Fórum dos Leitores

CORRUPÇÃO

O Estado de S.Paulo

25 Julho 2012 | 03h07

O julgamento do ano

A democracia fundamenta-se no tripé Executivo, Legislativo e Judiciário. Esperamos que ao menos este último se mantenha de pé, ostentando a bandeira da justiça e da hombridade, nesta nossa democracia capenga.

SERGIO SUED JOSÉ GIUDICE

sergiudice@gmail.com

Campos do Jordão

Julgar e ser julgado

Entende a eminente ministra Eliana Calmon, que no cargo de corregedora do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) demonstrou plenamente a sua competência e a sua dignidade, que o Supremo Tribunal Federal (STF) será julgado no caso do mensalão, cujos trabalhos se iniciarão no próximo mês. Entretanto, parece que a Suprema Corte não será julgada de forma global, porque tem uma história de glória neste país, apesar dos tropeços de alguns de seus membros. É quase certo que alguns ministros, chegados à cúpula do Poder Judiciário pelas mãos do ex-presidente Lula, serão cobrados, por vias oblíquas, e poderão ceder aos apelos. Mas, por outro lado, eles sabem muito bem que o povo os está mirando e a imprensa apontará o nome dos que não encontraram nas provas material convincente para a condenação, eis que a análise do processo também será feita por uma pletora de juristas, inexistindo a possibilidade de omitir fatos e provas, cujo conjunto poderá determinar condenações. Na verdade, o povo espera justiça, e não um simulacro de aplicação da justiça, porque se trata de um episódio de profunda importância para o País e para quantos acompanharam todas as etapas pela grande imprensa, em especial pelo Estadão.

JOSÉ CARLOS DE C. CARNEIRO

carneirojc@ig.com.br

Rio Claro

Fé na Justiça

Ao contrário do que disse a sra. Eliana Calmon, o povo não será juiz do Supremo no caso mensalão. O povo (ainda) tem esperança, isso sim, num julgamento isento de partidarismo e interesses individuais. Espera um julgamento com base em fatos, e não em ideologia. O povo, por enquanto, acredita na Justiça.

M. DO CARMO Z. LEME CARDOSO

mdokrmo@hotmai.com

Bauru

Teste para o Supremo

É óbvio que a população está, como nas lutas de escravos no Coliseu romano, com o polegar voltado para baixo, indicando o sacrifício para os infelizes que estavam na arena. É fato justificado pelo insuportável nível de corrupção a que chegou o nosso país. O povo quer o sacrifício para aliviar a angústia de se sentir sem possibilidade de reação contra os poderosos malignos, corruptos políticos, ressalvadas as excepcionalíssimas exceções. O STF tem agora a histórica e raríssima chance de aliviar os cidadãos brasileiros, do Oiapoque ao Chuí, desta tortura de ver seus direitos, seus impostos, seus valores serem erodidos pelas injustiças que ocorrem diariamente neste país.

MÁRIO NEGRÃO BORGONOVI

marionegrao.borgonovi@gmail.com

Rio de Janeiro

Licença para o ilícito

Num país onde mais de 50% do que um cidadão comum ganha vai para os cofres do governo, a não condenação dos mensaleiros representa muito mais do que a descrença popular no sistema judiciário, traduz a licença para o ilícito. As provas são irrefutáveis, qualquer argumento é desculpa.

MÁRIO ISSA

drmarioissa@yahoo.com.br

São Paulo

Não é obra do 'PIG'

Não é o caso de se negar a existência do mensalão. Trata-se de um imposto complementar, como se pode verificar no site da Receita Federal. O debate em torno da "ampliação do conceito" e a fúria subsequente estarão no cardápio no mês que vem.

ALEXANDRU SOLOMON

alex101243@gmail.com

São Paulo

Arquivo morto

O mensalão existiu, sim, como foi comprovado pelo ex-procurador-geral da República Antonio Fernandes. Mas alguém espera alguma condenação? É piada. Ah, ah, ah! Quem está no poder é o PT e ninguém mais. E assim mais um escândalo será arquivado e morto para sempre.

JOÃO ROCHAEL

jrochael@ibest.com.br

São Paulo

Caras de sorte

Os mensaleiros parecem ter nascido com o bumbum voltado para a Lua. Além de soltos e flanando por aí com inteira liberdade, somente depois de sete anos se submeterão ao julgamento e, bafejados pela sorte, ficarão em segundo plano, pois na Olimpíada se concentrará a atenção da maioria da população brasileira. Os tietes do poderoso chefão (CUT, MST e UNE) estão de plantão, apenas aguardando o sinal para entrarem em ação, mas já ameaçaram: caso os mensaleiros sejam condenados, as consequências serão imprevisíveis. Com tanta pressão, a Suprema Corte - em grande maioria nomeada pelo chefão -, contrariando a opinião pública, tende a absolvê-los ou puni-los brandamente, o que é um forte incentivo à propagação da impunidade.

HUMBERTO SCHUWARTZ SOARES

hs-soares@uol.com.br

Vila Velha (ES)

Jornada cívica

Se o brasileiro tivesse um mínimo de conscientização e cidadania, haveria convocações de movimentos legítimos para uma jornada cívica às portas do STF visando a pressioná-lo em contraposição às forças retrógradas que já começaram a atuar antes mesmo de se iniciar o julgamento do mensalão. Se houvesse um mínimo de indignação, poderíamos iniciar a primavera brasileira anticorrupção. Mas não há. Faltam lideranças. Sobram a ignorância e o conformismo, que se tornam armas nas mãos dos corruptos.

GILBERTO DIB

gilberto@dib.com.br

São Paulo

Afronta à Constituição

O medo dos petistas é tão grande que o presidente da Câmara, Marco Maia (PT-RS), proibiu os deputados de se manifestarem no plenário da Casa quanto ao julgamento dos mensaleiros. Vamos assistir à censura aos parlamentares? Se os mensaleiros fossem de outro partido a proibição também valeria? Os deputados não se vão pronunciar? É assim que começa a mordaça, com pequenas ameaças, até calar definitivamente. Daqui a pouco corremos o risco de ser proibidos de pensar. Vem aí o caçador dos pensamentos. Já passou da hora de os deputados irem à tribuna se manifestar sobre tal proibição. Um absurdo, uma afronta à nossa Constituição! Acompanhemos.

IZABEL AVALLONE

izabelavallone@gmail.com

São Paulo

Desespero petista

Nem sempre o poder (Marco Maia) consegue impor à força o que é ilegal ou inconstitucional.

BENONE AUGUSTO DE PAIVA

benone2006@bol.com.br

São Paulo

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

SALÁRIOS NO STJ

O editorial Todos os ministros do STJ ganham acima do teto (21/7, A3) é a prova cabal da desmoralização do instituto do teto salarial, que se fosse adotado poderia contribuir para a racionalização da remuneração das carreiras públicas. Por esse motivo, cada vez mais categorias se insurgem por reajustes salariais, adotando o teto salarial não como limite, mas como parâmetro de salário mínimo. O teto salarial deve incluir salários, vantagens pessoais e quaisquer remunerações, jetons ou auxílios recebidos do erário.

Airton Reis Júnior areisjr@uol.com.br

Guarulhos

*

BANÂNIA

O artigo Todos os ministros do STJ recebem acima do limite legal de R$ 26,7 mil nos faz ter a certeza de que Banânia tem o melhor Poder Judiciário que o dinheiro pode comprar. Pouco a pouco, Banânia vai se afirmando no mundo como um país de excelência. Ou de Excelências.

Pedro Machado Coelho de Castro pmcc1324@gmail.com

Lorena

*

QUE EXEMPLO!

Faça o que eu falo, mas não faça o que eu faço. Não é mesmo, sra. Eliana Calmon? É aviltante.

Elaine Navarro elainenavarro.pa@hotmail.com

São Paulo

*

VENCIMENTOS DE MAGISTRADOS

Muito interessantes as informações que viemos a descobrir sobre os vencimentos dos ministros do STJ a partir da divulgação do Portal da Transparência do próprio tribunal. A ministra Eliana Calmon Alves recebe seus vencimentos dentro do teto. Os R$ 33 mil que recebeu em junho, a título de "vantagens", nada mais são do que um período de trinta dias de férias (acrescidos de um terço), dentre os dois anuais a que tem direito, indeferidos que foram pela Presidência da corte face à necessidade do serviço. A verba ora comentada é isenta de desconto de Imposto de Renda, já que a lei assim o determina em relação a todos os trabalhadores na mesma situação. Os 11% de contribuição previdenciária também estão corretamente calculados. Seguindo-se a linha das informações disponibilizadas, tem-se que o ministro Hermann Benjamin recebeu como líquidos somente R$ 24 mil, o que nos parece pouco em cotejo com o volume de serviço e responsabilidades do elevado cargo judiciário que ocupa, com jurisdição em todo território nacional. Igualmente, tem-se que os R$ 21 mil líquidos do desembargador Ivan Sartori recebidos para presidir a corte que detém 45% de todo o movimento Judiciário nacional estão também realmente aquém do peso e magnitude da função. Convenhamos: profissionais da comunicação como os jornalistas obviamente recebem muito mais do que tal quantia. Por fim, sempre é bom lembrar que a cada reajuste concedido a membros do Judiciário e Ministério Público sobe em igual proporção a arrecadação tributária do ente pagador. Idem, para a arrecadação dos fundos públicos previdenciários. Os 20,26% de reajuste esperados pelas categorias judiciárias para janeiro próximo não podem deixar de vir, portanto, ainda que com quatro anos de atraso.

Flavio Capez flaviocapez@uol.com.br

São Paulo

*

QUESTÃO DE LÓGICA

Se o próprio Tribunal Superior de Justiça (TSJ) desobedece à lei e não cumpre o que prescreve a Constituição quando a mesma impõe o teto salarial de R$ 26.700 para os magistrados da Corte, fica difícil para a instituição, por falta de condições morais, impor sanções a quem também desobedece à lei. Não será esta uma questão de lógica de difícil contestação?

Francisco Zardetto fzardetto@uol.com.br

São Paulo

*

SALÁRIO VULTOSO

Se magistrados de altos escalões da Justiça parecem transgredir a própria Constituição com salário vultoso e acima do teto estabelecido pela Carta Magna, qual exemplo dão aos demais funcionários públicos e outros atrelados ao salário mínimo, assim como àqueles em extrema pobreza deste país?

João Rochael jrochael@ibest.com.br

São Paulo

*

TETO É TETO

Se existe um teto, o que se ganha acima dele, não é salário, é roubo.

Victor Germano Pereira victorgermano@uol.com.br

São Paulo

 

*

SUPERSALÁRIOS

Com a obrigatoriedade da demonstração dos salários dos funcionários de nossas repartições públicas, ressalto que veio em boa hora (O PIB tá fraquinho, precisa ajuda). As surpresas do conhecimento público e imprensa já se fazem aparecer, são indecentes até, inexplicáveis, pois existe uma lei de que o teto salarial público seja igual ou menor dos ministros, e esta é a lei, portanto aguardamos a presidenta emitir ordens no sentido da moralização destes salários indecentes, de aproveitadores, e olhem que não se mostrou os ultras salários do senado federal onde os auxiliares é que dão as dicas aos seus senadores de quanto devem ganhar pelos seus feitos, suas dicas nisto e aquilo, e os coronéis da Polícia Militar de São Paulo? Dizem que chegam perto de R$ 200mil/mês? Esperamos vê-los nos diários oficiais também. E os professores de universidades federais? Estão na mesma linha, portanto dona Dilma, esperamos vê-la no combate ao bom combate ,aos escárnio público nesse desrespeito ao assalariado, pois se torna outra vergonha nacional que vem crescendo ano após ano, agora é a hora, quem sabe sobrará verbas para a nossa combalida saúde, presidenta? Aproveite o momento, a hora é essa.

Julio José de Melo julinho1952@hotmail.com

Sete Lagoas (MG)

*

LEI DE ACESSO À INFORMAÇÃO

A Lei de Acesso à Informação Res.151 /12 do CNJ publicou os salários dos Tribunais Superiores na internet. Ficou faltando a publicação do Anexo Único da Resolução n.º 151, de 5 de Julho de 2012, onde consta o detalhamento da folha de pagamento de pessoal, tais como remuneração, vantagens pessoais, subsídios, indenizações, vantagens eventuais etc. Sem esses penduricalhos ninguém saberá o valor real que cada um recebe. Em apenas um mês, em setembro de 2011, um único desembargador recebeu mais de R$ 642 mil de acordo com informações do jornal O globo. Publicar salário bruto e salário líquido é uma satisfação à sociedade que não passa de um acesso para inglês ver.

Luciana Lins lucianavlins@gmail.com

Campinas

*

GANHOS NO JUDICIÁRIO

"Quem ganha menos é humilhado. Qual mulher vai querer namorá-lo?" Desconsiderando a involuntária conotação machista na declaração do desembargador Henrique Calandra, ilustre presidente da AMB, a também ilustre desembargadora de TO, Jaqueline Adorno de La Cruz Barbosa, a única que ganha menos que Dilma, está, irremediavelmente, condenada a ficar pra titia.

Lazar Krym lkrym@terra.com.br

São Paulo

*

QUEM GANHA MENOS É HUMILHADO...

"Quem ganha menos é humilhado. Qual a mulher que vai querer namorá-lo?." Brilhante a argumentação e justificativa do desembargador Henrique Calandra, presidente da AMB. Mas, humilhados mesmo ficamos nós milhões de contribuintes que trabalhamos arduamente, de segunda a sexta, não temos dois meses de férias por ano e não recebemos a décima parte do salário do eminente desembargador.

Marco Antonio nunesmarcelao1@ig.com.br

Pindamonhangaba

*

LAMENTÁVEL

Não sei que tipo de mulher o desembargador Henrique Calandra namora, pela declaração de que a mulher que o faz, com quem ganha menos, a humilha. Mas me fica claro que o presidente da AMB não respeita às normas que o desagradam. Suponho que chegou ao cargo por tempo de carreira. Lamentável.

André C. Frohnknecht anchar.fro@hotmail.com

São Paulo

*

VEREADORES

Aproximam-se as eleições para prefeito e vereador. Nessa época sempre me bate a dúvida: para que serve a Câmara Municipal? Lemos frequentemente que os únicos projetos que os vereadores propõem são para mudar nome de rua. E quando resolvem tratar de algum assunto sério, é contra a população. Leio hoje no jornal que vão tentar alterar a lei sobre heliportos, que hoje exige distancia mínima de 300 metros de hospitais e escolas, entre outros aspectos. Os vereadores acham a lei muito rigorosa e querem abrandá-la, evidentemente, em benefício das empresas de taxi aéreo. Por essas e outras é que acho que deveríamos todos anular o voto para vereador.

José C. de M. Reis jcelid@uol.com.br

São Paulo

*

SERRA E RUSSOMANO

Num segundo turno, Serra, mais uma vez, dança, talvez de vez, finalmente!

Ariovaldo Batista arioba06@hotmail.com

São Bernardo do Campo

*

RUSSOMANO NA COLA DE SERRA

A última pesquisa apontando o Russomano praticamente empatado com Serra deve servir de alerta a alguns tucanos para saírem da letargia a que estão enfiados e partir para a briga, algo que não está acontecendo porque alguns desses juntos e seus grupos estão chateados por não serem os escolhidos, mesmo sem terem chance alguma, estão como que na "moita" traindo o candidato do partido, agindo como político mineiro. Esse comportamento inadmissível entregará São Paulo ao Russomano, que só está na "cola" do Serra graças a um eleitorado no qual predomina analfabetos que vota em qualquer político. Se o Russomano levar a prefeitura, será o mesmo que entregar ao Lula e isso o paulistano da gema não pode permitir. Mil vezes um Serra com todos seus defeitos que um Russomano qualquer ou similar a ele.

Laércio Zannini arsene@uol.com.br

São Paulo

*

PREFERÊNCIA DE SÃO PAULO

Gostei de ver as pesquisas em São Paulo, elas devem ser seguidas no governo federal. Depois, até que enfim, depois de décadas, ver mudado o cansativo cenário PT X PSDB... O candidato Celso Russomano representa uma novidade, porém se será boa depende dele, afinal estes que se aliam até com seus piores adversários apenas para se manter no poder, Deus nos livre, temos que ir arrancando esses para sempre. Os eternos do PMDB a gente vê todos eles em todos os governos, virou governo eles são aliados.Outro que enganou todo mundo, até eu que nunca fui eleitor deles, o PT, agora é aliado de todo mundo. Esse tipo de política que se preocupa com o poder e não com mais nada, vamos nos livrar disso! A preferência de São Paulo, até que enfim, me parece um começo disso, para sorte nossa, vamos mudar os governos e as oposições também.

Roberto Moreira Da Silva rrobertoms@uol.com.br

São Paulo

*

RUSSOMANNO

Russomano, o canastrão ex-amigo do Maluf foi mudando de partido até conseguir se aproximar dos católicos e evangélicos e, aparentemente, está conseguindo êxito na sua maneira de fazer política. Tremendo enganador, aliás, isso é o que não falta a todos os candidatos a prefeito de São Paulo. Espero que ganhe um candidato que realmente goste e faça algo pela cidade, sem ser política. E que no final do mandato possamos dizer foi bom para você e, para nós, eleitores, foi melhor ainda!

Antonio José G. Marques a.jose@uol.com.br

São Paulo

*

MUDA, SÃO PAULO!

Nem PT muito menos PSDB. É assim que se faz. Os paulistanos dando uma lição para acabar com o velho ranço de "sempre os mesmos". Não que Russomano seja ótimo, mas é de fato um "muda São Paulo". Se não trabalhar e for um mau gestor, daqui a quatro anos coloca-se outro. É preciso que mudem a Câmara Municipal também, e, aí sim, será a verdadeira revolução. A revolução da troca pelo voto. Parabéns aos paulistanos, uma gente corajosa.

José Piacsek Neto bubapiacsek@yahoo.com.br

Avanhandava

*

AINDA DÁ TEMPO?

Há pelo menos quatro eleições que estamos diariamente sendo invadidos em nossa caixa postal pela militância petista, denunciando barbaridades sobre os candidatos do PSDB. Inclusive temos relatos de pessoas que ficam nos ônibus fazendo a mesma coisa e somente agora o Serra vem a público denunciar essa prática, chamando de nazista? No entanto, nem à época da compra do falso dossiê feita pelos "aloprados" o vimos se defender abertamente! O ex-presidente Lulla quando podia falar, estava na mídia diariamente falando o que lhe vinha à cabeça, principalmente mentindo para a população descaradamente sobre feitos que jamais foram iniciados e não vimos ninguém da oposição chamar a imprensa para desmascarar as mentiras que depois de várias vezes ditas tornam-se verdade. Conheço inúmeros eleitores que cansaram de denunciar à oposição sobre essa militância feroz e nociva e não vimos por parte deles nenhuma atitude. Nenhuma denúncia explícita! Se o PSDB não estivesse às voltas com as costumeiras briguinhas internas, cada candidato querendo passar uma rasteira no outro já teriam se unido e agido. Será que ainda dá tempo?

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

*

ATO FALHO?

Parodiando a Bíblia e reportando-me ao apóstolo Paulo Salim Maluf e seus incríveis e interesseiros bajuladores (alguém mais que eles vê tantas virtudes nesse mágico sumidouro do dinheiro alheio, a não ser os seus... seguidores?), desabafo minhas estupefações plagiando o também apóstolo João Evangelista: no princípio era o Guilherme Laranjeira, assessor de imprensa do Maluf; o verbo estava com Laranjeira e o verbo era Maluf. E concluo, em regozijo, que o verbo se fez carne e agora, com o sumiço do Laranjeira (cadê ele, hein?), habitou entre nós, na forma de seu fã incondicional, - mesmo na mentira - o leitor sr. Hermínio da Silva Júnior. Esse leitor, num lance de inspiração incomum, teve a coragem sincera de nos informar em sua carta que: "primeiro, diria que Maluf mente, mas não engana; o que ele é está na cara" (sic). E justifica assim, com essa piada de mau gosto, a avalanche de votos que o ex-prefeito de São Paulo tem entre os paulistas e paulistanos. Incrível, não acham? Contudo, eu afirmo, pés juntos e peremptoriamente: aquele que mente já está enganando! Engana já por mentir. A coisa funciona de maneira análoga à promessa de proteção dos pretos velhos da Umbanda: "endurô de mi, lenam aiê" (lembrou de mim, já está protegido)! Assim também é com Maluf: mentiu, já está enganando! Portanto, o que está na cara é que ele é mentiroso e enganador. Neste aspecto "punto e basta"... Fixo-me na ideia de que ele sim, o senhor Silva Júnior, se amolda magnificamente à frase por ele mesmo citada de Fellini, porque, mistificador, ele, sim, se "leva excessivamente à sério" (sic). E ponha-se excessivamente nisso...

Para completar seu fantasioso desvelo, o missivista prossegue advertindo esperar que, "em nome do debate democrático, o Estadão publique sua carta, mesmo discordando dela". Em outras palavras, decorrência de mais um ato falho seu, ele quer ter certeza de que seu ídolo vai ler, no Estadão, a carta que ele enviou! Quanto à sua advertência, com certeza não passa de mera inadvertência pueril, para um jornal que há 137 anos (4 de janeiro de 1.875) vem sofrendo perseguições, censuras e ameaças, tais como uma liminar ainda em vigência que o proíbe há 1.090 dias de publicar as fichas podres de tudo o que ocorreu e ainda ocorre - e, quiçá, que ainda venham a ocorrer no seio do clã Sarney. Assim, o que temos são atos falhos do senhor Silva Júnior ou bajulações causais? Ou ambas?

João Guilherme Ortolan guiortolan@gmail.com

Bauru

*

MALUF E FELLINI

O Leitor que escreveu ao Estado para defender Maluf, não deve ser assinante/leitor do Estadão, que há exatos 1090 dias esta sob censura e nunca omitiu sua opinião mesmo discordando das demais. Mas ao fazer defesa do referido senhor alega que o mesmo fez obras por São Paulo inteiro, o que concordo, só não concordo com os métodos , pois Faria Lima, Prestes Maia e tantos outros também o fizeram e não tinham contas no exterior para receber comissão e nem foram procurados pela Interpol. Com pensamentos assim que se faz confusão entre urna e penico.

Jose Roberto Palma palmapai@ig.com.br

São Paulo

*

OPINIÃO 'FELINIANA'

O leitor sr. Hermínio Silva Júnior realmente nos dá uma opinião subjetiva e, pode-se dizer, "felliniana" sobre a atuação política de Paulo Maluf. São Paulo teve em seu glorioso passado bons prefeitos como Prestes Maia, Faria Lima, Figueiredo Ferraz, Olavo Setubal e Mario Covas; assim como ótimos governadores como Carvalho Pinto, Laudo Natel, Abreu Sodré e Franco Montoro. Nesse meio apareceu Adhemar de Barros que consagrou o ditado de um que "rouba, mas faz". Paulo Maluf ampliou esse conceito tanto que deu origem a um novo verbo: "malufar". Ao sr. Silva Junior gostaria de lembrar que tudo que Maluf fez (e realmente fez muito) foi com nosso rico dinheiro, e a custo muitíssimo acima do normal, pois enriqueceu toda sua família e seus muitos cupinchas. Quanto à citação do cineasta Federico Fellini, será que essa explica também o aperto de mão do Lula, (representando o Brasil) com Ahmadinejad, Fidel Castro e outros ditadores sanguinários? Será que, seguindo Fellini, não devemos levar o Brasil à sério para não sermos um país mistificador? Será que devemos aceitar mentiras desde que não haja enganação? Acho que não. Devemos, sim, lutar pelos bons princípios, sr. Silva Junior, e aproveitar os exemplos dos estadistas acima que, com honra, administraram nossa terra. Seus argumentos tentam justificar o conceito de "rouba, mas faz" e que é aceitável nivelar por baixo nossa política. Os paulistas de bem que amam São Paulo não aceitam isso!

Silvano Corrêa scorrea@uol.com.br

São Paulo

*

ANTIMALUFISMO

O antimalufismo não questiona obras feitas pelo ex-prefeito, mas sim o que foi feito com o dinheiro do seu pagamento. Capisce?!

J. S. Decol decoljs@globo.com

São Paulo

*

SOBRE ESTADISTAS E MALUF

Em tempos de dupla personalidade, sempre considerei Maluf um genuíno exemplar desta patologia. Num mesmo homem lutam a habilidade de um grande administrador, homem de visão e capacidade de realização e o político rasteiro, ganancioso que morde muito mais do que pode digerir. Tivesse vencido o primeiro, seria hoje um estadista homenageado, responsável pelo progresso do País, pois sempre soube se impor às críticas ferozes que o acompanharam e implantar projetos polêmicos que o tempo comprovou serem acertados, como a construção da "faraônica" rodoviária da capital paulista, entre muitos outros. Se seu espírito público tivesse sido maior do que o acumulativo e tivesse tido a sensatez de pensar que m*** acontecem, poderia estar hoje gozando de uma velhice respeitável e respeitada, em vez de estar sendo vilipendiado e usado como exemplo de tudo o que é ruim, na boa companhia de Sarney, que é claro, só se compara a ele no mau caráter. Se honesto, Maluf com certeza teria construído as ferrovias, portos e aeroportos que os últimos governos não conseguem dar andamento, mesmo com os mesmos desvios de verba. É uma pena, e que sirva de exemplo aos ratos que infestam todos os níveis de governo, para que pensem que dinheiro nenhum compra paz de espírito. Com certeza, Maluf trocaria seus milhões não aproveitados em Jersey por um pouco de respeito. O mesmo deve estar pensando o probo Demóstenes, em quem o melhor vinho do mundo provocou uma enorme indigestão. Ao contrário do que nossos políticos pensam, o dinheiro não compra tudo e a sorte é traiçoeira.

Lizete Galves Maturana lizete.galves@terra.com.br

Jundiaí

*

O FRÁGIL CANDIDATO

O candidato de Lula para a Prefeitura de São Paulo, pelo escudo de proteção que recebe muito bem pago pelo PT, parece uma taça de cristal que a qualquer ventinho pode trincar. Com tanta proteção a cada ataque dos opositores não parece o prefeito certo para governar a cidade com o maior PIB do País. Quem precisa de tanto anteparo a todo tempo não tem intrepidez necessária para tal mister. Cresça e apareça, senhor Haddad.

Leila E. Leitão

São Paulo

*

CORRUPÇÃO

Parodiando a formiga saúva: "ou o povo acaba com a corrupção ou a corrupção acabará com o povo!".

Alberto Nunes albertonunes77@hotmail.com

Itapevi

*

POLÍTICO DIGNO

Em meio a uma politicagem profissional, corrupta e irresponsável, surge no cenário um exemplo de dignidade e que deve servir de modelo não só para os políticos, como também de modelo para o eleitorado. O deputado federal José Antônio Reguffe (PDT - DF), proporcionalmente o mais bem votado do País (266.465 votos = 18,95 % dos votos válidos do DF), estreou na Câmara protocolando vários ofícios da diretoria geral da casa. Abriu mãos dos salários extras (14% e 15% salários). Reduziu sua verba de gabinete e o número de assessores a que teria direito de 25 para 9. Além disso, reduziu uma cota interna do gabinete, chamado de "cotão" de R$ 23.030,00 para R$ 4.600,00. Abriu mão, ainda, de toda verba indenizatória, cota de passagens aéreas e do auxílio moradia. Tudo em caráter irrevogável. Os eleitores devem exigir dos parlamentares uma conduta idêntica, em caráter municipal, estadual e federal, porque sozinho o referido deputado irá economizar, em quatro anos de mandato, para os cofres públicos quase 3 milhões de reais. Estenda-se isso aos demais 512 deputados federais, aos deputados estaduais e vereadores de todo território nacional...

Nei Silveira de Almeida neizao1@yahoo.com.br

Belo Horizonte

*

O ASSASSINATO DO PF E A CPI

O policial Federal, Wilton Tapajós, que investigou a operação que redundou na CPI foi assassinado enquanto orava no túmulo de seu pai, e nosso ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, disse que (sic) "é leviano fazer qualquer ligação entre a execução do PF e a operação da qual fazia parte". Com Celso Daniel foi assim... Com Toninho de Campinas foi assim, com a existência do mensalão de 2005 foi assim. Até quando vai valer a lei onde a mentira e a verdade têm o mesmo valor em se tratando de alcançar um objetivo? Já é mais que hora de derrubar a máscara que cobre a face desses verdadeiros mafiosos que enxovalham nossa nação.

João Menon joaomenon42@gmail.com

São Paulo

*

O FUTURO DO BRASIL

Enquanto O Estado de S. Paulo tem a liberdade e a coragem de noticiar sobre o câncer da corrupção no Brasil e a Polícia Federal atua firme na identificação desses criminosos, tenho plena confiança no futuro do Brasil. Parabéns ao Estado de S. Paulo e à Polícia Federal!

Michael Peuser mpeuser@hotmail.com

São Paulo

*

SEIS POR MEIA DÚZIA

Agora entendi o que significa trocar seis por meia dúzia. Sai Demóstenes Torres e entra Wilder Morais. É, simplesmente, lamentável!

Pedro Paulo Souza pedrinhopsouza@hotmail.com

São Paulo

*

NOVO PARTIDO

Como se não bastasse os mais de 30 partidos políticos no País, eis que surge para a tristeza geral da nação mais um partido nanico, para participar do Fundo Partidário e obter meios de barganha com tempo de TV : Partido Ecológico Nacional (PEN) . Essa corrida para se conseguir uma "boquinha", é semelhante a feita pelos sindicatos de fachada - quatro novos sindicatos por semana -, para receber uma fatia do bolo do imposto sindical que, é o desconto de um dia de trabalho do trabalhador com carteira assinada. E o povo como fica? A resposta vem de Brasília. Bem, o povo que se "exploda"!

Edgard Gobbi edgardgobbi@gmail.com

Campinas

*

ESCULHAMBAÇÃO TOTAL

O editorial do Estadão de sábado sob o título A erosão do sistema partidário (21/7, A3) aborda com precisão o absurdo dos "partidos" aprovados pelo Superior Tribunal Eleitoral. Com a aprovação do Partido Ecológico Nacional, cujo proprietário, este é o termo cabível, conseguiu a filiação de um deputado federal e cerca de 30 estaduais, obviamente tem como objetivo principal a verba federal que é distribuída entre os partidos e um eventual horário político na televisão. Lembra a propósito o partido criado por Kassab que segundo ele não é de direita, nem de esquerda e nem de centro, ou em outras palavras, não é a favor nem contra, muito pelo contrário, que conseguiu adesão significativa em função exclusiva do seu cargo de prefeito de São Paulo. Em suma, é uma esculhambação total, com as sigla criando uma sopa de letrinhas impar no planeta. Nesta verdadeira farra do boi poderíamos pensar em criar o Partido da Unidade Municipal, que seria 31.° partido e poderia se tornar afamado, se não pela sua preposição política, pelo menos pela sua sigla, com a vantagem de oferecer ao seu criador uma verba federal nada desprezível.

Gilberto Pacini benetazzos@bol.com.br

São Paulo

*

'PERIGO NA ROÇA'

Excelente o artigo do agrônomo Xico Graziano, Perigo na roça (24/7, A2). Apesar de desassistida na área educacional nos últimos anos, a agricultura projetou o País no cenário mundial como grande fornecedor de alimentos. Não há contradição: parte desse sucesso se deveu à modernização das tecnologias e à contribuição de instituições acadêmicas privadas, entidades e empresas do agronegócio, que assumiram o trabalho de extensão rural abandonado pelos governos, como relatou Graziano. Entre essas iniciativas, cite-se a realizada há quinze anos pela Andef (defensivos agrícolas), OCB (cooperativas), Andav (revendas) e Inpev (reciclagem de embalagens vazias): em 2010, os cursos e projetos beneficiaram 3,4 milhões de agricultores; resultado ainda mais expressivo, entre 2005 e 2010, alcançaram 7,8 milhões de agricultores e trabalhadores. Eis o caminho sustentável para a educação no campo.

Eduardo Daher, diretor-executivo da Associação Nacional de Defesa Vegetal, Andef eduardo@andef.com.br

São Paulo

*

TECNOLOGIA NO CAMPO

A proposta de transferência tecnológica é sempre bem-vinda e não pode ser vista apenas pelo caráter ideológico, com apregoa Xico Graziano (24/7, A2). Um dos grandes gargalos que temos é não conseguir que aquilo que brilhantemente é pesquisado nas universidades e centros de pesquisa públicos chegue ao dia a dia. Uma política desse tipo deve valorizar nossa ciência e tecnologia, sem necessariamente passar por patentes ou outros instrumentos que acabam por impedir o verdadeiro desenvolvimento, virando objetos de comercialização e não de aplicação.

Adilson Roberto Gonçalves priadi@uol.com.br

Lorena

*

DESARMAMENTO

Impressionante constatar como a sociedade está refém da criminalidade e a polícia, de uma forma geral, não sabe operacionalizar as suas atividades, confundindo pessoas de bem com delinquentes. Falaram que o desarmamento seria a solução, mas longe disso. Hoje o que assistimos é uma desatenção e completo desassossego em relação à segurança pública, o número

de homicídios cresceu exponencialmente e a sensação que observamos é que cada cidadão está armado para enfrentar as falhas do sistema. A sociedade precisa sim estar desarmada,mas

para que isso alcance êxito, é fundamental que o aparato público ofereça segurança permanente,caso contrário, o banditismo perverso vencerá a tranquilidade de todos. Uma sociedade insegura e sem paz é um reflexo da governabilidade claudicante.

Carlos Henrique Abrão abraoc@uol.com.br

São Paulo

*

VIOLÊNCIA DA PM

A Policia Militar precisaria praticar em seus ensinamentos entre outros a consciência que tinha Che Guevara sobre o assunto violência: precisamos ser duros, mas sem perder a ternura!

Francisco Santamaria specus@terra.com.br

São Paulo

*

CRIMINALIDADE

O secretário de Segurança Pública de São Paulo, Antônio Ferreira Pinto admitiu após "um longo e tenebroso inverno" que a criminalidade vem crescendo na capital paulista e que "lamentavelmente, é a escalada da violência". Se demorarem o tanto quanto demoraram em admiti-la, para combatê-la, nós tornaremos, sem dúvidas, a caça com os bandidos caçadores. Sem que seja determinada a época nem período para tanto, ou seja, durará o tempo que eles acharem necessário ou conveniente.

Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

*

SHOW DA VIOLÊNCIA

Um jovem italiano, de 26 anos, em visita ao Brasil, sem entender o que os bandidos falavam, foi assassinado numa tentativa de assalto a plena luz do dia no cruzamento das Avenidas Nove de Julho e São Gabriel. O visitante pretendia se mudar para o Brasil a trabalho. Enquanto isso, outro italiano, terrorista, julgado no seu país como criminoso desfruta em liberdade das belezas tupiniquins. O Brasil atualmente, nas mãos dos atuais "Estadistas" do Governo é um excelente mercado em expansão para bandidos e o crime organizado.

Ari Giorgi arigiorgi@hotmail.com

Sao Paulo

*

CHOCADO?!

Um país que dá guarida a assassinos como Cézare Battisti não pode ficar chocado quando matam um turista italiano!

Eugênio José Alati eugeniojosealati@yahoo.com.br

Campinas

*

ASSASSINO NOS EUA TEM O QUE MERECE

Nos Estados Unidos as leis são implacáveis, duras e aplicadas com rigor. Diferente das leis brasileiras onde o estuprador, o pedófilo, o sequestrador, o assassino de crianças ou de adultos, que degolam e cortam em pedaços suas vítimas, quando são presos e condenados não demora muito e acabam soltos, por "bom comportamento". Ou cumprem pena em hospitais psiquiátricos. Coitadinhos, são doentes. Nos Estados Unidos o canalha como este monstro James, que matou doze pessoas e feriu 57, quando não é morto pela policia ou se mata, é condenado a prisão perpétua ou a pena de morte. Justiça verdadeira é isso. Assassino não merece dó, perdão nem piedade.

Vicente Limongi Netto limonginetto@hotmail.com

Brasília

*

MASSACRE DO CINEMA

Foi com tristeza e muita dor no coração que li no Estadão sobre a morte de dezenas de pessoas no massacre do cinema no Colorado (EUA). Embora seja um decreto desse mundo que todos terão de morrer, é muito dolorido dezenas de pessoas que assistiam tranquilamente a um filme, ver interrompida suas vidas por um desequilibrado chamado James Holmes. Esperamos que as retinas do mundo nunca mais detectem cenas horríveis como essa. Aos familiares das vítimas desse massacre, receba os pêsames deste desconhecido.

Virgílio Melhado Passoni mmpassoni@gmail.com

Jandaia do Sul (PR)

*

OBRIGADO, ESTADÃO!

Gostaria de agradecer ao Estadão pela oportunidade de participar da campanha do jornal, ao lado do meu filho Tom (24/7, A12). É muito bom ser leitor de um jornal informativo, investigativo, democrático, pluralista e ético como este. Valeu Estadão!"

Renato Khair renatokhair@uol.com.br

São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.