Fórum dos Leitores

POLÍTICA ECONÔMICA

O Estado de S.Paulo

31 Maio 2012 | 03h15

Lenha na fogueira

Em março a presidente Dilma Rousseff declarou, em Nova Délhi, onde participou de reunião dos Brics: "Tenho consciência de que o Brasil precisa reduzir a carga tributária. Farei o que for possível para reduzi-la". Agora, conforme noticiado pelo Estadão (28/5), o governo quer unificar PIS e Cofins e aumentar a alíquota. É como querer apagar o incêndio pondo lenha na fogueira.

CLÁUDIO MOSCHELLA

arquiteto@claudiomoschella.net

São Paulo

Economia na UTI

De acordo com o caderno de Economia do Estadão de 28/5, o Brasil passa de estrela a lanterninha dos Brics, a desvalorização do real pode derrubar o País em ranking de economias, pela primeira vez o mercado financeiro prevê PIB abaixo de 3% em 2012, FGV afirma que cresce o número de setores com excesso de estoque, etc. Não é à toa que o PT quer calar a mídia, pois não gosta de ver a realidade sendo divulgada: o Brasil vai de mal a pior e os investidores, que não são bobos, já perceberam. E aí, dona "presidenta" Dilma, quem nos deixou essa herança maldita?

MARIA CARMEN DEL BEL TUNES

carmen_tunes@yahoo.com.br

Americana

ÍNDICES OFICIAIS

Desafio à lógica

O governo decidiu que é da classe média quem tem renda familiar per capita entre R$ 291 e R$ 1.019. Então, como o salário mínimo é de R$ 622, isso quer dizer que no Brasil (des)governado pelo PT "médio" é abaixo de "mínimo"?

MARLY N. PERES

lexis@uol.com.br

São Paulo

CORRUPÇÃO

Julgamento do mensalão

Este mais novo escândalo protagonizado por Lula mostra como ele e seus parceiros não têm compromisso algum com a democracia e as instituições. Aos poucos se vão sabendo detalhes de seu encontro com Gilmar Mendes e dos vazamentos a esse respeito. Foi Lula quem primeiro divulgou a conversa com o ministro do STF a jornalistas categorizados de grandes empresas de comunicação. Aliás, divulgou também visita feita ao ministro Ricardo Lewandowski, em companhia do prefeito de São Bernardo do Campo - e pelo teor da conversa havida com Gilmar Mendes se pode adivinhar o que houve nessa outra ocasião. Não é por menos que vimos as desculpas esfarrapadas desse ministro do STF quanto ao julgamento do mensalão. Parece que neste país quase todos se dobram aos desejos de um ex-presidente que não se notabilizou pela excelência de seus atos, nem quando ainda governava. Os fatos que agora vieram à tona demonstram que não nos podemos calar diante desse absurdo. A desfaçatez é tanta, o desprezo pelas instituições é tal que ofende todos os brasileiros. Depois de tantos vazamentos e atitudes comprometedoras, só resta agora ao STF julgar com celeridade esse processo, que uns poucos temem, mas todos os brasileiros de bem esperam ansiosamente.

MARIA TEREZA MURRAY

terezamurray@hotmail.com

São Paulo

Fidelidade ou retidão

A única forma de o ex-presidente Lula desmentir o ministro Gilmar Mendes é pedindo que o processo do mensalão seja julgado já. O problema é que, mesmo vindo a público com tal pedido, Lula pode ainda cometer seus crimes corriqueiros de tráfico de influência ou chantagem em escritórios espalhados pelo País afora e só se fingir de bonzinho, como sempre fez. Além disso, seis dos magistrados da nossa Corte Suprema lhe devem alguma forma de gratidão e terão de resolver seu conflito interno: fidelidade ao mestre ou retidão para com a Pátria.

LUCILIA SIMÕES

lulu.simoes@hotmail.com

São Paulo

Justiça

É irrelevante para a sociedade esse disse-não-disse. O que Lula falou ou não e o que Gilmar Mendes disse ou não pouco interessam. A sociedade quer apenas o mensalão julgado e a CPI do Cachoeira resolvida. A Justiça acima de tudo. E só.

JUDSON CLAYTON MACIEL

judson@judsonline.com

Rio de Janeiro

Lobo Mau e Chapeuzinho

Os personagens são velhos conhecidos. Todos nós sabemos bem quem são e como eles agem. Não nos causa perplexidade, portanto, o procedimento de Lula e de Nelson Jobim. O que nos causa perplexidade é o ministro do STF Gilmar Mendes não ter dado voz de prisão ao Lula durante o encontro de confraternização. E perplexidade maior ainda é os ministros do Supremo não fazerem absolutamente nada contra tal acontecimento - aliás, como de praxe na República do PT.

ROBERTO ARANHA

rcao@globo.com

São Paulo

Ex-presidente condenado

Leio nos jornais que o ex-presidente da Libéria foi condenado a 50 anos de prisão por improbidade administrativa. E fiquei pensando... Ué, esqueci!

ATTILIO CERINO

attiliocerino@yahoo.com.br

São Paulo

CRIMINALIDADE

Terrorismo

Bando exagera na dinamite e destrói banco (30/5, C4). Marginais usam explosivos para explodir caixas eletrônicos, pondo em risco vidas humanas - no transporte e na explosão. Não estaria na hora de adequar a lei para enquadrá-los como terroristas? Com certeza, isso inibiria tal procedimento.

MAURO ROBERTO ZIGLIO

mrziglio@hotmail.com

Ourinhos

ESCLARECIMENTO

Complexos prisionais

A respeito do editorial Colapso do sistema prisional, publicado no domingo 27/5 (A3), atribuíram-me o comentário sobre a possibilidade de criação de três grandes complexos prisionais para abrigar 3.500 presos cada um, afirmando que a ideia foi mal recebida por especialistas e pelas próprias autoridades penitenciárias. Quero esclarecer que o citado projeto não foi elaborado por mim. Ele consta da relação de propostas aprovadas no Conselho das PPPs (parcerias público-privadas) e encaminhadas, com parecer favorável, pelas autoridades penitenciárias que o editorial afirma serem contra a proposta.

GUILHERME AFIF DOMINGOS, vice-governador do Estado de São Paulo e presidente do Conselho Gestor das PPPs

São Paulo

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

'COISA DE GÂNGSTER'

Palavras do ex-presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), quando sentiu a ameaça de intimidação praticada pelo ex-presidente do Brasil. Palavras minhas, e creio que de alguns brasileiros: Demorou para perceber! Antes tarde do que nunca, portanto, agora, cabe ao Supremo Tribunal Federal tirar o Brasil das mãos dos gângsteres e bandidos.

Heloisa A. Martinez heloisa_martinez@hotmail.com

Mogi das Cruzes

*

UM PAÍS DE GÂNGSTERES E MENTIROSOS

O vergonhoso episódio que leva o país, perante o mundo, para um imunda e fétida vala podre, envolvendo a ardilosa tentativa de um ex-presidente da República, de blindar a quadrilha dos ‘companheiros do ‘mensalão’, ao pressionar e ameaçar indiretamente o Poder Judiciário, com a possibilidade de colocar também na lama a integridade moral do ministro Gilmar Mendes, do STF, fere todos os princípios éticos da política e cai no mundo do crime e do gangsterismo. Quando três pessoas têm três distintos relatos sobre um fato - o estranho encontro no gabinete do ex-ministro Nelson Jobim ocorreu -, das três uma: ou os três mentem, ou dois dizem a verdade e o outro mente, ou um só diz a verdade. Pelo tom de indignação, até que se prove em contrário, como cidadão brasileiro, no pleno direito constitucional da liberdade de pensamento, fico com a verdade do Ministro Gilmar Mendes. Indignado com o que chama de "sórdida ação orquestrada para levar o Supremo Tribunal Federal para a vala comum", Gilmar Mendes não teve papas na língua: "A gente está lidando com gângsteres. O Brasil não é a Venezuela onde Chávez já mandou prender até juiz. Estamos lidando com bandidos que ficam plantando essas informações (boatos)", acusando o ex-presidente Lula (o chapéu no estilo Al Capone é mera coincidência) de centralizar a divulgação de informações falsas sobre a referida autoridade judicial. Resumindo, chamou Lula, com todas as letras, de chefe dos gângsteres e do banditismo. Em sua defesa Lula não se providenciou. No início da notícia do ‘mensalão’ Lula havia declarado que de nada sabia. Depois se disse traído. Por último tenta blindar os ‘companheiros traidores’. Por mais que se tente não dá pra entender tais distintos comportamentos. Que interesses teria o ex-presidente em tentar blindar os companheiros do PT? Será que haverá novas denúncias durante o julgamento do esquema do valerioduto? Ou trata-se apenas de postergar o julgamento para fazê-lo cair no esquecimento? Ou será que é mesmo pura gratidão aos saudosos companheiros? Pelo sim e pelo não, estamos diante de um escândalo "jamais visto na história desse país" (qualquer semelhança novamente é mera coincidência). Fico pensando mesmo o que dizer aos nossos filhos e netos. O partido da decantada ética, a grande vestal da política brasileira, o Partido dos Trabalhadores (PT), que se opunha a tudo de ruim que ocorria no país da cachoeira de denúncias, do dólar na cueca, do envelope suspeito dos gabinetes e das licitações fraudulentas, acabou também enlameado e sujo, dos pés a cabeça, pela mesma lama. Só resta agora ao Supremo Tribunal Federal julgando o quanto antes o processo do ‘mensalão’, deixar claro ao povo brasileiro que o crime do colarinho branco e dos gabinetes da política também não compensa. O exemplo da firme aplicação da lei, para as novas gerações, precisa ser deixado. Por enquanto, como disse o ministro Gilmar Mendes, a gente está lidando com gângsteres". Profundamente lamentável. Continuamos sendo o país da falta de ética e de vergonha. A sociedade brasileira, em nome da ética na política, aguarda ansiosa a decisão do Supremo Tribunal Federal. Que prevaleça sobretudo a isenção e o rigor da lei.

Milton Corrêa da Costa milton.correa@globomail.com

Rio de Janeiro

*

LULA, GILMAR E JOBIM, O ENCONTRO

Como ele nunca soube de nada, e continua não sabendo, foi a um encontro entre amigos para saber o que era o mensalão.

Eduardo Henry Moreira henrymoreira@terra.com.br

Guarujá

*

ÉTICA E ARITMÉTICA

Um, mais um, mais um, em aritmética dá três. Um, mais um, mais um, em ética dá zero... ou menos.

Carlos D. N. da Gama Neto carlosgama@croniquetas.com.br

Santos

*

JOGO SUJO

O jogo sujo, que o time do PT vem jogando nos campos deste nosso Brasil é preocupante! O principal jogador e capitão do time: o acadêmico de Garanhuns, que deu motivos para ser expulso de campo logo no início do primeiro tempo e, por ingenuidade e excesso de confiança dos árbitros da oposição - leia-se: PSDB - continuou em campo, cometendo faltas até ser regularmente substituído. Atualmente, recuperado de uma grave doença, mas ainda fora de campo, volta a comandar o time no seu velho estilo: chantageando e tentado corromper ministros; atentando contra os órgãos da imprensa que não estão à venda, como este histórico e democrático jornal. O governo do PT, malversando o suado dinheirinho dos contribuintes, confiscados impiedosamente, por impostos escorchastes, procura perpetuar-se no poder, comprando a aprovação dos eleitores pobres, com o aval de Lula que pretende voltar em 2014. Para impedir essa desgraça é preciso que os partidos da oposição superem suas desavenças internas e encontrem uma forma de derrotar o inimigo comum! Oremos!

Décio Celidonio decioml@uol.com.br

Atibaia

*

ALOPRADOS

E agora, Lula? Você é o chefe dos aloprados?

Vidal dos Santos vidal.santos@yahoo.com.br

São Paulo

*

O CHEFE

Agora a luz da verdade veio à tona. Ninguém de bom senso duvida mais que o sapo sem barba (perdeu o pelo, mas não perdeu a falta de vergonha) é verdadeiramente o chefe da quadrilha do mensalão.

Edward Brunieri patricia@epimaster.com.br

São Paulo

*

DECADENTE, MAS PERIGOSO

Lula demonstra ser um político irresponsável. Não sofreu impeachment no caso do mensalão, porque temos uma oposição trouxa, e inconsistente. Mas, mesmo assim, o ex-presidente do alto da sua soberba e desprezo ao alto cargo que ocupou durante oito anos, achando que tudo pode, gera mais um fato institucional gravíssimo, ao insinuar ameaça a um membro do Supremo, o Gilmar Mendes, caso não ajudasse a adiar o julgamento do mensalão. O ministro citado do STF deveria dar voz de prisão ao Lula por desacato, porque tem esta prerrogativa constitucional. Gilmar Mendes teria contribuído muito com o País, caso agisse como tal. Seria uma lição exemplar ao Partido dos Trabalhadores, que nestes últimos dez anos seus principais membros, além de terem mandado às favas a ética, protagonizaram horrores dentro das nossas instituições. Desde fabricação de dossiês fajutos contra autoridades, corrupção deslavada, apoio a governantes ditadores etc.! Prova está que o Lula, continua insistentemente a defender seus camaradas vis dentro do partido. Mesmo que isso acarrete uma crise institucional de grandes proporções ao País, como este de ter interpelado com ameaças um importante membro do Supremo Tribunal Federal... Lula não serve a Nação, mas aos seus déspotas...

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

*

VERGONHA NACIONAL

Lula quem te viu quem te vê, a casa dos truculentos sindicalistas e de alguns petistas começará a ruir? E agora, será que o ex-presidente Lula tentará esclarecer o episódio? Será que os brasileiros são tão idiotas de pensar que foi uma ingênua casualidade encontrar-se com o ministro Gilmar Mendes através do ex-ministro Nelson Jobim? Que pouca vergonha, que absurdo, dá nojo de saber da pressão exercida por parte desses elementos ao STF. Mas o lado bom da coisa: Quem sabe esses ministros se enchem de brio e resolvem julgar o processo do mensalão sobre o qual o ministro Lewandovsky se encontra sentado, contrariando o que os brasileiros de verdade, que não dependem das esmolas desse governo, desejam. Já que se fala tanto em Comissão da Verdade para resgatar um passado distante, porque não aplicar esse princípio para que venham à tona as falcatruas deste governo.

Wagner Gatti wagner@rdaimoveis.com.br

Indaiatuba

*

CRISE INSTITUCIONAL

Dona Dilma acha que há risco de uma crise institucional em consequência do bate boca entre o ministro do Supremo e o ex- presidente. Foi o que declarou em conversa mantida com o presidente do STF, ministro Ayres Britto. Fico imaginando que país é esse onde, um megalomaníaco, antiético, amoral, chefe de quadrilha, e sem nenhum vínculo com o governo seria capaz de desencadear uma crise dessa natureza. Nem somando forças a Marcola e Fernandinho Beira Mar. Agora só falta a "presidenta" decretar Estado de Sítio, censurar a imprensa "burguesa" e suspender os direitos constitucionais dos 20% da sociedade esclarecida que não digere a podridão gerada na cúpula do governo, nem mais consegue inalar o mau cheiro que exala de Brasília e do Rio de Janeiro.

Humberto de Luna Freire Filho hlffilho@gmail.com

São Paulo

*

PLANALTO QUER DISTÂNCIA DA CRISE

É como se alguém atolado na lama pudesse se "disfarçar" usando perfumes!

Ariovaldo Batista arioba06@hotmail.com

São Bernardo do Campo

*

HÁ DEMOCRACIA?

Ah, as "forças terríveis"! Nossos juízes e ministros dos tribunais superiores continuam, como sempre foram, sendo nomeados pelo Poder Executivo! É constitucional? E a harmonia entre os Três Poderes?! Há democracia com o Poder Judiciário dependente do Poder Executivo para a nomeação de pessoas pra cargos vitalícios?! Por que nunca no Brasil houve eleição popular para os cargos máximos do Judiciário?! O STF, guardião máximo da Carta Magna não está à mercê do Executivo? Logo o Executivo, onde todos os titulares têm que, no ato da posse, jurar cumprir e defender a Constituição? E ela, a nossa Carta Magna, não expressa como pressuposto fundamental a independência de cada um dos Três Poderes?! Enfim, quando houve democracia no Brasil? Nosso país que, infelizmente, não assegura ao seu povo pão, saúde, justiça igual e educação para todos, não pode dessa forma ser chamado de nação!

Luiz Fernando D’Ávila lfd_avila@hotmail.com

Rio de Janeiro

*

ALI BABÁ

Depois de muitos anos de bons serviços prestados a sua nação, o ministro Gilmar Mendes foi violentado em seus princípios, tendo sido convidado para fazer o "malfeito". Merece o ministro, que falou a verdade, nosso respeito e admiração. Que esta atitude sirva de exemplo a todos os "brasileiros".

Batista Cassiano batista cassiano@hotmail.com

São Paulo

*

O PREÇO DA FIDELIDADE

Qual cargo de primeiro ou segundo escalão estará reservado ao ex-ministro Nelson Jobim para que ele mantenha a versão de que o tal diálogo entre Gilmar e aquele outro (recuso-me a dizer o nome) não ocorreu? Aposto que a nomeação não vai demorar. É só esperar para ver.

Blumer Jardim Morelli blumer@AASP.org.br

São Bernardo do Campo

*

LAMBANÇA

Quando estourou o escândalo do mensalão, o ex-presidente foi categórico: vou pra rua e boto fogo no País! Agora em reunião informal com Nelson Jobim e o ministro do Supremo Tribunal Federal Gilmar Mendes, novo "mal" entendido ocorreu. Na minha opinião, todos estão mentindo e pela minha régua, em escala decrescente, Lula, Jobim e o ministro. Mais uma vez, o apedeuta promove uma lambança e das grandes!

Eduardo Augusto de Campos Pires eacpires@terra.com.br

São Paulo

*

A MILITÂNCIA NAS RUAS

O presidente do Partido dos Trabalhadores, Rui Falcão, está procurando pelo em ovo. Convocou a militância a ficar atenta às manobras que estão ocorrendo. Na verdade ele se refere à pisada na bola de Lula, que pressionou Gilmar Mendes para adiar a votação do mensalão, conforme reportagem da revista Veja. Segundo o deputado forças ocultas querem desmoralizar o PT e o Lula. Sinceramente, só um cego não vê o quanto o PT e Lula estão desmoralizados depois desse episódio e de outros tantos já veiculados. É preciso ser pelego para não enxergar o obvio. O julgamento do mensalão pode trazer instabilidade ao país, pois a máfia que odeia a democracia estará a postos para botar tudo a perder. Eles querem sangue, violência e anarquia. Pessoas de bem não se prestam a esse serviço nem sendo bem remuneradas, quanto mais quando ganham um sanduíche e condução gratuita para empunhar bandeiras. Pelo visto, os petistas que tanto fizeram para conquistar o poder, o destruirão usando a militância refém das verbas. Brasil, um país de tolos!

Izabel Avallone izabelavallone@gmail.com

São Paulo

*

BRAVO, MINISTRO!

Até que enfim alguém enfrentou o fantasma do Lula que assombra o País. Nós não merecemos um ex se metendo em tudo que é assunto, com medo de que os rastros da corrupção desses últimos oito anos,venham à tona. E virão. Para isso temos a imprensa. Já quiseram desmoralizar a Veja, não deu certo, agora querem atingir o Poder Judiciário, através da Suprema Corte. Convoco toda a classe jurídica, não comprometida, a manifestar em público seu apoio a Gilmar Mendes.

Gladys Castanho glad-is@ig.com.br

São Paulo

*

PAU MANDADO

A assessoria da presidente Dilma Rousseff disse, em nota divulgada na manhã de quarta-feira (30), "que são no todo falsas as informações contidas" em reportagem do jornal O Estado de S. Paulo sobre as consequências da disputa pública entre o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal - confira a íntegra da nota no fim desta página. Taí, senhora presidente, ao povo, o governo é o atual, da senhora eleita, mas parece que é mais um pau mandado, refém de todos, sem autoridade alguma! Tenha coragem e governe, faça ao que se propôs quando mendigou votos!

Mauricio Villela mauricio@dialdata.com.br

São Paulo

*

PERGUNTAR NÃO OFENDE

Ao saber da conversa entre Lula e Gilmar Mendes, o ministro decano do Supremo Tribunal Federal, Celso de Mello, declarou que se Lula ainda fosse presidente seu comportamento seria passível de impeachment. Mas, como ex-presidente, seu comportamento "inaceitável e indecoroso" é passível de quê, sr. ministro?

Myrian Macedo myrian.macedo@uol.com.br

São Paulo

*

FINALMENTE!

Finalmente alguém aponta o dedo diretamente para o Lula. Era preciso que a máscara caísse e que se mostre ao povo quem é, na verdade, este mistificador. Parabéns, ministro Gilmar Mendes. O Brasil precisa de mais homens como você.

Geraldo Roberto Banaskiwirtz geraldo.banas@gmail.com

São Bento do Sapucaí

*

SEMPRE ELE

Todos sabem que Lula fez o que o ministro Gilmar Mendes diz que ele fez. Todos sabem que ele é um mentiroso contumaz e que não tem nenhum pudor em sustentar suas mentiras, não sendo esta a primeira. Mesmo diante de tantas provas em contrário, todos o ouviram confessar que iniciaria uma cruzada incansável para provar que o mensalão nunca existiu e que o mesmo é fruto de uma "ficção criada para prejudicá-lo". Onde esta a surpresa na sua tentativa de subornar o ministro Gilmar, para que este adiasse o julgamento do mensalão em troca de blindagem na CPI mista do Cachoeira que foi criada pela base governista com sua explícita aprovação? Se todos sabem que ele é capaz de fazer o que disse que ia fazer porque nada acontece? Onde estão os políticos descentes deste país, que não se manifestam? Não sobrou ninguém? São todos farinha do mesmo saco? Até quando assistiremos a este ex-presidente atuar com tanta desfaçatez sem responder por seus atos imorais?

Ana Maria Carmelini carmelini.ana@terra.com.br

São Paulo

*

MARACUTAIA!

Nossa combalida republiqueta (neste texto o uso de minúsculas é proposital) está sendo sepulcrada em um pustulento lodaçal, em que pululam fétidos bichos corruptos e corruptores, das mais diversas espécimes repugnantes. Nunca antes nestas plagas um ex-presidente, sob promessa de blindagem, ousou coagir Ministros do Supremo Tribunal Federal a se posicionarem em favor dos seus espúrios desígnios. Mais deletério o episódio, quando se recebe a notícia de que o "sórdido espetáculo foi encenado" nas dependências do escritório do Dr. Jobim, ex-ministro do STF e de estado! Terrível constatar que o "ex, que ainda quer ser", gabou-se de exercer domínio sobre o colegiado designado pelo Parlamento (seriam os 300 picaretas?!) para apurar a prática de crimes hediondos contra o erário; também jactou-se de manipular outro ex-ministro do Supremo, Dr. Pertence (a quem?), o atual Presidente (pasmem) do "conselho de ética da presidência da república", para, com seu prestígio, "cuidar" da Min. Carmem Lúcia (!?). Dá náuseas saber que o indigitado "ex" estava engendrando encontro entre o renomado jurista Celso Antonio Bandeira de Mello e o atual Presidente do Supremo, Min. Ayres Britto, amigos de longa data (lembro-me da marcante atuação de ambos nos Encontros de Procuradores Municipais do IBDM), sugerindo que haveria interferência fraternal no sentido de obter apoio à sua cruzada, que tem por escopo provar que o "mensalão" não passa de uma farsa criada pela imprensa e pela oposição (existe na atualidade!?), para salvar a pele do "irmão Dirceu", rotulado, pelo MP, "o chefe da quadrilha". A insana empreitada urdiu teratológico roteiro, que acabou por lançar lama e dúvidas sobre a honorabilidade dos personagens elencados pelo autor/ator/diretor dessa melancólica tragicomédia sul-americana. Que destino está reservado ao desprotegido povo, que tem as economias sequestradas em forma de tributos, pelos detentores desse governo de apetite pantagruélico? Pior, quando nos deparamos com o fato de outro "ex-ministro de estado", Dr. Márcio, notório defensor do "ex" em comento, que engendrou alhures a tese de defesa de que o "mensalão" nada mais consistiu do que a utilização, em campanhas petistas, de "dinheiro não contabilizado", refrão entoado por Delúbio, agora advoga a defesa do famigerado contraventor encarcerado, e por via oblíqua, os interesses do partido e dos aliados do referido "ex", impondo o silêncio que impede que incontrolável tsunami deságue no lombo da politicalha! Os Ministros do Pretório Excelso foram arrochados por espartilho sufocante, dando ensejo a certas indagações: Quanto tempo levará o N. ministro Lewandowisky, para desarrolhar o julgamento? O atual ministro Tofolli, ex advogado do PT e ex consultor da Casa Civil de Dirceu, marido de advogada que atuou no processo em prol de acusados, obedecerá, e não se dará por impedido? Pedirá vista dos autos o N. ministro Gilmar, que foi constrangido pelo ex? A alguém pertence o voto da N. ministra Carmen Lúcia? Os probos prestantes, contribuintes penitentes, que abastecem os "cofres", estão aguardando com imensa ansiedade o desenrolar da cena final, para saber se a atual republiqueta evoluirá, a ponto de alcançar o patamar em que se assenta uma verdadeira República Democrática de Direito e de Justiça.

Ulisses Nutti Moreira ulissesnutti@uol.com.br

Jundiaí

*

LULA E O MENSALÃO

Por qué no te callas, Lula?

Paulo Celso Biasioli pcbiasioli@yahoo.com.br

Limeira

*

CONSELHO DE AMIGO

Um conselho de amigo (de quem nunca fui e talvez nunca venha a ser). Por que V. S. não fica em casa (própria) humildemente, cuidando dos netos, afazeres de casa, recebendo amigos e quiçá lendo algum jornal (mesmo não sendo muito chegado a isso). Acredito que V. S. ficará bem na foto como ex- presidente. Obrigado. PT saudações.

Benedicto Sucena Bonifácio boni@casadabroa.com.br

Campinas

*

NOVA NOVELA

Lula é estrela da nova novela: Proposta Indecente.

Roberto Twiaschor rtwiaschor@uol.com.br

São Paulo

*

MENSALÃO

E aí, seu Lula? Cooptando ou, melhor dizendo, chantageando até ministros do Supremo (STF)? Recebestes o título de doutor honoris causa... merecia? Ficaria melhor o título de doutor "pioris causa". Quem nasce sindicalista nunca será estadista...

Flademir Ezaledo ezaledo@uol.com.br

São Paulo

*

AS LIGAÇÕES PERIGOSAS

O mês de agosto ainda não chegou e as matérias de primeira página, mais as de A4 e A8, no O Estado de S. Paulo de 30/5/2012, antecipam o clima quente, neste outono que está mais para o inverno, do que para um verão. A pretexto de um processo sobre o mensalão, que está sem julgamento no Supremo Tribunal Federal, o ministro Gilmar Mendes no pleno exercício de suas funções, obrigações, direito e responsabilidades como agente público do Estado, resolve mandar recados, botando a boca no trombone. As intenções do ministro não estão muito claras. O dispositivo legal e mais precisamente o inciso III do art. 36 da Lei Orgânica da Magistratura Nacional, afirma que: "Art. 36 - É vedado ao magistrado: (…) III - manifestar, por qualquer meio de comunicação, opinião sobre processo pendente de julgamento, seu ou de outrem, ou juízo depreciativo sobre despachos, votos ou sentenças, de órgãos judiciais, ressalvada a crítica nos autos e em obras técnicas ou no exercício do magistério." Se Gilmar Mendes está em plena atividade funcional, caberia a ele como autoridade e ministro do STF ter dado voz de prisão ao ex-presidente Lula, que não tem mais fórum privilegiado desde de que deixou o cargo de presidente, ou abandonar o local da reunião protestando. A voz de prisão se justificava se ele tivesse recebido uma oferta de barganha, que pudesse estar envolvendo ou infringindo normas e preceitos legais. Os fatos amplamente divulgados aconteceram no dia 26 de abril de 2012, portanto há mais de trinta dias, no escritório do ex-ministro do STF e de governo Nelson Jobim. O ministro Gilmar Mendes, nem deu voz de prisão e tão pouco abandonou o local protestando por qualquer ato de desrespeito pessoal ou para com a instituição da qual faz parte. Parece "missa encomendada". As coincidências dos fatos, se são verdadeiras ou não, deixam mais dúvidas ainda sobre o comportamento do ministro Gilmar Mendes. Ele está a serviço de quem? Terça-feira (29/5) o senador Demóstenes Torres admitiu que recebeu os presentes, reafirmou as suas ligações com o empresário Carlos Augusto Ramos e jogou mais lenha na fogueira que pretende atingir o procurador-geral da República, Roberto Gurgel. O senador Demóstenes disse que Roberto Gurgel cometeu o crime de prevaricação. Não foi perguntado e não declarou nada sobre os voos para Berlim ou para outros locais e nem mesmo sobre as suas relações com o ministro Gilmar Mendes. O senador Demóstenes Torres caminhou a vontade pelas largas avenidas do amplo conhecimento jurídico e demonstrou grande experiência na lide da vida republicana. Outras vezes, durante o depoimento de mais de cinco horas, escondeu-se pelas vielas estreitas da vida, com humildade e fez o que era possível e razoável para se defender, se salvar e se safar. Brincou com a inteligência do eleitor, do povo e foi até aos limites do possível. Colocou em risco a integridade das instituições brasileiras, que já sofre as perdas os danos, quando abala a estrutura do Estado de Direito. A falta de ética e da moral na República não se constitui sem si mesmo atos de ilegalidade praticados pelo Legislativo ou pelo Judiciário. Nem mesmo quando o Legislativo deixa de cumprir a sua missão e o Judiciário passa a legislar. A violência numa democracia está na falta de respeito à representatividade, na falta de ética, contra a moral e os bons costumes. Ela se configura quando se exige do povo a obrigatoriedade do voto, para legitimar o Estado de Direito, e os agentes do poder público não correspondem a confiança neles depositada.

Atenciosamente,

Sinésio Müzel de Moura sinesiomdemoura@hotmail.com

Campinas

*

O TIRO NO PÉ

Quero cumprimentar o colunista Arnaldo Jabor pelo texto de 29/5, sobre a atitude de Lulla e "amigos". O Cara teve um câncer, o que o deixou debilitado e por um bom tempo em repouso. Esperávamos que nesta ausência da política, fosse repensar a vida e perceber que elle não é imortal. Ledo engano, o Cara neste período, mesmo fraco e se apoiando em bengala continuou com seu pensamento maquiavélico de acabar com o PSDB, forçando a CPI do Cachoeira, já imaginando que esta encobriria o julgamento do mensalão. Não obstante, ainda foi ao Sr. Gilmar Mendes, e acabou caindo do cavalo (imagine se ele estivesse no poder, o que seria capaz de fazer).Fico pensando; elle deve estar querendo desestabilizar o Governo da Dilma para chegar em 2014 e sair como a "salvação" do PT.? Na minha opinião, acho que é o momento da Dilma assumir o papel de presidente e acabar com esta palhaçada plantada por elle. Acredito que o povo desinformado que votou nelle irá abrir os olhos e ver que ele não é essa coca cola toda e desta vez chega de PT.

José Saez jsaez2007@gmail.com

Curitiba

*

CPI DO RABO PRESO...

Plagiando o "bom baiano" João Ubaldo Ribeiro, com a CPI do Rabo Preso entrando em parafuso e as declarações do ministro do STF Gilmar Mendes, é bom o "ex" presidente Lula ir contatando o seu fiel escudeiro Marcio Thomaz Bastos para lhe preparar uma boa defesa, ou então exercer o seu "direito constitucional" de ficar calado. Quem viver verá!

Marco Antonio R. Nunes nunesmarcelao1@ig.com.br

Pindamonhangaba

*

PIZZA NO FORNO

Se alguém duvidava, agora pode ter certeza. O senador Humberto Costa (PT-PE), relator da Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) do Cachoeira colocou a pizza no forno quando declarou que a cassação do senador Demóstenes Torres (sem partido) é incerta. Essa pizza levará como tempero os seguintes ingredientes: o corporativismo existente na classe e a prática ignominiosa, nesses casos, do voto secreto, instrumento usado para mascarar uma decisão que o político não tem coragem de expor.Estranho como pareça, o senador Demóstenes Torres disse que "só pude chegar aqui porque redescobri Deus" e que readquiriu a fé que havia perdido. Deus passou a ser advogado de defesa dos malfeitos. Pelo que ocorre nesse país de bucaneiros Deus terá que convocar muitos auxiliares. "Não usarás o nome de Deus em vão" (Êxodo 20:7). O tempo é de idiossincrasias. O presidente do PT, deputado estadual Rui Falcão(SP) pede ação da militância petista contra a tentativa de acusar o ex-presidente Lula de aliciar o STF no julgamento do mensalão. Para os xiitas adoradores de Lula, seu Antonio Conselheiro está acima do bem e do mal. Menos, petistas, menos.

Jair Gomes Coelho jairgcoelho@gmail.com

Vassouras (RJ)

*

DEMÓSTENES

Pelo seu depoimento de cinco horas prestado na Comissão de Ética do Senado, o senador Demóstenes Torres provavelmente continuará com seu mandato. Com uma defesa bem estruturada e simulando um sofrimento além da conta, sabe que consegue se livrar da cassação por conhecer muito bem seus colegas, aliado ao fato do voto ser secreto e saber que muitos ali também devem explicações sobre este e outros assuntos.

Habib Saguiah Neto saguiah@mtznet.com.br

Marataízes (ES)

*

DEMÓSTENES, QUE PENA!

Da altivez e firmeza do discurso de oposição à hesitação e humildade das desculpas duvidosas. "Vivo o pior momento da minha vida", mas certamente senador, muito melhor que todos os momentos de escassez e sofrimento de boa parte do povo brasileiro, privado das verbas, criminosamente desviadas para os bolsos de alguns "privilegiados".

Luiz Nusbaum lnusbaum@uol.com.br

São Paulo

*

PARADA DURA

O que é pior? O silêncio do Cachoeira ou as inverdades do Demóstenes? Parada dura...

Luciano Harary lharary@hotmail.com

São Paulo

*

CACHOEIRA

Não consigo entender as criticas das autoridades ao silencio do Cachoeira, na CPI que investiga sua ligação com vários e pesados nomes do governo, não poupando nem mesmo os membros da sua defesa. Só mesmo o ex ministro Marcio Tomaz Bastos,que conhece todas as salas e corredores do Palácio Alvorada podia conduzir o processo dessa maneira, a meu ver, bem cautelosa. Realmente o Carlinhos Cachoeira não pode falar, não deve falar, tem que ficar calado ou então, corremos um sério risco de ver o congresso fechado e a tão sonhada "democracia" se esvair pelos ralos da corrupção. Obrigado, Santo Cachoeira!

Leonidas Ronconi leonidas.ronconi@terra.com.br

São Paulo

*

ÉTICA POLÍTICA DESBUSSOLADA

Nosso Brasil perdeu a bússola. Inerte, quase esquecido, o Senado Federal volta à ribalta. Instaurou-se uma CPI para obliterar o julgamento do mensalão. Entretanto, o ex-presidente Lula fez as pautas dos jornais muito mais interessantes. O senador Demóstenes Torres fez ver que todos que tiveram relações com Carlinhos Cachoeira foram contaminados pela lepra da contravenção. Poucos se lembram que o bingo foi lícito durante a lei Pelé. Muitos hipócritas que faziam suas apostas agora adotam posturas farisaicas. Ao ser revogada a referida lei,outros entenderam que foi repristinado o art. 40 da Lei de Contravenções Penais, em que pesem pareces contrários de juristas da nomeada de Miguel Reale, Miguel Reale Júnior, Ives Gandra da Silva Martins etc., porquanto nosso direito é irrefratário ao efeito repristinatório, salvo se expresso na lei que revoga a anterior. Lula pretendeu legalizar o bingo, mas recuou e editou, em 2004, uma Medida Provisória em que o proibia. Dada sua péssima qualidade como diploma jurídico, essa confusa e por muitos tida como inconstitucional Medida Provisória não resistiu a várias e fundamentadas decisões judiciais. O imbróglio permaneceu até que, em 2007, o STF emitiu a Súmula Vinculante n.º 2, uniformizando as interpretações jurisprudenciais sobre o tema. É necessário distinguir o mero bingo de cartela, que chegou a gerar mais de 30 mil empregos diretos, e os que se utilizam de equipamentos eletrônicos, manipulados pelo crime organizado. Para não gerar brechas por onde passem outras figuras delituosas, faz-se melhor, para o interesse nacional, que mesmo o bingo inocente, que havia caído no gosto do povo, permaneça vedado. Entretanto, não se pode negar que, por um período, foi lícito. Além do mais, um senador ou deputado desenvolver sua atividade parlamentar para trazer ao plano da legalidade uma ou outra modalidade de jogo, é algo plenamente constitucional. As passeatas em prol da legalização da maconha não tomaram as ruas brasileiras? Vivemos um momento em que muitos falam, os hermeneutas se manifestam em profusão e todos são ardorosos defensores da moral e dos bons costumes. Nessa quadra, é necessária muita cautela para que alguns não sejam postos na condição de bois de piranha, enquanto a corrupção campeia e corrói as instituições nacionais, como se vê das notícias diárias que circulam pela mídia.

Amadeu R. Garrido de Paula amadeugarridoadv@uol.com.br

São Paulo

*

DESCRIMINALIZAÇÃO DAS DROGAS

A Comissão especial de Juristas aprovou a descriminalização das drogas no anteprojeto do novo Código Penal, que livrará o usuário de cumprimento de pena. Mas fica uma duvida: Quem é usuário compra droga do traficante que age fora da lei. Quer dizer que quem compra drogas está ajudando esse mercado clandestino que é culpado de todas as mazelas da vida moderna: assaltos, homicídios, lavagem de dinheiro, etc. A descriminalização das drogas vai incentivar o consumo e trafico o que aumentará mais ainda para a sociedade sadia os efeitos colaterais. O que pretende fazer o governo? Se aumentar o consumo levando inúmeros jovens ao vicio, o estado vai proporcionar "clinicas de recuperação"? Aumentarão o contingente policial para proteger a sociedade dos assaltos que aumentarão expressivamente? Com a palavra os digníssimos Juristas, já que nunca sobra nada para a sociedade que paga os mais altos impostos do planeta.

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

*

MACONHA LIBERADA

Pela evolução natural das coisas e pelas prioridades dos nossos Juristas em relação ao novo Código Penal, acredito que, em vez de nos enfronharmos pelo estatuto do menor, prisão perpétua para quem mata por puro sadismo, regimes especiais até para quem não tem mãe, logo esses gênios vão permitir que possa se matar pelo menos uma vez a partir do segundo assassinato, então a pessoa poderá ser presa? Qual será o fim disso? Uma piada de muitíssimo mau gosto. Maconha não é, nunca foi e nunca será uma prioridades num país tão violento como o Brasil. E, claro, quem usa essa erva só pode ser para ficar doidão e fazer o quê? Não preciso dizer. Durma-se com um barulho desses...

Antonio Jose G. Marques a.jose@uol.com.br

São Paulo

*

DROGA DE COMISSÃO

Não precisa explicar, só queria entender. Baseado (é o termo) em que, chegou-se a conclusão que torna-se legal aquele que porta droga comprada na ilegalidade. Se isso não é uma estupidez, é má-fé mesmo. Lobby de traficante. Enquanto a tolerância é zero para cigarro e álcool querem abrandar a pena do traficante e do "traficado"! Ou seja: do corruptor e do corrompido! Desde que a comprinha seja feita para estoque de cinco dias (?!), tudo bem. Só não puxem fumo na frente das criancinhas! Isso seria o fim da picada! Também é o termo.

Gloria de Moraes Fernandes glorinhafernandes@uol.com.br

São Paulo

*

A PROPAGANDA DE KASSAB

É inaceitável que o péssimo prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, tenha aumentado em 90% os gastos do Município com publicidade, fazendo propaganda da sua gestão. Kassab deixou a maior cidade da América do Sul abandonada e só pensa em seus interesses pessoais e na sua carreira política. O Ministério Público e o Tribunal de Contas precisam agir, tomar as medidas legais e obrigar Kassab a devolver esses milhões de reais de dinheiro público, do povo paulistano, que estão sendo torrados em propaganda pelo prefeito. Se os eleitores tivessem um pingo de consciência política, Kassab não seria eleito nem sequer para síndico de prédio.

Renato Khair renatokhair@uol.com.br

São Paulo

*

ADMINISTRAÇÃO KASSAB

Antes não tinha, agora tem... excesso de publicidade.

Francisco Zardetto fzardetto@uol.com.br

São Paulo

*

PROPAGANDA NÃO FAZ MILAGRE

Kassab bate recorde de gasto com propaganda que aumenta 89% no 2º mandato (C1, 27/5), enquanto que os necessários investimentos em limpeza, educação, assistência social e saúde não trazem qualquer retorno à população paulistana; estou cansada de receber telefonemas de gravações repetitivas da tal "prestação de serviços" à população: com a palavra o TCM - Tribunal de Contas do Município para o ressarcimento à cidade do dinheiro público mau usado. Quanto à imagem de político de extrema-direita do alcaide, que instaurou política autoritária no 2º mandato exemplificada pela administração de coronéis - a qual, aliás, se revelou incompetente - cabe lembrar que a propaganda é a alma do negócio, mas, não faz milagre.

Suely Mandelbaum, urbanista suely.m@terra.com.br

São Paulo

*

LINHA 2 DO METRÔ

A notícia Extensão da Linha 2 deve começar em 2013 (28/5/2012) é excelente notícia, ao informar que a construção da Linha 15-Branca do Metrô, ramal que vai ligar Vila Prudente à Via Dutra, em Guarulhos (SP), deve começar antes do previsto, pois indica que a cúpula do governo estadual acertadamente está se empenhando para agilizar as obras de expansão do metrô para a região metropolitana de São Paulo, o que pode efetivamente aprimorar e ampliar a oferta desse importante modal para os cidadãos paulistas.

Airton Reis Júnior areisjr@uol.com.br

Guarulhos

*

TERMINAL 4 - GUARULHOS

Não obstante o Terminal 4 vir a ajudar e muito no uso do Aeroporto de Guarulhos, apesar de inacabado e modesto, merece assim mesmo apoio. O que não coaduna de maneira alguma é o estacionamento que alem de não ter um acesso direto (toma-se um micro), tem um custo simplesmente fora de qualquer comentário e passa a ser de valor superior ao da passagem de avião, dependendo do caso. É uma vergonha ter de pagar R$ 50,00 por 24hrs em um pátio sem abrigo. Razão pela qual está vazio e só serve para pegar incautos que pela primeira vez, fazem uso do estacionamento. Ficam os nossos protestos contra a Infraero.

Alexandre T. Schaffner ats@bighost.com.br

São Jose dos Campos

*

ILUMINAÇÃO DE LED

Em relação ao que foi publicado neste Fórum dos Leitores pelo Sr. Heitor Scalambrini Costa, da Universidade Federal de Pernambuco (28/5/2012), posso acrescentar o seguinte: a atual tecnologia de iluminação via Led tanto em vias públicas quanto em residências já se encontra em sua quarta geração, muito mais econômica, eficiente e eficaz. Além do fator economia e durabilidade citados pelo Sr. Heitor existem os fatores também ligados à energia ecologicamente corretas pois em se tratando de semicondutores não existem na tecnologia Led emissões de raios ultra-violetas tipo A e tipo B, emissão quase nula de calor, interferência eletromagnética nula, poluentes como cádmio, mercúrio, sódio, etc, inexistentes em sua composição.

Os fatores de economia com suas similares de outras tecnologias podem chegar entre 80 a 85% de economia com um tempo de vida útil médio de 50.000 horas ou quinze anos. Tanto a Europa Ocidental como os Estados Unidos já estão em fase de substituição de sua iluminação pública tradicional pela tecnologia LED, assim como gerando incentivos para que seus moradores façam a substituição em seus lares de suas lâmpadas fluorescentes, econômicas, de filamento, dicróicas tradicionais por suas similares Led com vistas a economia de energia e menor índice de poluição pós utilização das mesmas. Neste sentido, realmente estamos por demais atrasados ainda utilizando lâmpadas de filamento que geram um gasto absurdo de energia, fluorescentes, de vapor de mercúrio, sódio e as tais "econômicas" que além de poluidoras, geram gastos energéticos incomensuráveis tanto para consumidores privados como para públicos, incluindo-se nestes a iluminação pública. Caso o Brasil criasse um plano de incentivo de substituição de sua iluminação antiga pela tecnologia Led, algumas inclusive, como foram citadas pelo Sr. Heitor, com alimentação via energia solar, não haveria, por exemplo, a necessidade da construção da tão contestada Usina de Belo Monte.

Boris Becker borisbecker@uol.com.br

São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.