Previsões

A tecnologia progrediu muito, mas a natureza e a política ainda nos deixam perplexos

PEDRO CAVALCANTI*, O Estado de S.Paulo

07 Abril 2018 | 03h09

Em outubro de 1895 a Marinha Real Italiana teve a péssima ideia de enviar o contratorpedeiro Lombardia para uma visita de cortesia ao Rio de Janeiro. Dizia-se, é bem verdade, que apesar de suas belezas naturais a cidade vivia amaldiçoada por epidemias de cólera, varíola, peste bubônica e, sobretudo, pela febre amarela. Mas talvez fosse apenas um boato, paranoia ou exagero.

Não era.

Em poucos dias depois de chegar ao porto, o Lombardia perdeu 106 dos seus 240 tripulantes e ficou sem comando nem assistência médica, pois o comandante e o médico de bordo figuravam entre os mortos.

Incidentes como esse fizeram com que as companhias de navegação entre a Europa e Buenos Aires declarassem nos seus folhetos que a ligação seria direta, sem escalas nos perigosíssimos portos brasileiros.

A campanha levada a efeito por Oswaldo Cruz provocou uma violenta reação popular, com cenas de vandalismo e um motim dos alunos da Escola Militar da Praia Vermelha sob o comando do general Travassos. Só se entregaram depois do prédio bombardeado e invadido pelas tropas fiéis ao governo, numa operação de guerra.

Por outro lado, poucos meses mais tarde a varíola desaparecia do Rio de Janeiro. A febre amarela urbana decresceu mais lentamente, mas o último caso comprovado data de 1942. Esse lembrete histórico vem a propósito da dificuldade recorrente quando se tenta prever se uma nova ameaça sanitária ou de outra espécie qualquer é uma tragédia anunciada ou não tem grande importância.

Todas as eventualidades ocorreram recentemente. Os primeiros registros de aids foram menosprezados como algo restrito a casos esporádicos na África, depois se noticiou que estariam expostos apenas certos grupos de risco, até se tornar a pandemia catastrófica que todos conhecemos. Entre 1981 e 2006, a aids foi responsável pela morte de mais de 25 milhões de pessoas, dois terços delas fora da África. Cinco anos mais tarde esse número subira para 39 milhões e só não foi maior graças à eficácia dos novos tratamentos, pois 78 milhões de pessoas haviam sido contaminadas.

O caso do ebola seguiu trajetória oposta. Foi detectado pela primeira vez em 1976, em surtos simultâneos em Nzara, no Sudão, e Yambuku, na República Democrática do Congo, numa região próxima do Rio Ebola, que dá nome à doença. Não se conhecia tratamento e as taxas de mortalidade em certas variedades atingiam 90%. O pânico foi considerável.

O vírus é transmitido por contato com sangue, secreções ou outros fluidos corporais. Apesar da semelhança com o contágio pelo HIV, e de todas as previsões alarmistas, a epidemia de ebola na África Ocidental ficou sob controle em 2015 e praticamente desapareceu em 2016.

Outro exemplo de alarme falso, embora de outra espécie, foi o chamado bug do milênio. Como nos computadores todas as datas eram representadas por somente 2 dígitos, os programas assumiam o 19 na frente para formar o ano completo. Assim, quando o calendário mudasse de 1999 para 2000 o computador iria entender que estava no ano de 19 + 00, ou seja, 1900.

Caso as datas realmente voltassem para 1900, clientes de bancos veriam suas aplicações dando juros negativos, credores passariam a ser devedores e boletos de cobrança para o próximo mês seriam emitidos com cem anos de atraso.

No campo oposto, das maravilhas anunciadas que se transformaram em decepção, tivermos o cometa de Halley, que na sua aparição em 1986 deveria maravilhar a humanidade transfigurando a noite com o brilho de sua cauda gigantesca. Mal e mal se conseguiu divisar alguma coisinha a olho nu.

Sobre os enganos das previsões políticas, o exemplo brasileiro mais recente é a reforma da Previdência, expulsa do palco na véspera da estreia pela intervenção federal na Segurança Pública do Rio de Janeiro. No mundo, tivemos a saída da Inglaterra da União Europeia, contrariando todos os prognósticos, e as ameaças sinistras na ordem do dia impulsionadas pelas bravatas nucleares entre o presidente Donald Trump e seu colega norte coreano, Kim Jong-un.

Em suma, a tecnologia progrediu imensamente, mas a natureza e a política continuam a nos deixar perplexos e desconfiados. Se a grande maioria das pessoas acredita nos riscos do aquecimento global, ninguém encontrou uma explicação convincente para a diminuição do buraco na camada de ozônio.

As grandes explicações científicas mostram seu alcance e seus limites. A revolução darwinista respondeu a muitas perguntas, mas deixou outras sem resposta. Conseguimos entender o mecanismo da evolução das espécies, mas sem o auxílio de alguma religião continuamos totalmente incapazes de dizer qual o seu sentido. Temos o “como”, continuamos a ignorar o “por quê”.

Além disso, ainda hoje cada progresso suscita novas dúvidas. Até hoje não sabemos a que ponto as leis de Darwin se aplicam à sociedade dos homens, mesmo porque não sabemos até que ponto somos “animais como os outros”.

Pode-se falar numa ética da natureza? Qual a correspondência entre a lei da sobrevivência do mais apto e nossos sistemas econômicos e sociais? O chamado capitalismo selvagem é desejável, inevitável, natural? Se rompermos com ele, seremos “castigados” como a natureza castiga as espécies “degeneradas”? Ou, ao contrário, a solidariedade, existente até entre os lobos unidos em alcateias para a caça, é uma característica da raça humana a ser valorizada, respeitada, a única que nos pode salvar do holocausto nuclear? A sociobiologia é uma estupidez nazistoide de terceira classe ou um avanço real?

E agora, como se as dúvidas imemoriais não bastassem, temos a nos assombrar a biotecnologia, a engenharia genética, os alimentos transgênicos, o patenteamento de animais e plantas transformados pelo homem. Em feliz contraponto, a eterna esperança da cura do câncer, escondida nas provetas dos laboratórios ou na biodiversidade da Amazônia.

* PEDRO CAVALCANTI É JORNALISTA E ESCRITOR/ E-MAIL: PRA@UOL.COM.BR

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.