Mais pobres no mundo rico

Piores do que esperavam os economistas e o governo, os números sobre a redução da renda média das famílias americanas, e o consequente aumento do número de pobres no país, reforçam os temores de que a economia dos Estados Unidos poderá levar muito tempo para atingir um ritmo de crescimento capaz de melhorar a vida da população.

, O Estado de S.Paulo

19 Setembro 2011 | 00h00

É uma má notícia para todos, especialmente para o presidente democrata Barack Obama, que, além da queda da popularidade, enfrenta grandes dificuldades para fazer avançar no Congresso suas propostas para o enfrentamento da crise econômica. Mas, paradoxalmente, pode facilitar as ações da Casa Branca, na medida em que as evidências do impacto da crise sobre a vida de um número cada vez maior de americanos forem capazes de reduzir as resistências da oposição republicana à adoção de providências urgentes.

Dados divulgados pelo Escritório do Censo dos EUA mostram que, em 2010, a parcela de americanos vivendo abaixo da linha de pobreza atingiu seu maior nível desde 1993 - 15,1% da população - e, em números absolutos, foi o maior da história: 46,2 milhões de pessoas, bem mais do que os 43,6 milhões (14,3% da população) que viviam na pobreza em 2009.

Para economistas e membros do governo, a recessão americana que se seguiu à crise global de 2008 terminou há pouco mais de um ano (em julho de 2010), mas as estatísticas do Censo dos EUA mostram que, para milhões de americanos, esse fato, se teve algum efeito em suas vidas, foi para pior. No ano em que a economia superou o pior da crise, mais 2,6 milhões de pessoas se tornaram pobres.

Na média, todos os americanos perderam renda no ano passado, na comparação com 2009. A renda familiar média no fim de 2010, de US$ 49.445 para uma família de quatro pessoas, foi 2,5% menor do que a de um ano antes. Em valores reais, a renda média de 2010 está US$ 6.000 abaixo da registrada em 2000.

Nos EUA, são consideradas pobres as famílias de quatro pessoas com renda anual abaixo de US$ 22.113. É tentador comparar esse valor com os critérios utilizados no Brasil para a definição de pobreza. O limite americano equivale a cerca de R$ 38.000, ou a uma renda familiar mensal média de aproximadamente R$ 3.170, ou pouco mais de R$ 790 por pessoa. Esse valor é mais do que o quíntuplo do valor utilizado pelo governo brasileiro para definir pobreza. Mas, se forem considerados os custos com que arcam os americanos para comer, estudar, vestir, locomover-se e, sobretudo, morar, entre outras despesas típicas de uma família e que são muito maiores do que no Brasil, a diferença ficará compreensível.

Há um aspecto particularmente nocivo no aumento da pobreza nos EUA. O problema afeta mais agudamente os adultos jovens, que representam o futuro do mercado de trabalho. De 2007 até agora, o número de jovens adultos que, por falta de oportunidades de trabalho, continuam a morar com suas famílias aumentou 25%. Quando se considera não a renda familiar dividida pelo número de pessoas que moram com eles, mas sua renda individual, observa-se que 45% desses jovens ganham menos do que a linha de pobreza para um adulto sozinho.

Na segunda-feira, o presidente Barack Obama apresentou ao Congresso seu plano de recuperação econômica, com investimentos e benefícios fiscais que totalizam US$ 447 bilhões, para estimular o consumo, gerar empregos e reativar a produção industrial. Mas a bancada republicana ainda resiste a detalhes do plano, especialmente os que implicam aumento de impostos.

É possível que os novos dados sobre a queda da renda média dos americanos no ano passado sensibilizem mais congressistas e facilitem a votação do plano de Obama. Mas, diante da feroz resistência da facção republicana radical Tea Party, às iniciativas de Obama para enfrentar a crise, a proposta pode perder consistência e transformar-se em novo pretexto para a oposição acusar o governo de responsável pela crise e de incompetente para conter seus efeitos sobre a economia e a vida dos americanos. Se isso acontecer, o que está ruim, ainda pode piorar, antes de começar a melhorar.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.