Fórum dos Leitores

GOVERNO DILMA

O Estado de S.Paulo

15 Outubro 2012 | 03h05

Petrobrás

A estatal avisa que vai cortar projetos importantes se não houver um novo reajuste dos combustíveis. O governo federal faz besteiras e o povo é que paga o pato! Os "acionistas" decidiram fazer os investimentos quixotescos no pré-sal. Foram apenas eleitoreiros? Se os combustíveis já são caros, não ficarão mais caros ainda se suspenderem os investimentos? E quem decidiu por eles, dona Graça Foster? Não foi a dona Dilma que a colocou na presidência da Petrobrás, e foi levada à Presidência da República, exatamente por esses investimentos eleitoreiros? Por que não coletar dinheiro no próprio governo, que se diz em céu de brigadeiro e é o acionista principal da Petrobrás? A estrela vermelha no peito é só enfeite mesmo?

ARIOVALDO BATISTA

arioba06@hotmail.com

São Bernardo do Campo

Caixa de Pandora

Segundo o Centro Brasileiro de Infraestrutura (Cbie) existe hoje uma defasagem de 26% no preço da gasolina. Há duas semanas li no Estadão que nos EUA o consumo desse combustível havia desacelerado por causa do aumento do preço: o galão passou de US$ 3,40 para US$ 3,80. Isso dá cerca de R$ 2,16 o litro e, aqui, pagamos ao redor de R$ 2,69. Curioso que agora todos os males presentes e futuros estejam no bojo desse não aumento. Até refinarias futuras, como a do Ceará. Gostaria que a Petrobrás abrisse essa caixa de Pandora e explicasse o que acontece de fato.

JOÃO ANTONIO DOHMS

dohmsj@hotmail.com

Fortaleza

Bomba pós-eleitoral

Pelo jeito que andam as coisas, aguardemos novas surpresas após o segundo turno das eleições municipais. Com certeza a maior bomba será o novo reajuste de combustíveis, cuja definição dos preços a Agência Nacional de Petróleo (ANP) diz estar finalizando, quando, na realidade, eles já estão realinhados e definidos, só aguardando o momento ideal para a divulgação.

ANGELO TONELLI

angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

BRASÍLIA

Plano estratégico

Causa surpresa a notícia da contratação, por elevado valor, de uma empresa de Cingapura para realizar o planejamento estratégico de longo prazo para Brasília, ignorando as competências dos profissionais brasileiros. Entre outros grupos competentes, o Programa de Estudos do Futuro da USP (ProFuturo) coordenou, em 2011/2012, um plano estratégico até 2040 para o Município de São Paulo, o Plano SP2040, realizado em conjunto com a Secretaria de Desenvolvimento Urbano da Prefeitura. A equipe foi constituída por especialistas brasileiros que conhecem profundamente a realidade local, incluindo professores da USP nas áreas de arquitetura e urbanismo, transporte, meio ambiente, sociedade e negócios. Foram consultados ainda acadêmicos de outras universidades, empresários, artistas e um grupo de quatro consultores internacionais que orientaram o planejamento urbano de longo prazo em Londres, Paris, Nova York, Chicago, Xangai, Barcelona, Hong Kong e Cingapura, entre outras cidades. Buscando integração com a realidade local e engajamento popular, foram ainda consultados mais de 25 mil habitantes de todas as regiões da cidade. O estudo, em fase final de revisão, aponta importantes diretrizes para 2040, como a aproximação de emprego e trabalho, aprimoramento da mobilidade urbana, prioridade para a qualidade ambiental e a inclusão social, empresarial e competitiva da nossa cidade para os próximos 30 anos. O SP2040 teve um custo total que é uma fração dos custos anunciados para Brasília.

JAMES T. C. WRIGHT, coordenador do ProFuturo

jamest@fia.com.br

São Paulo

HABITAÇÃO

Moradias populares

Um primor o texto Morar, não ilhar e prender, de Milton Hatoum (Caderno2, 12/10), que aborda os "condomínios populares" construídos após a criação do extinto BNH. Realmente, um amontoado de casinhas e predinhos com espaços pequenos, materiais de baixíssima qualidade e preços de Primeiro Mundo, com prazo longo para pagamento. O infeliz mutuário pode optar por 120, 180, 360 meses, ou seja, 10, 15 ou 30 anos, para quitar uma dívida que poderia ser paga em 5 ou 7 anos. E mais: as taxas de juros, mesmo com as recentes quedas, continuam por demais elevadas. Esta crítica é uma sugestão para que os responsáveis por esse setor se mirem nos exemplos de outros países. Por exemplo, nos EUA a taxa anual é de 4,7%. Assim se poderiam construir casas e edifícios de melhor qualidade, com espaços maiores e preços e prazos menores. Outro item a ser verificado é a idade do comprador. Na terra do Tio Sam, não importa a idade, os prazos e taxas são idênticos, pois lá a seguridade é levado a sério e pessoas com 50, 60, 70 anos não são tidas como velhas para trabalhar.

CARLOS NELSON HORROCKS

carloshorrocks@yahoo.com.br

São Paulo

ELEIÇÕES MUNICIPAIS

Serra ou Haddad?

Funcionou a peneira, ficaram os melhores. Louvem-se os eleitores paulistanos. Agora chegou a hora da verdade, de esquecermos os partidos e, principalmente, os padrinhos. Esta megalópole brasileira que é São Paulo está à espera de um administrador à sua altura. Alguém com comprovada experiência administrativa, capaz de encontrar solução para os diversos problemas que tanto nos afligem. Está na hora, portanto, de não trocarmos o certo pelo duvidoso, o "velho" e experiente pelo "novo" e inexperiente. A este, por sua bela formação acadêmica, aconselharmos que volte ao Ministério da Educação a fim de concluir o seu trabalho. Vamos, pois, dar à nossa cidade o administrador que ela merece.

NIVALDO R. SANTOS

nivasan1928@gmail.com

São Paulo

Enem

Gostaria que o segundo turno da eleição em São Paulo fosse uma semana depois do Enem. Assim muitos paulistanos teriam fresco na memória o modo Haddad de administrar. Sem dúvida, mudariam de candidato.

DANIEL ARJONA DE A. HARA

haradaniel734@gmail.com

Cotia

CORRUPÇÃO

Essa 'democracia', não

Em vez de aprender a lição e corrigir erros, reconquistando a confiança da população, os petistas bajulam e glorificam seus membros criminosos já condenados e, assim fazendo, garantem que não se arrependem do que repugnou a Nação e que continuarão a praticar atos criminosos. Dizem que tudo é em prol da "democracia". Roubam, mentem e corrompem em nome da "democracia". Não quero para meus filhos e netos essa "democracia" antiética e criminosa, copiada da que mandava na falida União Soviética.

WILSON SCARPELLI

wiscar@estadao.com.br

Cotia

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

INOVAR-AUTO

As novas determinações do governo federal dadas à indústria automobilística para 2013/2017 (plano intitulado Inovar-Auto) têm como principal exigência que os veículos sejam mais econômicos no consumo de combustíveis - se a gasolina, que faça 17 km/litro, e, se a etanol, 11,96 km/litro (por que não 12 km/litro?) -, além de outras melhoras técnicas para reduzir o preço dos veículos. Em troca, serão reduzidos alguns impostos. Que bom, que bom! Imaginem se o próprio governo também fizesse a sua obrigação, começando com a redução do seu custeio e das suas despesas, além de um maior controle e fiscalização dos órgãos do governo e ministérios, eliminando os inúmeros desvios do erário, corrupções, fraudes, etc.? Para poder cumprir os direitos constitucionais da população na educação, saúde, moradia, segurança, saneamento básico, infraestrutura, etc. Com certeza, o efeito seria muito melhor para o País e para o cidadão brasileiro. Fácil exigir dos outros, como da indústria, do comércio e da iniciativa privada, quando deveria começar pelo próprio poder público, não é mesmo? No futuro, será assim quando tivermos governantes competentes, patriotas e realmente interessados no País e no seu povo. Ou estamos sonhando?

Luiz Dias lfd.silva@2me.com.br

São Paulo

*

DESPERDÍCIO PARA O PAÍS

Como engenheiro, li sobre o consumo de veículos e incentivo às montadoras através de redução de impostos para carros econômicos. A questão para a qual nunca tive reposta é se as maravilhas brasileiras "flex" economizam álcool ou gasolina, ou se têm consumo maior com álcool ou gasolina, quando comparadas com similares monocombustíveis. Pelo meu conhecimento sobre motores, entendo que alguns parâmetros de construção não podem ser otimizados para ambos os combustíveis simultaneamente, daí resultando sempre em consumos piores, para atender à exigência "flex" de uso de álcool ou gasolina, indiferentemente. Ressalto, aqui, que estes veículos podem otimizar o bolso do proprietário no momento de seu abastecimento, mas a um custo de consumo maior para o País. Supondo uma economia de 5% a 7%, quer no álcool ou na gasolina, o País desperdiça enormes quantidades de combustível quando multiplicado esse desperdício por toda a frota nacional "flex", que já deve ter superado alguns milhões de veículos e vem sendo adicionada de cerca de 250 mil mensalmente.

Flavio Bernardini exefold@uol.com.br

São Paulo

*

TEMOS DIREITO

O Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) para carros de 2013 a 2017 deverá baixar para veículos produzidos no Brasil, com conteúdo 70% nacional e tecnologias mais avançadas. Não haverá necessidade de grandes investimentos diretos por parte das indústrias, visto que essa tecnologia já existe e poderá ser transferida de países evoluídos, já que somos o quarto maior consumidor mundial. Quando Fernando Collor disse que nossos carros eram carroças, não mentiu, e, de lá para cá, continuamos com as carroças. Lá, no Primeiro Mundo, porque são exigentes, os chassis dos carros são projetados com a melhor absorção de impacto possível, coisa que brasileiro desconhece. Também fazem motores 0.8L, com 90 CV e consumo de 20 km por litro de gasolina, o que quer dizer que os motores são menores, mais potentes e mais econômicos. Dá-lhes, Dilma! Temos direito.

Cesar Maluf malufcesar@googlemail.com

Sao Jose do Rio Preto

*

SANHA

A indústria automotiva brasileira talvez seja, na face da Terra, a que detém o maior número de fábricas. Batendo recordes de produção. É uma vigorosa fonte de arrecadação, mas, como no Brasil a contrapartida é ignorada pelo governo, todas as nossas cidades e rodovias estão entulhadas de veículos, sem que haja pisos adequados para se locomoverem. O procedimento governamental, também nesta área, é só de arrecadar impostos, sem investir para que funcione. Por isso mesmo com uma carga tributária de 40% a precariedade de todas as obrigações básicas. A sanha arrecadadora governamental é insaciável.

Humberto Schuwartz Soares hs-soares@uol.com.br

Vila Velha (ES)

*

CARROS PROJETADOS NA CHINA

Atenção, baianos! A JAC vem aí! R$ 900 milhões misturados com pó de amianto. Cuidado com os seus pulmões!

Sergio S. de Oliveira ssoliveira@netsite.com.br

Monte Santo de Minas (MG)

*

E A PETROBRÁS?

Dilma Rousseff está dando estímulos à indústria automotiva, para que fabrique carros com motores de maior rendimento por litro de combustível, como conseguem lá fora. Mas com o combustível de péssima qualidade que a Petrobrás fabrica, vai ser impossível conseguir a eficiência que as indústrias conseguem no Primeiro Mundo. Como a Petrobrás é do governo, o que a presidenta vai fazer para melhorá-la? Ou só a iniciativa privada é que tem de ser eficiente?

Mário A. Dente dente28@gmail.com

São Paulo

*

VANTAGEM AMBIENTAL

Quanto à notícia Postos terão de divulgar vantagens do etanol, é interessante notar que, apesar da preocupação da sociedade em relação ao meio ambiente, vide o apaixonado debate quanto ao Código Florestal, no momento em que os cidadãos abastecem seus veículos levam em consideração somente as vantagens econômicas, ignorando o que deveria ser o principal: as vantagens ambientais. Apenas comparam o preço entre o extremamente poluente e não renovável combustível fóssil, no caso, a gasolina, em relação ao etanol, combustível este comprovadamente com baixíssimo índice de poluentes e renovável. Nesta campanha articulada agora pelo governo "postos terão de divulgar vantagens do etanol", a gritante vantagem principal fica esquecida: a redução da emissão de poluentes com resultados extremamente positivos ao meio ambiente e a saúde da população em geral. Imaginem quais seriam os índices de poluição na grande São Paulo e no restante das áreas urbanas do país se somente usassem combustíveis fósseis. Parece-me, lamentavelmente, que a tão divulgada "consciência ecológica" vai para as calendas quando "mexe" no bolso do consumidor...

José Augusto Baldassari Filho jabf@uol.com.br

São Paulo

*

UMA FORÇA PARA O GOVERNO

Resolvi, recentemente, ajudar a Dona Dilma a movimentar a economia, como bom brasileiro que sou. Fui a uma loja de departamentos onde adquiri cuecas e um chinelo, todos de marcas antigas brasileiras. Ao abrir as embalagens, percebi que as cuecas eram "made in China" e o chinelo "in Mexico". Que herança bendita Dona Dilma herdou do "Deus" Lulla e, ainda por cima, diante do tsunami monetário, ela não parece estar atenta ao tsunami de desonestidade e criminalidade que assola o Brasil. Que outros deuses nos ajudem! Como o INSS me paga regiamente e ainda não tenho dívidas, tentarei agora trocar de carro para ajudar o Sr. Guido Mantega e usufruir o maravilhoso trânsito de São Paulo. Se não for possível, tentarei viajar para ajudar a Srta. Marta.

Eldo Amilcar Franchin eafranchin@uol.com.br

São Paulo

*

ÍNDIA E BRASIL

Estado, 10/10/2012. (Índia) Ministro da Agricultura do país, Sharad Pawar: "Alternar permissão e proibição de exportações e importações traz descrédito ao país. Chegou a hora de criar uma política de longo prazo, e estamos trabalhando nisso". Presidenta Dilma, alguma semelhança com a nova política automotiva?

Ulysses Fernandes Nunes Junior twitter: @Ulyssesfn

São Paulo

*

PRESENTE OU FUTURO?

O governo brasileiro tem adotado posições e ações que buscam apenas amenizar as condições atuais da economia, saúde e educação do povo brasileiro. A luta contra os juros e tarifas cobradas pelos bancos, controle mais efetivo sobre as operadoras de transmissão e geração de energia, bem como as operadoras de telefonia e planos de saúde são ações que realmente poderão trazer benefícios à população. A isenção e/ou redução de impostos para produtos como veículos, linha branca, móveis, tablets, da mesma forma, poderá ser benéfica para a população, além da geração e manutenção do emprego. Mas está claro de que nada está sendo feito para estabelecer um novo processo que resulte na conversão do País numa nação de futuro. Por que não se diminuem significativamente os tributos sobre os medicamentos? E os tributos sobre os livros? O bareteamento dos tablets, bem como a disponibilização em massa do acesso a internet, fará a educação dos nossos jovens melhor? Substituirá os mal pagos professores da rede pública de educação? Combatem a "rentabilidade" dos bancos (na maioria nacionais), mas aumentam a mesma "rentabilidade" das montadoras e outros produtores (na maioria multinacionais). Nada é feito com um planejamento de longo prazo. Tudo apenas para colher os frutos da próxima estação de uma árvore que, se não for bem cuidada, não gerará muito mais frutos, nem melhores, se sobreviver.

Valdir Christiano dos Santos valdir.christiano@hotmail.com

São Paulo

*

NEGATIVIDADES

O Brasil é sempre citado entre os primeiros países do mundo no que tange a negatividades, por exemplo: professores mal pagos, jornalistas em risco, combustíveis mais caros, juros mais altos, policiais executados, nível de contrabando, atividades de traficantes, leis arcaicas e brandas, cargas tributárias, políticos corruptos, etc., etc.

Angelo Tonelli angelotonelli@yahoo.com.br

São Paulo

*

TRIPÉ CAPENGA

Fomos brindados pelo colunista Celso Ming com uma interessante análise, despercebida no geral, no caderno Economia de 7/10 (Tripé capenga), que mostra com clareza a gradual desmontagem de políticas econômicas sólidas anteriores, baseadas em metas de inflação, câmbio flutuante e a responsabilidade fiscal, gerando um aumento progressivo de incerteza e a retração do investimento. Afinal, não são admitidos (pelo governo) o abandono de metas críticas, pois são descolamentos temporários?! Afinal, amanhã retomaremos o controle (segundo o governo). Há, de fato, um clima geral de desconfiança tomando corpo; nem o governo Dilma sabe o que fazer com as mudanças. Parece que o plano de poder e não de governo está e pelo vapor e, a meu ver, nunca existiu no PT, navegando outrora em águas tranquilas nos bons períodos é moleza, inclusive com recados e lições de administração aos outros países. Isso nos remete a uma piada executiva, onde o principal executivo ao assumir recebe três envelopes: na primeira crise, o recado "coloque a culpa no antecessor", na segunda crise, "proponha um novo plano de negócios e uma reengenharia"; na terceira crise: "faça três novos envelopes ao sucessor". Vamos ver em 2014!

Luiz A Bernardi luizbernardi@uol.com.br

São Paulo

*

SUFOCANDO A ECONOMIA

Apesar de a nossa carga tributária ter atingido inacreditáveis 37% do Produto Interno Bruto (PIB), o que inibirá nosso crescimento limitando-o a 2,5% ou 3%, Guido Mantega continua endurecendo e sufocando a economia, em prejuízo, principalmente, da empresa privada. Agora não quer permitir a atualização do limite de receita para as empresas do "lucro presumido", que ultrapassam 1 milhão. Falta de visão dado que um dos maiores entraves ao crescimento econômico é a política tributária, tanto extremamente pesada, comparando com países melhor administrados, quanto complexa e excessivamente trabalhosa, para o contribuinte. Única exceção foi a tímida diminuição de impostos para a indústria automobilística e alguns pequenos setores, que tem por objetivo evitar desemprego, o que seria um desastre político que o governo do PT busca evitar. Há no centro do poder uma tendência à expansão do estado na economia, como se observa nas concessões de aeroportos, em detrimento da empresa privada. Isso prejudica o sistema capitalista, que alias, é responsável pelo êxito de todas as nações ricas na atualidade. Não percebem também nossos governantes que o capitalismo fez mais pelo socialismo do que o socialismo que eles almejam.

Fabio Figueiredo fafig3@terra.com.br

São Paulo

*

INÉRCIA

Quando nos referimos ao custo Brasil, o custo da mão de obra e da carga tributária são frequentemente citados. Acima deles, porém, existe o custo de nossa cultura: o Brasil é, por tradição, um país lento e a longa discussão a respeito daqueles custos é a melhor prova. A dinâmica do País parece obedecer à primeira lei do movimento de Newton, o princípio da inércia, que em uma versão popular diz que, quando um gigante entra em movimento, ainda que lento e não acelerado, ele tende a permanecer em movimento.

Roberto Castro roberto458@gmail.com

São Paulo

*

MANTEGA E O PAPAI NOEL

"Dê-me um PIB de 4%?" "3,5%? Para que 3%, se 2,5% já é delírio?" "Sonha com 2%, reza para dar 1,5% e, se sobrar 1%, levanta as mãos para o céu, porque, se bobear, não lhe dou nem 0,5%!"

Stanislaw Cordeiro ratles2@hotmail.com

São Paulo

*

A SELIC CAIU, E DAÍ?

Sem desprezar mais esta redução da taxa básica Selic para 7,25%, ou, melhor enfatizando, uma queda de 5,25% em 12 meses, que ainda descontada a inflação, passamos a ter um juro real de 1,7%, um dos mais baixos dos últimos anos, perguntamos: como a gestão petista reage a este benefício, já que desde o início da série de reduções da Selic, pelo Banco Central, porque está se economizando somente em pagamentos de juros sobre o total da sua dívida pública algo próximo a R$ 50 bilhões ao ano?! Não é difícil responder, porque no lugar de tentar promover com eficiência a melhora da nossa caótica infraestrutura, como o das estradas, portos, aeroportos e ferrovias, este relapso governo torra essa dinheirama aumentando os gastos improdutivos, inflando a máquina publica, reajustes do funcionalismo, etc. É quadro é o mesmo de um cidadão que ganha uma fortuna na loteria, e desperdiça seus recursos nas boates, lojas de grife, viagens extravagantes, etc., e não aplica no mercado financeiro, e tampouco melhora seu patrimônio real que lhe permita a médio e longo prazo a multiplicação de suas riquezas. É exatamente isso que estamos assistimos, há dez anos com Lula e Dilma, que perderam o bonde da história porque nada investiram para que o crescimento do PIB brasileiro um dia venha ser sustentado. Outro exemplo claro para ilustrar essa maneira retrógrada do petismo governar, é que esta gente administra o País, da mesma forma que um empresário, satisfeito com seu faturamento, se acomoda, não investe no aprimoramento de sua mão de obra, e em novas tecnologias, e na sequência cai a produtividade, a capacidade de concorrer no mercado, perde a clientela, e fica no ostracismo. É o que acontece hoje no Brasil, que vai no mesmo e perverso caminho! O governo estimula o consumo com mais crédito, dá umas vantagens a setores amigos, desfila na mídia como no melhor dos mundos, e nós amargamos seguidos PIBs, medíocres de 2,7% em 2011, e provável 1,4% neste ano. E com a Dilma desesperada, ao mesmo tempo em que, mal digere a condenação de seus camaradas da quadrilha do mensalão no Supremo, de forma inconstitucional ainda quer diminuir o custo de energia para população, quebrando contratos com as concessionárias de energia, e faz afugentar investidores! É bom afirmar que a Selic sozinha não faz chover, e nem proteger a economia, porque o guarda chuva do governo está furado...

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

*

DÍVIDA PÚBLICA

Quem precisa de padrinho tem liberdade de ação?

Helena Rodarte Costa Valente helenacv@uol.com.br

Rio de Janeiro

*

CRÉDITO FÁCIL E DESEMPREGO

A facilidade de crédito e empréstimos dos bancos oficiais, a juro subsidiado, incentivados pelo próprio governo, são as causas da alta rotatividade no mercado de trabalho. Empregados endividados e sem condições de pagar as prestações, provocam os empregadores para que sejam demitidos. Com o dinheiro pagam as prestações atrasadas e em seguida passam a receber o seguro-desemprego. Parte então para a informalidade. Esta "ciranda" deve durar algum tempo. O próximo capítulo baixa a rotatividade e aumenta a inadimplência. Quanto ao governo, 500 mil ou 1 milhão de pedidos de seguro-desemprego nada representa. Na crise dos Estados Unidos, perguntavam ao presidente Barack Obama se ele não estaria preocupado com o alto número de seguro-desemprego, ele respondeu "pois é o dinheiro que mais rápido retorna ao governo". Daí, então, taxar as empresas?

Laert Spagno Garcia laert.guernsey@gmail.com

Pouso Alegre (MG)

*

EQUILÍBRIO FISCAL DO BRASIL

O Fundo Monetário Internacional (FMI), liberto da injunção de economias fortes enfraquecidas, compara positivamente a situação fiscal brasileira, como relatou O Estado. Para arrimar esse equilíbrio, temos como importantes, entre outras medidas mais polêmicas: 1) rever os procedimentos de aportes da União ao Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e de seus empréstimos, com conhecidos prejuízos ao Tesouro da União; e 2) expungir da agenda o projeto do trem-bala Rio de Janeiro-Campinas, que só permanece para agradar o padrinho da presidente.

Amadeu R. Garrido de Paula amadeugarridoadv@uol.com.br

São Paulo

*

BURACO

Apagão atrás de apagão, PIB caindo a cada mês, inflação subindo mensalmente, cesta básica cada vez mais cara - a pior é no Rio Grande do Sul, (des)governado pelo PT. 6 mil soldados do Exército/Marinha para manter a ordem nas eleições do Rio de Janeiro, superávit da balança comercial péssimo, e ella vem meter o bico em São Paulo? Todavia, a manutenção de Guido Mantega estará garantida, igualmente a de Pimentel. E nosso país, cada vez mais indo para o buraco. Acorda, Brasil!

Antonio Carelli Filho palestrino1949@hotmail.com

Taubaté

*

GOVERNAR PARA OS POBRES

O que o governo federal, da marionete Dilma e do poderoso chefão Lula, tem a dizer sobre o aumento do desmatamento em 240% na região amazônica, do aumento do número de apagões em todo o País, aumento em mais de 300% da violência, do aumento do analfabetismo e da evasão escolar e da queda no número de leitos hospitalares e da falta de atendimento médico em toda a Nação? Isso é governar para os pobres?

Luiz Claudio Zabatiero zabasim@ig.com.br

São Paulo

*

ÍNDIO NÃO QUER APITO

O projeto da megausina hidrelétrica de Belo Monte, no Pará, está em parte paralisado com a invasão de pouco mais de uma centena de indígenas, pescadores e agricultores. A obra tem o valor total de R$ 25,8 bilhões, e está empregando 13.500 pessoas. No ano que vem devem ser 23 mil operários. A advogada Maria Irigaray, ligada à ONG Amazon Watch e que está apoiando o movimento, afirma que os acordos feitos pelo governo não foram cumpridos. Já não é a primeira vez que os indígenas paralisam as obras, numa flagrante evidência de que a administração do projeto é falha e as condições para que a hidrelétrica seja construída não foram cumpridas. Um manifestante em nota do Movimento Xingu Vivo afirma que a Ilha de Pimental está destruída, "só é árvore no chão e a água está podre". A Norte Energia, responsável pela usina, afirmou que vai entrar na justiça com pedido de reintegração de posse do Sítio Pimental. As questões ecológicas envolvendo esses projetos no Norte são de extrema importância para a sustentabilidade do progresso daquela região Norte e do Nordeste. Dilma chama as interrupções de energia do governo FHC de apagões. Já os apagões no seu governo foram resolvidos com um golpe de semântica, são "desligamentos preventivos".

Jair Gomes Coelho jairgcoelho@gmail.com

Vassouras (RJ)

*

OS ALGOZES DE MALUF

Vejam só como o mundo dá voltas. O deputado federal Paulo Maluf (PP-SP) terá de devolver R$ 21,315 milhões aos cofres municipais até este mês, por decisão da Justiça. Será? Em 1996, os petistas José Eduardo Cardozo (Justiça), Devanir Ribeiro e José Mentor, ambos do diretório nacional, o vereador José Américo e os deputados Carlos Zarattini e Adriano Diogo, moveram uma ação por improbidade administrativa, pois faziam oposição à Maluf. Quis o destino que os algozes de Maluf no passado, estivessem hoje de braços dados com o ex-prefeito e atual deputado federal, na briga pela eleição de Fernando Haddad à Prefeitura de São Paulo. Quem não se lembra da foto histórica de Lula no jardim da casa de Maluf? Como se vê, o que foi dito no passado hoje não passa de intrigas bobas que foram esquecidas não só pelos petistas, mas também pelos eleitores que aceitam qualquer coisa para eleger um candidato. É a tal governabilidade garantindo a permanência no poder. Pobre Brasil!

Izabel Avallone izabelavallone@gmail.com

São Paulo

*

LIVRE, LEVE E SOLTO

Cumprimento a Justiça paulista pela condenação do ex-prefeito de São Paulo Paulo Maluf a devolver R$ 21,3 milhões aos cofres públicos, pelo escândalo dos precatórios. Essa decisão resgata a credibilidade do Judiciário e mostra que o Brasil não precisa ser o país da corrupção e da impunidade. Felizmente, ainda temos bons juízes no Brasil. Porém, é inacreditável que Maluf exerça mandato como deputado federal, tenha certa influência política e, sobretudo, que ainda esteja livre, leve e solto, apesar de tudo que fez contra os cofres públicos.

Renato Khair renatokhair@uol.com.br

São Paulo

*

ELEIÇÕES - SEGUNDO TURNO

O ex-presidente Lula tem feito papel de cabo eleitoral raivoso, tentando desconstruir a imagem de José Serra em São Paulo. Que postura lamentável para um ex-comandante do Brasil. O mais interessante é que os condenados pelo Supremo Tribunal Federal (STF) no processo do mensalão são todos da cúpula do PT e à época do mensalão faziam parte do governo do Sr. Lula. Todos se declaram inocentes e indignados. Poupem os brasileiros desse discurso vazio e enganoso! Não dá para enganar todos o tempo todo! E agora, querem se estabelecer em São Paulo através da eleição do Sr. Fernando Haddad, que dispensa maiores comentários. Os verdadeiros paulistanos não vão permitir tamanha irresponsabilidade. Não se vota em partidos, e, sim, em pessoas comprovadamente honestas e competentes. Ainda há tempo de acordar. Quem ama São Paulo não vai querer sua cidade, durante quatro anos, nas mãos dessas pessoas.

Sergio Eduardo Stempniewski sergueistemp@uol.com.br

São Paulo

*

SALVEM-SE, PAULISTANOS!

O condenado José Dirceu disse, em reunião do PT, que "o importante é ganhar as eleições", e que só vai "lutar" contra a sua condenação após o segundo turno, para não atrapalhar. Como se vê, o chefe da quadrilha continua atuante no comando do Partido. Este é Dirceu; este é o PT! Salvem-se, paulistanos!

Maria Cristina Rocha Azevedo crisrochazevedo@hotmail.com

Florianópolis

*

O CONSELHO DE UM CORRUPTO

Li estarrecido, que o Sr. José Dirceu, pessoa condenada por corrupção ativa pelo Supremo, recomendar que a "prioridade é vencer o 2.º turno" para a Prefeitura de São Paulo. Será que nós, paulistanos, vamos acatar um desejo de um condenado por corrupção, que quer nos impor um candidato medíocre que nada fez no Ministério da Educação, em detrimento de um candidato que é um hábil administrador (já comprovado diversas vezes)? Acorda, São Paulo, não se deixe enganar por quem não tem autoridade moral para nos pedir nada.

Sergio B. Penteado penteado.sergio@ig.com.br

São Paulo

*

DIRCEU LUTA POR HADDAD

Muito edificante a preocupação de José Dirceu com a candidatura de Haddad. Mesmo às vésperas de ir para a cadeia, Dirceu se mostra preocupado com o futuro de sua quadrilha criminosa, que sempre sonhou em dominar São Paulo. O PCC terá muito o que aprender com Zé Dirceu na cadeia, mas ele também poderá aprender alguns truques com seus novos companheiros.

Mário Barilá Filho mariobarila@yahoo.com.br

São Paulo

*

E AINDA QUEREM QUE ACREDITEMOS?

Governa há dez anos e se aliou ao que há de pior na política brasileira (Sarney, Renan, Collor, Jader, etc.); foi pego com dólar na cueca, praticou evasão de divisas para pagar o marqueteiro, confessou caixa dois, pediu desculpas pela corrupção e se "indignou" com a traição; indicou 8 dos atuais 10 ministros do STF e ainda querem posar de vítimas e mártires, acusando a imprensa e forças políticas de oposição totalmente anuladas por si mesma. Afirmam que o partido resolveu ajudar seus adversários sem querer nada em troca?

Luiz Nusbaum lnusbaum@uol.com.br

São Paulo

*

INDENIZAÇÕES

Com Dirceu e Genoino revoltados com suas condenações pelo STF, Eduardo Suplicy chorando em plenário e Gilberto Carvalho sofrendo dores lancinantes, só falta ao PT pedir (e o governo conceder) novas e milionárias indenizações aos réus do processo do mensalão!

Paulo Cesar Silveira de Toledo paulocesartoledo@gmail.com

Santana de Parnaíba

*

A DOR DE GILBERTO CARVALHO

Entendo a dor que Gilberto Carvalho sente, pois ele acredita piamente que José Dirceu foi apenas o subchefe da quadrilha e não sabe quem foi o chefe, ao contrário de 99,9% dos cidadãos deste país, que sabem. Você, caro leitor do nosso Estadão, arriscaria um palpite? Quem foi o chefão do mensalão? Quero saber, pois, afinal, eu faço parte dos 0,1% dos "bobinhos desinformados" que não sabem...

Paulo Sérgio Pecchio Gonçalves ppecchio@terra.com.br

São Paulo

*

ESCOLHA DO PAULISTANO

Para entender o mensalão: o eleitor escolhe um candidato de bom conceito. Aí vem o PT e compra o eleito para votar de outro jeito... É ou não é um desrespeito? O PT não tem esse direito!

Gilberto Dib gilberto@dib.com.br

São Paulo

*

MENSALÃO NO DISCURSO

José Serra não deve esquecer que os paulistanos já elegeram Jânio, Erundina, Martaxa, Maluf, Pitta e que, agora, podem colocar lá um filhote do mensalão, cujo padrinho, Lula, é o capo da Ação Penal 470, que transcorre no STF. Deve também deixar bem claro para Aécio Neves e sua tropa do PSDB que, se não tomar posse no Palácio Anchieta, Aécio não sobe a rampa do Palácio do Planalto.

José Francisco Peres França josefranciscof@uol.com.br

Espírito Santo do Pinhal

*

FORA DE CENA

Aviso aos petralhas: vocês podem até ganhar alguma eleição ainda graças aos bolsas esmolas distribuídos aos seus eleitores, mas fiquem espertos, porque de hoje em diante os políticos que saírem da linha, com certeza, sairão de cena, cassados e processados. O povo está acordando, a imprensa livre está denunciando e a justiça está punindo.

Renato Jose Aldecoa renatoaldecoa@hotmail.com

Socorro

*

GABINETE MENSALEIRO

Felizmente e principalmente aqui, em São Paulo, todos os eleitores deveriam ler o caderno do Estadão sobre o mensalão, para evitar que não seja eleito o Sr. Haddad para a Prefeitura, uma vez que o mesmo poderia indicar para a Secretaria de Finanças o Sr. José Dirceu, para a Secretaria de Planejamento o Sr. Genoino e para a Secretaria de Propaganda o Sr. Marcos Valério, pois a população de São Paulo não merece.

Carlos Alberto Ruban carlosruban@terra.com.br

São Paulo

*

POLITICAGEM

Que governo é este? Por apoio a Haddad em São Paulo, Gabriel Chalita poderá receber um ministério? A administração Dilma, ao que parece, está fazendo de seu governo um verdadeiro balcão de negócios. Um pouco mais de respeito ao cidadão brasileiro, dona Dilma. A senhora foi eleita para cuidar dos negócios do País, não, a todo momento, empreender negociatas políticas.

Francisco Zardetto fzardetto@uol.com.br

São Paulo

*

MINISTÉRIO VIROU BOQUINHA

E lá se vai mais um ministério! O PT continua sucateando o governo. Ministério = moeda de compra de apoio. É uma vergonha! Conseguiram banalizar o cargo de ministro. Antigamente era um cargo de respeito, hoje em dia é só mais uma "boquinha". E assim lá vamos nós. Só espero que isso não acabe com São Paulo também... Nós não merecemos.

Maria Isabel Pinheiro belpinheiro@hotmail.com

São Paulo

*

NOVA MOEDA

Comprovando, mais uma vez, que a corrupção faz parte de seu DNA, agora o PT tenta acelerar a implantação de nova moeda corrente no Brasil. Chama-se "Ministério". Dona Dilma, por se dispor a efetuar pagamentos com a novidade, deveria ser condenada por corrupção ativa. Dona Marta e Chalita (caso aceite o pagamento), por corrupção passiva. Nunca a máquina pública gastou tanto para falsear o resultado de uma eleição.

Nelson Penteado de Castro pentecas@uol.com.br

São Paulo

*

NA MARGEM DO ERRO

As pesquisas eleitorais não são probabilísticas. A necessária rapidez de execução e divulgação dos resultados exige a adoção do método de "amostragem por cotas" que, embora seja um método antigo e consagrado pela experiência, não permite o cálculo de margem de erro. A discrepância de resultados eventualmente observados não invalida o método, mas não se deve vender "gato" como sendo "lebre". As margens de erro anunciadas são apenas uma referência adotada por analogia.

Rogerio Belda rbelda@terra.com.br

São Paulo

*

VOTOS BRANCOS E NULOS

Ao sugerir voto nulo ou em branco aos seus eleitores, Celso Russomanno mostrou seu rancor, pequenez e total incapacidade de querer governar a cidade de São Paulo. É bom lembrar ao Sr. Russomanno que não querer votar é um direito seu, mas querer impor isso aos outros é burrice. Quem não quer participar não tem direito posterior de opinar e muito menos de reclamar, pois quando teve a oportunidade se acovardou.

José Thomaz Filho thomaz.filho@terra.com.br

São Paulo

*

RECADO AO RUSSOMANNO

Seu espírito de cidadania e patriotismo foi desmascarado ao pedir votos brancos ou nulos ao povo paulistano.

Ivany S. Cavellucci icavellucci@yahoo.com.br

São Paulo

*

O MENSALÃO DA COPA

Nem todos os vereadores da Câmera Municipal de São Paulo sabem ou ao menos mostraram que não sabem a sua real função. Em tese seria fiscalizar os gastos do prefeito e trabalhar em pro dos munícipes, apresentar e aprovar projetos que visem a melhorar a vida da população, uma vez que em resumo os vereadores nada mais são do que funcionários da população já que eles vereadores são eleitos pelo o povo e tem um bom salário e, verba de mais de R$ 100 mil ao mês para contratar pessoas sem concurso publico (câncer brasileiro) tudo isso e claro pago pelo o contribuinte. Nesta eleição houve vários vereadores se gloriando falando que trabalhou muito pelo o esporte e para São Paulo receber a Copa do Mundo, uma verdadeira farsa, a verdadeira verdade: estes vereadores doaram mais de meio bilhão para construir o estádio do seu clube de coração na zona leste de São Paulo e agora eles falam que tudo foi em prol da população de São Paulo quando, na verdade e para os torcedores corintianos da qual eles vereadores que votaram a favor fazem parte. Os vereadores que votaram contra a doação de recursos públicos para tal obra não são bem-vindos na mesma. Ontem e hoje. Se não fosse Jânio Quadros, simplesmente o estádio do São Paulo Futebol Clube seria hoje no Parque do Ibirapuera, este também se tornou inimigo numero um dos diretores do São Paulo Futebol Clube (SPFC). Isso só mostra o tamanho do prejuízo de que quando pessoas que deveriam trabalhar para a sociedade trabalha para desviar verba pública para aumentar o patrimônio de clube uma verdadeira vergonha. Atenção, Ministério Público, está na área o mensalão da Copa.

Paulo Rodrigues de Moura paulorodriguesmoura@hotmail.com

São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.