Os males da corrupção

A corrupção não é um mal menor. Ela aumenta a desigualdade social, afasta os investimentos, piora o ambiente de negócios, dificulta a criação de empregos, prejudica a qualidade dos serviços públicos, entre outros danos

O Estado de S.Paulo

19 Novembro 2016 | 02h31

A edição do Estado de domingo passado trouxe mais uma reportagem da série A Reconstrução do Brasil, desta vez tratando do combate à corrupção. Mais do que um assunto entre outros da agenda nacional, pôr fim à impunidade é uma necessidade prioritária, já que a corrupção afeta negativamente todas as esferas da vida da sociedade e do Estado.

A corrupção não é um mal menor. Ela aumenta a desigualdade social, afasta os investimentos, piora o ambiente de negócios, dificulta a criação de empregos, prejudica a qualidade dos serviços públicos, entre outros danos.

Faz-se necessário relembrar os males da corrupção, pois – de forma similar ao que ocorreu nos anos 1960, com o bordão “rouba, mas faz”, dos apoiadores de Ademar de Barros, ex-governador de São Paulo – observa-se atualmente nova tentativa de justificar a corrupção. “Com a descoberta do mensalão, em meados da década passada, e de maneira mais enfática agora, com o petrolão, um contingente expressivo de militantes e simpatizantes do PT fechou os olhos para as acusações de corrupção sofridas pelo partido e continuou a apoiá-lo, com o argumento de que o principal é o que ele faz pelos mais pobres. Numa adaptação livre do velho bordão de Ademar, é como se dissessem que o PT ‘rouba, mas distribui’. Ou, então, que ‘rouba, mas faz obra social’. Na essência, são duas maneiras semelhantes de tentar justificar o mesmo fenômeno, que contamina o País e afeta a vida dos cidadãos e das empresas – a pilhagem de dinheiro público”, dizia a reportagem de José Fucs.

Felizmente, nas ruas e nas urnas, a população não tem concordado com esse tipo de lassidão ética, manifestando clara oposição a qualquer sinal de tolerância com a corrupção. Sintoma desse cansaço com a impunidade é a adesão popular a toda proposta de combate à corrupção, como se viu com os mais de 2 milhões de assinaturas a favor das medidas anticorrupção propostas pelo Ministério Público Federal. Mais do que um aval definitivo e integral ao conteúdo da proposta – que exige cuidadoso estudo pelo Congresso Nacional –, o massivo apoio indica o grau de ojeriza da sociedade em relação à corrupção.

O clamor social pelo fim da impunidade não é uma reação histérica ou desproporcional. As investigações da Lava Jato dão inequívocas mostras de como a corrupção se instalou no Estado brasileiro, permeando de forma sistemática as relações entre a administração pública, os partidos políticos e a iniciativa privada. Segundo a Polícia Federal, o propinoduto montado na Petrobrás, envolvendo PT, PMDB e PP, deixou um prejuízo de R$ 42,8 bilhões.

Um estudo do Fórum Econômico Mundial indicou que o Brasil só fica à frente da Venezuela e do Chade, empatado com a Bolívia, na lista dos países mais corruptos do mundo. E os números internos corroboram a classificação internacional. Segundo estimativa da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), feita em 2010, as perdas geradas por corrupção no País alcançam entre 1,38% (R$ 80 bilhões) e 2,3% (R$ 140 bilhões) do Produto Interno Bruto (PIB).

“Em comparação com outros países, a corrupção no Brasil é bem diferente, por ser altamente concentrada na esfera política”, afirmou o professor Matthew M. Taylor, da Universidade Americana, em Washington, nos Estados Unidos. Longe de significar uma desculpa para a corrupção – coisa que, de forma nada isenta, agora desejam os adeptos do lulopetismo –, sua proximidade com a esfera política revela a profunda injustiça social que comporta todo e qualquer desvio de dinheiro público.

Ao diminuir a eficiência do setor público e desviar recursos dos contribuintes do destino que deveria ser dado a eles, a corrupção prejudica especialmente quem mais precisa dos serviços públicos. Por exemplo, ela afeta a qualidade da escola pública e do sistema público de saúde dos quais mais dependem os que dispõem de menos recursos. O combate à impunidade não é, portanto, uma bandeira elitista. Deve ser uma prioridade para todos que anseiam pela reconstrução do Brasil.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.