Fórum dos Leitores

CORRUPÇÃO

O Estado de S.Paulo

18 Maio 2012 | 03h06

A Receita e Cachoeira

Como os competentes técnicos da Receita Federal não perceberam que o sr. Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, em 2008, com um rendimento de pouco mais de R$ 20 mil, gastou quase R$ 600 mil com cartões de crédito, conforme noticiado pela imprensa? Será que o sistema de informática da Receita só é eficiente quando detecta "operações atípicas" de trabalhadores ou idosos, por motivo de acidente ou doença grave, quando têm gastos elevados com médicos e hospitais, embora com rendimento suficiente para o pagamento e declarados o nome e o CPF dos recebedores, e mesmo assim ficam retidos na malha fina? Com a palavra os órgãos competentes.

ANA MARIA SANT'ANNA

annasantt@uol.com.br

São Paulo

CPI controlada

Lula insistiu, usou todo o seu extraordinário prestígio e conseguiu a instalação da CPI do Cachoeira. Sua intenção era prejudicar o governador de Goiás, que foi um dos denunciantes do mensalão. Tudo bem. Mas ele não sabia, como sempre diz, que havia dois governadores aliados, o do Distrito Federal e o do Rio de Janeiro, também comprometidos. Então, o que foi feito? Governadores estão livres da CPI! Surpresa? Claro que não...

PLÍNIO ZABEU AMERICANA

pzabeu@uol.com.br

Americana

Os blindados

É óbvio que essas pessoas que foram blindadas para não serem convocadas pela CPI Demóstenes/Cachoeira devem estar, sim, envolvidas até o pescoço, pelo que se vê no noticiário. Mas sendo autoridades de importantes Estados da Federação é melhor deixar em banho-maria, como se diz. O fato é que, se forem convocadas e as denúncias comprovadas, as consequências serão inimagináveis. Já vimos esse filme.

JOSÉ MARQUES

seuqram.esoj@bol.com.br

São Paulo

Reprise

É, já vimos esse filme. Em preto e branco, colorido, em cinemascope, cinerama, em vídeo, DVD, 3D, etc. Começa com o rugido do leão e termina invariavelmente com a clássica sentença: e foram felizes para sempre. Apesar de ruim, não devolvem o valor do ingresso. Não vale a pena.

JOSÉ MARIA BOTURA

zezobotura@yahoo.com.br

Itirapina

ECONOMIA

Juros e impostos

Concordo com a presidente Dilma: "Os juros pagos pelo povo aos bancos prejudicam o País". Mas os impostos pagos pelo povo para sustentar uma máquina governamental (Executivo, Legislativo e Judiciário) ineficiente e corrupta também prejudicam, e muito. Quando se esgotar a culpabilidade dos outros, que não o governo, quem vamos culpar: a Grécia, o tsunami cambial? Até quando vamos tapar o sol com a peneira?

FERNANDO VILARINHO

fovilarinho@ise.org.br

São Paulo

Inadimplência

Pelo extrato da minha conta no Banco do Brasil, o primeiro a dizer que cortou os juros, o do cheque especial é de 8,31% ao mês, 160,63% ao ano. Os bancos captam a, no máximo, 9% ao ano e emprestam a 160,63%! Depois não sabem por que a inadimplência só aumenta.

GASPAR GASPARIAN FILHO

gaspar.gasparian@uol.com.br

São Paulo

ACIDENTE NO METRÔ

Explicação

A Companhia do Metrô sempre afirmou categoricamente ser impossível uma colisão de trens. Permita-me: então, foi sabotagem?

BENEDITO RAIMUNDO MOREIRA

br_moreira@terra.com.br

Guarulhos

Segurança

Afinal, temos segurança ou não? Ficam dúvidas quanto à eficiência do sistema automatizado. Como foi dito, o condutor evitou um desastre maior porque percebeu e brecou a tempo. Em algumas composições não teremos condutor e se o cartão falhou agora, pode falhar de novo. Todo sistema tem falhas e elas podem ocorrer durante a Copa e a Olimpíada. Corremos muitos riscos. E quem vai arcar com os prejuízos das pessoas machucadas e que não podem trabalhar, estudar...?

EDUARDO ZAGO

jeduardozago@superig.com.br

Mauá

Exploração política

Inacreditável, mas é verdade que o PT e o pré-candidato Fernando Haddad a prefeito de São Paulo se regozijam com o acidente no Metrô (17/5, C5). É uma lástima que alguns políticos usem a desgraça alheia para se elegerem.

JOSÉ MILLEI

j.millei@hotmail.com

São Paulo

NATURA NA ARGENTINA

Esclarecimento

A Natura respeita a decisão soberana da Argentina de adotar as atuais medidas de comércio bilateral (Argentina barra 65% das exportações da Natura, 11/5, B7). Estamos, por outro lado, muito apreensivos e frustrados, uma vez que desde 1994, quando iniciamos nossa operação nesse país, assumimos o compromisso de atender com excelência nossas consultoras e nossos consultores (revendedores de nossos produtos), bem como nossos consumidores argentinos. Desde a adoção das atuais medidas, não estamos cumprindo esse compromisso. Não temos a impressão que "a coisa é pessoal" com relação à nossa empresa. O que dissemos é que a frequência do fluxo de informações que temos com a secretaria especial é pequena, no nível pessoal, e geralmente ficamos sem saber o que vai acontecer. A depender da evolução desse cenário, informamos que deveremos rever nossos investimentos locais - e não que "a Natura não vai ter como manter seus investimentos na Argentina". Como dissemos, não será possível prever investimentos locais em publicidade, marketing, comunicação com o canal, distribuição de produtos e produção local se não conseguirmos manter o nível de oferta para suprir a demanda local e a qualidade de serviços. Por fim, como informamos, as atuais medidas vão criar um sério desequilíbrio competitivo entre os diferentes canais de distribuição na Argentina, acarretando sérios danos às vendas diretas e, por extensão, à livre-iniciativa e à concorrência leal, justa e equânime - e não que "a medida é desleal".

RODOLFO GUTTILLA, diretor de Assuntos Corporativos e Relações Governamentais da Natura

São Paulo

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

COINCIDÊNCIA?

Ao ler as reportagens a respeito do acidente entre os trens do Metrô, na última quarta-feira, e vendo posteriormente que, em vez de o PT ser solidário com as vítimas, deu preferência a atacar a atual gestão do PSDB. Refleti e cheguei a uma conclusão. Próximo das eleições passadas, aconteciam diversas rebeliões nos presídios do Estado. A gestão era do PSDB e o PT usava o ocorrido como ataque nas eleições. Depois descobriram um tal de dossiê  feito pelo PT para atacar José Serra, também em eleições. Neste ano de eleição, começou a ocorrer com muita frequência o que não acontecia antes: muitas falhas nas linhas de trens e metrô, e estão usando desta vez o transporte de trilhos como arma para atacar a atual gestão nestas eleições. Muita coincidência essas coisas acontecerem em ano de eleição...

Jader Santos jader.leo@gmail.com

Duartina

*

PROVIDÊNCIAS

O Metrô de São Paulo, depois de 38 anos de funcionamento, sofre um grave acidente, felizmente sem vítimas fatais. E poderia ser pior, mas isso não ocorreu devido à competência do operador do equipamento. E logo pessoas ligadas ao governo do Estado saem a público para rebater as críticas do PT, sob a alegação de que não se pode usar o fato para fazer política eleitoreira. Ora, a preocupação no caso deveria ser a de explicar em detalhes o que aconteceu. Explicação que não foi dada ainda, por exemplo, ao desmoronamento de uma obra de uma estação também do Metrô anos passados. E o mais preocupante é que a cada dia surgem acidentes no sistema de transporte coletivo, incluindo as linhas ferroviárias. Efetivamente, que providências serão tomadas para que isso não mais aconteça?

Uriel Villas Boas urielvillasboas@yahoo.com.br

Santos

*

A TRAVA NOS ÓLHOS DO PT

Que moral tem o PT para atacar a gestão estadual envolvendo o acidente do Metrô (17/5, C5)? Acidentes acontecem em todo o mundo, no ar, na terra e no mar. Antes de falar do "apagão nos transportes" de São Paulo, o PT e sua liderança deveriam se penitenciar do "apagão das estradas federais", esse, sim, um verdadeiro massacre com centenas de vítimas fatais a cada ano. Mas estamos num ano eleitoral e os petistas, é claro, não vão perder a oportunidade de atacar o governo do PSDB na velha tática do "quanto pior, melhor". Será que o PT, com sua notória incapacidade de governar (vide obras malfeitas, superfaturadas, inacabadas e que só existem no papel) conseguiria administrar melhor o metrô de São Paulo? Pelo que tem feito no âmbito federal, a resposta é um sonoro não!

Celso Euzébio de Oliveira

celsoliv@uol.com.br

São Paulo

*

INVESTIGAÇÃO

Ontem, logo que acordei, me peguei pensando: e se o acidente do Metrô acontecesse no trecho Belém x Bresser, no Buracão, como seria o socorro? Se for verdade que a Companhia do Metrô "sabia" do problema uma hora antes, por que não tomou providências? Não seria o momento de a Polícia colocar todo mundo da inteligência para ficar ligada no barulho? Pela dobradinha trem + metrô quebrando, será que não está havendo sabotagem (eleição e votação) proposital? Afinal, hoje você percorre grandes distâncias em bem menos tempo. Estou dizendo por mim, que saio da zona leste e vou até Pinheiros, o que antes era um parto a fórceps. Outra coisa: não seria o caso de o governo de São Paulo, na pessoa de seu secretário, pensar em reativar paradas de trem hoje desativadas, até porque a CPTM cobre boa parte do percurso do Metrô, pelo menos na zona leste?

João Camargo

democracia.com@estadao.com.br

São Paulo

*

CHUMBO GROSSO

Estes constantes incidentes e acidentes envolvendo as linhas da CPTM e do Metrô de São Paulo me parecem no mínimo estranhos. Culminou agora com o acidente na linha vermelha do Metrô, que, por estar sobrecarregada, dá mais Ibope. A proximidade da eleição e a tão desejada tomada da cidadela mais importante para os outros partidos chapa-branca parecem-me altamente motivantes. Uso bastante os transportes públicos e noto um clima diferente no comportamento dos condutores, boatos de greves e paradas no meio do trajeto, mais frequentes que em outras ocasiões. Governantes da Prefeitura e do Estado de São Paulo, esperem que virá chumbo grosso, de preferência com a ocorrência de mortes.

Alberto Bastos Cardoso de Carvalho

albcc@ig.com.br

São Paulo

*

PULGA ATRÁS DA ORELHA

Todos sabemos que o Metrô de São Paulo que transporta mais de 4 milhões de passageiros diariamente está saturado. Fala-se também, verdade ou não, que as verbas alocadas para serviços de manutenção tem se reduzido. E agora com este acidente frontal entre duas composições, na Linha 3 - Vermelha, e que deixa 47 vítimas é mais do que urgente que se apurem as causas, e se dê uma satisfação condigna aos usuários. Porque com as sucessivas interrupções destes veículos por problemas técnicos, principalmente nestes últimos três meses, algo de muito estranho deve estar ocorrendo. Talvez longe dos problemas corriqueiros de manutenção, e sempre muito bem sanados pela Empresa de Trens Metropolitanos, uma ação de sabotagem não pode ser descartada porque estamos em ano de eleição majoritária municipal. Ou seja, tem partido grande que conhecemos muito bem, mas que está mal nas pesquisas, e que jamais e em tempo algum não mede esforços para jogar o eleitorado contra os que estão no poder.  Então é sim caso de polícia também!  E exemplos é que não faltam das eleições passadas, como a realização de greves absurdas, acidentes forjados de trânsito para congestionar as principais avenidas, e até dossiês falsos, etc. etc.!  Apuração já, e doa a quem doer!

Paulo Panossian

paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

*

PREOCUPAÇÃO

Metrô, mesmo sendo considerado um transporte de  excelência na cidade de São Paulo, depois de se constatarem atrasos por vários dias, agora colide com outra composição e fere dezenas de pessoas. Embora haja quem queira transferir esses fatos como problemas políticos, porém um transporte essencial na cidade de São Paulo necessita urgentemente de manutenção. Mesmo vivendo no interior do Paraná, tenho cinco filhos que usam esse transporte todos os dias, e isso me preocupa muito, até porque, há 30 anos, quando me utilizava desse transporte, os  problemas com metrô de São Paulo eram bem menores que nos dias atuais.

Virgílio Melhado Passoni

mmpassoni@gmail.com

Jandaia do Sul (PR)

*

CONCESSÃO DE SERVIÇOS PÚBLICOS

Se a fiscalização do órgão governamental responsável por averiguar a qualidade dos serviços prestados pelas empresas concessionárias, no caso do metrô em São Paulo, for igual àqueles responsáveis pela fiscalização das empresas concessionárias das rodovias do Estado de são Paulo, no caso a Artesp, estamos fritos.

Orivaldo Tenorio de Vasconcelos

professortenorio@uol.com.br

Monte Alto

*

NEGÓCIOS VIABILIZADOS PELO EXECUTIVO

Linha 6 do Metrô vai desapropriar (C1, 9/5). Área de 407,4 mil metros quadrados poderá ser desapropriada pela soma de R$ 570 milhões, ou seja, pagarão uma media de R$ 1.400,00 por metro quadrado desapropriado! Trata-se de um valor irrisório para compensar os "doadores de terrenos" na maior parte das regiões afetadas. Certamente, parte dos terrenos desapropriados pode acabar não sendo incorporada às estações e aos poços de ventilação, de uso público justificado, mas sim transferido como mais terrenos baratos para a especulação imobiliária ali construir lucrativos empreendimentos residenciais e comerciais, alugar lojas, construir e explorar garagens, etc.

Suely Mandelbaum, urbanista

suely.m@terra.com.br

São Paulo

*

HOMENAGEM

A Câmara Municipal de São Paulo vai homenagear o ex-presidente Lula para quê? Para validar os esquemas de corrupção, para entregar um terreno do povo paulistano, para validar todas as falcatruas que cometeu em seu governo junto com o Zé Dirceu e o Palocci? Isso é uma vergonha e falta do que fazer de nossos vereadores. Enquanto o povo sofre com o transporte público, hospitais ruins, escolas depredadas e sem professores, calçadas esburacadas e um aumento absurdo da violência, tráfico de drogas e vendedores ambulantes nas ruas, os nobres vereadores vão homenagear o déspota. Isso é vergonhoso!

Luiz Claudio Zabatiero

zabasim@ig.com.br

São Paulo

*

A CPI QUE ROLOU CACHOEIRA ABAIXO

Todo esforço possível está sendo feito para abafar o julgamento dos contraventores mensaleiros. Até a CPI do Cachoeira foi implantada para tirar o foco dos réus mensaleiros, facilitar sua impunidade, que está sendo muito debatida pelo Supremo Tribunal Federal (STF), ministros amigos do rei que estão tentando uma maneira de atenuar as possíveis punições dos réus, também amigos do rei. Pelo jeito, a CPI do Cachoeira não deu certo, tem mais políticos partidários do governo enrolados com corrupções do que eles mesmos imaginavam. É só esvaziando e dando outro rumo nessa CPI para tentar desviar seu odor para longe de Brasília. A estratégia de arrumar essa investigação parlamentar complicou ainda mais a vida dos corruptos que estão enlameados em plena Praça dos Três Poderes. No entanto, bate o desespero nos responsáveis e são tentados atos até cômicos para tirar a atenção do povo brasileiro - até choro da presidente está valendo. Só não vale o choro das famílias das vítimas executadas traiçoeiramente pelos terroristas que tentavam impor aos brasileiros uma ditadura comunista, tão sanguinária quanto a de Fidel Castro.

Benone Augusto de Paiva

benone2006@bol.com.br

São Paulo

*

UMA OUTRA CPI POSSÍVEL

Realmente, a m... deve ser muito grande nesta questão da CPMI do Cachoeira. Imagino quem não deve estar envolvido, pois a cada dia toma-se conhecimento de um ato novo que esvazia cada vez mais e mais a CPMI. Agora resolveram poupar o dono da Delta e só quebrarem sigilos das subsidiárias. Quanto aos governadores, continua a posição de não convocação. Por que, não sei. Fatos divulgados pela imprensa de gravações de conversas, fotos, vídeos, etc. mostram o quanto estão comprometidos. Deve ter muito peixe graúdo envolvido e fazem de tudo para que não se chegue a eles. É assim mesmo. Há anos. Enquanto os ocupantes das corregedorias e CPIs não forem membros da sociedade civil, ou seja, o eleitor, isso não vai mudar. Vocês acham que eles vão acusar colega? Não se esqueçam do "eu sou você amanhã" e do rabo preso.

Panayotis Poulis ppoulis46@gmail.com

Rio de Janeiro

*

O(S) LADO(S) DA MOEDA

A parcialidade de nossos políticos, poupando comparsas e dono da Delta (dois lados da mesma moeda ) e a Comissão da Verdade analisar meia verdade (só um dos lados), chega a causar nojo dessa gente e provoca medo do que poderemos ver a seguir!

Oscar Seckler Müller

oscarmuller2211@gmail.com

São Paulo

*

E A VIDA CONTINUA...

Vale ressaltar que, à medida que o tempo vai passando, os grandes meio de comunicação aos poucos vão deixando de dar a devida importância a essa CPMI do Cachoeira. Mais parece um fato orquestrado por todos os meios de comunicação que resulta em conclusão de que a falta desse interesse em verdade beneficia a todos que direta ou indiretamente participaram dos fatos. Aos poucos a vida e o noticiário voltam ao normal e logo mais à frente surge um novo e talvez até um escândalo maior que o atual. E assim vamos vivendo.

José Piacsek Neto

bubapiacsek@yahoo.com.br

Avanhandava

*

CAMINHOS DA FACILIDADE

Muito engraçado, para não dizer lamentável. O bicheiro Carlos Cachoeira é suspeito de lavar dinheiro na Coreia do Norte e sua declaração de rendimentos é  incompatível com os gastos no cartão de crédito. Outra desculpa, ele guardava dinheiro em casa. Hã, hã! Cada dia vamos nos acostumando a conviver com os tipos mais estranhos de desculpas quando os corruptos são descobertos. Além das mentiras é de causar espanto o tipo de advogado que é contratado para  salvar essa gente. Cabe somente uma pergunta, adianta a lei quando o advogado conhece os caminhos da facilidade? Sinceramente, é pra chorar com tanta safadeza nesse país. E os pobres pagadores de impostos sustem a quadrilha sem chiar. Muito estranho. Brasil, um país de tolos!

Izabel Avallone

izabelavallone@gmail.com

São Paulo

*

CACHOEIRA, SONEGADOR DE IMPOSTOS

A CPI já fez uma descoberta brilhante: são incompatíveis os rendimentos de Carlos Cachoeira com os declarados. Pudera. Um contraventor (e a lei de contraversões é a mais amena das normas repressivas), brasileiro, até ontem inexpressivo, na verdade um polvo cujos tentáculos desbravaram a suposta seara ética da União até os estados federados, os municípios e o distrito federal. Incrivelmente, foi muito mais longe: penetrou no tido como impenetrável, a fortaleza inexpugnável da Coreia do Norte, segundo algumas notícias. Nessas circunstâncias, dignas de um best seller noir, investigar a incongruência entre seus ganhos reais e os admitidos para pagar um mínimo de imposto seria a última coisa a que a CPI deveria dar atenção - se tivesse sido instaurada para valer.

Amadeu R. Garrido de Paula

amadeugarridoadv@uol.com.br

São Paulo

*

IMORAL

É inacreditável que um ex-ministro da Justiça defenda um contraventor  como o Sr. Cachoeira (a mídia o trata como bicheiro) sem nenhum constrangimento. Como é que um ex-funcionário público, que até recentemente defendia o governo, agora atua contra este mesmo governo? Eu sei que muitos dirão que ele está simplesmente exercendo sua profissão de advogado. Eu sei disso, mas cá pra nós, que é imoral e antiético, ah, não há a menor dúvida. Se vivo fosse, Al Capone parece que também estaria bem defendido!

Mario Miguel

mmlimpeza@terra.com.br

Jundiaí

*

FARSA

A CPI do Cachoeira, sob a direção de um presidente e de um relator do baixo clero, e segundo assisto pela TV Câmara, vai investigar o escabroso assunto só de forma seletiva... portanto, o que está funcionando é mais uma Comissão da Meia-Verdade, ou melhor dizendo, mais uma Comissão da Mentira. Especialidade deste governo... jogar o lixo para debaixo do tapete! Que asco!

Mara Montezuma Assaf

montezuma.scriba@gmail.com

São Paulo

*

COMISSÃO DA VERDADE

Na posse da Comissão da Verdade, Lula afirmou que "foi a única Comissão da Verdade que surgiu de baixo para cima, do povo para o povo" (A4, 16/5), deixando implícito que todas as CPIs que surgiram até agora não foram para o povo, mas sim dos políticos para os políticos, a exemplo das duas mais recentes: mensalão e cachoeiraduto.

Conrado de Paulo

conrado.paulo@uol.com.br

Bragança Paulista

*

POR QUE 1946? Existem pelo mundo aproximadamente 40 comissões similares à nossa recém-criada Comissão da Verdade, cujo objetivo primordial é apurar os destinos dos desaparecidos na época da ditadura militar, e assim preencher o "vazio" que ainda persiste nas famílias. O porquê, então, de iniciar as investigações a partir de 1946? Acho que a Comissão deveria se concentrar em fatos da ditadura militar iniciada em 1964 - mais de 30 anos já se passaram - e deixar o fatos mais antigos para os historiadores.

Edgard Gobbi

edgardgobbi@gmail.com

Campinas

*

LEI N.º 12.258

Bastaram algumas poucas e infelizes colocações do diplomata (?!) Paulo Sérgio Pinheiro sobre a atuação da Comissão da Verdade para que esta começasse com o pé esquerdo sua jornada em busca da exumação,desenterro e elucidação dos bastidores dos trágicos acontecimentos dos "anos de chumbo" da ditadura militar (1964-1985). Sem o menor tato,indispensável aos que seguem sua carreira,acabou,em poucas palavras,pondo a sociedade e os militares contra si e a CNV,num desserviço tolo e desnecessário. Do embate partidário-ideológico que opôs vermelhos e verdes, surgiu a democracia verde-amarela em que o País vive há algum tempo. O homem criou a Justiça pela simples razão de que a verdade tem três lados: o meu, o seu e o que de fato aconteceu. Ambos os lados tiveram seus heróis, algozes e vítimas inocentes entre os que lutaram e tombaram na luta por um novo País. A Lei n.º 12.258, que instituiu a Comissão da Verdade, foi aprovada e sancionada pelo Congresso Nacional e ratificada pelo Supremo Tribunal Federal. Que siga agora seu curso em paz, com muito juízo, discernimento e imparcialidade na busca da plena verdade dos fatos que mancharam a história do Brasil. Doa a quem doer.

J. S. Decol decoljs@globo.com

São Paulo

*

CRIMES  E  BOBAGENS

As  ações dos  militares foram crimes. As ações dos terroristas foram bobagens. Que verdade é essa , sr. Pinheiro?

Paulo Gianini

ricardopinheirotva@yahoo.com

Ribeirão Preto

*

A JUSTIÇA É CAOLHA

Será que Marx, ao dizer que a História se repete como farsa, estava prevendo ou anunciando essa Comissão da Verdade (ou dessa Meia Verdade)? Será que a lágrima do olho esquerdo salga mais do que a do direito? O sangue tem cor? Também na política ele é apenas e sempre vermelho? A justiça não é cega, não - ela é caolha.

Luiz Alberto Duprat

cantagaloecolazer@yahoo.com.br

São Paulo

*

SEM DÓ NEM PIEDADE

A Lei n.º 12.528, de 18/11/2011, que criou a Comissão da Verdade, proclamando que o órgão foi criado para investigar os crimes de agentes de estado que atuaram na repressão aos opositores da ditadura militar descreve com clareza que a Comissão terá como objetivos "examinar e esclarecer as graves violações dos direitos humanos praticados entre 1948 e 1988 a fim de efetivar o direito à memória e à verdade histórica e promover a reconciliação nacional". Portanto, a lei não especifica se a investigação recairá sobre os crimes da esquerda ou crimes estatais. O escritor José Paulo Cavalcanti já tem pedido para a investigação de 119 crimes cometidos por militantes da esquerda. Apenas Cavalcanti, mais o ex-ministro da justiça José Carlos Dias e o ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ), Gilson Dipp estão interpretando correta, coerente e com isenção os princípios reguladores da lei. Que se cumpra a lei. Todos aqueles que violaram os direitos humanos, de que lado estiveram, são sacripantas e têm de ser investigados sem dó nem piedade.

Junios Paesz Leme

junios.paesleme@ig.com.br

Santos

*

AS VERDADES

Se a Comissão da Verdade quer de fato trazer a tona nossa História recente contando tudo, incluindo  seus protagonistas, deveria já ter começado por Sarney, que estava presente enquanto a presidente Dilma fez seu emocionado discurso, afinal ele desde o princípio apoiou a ditadura militar e esteve no governo até o momento em que este começou a ruir,  foi Arena e PDS, e hoje, aliado de quem sempre o criticou.

Francisco da Costa Oliveira

fco.paco@uol.com.br

São Paulo

*

REMORSO?

A presidente Dilma Rousseff, durante a cerimônia de instalação da Comissão da Verdade, ao emocionar-se às lágrimas e reverenciar os que lutaram pela democracia (?) (A4, 17/5/2012), desconheceu a ideologia, os propósitos, os métodos e os objetivos declarados do Movimento Armado que ela participou como líder da facção VPR como também desconheceu a participação logística do PCUS. As lágrimas podem  ter sido por remorso pelo assassinato do jovem Sd Mario Kozel Filho, perpetrada pelo seu Grupo de ação (VPR) através de um caminhão-bomba lançado sobre a guarita do então QG do Comando do II Ex.

José Ávila da Rocha

peseguranca@yahoo.com.br

São Paulo

*

DIFERENÇA PONTUAL

A presidente Dilma Rousseff emocionou-se ao instalar a Comissão da Verdade, realçando seu compromisso para com a história e o futuro. Os torturadores temem a revelação de seus nomes e atos. Os torturados e suas famílias não. A diferença ética e moral encontra-se exatamente neste ponto. A Lei de Anistia, de 1979, e as disposições transitórias da Constituição de 1988 absolvem todos os que praticaram crimes. Portanto, para que acusados sejam declarados isentos de pena, é fundamental que assumam suas culpas. Se negarem, não podem se considerar incluídos no benefício.

Francisco Pedro do Coutto

pedrocoutto7@yahoo.com.br

Rio de Janeiro

*

TUMULTO

A Comissão da Verdade está agora querendo mudar a verdade, transformando os antigos terroristas em defensores da democracia, que lutaram contra o Estado na época. A verdade é que eles foram os responsáveis pela revolução, quando tentaram implantar uma revolução  comunista no País. Agora querem ser transformados em heróis da democracia, mudando a verdade. Pretendem agora revogar a Lei de Anistia através de um movimento popular, tumultuando a vida do País, agora estão ficando mais corajosos.

Caio Eduardo Junqueira

caioj@matrix.com.br

Poços de Caldas (MG)

*

CHORO

Ao chorar quando falava para a abertura da "comissão da verdade", ela, a Dilma, não chorou de pura emoção, mas ela chorou porque ela e seu bando não conseguiram tornar nosso país igual a Cuba, pois na verdade era isso que ela queria, mas não conseguiu e o governo da revolução de 1964  foi o vencedor.

Paulo Francisco Siqueira dos Santos

paulof.santos@hotmail.com.br

Santa Rita do Passa Quatro

*

LADOS

Se a Lei da Anistia era para valer para os dois lados, por que agora um dos lados quer revisão? Sendo assim, o lado excluído  também terá o direito de reagir e reabrir investigações.

Amâncio Lobo Amancio

lobo@uol.com.br

São  Paulo

*

MEMÓRIA

A edição de anteontem da Folha de S.Paulo, mais que em outros dias, traz grande reportagem sobre a época da ditadura, com inclusive entrevista com a Sra. Maria Rita Kehl. Acredito que, a bem da verdade, a Folha de S.Paulo deveria reportar também, com igual destaque, os tempos nos quais vivemos antes e durante a tão visada ditadura. O início das reportagens deveria ser nos tempos em que honestos trabalhadores eram impedidos de trabalhar, muitas vezes agredidos, pelas gangues chefiadas pelo metalúrgico, ex-presidente da república, Lula. Faço essa afirmação pois fui um dos que mais de uma vez me vi forçado a pular muros para fugir daquelas hordas de desordeiros. Aí começaram as desordens... A seguir, lembrar que foram "panelaços" e, hoje esquecidos estudantes daquela época, que nas ruas pediam providências para o término daquela situação, em que víamos ameaçada a democracia na qual vivíamos. Foi em atendimento a nossos reclamos e com nossa aprovação, que tivemos então o poder em mãos dos militares que, infelizmente, iniciaram aquela ditadura. Como nós, não tão jovens naquele tempo lembramos, passamos então a ser ameaçados pelos roubos a bancos, assaltos e, em fim, a guerrilha que se estabeleceu, em defesa da democracia em hoje vivemos. Deve ser lembrado ainda, tudo quanto foi construído durante aqueles anos, pelos diversos militares que nos governaram e que depois de deixarem o poder, todos sem exceção não eram ricos... Finalizando, acredito que a Folha de S.Paulo fará um grande favor à história se, sem querer tapar o sol com peneira, descrever e relembrar tudo daqueles tempos até hoje, não esquecendo de dar continuidade à publicação de todo o "malfeito" que vimos conhecendo no dia a dia.

Aristides Castro Andrade de São Thiago

a.cast@uol.com.br

Campinas

*

INVESTIGAÇÃO PERNETA

No ensejo do início dos trabalhos da "comissão da verdade", acreditávamos que, finalmente, teríamos conhecimento dos reais objetivos, da autoria e do destino dado aos milhões (quantos?) surrupiados do cofre do ex-governador Ademar de Barros. Ledo engano, pois o diplomata Paulo Sérgio Pinheiro e a defensora Rosa Maria Cardoso da Cunha, representantes da esquerda radical no colegiado, evidenciaram a intenção de impedir a investigação das ações nefastas e dos "malfeitos" praticados pelos terroristas e guerrilheiros nos anos 1960 e 1970. Desnudaram-se publicamente, demonstrando a que vieram...

Ulisses Nutti Moreira

ulissesnutti@uol.com.br

Jundiaí

*

É DE 'VERDADE'?

Penso que o ponto de partida para a Comissão da Verdade não deve ser "reescrever" a história, mas, "elucidar " a mesma. A história já aconteceu, falta clarear alguns aspectos. Reescrever permite o perigo da fuga da realidade, com inserções mentirosas. E, para que a elucidação seja bem sucedida e as novas gerações possam ter a noção exata do que se passou, como é pretendido, é necessário primeiro que os sete membros tenham o mesmo discurso e objetivos. Esta comissão, ao ser criada, estabeleceu que os dois lados, o Estado e a esquerda, fossem investigados e que o caráter não seria o punitivo, o que um dos sete membros, José Carlos Dias, já asseverou. Então, investigar os dois lados sem pretender punição é a compreensão justa da Comissão. Há, no entanto, três membros, Rosa Maria Cardoso da Cunha, Paulo Sérgio Pinheiro e Maria Rita Khel, que contrariam esse entendimento (?), cogitando que os trabalhos resultem em processos criminais ou que somente os agentes do Estado sejam o alvo de apurações. Oras, se pretendem trazer à luz os fatos ocorridos entre 1946 e 1988, com "a necessidade imperiosa de conhecer a história em sua plenitude, sem ocultamentos", como bem disse Dilma, então, tudo tem de ser vasculhado. Desde os abusos cometidos pelo Estado até os grupos e pessoas da esquerda armada que causaram terror pelo País, ressalte-se, sem evasivas, terror pelo fim da ditadura militar mas não pela democracia, e, sim, pela implantação do comunismo. Os fatos assim como ocorreram devem ser relatados, dentro dos parâmetros da Lei da Anistia. Vítimas desse contexto histórico há de todos os lados, ou, na concepção de alguns membros, as vítimas que grupos armados fizeram são menos vítimas e não possuem familiares que choram por seu destino também  injusto e trágico? Estas vítimas são parte do mesmo momento histórico, são vítimas dos atos hediondos que a esquerda também produziu, em nome de sua luta para impor outro tipo de ditadura. Ou estes três senhores se desarmam, ou esta Comissão terá caráter revanchista e o Brasil terá oculta a verdade que tanto procura. "A Comissão não abriga ressentimento, ódio nem perdão. Ela só é o contrário do esquecimento", disse muito emocionada a presidente Dilma, de forma a resumir todo o espírito desse instituto. Não podemos, muito menos devemos esquecer os fatos ocorridos, mas os fatos que envolveram "todos" os que tiveram violados os seus direitos: as vítimas da repressão política e também as vítimas do terror, que igualmente têm pais, mães, irmãos, esposas, filhos e amigos a prantear por eles.

Myrian Macedo

myrian.macedo@uol.com.br

São Paulo

*

CAUSAS E CONSEQUÊNCIAS

Neste país damos mais importância às consequências do que às causas. Afinal, por que foi instalado o governo revolucionário? Quais as causas motivaram a instalação do governo revolucionário? Se não soubermos as causas como poderemos interpretar as consequências? Vamos divulgar a verdade.

Alpoim da Silva Botelho alpoim.orienta@uol.com.br

São Paulo

*

COMPROMISSO COM A VERDADE

Uma pergunta que não quer calar: tem esse atual governo compromisso com a verdade? Tem esse atual governo, herança direta do governo Lula, algum compromisso com a verdade? Certamente não! Só fazem abafar, dissimular, desviar atenção, criar factóides, jogar para debaixo do tapete o lixo imundo da corrupção cancerígena que toma conta de todos os órgãos de nosso país. Em português claro: desde quando um bando de miseráveis morais, que fazem da democracia mero instrumento de permanência no poder pode falar em verdade? Tudo não passa de um teatro cujo roteiro é medíocre e o elenco é péssimo! Prendam os bandalhos, desmantelem as quadrilhas, mostrem a cara! Agora! Só assim deixarão de ser o que são: uma grande mentira!

Gloria de Moraes Fernandes glorinhafernandes@uol.com.br

São Paulo

*

COPYDESK

"A Comissão da Verdade não será revanchista". E nem pode: a História É o que FOI! Querer reescrevê-la, "melhorando a verdade", é usar a pena da causa própria com tinta do inconfessável.

A.Fernandes standyball@hotmail.com

São Paulo

*

SEM EMOÇÕES

Custa crer que essa Comissão da Verdade não seja  revanchista nem busque ódio ou perdão, vista como foi apresentada pela presidenta com voz embargada e trêmula, mal contendo lágrimas, visivelmente emocionada. Qualquer pesquisa histórica exige o máximo de objetividade e o mínimo de emoção. Pelas declarações de alguns de seus integrantes e pela postura da presidenta, esse não parece o caso.

Regina Barros de Ulhoa Cintra reginaulhoa@uol.com.br

São Paulo

*

LÁGRIMAS DE CROCODILO

Ao dar posse aos integrantes da "Comissão da Verdade", onde todos foram nomeados pela presidente da República, ex-guerrilheira, terrorista e ativista no movimento que buscava, contra as Forças Armadas uma fragorosa derrota, dada a disparidade de forças, Dilma, acreditem, chorou. Um dia antes havia sido indelicada com milhares de prefeitos reunidos em Brasília, e num ato de pura truculência e arrogância já inata  apontou o dedo em riste para o presidente da Confederação dos Prefeitos do Rio de Janeiro, na intenção de intimidá-lo. A presidente foi questionada sobre os royalties do petróleo, respondeu no seu estilo palaciano e foi aplaudida pelos prefeitos petistas e vaiada pelos demais. (Os crocodilos choram porque quando devoram sua vítima pressionam a glândula lacrimal provocando a lágrima).

Jair Gomes Coelho

jairgcoelho@gmail.comVassouras (RJ)

*

OS DOIS LADOS

Justamente para não mover o revanchismo, o ódio ou o desejo de reescrever a história de uma forma diferente do que aconteceu,  a história deve ser escrita mostrando os dois lados.

Eduardo Henry Moreira

henrymoreira@terra.com.br

Guarujá

*

COMEÇOU MAL

Comissão da verdade unilateral, já começa mal!

Gustavo Guimarães da Veiga gjgveiga@hotmail.com

São Paulo

*

DEPUTADOS BIÔNICOS?

Assisti na TV a um programa em que a entrevistada afirma que a Lei da Anistia não é legitima porque foi aprovada por deputados biônicos. Nós tivemos deputados biônicos? Eu sabia de governadores e senadores. Será que o alemão me pegou?

Sérgio Barbosa sergiobarbosa@megasinal.com.br

Batatais

*

DONOS DA VERDADE

Essa comissão só vem pra comprovar o que todos já sabiam: os petistas são os donos da verdade. E quem disser o contrário está mentindo! Ricardo Marin

s1estudio@ig.com.br

Osasco

*

CONTINUAM TENTANDO

Quando estudante universitário em São Paulo, nos idos de 1965, 1966, 1967, recebíamos convites para lutarmos pela implantação da República Socialista no Brasil. Se tivessem logrado implantá-la, estaríamos como Cuba e adjacências. E continuam tentando.

Sinclair Rocha

sinclairmalu@uol.com.br

São Paulo

*

QUAL É TODA A VERDADE?

Acho que está na hora de rever toda nossa história desde 1964.  Devemos analisar bem a atuação de Jango Goulart, a reação do povo em apoio ao restabelecimento da ordem, os atos terroristas cometidos por muitos que estão atualmente no poder, e tentar entender o por que militares saíram dos quartéis e assumiram o poder por vinte anos.  Devemos tentar entender melhor os dois lados.  Direitos humanos foram violados por todos os participantes daquele triste período. Resta saber qual o verdadeiro objetivo de cada lado e qual Brasil que o povo ordeiro e trabalhador desejava: o regido pela anarquia ou pela ordem e disciplina? Aí teremos toda a história, e não somente meia verdade!

Silvano Corrêa

scorrea@uol.com.br

São Paulo

*

COMPREENSÍVEL

É perfeitamente compreensível os comunas não quererem que mexam no seu histórico, pois, dentre seus milhares de crimes incluíam: assaltos a residências e bancos, matando clientes e funcionários; atacavam quartéis para roubar armas; seqüestravam empresários, autoridades e até embaixadores; matavam adversários; cortam os testículos de um jovem e o faz engoli-los; esfacela a cabeça de seqüestrado para que não ouçam o barulho de tiro; 30 comunas colocam o maior empregador do Brasil numa fossa de esgoto por 22 dias, com a intenção de matá-lo após o pagamento do milionário resgate; assaltam uma residência no Rio, arrombam o cofre e dividem entre si os milhões de dólares que ele continha. Anos depois, sentindo que haviam perdido a luta, fogem para o Araguaia para tentar imitar as Farc colombianas, plantando coca para amealhar fortunas, mas, felizmente, graças às nossas Forças Armadas foram derrotados. Hoje, mesmo sem terem trabalhado, vivem das régias aposentadorias e dos quase R$ 10 bilhões de indenizações que receberam. Já imaginaram se tivessem ganhado a luta e nós fossemos hoje uma gigantesca Cuba?

Paulo Ferraz Costa Negraes paulonegraes@trident.com.br

Itapuí

*

PELAS FAMÍLIAS

Ao instalar a Comissão da (meia) Verdade, a presidente Dilma proclamou: "as novas gerações merecem a verdade, e, sobretudo, merecem a verdade factual aqueles que perderam amigos e parentes e que continuam sofrendo como se eles morressem de novo e sempre a cada dia". É o caso das famílias de Agostinho Ferreira Lima, da Marinha Mercate, José de Carvalho, investigador da polícia, David A. Guthemberg, marinheiro inglês, José Armando Rodrigues, comerciante, Henning Albert Boilesen, industrial, e muitos outros, todos vítimas das forças democráticas da ALN de Carlos Marighella.

Mario Helvio Miotto mhmiotto@ig.com.br

Piracicaba

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.