Fórum dos Leitores

DIPLOMACIA

O Estado de S.Paulo

01 Fevereiro 2012 | 03h06

Patriotada

"A situação dos direitos humanos em Cuba não é emergencial" - exceto para os dissidentes do regime, que volta e meia morrem...

A. FERNANDES

standyball@hotmail.com

São Paulo

*

Sensibilidade

Os dissidentes de Cuba esperam atenção da presidente do Brasil, um país democrático, a mesma que os "dissidentes" de que Dilma fazia parte tiveram quando da visita do então presidente Jimmy Carter, dos EUA, um país democrático, que no governo Geisel manteve encontros com alguns e defendeu os direitos humanos.

TANIA TAVARES

taniatma@hotmail.com

São Paulo

*

Nova 'Pilatos'

Dilma lavou as mãos no caso da blogueira Yoani Sánchez dando-lhe visto de entrada no Brasil, mas deixando o "julgamento" para os cubanos, que mais uma vez deverão "crucificá-la", impedindo sua saída da ilha e provando, como é fato, que em Cuba não há liberdades individuais, ao se limitar o direito de ir e vir.

FRANCISCO XAVIER FERNANDEZ

fcoxav@gmail.com

São Paulo

*

Dois pesos, duas medidas

Vamos combinar assim: já que o mundo precisa se convencer de que o assunto direitos humanos é algo por que todos os países do mundo têm de se responsabilizar, inclusive o nosso, conforme declarou em Cuba a presidente Dilma, e que ela só concorda em discutir o tema dentro de uma perspectiva multilateral, vamos esperar pelo dia de São Nunca para que se realize essa reunião para discutir a deplorável situação dos direitos humanos na ilha dos irmãos Castro. Essa atitude, porém, está totalmente em desacordo com o tratamento dado pelo governo Dilma à propalada violação de direitos humanos na reintegração de posse do Pinheirinho, afoitamente criticada por muitos dos seus membros, por seu partido, o PT, e por grupos que atuam em consonância com os objetivos políticos do governo.

RONALDO GOMES FERRAZ

ronferraz@globo.com

Rio de Janeiro

*

Alcatraz caribenha

Afinal, o que de importante a presidente do Brasil, país democrático, tem a fazer na Alcatraz cubana? Da forma como são tratados os dissidentes, eles só têm um destino: as masmorras castristas. Wilman Villar Mendoza, encarcerado, recorreu à greve de fome e acabou morrendo. O mesmo destino tiveram os dissidentes Pedro Luis Boitel e Orlando Zapata Tamayo, abandonados no fundo das masmorras, onde morreram. Todos eles sem nenhuma assistência médica. As Damas de Branco, grupo dirigido pela viúva de Wilman, e a líder opositora Martha Beatriz Roque Cabello querem encontrar-se com Dilma, o que é pouco provável, por motivos sobejamente conhecidos, pois o castrismo e o lulismo são farinha do mesmo saco. Dilma foi a Cuba para afagar o cumpanhero com R$ 1 bilhão para as obras no Porto de Mariel. Espanha, EUA e Chile condenaram a atitude criminosa do governo cubano, mas o Brasil ignora o que se passa na ilha e ainda tira o meu, o seu, o nosso dinheirinho para fortalecer um regime comunista que sonham instalar nesta Terra papagallis. Dize-me com quem andas...

JAIR GOMES COELHO

jairgcoelho@gmail.com

Vassouras (RJ)

*

Financiando Cuba

Sem considerar a precariedade dos nossos portos, o governo aplica nosso dinheiro na reconstrução do Porto de Mariel. Vamos financiar 71% da obra da Norberto Odebrecht. Se a presidenta diz ser intransigente na defesa dos direitos humanos, devemos adotar a mesma métrica e defender nosso patrimônio. No primeiro mês de 2012, o Tesouro Nacional já emitiu R$ 9,999 bilhões em títulos para o BNDES. Este ano o banco receberá R$ 55 bilhões para financiar infraestrutura, exportações e investimentos. Aqui e lá?

HELENA RODARTE C. VALENTE

helenacv@uol.com.br

Rio de Janeiro

*

Falácias

Dilma preocupada com a saúde em Cuba e os brasileiros morrendo nas filas do SUS? Só pode ser piada. Como se não bastasse o bilhão de reais que já demos de presente aos irmãos Castro. Não nos poupam de extorquir impostos para fazer bonito com o nosso dinheiro. O povo brasileiro bem que merece, pois, na sua maioria, acredita em tudo o que esses ideólogos petistas falaciam há quase nove anos no "pudê".

LEILA E. LEITÃO

Itanhaém

*

O silêncio dos indecentes

Não sou contra dar ajuda financeira a Cuba. Aquele povo depende de ajuda externa para reduzir seu sofrimento. Mas silenciar sobre a política de direitos humanos imposta pelo regime dos Castros já é demais. A ajuda de mais R$ 523 milhões deveria estar condicionada a um plano de abertura da economia e, principalmente, ao estabelecimento, sem mais delongas, de um governo democrático. Quanto à equipe que acompanha a Dilma, poderia fazer um estágio nas áreas de educação e saúde de Cuba e, quem sabe, copiar algo do pouco que existe de bom naquele país.

JOÃO BATISTA PIOVAN

diretoria@e-lift.com.br

Osasco

*

Aos amigos, tudo!

O advogado que assina a ação popular contra o leilão para concessão dos Aeroportos de Viracopos, Guarulhos e Brasília alega, entre outras besteiras, que "não faz sentido conceder à iniciativa privada os aeroportos mais produtivos (sic) e ainda liberar dinheiro do BNDES para estrangeiro" (31/1, B9). Gostaria de saber se o ilustre causídico já pensou em fazer esforço semelhante contra a entrega a Cuba, pelo Brasil, de US$ 523 milhões do BNDES. Esse presente de Dilma aos ditadores amigos (dela) eleva para mais de US$ 1 bilhão as dádivas do banco estatal àquele país. Curioso, não?

NELSON PENTEADO DE CASTRO

pentecas@uol.com.br

São Paulo

*

Casa da Moeda

Mais uma demissão no governo Dilma: a do presidente da Casa da Moeda, por receber propina. Também, pudera, a presidente vive rasgando o nosso dinheiro! Agora está financiando com milhões de dólares as obras de um porto em Cuba. Assim, convenhamos, não há Casa da Moeda que resista!

EDUARDO A. DE CAMPOS PIRES

eacpires@terra.com.br

São Paulo

*

DILMA EM CUBA

Dilma Rousseff foi a Cuba intensificar laços econômicos e políticos, diz o informe oficial. Se esses laços amarrassem interesses de ambos os países, a frase estaria perfeita. Mas sabemos que Dilma foi até lá só para confirmar ao governo cubano seus laços de lealdade e até de vassalagem a Fidel Castro, pois ela vai garantir-lhes que o Brasil continuará a ajudar Cuba com financiamentos do tipo "de pai para filho". Só no Porto de Mariel o Brasil ajuda a financiar uma reestruturação de US$ 800 milhões pelo conglomerado brasileiro Odebrecht. E como parece ser pouco, agora ela chega a Cuba com oferta de crédito de US$ 523 milhões. Enquanto isso o PAC está empacado, as creches foram para as calendas, as verbas para catástrofes naturais são desviadas pelo seu ministro e os desabrigados que se lasquem!  Sobre o preso cubano que morreu semana passada defendendo a liberdade de consciência para todos os cubanos, o chanceler Antonio Patriota diz que "a situação dos direitos humanos em Cuba não é emergencial". Lá, como no Brasil do PT, a prioridade é a defesa dos "direitos dos manos".

 

Mara Montezuma Assaf montezuma.scriba@gmail.com

São Paulo

*

É ELE!

A visita da presidente Dilma Rousseff a Cuba é a prova cabal de que Lula também usa saia, batom e pinta as unhas...

 

Alberto Nunes albertonunes77@hotmail.com

Itapevi

*

DIREITOS HUMANOS

 

Sobre a inexplicável visita da presidente Dilma Rousseff aos irmãos Castro, o que o chanceler brasileiro, Antonio Patriota, quis dizer ao afirmar em Davos que “para o Brasil, não existe emergência quanto a direitos humanos em Cuba”.

 

José Sebastião de Paiva j-paiva2@hotmail.com

São Paulo

*

PERDEU A CHANCE

O chanceler brasileiro, Antônio Patriota, afirmou em Davos, na Suíça, que a situação dos direitos humanos em Cuba "não é emergencial". Por isso, a presidente Dilma Rousseff não fala sobre o tema em visita à ilha esta semana. Por isso seguram as pessoas no cabresto da ditadura que saiu de moda faz décadas e se esqueceram de avisar o Fidel e seu clã. Um país de irmãos, e não um país de cidadãos. Dilma deveria, sim, pôr o dedo na ferida e mostrar a cara dos déspotas. Perdeu a chance.

Anibal Vilari anibalvilari@bol.com.br

São Paulo

*

MULHER CORAJOSA E DE FIBRA

A jornalista cubana Yoani Sánchez, famosa por publicar na internet vídeos que repudiam o regime antidemocrático que governa Cuba, recebeu recentemente do governo brasileiro autorização para permanecer no país por trinta dias a contar do dia em que Yoani entrar no País. Porém, isso será que de fato vai acontecer a depender da autorização do governo da família Castro? Acho muito difícil. Mas por outro lado a autorização é um importante passo e esclarecedor no que diz respeito as diferenças de política exterior quando comparamos os mandatos do populista Lula da Silva e Dilma Rousseff. A priori a presidente não aceita determinados regimes totalitários, como era de praxe em nosso ex-presidente que hoje se encontra enfermo. Dilma deveria aproveitar a viagem para encontrar com dissidentes cubanos, para saber deles como é o relacionamento com o ditador cubano Raul Castro, já que seu antecessor Fidel Castro tratava a ferro e fogo os dissidentes por meios de tortura, violência e prisões. Com isso, o Brasil resgata uma tradição em manter relações com pessoas e países que respeitam as manifestações individuais e os direitos humanos, o que não é o caso do país caribenho, antes governado por Fidel Castro por nada menos de meio século. A cubana Yoani como tantos outros, começou a ser perseguida em seu próprio país por discordar dos governantes da ilha, que reprime seu povo e impede que tenha acesso aos avanços da tecnologia, da democracia e do direito de expressão política. É bem verdade que o governo do país caribenho ainda precisa autorizar a saída de Yoani do país, mas a visita de Dilma ao local poderia facilitar as coisas. Então, nós brasileiros teremos uma chance única. Vamos receber em nosso país alguém que convive há anos em um ambiente hostil e nada democrático, que tem coragem de falar das mazelas praticadas por quem governa seu país. Aí está uma ótima alternativa para os programas de TV explorarem incansavelmente de como é tratado naquele país as pessoas que não rezam a cartilha da família Castro. Quem sabe assim o "suposto estupro" acontecido no chatíssimo BBB saia de cena para nunca mais adentrar em nossas casas. Que Deus nos ouça!

Turíbio Liberatto Gasparetto turibioliberatto@hotmail.com

São Caetano do Sul

*

YOANI SANCHEZ NO BRASIL

Os barbudos não precisam se preocupar com sua prisioneira no Brasil, se ousar pedir asilo político, será repatriada, aqui só se dá asilo a comunistas e bandidos.

 

Ariovaldo Batista arioba06@hotmail.com

São Bernardo do Campo

*

SÍRIA

A violência sanguinária do governo sírio a seus compatriotas chegou ao limite da exaustão, a ponto de a Liga Árabe suspender a missão de cem observadores dos acontecimentos, que deixaram as ruas do morticínio e se enclausuraram num hotel. Já são, no mínimo, 5.400 assassinatos perpetrados por Bashar Assad e sua camarilha. Não há o que esperar. O que se fez na Líbia há de ser feito na Síria.

Amadeu R. Garrido de Paula amadeugarridoadv@uol.com.br

São Paulo

*

O CERCO AO IRÃ

Israel ocupa terras palestinas, põe abaixo suas casas, mata palestinos a torto e a direito, pratica assassínios seletivos de forma encoberta, tem a bomba atômica e cercou a Faixa de Gaza ao ponto de transformá-la num novo Ghetto de Varsóvia e o Ocidente e mais especificamente os EUA não emitem um vagido de protesto, ao contrário continuam apoiando os direitistas radicais e fundamentalistas no poder em Israel com uma volumosa ajuda econômica e militar.  No entanto, querem estrangular economicamente o Irã, que não está ameaçando ninguém nem é crível que venha a ameaçar mesmo que chegue a possuir armas atômicas numa região em que vários países a possuem, com este embargo criminoso à venda de petróleo pela nação persa, o recurso vital de que depende a sua subsistência econômica. Espero sinceramente que China, Índia, Japão, Coreia do Sul e outros países asiáticos continuem a comprar o produto do Irã para que este embargo econômico, imoral e ilegal do ponto de vista do Direito Internacional, seja condenado ao fracasso, assim como ocorreu com vários outros na História.

Paulo Afonso de Sampaio Amaral drpaulo@uol.com.br

São Paulo

  

*

O HAITI É AQUI

Parece brincadeira, samba do criolo doido. Uma ONG, coisa fácil de se criar em qualquer lugar do mundo, se arvorando no direito de reger nossa política de imigração. O que eles chamam de imperialismo, é apenas soberania nacional. Haitiano, afegão, quem quer que seja, o Brasil tem o direito soberano de aceitar ou não. Divida para com povos colonizados por terceiros?. Que busquem refugio na França, que colonizou o Haiti e está acostumada. Se os antecedentes históricos são favoráveis, problema deles, haitianos. Conversa fiada que temos qualquer divida para com o Haiti. Razões humanitárias? Reparação? de nossa parte, com certeza, não! Mandar ajuda humanitária para lá, mandar nossos soldados sem ter nada a ver com o problema que eles mesmos criaram, já é muito. Já foi demais. Temos problemas demais para ainda por cima, ter que se submeter  a vontade de grupos de opinião e OGS de terceira categoria e absorver problemas que de forma alguma, são nossos. Que nunca sejam bem vindos haitianos, afegãos, ou quaisquer outros que não guardem o mínimo de afinidade com nossa cultura nem a firme disposição de se adaptar e ser brasileiro com todas as letras.  Essas ONG fajutas querem passar por cima de nossa nacionalidade, não falam pela maioria do povo brasileiro, alguém precisa lembrá-los disso!

 

Antonio Cavalcanti da Matta Ribeiro antoniodamatta@ig.com.br

Guarulhos

*

IMIGRANTES

Não concordo com as críticas feitas por Omar Ribeiro Thomas e Sebastião Nascimento à posição do governo brasileiro em relação aos imigrantes haitianos no artigo Fronteira Social e Fronteira de Serviço, publicado nesse jornal a 29/1/2012. Por estes dias lia um jornal português (Correio da Manhã/Negócios online, de 22/1/2012) as declarações de um economista angolano segundo o qual "Portugal estava a exportar o seu desemprego para Angola, barrando o acesso de quadros angolanos ao trabalho o que poderia criar graves "fissuras sociais" no país africano. Ora se em Angola o problema está adquirindo tais dimensões, caberia, pois, ao governo angolano limitar a emissão de vistos de trabalho aos portugueses, o que, aliás, já vem ocorrendo. Do mesmo modo tem razão o governo brasileiro em limitar esse fluxo irregular de haitianos no Brasil. Embora atualmente a economia brasileira esteja aquecida e pareça que há trabalho para todo o mundo, sabemos que não é bem assim e que existe muito desemprego e pobreza, sobretudo no Norte e no Nordeste do País. Para cada cidadão haitiano que ganha um emprego, e vários deles pelo que está sendo noticiado além de um emprego, estão ganhando transporte, alojamento e treinamento profissional de graça, é um brasileiro a menos que usufrui dessas vantagens. Não apenas em Angola, mas também no Brasil os interesses dos imigrantes não podem ficar acima dos interesses das sociedades que os recebem, razão pela qual está certo o governo brasileiro em impor determinadas regras em tema de imigração.

Ricardo Martins Soares lusoparana@yahoo.com.br

Curitiba

*

IMIGRAÇÃO E REFÚGIO

 

Será que os refugiados haitianos são mão de obra qualificada em construção, por exemplo?  Porque Dilma vai precisar, pois terá que construir cinco creches (por dia) até 2014, como  prometido,  ou não tem palavra? Se não tiver lugar para nossas crianças, com certidão de nascimento brasileira,  para que os pais possam trabalhar, então não tem lugar para mas ninguém “sem qualificação”, nem para o Battisti.  Cuidemos de nosso povo em primeiro lugar.  "Sua aceitação aumenta na mesma proporção que a população diminui sua informação". Por tanto boa empreita, com e por brasileiros lógico. Ou você ainda vai continuar tocando pandeiro com o nosso suado dinheiro lá fora,  para os outros dançarem? Por isso não se investiu nada em educação, né? Quanto mas burro, bolsa isso, bolsa aquilo e puxa saco, melhor.

Alessandro Lucchesi timtim.lucchesi@hotmail.com

Casa Branca

*

PROMESSAS NÃO CUMPRIDAS

Que triste notícia as mães de crianças de zero a cinco anos terão ao procurar uma creche para matricular seus filhos em 2012. Segundo noticiado, a presidente Dilma fechou o primeiro ano de seu governo sem concluir nenhuma creche, graças a competência de seu ex-ministro da Educação, Fernando Haddad que mesmo depois de uma gestão pífia foi contemplado com um presente do ex-presidente Lula, ser candidato à prefeitura de SP.  Aloizio Mercadante, tomou posse como ministro da Educação  prometendo atender à promessa de Dilma. "Vamos cumprir a meta de criar mais de 6 mil creches e dar às crianças brasileiras em fase pré-escolar acolhimento afetivo, nutrição adequada e material didático que as preparem para a alfabetização".  Para que a promessa de Dilma seja cumprida ela terá de inaugurar 178 creches por mês, ou 5 por dia, até o fim de 2014 e assim cumprir  o prometido criar 6.426 creches até o fim de seu mandato. Como se nota, as promessas são sempre as mesmas em época de eleição.  As crianças não serão acolhidas, não terão merenda e muito menos material didático, pois não haverá vagas nas creches, visto que nenhuma creche foi construída. Promete-se o céu e o povo fica com o inferno. Em outubro teremos eleições, acorda Brasil!

Izabel Avallone izabelavallone@gmail.com

São Paulo

*

PREFERÊNCIAS MUSICAIS

Vejam se não é para estarrecer: O Ministério do Esporte pagou quase R$5mi em 2011 por consultoria sobre estatal extinta (Estado, A4, 30/1).  Por aí percebe-se que a "música" preferida do xará do autêntico Orlando Silva, o grande cantor das multidões, é outra: trata-se de sua obstinada preferência pelo tilintar do vil metal. Aliás o cantor e compositor Belchior já disse – e muito bem dito – que "nossos ídolos ainda são os mesmos e as aparências não enganam, não. Você diz que, depois deles, não apareceu mais ninguém!" Com o mesmo nome do cantor, infelizmente, apareceu esse outro que, no mínimo, é um caso de cadeia, messsssmo! Esse não tem mais recuperação... Vade retro!

João Guilherme Ortolan guiortolan@gmail.com

Bauru

*

ESTILO GERENCIAL DE DILMA

A matéria Broncas em público, rotina do Planalto (Estado, 29/1) me faz lembrar o livro de Robert Sutton, traduzido para o português com o título Chega de Babaquice. O autor descreve, claramente, como procedem aos chefes "duríssimos", estilo adotado  sra. presidente.  Vale a pena dar uma olhadinha a obra de Sutton, para se entender melhor como é essa forma de se relacionar e cobrar resultados dos subordinados.

 

Darci Garçon tag.dgarcon@uol.com.br

São Paulo

*

RETÓRICA AMBIVALENTE

No seu recente discurso no Fórum Social Mundial Temático em Porto Alegre (A3, 30/1), a presidente Dilma Rousseff não resistiu e deixou cair a máscara sedutora de ponderação política – especialidade e marca registrada da retórica ambivalente do seu patrono – que vem usando e abusando. Um discurso para a sociedade crédula que não percebe o objetivo que esconde e, principalmente sempre perseguiu; outro, de palanque, para gáudio da fina flor do lulopetismo peleguista e seus compadres de outros países que, anualmente, reforçam seus laços e tramam planos para a imposição da ditadura estatal de esquerda de seus sonhos. Enfim, ela disse a que veio.

Arnaldo Amado Ferreira Filho amado1930@gmail.com

São Paulo

*

ESTÁ TUDO DOMINADO

Está tudo dominado mesmo! Pensei que a presidente  fosse caminhar por caminhos diferentes de seu padrinho mas me enganei. O seu comportamento ao palanquear em Porto Alegre-RS no Forum Social Temático, conforme destacou o Estadão (30/1, A3) nos dá conta de que  petistas são todos farinha do mesmo saco. No seu discurso, ressalta os governos socialistas como exemplo e critica os neoliberais como pessoas do mal, porém, não me consta que os não comuno-socialistas fossem assassinos da liberdade e de pessoas contrárias às suas ideologias. Criticar FHC pelas privatizações, é um sacrilégio e graças a Deus, o pouco que ele fez nesse sentido impediu de estarmos plenamente petetizados. Hoje, a bola da vez é São Paulo e eles vêm com tudo para ganhar este grandioso Estado, orgulho dos paulistas que se prezam. Por isso faço aqui um apelo: leiam o que escreveu o articulista João Melão Neto (27/1, A2), ao traduzir o significado do Obelisco em homenagem aos heróis de 32. "O Obelisco do Ibirapuera,  como um sentinela, em pé,  significa que nunca mais ninguém se atreverá a confrontar São Paulo". Ao contrário, São Paulo será o trampolim para a implantação do regime que a esquerda não conseguiu via luta armada. Que Deus e as nossas honrosas treze listas, inspirem a todos nós paulistas a honrar a História que os Constitucionalistas escreverem com o próprio sangue.

Vicente Muniz Barreto dabmunizbarreto@hotmail.com

Cruzeiro                          

*

PANELA EM QUE MUITOS MEXEM...

Dona Dilma acerta com a direção do PP e com o governador da Bahia, Jaques Wagner, a demissão do ministro das Cidades, Mário Negromonte, acusado, na novilíngua, de mau gestor, malfeitos, etc. Na minha opinião e na opinião da sociedade esclarecida, o afastamento foi motivado por roubo ao erário. Até aí tudo bem, a roubalheira há muito é rotina nesse governo. Porém, o que me chamou a atenção foi o fato de ter muito mais gente mandando no país; até então eu sabia que a presidência da república era tocada a quatro mãos e dezenove dedos. Agora fiquei sabendo que tem muito mais mãos no pedaço.

 

Humberto de Luna Freire Filho hlffilho@gmail.com

São Paulo

*

OS MONTES

Será que a Brasil santificado no Monte Pascoal finalmente se livrará do Negromonte?

 

Mara Fonseca Chiarelli mara.chiarelli@ig.com.br

Mogi Guaçu

*

ATENDIMENTO NO INSS

Parabéns pela matéria sobre o Dr. Fabrício não está no Canadá. Como diretor de defesa profissional do sindicato nacional dos peritos médicos previdenciários, gostaria que os senhores tivessem acesso a mais dados para verem o quão preconceituoso e incompetente foi a atuação do Ministério da Previdência nesse episódio. O sistema que o INSS alardeia como "modelo" é facilmente manipulável e muito frágil. Ele na verdade monitora apenas senhas emitidas, transferidas e baixadas. Mas em muitos locais o sistema é ludibriado. Exemplo clássico que sabemos: basta emitir a senha quando o cidadão está prestes a ser chamado na fila, com isso adulterando o tempo real em que ele ficou na Agência. Tem outros exemplos. No caso em tela, o médico citado erroneamente e precipitadamente como culpado além de ser o único médico da agência, temos pelo edital que se trata de um cadeirante, ou seja, sequer fazendo atendimento ao público ele deveria estar executando; mesmo assim estava e atendeu quantidade acima da média de segurados, o que em tese bota em risco até mesmo a qualidade do trabalho executado. Para que assumir que foi um erro de gestão ou um erro do sistema se você pode fazer piada e culpar outros médicos pelo problema, mesmo que esses médicos não existam,  não é mesmo? Este episódio é só um exemplo de como anda ruim a gestão do INSS. Mas os gestores só sabem culpar os médicos, mesmo os que estão "no Canadá".

 

Francisco Cardoso fchico@gmail.com

São Paulo

*

DR. FABRÍCIO

A matéria do Estadão acima repercutiu bastante entre os peritos do INSS e não poderia ser diferente, já que o secretário Executivo e a própria presidente da República. Em demonstração do big brother do INSS que será modelo para a fiscalização da eficácia de toda a máquina pública, foi pescado um médico, o Dr Fabrício, que trabalha na APS de Afonso Cláudio, solitariamente no interior do Espírito Santo. O colega, recém-admitido (concurso de 2011) já segura sozinho a agenda de uma APS e tem que dar conta de toda a demanda. Um carregador de piano. Acontece que o Dr Fabrício foi destacado porque suas perícias estavam, imaginem, atrasadas em 2 horas, um absurdo! Havia um atraso nos atendimentos da APS e a presidenta disparou, irrefletidamente, que o médico deveria estar ausente, já que atraso na perícia só pode ser culpa de médico, como a morte do Duvanier também – e o sindicalista nem chegou a passar da portaria, o que não importa. Nada mais natural que o carregador de piano não consiga manter o horário atendendo tanta demanda sozinho! Nada mais natural que um pedido de desculpas pela avaliação incorreta e injusta. Pois é, mas esperar isso seria demais e o episódio foi arrematado com uma piadinha do secretário executivo: está sozinho porque o outros foram para o Canadá. Que outros, secretário? Ao Dr Fabrício, nossos cumprimentos e condolências pela sobrecarga que aceita ser submetido por pressão de seus chefes. A propósito, a agenda de hoje do Dr Fabrício foi reduzida para 18 perícias, o máximo que o Presidente do INSS tem dito ser a prática da instituição, vejam vocês. De que vale um big brother desses se as informações colhidas são interpretadas de forma preconceituosa e precipitada?

Eduardo Henrique Almeida, diretor do Sindicato Nacional dos Peritos Médicos Previdenciários eh.almeida@gmail.com

São Paulo

*

MAMATA

Ao ler no Estadão online que 94% dos vereadores da Câmara de São Paulo quer se reeleger este ano, me veio, mais uma vez, a certeza de que eles têm uma bela "mamata".   E não deveria ser assim.  Em muitos países ricos, o cidadão equivalente ao nosso vereador se oferece para trabalhar algumas horas por semana, voluntariamente, pelo bem da comunidade.  Consideram como síndicos cuidando da administração de prédios aonde moram.  O serviço público deveria ser uma oportunidade do cidadão oferecer cota de sacrifício pelo bem da sociedade.  Infelizmente, no Brasil, a grande  maioria de quem entra na política o faz para ficar rico, e arrumar "bocas" para familiares, amigos e militantes.  Raríssimos são os que visam o bem comum.  Enquanto prevalecer essa mentalidade, o Brasil vai continuar no Terceiro Mundo, com trabalhadores produtivos e honestos pagando pesados impostos, vendo pouco retorno em benefícios públicos.  Será que um dia isso vai mudar?

 

Silvano Corrêa scorrea@uol.com.br

São Paulo

*

OPORTUNIDADE

Na Câmara de SP, 94% dos vereadores vão tentar a reeleição. Não podemos perder a oportunidade de fazer uma grande faxina. Vamos fazer alguns políticos trabalharem não os reelegendo. Acorda, Brasil!

Angelo Antonio Maglio angelo@rancholarimoveis.com.br

Cotia

*

PRETENSÃO

Paulistas e paulistanos já sabem o dia em que o PreTencioso PT vai ganhar as eleições na capital e depois no Estado: no dia de São Nunca ou quando as eleições mudarem para o dia 30 de fevereiro.

José Carlos de Sylos sylosjunior@hotmail.com

São Vicente

*

TROCA SEM VANTAGEM

Durante as comemorações pelos 458 anos de São Paulo, o defectível ex-presidente FHC, sentado ao lado da presidenta Dilma, fez a seguinte proposta a ela: "você larga o Lula que eu abandono o Serra"...Não vai aqui nenhuma ironia, mas a constatação de uma realidade. Primeiro, a importância de FHC no contexto nacional hoje, frente à de Dilma, é uma traço. Ele não sabe, ou finge não saber, que não está em condições de propor nada a Dilma nem ao povo brasileiro. Segundo, essa é uma troca por demais desvantajosa para a presidenta. Caberia a ela perguntar a FHC, quanto ele voltaria pelo negócio. Sim, porque comparando a uma troca de automóveis, por exemplo, enquanto Serra  é representado por um Fusca 68, Lula o é por um Passat 2012. Enfim, se somarmos o peso político de todos os tucanos, não chega nem perto  do valor político de Lula. Acorda, Fernando Henrique!

Jeferson Malaguti Soares cmbh1434@hotmail.com

Ribeirão das Neves (MG)

*

DITADURA

Operações policiais militares truculentas em Pinheirinho, Cracolândia, USP, entre outras, estão a mostrar que o espírito da ditadura de 1964 se diluiu no sangue da nação. É como antes no quartel de abrantes, o braço do forte a desabar sobre o fraco, o pobre, o indefeso. Isso tem nome, é fascismo.

 

Apóllo Natali apollo.natali2@gmail.com

São Paulo

*

‘OPOSIÇÃO SEM RUMO’

Artigo publicado em 30/1/2012 sob o título Oposição sem rumo, de Marco Antonio Villa, me faz perguntar o que é democracia para um número importante da elite brasileira. Será a simples troca de ocupantes do poder e, melhor ainda, quando isso é perpetuado pela extrema direita sob o signo de "plena democracia"? Entendo democracia como canal verdadeiro de participação popular, combate a miséria que no Brasil ainda é vergonhosa, educação de qualidade que no governo tucano tem os mais baixos níveis. saúde de verdade e progresso que beneficie a sociedade, não apenas um grupinho. O professor tem razão quando critica FHC. O governo dele sim, foi pífio! Quanto à lamentável corrupção que faz parte do DNA brasileiro, isto é, da elite que sempre governou o Brasil, se no governo tucano não foi

muito divulgado é por conivência da mídia.

 

Gilberto Macedo giba.carta@hotmail.com

São Paulo

*

PINHEIRINHO

Fico admirado com as opiniões que leio a favor dos ocupantes do terreno do Pinheirinho. Não só se lesaria milhares de credores do malandro Nahas, como também se daria respaldo a outras invasões. É fácil a demagogia com o bem alheio. Mais ainda, a policia representa a lei e a ordem, é imperioso obedecê-la, se dentro de suas funções. Se abuso houver, que se corrija em foco próprio. O Sr. Marco Antonio Villa, cuja a opinião foi acolhida e publicada no Estadão (30/1, A2), tem toda razão. o Sr. Lula nos vedem o engodo, o PT, magistral em comunicação popular, o concretizou no povão, que pouco se informa, tanto é que a "gerentona" está aí a tropeçar em tudo que é administração, com surpreendente índice de aprovação.

André C. Frohnknecht anchar.fro@hotmail.com

São Paulo

*

DESOCUPAÇÃO

A PM é o lado visível do governo, portanto, enfrenta as reclamações e críticas e principalmente, os “atritos no campo de batalha”. Será sempre assim como em todo o mundo. Pode melhorar um pouco, só. Não haverá nunca uma forma para retirar alguém de onde está para enviá-la a algum lugar “inexistente”. Eles não tinham para onde ir. É explicável o atrito entre os que têm que cumprir e os que devem obedecer. O que a imprensa “passou por cima” foi da responsabilidade da justiça no episódio. Quando houve a 1ª, ordem de despejo, há 7 anos,  eram 200 moradores, hoje são 6 mil. Por que a justiça demora tanto? Estamos tão acostumados com a incompetência e desinteresse social desse poder que, ninguém o notou.

Fabio Figueiredo fafig3@terra.com.br

São Paulo

*

ORDENS

Na questão da desocupação do Jardim Pinheirinho autorizada pelo governo, foi fácil dizer que “ordem judicial” se cumpre. Já os desapropriados e demais credores de precatórios não podem dizer o mesmo. Os primeiros, por exemplo, perderam suas propriedades e existe uma ordem judicial de receberem as indenizações. Mas, ao que parece, as ordens não são todas iguais.

Rosangela Delphino touligada@hotmail.com

São Paulo

*

JUDICIÁRIO EM CRISE

A afirmação do ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), de que o STF não vai se curvar porque "O dia em que atuarmos de acordo como clamor público estaremos mal" (Nacional, 29/1, A13) poderia ser complementada com a conclusão de que o STF só estará bem enquanto estiver de acordo com o que o governo manda. Será que captei direito o espírito da coisa?

 

Iracema Palombello cepalombello@yahoo.com.br

Bragança Paulista

*

MENSALÃO E A CRISE NO JUDICIÁRIO

Verdadeira ou não, a desconfiança da magistratura de que mensaleiros estariam por trás da atual crise do Judiciário deveria, muito mais do que justificar a crise, ser a melhor das motivações para que o STF faça historia julgando, condenando e punindo exemplarmente os responsáveis pelo mensalão.

Lazar Krym lkrym@terra.com.br

São Paulo

*

TRADIÇÃO

"Mensalão está por trás da crise na Justiça". É o atraso da paga combinada, revelando a proverbial morosidade da magistratura brasileira: temos corrupção dentro da corrupção.

 

A. Fernandes standyball@hotmail.com

São Paulo

*

O EMPAREDAMENTO DO JUDICIÁRIO

As dúvidas da população não são sobre o Poder Judiciário, como a registra O Estado (28/1, A4). Existem juízes, desembargadores e ministros, honrados e impolutos, nos tribunais de Justiça. A crise se deve ao comportamento de alguns membros do Poder Judiciário que tentam se apropriar do poder, como vem ocorrendo também nos demais Poderes como no Legislativo e no Executivo. Os descaminhos ocorrem e revestidos pelo manto da legalidade, deixam mais dúvidas do que certezas. Continuam as suspeitas de venda de sentenças e outras suspeitas como as negociações que viabilizou a volta e a posse de Jader Barbalho, no Senado. (O Estado, 22/12/2011). Nem bem as luzes do final do ano se apagavam e as do Natal eram acesas, tudo foi possível, no Congresso e no Judiciário em recesso. As dúvidas persistem com manutenção de privilégios exclusivos e até sobre movimentações financeiras atípicas e não condizentes com a moral, com a ética e com os bons costumes. Podem até ser que estejam revestidas de algumas justificativas e legalidades. As alegações de emparedamento, se existem, não devem inibir o sagrado direito do “livre pensamento” nos julgamentos devem prevalecer no STF, a não ser que outros interesses comuns estejam em jogo. E se existe emparedamento, ele existe também nos casos que envolvem o poder do tráfico de drogas e em outros julgamentos que envolvam planos de saúde ou que se relacionam com os interesses do poder econômico, nas decisões judiciais.

Sinésio Müzel de Moura sinesiomdemoura@hotmail.com

Campinas

*

CORREGEDORIA E CONSELHO

Por ocasião da inauguração do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), enviei ao Fórum alguns comentários sobre a criação do "Fiscal dos Fiscais" (história ocorrida no Mercado Central com um parente meu e há muito tempo).  Isso porque já havia o CNJ (a mesma sigla!) para denominar a Corregedoria Nacional de Justiça. Se não me equivoco, as funções de ambos os conselhos se não forem as mesmas são muito parecidas.  Ora, se for assim, não haveria sentido em criar-se um novo órgão para as mesmas finalidades; entretanto, estamos no Brasil e aqui qualquer coisa é possível.  Por isso mesmo não é de estranhar-se que o presidente do STF seja presidente do CNJ (conselho...) e responsável por "corrigir" (?) seus próprios equívocos ! E aqui cabe uma pergunta: até mesmo os equívocos quanto às verbas mal aplicadas e os pagamentos absurdos que os jornais têm anunciado? Chega a ser cômico que o presidente e/ou qualquer ministro do STF tenha poderes para cercear as investigações da Corregedoria.  Para que serve, enfim, a CNJ (agora Corregedoria)?  Uma sugestão: seria mais imediatamente inteligível se ambas as siglas (CNJ corregedoria e CNJ conselho) fossem diferenciadas; por exemplo: CrNJ, corregedoria e CnNJ, conselho. Pobre Brasil, onde a corrupção tomou conta até do Judiciário – este que deveria ser a última esperança de termos um país melhorzinho.

Régis D. C. Fusaro rxfusaro@hotmail.com

São Paulo

*

DÍVIDA PÚBLICA SEM LIMITES

A Dívida Pública Federal, somando as dívidas interna e externa em 2011, cresceu 10,17% e atingiu o valor de R$ 1,866 Trilhão, só não foi maior porque houve resgate pelo Tesouro Nacional de R$ 39,2 Bilhões. Nos dias de hoje cada cidadão brasileiro deve R$ 1 Milhão, sem ter feito a dívida. O desgoverno do PT gasta "prá caramba", só em 2010 a dívida cresceu 13,3%, quase R$ 200 Bilhões. Pelo visto a meta para 2012 é ultrapassar os R$ 2,0 Trilhões, em razão da "roubalheira" que continua em níveis elevados e sem limites pelas chamadas "autoridades", não há quem aguente enquanto isso o povo que se arrebente.

 

Luiz Dias lfd.silva@uol.com.br

São Paulo

*

CADÊ O DINHEIRO?

A dívida pública interna brasileira fechou 2011 em R$ 1,87 trilhão de reais. E a dívida externa voltou. Espera aí, o competentíssimo ex-presidente Lula não disse que havia pago e estava até emprestando a outros países? O pior é que 99% da população nem faz idéia do que é essa dívida. Qual a razão dela? Se devem, é porque pegaram emprestado, dando títulos do governo em garantia. E o que fizeram com este dinheiro, que não temos saneamento, saúde, educação, transporte público, moradias, etc. Temos um dos piores IDH do mundo, um contingente considerável vivendo abaixo da linha de pobreza e não acontece nada.

Panayotis Poulis ppoulis46@gmail.com

Rio de Janeiro

*

META DE INFLAÇÃO

O fato do Brasil ter adotado o sistema de metas de inflação desde 1999, não quer dizer que, ao adotar o mesmo sistema, os EUA o estejam copiando. Não podemos esquecer de que a grande maioria dos nossos “condutores econômicos” conseguiram suas pós-graduações e mestrados em universidades como Chicago, Princeton, MIT, Columbia, Cornell, Harvard, Johns Hopkins, Brown...

Sergio S. de Oliveira ssoliveira@netsite.com.br

Monte Santo de Minas (MG)

*

ASSIM CAMINHA A HUMANIDADE

Nada como a atual crise globalizada do neoliberalismo econômico,  para fazer com que os "senhores do universo" em Davos, façam um "mea culpa" dos erros que cometeram nas últimas décadas. Reinventar o capitalismo, nas palavras do Sarkozy, parece ser a "palavra de ordem" desses senhores na Suíça. Do lado oposto em Porto Alegre, os eternos críticos do "status quo" financeiro, se perdem em infindáveis tertúlias que pouco acrescentam ao processo civilizatório humano. Enquanto isso,  as massas de trabalhadores globais, vão construindo os caminhos da história da  humanidade.

José de Anchieta Nobre de Almeida josedalmeida@globo.com

Rio de Janeiro

*

CRISE

A indústria nacional teme o efeito da crise europeia a qual pode gerar desemprego. Na verdade deve se preocupar com o efeito da proliferação da corrupção política no Brasil, que faz com que para sustentar essa "máquina podre" sujeitam-se a pagar os maiores e mais caros impostos do mundo, que evidentemente incidem diretamente no preço final de venda, tornando os produtos caros perante a concorrência mundial e, principalmente, onerando o preço para o comércio interno espantando o consumidor nacional, tirando-lhe o poder de compra.

 

Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

*

FESTA EM DAVOS

Despede-se o Brasil do Fórum Econômico Mundial com uma festa de arromba ! Um país sério diria adeus com um discurso sério e nada mais.

 

Fausto Ferraz Filho faustoferrazfilho@hotmail.com

São Paulo

*

SAUDOSISMO

Tenho saudade de quando, há muito tempo, lia nas páginas do Estadão aos domingos a opinião do grande líder, estadista e pensador Roberto Campos, que previa o fim do socialismo, a queda do Muro de Berlim. Quanto a Petrobrás deveria recolher nos cofres públicos, e não o fazia e lamentava o fato de o Brasil não ter sido escolhido como um Tigre semelhante aos Asiáticos. E defendia a abertura comercial no Brasil. É lógico, foi tachado de defender os interesses Americanos e FMI pelo radicalismo petistas. Hoje não temos um líder dessa magnitude, somente sobraram as migalhas. Mentes mesquinhas, e oportunistas que defende seu interesses com o objetivos de sentarem no trono dos deuses poderosos do Estado,  líderes sindicais, religiosos, ex terroristas ex bandidos e ex sei lá o quê!

Henoch Dias de Amorim henochamorim@globo.com

São Paulo

*

QUAL DAS TRÊS?

A política de preços da Petrobrás é falsa, malandra ou desonesta? Essa é a pergunta que não quer calar, depois da leitura do editorial de 26/1/2012 d’O Estado: Os preços dos combustíveis. No mesmo dia, a estatal anunciou que a gasolina e o gás de cozinha não terão alta em 2012. Como o etanol, regido pelo livre mercado, como manda a economia saudável, pode competir com um produto que sacrifica até quem não usa gasolina, para se manter achatado pelo governo? A gasolina, fóssil, tem tarifa; o álcool, renovável e brasileiro, tem valor. Dona Dillma, não adianta trocar o presidente da ‘Oitava Irmã’ (ainda que bastarda). É preciso tirá-la das mãos desse Estado em “adiantado estado de decomposição”.

Moacyr Castro, Ribeirão Preto jequitis@uol.com.br

Ribeirão Preto

*

TUDO FÓSSIL

De fato, tanto o pré-sal quanto o comando da Petrobrás são fósseis. No tempo, com certeza, e na qualidade do produto, também.

 

José Piacsek Neto bubapiacsek@yahoo.com.br

Avanhandava

*

MARIA DAS GRAÇAS FOSTER

Será que podemos confiar numa dama de ferro que quem tem 3 estrelas do PT tatuadas seja uma pessoa apolítica (29/1, B6)? Ela trabalha na Petrobrás a presidente Dilma era presidente do Conselho da Petrobrás, agora é presidente do Brasil já há um ano, as ações caíram 40% e a política de preços não mudou. Será que irá mudar?

L. A. B. Moraes labmoraes@uol.com.br

Santos

*

EDIFÍCIO CAPITAL

Peritos da Defesa Civil do Rio de Janeiro decidiram interditar o edifício Capital, vizinho ao edifício Liberdade, um dos três que desabou na região central do Rio na última quarta feira. O local deve ficar interditado por tempo indeterminado já que foi constatado um deslocamento da escada no 6º, 7º e 8º andares. Nesses pavimentos será preciso um escoramento metálico da escada. Partes do prédio que desabou, ainda está presa no edifício e precisa ser retirada com muito cuidado para que não haja danos. E, para garantir maior segurança aos cariocas nessas operações pós desabamento dos três prédios, a Defesa Civil precisa interditar o governo do Rio, e o prefeito da Cidade Maravilhosa que tem mandatários incompetentes.

Benone Augusto de Paiva benonepaiva@yahoo.com.br

São Paulo

*

QUE PAÍS HORRÍVEL É ESTE?

Li a manchete Corpos serão procurados no depósito de entulho a 30 km do Rio. Simples, direto, sem indignação. Onde estão as entidades de Direitos Humanos? Por onde anda a “turma do barulho”? Será que ninguém se deu conta da enormidade do horror de tal manchete? Na noite do desabamento no Rio de Janeiro, acompanhei as notícias pela televisão. Às 23 horas, pouco mais de duas horas após a tragédia, já se via inúmeros caminhões para a retirada de entulho e as máquinas retroescavadeiras começavam a operar a todo vapor, puxando os pedaços das lajes de qualquer jeito, já amontoando-os nas caçambas. Em terremotos ou mesmo no “buraco do metrô” o trabalho sempre foi feito com muito cuidado e vagar, com bombeiros trabalhando em silêncio, procurando localizar vitimas por dias a fio. O que se fez no Rio de Janeiro foi inédito!  A pressa nunca foi amiga da perfeição. Parecia que a prioridade era a limpeza, e não o salvamento e resgate de corpos. Não é de se estranhar que corpos e pedaços de corpos tenham ido para o lixo!  Eram pessoas ali. Pais, mães, filhos, irmãos de alguém. Ninguém tinha o direito de passar com máquinas em cima deles, nem de dilacerar seus corpos com máquinas, mesmo se já estivessem mortos. Não importa! Era gente! E ainda dão, muito satisfeitos, a notícia de que, já na segunda feira, a área estará limpa e liberada para os pedestres, como se nada tivesse ocorrido. Deveria chocar, mas estranhamente nenhum “indignado profissional” parece chocado. Não há jornalistas amontoando-se diante das casas de Eduardo Paes e Sergio Cabral pedindo explicações para este horror. Não há ninguém falando em denunciar o fato à ONU. Não há ninguém para defender o direito e a dignidade dos mortos e os dos vivos.  Ninguém fala nada! Será pela Copa? Pelas eleições? Quem sabe para não estragar o Carnaval? Que país horroroso é este?

 

M. Cristina Rocha Azevedo crisrochazevedo@hotmail.com

Florianópolis

*

FUMO EM LOCAIS FECHADOS

É triste que existam pessoas que critiquem a ampla liberdade de expressão ou que critiquem a imprensa. Sem a liberdade de expressão, poderíamos ter sido privados de um artigo como o publicado ontem Fumo em locais fechados, de Fernando Hargreaves. O artigo, totalmente anacrônico e evidentemente direcionado aos interesses pessoais do autor, proporcionou boas risadas nesta manhã. É certo que se trata apenas de uma peça para leitura rápida e que não terá efeito algum na reversão da tendência mundial de restrição ao fumo e valorização da saúde. A única crítica que me reservo o direito de fazer é sobre a adequação do uso deste importante espaço do principal jornal de São Paulo com tema tão fora de contexto. O Sr Fernando Hargreaves, no seu pleno direito de expressão, poderia ter seu artigo publicado, mas o espaço ocupado por ele hoje merecia tema mais relevante.

Sergio Bueno sergiobs@uol.com.br

São Paulo

*

CIRCO

Lendo a reportagem sobre o  ministro Aldo Rebelo dizendo os valores que serão destinados ao clube do Corinthians e  a doação do prefeito Kassab ao mesmo clube, fico estarrecido que a sociedade aceite essa afronta contra o povo. Não deveria nem existir esse ministério do Esporte, que é uma vergonha para uma nação que diz não ter verbas para salários dignos para os professores, os profissionais da saúde, para a polícia. Faltam escolas, creches,  hospitais, transporte etc.  E com a maior cara de pau esse ministro e o prefeito de São Paulo vão investir milhões de reais no clube. Continuam dando circo e futebol, até quando?

João Ricardo Silveira Jaluks jr.jaluks@estadao.com.br

São José dos Campos

*

IDADE É IDADE

Como amante dos esportes acompanhei o aberto da Austrália, que confirma minha convicção da importância da idade relacionada à atividade desenvolvida. Assim, nos esportes, temos visto  a supremacia da força física sobre a técnica, mesmo que excepcional. É o caso de Roger Federer, detentor de uma técnica refinada, para mim o maior tenista de todos os tempos, derrotado pela força da juventude, pois  Nadal e Djokovic são 5 e 6 anos, respectivamente,  mais moços. Portanto, estão no auge de seu desempenho físico. Logo, o maior mérito de um esportista profissional é saber a hora de parar, como acabamos de constatar no futebol paulista com a aposentadoria de um grande ídolo de todas as torcidas, sincero, humilde e grande goleiro Marcos, em contraste com Rogério Ceni. O diferencial é o prejuízo, individual e pessoal no tênis mas coletivo e passional no futebol.

Antonio Carlos Gomes da Silva acarlosgs@uol.com.br

São Paulo

*

NADAL X DJOKOVIC

Gostaria de dizer que, se houvesse justiça no esporte, depois de 6 (seis) horas de jogo, deveria haver empate entre esses dois heróis do tênis mundial. Em 60 anos de vida, nunca havia visto um jogo tão emocionante. Deveria haver justiça no esporte, e o resultado mais justo seria o empate! Obrigado pelo espetáculo, Djokovic/Nadal, muitas vezes, a vitória é o que menos interessa! Parabéns aos dois! Aliás, o tênis e o vôlei, são os esportes que muitas vezes não premia com a vitória àqueles que mais pontos fizeram! No Tênis, uma vitória de 3 x 2, com parciais de 7 x 6 -  7 x 6 - 0 x 7 - 0 x 7 e 7 x 6, o vencedor fez 21 pontos, enquanto o perdedor fez 32 pontos. No vôlei, também uma vitória e 3 x 2 com parciais de 25 x 22 - 25 x 22 - 04 x 25 - 04  x 25 e 15 x 13, o vencedor fez 73 pontos e, o perdedor fez 107 pontos. Não é justo, mas o que vale é o número de sets! Como se vê, muitas vezes não há justiça no esporte! No jogo de domingo, entre Djokovic e Nadal, não importa o vencedor, muito menos quem ganhou o maior número de pontos. Valeu o espetáculo!

Gilberto da Silva Gouveia gibagouveia@yahoo.com.br Guarulhos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.