O injustiçado

A julgar pelo que disse em depoimento aos integrantes das Comissões Parlamentares de Inquérito da JBS e do BNDES, Wesley pretendia ser considerado um herói nacional por ter delatado políticos em geral

O Estado de S.Paulo

13 Novembro 2017 | 03h04

O empresário Wesley Batista, sócio da JBS, se sente injustiçado. A julgar pelo que disse em depoimento aos integrantes das Comissões Parlamentares de Inquérito da JBS e do BNDES, Wesley pretendia ser considerado um herói nacional por ter delatado políticos em geral, e sugeriu que sua atual situação – está preso e seu acordo de delação foi suspenso – se deve ao fato de que o Brasil, confrontado com a realidade da corrupção, preferiu punir quem a expôs, e não os corruptos.

Tal desfaçatez só se tornou possível graças ao discurso salvacionista de uma parte do Ministério Público e do Judiciário, gente que se organizou numa força-tarefa disposta a denunciar todos os políticos como ladrões e o atual Congresso como a representação do mal. Esperto, Wesley – assim como já havia feito seu irmão Joesley – entreviu ali a oportunidade de reivindicar um lugar nessa hoste moralista, transformando-se de criminoso confesso em campeão da justiça.

“Obrigado pela oportunidade. Senhores congressistas, gostaria, antes de mais nada, de aproveitar essa oportunidade para dizer que não me arrependo de ter decidido colaborar com a Justiça brasileira”, disse Wesley no início de seu depoimento, que se resumiu a esse pronunciamento, pois se recusou a responder às perguntas. Já ali ficava claro o tom do resto do discurso, em que o empresário se comportou como sofrido mártir da luta anticorrupção.

Primeiro, Wesley afirmou que “não é uma decisão fácil” tornar-se delator. “Não tínhamos noção do quanto isso afetaria nossa vida, de nossa família e de nossos filhos”, declarou o empresário, acrescentando que sentiu medo e solidão. É como se a delação fosse um ato de coragem, e não a consequência de um acordo em que o delator busca reduzir a pena por crimes que confessa e, no caso dos irmãos Batista, os crimes somam mais de duas centenas, mas, graças à incrível benevolência do então procurador-geral da República, Rodrigo Janot, os empresários, de início, escaparam de qualquer punição em troca do que disseram.

Wesley está preso desde setembro sob acusação de usar informação privilegiada para ganhar dinheiro no mercado – e a informação privilegiada que detinha era justamente a delação que ele e o irmão haviam feito, cujo conteúdo, envolvendo o presidente Michel Temer, uma vez vazado para a imprensa, causou tumulto nas bolsas. Além disso, seu acordo de colaboração foi suspenso porque surgiram evidências de que os delatores haviam omitido informações em seus depoimentos. Diante desses dissabores – que incluem ainda a prisão de Joesley –, Wesley afirmou que, agora, descobriu que a delação “é um processo imprevisível e inseguro para quem decide colaborar”. A queixa mostra que o empresário realmente apostava na prometida impunidade. Mas ele acrescentou que, apesar dos percalços, continua “acreditando na Justiça brasileira”, isso é, ainda espera ganhar a liberdade que julga merecer por se considerar parte da cruzada contra a corrupção.

“Acredito que estamos vivendo agora um imenso retrocesso daquilo que esperávamos ser um profundo processo de transformação do nosso país”, discursou Wesley, confirmando sua expectativa de ser reconhecido não como um simples delator, mas como um dos protagonistas desse “processo de transformação”. Foi então que, para pasmo geral, ele denunciou a injustiça de que estaria sendo vítima: “As delações dos últimos anos fizeram o País se olhar no espelho, mas, como ele não gostou do que viu, o resultado tem sido este: colaboradores presos e delatados soltos”.

Para esse delator – criminoso confesso e empresário de muito sucesso principalmente graças às privilegiadas relações com os governos petistas, marcados pela corrupção –, o Brasil é um país de corruptos, e pretende continuar a sê-lo, pois se recusa a encarar a corrupção de frente.

De certa maneira, Wesley Batista reproduziu em suas palavras o pensamento dos procuradores e juízes que passam dia e noite a denunciar o caráter quase natural da corrupção no País, do qual estão a salvo apenas – obviamente – eles mesmos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.