Fórum dos Leitores

RESCALDO DA FOLIA

O Estado de S.Paulo

23 Fevereiro 2012 | 03h05

Vandalismo em São Paulo

Quando Chiquinha Gonzaga compôs Ô Abre Alas, que se tornou o hino do nosso carnaval, não podia imaginar que essa festa se transformaria numa indústria em que milhares de pessoas trabalham um ano inteiro para que outros milhares façam bonito na passarela. Outros milhares ainda se aglomeram para assistir. As agremiações do Rio e de São Paulo superam-se no quesito criatividade, fazendo do carnaval brasileiro o maior espetáculo da Terra. Pena que tanta beleza tenha acabado, em Sampa, num triste espetáculo de vandalismo. Em poucos minutos algumas centenas de selvagens destruíram toda a tradição, a beleza e a dedicação dos carnavalescos. É preciso tanto tempo para construir e basta um gesto para destruir. Lamentável.

ECILLA BEZERRA

ecillabezerra@gmail.com

Peruíbe

*

Coliseu do século 21

Lamentável que uma festa como o carnaval, que deveria ser uma ode ao samba, tenha virado um palco de ignorância e violência.

RENAN WILLIAM CANDIDO

rcandido.adm@gmail.com

São Paulo

*

Escolas de samba

No Rio são reduto do jogo do bicho e em São Paulo, de torcidas organizadas de futebol. No fundo, são a mesma coisa, centros de negociatas de contravenções e tráfico, inclusive político, que, aliás, é reduto de tudo. Às vezes até se comportam como instituições decentes, mas é como o escorpião: a contravenção está no sangue.

ARIOVALDO BATISTA

arioba06@hotmail.com

São Bernardo do Campo

*

Triste carnaval

Com muita tristeza vi os acontecimentos na apuração em São Paulo, com tamanha violência e estupidez de algumas pessoas, que estavam no lugar errado na hora errada. Cabe a pergunta: por que tinham autorização para estar lá e quem autorizou? Se a escola diz que o vândalo não pertence a ela, por que ele se dirigiu ao presidente da agremiação da Casa Verde logo após ter roubado e rasgado as notas? Está mais do que provado que samba e torcidas organizadas não dão "liga", ou seja, sempre sai coisa que não deve. Os gaviões enlouquecidos devem ser também punidos e obrigados a pagar o carro alegórico que queimaram! Isso é o mínimo, pois moralizar é preciso - e como!

EVELIN BARUKI

evelin-baruki@bol.com.br

São Paulo

*

Vergonha e punição

Foi uma vergonha, já passou da hora de os organizadores tomarem providências para punição dos culpados e tornar isso regra. Que tal proibir por três anos a participação nos desfiles das escolas envolvidas, Império da Casa Verde e Gaviões da Fiel? Esta interditou a Marginal do Tietê, promoveu quebra das guarnições laterais, etc., fatos mostrados pela TV. Estou certo de que com medidas desse tipo se evitará que tais fatos vergonhosos se repitam.

LUIZ ROBERTO SAVOLDELLI

savoldelli@uol.com.br

São Bernardo do Campo

*

Vexame

Quero ver se depois de todos os "favores" que o (im)prefeito Gilberto Kassab concedeu ao Corinthians (vide o Itaquerão, entre outros), a Gaviões da Fiel será realmente punida após os atos de vandalismo. Não só eles devem ser punidos, mas todos os que começaram essa grande confusão. Se não sabem perder, que fiquem em casa, tricotando... Tomara que não termine tudo em pizza.

ADRIANA AULISIO

aulisiodri@gmail.com

São Paulo

*

Selvageria

O "espetáculo" protagonizado por integrantes de escolas de samba paulistanas mostrou a total ausência da mais básica noção de civilidade. Será esse o comportamento na Copa ou na Olimpíada, caso o Brasil perca um jogo?

ALEXANDRE FUNCK

afunck1@gmail.com

Bragança Paulista

*

O exemplo vem de cima

Atenção para as eleições de outubro. Se o resultado não for o esperado, o quebra-quebra pode ser pior. Em passado recente, um partido político era conhecido pelo lema "quanto pior, melhor".

LUIZ RESS ERDEI

gzero@zipmail.com.br

Osasco

*

Revolta com assunto errado

Contra a corrupção o povo não se rebela. E ainda chega a homenagear um dos maiores culpados por todos os desmandos que ocorrem atualmente no nosso país. É lamentável que se leve futebol, carnaval ou qualquer outro item sem importância como esses como algo que mereça uma "revolta". Coisa típica de povo econômica, social e intelectualmente subdesenvolvido.

FERNANDO HENRIQUE B. FANECO

fernando.faneco@uol.com.br

São Paulo

*

Pé-frio

Onde está o sr. Lula só dá confusão. / No PT deu o mensalão, / no Ministério deu ladrão, / na Gaviões, que papelão! / Conseguiram envergonhar o maior Estado da União.

IVAN BERTAZZO

bertazzo@nusa.com.br

São Paulo

*

Lua vence Lula

No Rio, a Unidos da Tijuca, com excelente enredo sobre Luiz (Lua) Gonzaga, venceu o carnaval de 2012. Já em São Paulo, a Gaviões da Fiel, com o enredo medíocre e puxa-saco Verás que um filho fiel não foge à luta. Lula, o retrato de uma nação, ficou em nono lugar, fora o vexame da sua torcida, que transformou a apuração em depredação. Parece que "popularidade" não se transfere sem bolsas-esmola e militância pendurada em cargos governamentais.

CLAUDIO JUCHEM

cjuchem@gmail.com

São Paulo

*

Imagem comovente

Nenhuma das esplendorosas imagens do carnaval apagará esta da minha memória: João Carlos Martins - um dos maiores especialistas de Bach, pianista maravilhoso, internacionalmente famoso -, vítima de acidente ingrato, que não lhe roubou a força nem o amor pela música, humilde e alegremente, tocando prato, à frente da bateria de escola de samba. Essa imagem merece todos os prêmios.

JOSÉ IVANIL S. MATTÉDI

jacynil@globo.com

São Paulo

*

KASSAB EM QUE CANOA?

Reportagem no Estadão de quarta-feira sobre o prefeito Gilberto Kassab diz: “Com um pé na canoa petista e outro na tucana, prefeito de SP tende a ser visto com desconfiança.” Qual imagem nos remete? As canoas se afastando e ele se estatelando na água. O prefeito disse ainda que ao apoiar o ex-governador José Serra estará postergando a nível nacional o futuro do PSD, partido criado por ele. Não prefeito, o que fará atrasar o projeto do seu partido a nível nacional é seu ranço. O PSD nem mesmo saiu das fraudas e nos lembra os velhos vendilhões da pátria. O PMDB, que se agarra igual sanguessuga aos prováveis vencedores, tudo para continuar no poder! Atitudes prefeito Kassab. Atitudes valem mais do que possibilidades sabia?

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

*

PALHAÇO

Animado estando no camarote da Prefeitura Gilberto Kassab se deliciou com vários picolés, que ninguém sabe seus conteúdos, pois face a grande alegria demonstrada após, se pronunciou. Dizendo que no ano que vem quer se fantasiar de "o melhor prefeito que São Paulo já teve". Tudo indica ele ter sido enganado pela cegonha quando nasceu mediante essa absurda e incoerente afirmação. Embora caso isso viesse a ocorrer, com certeza na escola dele estaria o povo fantasiado de "palhaço", que é como nós tratou e fez até então.

 

Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

*

PINOCCHIO

Kassab disse que ano que vem sairá no carnaval fantasiado de O Melhor Prefeito que São Paulo já teve. Não tenho dúvidas. Sairá fantasiado de Pinocchio.

Odair Picciolli odairpicciolli@moradadoscolibris.com.br

Extrema (MG)

*

AS TRAPALHADAS DO PREFEITO

Comparando Kassab e Marta Suplicy, o prefeito Gilberto Kassab dá de 10 a 0 na ex-prefeita, em quesitos fúria arrecadatória e sadismo punitivo. Kassab reduziu os benefícios no bilhete único, sumiu com as isenções do IPTU, estende garras afiadas nas multas de trânsito. Traiu seus eleitores ao prometer e depois suspender o reembolso das taxas de inspeção veicular. Inspeção essa, sem controle,  que ele deu para uma única empresa, engraçado, de nome Controlar e através de um processo nebuloso e suspeito, com questionamento na Justiça. Segunda-feira, 13/2, um caminhão da cidade catarinense chamada Morro da Fumaça, expelia, engraçado, fumaça preta e fedorenta e parava a Radial Leste. Veículos poluidores de outras cidades e Estados não são fiscalizados na Capital.  Kassab, se insistir nessa suspeita e ineficaz inspeção veicular, vai virar cadáver político  já já, se já não virou.

Apollo Natali apollo.natali2@gmail.com

São Paulo

*

ESQUECERAM DE CONSULTAR OS ELEITORES?

Essa situação em que Kassab se meteu, estar com um pé em cada canoa, pode acabar virando contra o próprio, já que uma hora as canoas se distanciam, e ele acabará sendo levado pelas correntezas do desprezo diante de situação escabrosa, e  da traição que comete, já que seu PSD não é nem de direita nem de esquerda e nem de centro, muito pelo contrário.  Os petralhas  não engolem essa aliança, que o poderoso chefão está costurando com Kassab, mas,  há uma corrente forte dentro do partido, que não vê com bons olhos esse apoio, pois o preço à pagar será alto demais junto ao seu eleitorado, que nas eleições de 2008, apoiou as provocações de Martha Suplicy, quando esta lançou  dúvidas sobre as escolhas sexuais do então candidato Kassab. Além das declarações do alcaide da cidade de São Paulo,  em alto e bom som, dizer  que se Serra for de fato candidato ele o apoiará. Quem pode confiar num elemento  tão sem princípios como sr. Kassab? Já os tucanos, num ato de desesperado quer dar o abraço de quem está se afogando, tentando atrair Kassab, lançando a candidatura de José Serra, mas se acontecer será os abraço dos afogados. Já que seu eleitorado desaprova  esse  apoio de Kassab, assim como  uma  candidatura de última hora de José Serra, que vem dizendo que, a Prefeitura de São Paulo não o interessa, pois está voltando para as futuras eleições presidenciais em 2014. Tucanos agindo assim, subestimam seus militantes e humilham os pré-candidatos: José Anibal,  Andrea Matarazzo, Ricardo Tripoli e Bruno Covas, que estão há meses fazendo campanha, e sendo recebido em todos os diretórios do PSDB na capital paulista, para disputar as prévias no próximo dia 04/03. Fica uma pergunta: tanto os petralhas quanto os tucanos perguntaram para os seus eleitores, que são quem de fato irão votar, se estão de acordo com essas escolhas? Porque imposições são  para quem está debaixo de baionetas, o que não é o caso do nosso regime político.

Agnes Eckermann agneseck@yahoo.com.br

Porto Feliz

*

IDAS E VINDAS DE KASSAB

As idas e vindas do prefeito Kassab faz parte da estratégia do PT para chegar à prefeitura: convida-se o prefeito para a festa, o que obriga o PSDB convocar José Serra para entrar na disputa eleitoral. Era tudo que o PT queria, Lulla entende que José Serra, já desgastado com o caso da “privataria tucana” e ainda mais recebendo o apoio de Kassab não é páreo nem para Haddad.

José Carlos Degaspare degaspare@uol.com.br

São Paulo

*

DE OLHO NAS URNAS

José Serra é um político profissional. E dos bons! Além de probo, foi um excelente congressista, ministro de FHC, secretário estadual, bom governador, e em pouco mais de um ano de gestão como prefeito da Capital, deixou sua marca de bom administrador público. Hoje, Serra está desempregado! E assim como qualquer outro trabalhador que busca uma nova oportunidade de emprego, o ex-governador parece que está mandando seu currículo para se candidatar a prefeito de São Paulo... E qual a surpresa nisso?! Nenhuma! No Brasil, político que sai na frente expondo sua candidatura, ou é um novato precisando de exposição na mídia, ou um franco atirador querendo alguns minutos de fama, porque jamais vai ganhar uma eleição majoritária. Por estas circunstâncias, o José Serra, esta certo. E provavelmente no mês de março, sem queimar etapas anuncia sua candidatura pelo PSDB, e com apoio incondicional do PSD do Kassab. Até o PT sabia desse circo eleitoral...  E o Fernando Haddad, indicação petista ao pleito, que nem capacidade teve para administrar um exame do Enem, quando ministro da educação, agora quer ser prefeito da maior e rica cidade do País. Pode?!...

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

*

O INFERNO ASTRAL DE MARTA SUPLICY

Apesar de Marta Suplicy – aparentemente – ter saído vitoriosa na queda de braço com o senador José Pimentel (PT-CE) na disputa pela primeira vice-presidência do Senado, ficou bem claro que ela só conseguiu manter-se no cargo depois de um bate-boca muito feio , no qual ela negava um acordo adrede firmado com Pimentel onde ele assumiria o cargo assim que ela o deixasse para disputar a Prefeitura em São Paulo.Acontece que Lula puxou o tapetinho de Marta...e ela se sentiu num verdadeiro inferno astral ao ter que perder também a vice-presidência do senado. Graças à interferência  conciliadora do senador do Acre Jorge Viana : “Marta, todos nós temos aqui o maior respeito por você. Nenhum de nós aqui abriu mão de algo tão importante como você fez no caso das eleições em São Paulo”, para que cavalheirescamente José Pimentel desistisse de suas intenções...Ou seja: Marta levou, mas não ganhou! A impressão que ficou é a de que a senadora feminista acabou sendo tratada com uma condescendência típica de machistas para com o sexo frágil...eca!

Mara Montezuma Assaf montezuma.scriba@gmail.com

São Paulo

*

CARNAVAL 2012

Muito obrigada, Estadão, pela sobriedade das fotografias sobre os desfiles das escolas. Afinal, se eu quisesse ver silicone, eu assinava outro tipo de impresso. Ao menos esse ano, não tive ânsia ao abrir o jornal na terça de carnaval.

Jamile Samia Ramme jamurbanus@yahoo.com.br

São José dos Campos

*

O CARNAVAL DE SALVADOR

Pesquisa realizada recentemente revela que 76% da população de Salvador (BA) não tem acesso ao carnaval, tão decantado como o melhor do planeta e o eldorado dos empresários de trios elétricos, blocos e camarotes. Para se ter uma ideia, apenas três blocos, faturam em três dias com a venda de abadás, a fortuna de R$17 milhões, sem contar os patrocínios. Apenas três camarotes faturam R$ 25,8 milhões. As taxas cobradas pela prefeitura são vergonhosas, mas o Estado e a prefeitura, numa jogada de marketing, gastam R$ 30 milhões com a infraestrutura da festa. Estado deficitário, em 2010, recolheu na União R$ 11 bilhões e recebeu R$ 19,76 bilhões. Esse é o modelo PT de governar. Não há dinheiro para pagar aumento de professores e da Polícia Militar. Não há dinheiro para equipar os hospitais públicos sucateados, enquanto Estado e prefeitura torram uma fortuna para o enriquecimento fácil de poucos. Segundo revela a imprensa local o Hospital Marzagão Gesteira há dois meses tem uma dívida com a prefeitura de Salvador de R$ 2 milhões, pondo em risco o tratamento de 700 crianças. Pasmem: nos bairros da Barra-Ondina foram gastos mais de R$ 60 milhões pelos governantes. O carnaval baiano é de fato muito caro. Afinal, é de importação. Axé meu rei.

 

Jair Gomes Coelho jairgcoelho@gmail.com

Vassouras (RJ)

*

O CARNAVAL E A CÚRIA CARIOCA

Inúmeros católicos enviaram mensagens ao cardeal do Rio de Janeiro, para que adotasse medidas visando a não permitir o uso de símbolos religiosos no desfile das escolas de samba. Atendendo aos pedidos, S. Eminência,  enviou três padres para que, juntamente com as “baianas”, santificassem o Sambódromo de modo a que não houvesse a profanação das imagens e símbolos católicos, que, eventualmente viessem a ser usados nos desfiles. E, para mais tranqüilizar a consciência destes, fez publicar o fato no jornal da arquidiocese. É a dessacralização do sacro e a sacralização do profano, na onda dessa “Nova Igreja”.

Ralph Solimeo ralphsolimeo@terra.com.br

Rio de Janeiro

*

DESVENTURAS DE UMA NAÇÃO

“A desventura de uma nação é correspondente ao avanço moral expresso em suas manifestações culturais”. A clara expressão desta assertiva ficou comprovada ao que ocorreu no carnaval de São Paulo. A escola de samba “gaviões da fiel”; expressão minúscula até na razão de existir e continuar existindo, demonstrou a sua sórdida consciência cívica desde a letra do seu samba enredo, até na manifesta balburdia quando da apuração dos votos.  Acertou em cheio ao homenagear Lula, pois qualquer outro não seria mais digno de tamanha baderna num espetáculo pavoroso de civilidade. Dona Marisa Letícia, a que foi Primeira Dama sem nunca ter exercido tal cargo; empoleirada num carro alegórico, desfilou ao som do samba enredo referindo-se a seu marido - “que deus pai iluminou”. O “deus pai” que o iluminou, e pelo que ele fez e faz no sentido de tudo que transcorreu na sua vida pública, de fato não procede de um Deus Pai que mereça letra maiúscula, e não por ignorância do autor da “obra prima” de supimpa cafonice; mas sim porque um Ser Superior não unge mérito à patifaria; ao deboche; ao escárnio da moral que primou a vida pública do apedeuta homenageado. O mundo assistiu a verdadeira face dos devotos do lulopetismo, nada mais digno a abrilhantar sua passagem pela história.

Oswaldo Colombo Filho colomboconsult@gmail.com

São Paulo

*

APURAÇÃO DO CARNAVAL DE SÃO PAULO

O ocorrido é o retrato de um povo. O que precisamos fazer para mudar esta imagem? Eis a questão!

Carlos Roberto da Silva Calderon crscalderon@hotmail.com

São Paulo

*

FIM DE FESTA

Poucos espetáculos apresentam uma imagem de fim de festa tão dramática como o das Escolas de Samba. Enquanto desfilam, chamam atenção pelo brilho, pelas luzes frenéticas, pelas fantasias, pelo opulento nu e pela paixão dos participantes. Terminado o show, as fantasias desaparecem, os carros alegóricos são apagados e largados em qualquer canto, atrapalhando o trânsito, tornando-se encardidos de uma hora para outra e sujando a cidade que tenta o mais rapidamente possível livrar-se deles. É irresistível a analogia com o governo do PT cujo desfile já dura mais de nove anos. A pura aparência, com inaugurações fantasiosas e oportunistas de obras incompletas e a retórica de bordel, são alguns de seus carros alegóricos recheados de destaques. É difícil imaginar a situação do país quando a festa acabar, as fantasias estiverem jogadas, as luzes apagarem e os carros forem abandonados. Inglória será a tarefa do sucessor, se não for petista, para restabelecer a realidade.

Paulo Roberto Gotaç prgotac@hotmail.com

Rio de Janeiro

*

POLÍTICA

O vandalismo no carnaval paulista é consequência do uso político da maior festa popular do Brasil.

Vagner Ricciardi vbricci@estadao.com.br

São Paulo

*

LAMENTÁVEL VANDALISMO

Lamentáveis as demonstrações de selvageria na apuração das notas das escolas de samba de São Paulo. Parabéns à Polícia Militar, que, com a competência habitual, soube reprimir com rapidez os atos de vandalismo. Quanto aos baderneiros, o que dizer? Nada, a não ser constatar que se esses vagabundos canalizassem toda a raiva e indignação com que tumultuaram o julgamento dos jurados aos corruptos que infestam a administração pública (dentro dos devidos parâmetros de civilidade), certamente teriam alguma serventia.

Henrique Brigatte hbrigatte@yahoo.com.br

Pindamonhangaba

*

ENQUANTO ISSO...

Enquanto se apurava o resultado do desfile das Escolas de Samba e o circo pegava fogo, Kassab, o nosso prefeito ausente, confraternizava com grande mesa no Girarosto, o restaurante da moda desta semana na capital. Ele concorda com os cariocas que diziam que Sao Paulo é o cemitério do samba!

Paulo Ruas Pstreets@terra.com.br

São Paulo

*

PROPAGANDA POLÍTICA

Será que o povo brasileiro já parou para pensar o quanto de dinheiro o pessoal do PT e alguns setores do governo, injetaram no desfile das Escolas de Samba de São Paulo nesse ano de 2012? Alguém tem dúvidas de que o desfile não passou de uma armação política para fazer a Gaviões da Fiel perdedora, com o enredo sobre a vida do ex-presidente Lula, que apareceu em gravação no final? Alguém tem dúvidas de que a Comissão Julgadora fez justamente o que a turma do PT queria, derrubando a Gaviões e dando a torcida corintiana de mãos beijada para Lula explorá-la durante a propaganda eleitoral. Alguém ainda tem duvidas que a maioria dos diretores das escolas desconhecessem que a Gaviões faria um desfile  bisonho para fortalecer  Lula na campanha de Fernando Haddad para prefeito da cidade  mais importante do País? Tá na cara que o corintiano puto da vida com a derrota, vai se vingar votando em quem Lula mandar.  Sei não, mas à Controladoria Geral da União (CGU), que investiga um contrato da Petrobras com a ONG Pangea sobre o desvio de dinheiro direcionado ao caixa dois do PT, poderia investigar também, saída de dinheiro da Petrobras via ONGs para a propaganda política no carnaval paulistano através da  Gaviões da Fiel.

 

Leônidas Marques leo_vr@terra.com.br

Volta Redonda (RJ)

*

PÉ FRIO X PÉ QUENTE

Dizem os crédulos em "mandingas" e "magias", que o ex-presidente Lula sempre foi "pé-frio" em questões às quais se aproximou como homenageado ou como quem as apoia. Vários atletas não conseguiram o mesmo destaque depois de terem se encontrado e com ele tirado fotos, etc. Coincidência ou não, o carnaval de Sampa permaneceu tranquilo, até que se fez a contagem dos votos que classificam as escolas de samba. Ano em que uma das escolas de samba homenageia o ex-presidente Lula. E, nesse momento, vimos como se organizam e agem aqueles que querem ver mudanças no cenário - no caso, cenário carnavalesco! E fico a pensar como este país poderia estar passando por fase social e historicamente diferente, se, ao percebermos que somos enganados ou logrados de alguma forma, pudéssemos reagir com a mesma organização e energia que pudemos ver pela TV, no sambódromo paulista. Difícil nos é entender por que o povo não reage da mesma forma com relação aos desvios de verba governamentais que nos logram e nos roubam o direito à cidadania: boa educação, saúde, segurança e transporte. Mais uma inversão de valores: o amor pela escola "de samba" superando qualquer noção de respeito (desamor) aos que compõem a escola. E mais – em ano eleitoral, com tanto "olho gordo" sobre a Prefeitura da maior cidade do país, não seria de estranhar se a investigação sobre os fatos no sambódromo, não se imiscuíssem às pretensões políticas de partidos outrora dos trabalhadores. Tudo isso esquentaria o pé do ex-presidente?

José Jorge Ribeiro da Silva jjribeiros@yahoo.com.br

Campinas

*

BLOCO DOS ORDINÁRIOS

Pelo que se viu, um séquito de ordinários quando homenageia um "santo padroeiro" não gosta de perder seguindo as regras. Se não consegue ganhar de um jeito ou de outro, prefere bagunçar o processo e barbarizar a cidade. É o abuso do cachimbo e da cachaça.

José Benedito Napoleone nenosilveira@aim.com

Campinas

*

O FILHO QUE LUTOU MAL

O Lula e sua Fiel tinta borraram o carnaval paulistano.

 

Mara Fonseca Chiarelli mara.chiarelli@ig.com.br

Mogi Guaçu

*

DEPENADA

Detesto Carnaval, mas não posso deixar de registrar contentamento ao saber que a escola que apresentou tema "tão alucinógeno quanto mentiroso", sobre um conjunto da obra que só merece "ironias e críticas", ajudou a melar a apuração por saber que iria perder feio. Superada por escolas são-paulinas e palmeirenses, mostra que o povo não engoliu o engodo – digo, enredo –, seu santo é oco como sua biografia e o comportamento de perdedora é mais do que previsível e condenável. Nas eleições para prefeito em outubro, poderemos esperar a mesma barbárie?

Flavio Marcus Juliano opegapulhas@terra.com.br

São Paulo

*

CURIOSIDADE

Agradeço se alguém puder me ajudar, pois, são curiosidades que eu gostaria de ver esclarecidas: Qual o cachê pago aos cantores e cantoras no carnaval da Bahia? Quanto gastou o governo do Maranhão no carnaval do Rio? Quanto de dinheiro público foi gasto em São Paulo, Rio, Salvador e Recife? Parece um assunto menor, mas eu gostaria de fazer um paralelo com saúde, educação, segurança e saneamento. Assim, bem simples.

Sérgio Barbosa sergiobarbosa@megasinal.com.br

Batatais

*

BARBÁRIE

Depois da barbárie acontecida durante a apuração para definir a vencedora do carnaval paulistano, pergunta-se: por que não havia policiamento necessário que evitasse a invasão do local de apuração? Por que nos momentos iniciais da invasão não houve reação policial com a energia suficiente para impedir a propagação da bagunça causada por torcedores da Gavião da Fiel? Por que apenas uns poucos bagunceiros foram detidos, quando no mínimo deveria ser uns cem? Ontem, quarta-feira de Cinzas e passados os momentos dessa barbárie, o ambiente se acalmou deixando a impressão de que pouco ou coisa alguma acontecerá para punir severamente os culpados, quando o acontecido requer providências duríssimas para jamais voltar a acontecer. Depois dessa barbárie, o mínimo a fazer será no próximo carnaval a apuração ser feita em local fechado com acesso apenas de diretores da Liga, Escolas de Samba, jurados e da mídia para registrar ao vivo esse momento.

 

Laércio Zanini arsene@uol.com.br

Garça  

*

CARNAVAL NÃO É ISSO

Muita festa, muita alegria até a apuração.  Depois o quebra-quebra e a falta de educação.  A quarta-feira será mesmo de cinzas:  as cinzas do carro-alegórico queimado pelos vândalos.  Nem São Paulo nem o rei Momo mereciam isso.

 

Silvano Corrêa scorrea@uol.com.br

São Paulo

*

APURAÇÃO

Sugiro que a partir do próximo ano a apuração dos desfiles das escolas de samba seja feita no Batalhão Tobias de Aguiar na Av. Tiradentes, e que os torcedores das mesmas assistam somente através de telões nas respectivas quadras. Assim evitar-se-á o lamentável tumulto de ontem.

 

Paulo Mariano Marcondes Ferraz pmmferraz@hotmail.com

São Paulo

*

ALIENADOS

Escolas de samba são totalmente alienadas em relação aos grandes problemas brasileiros.

 

Luigi Vercesi luver44@terra.com.br

Botucatu

*

(PRÉ)VISÃO

Com as escolas de samba tudo termina bem, afinal é algo entre brasileiros. Agora imaginem a final da copa do Mundo e o Brasil empatado com a Espanha e a Espanha for bater um pênalti aos 48 minutos do segundo tempo. Todos os torcedores com a cara cheia. Eis as alternativas: a) A torcida invade o campo e fura todas as bolas (que vão se chamar "Jabebi") no estádio. b) 1250 goleiros brasileiros vão defender o pênalti. c) Na hora cria uma nova regra de uma barreira com 2550 pessoas. Ou a letra d) O Brasil perde a Copa e o Maracanã fica 1 hora em silêncio. Como as pessoas mudam em 64 anos. Tem até algumas que sonham que nosso país vai chegar à final.

Manoel José Rodrigues manoel.poeta@hotmail.com

Alvorada do Sul (PR)

*

SEMPRE PODE PIORAR

O carnaval é uma das bandeiras de venda do Brasil. O bundaréu que nos coloca no mundo desenvolvido retrata o estado de coisas por aqui, o que é uma pena, pois mostra a face  real da situação do País, logo agora que a Copa e o Pan foram propostos. O governo atual arrasou a nação já por nove malditos anos, o resultado explode na avenida, na TV e na falta de justiça ou policia, o que dá na mesma. Além da farsa do samba, convertido em arranjo vocal alucinado que atropela o ritmo com palavrório exacerbado em volume e em sentido, olhos, gritos, trejeitos alucinados,  carrega toda uma estrutura de baixo clero que envolve os mais diversos crimes da periferia, dos morros e da conivência dos governos estaduais e municipais. O impacto da revolta na apuração é mera consequência da impunidade que estimula qualquer um a afrontar o juízo e a lei, o astro da invasão da apuração paulistana é mero representante desta gentalha promovida pelo modo chulo de governança apoiada num policiamento fraco e omisso, ao passar pelo guarda armado, com cassetete ao léu, o grandalhão, cheio de razão,  recolhe devidamente na cueca, ao modo dos Genoinos, a prova do crime, não dólares, mas a listagem da eleição , é o exemplo fazendo filhos, o que aos olhos do mundo, deve dizer o que é o nosso país nesta gestão vergonhosa que quer ao Copa e o Pan,  sem merecer mais que uma varredura de rotina básica, reles e eficiente de policiamento básico. Aos olhos do mundo e a comprovar ao povo brasileiro, a nação ajoelha-se mais a cada dia, e,  sendo porca a classe política, que frequenta diariamente as folhas policiais, outros, movidos pelo estimulo da impunidade, pelo exemplo chulo e pela soberba do idealismo vendido na publicidade oficial se sentem a vontade para achincalhar a Lei, as pessoas e os valores, ao vivo, na TV, sob os edredons da Globo e na fuça de quem quer que seja que se proponha a contestar seu posicionamento. Nem ministros ou ministras respeitam coisa alguma, mentem, faltam com a verdade e arregimentam um bilhão, assim, enquanto redijo estas palavrinhas. O Brasil foi invadido, arrastado ao limbo da criminalidade impune e todo mundo sabe de tudo e não faz nada. A fraqueza da carne corrupta desta gentalha que enriquece o tempo todo é o câncer que corrói a nação, que não pode ser tratado no Sírio-Libanês, nem remetido aos EUA, não pode ser combatido pelas melhores drogas do mundo moderno, posto que é velho, pobre e doente de verdade, não passa de golpe provocado, o câncer da mentira, pior que o de verdade, que tem cura. A farsa petista da conduta pela derrota moral, pela evolução facilitada da criminalidade, pela corrupção incontrolável pois estimulada é pior que o câncer e quiçá da Aids, estamos no navio adernado, sem  o Schettino, mas com cretinos de mais da conta, o mar não nos perdoará a leniência.

Ronaldo Parisi rparisi@uol.com.br

São Paulo

*

FICHA LIMPA NO CARNAVAL

O ‘valentão’ que adentrou ao palco da apuração do carnaval paulistano, Tiago Cicero Tadeu Faria, que deflagrou toda aquela onda de violência a mau caratismo que  enegreceu mundo afora a organização dos desfiles das escolas  do primeiro grupo , segundo aquilo que foi divulgado na grande imprensa, é dono de uma folha corrida daquelas que causar inveja para muito gângster famoso. E, no entanto, posa de “dirigente de escola de samba”.  Seria o caso de perguntar para aquelas pessoas que gostam de apontar o rabo dos outros e sentar-se no seu próprio (aquela história de dizer que o carnaval do Rio de Janeiro é bom porque tem apoio da contravenção, lembra?) se não seria  o caso de começar a se exigir processo de ficha limpa de quem se compromete com a realização do nosso carnaval? Qualquer semelhança nos lamentáveis e recentes episódios com o que ocorre na esfera política, certamente não há de ser de  mera coincidência. O mau exemplo, como se costuma dizer, vem de cima...

Fernando Cesar Gasparini phernando.g@bol.com.br

Mogi Mirim

*

RIO-SÃO PAULO

O ex-prefeito do Rio Cesar Maia, aquele que, ao comentar o tumulto das escolas de samba de São Paulo, fez comparação com a contravenção no Rio de Janeiro dizendo: "E a contravenção é no Rio?" Pois é, a diferença é que lá é uma instituição lucrativa, onde todos se locupletam, diariamente, e ninguém é preso, processado, ou condenado. Pois todos, historicamente, são os mesmos.

José Carlos Barbério carlitobarberio@hotmail.com

São Paulo

*

CARNAVAL, EXERCÍCIO PARA A COPA

Pacientes reclamam falta de leitos em hospitais públicos. Um belo exercício para a Copa do Mundo de 2014 e outros eventos. Precisamos, sim, urgentemente melhorar o atendimento nos hospitais do Rio de Janeiro, pois a saúde está muito ruim e o aumento de pacientes só tende a crescer. O carnaval é um ótimo teste para todos os serviços essenciais da cidade, que também precisa urgente revisar os banheiros públicos e evitar a baderna de pessoas urinando em qualquer lugar sem o mínimo respeito. A hora é agora.

Asdrubal Gobenati asdrubal.gobenati@bol.com.br

Rio de Janeiro

*

CUIDADOS

Depois da selvageria praticada pelos fanáticos e maus perdedores do Carnaval de 2012 em São Paulo pode-se imaginar o que acontecerá durante a Copa do Mundo aqui no Brasil com a venda de bebidas alcoólicas nos estádios. Os deputados estão debruçados sobre o que fazer com motoristas que bebem e dirigem, deveriam pensar na segurança dos torcedores nos estádios e na imagem que o Brasil poderá projetar lá fora, em caso de brigas. Infelizmente algumas pessoas ainda não se deram conta de que o importante na vida é a participação nos eventos. Vencer é o próximo passo.

Izabel Avallone izabelavallone@gmail.com

São Paulo

*

O RITMO DAS OBRAS

A reforma do Sambódromo do Rio de Janeiro, que teve início em agosto de 2011, a um custo de R$ 5 milhões, acabou ficando "quase pronta" em cima da hora e o público não tinha onde sentar no dia do desfile (19/2, C5). Só espero que  esse fato não se repita na inauguração do novo Estádio do Maracanã, na Copa do Mundo de 2014, para não passarmos vergonha com os turistas estrangeiros.

Edgard Gobbi edgardgobbi@gmail.com

Campinas

*

RICARDO TEIXEIRA E O PODER NA CBF

 

Certa vez presenciei um caso na empresa em que trabalhava onde um funcionário tido na ocasião como “exemplar”, raramente saia de férias, abdicava do direito sagrado e vendia seu período de férias e ficava sempre trabalhando incansavelmente. Até que um belo dia a legislação trabalhista apertou o cerco e o gajo foi obrigado a sair em gozo de férias por trinta dias. Num certo dia o telefone tocou na hora do almoço e apenas a gerente da divisão ainda estava no local, arrumando suas coisas para almoçar. Atendeu ao telefone e ouviu do outro lado da linha uma senhora pensionista desesperada reclamar que os valores de seu depósito estavam incorretos, diferentes daquilo que havia sido dito para ela pelo funcionário em férias. A gerente anotou o telefone da senhora e foi procurar o processo nos arquivos. Deparou-se com uma fraude enorme, o gajo trabalhador e que não gostava de férias, desviava o dinheiro para uma conta de sua esposa. Foi demitido é claro, parte do dinheiro foi devolvida. Contei esta história real para ilustrar o que muitas vezes leva algumas pessoas a não querer largar o cargo, por não poder deixar de estar ao lado de seu pequeno império em tempo integral ou por muitos anos. O que me parece ser o caso do presidente eterno da CBF, Ricardo Teixeira, que já está à frente dos negócios e negociatas do futebol brasileiro há 23 anos consecutivos, sem que deixasse o mesmo por um dia sequer. Eleição após eleição o dono da CBF é reconduzido por unanimidade por seus eleitores que são presidentes de federações de futebol estaduais, muitos deles também eternos, pois ocupam seus cargos há dezenas de anos.

Por que Ricardo Teixeira e alguns presidentes de federações não querem deixar o poder? Paixão pelo futebol? Apego ao cargo? Ou seria o medo de que ao saírem aconteça o mesmo que aconteceu com o rapaz da história que relatei no inicio deste artigo? Como pode um país imenso não ter postulantes ao cargo? Como pode um homem com tanto poder e dinheiro jamais ter sido investigado pela receita federal no Brasil e em paraísos fiscais para ver se existem contas em seu nome naquelas localidades. Qual a razão de não haver oposição na política da CBF? O que tanto Ricardo Teixeira faz que leva à cegueira total 27 presidentes de federações de futebol estaduais há tantos anos? Uma auditoria nos processos e contas da CBF seria um bom começo e poderia nos mostrar o que tem de tão interessante naquela Confederação de Futebol para fazer um sujeito deixar de lado a família e se dedicar tanto por tanto tempo de forma ininterrupta.

 

Rafael Moia Filho Twitter: @rafamfilho

Bauru

*

JET SKI

O Corpo de Bombeiros do Piauí encontrou nesta terça-feira (21) o corpo de um jovem de 19 anos que morreu após o jet ski onde ele estava perder o controle e virar na barragem Corredor, no município de Campo Maior (81 km de Teresina) –um dos principais balneários da região central do Estado. O acidente aconteceu na tarde da segunda-feira (20). Quantos mais vão ter que morrer e nada acontece,para a lei ser urgentemente alterada e multar ou prender quem estiver ilegal? Chega de bandalha e baderna,e a imprensa precisa urgente publicar o nome dos Pais do moleque que matou a garotinha em Bertioga. A impunidade não tem mais lugar no Brasil.

 

Antonio Jose Justino anjogoma@yahoo.com.br

Rio de Janeiro

*

MORTE ANUNCIADA

Lamentável a morte de uma criança de apenas 3 anos de idade, na praia de Bertioga- SP, vítima de atropelamento por um jet ski pilotado por um adolescente de 14 anos, no carnaval. Até quando tragédias como esta continuarão a acontecer no Brasil ? Todos sabem que não se pode andar de jet ski próximo da praia, mas a irresponsabilidade impera e as leis são sumariamente desrespeitadas no país. Infelizmente, mais uma vida foi ceifada de forma gratuita por causa da má condução de um jet ski. Não é a 1a e nem será a última vez que isso ocorre. Trata-se de uma perda irreparável, que causa tristeza, dor e revolta. Imagino a dor dos pais que saem para o seu momento de lazer e tem sua filhinha atropelada e morta, em plena praia. Não dá para aceitar coisas desse tipo. Esse adolescente terá que responder pela prática de ato infracional grave perante as Varas Especiais da Infância e Juventude e deve cumprir medida sócio educativa adequada. E punição bem mais rigorosa deverá ser aplicada ao irresponsável - e criminoso - adulto que lhe cedeu o jet ski, algo inconcebível sob qualquer ponto de vista. Chega de irresponsabilidade, impunidade, tolerância e leniência com abusos, imprudências e da total falta de limites no Brasil, causando danos irreparáveis e enorme sofrimento, como neste triste caso de Bertioga.

Renato Khair renatokhair@uol.com.br

São Paulo

*

CRIMINALIDADE JUVENIL

Não bastasse adultos dirigindo irresponsavelmente pelas estradas do país, estamos assistindo agora menores fazendo o mesmo também e agora no mar, provocando morte como é o caso do jet ski que na praia de Bertioga em São Paulo. Urge que em razão da abulia educacional de algumas famílias em impor limites a seus infantes, seja aprimorada e aplicada com mais rigor, a legislação punitiva a tais jovens no sentido de, evitar o aumento de tragédias provocadas por essa faixa etária de nossa população.

José de Anchieta Nobre de Almeida josedalmeida@globo.com

Rio de Janeiro

*

ESCÁRNIO

Em que pesem a luminosidade e a canícula típicos do verão carioca, a quarta-feira de cinzas começou fazendo jus ao nome, no noticiário matutino. Não bastasse o escárnio anunciado ontem, da criação de mais sete mil vagas para Vereadores, acrescido do deboche de que "isso não implicará aumento de despesa", deparamo-nos hoje com o reembolso de senadores por despesas de saúde – eis que dispõem, assim como seus dependentes (pasme-se!), de planos vitalícios (pasme-se mais!) custeados por nós. Prosseguindo, constata-se que, à multissecular indústria da seca nordestina, junta-se modernamente a das cheias do sul, fruto da impunidade e do compadrio de Prefeitos... que receberão mais Vereadores! Mais adiante, partidos digladiam-se nos planos federal e estadual na partilha dos "butins" – a bolsa da viúva – enquanto um senador petista investe falaciosamente contra as privatizações tucanas e defende o "estatismo" – para que não se extingam os "butins" a repartir! Nem mesmo o voto consciente nos livrará das mazelas perpetradas por esses que, em momento eleitoral, como este ano, agem como nos Versos Íntimos, de Augusto dos Anjos, com seus beijos que são as vésperas do escarro. Às ruas, todos nós, enquanto ainda nos resta alguma dignidade a resgatar.

 

Gil Cordeiro Dias Ferreira gil.ferreira@globo.com

Rio de Janeiro

*

A SOCIEDADE CRESCE E SE ORGANIZA

 

O cumprimento da Lei da Ficha Limpa vai livrar a população dos conhecidos corruptos e malfeitores, já nas eleições deste ano. Mas isso não é tudo. Aplicada aos políticos, a Ficha Limpa tem de, obrigatoriamente, estender-se ao seio dos governos. O indivíduo impedido de candidatar-se por falta de lisura não pode ser nomeado para cargos na administração pública. E, se isso vier a acontecer, compete às forças da sociedade – imprensa livre, entidades, sindicatos, partidos políticos, etc. – denunciar o malfeito ao Ministério Público para que este tome providências. Não podemos, jamais, continuar dando o galinheiro para a raposa administrar. Ainda com base no princípio da Ficha Limpa, nos diferentes institutos de administração pública e até sob a invocação do Código Penal, os governantes de todo os níveis – presidente, governadores e prefeitos – têm o dever de apurar rigorosamente todas as denúncias sobre atos de improbidade cometidos por seus subordinados. O afastamento imediato protege o governo e seus órgãos de crises administrativas e preserva até o próprio acusado dos desgastes que temos visto ministros, dirigentes de estatais e outros acusados. É uma serventia de que os governantes não podem abrir mão. A figura do denunciante também não pode ser esquecida pois, se o que diz não se comprovar, terá atrapalhado a administração pública e merecerá a justa reprimenda.

            

Dirceu Cardoso Gonçalves aspomilpm@terra.com.br

São Paulo

*

FICHA LIMPA, UM DETALHE

Um esclarecimento necessário: a Confederação Nacional das Profissões Liberais (CNPL) ajuizou a ação de inconstitucionalidade noticiada, face à Lei da Ficha Limpa, da qual não discorda na letra e no espírito; muito pelo contrário, considera-a indispensável à moralização dos costumes políticos e à felicidade do povo brasileiro. Fê-lo em relação a uma única cláusula, pela qual ficam inelegíveis os impedidos de exercer profissões por suposto cometimento de infração ético-profissional. Suposto porque, ressalvada a tríade clássica das profissões liberais (direito, medicina e engenharia), os demais conselhos sequer seguem regras processuais para condenar um profissional. Alguns nem mesmo têm essas regras em seus estatuto e regimento, o que debilita fundamente o princípio do devido processo legal e da segurança jurídica. Se a Justiça Federal não conceder liminar em proteção de um profissional injustiçado, este não receberá a proteção de seus direitos em menos de cinco anos, em que ficará dupla e indevidamente punido: pelo sistema de classe e pelo sistema eleitoral. Daí os votos que agasalharam a ação, dos Ministros Dias Tóffoli, Gilmar Mendes, Celso de Mello e Cezar Peluso.

Amadeu Roberto Garrido de Paula amadeugarridoadv@uol.com.br

São Paulo

*

POLÍTICA EM VERSOS

Nossos políticos divertem-se

Pulando nas passarelas

Muitos brasileiros dançam o ano todo

Pra  por arroz na panela.

 

Quando um político adoece

Vai pra hospital de primeira

Quando pobre vai para o SUS

Fica exposto  numa esteira

 

A grande esperança do pobre

Seja no verão ou no inverno

E que quando o político morrer

Acaba indo pro inferno.

 

Em meus versos e minhas trovas

Escrevo com emoção

Sou favorável a política

Sou contra a corrupção.

 

Nessa  minha despedida

Gostaria de me expressar

Com a Lei da Ficha Limpa

Muita gente vai dançar.

 

Quando escrevo vou direto no assunto

Jamais procuro um atalho

Com essa nova Lei da Ficha Limpa

Como ficará  Barbalho?

 

Virgílio Melhado Passoni mmpassoni@gmail.com

Jandaia do Sul (PR)

*

NOTA DE REPÚDIO À FALA DO PRESIDENTE DO CFM

O Conselho Federal de Psicologia vem a público lamentar as palavras do Presidente do Conselho Federal de Medicina (CFM), publicadas na matéria do jornal O Estado de S. Paulo, no dia 8 de fevereiro, após aprovação do PL do Ato Médico, na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania do Senado, pois estas não refletem o real papel da Psicologia, como ciência e profissão, e acreditamos que tampouco represente a visão da categoria dos médicos. Quando diz que para diagnosticar a depressão os psicólogos precisariam estudar psiquiatria em sua fala “Como tratarão neuroses, esquizofrenia? Só com papo e conversa? De jeito nenhum. Essas doenças são causadas por deficiências bioquímicas, e os pacientes precisam de medicamentos.”, o presidente do CFP demonstra total falta de respeito com uma categoria que estuda a saúde mental, em seus pormenores, durante os cinco anos do curso de graduação em Psicologia. Ao dizer que os psicólogos não são capazes de diagnosticar, o Presidente demonstra total desconhecimento de nossa profissão e diminui uma categoria que estuda o diagnóstico mental, inclusive, por mais tempo que os médicos. Isto sem contar com a residência e pós-graduação em Psicologia, que permitem que os psicólogos aprofundem ainda mais os conhecimentos sobre o tema e técnicas e conhecimento relativos ao diagnóstico. Da forma como descreve a atuação dos psicólogos, o presidente banaliza uma técnica utilizada há mais de cem anos, a Psicoterapia, e nega o princípio da integralidade do Sistema Único de Saúde, que visa a garantia do fornecimento de um conjunto articulado e contínuo de ações e serviços preventivos, curativos e coletivos, exigidos em cada caso para todos os níveis de complexidade de assistência, englobando ações de promoção, proteção e recuperação da saúde! Ou seja, em nome do corporativismo médico, o presidente do CFM, equivocadamente, sugere que se ignore a visão do homem em todas as suas dimensões, psicológicas e sociais,, conforme a definição de saúde da Organização Mundial de Saúde como situação de perfeito bem-estar físico, mental e social. O presidente do CFM, com suas palavras, demonstra pensar ser o medicamento o carro-chefe do tratamento, limitado à prescrição e reduzindo o homem a uma forma puramente biológica. Importante lembrar que o Direito à saúde faz parte dos direitos sociais, que têm como inspiração o valor da igualdade entre as pessoas, reconhecido na Constituição Federal de 1988, de modo não limitado, e sim multiprofissional e integral. A saúde é direito de todos e dever do Estado, garantido mediante políticas sociais e econômicas que visem à redução do risco de doença e de outros agravos e ao acesso universal e igualitário às ações e serviços para a promoção, proteção e recuperação. A Psicologia repudia essa fala pois tem certeza que não só os psicólogos, mas os próprios médicos não concordam com uma posição retrógrada e limitada como esta.

Arthur Gouveia, assessoria de Comunicação Conselho Federal de Psicologia ascom4@cfp.org.br

São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.