TCU) (18/4, A4). Os petistas precisam parar de transferir os erros que eles próprios cometem para a oposição. Outra coisa que demonstra o seu próprio desespero é querer responsabilizar FHC por todos os males do País. Ora, se o Brasil foi descoberto no primeiro ano do primeiro mandato de Lula, como podem querer responsabilizar quem quer que seja pelas mazelas ocorridas nesses 12 anos de governo petista? Lembram-se da famosa frase repetida milhares de vezes por Lula, “nunca antes neste país”? Membros do governo continuam mentindo descaradamente para a população. Ocorre que enganaram por um bom tempo, mas não sempre. A foto de Cardozo e de Adams que ilustrou a matéria mostra duas pessoas não muito convictas do que estão falando. Senhores, quem põe em dúvida as “pedaladas” do governo são os membros do Tribunal de Contas da União, e não a oposição. Esta deseja, sim, uma investigação, assim como todos nós, o povo, a desejamos. E, por favor, parem de querer envolver FHC em suas trapalhadas. Essa atitude é muito infantil.

Alvaro Salvi alvarosalvi@hotmail.com
Santo André 

*
CHEQUE ESPECIAL ESTATAL

O ministro da Justiça, seu Zé Cardozo, e o advogado-geral da União, conhecido como “Alemão” pelo chefe dos chefes, foram apenas patéticos nas suas explicações sobre as “pedaladas fiscais”, consideradas, a priori, como ilícitas pelo Tribunal de Contas da União (TCU). Tais defesas podem ser resumidas para que o cidadão possa melhor entender: a manobra poderia ser, segundo as informações daquelas “otoridades”, algo como um cheque especial informal, ou conta estourada, o banco paga o cheque do cliente amigo e este cobre depois, quando tiver dinheiro. Mas “dentro do mês”, “algo que todo mundo faz”. Definitivamente, faltam ao ministro da Justiça e ao advogado-geral da União a seriedade, a responsabilidade e a ética, pressupostos inerentes aos cargos que ocupam. Pobre Brasil.

Carlos B. Pereira da Silva carlosbpsilva@gmail.com 
Rio Claro

*
DILMA PODERIA NÃO TER SIDO REELEITA

O TCU julga improcedentes as manobras contábeis feitas pelo governo Dilma, implicando o governo na Lei de Responsabilidade Fiscal. Mas tem um senão. O TCU responsabiliza apenas bagres pequenos, entre eles o ex-ministro Guido Mantega, porque até as pedras do Palácio sabem que ele não passava de uma marionete nas mãos da “presidenta gerenta incompetenta” Dilma, que conseguiu, no passado, falir uma lojinha de R$ 1,99. A única duvida é por que o TCU não analisou essas contas antes, já que o governo vinha usando desses precedentes há dois anos, tirando dinheiro de bancos estatais para cobrir rombos nas contas públicas, como se tudo fizesse parte do mesmo balaio. Ela poderia não ter sido reeleita, concorda, TCU? 

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br 
São Paulo

*
GOVERNANDO CONTRA O BRASIL

Analisando as notícias publicadas nos últimos dias pelo “Estadão”, com destaque especial para a incompetência do governo brasileiro para resolver os problemas do nosso comércio exterior diante das travas impostas ao Mercosul pela Argentina, concluo que há 15 anos o Brasil faz o papel de bobo, cedendo tudo à Argentina. Há poucos dias, a presidente argentina, Cristina Kirchner, inaugurou uma nova fábrica da Honda construída para exportar 80% de sua produção para o mercado brasileiro. Por outro lado, o “Estadão” nos informa que a fábrica Mercedes Benz do ABC demite 500 funcionários e tem outros 1,2 mil excedentes prontos para perderem o posto de trabalho. Também a Fiesp acaba de divulgar que a indústria paulista eliminou 17 mil empregos no mês de março, atingindo o impressionante número de 173 mil nos últimos 12 meses. E, para completar, o “Estadão” noticiou que a União Europeia, cansada da leniência brasileira em relação às travas colocadas pela Argentina no Mercosul, resolveu retirar de sua lista de prioridades um possível acordo de livre-comércio com o bloco. Nunca se viu tanto desleixo e incompetência de um governo que parece estar determinado a resolver os problemas dos países vizinhos, enquanto vira as costas para o futuro do nosso Brasil. A pergunta que fazemos é: O verdadeiro propósito do Mercosul é único e exclusivo para salvar a combalida economia argentina atendendo somente aos interesses de Buenos Aires, ou o gigante Brasil continuará letárgico e imóvel, vendo outros países se organizando em blocos para se protegerem de uma crise que se avizinha?

Wilson Sanches Gomes sancheswil@hotmail.com 
Curitiba

*
MINISTRO DA JUSTIÇA

O ministro José Eduardo Cardozo me fez lembrar o ocorrido durante uma visita do presidente do Paraguai ao Brasil. Na cerimônia de apresentação do ministro da Marinha paraguaia ao presidente brasileiro, este perguntou: Mas “pra que” ministro da Marinha, se o Paraguai não tem mar? Resposta do presidente paraguaio: E vocês têm ministro da Justiça “pra quê”?

José Gilberto Silvestrini jgsilvestrini@gmail.com 
Pirassununga 

*
DISCURSO PARA INVESTIDORES

Só pode ser brincadeira do ministro Joaquim Levy dizer, para investidores em Nova York, que o Brasil é “o país mais transparente do mundo” e que aqui “quem comete transgressões vai para a cadeia”. Se isso fosse verdade, o Brasil teria acesso à ficha criminal da atual presidente da República, documento escondido a sete chaves. O Brasil é o campeão mundial da impunidade, o sonho de todo criminoso é fugir para o Brasil, onde ninguém vai preso e, quando vai, cumpre apenas 1/6 da pena. Sr. Joaquim Levy, o mercado não gosta de quem faz de seus ouvidos um penico. 

Mário Barilá Filho mariobarila@yahoo.com.br 
São Paulo

*
O OTIMISMO DO MINISTRO

Vi as falas do ministro da Fazenda, Joaquim Levy, na Bloomberg em Nova York. Excesso de otimismo e um leve sorriso. Sorriso de hiena: RS 3,5 trilhões de dívida interna, R$ 500 bilhões da dívida da Petrobrás, orgia salarial do Judiciário e do Legislativo e seus efeitos-cascata, orçamento impositivo de congressistas que cheiram a corrupção sem limites, roubalheiras descobertas diariamente, pacote fiscal inócuo, pois só atinge aposentados e pensionistas, nenhuma perspectiva do que o sinalizado possa vir a melhorar, etc., etc. Ele quer enganar a quem? Porém é o único que pode fazer alguma coisa neste universo de incompetentes e corruptos que o cerca.

Paulo Henrique Coimbra de Oliveira h.coimbraoliveira@gmail.com 
Rio de Janeiro

*
JOAQUIM LEVY

Ministro office-boy, cuide dos sérios problemas do Brasil e esqueça os seríssimos e insolúveis do PT.
 
Roberto Hungria rosohu@bol.com.br 
Itapetininga

*
ISTO É O BRASIL

Dois acontecimentos para enlouquecer as cabeças pensantes deste Brasil: 1) pesquisa da Comércio RJ sobre os  hábitos culturais do Brasil informando que 73,7% dos entrevistados não vão ao cinema, 80,6% não vão a  shows, 88,6%  não frequentam uma sala de teatro, 91,2% não vão a espetáculos de dança e 92,5% jamais visitaram uma exposição de arte. Essa pesquisa serviu para mostrar que a nossa cultura está precisando com urgência de uma ação conjunta dos Poderes Legislativo e Executivo. 2) A afirmação, em Nova York, do ministro da Fazenda, Joaquim Levy, dizendo que o balanço da Petrobrás previsto para esta semana vai acabar com as preocupações dos investidores. Por que só os investidores e em Nova York? Por que o balanço demorou tanto?
 
Leônidas Marques  leo_vr@terra.com.br 
Volta Redonda (RJ)

*
A RECONSTRUÇÃO DA PETROBRÁS

Ao tomar posse como ministro da Fazenda de Dilma, Joaquim Levy dava a impressão de que seria um gato dentro de um balaio de ratos. No entanto, obediente à ordem da chefona, sua bisonha afirmação de que “a divulgação do balanço marcará a reconstrução da Petrobrás”, lamentavelmente, demonstra que as aparências enganam.

Roberto Twiaschor  rtwiaschor@uol.com.br
São Paulo

*
DESTRUIÇÃO

Joaquim Levy fala em reconstrução da Petrobrás. Claro, com a demolição da empresa feita pelo PT, só reconstruindo.

Luiz Frid luiz.frid@globomail.com 
São Paulo

*
A PETROLEIRA SAINDO DO BURACO

Caro. Joaquim Levy, não se sabe se, na sua candura, parece estar querendo dizer que a Petrobrás está saindo do rescaldo do incêndio PT na estatal. Quanto ao balanço da empresa, que deve ser divulgado hoje (quarta-feira), talvez só Levy acredite nos dados deste documento.

Ariovaldo Batista arioba06@hotmail.com 
São Bernardo do Campo
  
*
CORRUPÇÃO NA CPTM

A corrupção está muito em evidência nos tempos atuais. E, para aumentar o número de acusados, o Ministério Público Estadual acusa 11 executivos de empresas nacionais e internacionais envolvidos em manipulação de contratos da CPTM, nos anos de 2007 e 2008, ainda no governo Serra. Cabe, então, a pergunta: o governador sabia o que estava acontecendo? E mais, por que tanta lentidão na tramitação processual?

Uriel Villas Boas urielvillasboas@yahoo.com.br 
Santos

*
‘O ESTADO SOU EU’

O editorial “A Justiça e os pedidos de vista” (21/4, A3) explicou como o ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), ao retardar por mais de um ano a devolução do seu pedido de vista no julgamento da ação impetrada pela Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) que contesta a constitucionalidade das contribuições de pessoas jurídicas a campanhas eleitorais, pretende legislar, ele mesmo, sobre o assunto. A maioria dos ministros do Supremo já decidiu pela inconstitucionalidade de tais contribuições. O ministro Gilmar, como já declarou publicamente, é a favor das contribuições de pessoas jurídicas e, bem sabe, seu voto será vencido. Segundo o editorial, para o ministro a definição do modelo de financiamento é de competência do Legislativo, e não do Judiciário. Certamente. Mas certamente também não é competência isolada dele, Gilmar, o Grande, legislar sozinho sobre o assunto.

Luiz Antonio D’Arace Vergueiro luiz-vergueiro@hotmail.com 
São Paulo

*
VISTA DO PROCESSO 

Muito tem se reclamado sobre a atitude alguns ministros do STF que solicitam pedido de vista de determinado processo, e, depois, não exercem vista nenhuma e deixam o processo dormitando em gaveta própria, em prazos de permanência que ultrapassam o bom senso, chegando alguns a 19 anos parados, como é o caso do ex-ministro Sepulveda Pertence, e temos agora o ministro Gilmar Mendes ultrapassando os 360 dias de posse de processo para pedido de vista, e que deve estar dormindo também naquela gaveta própria. Como estão surgindo opiniões para dar cabo desse estratagema, seria bom que cada ministro tivesse apenas 20 dias para examinar o processo de que solicitou o pedido de vista, e, terminado esse prazo, incorreria em pagamento de multa pecuniária, a cada dia de atraso, após os 20 dias iniciais. Tenho a certeza de que tudo correria bem rápido, pois ninguém gosta que lhe enfiem a mão no bolso para sacar seu suado dinheirinho.

Douglas Jorge douglasjorge@terra.com.br 
São Paulo 

*
FINANCIAMENTO DE CAMPANHAS POLÍTICAS

Como é o financiamento das campanhas políticas? O candidato também se responsabiliza pelo financiamento? Caso o candidato não seja eleito, como fica a sua situação perante a instituição? A vida de um político é diferente da vida de um cidadão comum? Quando preciso de um financiamento, como qualquer mortal, vou até um banco e pergunto ao gerente se é possível financiar a compra de um imóvel ou de um automóvel. Ele pede uma batelada de documentos e me informa o quanto em valor posso financiar sobre o bem desejado. O gerente me passa os juros, os valores das mensalidades, o tempo do financiamento e o que acontece comigo, caso eu não consiga pagar as prestações.

José Martin jlmartin@estadao.com.br 
São Paulo

*
10% DO PIB PARA A EDUCAÇÃO

Tem havido defesa da destinação de 10% do produto interno bruto (PIB) nacional para a educação. A preocupação com os destinos da educação é legítima. Mas destinar 10% do PIB, que não é propriedade do poder público, precisa ser mais bem esclarecido. Como é sabido, dos 100% da produção nacional, cerca de 40% são arrecadados pelo poder público. Quando se fala em destinar 10% desse PIB para a educação, está-se a considerar mais 10%, em cima dos 40%, elevando, assim, a carga tributária a 50%? Isso seria uma insanidade manifesta. Outro entendimento seria que, da atual carga tributária, o destinado à educação equivaleria a 10% do PIB. Isso resulta em sacar dos 40%, destinados a satisfazer todas as obrigações do poder público, 10% (equivalentes do PIB), que perfazem um quarto da carga atual. E as demais obrigações permaneceriam as mesmas. É outra sandice. O que se passa na cabeça dessas pessoas que defendem tal tese?

Mario Helvio Miotto mariohmiotto@gmail.com 
Piracicaba

*
TRAGÉDIA NO MEDITERRÂNEO

Triste e inaceitável que o Mar Mediterrâneo tenha se tornado a tumba para milhares de imigrantes africanos pobres que tentam chegar à Europa. Só nos últimos dez dias, mais de mil pessoas morreram nessas travessias quase suicidas, vindos do norte da África em embarcações precárias e superlotadas rumo a uma vida melhor ou mesmo à sobrevivência na Itália ou na Espanha. A Europa e os EUA são responsáveis diretos por essa tragédia humana e têm a obrigação de ajudar os povos desses países, assolados pela fome, guerra, fanatismo religioso e desemprego. O mundo não pode cruzar os braços e se calar, em pleno século 21, diante de tamanha injustiça e crueldade, numa tragédia mais do que anunciada e evitável.
 
Renato Khair renatokhair@uol.com.br 
São Paulo

*
HUMANIDADE E AS ESTATÍSTICAS

Nós, aqui, do outro lado do Atlântico, da Europa e da Ásia, já nos acostumamos com as estatísticas funestas das vítimas dos terroristas islâmicos no Oriente Médio e na África. O que são mais alguns milhares de seres humanos sacrificados pela bestialidade de fanáticos religiosos? Nada, simplesmente números. Agora uma nova modalidade de extermínio em massa está ocorrendo com nossos irmãos africanos. Na tentativa de fugir da fome, da opressão ditatorial, do fanatismo religioso, etc., homens, mulheres e crianças se aventuram, em embarcações condenadas, pelo Mar Mediterrâneo, na vã esperança de serem acolhidos pelos europeus, principalmente a Itália, vizinha mais próxima da costa africana. Mas a maioria não chega viva ao outro lado. Os naufrágios são constantes e fatais para a maioria dos imigrantes. O papa Francisco usa de sua força espiritual para conclamar os povos europeus A serem mais receptivos aos imigrantes, mas sua interferência e suas orações parecem não tocar as consciências dos governantes. Agora se noticia que mais ou menos 700 imigrantes tenham se afogado em novo naufrágio, mas serão apenas mais almas para engordar as estatísticas da ONU. Deus, na sua infinita bondade e misericórdia, com certeza vai interferir neste genocídio do século 21, contra os assassinos que agem à revelia do Islã, e acalmar as ondas traiçoeiras do Mar Mediterrâneo.        

Aloisio A. de Lucca aloisiodelucca@yahoo.com.br 
Limeira

*
A DIÁSPORA AFRICANA

Um novo holocausto está ocorrendo com as desesperadas fugas de migrantes africanos pelo Mar Mediterrâneo rumo à Europa, que já contabilizam centenas de mortos, tal a precariedade e superlotação das embarcações que trazem esses infelizes viajantes. As causas dessa nova diáspora africana têm origens remotas e atuais, que envergonham a consciência mundial, principalmente das nações coloniais europeias, que, estupefatas, tentam conter essa tragédia humanitária.

José de A. Nobre de Almeida josedalmeida@globo.com 
Rio de Janeiro

*
IMIGRAÇÃO NA UNIÃO EUROPEIA?

Ninguém se convida para pernoitar ou tomar refeição na casa de outrem. Sem convite, considera-se invasão de domicílio.

Sergio S. de Oliveira ssoliveira@netsite.com.br 
Monte Santo de Minas (MG)

*
A HISTÓRIA SE REPETE

Chocante a foto de capa do “Estadão” de ontem (21/4). Eu pergunto: Qual o brasileiro puro sangue?  Como disse FHC, todos nós temos um pé na cozinha. Mistura de índio, português, holandês, francês, árabe, inglês, africano, mouros, espanhóis, e por aí vai. Nem a raça pura, ariana, sonhada por Hitler, é tão pura assim, uma vez que é indo-europeia. Durante a 2.ª Guerra Mundial, muitos estrangeiros desembarcaram aqui. Meu tio era italiano, meu padrinho, hungarês. Eles contavam a travessia num navio, amontoados num porão, como porcos. A história se repete. A guerra continua sendo a maior causadora de deportação no mundo. A tão sonhada paz mundial está longe de ser alcançada; muito pelo contrário. Encarniçados como cães, os homens lutam pelo poder, pela massificação dos credos e das ideias. 

Ecilla Bezerra ecillabezerra@gmail.com 
Peruíbe

*
CORINTHIANS X PALMEIRAS

Imperdoável, para dizer o mínimo, a decisão tomada por Tite, técnico do Corinthians, de colocar em campo contra nosso principal rival dentro e fora de campo, o Palmeiras, o time reserva do Parque São Jorge, mesmo sabendo que viria pedreira. Até as pedras sabiam que o Palmeiras viria com a faca nos dentes para o derby de semifinal do Paulistão na Arena Corinthians. Era para o alviverde uma partida de vida ou morte, para se redimir dos problemas que enfrentou nos últimos anos, como também pelo fato de ter perdido a partida anterior para o Corinthians em sua própria casa, no Allianz Parque, por 1 a 0. Um técnico hoje considerado o mais bem preparado entre os treinadores brasileiros não poderia achar que teria moleza. 

Turíbio Liberatto turibioliberatto@hotmail.com 
São Caetano do Sul

*
VITÓRIA DO PALMEIRAS

O grande Palmeiras desclassificou o já desclassificado Corinthians do Campeonato Paulista. Foi a maior vitória do Palmeiras nos últimos 101 anos. Uma vitória de todo o esporte honrado, e em plena arena mensalão, ops Itaquerão. Parabéns, Palmeiras, clube honesto e de garra, que não precisa de conluio com políticos corruptos para construir arenas de futebol. Foi a justiça dos deuses do esporte.

Vagner Ricciardi vbricci@estadao.com.br 
São Vicente 

*
TITE PERDEU JOGO GANHO 

Quem viu o jogo do Corinthians x Palmeiras teve uma certeza: o alvinegro perdeu um jogo ganho por culpa de Tite, que não sei se por sua orientação  voltou para o segundo tempo para administrar o resultado, como tem feito outras vezes. Portanto não venha chorar a eliminação com esta de que foi injusto um invicto ficar fora das finais, porque no futebol não existe isso. 

Laércio Zanini  spettro@uol.com.br 
Garça

*
DERROTA CORINTIANA

Ué, reclamando de quê? Não era mata-mata que todo mundo queria? A final Santos x Palmeiras vai passar só na Rede Vida.

Luiz Henrique Penchiari luiz_penchiari@hotmail.com 
Vinhedo

*
SEM PARAR, A CANCELA QUE NÃO ABRE

Há pouco tempo ocorreu acidente com vítima fatal na praça de pedágio Anhanguera (Sumaré). Comigo foram dois sustos que não tiveram maior gravidade por causa da minha atenção e dos meus reflexos. Domingo 12/4, em torno de 15 horas, vindo de Itapira, sentido Campinas, quase me envolvo num acidente numa praça de pedágio, pois muitos motoristas à frente, seguramente assustados, frearam de repente. A propósito, demorou para um agente vir liberar a cancela. Situações assim, previsíveis para a concessionária e para o Sem Parar, têm de ser eliminadas com tecnologia. Na iminência de fechamento da cancela, bastaria fotografar a placa do veículo e emitir uma notificação/cobrança. Assim os usuários teriam a devida segurança. E pergunto: no caso de um acidente, quem se responsabiliza pelos danos materiais e aos passageiros?

Paulo Vaz de Lima avacanoeiro@hotmail.com 
Limeira  

*
DESMATAMENTO NA AMAZÔNIA

Depois de passados tempos tenebrosos, com escassos volumes de água, as variações climáticas intensificando o clima seco com temperaturas acima do normal, ainda hoje vejo no “Estadão” a notícia de que houve neste ano um aumento de 195% no desmatamento da Amazônia, comparado ao mesmo período do mês de março de 2014. O nosso governo, infelizmente, só serve para fazer políticas sujas, roubalheiras e conluios (dá lá e tome cá), enquanto o País está entregue aos assassinos soltos. Se não for tomada, urgentemente, alguma medida, não teremos mais florestas, então viveremos na aridez do desconforto causado pelos irresponsáveis e pela omissão deste governinho corrupto, indecente e desavergonhado. 

Antonio Carniato Filho antoniocarniato@gmail.com 
Santa Rita do Passa Quatro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.