Fórum dos Leitores

(IN)SEGURANÇA PÚBLICA

O Estado de S.Paulo

12 Fevereiro 2012 | 03h07

Os culpados

Srs. governantes, vocês conseguiram! Colocaram-nos, a nós, cidadãos "comuns", num sufocante gargalo, acreditando que a passividade e a ignorância que vocês próprios geraram seriam eternas. A bagunça nessas greves de policiais - e os perigos que representam - é resultado do deboche com que somos tratados: corrupção em todas as áreas e sem punidores, o uso mais absurdamente injusto do dinheiro público. Sendo assim, é fácil deduzir quem são os verdadeiros culpados.

ROSALI ASTA SILVA

rosali.astasilva@terra.com.br

São Paulo

'Estarrecida'

Dilma "estarrecida"? É brincadeira! Quase todos os que hoje são governo sempre apoiaram e incentivaram greves e participaram de ações que resultaram em inúmeras mortes, tudo em prol de uma "ditadura do proletariado" a que chamavam democracia. O que é isso, companheira?

CLÉA CORRÊA

cleacorrea@uol.com.br

São Paulo

Anistia segundo Dilma

A presidente condena a anistia a policiais grevistas na Bahia, pois, diz ela, se anistiar vira um "país sem regras". Segundo Dilma, ninguém pode ser anistiado por atos ilícitos, crimes contra o patrimônio, contra a pessoa e contra a ordem pública. De acordo. Mas o que dizer da presidente quando resolve encobrir erros de seus subordinados e até perdoar os atos de corrupção? Isso não é uma forma de anistiar também? Essa atitude da presidente não pode ser interpretada pelos brasileiros como um "país sem regras", onde há dois pesos e duas medidas?

IZABEL AVALLONE

izabelavallone@gmail.com

São Paulo

Os fora da lei

Já que Dilma disse que não admite atos fora da lei e quem erra não pode ser anistiado, pergunto: por que o PT liberou o assassino Battisti? Por que o PT devolveu os atletas cubanos tão rápido? Por que Dilma se omite sobre direitos humanos em Cuba?

ELIANA ODA

linaoda@bol.com.br

São Paulo

Justiça para todos

O ministro José Eduardo Cardozo também declarou que não haverá anistia para quem causou danos ao patrimônio público. É muito justo. Mas e os outros? Refiro-me aos inumeráveis corruptos gravados ao vivo e em cores. Justiça para todos, sr. ministro!

CLODER RIVAS MARTOS

clodermartos@ig.com.br

São Paulo

Coragem

Ter coragem não é enfrentar bandido armado, mas aqueles que com canetas na mão e papéis timbrados com o Brasão da República nos assaltam 24 horas por dia.

MARISA DA SILVEIRA CRUZ

marisa.s.cruz@gmail.com

Cotia

PRIVATIZAÇÕES

Complexo de inferioridade

O PT é aquele partido que é sempre melhor que qualquer outro. E os petistas não podiam deixar passar em branco os comentários de FHC sobre a privatização dos aeroportos. A verdade é que eles sofrem de complexo de inferioridade e não se conformam com os sucessos da era FHC, que chamam de "herança maldita". Se é maldita, então por que o governo do PT seguiu os princípios econômicos adotados no governo de FHC? Por que não adotou os que levaram o comunismo à falência em 1989, após várias décadas de tentativas malogradas? O PT, na realidade, está perdido no tempo e no espaço. Prova é a presidente Dilma, que dá um passo para a frente e dois para trás.

KÁROLY J. GOMBERT

gombert@terra.com.br

Vinhedo

Privapetistas

Há pouco tempo descobriram o Brasil, agora estão descobrindo a roda e a pólvora. Dizem eles: "Antes, as empresas eram torradas na bacia das almas a preços de compadre. Agora, os ganhos são aplicados no desenvolvimento do País". Pois é, agora vamos ver quanto do dinheiro arrecadado vai voltar para a bacia, os bolsos, as meias e as cuecas de políticos corruptos da base aliada e de petistas que acham que os fins justificam os meios. Querem um vidro de óleo de peroba?

ALVARO SALVI

alvarosalvi@hotmail.com

Santo André

Traindo a cartilha

A primeira grande privatização do governo petista pode parecer uma traição à ideologia ou, como diz a magoadíssima oposição, que na hora oportuna não soube explicar: "Piratearam o PSDB e nos desacreditaram, enganando o povo". Para nós, já escolados com tanta sem-vergonhice, este medíocre governo se tocou de que nunca teve competência para que os aeroportos fiquem prontos a tempo para a Copa. A conveniente mudança na ideologia do partido é simples: privatizando, se algo atrasar ou der errado, haverá sempre em quem pôr a culpa, menos no governo. Mesmo que os vencedores de leilões não sejam assim, como direi...

FLAVIO MARCUS JULIANO

opegapulhas@terra.com.br

São Paulo

Incoerência ideológica

A oposição no Brasil não sabe contar a sua história. Quando acusado de "privatista", Geraldo Alckmin cobriu-se de adesivos de estatais. Os tucanos, renegando o próprio programa, não abriram o bico para defender as privatizações do governo FHC. Só agora que o governo Dilma festeja a privatização de três aeroportos é que o PSDB se levanta. Ora, a reivindicação de um triunfo político tem de vir antes, e não depois, das eleições. Em vez de ficar acusando o PT de "pirataria", o PSDB deveria é explicar ao povo que, primeiro, é ele o dono original da ideia; segundo, a situação sempre se opôs a ela; e, terceiro, a desestatização é positiva, necessária e urgente. É preciso cobrar a incoerência ideológica da presidente e do seu partido. A oposição precisa se lembrar às vezes de que é oposição.

YAN RODRIGUES DOS SANTOS

yan.rodrigues.santos@gmail.com

São Paulo

Definições

Se privatização tucana é privataria, a "concessão" lullopetista é só "cumpanherada".

A. FERNANDES

standyball@hotmail.com

São Paulo

CONCESSÕES BURRAS

 

Não bastassem os fragorosos fracassos de projetos PACquianos como a transposição das águas do Rio São Francisco e a Ferrovia Transnordestina, ingressamos agora na era dos prováveis fracassos aeroportuários. Ágios de  até 673% no leilão dos três aeroportos revelam algo de esquisito no processo, para dizer o mínimo. A salada de frutas bolada pelo paralisante governo do PT é assombrosa. A ideologia rasteira e perniciosa desse governo, para evitar a venda, bolou essa modalidade de concessão, com o Estado, através da Infraero, participando com 49%. Realmente, é uma concessão “meia-boca”. Esperamos que as empresas agora encarregadas da gestão de alguns de nossos principais aeroportos consigam trabalhar 51%, tendo de entregar 49% aos “cumpanheros” que bem conhecemos pela eficiência, competência, honradez e desprendimento no trato da coisa pública. Espanta ver como a ignorância de fenômenos político-econômicos viceja nesse governo em que o ministro da Fazenda ignora quem indicou o presidente da Casa da Moeda do Brasil. Espanta ver como fatos recentes do que aconteceu com inúmeras concessões importantes são totalmente ignorados. Refiro-me especificamente  às concessões dos serviços de eletricidade, gás e telefonia para o grupo canadense Brascan. Muito antes dessas concessões terminarem, em meados da década de 1960, os investimentos em melhorias e manutenção cessaram completamente e o que foi devolvido ao Estado foram empresas sucateadas. Certamente a coisa vai se repetir. No que se refere às privatizações, o PT dá aulas, tendo já privatizado todos os ministérios e importantes setores da economia como, agora, o aeroportuário.

 

Nelson Penteado de Castro pentecas@uol.com.br

São Paulo

 

*

GOSTO AMARGO

 

Com o movimento grevista e a privatização dos aeroportos, o PT está provando seu próprio fel. Um dia ele gritou, agora está mudo!

 

Tânia Pinotti tkita@uol.com.br

São Paulo

 

*

PARTIDO DO SANGUE DE BARATA?

 

A julgar pelas primeiras acusações, algum dia o PT dirá que só privatizou os aeroportos pra mostrar que faz melhor que o PSDB. Está na hora de mostrar que PSDB não é Partido do Sangue De Barata e partir pra cima deles... ou é?

 

Gilberto Dib gilberto@dib.com.br

São Paulo

 

*

PRIVATARIA

 

Vivendo e aprendendo. Começou a privataria petista?

 

Cesar Romero Galardo crgalardo@terra.com.br

São Paulo

 

*

DIFERENTE, MAS IGUAL

 

O presidente da Infraeo admitiu que as empresas aéreas terão que pagar uma tarifa de concessão. Agora eu entendi...   é diferente da “privatização do PSDB”!

 

Ricardo Marin s1estudio@ig.com.br

Osasco

 

*

NOVILÍNGUA

 

Privatização não é privatização, é concessão.   Caixa 2 não é caixa 2, é recurso não contabilizado. Corrupção não é corrupção, é malfeito.  Lucro dos bancos? Ah, isso depende: se for em governo petista, é economia exuberante, com o PSDB, capitalismo selvagem. E assim vai para o brejo nossa "lógica semântica", esmagada pela demagogia e pelo populismo vigentes nos últimos nove anos!  

 

Silvano Corrêa scorrea@uol.com.br

São Paulo

 

*

PRIVATIZAÇÃO ESTATIZANTE

 

Esse governo petista é muito confuso... Disse que iria privatizar os aeroportos mais movimentados, mas a Infra aero fica com 49% do controle;  os fundos de pensão de estatais ficam com 74% do restante;   pediram que autorização dos donos dos fundos de pensão, os funcionários de estatais?  Que raio de privatização é essa em que o governo direta ou indiretamente fica com a quase totalidade do investimento? Nos "vencedores" da dita privatização não há nenhum grande operador internacional de grande  reputação, como Fraport e a Zürich.  A Iata – entidade que reúne as 280 maiores empresas do mundo – denuncia a falta de transparência no processo e diz que a inflação no preço da compra, comemorado pelo governo, não conseguirá ser compensado apenas com a exploração dos três aeroportos e acabará em novos encargos e  impostos para os passageiros.                                              Odebrecht, Camargo Correa e Andrade Gutierez viram que é uma fria e disseram: fui.

 

Mário A. Dente dente28@gmail.com

São Paulo

 

*

GUARULHOS

 

Não se pode dizer com segurança que o aeroporto de Guarulhos foi privatizado. A composição do grupo vencedor demonstra participantes facilmente controláveis pelo governo, os fundos de pensão e a Infraero. Esta última, com 49% de participação e dependendo do governo, poderá voltar  a controlar Guarulhos algum dia. Além disso, não há acordo de acionistas. Retornaríamos, então,  ao controle do Estado. Isso não invalida a boa medida do governo, ainda que tardia, em privatizar os aeroportos para, afinal, dar mais conforto e segurança aos usuários.

 

Fabio Figueiredo fafig3@terra.com.br

São Paulo

 

*

PALMAS

 

Quem  diria : o mesmo   Partido dos Trabalhadores (PT) que tanto criticou o PSDB por privatizações, agora está batendo palmas com as privatizações dos aeroportos. O ministro Humberto Costa disse estar muito  feliz com as privatizações. Gostaria de dizer ao ministro  que a sociedade brasileira está  ficando  de saco cheio desse PT.

Virgílio Melhado Passoni mmpassoni@gmail.com

Jandaia do Sul (PR)

 

*

‘A PRIVATARIA PETISTA’

 

Na segunda-feira, em que ocorreu o leilão de privatização de alguns dos principais aeroportos brasileiros, promovido pelo governo da presidente Dilma Rousseff, começou a ser delineado o enredo do futuro livro a ser intitulado de A privataria petista. O lançamento e a sessão de autógrafos, patrocinados pelos partidos de oposição, ocorrerão na campanha presidencial de 2014. PT, quem te viu, quem te vê!

 

Túllio Marco Soares Carvalho tulliocarvalho.advocacia@gmail.com

Belo Horizonte

 

*

VAI ENCARECER

 

Será que a privatização dos aeroportos acontecida agora na gestão PT,  tem a mesma qualidade (preços e tarifas) das privatizações de teles e outras mais, na gestão do PSDB? Ou será que agora chegou a vez do tucanato devolver as críticas sofridas no passado? A única coisa que sei e que sinto, é que tanto no passado como agora, as tarifas seguramente  aumentarão. Isso, com certeza.

 

José Piacsek Neto bubapiacsek@yahoo.com.br

Avanhandava

 

*

O DIFÍCIL

 

A plataforma política do Partido dos trabalhadores (PT) sempre foi baixar o cacete no Maluf... Que coisa interessante! Construir o aeroporto de Cumbica, mesmo sem o apoio do presidente da República na época, João  Figueiredo, foi fácil. Difícil mesmo é  não saber administrar. Privativa-se.

 

Benone Augusto de Paiva benonepaiva@yahoo.com.br

São Paulo

 

*

A FÉ ROMPE FRONTEIRAS

 

O simulacro da PrivaTização dos principais aeroportos brasileiros afastou os principais atores internacionais do gênero. Será que vai dar certo? O principal fator foi a obrigação de, dentro dos 49% do "governo", estar garantido o emprego dos Companheiros, bem como os "por fora". A sorte do nosso PresidenTe é que ele não mais utiliza o transporte aéreo que o "resto", que paga as contas, é obrigado a usar. Oremos para sair do subdesenvolvimento e poder voar, como Elle. Vai ser difícil, mas a fé rompe fronteiras...

 

Nelson Carvalho nscarv@gmail.com

São Paulo

 

*

PT

 

Nesses nove anos em que o PT tornou-se governo, aprendemos com o partido que os seus membros têm uma visão muito peculiar das coisas que acontecem no País, uma visão camaleônica, que muda de acordo com o interesse do momento. É assim com as privatizações, com as desocupações de áreas invadidas e com as greves. Quando feitas pela oposição, ou governos anteriores, eram crimes de lesa-pátria, atos criminosos e de insensibilidade social.

Quando tudo isso ocorre exatamente da mesma forma nos governos do PT, a justificativa é que está sendo feito para o bem do nosso povo. Com o PT, até o roubo descarado vira malfeito, desde que seja de interesse do partido.

 

Ronaldo Gomes Ferraz ronferraz@globo.com

Rio de Janeiro 

 

*

A BOCA NÃO QUER CALAR

 

Mas os PeTralhas não eram contra as privatizações? Lembram-se das eleições? Aquele idiota agora vai escrever A privataria petista? Acorda, Brasil! Vamos acabar com as maracutaias, com os corruptos e com a Ali Babá.

 

Roberto Tavares robertocps45@hotmail.com

São Paulo

 

*

NÃO FALTARÁ DINHEIRO

 

O mercado não deve desconfiar do fôlego financeiro de vencedores de leilões de aeroportos, pois o "PT" faz parte do consórcio, portanto, dinheiro jamais faltará.

 

Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

 

*

DITADO ANTIGO

 

"Quem cospe para cima cai na cara"... e desta vez caiu no cara, não é, sr Lula? Não era o seu PT que era contra as privatizações? Essa não foi a bandeira de sua eleição? É muita cretinice de um cara e de um partido. Como ficam, na sua opinião, as privatizações dos aeroportos? O sr tem muito a agradecer ao Sr. FHC.

 

Carlos Roberto Gomes Fernandes  crgfernandes@uol.com.br

Ourinhos

 

*

AGORA, SIM

 

Sugiro a nossa fraca e oprimida oposição que a partir de hoje use como ferramenta verbal as privatizações contra o PT, pois eles sempre forem useiros e vezeiros em jogar isso na cara dos opositores assim como a antiga mas sempre util. Façam o que eu digo e nunca o que eu efetivamente faço. Olhando do lado positivo isso já deveria ter sido feito faz décadas, mas sempre tivemos algo no calcanhar de aquiles da nossa, digamos, independência econômica. Mas ninguém duvide ou se engane que se alguém falar a partir de agora em privatizar a Petrobrás o PT estará sempre por trás disso, principalmente no quesito levar vantagem a grande virtude dos petistas em relação aos outros fracos e covardes partidos. Os mensaleiros que o digam e o Genoino, aquele que é fiador sem saber também. Parabéns ao Brasil. Agora, sim, vamos ter aeroportos de Primeiro Mundo, para viajarmos sem as benditas e longas filas, principalmente na bagagem e saída da alfândega. Um tormento.

 

Asdrubal Gobenati asdrubal.gobenati@bol.com.br

Rio de Janeiro

 

*

VIVA FHC!

 

Lembram das privatizações da telefonia, da Vale? O PT caiu matando. E agora os aeroportos brasileiros podem? Explica-me esta história, eu só quero entender...

 

Renata Velludo Junqueira rvjun@hotmail.com

São Paulo

 

*

PELA ELEIÇÃO

 

Não é só o papel que aceita tudo. A campanha eleitoral também. Não que eu seja contra, muito pelo contrário, mas se não me falha a memória, a candidata Dilma abominava as privatizações. Já a presidente Dilma...

 

Luiz Nusbaum lnusbaum@uol.com.br

São Paulo

 

*

OS RESMUNGOS DOS NEOBOBOS

 

O PT sempre foi um cadinho de posições divergentes, ou, como alguns diziam, uma frente de esquerda. No núcleo do discurso agressivo ao "neoliberalismo", que o Presidente FHC classificou de "neobobismo", sempre residiu a demonização das privatizações. A salutar e indispensável privatização do Banespa por Mário Covas deu-se no contexto de uma verdadeira guerra jurídica. Agora, os neobobos ficam a falar aos ventos no interior do PT, com a privatização de nossos mais importantes aeroportos, sob pena de a Copa do Mundo se transformar num campo de agruras. Resmungam contra seus próprios líderes e o governo de seu Partido, como o fazem os inconformados com a velhice esclerosada. 

 

Amadeu R. Garrido de Paula amadeugarridoadv@uol.com.br

São Paulo

 

*

CAIXA CHEIO

 

Da série perguntar não ofende: não era o PT contrário as privatizações? Bom, agora com o dinheiro em caixa, o que eles farão? Uau, que medo!

 

Renato Camargo natuscamargo@yahoo.com.br

São Paulo

 

*

PARA FUNCIONÁRIOS

 

Ante a exuberância financeira dos fundos das estatais, Previ, Petros, etc., investindo até em  aeroportos, causa revolta saber que  o governo contribui  em duas partes e os funcionários das estatais pagam apenas uma. Esses fundos na verdade deveriam pertencer a todos os míseros aposentados do INSS que dependem do governo,nessa proporção.ou seja duas partes , pois diretamente contribuem com os seus impostos. Lembro também a situação dramática dos aposentados do fundo Aerus (Varig), por culpa da SPC, órgão estatal que não fiscalizou e não detectou o rombo quando deveria ter feito. E o governo do PT se nega a pagar os R$ 6 bilhões que deve ao Aerus, mas ajuda os fundos das estatais. Dá para acreditar?

 

Sinclair Rocha sinclairmalu@uol.com.br

São Paulo

 

*

NÃO HOUVE ÁGIO NO LEILÃO

 

O que aconteceu no leilão dos aeroportos Brasileiros foi um duro golpe no PT a quadrilha avaliou por baixo o valor para que as grandes empresas construtoras  brasileiras comprassem as concessões barato e após o PT encheria sua caixa de dinheiro para as eleições dos próximos 20 anos  o tiro saio pela culatra o esquema quebrou o preço combinado foi barato demais isto ocasionou a vontade e certeza para que outras empresas que não tem acordo com o PT entrar para ganhar e levaram os aeroportos a maracutaia ficou mais patente com a estranheza da presidente Dilma  como as grandes empreiteiras Brasileiras que ganham concorrências no mundo inteiro não entraram no leilão não entraram porque o ágio era alto.

 

Antonio Favano Neto a.favano.nico@uol.com.br

São Paulo

 

*

GOVERNO DE PARAQUEDAS

 

Comprovada a sua incapacidade de gerenciamento, e diante de um retumbante fiasco nos aeroportos, tendo em vista dois mega eventos como a Copa do Mundo de futebol e a Olimpíada, o governo,que atacava as privatizações de Fernando Henrique, tal qual um rottweiler ensandecido, vestiu as sandálias da humildade,e hoje, privatizou 3 aeroportos, Guarulhos, Campinas e Brasília num leilão que atingiu R$24 bilhões. Mais 4 deverão ser privatizados, o que evidencia que Dilma e a petralha estão passando o abacaxi para outras mãos, capazes de se desincumbir da missão que o governo, às voltas com sua equipe de malfeitos tem certeza de que não daria conta. Para quem combatia as estatizações não deixa de ser um K.O. político. Ganham os usuários, ganham os visitantes. Fiat Lux no Planalto para outras privatizações pois até as pedras sabem que o governo é péssimo administrador.

 

Jair Gomes Coelho jairgcoelho@gmail.com

Vassouras (RJ)

 

*

AS CONCESSÕES E O JUDICIÁRIO

 

A privatização ou concessão aeroportuária é bem-vinda para a população por duas razões. A primeira razão é por seu potencial de solução do problema aeroportuário mediante a construção e reformas de aeroportos que serão explorados por tempo definido pelo concessionário que será pago mediante o recebimento de tarifas; é inegável que tal concessão pública vem em beneficio da população e não a atinge em seus direitos; ainda mais, ela é reversível. A segunda razão é a semântica porque assim esclarece a todos, leitores e eleitores, o legal sentido de concessão oferecido pela concessão aeroportuária em conformidade com a legislação federal do país; de fato, temos a imoral, ilegal e inconstitucional “concessão” urbanística paulistana de Kassab e de Police Neto, que nada tem de concessão já que é definitiva e paga pelo cidadão da região atingida, e, cujo único resultado seria liberar aos especuladores imobiliários terrenos baratos através de ataque ao direito à propriedade e ao trabalho dos paulistanos; (cometendo assim um crime perfeito contra a população?). Que seja ampliada a constitucional concessão aeroportuária benéfica ao usuário; que seja enterrada a legislação municipal de extrema-direita alcunhada de “concessão urbanística”, felizmente com aplicação suspensa por liminar judicial – contra a qual a prefeitura já atacou no TJ com unhas e dentes nessa semana; nesse caso, espera-se que o novo Judiciário paulista fique ao lado da população paulistana contra a “concessão” equivocada desses atuais poderes executivo e legislativo, cuja ação felizmente estará terminada nesse ano.

 

 

Suely Mandelbaum, urbanista suely.m@terra.com.br

São Paulo

 

*

NOVO ÂNIMO

 

Com a decisão do Supremo Tribunal Federal ( STF) dando força total ao Conselho Nacional de Justiça (CNJ ) e, agora a privatização dos aeroportos de Guarulhos, Campinas e Brasília, surgiu um novo ânimo na população e esperanças renovadas, de que as coisas agora começaram a andar. Conforme  matéria do Estadão (7/2, B5), existe também a possibilidade de o governo federal autorizar a construção de um terceiro aeroporto, totalmente privado em São Paulo, na região de Caieiras. Com o calor desse verão, os paulistanos ficarão  na expectativa de que esse projeto saia da geladeira o mais rápido possível.

 

Edgard Gobbi   edgardgobbi@gmail.com

Campinas

 

*

CARA DE PAU

 

Não são demonstrações de incoerência do PT os episódios de violência envolvendo manifestantes da Polícia Militar da Bahia, nem tampouco a privatização dos aeroportos de Guarulhos, Campinas e Brasília. No primeiro caso, as agressões das Forças Armadas contra os grevistas baianos se opõe ao discurso oportunista de Gilberto Carvalho, que, a respeito da reintegração de posse do Pinheirinho, criticou duramente a PM de São Paulo ao afirmar que a suposta força excessiva da polícia paulista na operação "não é o método do governo federal". No segundo, a concessão dos terminais à iniciativa privada vai contra tudo o que o partido pregou nas três últimas campanhas eleitorais - o palavrório manjado e anacrônico de que privatizações são verdadeiros atentados contra o patrimônio nacional. Não, o nome disso não é incoerência. É cara de pau e vigarice política, mesmo!

 

Henrique Brigatte hbrigatte@yahoo.com.br

Pindamonhangaba

 

*

A ESTARRECIDA

 

Dilma! Nós também estamos estarrecidos com a inflação, corrupção, falta de infraestrutura, educação, saúde, promessas nunca cumpridas, e até com essa privatização meia boca! Isso sem falar, com a visão dúbia de direitos humanos da presidente, e ONGs fantasmas que ganharam mais um prazo quem sabe para arrumar notas frias e convencer este governo que não administra nada! Se estarrecer com a greve da polícia baiana, também agora com a carioca e sabe Deus em que Estado mais, é jogar para platéia! Esta insatisfação destes policiais é fruto do péssimo gerenciamento dos recursos do erário. Porque, se o número de ministérios ficasse estacionado nos 23 da gestão FHC, e não em 39 com o Lula e a Dilma, além das nomeações para cargos de confiança para acomodar os camaradas de nove mil no período tucano, para 22 mil nesta era petista, certamente sobrariam recursos para reajustar os soldos dos policiais, e aliviar esta tensão que pode trazer graves desdobramentos para segurança no País. E mais, a Dilma deveria se estarrecer é com a demora do julgamento do Ficha Limpa e do mensalão pelo Supremo! Neste caso daria a presidente prova cabal de estar ao lado da ética, e consequentemente do clamor popular, que não suporta mais esta libertinagem dos desvios de recursos públicos na esfera do Executivo Federal. Aliás, esta sim, uma verdadeira barbárie...

 

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

 

*

ACERTOS, DESACERTOS E ERROS

 

Governos eleitos acumulam acertos e desacertos, o balanço é julgado pelo povo. Agora, erro é outra coisa, seu acúmulo é grave. Quanto mais tempo um grupo no poder, mais se acumulam os erros. Inevitável, como o envelhecimento do corpo humano. Chamar as Forças Armadas para combater crime é erro. Chamar as Forças Armadas para enfrentar a Policia Militar é erro. É confessar incapacidade de governar

 

Milan Trsic cra61@iqsc.usp.br

São Carlos

 

*

DISCURSO INÚTIL

 

Senador Humberto Costa (PT/PE), usar o púlpito do Senado para chamar de vândalos os PMs que participam da greve na Bahia,  dar e pedir forças aos seus pares para apoiar o governador Jaques Wagner (PT/BA) no sentido de afastar a hipótese  de uma anistia aos grevistas, não nos surpreendeu. Com certeza foi só mais uma vez o PT e seus aliados pedindo a presença dos holofotes para uma nova provocação.  Por que o senhor não usou o Plenário do Senado para impedir que, tempos atrás, fossem anistiados os baderneiros  de 1964, aqueles  guerrilheiros e sindicalistas, muitos deles terroristas que,  anistiado com a ajuda da tropa de choque do governo do PT,  receberam vultosas indenizações e ainda  foram aposentados?  Por que as posições diferentes? Responda-nos.

 

Leônidas Marques leo_vr@terra.com.br

Volta Redonda (RJ)

 

*

A GREVE CONTINUA

 

Não satisfeitos com a "greve" no Estado da Bahia, onde dezenas de pessoa morreram, agora é no Estado do Rio de Janeiro que os policiais estão cruzando os braços. Pressuponho que todas as pessoas têm o direito assegurado por lei de reivindicar melhores salários, agora, daí a sair às ruas matando pessoas e incendiando ônibus é inamissível, e o que é pior, com essas violentas "greves”, além de prejudicar a imagem do Brasil, toda a população sairá perdendo... Por que será que a tão comentada PEC 300, pela qual o ex-presidente Lula da Silva fazia tantas propagandas, ainda não  entrou em vigor?

 

Virgílio Melhado Passoni mmpassoni@gmail.com

Jandaia do Sul (PR)

 

*

ATENÇÃO, ELEITOR

 

É bom o eleitor ficar atento a certos acontecimentos. Nesta questão da greve dos PMs da Bahia e no Rio de Janeiro, reivindicações justas por sinal, há um tom de anarquia alimentado por políticos. Sim, políticos que são eleitos pelo povo e se colocam, com suas atitudes, contra ele. Numa gravação exibida em telejornais há o diálogo de um líder de movimento com uma deputada estadual do PSOL, Janira Rocha, e em outra gravação o ex-governador Garotinho fala do movimento, acusa o governador Sergio Cabral, que também não é lá flor que se cheire, de não ter feito nada (e ele fez, quando governador?) e acrescenta que ia costurar. Espera aí. Costurar o que? Virou costureiro? Reparem que por ambições e projetos políticos, o ex-governador Garotinho que quer se candidatar em 2014, fica contra o povo. Não está preocupado com a segurança da população. Vejamos o que acontecerá até lá. O povo tem memória curta. O que eles estão fazendo agora, até lá será esquecido. O eleitor precisa ter uma memória melhor, senão vai ficar reclamando sempre. O ex-governador Garotinho deveria ser banido da política, no entanto foi eleito deputado federal. Da para entender o eleitor?

 

Panayotis Poulis ppoulis46@gmail.com

Rio de Janeiro

 

*

QUANTO PIOR, MELHOR?

 

O que o nobre pastor Garotinho quer saber se os PMs podem parar o Rio de Janeiro? O interesse dele verdadeiro e em ajudar os PMs a ter uma solução para o imbróglio, ou seja, a greve ou usar o método PT de ser  que quanto pior melhor? Será que ele mesmo, sendo fluminense, quer ver o circo pegar fogo, pelo fato do Cabral ser seu grande adversário político? Não podemos mais conviver com políticos mau caráter e aproveitadores, e sempre querendo levar vantagem? O garotinho deveria sim ter seu mandato cassado por atitude mesquinha de terrorista. Lamentável.

Antonio Jose Justino anjogoma@yahoo.com.br

Rio de Janeiro

 

*

COMPARAÇÃO

 

Fazendo uma analogia com um país africano chamado Libéria, lembro-me de que muitos anos atrás um cabo do Exercito daquele país conseguiu comandar uma rebelião e tomar o poder. Nos dias de hoje, o Brasil também atravessa uma fase parecida ( mas muito pior ), pois aqui é um cabo da Polícia Militar da Bahia que ameaça colocar de quatro toda  a cúpula da Segurança desse pais; imaginem o que está passando pela cabeça de governantes  que pretendem enviar  suas Seleções de Futebol para uma  Copa num país  que atravessa dificuldades  para contornar um óbice tão irrelevante. Com um (des)governo do PT dessa magnitude, imaginem os transtornos que teremos na formação da infraestrutura básica (rodovias, aeroportos, portos, segurança publica, higiene publica, atendimento hospitalar de boa qualidade, coleta de lixo etc.), quando para  cá vierem milhares de turistas, delegações  de esportistas, equipes de imprensa.. Dona Dilma, responsável pela futura balbúrdia, sugiro que comece a dormir menos e passe a cobrar mais dos petralhas de plantão. Senão, o cabo assume. Hello Liberia!

 

Antonio Milton Moraes amiltonm@gmail.com

São Paulo

 

*

GESTÃO

 

Parte 1: O dinheiro que sai pelo ralo da corrupção – apenas um "bocado" dele – seria suficiente para termos policiais e professores com salários dignos. Parte 2: O País precisa de um choque de gestão. O cidadão é lembrado em várias ocasiões apenas como contribuinte sem uma contrapartida do governo à altura em serviços básicos. Apenas choque não basta, precisamos de gestão: rever custos de uma maneira geral. A relação custo benefício de vários órgãos é positiva? Vide STF, Senado, Câmara etc. Voto distrital não baratearia o custo da eleição? Tempo de campanha? Muita prosa e pouca ação! E as reformas? E haja tributos!

 

Emílio Carlos "Kaká" dos Santos kkrodeo@hotmail.com

Barretos

 

*

O JEITO PT

 

Impressiona a organizada articulação do PT. Logo da desocupação da Cracolândia, sob aplausos dos paulistanos quase que integralmente, e da reintegração de posse do Pinheirinho,veio a turma dos direitos humanos, os “freis” e os servis militantes falar de violações, de maus tratos, até de estupro por parte da polícia militar de São Paulo. Na verdade, não se tratou de uma “barbárie”, até a Agência Brasil reconhece erro, afirmando que não houve nada disso. Agora, quanto à desocupação de uma fazenda no Distrito Federal e uma área invadida no Acre, e, no momento, por ato de greve de policiais baianos, cadê essa turma? Alô, turma dos direitos humanos, alô, freis e militância petista, estamos aqui falando de centenas de mortes em apenas uma semana e de policiais pais de família que, acuados feito bichos, ficaram sem água, luz e sem comida por dias.  Ainda para espanto geral, vem o governador da Bahia, o sr. Jaques Wagner, e diz que foi pego de surpresa pela greve dos policiais ( que homem puro! ) quando desde o dia 24 de janeiro havia pela cidade cartazes avisando sobre a Assembléia de policiais e bombeiros. Mas é que tinha que ir a Cuba apertar a mão de um grande ídolo e se desconcentrou. Afinal, ninguém é de ferro: primeiro a ideologia, e, por último, se der e se convier,  os deveres. Não se escuta um pio em defesa dos policiais ou em defesa das famílias das centenas de mortos, estão abandonados a sua própria sorte. Por fim, os petistas devem estar se perguntando:  que é isso, esse tal de direitos humanos? É o PT cumprindo a sua incompetência, desfaçatez e delírios. Se falassem menos e fizessem mais...

 

Myrian Macedo myrian.macedo@uol.com.br

São Paulo

 

*

O QUE REALMENTE IMPORTA

 

Não importa a que partido pertençam os governadores de São Paulo e da Bahia. O que importa é que por trás dos episódios do Pinheirinho e da greve na Bahia existem seres humanos.

 

Maria do Carmo Zaffalon Leme Cardoso mdokrmo@hotmail.com

Bauru

 

*

PINHEIRINHO

 

O Tribunal de Justiça já consagrou o princípio constitucional da função social da propriedade não só como obrigação dos particulares, como também dos Poderes e seus dirigentes, inclusive em caso semelhante, numa tentativa de recuperação da posse de uma favela. O tribunal considerou que a retomada física do imóvel favelado era inviável, pois implica uma operação cirúrgica, sem anestesia, incompatível com a natureza da ordem jurídica, que é inseparável da ordem social. Por isso, impediu a retomada. O proprietário não teve êxito no STF (recurso especial 75.659-SP). Então, e agora, em que pé ficamos?

 

Conrado de Paulo  conrado1953@bol.com.br

Bragança Paulista

 

*

DESABAMENTOS

 

São preocupantes os desabamentos de edificações nas cidades brasileiras. Principalmente pela falta de atuação dos órgãos que existem para fazê-lo: Conselho Regional de Engenharia e Agronomia (Crea), as prefeituras e o Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Arqueológico, Artístico e Turístico (Condephaat). O Crea se limita a receber a anotação de responsabilidade técnica (ART) de quem se dispõe a pagar. Quem não o fizer, realiza sua obra com um custo a menos, e só. A responsabilidade fica unicamente a cargo do proprietário, que pode ou não contratar um profissional capacitado para se responsabilizar pela reforma que pretende fazer. As reformas internas da grande maioria das edificações é feita sem que a comunidade que vive naquela estrutura tome conhecimento do que está sendo feito. Por outro lado, as Prefeitura ávidas por impostos, criaram legislação, que acaba com a escassez de áreas disponíveis para construção nas grandes cidades: o investidor imobiliário paga para desrespeitar o zoneamento existente. Pode-se também, através da lei da anistia, liberada de tempos em tempos como meio de aumentar a arrecadação das prefeituras municipais, regularizar áreas construídas irregularmente, desde que se pague dali para frente, o respectivo IPTU daquele acréscimo de área. O mesmo sucede com outro órgão fiscalizador, o Condephaat. Este responsável pela conservação da caracterização dos imóveis e bairros tombados, não toma conhecimento da  descaracterização que a reforma de um imóvel pode causar no todo que foi tombado, justamente para conservar a característica histórica de uma época ou de uma região. O Condephaat aguarda sentado, a denúncia de alguém que se sinta prejudicado. Devido ao acima exposto, não devemos nos assustar se outros desabamentos acontecerem. 

 

Victor Germano Pereira victorgermano@uol.com.br

São Paulo

 

*

TRAGÉDIA EM SÃO BERNARDO

 

A tragédia frequente demais do desabamento de prédios por aqui, tudo indica nada tem a ver com o acaso, mas com o desleixo, especialmente dos órgãos que deveriam fiscalizá-los. Como mostra a matéria Infiltração é causa mais provável de queda de prédio (8/2, Cidades/Metrópole, Pág. C4), o desabamento em questão decorre de uma causa relacionada com problemas de manutenção da estrutura do edifício, que poderia perfeitamente ter sido evitado. As Prefeituras e os Conselhos Regionais de Engenharia estão devendo respostas à sociedade!  

 

José Elias Laier joseeliaslaier@gmail.com

São Carlos

 

*

CONSTRUÇÕES

 

No dia 25 de janeiro dois prédios desabaram no Rio de Janeiro. No dia 6 de fevereiro um prédio em São Bernardo do Campo caiu parcialmente, as lajes dos 13 andares com salas com final 4 desabaram. Em ambos os casos os problemas se encontram na estrutura. Que podem ser causadas por reformas, infiltrações, envelhecimento ou tempo de vida, serviços de “profissionais” incompetentes, materiais de péssima qualidade: como areia, ferro, adição de pouco cimento ou pedra, etc. aliado a muitos construtores gananciosos, abundante síndicos omissos e muitos moradores que não respeitam códigos ou normas do projeto. Na verdade é um conjunto de cúmplices, aliado aos órgãos públicos que pouco ou nada fiscaliza! Infelizmente isto é uma realidade nacional! A lei de “Gerson” predomina neste país.

 

Alex Tanner alextanner.sss@hotmail.com

Sumaré

 

*

A CASA CAIU

 

O prefeito nunKassab voltou atrás no seu veto, de cinco anos atrás, proibindo a fiscalização de prédios na cidade de São Paulo, para evitar a queda, pois a coisa nunca esteve tão séria e feia. Felizmente, alguém de bom censo na Prefeitura lhe deu o aviso de que com a quantidade de prédios em péssimo estado de conservação na cidade, a coisa pode ficar feia e matar pessoas que sem opção e com a facilidade de invasão de prédios públicos podem sofrer, e muito. A nossa política habitacional para os menos afortunados já deveria ter sido feita e o que presenciamos não deveria mais existir? Não adianta faturar mais e ser a 6.ª economia do mundo, tem de distribuir a renda e dar condições reais de existência aos mais necessitados, pois isso é vital para tudo melhorar,  inclusive para a violência dar uma pausa.

 

Antonio Jose G. Marques a.jose@uol.com.br

São Paulo

 

*

RIO – A LIÇÃO QUE FICA

 

A hipótese mais forte para explicar o desabamento do Edifício Liberdade, no Centro do Rio de Janeiro, tem relação com obras em andamento em dois andares. Remoção de partes estruturais e acúmulo de entulho teriam provocado o colapso da estrutura, segundo engenheiros e professores ouvidos. O desabamento teria deixado centenas de mortos se tivesse acontecido três horas antes, quando ainda não se havia encerrado o horário rotineiro do dia de trabalho. Teria sido o acidente mais mortífero da história do Brasil, superado apenas pelo desastre de chuva e imprevidência da Região Serrana do estado do Rio, um ano atrás, que deixou milhares de mortos, muitos ainda soterrados em lugares que não foram escavados. O que aconteceu depois da tragédia em Friburgo, Teresópolis e Petrópolis ensina que a vida ainda vale pouco no Brasil. Lição que fica:  Se abre um capítulo na história da engenharia brasileira. Que, por exemplo, as chamadas autoridades não poderão mais fazer vista grossa, por negligência ou suborno, como até agora, à vontade dos proprietários de imóveis ou responsáveis por eles. Que a condenação da opinião pública, se não da Justiça, as levará a pensar duas vezes antes de “dar um jeitinho”.

 

Antônio Dias Neme antonio.neme@superig.com.br

São Paulo

 

*

CONSIDERAÇÕES DE UM ENGENHEIRO

 

Muitos falam ou escrevem  sobre o desmoronamento dos três prédios no Rio. Acho que: a) O edifício do Teatro Municipal deveria ser protegido, como em São Paulo, evitando construções próximas. b) O sindico do Edifício Liberdade deveria ter fiscalizado as obras em execução e exigir um engenheiro responsável com projeto correspondente. c)  A idade da construção não pode ser levada em conta, uma vez que a estrutura é de Concreto Armado.  d)  As paredes são de alvenaria e não interferem na estabilidade do edifico, mesmo sendo, ironicamente comparado ao de um queijo suíço, com a abertura de janelas.   e) Não cabe ao Poder Público – Prefeitura, a fiscalização da segurança do edifício, mas sim sua construção de acordo com as normas do município.  f) E, finalmente, pelas fotos apresentas na TV, houve alterações estruturais profundas e que deveriam ter sido aprovadas em Assembléia de Condôminos, co-responsáveis pelo evento.

 

José Erlichman joserlichman@gmail.com

São Paulo

 

*

NOVA LUZ

 

Sobre a reportagem Justiça paulista suspende de novo projeto de revitalização da Luz (28/1, C7), é um alento termos a Justiça atuando com mão firme, através da brilhante  sentença do Juiz da 8ª VFP/SP Dr. Adriano Marcos Laroca,   suspendendo a aplicação das famigeradas leis 14.917 e 14.918/09 por falta de participação popular  e pelos gastos excessivos da Municipalidade neste Projeto Nova Luz, entre outros. Caso o instrumento ilegal e insconstitucional da Concessão Urbanística seja aplicado na região da Santa Ifigênia permitindo ao concessionário desapropriar o particular com o pretexto da reurbanização, mesmo que esta propriedade esteja cumprindo sua função social, gerando empregos e vitalidade na região, demolindo-a e, posteriormente, construindo outra edificação que lhe proporcione lucros em troca de alegadas “melhorias urbanísticas”, estaremos rasgando o Direito de Propriedade no Brasil, garantia constitucional. Além disso, servirá como temerário paradigma para o resto da nação possibilitando que “coronéis” que detém o poder nas suas cidades possam - a pretexto de reurbanização de uma área valorizada - permitir a desapropriação pelas construtoras apaniguadas e com isto ganharem ainda mais superutilizando o solo urbano em busca de lucros milionários. É de espantar o comentário publicado hoje neste jornal do prefeito Kassab em relação à liminar de que ”esta não será a primeira nem a última”. Ao menos entende que não será fácil implantar a Concessão Urbanística da forma com a urdiu na cidade de São Paulo.

 

Lucila Lacreta, arquiteta urbanista lucilalacreta@yahoo.com.br

São Paulo

 

*

BOLHA DE ILETRADOS

 

Os dados divulgados esta semana pelo movimento Todos pela Educação, acerca dos baixos índices de aprendizado de matemática e língua portuguesa no ensino fundamental do País, são alarmantes e vergonhosos. Se considerarmos ademais a famigerada regra da aprovação automática, iniciada pela ex-prefeita Erundina, a coisa fica trágica. Como pode o PT vangloriar-se de ter fortalecido economicamente a classe pobre e média, se trata a Educação com desdém e não só não consegue proporcionar as mínimas condições para o aprendizado da escrita, leitura e contas simples de matemática, como literalmente valida a aprovação de analfabetos? Pode não estar surgindo uma bolha econômica, mas com certeza existe uma de iletrados em crescimento perpétuo.

 

Luciano Harary lharary@hotmail.com

São Paulo

 

*

DÉFICIT EDUCACIONAL

 

O noticiado déficit de 3,8 milhões de crianças que não tem acesso a escola no Brasil, é emblemático. Dentro dos gargalos de infraestrutura que possuímos esse da educação é, o mais grave que temos urgência de resolver.Dele resultam grandes fragilidades que nos atormentam, como a violência urbana, a baixa capacidade política de escolha de nossos melhores representantes e por aí vai. Solucionar tal impasse é a prioridade zero que temos no momento, para alcançarmos um grau civilizatório mínimo que nos leve a construção da grande nação que tanto sonhamos.

 

José de Anchieta Nobre de Almeida josedalmeida@globo.com

Rio de Janeiro

 

*

PARTINDO DO BÊ-A-BÁ

 

Até que enfim um ministro interessado num plano de ensino a longo prazo. O ministro da Educação, Aloizio Mercadante, ao tomar conhecimento do resultado alarmante do relatório anual do movimento Todos pela Educação, com dados do MEC e do IBGE, resolveu recomeçar do começo, apressando a construção de creches dentro do programa Pró-Infância. Pra frente Brasil!

 

Sergio S. de Oliveira ssoliveira@netsite.com.br

Monte Santo de Minas (MG)

 

*

GARANTIA

 

Dilma só prometeu: não cumpriu! Mas até 2014 serão entregues 5 creches por dia! E quem garante é o ministro Mercadante. De maneira irrevogável.

 

A.Fernandes standyball@hotmail.com

São Paulo

 

*

AINDA NÃO SABEM LER

 

Estive no interior do Ceará, onde visitei um grupo escolar com quatro salas de aula e cerca de 80 a 100 alunos. Com tantos políticos prometendo um piso salarial mínimo para os professores, pensei que tudo estava bem, mas na verdade, a maioria dos professores é de bolsistas que recebem bem menos que o piso salarial. Existem alunos que na quinta série do antigo primário ainda não sabem ler. Uma pesquisa recente demonstrou que de cada 10  crianças na quinta série 3 tem problemas em português. A verdade é que os senhores prefeitos estão admitindo bolsistas e estagiários no lugar de professores qualificados e experientes. A qualidade da educação diminui, e o piso salarial está sendo razão para os professores formados serem afastados de suas funções. Denúncia como esta tem o objetivo de questionar os cidadãos sobre a qualidade que está sendo oferecida e sobre a educação que queremos para os nossos filhos. Ou fiscalizamos os nossos municípios, ou teremos em alguns anos situações irreparáveis na educação.

Paulo Roberto Girão Lessa paulinhogirao@gmail.com

Fortaleza

 

*

NA ERA DOS TABLETS

 

Como se já não bastasse o sonho dos laptops (milhões) de uma para cada estudante e todos ainda empacotados nos depósitos e certamente já pagos, agora vamos pagar por mais 598 mil tablets, certamente da "marcadante", para todos os professores no nosso país. Com certeza haverá mais uma sobra para os caixas dois. Aumento para aposentados? Não há dinheiros para mais de 6%.

 

José Luiz Tedesco wpalha@terra.com.br

Presidente Epitácio

 

*

REFORMA TRABALHISTA

 

Li o artigo  do professor Sergio Amad Costa (8/2, B2) sobre flexibilização trabalhista e o quanto seria importante não esperarmos por uma crise, para fazer a tão esperada reforma. Alguns países da zona do euro começaram a se mexer, mas somente agora, com a crise  já deflagrada. Segundo o professor, a flexibilização das relações trabalhistas não é só para evitar o desemprego em momentos de crise, ela é imprescindível, também, para fortalecer o crescimento econômico em períodos de bonança financeira. Com a palavra, o ministro do Trabalho e os sindicatos.

 

Cleo Aidar Cleoaidar@hotmail.com

São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.