Fórum dos Leitores

QUEDA DE ENERGIA

O Estado de S.Paulo

05 Outubro 2012 | 03h04

Apagão

De novo, Dilma? "Nunca na História deste país" se viram tantos apagões seguidamente. E não venham com justificativas tolas. São apagões mesmo!

HELEO POLHMANN BRAGA

heleo.braga@hotmail.com

Ribeirão Preto

Estado real do setor

"Apagão nunca mais", declaração bombástica, de natureza eleitoreira, tendo como alvo o governo FHC, proferida em novembro de 2010 por Lula e Dilma Rousseff, em inauguração de estação energética a gás natural em Manaus. Destaque especial, segundo o discurso, para a atuação do governo petista, que teria agido de forma preventiva desde 2003, com pesados investimentos. Com menos de dois anos da posse de Dilma, verificamos que os apagões estão de volta, sempre justificados pelas autoridades como casos isolados, mas com frequência preocupante. É chegada a hora de o governo vir a público e mostrar o estado real do setor energético. Às vésperas de eleições com apuração eletrônica - incompreensivelmente nunca adotada por nenhum país, desenvolvido ou não -, que depende de fornecimento confiável de energia elétrica, espera-se que tudo corra bem e a confiança da sociedade no sistema de apuração se consolide.

PAULO ROBERTO GOTAÇ

prgotac@hotmail.com

Rio de Janeiro

Antes e agora

Estados inteiros do Norte e Nordeste têm ficado sem luz e, agora, também partes das Regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste. Já há anos o governo lulopetista vem dando tais dissabores aos brasileiros. E isso numa época em que não há problemas de estiagem aguda, como a enfrentada pelo governo FHC. Independentemente das causas atuais, o que é notório é a falta de planejamento e investimento em infraestrutura pelo governo lulopetista, que se preocupou mais em aumentar despesas correntes com o aparelhamento dos diversos órgãos públicos. Apagões como os atuais não existiram no governo FHC, muito embora os petistas não se tenham cansado de bater em Fernando Henrique Cardoso. O que houve naquela época foi um racionamento para, justamente, evitar apagões, que de fato não chegaram a concretizar-se. Grande parte da população está sofrendo com os apagões energéticos, mas não esqueçamos os apagões no setor aeroportuário, etc., etc.

ÉLLIS A. OLIVEIRA

elliscnh@hotmail.com

Cunha

Pane em Itaipu

Não sei se mudaram os princípios básicos de um projeto de subestações. Hoje estou aposentado, mas exerci a engenharia durante 50 anos, e uma das regras básicas para projetar uma subestação era provê-la de contingenciamento. Ou seja, instalar como reserva uma capacidade de transformadores igual à carga nominal da subestação, com um sistema de manobras tão rápidas que, caso um transformador sofresse alguma pane, em segundos seria substituído pelo contingenciamento. Quer-me parecer que a subestação de Itaipu não conta com esse tipo de contingenciamento. O governo do PT gasta fortunas em baboseiras. Não poderia prover o sistema elétrico brasileiro desse contingenciamento?

RONALD MARTINS DA CUNHA

ronald.cunha@netsite.com.br

Monte Santo de Minas (MG)

Duas perguntas

Neste governo, apagão vai pra conta de quilowatt "não contabilizado"? E o revisor, hein?

ALCEU GANDINI

alceu.gandini@gmail.com

São Paulo

MENSALÃO

O 'inocente'

Alguém em sã consciência duvidava da absolvição de José Dirceu pelo ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal (STF)? Só falta uma manifestação de desagravo com pedidos de desculpas formais.

A. FERNANDO FERREIRA

rdseg@terra.com.br

São Paulo

Previsível

Ricardo Lewandowski ter inocentado José Dirceu não é surpresa alguma. Dias Toffoli também vai votar como ele.

JOÃO MENON

joaomenon42@gmail.com

São Paulo

Voto franciscano

O ministro Lewandowski, ao proferir o seu voto, homenageou o dia de São Francisco.

ALVAREZ AGUIAR

alvarez.atib@hotmail.com

São Paulo

Ato falho

Quem acompanhava o voto do sr. ministro Lewandowski percebeu que em ato falho - "estou tão envolvido" - quase revelou a sua premeditação para absolver José Dirceu a qualquer custo.

ROSALVO LOPES DA SILVA

rosalvo.lopes@terra.com.br

São Paulo

'Falta de provas'

Segundo o lamentável voto do ministro Lewandowski, só existe crime quando o ladrão passa recibo.

SERGIO DIAMANTY LOBO

diamanty18@gmail.com

São Paulo

Corrupção ativa

Já que perguntar não ofende, gostaria que o sr. ministro Lewandowski esclarecesse se, no governo do PT-Lula-Dirceu-Genoino, o acusado Delúbio Soares era a figura mais importante e, por isso, decidia os interesses do governo para direcionar os votos de parlamentares acusados de receber benesses e propinas como recompensa pela obediência.

ADIB HANNA

adib.hanna@bol.com.br

São Paulo

Advogado de Genoino

Muito lamentáveis a fala e a posição do ministro Lewandowski no julgamento dos principais políticos envolvidos no mensalão. José Genoino, sabidamente um dos principais articuladores e avalizador do esquema de corrupção, não deveria gastar com advogados, pois já tem um no STF. Com sua posição embaraçosa, o ministro assumiu a defesa do réu. E com tal atitude faltou ao respeito a seus pares e chamou quem acompanha o julgamento de ignorante. Nós, o povo, sabemos um pouco da verdade. A sua atitude passou de vergonhosa a ridícula.

ADEMAR RAVAGNANI

ademar.ravagnani@uol.com.br

São Paulo

Aval moral

Graduado e especialista em Administração de Empresas (FGV-SP e PUC-Rio), se eu fosse presidente seja lá do que for e um funcionário me pedisse um aval de R$ 3 milhões, questionaria: para que que é isso e como vamos pagar? Aí Lewandowski me garantiria: pode assinar, é só "aval moral".

MARCELO DA ROCHA AZEVEDO

marcelo@xelcon.com.br

São Paulo

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

A TOGA VERMELHA

O voto do ministro Ricardo Lewandowski inocentando o segundo integrante e principal réu do mensalão, José Dirceu, se não é uma afronta, é indecente. Faltou apenas, ao término de seu voto, levantar-se e desfraldar a bandeira do PT. Depois deste julgamento, a figura de Lewandowski ficará para sempre nos anais do Supremo Tribunal Federal (STF) não como o ministro isento que deveria ser, mais, sim, como um militante do PT, que para lá foi alçado por ser amiguinho do rei bufão. Uma vergonha!

Agnes Eckermann agneseck@yahoo.com.br

Porto Feliz

*

NA LINHA DA ABSOLVIÇÃO

O ministro Ricardo Lewandowski está cumprindo direitinho o que ficou combinado entre os petistas: que recairia sobre Delúbio Soares a responsabilidade do comando do mensalão. É tão evidente sua determinação em fazer cumprir a estratégia combinada que anteontem, durante o julgamento, em vários pontos por ele defendidos, os outros ministros se viram na obrigação de intervir chamando-o à razão. Num desses seus momentos eufóricos de defesa apaixonada de José Genoino, o ministro Marco Aurelio de Mello o interrompeu com aguçada ironia: "Vossa Excelência está quase me convencendo de que o PT não fez nenhum repasse a qualquer parlamentar". Lewandowski perdeu totalmente a sobriedade, não porque não condenou Genoino, mas por seus argumentos, ao defendê-lo, não irem de encontro às questões que estão sendo julgadas. Mais parece um militante petista do que um juiz do Supremo.

Myrian Macedo myrian.macedo@uol.com.br

São Paulo

*

PROVAS DE GABINETE

Na apresentação do ministro Lewandowski em defesa de José Dirceu e José Genoíno, ficou bem claro que, pelo seu comportamento desde o início, já eram previstos os seus votos. Parece até que o ministro acredita em Papai Noel, que nada viu e diz que eles são inocentes. Ora, eu, que tinha o ministro no meu melhor conceito, estou decepcionada. Honre o seu cargo, ministro! Quando diz que não há provas, as provas estão nas reuniões no gabinete do Sr. Dirceu e, pela proporção da extorsão que ali se verificou, só podia partir de poder maior. Parece que a compra de votos permanece. Os ministros estão lidando com bandidos de colarinho branco.

Maria José da Fonseca fonsecamj@ig.com.br

São Paulo

*

EVIDENTE E CABAL

Parece-me que o ministro Lewandowski não tem plena consciência de que o réu se trata do Sr. José Dirceu. Se assim entendesse, não estaria procurando essa tão evidente e cabal prova. Outra hipótese seria atestar a inocência de um membro da mais alta corte do Brasil (STF), coisa inaceitável e repudiada por todos os brasileiros. Apelo aos demais integrantes do Supremo Tribunal Federal para que nos livrem dessa leitura, que beira uma profunda e lamentável insensatez, recheada de incoerência, pelo que já se viu até a essa altura do julgamento. Aproveito para cumprimentar e saudar ao excelentíssimo ministro Joaquim Barbosa, assim como os outros ministros que, tão primorosamente, vêm defendendo a democracia, nos livrando dessas escusas manipulações.

Ayres Simões ayressimoes@ymail.com

São Paulo

*

SANTOS

No julgamento do mensalão, só faltou o ministro Lewandowski dizer que o ex-deputado José Genoíno e o ex-ministro José Dirceu são dois verdadeiros santos. Não acredito que o ministro Lewandowski desconheça o discurso que fez o coronel Lício Augusto Maciel na Câmara dos Deputados, em sessão solene no dia 26 de junho de 2005, sobre a Guerrilha do Araguaia. Ali estão as verdades sobre o Genoíno que ele, ministro, diz ser um réu ideológico. Quanto ao ex-ministro José Dirceu, sugiro ao ministro Lewandowski a apreciação do site http://youtu.be/DLtaFN7aOeQ. Certamente esses dois episódios serviriam para clarear o caminho que está seguindo o ministro.

Leônidas Marques leo_vr@terra.com.br

Volta Redonda (RJ)

*

JOSÉ GENOÍNO

Na sentença, pesa o réu ser ideológico ou fisiológico.

Roberto Twiaschor rtwiaschor@uol.com.br

São Paulo

*

MENINO DE RECADOS

O ministro Lewandowski, como revisor do mensalão, tentou passar a impressão de que José Genoino assinou empréstimos sem saber. Uma mera formalidade como presidente do partido, disse. Já para nós, leigos, deu a impressão de que Genoino não passava de um "laranja" do PT, portanto deve ser julgado como tal. No mundo real, qualquer pessoa que empreste sua assinatura, sendo "laranja" ou não, deve responder judicialmente por responsabilidades que tal assinatura tenha provocado a terceiros, que no caso específico foi toda a população brasileira. Vem dizer que não é culpado judicialmente por isso? Assinou? Perante a justiça, é culpado, sim. Se levar ao pé da letra o revisor, Genoino não passava de um simples "menino de recados" de um dos mais poderosos partidos do Brasil! Sua inocência não cola, não é?

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

*

AVALISTA

Tirando Genoino, Lewandowski é, disparado, o maior avalista do PT.

A.Fernandes standyball@hotmail.com

São Paulo

*

OBRIGAÇÃO ESTATUTÁRIA

O ministro Lewandowski, ao absolver Genoíno após extensa, dispersiva e às vezes desfocada argumentação, passou esquiva e rapidamente sobre a questão do aval de um empréstimo cujos recursos tiveram destinação escusa, alegando que aval é "obrigação estatutária". É, sim, "obrigação estatutária", desde que, quem assina, esteja ciente do que está assinando, para que a sua responsabilidade moral, ética e honra não sejam comprometidas. Contradigo eu, baseado em experiência própria e não baseado em prosa farta, jurídica, dissuasiva e contraditória. Era executivo no Banespa quando a quadrilha do Maluf se instalou no governo. Era minha "obrigação estatutária" assinar a liberação de verbas destinadas à mídia, notadamente espúria, ordenada pelos meus superiores hierárquicos, o presidente da Casa e pelo próprio governo, acionista maior da empresa. Não só não assinei, perdi o cargo e a função por isso, como denunciei publicamente a bandalha. Sob a ótica do ministro, provavelmente eu seria condenado por não obedecer as "obrigações estatutárias" e também condenado por divulgar "sigilos de empresa".

Otoni Gali Rosa otoni.ogrcom@uol.com.br

São Paulo

*

HISTÓRIA

Ministro Ricardo Lewandowski, data venia, Vossa Excelência vai entrar para a História do Brasil como o maior pau-mandado que já se viu entre todos os ministros do Supremo Tribunal Federal.

Henrique Schnaider lurdescunha@terra.com.br

São Paulo

*

DESNECESSÁRIO

Está ficando comprovado que alguns petralhas desperdiçaram dinheiro (deles?) com advogados de defesa.

Guto Pacheco daniguto@uol.com.br

São Paulo

*

DE GRAÇA

Não sei quanto José Dirceu pagou a seu advogado, mas nem precisava de advogado de defesa. Ministro Ricardo Lewandowski já fez o serviço sem cobrar nada.

Ricardo Marin s1estudio@ig.com.br

Osasco

*

VERBO NO PASSADO

Eu pensei que, no julgamento do mensalão, o colegiado do Supremo Tribunal Federal (STF) teria um ministro relator e um ministro revisor. Na realidade, estamos assistindo aos trabalhos de um ministro relator, Joaquim Barbosa, e aos trabalhos do ministro Ricardo Lewandowski, que não atua como revisor, mas como advogado de defesa dos réus que compõem o núcleo político do mensalão. Como é que pode um ministro do STF se comportar com tanta parcialidade e falta de isenção neste que é o julgamento mais importante já realizado por esta instituição? Ah... pode, sim, porque Lula sempre entendeu que, por serem escolha do presidente, os ministros apenas ocupavam um cargo de confiança. A lei era para ser ajustada às necessidades e preferências do presidente. Porque Lula era "deus", Lula era a lei. Ainda bem que o verbo já está sendo conjugado no passado.

Mara Montezuma Assaf montezuma.scriba@gmail.com

São Paulo

*

DEFENSORES

É revoltante a postura de Lewandowski e de Dias Toffoli no julgamento. Estão defendendo o "pessoal" do PT mais até que os próprios advogados dos réus do partido. E pensar que ainda pagamos os altos salários e mordomias deles... Será que as aulas do magistral ministro Dr. Joaquim Barbosa não lhes servirão de lição?

Maurilio Pereira mauriliopereira@uol.com.br

São Paulo

*

VOU-ME EMBORA...

É uma vergonha para os brasileiros e para a Justiça deste país quando um juiz da mais alta corte, o STF, o revisor do mensalão, Ricardo Lewandowski, abre mão da sua função de revisão e passa a atuar como advogado do defesa do réu José Dirceu. Acho que o Dirceu poderia ter economizado uma grana com sua defesa. Tenho dupla cidadania, passaporte italiano e, sinceramente, perto de completar 57 anos, pela primeira vez me deu vontade de ir embora deste país. Meu único filho já foi, faz um ano, morar em Londres, porque percebeu que este nunca vai ser um país de políticos éticos, de uma justiça isenta que não condene só os ladrões de galinha, que tenha coragem e saiba de uma vez por todas que os patrões somos nós, e não os corruptos que nos roubaram.

Grima Grimaldi grimagri@terra.com.br

São Paulo

*

JUSTA CAUSA

Constrangedor, humilhante, beirando ao ridículo, revoltante a performance do revisor. Vexatório um homem nessa idade, togado, travestido de cargo máximo da Justiça, acanhado em sua subserviência aos padrinhos, aos companheiros, buscando, à exaustão, palavras e vírgulas que pudessem sustentá-lo em corda bamba, tudo para torcer a realidade dos fatos, provocando risos entre seus pares e estarrecimento nos cidadãos que assistem ao julgamento do mensalão de Lula. Momento de vergonha para a sociedade, além de todo roubo, corrupção e fraudes cometidas pelo petismo, ainda, amargar o aparelhamento que expõe esta figura desqualificada para o cargo que recebeu e que ora paga, com esforço, cara-de-pau e subestimação da inteligência dos brasileiros. Deve haver meios de a sociedade obrigar sua demissão por justa causa.

Ronaldo Parisi rparisi@uol.com.br

São Paulo

*

CARGO APEQUENADO

Do pouco que tive estômago para assistir da apresentação do voto do ministro Ricardo Lewandowski, conclui que ele é o melhor advogado de defesa de José Dirceu. É frustrante ver um ministro apequenar a importância de seu cargo desta forma. Lamentável...

Heleo Pohlmann Braga heleo.braga@hotmail.com

Ribeirão Preto

*

ESTÍMULO À CORRUPÇÃO

O pseudoministro Ricardo Lewandowski entra para a história do STF como sendo o membro que julga na contramão da dignidade e da ética de uma nação. Seus argumentos estimulam o crime e a corrupção. Enfim, ele é ministro ou advogado de defesa da quadrilha?

Roberto Hungria rosohu@bol.com.br

Itapetininga

*

COMOVENTE

Chega a "comover" a veemência, dedicação e fidelidade com que o ministro Lewandowski defende Genoino e, em especial, Zé Dirceu.

Luiz Nusbaum lnusbaum@uol.com.br

São Paulo

*

POUPE-NOS, EXCELÊNCIA!

Data vênia peço ao STF, mas o revisor da ação 470 está mais para defensor dos acusados do PT do que revisor da importante trabalho do relator. O ministro Lewandowski está querendo nos convencer de que José Genoíno é tão ingênuo que assina cheques sem saber sua finalidade, de que não há provas contra José Dirceu e de que Delúbio Soares, um "mequetrefe" do PT, era tão poderoso que desviava essa enorme quantia em espécie sem um chefão que o orientasse e lhe desse aval e se responsabilizasse pela aplicação do dinheiro. O ministro parece acreditar que seus pares acreditam em duendes e no Papai Noel. Poupe-nos, excelência!

Leila E. Leitão

São Paulo

*

ARTISTA DO SUPREMO

Ricardo Lewandowski se mostrou mais eficiente em defesa dos réus do mensalão José Genoino e José Dirceu do que os próprios advogados de defesa. Seu lado petista foi comovente! Faltou ficar de pé no plenário, segurando na mão a estrela do partido de Lula, para convencer seus colegas ministros do Supremo de que os dois são inocentes... Ou seja, Genoíno foi avalista no pedido de empréstimo que se mostrou fajuto, criminoso, e não tem culpa no cartório?! A quadrilha nasceu no Palácio do Planalto, e se desenrolou na sede do PT, e deste pacto horroroso se consumaram os desvios de recursos públicos, e inclusive já estão condenados na ação 470 dezenas dos integrantes desta bandidagem. Por essa razão não se sustenta a defesa do Lewandowski sobre supostas provas de que o tal empréstimo já fora pago! Sabem quando foi pago?! No dia 14 de maio de 2012, documentos estes apresentados, não se sabe se verdadeiros ou fajutos também, a exatos 90 dias do início do julgamento do mensalão! Menos, por favor, Lewandowski, menos! Ora, Genoíno não é menor de idade, não é analfabeto e, no período em que este evento repugnante ocorreu, era o presidente do Partido dos Trabalhadores. Ou seja, não era o motorista, jardineiro ou o que servia cafezinho dentro do PT. Na realidade, o ministro tentou criar um fato novo defendendo e absolvendo o Genoino, às vésperas de eleição municipal, com o propósito de ajudar o PT, que cai pelas tabelas perante o eleitorado! Esperamos por longos e angustiantes sete anos para este julgamento, alguns dias mais são sopa no mel...

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

*

O QUE VALE É O JULGAMENTO

O PT tem o direito de fazer desagravo, greve, comício, passeata e o que mais quiser em relação aos réus José Dirceu, José Genoíno e Delúbio Soares, mas o que importa, e ficará para a história, é o resultado do julgamento do mensalão pelo STF.

Darci Trabachin de Barros Darci.trabachin@gmail.com

Limeira

*

INOCENTE

Tem mesmo toda razão o ministro "Absolvendowski": José Dirceu é mesmo inocente. Bonnie & Clyde também eram.

Paulo Boccato pofboccato@yahoo.com.br

São Carlos

*

CONDENAÇÃO

Lewandowski vota pela absolvição de José Dirceu. O senso moral vota pela condenação de Lewandowski.

Francisco José Sidoti fransidoti@gmail.com

São Paulo

*

BOM DE BOLA

Quem será melhor de bola: Robert Lewandowski, polonês, atleta de futebol do Borussia Dortmund, ou o Ricardo Lewandowski, combatente ministro do STF brasileiro?

Adriles Ulhoa Filho adriles@uai.com.br

Belo Horizonte

*

POR POUCO

Enquanto estiver lewando whisky, ele não vai conseguir ver nenhuma prova contra, só a favor... Intere$$e$ $ão intere$$e$. Quem distribuía a "grana" era o ajudante do ajudante do auxiliar, que já morreu. Foi ele, não fui eu, entendeu? Por pouco não venceu...

Luiz Dias lfd.silva@2me.com.br

São Paulo

*

CASTIGO SUPREMO

Zé Dirceu está Lewando whisky com pizza, supremo castigo para todos nós, e viva a PTzzaria!

Roberto Barbieri rbarbieri1809@gmail.com

Barueri

*

EXPLICAÇÃO

E o cara de paudowski vai "explicar a compra do apartamento da ex" do Zé Dirceu (!). Um ministro do STF vai explicar um engodo de um réu? Pena. Mas o cara tá lá graças ao Lula.

Maria Cristina G. Carvalhero cristinacarvalhero@hotmail.com

São Paulo

*

CEGUEIRA

Não é só a justiça que é cega, o Exmo. Sr. ministro Ricardo Lewandowski também. Deve ter sido muito difícil cumprir as ordens do chefe Lulla.

Eduardo Santalucia Junior santaluc@uol.com.br

São Paulo

*

DESESPERADO

Como o ministro Lewandowski pode julgar serenamente, com justiça, os réus políticos do mensalão, notadamente o réu José Dirceu, no estado de espírito tumultuado, nervoso, ligeiro, trêmulo e quase fora de si em que se apresenta ultimamente no STF? Data vênia, a impressão clara, evidente, é o compromisso partidário do ministro, que sobrepuja a apreciação jurídica do caso.

Ademir Valezi valezi@uol.com.br

São Paulo

*

CULPA DO MORDOMO

Jefferson, tire-nos deste inferno. Seja, como seu primo Thomas, um dos pais do novo Brasil. Fale! Não deixe Mensalowski culpar o mordomo...

Gilberto Dib gilberto@dib.com.br

São Paulo

*

'NÃO ROUBA NEM DEIXA ROUBAR'

José Dirceu deve estar supertranquilo com o resultado do julgamento do mensalão, pois sempre afirmou com toda a convicção: "Este país não rouba e nem deixa roubar".

Luiz Bianchi luizbianchi@uol.com.br

São Paulo

*

INTERESSES ESCUSOS (OS MEUS...)

Gostaria de saber do ministro Lewandowski o número de sua carteirinha de filiação ao PT. Seria para, nada mais nada menos, que, com a combinação dos seus dígitos, fazer uma fezinha nas loterias da CEF (juro que não faço nem nunca fiz o jogo do bicho, porque isso seria uma contravenção penal) para tentar sair da lona em que estou. É que eu pertencia à extinta classe média e, com os formidáveis programas de transferências de rendas para os que nunca contribuíram com um puto de um tostão para a Previdência, o pouco que nos sobrou foi - e continua indo - para as mãos dos safados que, sem que Lula e Dilma saibam disso (!), fazem de seus bolsos e cuecas cofres insaciáveis. Por isso mesmo esse pouco vai também para os sem-terra, sem-teto, aos atendidos pelas bolsas esmolas de várias cores e matizes, aos que usufruem fartamente das bolsas presidiárias, aos sem vergonha na cara, e, last but not least, para os amigos do rei (ou da rainha) de plantão. Também posso aceitar uma recomendação ao Banco Rural ou ao BMG para que me atendam com a mesma sorte de empréstimo com que foi socorrido - para que pudesse responder pelo seu aval ao PT - o senhor José Genoino Neto. Sortudo como só ele, o senhor Genoino liquidou uma dívida de R$ 13 milhões - que o PT não honrou no vencimento -, somente sete anos após vencida, pela singela quantia de R$ 2 milhões. Afinal de contas, apesar de paulista, sou tão brasileiro quanto ele! Apenas não sou petista. Oh... defeito vil!

João Guilherme Ortolan guiortolan@gmail.com

Bauru

*

CÔMICO

Acompanho o julgamento no STF da Ação Penal 470. Fico admirado como o Exmo. Sr. ministro Ricardo Lewandowski (data venia), consegue superar Dercy Gonçalves, Chico Anísio e outros tantos fantásticos humoristas que infelizmente se foram! Realmente, faz-me rir muito como não conseguia há muito tempo! Provavelmente, o parceiro estagiário do mesmo, do qual nem menciono o nome, por caráter, com aposentadoria garantida para os próximos muitos anos graças à indicação da família real, terá o mesmo posicionamento. Minha sugestão para o exmo. sr. ministro (minúsculo) Ricardo Lewandowski é seguir o conselho da atual ministra da cultura (minúscula) quando do apagão aéreo : "Relaxa e goza"! A vaca já foi para o brejo. Sinto vergonha dos vendidos, e não de ser brasileiro. Fica pendente uma resposta: Em qualquer empresa, quem é o responsável pelos atos dos subordinados?!

Marcos Vernille vernille@terra.com.br

São Paulo

*

LAWANDO-WHISKY

Segundo a revista IstoÉ (10/8/2012), os advogados custeados pelo PT e defensores de José Genoíno, José Dirceu e Delúbio Soares cobram em média entre R$ 600 mil a R$ 3,5 milhões para atuar em processos de notável magnitude. Imagina-se então num caso como o mensalão, qual deve ser o tamanho da fatura... Mas jamais conseguiriam alguém com o desempenho de Lewando-whisky, por quanto? Trata-se da mais ordinária presença no Judiciário nacional; a antítese das virtudes que a Justiça possa representar a uma nação, ele bem representa o chiqueiro petista que confunde o Estado com a facção criminosa que chamam de partido político. Seu caráter, e que bem demonstra no julgamento do mensalão, vão da mediocridade moral à arrogância ardilosa desvalendo a inteligência alheia. Um desnaturado que destrói no seio da nação a formação do sentimento de justiça. A canalhice personificada na forma mais ordinária que um ser humano possa se prestar a ser.

Oswaldo Colombo Filho colomboconsult@gmail.com

São Paulo

*

O VOTO

...do ministro Lewandowski ilustrou seus conhecimentos teóricos de teses germânicas. Seu único escorregão, já que o voto era previsível, foi ao informar o excelso pretório de que a queda do Muro de Berlim ocorreu na primavera. Só se for a daqui, já que o evento ocorreu em novembro de 1989.

Alexandru Solomon alex101243@gmail.com

São Paulo

*

CAI O MURO

O voto do ministro Joaquim Barbosa, condenando José Dirceu, equivale para o PT à queda do Muro de Berlim para o comunismo internacional, e terá o mesmo efeito da ocupação de Jerusalém pelos romanos, a diáspora. Incomodados com o peso da legenda, a busca de ares melhores norteará a migração, quando, desprovidos de toda soberba, tais criaturas buscarão legendas alternativas para homiziarem-se, temerosos de terem uma sorte semelhante à dos bandidos abatidos na Lapa de Angicos, pelas Volantes

Caio Augusto Bastos Lucchesi cblucchesi@yahoo.com.br

São Paulo

*

HERÓI

Sou obrigado a fazer coro a campanha que se faz presente nas redes sociais: Batman é para os fracos. O meu herói é negão, usa toga preta e está em Brasília lutando contra os maiores vilões da História do Brasil. Muito obrigado, ministro Barbosa.

Luiz Felipe Dias Farah felipefarah@gmail.com

São Paulo

*

IMAGENS MEMORÁVEIS

As fotos do Estadão de ontem na primeira página são memoráveis: o ministro Joaquim Barbosa, em toda sua dignidade, preparando-se para ler seu voto no julgamento do mensalão; o sírio ajoelhado no chão e carregando o filho morto nos braços logo após o ataque da Turquia, lembrando em toda sua nitidez à Pietà de Miguel Angelo; e a presidente Dilma Rousseff num assomo de ira contra Aécio Neves no palanque de Patrus Ananias, cuja imagem se assemelha ao pequeno heterodontossauro das páginas seguintes.

Regina Ulhôa Cintra regina.cintra@yahoo.com.br

São Paulo

*

CONFIRMADO

Agora já não há mais dúvidas. Pelo voto de Joaquim Barbosa o STF não só confirmou a existência do mensalão, como deu o nome do idealizador, do mentor, o ex-ministro José Dirceu. O esquema criminoso teria sido criado com a finalidade precípua de compra de votos dos parlamentares para aprovação de projetos do governo. Se a justiça for feita, é bem possível que o ex-ministro passe uma boa temporada na cadeia.

José Marques seuqram.esoj@bol.com.br

São Paulo

*

CONTRASTES

Não só o ministro Joaquim Barbosa, minucioso nas suas análises, determinado a não transigir nem relevar canalhices, mas a maioria dos ministros do STF (vide o incisivo e convincente Celso de Mello e Ayres Britto, com sua contundente serenidade, só para exemplificar) estão a inscrever seus nomes na história do nosso Judiciário, até então fonte de desconfiança e descrédito, e da nossa República, tão maculada e necessitada de uma faxina cívica. São páginas limpas e sem rasuras que orgulham os brasileiros de bem, ávidos por decência na vida pública do País. Por outro lado, lamentavelmente, atuando mais como advogado de defesa dos que praticaram " malfeitos" (portanto malfeitores) que como ministro da mais alta instância judiciária, se acha o Sr. Ricardo Lewandowski (de quem não se conhece o currículo que o habilitou a tal mister), que, por sua posição, está a escrever, a cada sessão, seu epitáfio jurídico, numa página eivada de equívocos. Fazendo-lhe companhia nessa empreitada, só para citar, o insignificante Dias Toffoli , caixa de ressonância da "cumpanherada" e de quem, de antemão, se inferia seu comportamento. Diante do que estamos presenciando, esperamos que tal atitude rebrilhe em todas as instâncias da vida pública do Brasil, e estejamos atentos, pois parece que já ha tourinhos deslizando nas lisas pedras da cachoeira de águas podres... E pensar que, em breve, perderemos Ayres Britto e ficaremos com os dois destoantes... O Brasil não merece. Srs. Lewandowski e Toffoli, seus proventos estão garantidos ad eternum. Demitam-se!

Ricardo Hanna ricardohanna@bol.com.br

São Paulo

*

DESTINO

Será que, desta vez, julgado culpado pelo STF (nossa esperança), o "terrorista" José Dirceu não vai fugir do País, fazer uma plástica e até mudar de nome?

Laert Pinto Barbosa laert_barbosa@ig.com,br

São Paulo

*

FUGA

A imprensa já publicou que o Zé Dirceu está de malas prontas para Cuba. Para que não aconteça como ocorreu com o médico Roger Abdelmassih, que fugiu para o Líbano, a Polícia Federal deveria tomar providências antecipadamente para não frustrar a decisão do STF e também de enorme parte da população brasileira, que quer os punidos presos e o dinheiro de volta. Acho que o plano do Zé está correto. Ir para onde? Venezuela: "cumpanheiro" Chávez pode até ser eleito, mas a saúde pode piorar e é incerto o futuro; Bolívia: país pobre, abaixo das expectativas do Zé, a não ser que fique na fronteira com o Acre, com a cobertura do "cumpanheiro" governador Tião Viana; Argentina: Cristina Kirchner está com prestigio em declínio, menos de 35%, problemas diversos. É fria! Paraguai: o país mudou e está com bronca da turma do PT por causa do caso Mercosul. O Zé pode ser preso e deportado. É fria! Ah, sim, restam os países árabes, agora amigos nossos. Vamos lá: Irã, do amigo Ahmadinejad, pode sobrar algum petardo nuclear para o Zé na briga com Israel. É fria! Líbia: Kadafi, "cumpanheiro", amigo e irmão (do Lulla), já era. Não dá. Idem para o Iraque, pois o aliado Sadam também já era. Conclusão: Cuba é o melhor mesmo, com ditadura firme há mais de 50 anos, sem previsão de saída dos Castro do poder, Varadero, praia boa, o Zé tá com a grana, lá todos têm pouco e o Zé vai ser um auxiliar dos Castro, pois bagagem ele já adquiriu. Vai ser um vice-rei lá! Zé, é possível que você tenha a companhia de outros "cumpanheiros". Leve para Cuba, se possível, todos os condenados. Boa viagem! Não precisa voltar mais.

Alexandre Lebedenko alexandre@herbiquimica.com.br

Presidente Prudente

*

ASILO POLÍTICO

De acordo com o PT, o ex-ministro Dirceu está sendo vítima de perseguição política através do STF. Do mesmo modo que o italiano Battisti, igualmente inocente, obteve asilo político no Brasil, o ministro Dirceu pode obter asilo político no país amigo Cuba, sem ter de se sujeitar a eventual detenção indevida. Assim, uma volta às origens.

Nelson Carvalho nscarv@gmail.com

São Paulo

*

ENGANAÇÃO

O julgamento do mensalão é a prova viva de que o discurso sustentado por Lula e seu partido não passou de mera enganação. Agora se vê que o PT morde e assopra. De um lado, afaga os pobres e, do outro, fez seu pezinho de meia. Que coisa feia! Houve fraude, houve roubo dos cofres públicos, houve contratos fraudulentos. E Lula não sabia de nada? Quem mais Lula acha que pode enganar? Não custa nada lembrar aos mensaleiros e em especial a Lula, o que disse Abraham Lincoln: "Você pode enganar uma pessoa por muito tempo; algumas por algum tempo; mas não consegue enganar todas por todo o tempo".

Izabel Avallone izabelavallone@gmail.com

São Paulo

*

UNIFORME

Dando sequência ao julgamento do mensalão ora em andamento, e aguardando ansiosamente um final feliz para todos os brasileiros do eixo do bem, com a condenação justa e perfeita dos espertinhos do PT et caterva, julgo ser este o momento certo para que sejam tomadas as medidas corporais de todos os luminares que pensavam que enganariam o nobre magistrado Joaquim Barbosa e seus pares de igual quilate, claro que não estamos nos referindo aos Lewandowskis e Toffolis da vida. Como os principais mentores do mensalão costumam fazer suas roupas no estilista Ricardo Almeida, permito-me sugerir que os macacões cor de laranja, específicos para meliantes de alta periculosidade, sejam providenciados pelos assessores do sr. Lula da Silva, de forma que todos os envolvidos sejam conduzidos aos Centros de Detenção elegantemente trajados, de forma que não se sintam mal ajambrados. Ah, e algemas nas cores vermelhas, com design by Chanel, para que todos se recordem do Partido dos Trabalhadores.

Antonio Milton Moraes amiltonm@gmail.com

São Paulo

*

MANIPULAÇÃO?!

A socióloga Maria Victória Benevides, ao reclamar do julgamento do mensalão às vésperas das eleições e querer dizer que é um julgamento político e não jurídico, mostra que ignorou todo este tempo o julgamento só "acordando" agora. Para ajudá-la a refrescar a memória e entender o porquê da demora, lembro-lhe de que havia até umas 500 pessoas convocadas pelos acusados para as suas defesas. Algumas dessas pessoas a serem convocadas moravam em outro país. Pode a socióloga imaginar o quanto de tempo o STF, que não julga somente este caso, teve de usar para ouvir todos e fazer levantamento nos bancos (que atrasavam o envio do que era pedido de propósito), para chegar a uma sentença? Então quem atrasou o julgamento foram alguns dos réus poderosos. Agora gostaria de saber se os(as) srs(as) que assinaram este manifesto foram "a pedido", como o fizeram os partidos aliados em favor do sr. Lula, ou sairão prejudicados, como o PT?

Tania Tavares taniatma@hotmail.com

São Paulo

*

BRASIL PASSADO A LIMPO

Já era mais que esperado que o ministro Lewandowski iria desconsiderar todas as acusações e provas mais que pertinentes contra José Dirceu no caso mensalão. Não sei para que este ministro está no STF, nada de útil lá faz, a não ser gozar de nossas caras sistematicamente com suas colocações sem nexo, sem coerência, tentando inocentar todos os petistas canastrões metidos com inúmeros crimes contra a Nação e contra o povo brasileiro, todos capitaneados por Lulla desde o início desta "jogatina". Querer encobrir o que está mais na cara que nossos narizes é tentar o impossível e fazer com que nós todos sejamos taxados de tontos e inoperantes mentais! Isto que Lewandowski está nos fazendo passar é de um acinte tão grande que não há palavras para descrever a revolta que nos toma a mente e corpo inteiro. O pior é que a justiça que se pratica em instâncias menores no País segue este tipo de cartilha, inocentando réus que cometem ilícitos claros contra cidadãos e consumidores e juízes de instâncias menores os isentam de suas culpas e responsabilidades, como fazem certos ministros do STF. Estava mesmo certa a ministra Eliana Calmon, quando exclamou que existem muitos homens de toga não confiáveis no Brasil. Infelizmente, temos de conviver com este tipo de gente que denigre a imagem da justiça como um todo em todas as instâncias neste país, inocentando réus claramente culpados por seus crimes ou irregularidades cometidas em vários setores de atividades. Desde o momento em que o lullopetismo assumiu este país a justiça passou a ser um instrumento ligado aos bandidos, aqueles ligados aos crimes do colarinho branco e situações até piores, pois contam com a conivência desta justiça caolha que desvirtua toda e qualquer ordem jurídica. O Brasil precisa urgentemente ser passado a limpo, para que possamos viver num país onde tenhamos orgulho de dizer: somos brasileiros e temos orgulho de morarmos num país exemplar!

Boris Becker borisbecker@uol.com.br

São Paulo

*

APAGÃO DO GOVERNO DILMA

Uma pergunta para Dilmão: o apagão de quarta-feira foi herança maldita, bendita, incompetência, falha de gestão ou outros? O (des)governo do PT, que se julga estar acima de tudo e de todos, do bem e do mal, se esquece que também tem telhado de vidro e que as pedras atiradas pelos adversários também refletirão na frágil cobertura. Talvez seja melhor nossa excelentíssima e salve, salve presidente meter o seu bico onde deve! O Brasil tem pressa, Dilmão, e está assustadoramente atrasado.

Renato Camargo natuscamargo@yahoo.com.br

São Paulo

*

AGORA É DO PT

Mais uma vez o blecaute atingiu várias regiões do Brasil. Já imaginaram se no governo do PT houvesse apagão?!

Virgílio Melhado Passoni mmpassoni@gmail.com

Jandaia do Sul (PR)

*

BOCA ABERTA

E aí, Dilma, enquanto fica batendo perna pelo Brasil, a pedido de seu amo e senhor, dois super apagões em quase todo o Brasil. "Em boca fechada não entra mosca", diz o ditado. Foi só falar no apagão na época do FHC, na resposta ao ministro Barbosa e pronto! Zaz, dois apagões!

L. A. B. Moraes labmoraes@uol.com.br

Santos

*

HERANÇA MALDITA?

Com um apagão por semana, será que "Deus" e a "Mãe do PAC" vão espernear nos comícios dos candidatos a prefeito do PT, dizendo aos berros que a culpa é da herança maldita do FHC? O pior é que tem muito eleitor que acredita! Pobre povo brasileiro.

Antonio Carelli Filho palestrino1949@hotmail.com

Taubaté

*

UM APAGÃO POR SEMANA

Outro apagão. Em menos de 10 dias ocorreram 2. Mas vem cá, quando ocorreu um apagão no governo FHC o PT não disse que no governo dele isso não aconteceria? E vocês acreditaram, não? Brasileiro acredita em tudo. É muito pio e só toma na cabeça.

Panayotis Poulis ppoulis46@gmail.com

Rio de Janeiro

*

CHEGA DE APAGÃO

Dona Dilma, vamos combinar assim: não se fala mais em apagão...

Victor Germano Pereira victorgermano@uol.com.br

São Paulo

*

APAGÃO NO DF

Prática corriqueira nas divisões inferiores de futebol quando alguém desliga a chave para "melar" o jogo. Sorte a nossa que a Justiça, cega, independe de energia elétrica para terminar o julgamento do Processo nº 470 - Mensalão.

Sergio S. de Oliveira ssoliveira@netsite.com.br

Monte Santo de Minas (MG)

*

FALTOU RESISTÊNCIA EM RESISTENCIA...

Só agora entendi por que não houve o jogo, quarta-feira, na Argentina, entre os dois adversários latino-americanos de maior resistência no futebol: Brasil e Argentina. Sabem por quê? Não foi apagão por falta de resistência de nenhum dos dois, foi simplesmente apagão por falta de resistência elétrica, em plena "ciudad de Resistencia"! Coincidiu com problemas ali pertinho, erm Itaipú, trazendo também apagões de Norte a Sul do Brasil. Será mera coincidência?! Ou foi sabotagem do Mano por ver em perigo sua permanência como técnico da Seleção Brasileira?! Só Joaquim Barbosa poderá dizer...

Sagrado Lamir david@powerline.com.br

Juiz de Fora (MG)

*

APAGÃO ARGENTINO

Se os argentinos pensam que vamos ficar para trás no quesito despreparo e falta de estrutura, aguardem a Copa de 2014.

Luiz Ress Erdei gzero@zipmail.com.br

Osasco

*

SUPERCLÁSSICO

Na Argentina também tudo acaba em samba?

Luciano Harary lharary@hotmail.com

São Paulo

*

JUÍZES OU DITADORES

Não bastasse o 4º lugar no ranking dos países onde se matam mais jornalistas no mundo, o Brasil está se tornando um campeão em censura judicial, inovando agora com mais uma esdrúxula decisão, a de censurar o mais democrático meio de comunicação o Google. Enquanto existirem juízes a serviço de interesses particulares usando de suas prerrogativas para diminuir o alcance das informações e do livre saber, investindo na ignorância do povo, nossa democracia correrá risco permanente. A sociedade deve repudiar incansavelmente esses inimigos da liberdade de expressão e de nossa Constituição. Se essas togas pagas querem se valer do cargo que ocupam para diminuir nossa democracia, que se mudem para Cuba ou Venezuela, onde essa prática é sempre aplaudida pelos donos do poder.

Amâncio Lobo Amancio lobo@uol.com.br

São Paulo

*

O CASO GOOGLE E A LIBERDADE DE IMPRENSA

Liberdade de imprensa não é valor da direita ou da esquerda. É direito do povo de ter irrestrito acesso - aos fatos de seu interesse. Não é, porém, absoluto. Termina onde começa a intimidade individual das pessoas, gratuitamente agredidas e com sequelas irreparáveis. Eugênio Bucci (Espaço Aberto, A2, 4/10), infelizmente agrega fatos heterogêneos. No recente caso do Google, o juiz emitiu ordem para que, na qualidade de controlador das informações que por ele circulam, expungisse a referência mendaz a um aborto que, há décadas, um dos candidatos à Prefeitura de Campo Grande teria imposto a uma jovem adolescente. Emitida a ordem judicial, ou é alterada por meio recursal ou é cumprida, sob pena de prisão por desobediência, nos termos da lei. Respeitado o comando judicial, a ordem foi revogada. Já vimos filme parecido, que nada tem a ver com as demais hipóteses arroladas pelo ilustre articulista, concernentes a intervenção judicial sobre a imprensa, como no caso inadmissível da censura imposta ao Estado. Só conseguimos compreender os danos morais quando exercemos a rara capacidade de nos transpor à circunstância da vítima.

Amadeu R. Garrido de Paula amadeugarridoadv@uol.com.br

São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.