1. Usuário
Assine o Estadão
assine


Fórum dos Leitores

  • Tags:

CORRUPÇÃO

Quem é vivo sempre aparece

Mais um capítulo da interminável novela protagonizada por Paulo Maluf. Alvo de acusação de desvio de dinheiro para o paraíso fiscal de Jersey, como era de esperar, Maluf negou tudo, insistiu que não tem relação com o pagamento de propinas nem tem um tostão depositado em bancos no exterior. Acredite se quiser.

CLÁUDIO MOSCHELLA

arquiteto@claudiomoschella.net

São Paulo

Promessa é dívida

Com a confirmação de que Maluf tem realmente dinheiro no exterior, fica a pergunta: será que ele vai manter a promessa de entregar esse dinheiro a quem fosse capaz de localizar sua conta?

LUCIANO NOGUEIRA MARMONTEL

automat_br@ig.com.br

Pouso Alegre (MG)

Paulistas e Maluf

Confirmado por seus advogados que Paulo Maluf tem conta no paraíso fiscal de Jersey, onde depositou "comissões" (sic) - portanto, flagrado em mentiras, além de processado, condenado, ex-detento e caçado pela Interpol -, como entender que alguns paulistas continuem a elegê-lo para representar o nosso Estado? E o Lula firmando aliança política, apertando a mão dele? E o futuro de nossos filhos e netos? É por esse caminho tenebroso?

HONYLDO R. PEREIRA PINTO

honyldo@gmail.com

Ribeirão Preto

No país do PT

Advogados de Maluf não tiveram mais como negar que ele tem dinheiro na ilha britânica de Jersey, mas alegam que as contas são de familiares e não têm origem na corrupção. Ora, dizer que são contas de familiares é o mesmo que dizer "de laranjas"... E afirmar que essa soma não tem origem na corrupção é afirmar que Maluf é um ingênuo, um anjo, malgrado o "rabo preso" que tem. Aliás, ele fez muito bem em se aliar a Lula/Fernando Haddad, pois agora essa investigação vai esbarrar em empecilho e barreira maiores do que Maluf seria capaz de erguer para se proteger. Bobo Maluf não é... Foi amarrar seu "rabo" em quem pode muito mais do que ele neste país governado pelo PT.

MARA MONTEZUMA ASSAF

montezuma.scriba@gmail.com

São Paulo

Pés-frios

Maluf processado em Jersey por lavagem de dinheiro. E na Suíça a situação está próxima disso. Depois que os pés-frios Lulla e Haddad estiveram na casa dele (e lá deixaram a má sorte), Maluf pode-se preparar para outras notícias desagradáveis.

MÁRIO A. DENTE

dente28@gmail.com

São Paulo

E agora, Haddad?

Será que na negociação Lula-Maluf se falou alguma coisa sobre as contas em Jersey? Será que Delúbio Soares também vai assumir essa "bronca"?

LUIZ NUSBAUM

lnusbaum@uol.com.br

São Paulo

Mensalão

Agora que os advogados do amigo Maluf admitiram que ele tem conta no exterior (até hoje o cara de pau negava), será que o Lulla (o cara de Pinóquio) vai finalmente admitir que o mensalão existiu? Ou será que o STF vai julgar um processo virtual?

CARLOS ROBERTO G. FERNANDES

crgfernandes@uol.com.br

Ourinhos

Invenção da imprensa

O mensalão foi um monstruoso assalto que desviou bilhões de recursos públicos para irrigar o caixa 2 de campanhas do PT. Há dias vimos na imprensa o presidente da CUT, Vagner Freitas, ameaçando levar sindicalistas às ruas se o julgamento do mensalão for político - entenda-se por julgamento político especificamente a condenação de José Dirceu, considerado o chefe da "gangue" por nada menos que dois procuradores-gerais da República. Quer dizer, para esses democratas, o STF não tem de julgar nada, só perdoar os crimes de petistas. O sarcófago já está no plenário do Supremo e se os mensaleiros não forem condenados, então que se enterre a Justiça brasileira e, por jurisprudência, nunca mais se prendam assaltantes de banco, batedores de carteira, trombadinhas e se instaure o caos nesta República sindicalista. Neste país, onde crianças não têm creches nem escolas e o povo morre em corredores de superlotados hospitais, desocupados mamam nas suas tetas, muitos morando em mansões de condomínios de luxo, e nunca viveram de salário mínimo. E mais: em breve torraremos mais de R$ 10 bilhões numa dezena de elefantes brancos em forma de arenas esportivas, que permanecerão como lembrança das prioridades do chefe maior do PT, que, aliás, sempre disse que o mensalão foi "invencionice" da imprensa, nunca existiu.

JOÃO HENRIQUE RIEDER

rieder@uol.com.br

São Paulo

Limpeza pública

Se o Brasil não tivesse uma imprensa livre e forte, ao contrário da Argentina e da Venezuela, por exemplo, muitas situações de real interesse público seriam enterradas ou varridas para sob o tapete da impunidade e da obscuridade. O mensalão obteve o enorme grau de atenção popular graças à imprensa, da mesma forma que a CPI do Cachoeira e outros fatos dignos de nota e de apreciação policial e judicial. Assim, porque a imprensa está presente, como o Estadão, o PT não consegue esconder fatos notórios do episódio do mensalão, como o pedido de Arlindo Chinaglia a Roberto Jefferson para que não denunciasse o mensalão e ficasse quieto. E, ainda, o caso do filho do Paulinho da Força Sindical, que era secretário informal da pasta do Trabalho no governo Alckmin. Imaginem, se os brasileiros fossem privados do conhecimento de fatos importantes e da verdade política nacional, como a podridão tomaria conta da coisa pública, em que a impunidade já trouxe consequências tenebrosas... E de que adiantaria a novíssima Lei de Acesso à Informação se não existisse a imprensa para denunciar as omissões que já estão ocorrendo no País?

JOSÉ CARLOS DE C. CARNEIRO

carneirojc@ig.com.br

Rio Claro

Terceira via

Ao observar a nossa História contemporânea, nota-se a popularidade de políticos mistificadores, despreparados e/ou corruptos que ascenderam a cargos importantes nos três Poderes. Exemplos: Getúlio Vargas, Jânio Quadros, Lula, Sérgio Cabral, Maluf, Tiririca, Renan Calheiros, juiz Lalau, etc. - a lista de "picaretas" é enorme. Os inconformados debitam essa tragédia à falta de discernimento político da maioria do nosso eleitorado e preconizam a educação como solução do problema. De fato, um povo educado evitaria grande parte desse drama, mas seria solução a longo prazo, o qual a Nação poderia não esperar sem violação das instituições. Urge termos uma terceira via democrática, a ser encontrada por sociólogos competentes e bem-intencionados.

JOSÉ SEBASTIÃO DE PAIVA

j-paiva2@hotmail.com

São Paulo

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

*

MASSACRE SÍRIO

A atuação do Conselho de Segurança da ONU é, de certa forma passível de críticas, principalmente no conflito da Síria do presidente Bashar Assad. Uma verdadeira guerra civil vem se prolongando desde 1960, calculando-se em cerca de 50 mil o número de mortos, entre adultos e crianças. A oposição Bashar, mostrando sua irrefreável meta de derrubar o presidente, recentemente atacou dependências do governo, tendo assassinado o ministro da Defesa e seu vice-presidente. O estado de guerra torna o país inabitável, razão pela qual 20 mil cidadãos sírios fugiram para o Líbano em apenas 24 horas. No Conselho de Segurança, Rússia e China vetam resolução que aplicam restrições nas relações comerciais com aquele país. Sem embargo da ajuda bélica que os insurretos recebem, a desproporção de forças é evidente. As mortes continuarão a ocorrer porque o ONU não quer uma intervenção na Síria para não provocar urso soviético e o dragão chinês. Em outras oportunidades a ONU, via Conselho de Segurança, patrocinou a ocupação do Haiti por forças do Exército Brasileiro e os Estados Unidos ocuparam o Afeganistão e a Bósnia (Otan). O malabarismo diplomático, principalmente do bloco ocidental, sabe que não se deve provocar as garras do urso e o fogo do dragão. Não é de bom alvitre reascender a funérea guerra fria. Parece que com a Síria o buraco não fica na mesma posição da Líbia e do Egito.

Jair Gomes Coelho jairgcoelho@gmail.com

Vassouras (RJ)

*

ONU PARA QUÊ?

A Organização das Nações Unidas (ONU) vem se mostrando mais um órgão inútil, com muitas aspirações, mas com parcos resultados úteis para a humanidade. O tal Conselho de Segurança é uma piada, pois apenas cinco países possuem o direito de veto de suas resoluções e se apenas um deles for contra, não interessa o que pensa o restante dos habitantes do planeta. E assistimos mais uma vez o absurdo dessa situação no caso atual do sanguinário ditador da Síria, que está dizimando seus próprios compatriotas que se opõem à sua ditadura de dez anos, que recebeu de herança de seu pai, também ditador. Até agora ignorou todas as resoluções da ONU e graças aos vetos absurdos da China e de Rússia, continua a matar os milhares de sírios que se opõem à sua ditadura. Ora se apenas dois países, são contra à quase totalidade dos países com representantes naquele Conselho e seus vetos prevalecem porque são considerados dois dos cinco países que realmente comandam o mundo, pelo seu discricionário poder de veto, está na hora de todos irem de volta aos seus respectivos países e fazer coisa mais útil para os seus semelhantes. Ouse acaba com essa situação esdrúxula, ou se extingue de vez o referido conselho.

Gilberto Pacini benetazzos@bol.com.br

São Paulo

*

CESSAR-FOGO

O Conselho de Segurança da ONU deveria convocar reunião de emergência e decretar a intervenção na Síria para alcançar um cessar-fogo. A cada dia que passa a situação recrudesce e as autoridades internacionais estão divididas, porém milhares de inocentes já foram assassinados e as forças do governo tentam preservar o poder mediante combates incessantes que se espalham por várias cidades, aproximando-se da capital. Sem uma intervenção das forças internacionais o quadro dramático terá fortes repercussões no Oriente, podendo alastrar consequências funestas para a sonhada paz naquele território milenar dissipado pelos conflitos.

Carlos Henrique Abrão abraoc@uol.com.br

São Paulo

*

PODER DE VETO

Ao que tudo indica, após sua derrocada, o ditador Bashar Assad deveria ser levado aos tribunais para responder pelos inúmeros crimes que cometeu contra seu povo. E acompanhado pelos representantes dos dois únicos países que ainda defendem na ONU o direito do genocida sírio de aniquilar o seu povo, Rússia e China. Países com histórico de repressão que apoiam massacres em nome de lucros não deveriam ter poder de veto na ONU.

Amâncio Lobo amanciolobo@uol.com.br

São Paulo

*

BASHAR ASSAD, O DITADOR

A guerra pela Síria chega à capital, Damasco. Se o pomposo ditador Assad não aceitar um destino político - exílio, renúncia, asilo político -, os rebeldes o pegarão em seu palacete e ele acabará como Muammar Kaddafi, ou seja, linchado! A revolta não tem mais como retroceder. Uma vez derrotado o regime, que é uma questão de tempo, devem-se "julgar" os generais e aliados próximos ao ditador.

Luiz Fabiano Alves fabiano_agt@hotmail.com

Curitiba

*

BASTA!

Síria: governo Assa(d)ssino. De pai para filho, desde 1971. Basta!

J. S. Decol decoljs@globo.com

São Paulo

*

O FIM DO REGIME

O que sustenta o regime de Bashar Assad contra os rebeldes é a Força Aérea, com seus helicópteros e caças. O fim do regime e do conflito terá início no instante em que um caça fizer meia volta, disparar seus mísseis contra o seu próprio Exército e desertar para a Turquia ou a Jordânia. Sem poder confiar na Força Aérea, a luta em terra sem apoio aéreo será equilibrada, rápida e com a vitória dos rebeldes.

Luiz Ress Erdei gzero@zipmail.com.br

Osasco

*

ATAQUES COVARDES

No dia 18 de Julho de 1994, um ataque covarde contra a Associação Mutual Israelita Argentina (Amia) ceifou 85 vidas inocentes. No dia 18 de julho de 2012, um novo ataque a um "alvo" israelense custou pelo menos mais quatro vidas. Quem pode estar por trás desses atentados? Quem quer varrer do mapa o Estado de Israel? Quem odeia os judeus a ponto de negar um fato histórico como o Holocausto?

Luiz Nusbaum lnusbaum@uol.com.br

São Paulo

 

*

TELEFONIA MÓVEL

A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel ) suspendeu as vendas de novas linhas de três operadoras de telefonia móvel, em razão das reclamações dos usuários (aproximadamente 70mil) e da necessidade de mais investimentos no setor, conforme o ministro das Comunicações, Paulo Bernardes. Acontece que as operadoras afirmam que os planos de investimentos já existem e a dificuldade de instalar novas antenas ocorre por causa das restrições legislativas de prefeituras de cidades em muitos Estados brasileiros. Atualmente, existem no País aproximadamente 53 mil antenas instaladas e é necessário instalar mais 17 mil. O governo federal precisa estabelecer uma legislação específica para que as restrições impostas pelas prefeituras sejam eliminadas, e também prestar esclarecimentos à população de que a instalação de antenas não causa problemas à saúde do cidadão. Em suma, precisa somente haver um melhor entrosamento entre o governo federal e as operadoras para que os objetivos sejam alcançados.

Edgard Gobbi edgardgobbi@gmail.com

Campinas

*

SUSPENSÃO DE SERVIÇOS

A Anatel decidiu suspender a venda de chips das operadoras de telefone móvel Claro, Oi e Tim. A meu ver, essa decisão já deveria ter sido tomada há muito tempo, até porque aqui, na região do norte do Paraná, onde resido, essas empresas operam de forma precária. Presumo que com essa decisão, quem sabe, as operadoras de telefonia passarão a respeitar mais seus consumidores, que pagam caro por um péssimo serviço.

Virgílio Melhado Passoni mmpassoni@gmail.com

Jandaia do Sul (PR)

*

TIM

Como a Anatel não suspendeu a venda de linhas da operadora Tim em São Paulo, temos de presumir que ela tem prestado um bom serviço no Estado? Meu aparelho deve estar com algum problema, então. Meu primo, residente no Estado de Illinois, nos Estados Unidos, relata, em relação à operadora de telefonia celular com que ele tem contrato, que desde que ele possui a linha nenhuma ligação caiu (o que é notável). Eu respondo a ele dizendo que hoje nenhuma ligação minha caiu, pois não ainda não fiz nenhuma chamada.

Ronny Andre Wachtel ronnyaw@gmail.com

São Paulo

*

ANATEL

Parabéns, Anatel. Você puniu as operadoras. Sinto-me no céu. Tchau, Claro, Oi, Tim, nossas agressoras.

Luiz Roberto Pimenta P. de Mello robmel@vivointernetdiscada.com.br

São Paulo

*

É PIADA?

As operadoras de telefonia móvel punidas pela Anatel com a suspensão da venda de novas linhas vão apresentar planos de investimento para melhoria do serviço. A Claro apresentou o dela, mas não vai além do já previsto para investir em 2012. É piada ou o quê? Para mim, é deboche. Aliás, nem deveriam apresentar plano de investimento para a melhoria nem lhes ser solicitado. As metas de melhoria constam do acordo de concessão quando da privatização. É só o governo cobrar. Por que não cobra? Porque é frouxo e, por assim ser, faz o que a Claro fez: apresentou um plano que não tem um centavo de acréscimo. É como se dissesse: "Se quiserem, é isso aí, se não quiserem..." Que falta faz um governo com moral e pulso firme. Só sabe mostrar autoridade contra o funcionalismo.

Panayotis Poulis ppoulis46@gmail.com

Vila Isabel (RJ)

*

PROTECIONISMO?

Engraçado. Meu celular é Vivo e no meu bairro dificilmente consigo sinal. O que prova falta de distribuição de sinal. Nos shopping-centers, então, desista. Em conversa com outras pessoas que utilizam a mesma operadora, a reclamação foi a mesma e, no entanto, a Anatel proibiu apenas a TIM, a OI e a Claro de vender chips em todo território nacional até solucionarem as deficiências de transmissão por falta de investimento. Será que a Anatel não deveria impedir todas as empresas de telefonia móvel, em vez de apenas algumas? Somos 190 milhões de habitantes com 290 milhões de celulares em uso. Não estaria na hora da Anatel rever a telefonia no Brasil, em vez de punir alguns e, no caso de outros, fazer de conta que não vê? Protecionismo ou o quê?

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

*

FORÇA, PAULINHO

Eficiência e rapidez. Paulinho da Força defenestrou rapidamente o filho Alexandre Pereira da Coordenadoria de Operações da Secretaria de Emprego e Relações do Trabalho do governo Alckmin, onde comandava um escritório paralelo criado para mamar influências eleitoreiras e abafar o ímpeto grevista do pai. O rápido desligamento do filhote não implicará danos à candidatura do papai Paulinho à Prefeitura da cidade, porque até lá todo mundo já se esqueceu da tramoia. São tantas que vai ser difícil lembrar depois de dois ou três meses de uma específica. Mesmo porque Paulinho não tem chance de se eleger e está aí só para tirar os poucos votos que restam do Fernando Haddad. No segundo turno, se houver, apoia o Serra e assume a Secretaria do Trabalho da Prefeitura paulistana. E "vamo que vamo"!

Victor Germano Pereira victorgermano@uol.com.br

São Paulo

*

SALVE A IMPRENSA

Não entendi. O governador Alckmin mandou o filho de Paulinho da Força, Alexandre Pereira da Silva, deixar a pasta onde atuava na secretaria controlada pelo PDT só porque o jornal o Estado de S. Paulo fez a denúncia? Isso quer dizer o seguinte: sem o trabalho da imprensa não podemos viver. Ela incomoda e é necessária, pois somente com suas informações é que as coisas são postas no seu devido lugar. Já posso imaginar a reação do Paulinho: "Deixa, filho, amanhã você estará em outro lugar, eu prometo." Viver sem a imprensa? Jamais.

Izabel Avallone izabelavallone@gmail.com

São Paulo

*

ATITUDES DISTINTAS

Enquanto o PSDB age celeremente, dispensando no mesmo dia da denúncia publicada pelo Estadão o filho do Paulinho da Força que atuava como elemento fantasma e coordenava a Secretaria do Trabalho do governo de São Paulo, se fosse esse mesmo fato grave contra um governo petista, primeiro iriam criticar a imprensa e a oposição, por leviandade! Depois o Lula iria tirar uma foto na casa do Paulinho abraçando o tal filho dele, demonstrando a corriqueira e desprezível solidariedade... Mandando às favas a ética! Infelizmente, as pesquisas de popularidade indicam que os brasileiros preferem estar ao lado dos que indignam as nossas instituições...

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

*

PERGUNTA GEOMÉTRICA

Após a revelação do Estadão sobre o comando de um escritório paralelo pelo filho de um sonhador com a Prefeitura de São Paulo, fica revogada a lei da geometria que diz que "paralelos" nunca se encontram?

Flavio Marcus Juliano opegapulhas@terra.com.br

Santos

*

E MALUF...

Cortaram o "gato" do Paulinho da Força... Já no caso Maluf (paraísos fiscais), "não existem evidências documentais". Só faltava isso, ilícitos com registro em ata. Entretanto, Jersey usa o caso Maluf como modelo anticorrupção. Taí a prova de que Maluf, afinal, serve pra alguma coisa.

A. Fernandes standyball@hotmail.com

São Paulo

*

DINHEIRO NA ILHA

Mas é legítimo, dizem os advogados. Só faltava que o dinheiro lá fosse falso! Advogados são artistas mesmo! E olhe que para um cara esperto como Maluf, nem sequer isso se descartaria.

Ariovaldo Batista arioba06@hotmail.com

São Bernardo do Campo

*

O NÓ SE APERTA

Não, não, é tudo mentira, nunca tive contas no exterior... Bem, só umas continhas, mas sem dinheiro ilícito, só umas comissões pela intermediação na venda de empresas... Quanto às notas fiscais superfaturadas da Mendes Junior no projeto da Água Espraiada, deixa-me ver... Ah, ah, ah!!! Dá-me um tempinho que vou consultar meus mais recentes amigos, Lula e Haddad. Certamente eles vão explicar que foi tudo uma questão de algum aloprado manipulando contas não devidamente contabilizadas sem meu conhecimento. É muito comum entre nós, companheiros! Assim, o nó da mentira vai se fechando e a verdade vai aparecendo. Só falta a lei funcionar e os culpados serem punidos. Será que um dia veremos isso?

Silvano Corrêa scorrea@uol.com.br

São Paulo

*

QUEIMA DE ARQUIVO

Imaginem o tanto de informações que o assassinato do agente federal Wilson Tapajós Macedo - que trabalhou na Operação Monte Carlo - levou para o túmulo! Essa operação constituiu uma investida da Polícia Federal para desarticular uma organização que explorava caça-níqueis e jogos de azar em Goiás. Dessa maneira, e de alguma forma, Carlinhos Cachoeira está no palco onde ocorreu esse crime, com certeza. Quero crer que os demais agentes que participaram dessa operação estejam sentindo algum desconforto... E o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, ainda acha precipitado relacionar o assassinato ao trabalho desenvolvido pelo policial nessa operação. Disse ele: "Assim que nós tivermos a certeza ou tivermos a existência de indícios reveladores que nos permitam chegar a uma conclusão, isso será colocado em público para que a sociedade tome conhecimento, e as medidas necessárias serão obviamente tomadas pelo Ministério da Justiça e pela Polícia Federal". Ministro, isso não é jogo de ligar pontinhos e, se demorar demais para chegar à conclusão, as provas também irão para o túmulo com o a gente... Será que daria para o ministro descer à realidade dos fatos e parar de tentar mascarar o ocorrido, que só tem uma versão, a de que deram um cala-boca definitivo no policial que sabia demais? Mas a quem ou a que grupo suas informações ameaçavam?

Mara Montezuma Assaf montezuma.scriba@gmail.com

São Paulo

*

PADRÃO DE CONDUTA

Os recentes episódios ocorridos no Congresso envolvendo a cassação de Demóstenes Torres e sua consequente volta triunfal a Goiás para reassumir o cargo de procurador da Justiça, a soldo de polpuda remuneração - marcas da corrupção que, à maneira de um polvo, com vários tentáculos, grassa no cenário político, como, de resto, em outros segmentos da sociedade civil, mergulhando o País no caos da improbidade e da desonra - me fazem lembrar a intitulada Contrastes Confrontos, obra do grande Euclides da Cunha. Na medida exata do comportamento de duas criaturas que têm como lar as vias públicas, as quais, ao acharem a gorda quantia de R$ 20 mil, ao invés de a embolsarem, o que certamente aliviaria a sua penúria, acabaram por entregá-la ao primeiro posto policial que encontraram. Gesto louvável e digno de seres que, sem estudo, posição ou sequer uma pedra onde colocar a cabeça dolorida, deram inequívoca demonstração de honestidade, pautados pela retidão e nobreza de caráter, atendendo aos ditames do tribunal da consciência. "Bem-aventurados os moradores de rua, porque herdarão o Brasil."

Rodolfo Valença Hernandes rvh.advogadosp@gmail.com

São Paulo

*

CPI E MENSALÃO

Embora esse não seja o seu objetivo, a CPI do Cachoeira parece ter perdido o foco após a cassação do mandato de Demóstenes Torres. Seus membros procuram outros temas fortes para manter vivo o interesse público. Petistas e aliados apontam a mira para o governador de Goiás, o tucano Marconi Perillo, e os tucanos acusam petistas de fazerem tudo isso para criar uma cortina de fumaça em torno do julgamento do mensalão. Ambas as posições não condizem com o interesse e a expectativa da população, que quer o deslinde dos dois malcheirosos esquemas. Pouco importa ao povo saber se os atingidos serão petistas, tucanos, membros de outros partidos ou apartidários. A vontade nacional é ver totalmente apuradas as falcatruas de que tanto se tem falado. E, mais que isso, restar a certeza de que os esquemas fraudulentos foram desmontados, para não se repetirem. O melhor que os srs. membros da CPI podem fazer é apurar a fundo tudo aquilo que os dois esquemas fizeram nos escaninhos da máquina pública, propor a cassação do mandato dos agentes públicos eleitos que estiverem implicados e entregar todos os envolvidos à Justiça. Tudo sem delongas nem rodeios...

Dirceu Cardoso Gonçalves aspomilpm@terra.com.br

São Paulo

*

STF X POUPADORES

Nosso digníssimo STF já se preocupou em libertar Cesare Battisti, com bebês anencéfalos e, agora, com os mensaleiros de Dirceu e Lulla, mas com os poupadores devidamente lesados pelos planos econômicos perpetrados pelo senhores de engenho Sarney e Collor, nenhuma palavra mais. A votação em plenário do STF deveria ter ocorrido em 12 de abril, mas por ordens de Alexandre Tombini, e de joelhos perante Lulla, Sarney e Collor, além de Mantega e Dilma, os nefastos do Brasil, exigiu a Gilmar Mendes que novamente esse julgamento fosse adiado sine die. Esses senhores todos não têm a menor vergonha na cara para votar logo as sentenças que façam retornar o dinheiro aos bolsos dos poupadores devidamente tungados por Sarney e Collor em seus devaneios e famigerados planos econômicos de fundo de quintal! O STF totalmente de joelhos perante esses senhores de alcova e se rende a atos de injustiça plena e a ordens que não condizem com a realidade dos fatos, com as necessidades de quem foi roubado num passado recente, e muitos estão já mortos e os demais necessitando de suas poupanças que jazem nos bancos, cada vez mais ricos, esperando que nossa Justiça aja com justiça de fato e não mais se coloque de joelhos diante de interesses escusos do Banco Central e de políticos desqualificados e banqueiros milionários e sem escrúpulos. Está mais que na hora de se fazer justiça, doa a quem doer!

Boris Becker borisbecker@uol.com.br

São Paulo

*

PROTEGENDO AS PIPOCAS

Atenção, ex-fiscais do Sarney, corram para a Argentina! Há vagas! Dona Cristina está recrutando cidadãos para controlar preços no comércio varejista.

Sergio S. de Oliveira ssoliveira@netsite.com.br

Monte Santo de Minas (MG)

*

OU MUDAMOS OU NOS ACABAMOS

A crise institucional está deflagrada. Mantém-se a ordem social em ruínas graças a forças organizacionais e policiais em alguns casos, mas não há mérito social ou institucional. Nenhum! A criminalidade se espalha num vertiginoso crescente; a agressividade se torna rotina; a morte se banaliza; os princípios e os valores ficam para alguns poucos que se isolam ao invés de lutar pela dignidade humana. Mas nesse estado não haverá saída, pois o crime invade! Até quando seremos vítimas dessa decadência humana? Não somos criaturas do Deus todo-poderoso, criador do Universo, capazes de criar soluções e lutar por elas? Somos, sim! Somos homens com princípios e valores, com garra, com determinação! De onde nasce essa decadência? Boa pergunta, pois são muitas as origens, mas basicamente ela se inicia no seio familiar, que pela falta de escrúpulos e vergonha dos nosso dirigentes forçosamente invade as famílias por meio do desemprego, do excesso tributário, da falta de assistência a saúde, da injustiça generalizada. Aliás, essa, a meu ver, é a causa mãe de todas as mazelas, pois se existisse justiça não haveria falta de saúde, pois os governantes e empresários bandidos que fraudam licitações e contratações seriam presos, os fabricantes e comerciantes que enganam ou desrespeitam o consumidor pagariam por isso, os criminosos iriam pra cadeia e no mínimo trabalhariam lá para reparar os prejuízos causados às suas vítimas em vez de terem eles e suas proles mais direitos e regalias do que as suas vítimas, os políticos que roubam o dinheiro público também cumpririam penas em vez de terem juntamente com os magistrados (juízes) ladrões imunidades, regalias e quando muito em casos que vazam para a imprensa e são apurados, gordas aposentadorias como foi a pena do juiz Lalau que roubou mais de R$150 milhões dos cofres públicos (até hoje não devolvidos) na obra do Fórum da Barra Funda em São Paulo... Até quando nos sujeitaremos a isso? A situação está ficando fora de controle como qualquer um de nós pode observar, se é que ainda não ocorreu alguma barbaridade nos seus. Acredito que não devemos esperar essa criminalidade invadir nossas almas para que a gente tenha alguma reação, que, aliás, pode ser até para o mal. O que fazer? Alguma coisa tem de ser feita, senão com a nossa inércia já estamos contribuindo para piorar e nos colocando como futuras vítimas disso de uma maneira ou de outra. Isso é fato. Nós precisamos de mudanças, assim como está, não está nada bom, não está decente. E a qualquer momento podemos você ou eu ser vítimas do crime, da negligência, do pouco-caso que nós mesmos. pela nossa inércia, ajudamos a estabelecer na Justiça, no governo da nossa cidade, do nosso país. O que fazer? Precisamos fazer alguma coisa! Não podemos ficar como bois na fila do matadouro esperando a morte chegar. Somos gente! Somos filhos de Deus e, como tais, herdamos a capacidade de criar, que é o que nos distingue dos outros animais, que, mesmo alguns sendo mais inteligentes do que nós, não criam! Penso que uma boa alternativa será o governo e a legislação democrática de leis que punam criminosos, sejam eles quem forem, por meio de plebiscitos pela internet, online, com votações sobre orçamentos públicos e leis justas uma vez por semana por exemplo! Anunciam-se todos os projetos de lei, orçamento e governança durante a semana e pela internet mesmo votamos sobre esses projetos, com senhas dadas conforme o CPF, por exemplo, não nos esquecendo de que numa verdadeira democracia o voto é facultativo, vota quem quer participar, e não compulsório, como é o nosso caso, que é como um curral eleitoral, pela obrigatoriedade do voto. Quem não quiser participar, tendo essa capacidade, se sujeita à vontade da maioria, como é o caso nas "democracias" mais adiantadas, mas também já superadas pela falácia humana Já temos a capacidade tecnológica para isso. A humanidade evoluiu e permitiu que chegássemos a esse grau da evolução que de uma maneira ou de outra faz parte da história do ser humano, e que se pudermos implementar agora, no presente, adiantaremos em décadas, senão séculos a evolução da humanidade. Logicamente isso será para sempre. Grande problema? Problema bem menor do que deixar que outros que cuidam principalmente dos seus interesses cuidem, ainda mais se mancomunando como se costumou fazer, o Legislativo com o Judiciário para que nunca dê em nada os seus crimes. Aliás, eles já conquistaram um privilégio que nós simples mortais não conquistamos, o da impunidade. Ou vocês pensam que algum desses políticos mesmo como o Demóstenes não são conduzidos, mesmo que para perda do seu mandato? É conveniente isso para eles, alguma fictícia penalidade eles tem de mostrar. Ou vocês pensam que por trás dos bastidores não há muitas falcatruas cabeludas muito maiores do que essa? Um político gasta normalmente mais do que o dobro pra se eleger do que ganhará em todo o seu mandato... E o seu patrimônio normalmente dobra a cada eleição (o que não é o caso do Demóstenes, mas ele tem família...) Que mágica é essa? É lógico que até na política tem quem presta. Vocês viram a famosa oração da propina? Ou então eles se beneficiam de uma maneira como que querendo acreditar que não estão fazendo algum crime. Negligenciam a verdade e mesmo a sua própria verdade pela conveniência das suas acomodadas regalias. Conduzem para os seus corporativos interesses, que é fazer de conta que legislam em favor do povo, a maioria das vezes legislando sempre em causa própria, não estando nada preocupados com a seriedade da coisa pública que a dignidade e decência humana exigem. Não se importam com mudanças que o mundo pela decadência moral está precisando urgentemente, adaptando os sistemas conforme as necessidades e o avanço tecnológico permitem. São cegos pela conveniência. No Brasil existem milhares de obras públicas abandonadas, o congresso quase recebe e gasta mais do que nós povo recebemos pra tratar da saúde, que por sinal é muito mal empregado pela falta de penalidades verdadeiras para quem frauda esse dinheiro que é nosso. Nosso Judiciário está abarrotado de processos que não penalizam àqueles que usam o judiciário como máquina de postergação de suas falcatruas, pois além de ser extremamente moroso, com possibilidade de inúmeros recursos, é falho, ineficiente e não penaliza quem se aproveita dele como cemitério de justiça. É a generalização da sem-vergonhice. Os juízes (muitos entrando pela porta do apadrinhamento, o que se vê pela notória incapacidade jurídica de muitos) acham que trabalham demais. Verdade, alguns com princípios firmes trabalham sim, por um tempo... E a maioria se acomoda querendo mais regalias e deixando os processos se acumularem pra que haja justificativa de mais privilégios, como foi o caso da Anfavea, que comprou a greve de um líder sindicalista nos anos 70 para justificar o aumento dos preços dos veículos (baseado na necessidade de aumentar os salários). Líder esse usado e comprado até hoje como a maioria deles. Fazer o quê? Explodir bombas no Congresso Nacional? No Supremo Tribunal? Você pensa que alguma notícia ou motivação da causa será veiculada, sairá na imprensa, será divulgado? Brincadeira, hein? O mundo está cruel meu amigo. Essa é a verdade! Não tem jeito não. Eu só vejo essa mudança de organização humana, com os homens legislando diretamente suas leis e governando em plebiscitos pela internet como alternativa para a sobrevivência da ordem da espécie humana e suas instituições, pelo menos nessa era. Ou iremos somente prorrogar nossa própria sentença que pela nossa inércia já nos condena... Logicamente pelo poder do capital os donos de bancos e grandes investidores terão suas prerrogativas adiadas juntamente com essa classe de "super humanos" dos políticos e magistrados imunes as leis. Isso dá para gente ver claramente, né? Pois até mesmo em países ditos de primeiro mundo, o socorro não vai para o povo, pra sua saúde e criação de empregos e sim para os bancos. Até lá a coisa está complicada. Ou mudamos ou nos acabamos! Não temos alternativa, a não ser ficar aguardando a catástrofe chegar em nossa família ! Então, meu amigo, prezado leitor, vamos agir. Espalhe essa ideia como foi o caso das Diretas-Já (aqui, no Brasil), somente juntos nós podemos mudar esse armagedom que se aproxima!

Paulo César Godoy pcgodoy@live.com

São Paulo

*

EM GREVE

A atual onda de greve dos servidores públicos, entre nós, tem uma causa única: a política diferenciada de reajustes desses trabalhadores atende com aumentos adequados setores minoritários e privilegiados dos barnabés, deixando de lado, em indigência salarial, a grande massa da categoria. Urge, assim, que seja implantado um novo e amplo plano de cargos e carreiras, voltando à antiga política única de reajuste anual linear para toda a classe, abandonada após o tsunami neoliberal que devastou o País nos idos dos anos 90.

José de Anchieta Nobre de Almeida josedalmeida@globo.com

Rio de Janeiro

*

DIDÁTICA X MÚSICA

O Indicador de Analfabetismo Funcional 2011, divulgado pelo Instituto Paulo Montenegro e pela ONG Ação Educativa, revelou que, de cada 100 universitários brasileiros, 38 não dominam habilidades básicas de leitura e escrita. Essa deficiência na didática vejo refletida também na preferência desses por músicas sem letras e sem mensagens. Se é que podemos denominá-las música.

Cláudio de Melo Silva melo_riodoce@hotmail.com

Olinda (PE)

*

EDUCAÇÃO

Dona Dilma, no passado eu até agradeci ao seu chefe por criar a universidade onde estudo, mas hoje a decepção é demais de grande. Eu explico. Entrei na faculdade pelo Enem, que não avalia nada e é mal feito. Confesso que ainda não sei escrever direito e faço parte dos 38% de universitários quase iletrados, por isso a senhora me "disculpe" os erros. Faltam-me "esses", não sei onde colocar "ç" ou onde vai "ss", só sei que estou "endignado". Vossa "exscelência" disse que o futuro do PIB do País é os jovens e as criançinhas, nisso eu concordo, porque meu português capenga não me permite "alssar" um futuro melhor. Pra piorar, a minha faculdade está em greve. Eu acho que a senhora devia de 'açumir" e dizer em alto e bom som: "Nóis num vamo pagá nada e a solussão é quebrá o Braziu." "Disculpe", mais tô "endignado".

Marcos Roberto da Silva vanmarcos@hotmail.com

Campinas

*

NOTA ZERO

É claro e notório o desinteresse do governo na evolução do Ministério da Educação, o qual é mantido inoperante e inútil, mediante os péssimos ministros, totalmente incapazes, nomeados para ocupar o cargo. Pois não há o menor interesse em que a população seja instruída e culta, para dessa forma não correrem o risco de perder seu contingente de eleitores Brasil afora.

Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

*

PORTABILIDADE DE DÍVIDAS

Certa vez fui procurada por um conhecido que me pediu um empréstimo para pagar suas dívidas. Recusei-me sob o argumento de que se ele não havia pago a outro credor. Porque pagaria a mim? Se alguém ia ficar no prejuízo, que fosse o outro. Atualmente, somos bombardeados diuturnamente, e também noturnamente, para citar nossa erudita governanta, por inúmeros conselheiros financeiros em todos os canais de TV, aconselhando os endividados a levar suas dívidas para outros bancos, sob melhores condições de juros. Os que se constrangem a seguir a orientação encontram gerentes com cara de paisagem, que estão pensando que a última coisa que querem em suas carteiras são esses caloteiros, que ainda têm a agravante de ser suficientemente estúpidos para acreditar em políticos que os induziram a gastar o que não tinham, sob a promessa de que o Brasil é um país sério e seus mandatários são eficientes e responsáveis. E neste país da piada pronta nos damos ao luxo de fazer chacota com os portugueses.

Lizete Galves Maturana lizete.galves@terra.com.br

Jundiaí

*

COMPROMETENDO O FUTURO

É inaceitável que a morte de jovens tenha crescido astronômicos 376% no Brasil desde 1980. É um triste retrato da bomba social do País e de como a infância e a juventude estão abandonadas e desprotegidas, relegadas à própria sorte. Em qualquer país civilizado, a juventude e a educação são tratadas como prioridade número um. No Brasil, ao contrário, nossos jovens - sobretudo se forem do sexo masculino, negros e pobres da periferia - correm o sério risco de ser vítimas de homicídio e de ter morte violenta. O Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) é uma bela lei que não saiu do papel, não tem eficácia no mundo real. O governo e a sociedade são omissos e responsáveis diretamente pela morte precoce de nossos jovens e adolescentes. Algo que seria evitado se houvesse uma política pública eficaz na proteção efetiva da infância e adolescência no País. Um país que não cuida bem dos seus jovens está comprometendo seu próprio futuro.

Renato Khair renatokhair@uol.com.br

São Paulo

*

CORINTHIANS

Os corintianos não devem se preocupar com a saída do Alex, que ganhou muita grana nesse tempo em que esteve no Parque São Jorge e pouco ou nada rendeu, menos ainda que o Liedson, uma bananeira que já deu cacho. Outro que deve também dar o fora é o Elton, que não sei onde estavam com a cabeça quando contratam o rapaz e, para provar isso, deixaram sair o Vitor Junior para o Botafogo, onde é titular e melhor que Rogerinho e alguns outros que ficaram. A lamentar, sim, a saída do Willian, que chegou pintando como uma bela promessa, mas não se sabe o porquê de o Tite não ter gostado dele, e o queimou, fazendo o clube desfazer-se dele a preço de banana.

Laércio Zannini arsene@uol.com.br

São Paulo

*

JOÃO HAVELANGE

Há um movimento para retirar o nome de João Havelange do Engenhão. Apesar dos pesares, João Havelange fez muito pelo esporte, mas, infelizmente, errou ao se envolver num escândalo de corrupção. Dos males, o menor. Pelo menos a propina veio do exterior, sem afetar ou dilapidar a economia brasileira, enquanto personagens importantes na estrutura nacional nos causaram e causam pesados prejuízos. No Maranhão, cujo índice de desenvolvimento humano é um dos piores do Brasil, há uma profusão de instalações públicas com um nome que nos é muito familiar e em São Paulo está sendo montado um memorial cujo homenageado acobertou ou acolheu a maior sequência de malfeitos da História brasileira. Convenhamos, João Havelange é até inocente diante de tantos malfeitos.

Humberto Schuwartz Soares hs-soares@uol.com.br

Vila Velha (ES)

*

RICARDO TEIXEIRA

Li dias atrás no Estadão a declaração do senhor José Maria Marin, diretor atual da CBF, de que o senhor Ricardo Teixeira ainda pertence ao quadro da CBF, cuida dos interesses da CBF no exterior. Por esse trabalho ele recebe da CBF R$ 100 mil por mês. Os leitores já imaginaram o que significa um salário desses, ainda mais para alguém que ficou quase 20 anos levando tudo o que quis, sem dar satisfação a ninguém?! Com toda essa corrupção internacional, ainda há gente que tem a cara de pau de dizer aquelas coisas. Na CBF e nas federações estaduais todo mundo deve levar o seu para não dizer nada. Pelo jeito, parece que todo mundo tem o rabo preso. Nem mesmo os dirigentes dos clubes se têm manifestado contra toda essa corrupção. No Brasil não existem leis ou órgãos públicos com poderes para fiscalizar essas entidades, geralmente dirigidas por corruptos. Imaginem o torcedor pagando um preço alto para ver a seleção e o dinheiro ir para a CBF pagar o salário de R$100 mil do senhor Ricardo Teixeira. É uma pena. Tantos deputados, tantos senadores, Tribunais de Contas, Ministério Público e nem mesmo a imprensa que vive do futebol tomam nenhuma atitude para acabar com isso. Os recursos financeiros de patrocínios ou uso da marca da seleção e as despesas da entidade devem ser demonstrados à população. Nunca se viu na imprensa a publicação de um balanço anual com toda a origem e aplicação dos recursos. Na realidade, a CBF é um patrimônio da população e a ela devem ser prestadas as contas. O patrocínio comercial da seleção de futebol é uma movimentação fabulosa de recursos financeiros e ninguém presta contas a ninguém do que é feito com o dinheiro na CBF.

Nelson Apparecido Rigueto nrigueto@gmail.com

São Paulo

*

GUIA DA OLIMPÍADA

Como esportista até a raiz dos cabelos, cumprimento o Estadão pelo lançamento do Guia da Olimpíada 2012, que agradeço. É um serviço prestado ao desporto brasileiro, pois é um verdadeiro vade mecum, um verdadeiro manual olímpico, livro pequeno, de fácil porte, que virá a pôr os esportistas a par das competições diárias de todas as modalidades, seus horários, etc. São essas promoções que engrandecem os órgãos da imprensa. São empreendimentos lançados "opportuno tempore" (na hora certa).

Antonio Brandileone abrandileone@uol.com.br

Assis

*

SANTO DUMONT

Hoje, 20 de julho, é o 139.º ano do nascimento de Alberto Santos Dumont (em 1873, em Minas Gerais). Deveria ser mais bem comemorado, por ser um dos brasileiros mais importantes no mundo. Principalmente aqui, no Estado de São Paulo, onde passou a infância, em Ribeirão Preto, e faleceu, no Guarujá. Nesta capital tinha a casa da irmã, na Avenida Paulista, a do irmão, na Alameda Cleveland, e o sítio do sobrinho, no Morumbi. Frequentou o Butantã, o Jockey, o Instituto Histórico e Geográfico e o Club Paulistano. É um grande exemplo para os dias atuais, inclusive pelo bom caráter, simplicidade e altruísmo, com desprendimento dos bens materiais. Trabalhava e arriscava-se com recursos próprios, sem verbas públicas.

Paulo M. C. Petroni angelapetroni@bol.com.br

São Paulo

  • Tags: