1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Maus sinais nas contas externas

O Estado de S.Paulo

25 Junho 2014 | 02h 07

O comércio exterior vai mal, a exportação continua emperrada e o Banco Central (BC) diminuiu de US$ 8 bilhões para US$ 5 bilhões o saldo comercial projetado para este ano. Além disso, o investimento estrangeiro direto, US$ 66,53 bilhões nos 12 meses terminados em maio, continua insuficiente para cobrir o buraco na conta corrente do balanço de pagamentos, US$ 81,85 bilhões no mesmo período. Nem os comentários mais otimistas do chefe do Departamento Econômico do BC, Túlio Maciel, tornaram o quadro menos feio. O financiamento do déficit, segundo ele, continua confortável. A parcela coberta pelo investimento direto, acrescentou, "continua sendo de 80%". Mas há dois anos esse tipo de recurso era mais que suficiente para compensar o rombo. O cenário piora e, na falta de solução mais satisfatória, o discurso se adapta às novas circunstâncias.

Para o ano, o BC mantém a projeção de um déficit de US$ 80 bilhões em conta corrente. Para o investimento direto a expectativa é de US$ 63 bilhões. A diferença será coberta, como no ano passado, por outras aplicações, mais especulativas, mais instáveis e, portanto, menos seguras.

O quadro seria ruim mesmo sem a perspectiva de um mercado financeiro menos favorável. A redução de incentivos monetários pelo Federal Reserve (Fed, o banco central americano) já afeta as condições internacionais de crédito e encarece o capital. Além disso, juros mais altos têm geralmente como contrapartida preços menores para as commodities. Também esse efeito é prejudicial ao comércio exterior brasileiro, muito dependente de exportações de produtos básicos.

O efeito dessa queda de preços foi mencionado pelo economista Túlio Maciel na entrevista sobre as contas externas de maio. Apesar da menor receita de exportação, o déficit comercial diminuiu no mês passado e o saldo ainda poderá melhorar nos próximos meses. Mas nem essa expectativa reflete, de fato, uma visão mais positiva das condições econômicas do País.

A revisão do saldo comercial projetado para 2014 envolveu mudanças tanto da receita quanto da despesa. O valor esperado para a exportação passou de US$ 253 bilhões para US$ 245 bilhões, enquanto o gasto previsto com a importação diminuiu de US$ 245 bilhões para US$ 240 bilhões. Trata-se, portanto, de uma redução da corrente de comércio.

Essa redução é atribuída tanto às condições do mercado internacional, com preços menores para as commodities, quanto à deterioração da economia interna. O crescimento menor, no Brasil, tem contribuído para conter o déficit nas transações externas, observou o economista. Esse efeito é visível tanto na redução das importações de bens quanto na diminuição dos gastos com os serviços de transportes - em linha, segundo ele, com o menor fluxo comercial.

Em outras palavras: o baixo nível de atividade tem freado as importações de mercadorias e os gastos com certos serviços. De janeiro a maio o valor exportado, US$ 90,06 bilhões, foi 3,46% menor que o de um ano antes. A despesa com importação, US$ 94,92 bilhões, foi 3,80% inferior à dos meses correspondentes de 2013.

No primeiro trimestre, o Produto Interno Bruto (PIB) foi apenas 0,2% maior que nos três meses finais do ano passado e isso, de acordo com o chefe do Departamento Econômico do BC, ajudou a reduzir o desequilíbrio comercial. Faltou dizer: a estagnação econômica está gerando, nas contas externas, um efeito semelhante àquele provocado intencionalmente por um ajuste recessivo.

Mas políticas de ajuste são aplicadas intencionalmente e a recessão é um custo previsível. No caso atual, o crescimento quase nulo é consequência de erros cometidos pelo governo. Uma política consciente de ajuste serviria também para derrubar a inflação. No Brasil, a alta de preços continua resistente, nem o BC prevê a convergência para a meta, 4,5%, nos próximos 12 meses.

Nesse quadro, até a lenta melhora do saldo comercial soa como notícia ruim: é mais um sintoma de uma economia cada vez mais frágil e desarticulada, produto de uma longa acumulação de erros políticos.

  • Tags:

Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo