Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Opinião » O povo não é bobo

Opinião

O povo não é bobo

O fiasco dos 13 anos de PT no poder, em especial dos últimos 5 sob Dilma Rousseff, pode ser resumido num dado: 82% dos brasileiros acham que o País está no rumo errado. Esta é a conclusão da pesquisa feita pelo Ibope com exclusividade para a coluna de José Roberto de Toledo no Estado. O índice deixa claro que o governo eleito por apertada maioria há 14 meses e empossado há pouco mais de um ano está “na contramão” das expectativas e necessidades, como escreveu Toledo, de muitas dezenas de milhões de brasileiros. É o maior índice de frustração da população desde o início da era petista.

30 Janeiro 2016 | 02h55

Tal avalanche de decepções torna inócuo o marketing oficial, que continua apostando na credulidade de uma população que o governo do PT supõe contentar-se com mensagens de otimismo e fé. Se tivesse capacidade de percepção e autocrítica, a presidente da República já teria entendido que promessas genéricas, ainda que embaladas por boas intenções, só servem para alimentar seu descrédito. E, à medida que se repetem sem que tenham correspondência com a realidade, tendem a irritar e até a indignar cidadãos vitimados pela inércia, pelos desmandos e pela incompetência da chefe de um governo que, pelo que fez e pelo que deixou de fazer, entrará para a História como tão inepta como “nunca antes na história deste País”.

A corrosão da credibilidade do governo expressa nos números da pesquisa tem suas causas numa realidade visível e nítida para todos os brasileiros – ou quase todos, pois, neste caso, Dilma é exceção. Ela se diz “estarrecida” com as previsões de mais recessão feitas pelo Fundo Monetário Internacional (FMI), que previu queda da economia brasileira também em 2016 e a retomada do crescimento somente em 2017. Mais ainda, o FMI advertiu que a piora na economia brasileira pesará sobre toda a economia mundial. Diante de notícias como o 1,54 milhão de desempregados a mais em 2015, a alta do dólar para mais de R$ 4,00, a tríplice epidemia disseminada pelo Aedes aegypti e outras mais, qual cidadão não se “estarreceria” com a insensibilidade desta presidente incapaz de enxergar o próprio desastre?

Diante do contraste entre a dura realidade e a incapacidade de Dilma de enxergá-la – quanto mais de encontrar soluções efetivas para amenizá-la –, é difícil de imaginar onde 14% da população vislumbra razões para acreditar que há um rumo a ser trilhado por uma governante que confunde governar com ficar no governo. Talvez os 4% que não souberam o que responder aos pesquisadores do instituto estejam à espera de que, resolvido o impasse do impeachment, Dilma resolva, enfim, presidir o País. E quem se arrisca a apostar?

Outra pesquisa do Ibope, encomendada pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), setor econômico mais prejudicado pela soma de incúria e incompetência nestes anos lulodilmistas, constata uma faceta de lucidez cada vez maior da população quanto à crise que assola o País. De acordo com ela, 65% dos entrevistados consideram a corrupção o principal problema brasileiro. Em 2014, a preocupação com o tema ocupava o terceiro lugar. Em 2012, o quarto. E agora é o primeiro.

“Estarrecido” com as dimensões do desvio do dinheiro público, o cidadão percebe em seu cotidiano que as propinas milionárias pagas a políticos e burocratas por empresários beneficiados não resultam apenas em rombos no Tesouro. Igualmente danosa é a piora da qualidade dos já péssimos serviços públicos em áreas fundamentais como saúde e educação, em decorrência do agravamento das dificuldades financeiras do governo causado pela corrupção.

Ao contrário do que a equipe econômica de Dilma imagina, o cidadão mostra-se também cada vez mais consciente da necessidade de manter a inflação sob controle. Esta é a segunda prioridade entre as listadas pela maioria dos entrevistados, vindo depois da melhora dos serviços de saúde e antes da geração de empregos.

Até quando, diante destes avisos de que o povo não é bobo, Dilma manterá seu desgoverno?

publicidade