Fórum dos Leitores

BEM-VINDO, 2012

O Estado de S.Paulo

01 Janeiro 2012 | 03h05

Feliz ano-novo...

... com muita saúde e sucesso! Mas também com reformas no setor público e com menos corrupção - que oficializa privilégios absurdos e bilionários de interesse dos políticos, os quais oneram os cofres públicos e prejudicam a sociedade.

CLÁUDIO FROES PEÑA

cpena@plugin.com.br

Porto Alegre

Renasce a esperança

Entra ano, sai ano, trocam-se governos, sobem os preços e é cada vez mais baixa a taxa de credibilidade dos governantes por seus povos. Novidades de hoje são rotina amanhã, mas a paisagem e a essência da virada do ano permanecem intactas. E a esperança renasce em cada novo ano. No rosto sofrido da humanidade a ponta de um sorriso aflora. Quem sabe as coisas vão melhorar, teremos mais saúde, educação, justiça, mais empregos e o novo ano não será apenas um sonho bom? Se as pessoas soubessem que são elas que fazem, ou não, o caminho escuro se iluminar, se acreditassem mais em si mesmas como seres capazes de mudanças e realizações, talvez assim pudessem realmente criar um mundo muito melhor. Feliz ano-novo!

CARLOS IUNES

canhoba@gmail.com

Bauru

O que esperar?

Como muitos brasileiros, estou desapontado e pessimista. Os anos dourados da economia mundial já passaram - pelo menos o ciclo mais recente - e nós avançamos muito pouco. Todos os prognósticos apontam para um 2012 muito difícil, mas o ministro Mantega, que tem acesso a informações mágicas, garante que vamos crescer 5%... O Judiciário, liderado pelo Supremo Tribunal Federal, proporciona aos que leem jornais - e somos poucos - um noticiário escabroso. O Legislativo continua envergonhando aqueles que acreditam que fazer política deveria ser um ato digno e nobre. Os elevados níveis de aprovação da presidenta suscitam uma pergunta: o que foi exatamente que ela fez de tão notável? Enfim, dizem que a voz do povo é a voz de Deus, mas temo que isso, frequentemente, seja uma blasfêmia. Este ano teremos a Rio+20, o tema da sustentabilidade socioambiental e econômica será debatido à exaustão, mas as ações correspondentes continuarão tímidas. Não sou catastrofista, mas temo por nosso futuro, principalmente dos nossos filhos e netos. Os sinais de esgotamento da nossa democracia representativa são evidentes e só vejo uma saída para revitalizá-la: a democracia direta. Com o uso inteligente e equilibrado das redes sociais podemos criar a nossa Praça Tahrir virtual, precisamos promover uma reforma política por meio de propostas de emendas à Constituição de origem popular. A minha proposta é muito simples: vamos começar reformando o Parlamento. A forma de fazê-lo é modificando o sistema eleitoral, pois o voto proporcional permite que malfeitores se elejam na esteira de "puxadores" de votos. Se implantarmos o voto distrital, essa farra acaba. Um deputado federal e um deputado estadual por distrito. Todos os distritos com o mesmo número aproximado de eleitores. Cada voto dos brasileiros tendo o mesmo valor. É claro que isso não basta, mas é um fantástico primeiro passo, que com certeza facilitará muito as outras reformas, empacadas há muitos anos. A atual classe política não quer mudanças, se quisesse as faria. Vamos, então, promover as mudanças apesar deles. Quando o clamor das nossas praças virtuais ficar forte, com toda a certeza muitos aderirão. E com um sistema eleitoral mais simples e barato ficará mais fácil separamos o joio do trigo. Já existe o movimento euvotodistrital.org.br, vamos fortalecê-lo assinando a petição e encaminhando-a a todos os nossos parentes e amigos. 2012 é um bom ano para começarmos a mudar o Brasil.

ISRAEL ARON ZYLBERMAN

aronz@uol.com.br

Carapicuíba

É com a gente, sim!

"O pior analfabeto é o analfabeto político... Este é tão burro que se orgulha e estufa o peito dizendo que odeia a política. Não sabe o imbecil que da sua ignorância política nascem a prostituta, o menor abandonado e o pior de todos os bandidos, que é o político vigarista, pilantra, o corrupto..." - Bertolt Brecht. Há muito estamos alheios. Há muito não queremos nem saber, "não é com a gente". É mais que hora de entender que é com a gente, sim. Que é hora de exercer o direito e o dever que temos de cuidar de forma responsável do que é verdadeiramente nosso. Negligenciamos por muitos e muitos anos e deixamos o Brasil nas piores mãos, nas mais insanas e perversas. Estamos indignados com a vigarice que persiste e contamina os três Poderes, mas devemos fazer retumbar esse grito. Nosso grito deve se tornar uníssono. Não adianta reclamar sem unir forças. Porém, se insistirmos em manter a condição de analfabetos políticos, se aqueles que odeiam a política e nem sequer leem um jornal para não se irritarem continuarem com essa atitude, esquivando-se de qualquer responsabilidade, nossos filhos e netos encontrarão um futuro muito mais imoral e inseguro do que os dias de hoje, pagando muito caro por nossa omissão. Que 2012 nos traga a consciência de nossa responsabilidade sobre os rumos da Nação! Um feliz ano para todos!

MYRIAN MACEDO

myrian.macedo@uol.com.br

São Paulo

Um dia a mais

Em 2012, por ser ano bissexto, teremos 366 dias para coibir a roubalheira que corre solta, a impunidade dos corruptos, e promover uma faxina de verdade, ou tão somente um dia a mais para mais bandalheira e locupletação. A escolha está nas mãos da presidente Dilma e, principalmente, nas nossas, nas eleições de outubro.

LUIZ NUSBAUM

lnusbaum@uol.com.br

São Paulo

Votos

Que em 2012 seja feito o julgamento dos mensaleiros de 2005.

FRANCISCO ANÉAS

francisco.aneas@uol.com.br

São Paulo

BOAS-FESTAS

O Estado agradece e retribui os votos de feliz e próspero ano-novo de Antonio Kandir - GG Investimentos, Claudio Carneiro, Conselho Regional de Psicologia SP, Council on Hemispheric Affairs, Equipe ABTD/PR, Equipe Zoom Comunicação, FCAA - Equipe de Comunicação e Marketing Institucional, Fundação SOS Mata Atlântica, Gilberto Custodio de Mesquita, Luiz Flávio Borges D'Urso - OAB-SP, Heidi Wiley - European Theatre Convention, J. R. Sant'Ana, Maria Antonia G. Campos, Ronaldo Gomes Ferraz e Ulisses Nutti Moreira e família.

 

FELIZ ANO-NOVO!

 

Mais um ano se inicia. 2012 chegou e com ele uma série de expectativas e votos de um mundo melhor. Mas como poderá o novo ano ser feliz, se os homens que promovem as infelicidades continuarem sendo os mesmos? Como poderá o novo ano ser feliz se os homens promotores de injustiças continuarem sendo os mesmos? Como poderá o novo ano ser feliz, se você não for feliz? Como poderá o novo ano ser melhor, se você não for melhor? Amigos, a mudança que o mundo precisa depende de nós. A mudança que queremos está dentro de nós. Se nada fizermos, tudo ficará igual. Como poderá o ano ser feliz? Mudando nossas atitudes, mudaremos o mundo. Comecem agora, vamos melhorar nosso mundo. Depende só de nós. Feliz 2012!

 

Izabel Avallone izabelavallone@gmail.com

São Paulo

 

*

2012

 

Apesar das condições adversas de sempre, que não cabem aqui e ninguém mais suporta, um feliz 2012 para todos os brasileiros, com muita saúde, paz, amor e família em um só corpo, que é o mais importante.

 

Alessandro Lucchesi timtim.lucchesi@hotmail.com

Casa Branca

 

*

ANO NOVO

 

Ano Novo deve parir novas coisas

Coisas novas e pequenas

Sorriso depois de olhar criança

Ou bichinho de rabo abanado

Ou flor debruçada no galho,

Lembranças de gostoso passado

pra lavar no presente novas louças

Sentimento de corpo largado

ao sabor do vento, doce,

sensação de fruta amassada

fluindo suco na boca

coloridas e belas cenas

em lentes captadas:

as dos olhos tão perfeitos

espelhos de Deus e da alma.

Ano Novo deve ser mãe

Luz de filho nascido

Com sina de longa vida

Honrada e mui prazerosa

Entrega de quebra-cabeça

Lentamente construído

Vontade de vida gostosa

Tecido com gosto cozido

Pra feitura de um tapete

Salpicado de sonhos

Permanecido pra sempre.

 

Mariza Helena Ribeiro Facci Ruiz www.alumiar.com

Ribeirão Preto

 

*

 

DEPOIS DAS FESTAS, DE VOLTA À REALIDADE

Todo ano ficamos ansiosos para a chegada do Natal e do ano-novo, na expectativa de que o novo nos traga algo de bom. Trocam-se presentes e muitos aproveitam para viajar. Mas, ao voltarmos para casa no início do ano, encontraremos na caixa de correio contas a pagar, e não presentes. Aqueles que durante as festas extravagaram agora terão de se esquivar para enfrentarem a realidade da casa, do trabalho, dos colegas, da família e, sobretudo, das faturas a quitar. Saímos da ilusão e entramos no mundo real, concreto, o ano começa e vamos fazer as contas para pagar IPVA, IPTU, matrículas e materiais escolares, sem falar nos gastos com cartões no decorrer das festas de fim de ano. E mais: não podemos esquecer que a saúde pública, a educação e a segurança, primordiais para uma vida digna, permanecerão no descaso pelos nossos administradores, ou seja, serão os mesmos políticos corruptos...

 

Alberto Alves Marques Blog aprendebrasil.com. br/albertoprof

Hortolândia

 

*

 

SANEAMENTO BÁSICO

 

É um verdadeiro absurdo a situação caótica das praias do Litoral Sul paulista, onde foram constatados pela Cetesb 48 pontos impróprios para banho, ante 31 no mesmo período do ano passado. Ou seja, pioramos 55%. Isso é saneamento básico no Estado de São Paulo, proporcionando à população um mar de m... para utilizar a praia como diversão e férias?

 

Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

 

*

IMPROPRIEDADES

 

Uma em cada três praias de São Paulo está imprópria para banho. Em compensação, a cidade de São Paulo, que durante o ano é imprópria para tudo, nestes dias de festas está uma delícia...

 

Victor Germano Pereira victorgermano@uol.com.br

São Paulo

 

*

O PREFEITO ENTENDE DO SEU RISCADO

 

Notícias de 30/12 sobre o nosso prefeito, tanto no Caderno Metrópole como no Estadão.com, longe de darem esperanças para o ano que hoje se inicia, enchem-nos de preocupações e de decepções. Pelo Metrópole tomamos conhecimento de que 73% das metas prometidas pelo prefeito para 2012 ainda estão por fazer, e certamente não serão concretizadas. E também nomeou mais um coronel aposentado da Polícia Militar para outra subprefeitura – apenas uma agora não é administrada por um coronel PM. Tal procedimento não significa, em absoluto, a certeza de uma ótima administração. No Estadão.com uma mais preocupante e absurda notícia para a cidade. Guindado ao cargo de prefeito de São Paulo por obra e graça do tucano José Serra, ele alçou novos voos na política pela projeção do cargo que exerce. Depois da campanha desastrosa e ridícula de seu mestre para a Presidência d a República, que, em minha opinião, acabou com as suas aspirações na política, Kassab mostrou-se um político carreirista e começou afastar-se daqueles que o elegeram. Depois de sair do DEM e fundar um novo partido, o PSD, atraiu para a nova sigla os vereadores do seu antigo partido e do PSDB, e foi ampliando a sua esfera de ação por todo o território nacional. Claro que só conseguiu seu intento por ser o prefeito da maior cidade do País. Aliou-se ao governo federal e agora finalmente tomamos conhecimento de que se articula com o prefeito de São Bernardo do Campo, do PT, para a criação de uma dobradinha PT- PSD no ABC paulista, objetivando as eleições municipais de 2012, que servirão de ensaio para a parceria na disputa do Palácio dos Bandeirantes. Uma maravilha proporcionada pela visão errada do ex-governador José Serra, que nas eleições presidenciais escondeu o presidente Fernando Henrique Cardoso, que acabou com a inflação, com o Plano Real, e espalhava fotos suas com o então presidente Lula, recebendo na época a alcunha de candidato genérico. Assim, mesmo no Estado de São Paulo o PSDB vai se transformando em partido nanico na capital e vai piorar depois de 2012.

 

Gilberto Pacini benetazzos@bol.com.br

São Paulo

 

*

ESPORTE DÁ AS CARTAS EM 2012

 

Com um governo Dilma melancólico e recheado de corrupção em 2011; obras do PAC que não andam; transposição do Rio São Francisco abandonada; inflação nas alturas; Congresso um amontoado de centenas de parlamentares incompetentes; e até um outrora respeitado Supremo Tribunal Federal em frangalhos – com esse quadro desolador não dá para esperar que em 2012 o Brasil institucional vá melhorar... Mas no esporte, com a Olimpíada de Londres, quem sabe, apesar do sempre baixo investimento no setor, nossos atletas nos surpreendam com um número razoável de medalhas. É o que se espera! Agora, uma mudança radical, e para melhor, está reservado aos aficionados do futebol, porque até o final de 2012, e graças à Copa do Mundo de 2014, que será realizada no Brasil, teremos já quase que finalizadas a construção e as reformas de 13 estádios, espalhadas por dez importantes capitais. Incluindo três que não vão receber jogos da Copa, como o novo Parque Antártica, do Palmeiras, o do Grêmio, em Porto Alegre, e o da megarreforma do Morumbi, que terá até um hotel de luxo, acoplado ao estádio. Diferentemente de alguns formadores de opinião, que são contra a esses investimentos, eu apoio integralmente, porque o esporte em geral emprega no País mais de 1 milhão de trabalhadores. Essa atividade está entre as dez mais importantes no mercado de trabalho. E o futebol é seu carro-chefe! E também porque há praticamente 50 anos não se investe em estádios, que são o grande teatro popular a céu aberto que tanto aprendemos a cultivar. O torcedor que vai a essas arenas não tem hoje o mínimo conforto, segurança, aliado a um péssimo sistema de transporte e total falta de estacionamento. Ou seja, o amante do futebol, que, além dos jogadores, também é um protagonista do espetáculo, sempre foi desprezado. Assim como nós pagamos nossos impostos e temos péssimo serviço público prestado... Estas obras, que certamente quando concluídas também vão receber outros grandes eventos culturais, somente estão sendo aceleradas e devem terminar no prazo, incluindo neste pacote importantes sistemas viários, de transportes e aeroportos, por expressa imposição da Fifa. Porque se tivéssemos que contar com a eficiência dos governos, aí seria um desastre! Logicamente que em paralelo à construção das arenas se espera também que a qualidade técnica do futebol brasileiro melhore. Porque nestes últimos anos temos visto um amontoado de jogadores correndo atrás da bola atabalhoadamente, com uma profusão de passes errados e sem noção do coletivo. Como exemplo, foi o que o correu no último Brasileirão, em que a equipe menos ruim, o Corinthians, foi a campeã. E nos novos e moderníssimos estádios que estão sendo construídos os gramados não podem receber pernas de pau... Para tal temos de investir melhor nas categorias de base, não dispensar técnicos a cada três derrotas e ensinar aos dirigentes que quem manda no caixa do clube é a diretoria, não o torcedor, Ou seja, não comprar atletas sem qualidade técnica e a peso de ouro a cada grito de uma sempre suspeita torcida organizada! De qualquer forma, será muito bom ver na paisagem da infraestrutura do nosso país, (que é tão caótica no geral), a partir de 2012, que finalmente teremos estádios de Primeiro Mundo... Feliz ano-novo!

 

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

 

*

RETROSPECTIVA

 

Qual foi, na sua opinião, o melhor exemplo de fiasco demonstrativo da decadência do futebol brasileiro em 2011?

1) A derrota vergonhosa do Corinthians para o Tolima?

2) A derrota humilhante do Santos para o Barcelona?

3) O fiasco da seleção na Copa América?

4) Nenhuma vitória da seleção contra os grandes do futebol mundial?

5) O Amistoso contra o Gabão?

 

Luiz Henrique Penchiari Jr. luiz_penchiari@hotmail.com

Vinhedo

 

*

RETRÓGRADOS

 

Jogador competente, combativo e profissional: esse é o Richarlyson. Como palmeirense a vida toda, lamento (de pouco vale) a atitude (de poucos, que porém devem mandar) quanto à sua contratação. Lamentável atitude da torcida e da presidência do Palmeiras. São verdadeiros retrógrados!

 

José Piacsek Neto bubapiacsek@yahoo.com.br

Avanhandava

 

*

KLEBER

 

O empresário do atacante Kleber, Giuseppe Dioguardi, declarou que a foto em que o novo jogador gremista aparece com armas não prejudicará a imagem do atleta. Mas a Polícia Federal deveria, sim, verificar o porte e o registro dessas armas, pois, apesar de esse jogar não ser de ponta, trata-se de um péssimo exemplo para quem vê essa ridículo foto, e ainda na internet! Lamentável e vergonhoso.

 

Antonio Jose Justino anjogoma@yahoo.com.br

Rio de Janeiro

 

*

SALÁRIOS DOS MÉDICOS

 

Estão fazendo com os médicos o que fizeram com os professores há mais ou menos 50 anos! Havia uma velada consciência coletiva de que o professor ganhava muito por "poucas horas de trabalho". Eu me lembro, vivi essa época: ninguém falava abertamente, mas os operários da época se comparavam e se ressentiam por ganhar bem menos. Acho que os médicos não podem se submeter a essa situação. Peçam a conta de seus empregos. Forcem os governantes de plantão a ficar numa saia-justa, sem ter como preencher as vagas. Forcem o povo a perceber que mais vale pagar bem por médicos e professores a pagar rios de dinheiro a jogadores de futebol. Forcem o povo a perceber que a sociedade precisa de serviços básicos, e não de uma política de "pão e circo"!

 

Lidelci Siqueira lidelci@gmail.com

Salto

 

*

CONVÊNIOS MÉDICOS

 

Cirurgias e consultas adicionais começam a valer a partir de hoje, para quem tem um plano de saúde há novas determinações. A medida atende todos os planos médicos  – individuais e familiares (SUS também?) – que foram contratados após janeiro de 1999. A operadora que não cumprir a cobertura obrigatória será multada em R$ 80 mil. Se a cobertura não for garantida, o consumidor deve denunciar a negativa à Agência Nacional de Saúde. Os convênios estão precisando, sim, de ouvir instruções de como melhor cumprir suas obrigações contratuais. Porém, e o SUSto, como é que fica? O povo desconveniado continuará ao deus-dará?

 

Benone Augusto de Paiva benonepaiva@yahoo.com.br

São Paulo

 

*

PAÍS DE OBESOS

 

Uma verdadeira epidemia de obesidade está tomando conta do País. Quase metade dos brasileiros com mais de 20 anos, por exemplo, está acima do peso. Ao lado disso, procurando conter o avanço da doença, o governo elabora metas de educação alimentar para o povo. De um extremo, em imperava fome ou escassez de alimentos, passamos para o outro, caracterizado pela indisciplina alimentar ou excesso de comida. Resolvemos um problema e, ao mesmo tempo, geramos outro. Existe gente muito pobre portadora de obesidade mórbida. Em épocas passadas, quando valores religiosos governavam a sociedade, a prática da gula era considerada pecado mortal. A religião era um freio. O problema da obesidade, assim como do álcool e da droga, pode ser resultado do enfraquecimento dos valores espirituais, do individualismo exacerbado e consumismo do mundo de hoje.

Marcelo de Lima Araújo marcelodelimaaraujo@yahoo.com.br

Mogi das Cruzes

 

*

O REI ESTÁ NU!

 

Brilhante. Finalmente um crítico sensato/culto/ ousa discordar e dar sua opinião sobre a dita “arte contemporânea” praticada pelos srs. Campana (Caderno2, 28/12/2011). Parabéns, Olívio!!!

 

José Boldrini lorena881@uol.com.br

São Paulo

 

*

QUANTIDADE E QUALIDADE

 

A exaltação do quantitativo vem desde a nossa infância, quando na escola aprendemos a cantar o Brasil como gigante pela própria natureza, junto a grandeza sem par dessas matas e o esplendor do Cruzeiro do Sul. Então, finalmente, como sexta economia do mundo nosso país faz jus ao quantitativo e ao valor absoluto dos números. No entanto, olhando o qualitativo, vemos que a Argentina, nosso espelho mais próximo e cerca de 20% de nossa população, com seus diversos prêmios internacionais na ciência e na cultura, continua, apesar de suas próprias desgraças, muito à nossa frente. Na verdade, quando vejo um filme argentino e depois vejo o trailer de um nacional, sinto que a distância qualitativa que nos separa é cada vez maior. Creio mesmo que não existe área em que o Brasil se enquadre melhor no Terceiro Mundo que a cultural.

 

Paulo Campos Hartford pcamposhartford@bol.com.br

São Paulo

 

*

MÚSICA BRASILEIRA

 

Um amigo quis saber a minha opinião sobre quem seriam os três melhores cantores de todos os tempos de nossa música. Não tive dúvida em imediatamente indicar João Gilberto e Dick Farney, mas quanto ao terceiro hesitei... Quem poderia ser? Um dos mais tradicionais, como Nelson Gonçalves, Sílvio Caldas, Francisco Alves? Ou um dos mais recentes, como Johnny Alf e Chico Buarque? E quanto às cantoras? Não hesitei em mencionar Elis Regina e Sylvia Telles, mas também engasguei com relação à terceira. Ângela Maria, Maysa ou Dolores Duran?

 

Antônio Penteado Serra apserra@uol.com.br

Santana de Parnaíba

 

*

53 ANOS DA REVOLUÇÃO CUBANA

 

Para alguns, o progresso decorrente da revolução cubana, consagrada em 1.º de janeiro de 1959, continua a representar um marco na história social e política. Obviamente, isso para um público restrito; para outros, onde me incluo, apenas resta a constatação do "neomedievalismo", ou ainda o obscurantismo reticente do comunismo em suas mais retrógradas e opressivas manifestações contra as liberdades individuais e econômicas. A gestão pública segue o mesmo ritmo do período feudal. A ilha é uma fantasia para os tolos que a enaltecem, aqui, na América do Sul, e se dizem socialistas e têm em Fidel Castro um símbolo. Avançamos mais de uma década no século 21 e o elogiado regime por Dirceu, Morales, e Chávez tem milhares de presos políticos – que foram comparados a criminosos comuns, numa entrevista à imprensa internacional (Associated Press) dada por Lula, quando arguido sobre a morte por greve de fome de Orlando Zapata (jornalista e psicólogo), na véspera de sua chegada a Cuba, pela qual clamava liberdade política. "A greve de fome não pode ser usada como pretexto de direitos humanos para libertar as pessoas. Imagine se todos os criminosos presos em São Paulo entrassem em greve de fome e pedissem a liberdade" – Lula honoris causa (?). Fidel, afastado do governo, mas eminência parda, é o grande líder que inspira o governo local, além dos socialistas sul-americanos; estes variando na escala de bolivaristas a corruptos; além de muitos já subtraídos da essência do mínimo senso do ridículo ao defenderem o regime ditatorial. O líder declarou dois anos atrás o início de um processo de atualização do modelo econômico cubano e que não poderá levar mais de um quinquênio para concluir. "Ordenou" o ajuste de um cronograma de demissões em massa do funcionalismo público, reduzindo assim toda a mão de obra ocupada ao encargo direto do Estado; portanto, é o expurgo do pleno emprego para miséria, e não mais o "Estado agindo como protetor social" – conclamado por Marx. Esse é o novo lema dos comunas caribenhos. Aprenderam a fazer a pior parte do capitalismo, que tanto criticam. Em outubro de 2010, o presidente Raúl Castro, numa primeira medida decidiu que os funcionários, até então estatais, que ocupavam os ofícios de barbeiro e cabeleireiro passariam a exercer tais atividades de forma autônoma, ou numa espécie de microempresa então predefinida. Tais cidadãos foram alçados a alugar os locais e equipamentos (?) pertencentes ao Estado, para poderem exercer seu ofício, e passaram a recolher impostos e até contribuição previdenciária, o que antes não faziam. Imaginem isso no Brasil, se barbeiro e manicure fossem funcionários públicos? No Senado deveria haver um para cada gabinete! Dias atrás, na reunião "semestral" do Congresso Cubano – note bem, semestral, para dar inveja aos nossos parlamentares –, o único partido existente (o Comunista, que apoia tudo o que o poder central apresenta, o que em nada difere do que ocorre no Congresso brasileiro) acatou o pronunciamento de Raúl, que aprofundou o programa lançado por Fidel. "A meta é reduzir a meio milhão o número de postos de trabalho no governo e tornar a economia da ilha mais eficiente do que já é”, segundo a ministra das Finanças, Lina Pedraza. Uma vez dada como válida a experiência feita em 2010 com os barbeiros, cabeleireiras, engraxates, manicures, etc., o Estado deve seguir adiante, completa a ministra. Segundo ainda informa o jornal oficial do regime, El Granma, é chegada a ora de "privatizar" os serviços de carpintaria, serralheria, fotografia, joalheria, conserto de sapatos e colchões, manutenção de equipamentos eletroeletrônicos, mecânicos de autos e bicicletas, relojoeiros, cortinas e costureiras, entre outros. E isso começa a partir de hoje, 1.° de janeiro, como parte dos festejos por mais um aniversario dos “avanços socioeconômicos” da revolução de 1959. O jornal cubano, que deve funcionar nos moldes da lei de imprensa que José Dirceu quer para o Brasil, informa que os novos trabalhadores privados, ou ex-funcionários públicos, "poderão assinar contratos" de arrendamento, de até dez anos, das instalações e equipamentos, prorrogáveis por acordo entre as partes. Imagine-se o que significa "poderão assinar”, já que são demitidos sem indenização alguma, além de imaginar qual seja o estado e/ou o nível tecnológico dos equipamentos utilizados nessas atividades até então praticadas por um Estado arcaico e sem condições de se manter. Continuando: concessivamente, e pelo bem da sociedade, esses fiéis microempresários terão os preços de seus serviços ou bens produzidos fixados pelo Estado, mas poderão ficar o primeiro ano sem pagar o aluguel das instalações desde que se comprometam a recuperar os imóveis (de propriedade do Estado) que ocuparem para o exercício de suas atividades. Mais uma resolução aprovada no mencionado Congresso, esta proposta pelo ministro do Comércio Interior. O governo é basicamente o único empregador num país com 11 milhões de habitantes e emprega pouco mais de 5 milhões de pessoas. Apenas 357 mil trabalham ou trabalharão a partir de hoje por conta própria em 181 ofícios autorizados, segundo dados oficiais, ou seja, desde que Raúl Castro autorizou a abertura de licenças em outubro de 2010. A ministra das Finanças completou em sua fala que espera que o número de trabalhadores privados suba para 1,8 milhão até 2015. Cuba, que teve nos derivados da cana-de-açúcar sua maior fonte de renda, além do tabaco e outros produtos agrícolas, não tem mais competitividade para atuar no mercado externo e ainda alimentar a sua população, como fazia até três décadas atrás. Hoje a atividade de maior sustento da ilha é o turismo. O comunismo local virou folclore para turistas. Tragédia já é aos seus habitantes e afunda num perigoso sustento de "favores" feitos por Chávez. O que há a lamentar é a vida e o tempo perdido por milhões de cidadãos cubanos enquanto esse regime agoniza.

 

Oswaldo Colombo Filho colomboconsult@gmail.com

São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.