Fórum dos Leitores

ELEIÇÕES MUNICIPAIS

O Estado de S.Paulo

08 Outubro 2012 | 08h42

Retrato das barganhas

Os resultados das eleições evidenciaram o extremo fracionamento do quadro partidário brasileiro, não porque a pluralidade de tendências corresponda a ideologias e programas diferenciados, mas em razão de circunstâncias pessoais localizadas na dinâmica da vida política dos municípios. É um grave erro lógico dizer que o PT ou o governo foram vitoriosos porquanto a base de apoio do governo o foi. A base de apoio respalda o governo, não o partido, e se estrutura sobre os seguintes fundamentos: 1) Distribuição de cargos públicos; 2) emendas orçamentárias que arrastam recursos para as respectivas bases; e 3) condutas criminosas que estão sob a constrição da jurisdição do Supremo Tribunal Federal (STF). Um sistema político fisiológico e patrimonialista, volátil e incerto pela própria natureza e sujeito constantemente a chuvas e trovoadas.

AMADEU R. GARRIDO DE PAULA

amadeugarridoadv@uol.com.br

São Paulo

Enganando os eleitores

Se confirmadas as notícias sobre o apoio de Celso Russomanno (PRB) a Fernando Haddad (PT) no segundo turno, podemos concluir que Russomanno mentia a seus eleitores. Afinal, os eleitores de Russomanno repudiavam ideias e práticas como o tal "kit gay" e o mensalão. Emprestando seu apoio a tudo o que negou no primeiro turno, Russomanno mostrará que se trata de um enganador. Assim sendo, já foi tarde!

M. CRISTINA ROCHA AZEVEDO

crisrochazevedo@hotmail.com

Florianópolis

CORRUPÇÃO

Oh, dor...

Muito comovente o ministro Gilberto Carvalho dizer que a dor o impede de falar do mensalão e de José Dirceu. A dor que o impede deveria ser a dor da consciência, por tentar defender réus atualmente condenados por roubarem o dinheiro do povo brasileiro. Felizmente, parece que vemos uma luz no fim do túnel. E torço para que no futuro bem próximo não tenhamos mais espaço para comentários ridículos desse tipo.

OLAVO BRUSCHINI

o.bruschini@terra.com.br

São Paulo

Motivações

Que motivações terá o sr. Gilberto Carvalho, secretário-geral da Presidência da República, para tal sofrimento, que o impede de falar da condenação do sr. José Dirceu? Será que sente a dor de ver um companheiro de aventuras condenado pela Justiça ou a dor da vergonha de privar com uma caterva que, finalmente, está encontrando o seu justo destino? Bom para o País se fosse a segunda, mas tudo me leva a crer que seja a primeira.

FERNANDO CAIUBY

fbcaiuby@gmail.com

Vinhedo

Como dói!

A dor que impede Gilberto Carvalho de falar deve ser a de ter descoberto que seus amigos mais íntimos são criminosos. Realmente, isso dói.

SERGIO MOURA

saamoura@uol.com.br

Ribeirão Preto

Esclarecimento

Gilberto Carvalho deve esclarecer a razão por que a dor o impede de falar: se é solidário com o operador do mensalão, se está aflito com a condenação do companheiro, se lhe desagradou saber que o companheiro Zé Dirceu agiu tão mal ou se ficou aborrecido porque o pegaram. Ou se, simplesmente, estava com dor de cabeça e não queria falar sobre nada mais sério.

CELSO DA COSTA C. VIDIGAL

celsovidigal@uol.com.br

São Paulo

De cortar o coração

Que pena (a dor de Gilberto Carvalho que o impede de falar sobre o mensalão), não? Estava lá e era mais um que também não sabia de nada... Mas tudo estava bem debaixo do seu nariz! Ou é parte da corrupção ou é incompetente e agora está dolorido. Sua dor é de cortar o coração!

FERNANDO ULHÔA LEVY

foulevy@gmail.com

São Paulo

Outros motivos de pesar

Gostaria que o exmo. sr. ministro Gilberto Carvalho pudesse sentir um pouco a dor do povo brasileiro neste momento. Apagões, desemprego em alta mês após mês, falta de segurança, greves em excesso no serviço público, sucateamento do sistema público de saúde, caos total e falta de investimento sério em educação, a mais alta taxa de juros do mundo, depreciação do patrimônio público, ingerência do Estado na economia... E corrupção, corrupção e mais corrupção! Existem ene motivos para que o sr. ministro manifeste o seu pesar e a sua dor, hoje convergindo para uma gangue de larápios e assaltantes dos cofres públicos que está prestes a ir para a cadeia. O sr. ministro atente: a sua manifestação de dor vai acabar virando "piada de salão".

WILTON BORGES VIANA

wb.viana@bol.com.br

Presidente Prudente

Irmãos siameses

A dor do ex-seminarista Gilberto Carvalho quanto à condenação de José Dirceu é o resultado do amor a uma causa que juntos construíram, conhecida mundialmente como mensalão e que só foi consolidada após a morte do prefeito petista de Santo André Celso Daniel.

JOSÉ FRANCISCO PERES FRANÇA

josefranciscof@uol.com.br

Espírito Santo do Pinhal

Incomparável

A dor do ministro-secretário não é um milionésimo de mícron da dor da família de Celso Daniel, ainda não desagravada, pois pegaram e condenaram só os mequetrefes que sobreviveram às mortes em série. O ministro sabe como as coisas ocorriam em Santo André. E José Dirceu era figura nuclear no esquema. A sociedade brasileira continua engasgada com a impunidade desse crime, sr. ministro. Dor por dor, a da família Daniel é muito maior, nem dá para comparar.

MARIA JOSÉ M. DE A. JUNQUEIRA

delued@hotmail.com

São José do Rio Pardo

O sub

Parece-me estar havendo um certo exagero na criminalização do sr. Dirceu. Afinal, é ululantemente óbvio que ele não passava de um simples subchefe da quadrilha. Há que ser encontrado o chefe, o que não parece muito difícil.

SÉRGIO B. DA SILVA

sebabo44@yahoo.com.br

Belo Horizonte

Golpe na democracia

Perguntar não ofende: após o PT ter dado um golpe na democracia e na Constituição com a comprovada compra de votos no Congresso, não seria o caso de cassar o registro desse partido golpista? Pois, pelo visto, em nome de seu projeto totalitário de poder vai continuar a afrontar a lei e a ordem, como vem fazendo impunemente (até agora) há dez anos.

MARIO A. PEREIRA DE BARROS

marioweb@gmail.com

São Paulo

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

MENSALÃO X ELEIÇÕES

Toda minha vida foi voltada ao direito, à igualdade e à justiça. O resultado do julgamento dos envolvidos no "mensalão" me fez crer que desta vez o povo daria um basta na bandalheira e depositaria nas urnas sua aversão ao peculato, à corrupção e à malversação do dinheiro público. Ledo engano, os números mostram que a fantasia ainda ocupa grande espaço em nossa sociedade e que a mentira, quando bem contada, supera qualquer verdade - e me sinto envergonhado com o resultado das eleições. O povo optou por entender que os absurdos do "mensalão" não significam nada e, assim, muitos dos envolvidos, ou seus indicados, acabaram sendo eleitos. Aos 70 anos, eu me rendo. Que vença o pior.

João Menon joaomenon42@gmail.com

São Paulo

*

O MEDO DE LULA

Pode até ser que o povo esteja mais preocupado com o Palmeiras que com o mensalão, mas o mesmo não digo de Lulla. Vai que o Marcos Valério divulgue as tais gravações que estão em seu poder mostrando que o protagonista principal do mensalão não é Zé Dirceu, e, sim, o ex-presidente? Essa aparência de pouco-caso passa, na verdade, o "medaço" de Lulla de que a verdade venha à tona, porque o procurador-geral da República já sinalizou que irá continuar com as investigações. Aí quem sabe quem ganhará o jogo não será apenas o Palmeiras, mas todo o povo brasileiro? Mais bandidos na cadeia, inclusive o Ali Babá!

Beatriz Campos beatriz.campos@uol.com.br

São Paulo

*

O DESPREZO DO EX-PRESIDENTE

O ex-presidente Lula disse ontem que a população não está preocupada com o mensalão, e, sim, com o Palmeiras. Qual é o universo da população que está preocupada com o Palmeiras? Lula acha que dizendo assim o povo entende que todas as pessoas estão preocupadas com o Palmeiras e esquecidas do mensalão? Que triste esse desprezo de Lula pelos cidadãos brasileiros que são capazes de pensar sem serem teleguiados. Se tivesse sido feito um trabalho bastante esclarecedor sobre o que significou o mensalão, certamente a população de Lula teria sérias restrições a continuar votando no partido que rasgou a bandeira da ética e formou uma quadrilha para roubar cofres públicos. Não dá para entender qual orgulho carregam certos candidatos, vereadores, governadores, deputados e senadores que corroboraram para negar que o mensalão não existiu. O Supremo Tribunal Federal (STF) está mostrando ao País que a justiça pode ser feita, basta que cidadãos ministros julguem a bem da verdade, e não de seus interesses particulares.

Izabel Avallone izabelavallone@gmail.com

São Paulo

*

UM BOM CORRETIVO

O ex-presidente Lula disse que o povo está mais preocupado com o Palmeiras do que com o julgamento dos envolvidos no mensalão. Creio que seria necessária uma pesquisa idônea para confirmar isso. De minha parte, estou achando muito emocionante a votação e procuro acompanhar cada capítulo dessa novela. Se realmente falta interesse de parte da população, fica evidente a falta de educação cívica dos cidadãos que não compreendem a importância desse momento histórico, em que os envolvidos em crimes de corrupção serão finalmente condenados. Se o dinheiro desviado na compra de votos estivesse na educação, certamente veríamos outro tipo de comportamento. Para o Palmeiras, assim como a condenação para os envolvidos no mensalão, o rebaixamento pode ser um bom corretivo.

Irene Maria Del Avanzi irenedellavanzi@hotmail.com

Itapetininga

*

BRASILEIRO NÃO SABE VOTAR

Ao declarar que o povo brasileiro está mais preocupado com a possível queda do Palmeiras para a segunda divisão do que com o escândalo do mensalão, e que esse histórico julgamento não influenciaria no resultado das eleições municipais de ontem, ele estava fazendo dele as sábias palavras do Pelé: o brasileiro não sabe votar.

Ronaldo Gomes Ferraz ronferraz@globo.com

Rio de Janeiro

*

TUDO PARA CONTINUAR NO PODER

Dentro da lógica do lulopetismo, admitem que a função do Estado democrático possa ser exercida tendo como fim o continuísmo político, atropelando-se quaisquer valores, em especial os morais e éticos, uma vez não considerá-los fundamentos a manter o Estado de direito sustentável. Coroando essa visão distorcida, o ex-presidente Lula, com sua fala desconexa e no mais absoluto desprezo ao intelecto dos cidadãos, declara o julgamento do mensalão, na condenação dos companheiros que lhe serviram e ao PT, menos preocupante do que o Palmeiras cair para a 2.ª divisão. É inacreditável!

Mario Cobucci Junior maritocobucci@uol.com.br

São Paulo

*

CARAS-PINTADAS

O maior beneficiário do mensalão declara com cinismo que o povo está mais interessado no Palmeiras do que no mensalão. É o caso de os caras-pintadas saírem às ruas para manifestarem seu repúdio e exigir a prisão e devolução dos bens que amealhou criminosamente durante o seu mandato de presidente. A pergunta que fica é: Onde estão os caras-pintadas?

José Carlos Costa policaio@gmail.com

São Paulo

*

PETEQUIA GALOPANTE

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou na manhã de ontem que o julgamento do mensalão não deveria influenciar o eleitor. "O povo não está preocupado com isso. Está preocupado em saber se o Palmeiras vai cair e se o Haddad vai ganhar", disse, ao falar com a imprensa durante café da manhã com líderes petistas na capital paulista. O candidato Fernando Haddad estava entre os presentes (Estado, 7/10/2012). O espertalhão não perde por esperar. Futebol e bolsas seguidas de cotas, de fato, alienam os menos favorecidos deste país. Mas deixam ver claramente o que pensa o idealizador da "redenção" dos pobres. Zombeteiro, ardiloso, escorregadio e cheio de si por estar, devagarinho, solapando todos os fundamentos da moral e do respeito próprio. Quando não se administra o País, compram-se os estultos de plantão, loucos por uma boquinha, não importando em que fossa possa parar o País, que se diz tão amado! É o escracho total esse "o cara" de pau!

José Jorge Ribeiro da Silva jjribeiros@yahoo.com.br

Campinas

*

ÊTA MUNDINHO PEQUENO, SÔ

Declarações do estadista sobre o mensalão: "O povo não está preocupado (com o mensalão). Estamos preocupados se o Palmeiras vai cair".

Helena Rodarte Costa Valente helenacv@uol.com.br

Rio de Janeiro

*

VICIADO NA MENTIRA

No domingo, dia da eleição, Lula insistia em dizer que não estava preocupado com influência do mensalão.

Victor Germano Pereira victorgermano@uol.com.br

São Paulo

*

HADDAD, UM SERVO

Ele, Lulla, está sempre a subestimar os cidadãos brasileiros. Ele, Lulla, não é dado a uma leitura nem mesmo das sinopses dos jornais. Assim ele, Lulla, já o declarou. No caso dos cidadãos paulistanos, estes já conhecem muito bem, pela leitura dos jornais, quem é o postulante do PT à Prefeitura de São Paulo. E não adianta enaltecer seu acólito Fernando Haddad. Quem é ele, o que já fez, especialmente o que obrou no Ministério da Educação, já é de conhecimento público, inclusive a tibieza de seus propósitos futuros. Leitura é para isso. Não é necessário, pois, que o acólito participe de programas de televisão para conhecermos os seus propósitos, pois já sabemos que não são outros senão servir com fidelidade canina ao seu criador.

Pedro Luís de Campos Vergueiro pedrover@matrix.com.br

São Paulo

*

SÃO PAULO MAL SERVIDA

Ou as pesquisas para prefeito de São Paulo estavam erradas ou o candidato Celso Russomano (PRB) fez uma m... federal. Não dá para entender. Estava disparado na frente com larga margem de vantagem, era considerado certo para o 2.º turno, faltava saber com quem, e ficou em 3.º, atrás de Serra e Haddad. Embora as últimas pesquisas apontassem uma queda do Russomano, não ir nem para o 2.º turno foi surpresa. Sapato alto? Fator Lula com o apoio ao Haddad? Ou o beijo da eleitora deu sorte ao Serra? Eu não sou paulistano. Sou um expectador externo, mas acho que, com qualquer um dos três, a capital paulista estaria muito mal servida.

Panayotis Poulis ppoulis46@gmail.com

Rio de Janeiro

*

SEGUNDO TURNO

Em São Paulo, votar em candidato do partido dos mensaleiros devia ser crime de lesa cidade!

Tania Tavares taniatma@hotmail.com

São Paulo

*

VAI DEMORAR...

Poucos acham os brasileiros maduros para votarem. Muitos têm certeza de que ainda vai demorar muitos anos para isso acontecer. Eu estou entre estes.

Gilberto Lima Junqueira glima@keynet.com.br

Ribeirão Preto

*

EDUARDO PAES, REELEITO

O carioca vive de ilusão: reeleje um cara que compra apoio de um partido nanico (PTN), isso fora o que não se sabe, com toda a gastança para ter a Olimpíada de 2016 no Rio. Até o amigão dele, o Cabral, gastou mais de R$ 2 milhões com os amiguinhos, enquanto tanta gente morre na fila dos ridículos hospitais do Rio. Insegurança, nem se fala! UPP para enganar trouxa! E depois vão reclamar com o papa? Bem feito!

Antonio Jose Justino anjogoma@yahoo.com.br

Rio de Janeiro

*

JORNALISTAS 'URUBUS'

O ex-presidente do Partido dos Trabalhadores (PT) José Genoino rotulou os jornalistas que queriam entrevistá-lo em sua seção eleitoral de "urubus". Talvez seja conveniente informar a Genoíno, um dos réus no processo criminal do mensalão, que essa ave, da família dos catartídeos, de olfato e visão extremamente apurados, tem importância vital no ecossistema, pois, ao identificar e eliminar fétidas carniças, elimina também as graves doenças que elas poderiam disseminar. Enfim, os jornalistas, tais como os urubus, são fundamentais para a existência de uma sociedade saudável.

Túllio Marco Soares Carvalho tulliocarvalho.advocacia@gmail.com

Belo Horizonte

*

ESCOLHA

Ao tentar votar em São Paulo, o Sr. José Genoino chamou os repórteres que trabalharam na cobertura da eleição municipal de "urubus". Muito apropriado para profissionais encarregados de livrar a sociedade de carniças. Ele prefere ser chamado de ratazana, abutre ou hiena dos bens públicos?

Moacyr Castro jequitis@uol.com.br

Ribeirão Preto

*

A IMPORTÂNCIA DOS URUBUS

Nota triste desta eleição não é de falecimento, mas da estúpida forma como o réu próximo de ser condenado pelo mensalão José Genoíno se insurgiu contra jornalistas, afirmando: "Vocês são urubus que torturam a alma humana", e ainda teve a cara de pau de comparar o trabalho da imprensa brasileira com a tortura da época da ditadura. Na realidade, este petista, além de ter indignado a Nação, como um dos artífices do mensalão e ainda membro da cúpula do partido que nos prometeu o céu e entregou o inferno da corrupção e da falta de ética, ao chegar ao poder central desta República, não entenda nada de uma ave como o urubu, que é extremamente importante para a natureza. Talvez do urubu os nobres jornalistas que vêm prestando um grande serviço ao País têm o ótimo sentido do olfato (ou seja, sentem bem onde a bandidagem atua, principalmente no Executivo e Legislativo federais). E esquece o Genoino que esses mesmos jornalistas urubus (que ele chama) um dia também acreditaram e ajudaram o PT a se firmar como sigla partidária, porque, repetindo, se colocavam como os únicos no País, para moralizar as nossas instituições! Ledo engano! Que farsa! Aliás, o urubu é uma ave necrófaga que se alimenta de animais já mortos, e por isso importante para o meio ambiente. E o PT do Genoino, com os desvios milionários de recursos públicos, não somente com o mensalão, deixou a míngua o sistema de saúde, principalmente nas regiões mais pobres, onde muitos pacientes (aí, sim...) morrem nos corredores dos hospitais por falta de atendimento! No pejorativo, pensando bem, ficaria muito melhor e coerente o Genoino chamar seu próprio partido de "urubu", porque desvia recursos do erário que poderiam ser utilizados em outras prioridades inadiáveis para a população.

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

*

DE COMPANHEIROS A 'URUBUS'

Foram bastante "genuínas", porém ingratas, além de injustas, as palavras do mensaleiro, réu e condenado pelo STF José Genoino, um dos líderes máximos do PT, quando chamou os jornalistas presentes ao seu ato de votar de "urubus", comparando-os aos torturadores da ditadura. Mas quanta decadência e ingratidão... O curioso é que anos atrás, há pouco tempo mesmo, quando esta mesma imprensa endeusava Genoino e outros líderes do PT em elogios, ele e outros petistas eram só sorrisos aos "companheiros da imprensa". Isso é o PT, o caráter e o pensamento rasos, cartesiano simplista de seus líderes e militantes. Quando a liberdade de imprensa exercida por gente séria, profissional, defensora da verdade em nome da democracia, doa a quem doer, agindo na busca da verdade real dos fatos, deixa a nu certos "heróis" (nem tão heróis assim) do passado ao exercerem seu dever de bem informar os leitores em nome da liberdade, já passou mesmo da hora de mandar esta gente petista para o asilo ideológico ou, como neste caso de Genoíno e seus cúmplices, todos condenados por corrupção, entre outros crimes contra o erário, para o xilindró da democracia, a fim de que paguem por seus crimes contra o povo e os cofres públicos!

Paulo Boccato pofboccato@yahoo.com.br

São Carlos

*

CORRUPTORES

Será que o ilustríssimo senhor revisor do julgamento do mensalão assistiu à gravação do que ele falou na sua eloquente defesa de José Dirceu e José Genoino? Se assistiu, deve ter corado de vergonha por ter participado não como juiz, mas como advogado de defesa, abertamente. Contraditório, ao mesmo tempo que defende os réus, diz que eles podem até ter feito tudo aquilo que o ministro Joaquim Barbosa tão galhardamente expôs na sua brilhante explanação. Afinal, se houve corruptos, tem de ter havido corruptores, será que o senhor revisor duvida disso? E quem no governo tinha autoridade para agir como corruptor? Será que só ele não sabe?

Marina R. Blanco mmalufi@terra.com.br

Olímpia

*

MENSALÃO E O HOMEM DE TRÁS

Hans Welzel e Claus Roxin jamais imaginaram que sua Teoria do Domínio do Fato um dia fosse fazer história num país da América do Sul que nos últimos dez anos tem sido dominado por bandidos tanto no Poder Executivo quanto no Poder Legislativo. A teoria Welzel-Roxin é um critério de aferição da autoria delitiva para fazer contraponto às teorias objetivas da autoria. Com ela o Supremo Tribunal Federal (STF) pegou o "homem de trás", o chefe de quadrilha, que tudo sabia e coordenava, das dependências do próprio Executivo, toda a podridão. José Dirceu será condenado por 8 votos de patriotas contra 2 meros respingos da sujeira no Judiciário.

Humberto de Luna Freire Filho hlffilho@gmail.com

São Paulo

*

LÓGICA POLÍTICA

Muito bom o artigo de Sergio Fausto à página A2 do Estadão de sábado (A lógica política do 'mensalão'). Li-o e o reli com atenção e restou-me uma dúvida quanto à insegurança do autor quando diz: "resta saber se Lula tinha conhecimento e/ou interveniência de algum tipo no esquema". Só uma alma ingênua e pura, como certamente não deve ser a do articulista, poderia suscitar sua dúvida. Aliás, como bom tucano, deve achar-se muito confortável em cima do muro e como político presta seu tributo à hipocrisia e ao bom-mocismo, aparentando respeito à dignidade (?) do opositor. É impressionante como a oposição (?), acuada pelo carisma do ex-mandatário, age tão incompetentemente. Como Lula está a perder seu fascínio, é possível que o autor dirima suas dívidas e conclua que Lula tinha conhecimento e interveio nas práticas criminosas e imorais. Deve ser triste, para muitos, o fim da era da inocência.

Mário Rubens Costa costamar31@terra.com.br

Campinas

*

FARSA?

O artigo subscrito pelo professor Sergio Fausto, na página A2 da edição de 6/10/2012, em que pesem as ponderadas análises sobre o que seja o presidencialismo de coalizão, demonstrando que o esquema do mensalão foi a forma criminosa para a tal coalizão, evita adentrar na conclusão inevitável: o grau de responsabilidade do ex-presidente da República no esquema criminoso. Cantada em verso e prosa a genialidade política do ex-presidente, por toda a imprensa, intelectualidade e até opositores que receiam lhe fazer oposição, tanto que capaz de eleger sua sucessora a despeito de seu partido; que escolheu o candidato para prefeito de São Paulo, a revelia, novamente, de seu partido, no que se refere ao mensalão, não sabia de nada?! Afinal: o gênio político ignorava o que acontecia debaixo de seu nariz? Ou foi apenas uma criação daqueles que acreditaram que usariam um símbolo como um líder, para tirar proveito de sua ingenuidade/ignorância, e tomar o poder por mais de 20 anos? Não era esse o projeto do "capitão" do time? Se faltou incluir o ex-presidente na ação penal 470, não sou obrigada a fazer de conta que acredito em Papai Noel, como o revisor, o ministro Lewandowski, e que o ex-presidente, o beneficiário da ação delituosa, não sabia de nada. A ditadura do politicamente correto perdeu a lógica e faz tempo: se o ex-presidente é maior gênio político da História da humanidade, inevitável concluir que tudo conhecia sobre o mensalão. Ou então, por força de sua ignorância e desconhecimento sobre tudo, apenas um fantoche de seu partido e do ministro-chefe da Casa Civil, e não sabia de nada. O tal mito não passa de uma farsa?

Ana Lúcia Amaral anamaral@uol.com.br

São Paulo

*

PROVA DO CRIME

Após a denuncia na Câmara, da Declaração de Paris, do Pedido de Desculpas à Nação, da comprovação de transações bancárias fajutas, depósitos indevidos em contas correntes, saques em contas, empréstimos sem aval com lastro, pagamento de propinas, tudo devidamente comprovado, a exigência de prova concreta por parte de um ministro da Suprema Corte (Lewandowski) para poder condenar é o fim da picada. O que pretende o senhor magistrado? Apresentação de recibo com firma reconhecida em cartório? Declaração assinada de ter cometido o crime? Sinceramente, o Sr. ministro se autodeclarou um ingênuo, incompetente, ou o que é pior...

Walter Duarte duartecont@globo.com

São Caetano do Sul

*

TUFÃO E RICARDO

João Emanuel Carneiro, autor da sofrível novela Avenida Brasil, deve ter se inspirado em Ricardo Lewandowski para construir o personagem Tufão (que já virou piada na internet). Tanto o real quanto o fictício se negam a acreditar nos crimes que seus "protegidos" cometeram. Felizmente, a novela termina e, com ela, sua história. Na vida real, a história já ficou marcada com a atitude deste senhor, ao mostrar que neste pobre país de tolos, não só a justiça é cega, mas também quem julga. Será que num Vale a Pena Ver de Novo ou numa Retrospectiva, o fictício e o verdadeiro cairão na real e condenarão Carminha e Dirceu?

Maria Eloiza Rocha m.eloiza@gmail.com

Curitiba (PR)

*

VERNÁCULOS DE PAU

É difícil entender a lógica republicana brasileira - "excelências, observem o vernáculo!". A cúpula do partido X no poder compra votos gastando uma fortuna ilegalmente subtraída, com inequívoca "ressonância" nos autos - vernáculo clássico. O dono do poder não sabia de nada, o dono do partido e o seu principal articulador político também não tiveram culpa, uma vez que "não há prova alguma de envolvimento", segundo o parecer do "revisor" do julgamento, esquecendo-se de que mesmo com a inexistência de provas "torrenciais" e "avassaladoras" - vernáculos horrorosos -, um pediu demissão e o outro foi demitido do cargo na ocasião. Por outro lado, neste mesmo país, há pouco tempo, um presidente caiu por causa de uma Fiat Elba e o americano Nixon perdeu o mandato porque o partido dele espionou ilegalmente o partido adversário. Cabalmente, este país não tem jeito! É muita cara de vernáculo de pau. Sr. "revisor", do alto da excelência da sua toga negra o papel aceita tudo. Quem não aceita mais tudo é a sociedade brasileira, é o povo, o manto está preto, esfumaçado pelos instintos mais primitivos da podridão. Pedir demissão do cargo republicano para trabalhar como advogado de defesa é uma boa alternativa para robustecer o seu futuro.

Haroldo Amorim hbamor66@ibest.com.br

Curitiba

*

CEGUEIRA NOTURNA

Tudo faz crer que o revisor das ação penal 470, que tramita no STF, examinou todo o processo à luz de velas. Pois seus pares, até o momento, conseguiram ver a ação criminosa de José Dirceu, menos ele que deve sofrer de cegueira noturna. Parodiando Cícero em seu discurso contra Catilina, no Senado romano, dizemos Quo usque tandem abutere, Lewandowski, patienti nostra. Tradução livre: "Até quando, ó Lewandowski, abusarás de nossa paciência?".

Batista Cassiano batistacassiano@hotmail.com

São Paulo

*

REVOLTANTE O VOTO NO MENSALÃO

Lamentável, indigno, revoltante o voto de Lewandowski, revisor do mensalão, absolvendo Dirceu, não pela absolvição em si, mas pela forma de distorcer os fatos do processo, levando duas horas em enrolação e inverdades, tanto que vários ministros, como Marco Aurélio, Gilmar Mendes, Celso de Mello e Ayres Britto discordaram de várias afirmações suas durante seu voto, num indício de que condenarão os três petistas: Dirceu, Genoíno e Delúbio, e os ministros Rosa Weber e Luiz Fux votaram, após o revisor, e condenaram os três, por corrupção ativa. Lewandowski levou duas horas na defesa de Dirceu e, no dia anterior, já havia absolvido Genoíno e condenado Delúbio Soares, como se este fosse o único responsável pelo mensalão. Aliás, a mídia já havia falado que ele iria assumir toda a trama do mensalão, livrando os demais. Outra vergonha. Ademais, como fica essa condição de ministro da Suprema Corte ter "reputação ilibada" e "notório saber jurídico", diante do que estamos vendo? Amanhã deve-se encerrar o item 4, e o placar final poderá ser condenação de 8x2,ou 9x1. Veremos.

Luiz Nunes de Brito rosahollmann@yahoo.com.br

Rio de Janeiro

*

'LEWANDO'

O que será que lewou o ministro Lewandowski a não lewar José Dirceu para o banco dos réus? O que será?

Arcangelo Sforcin Filho arcangelosforcin@gmail.com

São Paulo

*

EMINÊNCIA PARDA

Em memorial encaminhado aos ministros do STF, o advogado Oliveira Lima (José Dirceu) alega que a base do voto do relator ministro Joaquim Barbosa foi tudo quanto dissera o também réu Roberto Jefferson, o qual, diz, sempre quis "prejudicar"(!) seu cliente (Revisor isenta Dirceu, condenado por trio - Jornal da Tarde, 5/10/2012). Palavras... palavras... como também meramente o são as do argumento de que nos autos há inúmeras provas que beneficiam seu cliente e que não foram "valoradas" (!) pelo ministro relator. Parece que ele não quer aquilatar que as razões da condenação de José Dirceu por corrupção ativa é exatamente a consideração de que foi ele o idealizador e mentor do "mensalão", tudo fazendo na condição de autor e ordenador oculto e dissimulado, pois quem afinal deu a cara para bater foi o Delúbio Soares, que se apresentou como o inocente útil ideal. Como inequívoca eminência parda, José Dirceu fez uso de seus companheiros de partido para tentar chegar onde nunca mais poderá chegar.

Pedro Luís de Campos Vergueiro pedrover@matrix.com.br

São Paulo

*

O SUPREMO ANSEIO

A mídia informou que a cúpula diretiva do PT está encolerizada diante da atuação dos "ingratos" Ministros escolhidos por Lula e Dilma, no julgamento do mensalão, asseverando que deveriam retribuir com votos plácidos a nomeação para o STF. Consta que os dirigentes petistas gostariam de ter indicado para fazer par com o Dr. Toffoli os ínclitos juristas: Márcio Thomaz Bastos, Tarso Genro, Luiz Eduardo Greenhalgh, José Eduardo Cardozo e Antônio Carlos de Almeida Castro, "Kakay". Ao que parece, o Zé Dirceu concluiu o curso de Direito, tratando-se, por tanto, de um bom nome a ser lembrado pelos petistas, merecendo a indicação presidencial com encômio. Por razões mais que óbvias, o impoluto senado da república (para tanto nem se cogita dos 300 picaretas do Lula), comandado por Sarney/Renan, celeremente sufragaria tão refinado rol, com louvores. Tal procedimento teria o condão de analgésico para amainar a dor do "beato" Gilberto Carvalho, ensejando, outrossim, ao "devoto" Jilmar Tatto, conclamar em altos brados: "Ta tudo dominado"...

Ulisses Nutti Moreira ulissesnutti@uol.com.br

São Paulo

*

DESAGRAVO

Considerando-se a peculiar ética petista, o deputado Jilmar Tatto não surpreende ao planejar desagravo a José Dirceu.

Odilon Otávio dos Santos

Marília

*

O VOTO DE LEWANDOWSKI

Educadamente o editorial de O Estado (Desempenho constrangedor, 7/10, A3) considera constrangedor o desempenho do ministro Lewandowski no julgamento de José Dirceu e Genoíno no processo do mensalão. Não fosse a necessidade de ser educados, palavras mais duras e maiores poderiam com a mesma propriedade estarem sendo utilizadas contra tal ministro. Ele será sempre lembrado como um advogado do petismo no STF, não como um ministro de verdade. Dá pena. Pena dele por não ter a liberdade que deveria ter para julgar. Pena dos brasileiros por ter um juiz com essa qualidade na sua Corte Suprema. Em nenhum país civilizado ele teria essa prerrogativa. Renuncie, Sr. Lewandowski, o senhor não tem as qualidades de um magistrado.

Ademir Valezi valezi@uol.com.br

São Paulo

*

'DESEMPENHO CONSTRANGEDOR'

A cúpula petista subestimou a "independência" do STF e achou que apenas dois "gatos pingados" como Lewandowski e Toffoli fossem suficientes para "aparelhar" a entidade, e o tiro saiu pela culatra, tanto pela infantilidade política dos petistas como pelas figuras insólitas dos pontas de lança como juízes. A coronelada da outra parte da sociedade espúria que assumiu o controle do Brasil, comunistas e coronéis, assiste de camarote esperando que a merda jogada no ventilador pelo companheiro Jefferson não respingue nela. Quase não se vê falar em Sarney, Maluf, exceto como colher de festas, Renan, outros que já bateram as botas e outros bichos da fauna coronelista, ainda que também em extinção até pela própria natureza, a tal "seleção natural" às avessas.

Ariovaldo Batista arioba06@hotmail.com

São Bernardo do Campo

*

MENSALINHO

Êta povinho mais apavoradinho. Veja só, ficaram em suspensinho com aquela crise econômica norte-americana em 2008, mas o nosso queridinho presidentinho na época vaticinou que aqui no Brasilzinho seria apenas uma "marolinha". O brasileirinho tem mania de dar o desprezinho ao "inho" e à "inha". Olha só o furorzinho que está fazendo em cima desses últimos apaguinhos. Imaginem que queriam até crucificar o Pedrinho de Monteiro Lobato. Agora estão fazendo um alardinho imensinho porque o Lewandowskinho absorveu mais um safadinho, desta vez o Dirceuzinho, no julgamentInho do mensalinho.

Nei Silveira de Almeida neizao1@yahoo.com.br

Belo Horizonte

*

ORAÇÃO

Deus é mesmo brasileiro! Não fosse a denúncia salvadora de Roberto Jefferson; não fosse a independência de nossa Suprema Corte, cujo relator se tornou meu herói, meu cavaleiro de capa negra, brandindo a espada flamejante da justiça, estaríamos agora com um país totalmente aparelhado, com os cargos-chave e a imprensa manipulados, a exemplo de Cuba, Venezuela, Argentina, etc. Obrigada, meu Deus, por ter agido a nosso favor com uma conjuntura de fatos que eclodiram e evidenciaram uma pequena parte dos desmandos e falcatruas dos petralhas. Espero, ainda, meu Deus, que venha à tona o que esta sendo feito com o dinheiro dos nossos impostos diluídos no PAC, com a Construtora Delta, a maior construtora das obras do PAC, e o famoso Dr. Juquinha. Obrigada, Senhor, por mais um dia de vida neste solo brasileiro.

Maria Carmem Vidal Rodrigues Braude verga.antonio@construtoraverga.com.br

São Paulo

*

PERGUNTAS QUE NÃO QUEREM CALAR

Se a presidente Dilma Rousseff é a presidente de todos os brasileiros, quem paga seus deslocamentos para fazer campanha para um partido? Nós ou o PT? Se dia 7 foi dia de eleições no Brasil, o que foi fazer o assessor Marco Aurélio Garcia na Venezuela? Não confiam na honestidade democrática de Hugo Chávez? Ou seu dever cívico é proteger os companheiros?

Evelina Holender eveholender@hotmail.com

Sao Paulo

*

TEMOR

A velocidade na apuração das eleições brasileiras é única no mundo. Prima pela velocidade, mas carece de segurança, dá margem à manipulação dos votos e resultados. Diante de um governo nada confiável, que, para deter o poder, não se importa com os meios, tudo pode acontecer. Só nos resta rezar para que tenha prevalecido a lisura em todo o processo, para que ele tenha espelhado fielmente a vontade do eleitor, sem a manutenção espúria no poder por meios ilícitos.

Humberto Schuwartz Soares hs-soares@uol.com.br

Vila Velha (ES)

*

DÚVIDAS POR TRÁS DAS URNAS

Mais um dia de eleição termina. Aguardando para entrar na minha seção, uma pergunta veio à minha mente: "O que eles digitam naquela maquininha para liberar a urna para que eu possa votar?". Bom, entrei na seção. Entreguei meu título de eleitor. Assinei meu nome na lista e observei enquanto o mesário inseria 12 dígitos na máquina em frente a ele. Com minha curiosidade atiçada, resolvi questioná-lo sobre o que ele devia digitar para que eu pudesse votar, e sua resposta foi: "Seu número de inscrição". Ou seja, para ela liberar a urna, o número do meu título eleitoral deve ser digitado previamente. O.k., votei, cumpri meu dever de cidadão e fui embora. Porém, a resposta dele ficou latejando na minha cabeça. Comecei a lembrar de uma aula que tive na faculdade sobre sistemas eleitorais contemporâneos, onde analisávamos como cada país adota uma forma distinta para efetuar suas eleições. A parte que me intrigou foi a informação de que, apesar de serem considerados países desenvolvidos, as grandes potências do mundo ainda realizam seus votos em cédulas de papel, e não em urnas eletrônicas. A questão é, se eles têm acesso a maior tecnologia, por que eles adotariam um meio considerado aqui no Brasil ineficiente para executar as eleições? O que garante a confidencialidade dos votos feitos numa urna eletrônica, que para ser desbloqueada deve-se inserir o seu título de eleitor antes? Devo admitir, mesmo após questionar o mesário quanto a isso, sua resposta foi de que é para controle de quem vota e que o sistema é "embaralhado". Meu argumento contra foi de que o controle é feito pela assinatura e que um sistema "embaralhado" pode ser "desembaralhado" com algum algoritmo de computação. Então, segue minha questão, que se mantém sem resposta. O nosso voto é realmente secreto? Existe algo que garante que ninguém possa descobrir em quem cada indivíduo da sociedade votou? E a maior insegurança quanto a este tópico: se o voto é lançado num sistema eletrônico, não há possibilidade de haver uma manipulação dos votos? Um papel não se pode riscar em cima, mas sempre existe o botão "delete" num teclado de computador.

Ellen Rivolta Bernauer ellenrb@gmail.com

São Paulo

*

INÚTIL POR INÚTIL...

Nas próximas eleições o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) deveria sugerir que o eleitor levasse uma xícara e um lençol quando fosse votar. A utilidade seria a mesma do Título de Eleitor, desde que passou a ser obrigatória a apresentação de um documento com foto, ou seja, nenhuma.

Mario Silvio Nusbaum marios.nusbaum@gmail.com

São Paulo

*

FICHAS-SUJAS NAS URNAS

Durante a campanha eleitoral muito se falou no cuidado que o eleitor deveria ter para evitar o voto num candidato ficha-suja. A ausência desse político emporcalhado na urna não deve ser um problema de escolha do senhor do voto, mas, sim, do Tribunal Regional Eleitoral (TER), responsável pelo registro da candidatura. O tribunal, a partir do momento em que autoriza o registro do candidato, desconhece a sua incapacidade de poder ser votado, cabendo ao eleitor receber um candidato absolutamente apto para exercer cargo público. O mau político começa a ter vida própria, apadrinhado pelo TRE. Os jornais noticiam que um número de 3 mil fichas-sujas concorreram nessas eleições e que, no caso de terem sido vencedores, poderão nem tomar posse. Acontece que tomam posse, sim, e permanecem no cargo, muitas vezes até o término do mandato, sustentados por um caminhão de liminares, de chicanas jurídicas, tão comuns depois dos pleitos. Quando o candidato é colocado na disputa, ele tem a obrigação de estar devidamente higienizado. Chega de sujeira!

Jair Gomes Coelho jairgcoelho@gmail.com

Vassouras (RJ)

*

FICHA LIMPA

Todos os políticos candidatos, com processos, deveriam ser julgados antes das eleições, pela lei popular Ficha Limpa, para que não seja transferida novamente a responsabilidades aos eleitores.

Antonio de Souza D'Agrella antoniodagrella@yahoo.com.br

São Paulo

*

DEMOCRACIA EM ANDAMENTO

A reconquista há 30 anos da nossa atual jovem e balsaquiana democracia, tem nessas eleições municipais de 2012 mais uma efeméride a ser comemorada, independentemente de quem forem eleitos neste Brasil continental. Urge, agora, aperfeiçoarmos os mecanismos legais que impeçam os fichas-sujas de se candidatarem e fiscalizar os eleitos no cumprimentos de suas promessas eleitorais, para termos consolidado o processo civilizatório brasileiro com que tanto sonhamos, pelo qual lutamos e que merecemos ter.

José de Anchieta Nobre de Almeida josedalmeida@globo.com

Rio de Janeiro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.