Fórum dos Leitores

AGU

O Estado de S.Paulo

11 Setembro 2012 | 03h07

Aparelhamento à vista

Enquanto corre no Supremo Tribunal Federal (STF) o julgamento do mensalão, com um festival de condenações de petistas, um projeto de lei urdido na calada da madrugada abre caminho para mais um aparelhamento, desta vez na Advocacia-Geral da União (AGU), de acordo com o projeto encaminhado à presidente Dilma Rousseff por Luís Inácio Adams, o advogado-geral, faltando apenas o endosso presidencial para, enfim, facilitar a entrada no órgão de companheiros alheios ao assunto e de não concursados - como na Petrobrás, que após anos de aparelhamento finalmente apresentou prejuízos. Em sua derrocada após o desnudamento de suas intenções pelo STF no julgamento do mensalão, o PT tenta desesperadamente abocanhar tudo o que estiver ao seu alcance na tentativa de fortalecer o seu insano projeto de poder.

PETER CAZALE

pcazale@uol.com.br

São Paulo

O desmonte

Esse novo projeto que trata de radicais alterações na AGU, como bem salienta o Estado (10/9, A3), tem como finalidade o aparelhamento desse importante órgão, submetendo-o às vontades petistas de governo. Com efeito, o ingresso nos quadros da entidade de advogados não submetidos a concurso público faz a instituição transformar a advocacia pública em verdadeira entidade privada, a serviço dos políticos poderosos de plantão. Ademais, os advogados integrantes da entidade não mais poderão desfrutar a independência necessária ao exercício da profissão, ficando completamente subalternos e submissos aos mandos das chefias, sempre representativas de governantes e seus interesses imediatos. Trata-se de projeto absurdo e que não merece prosperar, cabendo ao Congresso Nacional eliminar todos os seus pontos fracos, a ponto de torná-lo imprestável para os fins a que se propõe. São inaceitáveis tamanhos absurdos na carreira jurídica pública.

JOSÉ CARLOS DE C. CARNEIRO

carneiro.jcc@uol.com.br

Rio Claro

Haja paciência!

Ao denunciar o aparelhamento da AGU, o Estadão está confirmando o que há muito tempo se tem visto ocorrer no Brasil. O PT não mede esforços para se tornar eterno no poder e para isso usa de todos os meios de que dispõe. Basta ver o pronunciamento da presidente Dilma a pretexto do Dia da Pátria para constatarmos que o uso da máquina pública continua o mesmo sob sua gestão, a exemplo do que fazia seu antecessor. O partido que está no poder não faz diferença entre governo, Estado e partido. Sua origem indica isso, o PT é o herdeiro de duas teses totalitárias do século passado: o fascismo e o comunismo. Como dizia seu antecessor, "nunca antes na História deste país" se viu tanta eficiência, o Brasil nunca esteve tão bem, etc., etc., etc. Esquece a presidente que o nosso pífio crescimento é o menor dentre todos os países do grupo dos Brics, que nossa infraestrutura é muito ruim e que todos nós vivemos aqui e estamos vendo o que está acontecendo. Mas como as eleições estão chegando há que elogiar a gestão petista, que, diga-se, foi completamente contra o Plano Real, fez de tudo para acabar com ele, mas se aproveitou do que ele trouxe de bom para o País. E Dilma anunciou um modelo de desenvolvimento "inédito" como se fosse mesmo inédito, sem a menor vergonha de afirmar um modelo há muito usado no mundo, especialmente na Europa. Enfim, estamos outra vez ouvindo inverdades e "maravilhas" petistas como se fossem a invenção da roda. Haja paciência!

MARIA TEREZA MURRAY

terezamurray@hotmail.com

São Paulo

POLÍTICA ECONÔMICA

Inflação desenfreada

Que tal se adotássemos Santo Expedito como nosso protetor? O Banco Central (BC), segundo sugere seu ex-diretor Alexandre Schwartsman, (7/9, B2), adotou Santo Agostinho, então, nada mais justo e sagrado que também tenhamos nosso padroeiro. Só mesmo o santo das causas justas e impossíveis para nos livrar de um infortúnio muito próximo: o maldito avanço da inflação, que caminha a passos largos. Pelo que se nota, o BC não está nem um pouco preocupado, ou já jogou a toalha nessa contenda. Alexandre Tombini, chairman (todo-poderoso) da instituição e subserviente aos desejos da presidente, Dilma, "mãe dos pobres", não garante o freio da inflação até o primeiro semestre de 2014 e sustenta como viável esse desequilíbrio. Só se for viável para ele, que ganha muito bem, mora melhor ainda e não frequenta supermercados e outros comércios há tempos. Quem está sentindo a alta desenfreada dos preços são os menos favorecidos, que com mísero salário, já corroído, não conseguem completar a cesta básica e nem sequer têm onde morar. Como dizia Justo Veríssimo, personagem do saudoso Chico Anysio, "eu quero que o pobre se exploda".

SÉRGIO DAFRÉ

sergio_dafre@hotmail.com

Jundiaí

Impostos abusivos

Em seu último pronunciamento, a presidenta Dilma criticou os juros excessivos cobrados pelas administradoras de cartões de crédito. Pagar juros abusivos no financiamento de despesas é opção do detentor do cartão de crédito. O que a presidenta não fala é sobre os impostos abusivos que todos somos obrigados a pagar e não nos trazem benefício algum, além de sustentarem milhares (quem sabe, milhões) de companheiros.

LUIZ CARLOS NIGRO

luiz.nigro@uol.com.br

São Paulo

Perguntas inocentes

O governo diz que não aumenta o preço da gasolina há oito anos e que pretende fazê-lo em 2013. Em setembro de 2004 paguei R$ 2,10 pelo litro da gasolina (R$ 2,099, em milésimos de real); em janeiro deste ano, R$ 2,85 (R$ 2,849, idem). Um aumento de 36%. Se o preço da Petrobrás não aumentou, a diferença ficou com quem? Mais uma pergunta inocente: quando o preço do barril de petróleo no mercado internacional cai, o preço na bomba também acompanha?

HERMÍNIO SILVA JÚNIOR

hsilvajr@terra.com.br

São Paulo

BINA

Patente reconhecida

Maravilhosa a entrevista publicada em 9/9 (B9)! Que país é este? O gênio Nélio Nicolai esperou 20 anos para ser reconhecido como o inventor do Bina, em 1977. A primeira e a segunda versões, mundialmente implantadas também em telefonia celular, sofreram violações generalizadas, sem jamais ser reconhecido e remunerado o nosso brasileiríssimo Nélio.

WILSON LINO

wiolino@yahoo.com.br

São Paulo

Lei de Gérson

Nélio, quando o milagre é muito grande, desconfie... País onde até o homicídio tem prazo de prescrição e onde impera a lei de Gérson, tudo é possível.

MINORU TAKAHASHI

minorutakahashi@hotmail.com

Maringá (PR)

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadão.com.br

'O APARELHAMENTO DA AGU'

Será que a farta condenação de réus do mensalão no Supremo Tribunal Federal (STF), envolvendo medalhões petistas, faz apavorar o Planalto, levando-os à tentação de aparelhar a Advocacia-Geral da União (AGU), bem ao estilo do déspota Hugo Chávez na Venezuela?! É o que parece, conforme descreve o editorial do Estadão (O aparelhamento da AGU, 10/9, A3). Esta entidade criada em 1988, que integra advogados da União, procuradores federais e procuradores da Fazenda e, diga-se de passagem, todos com legitimidade, porque prestaram concurso público, pode perder sua independência de atuação, porque o responsável pelo órgão, Luis Inácio Adams, quer contratar advogados amigos e fora de carreira, sem que seja exigido concurso público, o que fere o estatuto da AGU. Tudo com anuência explícita de Dilma Rousseff, porque um projeto nesse sentido já foi enviado para o Congresso em agosto. Luis Adams é um dos postulantes à vaga de um dos ministros que se aposentam no STF e deve fazer qualquer negócio para agradar ao petismo... E este projeto tem claro objetivo de amordaçar aqueles profissionais que hoje na entidade não se alinham ao chefe Adams e às conveniências espúrias do governo. Ou seja, nada diferente do que fazem Chávez, Kirchner e Ahmadinejad, todos amigos do petismo, incluindo os da Ilha de Cuba. O nosso Congresso tem a obrigação de rejeitar essa estupidez! Ou melhor, essa medida de exceção em tempos de democracia. Vamos ficar de olho.

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

*

OS SUPERPODERES DE ADAMS

Benito Mussolini, num discurso na Câmara dos Deputados em 26 de maio de 1927, legou-nos a mais concisa definição de fascismo: "Tudo dentro do Estado, nada fora do Estado, nada contra o Estado". O editorial de O Estado de 10/9 revela fatos cuja gravidade transcende o alcance do título O aparelhamento da AGU. Primeiro: a AGU pode indicar livremente e mesmo de fora dos quadros funcionais da Administração os titulares dos cargos de procurador-geral da União, procurador-geral da Fazenda Nacional, procurador-geral federal, procurador-chefe do Banco Central, consultor-geral e consultores jurídicos dos Ministérios. Segundo: é tipificado como infração funcional o parecer de advogado público que contrariar entendimento de seu hierarca. Finalmente: segundo a Lei n.º 12.690/2012, já em vigor, todo profissional que prestar assistência na elaboração de inúmeros negócios jurídicos entre particulares é obrigado a comunicar o fato ao Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf). O julgamento do mensalão já acarreta uma sociedade reacionária, conservadora, totalitária.

Amadeu R. Garrido de Paula amadeugarridoadv@uol.com.br

São Paulo

*

DESCARADOS

A notícia de que Dilma enviou ao Congresso para aprovação um projeto de aparelhamento da AGU não deixa de ser mais uma excrescência na tentativa de tornar nossa democracia mais próxima do domínio de um só partido. Se sob as leis da nossa Constituição já acontecem claras desobediências dos políticos dirigentes, imaginemos uma advocacia-geral com advogados federais nomeados pelo Executivo, de fora da carreira e sem concurso. É a mais descarada tomada de mais um órgão público a serviço dos interesses ideológicos a defender os desmandos do PT contra os interesses do cidadão pagante. Caberá ao Congresso Nacional abortar mais essa tentativa descarada dos petralhas de levar vantagens em tudo. Mais uma vez, Dilma nos decepciona se aproximando das doidices de seu "guia".

Leila E. Leitão

São Paulo

*

RÉQUIEM PARA O PROJETO

De acordo com editorial publicado no Estadão em 10/9/2012, "a Advocacia-Geral da União está vivendo a maior crise de sua história’. A presidente Dilma, a criatura que alguns acham que é diferente do criador por ter feito uma faxina nos ministérios durante o primeiro ano de seu governo, enviou um projeto de lei para o Congresso que prevê a nomeação como advogados federais de pessoas de fora da carreira e sem concurso público. É claro que os nomeados serão "cumpanheiros" escolhidos a dedo, para trabalharem a favor do PT. O editorial conclui que "o projeto de lei complementar que abre caminho para o aparelhamento da AGU é a primeira tentativa efetiva de o PT de interferir no universo jurídico, esvaziando sua independência e atrelando-o aos interesses do partido". Pergunto a Dilma: será que é essa herança (um povo sem liberdade de expressão, um Judiciário a serviço de governantes corruptos, um país governado por ditadores) que ela quer deixar para seu neto? Será que seu neto também terá de lutar para restabelecer a democracia no Brasil? Vamos torcer para que os deputados e senadores respeitem os votos recebidos do povo, votem a favor da democracia e enterrem este projeto de lei.

Maria Carmen Del Bel Tunes carmen_tunes@yahoo.com.br

Americana

*

OU VAI POR BEM, OU VAI POR MAL

Parece que a condenação do mensaleiro João Paulo Cunha pelos ministros do STF causou um clima de tremenda apreensão entre os petistas que se julgavam imunes aos rigores da lei. A primeira reação foi uma declaração esdrúxula de Rui Falcão, afirmando que o "STF, unido a uma elite suja e reacionária" estaria preparando um golpe contra o PT. Imagine um presidente nacional do PT lançar uma ofensa de tal magnitude contra os ministros do Supremo Tribunal Federal e, por incrível que pareça, não houve reação dos ofendidos! Agora, Luiz Inácio Adams, chefe da AGU, órgão "criado pela Constituição de 1988 para defender o Executivo nos tribunais e assessorar o presidente da República", elaborou um projeto de lei complementar já rapidamente encaminhado ao Congresso por Dilma Rousseff no dia 29 de agosto que, se aprovado, fará da AGU um órgão que servirá não mais ao Estado brasileiro, mas ao PT e à base aliada. Tal projeto prevê a nomeação de advogados federais de pessoas de fora da carreira e sem concurso público. Não posso crer que o Congresso e mesmo o STF permitam que a AGU seja aparelhada de tal forma, tornando-se mais uma ferramenta dos petistas para concretizarem o plano inicial de posse e manutenção do poder político de forma definitiva para o PT. É como se os petistas dissessem: se não vai por bem (absolvição de todos os mensaleiros do PT), vai por mal!

Mara Montezuma Assaf montezuma.scriba@gmail.com

São Paulo

*

MAIS SERVIDORES

Durante o governo Lula houve um aumento de 57.102 funcionários públicos federais, e todos foram brindados com amplas e sistemáticas correções salariais, pois o País surfava nas ondas do crescimento mundial. Agora, com um cenário econômico mundial totalmente adverso, o governo federal anuncia um aumento de 61.682 servidores públicos federais para os Três Poderes (9/9, A4). Com esse novo aumento de servidores públicos, e com um aumento salarial de 15,8%, parcelado em três anos, estabelecido pelo governo, ainda poderá haver muitas greves ou a clássica "operação-padrão", pois o direito de greve do servidor público federal até hoje - passados mais de 23 anos - não está regulamentado. Em suma, mesmo aumentando o número de funcionários, a sociedade brasileira poderá sofrer os mesmos problemas que sofreu recentemente, e com mais gastos para os cofres públicos.

Edgard Gobbi edgardgobbi@gmail.com

Campinas

*

PRODUÇÃO

A indústria patina, mas o governo acelera: vêm aí mais 60 mil (!) "cumpanheros"!

A.Fernandes standyball@hotmail.com

São Paulo

*

ROMBO PREVIDENCIÁRIO

É apavorante o buraco negro nas contas previdenciárias do setor público. Em recente reportagem, a respeitada revista The Economist aponta para a bomba-relógio das aposentadorias do funcionalismo no Brasil (Brazil’s pension system: Tick, tock, 24/3/2012). Sem dúvida, aponta o artigo, o sistema previdenciário brasileiro é o mais generoso do mundo. Em abjeto paradoxo, o País desembolsa, em proporção ao PIB, mais do que nações com proporção muito maior de idosos. Isso aponta para a leniência com que a burocracia estatal é tratada no Brasil. As famosas estabilidade e aposentadoria integral são apenas parte do problema. Os salários do setor público são obscenamente maiores que os do setor privado, num oxímoro, já que a produtividade do primeiro é inferior ao do último. Este é o resultado da demagogia eleitoral tão propagada por Lulla, ao mimar o funcionalismo à custa do erário. Por fim, nós, contribuintes, ainda temos de suportar a desfaçatez das greves desse inepto funcionalismo que sofremos para sustentar. Em síntese, urge que o atual governo seja severo com esses funcionários acomodados, e dê fim à farra dos salários e aposentadorias.

Daniel Arjona de Andrade Hara haradaniel734@gmail.com

Cotia

*

O DOCE E O AMARGO

O anúncio feito por Dilma Rousseff na semana passada, prometendo baratear o custo da energia elétrica no País a partir de 2013 - não entendemos por que não a partir de agora - foi só um paliativo para dar uma adoçada no paladar da população. Aguardem, que logo após as eleições teremos de sentir o amargor de novas decisões, com aumentos começando pelos combustíveis. Agora, sobre saúde, educação, transportes e aposentados esquecidos e abandonados nada se fala, e eles continuarão na mesma miséria.

Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

*

FALE DO PRESENTE

A leitura do discurso da presidente Dilma à Nação em 7 de Setembro, aliás muito bem escrito, é esta: falou, como sempre, do "futuro", quando teremos diminuição de custos de energia, etc., etc. Agora, com todo o respeito, que a presidente fale do "presente" e devolva já o que nos foi cobrado a mais nas contas de energia elétrica, com juros e correção monetária, não esperando as próximas eleições.

Ivan Schwarzenberg navinegro@hotmail.com

São Paulo

*

AS CONTAS DE LUZ E O ‘ERRO DE CÁLCULO’

As concessionárias de eletricidade cobraram a mais dos consumidores nas contas de luz entre 2002 e 2010, por "erro de cálculo", a quantia de R$ 7 bilhões! O Tribunal de Contas da União (TCU) verificou essa cobrança a mais e, em seu relatório, determinou que a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) compense os clientes que sofreram com esses "erros". A Justiça manda devolver o dinheiro aos consumidores. Entretanto, a fala da presidente, que já conhecia o relatório do TCU e o mandado da Justiça, estarrece, pois sem nenhuma ética e mentirosamente diz que "ela" vai baixar o preço da energia elétrica de 16,2% a 28% em 2013. O PT, além de campeão em mentiras, agora, com as condenações do STF, agrega mais uma medalha: lamaçal de corrupção!

Maria Antonieta Vidigal Milanesi milanesiriopreto@yahoo.com.br

São José do Rio Preto

*

CASO PARA IMPEACHMENT!

Quanto mais se aperta, mais o petismo se enforca. A gravidade da mentira proposta pela presidente ao aproveitar-se do momento político em franca campanha para tentar enganar a população com suposto "desconto" no custo de energia - quando o fato concreto é a necessidade de devolução de valores cobrados a mais durante sete anos da gestão do ex, por ação condenatória do TCU - é digna de avaliar o quanto está disposto este grupelho golpista a afrontar ainda mais a Lei e a Justiça. Não bastasse diariamente ser repetido pelos ministros do STF, à exaustão, que o crime do mensalão do Lula é o maior escândalo da corrupção neste país, com direito à cadeia de seus membros, a cada gesto ou passo, mais ainda se revelam a ousadia e a prepotência com que os pretensos donos da verdade e do poder ainda insistem em praticar o crime. A ameaça do líder do partido corruptor é a mais significativa prova de que o edifício petista treme nas bases e ruge pela perda de espaço e de credibilidade dos que ainda apoiavam a mentira. Cai a máscara, a mentira fica exposta e, se já houve tempo de derrubar o presidente pelo golpe do mensalão, ora se visualiza a presidente em propor mentira em horário nobre a todos os lares da República, como gesto desesperado e passível de impeachment mais que justificado. Na falta de representantes dispostos, fica ao critério da sociedade agir, seja pelo voto, seja pela rejeição publica, seja por ação popular, afinal o crime de propaganda enganosa veio da figura máxima do governo, o que é inadmissível em qualquer lugarejo do mundo.

Ronaldo Parisi rparisi@uol.com.br

São Paulo

*

FANFARRONA

Não será com descontos nas tarifas de energia que poderá ser limpa esta barra tão suja do PT, além de que, esse desconto nada mais é do que o direito do cidadão, que foi lesado durante oito anos pelas elétricas e o governo. E o pior é que, se é para 2013, por que anunciar agora, em plena campanha eleitoral? Isso se chama uso da máquina em benefício do partido. Pena que não temos oposição com espírito de luta. Esta presidente também é uma fanfarrona, ou será que acredita nas profecias Maias, pode prometer tudo, pois o mundo vai acabar em dezembro de 2012.

Jose Mendes josemendesca@ig.com.br

Votorantim

*

ENERGIA ELÉTRICA X GASOLINA

Primeiro, acho que o anúncio antecipado do futuro desconto na energia é eleitoreiro. Segundo, a gasolina não aumentou nos últimos cinco anos porque a soberba presidencial não permitiu - depois de afundarem a Petrobrás, reconheceram o tamanho do buraco. Terceiro, o desconto na energia elétrica é uma decisão judicial - teriam de dar de qualquer forma. Parece que a arrogância e a bazófia são instituições no PT. Não sou petista, mas até agora acreditava na honestidade comportamental da Dilma. Acreditava.

João Menon joaomenon42@gmail.com

São Paulo

*

TOMA LÁ, DÁ CÁ

Vai ser toma lá (energia mais barata), dá cá (gasolina mais cara).

Maria do Carmo Zaffalon Leme Cardoso mdokrmo@hotmail.com

Bauru

*

SOMA ZERO?

A respeito da queda no preço da energia, creio que os consumidores devem ficar atentos quanto à verificação de como se dará. Ocorre que o TCU já mandou devolver mais de R$ 7 bilhões porque o PT autorizou cobranças indevidas nos últimos sete anos. Cobraram a mais e agora enganam o povo dizendo que é uma bondade do governo.

Roberto Castro roberto458@gmail.com

São Paulo

*

VEXAME OFICIAL

Faz bem o PSDB em questionar a presidente Dilma pelo seu pronunciamento oficial, na quinta-feira passada. É um vexame, para a instituição Presidência da República, que Dilma use sua posição para lançar diatribes rasteiras contra a oposição e valer-se da máquina pública em nome de uma disputa de caráter político-partidário. Pelo visto, dada a postura de Dilma no pronunciamento, certas heranças ("pesadas", como diria FHC) deixadas por Lula continuarão vicejando enquanto o PT estiver no poder - a saber, a falta de capacidade dos "companheiros" em separar aquilo que é do Estado daquilo que é do Partido.

Henrique Brigatte hbrigatte@yahoo.com.br

Pindamonhangaba

*

O CUSTO BRASIL

Os governos ensaiam modificações na legislação trabalhista, prometem reforma tributária, dizem e concordam com a pouca competitividade de nossos produtos industriais ante os de outros países, e, ainda, apontam para medidas salvadoras, desde que elas não afetem o bem-estar governamental e o de suas acomodações políticas. Enquanto o agronegócio responde por um quarto do PIB nacional, propiciando uma enorme riqueza à nação, apesar de combatido pela ideologia do partido político dominante, os demais segmentos de nossa economia estão totalmente submissos ao Custo Brasil, que escraviza o produtor e sacrifica o consumidor. Daí que o maior presidente deste país será aquele que conseguir colocar as coisas no devido lugar: reforma tributária completa e não segmentada e falha; reforma trabalhista com modificação de institutos aberrantes e, finalmente, simplificação de nossa burocracia para abrir empresas, fechá-las ou alterá-las, eliminando, de vez, o instituto da imposição de dificuldades para a venda de facilidades. Com tais providências consumadas, sem dúvida, seremos uma das três maiores nações do planeta.

José Carlos de C. Carneiro carneiro.jcc@uol.com.br

Rio Claro

*

ELEIÇÕES 2012

Boa parte dos políticos brasileiros são contumazes mentirosos. Quando surpreendidos em alguma irregularidade, juram de pés juntos que nada sabiam, que foram "traídos", que irão averiguar, tomar as medidas necessárias, blá, blá, blá. Assim se comporta o candidato Celso Russomano (PRB), posando de "santo", apesar de sua grande apoiadora, a Igreja Universal do Reino de Deus, e da qual tem total dependência, não os cultuar. Será que os "neo-Celsistas" têm conhecimento deste fato? Se tiverem, será que importa? Como o cidadão se sentirá ao saber dessa ligação? Ao saber que está sendo enganado? De imaginar que boa parte dos interesses da cidade poderá estar vinculada aos interesses desta corrente religiosa? Vale lembrar que a prática do "é dando (apoio) que se recebe" (benesses e vantagens) é e sempre será danosa aos interesses da maioria.

Luiz Nusbaum lnusbaum@uol.com.br

São Paulo

*

SÃO PAULO IMATURA

Quer dizer, então, que é verdade que o candidato Russomano é o escolhido pelas igrejas evangélicas, cuja maioria são experts em enganar os pobres com seus dízimos em doações? A maioria está milionária e o pobre, correndo atrás do prejuízo achando que Deus o proverá, como afirmam. Se eleito, como Russomano pretende governar São Paulo, já que não tem experiência? Parar a chuva com orações? Resolver problemas no trânsito que cresce mais de 1 milhão de carros ao ano exigindo doações em automóveis para as igrejas? Alfabetizar as crianças com a Bíblia que está longe de ser um livro didático, sendo de difícil interpretação de texto? Construirão uma igreja em cada quarteirão como afirma Russomano com dinheiro do município? Não existe diferença nenhuma entre militante evangélico e petista. A engabelação é a mesma e, quando no poder, governam como baratas tontas! Bom gestor não é aquele que apenas se pega com Deus, e, sim, aquele que sabe usar verba pública em beneficio da população. Pensei que São Paulo estaria mais maduro em suas escolhas.

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

*

PARCERIA

Podemos imaginar aonde vai parar essa parceria do Russomano com a Universal. O candidato já esta usando o estacionamento da igreja em Santo Amaro para os veículos de sua campanha. Quando tomar posse, a parceria vai automaticamente começar e, claro, os únicos beneficiados serão os chefes da Universal. Não podemos nos esquecer da frase do candidato Russomano: quero uma igreja em cada esquina. Só esqueceu de completar igreja da Universal, para recuperar os valores investidos na campanha dele, pois no Brasil de graça nem injeção está sendo dada. Parafraseando um slogan da Universal, muito repetido pelos tais pastores, bispos e outros desclassificados: Sai, Capeta!

Antonio Jose G. Marques a.jose@uol.com.br

São Paulo

*

PRIMAZIAS

Russomanno, em recente entrevista à mídia, declara que gostaria de ver uma igreja em cada esquina da capital. O candidato, ao nosso ver, deveria preocupar-se bem mais com a implantação de sólidos programas e de bom planejamento na esfera da educação, da saúde, transportes, etc. Russomanno está comprometido com o apoio de evangélicos. Explicita uma meta importante de sua gestão destacando a construção de inúmeros templos religiosos. Lembrar ao postulante à Prefeitura de São Paulo que, se há alguma coisa que não falta em São Paulo, é igreja evangélica de várias vertentes. Os problemas básicos da metrópole paulistana são outros e sem conta. O criador com certeza ficará muito feliz se aos necessitados forem oferecidas boas escolas, bom atendimento na saúde, transportes, etc.

Francisco Zardetto fzardetto@uol.com.br

São Paulo

*

PADRINHOS

Russomano insinua em sua campanha que os outros candidatos têm padrinhos políticos e ele, não. Edir Macedo faz política, e não dá para dizer que não é seu padrinho, se a Record está a serviço do candidato.

Francisco da Costa Oliveira fco.paco@uol.com.br

São Paulo

*

PREFEITO

Chegou a hora de solicitar ao bispo Edir Macedo que substitua o Russomanno nos debates. A população quer saber se o bispo da Universal está preparado para ser o prefeito, caso o tal candidato sem padrinho seja eleito.

Fausto Ferraz Filho faustofefi@ig.com.br

São Paulo

*

PESQUISA E REALIDADE

Para relembrar, na eleição passada os institutos de pesquisa davam vitória a Dilma no primeiro turno, entretanto a realidade demonstrou uma vergonhosa discrepância. Portanto, vamos aguardar os verdadeiros números do afilhado de Edir Macedo.

Ivan Bertazzo bertazzo@nusa.com.br

São Paulo

*

CRUZADAS PAULISTANAS

É de causar preocupação o componente rude e antiético presente no engajamento da Igreja Evangélica na candidatura de Celso Russomanno. E usando, inclusive, frases da Bíblia para influenciar os incautos à respeito do "ungido ou escolhido por Deus". O candidato nunca deve se ater a grupos específicos, mas, sim, se voltar para a grande diversidade que compõe a sociedade. Governar para todos é o mote democrático. Russomanno, ao se aliar tão fortemente a grupos evangélicos, estará refém deles logo à frente. Este grupo cobrará um espaço logo acima das leis e, como aconteceu dias atrás, quando foi aplicada uma multa a uma igreja por ilegalidades, veremos a fúria em ação e a cobrança do não cumprimento do "acordo". Ao manipular a opção e a consciência de seus seguidores, a atitude evangélica nos remete ao medieval. Se a Igreja Católica tomar posição idêntica, como alguns já acham que deva fazê-lo, veremos nascer dali uma nova "guerra religiosa" e, talvez, na sequência, poderemos contemplar hostes de novos cruzados se movimentando nas colinas do planalto paulistano.

Décio José Balles telasballes@bol.com.br

São José dos Campos

*

AS IGREJAS E HADDAD

Fernando Haddad critica "partidarização" de igrejas. O candidato do PT em São Paulo, assim como o seu ventríloquo Lula, não têm moral alguma para criticar o que agora o sr. Fernando Haddad chama de "partidarização das igrejas" nesta eleição que, ao que tudo indica, ambos perderão. Os primeiros a fazer exatamente isso, valendo-se escancaradamente até hoje de setores da Igreja Católica (sob a vergonhosa omissão desta mesma igreja senão antes, tendo seu apoio velado como é o caso da CNBB que nada mais protesta sobre o aborto, sempre uma obsessão do PT) foi o próprio PT que usou e abusou da minha Igreja Católica para ali nascer nos anos 80, crescer nos 90 e chegar ao poder no novo milênio com suas ideias velhas para depois, criticar a Igreja Católica violentamente, como foi o caso da sra. Marta Suplicy no caso do "casamento" entre homossexuais, abjurado por nós, católicos. O eleitor, sr. Haddad, não é um desmemoriado e, finalmente, hoje sabe muito bem quem é Lula da Silva.

Paulo Boccato pofboccato@yahoo.com.br

São Carlos

*

VALE UMA MISSA

Impressionante o surto de religiosidade que ilumina os candidatos à Prefeitura de São Paulo, todos devotos e tementes a Deus. Ao que tudo indica, após outubro surgirá a Civitas Dei, proclamada por Santo Agostinho. São Paulo vale bem uma missa!

Arsonval Mazzucco Muniz arsonval.muniz@superig.com.br

São Paulo

*

COMPRA DE VOTOS?

Celso Russomano comete crime eleitoral, ou seja, compra de votos, ao oferecer cartões do Inadec, Instituto Nacional de Defesa do Consumidor, uma ONG sua, aos eleitores que encontra nas ruas e em todo e qualquer evento, e os próprios eleitores agraciados com esse passe mágico para a resolução de problemas atestam o empenho pessoal do candidato no encaminhamento dos casos. Onde está o Tribunal Regional Eleitoral (TER), que não se manifesta? E quanto à campanha realizada nos templos evangélicos?

Cléa Correa cleacorrea@uol.com.br

São Paulo

*

DEFESA DO CONSUMIDOR

Caríssimos, eu não tenho procuração para defender o candidato Russomano, mas causa estranheza o Ministério Público Eleitoral investigar possível compra de votos de um candidato que há anos zela pelos interesses e defesa do consumidor. Quem neste país desconhece o "código do consumidor"? A quem se deve esse código? Só posso imaginar que houve um equívoco por parte de quem propôs tal investigação, talvez, por serem muito poucos, raros, candidatos ou políticos que se interessem pela população, seus direitos como cidadãos, trabalhadores, consumidores, etc. Via de regra, "povo" serve como massa de manobra para políticos profissionais e sua corja enriquecerem ilicitamente, e está aí o "mensalão" para comprovar o descaso com a Nação e sua gente. Se não for suficiente, sugiro lembrar as CPIs engavetadas, os processos envolvendo corrupção que caminham pelas assembleias a passo de lesma, as "privatizações" que beneficiaram somente os "grandes empresários" (que não colocaram um único centavo a título de "investimento", utilizaram-se da generosa ação de profissionais da política e seus lobbies) e o capital internacional. Cabe à esse mesmo MPE investigar e acionar aqueles que propuseram programas sociais (saneamento, educação, transporte, habitação, centros de distribuidores de alimentação, etc.), econômicos e políticos, e nada fizeram. Prometeram e não cumpriram.

Carlos Nelson Horrocks carloshorrocks@yahoo.com.br

São Paulo

*

FHC NA CAMPANHA DE SERRA

Não me parece uma boa ideia. O sucesso dos candidatos nos índices de pesquisas eleitorais para a Prefeitura de São Paulo tem sido diretamente proporcional às mentiras proferidas e aos comparsas apresentados nas respectivas campanhas, vide as recentes ascensões de Russomano e de Haddad. Entendo que, cada vez mais, apresentar aliados sérios, cultos e capazes, em campanhas eleitorais no nosso país, pode contribuir negativamente para a eleição do candidato...

Victor Germano Pereira victorgermano@uol.com.br

São Paulo

*

ABRINDO AS GAVETAS

A manifestação do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso na propaganda eleitoral do candidato José Serra explica as razões pelas quais até agora ele tinha sido deixado de lado. Ele aproveitar para fazer insinuações em relação ao mensalão com o objetivo de prejudicar o candidato petista é considerar que todo o eleitorado não tem conhecimento de questões como as acusações de manipulação de votos para aprovar a emenda da reeleição, nos idos de 1997. Ou do "mensalão mineiro" de 1998, cujo processo está em andamento, meio escondido. E em ambos os casos, o partido do FHC foi citado como participante, aguardando decisões do Judiciário. Como se pode concluir, o ex-presidente "perdeu boa hora para ficar calado", como diz um dito popular. Sua manifestação abre campo para que os demais candidatos explorem fatos que estavam engavetados.

Uriel Villas Boas urielvillasboas@yahoo.com.br

Santos

*

HORÁRIO POLÍTICO

Assisti ao horário político eleitoral, na TV, ontem (10/9), no dia dos candidatos à Prefeitura da capital. Se eu fosse o coordenador da campanha do candidato Serra (PSDB), retiraria a fala dele justificando a sua saída da prefeitura para se candidatar a governador. Primeiro, porque ele saiu também, como governador, para se candidatar à Presidência da República, e não fala nada; segundo, porque não deveria tocar nesse assunto de "entrar e sair" e já ter afirmado que não abandonaria o cargo; terceiro, no programa ele afirma que vai governar os quatro anos, mas ele já afirmou isso antes; quarto, sobre os depoimentos das pessoas que dizem "o que ele promete ele cumpre", não é verdade. A população está questionando a todo momento esse fato e não convém alertar o eleitor, pois os que não sabem ficarão sabendo. É preciso retirar essa propaganda, porque, do contrário, nem para o 2.º turno ele conseguirá ir. O que seria lamentável.

Olympio F. A. Cintra Netto ofacnt@yahoo.com.br

São Paulo

*

TERCEIRO TURNO

O candidato à Prefeitura de São Paulo, José Serra, contando com o apoio do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, "o privatizador", do governador do Estado, Geraldo Alckmin, e do Kassab, deverá, sim, chegar ao 3.º turno com grande sucesso.

Geraldo Nunes Sebastiani suelymoliterno@yahoo.com.br

Guarujá

*

ARREGACE AS MANGAS!

O PSDB precisa entender sua responsabilidade perante os cidadãos, foram seus próceres que na década de 80 deram a luz a esse monstro que aí está, e que vem destruindo tudo que vê pela frente, inclusive nossos valores. Agora cabe ao partido que, com a nossa confiança, nos colocou nessa roubada, também ter a decência de nos tirar. Não há mais espaço para o tal de "politicamente correto", isso só interessa àqueles que têm contas a ajustar com a justiça, como é o caso emblemático do Mensalão - onde já há até condenações por corrupção -, e que por isso não querem que os cidadãos mal informados, que compõe seu estoque de votos, saibam quem são. Fernando Henrique Cardoso deu o primeiro passo para mudar o Brasil e colocá-lo novamente no caminho da prosperidade. Agora, que assuma e dê continuidade em sua grande obra, sob pena de transformá-la em somente um projeto pessoal, sem nenhuma repercussão social. Portanto, tirem as "luvas de pelica" e enfrentem a situação como líderes guerreiros de um povo que está sob ameaça iminente. São Paulo é o último bastião. E a responsabilidade é de vocês!

José Carlos Saliba fogueira2@gmail.com

São Paulo

*

REABERTURA DA AV. IV CENTENÁRIO

Parabéns ao Sr. Nazareth (Ilha da Fantasia, Fórum dos Leitores de 4/9/2012) em lembrar o absurdo do gargalo permanente no início da Av. Ibirapuera, já há anos amplamente comentado, provocado pelo fechamento da Av. IV Centenário, truncando o acesso da Av. 23 de Maio para a Av. República do Líbano (como se vê, são apenas algumas das principais avenidas de São Paulo) tão somente para atender a alguns privilegiados em detrimento da população. O eventual argumento de redução de área verde, além de ridículo pelo tamanho da superfície envolvida, é no mínimo torpe, visto que nas metrópoles de países desenvolvidos é comum existirem avenidas que atravessam parques, evitando, dessa maneira, congestionamentos e, consequentemente, contribuindo para a redução da poluição, etc. Com a palavra, o prefeito de São Paulo (criador da Inspeção Veicular), que tem a oportunidade de concluir o seu mandato com chave de ouro, atendendo ao clamor da grande maioria dos paulistanos.

Bernard Boone eldamboone@hotmail.com

São Paulo

*

PARALIMPÍADA DE LONDRES

Final da Paralimpíadas e o Brasil conquistou a sétima posição na classificação geral, a melhor de toda a Historia. O que mais me impressiona neste evento é que os atletas com suas "deficiências" são exemplo para todos nós. Em ampla reflexão, percebo que a maior deficiência de um ser humano é ser sedentário!

Alex Tanner alextanner.sss@hotmail.com

Sumaré

*

A IDADE DOS PARATLETAS

Muito bom o resultado dos nossos atletas paralímpicos. Visando à Paralimpíada do Rio, matriculei minha filha de 30 anos, portadora de necessidades especiais, no Clube Bandeirante de Remo em 2011 com despesas pagas pelo Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB). Este ano, ao reiniciar o treinamento, soube que o nome dela foi cortado do programa devido à sua idade e que o Comitê Paralímpico só estava autorizando o treinamento de menores de 18 anos, como se portadores de necessidades especiais tivessem alguma influência em relação à idade. Minha filha sempre pergunta quando voltará ao remo e não sei o que falar, visto que não tenho condições de pagar as despesas do clube. Nós poderíamos ter uma representante no Rio e certamente não teremos devido a esta atitude do CPB.

José Renato Nascimento jrnasc@gmail.com

São Paulo

*

INVESTIMENTO NO ESPORTE

A reportagem Fracassos em Londres receberam milhões (10/9, E7) afirma: "Esportes como atletismo e basquete feminino, que fizeram feio em Londres, receberam milhões em dinheiro público". Os atletas são lembrados por duas semanas a cada quatro anos, apenas para serem vítimas de espectadores desinformados e alheios as condições de treinamento e financeiras dos esportistas. Quando se compara a quantia repassada ao Comitê Olímpico Internacional (COI) e a quantidade de medalhas conquistadas podemos afirmar há falhas nas preparações. Mas quando se aponta o dedo para o atleta, esquecemos de olhar para os lados e perceber como esse discurso pode ajudar a ocultar aqueles que realmente falharam. Ao ler esta reportagem, eu me pergunto: destes milhões, quantos foram, de fato, utilizados nas melhorias de infraestrutura e equipamento? Aumentaram os salários de atletas, de seus treinadores, nutricionistas, fisioterapeutas e psicólogos? Eles ao menos têm psicólogos? Quantos foram mal aplicados, servindo apenas para os interesses de diretores e de patrocinadores? Quantos foram desviados? O atleta não pode ser vitimizado, mas também não pode ser inteiramente culpado. O contexto é maior e cada análise não pode ser limitante.

Maurício Ramos, triatleta amador mauriciodbramos@hotmail.com

São Paulo

*

SELEÇÃO BRASILEIRA DE FUTEBOL

A seleção é ruim, muitos jogadores são medíocres, o "técnico" é fraco, embora arrogante, é evidente que merece ser vaiada pelo torcedor. Tanto que as vaias começaram aos 2 minutos do jogo Brasil x África do Sul, sexta-feira. Deveriam ter começado antes de o jogo começar. Mano Menezes é tão ruim que a torcida sentiu falta de Dunga, imagine, outra porcaria. Mano é tão fraco e pretensioso que trocou Arouca por Neymar, faltando 3 minutos para o jogo acabar. Para fazer sua habitual média com o Corinthians, não tirou Paulinho, preferiu sacar Neymar, numa cretina provocação ao Santos, clube de Arouca. O presidente da CBF, José Maria Marin, já demora em mandar Mano Menezes embora. A atual e fraca seleção vai aos trancos e barrancos. Ganha joguinhos contra adversários também ruins. O tempo passa e o torcedor se irrita, com razão. O consolo e alívio são que o Brasil não disputa as eliminatórias. Caso contrário, estaríamos penando e sofrendo mais ainda e, quem sabe, até fora, pela primeira vez, de uma Copa do Mundo. Abre o olho, Marin! A seleção é horrível. Tanto que o astro dela não é mais Neymar, é Hulk. Fala sério.

Vicente Limongi Netto limonginetto@hotmail.com

Brasília

*

AS CRÍTICAS A MANO MENEZES

O Mano Menezes reclama das críticas dirigidas a ele, mas como não sofrer essas ao fazer convocações erradas como a do Paulinho, que se é para escalar como meio-campista à frente da zaga, então deveria ter chamado o Ralf, que faz isso no Corinthians. Quanto ao Paulinho, que é um meia avançado, no jogo contra os africanos ele se contundiu e não se entende o Mano permitir ele continuar em campo mesmo mancando, o que aumentou o efeito da contusão e talvez fique fora do próximo jogo do alvinegro. Manter o Paulinho em campo contra um time "meia-boca" é pedir críticas, ainda mais ao trocar o Neymar no fim do jogo, que soou como uma manobra para descarregar no santista as vaias pela péssima apresentação da Seleção e preservar o técnico e demais jogadores. Depois dessa, fosse o Neymar, recusaria novas convocações.

Laércio Zanini arsene@uol.com.br

Garça

*

PORTINARI E O PATRIMÔNIO CULTURAL

Mais uma vez a notícia de que o acervo de Cândido Portinari, exposto na igreja de Batatais (SP), corre risco (Estado, 9/9). Já vimos isto com obras de Benedito Calixto e outros artistas nacionais e regionais. Batatais precisa definir algumas questões. Quem é o proprietário das obras, sua finalidade e beneficiário econômico-cultural, e os requisitos técnicos de manutenção. Se a propriedade for da Igreja, não há porque o poder público custear a manutenção. Porém, se o beneficiário do prestígio das obras for o turismo da cidade, pode-se buscar um convênio que autorize a verba pública no restauro. Caso a Igreja se desinteresse pela sua exposição, pode-se colocá-las num museu público com todos os aparatos necessários à sua preservação permanente e custeada pelo erário. Há que se tomar muito cuidado para não aplicar verbas públicas em propriedades da Igreja, que é particular. Esse procedimento é proibido por lei, já que somos um Estado laico, desde o advento da República, há mais de 120 anos. Há que se evitar dano às obras de Portinari, assim como às de outros artistas. Seus detentores têm o dever de preservá-las em boas condições e assim entregá-las às futuras gerações, que terão o mesmo compromisso. Existem programas oficiais que disponibilizam técnicas, pessoal especializado e encaminham à obtenção de recursos para o restauro e a conservação de acervos. Parece-nos muito comodista a opção de pleitear o custeio do serviço pela prefeitura e de a prefeitura simplesmente alegar que não pode fazê-lo. É preciso ação, entendimento e verdadeiro respeito ao bem cultural, sem rusgas nem desentendimentos.

Dirceu Cardoso Gonçalves aspomilpm@terra.com.br

São Paulo

*

REFORMA DO CÓDIGO PENAL

Com o devido respeito, peço licença para algumas ponderações no excelente artigo de Dom Odilo P. Scherer (Código penal - por que tanta pressa?, Estado, 8/9, A2). Acredito ter havido a costumeira generosidade e delicadeza do cardeal-arcebispo ao dizer "mulheres e homens sensatos do Congresso Nacional". Não há ninguém sensato nessa comissão que aprovou sugestões para a reforma do Código Penal Brasileiro, nem tampouco democracia. Desde o início, a mencionada reforma está sendo feita com elevadíssima dose de irresponsabilidade e inconsequência por pessoas que sequer ouvem sugestões da sociedade como um todo, que aliás, é justamente quem mais deveria ser consultado por supostos juristas. Certamente esses homens e mulheres que estão piorando o que já existe na lei, já terão partido para o "outro lado da vida" e não poderão ver o estrago que essas leis proporcionarão na vida de milhões de jovens, que hoje estão perdidos tentando encontrar e/ou retomar o caminho do bem. Esses pseudo-homens que criam e editam leis, querem uma sociedade de jovens criminosos, trilhando e vivendo para o crime e sem nenhuma perspectiva de vida. São alterações de leis, feitas a "toque de caixa" e de forma absurda e irresponsável, que tratam o ser humano pior que um irracional, esquecendo-se da máxima que diz: "a lei deve tratar os iguais com igualdade e os desiguais com a igualdade, na medida de suas desigualdades. Não houve bom senso e nem responsabilidade.

Adão Ribeiro reportercin@bol.com.br

São Paulo

*

‘CODIGO PENAL - POR QUE TANTA PRESSA?’

Dom Odilo P. Scherer pergunta com propriedade e autoridade, do por que da pressa para aprovar o Projeto de Lei do Senado n.° 236, de 2012 feito por uma comissão formada em 18 de outubro de 2011. É espantoso que em apenas 11 meses de trabalho, já se tenha chegado a um consenso entre os pares da comissão, e entre os dos participantes das audiências públicas sobre um polêmico assunto de tal magnitude. Dom Odilo, foi de uma didática e cristalina precisão ao demonstrar usando como exemplo apenas um dos polêmicos itens sobre as revisões penais relativas ao aborto. Fica claramente demonstrado que a comissão que apresenta uma proposta eivada de incongruências, avaliadas em apenas um assunto. O que se pode esperar dos demais passos que dará uma comissão que parece submissa a pressão de grupos de interesses divorciados da comunidade especializada, do mundo jurídico e do que deseja a sociedade brasileira. Muito obrigado, Dom Odilo!

Walter Albuquerque waarp@hotmail.com

Ribeirão Preto

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.