Fórum dos Leitores

CELSO DANIEL

O Estado de S.Paulo

17 Janeiro 2012 | 03h05

Dez anos da morte

O assassinato do prefeito de Santo André Celso Daniel (PT) está para completar dez anos. Uma década se passou e nada foi apurado. Ninguém importante foi punido. É mais um triste exemplo de como as coisas funcionam no Brasil. Que fim levou o principal suspeito, o Sombra? Por envolver pessoas importantes da política nacional, a morte de Celso Daniel vai ficar impune e os mandantes continuarão livres, leves e soltos, sem pagar pelo hediondo crime. O mesmo vale para o assassinato de Toninho, prefeito de Campinas. A polícia, o Ministério Público e o Judiciário paulistas devem explicações à sociedade por tais malogros e pela impunidade nessas mortes brutais.

RENATO KHAIR

renatokhair@uol.com.br

São Paulo

*

CRISE DO JUDICIÁRIO

CNJ

Muito interessante a análise de Maria Tereza Sadek sobre a trajetória da magistratura brasileira a partir da Constituição de 1988 (14/1, A2). A dessacralização do Judiciário, por ela referida, de fato abre caminho para um salutar aperfeiçoamento de práticas democráticas e republicanas, com especial atenção para as exigências institucionais de transparência e prestação de contas à sociedade. Nesse processo, felizmente irreversível, o alcance da competência do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) deve ser compatibilizado com a autonomia constitucional dos tribunais, de modo que a atuação daquele, em matéria correcional, só tenha lugar em caso de comprovada inoperância das instâncias de controle locais. Longe de ser um retrocesso ou esvaziamento do CNJ, tal arranjo representaria um notável salto de maturidade republicana e federativa, a sobrepor-se ao perigoso salvacionismo que tem pautado o noticiário a respeito do tema.

GUILHERME SILVEIRA TEIXEIRA, juiz de Direito

g1teixeira@yahoo.com.br

São Paulo

*

O silêncio do STF

Os desdobramentos das investigações sobre movimentações atípicas de magistrados do Tribunal de Justiça de São Paulo demonstraram cabalmente que a corregedora do CNJ, Eliana Calmon, estava coberta de razão quando disse que há bandidos escondidos atrás de togas. O relatório do Coaf mostra que 3.426 servidores do Judiciário e magistrados movimentaram, de forma suspeita, em torno de R$ 855,7 milhões entre 2000 e 2010. Ela foi quase publicamente crucificada pelo presidente do STF, Cezar Peluso, que, aliás, guarda estranho silêncio sobre o que escondem as togas pretas de nossa Justiça.

JOÃO HENRIQUE RIEDER

rieder@uol.com.br

São Paulo

*

A farra continua

R$ 855 milhões! Haja contribuintes para pagarem essa conta...

VIRGÍLIO MELHADO PASSONI

mmpassoni@gmail.com

Jandaia do Sul (PR)

*

Ótima ideia

A substituição do STF pela ministra Eliana Calmon, ventilada pelo ministro sarcástico (12/1), seria o que de melhor poderia acontecer na Justiça brasileira.

JOSÉ LUIZ TEDESCO

wpalha@terra.com.br

Presidente Epitácio

*

Magistrados x cartolas

Presumindo que os nossos altos magistrados sejam pessoas de ilibada reputação moral, elevados conhecimentos jurídicos e, principalmente, razoável educação, surpreendem-nos em "bate-bocas" e desavenças com seus pares, igualando-se aos nossos cartolas, dirigentes de clubes e entidades esportivas, em especial do futebol, que em grande parte, supõe-se, não são de tão ilibada reputação nem de tantos conhecimentos.

JOSÉ CARLOS DE SYLOS

sylosjunior@hotmail.com

São Vicente

*

VIAGEM

À custa do contribuinte

Diante da resposta do presidente do PMDB, senador Valdir Raupp (RO), e de sua mulher, a deputada federal Marinha - "qual é o problema?" -, quando interpelados sobre viagem que fizeram pela Europa e pela Ásia com o dinheiro do contribuinte, ficou provado que, entre os políticos do nosso país, o que pratica ato dos mais ultrajantes, vergonhosos e mais mesquinhos ganha "status" entre eles, fica com "moral"...

ARTUR TOPGIAN

topgian.advogados@terra.com.br

São Paulo

*

NAUFRÁGIO

Uma pedra no caminho

Lamentamos o triste destino dos passageiros do navio de cruzeiro italiano Concórdia. A bordo tudo era alegria, a festa corria solta. Mas, como dizia o poeta, havia uma pedra no meio do caminho, no meio do caminho havia uma pedra...

ARSONVAL MAZZUCCO MUNIZ

arsonval.muniz@ig.com.br

São Paulo

*

Bateau Mouche

Naquele país de "Terceiro Mundo", o comandante do navio desceu algemado. Aqui, na sexta economia mundial, os donos do Bateau Mouche continuam se privilegiando das benesses do Código Penal. Acorda, Brasil!

ANGELO ANTONIO MAGLIO

angelo@rancholarimoveis.com.br

Cotia

*

RODOVIA OSWALDO CRUZ

Ônibus em trecho de risco

A Rodovia Oswaldo Cruz (SP-125), que liga Taubaté a Ubatuba, tem um trecho na serra de 7 km bem conservado, mas com curvas muito acentuadas e via estreita, impossibilitando o tráfego de caminhões e ônibus. Mas, por permissão especial (!) do DER, está sendo permitido que a Viação São José utilize os seus ônibus nesse trecho, pondo em risco os veículos que se deparam com os coletivos. Estão esperando que aconteça um acidente com vítimas para, então, cancelar esse absurdo de concessão?

ORLANDO CESAR DE O. BARRETTO

ocdobarr@usp.br

São Paulo

*

GOVERNO ALCKMIN

Salários da saúde

Exmo. sr. governador e prezado colega, como médico sanitarista do Estado, e com quase 30 anos de serviço, recebi em 20 de dezembro de 2011 a primeira parcela, a título de reajuste salarial concedido pelo governo, no valor de R$ 34,27. Esperemos a segunda parcela em 26 de janeiro próximo! Não tenho palavras para agradecer tamanho incentivo.

JOSÉ WILSON GAMBIER COSTA

jwilsonlencois@hotmail.com

Lençóis Paulista

*

ESPERTEZA VIL

Valdir Raupp é senador e presidente do PMDB. Marinha Raupp é deputada federal e do mesmo partido. O que eles têm em comum não é o fato de serem casados ou políticos, mas ambos terem aquela asquerosa mania de usar recursos públicos, entre outras cositas más, para lazer internacional. E não é que os dois já estão na sexta viagem pelo mundo?! E destas, cinco pagas pelo contribuinte?! E é bom deixar claro que em suas agendas não existiam compromissos oficiais... Para não assustar o leitor, garantimos que o casal usurpador do erário não estava no transatlântico Costa Concórdia, que tombou em águas italianas... Mas certamente viajam de avião e somente em primeira classe. Bobos eles não são! Se for para desviar recursos, tem de ser com classe... E não por outra razão conheceram o Japão, a Europa, a África do Sul, etc., percorrendo um total de 144,2 mil quilômetros. Só não podemos garantir se eles têm passaporte diplomático (já que o Lula distribuiu para boa parte dos aliados) que lhes permita passar pela alfândega no Brasil sem serem revistados. Já imaginaram quanta muamba comprada com recursos talvez de parte das emendas parlamentares?! Que fase institucional melancólica esta que estamos vivendo na era petista...

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

*

AS VIAGENS DOS RAUPP

O casal Raupp faz “tour” pago pelo Congresso. O senador Valdir Raupp (RO) e sua mulher, a deputada federal Marinha, fizeram juntos seis viagens internacionais nos últimos sete anos, cinco custeadas pelo contribuinte. O senador não vê nada de errado nestas viagens. Quanta cara de pau! Não bastassem as roubalheiras praticadas por senadores e deputados corruptos, este casal ainda se dá ao luxo de fazer turismo à custa dos contribuintes. Conselho a este “ilustre” casal: se querem fazer turismo, que façam, mas com dinheiro do próprio bolso. Mesmo que seja uma viagem ao outro mundo.

 

Adolfo Zatz dolfizatz@gmail.com

São Paulo

*

E DAÍ?

Se o contribuinte deixar de pagar seus impostos, ele também poderá dizer "qual é o problema"?

 

Robert Haller robelisa1@terra.com.br

São Paulo

*

AVENTURA ROCAMBOLESCA

A declaração (16/1, A6) da deputada Marinha Raupp – “As lições aprendidas na China deverão subsidiar a escolha do melhor modelo de trem de alta velocidade para o Brasil” – faz-me lembrar o que disse uma autoridade da ONU, ainda no século 20: “Todo país subdesenvolvido quer ter um grande estádio de futebol e um aeroporto internacional”. Agora nossos dirigentes subdesenvolvidos querem acrescentar o “trem-bala”. Tudo demagogia política que nos quer vender “espelhos e apitos”. A única coisa que apregoam é que o “trem-bala fantasma” deverá ligar Rio-São Paulo-Campinas, mas não há projeto, número de túneis ou pontes e viadutos a construir, nada! Aventura rocambolesca!

Hoover Americo Sampaio hoover@mkteam.com.br

São Paulo

*

DILMA SUPERA LULA

Dilma conseguiu superar Lula.  A corrupção no seu governo soi quase o dobro do que no último ano do governo Lula, e os restos a pagar que deixou igualmente, quase o dobro... governos lulopetistas,  um lástima.

 

Carlos E. Barros Rodrigues ceb.rodrigues@hotmail.com

São Paulo

*

FUNDO DO POÇO

Não há dúvida de que chegamos ao fundo do poço! Assistimos, atônitos, à atuação de um Executivo clientelista, com um ministério inchado, ocupado por políticos partidários, muitos afastados, ao longo do último ano, por atos de corrupção em suas pastas. Somos agredidos por um Congresso corporativo que promove autoaumentos, também altos,  e trabalha três dias por semana, desinteressado em debater reformas pelas quais o País clama. Agora, atropelam-nos notícias que revelam gastos “atípicos”, um eufemismo para ”ilícitos”, por parte de magistrados e funcionários que deveriam garantir o cumprimento de  ”lícitos”. É necessária uma vasta investigação que restabeleça o prestígio do Judiciário. O que não é suportável é a sociedade ter de conviver, sem confiar, justamente com o poder encarregado de promover a justiça. 

 

Paulo Roberto Gotaç prgotac@hotmail.com

Rio de Janeiro

*

OPERAÇÕES (A)TÍPICAS

A movimentação de verbas pelos "togados" mais bem pagos quiçá do mundo são atípicas, se considerarmos os jurisprudentes (talvez imprudentes), homens probos, voltados para a justiça perante a qual todos deveriam ser iguais. Mas se pensarmos em homens togados, indicados, para fazerem da toga esconderijo inatingível pelas próprias leis que juram aplicar aos cidadãos, menos a eles próprios, a movimentação se torna típica... de bandidos! Claro!

José Jorge Ribeiro da Silva jjribeiros@yahoo.com.br

Campinas

*

DESIGUAIS

Com efeito, é de causar espécie a declaração do presidente do Tribunal de Justiça (TJ) paulista (14/1, A/4), "defendendo enfaticamente os pagamentos ao repudiar tese  que seus pares deveriam entrar na agonia dos precatórios que levam até 20 anos para serem quitados". Coitados, é de dar pena, pois não obstante os salários que recebem, estabilidade, aposentadoria sem prejuízo, férias de dois meses, mais as benesses de planos de saúde, auxílio moradia, verbas indenizatórias não dedutíveis de IR, etc., etc., deveria ter constrangimento por assim se manifestar. E,como se não bastasse, ao afirmar que na" Justiça do Trabalho os direitos são prontamente reconhecidos clamou – por que os juízes não podem receber?",demonstrando total desconhecimento com a realidade existente em todos os Tribunais do País, desacreditados pela população em geral e chamada de In-Justiça, pois Justiça que tarda  falha. Quer dizer que os menos  favorecidos, milhares de aposentados, credores de precatórios e outros, que estão amargando a espera, muitos falecendo sem ver seu direito reconhecido pela Justiça e governo e que, em absoluto não usufruem dos mesmos privilégios que os magistrados, não são merecedores, pois segundo o entendimento do presidente do TJ paulista, são tidos como não iguais perante a Lei? Não é verdade que a Justiça do Trabalho reconhece prontamente o direito, pois cito apenas um, dentre milhares de outros, que uma ação contra uma empresa privada – processo n.º 990/93 – 56.ª Vara do Trabalho de São Paulo, procedente em parte, depois de tramitar por todas as instâncias trabalhistas, desde 2005, em fase de execução  e perícias apenas para cálculos das verbas, o autor até agora não recebeu os seus haveres, passados 19 (dezenove) anos, idoso, doente, muito embora o processo esteja tramitando em regime de urgência (sic), conforme prerrogativa legal. A Justiça Federal – Juizado Especial Cível, que trata de benefícios, revisões e outros (Avenida Paulista) está paralisada desde outubro de 2011. Não vejo nenhuma manifestação por parte dos senhores magistrados, nem do governo e  os interessados, ora, podem ficar na amargura da espera. Aliás, prazos na Justiça, somente para as partes. Para os juízes não existem, ficam a seu bel prazer, com raras exceções. Precisamos, sim, de muitos juízes corajosos como a digníssima corregedora  Eliana Calmon. Parabéns a ela, pois está fazendo a diferença. Que pena, um Brasil  que tem tudo para ser o país do presente, mas infelizmente abarrotado de políticos e autoridades que somente cuidam de seus interesses corporativistas e, o que é pior, todos sustentados em todos os sentidos pelos contribuintes cumpridores de suas obrigações.

 

Araci Leonard Colatti Catarino aracicat@ol.com.br

São Vicente

*

‘A DESSACRALIZAÇÃO DO JUDICIÁRIO’

Concordamos com o fenômeno da evolução do Judiciário, apontado por Maria Tereza Aina Sadek, em sua manifestação de 14/1 (A2). Há, entretanto, vários pontos a democratizar. Exemplos: 1) a extinção do foro por prerrogativa de função, exceto para os chefes do executivo; 2) o fim do segredo de justiça, salvo para os litígios de família; 3) a extinção das "escolinhas da magistratura", diques elitistas para os aprovados nos concursos, posto que devem ser frequentadas em tempo integral. As faculdades já poderiam especializar turmas, como se dá em outros países; 4) o aumento das mulheres nas estruturas das justiças estaduais; dos 25% apontados, podemos afirmar que 80% está na Justiça do Trabalho; 5) a eliminação das promoções por antiguidade, remanescendo apenas as por merecimento e publicizados seus critérios. Há outras medidas.

Amadeu R. Garrido de Paula amadeugarridoadv@uol.com.br

São Paulo

*

ELIANA CALMON

Encanta-me a ministra do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), sua coragem, sua persistência. Estou assistindo, dia a dia, ao reconhecimento de sua capacidade, a opinião pública está contigo. Ecoam vozes das academias, dos periódicos,  de profissionais, editorialistas, articulistas, que se manifestam  para aplaudi-la,  sabendo-se coisa rara, nos tempos atuais, a defesa desta nossa pobre democracia. Parece-me que a novela vai longe, mas, os “homens” dos privilégios, dos feudos, dos corporativismos, estão cada vez mais pequenos. Seus argumentos me fazem rir: apartamento inundado, doenças, pagamento de dívidas, e por aí vai – enfim “situações pessoais”. Creio que dá enredo para uma obra, uma não ficção, ou quem sabe uma ópera bufa? Poderia chamar-se: Os safados.  Senhores ministros, desembargadores, prestem mais atenção, tenham vergonha, vocês não precisam nem mesmo dos “benefícios” legais, como auxílio-moradia, porque são benefícios imorais, os salários dos senhores são os mais altos do funcionalismo, quanta injustiça seus privilégios. Vocês alegam antecipação de “salários” a título de licenças-prêmio, férias não usufruídas... não nos façam rir, há leis específicas sobre esses casos para o funcionalismo público em geral, ah, esqueci, vocês estão acima da lei. Recebem “passivos trabalhistas” na íntegra, precatórios é só para os outros (?). Deem uma olhada no povo deste País, povo que trabalha e que também tem situações “extraordinárias” como: doenças, dívidas, etc. etc. só que não assaltam o erário público. Meu sonho: um país justo, um Judiciário moderno, transparente, sem privilégios, que os princípios constitucionais sejam efetivados. Mais uma vez, senhora ministra, parabéns.

Maria C. A. G. Aylon consueloaylon@gmail.com

Franca

*

CORAGEM

É de gente assim, como essa extraordinária Eliana Calmon, honesta, competente e muito corajosa que o Brasil tanto está precisando. A Câmara Federal seria um brilhante exemplo com 513 Elianas, o Senado funcionaria dentro da sua normalidade constitucional, o Poder Judiciário passaria responder com seriedade e trilhando pelo seu real caminho da justiça. E, certamente com ela no Poder Executivo o Brasil tomaria o rumo da honra, da justiça, respeito a constituição e ao povo brasileiro. Para que isto aconteça só falta educação a uma grande parcela de eleitores que votam contra a Pátria e a si mesmo.

Benone Augusto de Paiva benonepaiva@yahoo.com.br

São Paulo

*

ELIANA, NOSSA LADY THATCHER

Tomara que tenha a coragem e determinação de continuar nessa luta , o Brasil precisa pois está afundando rapidamente com a crescente ladroagem e corrupção.

Renzo Orlando renzoorlando@netpartners.com.br

São Paulo

*

A VERDADE SOBRE ELIANA CALMON

Sou uma pessoa comum que gosta da verdade e luta pela justeza da justiça. Também  sou respeitador da opinião alheia. Aceito o contraditório e me deixo convencer diante de bons indícios. No entanto, não me convenci com a resposta abaixo, publicada na net para responder o meu email, e vou dizer por quê! Se aceitarmos o argumento de que a Drª Eliana Calmon quer apenas holofote e visa, com isso, candidatar-se a cargo público, é o mesmo que dizer que melhor alvitre é deixar tudo como está para ver como é que fica. Ainda assim, se ela obtiver ganhos políticos por tomar a linha de frente para combater a corrupção, é motivo mais que suficiente de preservá-la no cenário político e ajudá-la a melhorar o Brasil. Eu sei que ela, apesar dos seus esforços, não vai acabar com a corrupção no Judiciário. Mas é uma importante iniciativa. É o lançamento da pedra fundamental. Não apoiá-la é concordar com falcatruas, com decisões judiciais absurdas, sentenças favorecedoras de poderosos em detrimento dos mais fracos. Muito fraca a alegação de que ela está denegrindo todo o poder para se favorecer. Muito pelo contrário. Ela, ao abraçar a causa contra a corrupção judiciária, bravamente denunciou as mazelas dos magistrados corruptos. Isto é por demais estressante. Seria muito cômodo ela ficar quietinha no seu canto, não se preocupar e simplesmente se beneficiar do sistema. E olha que ela ficaria rica! E tem mais! Quem é o autor desta resposta? "Queremos a Verdade"  não é nome de pessoa física. Quem quer a verdade se identifica. Quem não coaduna com a corrupção faz o que a Drª Eliana Calmon está fazendo: trabalhando em prol da moralidade da justiça! Tem muita gente preocupada com o desfecho da iniciativa da Drª Eliana. Agora é hora de tirar o pó sob o tapete! Ela precisa do nosso apoio, não vamos deixá-la só! Todo apoio à Drª Eliana Calmon!

 

Josenito Barros Meira jb-meira@hotmail.com

São Paulo

*

NASCE A SERPENTE

Quando Charles de Gaulle visitou o Brasil décadas atrás disse que o Brasil não era um país serio. Hoje, décadas depois, acredito que o nosso país continua sendo um país não sério, a julgar pela postura e falta de brasilidade do nosso Judiciário. Não é possível inserir nosso país num cenário internacional de respeito mantendo nossa justiça do jeito que aí está. Vários crimes que os magistrados condenam são os mesmos ou talvez mais graves que eles cometem. Formação de quadrilha? Sonegação fiscal? Favorecimento financeiro? Informação privilegiada? Abuso de poder? Etc... Não é o que estamos acompanhando pelos jornais? Que nossa representante nessa batalha, Eliana Calmon, vá em frente, dentro da lei, até as últimas consequências. Que ela consiga abortar a serpente que está por nascer. Nós precisamos de retidão, nossos filhos vão nos cobrar isto. Senão, a lei de Gaulle continuará verdadeira por outras tantas décadas, até que se prove o contrário.

 

José Darci Farias Bressan beiraltelhas@gmail.com

São Paulo

*

SONHO MEU...

 

Sonhei que a nossa primeira presidenta do Brasil se chamava Eliana, mas quando acordei...

 

Alessandro Lucchesi timtim.lucchesi@hotmail.com

Casa Branca

*

DESLOCADA

Pelo que a mídia nos informa, a ministra Eliana Calmon parece uma freira em zona de prostituição.

Mauro Roque lauroroque@uol.com.br

São Paulo

*

CRISE NO JUDICIÁRIO

A atual crise que divide o Judiciário brasileiro em razão de uma tentativa do esvaziamento das prerrogativas  do Conselho Nacional de Justiça, é emblemática. Prova como   tais operadores do direito entre nós, precisam se ajustarem para cumprirem suas imprescindíveis funções legais, adequando-se como todo o estamento do servidores públicos,  aos controles rígidos de suas  prerrogativas, que jamais podem ficar sob suspeita. Essa postura de transparência ética é hoje, exigência de toda a Nação Brasileira.

José de Anchieta Nobre de Almeida josedalmeida@globo.com                                             Rio de Janeiro

*

JUSTIÇA SEJA FEITA

Há muito, São Thomas de Aquino escreveu: “A Justiça é a mais nobre  entre todas as virtudes morais”. Contrariando o que ele  escreveu, hoje na justiça brasileira há uma “guerra” entre os vários órgãos e instituições ,não para buscar justiça, e, sim, para solucionar interesses particulares e escusos como consta todos os dias nas páginas dos principais jornais que circulam em nosso país.

 

Virgílio Melhado Passoni mmpassoni@gmail.com

Jandaia do Sul (PR)

*

VAMPIROS

Sempre achei que juízes, vestindo a famosa “toga”, pareciam vampiros. Agora tenho certeza absoluta.

Paulo Fidencio Vendas. continental@uol.com.br

Itu

*

DEMISSÃO É ESSENCIAL

Tem toda razão o novo secretário da Secretaria da Reforma do Judiciário, Flavio Caetano, ao propor que os magistrados estejam sujeitos á pena de demissão quando praticarem crimes ou irregularidades no desempenho da função. Todos os funcionários públicos devem estar sujeitos a demissão. Aposentadoria compulsória aplicada aos juízes infratores é prêmio e não punição. A Lei Orgânica da Magistratura, de 1979, está obsoleta e superada, necessitando urgentemente ser alterada por uma nova lei que esteja de acordo com os princípios republicanos e da Constituição Federal. Não se admite que a sociedade brasileira fique refém do Judiciário e que privilégios inaceitáveis – como 60 dias de férias, entre tantos outros – continuem existindo para juízes e promotores. 

Renato Khair renatokhair@uol.com.br

São Paulo

*

O FUNDO DA FOSSA É MAIS EMBAIXO

 

“Nunca antes na história deste país” a oposição foi tão situacionista... O governo Dilma é um verdadeiro canteiro de escândalos, mas a “Presidenta” perambula incólume e tendo a tiracolo ora Aécio, ora Alckmin... De Kassab, que afundou a cidade de São Paulo na lama do abandono para fundar uma dita terceira via, nem se fale!, principalmente agora que ofereceu Henrique Meirelles na bandeja a Lula para o rega-bofe de Haddad... Marina, que Marina?... Aquela que ajudou Dilma a ser eleita, com sua neutralidade eleitoral política, social, econômica e ambientalmente incorreta?... O que dói no brasileiro decente, na verdade, é saber que mais destas não surpreende no Brasil: aqui, o governo comemora o advento de um malfeito perpetrado por alguém próximo de um pretendido aliado pela oposição, para que outra sinecura envolvendo um companheiro de Dilma até o pescoço seja atirada ao limbo do esquecimento... Aqui, juízes apedrejam a transparência e empurram com a caneta a solução de processos de alta relevância social... Aqui, promotores e defensores públicos omitem-se diante de toda a sorte de mazelas e unem-se em guerrilha pelo direito de uns poucos e perigosos infelizes, carentes inclusive de tratamento de saúde, de formar guetos em áreas públicas para o livre consumo (e tráfico, por conseqüência...) de drogas, para degradação humana de si mesmos e em detrimento da liberdade dos demais cidadãos... Mas, esta, é outra história...

Saulo Vieira Tortelli saulo_tortelli@msn.com

São Paulo

*

ELEIÇÕES 2012

Estão comentando na mídia que o motivo de Dilma ter protelado a saída de Fernando Haddad do Ministério da Educação (MEC) é o pífio resultado obtido por ele em pesquisas feitas pelo próprio PT, que indicam rejeição da população ao seu nome apesar de ser afilhado político de Lula e reforçam a tese de uma ala do PT  que propõe a candidatura de Marta Suplicy à prefeitura de São Paulo. Bom, já conhecemos o legado de Marta como prefeita, e tão bom foi... que ela acabou perdendo nas urnas para o então quase desconhecido Kassab. Fora as obras que tiveram que ser refeitas pelo governo seguinte por evidente má qualidade na execução (Exemplos: o corredor de ônibus da Av. Vereador José Diniz, o túnel sob a Av.Faria Lima etc.). Marta terminou seu mandato de quatro anos deixando , segundo dados do Sistema de Execução Orçamentária, um rombo de quase R$ 440 milhões, e uma dívida que beirou os R$ 30 milhões. Que venha Fernando Haddad e seu lastro ruim à frente do MEC, que venha Martaxa Suplicy. PT de novo em São Paulo nunquinha, jamais!

 

Mara Montezuma Assaf montezuma.scriba@gmail.com

São Paulo

*

EDUCAÇÃO EM SEGUNDO PLANO

Com tristeza leio que o brasileiro gasta menos com educação e mais com lazer. Pois é, falta ao brasileiro chefe de família saber o que é prioridade  na vida. Quando criança, eu via famílias que não tinham um filtro em casa, mas compravam uma tevê. De lá para cá estamos observando que à medida que a pessoa pode consumir ela perde a mão e passa a fazer bobagens. Somente nos países de quinto mundo isso é possível. Temos muito a aprender com países de primeiro mundo que colocam a educação em primeiro lugar em casa e na vida. Eis o novo perfil do consumidor brasileiro apurado pelo IBGE em sua Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF) de 2008-2009. Prefere ter um carro a saber ler. Não se deram conta de que aqueles que lêem chegam mais perto do carro e o pagam com maior facilidade. Por mais que tentemos entender tamanha inversão de valores esse atraso explica a situação das escolas públicas de hoje.  Professores mal preparados,  recebendo migalhas, pais e alunos desinteressados e governo fingindo que está tudo bem. Vamos de mal a pior em educação, pois o verdadeiro analfabeto é aquele que sabe lê e não lê. Os governantes agradecem tamanha ignorância.

Izabel Avallone izabelavallone@gmail.com

São Paulo

*

REFLEXO

É muito triste saber que o IBGE constatou que o consumidor brasileiro diminui seus gastos com educação e leitura na última década e passou a usar mais dinheiro do seu orçamento familiar em atividades recreativas. Isso é o reflexo da pouca importância dado pelo governo à educação, com parcos investimentos na área. Logo a ela, que é o principal pilar de sustentação dos países que se destacam dos demais e a alavanca do progresso de uma nação.

Essa queda, coincidentemente, ocorreu a partir do início do governo Lula, que publicamente sempre se gabou de ter conseguido chegar aonde chegou sem a necessidade de estudos, apenas com a vida lhe ensinando.

Ronaldo Gomes Ferraz ronferraz@globo.com

Rio de Janeiro 

*

PENA

O que poderemos esperar de um povo em que o gasto com leitura cai de 0,4% para 0,3%, e que gasta menos com educação e mais com lazer e automóveis? A resposta virá na próxima eleição...

Roberto Saraiva Romera robertosaraivabr@gmail.com

São Bernardo do Campo

*

FUTURO

Numa pesquisa mundial, constatou-se que os judeus eram as pessoas que mais se destacavam em todos os segmentos da economia, ciências, letras, etc. Não por serem mais inteligentes e sim porque há séculos são os que mais investem na educação dos seus filhos. Para variar o Brasil do “progresso” anda na contramão, onde a grande maioria dos pais prefere investir em lazer do que na educação dos filhos. O fruto dessa escolha virá muito mais tarde, quando despreparados os filhos serão verdadeiros parias vivendo da aposentadoria dos pais, ou abandonando os próprios. Por causa do péssimo preparo não poderão gerenciar suas famílias e ajudar seus velhos pais. Escolhas de hoje, serão os frutos colhidos de amanhã!

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

*

CASO DE JUSTIÇA

A prova de redação nos vestibulares finalmente virou problema dos Tribunais de Justiça, como mostra a matéria MEC acata Justiça e altera nota de redação do Enem (16/1, Educação, A13). Não é de hoje que especialistas em avaliação apontam o problema dessas provas de vestibular onde há subjetividade na correção, mesmo quando a nota final reflete uma média de vários corretores. Em verdade a prova de redação e outras de correção subjetiva já deveriam ter sido eliminadas dos vestibulares há muito tempo.

 

José Elias Laier joseeliaslaier@gmail.com

São Carlos

*

GERAÇÕES X E Y

Muito se fala das novas gerações, com tanta tecnologia, dinamismo e anseio de conquistas. Mas quero lembrar da geração que não se abateu com a grande depressão, guerras e dificuldades outras, e reconstruiu com coragem, ética e profissionalismo, uma possibilidade, que hoje se traduz em Brasil melhor. Exemplo disso é meu pai, que soube transmitir valores através de atitudes e exemplos seguidos, como ler o “Estadão” todas as manhãs... Que abraçou a advocacia, como convicção de fazer prevalecer a justiça. Hoje, conquistou o que inspirou: advogados da geração X (filhos) e da geração Y (netos).

Ester Endo ester@addressconsulting.com.br

São Paulo

*

PARCERIA COM O MEC

Big Brother Brasil (BBB) é parceiro ideal do ministro Haddad na degradação da educação do povo brasileiro.

Roberto Twiaschor rtwiaschor@uol.com.br

São Paulo

*

‘BIG BROTHER BRASIL’

Um grupo de idiotas que não faz nada, assistido por milhões de zumbis idiotizados incapazes de procurar algo melhor para fazer.

Não seja mais um zumbi idiotizado ! Exorcize o feitiço que sai da “telinha luminosa” em forma de reality shows, programas de auditório, novelas, etc. Desligue a televisão e vá ler um livro!

 

Túllio Marco Soares Carvalho tulliocarvalho.advocacia@gmail.com

Belo Horizonte

*

CRÍTICAS

Interessante os telespectadores  criticarem o BBB global, já que melhor é fazer como eu, não assistindo e, assim, não ter do que reclamar.

 

Laércio Zannini arsene@uol.com.br

São Paulo    

*

ACIDENTE NA ITÁLIA

Protagonista de um gigantesco acidente marítimo ao colidir com rochedos o transatlântico Costa Concórdia de 292 m de comprimento (3 campos de futebol), 35 m de largura ( 2 campos de vôlei), pesando 114 mil toneladas (100 mil carros médios), respeitadas as devidas proporções e segundo critério estabelecido pelo nosso Contran, o comandante Francesco Schettino, perderia em torno de 700 mil pontos e teria a sua habilitação de capitão de longo curso cassada. Se, por acaso fosse pego num teste de bafômetro que revelasse alto grau alcoólico no seu corpo, devido a pavonice noturna, de praxe, ao redor das mesas dos passageiros sempre recheadas de garrafas de vinho italiano, seria preso em flagrante, sem direito a fiança, com possibilidade de ser condenado a pena de prisão perpétua. Se antes de ser trancafiado, conseguisse fugir para o Brasil, filiando-se ao PT, estaria são e salvo.

Sergio S. de Oliveira ssoliveira@netsite.com.br

Monte Santo de Minas (MG)

*

COSTA CONCÓRDIA

Quanto maior a sofisticação dos meios eletrônicos na condução de navios e aviões, mais difícil fica para os comandantes reagirem com presteza em casos de emergência. Vem à nossa lembrança o caso da Air France e agora este do Costa Concórdia,que graças à Deus, conseguiram arrastar o navio até águas rasas,senão seria a tragédia do século 21.

Aloisio Arruda De Lucca  aloisiodelucca@yahoo.com.br

Limeira

*

CALADO

Na Itália, o cruzeiro marítimo fez água. No Brasil, o senador Raupp não tem problemas com a Marinha.

 

A.Fernandes standyball@hotmail.com

São Paulo

*

2012

Aos leitores apreensivos sobre a verossimilhança do cataclismo que se dará em 2012, aviso que é falso. No entanto, devo salientar que a falsidade está quando afirmamos que o mundo irá acabar por desastres naturais e fenômenos incomuns. Infelizmente, sinto-me na obrigação de avisar que as previsões do calendário maia dizem respeito ao campo político internacional, onde as peças já estão sendo modificadas e trabalhadas para que em breve haja o xeque-mate. Percebam como está a situação entre o Irã e os EUA, e seus respectivos aliados. Percebam também por onde anda Ahmadinejad, e como estão os preparativos para as eleições na Rússia. O final de 2012 será mais intenso que o filme "2012".

Pedro Beja Aguiar pedrobejaaguiar@gmail.com

Rio de Janeiro

*

ATOS ABOMINÁVEIS

Quero congratular-me com o Estadão pelo editorial Ultraje no Afeganistão (16/1, A3), que critica veementemente atos indignos praticados por soldados americanos no Paquistão, Iraque e Cuba (Guantánamo). Gostaria de enfatizar que tais atos são frutos da islamofobia que, grassa nos EUA, alimentada pela mídia (particularmente pela Fox News) e pelo congresso americano, fortemente influenciados por lobbies poderosíssimos e que têm interesse em denegrir os muçulmanos em geral. Considero altamente perigosa esta prática, que tenta desmoralizar uma religião que tem 1,5 bilhão de praticantes no mundo e que certamente incentivará represálias indesejáveis.

Wilson Haddad wilson.haddad@uol.com.br

São Paulo

*

BRANCOS E NEGROS

Filho de portugueses, nasci em Moçambique onde morei até 1971. Na altura era uma colônia portuguesa, onde além dos cerca de dez milhões de negros e alguns milhares de indianos, chineses e mestiços, moravam cerca de 250.000 entre portugueses e descendentes. Com a independência, a instalação de um regime ditatorial e a guerra civil, tal como aconteceu aos portugueses de Angola também os de Moçambique tiveram que deixar a África. Entretanto, milhares de africanos entre angolanos, cabo-verdianos, guinéus e outros mudaram-se para Portugal onde hoje constituem uma importante minoria. Residi cerca de 15 anos na Europa, em Portugal e na Itália, onde me cansei de ouvir e ler comentários em que os portugueses da Africa eram apontados como "colonialistas", "exploradores dos negros", etc. Já no Brasil nos manuais escolares a questão da escravatura vem apresentada como uma barbárie cometida pelos brancos a dano dos negros. Ora, nestes dias muito se tem falado da imigração em massa de haitianos, na sua totalidade negros, para o Brasil. Considerando o "histórico" de exploração a que os negros foram submetidos na Africa e no Brasil, por que razão eles não escolhem um país africano para viver? Por que não vão para o Senegal que lhes ofereceu asilo? E os afrodescendentes brasileiros por que não se interessam por trabalhar e viver na Africa como fazem os italo-brasileiros que há muitos anos fazem fila nos consulados italianos para se mudar para a Europa? A razão é simples. Com exceção da Africa do Sul onde há uma minoria branca digna do nome (10% da população) que mesmo excluída do poder "toca" a economia daquele país, nenhum outro país africano negro oferece condições mínimas decentes de vida. Está na hora pois de rever toda essa literatura esquerdizante que aponta o branco como eterno vilão e o negro como eterna vítima explorada. Ainda que involuntariamente, ao longo dos últimos cinco séculos, as duas etnias têm se complementado: o branco com seu espírito empreendedor e conhecimento técnico, o negro com o auxílio do trabalho braçal, igualmente necessário ao desenvolvimento de um país. Uma complementaridade que não existe, por exemplo, entre africanos e asiáticos.

Ricardo Martins Soares lusoparana@yahoo.com.br

Curitiba

*

BRASIL OU HAITI

Enquanto o Brasil atravessa toda tragédia nos respectivos Estados: Rio de Janeiro, Minas Gerais, Espírito Santo por conta das enchentes que assola o País a mais de dois meses – sem falar na seca no Rio Grande do Sul, a presidente Dilma está de viagem marcada para o Haiti, disposta a investir nosso dinheiro na construção de pontes, estradas, escolas e sabe lá em quais paraísos fiscais os haitianos vão colocar parte desse dinheiro. Já que a mesma está tão disposta a ajudá-los, o governo deveria também encaminhar os imigrantes que não param de chegar ao Brasil para exames na área de saúde. Dessa forma eles ficariam mais satisfeitos e o povo brasileiro agradeceria pela não disseminação das doenças infecciosas que toma conta do Haiti. Afinal esse País é de todo mundo.

 

Valdy Callado valdypinto@hotmail.com

São Paulo

*

AJUDA DEMAGÓGICA

O problema é que o Haiti não recebeu nenhuma ajuda. Se houvera recebido não estaria no caos em que se encontra. A ONU nada fez. As tropas enviadas para lá pouca coisa adiantou. Se houvesse ajuda verdadeira teriam construído casas populares para o povo, 50 mil, que até hoje vive em tendas, como os nômades no deserto. Teriam incentivado a indústria naval para a pesca, teriam fábricas de blocos para construção de casas, teriam incentivado a agricultura. Nada adiantará recebê-los no Brasil e dar-lhes emprego, porque aqui, o pobre vive em condições subumanas em favelas como as do Moinho que pegou fogo e ninguém resolveu nada para os prejudicados. Ajudar o povo haitiano teria de ser de forma mais objetiva, mas nada disso foi realizado. Se não resolvem o problema do favelado brasileiro, vão resolver o do haitiano? O resto é demagogia e hipocrisia.

 

Alberto Nunes albertonunes77@hotmail.com

Itapevi

*

HAITIANOS

Alguma coisa tem por traz dessa repentina perseguição aos haitianos, as nossas fronteiras sempre foi passagem para os cidadãos da Bolívia, Peru, Paraguai, etc. e ninguém até agora não disse nada, então porque esse barulho todo por causa dos haitianos,os haitianos, em sua maioria são profissionais qualificados na área da construção civil, mecânica e agropecuária isto sem falar na sua cultura que se origina da frança,porque tanta intolerância com esse cidadãos que vem aqui em busca de dias melhores? Será que é por que são negros? Tanto a intolerância como o racismo são duas coisas que deve ser banidos da face da Terra. Esse desgoverno devia, sim, se preocupar com as drogas e armas que entram diariamente por aquela fronteira que também é usada por esses haitianos, mas as drogas e as armas, para o sr. ministro da Justiça, podem; os haitianos, não.

Paulo Francisco Siqueira dos Santos paulosiqueirasantos@hotmail.com

Santa Rita do Passa Quatro

*

CUSTO DE VIDA

O custo de vida do Brasil supera o dos EUA. Porém o governo quer nós vender a ideia de estabilidade e que tenhamos tido uma inflação de 6,5% em 2011. Esse índice absurdo e ridículo é tão fácil divulgar como tirar doce da boca de criança.

 

Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

*

LERAM?

Será que alguém do governo federal leu a matéria sobre o custo de vida no Brasil? Como gostaria que a presidente... Sonhar não faz mal para ninguém!

Nelson Piffer Jr. pifferjr86@gmail.com

São Paulo

*

A DITADURA DOS BANCOS

Na Constituição de 1988, em seu artigo 192 parágrafo 3º estava inserido que os juros bancários não poderiam exceder 12% ao ano. O sistema bancário nacional, dois dias após a vigência da nova Constituição, iniciou uma luta na surdina para que fosse suprimido aquele artigo.Tanto fizeram, e tanto é sua influência sobre o governo, que em 2003,  com o “trabalho” de seus lacaios no Congresso Nacional,  conseguiu revogar o referido parágrafo pela Emenda Constitucional, EC 40/2003.  Recém saído de uma ditadura, estamos sendo vítimas de outra, desta vez a dos bancos. Em tempo de economia estabilizada, não mais podemos, sob qualquer alegação, continuar pagando os altíssimos juros praticados pelos bancos,  que subjuga a classe produtora, espolia os consumidores e empobrece a todos. Dizem os economistas que o brasileiro não faz poupança, mas como fazê-lo, se além dos muitíssimos impostos,( que diga-se de passagem deveria ser alvo de outra campanha para sua redução), estamos sendo explorados  pelo sistema financeiro, tudo gerido pela poderosa Febraban. A possível poupança que se poderia fazer, está sendo carreada para os cofres dos bancos, que apresentam taxas de crescimento nunca vistas. Isto com a conivência dos presidentes que se seguiram após a “volta da democracia”, das autoridades da área econômica, e com o “trabalho” daqueles que são eleitos pelo sistema financeiro, para defendê-los no Congresso. Ressalte-se aqui a passividade e a permissividade do povo brasileiro, que não está acostumado a defender seus direitos. É preciso que se inicie uma luta de caráter popular, a exemplo da campanha Ficha Limpa, para que os juros bancários sejam reduzidos a patamares suportáveis, como os praticados nos países desenvolvidos. Conclamo aqui a todas as Associações Comerciais e suas Federações, aos Sindicatos Rurais e suas Federações, a Federação das Industrias, as Acomacs e suas Federações,  para que possamos utilizar suas estruturas para iniciarmos uma campanha nacional sem tréguas, contra a espoliação dos bancos.De que vale estas Associações se não lutam contra aquilo que está sufocando e empobrecendo as suas classes? Faz-se urgente a organização da sociedade brasileira, para combater a usura praticada pelos bancos, com a plena anuência da justiça, governo e do Congresso Nacional.

Ailton Siécola Moreira ailtonsmoreira@gmail.com

Cambé (PR)

*

O BRASIL QUE QUEREMOS

No meu entendimento a sociedade quer um Brasil administrado profissionalmente, por servidores admitidos por concurso público, que realizem uma gestão da ‘coisa pública’ com ética, eficiência e eficácia na utilização dos recursos financeiros obtidos através de impostos e taxas [muitos!]. Assim, considerando que nossa gestão pública, praticada dentro do formato do século 18, extremamente burocratizada, ineficiente e, oferecendo ao cidadão serviços de educação, saúde, segurança e moradia sem nenhuma qualidade, precisa passar imediatamente por reformas estruturais. Sugiro que nossa presidente, nossos governadores e prefeitos, leiam a notícia Obama que unificar 6 agencias de comercio para economizar US 3 bi, publicada no Estadão (14/1, B4), da qual destacamos, por não ser mera coincidência, o que segue: “Esse enxugamento da máquina administrativa deverá se estender a outras áreas, como segurança interna, para reduzir custos, dar maior agilidade e eficiência e acabar com a atual “bagunça”. E, ainda: “O governo que temos não é o que necessitamos. Nós vivemos no século 21, mas ainda temos um governo organizado para o século 20, argumentou Obama. “Nossa economia mudou, fundamentalmente, assim como o mundo. Mas nosso governo não. Tornou-se, ao contrário, mais complicado e confuso”. 

 

Jorge Luis Dos Santos B. jlsantos@northpoint.com.br 

São Paulo

*

AS CONTAS DA SAÚDE

A presidente Dilma sancionou lei que fixa gastos dos governos na área da Saúde. O governos federal terá que gastar, no mínimo, o valor do ano anterior mais a variação nominal do PIB. Já os Estados terão que gastar 12% da arrecadação tributária anual e os municípios, 15% da receita tributária anual. Bem, se os governadores e prefeitos não maquiarem seus balanços, são exímios maquiadores, deveriam trabalhar em salão de beleza, ou não considerarem gastos com saúde, a alimentação ou transporte escolar, asfaltamento de rua ou colocação de esgoto, fornecimento de livros ou uniformes e outras coisas que não tem nada a ver com a Saúde, pode ser que melhore alguma coisa. Saúde subentende-se postos de saúde, hospitais, médicos, enfermeiros, leitos, laboratórios, vacinação, aparelhos de imagem, tomógrafos, etc.

Panayotis Poulis ppoulis46@gmail.com

Rio de Janeiro

*

PAÍS RICO É PAÍS COM SAÚDE

Ainda não é o ideal, pois o governo federal ainda não vai por a mão no bolso como seria necessário, mas agora é lei. A emenda 29 que garante maior investimento na saúde por parte dos estados e municípios foi finalmente sancionada e não haverá mais lugar para tanta desculpa esfarrapada de falta de recursos. Agora vamos separar os eternos resmungões incompetentes e/ou corruptos dos que tem competência na gestão.

Luiz Nusbaum lnusbaum@uol.com.br

São Paulo

*

CARTÕES DE SAÚDE

Provavelmente os médicos recebem menos e demoram mais para receber dos planos de saúde, sem falar no que paga o Sistema Único de Saúde (SUS), por consulta, do que recebem dando consultas através das dos cartões de saúde. Parece incrível, que quando a população mais pobre encontra uma maneira de diminuir os custos da medicina isso se torna antiético.  

Gustavo Guimarães da Veiga  gjgveiga@hotmail.com

São Paulo

*

CRACOLÂNDIA

 

Comece hoje a salvar o mundo. Nós, cidadãos, somos a maior força, o maior exército, a maior polícia do mundo, portanto temos a força necessária para mudar o que quisermos e usá-la em nosso beneficio, em beneficio da humanidade. Como usarmos essa força não é fácil, se fosse já teríamos resolvido todo os nossos problemas. Como então usar essa força? Como seremos ouvidos? Como mudar o errado pelo certo? Nossa proposta é a educação. Precisamos nos educar em todos os níveis, em casa com a família, na escola com os professores e colegas, no trabalho com nosso empregador e companheiros, enfim com a sociedade. Não cremos que qualquer tipo de doutrina, religião, política partidária ou mesmo sistema financeiro possa fazer algo pela humanidade, somente nós cidadãos é que poderemos realmente fazer algo por nós. Lembra-se que a união faz realmente a força, se apenas um elo da corrente quebrar, desfaz-se todos os esforços feitos para mudar e salvar o mundo. Quando dizemos o mundo estamos nos referindo à família, às instituições, ás cidades, os países, os continentes, nosso planeta enfim a tudo e a todos. Precisamos salvar à família, como faremos isso? Como iniciarmos às mudanças? Mais uma vez dizemos que não é fácil, mas não impossível. Procure ver quem educa seus filhos realmente, é você? seu cônjuge? a escola? ou a TV? Acreditamos que pelo caminho que anda a humanidade, deixamos a responsabilidade de educar, por comodidade nossa, para a TV. Pois bem, amamos nossos filhos? Amamos a nós mesmos? E a família? Podemos mudar isso, desligar a televisão? Deixar de ver porcarias, tais como noticiários de crimes, novelas, realities show, programas políticos, etc.,etc. Sim podemos, não é fácil, mas podemos. Como exemplo da força da humanidade um simples exemplo. Há alguns anos atrás a humanidade era impregnada por propagandas de cigarros e fumava-se como louco, 72% da população mundial era viciada nesta droga. A humanidade se conscientizou que a droga do cigarro fazia mal e mostrou sua força, quando começou, nos anos 80, a boicotar o consumo desta droga, e felizmente hoje o consumo está abaixo dos 22%, uma redução espantosa uma demonstração de força admirável. Nossa esperança é que caia ainda mais. Já pensaram se conseguirmos fazer isso com a TV, com outras drogas, como o álcool, a maconha, a cocaína, com a poluição em geral, etc., etc., seremos muito felizes e nossos filhos viveram mais e melhor.

 

Elio Barreto Agulha elioagulha@ig.com.br

São Paulo     

 

*

DANIEL PIZA

Ficou mais difícil ler jornal ou mesmo escutar rádio.  Sinto uma dor, uma ausência. E agora o dia 11/1 passou e ele não voltou, então é mesmo verdade... Ainda em estado de choque procuro escrever essas linhas para ordenar meus pensamentos que insistem em não aceitar o ocorrido. Como? Por quê? Daniel é e ainda será a voz de muitos brasileiros, pois seus textos não ficarão tão desatualizados assim se os publicarem daqui a dez ou vinte anos, afinal o Brasil é o mesmo, os problemas serão os mesmos... Mas precisamos de novas vozes que ecoem o seu brado para sempre nos lembrarmos de onde estamos e a que viemos. Cultura, estudo, polidez são qualidades já em processo de extinção neste país. Que os familiares se sintam privilegiados por terem convivido com ele, desejo de todo coração que encontrem forças e determinação para esta nova etapa de suas vidas e não titubeiem há muito a ser feito, contem conosco.

Eveline Araujo, jornalista e doutoranda em Saúde Pública/USP evearaujo@usp.br

São Paulo

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.