Fronda empresarial, o Brasil precisa de uma

Fernand Braudel, o historiador conhecido por seus estudos sobre a evolução das economias de mercado e sobre a expansão do capitalismo - não confundir as duas coisas, este último é apenas uma, ainda que a mais importante, das formas assumidas pelas primeiras -, alertava para uma situação bastante frequente nas interações dos capitalistas com os donos do poder, representados pelos soberanos, em suas diversas modalidades: reis, príncipes, duques, arrivistas armados, condottieri. Tratava-se da colusão entre o dinheiro e o poder para mútuo benefício de ambos, em detrimento dos cidadãos, dos súditos, de todos os pagadores de impostos. Na época por ele estudada, os capitalistas eram geralmente mercadores e banqueiros - não aqueles industriais de cartola e charuto que só surgiriam depois de bem implantada a Revolução Industrial -, mas a realidade permanece a mesma, em todas as épocas e todos os lugares.

Paulo Roberto de Almeida, O Estado de S.Paulo

10 Agosto 2014 | 02h04

Os criadores primários de renda e riqueza compram a simpatia dos fazedores de leis e de regras para que estes "fechem" os mercados de maneira a elevar a taxa de retorno das atividades em que os primeiros se encontram engajados, seja no setor produtivo de manufaturas, seja nas intermediações comerciais e financeiras. Acontece também de o príncipe querer consolidar o seu poder, para afastar eventuais concorrentes, passando a adiantar esses favores aos agentes econômicos em troca do financiamento adequado para, justamente, reforçarem o seu monopólio sobre o poder político. Alguma semelhança ou coincidência com o que ocorre hoje no Brasil? Provavelmente, mas o cenário não é exclusivo do nosso país ou da nossa época. Ele é sustentável, aceitável, moralmente justificado, defensável do ponto de vista dos interesses da comunidade?

No limite, esse tipo de relação espúria entre detentores do poder político e criadores da riqueza primária pode levar a uma exacerbação da exação fiscal e a uma deterioração geral das instituições de comando na sociedade, alimentando corrupção, irracionalidades econômicas, inércia gerencial, falta de inovação e descrédito geral dos cidadãos (de preferência a súditos) quanto ao funcionamento da administração pública. Não parece difícil prever a perda de dinamismo na economia e uma descrença geral na legitimidade da representação cidadã, podendo redundar em acirramento dos conflitos políticos. Estaria ocorrendo isso no Brasil atual? Alguma surpresa quanto ao cenário?

Imagino que todos aqueles capitalistas - já sem cartola ou charutos - e todos os banqueiros, e seus lobistas profissionais, que circulam na capital da República de modo contínuo já estejam cansados de todas essas petições que são obrigados a fazer, regularmente, para tentar melhorar, um pouco que seja, o seu ambiente de negócios e para tentar preservar, uma parte que seja, os resultados de suas respectivas atividades produtivas da sanha dos fiscais da Receita e da selva de novos regulamentos que legiões de burocratas setoriais despejam todos os dias sobre eles. Todos os mandarins da nossa República estão empenhadíssimos em construir um Brasil melhor para todos e por isso precisam retirar os recursos de alguma parte, onde eles estão: nos caixas das empresas e nos bolsos dos cidadãos de classe média, simples trabalhadores indefesos.

Por que será que os nossos capitalistas - industriais, agrícolas e de serviços -, aparentemente tão robustos e tão conscientes da riqueza que geram em benefício da sociedade, resolvem dobrar-se a partidos políticos, entregar a eles uma parte dessa riqueza criada com o suor do seu rosto (enfim, a maioria, uma parte se encosta nos empréstimos do BNDES), decidem submeter-se a políticos notoriamente incompetentes e aceitam, além disso, fazer a via-crúcis a Brasília para pedir favores aos governantes? Para mim é um mistério, mas provavelmente tem que ver com a constituição do próprio capitalismo no Brasil, sempre embalado nos braços do Estado, alimentado no leite generoso dos subsídios e da proteção oficial, enquadrado por burocratas eficientes na regulação setorial e na captura de benefícios associados e continuamente mantido sob rédeas curtas por esse mesmo Estado, onipotente, nem sempre onipresente, mas certamente perseguindo como uma sombra o itinerário das riquezas criadas pelos capitalistas em seus afazeres cotidianos.

Se esses capitalistas lessem os livros de História saberiam que os países que alcançaram patamares significativos de prosperidade material e de bem-estar coletivo foram os que mais souberam defender as riquezas privadas da cobiça de aventureiros improvisados e de soberanos instalados. Para isso os barões e os burgueses de outros séculos tiveram de decapitar, guilhotinar ou exilar alguns dos que tentavam assenhorear-se de uma parte desproporcional da sua riqueza. A condição essencial dos progressos materiais está justamente na defesa da propriedade, e foi essa defesa que garantiu a pujança das economias de mercado que puderam dispor, paralelamente, de Estados contidos pela sociedade em face de soberanos tendencialmente autocráticos. A despeito de outras evidências históricas, e do que possa ter dito Fernand Braudel, esses fatos também fazem parte da História.

Foram essas frondas que permitiram a acumulação de riqueza e o bem-estar de capitalistas e trabalhadores. Malgrado tentativas de "pikettyzação" do debate - uma transpiração estatística para provar que a acumulação se dá em detrimento da maioria e em favor de uma minoria -, o fato é que as sociedades ficaram mais ricas lá onde a liberdade econômica foi a mais ampla; a emergência de um punhado de superbilionários jamais impediu a formação de novas fontes de riqueza, ao contrário, até estimulou outros que também buscavam essa condição. Que tal uma fronda no Brasil?

PAULO ROBERTO DE ALMEIDA É DIPLOMATA E PROFESSOR UNIVERSITÁRIO (WWW.PRALMEIDA.ORG; DIPLOMATIZZANDO.BLOGSPOT.COM)

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.