Fórum dos Leitores

RIO+20

O Estado de S.Paulo

19 Junho 2012 | 03h09

Incoerência brasileira

O Brasil, como coordenador dos processos diplomáticos na Conferência Rio+20, enfrenta muitas dificuldades na elaboração das metas futuras para o desenvolvimento sustentável. Por um lado, negociava a proposta de criação de um fundo internacional de US$ 30 bilhões por ano num momento de grandes dificuldades econômicas mundiais. Por outro lado, para proteger a Petrobrás e mantê-la competitiva globalmente, o governo federal reduziu o encargo da Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico (Cide) sobre a gasolina de 14% para 2,6%. Assim, acabou igualando os custos tributários da gasolina e do etanol. Portanto, o fato de o País anunciar ao mundo, com grande alarde - bem ao estilo do PT -, como trocar combustível fóssil pelo álcool (mais limpo), e depois deixar o projeto do etanol em "queda livre", foi um grande vexame ambiental. Será que dá para confiar no Brasil na coordenação da Rio+20? Nem pensar!

EDGARD GOBBI

edgardgobbi@gmail.com

Campinas

SOCORRO AOS ESTADOS

Brasil-20

Complicadas, até aqui, as negociações na Rio+20, o governo brasileiro partiu para o programa Brasil-20, liberando R$ 20 bilhões para aquecer as economias dos Estados. A linha de crédito do BNDES terá prazo de pagamento de 20 anos e juros anuais de até 8%. Não refresca muito, por serem tantas as necessidades e carências na maioria dos Estados brasileiros, e seguramente será recurso a fundo perdido. Mais importante seria refinanciar as dívidas desses Estados, antes que o calote seja anunciado.

YVETTE KFOURI ABRÃO

abraoc@uol.com.br

São Paulo

Carga tributária

Esses R$ 20 bilhões via linha de crédito no BNDES, à espera de projetos de infraestrutura, poderiam ser substituídos pelo incentivo às empresas privadas com a simples redução da carga tributária. Os numerosos e altos impostos arrecadados pela União, se poupados, poderiam alavancar a economia brasileira.

JOSÉ ERLICHMAN

joserlichman@gmail.com

São Paulo

MENSALÃO

Watergate e nós

Ao ler o artigo escrito pelos jornalistas Carl Bernstein e Bob Woodward (Nixon era pior do que pensávamos, 17/6, A17) sobre "as cinco guerras" de Richard Nixon, que lhe custaram a presidência norte-americana, pensei: "Eles escrevem sobre Lula e o mensalão". Ataques criminosos à liberdade de imprensa, à independência do Judiciário e à própria Constituição - tudo igualzinho. Nos Estados Unidos, o sistema judiciário levou dois anos para acabar com a presidência de Nixon e dezenas dos criminosos passaram longos períodos na prisão. E no Brasil?

WILLIAM W. B. VEALE

william.veale@rationaldialogue.com

São Paulo

João Paulo Cunha

"Não tem o que fazer, é enfrentar (o assunto mensalão). E não fugir", disse ao Estado João Paulo Cunha (PT), réu no processo do mensalão que disputará a prefeitura de Osasco (SP). Tem razão o "osasquiano". O negócio é enfrentar a realidade de que o maior escândalo político desde a proclamação da República efetivamente existiu. Acho que a cidade de Osasco merece coisa melhor!

JOÃO GUILHERME ORTOLAN

guiortolan@gmail.com

Bauru

A cultura da impunidade

Ao contrário do que dá a entender Gaudêncio Torquato em seu artigo A tortuosa tarefa de punir (17/6, A2), é difícil crer que o julgamento do mensalão possa alterar alguma coisa na cultura secular de impunidade instalada neste país. Somente uma revolução na educação poderá tirar o Brasil dessa trágica situação.

SERGIO IATCHUK

alwallys@yahoo.com.br

Vinhedo

VIOLÊNCIA

Dona Odete

Cumprimento o professor Denis Lerrer Rosenfield pela brilhante defesa da Dona Odete, que matou dentro de casa um bandido que poderia tê-la assassinado (Dona Odete e você, 18/6, A2). Com 87 anos, ela mostrou ser uma heroína. A lei precisa ser mudada.

ARY RIBEIRO

arycmribeiro@hotmail.com

São Paulo

Facínoras

Querem nos impor a capitulação total, geral e irrestrita. Devemos nos manter sob o jugo dos facínoras de todos os matizes: oficiais, paraoficiais e informais.

MARCO A. SPROVIERI RODRIGUES

msprovieri@sincoeletrico.com.br

São Paulo

A honestidade em baixa

O artigo de Rosenfield confirma o quanto o Brasil vai mal na defesa das pessoas honestas.

ODILON STEFANI

dilostefani@hotmail.com

São Paulo

ESCLARECIMENTO

Eleazar de Carvalho

Diferentemente do que escreveu João Marcos Coelho (17/6, D5), a Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo (Osesp) não programou apenas "três concertos" para comemorar o centenário do maestro Eleazar de Carvalho, mas, sim, três programas, ou seja, três semanas de concertos - em série especial de assinatura na temporada -, num total de dez apresentações. A primeira semana (em março) marcou a chegada da nova regente titular, Marin Alsop, e teve ampla cobertura nacional e internacional. Na segunda (em maio), a orquestra foi regida por Roberto Tibiriçá, que trabalhou com Eleazar por quase duas décadas e fazia agora sua primeira semana de assinatura com a Osesp. A terceira, além de três concertos na Sala São Paulo, incluirá o concerto de abertura do 43.º Festival de Campos do Jordão, em 30/6, com a Missa Solemnis de Beethoven regida pelo maestro dinamarquês Thomas Dausgaard e um elenco estelar de solistas. Tudo isso nos parece altamente significativo, à altura do homenageado. Além disso, foi publicado um número especial gratuito da Revista Osesp, dedicado a Eleazar, com ensaios, cronologia, depoimentos e fac-símiles de partituras anotadas pelo maestro, o que não foi dito na reportagem.

ARTHUR NESTROVSKI, diretor artístico da Osesp

nestrovski@osesp.art.br

São Paulo

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadão.com. br

ATITUDE DIGNA

Muito digna a atitude de Luiza Erundina de rever sua posição de vice-candidata após o anúncio da aliança com, o outrora inimigo, Maluf (ada) que abalou São Paulo. O PT, no desespero de fazer seus fracos candidatos emplacarem a qualquer preço, faz alianças com anjos e diabos, mais especificamente com os últimos. Ultimamente, Collor virou amigo, Sarney um beija mão a todo momento e não "menos pior", o glorioso Paulo, preso só no exterior, pois no Brasil "nunca" conseguiram provar nada contra elle. Show de horror o circo petista. E a ética, a lisura, a coerência com os princípios partidários? Além de nunca terem tido, isso é coisa do passado! Como diria Justo Veríssimo "Eu quero é puder!". E eu complemento, não importa como.

Renato Camargo natuscamargo@yahoo.com.br

São Paulo

*

ELEIÇÕES-REMAKE

Maluf-Erundina: esse "novo" não vale à pena ver de novo.

Ademir Fernandes standyball@hotmail.com

São Paulo

*

SAI DAÍ, ERUNDINA

A desfaçatez da política que está sendo praticada em Brasília , vide CPI do Cachoeira, está rendendo frutos. Em São Paulo, uma esdrúxula composição entre Erundina e Haddad é um bom exemplo disso. Uma dupla i.m.p.e.n.s.á.v.e.l.!

José Marques seuqram.esoj@bol.com.br

São Paulo

*

QUE TAL UMA BURCA?

Como a ex-prefeita Luiza Erundina (PSB) declarou que não se sentirá confortável ao estar no mesmo palanque com o deputado federal Paulo Maluf (PP), uma boa ideia seria ela usar burca, veste feminina que cobre todo o corpo e rosto, quando estiver ao lado do nobre deputado Maluf em campanha eleitoral de Fernando Haddad . Certamente nem os eleitores paulistanos irão saber que se trata da da. Erundina.

Edgard Gobbi edgardgobbi@gmail.com

Campinas

*

QUE COISA MAIS FEIA!

Começou a disputa para o lupanário municipal! Erundina,que coisa mais feia,vendendo o corpinho por míseras moedas! Cadê aquela combativa que arrumou grande parte da esquecida periferia (à época) de São Paulo? O Maluf esqueceu o que já ouviu do PT,ficou surdo,não tem orgulho próprio? O PT esqueceu-se dos antigos Diabos?

Mauricio Villela mauricio@dialdata.com.br

São Paulo

*

HADDAD EM ENRASCADA

A deputada Luiza Erundina (PSB) foi lançada como vice na chapa do petista Fernando Haddad na disputa pela prefeitura de São Paulo e foi logo declarando que "a aliança com Maluf é desconfortável". Maluf (PP), por sua vez, abandonando o slogan "junte-se a nós", resolveu apoiar o candidato Haddad. Assim, desapareceu o "junte-se a nós" e, indiretamente, surgiu, interpretando-se pelas palavras da vice, o "afaste-se de nós". E as promessas feitas para nomeação de cargos em troca do apoio como ficam? Como sair dessa enroscada, candidato Haddad, ambos têm forte eleitorado!

Antonio Brandileone abrandileone@uol.com.br Assis

*

AINDA BEM QUE A TV NÃO TEM CHEIRO

Partidos políticos disformes e despersonalizados; manutenção e acréscimo de poder a qualquer custo; classe política desprovida de ética e espírito público; sistema eleitoral viciado e enganador que garante mais do mesmo; eleitores ingênuos ou mal intencionados que acreditam ser o voto uma arma confiável. Misture tudo de acordo com as necessidades, mesmo que algumas combinações apresentem aspecto desagradável e heterogêneo justificado pelos caciques interessados em ganhar alguns segundos no famigerado horário eleitoral gratuito em troca de futuros cargos. Assistimos hoje a um abjeto programa de apoios ao candidato do PT à Prefeitura de São Paulo, que dará visibilidade ao ambicioso governador de Pernambuco, e colocará no mesmo palanque dona Erundina e Paulo Maluf, confinado ao Brasil pela Interpol. Felizmente, como na televisão, tais manobras não têm cheiro.

Paulo Roberto Gotaç prgotac@hotmail.com

Rio de Janeiro

*

SALADA SÉPTICA

Acabei de ler que o PT escolheu Luiza Erundina (PSB), há muito rompida com o partido, para vice-prefeita na chapa encabeçada por Fernando Haddad para a prefeitura da maior cidade do País, e como se não bastasse, ainda acertou o apoio do PP de Paulo Maluf. Acho isso uma verdadeira salada de m... que estará sendo oferecida ao eleitorado paulistano.

Humberto de Luna Freire Filho hlffilho@gmail.com

São Paulo

*

SERRA, HADDAD E MALUF

A candidata a vice-prefeita de Fernando Haddad, Luiza Erundina, é parte da reserva moral dos políticos brasileiros. Erundina deu entrevista à imprensa falando sobre a eleição e dentre outras coisas criticou, como um todo, a campanha. E parte da imprensa que faz oposição sistemática ao PT só destacou aquilo que pode suscitar crítica ao candidato Haddad do PT, justamente o apoio de Maluf e o slogan da campanha. Uma máxima em campanha política é que apoio não se recusa. Cabe a quem apóia explicar as razões do apoio. E além do mais, creio que o PT não foi buscar o apoio de Maluf. Aliás, Maluf é o que é, conhecido de todos no Brasil e no mundo, entretanto José Serra ninguém sabe realmente quem é, pois nunca foi investigado, apesar de denúncias escabrosas sobre ele, haja vista a CPI da Privataria Tucana, cujos principais envolvidos são Serra, sua filha e o genro . Ninguém fala nada, nem para processar o autor do livro, Amaury Ribeiro. Serra também é o principal acusado no escândalo conhecido como "sanguessugas", no qual os empresários Darci Vedoin e Luiz Antonio Vedoin, donos da Planam, envolveram o ex-ministro da Saúde José Serra, na época candidato do PSDB ao governo de São Paulo. Na máfia dos sanguessugas, quando parlamentares apresentavam emendas para compra de ambulâncias superfaturadas, liberadas pelo Ministério da Saúde, em troca de propina. No mais, Haddad mais que dobrou a intenção de votos, e fica aí uma recomendação à imprensa: que tal fazer uma entrevista com o candidato Serra sobre a privataria tucana e os "sanguessugas", quem sabe assim ele possa esclarecer tudo à sociedade, ter o seu nome limpo sobre temas que o colocam entre os maiores corruptos do país!

Emanuel Cancella emanuelcancella@uol.com.br

Rio de Janeiro

*

TUDO PELO PODER

PT anuncia Erundina no dia em que se alia a Maluf. Pela conquista do poder não existe ética muito menos escrúpulos. Segura, a nau dos insensatos não tem partidos, mas bandos que se locupletam.

Angelo Antonio Maglio angelo@rancholarimoveis.com.br

Cotia

*

COISAS DO LULA

A definição de Luiza Erundina para vice de Fernando Haddad é uma tentativa desesperada do PT para que a candidatura não seja uma vergonha e consiga no mínimo dois dígitos nas pesquisas. O que decepciona é Erundina aceitar uma situação no mínimo humilhante, pois serve apenas para minimizar o prejuízo ao PT, graças a uma decisão do "dono" do partido, o ex-presidente Lula, que foi bajulado, endeusado, pois era o dono do poder e no mundo globalizado não importa o partido, a tendência política e muito menos os meios que se utiliza para permanecer no poder. Mesmo fora do cargo o apego ao poder é tanto, que os limites da lógica, da ética do respeito permaneceram os mesmos da época em que era presidente e desrespeitou o cargo durante oito anos sem ser importunado por ninguém, nem mesmo pelo poder judiciário. Agora, quer que Haddad seja prefeito de São Paulo, considerando a cidade o quintal de sua casa que por sinal fica em outra cidade.

Luiz Ress Erdei gzero@zipmail.com.br

Osasco

*

VERGONHA DE SER BRASILEIRO

Os políticos brasileiros não têm mesmo vergonha na cara, e muito menos ética. Erundina, ferrenha adversária de Maluf, egressa do PT, aceita ser vice na chapa de Haddad, e aliada do ex-prefeito. Assim como ela, temos outros casos que todos conhecem: Lula disse que Sarney era o maior ladrão do Brasil, hoje são unha e carne. Collor ganhou a eleição para presidente contra Lula, foi forçado pelo PT a renunciar, e hoje faz parte da base aliada do governo. Que país é esse, onde os políticos só pensam em seus próprios interesses e nada fazem para aqueles que os elegeram?! Tenho vergonha, hoje, de ser brasileiro, por termos um eleitorado ignorante e políticos mais do que corruptos.

Carlos Eduardo Barros Rodrigues ceb.rodrigues@hotmail.com

São Paulo

*

TODOS JUNTOS

Haddad, Erundina e Maluf. Agora já sei em quem não votar.

Ricardo Marin s1estudio@ig.com.br

Osasco

*

VICES EXPERIENTES

Após Fernando Haddad (PT) lançar, com apoio do Lula, a experiente ex-prefeita Luiza Erundina como vice na sua chapa à Prefeitura de São Paulo, aconselho o candidato José Serra (PSDB) a convidar o ex-prefeito, sr. Paulo Maluf, para ser o seu vice a prefeitura de São Paulo. Pois, assim sendo, ele (Serra) terá um experiente e "honesto" substituto quando deixar a prefeitura para se candidatar a presidência em 2014.

Valdy Callado valdypinto@hotmail.com

São Paulo

*

ALGUÉM SE SALVA?

Por meio das negociações entre o ex-presidente Lula e o governador de Pernambuco, finalmente foi formada a chapa petista que concorrerá à prefeitura de São Paulo, tendo Haddad como prefeito e a ex-prefeita Luiza Erundina para vice-prefeita. A estratégia anunciada para tais candidaturas é o carisma do ex-presidente, criador da candidatura do ex-ministro da Educação, que se notabilizou pelas trapalhadas do Enem, e a força eleitoral da ex-prefeita na periferia da cidade. Mas a ex-prefeita Luiza Erundina não fez uma administração que se pode elogiar sem enormes restrições. Podemos citar algumas mais significativas. Reduziu ilegalmente os vencimentos dos servidores municipais, a exceção dos cargos em comissão de companheiras e companheiros, propiciando uma enxurrada de processos que se transformaram em precatórios que agora sangram os cofres municipais. Determinou o aterramento das obras do Boulevard Juscelino Kubistchek e do túnel Jânio Quadros sob o Rio Pinheiros, cujas obras já estavam bastante adiantadas, propiciando o caos do trânsito da região na atualidade. Determinou também o aterramento e a urbanização da área conhecida como Jardim Pantanal, na várzea do Rio Tietê, condenando os seus moradores às eternas enchentes, já que a natureza sempre se vinga quando é afrontada. Maluf, por sua vez, fechou com o PT em São Paulo a troco de colocar um aliado seu na Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental do Ministério das Cidades, cujo potencial dispensa explicações. Assistimos assim a uma verdadeira partilha de cargos públicos e seus benefícios, sempre visando interesses pessoais e partidários dos caciques da política municipal e nacional, dada a importância de São Paulo nesse cenário. E, mais uma vez, as negociações também se baseiam, por mais ridículo que possa parecer, no tempo destinado às agremiações no horário político eleitoral, aquele mesmo que ao entrar no ar provoca o desligamento da esmagadora maioria dos televisores na cidade. José Serra está sendo pressionado pelo atual prefeito, que passará à história como o pior prefeito da cidade, ao indicar um de seus secretários para ser o vice-prefeito de sua chapa, o que ao se confirmar azedará a chapa comandada pelo PSDB. Os reais problemas da cidade e da população aparentemente não entram em tais discussões e conchavos. O fato de que 4.000 paulistanos falecem por ano devido à poluição do ar aparentemente não os preocupa, assim como a área arbórea da cidade, bem sacrificada pelo atual prefeito. Porque, ceifar árvores adultas para plantar em seu lugar ,como compensação, mudinhas, das quais poucas sobreviverão, é um novo crime criado pelos nossos políticos: o estelionato ambiental.

Gilberto Pacini benetazzos@bol.com.br

São Paulo

*

‘SANDUÍCHE DE GENTE’

Da coluna de Dora Kramer (B2,17/6), ‘Sanduíche de Gente’. "De um lado, Lula. De outro, Luiza Erundina e no meio Fernando Haddad como figurante no papel de recheio". Agora adicionaram o Maluf, tal como uma maionese vencida. Avisem urgente à Vigilância Sanitária e a Interpol.

Claudio Juchem cjuchem@gmail.com

São Paulo

*

A PICARETAGEM DA POLÍTICA BRASILEIRA

A velha e cansada política brasileira não tem jeito mesmo. De um lado o senhor Paulo Maluf, deputado federal (PP-SP) incluído na lista de procurados pela Interpol, alia-se a Fernando Haddad, candidato do PT à Prefeitura de São Paulo, e do outro lado quem? Ele, Lula da Silva no velho estilo da picaretagem, se você não pode com o inimigo, junte-se a ele. Nesse sentido basta ver a composição dos caciques do PMDB e onde está hoje o ex-presidente Collor, fazendo agrados ao PT. Quem diria! E pensar que ainda há pessoas que acreditam em partidos. Existe sim, um jogo de interesses e de poder muito maior que as "boas intenções" desses picaretas. Eles desejam mais tempo na TV, mais votos de outra ala e, assim, o eleitor vai sendo iludido e acreditando nas historinhas montadas pelos candidatos em tempos de eleição. A justiça americana determinou, em 2007, a prisão de Maluf pelos crimes de conspiração, auxílio na remessa de dinheiro ilegal para Nova York e roubo de dinheiro público em São Paulo. É com esse currículo que o cidadão se depara nas campanhas, "o rouba, mas faz", está de volta. A única coisa que não voltou foi o dinheiro público, mas esse não tem a menor importância num país onde o que interessa é o poder custe o que custar, dinheiro não tem sido problema, os verdadeiros problemas são empurrados com a barriga a cada eleição. Brasil, um país de tolos!

Izabel Avallone izabelavallone@gmail.com

São Paulo

*

PROTESTEM OU CALEM-SE E OBEDEÇAM!

Coerência e vergonha na cara - eis o que esperamos de todos os caras pintadas, grevistas da FFLCH, filiados ao PT, comunistas de carteirinha, socialistas empedernidos, ideólogos de plantão, sindicalistas, alunos, professores e intelectuais em geral que não tenham viajado para algum outro planeta e disponham de alguma coisa entre as orelhas, além de um intervalo mais conhecido pelo nome de vácuo. Queremos greves, passeatas na Paulista, esperamos que tomem a reitoria da USP de assalto, que protestem contra a venda de convicções, em nome de algum holofote que ilumine o ostracismo e, claro, algum recurso financeiro (não contabilizado), devidamente pago com o dinheiro do contribuinte. Como bem disse o Gabeira, em seu brilhante artigo explicando a desfiliação das hostes petistas, o que os "mercadores de sabonete" queriam era mais do que quiseram seus carcereiros, na época da ditadura militar - queriam sua alma. Em seu projeto de poder (pessoal), o grande timoneiro investe agora e uma vez mais contra São Paulo, pois do alto de seu ressentimento, a República é pouco. Pela joia da coroa, tudo vale tudo. Por isso, avante, "cumpanheirada", protestem ou calem-se e obedeçam!

Marly N Peres Marly Peres lexis@uol.com.br

São Paulo

*

PAREM O MUNDO!

Em 1980, os estudantes da USP Ribeirão Preto apedrejaram o ônibus da caravana Maluf-Figueiredo. Em 1983-1984 lutávamos pelas Diretas Já contra o mesmo Maluf. O líder dos estudantes e depois dos médicos residentes era o Palocci. Hoje o PT se alia ao Maluf em São Paulo e no Brasil. Parem o mundo para eu descer...

Rino Munari Raposo Ra.raposo@uol.com.br

Ribeirão Preto

*

DIGNIDADE PESSOAL

Tenho orgulho da minha origem árabe, não obstante o sr. Paulo Maluf tente macular a raça - não conseguirá - em razão de suas uniões e opções políticas (Marta, Erundina e Haddad). Tudo bem, pode sustentar a união em razão de uma sobrevivência política. Mas, onde está a sua dignidade pessoal?

Jorge Roberto Aun munarieaun.j@terra.com.br

São Paulo

*

HADDAD DANÇANDO BOLERO

Quer dizer que o Instituto Datafolha constatou que Haddad subiu sua aprovação de 3% para 8%? Será que é pela aliança com Maluf ou por causa da candidata a vice Luiz Erundina? Eu tenho convicção de que não passa de uma bombada artificial nas pesquisas para ver se assim Haddad desencalacra. Porque Maluf já deu o que tinha de dar...e a senhora Erundina que me perdoe, mas além do fato de há duas décadas ter feito uma gestão que conseguiu desagradar a todos... tem a coragem de alegar que - embora nunca tenha feito concessões para ter maioria - agora aceita entrar numa campanha que faz concessões para ter aliados e tempo de TV, atraindo personagens como Paulo Maluf, seu adversário histórico...A campanha do Haddad literalmente "dança" ao som de boleros...é dois prá cá, dois prá lá...

Mara Montezuma Assaf montezuma.scriba@gmail.com

São Paulo

*

APOIOS TACANHOS

Com o apoio de Maluf e com a vice Erundina, Haddad, o escolhido de Lula, pode se preparar caso saia dos 3% e ganhe a Prefeitura de São Paulo, para dar muitos favores ao procurado pela Interpol e para barrar os milhares de "camelôs" que se espalharão pelas ruas da cidade, como a ex-prefeita permitia. Na política tacanha brasileira, nada muda, tudo se repete.

Leila E. Leitão

São Paulo

*

EU PRECISO SABER DA SUA VIDA

Todo eleitor tem o direito de saber um tanto da vida privada do homem público que se arrosta a decisão das urnas pelos eleitores para poder analisá-lo, então, ao melhor estilo "cunpahêra" Marta Suplicy para a "cunpânhera" Luíza Erundina : "Tens filhos ? És casada ?"...

Paulo Boccato pofboccato@yahoo.com.br

São Carlos

*

O QUE MAIS, GENTE?

"Acho que ela é uma boa vice", diz Marta. Faltou completar, até porque não pertence aos quadros do PT.

Ariovaldo Batista arioba06@hotmail.com

São Bernardo do Campo

*

A VICE QUER MORDAÇA

Recém indicada a vice do PT à campanha pela prefeitura paulistana, a socialista Luiza Erundina é mais uma da turma escarlate que clama pela "democratização dos meios de comunicação" (censura). Diz ela sem ruborizar: "Países como a Argentina já avançaram significativamente no enfrentamento aos poderosos da mídia, que, ao terem a concessão de um serviço público, se apropriam dele e o usam muitas vezes contra o interesse da sociedade". Ora, ora, ora... Quer dizer que vergastar os desmandos dos governantes, a corrupção que é endêmica, e expor, enfim, as mazelas do poder seria "ir contra" os interesses da sociedade? Acredite se quiser, não satisfeita, Erundina ainda cita como "bom exemplo" para nós a truculência do regime de Cristina Kirchner, aquela que só faz intimidar, a exemplo do que faz Chávez na Venezuela e Correa no Equador , à mídia desses países. A ideia é domesticar a imprensa, criminalizando os que ousam ir contra o poder e expor os seus podres. Gente como a socialista Luiza Erundina e o sr. Rui Falcão, presidente do PT, querem reduzir nossa imprensa a mera porta-voz do governo. Abra os olhos, Brasil !

Silvio Natal silvionatal49@yahoo.com.br

São Paulo

*

CENSURA

O Estadão continua censurado?

Carlos Yoshikazu Takaoka cy.takaoka@hotmail.com

São Paulo

*

INCOERÊNCIAS

O corregedor do Tribunal de Justiça do Distrito Federal, Dácio Vieira, exatamente, ele, o mesmo que impôs censura ao Estadão por solicitação do clã Sarney, no caso Boi Barrica. Sabe muito bem utilizar o direito que lhe é facultado, certo ou errado, contra os outros. Porém, no caso dele manter sua filha Marcella Vieira de Cabral Fagundes como assessora da Secretaria-Geral da corregedoria, considera uma atitude completamente normal.

Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

*

AH, ENTENDI. SÓ QUE NÃO!

Deixa ver se eu entendi? O excelentíssimo desembargador Dácio Vieira, aquele que censurou o Estadão, mantém como assessora sua filha Marcella Vieira, indo contra as leis do nepotismo? Ora, doutor, por que o senhor não censura a sua filha?

Hélcio Silveira heldiasilveira@gmail.com

São Paulo

*

RIO+20

Façamos um balanço de tudo o que se disse, ouviu e leu durante os dias da grande festa que foi a Rio+20: Primeira Questão: você recicla o seu lixo? Eu reciclo o meu. A Prefeitura da sua cidade recolhe esse lixo reciclável ou coloca em cada esquina latões especiais para isso? Na minha cidade isso não acontece. Nem há locais para entrega do lixo reciclável. Assim, embora em sacolas plásticas separadas, vão para o mesmo lugar do lixo comum: aquela lixeira que tenho na calçada, e tudo é recolhido pelo caminhão da limpeza pública. O caminhão tem compartimentos separados para ambos os lixos ou tudo vai para o mesmo lugar? Eu soube que nas cidades onde há locais para lixo reciclável, o morador é quem tem de ir a esse lugar determinado levar o seu lixo, se quiser e puder. Segunda Questão: o artesanato e outros produtos feitos de lixo reciclável devem ter um tempo de vida útil, dependendo do uso e manutenção. Quando descartados, para onde vão? Fico nessas questõezinhas básicas para não me aprofundar mais entre a prática e a teoria.

Ecilla Bezerra ecillabezerra@gmail.com

Peruíbe

*

ENCHENDO LINGUIÇA

Para impressionar os convidados da Rio + 20, é necessário que o discurso contenha termos tais como: desigualdade, autossustentabilidade, interatividade, fundamentalismo, meios de implementação, ecologicamente correto, biodiversidade e outros mais. E o conteúdo? Ora, o conteúdo!

Roberto Twiaschor rtwiaschor@uol.com.br

São Paulo

*

VALE A PENA?

Em Brasília, na CPI do contraventor, sr. Carlos Cachoeira, nada acontece de sério, os membros da comissão vivem sorrindo pelos corredores do Congresso. Na Rio+20, no RioCentro, muita falação e nenhuma conclusão. De fato, tudo a que assistimos, além dos milhões que correm pelos ralos, é o prejuízo dos cariocas com o trânsito mais engarrafado provocando um enorme estresse nos trabalhadores já tão sacrificados. A pergunta que fica: está valendo a pena? Em tempo: esclarecimento a UNE; não importa se a entidade é privada ou não, recebendo recursos públicos terá de prestar contas, pois o dinheiro não é do governo, pertence ao contribuinte.

Odiléa Mignon cardosomignon@gmail.com

Rio de Janeiro

*

CONSELHOS DE MÁRIO LAGO

A figura do saudoso e simpático ator, compositor e escritor Mário Lago não se coadunava com sua condição confessa de comunista e um dos seus conselhos mais divulgados era o de que "se for preso, mesmo que nada aconteça, diga que foi torturado" - como reza a cartilha terrorista. Assim, como acreditar como verdadeiras as declarações da presidente Dilma Rousseff, "tão traumatizada com torturas sofridas", justamente no momento revanchista da fantasiosa "Comissão da Verdade", se mentiras foram a base de sua campanha presidencial, como ser contra o aborto, contra a CPMF, a favor de milhões de casas, creches, etc., dentro do PAC, num real reflexo de seu criador? Assim, quem mente várias vezes, em situação tão importante, põe em dúvida todas suas "verdades fictícias".

João Roberto Gullino jrgullino@oi.com.br

Petrópolis (RJ)

*

TUDO TEM DOIS LADOS

Li ontem o "Relato de Dilma" em que detalha sua tortura em Minas Gerais. Na página A2, o artigo de Denis L. Rosenfield: "Dona Odete e você". No primeiro um relato unilateral. Se estamos diante de uma Comissão da Verdade, ela deve ser dita dos dois lados, não apenas do "coitadinho" perseguido, como o assassino potencial que foi morto por dona Odete, sendo que ela agora leva a culpa! De modo semelhante os "perseguidos políticos" estão levando a melhor, sendo apenas o relato deles que aparece, a Comissão da Verdade é para "revelar" as perseguições que os ditos perseguidos sofreram, serem os coitados que merecem toda a comiseração e indenização da sociedade. A verdade e a justiça devem ser vistas dos dois lados! Não sou favorável à tortura, mas os coitadinhos não podem ser protegidos pelos que se dizem defensores dos direitos humanos quando na realidade esses defensores estão alienados por seus sentimentos unidirecionados, esquecendo-se dos direitos de todos. A verdade e a justiça devem ser vistas dos dois lados! O que fizeram os tais para serem torturados, se é que o foram? Porque os relatos não são dos dois lados?

Luiz Gonzaga Mezzalira avaliadorluiz@gmail.com

São Paulo

*

ENTERRE NO QUINTAL

Parabenizo o professor de filosofia, Denis Rosenfield, pelos ótimos e pertinentes argumentos em sua coluna do Estadão (A2,18/6). Se fosse comigo, caro professor, eu mataria e enterraria no quintal, sem acionar as inaptas autoridades brasileiras, que estão mais para proteger bandido que cidadão.

Luiz Fabiano Alves Rosa dienekes@pop.com.br

Curitiba

*

DONA ODETE

Tive a ousadia de condensar tudo que o corajoso Denis Lerrer Rosenfield acabou escrevendo no "Dona Odete e você", publicado sábado. Durante uma semana fiquei atormentado pensando estar sendo vítima da censura do hobby politicamente correto desse absurdo movimento a favor do desarmamento civil. Hoje, finalmente, senti-me aliviado.

Sergio S. de Oliveira

Monte Santo de Minas (MG)

*

DENIS LERRER ROSENFIELD

O articulista retrata a realidade desses novos dias. Do jeito que a inversão de valores ocorre no Brasil, graças ao petismo, como no caso da sra. Odete, de 85 anos, que se utilizou do inalienável direito de legítima defesa contra um ladrão armado de uma faca em seu apartamento, ela, a heróica senhora, deveria deixar-se matar! Assim, tudo indica, estaria de acordo com o politicamente correto e os ditos dos direitos humanos. Pobre país.

Mario Cobucci Junior maritocobucci@uol.com.br

São Paulo

*

E NÓS?

O texto escrito por Dennis Lerrer Rosenfield, no Estadão de sábado, nos mostra e escancara o que será, num futuro breve ,a vida das pessoas de "bem", que são muitas, nesse País. Atentem para a inversão de valores, um "bandido" em liberdade condicional ou provisória invade o apartamento de da. Odete, de 87 anos. Única moradora, a senhora se defende legitimamente da invasão de seu domicílio e a sua própria vida, matando com três tiros o "bandido" com um revolver calibre 32, já em desuso, portanto muito antigo e sem o devido registro. Em razão desse funesto acontecimento vai ter de responder processo por ter defendido a sua existência e a sua vida. Prova a evidência que a nossas leis estão totalmente ultrapassadas, sem falar dos direitos humanos, que só valem para os "bandidos".

Maria Teresa Amaral mteresa0409@estadao.com.br

São Paulo

*

NÃO REAJA

Parabéns, Denis Rosenfield! Já passou da hora de o cidadão de bem ocupar lugar prioritário na sociedade brasileira. Em algum ponto do passado, inventaram a tese de que todo ladrão é pobre e, por ser pobre não teve escolha na vida. Nem notaram a enorme carga de preconceito que sua "conclusão" carrega, demonstrando que conhecem os pobres apenas de vê-los nos telejornais! A maioria das pessoas pobres é, sim, honesta e trabalhadora. A maioria das pessoas que nasceram pobres optam pelo bom caminho. Entretanto, os que escolhem o caminho do crime são os protegidos, os queridinhos das ONGs, da mídia e dos que fazem as leis. Quem optou pela vida honesta é considerado cidadão de terceira categoria, não podendo sequer se defender dos bandidos "excluídos sociais". A categoria dos bandidos tem, no Brasil, tratamento privilegiado. Nem mesmo a polícia pode mexer com eles sem que uma horda de "vigilantes" se levante, garantindo para que não recebam "maus tratos". Já suas vítimas, quem se importa com elas? Se o cidadão de bem é morto em um assalto, sua família não recebe a visita de promotores dos Direitos Humanos, não se ouve o clamor da mídia, e ninguém se pergunta como a família viverá sem os proventos do pai assassinado. Já o bandido, caso seja preso e condenado, nem mesmo tem esta preocupação. Será protegido e sua família receberá, do Estado, auxílio financeiro. Desarmados, sem a menor chance de defesa, defendidos por uma polícia que tampouco pode fazer grande coisa,ameaçados pela nossa justiça, esquecidos pelo Estado, somos presas fáceis de nossos algozes, cada vez mais violentos e ousados, sabedores de sua imensa vantagem sobre nós. E o que nos diz o Estado, diante deste descalabro? "Não reaja!"

Maria Cristina Rocha Azevedo crisrochazevedo@hotmail.com

Florianópolis

*

OVO DA SERPENTE

Parabéns pelo (como sempre) perfeito editorial de Denis Rosenfield. Lembram do filme o Ovo da Serpente? É aqui mesmo. Já que os legisladores e juízes acreditam em penas alternativas e progressões de penas, sugiro que todas sejam cumpridas em Brasília e nas casas dos juízes.

Rubens Pitliuk varios@turmalegal.com

São Paulo

*

PETROBRÁS

Excelente o editorial publicado sob o título: "Os planos da Petrobrás" (A3, 18/6). Há de se ressaltar, entretanto, o problema estrutural que o governo está criando com o congelamento dos preços da gasolina e do diesel, pois não basta aumentar os preços desses derivados apenas para a empresa, simplesmente retirando apenas impostos como a Cide, sem reflexos nas bombas e nos índices inflacionários. Essa política distorcida da realidade fática, faz com que o álcool permaneça com preços superiores a 70% do preço da gasolina, inviabilizando financeiramente o setor, uma vez que o usineiro não tem condições de subsidiar o preço do álcool como o governo faz com os derivados do petróleo às custas do enorme prejuízo que a Petrobrás vem sofrendo com a distribuição e comercialização desses produtos como demonstram os seus últimos balanços. Se as usinas não têm condições de produzir o álcool a preços competitivos com os fixados para a gasolina, o que se verifica é que diminui a mistura do álcool à gasolina e também o consumo do álcool nos veículos flex, fazendo com que a produção de álcool seja insuficiente para atender a demanda do mercado e obrigando a importações de outros produtores com custos de produção menores como os EUA. Por outro lado, com a redução da produção de álcool e sem conseguir aumentar a produção e o refino da produção local de petróleo, o governo se vê obrigado a importar, a preço de mercado, a gasolina e o diesel para abastecer o mercado e obriga a Petrobrás a vendê-los a preços subsidiados com geração de enorme prejuízo para a empresa. O pior disso tudo e mais irônico é que ao fazer a Petrobrás, por conta exclusiva de seus acionistas, vender os seus produtos a preços de 25% a 30% abaixo do preço de mercado, o governo cobra os seus royalties e as participações especiais a preços de mercado internacional e não aos preços que ele impõe à empresa. A redução dos preços internacionais do petróleo não diminuem os problemas da Petrobrás em razão da elevação substancial do dólar e ainda somos obrigados a ouvir as asneiras do ministro Lobão dizendo que só haveria aumento da gasolina se o preço real de mercado do petróleo chegasse a US$130 por barril. Se não bastasse isso, os enormes patrocínios da Petrobrás a ONGs dirigidas por sindicalistas e petistas promovem uma elevada evasão de recursos financeiros, bem como as contratações sem licitações por meio da exploração de prestígio de determinados políticos para beneficiar empresas como a Delta e outras mais. Basta relembrar episódio recente da visita do ex-presidente da Petrobrás ao escritório de José Dirceu em Brasília. Finalmente, as declarações desencontradas e esdrúxulas do ministro Edson Lobão a respeito dos negócios da Petrobrás dão a dimensão do desconhecimento das autoridades brasileiras das regras do mercado de capitais no País e da necessidade da empresa se comunicar com o mercado através da CVM. São essas, em síntese, as razões dos investidores estarem abandonando a empresa, considerando a gestão temerária em razão do aumento dos investimentos no plano de negócios com a substancial redução do fluxo de caixa para sustentar esse ambicioso planejamento e colocando a empresa como âncora da inflação interna.

Adel Feres a.feres@terra.com.br

Goiânia

*

‘DOM SEBASTIÃO VOLTOU’

Parabéns ao sr. Marco Antônio Villa por seu artigo(A2,16/6) discorrendo sobre a personalidade e as "qualidades" do seu Lula da Silva. Teceu sua Senhoria com grandeza de detalhes e verdades, o que realmente foi, é e será o sr.Lula. Pessoas como o sr.Villa deveriam , também, expressar suas análises sobre o cidadão Lula. Eu, em particular , dentre outras "virtudes" do seu Lula , o comparo ao camarada que antigamente era taxado de "per". Era um sujeito, sem eira nem beira,sempre duro, comendo "tira-gosto" nos bares de esquina e ainda tomando um traguinho às custas dos "cumpanheiros" e depois se chegava à mesa de um joguinho e dava aos jogares seus palpites e quando ganhava embolsava : apostava com o dinheiro dos outros, mas quando perdia saia de mansinho... Enfim entrava sem nenhum e sempre puxava o carro com algum no bolsito. Assim foi sempre o tal líder sindicalista, ex-presidente e atual mistificador das verdades.

Ubiratan de Oliveira Uboss20@Yahoo.com.br

São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.