País exporta mais para Europa e América do Sul

Entre os primeiros trimestres de 2017 e de 2018, a participação das exportações brasileiras para a Europa aumentou de 19,3% para 23,4% do total e, para a América do Sul, passou de 16% para 17,1%

O Estado de S.Paulo

06 Abril 2018 | 03h00

O comércio exterior brasileiro voltou a apresentar resultados favoráveis tanto em março como no primeiro trimestre de 2018, beneficiando-se da recuperação econômica da União Europeia e dos países da América do Sul. O superávit comercial atingiu US$ 6,3 bilhões em março e quase US$ 14 bilhões no trimestre, valor apenas levemente inferior ao de igual período de 2017 (US$ 7,1 bilhões e US$ 14,4 bilhões, respectivamente).

Entre os primeiros trimestres de 2017 e de 2018, a participação das exportações brasileiras para a Europa aumentou de 19,3% para 23,4% do total e, para a América do Sul, passou de 16% para 17,1%, liderada pelas compras da Argentina, cujo peso nas exportações totais evoluiu de 7,6% para 8%. A tendência foi confirmada em março, quando a participação argentina atingiu 8,5%. O crescimento econômico do país vizinho vem superando as expectativas dos analistas em 2018.

Cresceram as exportações brasileiras e ainda mais cresceram as importações do País. Estas, pelo critério da média por dia útil, cresceram no trimestre 15,8% em relação a igual período de 2017.

O avanço de exportações e de importações permitiu um crescimento da corrente de comércio (resultado da soma de vendas e de compras externas) de 13,2% no primeiro trimestre, para US$ 94,8 bilhões. Em 12 meses, até março de 2018, a corrente de comércio, indicador do grau de abertura da economia, atingiu US$ 376,8 bilhões, 14,7% maior do que nos 12 meses precedentes.

Em março, os resultados satisfatórios do comércio exterior se deveram à alta das exportações de manufaturados (óleos combustíveis, suco de laranja, tubos de ferro fundido, aviões, tratores, veículos de carga, autopeças e motores elétricos e destinados a veículos) e de semimanufaturados (celulose e ferro-ligas). Entre os produtos básicos, cresceram mais as vendas de petróleo em bruto, soja em grão, milho em grão, fumo em folhas e carnes bovina e de frango.

As importações merecem atenção especial. O crescimento de 20,5% das compras de bens de capital entre março de 2017 e março de 2018 é um fato positivo, pois revela que os investimentos estão avançando, o que permitirá à economia sustentar um ritmo de atividade mais favorável nos próximos anos. Já a forte elevação das compras de combustíveis e lubrificantes parece ser fato episódico.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.