Fórum dos Leitores

PRECATÓRIOS

O Estado de S.Paulo

14 Fevereiro 2012 | 03h06

Falência da Justiça

Parabéns à corregedora Eliana Calmon (CNJ agora quer apressar pagamento de precatórios -12/2, A1). O atraso no pagamento de precatórios, em especial os alimentares, é símbolo da falência da Justiça brasileira, principalmente no Estado de São Paulo. É um desrespeito à sentença dos próprios juízes. Não adianta ter julgamento se as sentenças não são cumpridas, não se sabe até quando. Parabéns também ao Estadão pela excelente matéria.

CARLOS VIEIRA

vieira3013@terra.com.br

São Paulo

*

Calote vai continuar

Vem em boa hora a notícia de que a ministra corregedora do CNJ prepara nova cruzada para cobrar os precatórios em atraso. Em São Paulo, os valores liberados no decorrer de 2011 ainda não chegaram às mãos dos credores por absoluta incompetência e falta de interesse do Tribunal de Justiça. Enquanto isso, milhares de credores morrem nessa vergonhosa fila. Para piorar, o governador Geraldo Alckmin baixou um decreto do leilão dos precatórios. Tal medida vai diminuir os recursos para a fila dos credores alimentares. Portanto, o calote vai continuar por muitos anos, a não ser que o STF decrete rapidamente a inconstitucionalidade da EC 62/2009. É o que se espera!

BRUNA LAMANNA

brulamanna@hotmail.com

São Paulo

*

Executivo x Judiciário

Toda vez que o Executivo age contra o povo obedecendo a determinação judicial, o governador vem com o mesmo blá-blá-blá, ou seja, "decisão da Justiça não se discute, cumpre-se". Bonito! Mas para cumprir as decisões judiciais e pagar o que deve dos malfadados precatórios, aí...

OSNIR GERALDO SANTA ROSA

osnirsantarosa@bol.com.br

São Paulo

*

Memória

O Estado apresenta uma senhora idosa, viúva e doente, que aguarda há dez anos o pagamento de seu precatório (12/2, A4). Seria bom não esquecer a "indústria dos precatórios" milionários de alguns anos atrás.

SEBASTIÃO PEREIRA

jardins@oadministrador.com.br

São Paulo

*

Prazo de validade

Se nem o adiantamento para os que são considerados "pé na cova" (já depositado pela Fazenda há um ano no Banco do Brasil) se consegue levantar, o que esperar dos precatórios de pessoas com prazo de validade maior?

CONRADO AMSTALDEN

c.amstalden@gmail.com

Vinhedo

*

PRIVATIZAÇÃO

Concessões petistas

É incrível, mas o PT só pensa naquilo. Mantendo participação estatal de 49% nas concessões, imagine-se quem eles vão querer nomear para certas diretorias, como vão negociar vantagens para facilitar empréstimos do BNDES para expansão e atualização dos serviços, como pressionarão contra qualquer reengenharia que busque melhorar a eficiência com novas tecnologias, quanto vão dificultar a adoção de programas de qualidade que exijam qualificação de pessoal, etc. Será que os vencedores conhecem as "ideologias" petistas? A alternativa será a decadência dos serviços, como se vê hoje. O que muda?

GILBERTO DIB

gilberto@dib.com.br

São Paulo

*

Insensatez sem tamanho

A qualidade das privatizações e concessões depende basicamente de seus objetivos. O objetivo pode ser só para tirar das mãos do governo, que particularmente no Brasil é incompetente. Pode ser atrair recursos para investimentos que só poderiam ser feitos pelo poder público num futuro longínquo. Pode ser para favorecer grupos econômicos muito fortes que conseguem subordinar aos seus interesses, concentradores de renda, grande parte do desenvolvimento de toda a Nação. Pode ser também, neste mundo globalizado, fazer interagir instituições nacionais e internacionais que podem dar grande contribuição nos campos científico, tecnológico e operacional. Enfim, pode ser ainda uma mistura de tudo isso e muito mais. Agora, ficar apenas discutindo politicamente qual a melhor privatização, se a do PSDB ou a do PT, é de uma insensatez sem tamanho.

LUIZ ANTONIO DA SILVA

lastucchi@yahoo.com.br

Ribeirão Preto

*

AINDA MARTA X KASSAB

Discriminação

A recusa da senadora Marta às "mãos dadas" com o prefeito parece-me injustificada. Já que ela convive diariamente com figuras impolutas da base governista, como os senadores José Sarney e Fernando Collor - eleito graças ao empenho pessoal e direto do ex-presidente da República -, porque discriminar o companheiro Gilberto? Mesmo porque, dadas as mãos, a senadora poderia perguntar diretamente ao alcaide se ele é casado e tem filhos.

LUCIANO AMARAL JR.

lucianoamaral@lucianoamaral.com.br

São Paulo

*

Na festa do PT

Depois de ter recebido da população da cidade de São Paulo o título de "o pior prefeito de todos os tempos", Gilberto Kassab é recebido com honras na festa do PT. Eles se merecem!

JOSÉ CARLOS DEGASPARE

degaspare@uol.com.br

São Paulo

*

A foto da festa (11/2, A4), onde aparecem quadros do PT e PSD "unidos", fez-me lembrar as últimas linhas do livro A Revolução dos Bichos, de George Orwell, onde o grande escritor diz pela boca do cavalo (que representa o povo): "Já não consigo distinguir quem é porco e quem é homem".

LUIZ HENRIQUE PENCHIARI

lpenchiari@gmail.com

Vinhedo

*

Prefeito, o senhor não fica nem um pouquinho envergonhado?

GUTO PACHECO

daniguto@uol.com.br

São Paulo

*

Traição

Votei no prefeito Kassab para não votar no PT. Em vez de cuidar da cidade, só se preocupou em usar a máquina da Prefeitura para fazer política. Traidor!

LUIZ SERGIO DOS SANTOS VALLE

lsvalle@tecnacimoveis.com.br

São Paulo

*

GREVE DA POLÍCIA MILITAR

Foram 180 assassinatos na cidade de Salvador, em 12 dias de greve da Polícia Militar (PM) baiana. Um número assustador de, em média, quase 15 homicídios por dia. Em outras palavras: mesmo com toda a presença ostensiva e repressora da Força Nacional e do Exército, o fato revela que, em nenhum momento, a violência foi inibida. Foi necessária a pressão popular para se por fim ao movimento. Uma democracia que não é capaz de proibir a deflagração de greve em serviços essenciais, como tem acontecido nas áreas de segurança, transporte e saúde, é ainda muito rudimentar. Também espantoso é o fato de que, terminada a greve, não haverá da parte do governo, nenhuma punição administrativa aos grevistas. Apesar de seus mais de 20 anos, o Estado de Direito no País é ainda precário. O Brasil é uma democracia, beirando pela anarquia.

 

Marcelo de Lima Araujo marcelodelimaaraujo@yahoo.com.br

Mogi das Cruzes

*

O CORTA-CABEÇAS

Jaques Wagner quis reeditar a guerra de canudos em pleno século 21, no centro administrativo de Salvador. Pediu ao Exército e a Força Nacional para liquidar a bala com a greve da PM e dos bombeiros. Felizmente o general e o líder dos grevistas, pessoas humanas, com mais equilíbrio do que o governador, conseguiram evitar uma carnificina fazendo um acordo. E a greve era justíssima não só pelos baixos salários como o Jaques Wagner tinha passado um calote na categoria ao não cumprir acordos passados. Jaques Wagner conseguiu assim incorporar na sua única pessoa todos os vilões da Guerra de Canudos: o governador Luís Vianna, que pediu intervenção federal; o arcebispo de Salvador (1887), Dom Luís Antônio dos Santos, que pediu a prisão de Antônio Conselheiro; a dos comerciantes de Juazeiro, que passaram um calote em Antônio Conselheiro; e, principalmente, a do celerado coronel Moreira Cezar, o corta-cabeças, pois o general não quis fazer esse papel.

Francisco J. D. Santana franssuzer@gmail.com

Salvador

*

PISO SALARIAL NA PM

É evidente que a ameaça de caos social provocado pelas greves da Polícia Militar, principalmente na Bahia, com ameaças para o Rio de Janeiro e outros Estados, reacende a necessidade de a Câmara de Deputados votar o piso nacional da categoria (PEC 300) que propõe um piso de R$ 3.500,00. Governadores rejeitam a proposta alegando não resistirem ao impacto financeiro, mas ainda não enviaram as Legislativo as razões da rejeição. A distorção salarial entre alguns Estados é aviltante. O salário da PM em Brasília é de R$ 4,12 mil, enquanto o do Rio Grande do Sul é de R$ 1,37 mil. Quanto vale o risco de vida constante de um policial militar? Um país que sustenta autênticos nababos nos Três Poderes, com salários e vantagens de países do Primeiro Mundo, comete uma covardia contra os responsáveis pela paz e segurança do povo. Tripudiar sobre os aposentados é fácil. Com a PM o buraco é mais embaixo.

 

Jair Gomes Coelho jairgcoelho@gmail.com

Vassouras (RJ)

*

UM CARNAVAL NA BAHIA

Não  há relação de comando  sem  confiança mútua nem sem liderança. Quando  um  subordinado  se amotina, cessa a relação de hierarquia e disciplina, o comandante não pode  mais confiar no  subordinado. Prova disso é  que a Força Nacional continuará  na Bahia durante o  carnaval, provavelmente o governador Jaques Wagner já não se sinta mais em condições confiáveis de subordinar a PM da Bahia ao secretário de Segurança do Estado sem  que haja um  reforço, caso  eles percam a pouca autoridade que têm sob a sua polícia.

Paulo  Marcos Gomes pmlustoz@gmail.com

Rio de Janeiro

*

QUANDO O SAPATO APERTA...

"Se anistiar, aí vira um País sem regras", disse a presidente Dilma Rousseff , com relação aos policiais que tiveram prisão decretada na Bahia. A meu ver está correta. Existem leis, e elas devem ser cumpridas, senão, vira bagunça. Mas, peraí! Agora esta máxima está valendo? Desde quando? Desde quando começou a doer o calo da galera atual do “poder”. A situação da paralisação dos bombeiros e policiais civis e militares foi dura de controlar. Jaques Wagner foi inábil na negociação, e ainda se disse surpreso com a greve, distraído que estava com sua visita a Cuba. Dilma correu para protegê-lo de maiores desgastes, assim, que tal adotar um discurso, digamos, elitista-burguês-reacionário? Mas, cadê toda a ideologia até então defendida pelo PT? E a galera dos direitos humanos?

Myrian Macedo myrian.macedo@uol.com.br

São Paulo

*

ANISTIA

Tem razão o ministro da Justiça ao afirmar que anistia não é uma coisa boa e é o que a presidenta também acha, conforme suas alegações, então, já que possuem poderes para tanto, porque não revogam a anistia que concedida pelos militares aos militantes da esquerda, que tanto causaram problemas no período da revolução?Acho que é até pior, pois tem um custo muito alto para os cofres públicos e é um premio injusto para quem nunca trabalhou.

 

Jose Mendes josemendesca@ig.com.br

Votorantim

*

BAHIA – IMAGEM FALSA

O professor Gaudêncio Torquato (Bahia de todos os medos, 12/2, A2) entende que a recente greve da Polícia Militar baiana provocou uma onda de criminalidade regional  que  “agride a imagem de uma terra pacífica e acolhedora como parecia Salvador”.  Já antes de 1943, adolescente então, senhora baiana residente aqui no estado chamava a atenção pelo falso juízo que tínhamos da gente de lá, povo de boa índole, de bons bofes:  não senhores paulistas, nada disso, gente que contradiz integralmente as palavras de Jorge Amado trazidas pelo prof. Torquato:  “prosa calma, gestos comedidos, sorrisos mansos”.  Empenhava-se  a senhora baiana em deixar claro que a realidade era bem outra, e nosso juízo bem falso. Para mim não há pois novidade neste intervalo de mais de 69 anos.  Também não é novidade podermos nós todos brasileiros termos uma Desembargadora Eliana Calmon vinda de lá.  E, bem triste para nós paulistas, que criamos Jânio da Silva Quadros, Luiz Inácio da Silva, José Dirceu também?,  toda a escumalha sindicalista do ABC,  é termos para oferecer no plano político nada mais que Alckmins, Kassabs, Serras...

Claudio M. Chaves claudiochaves@brasilereformaagraria.com

Piracicaba

*

KASSAB + PT

O prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, mostrou na solenidade comemorativa dos 32 anos do PT, em Brasília, que assimilou o caráter de seu ex-chefe, Paulo Maluf. Compareceu ao evento com a maior cara de pau, mesmo sabendo da sua enorme rejeição por parte dos petistas, foi vaiado e, assim mesmo, permaneceu no local como se nada tivesse sido com ele. Nem Maluf faria melhor. Confesso que senti vergonha por ele, já que ele não tem a menor.

Ronaldo Gomes Ferraz ronferraz@globo.com

Rio de Janeiro

*

A TRISTE FIGURA DE UM PREFEITO

 

O Sr. Kassab faz um final de mandato absolutamente triste, quando se percebe sua postura dúbia e incompreensível ao se misturar a petistas do naipe mostrados na foto da capa do Estadão da edição de sábado, 11/2. Além de criar um partido sem qualquer ideologia decente, oferecendo-se como uma donzela leviana a qualquer pretendente, agora se entrega ao PT, que tenta ganhar a Prefeitura da maior capital da América Latina, onde a rejeição é enorme. A atitude de Kassab, ao participar do encontro petista, com Zé Dirceu, Genoíno e companhia, conseguiu constranger não só milhões de paulistanos que amam sua cidade, e pasmem, até a dona Marta Suplicy, que não compareceu. Kassab, aguarde, sua hora vai chegar.

João Batista Pazinato Neto pazinato51@hotmail.com

São Paulo

*

A MEGA QUADRILHA

Sugiro a todos os que moram em São Paulo e também aos que no restante do País tenham acesso ao jornal O Estado de S. Paulo que vejam a sugestiva foto de primeira página publicada na edição de sábado (11/2). Como é primeira página, não tem como não ver a foto – até aí, só náusea. Porém, aos que queiram ler a matéria completa, recomendo o uso de antihemético, principalmente se a leitura for após alguma refeição, ou, ainda, procurar antes lugar adequado.

 

Humberto de Luna Freire Filho hlffilho@gmail.com

São Paulo

*

BOMBA

Mais uma vez devemos agradecer ao José Serra. Um homem que enxerga longe, estrategista, seguramente em suas famosas noites de insônia, elaborou um plano maravilhoso: revelar Kassab à sociedade paulistana, entregar-lhe a chave da cidade, para, anos depois, sabendo da sede de poder ilimitado do ex-presidente e seus aspones de plantão, a bomba ir para o ninho do inimigo.         Maravilha, muito bem calculado, obrigado José Serra! Será delicioso para nós, eleitores, moradores e cidadãos que sofremos na cidade que carrega o Brasil nas costas, vermos Martaxa e Kassabinho juntos, de camisa vermelha e foice amarela no peito. Espero sinceramente que o incompetente PSDB, pelo menos desta vez, saiba fazer a coisa certa. Tá fácil, né? 

Paulo Vaz paulo_vaz@coreconsp.org.br

São Paulo

*

ANTES TARDE DO QUE NUNCA

Extremamente lúcido o artigo do sr. José Serra A era do oportunismo (9/2, A2). Que o PT faz assim, sabemos todos e há muito. Caso o sr Serra na época da sua campanha para presidente tivesse analisado o comportamento desse partido oportunista ,de tudo pelo poder, como está fazendo agora, tenho a convicção de que seria hoje nosso presidente. Entretanto, na época achou mais oportuno aparecer ao lado do Lulla e esconder o Fernando Henrique, que no mínimo nos fez estar com a moeda estável que foi o berço de tudo. Só espero que agora, pelo bem do povo brasileiro, a oposição tome jeito, se una e defenda os bons princípios, a moralidade e a eficiência. Não é fazendo como o sr Kassab, seu amigo, que vamos a algum lugar.

Cecilia Centurion www.ceciliacenturion.com.br

São Paulo

*

POBRE SÃO PAULO...

Tu és tão grandiosa, invejada, uma das maiores cidades do mundo, mas que se mostra carente em várias áreas e com tantos problemas, e mesmo assim desperta a cobiça de vários políticos para administrá-la. Desde o professor que plagia a si mesmo, ao aventureiro que mal conseguiu lidar com exames nacionais, que defendeu o uso errado da nossa língua, que tem gosto por viagens de jatinho, mesmo que sejam custeados pelos impostos cobrados do mais pobre ao mais rico. Sem dúvida, São Paulo merece alguém muito melhor.

Luiz Nusbaum lnusbaum@uol.com.br

São Paulo

*

VOTO DE PROTESTO

Acredito que pelo comportamento de Lula, impondo seu pupilo Fernando Haddad (PT) a candidato à Prefeitura de São Paulo sem a realização de prévias no partido; pelo PSDB ainda não ter definido seu candidato; e pelo fato de o deputado federal Gabriel Chalita (PMDB), também candidato, ser um nome muito forte em São Paulo e ter muitos simpatizantes, o mesmo será beneficiado como sendo um voto de "protesto" dos petistas, em especial os que apoiavam a candidatura Marta Suplicy.

 

Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

*

SOCIALISMO?

Em entrevista cedida a Fernando Gallo, o Sr. Haddad defende uma “socialização da propriedade privada”, e “que trabalhadores possam assumir a gestão de empresas em que estejam em estado falimentar”, ora, em primeiro lugar: por que as empresas estão falindo? Será que é sempre falta de competência e administração ou será que o Estado não está onerando demais as pequenas, médias e grandes empresas do País, fazendo com que paguem impostos e mais impostos e não produzam e empreguem nem metade que poderiam? E falando em socialismo, cadê este nosso dinheiro que deveria servir ao social, educação, saúde, etc.? Afinal, não é para isso que serve impostos? Mas “some no infinito”, serve para nossos “grandes funcionários” andarem de carrões brindados, helicópteros, aviões, se hospedar nos melhores lugares do mundo, empregarem a família toda, os “puxa sacos”, os aliados, etc. E também para superfaturamentos de obras que sequer saem do papel. Não tem dinheiro que agüente este “buraco negro”. Isso é porque são nossos funcionários, imagine. E em segundo lugar, essas empresas empregariam mais e melhor por conta de políticas melhores e de um direto trabalhista que não seja cego e assistencialista. Como em qualquer País que se preze, a receita é simples, ou é quebrar as empresas e depois entrar com dinheiro público do BNDES e cooperativas? Tenho minhas dúvidas em relação ao socialismo, pois se dividirmos agora toda a riqueza, propriedades e produção de uma determinada nação em partes iguais a todos seus cidadãos, futuramente teremos  miseráveis, pobres, classe media, ricos e milionários tudo de novo, pois tem pessoas que não gostam de trabalhar (vagabundos), pessoas que gastam sem limites, faz graça,“canta pneu”  e  tem pessoas com grande inteligência, vontade de trabalhar e bons empreendedores. Como em qualquer grande família, os filhos produzem destinos diferentes.

 

Alessandro Lucchesi timtim.lucchesi@hotmail.com

Casa Branca

*

VEM AÍ O KASSABTAXA

É inaceitável que o prefeito Kassab ressuscite uma lei que havia vetado em 2009, a qual previa laudo técnico obrigatório, em razão dos desabamentos no RJ e em São Bernardo do Campo (SP). Na ocasião o prefeito reconheceu que o Contru era o órgão encarregado de zelar pela segurança dos edifícios e a criação de uma nova lei não era necessária. E agora o órgão não é mais credenciado a fazer a fiscalização? Em outras palavras, isso se  chama criação de mais impostos. Se os vereadores  se deixarem  seduzir aos apelos do prefeito teremos mais uma taxa injusta e imprópria, pois o alto custo do IPTU, além de outras arrecadações são suficientes para que a fiscalização seja levada a termo sem onerar o bolso do contribuinte. O prefeito nem ao menos aguardou as razões dos acidentes e já pensa em criar mais impostos? São Paulo terá o seu Kassabtaxa, pois o prefeito deixa o cargo como o  mais mal avaliado pela população. População de São Paulo fique atenta em outubro teremos eleições. Vamos varrer da prefeitura vereadores que só se elegem para ferrar com o bolso do eleitor.

Izabel Avallone  izabelavallone@gmail.com

São Paulo

*

CHECK-UP PREDIAL

Os pretensos coveiros da lei que pretende implantar as vistorias prediais e salvar vidas evitando futuros acidentes edilícios, sob a alegação da eventual criação de uma indústria de laudos, não escondem seus verdadeiros interesses em manter cartórios de fiscalização e laudos a preços exorbitantes. A verdade técnica porém, é outra, pois todo laudo de engenharia exige uma anotação de responsabilidade técnica (ART) registrada no CREA, o que impede a criação de qualquer indústria nefasta, e os verdadeiros custos dos laudos prediais são irrisórios frente aos benefícios prediais e segurança que propiciam aos usuários dos edifícios. A inspeção predial total é conhecida internacionalmente como o  check-up predial que salva vidas e gera economias e valorização predial, e é rotineira nos países do primeiro mundo, conhecida como building inspection, sendo realizada por engenheiros civis contratados pelos condomínios. O Brasil possui abundância de profissionais habilitados e preparados para atender aos condomínios com laudos a custos compatíveis com as taxas condominiais atuais. Basta lembrar os mortos dos recentes acidentes nos desabamentos da cobertura da igreja renascer em São Paulo, da arquibancada do estádio da Fonte Nova e dos prédios do Rio de Janeiro e São Bernardo, para perceber que os coveiros estão na contramão da modernidade, pois a lei é muito bem-vinda é necessária. A lei vem de encontro à necessária  mudança da retrógrada cultura de que inspeção e manutenção predial são despesas, quando na realidade é investimento, que  n ão só salva vidas como preserva a qualidade e o valor do patrimônio imobiliário.

Tito Lívio Ferreira Gomide gpgomide@uol.com.br

São Paulo

*

TRANSPARÊNCIA E CARÁTER

Há que haver transparência para que se combata a corrupção. Parece correta a assertiva, mas até agora o que estamos vendo com a transparência é um mar de lama. E não fora a imprensa, que arromba portas nada transparentes, nem a corrupção do outro lado do diáfano tecido, justificaria campanha pró transparência. Mas, supondo que a transparência seja uma das armas, ela se mostra ineficaz quando traz a impressão de que nada mais adianta fazer quando os ratos assumiram o comando do navio. Hoje ainda vemos mais corrupção sendo denunciada sobre as terceirizações de obras do PAC, que não contratam técnicos nem engenheiros, mas secretárias apadrinhadas pelos partidos que formam a "base" do governo federal. Tudo bem, isso é transparência, mas, e daí? Quais as atitudes que a sociedade está tomando para que as campanhas mentirosas dos ladrões de plantão sejam desmascaradas? Não vemos um intelectual (agora talvez mais frustrados pelas privatizações PeTistas) lançar um manifesto à nação, para que se mobilizem as forças ainda não corrompidas deste país, visando não apenas dar transparência, mas estimulando a formação de caráter à sociedade brasileira que não está conseguindo antever melhores dias, diante de tudo isso que aí está. Em ano de campanha eleitoral, é o momento de mostrarmos nosso descontentamento e revolta à toda organização marginal que se apossou de todos os poderes. E estes podres poderes, dentro de suas fantasias perfumadas e coloridas pelos discursos de palanques, devem ser mostrados como são por dentro. Sem violência, mas com forte e bem embasada argumentação, para que não sejamos mais uma vez enganados pelos "Dudas Mendonças", marqueteiros que nazisticamente manobram as massas atreladas a "big brothers", jornais televisivos mil vezes editados e extensas sessões de comentários esportivos; pois para muitos, o país que se dane, desde que eu mantenha no peito o símbolo do meu time de futebol. Por conta de tudo isto é que repito: só transparência, pode nos desanimar pelo que nos permite ver a transparência; caráter é que nos faz tomar atitudes. E disso é que precisamos agora.Caráter...ou se preferirem, vergonha na cara!

José Jorge Ribeiro da Silva jjribeiros@yahoo.com.br

Campinas

*

PAC DA ‘FAMIGLIA’

"Tem de tudo: parentes, namorados de servidores" (Estado, 13/2). O governo lullopetista prova: o pior do Brasil são "certos" brasileiros.

 

A. Fernandes standyball@hotmail.com

São Paulo

*

MIL E UMA NOITES

Quem não se lembra da antiga fábula das histórias sem fim noite após noite? São como as obras do PAC, que ano após ano mantêm a esperança da população carente do Norte e Nordeste – a maioria dos eleitores do lulismo – de que um dia tudo muda, que o sertão vai virar mar, que o trem um dia vai apitar e que a vida finalmente vai mudar. O que muda são apenas os valores das obras, para cima, e os prazos, para após as eleições de 2014. E assim, mais uma eleição está garantida com a Bolsa Família, o péssimo ensino, a falta de informação e as ameaças de que se o outro candidato ou candidata (quem sabe Eliana Calmon), se eleito, acaba com o Bolsa Família, bolsa escola, bolsa gás, bolsa cachaça e outras mais que possam ser criadas para encurtar a corda que prende o eleitor.

 

Luiz Ress Erdei gzero@zipmail.com.br

Osasco

*

PENTE FINO, ENGANAÇÃO

Após os escândalos em série em vários ministérios, a presidente Dilma Rousseff iniciou a operação “pente fino” para fazer um levantamento geral das 1.403 ONGs (editorial, 12/2, A3). Essa operação iniciada em 31/10/2011, já tem 917 entidades aprovadas, 181 reprovadas e 305 que ainda deverão apresentar documentos comprobatórios. Se forem consideradas as informações de que na  média, o atraso das ONGs  em prestar contas de seus convênios já alcança 2 anos e 9 meses, e que a demora do  Tribunal de Contas da União (TCU) no exame da documentação, leva em média 6 anos e 8 meses, artigo O gasto a mais com as ONGs (Marta Salomon, 14/1), chega-se a triste conclusão de que essa operação "pente fino"não passa de uma enganação total. Pelo andar da carruagem, o vereador de São Paulo Netinho de Paula (PCdoB), que sumiu com mais de R$ 790 mil da sua ONG, e  o militar João Dias Ferreira, que comanda duas ONGs em  Sobradinho e, com uma dívida de R$ 1,5 milhão, e também delator do ministro de Esportes, Orlando Silva (PCdoB), certamente irão passar ilesos e com direito a”tapinhas nas costas”.

 

Edgard Gobbi  edgardgobbi@gmail.com

Campinas

*

GOVERNABILIDADE?

A presidente Dilma parece temerosa de perder a governabilidade por parte do Poder Legislativo. Governabilidade? Quando os próprios partidos aliados apenas defendendo seus interesses político-pessoais até chegar a usar médios de oposição extorsiva em detrimento de decisões do Governo de interesse da população? Ao tolerar essa incongruente  situação, a Presidente permite a persistência da  (des)governablidade da Administração Pública prejudicada por ter os primeiros escalões preenchidos por candidatos indicados por seus partidos, gerenciando seus respectivos setores motivados apenas por interesses políticos e pessoais as vezes suspeitos, mais do que por objetivos técnico-administrativos. Como a presidente poderia corrigir essas insustentáveis condições para não continuar com as lamentáveis condições reinantes na Educação, Saúde, Segurança e outros setores importantes? Exigir dos integrantes dos primeiros escalões, começando pelos Ministros, desempenhos avaliados por resultados em base ás metas estabelecidas. Em casos de comprovada ineficiência ou suspeitos atos imorais de integrantes desses cargos, a Presidente devia promover sua substituição, aceitando apenas candidatos de comprovada capacidade técnica e impecável conduta moral, sejam eles indicados por partidos ou não, mas preferentemente escolhidos da iniciativa privada. A presidente Dilma parece subestimar a potencial influência do Quarto Poder da República. Quarto Poder? Ao implantar essas comentadas estratégias governamentais a presidente contará com a massiva, senão entusiasta aprovação da população brasileira... e terá sua reeleição garantida ao, finalmente, promover um país de Ordem e Progresso!

Pablo L. Mainzer plmainzer@hotmail.com

São Paulo

*

‘MENINOS DO CONTESTADO’

Parabéns ao Estadão e a equipe de reportagem pelo excelente trabalho (12/2). Foram extraordinários, ao mostrar um acontecimento da história catarinense tão importante e cheio de controvérsias. Por ter vivido naquela região dos 3 aos 15 anos, foi só depois de adulto que me interessei por esta história, já que nos bancos escolares não era nem sequer mencionada. Dentro das controvérsias, me permitem discordar da forma como foi apresentado o empresário Percival Farquhar, proprietário da Lumber Company e construtor da ferrovia Paraná-Rio Grande do Sul . Vejo nos caboclos e neste empresário as verdadeiras vitimas desta revolta armada. Percival Farquhar era um empresário competente e bem sucedido. Era um desbravador e veio para o Brasil para empreender e gerar lucros para seus financiadores. Gostaria que a reportagem continuasse as pesquisas sobre o contrato entre a Lumber Company e o governo federal, para contestar o que vou afirmar a seguir. Farquhar conseguiu o contrato graças aos bons serviços prestados na ferrovia Madeira-Mamoré. Obra que matou milhares de trabalhadores e foi abandonada por inúmeros construtores. Só  Farquhar conseguiu concluir a Madeira-Mamoré. A ferrovia Paraná-Rio Grande estava abandonada e o governo federal não tinha meios de concluí-la. A Companhia de Farquhar ganhou o contrato e concluiu a obra dentro do prazo. Em troca das obras recebeu a concessão por tempo determinado e o direito de explorar 15 km de cada lado da ferrovia , das terras não tituladas. Ele não recebeu em dinheiro para a construção por Km de estrada. A ferrovia foi feita com recursos de seus financiadores, que seriam resgatados  pela concessão e pela exploração da madeira. As curvas da ferrovia se devem a difícil topografia da região e a falta de equipamentos para a construção. Foi feita com mão de obra de presidiários usando pás e picaretas. Só seguia a curva de nível das encostas na margem do Rio do Peixe. Ao assinar o contrato, as partes esqueceram dos milhares de posseiros residentes na faixa de 30 km da ferrovia. Esqueceram, também, de dar destino aos milhares de trabalhadores da ferrovia, quando a obra  foi concluída. Eis a causa principal da revolta. Acho que para Farquhar não existia a figura do posseiro. Imperdoável é o Governo Federal não ter previsto a posse de milhares de caboclos e posteriormente não ter dado uma solução pacífica . Eis aí o causador da Guerra do Contestado. Por sua vez, a empresa de Farquhar não conseguia exportar e nem refinanciar por causa da 1a. Guerra Mundial e acabou indo a falência. Mesmo assim, prosseguiu administrando a concessão da ferrovia, até a desapropriação feita pelo Pres. Getulio Vargas. Devo admitir que depois de adulto, sem saber da verdadeira história, eu ficava admirado ao me recordar dos bons serviços prestados pela ferrovia Paraná-Santa Catarina. Não só os serviços de ferrovia, mas serviços de entrega de pequenas encomendas e do telégrafo para toda a população, que não dispunha de outro meio de comunicação. Tudo isso herdado do tempo que a ferrovia era administrada sob regime de concessão. Não fossem as dificuldades causadas pela 1a Guerra , acho que o empresário Farquhar teria dado outro destino a esta lamentável mortandade causada pela Guerra do Contestado.

Euclides Sordi euclidessordi@hotmail.com

Maringá (PR)

*

GUERRA DO CONTESTADO

Cumprimento os repórteres Leonêncio Nossa e Celso Júnior pelo trabalho sobre a Guerra do Contestado publicado no domingo. Um episódio da história brasileira, instigante e cativante, até hoje com pitadas de polêmica e mistério. Este ano uma série de eventos sobre o Contestado (centenário em 2012) está em programação nos Estados de Santa Catarina, Paraná e Rio de Janeiro. Consta em minha biblioteca particular uma raríssima obra intitulada Die Blutpropheten des Contestado (Os Profetas Sanguinários do Contestado) escrita por Frederich Richter, 142 páginas em alemão gótico, editada em Porto Alegre na década de 30. Richter viveu na região do Contestado à época dos fatos. Era tirolês, professor e foi diplomata honorário da Áustria, estando presente na fundação da colônia austríaca do atual município de Treze Tílias, perto de Caçador, no oeste catarinense. Richter escreveu: "Quem, como nós, perpassou os campos altos de Santa Catarina e com facão e espingarda enfrentou parte das florestas dessa zona, chegou a apreender a complexa psique de uma população de mato e campo, os sertanejos...".

Fabio Furtado Pereira, pesquisador, bibliófilo, membro do Instituto Histórico e Geográfico do Paraná acervofabiopereira@hotmail.com

Curitiba

*

RESGATE HISTÓRICO

Parabéns pelo caderno especial sobre a Guerra do Contestado. Além de mostrar ao público um dos eventos menos conhecidos da história brasileira do século 20, o suplemento especial sobre a Guerra do Contestado trouxe uma bela pesquisa jornalística, mostrando os dois lados de um conflito tão sangrento quanto “Canudos”, mas que não teve o seu Os Sertões para resgatá-lo e que foi deliberadamente apagado da história oficial.

Antonio Penteado Mendonça, presidente da Academia Paulista de Letras antonio@penteadomendonca.com.br

São Paulo

*

REPARAÇÃO

Li ontem à noite a belíssima matéria a respeito da Guerra do Contestado,  que eu desconhecia ter ocorrido. O triste é que a lembrança de Canudos ainda estava viva quando o governo agindo de acordo com os interesses de gente poderosa, gente de fora, resolveu enviar suas tropas contra seu próprio povo, que queria apenas trabalhar em suas terras. Triste também é saber que a impoluta imagem do advogado Ruy Barbosa fica arranhada diante da constatação de que ele era lobista favorável aos americanos. Espero que este povo, até hoje esquecido pelos governos federal e estadual, tenha uma reparação econômica, que aumente sua qualidade e expectativa de vida. Não houve como não compartilhar a matéria, parabéns a Leonêncio Nossa e Celso Júnior.

Alberto Souza Daneu adaneu@gmail.com

Osasco

*

QUEREMOS REGRAS CLARAS, EXCELÊNCIAS

Com a volta do julgamento do Ficha Limpa no Supremo Tribunal Federal (STF) o que se espera de "vossas Excelências" é que de uma vez por toda de um basta na entrada dos "fichas sujas", na política. O julgamento já começa com dois votos favoráveis precisando apenas de mais quatro para que a lei passa a valer já para as eleições de 2012. A sociedade pede mais uma vez celeridade dos ministros, o que não pode mesmo é mais uma vez é a sociedade ser frustrada, com a iminência de ter de engolir ladrões ficha suja concorrendo a cargos para se manter fora da cadeia. O melhor lugar para bandidos é a cadeia, e não nas assembléias legislativas, câmara, senado ou qualquer outra posição que represente ao povo. A população brasileira anda injuriada com os inúmeros casos de sumiço de dinheiro público indo pro ralo e de corrupção, o que levou á aprovação, em 2010, da lei da ficha limpa com mais de 1,6 milhões de assinaturas. A liberação feita pelo ministro Toffoli para a votação no STF, deverá dar validade a lei para as próximas eleições deste ano, e que estavam presos em suas mãos desde dezembro passado o que vinha gerando muitos protestos por parte dos internautas nas redes sociais e da população em geral. Embora a lei seja boa, ela acabou criando alguns problemas. O fato de ter sido aprovada no meio de um ano eleitoral levantou  a dúvida: Será que a nova regra já deveria valer para a disputa de 2010? Para que esse assunto de incomensurável interesse popular entrasse na pauta da corte, bastava a vontade do ministro Peluso o que deve acontecer ainda nesta semana, já que entrou na pauta de votação do STF. Vamos esperar que o presidente do STF de a prioridade merecida a essa tão importante lei, para o bem do nosso país. Uma coisa é certa, não da para o supremo continuar protelando a validade da lei do ficha limpa por mais tempo. Não sobre quando vale mas se está de acordo com a constituição. Afinal suspender direito político de alguém se candidatar não é pouca coisa num país que vive em plena democracia. Não se quer perseguição a quem quer que seja, queremos sim justiça, que os corruptos e ladrões do dinheiro público vá para seu devido lugar, ou seja, a cadeia. A eleição de 2012 se aproxima, e o eleitor precisa saber em quem pode e em quem não pode votar. O mais importante é que a justiça decida logo o que vale e o que não vale na lei. Isso faz bem para a democracia quando as regras são claras. Porém, eleição é coisa séria e não da para ficar postergando, ou mudando a cada eleição a lei. Sem enrolação Sr. ministro, vamos dar um basta nessa história Srs. ministros, o que está ai, só tem favorecido aos malandros, corruptos, picaretas e ladrões que tem se sentido impunes todo esse tempo... 

 

Turíbio Liberatto Gasparetto turibioliberatto@hotmail.com

São Caetano do Sul

*

FICHA LIMPA

Mais uma vez   o tema referente a Lei da Ficha Limpa entrará  em votação. Pressuponho que a maioria dos homens de bem do nosso Brasil esperam que outros magistrados siga o exemplo do ministro Joaquim Barbosa,e aproveita grande oportunidade para moralizar nossa política,até porque,separar o joio do trigo será a única forma de se construir uma nação bem melhor...

 

Virgílio Melhado Passoni mmpassoni@gmail.com

Jandaia do Sul (PR)

*

PARTIDO BRASIL

Quando optarmos ser militantes do partido Brasil, teremos mais cuidado e senso crítico na hora de contemplar, com nosso precioso voto, representantes de Ficha Limpa como cidadãos cumpridores das leis e patriotismo acima de tudo.

Marisa da Silveira Cruz marisa.s.cruz@gmail.com

São Paulo

*

MAIS UMA VAGA A SER ABERTA NO STF

O ministro Cezar Peluso vai deixar, no dia 25 de abril, o comando do Supremo Tribunal Federal, passando a vez para o ministro Ayres Britto. Sucede que em 03/09 o ministro Peluso completa 70 anos...mas avisa que não vai esperar pela aposentadoria compulsória, devendo se aposentar já no recesso do mês de julho. Com isso, é bom ficarmos alertas, pois Dilma poderá indicar mais um magistrado para preencher a vaga a ser aberta no STF... e acontece que , dos 11 ministros atuais, 9 foram escolhidos por Lula/Dilma, um por Collor e outro por Sarney. Conclusão? Vocês que a tirem... eu só estou fazendo um alerta geral! Até porque Dias Toffoli já está sob suspeição pesada devido a uma denúncia que precisa ser muito bem apurada! Foi escolhido para o cargo sem preencher os requisitos mínimos exigidos para tal... e passou na sabatina feita pelos senadores... bah!

Mara Montezuma Assaf montezuma.scriba@gmail.com

São Paulo

*

A CAIXA-PRETA

Na edição de ontem (13/2, pág. B2), temos o excelente artigo do Carlos Alberto Sardenberg sobre os vencimentos dos juízes. O texto começa a abrir a caixa-preta que representa os gordos vencimentos dos nossos magistrados. Uma caixa de respeitável volume. E não é que a tal caixa-preta é dourada por dentro?

Nelson Carvalho nscarv@gmail.com

São Paulo

*

‘QUANTO DEVE GANHAR UM JUIZ?’

Muito oportuna a intervenção do articulista Carlos Alberto Sardenberg a respeito dos auxílios-aluguel pagos a parlamentares, juízes, etc. Sabemos de há muito que magistrados e outras categorias do funcionalismo, deturpam o sentido daquela e de outras verbas, com o propósito de elevar artificialmente seus salários acima do teto constitucional. Outro ponto a estarrecer, é a visão comentada de que, a pretexto de evidenciar que os Srs. Juízes ganham mal, compara-se o "singelo" piso daquela categoria funcional, ao salário de CEOs da Petrobrás e de outras grandes empresas, quando, notório para qualquer Administrador de Salários ou profissional de área afim, tratarem-se de cargos totalmente incomparáveis entre si, pois dotados de requisitos, pesos e valores diferenciados, por determinismos da técnica e do mercado. Visões equivocadas como essa, tem provocado as injustas distorções salariais existentes dentro do funcionalismo, com reflexos negativos perante toda a sociedade. Os recentes e justos movimentos reivindicatórios ligados à área de Segurança Pública, e outras áreas, são uma prova disso. Vêm de longe velhas práticas, que incentivadas em cascata principalmente por setores do Legislativo e Judiciário (sob o pretexto constitucional do princípio da autonomia dos poderes), elevam sobremaneira e muito aquém do mercado e do real valor dos cargos, os salários de expressivas parcelas dos quadros do funcionalismo, sem nenhuma base metodológico-científica. Só mesquinhas motivações de conveniência e oportunidade sindicais e políticas. Enquanto a questão salarial do funcionalismo não for vista sob uma ótica única, profissional, de metodologia transparente e viés democrático, os desmandos, injustiças salariais e falta de zelo com as finanças e administração públicas continuarão a prosperar.

 

Michele Lapiccirella miclapi@hotmail.com

São Paulo

*

ESCLARECEDOR

Carlos Alberto Sardenberg, parabéns, jornalista, os juízes são empregados do Estado, como qualquer outro funcionário, o seu trabalho é renumerado além das nossas possibilidades, será que eles ainda não desconfiaram? O artigo do dia 13 do corrente (B2) espelha a realidade de fatos que agora foram esclarecidos e colocados aos olhos de todos os interessados. E agora, presidente Dilma, como fica?

Antonio Carniato Filho antoniocarniato@gmail.com

Santa Rita do Passa Quatro

*

O TRIBUNAL E O DINHEIRO

Conforme alguns trechos da entrevista com o presidente do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP) no dia 9/2/2012, ele começa dizendo uma coisa e acaba em outra. Exemplo é a questão eterna de receber mais dinheiro pra informatizar e equipar o judiciário, o que pra nós advogados seria ótimo, e terminar no importantíssimo aumento de salário. Em vez de abrir mais concursos, tanto pra juízes e funcionários, para diminuir esses milhões de ações, o assunto é sempre aumentar o próprio salário. E não foi bom a comparação de quanto ganha um executivo ou presidente da Petrobrás, porque esse é apenas uma pessoa, enquanto juízes e desembargadores são milhares.

 

Marco Antônio Coutinho markitocps@yahoo.com.br

Campinas

*

MENTIRA, PRESSÃO OU TERREMOTO?

A revista Veja, longe de poder ser comparada a um tabloide londrino, na edição do último fim de semana trouxe uma matéria de capa a revelar infiltração de uma jovem e sedutora advogada nas entranhas do poder, a ponto de comprometer seriamente Gilberto Carvalho e o Ministro Dias Toffoli, do STF. Seguiu-se um silêncio mortal do governo e da mídia. Ou a reportagem é desfundamentada, o que não retrata os procedimentos costumeiros da revista, ou as pressões foram extremas e insuportáveis, ou, ainda,  a cautela inibe a abordagem de um terremoto de mais de sete graus em Brasília.

Amadeu R. Garrido de Paula amadeugarridoadv@uol.com.br

São Paulo

*

JUIZ LALAU

Como se não bastasse ter sido premiado com prisão domiciliar, o juiz Nicolau dos Santos Neto, vulgo Lalau – aquele condenado a 26,5 anos,  por envolvimento no superfaturamento de R$ 203 milhões na construção do fórum do Tribunal Regional do Trabalho paulista, pretende que a Justiça libere US$ 7 milhões depositados num banco da Suíça. Já que é improvável que seja pra seu uso pessoal, não seria improvável ter chantagem envolvida no caso. 

Iracema Palombello cepalombello@yahoo.com.br

Bragança Paulista

*

PRECATÓRIOS

Parabéns ao Estadão pela matéria de domingo sobre os precatórios. O governo é o pior pagador e conta com a colaboração de juízes, desembargadores e ministros governistas sempre prontos a defender primeiro o estado e depois o cidadão. O presidente Peluso está sentado em cima de dezenas de ações transitadas em julgado anteriores à Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 62 (anteriores a 2009). Além de inconstitucional, isso é humilhante para aqueles que passaram anos tentando receber de municípios e estados governados por corruptos, irresponsáveis e caloteiros. O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e a imprensa são as esperanças daqueles que estão entre a cruz e a espada, ou no caso, entre a justiça e o governo.

Ricardo Coelho ricardocoelho@mac.com

Brasília

*

HERANÇA

Por falar em herança maldita ou perpétua, o Sr. Luiz Felipe Denucci, presidente da Casa da Moeda demitido por irregularidades nessa instituição, foi indicação do Sr. Lulla, ex-presidente, que infelizmente, ainda “apita” e dá “orientações”; dos seus amigos e aliados, já caíram entre ministros e o senhor acima, mais de 10 (dez) “indicados”, isto sim é herança pesada, de corruptos que roubam o dinheiro público; ele quer ser mais em tudo e neste item (indicados corruptos) ele é imbatível; que o diga o ministro Guido Mantega, que está pisando em ovos.

 

Celso de Carvalho Mello celsosaopauloadv@uol.com.br

São Paulo

*

PADRINHOS

O compadrio existente e denunciado no Estadão de domingo (12/2), sob o título Padrinhos atuaram para manter Denucci, teve, na edição de ontem (13/2), a resposta sob o tacão “é leviana”, obrada pelo porta-voz da Presidência. “Ilações caluniosas e irresponsáveis que não correspondem as boas práticas do jornalismo e ao histórico do Jornal”, escreveu ainda o ilustre porta-voz. Na estrita condição de leitor diário do Jornal, juro que não vi na tal notícia, nada além daquilo que o Jornal sempre defendeu ou seja, a liberdade do exercício de expor, sempre que considerar confiável a fonte da própria notícia, a notícia que lhe parece real. E mais, o jornal – também no exercício da ética jornalística – antes de publicar tal matéria, consultou a assessoria da Presidência da República. Então cabe a pergunta: onde o ilustre porta-voz estava quando a consulta chegou ao seu conhecimento? E mais, quando viram a “viola em caco”, aí sim resolveram “miar?”. Coincidentemente um jornal de Bauru/SP (Jornal da Cidade), na edição de ontem, publica matéria em que denuncia que a lei da focinheira “não pegou”. Infelizmente aqui os cães ladram, atacam e machucam os freqüentadores das caminhadas matutinas... O preocupado porta-voz deve aos leitores do “estadão” a resposta quanto a omissão em não dar acolhida a consulta formulada pelo Jornal. Digo “preocupado” no estrito sentido da transparência que nossa presidente apregoa.

Nicanor Amaro da Silva Neto  nicanoramaro@yahoo.com.br

Bauru

*

PETROBRÁS

Estão anunciando que caiu o rendimento da Petrobrás. Ora bolas! Com a companhia invadida pelos famintos companheiros do PT, o que mais poderia esperar? Isso não é novidade, desde os mandatos de Lula, essa Petrobrás que era nossa, está exalando nas mãos daqueles que são alérgicos ao trabalho. Tanto é que, a CPI aprovada para investigar a companhia foi rechaçado com todas forças políticas que Lula, então presidente, poderia ter. Por isto nunca fui favorável as autarquias públicas, onde o governo põe as mãos, é igual às formigas cabeçudas, arrasa a lavoura.

Benone Augusto de Paiva benonepaiva@yahoo.com.br

São Paulo

*

LONGE DA REALIDADE

Como pode, em um país ainda pobre como o Brasil, uma passagem de ida e volta pela ponte aérea São Paulo/Rio, com os seus 450 km de distância, custar R$ 1,6 mil. E um vôo de Paris até Madri com a distância três vezes maior (1.272 km) sair por um preço de apenas R$ 1.284,00. Diferentemente do que acontece na Europa e EUA, dependendo da maior demanda o consumidor é sempre  premiado com a redução de preços em qualquer tipo de produto ou serviços, aqui na terra tupiniquim, ou porque não existe, ou ainda porque o governo não estimula a concorrência como é o caso da aviação comercial, os preços ficam mais altos. Esta é mais uma constatação que nós ainda estamos muito longe de ser uma economia de mercado...

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

*

RIOS TIETÊ E PINHEIROS

 

Parabéns ao Estadão pala excelente matéria publicada no dia12/2/2012. A situação de ambos é o resultado da ação humana e principalmente da falta de fiscalização do poder publico, não é tão difícil como pareces ser para identificar os poluidores destes dois Rios, pois através da atividade das empresas que ali estão estaladas e a meteria prima que as mesmas utilizam pode se chegar ao responsável pela poluição, a questão é querer investigar. Se a minha empresa poluiu um Rio, basta apenas pegar uma mostra do material utilizado na minha empresa e uma mostra da água poluída e levar até o laboratório simples o resultado não irá deixar dúvidas. A outra questão a da limpeza, que é mais complexa, pois os Rios recebem muitas sujeiras e para piorar a situação a topografia dos Rios não ajudam. Isto é visível, pois quando chove muito a água só sobe e não tem velocidade por ser um local plano, diferente, por exemplo, em algumas partes do a Rio Tamanduateí onde a água tem mais velocidade. O mais importante de tudo isso é investir na prevenção identificar os poluidores, notificá-los repassar parte da despesa para quem poluir olhar com carinho as águas residuais, pois falta saneamento básico em fim não adianta retirar uma tonelada de lixo todos os se os Rios recebem duas toneladas diariamente.     

Paulo Rodrigues de Moura  paulorodriguesmoura@hotmail.com

São Paulo

*

ALA DE FUMANTES

A sociedade não tem percebido os males generalizados advindos do consumo do tabaco.  As campanhas, restrições, aumento de preço e outras medidas se provaram ineficazes para impedirem o seu consumo. As mídias e os que desejam parar de fumar precisam visitar as enfermarias dos hospitais para observarem as enormes alas ocupadas pelos fumantes. São pessoas honestas, que trabalharam a vida inteira e nunca usaram drogas ilegais, presas a um sofrimento inominável causado pelo cigarro. Certamente, os corajosos que se dispuserem a visitar a ala dos fumantes pensarão um milhão de vezes antes de acenderem o próximo cigarro.

Daniel Marques danielmarquesvgp@gmail.com

Virginópolis (MG)

*

JOÃO MARCELO BÔSCOLI SOBRE WHITNEY HOUSTON

Excepcional o artigo de João Marcelo (13/2, D1). Sempre que escuto Renato Russo ou Cazuza, por exemplo, penso como deve ter sido difícil para eles administrarem o fluxo tão intenso de criatividade, a ponto de, no final, terem destruído suas vidas. O que vinha de dentro parecia ser maior do que eles mesmos, um tremendo canal, conexão com arte, com o divino. Agora, João Marcelo colocou numa perspectiva interessante, da luta do ícone, do ídolo, máximo criador com as fragilidades do humano comum, gerando uma tensão que pode ser fatal.

João Pedro Rotta jp@trinn.com.br

Rio de Janeiro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.