Fórum dos Leitores

PRIVATIZAÇÕES

O Estado de S.Paulo

24 Fevereiro 2012 | 03h08

Desestatizar é preciso

Após ter experimentado o gostinho da privatização (concessão) dos aeroportos, é chegada a vez das esburacadas e abandonadas estradas federais. Nunca é tarde, sra. presidenta, para reconhecer que conceder e ou privatizar ainda é a melhor alternativa para reduzir a incompetência e a corrupção. Não será a solução mais barata para o povo, mas é a solução.

JOÃO BATISTA PIOVAN

jb@reunidaspiovan.com.br

Osasco

*

Aeroportos

Como todo governo, este também vende, concede, privatiza (podem dar-lhe qualquer nome), mas quem paga a conta, mais uma vez, somos nós, via BNDES! Claro que não é a conta toda, somente 80%. Esses consórcios "vencedores" não conseguem empréstimos lá fora? Por quê? A preocupação que fica é que, com todos esses bilhões, haja ministros para desviar, ou melhor, destinar a ONGs ou a seus redutos. Que Deus nos ajude!

FERNANDO CHAGAS PEDROSA

fchagasp@gmail.com

São Paulo

*

Farra da Copa

No leilão de privatização os lances foram até 675% superiores ao mínimo esperado e a administração dos maiores aeroportos brasileiros foi concedida a grupos com pouca experiência no setor, com participação do sócio "administrador de aeroportos" minoritária, quase simbólica. Dou um doce a quem explicar os critérios de avaliação e capacitação utilizados pelo governo federal.

MAURO ANTÔNIO ROCHA

mauroantoniorocha@gmail.com

São Paulo

*

Malfeitos

Dentre os "malfeitos" do governo Dilma Rousseff, um dos mais evidentes e nefastos para o Brasil é a forma de privatização dos aeroportos, que o PT teima em chamar concessão, como se não fosse tudo a mesma coisa. Em seu excelente, claro e inteligente artigo Mitos e equívocos (23/2, A2), José Serra desmascara tais privatizações e mostra como serão danosas para os cofres públicos, evidenciando também que há muitas outras privatizações já feitas pelo governo petista, como nas áreas do petróleo, das estradas federais (que se mostraram ineficazes e pouco inteligentes), sem mencionar a avalanche de correligionários distribuídos por todas as instâncias governamentais. Onde estão os críticos contumazes das privatizações na era FHC? Por que não vêm agora defender as do PT e mostrar com fatos e números as vantagens destas? O que nos mostra o articulista quando entra nos detalhes desta privatização é que a possibilidade, logo, de mudanças de contratos, revisão para cima das tarifas e atrasos nas obras não será novidade.

MARIA TEREZA MURRAY

terezamurray@hotmail.com

São Paulo

*

Preocupante

É compreensível que cabeças estejam a ferver em Brasília, começando pela presidenta. A urgência na privatização dos aeroportos determinou resultados, se não temerários, muito preocupantes. Ágios elevados assumidos por empresas menores e fundos de pensão, efetivamente, dão o que pensar. Os fundos Previ (Banco do Brasil) e Funcep (Caixa) podem ter sido o esteio de credibilidade aparente do consórcio Invepar, que ficou com o de Guarulhos. De outra parte, as empresas Acsa (África do Sul) e Corporación América (Argentina), esta última conhecida por não honrar compromissos, têm envergadura insuficiente para a empreitada e justificam a elevação dos batimentos cardíacos de muita gente.

AMADEU R. GARRIDO DE PAULA

amadeugarridoadv@uol.com.br

São Paulo

*

Problemas à vista

A Invepar mal acabou de vencer o leilão dos aeroportos, as obras nem começaram e já fala em investir 15% menos que o previsto em Guarulhos. Ou seja, é bem provável que tenhamos problemas mais cedo que o esperado.

ANGELO TONELLI

angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

*

PODER JUDICIÁRIO

Transparência

A revolta de centenas de juízes paulistas quanto a pagamentos feitos de forma privilegiada, com preterições inconcebíveis, demonstra que transparência é fundamental num Poder que julga e faz cumprir as leis vigorantes. Não pode, pois, tergiversar ou escamotear dados em proteção a alguns de maior nomeada ou prestígio. Assim, nada mais justo que a determinação da eminente e estimada ministra Eliana Calmon quanto à transparência nos pagamentos efetivados pelos Tribunais de Justiça do País. Mas não é justo que a falta de transparência ponha a maioria da classe em confronto com a sociedade, mesmo porque ela é composta por operosos e competentes magistrados, que não merecem ser nivelados por baixo ou aquém de seus valores éticos, morais e profissionais.

JOSÉ CARLOS DE C. CARNEIRO

carneirojc@ig.com.br

Rio Claro

*

A legalidade imoral

Os magistrados reivindicam auxílio-moradia, por analogia com os legisladores. Em seguida, eles mesmo decidem a legalidade do pedido (sic). Como sou um dos 190 milhões de idiotas que pagam a conta, pergunto: onde está a moralidade dessa situação? Como podem os membros de um Poder se autoconceder um benefício? Continuando o privilégio, argumentam com a sobrecarga da função para justificar 60 dias de férias. Ora, se há tanto trabalho, por que vendê-las? Parece que Pandora abriu sua caixa no Brasil e, confirmando o mito, a esperança ficou dentro dela. Ah, a moral também.

HONYLDO R. PEREIRA PINTO

honyldo@gmail.com

Ribeirão Preto

*

MAURÍCIO CORRÊA

Homenagem

Gostaria de prestar uma justa e merecida homenagem a Maurício Corrêa, falecido durante o carnaval. Oriundo de família humilde do interior de Minas Gerais, Corrêa foi advogado em Brasília, como senador pelo Distrito Federal participou da Assembleia Nacional Constituinte em 1986, foi ministro da Justiça no governo de Itamar Franco e ainda presidiu o Supremo Tribunal Federal, dando importante contribuição à vida pública nacional, com presença marcante nos três Poderes da República. Maurício Corrêa sempre desempenhou suas funções imbuído de espírito público e republicano, algo raro na classe política brasileira. Por isso merece nossas sinceras homenagens.

RENATO KHAIR

renatokhair@uol.com.br

São Paulo

*

PRÁ LÁ DE IRRACIONAL

A Grécia, pequeno país da zona do euro, que nesses últimos anos foi governado por políticos que só promoveram orgias com os recursos públicos, está literalmente na UTI. Seu povo, também cúmplice da esbórnia, aproveitou tanto quanto pôde a farra que tinha hora para melancolicamente acabar... Agora, a cúpula do euro, liderada pela Alemanha, com uma mão dá um megadesconto sobre a dívida grega e, com a outra, submete a sociedade grega a uma tortura econômica e social.  Ou seja, corte nos salários, inclusive dos aposentados, aumento de impostos, etc., que como consequência elevaram brutalmente o desemprego a 21%. Nessas condições, como é que os empresários gregos, tendo à frente um sistema bancário quase falido, e um povo sem condições de renda para consumir vão propiciar ao governo uma arrecadação de impostos que supere as traumáticas necessidades?! Por essas e outras que temos de tirar o chapéu para os EUA, porque nos momentos de forte crise, como ocorreu em 2008, usando a racionalidade no mínimo esperada, tomaram     medidas para impulsionar a economia, injetando trilhões de dólares no mercado. E felizmente, depois de três anos esta receita começa a dar certo. E aos gregos só resta esperar que os seus filósofos, Platão, Sócrates e Aristóteles, que também eram grandes estudiosos sobre fábulas, ressuscitem para consolar seu povo...

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

*

GRÉCIA

A Grécia, há 2,5 mil anos, deu à humanidade a criação da democracia e da filosofia, entre outros legados. Agora, corremos o risco de um calote "à grega" na economia mundial. Zeus nos livre!

 

J. S. Decol decoljs@globo.com

São Paulo

*

130 BILHÕES DE EUROS PARA A GRÉCIA

Nem se a Grécia cobrar direitos autorais sobre os pensamentos de Platão a Grécia conseguirá pagar essa dívida.

Sergio S. de Oliveira ssoliveira@netsite.com.br

Monte Santo de Minas (MG)

*

SUFOCO GREGO

A Grécia, que foi o berço da democracia, teria que ter também uma democracia econômica, pois está numa situação muito difícil. O povo grego está sendo sufocado pela troica (União Europeia, Fundo Monetário Internacional e Banco Central Europeu). Apesar do empréstimo oferecido de 130 milhões de euros à Grécia, ela não vai administrá-los, mas sim a troica, e virão aos poucos. Os gregos vão ter seus salários e aposentadorias diminuídos, o que irá refletir-se nas atitudes de um povo que na antiguidade representou o melhor da civilização Ocidental. E provavelmente haverá uma queda drástica no turismo, sua maior fonte de renda. Ao invés de pressionarem tanto a Grécia e o seu povo já humilhado, deveriam fazer o empréstimo a longo prazo e com juros baixíssimos. Caso contrário, a Grécia não conseguirá se desenvolver e pagar sua dívida. Em outras ocasiões, já foi lembrado que a Europa, principalmente a França, levou embora muitas relíquias clássicas, que estão espalhadas pelos museus europeus ou em casas ricas. O valor atual dessas relíquias é bem alto, daria até para abater uma parte da dívida grega. Na verdade, repete-se a dominação econômica de um povo que irá refletir-se em sua política e sociedade. Essa é uma das razões pelas quais a Grécia está reticente a esse empréstimo e suas condições.

 

Lenir Novaes Olyntho lenir.olyntho@hotmail.com

São Paulo

*

GRÉCIA TUTELADA

A Europa ensaia evoluções, mas acaba voltando às velhas fórmulas. 1.200 anos depois de Carlos Magno, o Sacro Império Franco Germânico vai tomando forma novamente, a Grécia, que acaba de perder sua soberania, é a primeira província.

Luiz Henrique Penchiari lpenchiari@gmail.com

Vinhedo

*

CALOTE

Quem vai contabilizar esse calote?

Antonio C. F. Rainho caipiramoderno@ibest.com.br

São Paulo

*

A DECADÊNCIA NO VELHO MUNDO

 

A Grécia, berço da democracia, está de joelhos e acuada, com o governo, os políticos aliados e o parlamento comprometidos, de papel passado, a cumprir as imposições da troica – a União Européia, o Banco Central Europeu (BCE) e o Fundo Monetário Internacional (FMI). A Grécia entrou em recessão há pelo menos cinco anos e sua economia tem piorado seguidamente. Para salvar o país da falência, está a espera de um empréstimo bilionário de nada menos de R$ 293 bilhões de reais para tirar o país milenar da banca rota, da falência hoje já quase inevitável pelo tamanho de sua divida para com outros países europeus da zona do EURO e do FMI. A dívida grega com os bancos credores é nada menos que 159% do "PIB" Produto Interno Bruto. Outros países que estão na rota de colisão da crise européia são a Inglaterra, Itália, Espanha e Portugal, principalmente agora que o Irã resolveu cortar a venda de petróleo para alguns países em retaliação as sanções da união européia a Teerã por seu programa nuclear. Nas ruas das principais cidades gregas milhares de manifestantes tem protestado contra o novo aperto de cintos prometido pelo governo de Atenas com corte do funcionalismo público e redução nas aposentadorias, em troca da nova ajuda financeira e do perdão de 50% ou mais da dívida com os bancos. Basta saber se a rodada de sacrifícios ira solucionar o problema? Provavelmente, não. Esta estatística de outubro último, apontava que o índice de desemprego na Grécia era de 19,2% o que deve ter aumentado ainda mais de lá para cá. A revolta contra a promessa de mais sacrifício é tão compreensível quanto inevitável, no entanto, a mera projeção do severo programa de ajuste seria uma resposta absolutamente irrealista. No último trimestre do ano passado, o produto interno bruto (PIB) foi 7% menos que o de um ano antes. Um verdadeiro banho de água fria, piorando ainda mais a crise. O novo cálculo da agência Bloomberg aponta uma retração de 6,8% em 2011. Seja qual for o novo número oficial, será com certeza pior que o previsto anteriormente. A medida dos sacrifícios também será mais dramática. Esse é só o primeiro aviso ao mundo globalizado. O que não é capaz de fazer na economia de um país uma má gestão governista? 

 

Turíbio Liberatto Gasparetto turibioliberatto@hotmail.com

São Caetano do Sul

*

DE FHC PARA LULA

 “Negócios e oportunidades perenes” – dizia o governo populista grego, que a Olimpíada de 2004 atrairia ao País. A corrupção granjeava em todos os Poderes, além de um assistencialismo absurdo que atraia os jovens, em especial da zona rural a uma empregabilidade no funcionalismo público nas maiores cidades, onde quando necessário um servidor, havia pelo menos dois. Esse fluxo ora se inverte em um dos mais dramáticos êxodos pós-segunda guerra. Tudo havia sido festa no início da década passada com a entrada na Comunidade Economia Europeia – zona do Euro; porém, com as contas nacionais apresentadas, e que autorizavam esse ingresso diz-se agora terem sido falsificadas. Na realidade não o foram, pois além de feitas e promulgadas a luz do entendimento dominante - “o liberalismo financeiro”, também foram aceitas pelos credores que ali se afortunavam no emprego de seus capitais especulativos. Essa é a hipócrita lógica dessa falsa bandeira imaginariamente pertencente às ciências econômicas. A ela o mercado resolve tudo; centra-se no discorrer do equilíbrio de contas, porém em uma “sua contabilidade” que é formada sem respeito a preceitos constitucionais e orçamentários nacionais. O chamado “liberalismo financeiro”, que jogou o mundo na atual crise, é também vulgarmente denominado por neoliberalismo e foi trazido ao Brasil com pompas e circunstâncias por FHC e mantido sobejamente pelo lulopetismo fisiológico; e a este sobejamente se adaptou e serve. Sintetiza-se na imposição de regras, e até legislação acerca de uma pretensa Justiça desenvolvimentista concernente ao estabelecimento de uma nova relação entre os cidadãos e os Poderes dos públicos - buscando contemplar e reparar contas públicas como primórdio básico nas obrigações da nação. Aqui, no Brasil todos os Poderes de uma forma ou outra são vassalos do Executivo (e clientelismo reinante), já na Grécia parte da autonomia ora se entrega aos credores externos como na época colonial das Américas. No país onde nasceu a democracia, as urnas se rendem ao capital especulativo. Essa excrescente posição, que não faz parte da Ciência Econômica – o neoliberalismo – é uma verdadeira libertinagem ao mínimo do que pode se definir, e sobrevive em seus mais perversos efeitos em Estados corruptos e com inoperantes Poderes Legislativo e Judiciário e que não protegem os interesses da nação. Déficits, ou a falácia destes, propagandeados por imaturos ou desatentos articulistas têm dado enorme oportunidade a negócios para os setores oportunistas, em especial os rentistas, através do que se convenciona classificar financiar a dívida pública, mantida a rigor por interesses escusos; ou ainda pactuar proteção comercial aos amigos da corte. Favorecimentos explícitos a setores por empréstimos subsidiados do Tesouro; incentivos e renúncias fiscais sem contrapartida à nação, e assim ainda se produz e concentra riqueza com o nunca a despeito de parcos indicadores contrários que classificam neste país que deixar de ser miserável basta obter renda familiar mensal acima de R$ 70,00 por individuo! Outros efeitos são sentidos como o processo de desindustrialização e tão apenas busca-se produzir resultados nacionais através das exportações de bens primários, regressando a um contexto civilizatório da prosperidade econômica já superado há décadas pelo Brasil. Enfim, a pretensa ideologia disfarça seus interesses, e é dominada por classes e setores que sob a “roupagem científica” se impõem sobre direitos constituídos dos cidadãos abusando e mentindo sob alguns pretextos máximos para tomar a si o controle de contas (sem participação ou até com anuência do Congresso); conquistando o pleno domínio na condução dos destinos e desatinos das aplicações dos recursos oriundos das sempre elevadas cargas tributárias. Este é o Brasil desde o fim dos anos 90.

Oswaldo Colombo Filho colomboconsult@gmail.com

São Paulo

*

CORTE NO ORÇAMENTO

O governo anunciou um corte de R$ 55 bilhões no orçamento para 2012 , e a saúde foi a pasta que apresentou a maior redução de gastos no orçamento, R$ 5,473 bilhões. Como a saúde é o setor que mais preocupa a sociedade brasileira, e que sempre necessita mais verba, será que essa redução não é uma estratégia do governo federal, para a volta da famigerada Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF)?

Edgard Gobbi edgardgobbi@gmail.com

Campinas

*

O CARNAVAL DELES

Manhã de carnaval, ao ligar a internet deparei com uma notícia triste e desagradável, vejam: Deputados, ministros e a presidente Dilma terão um aumento em seus vencimentos a partir de 1/3/2012 de 149,5%. Pode? Enquanto nós, aposentados, tivemos que contentar com os míseros 6,08%, justificados pelo corte do Orçamento. O que os caros leitores acham? É traição, ou eles precisam mais que os pobres aposentados, discriminados com seus vencimentos super achatados, que perderam por culpa do governo a normal qualidade de vida? Enquanto os foliões pulam nos salões, eles saltam nas reuniões.

Antonio Carniato Filho antoniocarniato@gmail.com

Santa Rita do Passa Quatro

*

CORTE SUPREMO

O governo mostra surpreendente criatividade após 512 anos, ao cortar R$55 bilhões do Orçamento. As áreas mais afetadas? Surpresa! Saúde e Educação. Povo com saúde precária e sempre mal instruído não enche o saco, não é mesmo? A Terra de Santa Cruz mostra sua vocação para líder do Terceiro Mundo. Votar nisso que está aí, só bebendo.

Flavio Marcus Juliano opegapulhas@terra.com.br

São Paulo

*

NÃO FAZ SENTIDO

Se este governo estivesse preocupado com o povo brasileiro, certamente cortaria os financiamentos ao Porto de Mariel, em Cuba, cortaria os financiamentos à Venezuela e ao Equador, cortaria ajuda aos paraguaios e bolivianos, cortaria as verbas ao MST e às ONGs, que nadam em dinheiro público. Entretanto, cortaram a nossa espinha dorsal: R$ 5.5 bilhões para a Educação e Saúde! Estamos fritos!

 

Alberto Nunes albertonunes77@hotmail.com

Itapevi

*

HUGO CHÁVEZ

A justiça tarda mas não falha, e a justiça divina é infalível. Hugo Chávez vai ser operado de novo. A vida é dura para quem dá mole, ou trata os outros como vermes ou nada. Chávez nunca foi democrata e só prejudicou o povo venezuelano, mesmo fazendo média com o povão. Espero que nas próximas eleições ele deixe da vida política e a Venezuela progredir e se tornar uma verdadeira democracia, pois os déspotas na América Latina já acabaram quase todos...

Mustafa Baruki mustafa-baruki@bol.com.br

Belo Horizonte

*

ELEIÇÕES NA VENEZUELA

Alguém precisa vencer na Venezuela. Ou a doença ou a oposição.

 

José Piacsek Neto bubapiacsek@yahoo.com.br

Avanhandava

*

O BRASIL QUE SE CUIDE!

 

A propósito do editorial Um sinal de alerta (22/2, A3) não seria impróprio dizer que o Equador, hoje, é uma ditadura, porque na democracia há que prevalecer sempre o princípio dos “checks  and balances” – o equilíbrio entre os 3 poderes  da república, coisa que já não há mais no país vizinho. Quando todos os poderes da nação são exercidos,  de fato, pela mesma pessoa há uma ditadura de fato.  É o que acontece há 53 anos em Cuba.  É o que se dá na Venezuela de Hugo Chávez.  Num ambiente assim, em que não há imparcialidade nem mesmo do Poder Judiciário, que é subjugado pelo soberano, periódico algum sentir-se-á seguro para  tecer críticas a quem quer que seja, sob as penas da "lei". Nossas instituições, ao revés dos países citados,  são mais fortes,  resilientes;  têm mais “anticorpos” contra aventuras  autoritárias, e só por isso o PT (que bebe na mesma fonte de Chávez & Correa)  ainda não logrou fazer aqui o que seus camaradas  já fizeram lá. A "lição de casa" ali  já está feita...  Aqui, é tudo  questão de tempo.  Nenhuma das bandeiras históricas (socialistas) do PT  foi arquivada. Nenhuma!  Quando muito, estão ‘hibernando’, aguardando o momento estratégico de serem desenroladas e desfraldadas.  Uma delas – que volta e meia brandem –  é a do tal “controle social” da mídia, que agora, estrategicamente,  passaram a chamar de “democratização dos meios de comunicação”.  Muitos podem ser contra a palavra “controle”, mas quem seria contra a “democratização”, não é mesmo ? A idéia é dar uma "embalagem" interessante à censura – pura e simples! – dos meios de comunicação, que é o seu real objetivo. O editorial citado tratou com muita propriedade  do tema, exibindo um Equador intimidado, ajoelhado, e sua imprensa amordaçada, sem poder falar um “a” de crítica ao tirano. Pior para eles, e o Brasil que se cuide!

 

Silvio Natal silvionatal49@yahoo.com.br

São Paulo

*

‘UM SINAL DE ALERTA’

Por não esquecermos do projeto da "Lei da Mordaça", em banho-maria no Palácio do Planalto, arrepia-nos a notícia de que a Corte Nacional de Justiça do Equador, aparelhada de amigos do presidente Rafael Correa, condenou jornalista e proprietários do altivo El Universo. Correa, aprendiz do tirano Chávez, passa a gabar-se da sua oferta de "jurisprudência bolivariana" aos colegas da América Latina e até da terra de Rui Barbosa, com a vigente intimidade dos Poderes Executivo e Judiciário da República popular da banana e do carnaval.   

Ney de Araripe Sucupira ney.sucupira@uol.com.br

São Paulo

*

COMISSÃO DA VERDADE

Criada pelo governo do PT, talvez para mascarar seus desmandos, suas maracutaias, surge com uma mentira inicial esta tal comissão, nela os militares não farão parte, o que começa errado naturalmente termina errado, por outro lado a ministra de tenra idade Maria do Rosário, diz textualmente que a constituição não será respeitada no que apregoa a Lei da Anistia, tal lei apenas serviu para dar visto de entrada aos camaradas, que fizeram de tudo para acabar com nossa Democracia, seus desejos eram transformar aqui numa Cuba,país onde se cultuavam, hoje contam outras histórias, "Barbaramente Torturado" quando sequer possuem um arranhãozinho, mas que vale uma indenização gordíssima, quem poderia lembrar e mostrar ao povo estas verdades, se calam, está nos jornais arquivados, nosso país virou bagunça, numa apuração de carnaval incendiaram e destruíram  patrimônio público e privado, coisas que o MST tem feito por anos e nada lhes acontece,  falta de respeito às instituições, já imaginaram perdermos uma copa do mundo aqui, e para inimigos nosso futebol ? a improbidade administrativa campeia, roubos, desvios são descobertos por ação da briosa imprensa e nada acontece, os tribunais deixam caducar de propósito, pessoas ocupantes de cargos jurídicos enriquecem desbragadamente e ninguém muda nada, este é o Brasil plantado e orientado por inescrupulosos, sedentos do poder e de riquezas, e ao contrário do esquecimento, ficam é mais famosos, uma nova ministra favorável ao aborto sumário dá as cartas agora neste contexto, portanto dona Dilma, se criastes uma comissão da Verdade, dê ar de legalidade a ela, escolha realmente pessoas probas e desinteressadas, sob pena de escondermos as ações nefastas de quem deu motivos para o estado atender a um chamamento do povo e tomar o poder, por conta dela cometeram-se atos deploráveis, falar o contrário é mentir demais." Tudo que possa denegrir a imagem dos militares será de conhecimento público, tudo que possa denegrir a imagem dos terroristas será devidamente censurado" eis o lema apregoado pelas pessoas ligadas neste assunto, e tome indenizações, no Chile, o maior valor pago a qualquer reclamante é 50mil, aqui milhares, afinal o estado recebe tantos impostos que dá, e nós financiamos.

Julio Jose de Melo julinho1952@hotmail.com

Sete Lagoas (MG)

*

NO REINO DA TOGA

Na matéria publicada no dia 22/2/2012 (A10), No reino da toga, juízes veem trapaça, ficou mais claro o que já se sabia, a "banda limpa", maioria absoluta do Tribunal de Justiça de São Paulo, exige a punição imediata e exemplar da "banda podre", também

conhecida como a "turma do milhão". O Poder Judiciário deve ser o elo mais forte de uma democracia, punindo todo desvio de conduta e principalmente, defendendo os direitos da maioria. E evidentemente, obtendo remuneração compatível com sua imensa responsabilidade. Exercer práticas de privilégios a apaniguados, como fazem outros setores da administração pública, é colocar nossos ilustres magistrados no mesmo patamar de muitos políticos, algo inconcebível para a maioria daqueles que vestem honradamente sua toga. Ficha Limpa para os juízes também. O apoio popular está garantido!

 

Mário Issa drmarioissa@yahoo.com.br

São Paulo

*

JUÍZES ‘SEM NOÇÃO’

Excelente os comentários de Carlos Alberto Sardenberg (Estadão, 20/2/12, B2) sobre nossos juízes. É uma desfaçatez que alguns magistrados (sem noção, sim!), do alto dos seus estratosféricos salários e benesses – que, embora legais, são imorais face à realidade de carências do País - ao invés de ficar tentando justificar o injustificável, deveriam se preocupar em trabalhar mais e melhor, haja vista a letargia predominante na maior parte do Judiciário, que não raro leva anos ou mesmo décadas para deliberar decisões (vide exemplo da censura ao Estadão, cuja revogação parece dormir há mais de 2,5 anos em alguma gaveta do Judiciário).

Paulo Ribeiro de Carvalho Jr. paulorcc@uol.com.br

São Paulo

*

QUEM SERÁ MELHOR?

Diante dos fatos reais levantados pela ministra Eliana Calmon do CNJ sobre os "bandidos de toga" e recentemente pela Juíza Milena Dias que conduziu o julgamento do caso Lindemberg, nos dá a impressão que a toga está ficando bem melhor com as representantes do sexo feminino do poder Judiciário do que do sexo masculino. Afinal a toga está ficando melhor para as mulheres, tendo em vista que poucos estão dando o seu devido valor e respeito ao que ela representa. Estamos vendo "uma luz no fim do túnel" para o Judiciário dos últimos anos, que se mesclou com o Executivo e Legislativo nas inúmeras ilicitudes que passaram a ser rotineiras. Precisamos nos orgulhar do Judiciário, quem será melhor?

 

Maria Teresa Amaral mteresa0409@estadao.com.br

São Paulo

*

‘O SENTIDO DE UMA SENTENÇA’

Sobre o editorial de 22/2 (A3), é pura ingenuidade acreditar que Lula foi pego "desprevenido" quando o mensalão veio à tona. José Dirceu arcou com os prejuízos aceitando passivamente a cassação. Blindou Lula, que "nunca soube de nada". Por enquanto só Marcos Valério, que ganhou muito dinheiro com o esquema, está suportando processos e mais processos e, mesmo assim, "só para inglês ver". Sabemos que será condenado em todas as instâncias e sabemos também que não vai cumprir, na cadeia, pena alguma. Assim o Supremo Tribunal Federal deveria economizar tempo e dinheiro arquivando o processo. Seria melhor para o País que o Supremo usasse a Lei da Ficha Limpa contra os 36 remanescentes mais os mentores do esquema (Lula, Dirceu, etc.). Uma medida mais que saudável e oportuna para varrer da política esses fraudadores e usurpadores do dinheiro público. Poderíamos acreditar, então, que "o sentido de uma sentença" não será uma "sentença sem sentido”.

                                                                                                           

Antonio Carlos S. Lopes cytuba@uol.com.br

Caieiras

*

GANÂNCIA

Com o suporte jurídico, empresarial e até científico que Lula e seu partido PT teve até agora, o que seria o tal Antonio Conselheiro que quase se tornou um "Lula" no Brasil inteiro? Falta evidentemente a Lula, o que sobrava em Antonio Conselheiro, crença numa idéia, que para Lula só existe o proveito pessoal, que, contudo, dá sustentação a um partido, que sem Lula, sequer existe. Há espertalhões que manobram isso num partido de um "conselheiro" que sequer idéia de coisa alguma têm. Coisas que se podem entender de Lula, ainda que muitos neguem, é que Lula seja um fantoche marionete eleitoreiro de grandes espertalhões comunistas e coronelistas, que de fato assumiram o poder, através da const. 88. Mesmo que mero marionete, seus objetivos eleitoreiros e financeiros evidentemente estão sendo conseguidos, mesmo que isso seja apenas sua idéia de poder. É como um favelado que tirasse a mega-sena, pode ser que nem saiba o que fazer com a grana, mas que se torna milionário de um dia para outro, isso é real e verdadeiro! O mensalão foi apenas a ganância do urso no mel, acaba tendo diarréia, e pode até morrer, que é o que cada brasileiro de fato torce. Que essa gang tenha diarréia da ganância que redunde na sua própria morte, pois não faz falta para nação alguma.

 

Ariovaldo Batista arioba06@hotmail.com

São Bernardo do Campo

*

IRÃ E BRASIL, NEGOCIAÇÕES OPORTUNAS

Lula aproximou-se de modo precipitado do Irã, a ponto de sua tentativa negocial resultar em nenhuma receptividade do Ocidente. O tempo certo é um dos pontos mais sensíveis e importantes de qualquer negociação, pública ou privada, nacional ou internacional. Hoje, o governo americano exorta o governo de Dilma Rousseff a acionar sua diplomacia para negociar com o Irã, que se recusa a permitir inspeções em suas prováveis usinas nucleares, prontas para fins bélicos, ao contrário dos blefes que se verificaram no Iraque. Um confronto com o Irã seria desastroso, de modo que o Brasil, independentemente de rancor, deveria assumir esse importante papel em favor da paz planetária, no atual momento.

Amadeu R. Garrido de Paula amadeugarridoadv@uol.com.br

São Paulo

*

TENSÃO IRÃ-ISRAEL

Para sobreviver, ainda que sem aval de Lula, a única opção de Israel é dizimar imediatamente as instalações atômicas do Irã.

Roberto Twiaschor rtwiaschor@uol.com.br

São Paulo

*

LIVRES PARA MATAR

Uma menina de 3 anos, Grazielly Almeida, que nunca tinha ido a praia, estava em companhia da mãe, Cirleide Rodrigues de Lames, brincando na areia. Minutos antes o tio havia filmado a sua alegre entrada na água do mar pela primeira vez. Subitamente um máquina mortal chamada jet ski saiu velozmente de dentro da água e atingiu a menina em cheio na areia da praia. O piloto do bólido mortal era um garoto de 14 anos, que fugiu do local. Filho de família rica divertia-se em alta velocidade com o presente dado pelo pai. A impunidade estimula estes crimes. O dinheiro protege os assassinos maiores de idade e a justiça ampara os menores. Deveriam acabar com o movimento dos jet ski nas águas das praias ocupadas por banhistas. Mas o poder econômico dessas armas mortíferas é muito forte e muita gente inocente vai continuar a morrer por causa da selvageria e do sentimento de impunidade dos que pilotam esses bólidos. São todos milionários que estão se lixando pela morte do próximo, como a desta menina de 3 anos, que foi esmagada pelo bólido nas areias da praia de Guaratuba, em Bertioga,SP. O desprezo pela vida humana e a decadência ética e moral no Brasil é algo aterrorizante.

Wilson Gordon Parker wgparker@oi.com.br

Nova Friburgo (RJ)

*

ATITUDE COVARDE

Lamentável a atitude da família daquele garoto causador do infeliz acidente com a morte da garotinha em Bertioga. Acidentes podem acontecer mas a decisão da família de abandonar a cidade demonstra uma total falta de respeito inadmissível para uma família com um mínimo de senso principalmente numa situação como essa. Fui uma atitude covarde, totalmente injustificável.

Laert Pinto Barbosa laert_barbosa@ig.com.br

São Paulo

*

TUDO PRONTO

Os políticos folgaram, as periguetes mostraram, os pegadores pegaram e as escolas passaram. Tudo pronto para começar o ano...

Victor Germano Pereira victorgermano@uol.com.br

São Paulo

*

SINUCA DE BICO

Foi vergonhoso o desfecho do desfile das Escolas de Samba paulistas. Invasão, agressão, desrespeito às regras, enfim, tudo que não se devia fazer foi feito. Se os responsáveis pela organização resolveram passar a mão nas cabecinhas que armaram a confusão, o Carnaval paulista estará definitivamente desmoralizado. Se optarem pelas punições, que poderá até levar Escolas à expulsão da Liga, poderá haver mais violência. Carnaval houve em todos os Estados. As TVs mostraram as festas. Em nenhum lugar ocorreu a cafajestagem que ocorreu em São Paulo. Ou se tomam providencias duras ou a desmoralização será imensa. Somente uma punição exemplar colocará fim a qualquer outra tentativa como a que aconteceu. Quem vai colocar o guizo no pescoço da onça?

Odair Picciolli odairpicciolli@moradadoscolibris.com.br

Extrema (MG)

*

BRAVA GENTE BRASILEIRA

 

Claro! Ferido na sua dignidade o povo achou por bem por ponto final naquela maracutaia. Onde já se viu? Deixar a sua Escola de Samba ser lesada de forma tão aviltante? Povo bom esse! E que demonstração de coragem e ousadia.! E que tamanha prova de amor às suas cores e à sua bandeira! Ah! E se esse povo demonstrasse um patriotismo com igual grandeza diante dessa corrupção desenfreada, dessa roubalheira que desfila impune aos nossos olhos,dilapidando o patrimônio público, lesando essa brava gente brasileira, que para reclamar de jogador de futebol e de comissão julgadora de desfile carnavalesco é inigualável!  

 

Nei Silveira de Almeida neizao1@yahoo.com.br

Belo Horizonte

*

TORCEDORES ATACARAM NOVAMENTE

Os torcedores das escolas de samba de São Paulo propiciaram um triste espetáculo de vandalismo inacreditável, inclusive com a queima de um carro de alegoria estacionado na área reservada a eles. A confusão começou quando um energúmeno da torcida da Escola Camisa Verde, que já estava praticamente rebaixada, conseguiu galgar a mesa apuradora e destruir e roubar todas as notas dos jurados. Faltava então apurar apenas duas notas. E como faz parte do seu DNA, os torcedores da Gaviões da Fiel, abraçaram a estripulia e dominaram a bagunça geral chutando e arrebentado tudo que encontravam pelo caminho e partiram para invadir a Marginal do Tietê obrigando a Policia Militar acompanhá-los e interromper o trânsito, até que os baderneiros chegaram à sua quadra. Tudo isso acompanhados também pelas câmaras da TV Globo. Foi mais uma manifestação de incivilidade de uma torcida que desonra a tradição do Corinthians Paulista, time que aprendi a respeitar desde pequeno, nos áureos tempos de Gilmar, Baltazar e Cláudio Christovam de Pinho e tantos outros. Logicamente outros idiotas de outras escolas participaram desse absurdo, mas o que as câmaras da TV acompanharam foram os trogloditas da Gaviões. Também é obvio que a maioria dos torcedores do Corinthians e da Escola não age assim, mas a minoria acaba minando a tradição da fiel, que recebeu esse nome porque esperou pacientemente por 23 anos até o time ganhar novamente o título do Campeonato Paulista. Por outro lado a segurança do evento foi uma piada e uma festa magnífica foi literalmente para o lixo. Não pode ficar barato. Tem que haver punição e rigorosa.

Gilberto Pacini benetazzos@bol.com.br

São Paulo

*

DISPOSIÇÃO CARNAVALESCA

Se toda essa disposição e energia dos foliões brasileiros no carnaval fossem também usadas no estudo e trabalho, o Brasil séria hoje o número 1 no ranking mundial de desenvolvimento.

 

Valdy Callado valdypinto@hotmail.com

São Paulo

*

FALTA DE REGRAS

A Liga Independente das Escolas de Samba de São Paulo precisa urgentemente repensar sua forma de apuração dos votos que elege as melhores escolas no Carnaval.  Algumas medidas deverão ter tomadas a partir da violência e do vandalismo dos membros  de várias escolas. Depois de apurado o envolvimento das escolas, as sanções deveriam prever: suspensão por 5 anos  das escolas envolvidas no vergonhoso episódio mostrado ao mundo;    proibição de  doações em dinheiro;  exclusão das torcidas durante a apuração  e por fim, punição exemplar aos culpados. Somente dessa forma o Carnaval de São Paulo voltará a ter credibilidade e respeito.

Izabel Avallone izabelavallone@gmail.com

São Paulo

*

GAVIÕES DA FIEL E LULA

Nem a figura de Lula conseguiu disfarçar o desempenho ruim da escola Gaviões da Fiel durante o desfile para garantir-lhe a vitória que já era considerada fava contada . Mas a escola não foi prudente na escolha do tema...o resultado do lançamento do filme de Lula já deveria ter servido de alerta geral a todos. Aliás, essa história de homenagens em vida é o cúmulo do processo de mitificação e sujeito ao alto risco de  tudo dar errado. E deu.

Mara Montezuma Assaf montezuma.scriba@gmail.com

São Paulo

*

QUEM SABE EM 2013?

Não adiantou o samba de crioulo doido, misturando mentiras com mentiras, endeusando o apedeuta e homenageando-o apenas porque  lhes deu  uma arena (com o dinheiro do BNDES e ajuda de dois lamentáveis "governantes” que se diziam de oposição). Quem sabe no próximo ano, sem puxa-saquismo e com um samba mais real e um homenageado mais honesto (o que convenhamos, é muito mais fácil de achar e louvar)...

 

Renato Otto Ortlepp renatotto@hotmail.com

São Paulo

*

PLURAL DESAFINADO

Na marginal que atravessa São Paulo, os marginais atravessaram o samba.

A.Fernandes standyball@hotmail.com

São Paulo

*

VIOLÊNCIA CARNAVALESCA

Até quando as autoridades vão ficar omissas a essa crônica violência que impera no dia em que se apura os votos das escolas de samba? Será que limitar o acesso de pessoas por escola, ao local da apuração não seria uma medida boa? Teriam que ser banidas essas escolas atreladas a torcidas organizadas de clubes de futebol, pois todas elas sem exceção também provocam violência, e se retiradas dos desfiles, não farão nenhuma falta. Alguém precisa agir, pois festa e animação nada tem a ver com brigas e pancadarias. Isso é uma vergonha para São Paulo.

 

Ademar Monteiro de Moraes ammoraes57@hotmail.com

São Paulo

*

QUE VERGONHA!

Uma simples e comum apuração para confirmar a escola de samba ganhadora do carnaval paulista, se transforma numa batalha campal, violência, vandalismo e destruição generalizada. Só pode ser o reflexo da banalização da impunidade? Devido às leis que não punem ninguém, muito pelo contrário incentivam os infratores aos delitos. Ninguém respeita ninguém, os maus exemplos chegam das nossas "autoridades", o nosso país está virando uma "bagunça geral", as polícias desmoralizadas, a justiça desinteressada ou comprometida e o povo brasileiro ordeiro desamparado. Será que a homenagem prestada pela Gaviões da Fiel ao ex-presidente tenha sido o fato gerador ou estopim dos acontecimentos, será? Que vexame e vergonha!

 

Luiz Dias lfd.silva@bol.com.br

São Paulo

*

IMPUNIDADE

Só acontece porque nada acontece, impunidade. Quem faz o que fizeram de invadir a marginal, sair quebrando tudo é o fim, a TV gravou tudo, todos deveriam ser presos e pagar pelo prejuízo. O que esperar deste tipo de  "pessoa"? Absurdo. Deveriam excluir as torcidas (TODAS), ou suspender o desfile por 10 anos.

 

Marcelo de Moura mdemoura@globo.com

São Paulo

*

CARNAVAL É ALEGRIA

Carnaval é tempo de alegria! Sim. De uma alegria muitas vezes contida, que esperou um longo período para manifestar-se. Então, expande-se com todo o desregramento que julga ter direito. No litoral, os carros não desfilam alegorias ou fantasias, mas a potência de seus auto-falantes para fazer tocar os funks e assemelhados madrugada afora, olvidando-se daquele velho preceito que reza que seu direito termina onde começa o do outro.

- Mas é carnaval, seu careta! Deixa o povo se divertir! Deixa ele mostrar a potência do som que vale mais do que o carro! Esse é o momento da sua alegria! Bom, já na passarela, aí sim, o carnaval é lindo: os sambas-enredo, os carros alegóricos deslumbrantes, as belas fantasias... Não importa se o folião economizou o ano inteiro para participar do mega evento com aquela fantasia. O resto do ano ele comeu seu arroz com feijão, mas no carnaval ele desfruta dessa alegria. E assim, nesses quatro dias de carnaval o folião brasileiro vibra com alegria. Os outros 361 dias do ano ele trabalha para pagar as contas. - Mas, e daí? Isso é a expressão da vontade e liberdade de cada um fazer como bem entende! É verdade... é como na democracia. Se temos tantos políticos corruptos no poder, é porque o povo os elegeu. O mesmo povo que se satisfaz com pão e circo, que se contenta com uma saúde pública precária, um transporte público ineficiente, mas aplaude a construção de um estádio de futebol do seu time do coração com dinheiro público... Se tiver carnaval e futebol, o povo tem alegria. Tudo se resume num direito de escolha. Viva o Carnaval!

 

Reinaldo Ferreira Mota Jr. rei_jr@estadao.com.br

Praia Grande

*

ATENTADO AO BEM PÚBLICO E À EDUCAÇÃO

Uma verdadeira quadrilha contra a qualidade da educação e atentado ao bem público composta por Sérgio Cabral (RJ), Antonio Anastásia (MG) Cid Gomes (CE), Renato Casagrande (ES) e o inimigo número 1 da Bahia, governador Jaques Wagner pediram ao presidente da Câmara, deputado Marco Maia (PT), para colocar em votação o projeto que reduz o piso nacional dos professores, uma luta histórica da categoria. Aprovado em 2008, a Lei 11.738, além de criar um piso nacional para os docentes da rede pública, também determinou que 1/3 da carga horária fosse cumprida fora da sala de aula em atividades de preparação, planejamento individual e coletivo etc. Desde o seu início, a Lei tem enfrentado a resistência de muitos governos estaduais. Cinco estados brasileiros (RS, SC, PR, MT e MS), já questionaram a constitucionalidade junto ao Supremo Tribunal Federal. O julgamento terminou empatado e, em 2011, a ação foi declarada improcedente e a Lei do piso e da jornada de trabalho foi mantida. A polêmica agora está posta em relação ao reajuste do valor do piso nacional. O parágrafo único do Artigo 5º prevê que o reajuste dos professores siga o mesmo percentual de crescimento do valor anual mínimo por aluno referente aos anos iniciais do ensino fundamental urbano, definido nacionalmente segundo os critérios do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (FUNDEB). Desta forma, o piso nacional deveria ser reajustado em 22%. Mas os governadores fluminense, mineiro, capixaba, cearense e baiano pressionam para que, na Câmara, este fator seja substituído pela variação do Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), que reduziria para o percentual de 6% a correção dos salários dos mais de 2 milhões de profissionais que atuam apenas na Educação Básica. Tal medida, além de representar uma total falta de respeito à essa importante categoria de profissionais que, através de seu trabalho, busca melhorar os péssimos índices brasileiros de desenvolvimento humano, agravaria ainda mais a calamitosa situação referente à atração e manutenção na carreira docente. A realidade é que ninguém mais quer ser professor e que os poucos que se tornam docente permanecem apenas, em média, cinco anos na carreira, migrando para outras atividades mais lucrativas e menos trabalhosas. Os que resistem além dos cinco anos de carreira, devido às condições precárias de trabalho, aumentam a triste estatística de uma das profissões que mais acomete adoecimentos no Brasil. O problema se agrava e é certo que mais de 200 mil funções docentes estão desocupadas. Reduzir, portanto, as possibilidades de ganhos mais justos para os professores é declarar a falência da educação pública brasileira que já vem sendo frontalmente violentada pelas ações irresponsáveis dos governadores e prefeitos brasileiros. É possível citarmos alguns exemplos dessa violência: em Minas Gerais o Tribunal de Contas da União constatou que o Estado não aplica nas escolas o que manda a Constituição; no Ceará o governador Cid Gomes colocou a polícia na rua contra os professores; em São Paulo, apesar da medida judicial, o estado ainda não cumpre as 14 horas (1/3 da carga horária total de 40 horas)  fora da classe em horas de trabalho pedagógico coletivo e/ou em local livre, alegando que precisaria contratar de uma única vez mais de 50 mil professores, o que não é verdade. Na Bahia, o governo do estado decidiu contratar recentemente centenas de pessoas sem a formação para assumir a função docente, ignorando todos os estudos mundiais que têm atrelado a qualidade do ensino também à formação docente. Dos partidos reacionários, personalistas e de matriz neoliberal até podemos esperar medidas contrárias aos interesses públicos como essas. Mas o que dizer quando se trata de um partido cuja bandeira carregava a cor e a estrela do socialismo? È lamentável, portanto, que o governador da Bahia, Jaques Wagner, contradiga com suas ações tudo aquilo pelo o que o Partido dos Trabalhadores outrora propagou lutar. O governo neocarlista do Partido dos Trabalhadores na Bahia, perdido em episódios envolvendo o funcionalismo público (como desrespeito e desvalorização dos profissionais da saúde, com o corte no Planserv, o não pagamento da URV e a recente greve na Polícia Militar), ao solicitar a redução do percentual de reajuste para o piso salarial nacional para os professores, atenta mais uma vez contra o bem publico e a educação brasileira. Resta mobilizar toda a categoria de profissionais da educação básica (Educação infantil, ensinos fundamental e médio) até a educação superior para que, em março, ocupe as ruas, as Assembléias, os meios de comunicação e diga aos governantes brasileiros que não se faz um país sem educação. Que é inconcebível a um país com a 6ª economia mundial manter índices absurdos de baixa qualidade educacional. Ou será que queremos ser um país rico, porém não civilizado? Esperamos que a presidente da República, Dilma Rousseff, condene a forma como os governadores reivindicam os piores salários para os professores brasileiros. E que a Justiça baiana, e de outros estados (que insistentemente concede liminares decretando a ilegalidade das greves e determinando a suspensão dos movimentos reivindicatórios dos trabalhadores), deveria também expedir mandados de prisão contra governantes públicos que, unidos, formam o que poderíamos denominar como uma verdadeira quadrilha que atenta contra o bem público e a educação. Por reivindicar seus direitos, os trabalhadores não podem ser presos, nem condenados, mas, agora, por atos ilícitos, por crimes contra o interesse e bem públicos, governadores e prefeitos não devem ser reeleitos.

Reginaldo de Souza Silva, professor do Departamento de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia reginaldoprof@yahoo.com.br

Salvador

*

MERITOCRACIA EM SÃO PAULO

Sou contra as manobras do PT, bem como ao fato de a Apeoesp "andar de braços dados" com este partido, em vez de defender de fato nossa categoria. Mas por que o governador Geraldo Alckmin, em vez de dar bônus de acordo com os resultados, não cumpre logo a Lei do Piso? Não seria mais fácil além de dar um bom exemplo?

Wílton Ferreira, professor catetohipotenusa@gmail.com

São Paulo

*

‘BBB 12’

Gostaria de manifestar meu repúdio a uma fala de Pedro Bial na edição do programa de terça-feira. Nosso caro apresentador ironizou a abstinência de carne praticada pelos católicos em dias santos da quaresma. Chamou-os de "fundamentalistas de plantão". Será que ele, um jornalista tão "culto" não sabe o que não é fundamentalismo? Porque que ele não sabe nada dos dogmas católicos já é evidente. Sou católico e pela segunda vez fiz abstinência de carne por toda a quaresma e isso tem para mim um significado pleno dentro da minha fé. Mas não posso admitir que um apresentador de um programa que está cada vez pior, cada vez apelando mais para o sexismo, em véspera de quarta-feira de Cinzas, fale uma bobagem dessas.

Fábio Coutinho Silva fabioestiva81@gmail.com

São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.