Fórum dos Leitores

PRECATÓRIOS

O Estado de S.Paulo

04 Junho 2012 | 03h05

Jogo de empurra

Excelente o artigo Recorde de inadimplência de precatórios (1.º/6, A2), do dr. Marco Antonio Innocenti, sobre o jogo de empurra promovido pelos Poderes Executivo e Judiciário, que deixam de cumprir suas obrigações de forma constante e nada acontece. Se os membros do Supremo Tribunal Federal (STF) tivessem um pouco de compromisso com a justiça, julgariam ao menos alguns pedidos de intervenção nos Estados devedores e matariam politicamente seus governadores. Assim, quem sabe, os credores, e não seus herdeiros, passariam a receber o que lhes é de direito. É lamentável o que acontece com os precatórios: na última publicação pelo Tribunal de Justiça (TJSP) dos pagamentos efetuados em maio, não dá para entender os critérios utilizados, a falta de transparência é total - e ilegal!

JOSÉ RENATO NASCIMENTO

jrns@estadao.com.br

São Paulo

Arbitrariedade

Lendo o artigo do dr. Marco Antonio Innocenti, vemos as injustiças que o poder público pratica - ao contrário do que ele nos cobra quando devemos. E o governo do Estado de São Paulo ainda tenta no STF uma arbitrariedade: em vez de pagar os precatórios antigos, quer fazer mais desapropriações, tirando o que por direito pertence a quem lutou e conseguiu comprar algum imóvel, ou tem direitos sobres valores cobrados a mais, ou direitos não pagos. Sr. governador, tenha o espírito público e aja com dignidade, como convém.

RICARDO TANNUS

odracir1947@yahoo.com.br

São Paulo

Cara de inocente

O artigo de Marco Antonio Innocenti nada tem de inocente, é a pura realidade. Inocente é a cara que o governador de São Paulo tenta fazer para não autorizar o pagamento dos precatórios já julgados. A cada obra que diz que fará, só cria novos precatórios, para infelicidade de quem tem seu bem desapropriado, e assim posterga seu pagamento para outro governador fazê-lo... um dia.

RAUL S. MOREIRA

raulmoreira@mpc.com.br

Campinas

Depósitos retidos no TJSP

Gostaria de propor ao dr. Innocenti que abordasse também os casos de precatórios, ou parcela destes, já depositados pelo governo estadual e cujo pagamento o TJSP retém (será para receber spread?). Cito, por exemplo, casos de conhecidos meus que nem sequer o adiantamento devido à idade ou a doença grave, depositados há 18 meses (!), conseguem levantar. No meu caso, o depósito fará aniversário no final deste mês (cf. publicado no Diário Oficial) e meu advogado tampouco consegue levantá-lo. E estou vivo, com a documentação em ordem, já anexada ao processo, etc. Imagine-se, então, os casos de quem já conheceu o interior do forno crematório... Se a retenção é por spread, não tenho dúvida de que a Justiça pratica "estelionato" com os idosos e doentes.

CONRADO LUIZ AMSTALDEN

c.amstalden@hotmail.com

Vinhedo

Justiça que tarda é injusta

Assim como o Estado, sob censura, está há 1.039 dias aguardando decisão da Justiça deste país, nós, os credores de precatórios alimentares, continuamos - alguns morrendo na fila de pagamento, outros passando necessidades - também aguardando o pagamento de nossos direitos pelo governo de São Paulo, a serem calculados pelo TJSP. Isso é Justiça?

CARLOS VIEIRA

vieira3013@terra.com.br

São Paulo

CRIMINALIDADE

País do futuro

Em cinco dias, dois ataques a estabelecimentos comerciais na Rua Sergipe. Domingo 27/3, seis assaltantes armados levaram os pertences de cerca de 30 pessoas que jantavam na pizzaria Bráz. Saiu nos jornais, dona Dilma, comente com dona Fifa e seu Zé Blatter, veja se eles conseguem dar um jeito, já que o governo... Dá-lhe, 6.ª economia do mundo!

MAURICIO VILLELA

mauricio@dialdata.com.br

São Paulo

CORRUPÇÃO

Seguindo a pista

Réus do mensalão, Cachoeira, Demóstenes... São só alguns degraus da escadaria que leva até o todo-poderoso chefão. O que falta para a Nação saber de tudo o que aconteceu nos últimos anos no Brasil, principalmente quanto custou? Trocamos a capacidade de nos indignarmos pelo cinismo!

LUIZ RESS ERDEI

gzero@zipmail.com

Osasco

EX-PRESIDENTES

Diferença gritante

Enquanto um ex-presidente, estadista, está a convite na China como palestrante, outro, não tão estadista, e sim populista, faz campanha em programa de auditório para si e seu apadrinhado candidato a prefeito de São Paulo. Cá entre nós, que diferença, hein?!

FERNANDO PASTORE JUNIOR

fernandopastorejr@gmail.com

São Paulo

CADE

Reitor da USP esclarece

A respeito do artigo Nova fase da concorrência no Brasil (30/5, A2), de minha autoria, gostaria de esclarecer que, como se denota do próprio texto, ele foi redigido antes da entrada em vigor, em 29/5, da Lei n.º 12.529/11 e de regulamentos do Cade aprovados na mesma data. Sobre alguns pontos nele abordados, especificamente, saliento: 1) A definição dos ramos de atividade empresarial foi regulamentada pela Resolução n.º 3, de 29/5; 2) as informações necessárias para o pedido de aprovação de atos de concentração foram regulamentadas pela Resolução n.º 2, do mesmo dia; 3) a questão de confidencialidade dos documentos a serem apresentados pelas empresas, tratamento sigiloso, definição dos ramos de atividade econômica dos agentes, subsunção de transações realizadas pela Bolsa de Valores com fundos de investimentos e ofertas públicas de ações foram regulamentadas pelo novo Regimento Interno do Cade, aprovado também em 29/5. Outras questões mencionadas no artigo, como o estabelecimento de prazo para a Superintendência-Geral devolver ou não uma operação e para o Cade declarar um ato como complexo, bem como a definição do que seja documento formal vinculativo entre as partes para a apresentação de um negócio, continuam a ensejar o debate sobre a regulamentação da nova lei concorrencial brasileira.

JOÃO GRANDINO RODAS

acruz@usp.br

São Paulo

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

INCENTIVO ÀS AVESSAS

Como pode o governo federal, através de seu ministro Guido Mantega desonerar a indústria automobilística com a redução do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI), para incentivar o consumo de automóveis no Brasil, se, 14 milhões de famílias brasileiras já estão comprometidas com dívidas em um terço de sua renda mensal? O governo deveria inverter este estímulo ao consumo e incentivar a produtividade de nossa economia com investimentos em educação, infraestrutura, etc... Ao término de tais incentivos, quantas outras famílias estarão compondo este cenário de hoje?

Marcos Antonio Scuccuglia sasocram@ig.com.br

Santo André

*

NUNCA ANTES...

Nunca antes na história deste país o povo esteve tão superendividado como agora. Enquanto isso, o nosso brilhante governo continua incentivando o consumo a prazo. Vamos ver para quem vai sobrar a conta.

Silvio Schaefer excess@netpoint.com.br

São Paulo

*

CARTOLA FURADA

Quando o governo tem uma equipe econômica que vive batendo cabeça, tentando inventar uma fórmula para alavancar o moribundo "pibinho" nacional, vem a notícia de que a cartola do mágico estava furada, e o coelho fugiu. A corrida provocada pelo governo ao crédito consignado, mais as facilidades encontradas nas financeiras que proliferaram ultimamente a cada esquina, levaram o povo a um delírio consumista, cujo resultado era previsível: o endividamento com sérios transtornos até mesmo para a manutenção das famílias. O automóvel passou a ser o objeto de desejo das classes mais baixas. As motos congestionaram os espaços públicos. O resultado dessa farra está estampado nas estatísticas em que números preocupantes dão conta de que 14 milhões de famílias estão com 1/3 da sua renda comprometida. Essa população de inadimplentes se concentra na classe C (5,8 mi) e nas D e E, (6,6 mi). O consumismo passou de sonho a pesadelo. Não é raro nos leilões de inadimplência um carro Fiat Pálio, ano 2004, ser vendido por 70% de tabela, ou seja, pelo preço de uma bicicleta.O atestado de incompetência gerencial é flagrante. Nova tentativa de prestidigitação está a caminho, mas é preciso que a cartola seja consertada e que encontrem o coelho fugido.

Jair Gomes Coelho jairgcoelho@gmail.com

Vassouras (RJ)

*

BOLSA-DÍVIDA

Mais de 14 milhões de famílias superendividadas... graças aos conselhos irresponsáveis do presidente de cinco anos atrás, quando chamou "tsunami" de "marolinha" e mandou continuar comprando... E agora? Vai sugerir à PresidentA (?) uma Medida Provisória para dar calote em quem emprestou? Ou criar uma "bolsa-dívida"? Vai mandar pegar emprestado para pagar empréstimo e prolongar o sofrimento? Belo enrosco, companheiro!

Pedro Piccoli pmpicc@terra.com.br

São Paulo

*

LOBBY

A redução do IPI dos automóveis prova o quanto o Sr. Lula está ativo na defesa das grandes montadoras, que são obrigadas, assim, a garantir o emprego dos metalúrgicos. Dilma e Mantega acham que é melhor entupir as ruas de automóveis e fazer os bancos ganharem ainda mais, em lugar de abaixar o custo de vida, principalmente dos alimentos. O povo mostra a sua ingenuidade ao preferir ter um carro na garagem do que comida na mesa!

João Natale Netto natale@natale.com.br

São Paulo

*

MAIS AUTOMÓVEIS NAS RUAS

Novamente o governo anuncia a redução de IPI para a compra de carros novos. Mais um espasmo da administração sem estratégia que governa o país há quase anos. A crise não é uma marola não, vamos oxigenar o mercado interno. Eles só esquecem do investimento na malha viária das cidades. Alguém precisa avisá-los de que não tem mais espaço nas ruas e nas estradas do País. Mais um montão de carros-zero parado nos congestionamentos. Mais um show do crescimento! O governo deveria baixar os impostos para a compra de helicópteros... a única maneira de poder circular atualmente nas cidades brasileiras.

Ari Giorgi arigiorgi@hotmail.com

São Paulo

*

BALAIO DE GATOS

As montadoras aumentam a velocidade dos automóveis, o governo diminui a velocidade permitida e os marronzinhos aumentam a arrecadação com multas.

Cláudio Moschella arquiteto@claudiomoschella.net

São Paulo

*

GOVERNO DOS SINDICALISTAS

O governo só beneficia o setor automobilístico por pressão dos sindicatos da região do ABC, os mais fortes do País e onde reside nosso ex-presidente elitista Lula.

Renzo Orlando renzoorlando@uol.com.br

São Paulo

*

AMEAÇA

O ministro Mantega disse que as montadoras ameaçavam dar férias coletivas, para justificar o incentivo concedido a elas e outras medidas. Xiii estamos mal. Agora toda vez que as montadoras tiverem um dor de barriga, incentivo para elas, se não...

Panayotis Poulis ppoulis46@gmail.com

Rio de Janeiro

*

AÇODADA POLITICAGEM

São enormes as perdas decorrentes dos megaengarrafamentos diários nas grandes cidades, sistemas paquidérmicos que clamam por investimentos em transportes públicos minimamente dignos e em quantidade satisfatória que visem a aliviar o sofrimento ao qual o trabalhador é submetido, perdendo quase metade de seu dia de trabalho, só em locomoção. O governo, sob pretexto de enfrentar a crise internacional, resolve, mais uma vez, apostar no consumo, com ênfase justamente na indústria automotiva, na esperança de que, conforme declara o ministro da Fazenda, "a população adquira cada vez mais veículos" o que, face à baixa qualidade to transporte público, agravará a situação caótica das metrópoles. Será que o Sr. Guido Mantega, ao julgar tal estratégia adequada para o enfrentamento dos impasses financeiros globais, desconhece essas consequências? Mais uma vez, açodada politicagem, longe da tentativa de estabelecimento de uma política consistente diante da crise.

Paulo Roberto Gotaç prgotac@hotmail.com

Rio de Janeiro

*

DOCE VENENO

Por falta de ideias mais sensatas e, principalmente, pela falta de vontade (e objetividade) política, o governo se aferra a instrumentos já desgastados e de resultados mais duvidosos para estimular a economia na medida em que vão sendo utilizados em demasia. Enxergo neste discurso e atitudes surrados algo mais do que o intuito em turbinar o tal "pibinho" conforme têm alertado muitos entendidos da área econômica. Por detrás desta aparente condução travestida de uma certa lógica aos olhos da opinião pública, a área econômica do governo parece estar apavorada (e não sem certa razão!) com a eminente adição de um ingrediente altamente inflamável na atual conjuntura econômica, que seria retrocedermos a níveis de desemprego que viessem a excluir do mercado de consumo milhões de pessoas que recentemente foram saudadas como a ‘nova classe média’ e que hoje dia, bem ou mal, têm sua rendinha para se virar , e também se endividar. Aliás esta é, ao meu ver, a questão principal. Qual seria o número exato de pessoas que, atraídas pelo canto da sereia do crédito fácil, estão hoje literalmente com a ‘corda no pescoço’? Quantas mais estão neste momento inclinadas a cometerem tal imprudência diante dos acenos de crédito farto? O risco, só não enxerga quem não quer, é o de termos uma enorme bola de neve rolando precipício abaixo. O "subprime" brasileiro é sem dúvida nenhuma o imenso caldeirão de carnês contraídos na aquisição de carro, motos e eletrodomésticos sofisticados por pessoas que de repente sentiram os pés no chão e que, recorrendo a uma máxima antiga, hoje provam de um melado tão bom quanto fácil de se lambuzar.

Fernando Cesar Gasparini phernando.g@bol.com.br

Mogi Mirim

*

PIB BRASILEIRO

Cada governo que passa pelo Planalto costuma enaltecer o seu trabalho, colocando-o perante a opinião pública como o melhor de todos. Gastam fortunas, dinheiro público recebidos de impostos pagos pelos contribuintes. Noto que cada um desses espertos visitantes de Brasília pintam sempre o seu peixe com ouro puro para convencer os eleitores. No entanto, pensando a respeito tive uma ideia de perguntar aos principais jornais do Brasil que fizessem uma ampla matéria a respeito expondo a todos os brasileiros qual o período de maior crescimento econômico do País. E assim, a verdade será divulgada a todos. Será que a imprensa topará fazer esse serviço de utilidade pública?

Benone Augusto de Paiva benone2006@bol.com.br

São Paulo

*

VAI TUDO BEM

"Eike Batista vai bem, bancos batem recordes, classe C pode comprar carro a prestações a perder de vista e... Desigualdade e miséria seguem firmes e fortes" Com esse tweet da Soninha Francine, podemos tirar uma pequena conclusão. Apesar de todos os esforços do governo, a pobreza caminha firme e forte! Tivemos o bolsa que tirou várias famílias da miséria, mas não os tirou da pobreza, agora temos quedas nas taxas de juros, elas dão um certo alivio na vida dos endividados, mas a corda não chega nem no pescoço, até porque ainda somos um dos líderes no ranking mundial de taxas de juros, estamos na terceira posição: o primeiro é a Rússia com juros de 4,2%, segundo Brasil com taxa de 3,4% e em terceiro lugar a China com 2,9%. Infelizmente estamos trabalhando novamente de forma errônea, com recuos nas taxas de juros e aumentos no bolsa família achando que com isso erradicaremos a pobreza no País. Não se dilui a miséria com programas assistencialistas, é necessário investir em capital humano, melhorando a educação, por exemplo aumentando ainda mais a carga horária na escola na Coreia por exemplo uma criança passa 11 horas do dia estudando. E precisamos banir as cotas raciais e algo que me envergonha que é aprovação continuada, nessa nova geração ninguém sabe ler ou escrever, para atestar isso é só entrar no Orkut, Facebook e outras redes sociais e ver como nossos jovens escrevem errado, chega a dar dor no estômago! Não adianta ter consumidor se não temos mão de obra qualificada para operar máquinas para produzir nosso consumo que apresentou queda de 3,1% no primeiro trimestre de 2012 e a produção industrial não ficou atrás com queda de 4,2%, já as vendas do dias das mães avançou 7,3%, enquanto no mesmo período de 2011 a alta foi de 12,1%. Em minha opinião é preciso ir além disso, o governo precisa cortar na própria carne, e necessário uma reforma tributaria no Brasil, segundo o Impostômetro, painel eletrônico mantido pela Associação Comercial de São Paulo e que mede em tempo real o valor dos tributos pagos por nos brasileiros, até a produção desse humilde artigo já pagamos mais de R$ 551 bilhões em impostos! Atualmente nossa carga tributaria compreende 35,13% de nosso PIB com IDH de 0,718, enquanto isso a carga em países avançados como Austrália é de 25,9% com IDH de 0,929, nos Estados Unidos a carga é mais baixa ainda, ela corresponde a 24,8% do PIB com IDH de 0,910. Podemos observar na indústria automobilística um pequeno exemplo disso que estamos falando, no Brasil um Toyota Camry custa R$ 161.000,00, já nos Estados Unidos o modelo SE que o veiculo mais caro da linha Toyota Camry custa $ 23.220, como o dólar comercial esta cotado a R$ 2.00, podemos comprar o mesmo carro lá por apenas R$ 46.440,00. E veja que com esse valor todos ganham, o empresário tem sua margem de lucro, o governo recolhe seus tributos, o povo tem emprego e renda abundante. Após ver todos esses números e refletir sobre tudo que lemos aqui, podemos chegar a uma conclusão, a desigualdade e a miséria deverão seguir firmes e fortes por muito tempo, pelo menos aqui no Brasil.

Josué Silva josuejfs@hotmail.com

São Paulo

*

INFLAÇÃO MANIPULADA?

Algo muito errado está acometendo esta Nação. Senão, vejamos: Usarei somente exemplos de produtos básicos, para não haver dúvidas de interpretação - o pote de café solúvel que custava R$ 3,49 em abril agora custa R$ 4,89 (um aumento de 40%); o pacote de papel higiênico que custava R$ 3,60 em abril agora custa R$ 5,10 (um aumento de 42%) - isso comparando no mesmo supermercado e as mesmas marcas, evidentemente. A conta de gás encanado que pagava até abril R$ 6,83 agora custa R$ 10,50 (sempre consumo a taxa mínima), o que significa um aumento de 54%! Ou o governo não sabe mais fazer contas ou estão tentando nos fazer de palhaços. O que lhe parece?

Angela Barea angelabarea@yahoo.com.br

São Paulo

*

A INFLAÇÃO A GALOPE

A queda dos juros para desafogar os pátios das montadoras e outros estoques motivados pelas importações em peso da China, que motivou a queda de nossa indústria e o desemprego em nosso país, parece-me armadilha. É necessário cautela quando decidir ir às compras. Poderemos ser pegos de surpresa num futuro próximo com a alta dos juros, para conter a inflação, que poderá aparecer a galope.

Alberto Nunes albertonunes77@hotmail.com

Itapevi

*

EXCESSO DE CONFIANÇA

Não entendo, tamanha despreocupação da equipe econômica e qual a receita otimista que passou à Presidente, Dilma Rousseff, para ela ter a certeza de que estamos 300% preparados para enfrentar a crise da zona do Euro. Indicadores mostram que não deveriam estar tão confiantes: Bolsa de valores em queda livre (-12,55% no mês), juros futuros em franca ascensão, queda do Investimento Estrangeiro Direto (IED), 24% menor que o ano passado, crescimento pífio do Produto Interno Bruto (PIB) 2,5%, inadimplência, 5,9%; com tendência de crescimento e a taxa de desemprego estacionada. Além desses apontamentos temos dois fatores que preocupam: o Dólar flutua nas alturas e obriga o Banco Central (BC), a agir no mercado e gastar alguns bilhões das Reservas Internacionais e a famigerada inflação, que nos importunou durante anos; está de volta e mostra suas garras (5,1%), nos últimos 12 meses e crescerá ainda mais em razão das últimas medidas, paliativas, adotadas pelo governo para incentivar o consumo. O pessoal que cuida da política macroeconômica e a Presidente Dilma, estão desdenhando a gravidade da situação e esperando uma "marolinha", porém, o horizonte nebuloso de incertezas no continente europeu não tem hora e dia para terminar, deverá se arrastar, segundo experts, ainda por alguns anos e poderá se transformar em um tsunami devastador. "A inflação aleija, o câmbio mata"- Mário Henrique Simonsen, ex-ministro da Fazenda. Pensem nisso.

Sérgio Dafré Sergio_dafre@hotmail.com

Jundiaí

*

BANCO DO BRASIL, PAI DE TODOS?

Se eu tivesse aplicação em ações do Banco do Brasil, venderia imediatamente. Mais que banco está parecendo "mercado livre". Trocando miudezas para micro e pequenas empresas e as garantias? Cheque pré-datado que poderá ser sustado ou roubado? Cartões de crédito falsos? Quem assumirá o ônus caso o micro empresário não tenha garantias? Isso está cheirando troca de papel novo para salvar o velho. Podem esperar o balanço trimestral que vem truta aí nos investidores. Escrevam! Dar crédito barato sem garantia concreta quebra qualquer banco, mesmo sendo do Brasil!

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

*

PERGUNTINHA BÁSICA

Para quem serão os empréstimos a 1,9% que aparecem nas propagandas do Banco do Brasil? Quem nada deve nada tem neste país?

José Jorge ribeiro da Silva jjribeiros@yahoo.com.br

Campinas

*

CINCO MESES PARA PAGAR IMPOSTOS

Apesar de não haver retorno em serviços, atendimentos em saúde, educação, segurança e infraestrutura, trabalhamos até o fim de maio somente para quitar a carga tributária. E as receitas são consumidas em malfeitos, obras superfaturadas e roubalheira geral - desde 2003, época do governo lulopetista. Como a impunidade é geral, compensa aos políticos e funcionários públicos roubar o Tesouro, porque nada vai lhes acontecer. Os contribuintes comuns que tentem prestar a declaração de renda em que as propriedades do ano foram maiores que as do ano anterior mais as rendas. Aí o Leão pega.

Mário A. Dente dente28@gmail.com

São Paulo

*

REFORMA TRIBUTÁRIA

Eu visualizo sempre as notícias pelo site. Gostaria muito de saber, se no nosso país, que tem tudo para ser uma grande nação, porque algumas coisas não saem do papel. A reforma tributária, por exemplo. A que temos é arcaica, da era de Dom Pedro! E porque não existem pessoas comprometidas e sérias que tenham a coragem de iniciar uma reforma que mudaria a cara do País, incondicional, pensando em todos os ramos da nossa atividade e que fosse justa! Até quando vamos ter de suportar homens e mulheres despreparadas, semianalfabetas no poder. Pessoas que só tem imagem mas que não tem atitude e nem competência para fazer o que precisa. Sentimo-nos sem pai e mãe nesse país, onde tudo é encoberto. Uma nação que tem a coragem de esquecer homens como FHC (não que ele seja o salvador da pátria) ao passo que homenageiam Lulas da vida, que mal conhecem de economia ou política e apenas se usurpam do poder, dando migalhas mensais que oneram a máquina pública, aproveitando-se da ignorância de um povo. O que é necessário para que realmente as pessoas de bem possam fazer seu trabalho naquele Congresso? Mas, será que existe alguma?

Erik Gonçalves erikgonc@hotmail.com

São Paulo

*

FIESP

A Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) exibiu na mídia um informativo muito inteligente. Afirmando que a competição comercial internacional é "desleal", pois no Brasil os impostos são elevados, e que a nossa energia elétrica é uma das mais caras do mundo. E que para competir neste mundo globalizado mudanças devem urgentemente acontecer. Exemplo é a China, que compra nosso algodão e depois vende como tecido e roupas com preços muito abaixo do mercado nacional! Enfim, estamos sendo dominados por muitos, em especial, pelos chineses! O governo vai esperar pelo pior, no caso, o desemprego? Redução de impostos é a primeira de muitas medidas ou nosso crescimento ou desenvolvimento (...)

Alex Tanner alextanner.sss@hotmail.com

Sumaré

*

MORDE E ASSOPRA

Ou primeiro assopra e, depois, morde. Essa parece ser a ideia do governo para a fusão do PIS com o Cofins: simplificar a cobrança das exações, assoprando a burocracia gasta com a cobrança e, depois, claro, a indefectível mordida: elevação de alíquota. Em matéria tributária, as coisas no Brasil devem mudar para continuarem exatamente como estão: péssimas.

Silvio Natal silvionatal49@yahoo.com.br

São Paulo

*

ACORDO ENTRE ADVOGADOS E PECADORES

É de estarrecer ver um advogado brilhante como Dr. Marcio Tomaz Bastos, ex-ministro de Estado, colocar a defesa de um contraventor em prejuízo da elucidação dos crimes de corrupção que tanto mal fazem ao nosso país, com certeza o mais grave problema que temos em nossa nação . Sou de uma época em que assistia os advogados defenderem os criminosos sem impedir o esclarecimento dos mal-feitos, colocando acima de qualquer interesse o melhor para a sociedade e o país. Não havia cumplicidade entre os advogados e os " pecadores " . Será que o ex-presidente Lula também critica este tipo de elite? Esta é a pior em ação no Brasil.

Lúcio Felix de Souza Filho luciofsf@superig.com.br

Salvador- Bahia

*

É DIREITO. É MORAL?

Não há a menor dúvida que o advogado, no caso o senhor Márcio Thomaz Bastos, tem pleno direito de defender quem ele quiser. Não há a menor dúvida que é legal o advogado defender quem ele quiser. A questão é saber se, tendo em vista a possível origem ilícita do dinheiro para os honorários, é amoral ou não.

Luiz Nusbaum lnusbaum@uol.com.br

São Paulo

*

TUDO POR DINHEIRO

A terrível conclusão é que o super advogado Marcio Tomás Bastos ao defender o bicheiro Carlinhos Cachoeira, trocou a sua reputação de ex-advogado de Lula, ex-presidente da Ordem dos Advogados do Brasil e ex-ministro da Justiça, por dinheiro sujo proveniente do jogo do bicho.

Victor Germano Pereira victorgermano@uol.com.br

São Paulo

*

MUDANÇA DE LADO

Como será que se sente o ex- Ministro Dr. Marcio Thomaz Bastos, sua Excelência até outro dia, um poderoso e respeitado Ministro da Justiça no Governo do Brasil, agora sentado ao lado, orientando, protegendo, defendendo, um bandido que cometeu vários crimes contra o Brasil?

José Gomes Barbosa j.g.barbosa@terra.com.br

São Bernardo do Campo

*

DE ONDE VEM O DINHEIRO?

Em seu apaixonado artigo "em defesa do direito de defesa", só faltou ao ilustre advogado Márcio Thomaz Bastos explicar a origem do dinheiro que seu cliente usa para pagar seus honorários. Como cidadão, só me resta torcer para que o brilhante criminalista não aceite defender o Fernandinho Beira-Mar.

Mário Barilá Filho mariobarila@yahoo.com.br

São Paulo

*

O OPRÓBRIO DA ADVOCACIA

Na linha do contador de Al Capone e dos médicos que assessoraram a tortura, pontifica esse senhor Márcio Thomas Bastos a estigmatizar a categoria dos advogados, com sua obstinada, eficiente e metódica representação de corruptos. Ele se sobressai nessa tarefa desde o episódio do mensalão, do qual a questão Cachoeira é apenas mais um capítulo. E, para isso, ele vem sendo regiamente pago com dinheiro de origem pra lá de duvidosa. O homem é profissional? E daí? Alguns matadores de aluguel também são muito profissionais. Degradar os princípios de uma profissão a este nível, só mesmo os jornalistas que vêm recebendo dinheiro do governo e de empresas públicas para lançar, em seus blogs, ataques à oposição e a setores não domesticados da imprensa. São todos personagens infames da peça encenada no Brasil desde a eleição de Lula, quando a decência e a honestidade se exilaram em local não sabido. Mas o caso desse advogado é muito mais pernicioso, pelas consequências nefastas e duradouras que decorreram e decorrem de sua atuação e que vão comprometer nosso futuro por décadas. Além de se notabilizar em anos recentes como anjo protetor de facínoras notórios, como o médico estuprador Roger Abdelmassih e o quatro vezes assassino Cesare Battisti, entre outros menos conhecidos, mas não menos repugnantes, esse nobre causídico se distinguiu como o artífice das manobras que ajudaram um presidente da República a enganar o País e a trair o juramento de defender a Constituição. Para um advogado, é um feito e tanto, quiçá o ápice de uma carreira. Ele foi o mentor e o braço jurídico não apenas de um governo corrupto, mas de uma organização que se apossou do País e fez da corrupção a única diretriz política, tentando incutir na cabeça das pessoas a certeza de que a licenciosidade do petismo era o caminho da redenção para todos. Quanto à lei... bem... esta é para as pessoas comuns. Agora, representando Cachoeira, o Sr. Thomaz Bastos continua se desincumbindo da mesmíssima tarefa de livrar a cara de Lula e, por extensão, dos mensaleiros que estão para ser julgados. Defendendo Cachoeira, ele é o advogado que continua defendendo o mesmo governo criminoso de Lula, do PAC, da Delta, governo este que, por ironia do destino, por desgraça, por coincidência, por maldição ou por acaso (?), começou um ano antes de começar e com um crime bárbaro, em janeiro de 2002, quando foi justiçado Celso Daniel.

José Benedito Napoleone Silveira nenosilveira@aim.com

Campinas

*

DIREITO DE DEFESA

Não há Estado de Direito, sem direito de defesa; e não se exerce o direito de defesa, sem advogado. É impensável, nos dias atuais, que se pretenda intimidar a atividade profissional de um advogado pelo nome ou fama de seu cliente ou pelo valor de seus honorários. A inversão de valores feita é não só perigosa, como cruel, porque deixa frágil o cidadão que se pretende proteger do poder opressor do Estado, ao mesmo tempo em que se ataca o advogado, pelo simples fato deste estar exercendo o seu dever, que ainda se reconhece como indispensável à administração da Justiça.

Flávia Rahal fr@mcr.adv.br

São Paulo

*

QUE VOLTEM AS SACOLAS PLÁSTICAS

Está mais do que na hora que essas sacolinhas sejam devolvidas aos consumidores, porque se as ‘supostas sacolinhas gratuitas(?)’ poluem e degradam o meio ambiente, o que dizer das ‘sacolinhas pagas’? Ah, essas não poluem o meio ambiente, contribui sim para os lucros exorbitantes dos donos de supermercados e afins. Quero saber se os vereadores que aprovaram o ‘fim das sacolinhas’, o que acham das caixas de papelão, verdadeiros depósitos e criadouros de baratas? O que acham de comprar frios, produtos de limpeza, pães, biscoitos, carnes e colocar tudo junto nas tais sacolas retornáveis com o liquido das carnes escorrendo e produtos de limpeza vazando? Deixa contaminar tudo? Que voltem as sacolinhas sim, e sejam colocadas em pratica ações politicamente corretas como uma campanha séria e eficiente de reciclagem de lixo! Assim como repensar a inversão de prioridades nesta cidade: excesso de transporte individual e nenhum investimento seriam em transporte coletivo como metros e ônibus, ou isso não é impacto ambiental?

Maria Da Graça Nogueira gracanog@gmail.com

São Paulo

*

PROIBIÇÃO ABSURDA

Está na hora de os consumidores de supermercados tomarem a iniciativa de não adquirir produtos nas suas redes, enquanto não oferecerem novamente sacolas plásticas gratuitas para embalar as suas compras. Essa proibição para proteger o meio ambiente é totalmente falsa e absurda, o que obriga os cliente a levarem as sacolas de suas casas ou comprando-as nos próprios supermercados, além de dificultar as embalagens dos produtos adquiridos nos caixas. Que os supermercados voltem a fornecer as sacolas plásticas, acabando com a demagogia.

José Wilson de Lima Costa jwlcosta@bol.com.br

São Paulo

*

CASO BAHAMAS

Começa a aparecer o estrago que causou o ex-diretor do Aprov, Hussain Aref Saab, durante os sete anos em que esteve à frente do Departamento de Aprovação de Edificações da prefeitura de São Paulo. A vítima da vez é o shopping Villa Lobos que terá de demolir parte de sua construção, passados 12 anos. Nem Kassab, nem ninguém desconfiou do eficiente funcionário que amealhou uma fortuna em imóveis com um salário de R$ 9 mil. Só mesmo no Brasil, se pratica ilícitos por tanto tempo sem que ninguém desconfie de nada. Será? O pagamento de propina não foi pouco e por isso alguém que ficou de fora deve ter reclamado. E o que fará Kassab? Vai demolir parte do shopping? Por que não penalizar quem segurou os processos, os favorecidos, as empresas e as construtoras? É facílimo chegar a eles, basta querer. Kassab vai se indispor com os doadores de campanha? Kassab também vai demolir os prédios que foram construídos sob a benevolência do seu competente funcionário em cujas construções Aref chega a ter quatro unidades? São Paulo é uma cidade que não tem problemas. O trânsito é uma beleza, o transporte público uma maravilha e a coleta de lixo um primor. E o "homem bondoso" acena com a doação de um terreno ao ex-presidente Lula, fazendo cortesia com chapéu alheio. Na área ora doada poderiam ser construídos vários apartamentos para diminuir o déficit de moradias aos paulistanos. Kassab foi um péssimo prefeito e, de saída, insiste em pisar na bola prejudicando os cidadãos de bem, os quais pagam altos impostos e multas para viverem aqui de forma indecente, humilhante e sofrida.

Izabel Avallone izabelavallone@gmail.com

São Paulo

*

RISCO

O Estadão de 31/5 publicou um novo capítulo do rumoroso caso do Oscar´s Hotel, anexo à Boite Bahamas do Sr. Oscar Maroni, com a noticia em C5 do Caderno Metrópole que TJ manda Kassab dar habite-se ao Bahamas, cassando ato do prefeito que interditou o imóvel em 2007, após o acidente do avião da TAM ao lado do Aeroporto de Congonhas. A reportagem publica também as entrevistas do citado "empresário do maior complexo de diversão e lazer", de duvidosa utilidade pública e do Secretário Municipal de Controle Urbano, na realidade um bate-boca destemperado de ambas as partes, que dispensa comentários. Informa ainda a matéria em questão que o desembargador relator deu acolhida ao mandado de segurança do proprietário do edifício, argumentando que "o prefeito deveria ter elencado outras motivações para negar o habite-se e não duvidar da moralidade dos fins da obra". Ora, o problema no caso não é a moralidade, mas sim que o edifício foi construído em desconformidade com a planta aprovada, além de passar de edifício comercial a hotel. E mais grave, coloca em perigo os aviões que se utilizam do Aeroporto de Congonhas, que existe no local desde 1936. Com a atuação do ex-diretor de Aprov da Prefeitura do Município de São Paulo que agora veio ao conhecimento público, dá para formarmos uma hipótese de como foi conseguida a aprovação inicial e a construção irregular. Por conseguinte, o edifício deveria ter a sua área construída em desacordo com as posturas municipais, ser demolido sem mais e seu proprietário, obrigado a arcar com as suas consequências, e não receber guarida ao seu mandado de segurança, para diminuir os riscos de acidentes fatais com as aeronaves que sobrevoam as suas proximidades.

Gilberto Pacini benetazzos@bol.com.br

São Paulo

*

QUE BELO EXEMPLO

Deplorável a atitude do Secretário Municipal de Controle Urbano, Orlando Almeida, ao destacar que, "se encontrar o Sr Maroni, empresário dono do balneário (sic) Bahamas, vai quebrá-lo, quebrar a cara dele", demonstrando ser da mesma baixa espécie que vive o outro, ser tão baixo quanto o empresário, pior, por ser um Secretário deveria ter o mínimo de postura, o que não apresenta, devendo ser exonerado pelo Prefeito, pois não tem o menor equilíbrio, imagine, sair por aí querendo quebrar a cara de todo mundo que não gosta, um horror, que saia imediatamente do comando da secretaria. Que belo exemplo dá para a sociedade.

Pedro Fortes fpec.fortes@uol.com.br

São Paulo

 

*

RODOVIA IMIGRANTES

Será que o Governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, não percebeu que a "nova" faixa de rolamento da Imigrantes apenas vai mudar de local o congestionamento?! Há coisas muito mais importantes para fazer.

Jose Roberto Marforio bobmarforio@gmail.com

São Paulo

*

CANIBALISMO CANIBAL

Deixa ver se eu entendi. Aquele dinheirão pago a título de IPVA, multas, licenciamento, (des)controlar, pedágio, etc. e tal, ao invés de reverter em benesses aos motoristas e cidadãos em geral, vai para um buraco negro ? É a conclusão a que se chega, diante do flagrante, registrado pelo Estadão, de um funcionário trocando uma lâmpada, pasmem uma simples lâmpada, da luz amarela de um semáforo, portanto em tese desnecessária, por uma vermelha que estava apagada, também teoricamente "importante". É assim que se "administra" este país. Dos cidadãos se descontam impostos compulsoriamente, se cobram multas, porém os nossos (des)governantes, não se preocupam em devolver a sociedade em serviços, os valores arrecadados. Realmente aquela frase está corretíssima : Brasil, um país de tolos !

Renato Camargo natuscamargo@yahoo.com.br

São Paulo

*

LÁ E CÁ

Passei alguns dias em Moscou com a minha filha que mora lá há cerca de cinco anos e gostei muito. A cidade é quase um museu a céu aberto e o seu povo tem como olhar para o passado do ponto de vista artístico e cultural, passado nem sempre glorioso do ponto de vista socioeconômico e político. Mas tem muito também para o que olhar no futuro. Moscou tem cerca de 12 milhões de habitantes que agora procuram recuperar o terreno perdido e correm atrás do prejuízo. As 12 linhas de metrô com cerca de 300 km de extensão estão sempre cheias. Lá é o único lugar que encontrei que qualquer banco no transporte público é realmente deixado vazio para ser utilizado por pessoas mais velhas ou deficientes físicos. No transporte urbano existem as peruas que fazem linhas regulares e passam com grande frequência. A passagem é cobrada pelo próprio motorista, que nas paradas de faróis costuma devolver o troco. O passageiro abre e fecha a porta de correr da perua ao entrar e ao sair. Funciona muito bem e o preço é praticamente o mesmo do ônibus. Assim é preciso continuar insistindo que as peruas são boas para o passageiro quando bem operadas e bem fiscalizadas, mesmo que possam não ser boas para os políticos.

Marisa Stucchi lastucchi@yahoo.com.br

Ribeirão Preto

 

*

VAMOS PACIFICAR O BRASIL

A notícia no Estadão de 28/5 Novo perfil do Ipiranga atrai 40% mais crimes somente reforça uma faceta do Brasil que envergonha e atemoriza todos nós. Muitas vezes culpa-se a pobreza como fator de aumento de violência e criminalidade, porém, esse parece não ser o problema em nosso país. Nos últimos anos tivemos redução da pobreza e forte migração da população para classes econômicas menos carentes. Em contrapartida, a violência vem crescendo de modo cada vez mais assustador. Regiões ou cidades que se desenvolveram tornaram-se focos de aumento de criminalidade. Isso seria até natural, por atrair criminosos de outras partes. No entanto, mesmo as regiões mais carentes também tiveram forte aumento de criminalidade. Essa "democratização" da criminalidade deve-se a vários fatores. Dentre eles, sem dúvida, estão: abrandamento das penas, concessão de benefícios cada vez maiores para os presos, lentidão da justiça, engessamento e não equipamento dos órgãos policiais e falta de recursos para uma polícia investigativa. Por outro lado, uma visão equivocada dos defensores dos Direitos Humanos, que sempre atuam sobre a violência policial e o Estado, muitas vezes em defesa de criminosos, deixa de lado as vítimas de crimes e seus familiares que sofrem perdas humanas e materiais e sofrem sequelas permanentes. Gasta-se tempo, energia e dinheiro na Comissão da Verdade para apurar-se fatos que envolveram centenas de brasileiros, inclusive mortes e torturas. No entanto, não se gasta praticamente nada, nem dos grupos de Direitos Humanos, para discutir fatos presentes que também marcam indelevelmente a vida e o futuro de centenas de milhares de brasileiros, senão milhões, vítimas de crimes todos os dias. Sem desrespeito às vítimas dos fatos em apuração na Comissão da Verdade, o número de vítimas que são objeto de avaliação dessa Comissão, no período de algumas décadas, é extremamente inferior ao número de vítimas de crimes em um período de um único mês no Brasil. Vamos pacificar este país, quem tem que viver atrás das grades são os criminosos (inclusive os de colarinho branco) e não os cidadãos honestos.

Edison Roberto Morais ermorais@uol.com.br

São Paulo

 

*

ROTA

Os bandidos quando o matam, roubam e estupram o cidadão comum, são rodeados por advogados e promotores que os protegem. Depois, se condenados forem, normalmente são liberados cumprindo apenas 1/3 da pena por "bom comportamento". Agora, policiais que mataram bandidos perigosos no cumprimento do dever, são presos em flagrante. É a plena inversão de valores: bandidos soltos e policiais presos. Parabenizo a ROTA e seus destemidos policiais e garanto que se tivéssemos mais policiais como eles, nosso estado seria bem mais seguro.

 

David Batista do Nascimento davidbatistadonascimento@hotmail.com

Itapetininga

 

*

PIADA DE MAU GOSTO

Policias da Rota que mataram seis em São Paulo foram presos? Isso só pode ser piada de muito mau gosto do Sr.Alckimin. Os milhares de pais de família e mães que são mortos,ninguém se levanta a favor deles. E os malditos direitos DEShumanos,sempre querendo aparecer,levanta problemas que NUNCA ANTES neste País foram tão sérios,ou seja, mata-se por matar e nada acontece aos facínoras que matam dando risada por qualquer valor e ainda dizem na nossa cara,minha vida é ser bandido e assaltar,então temos que fazer o que?Esperar sermos mortos?

Asdrubal Gobenati asdrubal.gobenati@bol.com.br

Rio de Janeiro

*

ORELHÕES

Está uma beleza os orelhões pintados e, alguns, verdadeiras obras de arte! Pergunto: É só para enfeitar a cidade,não é? Pois funcionar que é bom,é raro encontrar um! Sugiro que os façam funcionar ou só deixem o corpo do orelhão e retirem os aparelhos que só estão servindo para colocação de adesivos para marcação de encontros amorosos!

Tabajara Rabello tabajarahouse@ig.com.br

São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.