Parceria Trans-Pacífico

Os EUA e a China entraram em período de crescentes atritos econômicos, políticos e diplomáticos, antecipando uma rivalidade que, mais para a frente, poderá trazer de volta a bipolaridade nas relações internacionais. A relação com a China passou a ser um dos maiores desafios da política externa norte-americana.

Rubens Barbosa, O Estadao de S.Paulo

23 Março 2010 | 00h00

A tensão entre as duas maiores economias globais - neste ano a China vai ultrapassar o Japão - é resultado da percepção de que os dois países cada vez mais terão de tomar a dianteira no equacionamento das questões globais. Daí uma atitude mais crítica da China em relação aos EUA e, da parte destes, um visível endurecimento. A venda de armas a Taiwan, o encontro de Barack Obama com o Dalai Lama, o apoio dado à Google contra a censura na internet, as medidas restritivas contra produtos chineses de exportação (aço, pneus) são exemplos recentes de atitudes norte-americanas. A China criticou duramente os EUA pela crise econômica e tem-se colocado contra as sanções ao Irã no Conselho de Segurança da ONU, além de ter suspendido a cooperação no campo militar e ter feito ameaças de retaliação contra empresas norte-americanas. Adicionalmente poderiam ser lembradas as divergências nas negociações comerciais da Rodada Doha e nas questões relacionadas com a cúpula de Copenhague, a ameaça de venda de títulos do Tesouro americano e as pressões do Congresso americano para a China ser classificada como país que manipula o câmbio, abrindo a porta para sanções comerciais pelos EUA.

A mudança de atitude norte-americana para com a China pode estar relacionada à frustração quanto aos rumos políticos na sociedade chinesa. O governo de Washington saudou a emergência da China como potência econômica global na expectativa, alimentada nos governo Clinton e Bush, de que o desenvolvimento econômico levaria necessariamente a uma abertura política. Para surpresa dos formuladores da política externa norte-americana, não é isso que está ocorrendo. Ao contrário, o regime está hoje mais fechado e mais intolerante.

Até aqui tem prevalecido o interesse recíproco que permite à China ampliar anualmente suas exportações para o mercado americano, sem restrições às violações de direitos humanos e ambientais praticadas por Pequim, e, de outro lado, aos EUA colocar seus títulos do Tesouro nas reservas chineses em níveis perigosamente elevados (pouco menos de US$ 1 trilhão).

Essa situação gera um desequilíbrio pouco saudável para a economia mundial. Seria importante que os EUA poupassem mais, gastassem menos e reduzissem a dívida de longo prazo. A China, por outro lado, deveria fazer ajustes num amplo elenco de políticas para reequilibrar sua economia e estimular a demanda doméstica.

De maneira pouco sutil, a China já fez saber que, se as tensões persistirem, poderão prejudicar o equilíbrio econômico entre os dois países. Os EUA ensaiam atitudes muito mais firmes, em especial na área comercial.

Não parece, no entanto, que, no atual momento, a situação esteja fugindo do controle e desembocando numa crise de graves proporções. Os atritos mais sérios, envolvendo questões políticas, econômicas e mesmo militares, ficarão para as próximas décadas, quando diminuir ou desaparecer a distância que ainda separa hoje, sob qualquer aspecto, as duas principais potências globais.

Enquanto esse cenário de fricções se descortina, o governo norte-americano procura acompanhar as grandes mudanças econômicas que estão ocorrendo na Ásia. China e Japão alteraram suas respectivas políticas contrárias à negociação de acordos de livre-comércio e já estão em processo de negociação de uma série de acordos com seus vizinhos asiáticos, que discriminarão contra as exportações via preferências tarifárias de empresas norte-americanas.

Como reconheceram o presidente Obama e, mais recentemente, o USTR, Ron Kirk, a mudança do eixo dos temas econômicos e comerciais do Atlântico para o Pacífico é uma das transformações globais mais importantes nas relações comerciais e internacionais.

A China, que ultrapassou a Alemanha em 2009, tornou-se o segundo país em termos de trocas comerciais. Na nova divisão de trabalho internacional, a China está se transformando no grande produtor mundial de bens industriais e no grande consumidor de produtos agrícolas, minerais e de metais.

Na celebração dos 20 anos da organização, durante a reunião da Cooperação Econômica Ásia-Pacífico (Apec), o governo norte-americano, apesar das diferenças político-diplomáticas, anunciou que iniciará negociações para o estabelecimento da Parceria Trans-Pacífico (PTP). O presidente Obama, nessa oportunidade, deixou dito que os EUA são um poder do Pacífico e que ele é o primeiro presidente norte-americano do Pacífico.

O representante comercial norte-americano, em dezembro, lançou negociações para um acordo de livre-comércio que ampliaria os mecanismos já existentes entre Nova Zelândia, Chile, Cingapura e Brunei (o chamado P-5) para incluir EUA, Austrália, Peru e Vietnã. Esse acordo, modelado a partir do Nafta (acordo comercial mantido com o Canadá e México), poderia ser gradualmente ampliado para incluir outros países asiáticos, formando o PTP.

Levando em conta a tendência restritiva do Congresso norte-americano em relação ao livre-comércio, não será fácil para o governo Obama conseguir a autorização para negociar um acordo que potencialmente poderia incluir países como Japão, China e Coreia.

A visão estratégica de médio e de longo prazos dos formuladores da política comercial externa norte-americana transcende considerações políticas e diplomáticas conjunturais e é um bom exemplo da conveniência de despolitizar as decisões de natureza comercial na defesa do melhor interesse do país.

PRESIDENTE DO CONSELHO DE COMÉRCIO EXTERIOR DA FIESP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.