Fórum dos Leitores

POLÍTICA ECONÔMICA

O Estado de S.Paulo

01 Outubro 2011 | 03h07

Metas e inflação

Leio no Estadão que o governo superou todas as metas econômicas estabelecidas, inclusive a inflação, o que é pior. Se continuar com essa política de juros baixos, em 2012 a inflação vai estourar. E se ela criar metástases o governo não vai mais conseguir estancá-la. Porque inflação é câncer.

OLYMPIO F. A. CINTRA NETTO

ofacnt@yahoo.com.br

São Paulo

Previsões

Grande descoberta do Banco Central, ao declarar que prevê PIB em baixa e inflação em alta. Ninguém até então havia percebido, muito menos sentido no bolso, não é?

ANGELO TONELLI

angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

COPA 2014

Folgados

Brilhante o projeto do deputado maranhense Cleber Verde (PRB) para que as férias escolares coincidam com a abertura e o encerramento da Copa. Já estou até antevendo propostas de emendas ao projeto: recesso parlamentar, férias coletivas para juízes, feriado bancário... E nós, os trabalhadores, tendo de dar duro dobrado para compensar tanta folga!

ROBERTO SARAIVA ROMERA

robertosaraivabr@gmail.com

São Bernardo do Campo

INFRAESTRUTURA

Concessão x privatização

Uma nova e conveniente interpretação semântica, concessão no lugar de privatização, serve para tranquilizar os ideólogos do PT e seus caudatários funcionais. Essa sutileza demonstra a debilidade dos argumentos populistas da esquerda e como os defensores da estatização ficam ridículos num contexto político pragmático que se mostra indiferente às suas lucubrações demagógicas!

EUGÊNIO JOSÉ ALATI

eugeniojosealati@yahoo.com.br

São Paulo

CESARE BATTISTI

Assassino condecorado?

Atenção, eleitores paulistas e paulistanos, para o nome do brilhante vereador. De onde surgiu esse Juscelino Gadelha, do PSB, que quer homenagear o italianíssimo assassino Cesare Battisti com o título de Cidadão Paulistano? Quem elegeu esse cara? Ele é do PSB ou do PT? Será que ainda votarão nele? Que país é esse...?!

JOSÉ ALBERTO DE PAIVA

alpai12@yahoo.com.br

São Paulo

Cidadãos paulistanos

Na qualidade de brasileiro, pois não sou paulista, venho sugerir ao vereador Juscelino Gadelha, que propôs a concessão do título de Cidadão Paulistano ao criminoso Cesare Battisti, que na mesma indicação, por equanimidade, seja incluído também o nome de Fernandinho Beira-Mar. Sr. Juscelino Gadelha, crie vergonha e use melhor o seu mandato e o tempo disponível, por gentileza.

CLAUDIO JUCHEM

cjuchem@gmail.com

São Paulo

Na Corte de Haia

E a Corte Internacional de Haia vai julgar o caso Battisti. A meu ver, a Nação brasileira não precisava passar pela vergonha de ser conhecida como uma republiqueta que dá guarida a assassinos.

ALBERTO SOUZA DANEU

adaneu@gmail.com

Osasco

CENSURA

Comercial de lingerie

A ministra Iriny Lopes está preocupada com a reputação das mulheres? A referida propaganda avilta a moral? Ora, faça-me o favor. O que essa senhora tem a dizer sobre as estatísticas apontando que uma mulher é espancada a cada cinco minutos no Brasil? E sobre a prostituição infantil? E sobre as letras de músicas funk, em que as mulheres são retratadas como lixo sexual, como se toda mulher fosse prostituta até prova ao contrário? A explicação é simples. Nesse desgoverno do PT, são 35 Ministérios (acertei?), mais uma infinidades de secretarias especiais. Assim fica difícil aparecer na mídia e mostrar que se está trabalhando. O que essa senhora quer são 15 minutos de fama em cima de uma pessoa famosa internacionalmente. Por que os comunistas acham que o Estado tem de cuidar de nossa vida? Tratam-nos como idiotas que não sabem discernir entre algo bom ou ruim. Se a propaganda ofende as mulheres, com certeza elas deixarão de comprar a referida roupa, a empresa terá prejuízo, pedirá desculpas e tirará por si mesma a propaganda do ar. Não precisamos de patrulhamento!

SERGIO MICHILIN

ser.michilin@hotmail.com

Osasco

De Luluzinhas e valquírias

A titular da Secretaria de Políticas para as Mulheres, Irany Lopes, conseguiu, com uma infeliz ideia, dar visibilidade ao seu nome e à pasta que ocupa, criada no vácuo de tantas outras improdutivas. Parece que está faltando o que fazer e também um pouco de criatividade. Irany quer proibir (censura à livre expressão) que Gisele Bündchen, o maior orgulho brasileiro nas passarelas do mundo, continue a divulgar um comercial de lingerie. Programas de televisão e revistas divulgam à exaustão esse tipo de propaganda e as mulheres jamais se sentiram incomodadas. Mulheres são espancadas e mortas diariamente sem que os carrascos sejam punidos. Espero que o loteamento de cargos por mulheres não transforme o governo num clube da Luluzinha ou numa cidadela de valquírias.

JAIR GOMES COELHO

jairgcoelho@gmail.com

Vassouras (RJ)

OPERAÇÃO BOI BARRICA

Esclarecimentos

Os ministros do STJ que anularam as provas da Operação Boi Barrica, da Polícia Federal (PF), devem mesmo ser convocados a dar esclarecimentos à Nação. Ao blindarem os investigados, ligados às entranhas do poder, os ministros jogaram no lixo um trabalho sério e custoso da PF, do Ministério Público e do próprio Judiciário, sem razão aceitável. Trata-se de decisão judicial que se discute e cujo cumprimento revolta os brasileiros.

JAIRO EDWARD DE LUCA

jeluca.dois@yahoo.com.br

São Paulo

Jamais, em tempo algum

Sabem quando a Câmara dos Deputados conseguirá alguma informação/explicação sobre a decisão a respeito do assunto Boi Barrica? Nunca! Esse tipo de decisão é denominado "não esquentem que já, já, cai no esquecimento".

JOSÉ PIACSEK NETO

bubapiacsek@yahoo.com.br

Avanhandava

 

ÁRABES ATIVOS

Na semana em que a presidente Dilma Rousseff declarava, na ONU, o voto do Brasil a favor da criação do Estado da Palestina - que, todos esperamos, seja o marco de paz e segurança duradouras na região -, em São Paulo a comunidade árabe se movimentava. O empresário Carlos Eduardo Calfat-Salem inaugurava um espaço cultural, no vasto muro de sua residência, com versos pinçados de um dos muitos poemas de Paulo Bomfim, considerado o Príncipe dos Poetas Brasileiros. Lá estiveram a banda da Polícia Militar e o grupo italiano Amarcord, que apresentou árias de óperas e cançonetas todas conhecidas, que tiveram o acompanhamento dos presentes. É uma ideia que ele trouxe da França e quer ver implantada em outros bairros da Capital, bem como em outras cidades brasileiras. E a Câmara de Comércio Árabe Brasileira homenageou com um jantar o empresário Lourenço Chohfi que, aos 86 anos, ainda dá expediente diário no escritório que pertenceu ao seu pai Ragueb, um dos fundadores da Rua 25 de Março. Lourenço também cuida do entorno do Monumento à Amizade Sírio-Libanesa, entregue pela comunidade à população, em 1928, para comemorar o Centenário da Independência. É uma pena que o grande monumento de 14 metros de altura, situado na Praça Ragueb Chohfi, localizada entre a 25 e o Parque D. Pedro II, mesmo cercado por grades, mostre a ação do vandalismo, com pichações e furto de partes de algumas figuras de bronze que compõem a obra do escultor italiano Ettore Ximenes e está aguardando as providências da Secretaria Municipal de Cultura.

Carlos Abumrad, jornalista e escritor biográfico da comunidade empresarial sírio-libanesa carlos@editoraclc.com.br

São Paulo

*

SHOPPING CENTER NORTE

A manobra do prefeito Gilberto Kassab e do Shopping Center Norte foram perfeitas para o nosso padrão tupiniquim e previsíveis, diga-se de passagem. Até o Boris Casoy cantou a trama anteontem. O Kassab manda lacrar para se eximir de responsabilidade de uma eventual e altamente provável explosão.

O shopping, por sua vez, consegue uma "liminar" para abrir as portas ao público, como sempre e, assim fica tudo igual, "como sempre". Pergunta: se explodir e morrer gente, o juiz que deu a liminar é responsável? Paga as indenizações ou sobra para o INSS (nós). A segurança real das pessoas que se dane! O que vale é a grana, não é? Como sempre neste país...

Ricardo Guerrini ric@guerrini@hotmail.com

São Paulo

*

PREFEITURA X SHOPPING

Mesmo contra a vontade da família proprietária do terreno onde foi construído o Center Norte, a Prefeitura do município sempre usou aquele espaço em outras épocas para depositar parte do lixo recolhido da cidade, até que uma ação dos proprietários que durou décadas proibiu a Prefeitura de contaminar a área usando-a como lixão que produz gás metano. Hoje essa mesma Prefeitura quer interditar o shopping. Pergunto: se foi ela que contaminou o terreno e nunca criou nenhuma restrição em relação à construção daquele shopping, por que tenta agora fechá-lo?

Peter Cazale Pcazale@uol.com.Br

São Paulo

*

LIXÃO?

Moro no bairro Jardim São Paulo há 66 anos e nunca soube da existência de um lixão na região onde seria construído o Shopping Center Norte. No local havia muitas lagoas e campinhos de futebol. Porém lixão nunca houve. Até pelo cheiro que deveria exalar do local, todos os moradores deveriam saber de sua existência na época. Desafio alguém a mostrar alguma foto desse lixão! O que verdadeiramente existe são os interesses de outros shoppings que ficam incomodados com o alto faturamento do Center Norte e estão fazendo esse movimento para fechá-lo. E aqui cabem algumas pergunta aos "doutores do meio ambiente": E a Marginal, que passa colada ao shopping? E o Cingapura? E as ruas que cortam o shopping? Com eles ninguém se preocupa? E a Delegacia Depatri, vizinha ao shopping, fechará suas portas? Ou será que a área do tal lixão só corresponde exatamente àquela sob a qual estão as paredes do shopping, do Lar Center e do Novotel? Pobre e podre Brasil, o país de interesses escusos.

Paschoal L. Paione paione@cantareira.br

São Paulo

*

PELA INTERDIÇÃO

Na época em que houve a explosão do Shopping Center Osasco, eu morava nas proximidades daquele Shopping e acompanhei o sofrimento de dezenas de famílias que foram vítimas daquela explosão, além de várias pessoas que perderam a vida. Creio que até não concluir que tecnicamente o shopping seja 100% seguro, deverá ficar fora de funcionamento, até por que, muitas vezes as conversas vão e ficam os fatos.

Virgílio Melhado Passoni mmpassoni@gmail.com

Jandaia do Sul (PR)

*

MELHOR PREVENIR

Sempre é bom lembrar que, se ações preventivas tivessem sido tomadas, tanto no Aeroporto de Congonhas como pela TAM, naquela noite chuvosa de 17 de julho de 2007, certamente não teria acontecido o acidente com o voo TAM 3054. Portanto, não restam dúvidas de que, no presente caso do Shopping Center Norte e adjacências, melhor prevenir que remediar

Vanderlei Zanetti vanzanetti@uol.com.br

São Paulo

*

AUTORIZAÇÃO

Afinal, quem autorizou a construção deste Shopping num local contaminado?

Milton Bulach bulach@estadao.com.br

Campinas

*

RISCOS

Só uma pergunta de uma pessoa talvez pouco esclarecida no assunto, porém não burra e muito menos desonesta: Por que a Prefeitura do Município de São Paulo "autorizou", "aprovou", expediu "habite-se"? E, consequentemente, os "alvarás" de funcionamento para o universo de lojas comerciais em funcionamento numa obra dessa magnitude e grandiosidade, se a mesma sabia que esse empreendimento estava sendo edificado sobre um lixão e que sem dúvidas qualquer engenheiro, por menos capacitado que fosse, deveria prever que a evaporação de gás metano era inevitável? E exigiram antes de construir que o terreno fosse adequado tecnicamente para "drenar" e "extrair" os gases acumulados no subsolo. Para, desta forma, evitar qualquer risco de explosão como mencionado.

Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

*

RESPONSABILIDADES

É fácil para os governos (municipal, estadual e federal) multarem a iniciativa privada e fecharem um dos maiores shoppings da cidade. Porque não são eles que têm de remediar a situação. O que acontece quando quem tem responsabilidade é o governo como quando têm de tirar as favelas de áreas de mananciais, ou de áreas de risco, como morros ou mesmo sobre lixões? Multam quem? Dão prazos para a remoção?

Mauro Wjuniski maurow@lynxar.com

São Paulo

*

SÃO PAULO GRANDE

São Paulo quer porque quer ser sempre a número 1 do Brasil. O Rio de Janeiro tem alguns bueiros voadores. São Paulo, para ficar sempre com vantagem, tem um shopping center completo mais um supermercado? Que beleza, o Guiness vai chegar já, mas uma perguntinha boba não quer calar: Por que depois de tanto tempo a Cetesb acordou? Será que alguém legou algum cala a boca anteriormente? O buraco é mais embaixo e o problema também independe do tamanho do metano.

Asdrubal

Gobenati asdrubal.gobenati@bol.com.br

Rio de Janeiro

*

GREVE DOS CORREIOS

Quiçá as greves do Correios e dos bancários, ora em andamento, tragam um benefício para a população, a constatação de que poderemos prescindir dessas categorias. Há luz no fim do túnel sem elas.

Mauro Ribeiro Gamero mrgamero@ajato.com.br

São Paulo

*

CORPORATIVISMOS

A polêmica envolvendo o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) não está longe de outra, que envolve a desmoralização do Conselho de Ética (sic) da Câmara dos Deputados - colegiado que acaba de arquivar, por 16 votos a 2, as acusações contra o notório deputado Valdemar Costa Neto (PR-SP) sem nem sequer abrir investigações. A decisão corporativa desse inodoro conselho já era esperada, à vista do recentíssimo precedente envolvendo a deputada Jaqueline Roriz - inocentada mesmo tendo contra si farto material incriminatório. Por sua vez, o CNJ está incomodando parte da magistratura, que prefere ver os seus faltosos julgados por corregedorias "amigas" de viés igualmente corporativo, nos tribunais aos quais pertencem. O espírito da Emenda Constitucional que criou o CNJ vai, justamente, em sentido contrário a isso. A instituição do chamado "controle externo" tem como fundamento o convencimento político de que os "bandidos da toga", nas palavras da ínclita ministra Eliana Calmon, não podem ser julgados por panelinhas de corregedorias "amigas", as quais só fazem passar a mão na cabeça dos "seus". Como o CNJ está mostrando serviço, já que tem punido com rigor vários magistrados, vê-se, então, agora, esse movimento para esvaziar suas prerrogativas, o que, caso venha a acontecer, redundará num clamoroso retrocesso institucional. Nesse particular, certíssimo está o senador Demóstenes Torres (GO) em insistir em uma nova Emenda à Constituição redefinindo que o CNJ, como órgão de controle externo, não pode nem deve se subordinar - em casos de apuração de malfeitorias imputadas a magistrados - às decisões de órgãos colegiados a que pertencem os acusados. O Estado Democrático de Direito agradece.

Silvio Natal silvionatal49@yahoo.com.br

São Paulo

*

HOMENS TOGADOS

Não me recordo da presença de um representante do Conselho de Magistratura (CMB) e do Supremo Tribunal Federal (STF) durante o velório e sepultamento da juíza Dra. Patrícia Accioli. Surpreende-me que, para fazer a defesa de alguns juízes que encontram-se sob suspeita pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ), membros dessas entidades sempre se fizeram presentes. Basta rever o caso levantado pela Dra. Eliana Calmon, juíza que colocou sob suspeita os homens togados. Certamente acontecimentos como esses não existiriam se, na Constituição de 1988, nossos parlamentares não tivessem deixado para escolha política a indicação dos membros do STF. Alguém ainda tem dúvidas de que a indicação para o STF deveria ser por promoção de carreira, e não por indicação do presidente da Republica? Acorda, Justiça brasileira.

Leônidas Marques leo_vr@terra.com.br

Volta Redonda (RJ)

*

ADIN 2415

A propósito da crise do Judiciário, instaurada a partir de seus órgãos administrativos, inclusive do CNJ, espera-se agora do STF, a exemplo da consolidação da inconstitucionalidade do ato administrativo, o Provimento 747/2000 do Conselho Superior da Magistratura de São Paulo, na decisão que julgou improcedente a ADI 2415 para preservar os sete concursos para os cartórios já realizados, que consolide também a inconstitucionalidade do ato administrativo, o Provimento 612/98 do mesmo Conselho, que estabeleceu as normas para realização dos referidos concursos ao arrepio da legislação vigente (Lei Complementar Estadual 539/88; art. 68, parágrafo único da Constituição Paulista art. 68; e arts. 16 e 18 da Lei Federal 8.935/94), que decida também pela improcedência da ADI 3812, impetrada contra o Provimento 612/98 para preservação definitiva dos referidos concursos, mas que, a exemplo do que deixou assentado na decisão da ADI 2415 que daqui para a frente os Tribunais de Justiça de todo País só podem criar, modificar e extinguir cartórios mediante Lei de iniciativa do próprio Tribunal de Justiça, deixe também assentado na referida ADI, e também no julgamento da ADPF 209, da ADC 14 e da ADI 4300 que, doravante, os Tribunais de Justiça do País só podem realizar os concursos de provimento dos cartórios com base nas normas estabelecidas por lei dos Estados, observadas as normas gerais da Lei Federal.

Claudio Marçal Freire, presidente do Sindicato dos Notários e Registradores do Estado de São Paulo cmfreire@uol.com.br

São Paulo

*

PRIMAVERA NA JUSTIÇA JÁ!

Por que seria privilégio da Justiça ser o único poder imune à corrupção? Por que deveriam todos se calar como se isto fosse um protesto fora de lugar ou um ato subversivo, tal qual ocorre nos regimes ditatoriais que desejam a submissão de suas populações frente ao peso das injustiças? Não tem, por acaso, a juíza corregedora Eliana Calmon o direito e o dever de questionar e colocar a nu nossa realidade? Nora de juiz, já falecido, lembro-me de meu sogro lamentar pesarosamente alguns casos de falta da idoneidade de membros da magistratura à época. Ora, nenhum brasileiro confia na nossa Justiça por vários motivos: primeiro, porque ela é morosa e isso dá margem a se pensar que juízes estejam contribuindo para beneficiar quem não deveria, procrastinando decisões, como é o caso do mensalão e levando em muitos outros, à prescrição de crimes. E, vamos lá, todos sabem que onde a justiça tarda não existe justiça; segundo, porque não é cega já que alguns 'incomuns' são visivelmente mais favorecidos que outros: terceiro e a mais óbvia, porque quando há percepção generalizada de que a Justiça num país não é justa é porque não é mesmo.

Eliana França Leme efleme@terra.com.br

São Paulo

*

FAXINA NO JUDICIÁRIO

A corregedora Eliana Calmon deu um pontapé inicial para o inicio da faxina no Poder Judiciário. Claro que ira enfrentar opositores (corruptos) pela sua brilhante iniciativa. Mas pode contar com a gente. Se não tiver verba suficiente para a compra de produtos de limpeza, fazemos uma vaquinha, mas a faxina não pode parar. Temos que acabar com essa herança maldita chamada corrupção.

Maria Carmen Del Bel Tunes Goulart carmen_tunes@yahoo.com.br

Americana

*

POBRE JUSTIÇA BRASILEIRA

O Supremo Tribunal Federal (STF) deverá decidir se limita a atuação do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) no julgamento e punição de magistrados, atendendo ação proposta pela Associação dos Magistrados do Brasil (AMB). Desde sua instalação em junho de 2005, o CNJ já condenou em processo administrativo 49 juízes por, usando a novilíngua, "malfeitos" no exercício da profissão. Levando-se em conta o número de juízes no Brasil e o número de condenados, chegamos à triste conclusão de que o percentual de bandidos na justiça brasileira supera a dos bandidos na população como um todo, só perderia o honroso lugar para o Legislativo se os bandidos de lá não estivessem protegidos por uma excrescência chamada imunidade parlamentar e pudessem ser julgados. O cálculo é simples, aconselho a todos efetuá-lo para que não tenham dúvidas de que a corregedora Eliana Calmon tem absoluta razão ao afirmar que a magistratura "está com gravíssimos problemas de infiltração de bandidos escondidos atrás da toga". Agora acreditem, os "meritíssimos" condenados são premiados com uma aposentadoria compulsória e salários integrais. Eu e toda a sociedade conhecemos a aposentadoria por idade, por invalidez permanente e por tempo de contribuição. Saibam que existe também a aposentadoria por corrupção; é exclusiva do poder Judiciário, é compulsória e tem salário integral.

Humberto de Luna Freire Filho hlffilho@gmail.com

São Paulo

*

TOGAS AMARROTADAS

Jamais, em tempo algum, estiveram tão expostas e com suas vísceras tão escancaradas como atualmente, pela ação da imprensa que com reportagens e notícias profundas colocam a caixa preta da Justiça á visitação pública. Vejam o exemplo fora dos padrões de humanidade ocorrido recentemente. Um Skinhead obrigou dois jovens a pular do trem em movimento, fato ocorrido em Mogi das Cruzes (SP). O acusado do crime ocorrido em 2003 é julgado e condenado a 31 anos de prisão. Mas aí entra a Justiça e por decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), vai aguardar em liberdade os recursos da defesa, isto é, o crime será prescrito, o acusado estará livre e solto, enquanto um dos jovens morreu e o outro teve o braço direito amputado. Justiça para os maus. Existe, sim.

Jair Gomes Coelho jairgcoelho@gmail.com

Vassouras (RJ)

*

MUDANÇA

Definitivamente o Brasil esta mudando. E essa mudança está ocorrendo através das mulheres, quando assumem o poder de Estado. Vimos a presidente discursar na ONU de forma independente e como uma verdadeira estadista, não sem antes começar a promover uma faxina moral em alguns ministérios - e esperamos que continue. Agora a ministra Eliana Calmon, do STJ, corregedora do CNJ, tomar, com força e vigor, posição clara e objetiva, no sentido de extirpar do Poder Judiciário - o qual já foi dito alhures, o menos corrupto dos Poderes da República - aqueles que não honraram seu juramento para vestir a toga. Não resta a menor dúvida - e aqueles que militam no Pode Judiciário bem o sabem - que há, sim, condutas incompatíveis com a grandeza da Judicatura, que vão desde a simples "juizite" até casos mais graves de incompatibilidade com o exercício do cargo. São poucos, mas existem. Também, não se deixar de constatar que o ministro Cezar Peluso, tem flagrante viés corporativista, talvez por ser oriundo da Magistratura, na agiu na altura do cargo, criticando a eminente e corajosa ministra. Portanto, a ministra Eliana Calmon, pela sua coragem, independência e, acima de tudo, imparcialidade, como todo juiz deveria sê-lo, merece nossas homenagens, apoio e solidariedade, e mais ainda, incentivo para que aja da forma de agiu. Parabéns.

Carlos Benedito Pereira da Silva advcpereira@ig.com.br

Rio Claro

*

JUSTA

A corregedora nacional do órgão de controle do judiciário, Eliana Calmon, sem medo de corruptos e de cara feia, aponta a existência de "bandidos que estão escondidos atrás da toga", abrindo uma crise no CNJ "não poder mais entrar com ação, não poder investigar quem quer que seja e ter que ficar tudo no setor primário, no conselho estadual, e não vir mais para cá (Brasília). Não tem mais conselho. O conselho estará morto". Disse com sobriedade o senador Pedro Simon: O Poder Judiciário tem sua grande oportunidade para mostrar ao Brasil que realmente quer fazer a justiça, não aprovando esse pedido da Associação dos Magistrados do Brasil, tentando dificultar as investigações do Conselho Nacional de Justiça sob o comando dessa grande mulher que honra seu juramento: ser justa.

Benone

Augusto de Paiva benonepaiva@yahoo.com.br

São Paulo

*

CEZAR PELUSO X ELIANA CALMON

Diante das declarações feitas pela ministra Eliana Calmon sobre a presença de juízes bandidos dentro do CNJ, até que dá para entender a indignação do presidente do STF, Cezar Peluso. Na realidade os magistrados estão tão acostumados a julgar, que aprenderam a não aceitar julgamentos. Mas para a população brasileira está claro e óbvio, porque temos visto diuturnamente julgamentos serem indeferidos, provas não aceitas, asilos dado a bandidos, provas extraviadas, estupradores recebendo HC e fugindo do país, ações julgadas ideologicamente a revelia da lei, etc. Imagine se não pode haver bandidos no meio dos togados do CNJ, que têm a função de julgar os próprios magistrados? Quem acha que acaba dentro do CNJ a troca de favores a que vivem acostumados os juízes desde a mais tenra idade? Devem existir muitos bandidos nas altas autarquias jurídicas, assim como "nunca antes nesse país" temos tantos corruptos ocupando vários andares no Palácio do Planalto. Mas fazer o que? Tocar na lisura de um juiz, mesmo bandido no Brasil é considerado pecado mortal!

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

*

REVERSO

"Não existe juiz ladrão", mas o que tem de toga desonesta...

A. Fernandes standyabll@hotmail.com

São Paulo

*

TJ-SP

Porque Cezar Peluso não explica o motivo pelo qual o Tribunal de Justiça de São Paulo não pode ser investigado. Por que só São Paulo? As coisas começariam a ficar mais claras para o cidadão que se interessa pelo assunto.

Fabio Figueiredo fafig3@terra.com.br

São Paulo

*

OUTRO PAÍS

Li a declaração do leitor sr. William Carvalho no Forum dos Leitores, parabenizando Cezar Peluso, que saiu em defesa da corporação e alegando que a mesma vem se mantendo íntegra nos últimos 500 anos. Com todo respeito que devo ao leitor, por sermos pessoas esclarecidas e civilizadas, cada um tem o direito de ter seu próprio ponto de vista, porém não obrigatoriamente concordando um com o outro. Acredito que, por melhor que seja a intenção da declaração, ela deve se referir a outro país, menos ao Brasil. Caso contrário, como exemplo cito um caso: como se explica a demora de mais de dois anos para o Judiciário solucionar a censura imposta ao Estadão a mando do "Clã Sarney"?

Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

*

CORAGEM DE APOIAR

Enviei uma resposta ao leitor sr. William Carvalho sobre o que escreveu no Fórum dos Leitores e criticando seu posicionamento a respeito da sra. Eliana Calmon. Estou com a sra. Eliana e gostaria que todas as pessoas que pensam igual à ela tivessem a coragem de se pronunciar, pois só assim, quem sabe, a "corporação" ficaria sabendo o que a população que ainda tem dignidade e ama essa terra pensa.

Maria Helena Barbirato mh.barbirato@hotmail.com

São Paulo

*

UMA CORREGEDORA CORAJOSA

O ministro Cezar Peluso reagiu como era esperado, com muito espanto e indignação, às críticas feitas aos juízes pela corregedora Eliana Calmon, que afirmou claramente que existe infiltração de bandidos dentro da magistratura, escondidos atrás da toga. Este clima de animosidade entre CNJ (que existe, em tese, para julgar e punir magistrados suspeitos de irregularidades) e o STF, é porque este último está determinado a podar "as asas" deste Conselho, pelo visto partindo já do princípio de que julgar um magistrado é um absurdo pois eles estão acima do bem e do mal, provavelmente porque o uso da toga imediatamente os transforma em seres com espíritos elevados e de moral ilibada, imunes às tentações. A toga, realmente, é um símbolo de imparcialidade no julgamento, sabedoria e retidão... mas o que está sob a toga, principalmente hoje em dia, é apenas um homem culto e com características e pendores comuns aos demais mortais. Cede às ideologias, cede ao uso e abuso das brechas legais para alivio de muitos réus... assim demonstrando uma insensibilidade total com os anseios da população que, do STF esperava ao menos, julgamentos que não privilegiassem grupos ideologicamente afinados com o governo. Devemos ao STF a infame permanência do assassino Cesare Battisti no Brasil, hoje com RG, CPF, morando numa cidade litorânea e pretendendo criar uma ONG para viver nababescamente à nossa custa. Um artigo publicado ontem no jornal O Globo, Um poder de costas, define bem nossos magistrados. Vivem num universo à parte e fazem questão de mantê-lo apartado e imune às críticas. Por isso, admiro demais a atitude firme e corajosa com que a corregedora Eliana Calmon expôs o seu pensar. Está batendo de frente com o maior poder da República, e é uma mulher!

Mara Montezuma Assaf montezuma.scriba@gmail.com

São Paulo

*

ESPERANÇA

Quando já se dava por perdida a esperança de termos um judiciário honesto, eis que uma heroína, Eliana Calmon, corajosamente confirma o que de verdade ocorre no judiciário e que é do conhecimento público, juízes "bandidos". Apesar dos esforços inúteis do ministro Peluso e da Associação dos Magistrados do Brasil em desmentir as informações fornecidas, outros juízes estão confirmando a versão da Corregedora. O Conselho Nacional de Justiça foi um grande avanço para a melhoria da qualidade dessa Instituição. Falta ainda que seus principais membros não sejam indicados por políticos corruptos.

Fabio Figueiredo fafig3@terra.com.br

São Paulo

*

JUÍZES INFRATORES

Ninguém deve estar acima das leis, inclusive os juízes. Se, por causa das declarações da corregedora Calmon, de que há bandidos de toga, aproveitarem para tornar o CNJ incapacitado a punir juízes, isso prova de que há realmente bandidos de toga. A lei deve valer para todos. Se bem que, para punir juízes infratores atualmente usam a aposentadoria vitalícia, que nada pune, apenas concede aposentadoria antecipada aos infratores. Aplausos à desembargadora Calmon!

Alberto Nunes albertonunes77@hotmail.com

Itapevi

*

JUSTIÇA ÁGIL E EFICIENTE

No mundo globalizado requer agilidade, eficiência e transparência. A tecnologia tem dado ao homem ferramentas ágeis, eficientes, corretas que executam segundo o que é programado. Se, o serviço em geral fosse programado corretamente pelos profissionais certos e incorruptíveis, a corrupção poderia ser reduzida a níveis mínimos e a sociedade beneficiada grandemente. O serviço eletrônico é surpreendente e, é capaz de apenas um computador operado por uma pessoa, executar em um só dia o que uma pessoa levaria um mês. O instrumento do século 20, que vem progredindo dia a dia, tende a surpreender mais ainda com eficiência inimagináveis. Nos dias de hoje, o serviço público não tem usado adequadamente esse serviço cibernético prático e aplicável em todos os setores da vida humana. A eficiência requer apenas de programadores justos, honestos, corretos que visam tão somente fazer bem o que se propõem a fazer. Do operador é também exigida a honestidade, eficiência e boa vontade de fazer bem o serviço que lhe for confiado. Na justiça brasileira, os processos acumulados parecem mais um estoque de alimentos nos grandes armazéns empoeirados e estragando do que, encontrar destinação boa, adequada e satisfatória. A má utilização de tudo que é útil à sociedade, é desperdício que vai prejudicar o país e o mundo que vive momentos de crises na alimentação e todas as áreas da vida humana. A conscientização política é necessária e a escola de políticos para representar o povo requer mais seriedade, isenta de interesses ou simpatias. No voto o eleitor coloca o futuro do país e do povo nas mãos dos seus candidatos. O voto mal dado é sinônimo de que o país e o povo sofrerão os descasos e mau uso dos recursos públicos, gerando o encalhe dos fluxos das coisas essenciais. Se a era cibernética for aplicada de forma adequada, certamente o retrato do país será melhor e o povo poderá respirar feliz, alegre e bem sucedido. O desperdício e o mau uso das coisas públicas não engrandecem o país e fustiga o povo de forma brutal. Não há como não clamar pelo bom uso das coisas públicas que está deixando a desejar muito em todas as áreas de serviços governamentais.

Paul Morin paulmorin2002@terra.com.br

Curitiba

*

VALDEMAR ESCAPOU

O Conselho de Ética (?) da Câmera inovou, desta vez livrou a cara de Valdemar Costa Neto (PR-SP) com acusações de "malfeitos" no Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) e de contrabando réu do mensalão, sem nem ao menos investigar as denuncias. Logo veremos a modificação do nome desse Conselho que de Ética nada entende, para "Congregação dos contra a Ética". Depois da Roriz e do Valdemar qual é o brasileiro que dará credito para esse bando de irresponsáveis? Continuam rindo da cara dos cidadãos pagantes.A batata desses "conselheiros" está assando.

Leila E. Leitão

São Paulo

*

ÉTICA, O QUE É ISSO?

O cidadão comum sabe bem a resposta. Mas os deputados, principalmente a maioria dos que compõem o Conselho de Ética na Câmara não tem a mínima ideia do que isso seja. A decisão de cancelar sem sequer avaliar as denúncias contra o deputado mensaleiro que renunciou para não ser cassado mas foi reeleito (parte do povo não sabe mesmo votar) mostra a triste realidade. Um deles, do PT, evidentemente, deixou claro que não é só porque essa porcaria de imprensa livre denuncia que vamos analisar. Isso é "banalizar o Conselho de Ética". No outro setor , o do judiciário a ministra denuncia os "bandidos de toga". Onde o Brasil vai parar no setor seriedade? Talvez junto aos outros que tão mal vão: saúde, segurança, educação e tantos mais. Só nos resta a esperança que Deus seja mesmo brasileiro e que não tenha pedido nova cidadania.

Plínio Zabeu pzabeu@uol.com.br

Americana

*

ÉTICACA

O Conselho de Ética (pelo demonstrado até agora, isso não existe no meio político cleptocrático brasileiro) livrou a cara do Valdemar, enrolado também no caso do Ministério dos Transportes (que transportava, por desvios, a bufunfa do Tesouro para contas particulares de laranjas). No Brasil a democracia foi substituída por uma cleptocracia, por conivência dos eleitores desinformados ou desinteressados, que reelegem os mesmos corruptos, sempre.

Mário A. Dente dente28@gmail.com

São Paulo

*

CULPADOS

O Conselho de Ética que absolveu Valdemar Costa Neto pelo acachapante placar de 16 X 2, apesar de todas as evidências dos crimes cometidos pelo deputado, não é o único culpado da permanência de Valdemar no Congresso, mesmo porque nada de diferente poderia se esperar desse Conselho, que também absolveu em situação semelhante Jaqueline Roriz. Igualmente culpados são os eleitores paulistas que, por brincadeira, ou irresponsabilidade deram aquela votação estrondosa ao Tiririca, permitindo que isso proporcionasse a eleição de Valdemar pelo coeficiente eleitoral do partido de ambos. Enquanto os brasileiros não levarem a sério o ato de votar, vamos ter muitos outros Valdemares na política, decidindo os destinos da Nação.

Ronaldo Gomes Ferraz ronferraz@globo.com

Rio de Janeiro

*

EM FORMAÇÃO, O SUCESSOR DE SARNEY

Réu no processo do mensalão, acusado de corrupto pela própria esposa, tendo renunciado ao mandato para não ser cassado em 2005, o deputado Valdemar Costa Neto acaba de ser novamente salvo pelo Conselho de Ética da Câmara. O Conselho, que tem se destacado pelas decisões totalmente previsíveis e corporativistas, acaba de arquivar as acusações em que Valdemar seria acusado de chefe do esquema de desvio de verbas no Ministério dos Transportes. O deputado, mais uma vez, segue livre, leve e solto para o próximo golpe.

Victor Germano Pereira victorgermano@uol.com.br

São Paulo

*

VAIAS

Mais um escândalo na Câmara dos Deputados: Valdemar Costa Neto é absolvido no Conselho de Ética (?) sem investigação. Vejam o sorriso cínico dele e a piscadela para seus pares, na foto que ilustra a matéria de 29/9 (A8). Esses políticos, com raras exceções, não têm noção de como estão com a "barra suja" diante da população. Ou então têm consciência disso, mas continuam debochando de todos nós. Precisamos começar a hostilizá-los em lugares públicos, com sonoras vaias, para ver se criam vergonha na cara. Da maneira como está não pode ficar.

Alvaro Salvi alvarosalvi@hotmail.com

Santo André

*

MEIOS E FINS

Alô, petistas! Há mesmo algum fim que justifique este meio de livrar a cara do Valdemar Costa Neto? Já chega, né?!

João Colucci joaoc.colucci@gmail.com

São Paulo

*

IMPUNIDADE, CORRUPÇÃO E VIOLÊNCIA

Afirmam os especialistas que a causa mater da violência entre nós, é a sensação de impunidade que reina entre nós desde os primórdios de colonização.Tal realidade atravessou a era da escravatura, do coronelismo, das ditaduras republicanas de 30 e 64, chegando incólume até agora em nossos dias.Quando tal postura de impunidade envolve os 3 poderes da República com ênfase no Judiciário, temos de dar um basta. Urge assim que a opinião pública unida com a imprensa livre, pressione nossas lideranças governamentais no sentido de operacionalizar urgentes reformas institucionais, para por cobro a essa secular postura que engessa o processo civilizatório que o Brasil tanto precisa.

José de Anchieta Nobre de Almeida josedalmeida@globo.com

Rio de Janeiro

*

PAÍS MILIONÁRIO

Em vez de o governo brasileiro, que diz ter muito dinheiro, ficar emprestando ao FMI e fazendo estradas e refinarias na Venezuela para o falastrão Hugo Chávez, por que inventar mais impostos? Precisamos de investimentos na saúde, na educação. E, para que não venham a acontecer mortes nas escolas, têm de ser implantadas em todas as escolas do Brasil portas eletrônicas com detector de metais financiadas pelo governo. Com a palavra, a presidente Dilma. P.S.: Por que será que Ideli Salvatti (PT) ri tanto? Deve ser da cara dos brasileiros bovinos, que aceitam tudo goela abaixo.

Lauro José de Oliveira Leite oliveiraleite2008@hotmail.com

Ourinhos

*

LEGALIZAÇÃO DOS JOGOS

Não aguento mais ver e ouvir notícias lamentáveis e tristes de pessoas que não conseguem ter atendimento em hospitais públicos. Pelo que eu sei, a saúde faz parte da Seguridade Social, onde se diz que ela (a saúde) é universal, direito de todos. Infelizmente, não é isso que acontece, pois o que mais parece é que a saúde é dividida em dois grupos: de ricos e pobres; e quem paga logicamente é o pobre, sem atendimento, sem leito, sem ambulância, sem UTI... E esta semana morreu mais uma vítima: Gabriel Santos de Sales, jovem que passou por cinco hospitais no Rio de Janeiro para ser atendido. Vamos inverter esse quadro, dando mais seriedade aos fatos; Será que é tão difícil tomar algumas iniciativas em pró da saúde? O que estão esperando para "legalizar os bingos e cassinos"? Pois seria uma alternativa de socorro à saúde. Concordo plenamente com o governador Sérgio Cabral, defendo a legalização do jogo sim, para financiar a saúde. É hora de deixar as hipocrisias de lado, pois em um país, onde há várias loterias, várias raspadinhas, por que não legalizar os bingos?

SidineiaCunha dos Santos sidineia.cunha@hotmail.com

Duque de Caxias (RJ)

*

SAÚDE, UMA MÁ GESTÃO

A saúde tem um sério problema de má gestão e de má administração.

Cícero Sonsim c-sonsim@bol.com.br

Nova Londrina (PR)

*

FISCALIZAÇÃO FOCADA NAS ONGS

É claro que não se torna necessário novo tributo para a saúde. Se houver controle cerrado no controle dos dinheiros endereçados às ONGs, bem como de suas respectivas aplicações, os recursos (trinta ou quarenta bilhões de reais) para a saúde advirão em tempos e ocasiões oportunas. Mas a fiscalização precisa ser realizada sobre todas as atividades e gastos de todas as ONGs existentes no país, exterminando com favoritismos e gastos incabíveis, desonestos e supérfluos. Esse seria um imposto a ser pago pela cupinchada e pelos políticos aboletados na coisa e nos dinheiros públicos. Tal faxina seria uma boa bandeira para o Tribunal de Contas da União e Controladoria-Geral da República, que precisam controlar e denunciar ao povo, via imprensa. Não seria ótimo implantar esse imposto doloroso nas costas dos beneficiados das ONGs? O povo não merece sofrer mais.

José Carlos de Carvalho Carneiro carneirojc@ig.com.br

Rio Claro

*

AJUDA PARA A SAÚDE

Amigos venho através desta carta pedir aos senhores que nos ajudem a melhorar a área da saúde! Estamos vendo gente morrer dentro de carro na porta dos hospitais por falta de maca, estamos vendo pessoas rodarem por três horas de dentro de uma ambulância porque hospitais não estão preparados para receber pacientes ou por falta de médicos, aonde vamos para com isso?

Esta na hora de acordamos para a vida, todo mundo está vendo e presenciando o caos que está a área da saúde e ninguém toma uma providencia, mas enfim parece que a nossa presidenta está querendo fazer algo para nos tirar desse mar de lama que vive a área da saúde, agora está ai a emenda 29 foi votada e a questão é de onde tirar dinheiro para financiar esse setor? Precisamos da união de todos os senhores para que possamos conscientizar nossos políticos que precisamos de um bom atendimento em hospitais e não de mais impostos, a solução está na nossa frente, ao invés de criarem novos impostos, vamos aproveitar para acabar com a ilegalidade dos jogos de azar, vamos legalizar o jogos no nosso país! E com isso vamos arrecadar dinheiro para financiarmos área da saúde, com o jogo legalizado vamos melhorar a área da saúde, vamos gerar milhares de empregos, vamos arrecadar com o turismo, e com o jogo legalizado está vidente que a corrupção nesse setor tende acabar, será que a legalização dos jogos de azar não nos trás mais benefício do que ficarmos com hipocrisia dizendo que a legalização gera lavagem de dinheiro é contrabando? Vamos pensar direitinho antes de criamos impostos para um povo sofrido, que já se mata de trabalhar para pagar taxas e mais taxas, vamos dar a esse mesmo povo o direito de ter uma saúde digna, o direito de trabalhar e também o direito de escolha para que ele possa escolher como se divertir!

Renato dos Santos paulistanoemrecife@hotmail.com

São Paulo

*

SAÚDE E EDUCAÇÃO

Nossa presidenta está realmente interessada em melhorar a saúde e a educação? Pois que adquira o hábito de visitar, toda vez que for a qualquer localidade deste país, pelo menos uma unidade de saúde e uma escola, para se inteirar, gestora que é, dos procedimentos e das pedagogias, deixando de lado os demagogos e suas falcatruas... Quem sabe seus "assessores" e demais apadrinhados de seu partido e coligados apreendam que muito pode ser melhorado em gestão, sem ser necessário a criação de novos tributos.

Carlos Leonel Imenes climenes@ig.com.br

São Paulo

*

TRANSPARÊNCIA NA SAÚDE, ANTES DE TUDO

Transparência, explicação à sociedade sobre a aplicação dos recursos, os resultados colhidos em favor da saúde dos brasileiros, esse procedimento antecede valorativamente o empenho de dinheiro, seja proveniente da racionalização da administração estatal seja da criação de novo imposto, aumentando ainda mais a já insuportável carga tributária. Basta dizer que a Presidente Dilma considera alta demais a aplicação de 30 bilhões anuais à saúde, mas o governo Lula despendeu 60 bilhões em 2010 para o setor, que se encontra desorganizado e sucateado. Antes de pôr dinheiro, é preciso abrir a caixa preta, da qual certamente sairão amontoados de vermes que levam o nome de corruptos. Uma CPI da saúde, que arrepia, sem nenhuma dúvida, a base aliada.

Amadeu R. Garrido de Paula amadeugarridoadv@uol.com.br

São Paulo

*

O CPC RESOLVE!

Novamente o governo quer ressuscitar o imposto de saúde. Sugestão mais simpática e eficaz para arrecadar recursos: O CPC (Contribuição Permanente sobre Corrupção, ou sobre Caixa 2 dos partidos políticos)!

Omar El Seoud elseoud@iq.usp.br

São Paulo

*

CAI A TERCEIRIZAÇÃO DA SAÚDE DE ALCKMIN

Parabéns ao desembargador José Luiz Germano, da 2ª Câmara do TJSP, por provar que - como em Berlim - ainda há juízes em São Paulo. A terceirização dos hospitais públicos em favor dos planos de saúde, patrocinada pelo governador Alckmin, acaba de ser derrotada na Justiça. Em nome dos pacientes do SUS, cumprimento também o promotor de Justiça e Direitos Humanos Arthur Pinto Filho.

Ademir Valezi valezi@live.com

São Paulo

*

BOBAGENS

Os articulistas de meio ambiente do Estadão têm todo o direito de escrever bobagens. Só não devem exagerar, porque isso prejudica a credibilidade do nosso querido jornal. Com efeito a matéria de 28/11, páginas 6-7, afirma o absurdo de que os maiores poluidores são a agricultura, a mineração e, pasmem, a pecuária. Cita na agricultura, como poluição, a matéria orgânica (sem comentários...) equipamentos mecânicos (?), embalagens (elas são devolvidas, por lei) fertilizantes (melhoram o solo, são retirados pelos produtos na colheita) resíduos de forragens, (absurdo, são produtos que se decompõem e retornam ao solo). Já na pecuária, os poluidores seriam dejetos orgânicos, que na maioria são aproveitados pela agricultura orgânica. Do boi só se perde o berro, os ossos viram farinha, o sangue idem e as embalagens também são recolhidas. Resta saber, na pecuária, o que são os resíduos mecânicos... Quanto à mineração, não é o meu ramo, mas sei que existem fortes regulamentos sobre o tratamento de resíduos, e reflorestamento das áreas usadas. Ora, isso tudo deve ser quantificado, detalhado, para cada afirmação.

Henrique de Souza Dias hsdias1@uol.com.br

São Paulo

*

PENA DE MORTE

A publicação da notícia (Estadão, 29/9) de que o pastor evangélico Yusef Nadariani pode ser condenado à morte no Irã, por ter, em uma audiência judicial, declarado sua fé cristã, deve levar o mundo todo a uma mobilização no sentido de tentar sensibilizar o governo iraniano para a brutalidade injustificável de uma decisão como essa; e a cristandade a ter uma prova de que nem a ameaça de morte leva um homem a renunciar suas convicções. Afinal, "de que vale ao homem ganhar o mundo inteiro e perder a sua alma?"

Caiuby Luciano Gomes caiubylgomes@yahoo.com.br

Botucatu

*

CUBA LIBERA COMÉRCIO DE VEÍCULOS

Não há duvidas sobre o progresso na ilha. Daqui a 50 anos deverão liberar os iPads II.

Harry Rentel harry@citratus.com.br

Vinhedo

*

A GRÉCIA E OS BANQUEIROS

Como engenheiro não consigo entender o que acontece na economia particularmente da Europa. Penso que tudo começou com a crise americana, onde os europeus sempre investiram muito. Embora os EUA sejam a maior economia mundial os americanos são os maiores gastadores mundiais e gastam o que é seu e também o que é dos outros. Parece ser um povo disciplinado e laborioso, mas atualmente extremamente aburguesados. Já a questão da quebradeira de países como a Grécia, é preciso ver a relação dela com os banqueiros que emprestam dinheiro a juros talvez exorbitantes. O que não dá para tolerar é a história de sempre, na hora de mamar são os banqueiros que mamam, mas na hora de pagar a conta é a população que tem que se sacrificar e contribuir com mais impostos. Os banqueiros de lá que criem um Proer!

Luiz Antônio da Silva lastucchi@yahoo.com.br

Ribeirão Preto

*

E AGORA, JOSÉ?

A crise europeia é grave, aliás, mundial , e a crise brasileirinha não fica atrás, porque é nosso país que está indo para o ralo, literalmente. Dirigido por malfeitos e incompetentes, a inflação solta, a corrupção exacerbada, a incompetência própria do partidão, a justiça posta de joelhos , a fúria petista avançando impunemente, o quadro é deveras triste e preocupante. Nossos jovens já sentem nos bolsos suas restrições, ponto de partida para questionarem o sistema, posto não haver resíduo cultural para tanto . Por outro lado, a insistência no crime, na bandalheira e na promiscuidade desde o palácio até a favela já tomaram o espaço da novelinha chula diária . A realidade brasileira hoje é pior que qualquer assalto, qualquer fantasia, qualquer serie, mesmo que de vampiros ou ETs. O mundo parou de girar, nossos olhos fixaram-se no perímetro urbano, senão na quadra de casa, não se pode mais sair aos bares, não se pode mais guardar dinheiro com segurança, nem se pode saber se os empregos durarão. Pior, o governo atua dentro de seus bolsos, ataca seus dados pessoais e pode confiscar mais que seus bens, sua alma. A atuação do politicamente correto tirou sua liberdade, restringiu sua opinião, sua cor pode lhe tirar a vaga, seu gesto livre pode ser tido como preconceito pelas inúmeras minorias ora majoritárias. Estás ferrado, brasileiro, e ainda, tem muito imposto a pagar, por conta da verba necessária a encher os caixas dos políticos e de seus bolsos. A noção de limite de tolerância é hoje a prova mais dura para este povinho carnavalesco, cordial e despreparado politicamente. A mídia já fez o que pôde, o sistema já faliu, o que você, cidadão, pode fazer à respeito?

Ronaldo Parisi rparisi@uol.com.br

São Paulo

*

O BRASIL POTÊNCIA

O País está se consolidando em uma posição de destaque mundial, com um crescimento sólido do PIB (produto interno bruto) capaz de colocá-lo numas das primeiras posições do ranking. Dentro de alguns anos estaremos em torno da quarta ou quinta economia do planeta, algo inimaginável anos atrás. Porém, é importante ressaltar que não é só a economia que dita a capacidade de uma nação ser grande, mas sim todo um conjunto de valores culturais, sociais e comportamentais. Trata-se da capacidade de influenciar os demais países do globo, de colocar a tocar a música e ensinar como se dança. Ao Brasil faltam produtos genuinamente brasileiros. Não possuímos um carro totalmente nacional, computador, software, televisores, celulares assim como outros aparelhos eletrônicos disseminados pelo mercado mundial. Dá a impressão do país não ter competência em criar, falta de criatividade industrial. A grande maioria de nossos produtos restringe-se a commodities - produtos sem diferenciação de valor - ou apenas empresas estrangeiras que aqui investem suas marcas e ficam com o lucro. Inexiste a empresa e o produto puramente tupiniquim. Além disso, e até de maior importância, não possuímos uma mídia de alcance mundial. Nosso cinema é restrito a um pequeno nicho de mercado, as revistas, jornais e gibis brasileiros mal chegam a outros países. O rádio então nem se fala. A diversidade da música brasileira capaz de encantar multidões é coisa para poucos. Um pequeno grupo fechado de pessoas se identifica e convence outrem do seu valor, e só. Só a televisão possui um pequeno alcance no exterior mas além de muito pequeno geralmente está restrito a programas vendidos para outras emissoras. Não há um alcance nos 5 continentes de canais brasileiros a serem assistidos pelo mundo. Os sites de internet restringem seu alcance aos brasileiros que moram no exterior. Não existem estrangeiros a procura de informações em português ou sobre o Brasil. Do contrário, aqui no Brasil é possível assistir ao cinema, televisão, jornal, revista, gibi, ouvir rádio e músicas, sites internacionais são amplamente acessados e boa parte da programação de nossa televisão vem de programas comprados de outras emissoras. Não adianta estar com bons índices econômicos e esquecer talvez do principal: aparecer bem na foto. Como diria o grande jurista Sobral Pinto: "Quando o Brasil criar juízo e se tornar uma potência mundial, será a cachaça e não o whisky a bebida do planeta". Os Estados Unidos são a maior potência não por possuírem a maior economia, mas sim pela sua "sala", de bela aparência.

Juliano de Andrade Salvá julianosalva@hotmail.com

Porto Alegre

*

DEMOROU MUITO

Mano Menezes, como técnico da seleção levou 14 meses, para finalmente escalar uma equipe que representa parte da prometida renovação com vistas a Copa de 2014. Em Belém do Pará (28/9/2011), os craques canarinhos voltaram a jogar com alegria e buscar o gol como há muito não ocorria. Resultado: Brasil 2X0 contra a Argentina. O nosso treinador com medo de perder o emprego perdeu tempo convocando, Lúcio, Kleber, André Santos, Lucas Leiva, Ramires, entre outros, e até o decadente goleiro Julio Cesar. Consequência disso foram os resultados pífios que rebaixaram até a nossa seleção no Ranking da FIFA, para o 7º lugar. Proeza que não acontecia desde o final da década de 50. E pior ainda, deixou a torcida sem esperanças para 2014. Traduzindo: o Menezes, com sua marcha lenta não serve para dirigir a nossa seleção!

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

*

FORAM INJUSTOS

Passada a euforia da justa e merecida vitória da Seleção Brasileira de Futebol sobre o time argentino em Belém, no Pará, é de se refletir e perguntar por que é que essa cidade foi preterida para os jogos da Copa de 2014. Mais uma vez o Pará e sua gente demonstraram o quanto torcem e vibram com nossa Seleção Canarinho. Seguramente foi cometida aí uma grande injustiça.

José Piacsek Neto bubapiacsek@yahoo.com.br

Avanhandava

*

FORA PATO

Mano melhorou sem o Pato.

Nelson Pereira Bizerra nepebizerra@hotmail.com

São Paulo

*

MORTE DE ESCURINHO

Gostaria de fazer uma última homenagem ao ex-craque Escurinho, que brilhou por Inter-RS e Palmeiras nos Anos 70. Escurinho era um artilheiro habilidoso e deixou a sua marca como goleador, sendo ídolo das torcidas colorada e alviverde. Os amantes do futebol jamais esquecerão o gol antológico de Falcão contra o Atlético-MG, pelas semifinais do Brasileirão de 1976, após tabelinha de cabeça com Escurinho, em momento de pura beleza e arte dos craques da bola. Valeu, Escurinho!

Renato Khair renatokhair@uol.com.br

São Paulo

*

DIA DO JORNALEIRO

Já foi à banca de jornais da esquina hoje? Não? Saiba que hoje, dia 30 de setembro, se comemora o Dia do Jornaleiro. Por isso, quero render minha homenagem e expressar um sentimento de grande respeito a essa categoria. Não somente na condição de presidente do Sindicato, mas como companheiro da profissão que abracei há 23 anos e da qual sinto grande orgulho. Lembro como se fosse hoje o início. Comecei trabalhando em uma banca na Avenida Paulista como auxiliar. Lá, ficava arrumando e limpando a banca, deixando-a impecável para os clientes e amigos. Trabalhei apenas um ano como empregado. Logo juntei dinheiro e com as economias comprei a minha primeira banquinha... na Aclimação. Hoje, estou na Avenida Lins de Vasconcelos, onde fiz inúmeras amizades. Sim, todo jornaleiro tem como característica a troca de informações e relatos de histórias. E sempre foi assim ao longo dos séculos. A palavra "jornal" tem sua origem no latim, que significa "diário", ou seja, o relato de um dia de atividades. Dela surgiram duas expressões: jornalista e jornaleiro. A primeira tem o dom da criação, da investigação e do conhecimento. Já a segunda expressão garantiu ao longo de séculos a circulação da notícia. Ao longo dos tempos de nada adiantariam jornalistas sem os jornaleiros. Ocorre que uma função ficou cheia de charme e a outra repleta de esquecimento, hoje até beirando a extinção. O primeiro jornal que se tem notícia foi o romano "Acta Diurna", publicado em 59 aC. O "Post-och Inrikes Tidningar", publicado pela primeira vez na Suécia, em 1645, existe até hoje. Ele é considerado o jornal mais antigo do mundo. Todos os jornais impressos, sem exceção, sempre dependeram da entrega e da distribuição. O jornaleiro é a ponte entre o jornalista e o leitor. No início do século passado já havia centenas de jornais nos EUA e na Europa, quando surgiram as agências de noticias e os novos meios de comunicação (rádio, TV, etc.), que deram novos formatos ao jornalismo. Todavia, a imprensa impressa, aquela que transforma papel jornal em papel notícia dependia e ainda depende do entregador, do circulador, do chamado "homem da última milha". Num mundo de hoje em que as pessoas se comunicam cada vez mais pela forma digital, pelas redes sociais da internet, que recebem notícias por meios eletrônicos e numa cidade que se locomove com extrema rapidez de automóveis, o jornaleiro ainda resiste ao tempo. Inserido nas comunidades, ele é o amigo de todos do bairro, obrigatoriamente prestativo para disseminar informações úteis, seja às 6h da manhã ou às 20h. Afinal, deve ser raro encontrar quem não tem um amigo jornaleiro.

Ricardo L. Carmo, presidente do Sindicato dos Jornaleiros de São Paulo ricardo@sindjorsp.org.br

São Paulo

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.