Fórum dos Leitores

ELEIÇÃO MUNICIPAL

O Estado de S.Paulo

28 Fevereiro 2012 | 03h07

Prévias no PSDB

Finalmente José Serra (PSDB) optou por ser candidato a prefeito de São Paulo. As prévias tucanas não foram adiadas porque dois dos quatro pré-candidatos, José Aníbal e Ricardo Trípoli, vão permanecer na liça e Serra vai ter de disputar com eles. Faço uma pergunta: se, eventualmente, Serra for derrotado, como ficará a situação no PSDB?

OLYMPIO F. A. CINTRA NETTO

ofacnt@yahoo.com.br

São Paulo

*

O bom combate

Andrea Matarazzo (pré-candidato tucano que abriu mão do seu pleito em favor de José Serra) foi muito feliz ao destacar: "O nosso adversário é o PT. É ele que temos de enfrentar para evitar que cumpra o seu projeto nacional de devastar as instituições públicas". Deixou, assim, claro que os tucanos e demais oposicionistas devem combater a praga petista e abrir mão de suas vaidades pessoais! Um homem público deve ter em mente que o seu objetivo é servir ao Estado de forma íntegra, honesta e eficiente.

FERNANDO FANECO

fernando.faneco@uol.com.br

São Paulo

*

Compromisso

José Serra terá de mergulhar fundo na campanha eleitoral, mas, sobretudo, terá de ser uma exímio prefeito e em nenhuma hipótese deixar a Prefeitura para concorrer a qualquer outro cargo, sob pena de transformar o PSDB num monte de penas queimadas.

FRANCISCO XAVIER FERNANDEZ

fcoxav@gmail.com

São Paulo

*

Vice de Serra

Entendo que o prefeito Gilberto Kassab deva favores ao PT, mas daí a indicar o "viajandão" Eduardo Jorge para ser vice-prefeito de São Paulo na chapa de José Serra passa a ser mais absurdo que a própria direção da Secretaria Municipal do Verde e do Meio ambiente por esse cidadão!

TEODORO EGGERS NETO

teoeggers@terra.com.br

São Paulo

*

Perda total

Simplesmente patético, irracional e antiético o sr. Jilmar Tatto chamar São Paulo de "centro das forças atrasadas, retrógradas, de direita" (27/2, A6)). "Temos de nos unir do lado de cá e procurar o PMDB", disse ele. Lamentável, meus pêsames. PT = Perda Total.

PEDRO GOULART

p.goulart@bol.com.br

São José do Rio Preto

*

Sem chance

A esperança que Fernando Haddad tinha de ganhar a eleição para a Prefeitura de São Paulo acaba de morrer, na medida em que José Serra entrou no páreo. Ainda bem!

JOSÉ MARQUES

seuqram.esoj@bol.com.br

São Paulo

*

PETROBRÁS

 

Aumento de preços

Vem aí um aumento nos preços dos combustíveis, segundo a nova presidente da Petrobrás, Maria das Graças Foster. Porém, seguindo a política de eufemismo do PT, não haverá aumento dos preços, apenas uma adequação. O PT não privatiza, faz concessões; não aumenta preços, faz adequação! E o povo...

JOSÉ MILTON GALINDO

galindo52@hotmail.com

Eldorado

*

ANTÁRTIDA

Incêndio na base brasileira

As normas de segurança brasileiras não permitem que casas de máquinas com depósitos de combustíveis sejam instaladas no mesmo corpo de áreas de uso comunitário. Para nós, cidadãos comuns, um simples bujão de gás deve ser instalado dentro das normas para se obter um alvará de funcionamento. Entretanto, a fina-flor de nossa "inteligência científica", civil e militar, passou por cima dessas normas básicas, causando um terrível acidente, com irreparáveis perdas humanas e científicas. Incompetência ou arrogância? Em qualquer caso, é muito triste.

LUIGI PETTI

mariahel@uol.com.br

São Paulo

*

Investimento e prioridades

O investimento na Antártida é o menor nos últimos sete anos. Surpresa? Que mais esperar de um governo que nunca deu prioridade como deveria à ciência, à tecnologia, à educação e à saúde? De um governo que combate, desmonta e desestimula suas próprias Forças Armadas? Junte-se a isso o fato de a base na Antártida ser gerida por militares da Marinha de Guerra, além dos idealistas e abnegados cientistas. Será que algum dos ministros - da Defesa, da Ciência e Tecnologia, da Educação - alguma vez pôs os pés sobre o gelo austral? Ou houve alguém que lá foi somente para passear e ver pinguins? E à custa dos pagantes de impostos?! Onde estão nossos caças, nossos novos navios, nossas armas para patrulhar nossas fronteiras, constantemente transpostas por terroristas e traficantes? Se transportássemos este quadro para uma entidade privada, não sobraria ninguém, começando pelo CEO, passando por diretores, gerentes, etc. A Argentina já tem cinco Prêmios Nobel; a Índia, nove; o Paquistão, três! E nós? Nós passamos vergonha.

ENNIO REZENDE

enniocr@uol.com.br

Cotia

*

Tragédia no gelo

O que podemos deduzir diante dos fatos é que o governo federal pouca atenção deu e dá a tais missões científicas. Para ele, é assunto secundário, em confronto com os demais países, e reage da única maneira em que tem competência: com promessas, como a de que vai recuperar a estação na Antártida em dois anos. Alguém acredita, uma vez que a manutenção foi deficitária? Firulas... Firulas para engambelar os integrantes da equipe. Obviamente, não foi cumprido o orçamento destinado, como não cumpre no caso da saúde, da educação e de outros segmentos, pois a corrupção leva toda a verba do erário. Até quando este povo vai permanecer na ignorância e na cegueira?

JOÃO ROBERTO GULLINO

jrgullino@oi.com.br

Petrópolis (RJ)

*

Chamem os japoneses

Quando do tsunami, os japoneses reconstruíram estradas, cidades, instalações e muitas outras coisas em menos de 60 dias. Vá lá que a estação brasileira esteja em local de difícil acesso, mas dois anos é tempo demais!

ODAIR PICCIOLLI

odairpicciolli@moradadoscolibris.com.br

Extrema (MG)

*

EXPLOSÃO NA ANTÁRTIDA

Apesar de não serem conhecidos ainda os detalhes do incêndio, com vítimas, ocorrido na Base Comandante Ferraz, na Antártica, chama atenção a informação de que o crescimento desordenado da base brasileira teria sido a causa do acidente. "Crescimento desordenado" é uma situação bem conhecida por nós, brasileiros, quando lamentamos desastres criados por enchentes e deslizamentos nas várias regiões do País. É nesse momento que surgem os sinais de fracassos das políticas públicas destinadas a prevenir desastres e os escândalos de corrupção na manipulação de verbas. É evidente que, no caso da Base na Antártica, parece que ela poderia ser menor, conforme avaliado pelo professor Jefferson Cardia Simões, da UFRGS, uma das maiores autoridades brasileiras em continente antártico, que acentua ainda a necessidade de o governo reavaliar o seu porte, o que será fundamental para garantir o futuro do projeto. Sem medo de errar muito, pode-se concluir que o desastre foi resultado de um inchaço desnecessário, aliado a restrições ou remanejamentos orçamentários.

Paulo Roberto Gotaç prgotac@hotmail.com

Rio de Janeiro

*

ESTÁ EXPLICADO

Morrem brasileiros nos corredores sujos e lotados dos hospitais; morrem brasileiros soterrados por deslizamentos de terra e inundações; morrem brasileiros na Antártica. O que há em comum entre estes três eventos? Falta e/ou redução de verbas e descaso de autoridades. E ainda temos de ouvir o ministro Marco Antonio Raupp, quando indagado sobre que nota daria (de zero a dez) à situação atual da ciência, tecnologia e inovação no Brasil, considerando-se os EUA, com nota 10, responder 7.

Luiz Nusbaum lnusbaum@uol.com.br

São Paulo

*

UMA BOA EXPLICAÇÃO

Conforme os primeiros relatos, o incêndio começou na casa de máquinas da base, local onde ficam os geradores de energia e 70% das instalações da estação foram destruídas, sendo que permaneceram intactos os módulos de refúgio, os laboratórios, os tanques de combustível e o heliporto. Aguarda-se uma boa explicação por parte do governo, de como um programa científico de custo tão elevado para os padrões brasileiros, não possuía uma brigada de incêndio ou um simples sistema Sprinkler de chuveiros automáticos em funcionamento e pôde ser quase que totalmente destruído em poucas horas. 

Victor Germano Pereira victorgermano@uol.com.br

São Paulo

*

A LÓGICA ALFABÉTICA

Depois de "Alcântara", Antártida! Por que não Brasília, na sequência? Pelo menos segue o alfabeto e, quem sabe, algo a comemorar!

José Jorge Ribeiro da Silva jjribeiros@yahoo.com.br

Campinas

*

CÍRCULO VICIOSO

O incêndio na Estação Comandante Ferraz deve ter provocado um pequeno derretimento da calota polar sul, o que provocará um pequeno aumento do nível do Oceano Pacífico, provocará uma pequena mudança de comportamento do El Niño, provocará um aumento das chuvas em território brasileiro, que provocarão mais enchentes na região sudoeste, exigindo do governo a liberação, em caráter de urgência, de verbas federais para socorrer populações ribeirinhas atingidas. Com isso, deputados, distraídos com desmoronamentos e mortes, recorrentes, não conseguirão aprovar emendas parlamentares para autorizar recursos necessários para a reconstrução da Estação Comandante Ferraz.

Sergio S. de Oliveira ssoliveira@netsite.com.br

Monte Santo de Minas (MG)

*

EXPLOSÃO E MORTES

Espero que a comoção pelas mortes de envolvidos (o Brasil adora poder se compadecer) não apague a questão de fundo: que postura ético-moral é essa, de esconder, de omitir, de mentir sobre o acidente trazido a público pelo Estado? Que não nos atenhamos ao anedótico da tragédia particular, isso é mera decorrência da tragicomédia que tomou de assalto o país e a mentalidade popular, na investida lulopetista para a qual mensalão é caixa 2, entre outros (a lista não caberia neste espaço). O Brasil terceiro-mundista-emergente tem muito a aprender: vergonha na cara e responsabilidade não se compra por crediário.

Marly N. Peres lexis@uol.com.br

São Paulo

*

PELA CIÊNCIA

Além da tragédia humana, o incêndio na Estação Antártida Comandante Ferraz foi uma tragédia para a ciência. Que o governo deixe de lado as mesquinharias políticas e cuide do Brasil na Antártida. Lá estamos com outros países e todos unidos com objetivos científicos.

Fausto Ferraz Filho faustoferrazfilho@hotmail.com

São Paulo

*

ABANDONO

 

A verba destinada à manutenção da base brasileira na Antártida é menor do que os gastos de um único gabinete de senador anualmente. Como pode funcionar um centro de pesquisa sem verba, um porta-aviões, que é uma sucata que ganhamos da França, sofre um incêndio e mata dois soldados, acidente que ocorreu com a embarcação ancorada. Nossos submarinos (nem sei se temos mais de um) são sucatas que não saem do porto. Aviões caça, esses temos quase uma centena, parados por falta de peças e obsoletos. Verbas para pesquisas em universidades só são liberadas após anos, quando o objetivo da pesquisa já não faz mais sentido. A participação brasileira no projeto do maior telescópio do mundo está ameaçada por falta de verba. E para o carnaval de São Paulo e Rio de Janeiro oficialmente foram liberados mais de 50 milhões de reais. Presidente Dilma, no seu governo e no governo anterior, do sr. Luiz Inácio sobram blá blá blá e submissão ao Congresso Nacional, faltam seriedade e objetividade. Como alguém com quase 80% de aprovação não tem coragem de enfiar o pé na jaca e mandar essa cambada de chantagistas catar coquinho em outro lugar? O povo está do seu lado, mas e a senhora, de qual lado está? Só para lembrar, o Brasil está completamente tomado pelo crack e as fronteiras nunca estiveram tão vulneráveis porque não existe verba para combustível, comida e armamentos para a Marinha, Aeronáutica e Exército. O que foi feito do Sindacta? E a Lei do Abate, por que não é autorizada? Nossos vizinhos são companheiros? E os nossos jovens são o quê? Lixo? Podem morrer em nome da amizade entre presidentes? Governe, presidente, com seus 83% de apoio e coragem, esse país se torna o maior do mundo.

 

Luiz Ress Erdei gzero@zipmail.com.br

Osasco

*

ALGO ERRADO

O que está acontecendo na base brasileira, na Antártida? Primeiro foi o naufrágio da chata que transportava 10 mil litros de gasoil artic, combustível anticongelante, ocorrido a 900 metros da praia e que foi parar a 40 metros de profundidade. Isso ocorreu em dezembro de2011 e foi mantido em sigilo até agora. Podemos saber por quê? Agora, um incêndio que deixa inclusive vítimas. Qual é o problema? Negligência e por parte de quem? Condições

precárias de funcionamento? O governo esqueceu que lá existe uma base brasileira? Que tal o primeiro e verdadeiro responsável pelas condições da base, procurar saber como vivem os nosso irmãos brasileiros naquelas áreas geladas?

Alvaro Salvi alvarosalvi@hotmail.com

Santo André

*

INCOMPETÊNCIA CHEGA À ANTÁRTIDA

Chata com combustível afunda na Antártida por falta de dutos, ameaçando poluir o meio ambiente local. Incêndio destrói nossa base revelando que sua arquitetura era inadequada e insegura, em razão do módulo da casa de máquinas, com os geradores, estar integrado ao restante. O alarme de segurança não soou. Navios da Marinha argentina e botes da estação polonesa foram utilizado no resgate dos brasileiros, indicando total ausência de meios de socorro na base. A estrutura era para o máximo de 40 pessoas, mas abrigava 60, no "jeitinho" brasileiro. O Navio de Apoio Oceanográfico Ary Rangel está quebrado há quase dois meses e parado no porto de Punta de Arenas, no Chile. O programa na Antártida custa 5 a 10 milhões de reais por ano, irrisórios diante, por exemplo, dos gastos de publicidade do governo (de obras inacabadas) e das perdas com a corrupção. Mesmo assim, sua disponibilidade orçamentária é instável, dependendo da boa vontade do governante de plantão. Para fechar o assunto, mesmo com o projeto funcionando desde 1984, ainda não há um plano estratégico para o mesmo (sic). Concluindo: é possível esconder a incompetência algum tempo mas, quando ela ultrapassa fronteiras e é comparada com a eficácia de gestões públicas dos outros países, fica revelada, de forma contundente, a incapacidade gerencial de nossos retumbantes dirigentes. Ao povo brasileiro, restou o lamento às perdas de vida e ao vexame que nos expuseram!

 

Honyldo Roberto Pereira Pinto honyldo@gmail.com

Ribeirão Preto

*

A CHATA PERIGOSA

Ao vir à tona um segredo determinado por uma discutível "raizon d'état" – o naufrágio da chata brasileira nas geleiras da Antártida – irrompe o incêndio na base Comandante Ferraz. Um raio cai duas vezes no mesmo lugar. De lamentar a morte de dois bravos militares. Os resultados das pesquisas poderão ser refeitos em alguns anos. A perspectiva trágica reside na reflutuação da chata que se encontra a 40 metros de profundidade, com dez mil litros de óleo com possibilidade de vazamento e provocação de sérios prejuízos ao meio-ambiente num ponto particularmente sensível do planeta. Se ainda há possibilidade de evitar o desastre, que a Marinha brasileira não se limite a socorrer-se da Petrobrás; todas as tecnologias disponíveis no mundo deveriam ser mobilizadas para que o homem – não o governo dos segredinhos – se mobilize no sentido de evitar o pior.

Amadeu R. Garrido de Paula amadeugarridoadv@uol.com.br

São Paulo

*

ELEIÇÕES 2012 EM SÃO PAULO

Se alguém ainda tinha alguma dúvida a respeito do total e absoluto escárnio com que os políticos brasileiros encaram os resilientes eleitores que garantem seus “empregos”, esse recente episódio da tentativa de José Serra em sair candidato à Prefeitura de São Paulo é uma demonstração cabal de que na cabeça desses “políticos profissionais”, verdadeiros gigolôs de partidos e/ou de cargos públicos, ser, ou não, candidato em uma determinada eleição, depende única e exclusivamente dos seus mesquinhos projetos pessoais. Se até mesmo na maior cidade do Brasil, e uma das maiores do mundo, alguém resolve apostar na ignorância cívica dos cidadãos, fica fácil imaginar os absurdos que acontecem por esses rincões afora?  Afinal, não dá para esquecer que esse Zé Serra é exatamente o mesmo que abandonou a Prefeitura de São Paulo em 2006, no meio do mandato, mesmo após haver registrado em cartório um documento, durante a campanha eleitoral, comprometendo-se a cumprir integralmente a sua gestão. Só mesmo o tal desrespeito pela capacidade de raciocínio dos paulistanos pode justificar que Zé Serra tenha o cinismo de agora, com óbvios propósitos de se “cacifar” para a eleição presidencial de 2014, tente mais uma vez “usar” o eleitorado da capital paulista como simples “massa de manobra”.

Paulistanos, recuperem-se da recaída que tiveram ao votar em Tiririca, mostrando que ainda possuem um mínimo de capacidade de indignação.

 

Júlio Ferreira julioferreira.net@gmail.com

Recife

*

LEMA

Com Serra ou sem Serra, meu lema é: contra o PT (isso inclui os candidatos de partidos aliados ao PT) e por São Paulo. Contra o PT e por São Paulo, nesta campanha nós paulistanos tiraremos o doce da boca "da criança".

Mara Montezuma Assaf montezuma.scriba@gmail.com

São Paulo

*

PRÉVIAS

Com o anúncio da candidatura de José Serra para disputar a Prefeitura de São Paulo, esperemos que se faça democraticamente essa escolha, dentro do PSDB, e com o sr. Serra dispondo-se humildemente disputá-la com os já 4 pré-candidatos,  que estão na estrada há mais de 6 meses fazendo suas campanhas. E como  o brasileiro sempre dá um jeitinho,  os tucanos  devem então colocar seu nome nessa disputa, mesmo que contra o regulamento. E nada de renúncias por parte dos 4 pré-candidatos, em favor dele. Serra deve disputar internamente com os outros candidatos, e sujeitar-se ao regulamento do partido, que determinou que as prévias serão realizadas no dia 04/03, sem qualquer rolo compressor junto aos filiados para tentar influenciá-los em suas escolhas. Agindo assim o PSDB mostrará ao eleitorado paulistano, e principalmente brasileiro, que eleições democráticas, devem ser feitas,  escolhendo-se democraticamente seu candidato, através das prévias internas no partido,  e não  impondo goela abaixo dos  filiados, um candidato ungido pelo se  acha dono do  partido. Que se façam as prévias   no PSDB, no próximo dia 4/3, sem protelações, e quem tiver seu nome sufragado pelos filiados, os demais candidatos  e todo  o partido, deverão unir-se em torno do aclamado, abraçando a candidatura e dai em diante  começar a campanha , já que a petralhada colocou seu bloco na rua nesse final de semana, apresentando seu ungido para a periferia, que ele nem sabe onde fica. Um recadinho para o sr. Serra, caso não seja o escolhido, jogue-se de corpo e alma nessa campanha, arregace as mangas e ajude o candidato vencedor do PSDB  para a Prefeitura de São Paulo, com sua experiência, boas idéias,  que sabemos que possui, seja seu cabo eleitoral diferenciado, porque nesse momento, as atitudes e  união dos tucanos fará toda a diferença, o mesmo aconselho aos outros 4 pré-candidatos, o momento exige união, e São Paulo é joia da coroa, que tão ardorosamente os petralhas cobiçam. A guerra só começou, precisamos vencer essa batalha de 2012, e ganhar a guerra em 2014.

Agnes Eckermann agneseck@gmail.com

Porto Feliz

*

TUDO OU NADA

Para Serra o dilema do tudo ou nada esbarra na constatação popular de que mais vale um pássaro na mão do que dois voando.

Para o paulistano a dura realidade de que a única forma de tirar sua cidade dos planos hegemônicos do PT seria votar para prefeito em alguém que não quer ser prefeito, pois contrariando todas as evidências, ainda alimenta o sonho de ainda ser presidente do Brasil. Serra, mais do que ninguém deveria saber que talvez, só tenha chance de ser  candidato à presidência em 2014 se migrar para o PSD, e que, mesmo assim, dificilmente venceria, pois até lá cairia na obscuridade do político sem mandato. Por que Serra não cai na real e se empenhe em ser um dos maiores prefeitos que São Paulo já teve, e deixe seus sonhos presidenciais para 1018?

Ricardo Daunt de Campos Salles dauntsalles@uol.com.br

Espírito Santo do Pinhal

*

PSDB NA ELEIÇÃO EM SÃO PAULO

O sr. Sérgio Guerra e outros líderes tucanos querem a candidatura do sr. José Serra à Prefeitura de São Paulo para barrar as pretensões petistas.Entendo o raciocínio,mas faltam outras lideranças no partido para disputar com êxito tal eleição? O sr. José Serra fez da Prefeitura um trampolim para o governo do Estado;fez deste,um trampolim para a Presidência da República.Perdeu,mas o que ele almeja novamente é a disputa presidencial,quando é chegada a hora e a vez do sr. Aécio Neves.Vai recomeçar toda trampolinagem? Se quer continuar na política ativamente que dispute um cargo de senador ou deputado federal que é o melhor lugar para quem já foi derrotado na última eleição. Façam as prévias e a sorte está lançada! Essa briguinha dentro deste partido só o enfraquece.E é a única esperança de uma oposição sadia ao governo de d. Dilma, o que o PSDB não tem feito e nem merecido o respeito de seus eleitores.

Delpino Veríssimo da Costa dcverissimo@gmail.com

São Paulo

*

PT SEM OPOSIÇÃO NO GOVERNO FEDERAL

Serra decidindo-se pela candidatura à prefeitura de São Paulo, desiste definitivamente de concorrer novamente à presidência da república. Deve ter avaliado, sem dúvida, que seu tempo passou e seu sonho teve de ser abandonado. O pior é que as oposições não têm ninguém para fazer frente à situação em 2014.

Ademir Valezi valezi@uol.com.br

São Paulo

*

PSDB

Impressionante a falta de imaginação, renovação e incapacidade política do PSDB em São Paulo, até quando vão sobreviver do voto útil anti petista usando o Serra e o Alckmin? Já está virando

desrespeito ao eleitorado paulista.

Francisco José Sidoti fransidoti@gmail.com

São Paulo

*

DECEPÇÃO

O silêncio do Sr. Serra diante das denúncias apresentadas na obra A privataria tucana faz dele um candidato inviável para qualquer cargo público eletivo. Aqueles pessedebistas, que insistem em lançá-lo, desprezam a inteligência do eleitorado e, certamente, sofrerão grande decepção.

 

Tibor Rabóczkay trabocka@hotmail.com

São Paulo

*

BRASIL LIVRE

Não pode ser diferente, é preciso repelir, enxotar e varrer os PeTralhas da face da Terra. A derrocada dos "penetras" começa por São Paulo. Vamos...

                   

Walter Gastaldi waltergastaldi11@hotmail.com

Londrina (PR)

*

INCOERENTES PROPOSTAS E AS ELEIÇÕES MUNICIPAIS

 

O cenário que antecede às eleições, os pretendentes candidatos a prefeito das cidades, cotidianamente utilizam seus discursos para assuntos, que legalmente, não são de competência do município. Tudo, decorrente dos resultados demonstrados através das pesquisas de opinião pública, que trazem os problemas que mais atormentam o cidadão. Sendo importante lembrar, que a eleição municipal possui natureza distinta das eleições estadual e nacional. Os problemas de repercussão nacional e necessidade do povo brasileiro, como segurança pública, saúde, desemprego, crescimento econômico, educação e outros, provavelmente saem de cena para dar lugar a elementos como, calçadas estragadas, praças abandonadas, parques e áreas de lazer, buracos nas ruas, transportes coletivos, dentre outros, com participação direta da população levantando-se os prós e os contras, visando elaboração de propostas coerentes com a finalidade de resolver as questões.

Quando falamos de desemprego, podemos afirmar que não há prefeito que elaborar planos para resolver o problema da área ou ao menos diminuí-lo. Visto que a causa do desemprego, ou emprego, é política econômica, atribuída tão somente ao Governo Federal. Desta forma, candidato a prefeito que apresenta solução para questão, pois está em total desarmonia com seu pleito. Saúde é um problema relacionado a um desenvolvimento urbano equivocado e ao problema da distribuição de renda, que o Brasil é uma das piores do mundo, residindo no país há vários anos, sendo considerada, pela Organização Mundial da Saúde (OMS), como uma condição de bem-estar físico, psíquico e social. Assim, nenhum prefeito conseguirá sem recursos do governo federal, resolver a questão no município. A segurança pública, na última década, passou a ser considerada um problema fundamental e principal desafio ao estado de direito no Brasil. A segurança ganhou enorme visibilidade pública e jamais, em nossa história recente, esteve tão presente nos debates tanto de especialistas como do público em geral. A matéria está pontuada no artigo 144, caput, da Constituição Federal, sendo dever do Estado. O candidato, futuro prefeito, apenas poderia embasar sua proposta nos guardas municipais, elencado no mesmo artigo, no parágrafo oitavo, não possuindo capacidade de assumir qualquer combate à criminalidade. Para iniciar a reflexão em quem votar, faça as seguintes perguntas para você mesmo: “Lembra em quem votou nas últimas eleições?” “Seus candidatos prestaram contas para você e para sua comunidade?” “Ele fez tudo que prometeu, ou parte do que prometeu?” As respostas para estas perguntas interessam mais a você do que qualquer outra pessoa. Converse com seus amigos, familiares, sobre os problemas da sua cidade, do seu bairro, da sua rua e faça a distinção o que é problema do município e do governo estadual e federal. Procure informações em saber em qual partido seu candidato está filiado, há quanto tempo está no partido, que tipo de interesse ele representa. Escolher um bom candidato é o começo de um processo que nunca termina, pois se você votou com consciência e de forma honesta, cumpriu uma boa parte de sua responsabilidade como eleitor e brasileiro. Mas é preciso muito mais. Você deve acompanhar a ação daqueles eleitos, mesmo que eles não tenham sido os seus candidatos. Neste ano, o futuro dos municípios brasileiros, está mais uma vez, nas mãos de nós eleitores, sendo indispensável, reflexão.

 

André Marques Direito.andremarquesadv@hotmail.com

Goiânia

*

A CRISE DO ENSINO EM SÃO PAULO

 

São Paulo está chamando, para dar aulas em suas escolas estaduais, os professores que não conseguiram média mínima no concurso público realizado em novembro último, e até os que nem fizeram as provas. Como ficará o já caótico ensino, ao incorporar regentes que não passaram no concurso e outros que sequer foram testados? O professor é peça fundamental. De sua competência e atualização dependerá diretamente o futuro dos alunos. Por conta da má qualidade da escola pública, cresce vertiginosamente o ensino particular. A grande massa do povo, no entanto, está na rede pública e, se não torná-la eficiente, os governos colocam sob risco as próximas gerações, que poderão ter o diploma e não saber o que dele fazer. Espera-se que este seja o último ano em que o governo tenha de “amaciar” as exigências para compor o quadro de professores. Mas, para isso, tem de oferecer salários condizentes e atrativos e um regime de trabalho capazes de atrair os profissionais competentes e vocacionados, que hoje lecionam na escola privada ou estão fora do magistério. Enquanto o professor for obrigado a cumprir várias jornadas para compor o seu ganho, a perda será do aluno e da sociedade que, no futuro, não terá como absorvê-lo no seu justo espaço.

            

Dirceu Cardoso Gonçalves aspomilpm@terra.com.br

São Paulo

*

PROFESSORES REPROVADOS

É inaceitável que o o governador paulista Geraldo Alckmin (PSDB) tenha chamado professores reprovados – e também muitos que nem sequer fizeram a prova – para lecionar nas escolas estaduais de São Paulo. É um verdadeiro crime cometido contra os estudantes da rede pública de ensino. A educação de qualidade deveria ser a prioridade número 1 de qualquer governo sério. Algo que ocorre só se o professor for valorizado, incentivado e bem remunerado. O governo do Estado mais rico da Federação jamais poderia contratar professores reprovados na prova de admissão e que já revelaram não ter um mínimo de conhecimento ou condições de lecionarem.

Renato Khair renatokhair@uol.com.br                                               

São Paulo                                             

*

A EDUCAÇÃO PÚBLICA EM AGONIA

A decisão do governo paulista em  chamar professores reprovados em concurso público, para dar aulas nas escolas, é emblemático. Prova a falência da educação que não se restringe a situação paulista,  mas sim, de todo o país. Enquanto o problema  da indigência salarial do magistério brasileiro não for equacionado, nada mudará e continuaremos nesta agonia estrutural que é a educação pública nacional.Só após a solução financeira dos vencimentos de nossos mestres, é que se poderá  exigir os demais requisitos como, qualificação de formação, dedicação exclusiva e qualidade profissional dessa imprescindível categoria de servidores públicos. Fora isso, é utopia escapista, todas essas medidas pontuais que os governos tomam há décadas, no sentido de resolver os problemas da educação brasileira.

José de Anchieta Nobre de Almeida josedalmeida@globo.com         

Rio de Janeiro

*

TROCAR PROFESSOR POR VÍDEOS

Sr. Alckmin, fiquei perplexa com sua atitude. O professor é fonte de sabedoria e conhecimento, é quem prepara o individuo para a vida, está frente a frente todos os dias com o aprendiz, e para tal, é preciso estudar muito, exige investimento e muito sacrifício para se tornar um bom profissional. O professor, em diversos países, é classe respeitada e valorizada. Só no Brasil, eles são responsabilizados pelo fracasso da educação. Para acobertarem o desprezo do governo nessa área fundamental ao progresso de uma nação. O que dizer aos formadores de opinião, sobre os políticos e intelectuais que fazem as leis da educação em um país onde o ensino gratuito constitucional, distribuí material didático com erros grosseiros de português e distorcidas informações de geografia e história ao ensino fundamental. Desmoralizar o professor neste país é muito mais fácil do que acabar com os abusos e corrupção do atual governo. Por que já  não mandam logo os alunos com um vídeo e um saquinho de pipoca para casa, em vez de virem a sala de aula todos os dias e serem educados pelos professores enquanto seus pais estão enfrentando o trabalho para criá-los, pois as escolas servem entre outras coisas para esses pais como verdadeiras creches. Portanto Sr. Alckmin, em vez de desqualificar a classe, por que não exigir atualização dos currículos em vigor anual.

Márcia Callado marciacallado@bol.com.br

São Paulo

*

‘A FALTA DE ENGENHEIROS’

Gostaríamos de parabenizar o jornal O Estado de S. Paulo pelo editorial da edição de ontem (27 de fevereiro), sob o título A Falta de Engenheiros, que traça um panorama entre as oportunidade e demandas que o Brasil tem em termos de obras de infraestrutura e a produção de profissionais capacitados para exercerem a engenharia no País. Em seus quase 40 anos de atividades, a Fundação para o Desenvolvimento Tecnológico da Engenharia (FDTE), ligada à Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (POLI), tem trabalhado para o desenvolvimento da engenharia nacional, visando o avanço tecnológico do país. A competição no mercado global é acirrada e nele se destacam os profissionais mais bem estruturados para encarar os desafios com competência, boa governança, qualidade de produtos e serviços e visão para as oportunidades do mercado. Em um cenário em que a economia brasileira está em destaque mundial e as oportunidades de negócios, tanto internamente como no mercado global, são inúmeras, a FDTE atua como fomentadora da inovação tecnológica e está preparada para ajudar o Brasil e se firmar como referência de pioneirismo, excelência, fomento, inovação e desenvolvimento tecnológico da engenharia. Em todos esses anos, a entidade atuou com excelência na participação de mais de 1.100 projetos de pesquisa, desenvolvimento tecnológico e inovação. São projetos de engenharia voltados para a infraestrutura do país – portos, aeroportos, sistemas de transporte urbano, construção sustentável, entre outros -  e realizados por equipes próprias e em parceria com universidades, para empresas do setor público e privado. Além disso, a entidade também presta serviços para o Brasil por meio da qualificação de estudantes e profissionais de engenharia, contribuindo para a titulação acadêmica crescente dos professores, além da concessão de bolsas e estágios, o que dá suporte à formação do futuro engenheiro. A iniciativa também promove a diminuição da evasão escolar e o estímulo ao aperfeiçoamento profissional contínuo e à titulação acadêmica, por meio de cursos de pós-graduação.

Roberta Provatti e Marcio Freitas roberta@mfree.com.br

São Paulo

*

OS CURSOS TÊM DE MUDAR

Muito preciso o editorial de ontem do Estado sobre a falta de engenheiros. O fato da engenharia ser um curso difícil não é razão para esta evasão elevada. Nossos cursos de engenharia precisam mudar. Temas como: Excesso de especialização; estrutura curricular rígida baseada em pré-requisitos; permanência reduzida do aluno na escola após as aulas, que os impede de participar de atividades de pesquisa; aulas expositivas carentes de inovação, dentre outras. Deverão ser colocadas na mesa de discussão, se quisermos moldar nossos cursos com aqueles das universidades de classe-mundial para torná-los atrativos.

Jose Roberto Cardoso, diretor da Escola Politécnica da USP jose.cardoso@poli.usp.br

São Paulo

*

A ENGENHARIA, OS JOVENS E O BRASIL

 

Existe, ainda, uma baixa percepção e valorização pela sociedade brasileira dos profissionais das áreas tecnológicas. Segundo estimativas do Confea, o Brasil tem hoje cerca de seis engenheiros para mil pessoas economicamente ativas, enquanto os Estados Unidos e o Japão tem vinte e cinco engenheiros para cada mil trabalhadores. A Coréia do Sul, com um terço da população do Brasil, forma cerca de oitenta mil engenheiros por ano  enquanto nós só graduamos cerca de vinte e seis mil profissionais. Embora as comparações sejam importantes não podemos esquecer as características próprias do Brasil. Precisamos, na nossa busca pelo desenvolvimento , encontrar os nossos próprios caminhos. A ampliação da procura pelos jovens das graduações nas áreas tecnológicas, no entanto, deve ser cada vez mais fomentada. A tecnologia brasileira precisa ser revalorizada e reconstruída. A boa formação universitária terá papel preponderante para melhoria desse aspecto, porem deve ser acompanhado, também, de uma mudança de mentalidade e conceitos. Como exemplo, o engenheiro deve passar a ser compreendido como o elemento-chave para o processo de condução das inovações tecnológicas aos setores econômicos da sociedade. Precisamos valorizar as ações, os produtos e processos e não somente as palavras. Interagir a universidade com a empresa desenvolvendo uma parceria saudável e desenvolvimentista implementando os modernos Cinco Caracteres da Competitividade, os 5C: Capacitação; Cooperação; Comunicação; Compromisso; Confiança. Assim, além de uma sólida formação científica, as instituições de ensino tecnológico precisam incluir a inovação como uma disciplina determinante na formação do novo profissional. A responsabilidade social e ambiental, o compromisso com a ética e o empreendedorismo devem ser incluídos, também, nesse novo processo de preparação dos profissionais direcionados para as exigências do novo século.

Paulo Cesar Bastos, engenheiro civil paulocbastos@bol.com.br

Salvador

*

O PREÇO DO COMBUSTÍVEL

A senhora Graça Foster (26/2, B3), presidente da Petrobrás, ao defender o aumento no preço dos combustíveis, deve ter tido um apagão mental, tão frequente nos “cumpanheros PTelhos”, como dizia Paulo Francis. Quando o barril de petróleo estava a US$ 140,00, o preço da gasolina era este mesmo que pagamos hoje. Contudo, devido às crises mundiais, o preço desabou para algo em torno de US$ 60,00 por mais de 2 anos. Mas continuamos a pagar como se o barril ainda custasse US$ 140,00. Lembrando, ainda, que o preço do dólar despencou durante aquelas crises. Não sabemos aonde a Petrobrás enfiou o lucro obtido dessa disparidade de preços. Talvez ele deve ter sido enfiado nos bolsos dos “cumpanheros” da sra. Foster e dos sindicalistas pelegos que, ao que se diz, ganham salários nababescos para não fazerem nada. Se a sra. Foster quer lucro, o primeiro passo é expulsar os chupins da base PTelha da empresa. Depois, instaurar uma administração empresarial séria. Como diz ela orgulhosamente que a Petrobrás é do Povo Brasileiro, seria interessante que ela informasse a esse mesmo Povo se a Petrobrás do Brasil continua a comprar petróleo da Petrobras Cayman, como noticiaram há alguns anos o Jornal da Tarde e O Estado de S. Paulo. Pois, pelo que me consta, as Ilhas Cayman não produzem uma só gota de petróleo. Mas, é claro, eu posso estar enganado.

Giovanni gio7.br@uol.com.br

São Paulo

*

‘DESBUSSOLADOS’

O.k., o termo não consta do Houaiss, nossos irmãos franceses o usam. É um galicismo simpático, com aspirações a neologismo. Ilustrando o conceito. No Estadão de 11/2/2012, o ministro Lobão informa: o preço da gasolina não vai subir. Em entrevista ao Estadão de 26/2/2012 (duas semanas e um dia depois), a presidenta da Petrobrás afirma – com toda razão: "É lógico que é para corrigir o preço dos combustíveis". Quem era mesmo a "biruta de aeroporto"?

 

Alexandru Solomon alex101243@gmail.com

São Paulo

*

SOLUÇÃO SIMPLISTA

Alguns economistas, inclusive articulistas do Estado, saíram em defesa do aumento do preço da gasolina. Essa mesma gasolina brasileira que é  também conhecida como imposto disfarçado de combustível e sabidamente, uma das caras do mundo. A formação do preço da gasolina nacional é um segredo mantido a sete chaves pela Petrobrás, pois se fosse mostrada de forma transparente, esse preço deveria se reduzido substancialmente. Além disso, esquecem-se esses senhores que o aumento do preço da gasolina e do diesel, acarretará, de imediato, aumento dos preços dos fretes e portanto aumento do preço das mercadorias e da inflação. E aí, o que eles propõe, aumentar os juros? O que estão fazendo é uma regra de três simples: preço atual x preço do barril : preço novo do barril x preço novo da gasolina. O que deve ser feito para evitar esse encadeamento perverso de reajustes que levarão a aumento da inflação é limpar o preço da gasolina dos vários penduricalhos que a tornam tão cara. É por essa solução que eles devem batalhar e não pela solução simplista que estão defendendo.

 

Sergio Bresciani sergio.bresciani1@gmail.com

São Paulo

*

PETROBRÁS

Realmente, não faz sentido imaginar que quem vende não repasse ao mercado as suas vantagens e as suas desvantagens, como disse a presidente da Petrobrás, isso, porém, numa situação normal de competição de mercado, mas não, numa situação de monopólio concedido pelo governo. Esse aumento no custo dos combustíveis que a Petrobrás pretende repassar para o já extremamente penalizado consumidor é o preço da sua ineficiência, e do seu gigantismo, por ser cabide de empregos do PT e dos partidos da base aliada do governo. Coloque eficiência na empresa, demita companheiros desqualificados e pare de torrar rios de dinheiro com propagandas e patrocínios caríssimos, que não será necessário aumentar os combustíveis. É só seguir a receita da Vale após a privatização, que a nossa gasolina, uma das mais caras do mundo, em vez de aumentar, deverá baixar bastante de preço.

Ronaldo Gomes Ferraz ronferraz@globo.com

Rio de Janeiro 

*

CUSTO BRASIL

O Sr. Sergio Gabrielli, ex-presidente da Petrobrás, afirmou no programa Roda Viva que o custo de um litro de gasolina é R$1,15

sendo que na bomba esse litro é vendido por R$2,70. Nos Estados Unidos o preço de um litro na bomba de uma gasolina de melhor qualidade é R$1,50. Será que a solução é aumentar o preço para o consumidor? Ou seria mais inteligente diminuir os impostos e penduricalhos incidentes no nosso preço? Seria uma forma de colaborar com a inflação e diminuir o absurdo custo Brasil.

 

Gustavo Guimarães da Veiga gjgveiga@hotmail.com

São Paulo

*

VOCAÇÃO

A presidente da Petrobrás e os comentaristas econômicos começam agora a dizer que ela não tem vocação para segurar a inflação. Onde estavam quando Lula mandou segurar os preços, tornando a maior empresa do País massa de manobra política e de demagogia? Agora é tarde. Te cuida, Vale!

Gilberto Dib gilberto@dib.com.br

São Paulo

*

ATÉ QUANDO SUPORTAREMOS?

Cada dia que passa fico mais enojado mediante o governo corrupto que se instalou no país há nove anos. Basta ver Dilma fazendo exatamente igual ao Lula durante sua trágica gestão como presidente. Estão mexendo nos postos chaves no Brasil, como se estivessem jogando num tabuleiro de xadrez, até conseguirem aplicar o "xeque-mate". Escolhem as pessoas sincronizadas no esquema deles e as colocam em comandos essenciais. A sua recente e última jogada colocou na presidência da Petrobrás sua parceira no gasoduto Brasil-Bolívia, Maria das Graças Foster, a qual é casada com Colin Vaughan Foster, que por sua vez é dono da empresa C. Foster. Agora casualmente a empresa dele assinou, nos últimos 3 anos, 42 contratos para fornecer equipamentos à Petrobrás, dos quais 20 sem licitação. Contratos estes que até agora lhe renderam a bagatela de R$ 614 milhões. Este é o Brasil honesto, justo e correto na versão do "PT", "PMDB" e "partidos aliados".

 

Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

*

IGP-M DE FEVEREIRO

 

Às vezes tenho a impressão de que estamos copiando a Argentina onde os índices econômicos andam para trás. Acreditar que o IGP-M de fevereiro 2012 foi de 0,06% negativos é mesmo uma tarefa difícil. Tudo sobe, e principalmente no começo do ano e aí nos dizem que o IGP-M foi negativo!?! Não podemos esquecer que o Mantega é professor licenciado da FGV (Fundação Getúlio Vargas) responsável pelos cálculos do IGP-M.

 

Károly J. Gombert gombert@terra.com.br

Vinhedo

*

HORÁRIO DE VERÃO

Pronto, terminou o horário de verão e vem o Operador Nacional dizer que a economia foi de tanto, deviam provar isso, este ano acompanhei meus gastos e nada mudou e olha que não uso nem ar condicionado nem ventilador. Na Região Centro-Oeste temos que acordar no escuro para vivermos no mesmo "horário do Brasil" e em alguns estados passamos a ter um fuso horário diferente o que também causa enormes transtornos. Se alguém está ganhando então deve repartir com quem não está e ainda assim é obrigado a colaborar mesmo tendo que se sacrificar!

Marcos de Luca Rothen marcosrothen@hotmail.com

Goiânia

*

COMPENSA?

Quem primeiro sugeriu o adiantamento do relógio em 1 hora foi Benjamin Franklin em 1784. Ele percebeu que com o dia mais curto ele gastava mais tocos de vela para trabalhar do que em dias mais longos, só que em regiões próximas à Linha do Equador, como é o caso do Brasil, a economia é mínima porque a duração do dia e da noite são bem próximas. Na América Latina o nosso país é o único a adotá-lo. Será que compensa a alteração no relógio biológico nosso?

 

Carlos Roberto Gomes Fernandes  crgfernandes@uol.com.br

Ourinhos

*

INFELIZES ACIDENTES

 

O que parece é que brincar virou sinônimo de morte na última semana onde pelo menos quatro pessoas perderam suas vidas. Seriam eles os tais brinquedos assassinos? Grazielly, de 3 anos, brincava nas areias da praia de Guaratuba, em Bertioga quando foi atingida violentamente por um Jet Ski desgovernado que era pilotado por menores. Diante da cena tranqüila, quem poderia imaginar que uma tragédia acabaria com sábado de carnaval da família Almeida Silva? O mundo dos pais de Grazielly veio abaixo na velocidade de um Jet Ski sobre o corpinho frágil da menina que morreu minutos depois. O menino de cerca de 14 anos que manuseava o Jet Ski, na companhia de um amigo, nem chegou a montar nele. Quando ligou a ignição do motor a máquina saiu andando sozinha, em alta velocidade segundo testemunhas que estavam presentes no momento do atropelamento. Só foi parar na areia. O que não está bem explicado é o por que de tanta demora para que a menina fosse atendida. É óbvio. Ninguém sai de casa com o plano de matar uma menina com o Jet Ski, porém, alguém precisa ser responsabilizada pela morte da garotinha, será que essa foi a primeira  vez que os garotos tiveram acesso ao brinquedo de gente adulta? Tem que se investigar para que outros casos não aconteçam. Em Águas de Lindóia uma turista morreu após o rompimento de um cabo de aço de uma tirolesa, a oficial de promotoria Maiza Aparecida Rodrigues Tavares, de 54 anos morreu após cair de uma altura de aproximadamente 15 metros sobre rochas quando havia percorrido cerca de um terço do trecho de 200 metros de extensão da tirolesa. O marido, advogado Marco Antonio Tavares, 64 anos, testemunhou o acidente, ele aguardava a mulher a poucos metros, na chegada da tirolesa. Ao se aproximar percebeu que a esposa estava sem vida. Acidente, fatalidade? Segundo funcionários do sítio, o cabo de aço da tirolesa tinha capacidade para sustentar até 4,8 toneladas. Cabe a perícia apurar o caso, o fato é que mais uma pessoa se foi sem maiores explicações. A adolescente Gabriela Yokari Michimura, de 14 anos, que veio com os pais passar férias no Brasil, foi outra vitima de um brinquedo assassino, após cair de um brinquedo conhecido como "elevador" no parque de diversões Hopi Hari, localizado próximo da rodovia bandeirantes, em vinhedo, no interior. O brinquedo tem, de acordo com descrições da polícia, 69,5 metros de altura, o que equivale a um prédio de 23 andares. A velocidade no percurso de queda livre entre o topo e a base, chega a 94 km/hora. Por negligência ou fatalidade o que se espera é que as investigações da policia e do ministério público, indique os culpados por mais essa tragédia, que tem mais a cara de um crime culposo. Porém, quando se pensava que os acidentes estariam restritos aos da última semana vem a noticia de que mais uma criança de 9 anos foi vitima, de um outro acidente causado por um Jet Ski, na prainha Tahiti, na represa Billings, em Ribeirão Pires. Mitchell Guilherme de Carvalho estava em bote inflável amarrado á embarcação, pilotada pelo pai, o coordenador de transporte coletivo Antonio Edvan Moreira Carvalho. O bote se chocou contra a pilastra na Rodovia em Tibiriçá. Em depoimento aos policiais militares que atenderam a ocorrência, o pai do menino declarou que o acidente foi causado por outro Jet Ski, que passou próximo ao bote e provocou uma onda. A embarcação onde estava o menino foi de encontro ao pilar no qual Mitchell bateu violentamente a cabeça vindo a falecer. Na delegacia, o pai pagou fiança de R$ 630 reais, e vai responder o processo em liberdade e responder por homicídio culposo (sem intenção). Depois da milhares de mortes causadas por acidentes de carros e motos, agora é a vez dos acidentes por brinquedos e Jet Ski. É lamentável! Acidentes acontecem, mas todo cuidado é pouco quando envolve crianças a atenção deve ser redobrada. Diante dos casos, será que não falta um pouco mais de fiscalização? É preciso evitar os acidentes como os aqui citados...

           

Turíbio Liberatto Gasparetto turibioliberatto@hotmail.com

São Caetano do Sul

*

QUANTOS MAIS PRECISARÃO MORRER?

Há dias  escrevi para vocês denunciando a arrogância , a certeza da impunidade, o desrespeito total as leis , a irresponsabilidade da família do adolescente que pilotava um jet ski em Bertioga causando a morte de Grazielle  uma pequena menina de apenas 3anos de idade que brincava na areia da praia. Hoje fico sabendo da morte de um garoto de 9anos num acidente também anunciado, com o jet ski do próprio pai. Isto prova não só a irresponsabilidade geral que domina nossa sociedade como do Estado que não fiscaliza, não pune corretamente, tornando-se cúmplice  de todas estas e outras atrocidades que vem sendo cometidas e justificas como fatalidades. Vejo  o papel da impressa e toda  mídia  como fundamental neste momento de caos social  em que vivemos. Conto com vocês para deflagrar uma luta sem trégua contra este estado de coisas.

 

Maria Luiza Sampaio Caron  mluizasampaio44@hotmail.com

São Paulo

*

ASSASSINATOS POR JET SKIS

 

Todos os anos, pilotos irresponsáveis, bêbados, ou pessoas sem qualquer habilitação ou registro( menores de idade), “assassinam” impunemente nas praias pessoas indefesas. Há pouco tempo atrás, um “ assassinato” foi cometido no Guarujá, e ao que me parece, depois a mídia publicou as maracutaias impunes para burlar as normas da capitania dos portos ( ou da guarda costeira) que exige habilitação, o prefeito de Guarujá, ao que parece sabiamente proibiu tal tipo de embarcação em suas praias, em meio aos banhistas. Então há de se perguntar: se Bertioga que é tão perto, por que prefeito não teve o mesmo lance de bom senso não proibiu também, uma vez que tal prática em meio aos banhistas, sem habilitação e registro, colocam em risco de vida para os demais usuários das praias? E quanto às demais localidades, que sempre temos outras notícias de ocorrências semelhantes, como ficam? A Deus dará? “Quando os incautos sofrem arrombamentos, o bom senso sempre determina que se coloque a tranca na porta pelo menos depois de arrombada”. Aqui não. A vida vale muito pouco e ninguém liga. No “planeta dos macacos”, acredito que já teriam tomado uma medida mais séria com leis disciplinares a respeito. É uma terra sem lei ( às com muitas leis e pouca punição). Ora, há mais de 30 anos que este tipo de embarcação infestam nossas praias infringindo a lei, ou sem nenhuma legislação disciplinar séria apresentada e aprovada. Se as autoridades não em competência para tal, que se copiem as leis e normas relativas dos países civilizados. Podem ser até mesmo os fabricantes de tais embarcações. Garanto que por lá não criaram essa máquina (mortífera nas mãos de irresponsáveis) para soltar entre a população sem uma lei rigorosa que discipline o seu uso. Caso não queiram se dar a este trabalho, que pelo menos se recorra e se copie das leis de trânsito. Simples não? Como ovo de Colombo. Se acharem que exagerei, vejam a foto das primeiras emoções da menininha de 3 aninhos pela primeira vez na praia ao lado de sua mãe. Autoridades ou fiscalização omissas, coniventes, ou lenientes: imaginem se essa menininha fosse sua filhinha, ou até mesmo sua netinha, como se sentiriam?

 

Sebastião Pereira jardins@oadministrador.com.br

São Paulo

*

EM TERRA E ÁGUA, DIREÇÃO IRRESPONSÁVEL

Com tantos acidentes com jet skis, motivados quase sempre pela ausência de habilitação, ou direção irresponsável, vemos a nítida falta de fiscalização. E quem fiscaliza? A Marinha ou a Guarda Costeira? Seja lá quem for, está muito aquém de cumprir seu papel, na prevenção de acidentes que destroem vidas de pessoas e suas famílias. Isso remete a outro tipo de acidentes, muito comuns, às vezes gravíssimos,  e nem sempre noticiados ( abafados, para não comprometer a venda dos imóveis locais, presumo): os que ocorrem nos condomínios horizontais fechados, no interior e no litoral, sobretudo,  provocados por veículos como quadriciclos dirigidos irresponsavelmente por menores, sem ao menos contar com a supervisão de um adulto. A Vara da Infância e da Juventude de São Paulo deveria se manifestar contra essa situação, a exemplo do que ocorreu no Paraná, onde se obrigou síndicos de condomínios a assinar Termo de Responsabilidade sobre a direção de veículos por menores. À CET,  cabe a obrigação de entrar nesses condomínios – muitos são loteamentos, multar e apreender. Há que se fazer uma campanha pelas Redes Sociais e pelos jornais, para que se atribua à Guarda Costeira o seu papel constitucional de fiscalizar a situação dessas embarcações em nossas praias, a forma como atuam as empresas locadoras,  assim como devem assumir suas responsabilidades a Vara da Infância/Juventude e a CET. Além disso, cabe cobrar a responsabilidade dos pais sobre os atos de seus filhos, para que se lembrem que quando permitem que estes dirijam sozinhos, estão colocando não apenas a própria vida em risco, mas as daqueles que nada têm a ver com isso.

Mônica Abate Guglielmi nicabate@yahoo.com.br

São Paulo

*

NO RIO, ESTUPRADOR PRESO

E o monstro estuprador do Rio foi preso, graças às câmeras, à investigação policial e ajuda de populares. Mas principalmente graças à coragem da adolescente de registrar o caso. Estupro, aliás, possui alto índice de subnotificação. Mesmo assim, de janeiro a novembro de 2011 foram registrados 4.467 casos no estado, média de mais de 13 por dia. No mesmo período em 2010, 4.113 casos. O número é muito alto, mas não se faz uma força-tarefa para diminuí-lo. Por quê? Não sei. Batalhões e delegacias precisam combater cinco tipos de crime para alcançar um índice que permita bonificações. Entre os crimes não está o estupro, que geralmente provoca seqüelas muito mais graves que roubo de carga, de caixa eletrônico ou de aparelho celular. No fim dos anos 90, com o aumento dos casos de seqüestros, a sociedade civil se mobilizou e a pena foi enrijecida, o crime tornou-se hediondo. Acho que num momento em que temos presidenta, ministras, presidenta da Petrobras, chefe de Polícia Civil e tantas outras mulheres em cargos notáveis, deveríamos pensar em defender mais nossas mulheres. Estupro devia ser crime hediondo, inafiançável, sem direito a visita íntima por um ano, caso de exceção mesmo. Depois do Choque de Ordem, chegou a vez do Choque de Moral. Eu apoio.

Flávio Nehrer fnehrer@gmail.com

Rio de Janeiro

*

PUNIÇÃO

Quais são os limites para as leis brasileiras no que tange às punições a estupradores e assassinos? Até que ponto uma mãe e um pai devem se submeter às burocracias infindáveis da legislação nacional para que seja vingada legalmente à morte de seus filhos? O último caso do estuprador que foi preso no ônibus graças a desconfiança do motorista, e que este teve a coragem de atacar o meliante, será mais um exemplo de que cada vez mais aumentam-se o número de bandidos e a demora do processo a pena permanece longo e árduo. Pensar em pena de morte para certos casos e contendo provas mais do que concretas é impossível com uma legislação intrincada e de interesseiros como a brasileira. Mesmo assim, será que esta não seria uma solução?

Pedro Beja Aguiar pedrobejaaguiar@gmail.com

Rio de Janeiro

*

CASO MÉRCIA NAKASHIMA

No caso de Misael Bispo, suposto criminoso, que acaba de se entregar à polícia e que se diz inocente, a justiça brasileira está sendo engabelada pelas interpretações das leis brasileiras. Como é falha a nossa justiça...

 

Antonio Rochael Jr. antoniorochael@gmail.com

Iguape

*

UMA CIDADE PICHADA

Leis contra as pichações existem. A lei Federal nº 9.605 – art.65, também leis estaduais e municipais, tão somente é preciso pô-las em prática. Com grande estardalhaço o prefeito Kassab criou a “Cidade Limpa”. Apenas enfrentou os publicitários e empresas que cuidavam dos outdoors, mas aquilo que realmente emporcalha a cidade de São Paulo, as pichações, Kassab não tomou nenhuma providência. Os pichadores agradecem quando a prefeitura limpa pintando os muros e paredes pichadas. A gang rival a outra, corre para pichar novamente o trabalho feito pela prefeitura. É como enxugar gelo. Boa parte dos pichadores é formada por adolescentes, como são “di menor” eles são considerados irresponsáveis pelos seus atos pela nossa legislação, como são os loucos. Quando um “di menor” é flagrado cometendo esse crime — pois a Lei Federal nº 0.605 art. 65 considera a pichação um crime — na melhor das hipóteses o garotão é levado para Delegacia do Menor e Adolescente a fim de uma psicóloga tenta convencê-lo que pichar é muito feito; uma vez reeducado o galalau adolescente é devolvido ao convívio da sociedade e continua pichando rindo da admoestação feita. Um prefeito que não cumpre a lei aprovada pelo legislativo e sancionada por ele merece ser processado.

José Carlos de Castro Rios jJc.rios@globo.com

São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.